POTENCIALIDADES E LIMITES PEDAGÓGICOS NA UTILIZAÇÃO DOS DISPOSITIVOS MÓVEIS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POTENCIALIDADES E LIMITES PEDAGÓGICOS NA UTILIZAÇÃO DOS DISPOSITIVOS MÓVEIS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS"

Transcrição

1 POTENCIALIDADES E LIMITES PEDAGÓGICOS NA UTILIZAÇÃO DOS DISPOSITIVOS MÓVEIS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Fabíola Anita Romêro Gomes 1 (CEFET-MG) Resumo: O presente artigo visa refletir sobre os limites e as possibilidades trazidas pelo contexto emergente de aprendizagem com mobilidade mobile learning, considerando os recursos e ferramentas presentes nos aparelhos celulares. Os dados foram coletados em uma escola pública de Educação de Jovens e Adultos (EJA) na cidade de Contagem em Minas Gerais, através da pesquisa qualitativa, por meio do estudo de caso. Os resultados obtidos indicam que os estudantes e os professores participantes na investigação são favoráveis à utilização do celular enquanto recurso pedagógico, sendo viabilizado por meio dos projetos de trabalho. Palavras-chave: mobile learning; projetos de trabalho; EJA. Abstract: This article aims to reflect on the limits and possibilities brought by the emerging context of learning mobility - mobile learning, considering the resources and tools available in the mobile handsets. Data were collected in a public school in Education for Youth and Adults (EJA) Count the city of Minas Gerais, through qualitative research, through the case study. The results indicate that students and teachers participating in the study are favorable to the use of mobile as a pedagogical resource, being made possible through the work projects. Keywords: mobile learning; work projects; EJA. Introdução A sociedade atual é fortemente marcada pelas tecnologias, que fazem parte do cotidiano das pessoas, a exemplo dos dispositivos móveis e, em específico, os telefones celulares. Trazendo este pensamento para o âmbito escolar, há o desafio 1 Fabíola Anita Romêro GOMES, Mestranda Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG) Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Estudo de Linguagens - 1 -

2 de se desenvolver uma compreensão sobre os dispositivos móveis e as potencialidades de seu uso pedagógico. A escola ainda apresenta dificuldades e barreiras em relação à crescente invasão dessas tecnologias através dos estudantes. Na EJA, este quadro fica ainda mais visível, considerando que a tecnologia mais utilizada por estes jovens e adultos são os celulares. (FUNDAÇÃO TELEFÔNICA, 2012; IBGE, 2011). Tive a oportunidade de observar esta relação mais de perto quando conclui, em 2009, o curso de Pedagogia e fui atuar como pedagoga na EJA, na rede municipal de Contagem, Minas Gerais. Havia um embate entre professores e estudantes em relação à utilização dos telefones celulares na escola. Os estudantes usavam os celulares exclusivamente para fins pessoais, mas ultrapassavam os limites impostos pela escola, ao ouvir músicas e atender ligações durante as aulas. Em contrapartida, os professores optaram pela tolerância zero aos celulares na escola, recorrendo a leis que proibiam sua utilização em sala de aula. Esta relação conflituosa me incomodava porque penso que a escola deveria se aproximar da realidade dos estudantes, através, também, dos recursos que os mesmos dispõem, transformando vivência e recursos individuais em aprendizagem coletiva. Este interesse foi ampliado quando entramos em contato com a literatura específica da área, mais precisamente os estudos relacionados ao uso de dispositivos móveis como ferramentas voltadas para o processo de ensinoaprendizagem, de forma ubíqua, conduzidos recentemente no Brasil e na Europa (BRITO GUERRA et al, 2012; BOTTENTUIT JÚNIOR, 2012; FERREIRA, 2009; MACEDO, 2008; MOURA, 2010). Este artigo está baseado em estudos como os citados acima e na consideração de que o uso da tecnologia computacional na educação não é um evento recente, mas uma realidade cada vez mais presente nas salas de aula. No entanto, isso não significa que o ensino mediado pelas novas tecnologias deve ser visto como algo melhor ou pior do que o ensino tradicional. Entendemos, com o apoio de Moran - 2 -

3 (2013), Levy (1997), Prensky (2001), Leffa (2006) e Macedo (2008) que a tecnologia, por si só, não é capaz de trazer contribuições para a área educacional se for utilizada como o ingrediente mais importante do processo educativo, ou sem a reflexão humana. Ela deve adequar-se às necessidades de determinado projeto político-pedagógico, colocando-se a serviço de seus objetivos e nunca os determinando. Considerando o quadro apresentado, acreditamos que os dispositivos móveis apresentam possibilidades pedagógicas pouco exploradas por estudantes e professores. Desse modo, essas observações nos levaram a investigar as potencialidades e limites pedagógicos dos dispositivos móveis na EJA, em específico, dos telefones celulares, em uma escola pública do município de Contagem, em Minas Gerais. Para desenvolver o estudo buscamos contribuições nas teorias interpretativas, considerando a interação entre os sujeitos intermediada pelas novas tecnologias, bem como um enfoque qualitativo, pois o recorte delimitado visava responder questões sobre uma situação específica e contextualizada. Além disso, os instrumentos de coleta e análise de dados tiveram fundamentação metodológica nos conceitos de estudo de caso (Ludke e Andre, 1986). Para a coleta de dados, utilizamos questionários, entrevistas, diário de bordo e arquivo contendo a troca de mensagens enviadas e recebidas (SMS) entre a pesquisadora e os sujeitos participantes da pesquisa. Contexto da investigação A investigação foi realizada em uma escola pública de Educação de Jovens e Adultos em Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais. As tarefas pedagógicas elaboradas foram construídas junto com os professores e estudantes que se disponibilizaram a participar do estudo

