UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM BASEADOS EM SOFTWARE LIVRE Por: José Luiz Souza Nascimento Orientador Prof. Dr. Luiz Cláudio Lopes Alves Rio de Janeiro 2005

2 2 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM BASEADOS EM SOFTWARE LIVRE Apresentação de monografia à Universidade Cândido Mendes como condição prévia para a conclusão do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Docência do Ensino Superior. Por: José Luiz Souza Nascimento

3 3 AGRADECIMENTOS À amiga, companheira e esposa, Rosi, pelas constantes palavras de estímulo e incentivo.

4 4 DEDICATÓRIA À minha mãe, Carolina Souza Nascimento pelos exemplos de luta e persistência sem perder a ternura. Aos filhos Júlia e Meval, pelo amizade, carinho e compreensão com os períodos de ausência.

5 5 O primeiro professor da história se sentiria perfeitamente em casa na maioria das salas de aula do mundo de hoje. Além do quadro-negro e do livro impresso houve pouca mudança nos meios de ensino e nenhuma nos métodos. A única tecnologia introduzida nestes oito mil anos foi o livro impresso, que poucos professores sabem usar se o soubessem, não continuariam expondo o que já está nos livros. Peter Drucker

6 6 RESUMO A utilização de tecnologia, em qualquer área da atividade humana, não está imune às complexas relações de poder e manipulação. Em relação as Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs), isto é especialmente verdadeiro e preocupante, considerando que essas tecnologias abrem a possibilidade devido a instantaneidade da informação e comunicação de libertação ou opressão, como nunca visto anteriormente. Como grande facilitador da transformação destas possibilidades em realidade, encontramos o computador que, dependendo do software que o controla em determinado instante, viabiliza o atendimento das mais diversas necessidades, indo do game ao cálculo nuclear nos simples clicar do mouse. No âmbito da educação, a utilização de computadores e softwares adequados deve ser planejada cuidadosamente, atrelado e submetido ao Plano Pedagógico, de modo a não ser apenas um modismo e sim o início de uma mudança no paradigma de ensinar para o de aprender. Para tanto, é necessário que o corpo docente das instituições de ensino apropriem-se do conhecimento referente ao uso das TICs e tragamnas para sua realidade diária, não tornando-se um especialista em tecnologia mas sim um agente capaz de utilizar tais ferramentas na criação da nova e desejada realidade educacional.

7 7 Neste sentido, usar o computador como máquina de ensinar ou como ferramenta é questão que o professor (ou responsáveis pelo Plano de Informática) deve responder em função do objetivo que se quer chegar, do conteúdo a ser trabalhado. Não se tratam, na realidade, de posições opostas e irreconciliáveis, mas sim de abordagens capazes de dar sua contribuição à geração do conhecimento que se deseja: integrado e integrador, gerado pelo próprio sujeito, libertador. Dentro desta perspectiva, pode-se lançar mão dos ambientes virtuais de aprendizagem. Tais softwares disponibilizam ferramentas que possibilitam a interação entre participantes de um curso - à distância, presencial ou semi-presencial -, o registro de reflexões, contribuições e questionamentos; enfim do processo de construção do conhecimento. Considerando-se a importância de tais ambientes, deve-se pesar até que nível pode-se depender do fornecedor de software, visto ser comum nos softwares puramente comerciais a existência de bugs e incompatibilidades, que são reparados pelo produtor (ou não) de acordo com seus interesses negociais. Deste modo, a opção pelo software livre deve ser considerada, principalmente porque esta modalidade de licenciamento prevê a liberdade de atualizar, corrigir, distribuir, estudar enfim, utilizar o software como melhor convier.

8 8 Assim, a utilização de ambientes virtuais de aprendizado como ferramenta mediadora entre participantes e o conhecimento tem como limite apenas a imaginação, sendo aplicáveis a qualquer modalidade e nível de ensino.