4 Desta forma, vinculado ao tema que estava sendo trabalhado pelos mesmos sobre astronomia por meio do projeto B. nas estrelas, foram desenvolvidas atividades que envolvessem a utilização pedagógica do telefone celular. Os dados desta investigação foram coletados durante o final do primeiro e o início do segundo semestre de Neste período os estudantes utilizaram os próprios telefones celulares para desenvolver as tarefas propostas. No desenvolvimento do questionário inicial, que tinha por objetivo levantar o perfil do público da instituição e a afinidade com as tecnologias, obtivemos a adesão de 51 estudantes e 3 professores. Posteriormente, na realização do grupo focal, tivemos a adesão voluntária de 8 estudantes, sendo mais participativos 03 estudantes, identificados no estudo como E01, E02 e E03 e o envolvimento mais ativo de 01 professor, de Geografia e História, identificado como PRM. As tarefas que deveriam ser desenvolvidas pelo grupo focal, visavam a utilização das funcionalidades presentes nos aparelhos celulares dos 8 estudantes que fizeram parte do grupo focal, sendo: 1º) Filmar ou tirar foto da visita ao Observatório da UFMG; 2º) Entrevistar uma pessoa amigo, familiar, colega, sobre o tema Astronomia. A resposta podia ser filmada ou gravada; 3º) Durante a visita ao Observatório, entrevistar um estudante da escola que estava participando da visita, registrando a sua opinião em relação à atividade. A resposta podia ser filmada ou gravada; 4º) Elaborar uma pergunta para entrevista ao professor PRM e enviar a pergunta por SMS à pesquisadora e 5º) Gravar ou filmar a entrevista ao professor PRM sobre o projeto B. nas Estrelas, com a participação de todo grupo focal. Jovens e adultos na era digital Cada vez mais visualizamos os impactos tecnológicos sobre o homem, principalmente em seu modo de viver e de se relacionar com o mundo. Convivemos com diversos tipos de tecnologias que fazem parte de nosso cotidiano, e elas vêm - 4 -

5 ocorrendo em um menor intervalo de tempo, principalmente as tecnologias relacionadas à informação e a comunicação. Este avanço tecnológico é sentido por pessoas de todas as idades, sobretudo aquelas nascidas na era digital os nativos digitais (PRENSKY, 2001) e também aqueles que são adultos, que são chamados de imigrantes digitais (PRENSKY, 2001). De acordo com o PNAD/ IBGE (2011), de 2005 para 2011, os bens duráveis com maior crescimento nos lares brasileiros foram o microcomputador com acesso à internet, o microcomputador e o telefone celular. Em relação ao telefone celular, chegou a 115,4 milhões o número de pessoas com dez anos ou mais de idade que têm celular de uso pessoal, ou seja, a população com celular cresceu 107,2%. Os mais velhos e os mais novos foram os que mais fizeram crescer o contingente. A proporção de pessoas com 60 anos ou mais com celular aumentou 161,3% e a proporção das jovens de dez a 14 anos com celular cresceu 118,2%. Jovens e adultos na escola: novas perspectivas A educação de jovens e adultos (EJA), de acordo com a LDB (1996), é uma oferta de educação regular, destinada às pessoas que não tiveram acesso à escolarização na idade própria ou cujos estudos não tiveram continuidade nos níveis fundamental e médio. Assim, estudantes a partir de 15 anos completos podem cursar o ensino fundamental e estudantes a partir de 18 anos completos podem cursar o ensino médio, ambos na modalidade de EJA. Os estudantes que procuram as escolas de EJA são pessoas que por algum motivo pessoal, social, econômico ou cultural, abandonaram a escola regular, no tempo em que deveriam estar estudando. São indivíduos com idades entre 15 e 60 anos aproximadamente e normalmente de classes sociais mais baixas

6 De acordo com o IBGE (2011), o Brasil ainda possui 8,6% de analfabetismo na população de 15 anos ou mais. Isto equivale a 12,9 milhões de brasileiros. Neste sentido, de acordo com Di Pierro (2004, p. 16), para aumentar, flexibilizar, diversificar e qualificar as oportunidades educacionais, o lugar da Educação de Jovens e Adultos na agenda da política educacional brasileira terá de ser revisto. Segundo Paulo Freire (2000), principal referência na EJA, a escola deve primar pela participação ativa e dinâmica do estudante trabalhador na sala de aula. Por meio de sua pedagogia dialógica e problematizadora, ele defende que a experiência de vida dos estudantes é a base para a construção dos novos conhecimentos dos mesmos. Freire (2000) acredita que o sujeito deve ser autônomo, procurando construir o seu próprio conhecimento, através da curiosidade e interesse pelo saber e que cabe a escola instigar este processo. Desta forma, a EJA se apresenta como mais um espaço de construção da autonomia, como tempo de aprendizagem, movimento de vida e possibilidade de concretização de um direito (CUNHA & SILVA, 2004). Pensar, portanto, o cidadão como sendo o principal agente de mudança da realidade em que vive é pensar numa educação libertadora (FREIRE, 1997) em que os conhecimentos construídos pelo sujeito aprendiz são a possibilidade de compor e transformar a si próprio e o meio com o qual se relaciona. Nesta perspectiva, os Projetos de Trabalho se apresentam como uma opção para a EJA. Projetos de Trabalho: uma opção para a EJA Fernando Hernandez & Montserrat Ventura (1998) definem projeto como uma forma de organizar a atividade de ensino e aprendizagem ou os conhecimentos escolares, adotando como aspectos essenciais a aprendizagem significativa e o conhecimento globalizado