9 9 METODOLOGIA bibliográfica. O presente trabalho foi realizado pautando-se em pesquisa Adicionalmente, no período de realização do trabalho março à maio/2005, o autor participou como observador do Curso Virtual de Espanhol, disponibilizado no ambiente virtual UNICAMP-NIED-TelEduc, pelo que agradece à Professora Adriana Aguirre, coordenadora.

10 10 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 11 CAPÍTULO I SOBRE TECNOLOGIA 13 CAPÍTULO II UTILIZAÇÃO DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO 22 CAPÍTULO III AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM 32 CONCLUSÃO 47 BIBLIOGRAFIA 49 ÍNDICE 53 FOLHA DE AVALIAÇÃO 55

11 11 INTRODUÇÃO A nova natureza do trabalho, a utilização maciça de tecnologia no dia-a-dia - bancos, transportes, eletrodomésticos, veículos - as mudanças nos contextos mundial e nacional exigem que o cidadão possua capacidades básicas para ler, interpretar e (re)agir adequadamente aos desafios impostos pelo meio em que esteja inserido em dado momento, seja este social, empresarial, político, rural, urbano. Tais capacidades só podem ser supridas pela educação adequada aos novos tempos, onde a capacidade de obter, aplicar, reciclar, utilizar e gerar conhecimento é fator de diferenciação para indivíduos e empresas. Trata-se de, através da educação, propiciar condições para a geração de conhecimento integrado, holístico, para um tempo em que não mais se admite dicotomias, onde não há espaço para pensar de forma excludente e sim coordenar as habilidades e competências obtidas através de diversas formas em um só esforço, de modo a atingir um só resultado: melhor desempenho nas diversas facetas da vida social. Deste modo, o atual paradigma educacional de separar conteúdos e assim mantê-los mostra-se superado. Torna-se necessário a adoção de modelo pedagógico que absorva os requisitos desta era de interatividade, das múltiplas janelas abertas, em que as cabeças são obrigadas a lidar com inúmeras situações, quase que simultaneamente.

12 12 Neste sentido, a integração da informática com outras tecnologias textos, artes visuais, animações, fotografias, vídeos, áudios, telecomunicações - constitui-se recurso indispensável para esta necessária (re)evolução, principalmente ao considerar-se a enorme relevância para a educação que cada uma dessas tecnologias possui individualmente. No entanto, não se deve crer que a informática, por si, seja capaz de sanar as deficiências existentes no sistema educacional. Para evitar-se gastos desnecessários e frustrações, a disponibilização de recursos de informática para alunos e professores deve ser precedido de estudo e planejamento sobre onde se quer e se pode chegar, de modo a selecionarse dentre as inúmeras possibilidades, o como chegar (ferramentas tecnológicas). Assim, no presente trabalho pretende-se apresentar o projeto TelEduc-UNICAMP, como opção de implementação de ambiente virtual de aprendizagem que, contemplada em planejamento pedagógico consistente, pode facilitar o processo de inserção da informática na educação, contribuindo deste modo para o avanço rumo a construção de uma filosofia educacional inovadora e efetiva.

13 13 CAPÍTULO I SOBRE TECNOLOGIA O papel central do computador hoje se deve ao fato de que ele é uma tecnologia que amplia nossa capacidade de conhecer: obter, representar, armazenar, processar e disseminar o conhecimento. Eduardo O C Chaves 1.1 Ser Humano e Tecnologia Considerando tecnologia como a aplicação de conhecimento técnico ou cientifico na solução de problemas, constata-se que ela...sempre afetou o homem: das primeiras ferramentas, por vezes consideradas extensões do corpo humano, à máquina a vapor, que mudou hábitos e instituições, ao computador que trouxe novas e profundas mudanças sociais e culturais, a tecnologia nos ajuda, nos completa, nos amplia.... (Fróes) A tecnologia não muda apenas nossa forma de execução das atividades, mas principalmente modifica a forma como elaboramos os conhecimentos e o nosso relacionamento com o mundo. Isto é patente ao observarmos que hoje não basta ao cidadão saber ler e escrever em linguagem verbal. É imperioso que ele saiba ler outros meios como rádio, TV, videogame, terminais de consultas etc.