7 De acordo com Almeida & Moran (2005), o trabalho com projetos questiona o currículo engessado, ao propor atividades que partam das problemáticas que permeiam o cotidiano dos estudantes. Desta forma, Hernandez & Ventura (1998) pontuam que um projeto pode organizar-se seguindo determinado eixo: a definição de um conceito, um problema geral ou particular, um conjunto de perguntas interrelacionadas, uma temática que valha a pensa ser tratada por si mesma. Nesta perspectiva, conforme ressalta Espíndola (2005), os conteúdos não se apresentam mais como um fim em si mesmos, mas ganham significados diversos a partir das vivências sociais dos estudantes e passam a ser meios para a ampliação de seu universo cognitivo, mediando seu contato com a realidade de forma crítica e dinâmica. Nesta prática, os estudantes são sujeitos ativos da aprendizagem, onde os professores devem propor estratégias e reflexões que contemplem a autoria dos estudantes e preservem, de acordo com Hernandez & Ventura (1998), a função principal da escola: o desenvolvimento da autonomia do ser humano, a produção de conhecimento e a construção da cidadania. Para levar adiante a organização curricular a partir de Projetos de trabalho, Hernandez & Ventura (1998) destacaram as seguintes bases teóricas, que os fundamentam: 1. Aprendizagem significativa, partindo do que os estudantes já sabem a respeito do tema abordado; 2. Aprendizagem conectada com os interesses dos estudantes, buscando uma atitude favorável para o conhecimento e aprendizagem; 3. Previsão, por parte dos docentes, de uma estrutura lógica e sequencial dos conteúdos, numa ordem que facilite sua compreensão; - 7 -

8 4. Sentido de funcionalidade do que se deve aprender, considerando os procedimentos e as diferentes alternativas organizativas aos problemas abordados; 5. Valorização da memorização compreensiva de aspectos da informação, que constituem-se em base para novas aprendizagens e relações; 6. A avaliação, que se destina, sobretudo, a analisar o processo seguido ao longo de toda sequencia e das inter-relações criadas na aprendizagem. Assim, os projetos de trabalho são uma forma de fazer com que o estudante seja participante ativo na construção de seu conhecimento, incluindo-o em todo o processo de aprendizagem. A partir dessa ótica, de acordo com Freire et al. (1998), o estudante, sujeito ativo da aprendizagem, aprende ao levantar, fazer e testar ideias, experimentar, construir conhecimentos e representar o pensamento. Cabe ao docente, como mediador da aprendizagem, possibilitar situações que promovam a interação, o trabalho em grupo, a busca de informações e de novas possibilidades, assim como a construção de novos conhecimentos, principalmente nesta era da aprendizagem móvel, como apresentado a seguir. Dispositivos móveis na EJA m-learning Para Ferreira (2009), ao testemunharmos as novas formas de viver e de aprender fora da escola, baseadas em formas de interação mediadas por tecnologias digitais, podemos questionar se a escola, tanto no que se refere ao que ensina como a forma que ensina, está adequada aos tempos atuais, ou se está defasada em relação ao mundo a sua volta. Desta forma, a educação, as novas tecnologias e o conhecimento têm sido alvo de atenção, se considerarmos que o uso das mesmas pode contribuir para novas práticas pedagógicas desde que baseadas em novas concepções de - 8 -

9 conhecimento, de estudante e de professor, transformando uma série de elementos que compõem o processo de ensino-aprendizagem. A grande maioria dos jovens e adultos possui telefones celulares e o uso pedagógico dos mesmos, de acordo com Ferreira (2009), promove o desenvolvimento de competências na utilização de conteúdos digitais e na realização de tarefas colaborativas essências na era digital, caracterizada pela globalização, interação e mediação. A utilização destes dispositivos pelos estudantes é incontornável, portanto a escola precisa criar oportunidades para utilizar estes dispositivos a favor das suas práticas pedagógicas. É neste contexto que surge o m-learning. Mobile learning (m-learning), de acordo com Moura (2010), é um termo didático-pedagógico, usado para designar um novo paradigma educacional, definido como o processo de aprendizagem que ocorre apoiado pelo uso de dispositivos móveis, tendo como característica fundamental a portabilidade dos dispositivos e a mobilidade dos sujeitos. Resumidamente, de acordo com Ferreira (2009), o termo m-learning, em português, pode ser traduzido por aprendizagem móvel. Uma das características do m-learning, de acordo com Moura (2010) é o aproveitamento dos dispositivos que os estudantes, jovens e adultos, usam e levam com eles para todo o lado, que consideram dispositivos pessoais e amigáveis, que são fáceis de usar, que usam constantemente em todos os momentos da vida e numa variedade de situações, exceto ainda na esfera educativa. É, pois, urgente, enfrentar esta questão e ter em consideração, tanto metodologias, como conteúdos (MOURA, 2010). Mudar as metodologias em primeiro lugar e aprender a comunicar na linguagem e estilo dos estudantes, ou seja, se letrar digitalmente (RIBEIRO, 2009), fatores que verificamos no estudo conforme mostrado a seguir

10 Limites e possibilidades Por se tratar de uma investigação qualitativa, optamos pela tematização dos dados nas seguintes categorias: EJA; Projetos de Trabalho; Funcionalidade; Mobile Learning e Letramento Digital, considerando os limites e as potencialidades em cada um deles. Dinâmicas da EJA No decorrer da investigação enfrentamos algumas dificuldades relacionadas ao fluxo dos estudantes e ao calendário escolar, ou seja, aos tempos da EJA. Uma das características da EJA é a infrequência dos estudantes, e na escola onde aconteceu esta pesquisa não era diferente. Por se tratarem de jovens e adultos, esses sujeitos possuem diversas demandas extra-escolares. Como ressaltado por Cunha & Silva (2004, p. 50), olhamos para sujeitos que vivenciam uma variedade de situações concretas, formadoras de subjetividades. Desta forma, os estudantes faltavam com freqüência e isso refletiu na coleta de dados e no desenvolvimento do Grupo Focal. Na EJA também existe uma rotatividade de professores, e no decorrer do projeto alguns professores saíram e outros entraram. O professor de Ciências, que estava envolvido no projeto B. nas estrelas, por diversos motivos, acabou não acompanhando as fases finais do projeto, ficando mais ao cargo do professor de Geo./História encaminhar as atividades. No entanto, a escola, por meio da iniciativa de alguns professores, buscou trabalhar com estas características da EJA a seu favor, por meio dos projetos de trabalho