14 14 Evidencia-se assim, que a tecnologia não é neutra e deste modo cabe aos atores da educação considerarem a...complexidade de relações de poder, de manipulação, de formação e mesmo de filosofia que estão subjacentes à sua introdução na escola.. (Cortelazzo) 1.2 Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) Tecnologia de Informação refere-se as formas de gerar, armazenar, processar e reproduzir a informação. Assim, temos como meios de guarda de informação o papel, os arquivos, fichários etc.; como dispositivos de processamento temos computadores e robôs e, como dispositivos de reprodução, as máquinas de fotocopias, os retroprojetores etc. Por outro lado, Tecnologia de Comunicação designa as formas de veicular, disseminar a informação, onde temos as mais diversas mídias: sons de tambores, papiros, livros, fax, telefone, jornal, correio, rádio, TV, Internet etc. Deste modo, o uso conjunto das Tecnologias de Informação e Comunicação possibilita um grau de interatividade nunca visto anteriormente, capaz de proporcionar aos seus usuários a possibilidade de fazer o(s) percurso(s) que considerar melhor(es), no seu tempo e, com isto, abre-se a possibilidade de criação de nova sociedade, novo ambiente de trabalho, novos ambientes de aprendizagem, novos tipos de alunos, novos tipos de professores.

15 Software: A Alma do Computador Em termos amplos, um computador consiste em: 1. Hardware: a máquina em si, composta de componentes eletroeletrônicos-mecânicos, ou seja, o parte que executa as operações desejadas propriamente ditas (entrada de dados, impressão, exibição na tela etc.); e 2. Software: também chamado de programa de computador ou simplesmente programa, são as seqüências de instruções previamente escritas que dirigem aquelas operações. Na realidade, um computador (ou qualquer outro dispositivo programável) só consegue executar operações previamente descritas passo-a-passo, que tenham sido inseridas no processo de construção ou posteriormente. Em outras palavras, sem o software, o computador não passa de um eletrodoméstico inútil, que não consegue realizar qualquer tarefa. Em função dos objetivos deste trabalho, subdividiremos os softwares em apenas duas categorias: sistema operacional (software básico) e softwares de aplicação. O sistema operacional é o conjunto de programas que comunicamse diretamente com o hardware, controlando e conduzindo-o (monitores de vídeo, mouse, teclado, impressora, scaner etc.). Como exemplos temos o Windows XP e o UNIX.

16 16 Programas de aplicação, aplicações ou aplicativos são termos utilizados para designar o software que atende diretamente a necessidade de usuário. São exemplos os editores de texto, as planilhas, as linguagens de programação, os games etc. Assim, a grande versatilidade dos computadores reside basicamente no software que o controla ( roda, no jargão técnico) em dado momento, permitindo que um mesmo equipamento atenda às mais diversas necessidades. Exemplo é o microcomputador doméstico utilizado por uma família para manter listas de compras, orçamentos, trabalhos escolares, ouvir e compor música, para jogar etc. 1.4 Software Livre: Questão de Liberdade, Não de Preço A produção, distribuição e comercialização de software é uma atividade que movimenta bilhões de dólares anualmente. Entendido como propriedade intelectual, o software não é vendido e sim licenciado. Ou seja, você nunca será proprietário de um software, a menos que o produza com recursos próprios. No entanto, o mercado mundial de software, por diversas razões, tornou-se um oligopólio, onde alguns produtores fornecem software básico e aplicativos para a maior parte dos computadores instalados, criando indesejável dependência de fornecedor tanto para empresas, quanto governos e mesmo pessoas físicas.

17 17 O licenciamento deste software conhecido como software proprietário custa algumas centenas de dólares por máquina e tem uma série de restrições de uso, cópia e distribuição. Por ser protegido por leis de direitos autorais (copyright) ninguém, exceto o detentor do direito de propriedade, tem acesso ao código fonte (seqüências de comandos para o hardware executar) e portanto, não há possibilidade de melhorias para uso individual, sequer correção de eventuais bugs (mal funcionamento do software por erro na programação). Neste caso, o software será corrigido pelo produtor quando melhor lhe convier, do ponto de vista mercadológico, e sua liberação para uso estará sujeita a pagamento adicional taxa de atualização (upgrade). Assim, O alto custo de um projeto de informatização em escolas e bibliotecas públicas e centros comunitários tem sido um dos maiores empecilhos para a implementação de um ambiente de acesso ao mundo do conhecimento através da Internet e outras ferramentas multimídia. Esse impasse somado com a dependência tecnológica corrobora para a perpetuação de um hiato tecnológico educacional e comunicacional, que contribui para a segregação social e em contrapartida a exclusão digital.. (Silva) No paradigma do Software Livre, o autor do software resguarda seus direitos de criador, mantendo livres o uso e o conhecimento (do código fonte) do software para quem deles precisar através da redação adequada de um copyright (direito de cópia).

18 18 Ao invés de encararmos o software como uma idéia, uma forma de se solucionar um problema, nós ainda o vemos como um item final de uma linha de produção; um artigo físico, que se desenvolveu como qualquer outro produto, em escala industrial, e pelo qual se deve pagar. Nessa definição, o software se assemelha mais a uma cadeira ou uma mesa, do que a uma fórmula matemática, ou uma especificação científica. Seria aceitável, por exemplo, que o algoritmo para achar as raízes de uma equação do segundo grau, desenvolvida há séculos, tivesse uma licença que restringisse seu uso? Todo o desenvolvimento matemático estaria restrito à boa vontade do detentor dos direitos da fórmula, a quem teríamos que solicitar autorização para utilizar o método. Coisa semelhante acontece com programas de computador. Se considerarmos o programa como uma maneira de se resolver determinado problema, com a ajuda do computador, fica mais simples aceitar o software como uma idéia, não como um bem. E o que queremos é que as boas idéias sejam utilizadas em benefício de todos, e que todos possam usufruir das idéias e das novidades da tecnologia e da ciência.. (NUNES, 2003)

19 19 Assim, "Software Livre" é uma questão de liberdade, não de preço. Para entender o conceito, você deve pensar em "liberdade de expressão", não em "cerveja grátis". "Software livre" se refere à liberdade dos usuários executarem, copiarem, distribuírem, estudarem, modificarem e aperfeiçoarem o software. Mais precisamente, ele se refere a quatro tipos de liberdade, para os usuários do software: A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito (liberdade no. 0) A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades (liberdade no. 1). Aceso ao código-fonte é um pré-requisito para esta liberdade. A liberdade de redistribuir cópias de modo que você possa ajudar ao seu próximo (liberdade no. 2). A liberdade de aperfeiçoar o programa, e liberar os seus aperfeiçoamentos, de modo que toda a comunidade se beneficie (liberdade no. 3). Acesso ao código-fonte é um pré-requisito para esta liberdade. Um programa é software livre se os usuários tem todas essas liberdades. Portanto, você deve ser livre para redistribuir cópias, seja com ou sem modificações, seja de graça ou cobrando uma taxa pela distribuição, para qualquer um em qualquer lugar.. (Lozano, 2003)