11 Projetos de Trabalho A escola investigada já tinha a prática de desenvolver projetos. Na EJA eles acontecem com mais freqüência, devido as possibilidades de flexibilidade e (re)significação dos tempos e espaços. Uma grande parte dos projetos e atividades desenvolvidos pelos professores acontecia fora do espaço escolar, mas no horário das aulas. Os projetos que aconteciam dentro da escola, demandavam reorganização dos tempos, não sendo marcados por horários rígidos. O projeto B. nas estrelas abarcou estes dois momentos: dentro e fora da escola. A atividade fora da escola foi a visita ao Observatório da UFMG. O professor responsável já tinha o costume de trabalhar com projetos e de acordo com ele, os projetos de trabalho são a sobrevivência da educação, no sentido que você consegue, através de projetos, desenvolver uma linguagem mais direta, uma proposta mais eficaz. Tem projetos que você fica ali nos duzentos dias letivos, talvez infinitos. Então a eficácia está nos projetos. (PRM) O seu pensamento vem ao encontro de teóricos que defendem os projetos de trabalho. De acordo com Almeida & Moran (2005), o trabalho com projetos questiona o currículo engessado, ao propor atividades que partam das problemáticas que permeiam o cotidiano dos estudantes, que considere a demanda e a vivência dos sujeitos. Podemos perceber então que este trabalho conjunto, entre pesquisa e projeto, considerando o interesse dos estudantes, ajudou na aprendizagem significativa dos mesmos, como demonstrado na fala de E02 Ajuda sim. É o conhecimento. Muitas coisas que pelo menos eu não sabia, coisas que eu nunca tinha ouvido falar, eu aprendi... São conhecimentos que a gente guarda para a vida toda

12 Verificamos então que os projetos de trabalho contribuem para a utilização do telefone celular como ferramenta pedagógica, considerando a disponibilidade, envolvimento e flexibilidade da comunidade escolar. No entanto, quais funcionalidades do aparelho celular, voltadas para a aprendizagem, os estudantes poderiam utilizar? Funcionalidades do telefone celular Em primeiro lugar, destacamos a familiaridade dos estudantes com este dispositivo móvel, como também constataram Ferreira (2009), Macedo (2009) e Moura (2010). Como apresentado pelos dados do questionário, a maioria dos estudantes possuíam telefones celulares com recursos de câmera, jogos, internet, Bluetooth, mp3 e utilizavam com freqüência a maioria destas funções, somando a isso o envio de mensagens (SMS). Desta forma, o telefone celular não é apenas um aparelho para se fazer ligações. São verdadeiras centrais multimídias (ANTÔNIO, 2010). Na fala de PRM, Eu acho que o celular é uma central de multimídia, ele atende plenamente todas as oportunidades: ouvir música, ouvir rádio, tirar foto, filmar, falar, ouvir, conectar internet. Praticamente 100% dos estudantes participantes do grupo focal possuíam celulares com os recursos de câmera, jogos, internet, Bluetooth e mp3 e sabiam utilizar estas funções. O gravador de voz foi a função que eles menos utilizavam, sendo que alguns estudantes não sabiam como ela funcionava, buscando instruções de uso para pesquisadora e colegas da escola. Assim, analisando as tarefas propostas ao grupo focal, observamos que os estudantes que desenvolveram as atividades não apresentaram dificuldades para utilizar a maioria dos recursos disponíveis em seus aparelhos celulares

13 Os limites para o desenvolvimento das tarefas se condicionaram aos recursos dos aparelhos celulares, como baixa qualidade da câmera e vídeo e ao envio de SMS, sendo esta uma das atividades de menor retorno, aproximadamente 50% dos estudantes. Ao avaliar as funções utilizadas, os estudantes gostaram de filmar, tirar foto e gravar. Esta última foi a que eles mais gostaram. Desta forma, considerando a utilização das funcionalidades do telefone celular nas atividades propostas, questionamos os estudantes e o professor M. sobre o potencial do telefone celular como ferramenta de aprendizagem e eles avaliaram que a sua utilização é possível. Na fala de PRM O celular é o vislumbre do momento. É o objeto de desejo de todo mundo. Menino de 10 anos já quer ter um celular... Eu acho que o celular tendo esta característica de multimídia e ele sendo portátil, eu acho que ele atende bastante, atende plenamente. Eu acho até que supre ai um custo maior de notebook, de netbook, tablet. O celular é uma conexão portátil e multimídia. Eu acho fantástico... e com um preço acessível. Sobre as características que os telefones celulares devem ter para se tornarem ferramentas de aprendizagem eles apresentaram em primeiro lugar a internet, seguido da câmera, mensagem e calculadora. No que se refere aos limites para a instauração desta tecnologia como ferramenta útil de aprendizagem, eles apresentaram os altos custos da internet, a conexão lenta, os recursos de alguns aparelhos celulares e a incompatibilidade entre alguns destes dispositivos. Mobile Learning Neste tópico, os questionários apresentaram que no grupo focal, 87% dos estudantes já haviam utilizado o telefone celular para atividades escolares e 100%