20 20 O movimento software livre (SL) no Brasil é muito forte. Diversos Estados da Federação e o proprio Governo Federal tem projetos de migração de software proprietário para software livre em andamento. No mundo empresarial, o SL já é utilizado para dar suporte à parte estratégica da tecnologia. Como exemplo, temos o uso na Petrobrás em servidores responsáveis pelo processamento sísmico, que trabalham as informações sobre camadas geológicas para achar petróleo. Outro exemplo é a Telemar, maior operadora de telefonia fixa do País, com receita líquida de R$ 13,7 bilhões em 2003 e que tem seu sistema de bilhetagem que recolhe informações sobre uso de linhas para cobrança centralizado em um computador de grande porte utilizando SL (Linux). No ambito educacional, a importância do SL transcende a possibilidade estudar o código fonte (liberdade nº 1), muito importante em cursos que objetivam a formação de profissionais em tecnologia de informação e comunicação. Na realidade, a utilização de SL viabiliza que mesmo instituições que não possuem recursos para gastar com plataformas proprietárias e caras possam vivenciar a experiência de utilização de TICs, através do compartilhamento e uso propiciado pelas liberdades de executar, aperfeiçoar e redistribuir cópias de qualquer SL (liberdades nº 0, 2 e 3).

21 Considerações Neste capítulo buscou-se estabelecer o arcabouço tecnológico sobre o qual as opções de implementação da informática na educação, objeto dos próximos capítulos, serão ponderadas. Adicionalmente, foi ressaltada a questão de que os atores da educação (professores, administradores etc.) devem estar atentos ao fato que a tecnologia não é inócua, inerte, mas que traz em seu âmago não somente a ideologia do seu criador, como também seus objetivos de dominação e mercantilização.

22 22 CAPÍTULO II UTILIZAÇÃO DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO O professor será mais importante do que nunca, pois ele precisa se apropriar dessa tecnologia e introduzi-la na sala de aula, no seu dia-a-dia, da mesma forma que um professor, que um dia, introduziu o livro numa escola e teve de começar a lidar de modo diferente com o conhecimento sem deixar as outras tecnologias de comunicação de lado. Continuaremos a ensinar e aprender pela palavra, pelo gesto, pela emoção, pela afetividade, pelos textos lidos e escritos, pela televisão, mas agora também pelo computador, pela informação em tempo real, pela tela em camadas, em janelas que vão se aprofundando às nossas vistas... Sylvia Figueiredo Gouvêa 2.1 Computador na Educação: Modismo ou Necessidade? A introdução do computador na educação constitui-se, de fato, em oportunidade vital - que não deve ser perdida, sob risco de obsolescência generalizada das instituições de ensino - de reestruturar os processos de transmissão/apropriação do conhecimento.

23 23 Tal fato se dá pela necessidade de a escola estar sintonizada de modo a perceber e direcionar-se para atender as mudanças que ocorrem na sociedade neste caso, uma sociedade com uso intensivo de tecnologia em nosso dia-a-dia, constituindo-se o saber-lidar com ela em fator determinante para obtenção de trabalho e, por conseguinte, sobrevivência. Num perspectiva cética, o uso do computador na educação, deveria ser precedido de melhorias nos aspectos físicos das escolas públicas (faltam giz, merenda, carteiras). Outro argumento contra o uso dos computadores, é a desumanização do processo, com a possibilidade de o computador vir a substituir o professor ou que, devido ao contato com máquinas irracionais e frias, as crianças venham a se transformar em indivíduos robóticos e desumanos. De fato, os argumentos acima são válidos, mas não se constituem em razões para não utilizar o computador com ferramenta na educação. Observe-se que melhorar aspectos físicos somente, não significará melhoria na educação. Aliado a isto, deve haver valorização da educação como um todo e isto significa também que a escola deve dispor de todos os meios existentes na sociedade, visto que um dos objetivos básicos da educação é preparar o indivíduo para viver em sociedade, contribuindo ativamente para a melhoria e desenvolvimento desta.