14 considerava positiva a utilização deste aparato tecnológico para atividades escolares, reconhecendo o seu potencial como ferramenta de aprendizagem. Acreditamos, como apresentado por Moura (2010), que estes dados favoreceram a aceitação às atividades propostas para este grupo relacionadas à utilização do telefone celular. Na entrevista eles disseram que a possibilidade de utilizar o próprio aparelho facilita o processo, demonstrando um favorecimento à apropriação do telefone pessoal como ferramenta de aprendizagem. No entanto, E01 e E02 pontuaram que tem que ser um celular que permita tirar fotos, gravar, e ter acesso à internet, ou seja, que tenha recursos para desenvolver as atividades, conforme apresentado no tópico anterior. De acordo com Coscarelli (2011, p. 28), com a internet o que era impossível passa a ser alcançável. O que não era realidade dos alunos (e que muita gente acredita que não deve ser) passa a poder fazer parte do dia a dia deles. Além das funcionalidades, E01 acrescentou que também depende da matéria, de como o professor vai encaminhar e de quais atividades ele vai solicitar. Para isto, PRM ressalta que é necessário promover formações aos professores para lidar com esta ferramenta. Desta forma, questionamos aos estudantes e ao professor, sobre o potencial do telefone celular como ferramenta para aprender em qualquer lugar e a qualquer hora, ou seja, a aprendizagem ubíqua, e eles avaliaram positivamente, ou, na fala de E01, uma mão na roda. Como constatado por Moura (2010), acreditamos que os estudantes compreenderam que o telefone celular dilui as fronteiras da sala de aula e a aprendizagem pode acontecer em qualquer momento, adotando esta prática no seu dia-a-dia, conforme apresentado na fala de E02 O celular hoje para gente é uma aprendizagem. Muitas coisas que você não sabe, se você tem dúvida, você busca ali na internet que você acha. Alguma noticia que você quer saber, informação que você quer saber que não tem. Hoje em dia eu acho que é importante. Eu uso direto, no meu trabalho, em casa

15 Nesta fala também percebemos a autonomia do estudante para construir o seu próprio percurso de aprendizagem, outra característica do m-learning, de acordo com Sharples et al. (2007). Em relação à aprendizagem colaborativa, os estudantes consideraram significativas as atividades de interação, entre estudante e estudante, e professor e estudante. Eles reforçaram a importância da interação entre os sujeitos, bem como um trabalho mais próximo e significativo, dados estes também levantados por Moura (2010) e Sharples et al. (2007). Letramento Digital Ao analisar os dados do questionário, bem como as entrevistas, consideramos relevante fazer uma reflexão sobre o letramento digital. Os dados do questionário demonstraram que grande parte dos estudantes que consideraram o telefone celular sem utilidade para atividades escolares, se encontra na faixa dos 30 a 39 anos, e acreditamos estar ligado, dentre outros, a não familiaridade com esta tecnologia, já que foi nesta faixa também que tivemos menos estudantes que utilizavam variadas funções dos dispositivos móveis, mesmo os aparelhos possuindo os recursos. Logo associamos este quadro às características presentes nos imigrantes digitais (PRENSKY, 2001), devido às dificuldades destes estudantes em compreender e expressar-se digitalmente. No entanto, esta não é só uma dificuldade apresentada pelos estudantes. Mesmo apoiando a utilização do telefone celular como ferramenta de aprendizagem, PRM confessa A gente (considerando as pessoas e os professores da sua idade) ainda não sabe lidar com a tecnologia. Nós pegamos o final dos anos 90, e entramos nesta tecnologia de informática e celular. Ainda não domino

16 Mesmo assim, estas dificuldades não impedem que os estudantes e professores possam aprender a utilizar estas tecnologias, buscando se letrar digitalmente. De acordo com Lévy (1999), letramento digital pode ser entendido como um conjunto de técnicas materiais e intelectuais, de práticas, de atitudes, de modos de pensamento e valores que se desenvolvem juntamente com o crescimento do ciberespaço, como sendo um novo meio de comunicação. (LÉVY,1999, p. 17) Desta forma, Ribeiro (2009) ressalta que as pessoas precisam aprender a fazer uso da tecnologia para gerar um benefício ou comodidade para ela. Foi esta postura que o professor e os estudantes entrevistados buscaram desenvolver, frente as suas dificuldades com a tecnologia. Mas não são somente os imigrantes digitais que precisam se letrar digitalmente. De acordo com a análise dos dados do questionário e das entrevistas, os nativos digitais também precisam aprimorar o seu grau de letramento digital, já que, como apresentado por Buzato (2001), letramento digital não quer dizer apenas saber como utilizar as tecnologias digitais, mas também entrar em contato com elas de maneira significativa, entendendo seu uso e possibilidades em nossa vida em sociedade, de maneira crítica e com responsabilidade. Na escola pesquisada, conforme apresentado, a proibição do aparelho celular estava muito associada a forma do estudante não saber lidar com a tecnologia no espaço escolar, ouvindo música alta, utilizando o aparelho celular dentro da sala de aula, durante a aula, para ouvir música, ligar e enviar mensagem. Ou seja, o estudante precisa saber como utilizar esta tecnologia nos diferentes espaços, buscando, como apresentado por Coscarelli (2013), uma educação digital, que discuta suas implicações éticas e morais, para além da utilização instrumental. Este termo também apareceu na fala de PRM

17 O estudante não tem educação digital. Não é culpa dele. É uma coisa recente, que nos ainda estamos caminhando. E hoje estourou mais de um aparelho por habitante no Brasil, em muito pouco tempo, realmente não sabemos lidar com isso. Desta forma, cabe à comunidade escolar, por meio do trabalho conjunto entre os nativos e imigrantes digitais, buscarem o letramento e a educação digital. O que não deve acontecer, como apresentado por PRM, é a escola fechar os olhos para a tecnologia, no caso o telefone celular, que se apresenta como uma super ferramenta... e uma grande oportunidade (PRM). Considerações finais Este estudo buscou analisar o uso da tecnologia móvel de comunicação voltada para a aprendizagem com mobilidade e o ensino na Educação de Jovens e Adultos (EJA), considerando as suas potencialidades e limites pedagógicos. Neste contexto, consideramos o mobile learning como um novo paradigma educacional, sendo possível a sua inserção por meio dos projetos de trabalho. Os dados do estudo também caminharam neste sentido. Por meio de uma coleta de dados qualitativa, através do desenvolvimento de atividades que visavam à utilização do aparelho celular no projeto B. nas Estrelas, os estudantes e professor demonstraram ser possível a utilização do celular enquanto ferramenta pedagógica. As principais limitações encontradas foram: a infrequência dos estudantes; alteração do calendário escolar; dificuldades em lidar com algumas funcionalidades; incompatibilidade entre aparelhos diferentes. As principais possibilidades para a utilização pedagógica do aparelho celular na Educação de Jovens e Adultos são: a flexibilização dos tempos e espaços; os projetos de trabalho; as funcionalidades - internet, vídeo e câmera; a familiaridade

18 com a tecnologia; a autonomia e a interação entre os sujeitos e a disponibilidade para se letrarem digitalmente, tanto o professor, quanto os estudantes. Assim como apresentado por Moura (2010), um dos aspectos mais relevantes da utilização do telefone celular como ferramenta pedagógica está relacionada ao fato de ser utilizado, no contexto escolar, um aparato tecnológico que é propriedade dos estudantes. A utilização das novas tecnologias da informação e da comunicação na educação tem consequências, tanto para a prática docente como para os processos de aprendizagem. O futuro sucesso do m-learning em ambiente escolar dependerá da predisposição dos professores em adotar as tecnologias móveis na sala de aula. Para tanto, é necessário mudar a forma do ensino baseado na transmissão ou exposição, em que o professor transmite informação para alunos passivos e sem conhecimento. Os professores devem se transformar em mediadores do conhecimento. Eles precisam acreditar que a integração de uma ou outra tecnologia é positiva para as experiências de aprendizagem. Para tanto, precisam buscar se letrar digitalmente, (re)significando sua prática docente. Como apresentado por Moura (2010), os dispositivos móveis, ferramentas ubíquas, multimídias e portáteis, mudam a natureza do conhecimento e discurso e consequentemente, a natureza da aprendizagem e a forma como se aprende. Mesmo não sendo o objetivo da investigação, verificamos que os estudantes E01, E02 e E03, a partir das tarefas desenvolvidas com seus telefones celulares, bem como o professor PRM, considerando a proposta do estudo e as conversas informais com a pesquisadora, (re)significaram o papel das tecnologias na sua vida, estendendo as possibilidades de sua utilização para atividades extra-escolares, como trabalho, vida pessoal, passeios, dentre outros. Como possibilidades futuras, avaliamos que seria significativa uma parceria entre empresas de telefonia e escola, visando uma redução de custos; formação

19 continuada para os professores sobre as possibilidades pedagógicas do uso de dispositivos móveis e o estreitamento das relações entre universidade e escola. Referências ANTONIO, José Carlos. Uso pedagógico do telefone móvel (Celular). Professor Digital, SBO, 13 jan Disponível em: <http://professordigital.wordpress.com/2010/01/13/uso-pedagogico-do-telefonemovel-celular/&gt>. Acesso em: 10/05/2013. ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcin; MORAN, José Manoel (Org.) Integração das tecnologias na educação: salto para o futuro. Brasília, DF: MEC, BOTTENTUIT JUNIOR, J.B. Do Computador ao Tablet: Vantagens Pedagógicas na Utilização de Dispositivos Móveis na Educação. Revista EducaOnline, ISSN , Vol. 6, N 1, Jan/Abril BRASIL. Lei n /96. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. BRITO GUERRA, L. N. et al. Mobile Learning: O caso de uma Universidade privada de uma capital do Nordeste. Revista Gestão e Planejamento, Salvador, v. 13, n. 2, p , maio/ago Disponível em: <http://www.revistas.unifacs.br/index.php/rgb>. Acesso em: 08/05/2013. BUZATO, M. E. K. O letramento eletrônico e o uso do computador no ensino de língua estrangeira: contribuições para a formação de professores. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Disponível em: <http://libdigi.unicamp.br/document/?down=vtls >. Acesso em: 10/05/2013. COSCARELLI, Carla Viana. Alfabetização e Letramento digital. In: Coscarelli, Carla Viana & Ribeiro, Ana Elisa (Orgs.). Letramento digital: aspectos e possibilidades pedagógicas. 3ª Ed. Belo Horizonte: CEALE; Autêntica, Ler é mais que ler: a leitura em tempos digitais. Palestra proferida na Faculdade de Educação da UFMG em 16/04/