24 24 Quanto à substituição de professores por computadores, essa possibilidade só existiria nos casos em que o professor agisse como mero transmissor de informações. Neste caso, economicamente, o computador seria mais em conta. Considerando à possibilidade de aluno vir a desumanizar-se com o uso de computadores, deve-se observar que o uso no ambiente de ensinoaprendizado deverá ter uma duração razoável e que o ser humano é mais que mero imitador da realidade que o cerca. (Valente, 1993) Evidentemente problemas irão surgir durante o processo de inserção do computador na educação. No entanto, deve-se ter como premissa não utilizarmos os meios tecnológicos só porque estão à mão ou na moda, de automatizar o ensino (Chaves, 1998), mas sim de pesquisar os recursos mais adequados, as possibilidades de cada equipamento ou software em função do objetivo, da clientela etc. e integrá-los a um processo que de fato agregue valor à relação ensino-aprendizado. 2.2 Modalidades de Uso do Computador na Educação A utilização dos computadores na educação tem objetivado, basicamente, que o aluno obtenha conceitos sobre computadores (ensino de computação propriamente dito) ou para ensinar qualquer assunto (ensino através do computador). Quando utilizado para ensino de computação, o computador é o objeto de estudo. O objetivo é que o aluno aproprie-se de conhecimentos

25 25 sobre o funcionamento da máquina, programação e implicações sociais do uso dos computadores. No entanto, na maioria das vezes, esta modalidade de uso resumese a ambientação do estudante à Informática, explorando a utilização de alguns programas mais conhecidos, tornando-se mero diferencial mercadológico para a instituição de ensino. Quando utilizado para ensino de qualquer campo do conhecimento, tem-se como objetivo que o aluno, através do computador, absorva conceitos sobre o domínio em estudo, ou seja, o computador é meio de aquisição conteúdos. Esta modalidade oscila entre duas abordagens: de um lado o computador ensina ao aluno, denominada abordagem instrucionista e, do outro, o aluno ensina ao computador, denominada abordagem construcionista. 2.3 Abordagem Instrucionista Esta abordagem objetiva a informatização dos métodos tradicionais de instrução ou seja, o ensino é privilegiado em detrimento ao aprendizado. Assim, o computador assume o papel de máquina de ensinar, caracterizando a instrução auxiliada por computador (do inglês Computer- Aided Instruction CAI), sendo conhecida no Brasil como Programas Educacionais por Computador PEC.

26 26 Esta abordagem deriva diretamente da máquina para ensinar proposta por Skiner na década de 50, que utilizava o conceito de instrução programada. Neste modelo, o material a ser ensinado é dividido em pequenos segmentos logicamente encadeados e denominados módulos. Cada fato ou conceito é apresentado em módulos sequenciais. Cada módulo termina com uma questão que o aluno dever responder preenchendo espaços em branco ou escolhendo a resposta certa entre diversas alternativas apresentadas.. (Valente, 1993) De modo geral, caso o estudante responda corretamente a questão, pode seguir em frente. Caso contrário, deve re-estudar o módulo e refazer a questão. Dando suporte a este modelo, temos os softwares denominados: Tutoriais: apresentam como vantagem em relação a instrução programada utilizando material impresso, as possibilidades de animação, som e controle da performance do aprendiz. Podem ser introduzidos nas escolas sem grandes modificações, visto serem a versão computadorizada das salas de aula atuais, requerendo pouco ou nenhum treinamento do professor; Exercício e Prática: utilizado geralmente para revisar material visto em aula, principalmente de conteúdos que necessitam de memorização, tais como aritmética e vocabulário. Utilizando recursos de sonoros e gráficos, tais programas exigem resposta freqüente do aluno. Para o professor, traz a vantagem de uma infinidade de exercícios e, em alguns casos, apresentar o desempenho dos alunos, de modo a ser possível detectar o grau de assimilação de conteúdos;

27 27 Jogos Educacionais: do ponto de vista infantil, é a forma mais divertida de aprender. Na realidade, esta modalidade prevê a exploração autodirigida ao invés da instrução explicita e direta, ou seja, acredita-se que a criança aprende melhor quando lhe permitem explorar e descobrir relações por elas mesmas, ao invés de serem ensinadas. Um porém a considerar é o fato de, por ser um jogo, a criança deixar de lado o conceito que se quer trabalhar; e Simulação: esta