20 CUNHA, Charles Moreira; SILVA, Maria Clemência de Fátima. A Educação de Jovens e Adultos: a diversidade de sujeitos, práticas de exclusão e inclusão das identidades em sala de aula. IN: DINIZ, Margareth. VASCONCELOS. Renata Nunes. (orgs.). Pluralidade cultural e inclusão na formação de professores e professoras: gênero, sexualidade, raça, educação especial, educação indígena, Educação de Jovens e Adultos. Belo Horizonte: Formato Editorial, DI PIERRO, Maria Clara. Um balanço da evolução recente da educação de jovens e adultos no Brasil. Alfabetização & cidadania, São Paulo, v. 17, p.11-23, ESPÍNDOLA, Karen. A pedagogia de projetos como estratégia de ensino para alunos da educação de jovens e adultos: em busca de uma aprendizagem significativa em Física. Dissertação de Mestrado, Instituto de Física, UFRGS, Porto Alegre, FERREIRA, E. Jovens, Telemóveis e Escola. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Portugal, Disponível em: <http://mobilelearner.blogspot.com.br/>. Acesso em: 10/05/2013. FREIRE, F. M. P; PRADO, M. E. B. B.; MARTINS, M. C. & SIDERICOUDES, o. A implantação da informática no espaço escolar; questões emergentes ao longo do processo. Revista Brasileira de Informática na Educação, Santa Catarina,. n. 3, set, FREIRE, Paulo. A educação como prática de liberdade. Rio de Janeiro: Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Paz e Terra, FUNDAÇÃO TELEFONICA VIVO. Gerações Interativas Brasil Crianças e Jovens diante das Telas Disponível em: <http://www.fundacaotelefonica.org.br/home/>. Acesso em: 10/05/2013. HERNANDEZ, Fernando; VENTURA, Montserrrat. A organização do currículo por projetos de trabalho. Tradução por Jussara Haubert Rodrigues, 5ª Ed. Porto Alegre, Artes Médicas, IBGE. Acesso à internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal. In: PNAD, Disponível em: <ftp://ftp.ibge.gov.br/acesso_a_internet_e_posse_celular/2011/pnad_inter_2011. pdf>. Acesso em: 10/05/

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA Resumo: O programa traz uma síntese das questões desenvolvidas por programas anteriores que refletem sobre o uso de tecnologias

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Luciana Pereira de Sousa 1 Carmem Lucia Artioli Rolim 2 Resumo O presente estudo propõe discutir o contexto da formação dos pedagogos para o ensino da

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento Nirave Reigota Caram Universidade Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: nirave.caram@usc.br Comunicação Oral Pesquisa em Andamento

Leia mais

OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013

OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013 OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013 Resumo Indira Aparecida Santana Aragão 1 - FCT/UNESP Grupo de Trabalho Educação da Infância Agência Financiadora:

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais

TELEMEDICINA:NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO SUPERIOR

TELEMEDICINA:NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO SUPERIOR TELEMEDICINA:NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO SUPERIOR Alessandra R. M. de Castro-HE-UFPEL/FAU 1 Resumo: O presente estudo trata do relato de experiência a partir de uma nova tecnologia, denominada telemedicina,

Leia mais

LEITURA EM TELA NO PONTO BALE/CTI

LEITURA EM TELA NO PONTO BALE/CTI LEITURA EM TELA NO PONTO BALE/CTI Renata Paiva de Freitas/UERN renata18.love@hotmail.com Claudia Magna Pessoa da Silva/UERN lookpessoa@gmail.com Maria Lúcia Pessoa Sampaio/UERN malupsampaio@hotmail.com

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

Produção de Videoaulas de Física para a Internet Leonardo Senna Zelinski da Silva Silvia Leticia Ludke

Produção de Videoaulas de Física para a Internet Leonardo Senna Zelinski da Silva Silvia Leticia Ludke Instituto Federal do Paraná Licenciatura em Física Produção de Videoaulas de Física para a Internet Leonardo Senna Zelinski da Silva Silvia Leticia Ludke SUMÁRIO 1 Introdução... 2 2 Justificativa... 4

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊCIA SOBRE O PROCESSO DE ENSINO DE ESPANHOL- LÍNGUA ESTRANGEIRA (E-LE) COM O USO DAS TICs, EM PARCERIA COM O PROJETO PIBID/UEPB

RELATO DE EXPERIÊCIA SOBRE O PROCESSO DE ENSINO DE ESPANHOL- LÍNGUA ESTRANGEIRA (E-LE) COM O USO DAS TICs, EM PARCERIA COM O PROJETO PIBID/UEPB RELATO DE EXPERIÊCIA SOBRE O PROCESSO DE ENSINO DE ESPANHOL- LÍNGUA ESTRANGEIRA (E-LE) COM O USO DAS TICs, EM PARCERIA COM O PROJETO PIBID/UEPB Sirleide Marinheiro da Silva (PIBID/UEPB) 1 Sirleide_22@hotmail.com

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

O ENSINO A DISTÂNCIA EM GEOGRAFIA NA UNIMONTES: UM ESTUDO DE CASO

O ENSINO A DISTÂNCIA EM GEOGRAFIA NA UNIMONTES: UM ESTUDO DE CASO O ENSINO A DISTÂNCIA EM GEOGRAFIA NA UNIMONTES: UM ESTUDO DE CASO BARROS, Joselita Ferreira Batista 1 ; NEVES, Lisa Vany Figueiredo Ribeiro 2 1 Especialista em Geografia, Ensino e Meio Ambiente e em Educação

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Alfabetização, EJA, Inclusão, Facebook.

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Alfabetização, EJA, Inclusão, Facebook. A INCLUSÃO DIGITAL E O FACEBOOK NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EJA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA POMBAL PB Autor (1) Amélia Maria

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO.

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: UFF/CMIDS E-mail: mzosilva@yahoo.com.br RESUMO A presente pesquisa tem como proposta investigar a visão

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM Justificativa ABREU,Tamires de Sá 1 BARRETO, Maria de Fátima Teixeira² Palavras chave: crenças, matemática, softwares, vídeos.

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Lygia de Assis Silva Sérgio Paulino Abranches Universidade Federal de Pernambuco lygia1@hotmail.com/ Este

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula

Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida alerta que o currículo escolar não pode continuar dissociado das novas possibilidades tecnológicas

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS

O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS 1 O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS Introdução Raema Almeida Borges (UEPB) Visando observar como está sendo a leitura dos professores em formação, que auxiliarão os novos leitores, a turma de Português

Leia mais

O CIBERESPAÇO NO ENSINO E GEOGRAFIA: A PROBLEMÁTICA DO USO/DESUSO DO GOOGLE EARTH EM ESCOLAS PÚBLICAS DE DIAMANTINA

O CIBERESPAÇO NO ENSINO E GEOGRAFIA: A PROBLEMÁTICA DO USO/DESUSO DO GOOGLE EARTH EM ESCOLAS PÚBLICAS DE DIAMANTINA O CIBERESPAÇO NO ENSINO E GEOGRAFIA: A PROBLEMÁTICA DO USO/DESUSO DO GOOGLE EARTH EM ESCOLAS PÚBLICAS DE DIAMANTINA Bernadeth Rocha de Araujo bernarocha2006@yahoo.com.br Bacharel em Humanidades e Licencianda

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D Luzivone Lopes GOMES UEPB luzivone@gmail.com Filomena Mª Gonçalves da Silva Cordeiro Moita - UEPB filomena_moita@hotmail.com

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 CARGO E UNIDADES: Professor de Educação Infantil e Fundamental (MACAÍBA) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova:

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS Dificuldades de Palestra EF e EM Todas Conscientizar sobre as dificuldades de aprendizagem aprendizagem que podem ser manifestadas pelos alunos numa sala de aula e sugerir ações de encaminhamento, conforme

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) LOURENÇO, Érica Simone 1 PELOZO, Rita de Cassia Borguetti 2 VIEIRA, Kátia Solange Borges 3 VIEIRA, Rosimeire Garcia 4 RESUMO Este artigo tem como

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 64 A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 Edson da Silva Santos e-mail: edsonsporte@hotmail.com Bolsista FAPESB, Bacharelando

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS 1 A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS RESUMO: Este trabalho apresenta a pesquisa, que está em andamento, que tem como objetivo

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA Fernanda Mara Cruz (SEED/PR-PG-UFF) Introdução Os processos de ensinar e aprender estão a cada dia mais inovadores e com a presença de uma grande variedade

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização Juliana Ferreira Universidade Estadual Paulista UNESP- Araraquara E-mail: juliana.ferreiraae@gmail.com Silvio Henrique

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS. Plano de Curso 2012

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS. Plano de Curso 2012 1. EMENTA Origem e desenvolvimento dos conceitos e concepções de Letramento. Usos e funções sociais da escrita. Letramento e oralidade. Letramento, alfabetização e alfabetismo: conceitos, indicadores e

Leia mais

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL José Euriques de Vasconcelos Neto (UFCG); Dennis Cláudio Ferreira (UFCG) Resumo O atual sistema educacional tem buscado

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA

O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA Ana Lhayse Feitoza Albuquerque analhayse@hotmail.com Beatriz Correia Neri de Araújo beatrizneri00@hotmail.com Thays Emanuela

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO QUANTO É? Danielle Ferreira do Prado - GEEM-UESB RESUMO Este trabalho trata sobre um trabalho que recebeu o nome de Quanto é? que foi desenvolvido depois de vários questionamentos a cerca de como criar

Leia mais

O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades

O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades Rodolfo Fortunato de Oliveira Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP rodolfo_fdeoliveira@hotmail.com

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2]

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2] PROFESSOR OU EDUCADOR? CIDADANIA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO DE LITERATURA E DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Referência: TOGNATO, M.I.R..

Leia mais

I CIPPEB - CONGRESSO INTERNACIONAL DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RELATO DE EXPERIÊNCIA

I CIPPEB - CONGRESSO INTERNACIONAL DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RELATO DE EXPERIÊNCIA RELATO DE EXPERIÊNCIA SEMANA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA Mestranda Rita Aparecida Nunes de Souza da Luz PROGEPE UNINOVE Resumo O objetivo desse trabalho é relatar a experiência

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

Ciência, Educação e Tecnologia Tecnologia e Educação: Possibilidades Pedagogia Portal do Professor Objetivo

Ciência, Educação e Tecnologia Tecnologia e Educação: Possibilidades Pedagogia Portal do Professor Objetivo Ciência, Educação e Tecnologia Teleaula 6 Profa. Mônica Caetano Vieira da Silva tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Tecnologia e Educação: Possibilidades Pedagogia Portal do Professor

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO MULTIMÍDIA SOBRE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIA PARENTERAL: INTRAVENOSA, INTRAMUSCULAR E SUBCUTÂNEA

CONSTRUÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO MULTIMÍDIA SOBRE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIA PARENTERAL: INTRAVENOSA, INTRAMUSCULAR E SUBCUTÂNEA CONSTRUÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO MULTIMÍDIA SOBRE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIA PARENTERAL: INTRAVENOSA, INTRAMUSCULAR E SUBCUTÂNEA BORGES *, Ângela André PUCPR angelaborges2005@yahoo.com.br MACIEL

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia do Ensino na Educação de Jovens e Adultos Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 4º 1 - Ementa (sumário, resumo)

Leia mais

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA 1 Samara Araújo Melo; 2 Arthur Gilzeph Farias Almeida; 3 Maria Lúcia Serafim 1 E.E.E.F.M Professor Raul Córdula,

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO A inclusão é uma realidade mundial. Desde a Declaração de Salamanca em

Leia mais

ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME.

ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME. ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME. Adriane Abrantes Lazarotti 1 Gisele Rogelin Prass ¹ Pedrinho Roman 2 RESUMO A educação está buscando soluções para problemas

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: PROJETO DE EXTENSÃO PRÁTICA DE ENSINO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

RELATO DE EXPERIÊNCIA: PROJETO DE EXTENSÃO PRÁTICA DE ENSINO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES RELATO DE EXPERIÊNCIA: PROJETO DE EXTENSÃO PRÁTICA DE ENSINO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES Thais Tolentino 1 Valdeniza Maria Lopes da Barra 2 RESUMO: Este trabalho pretende mostrar os apontamentos

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais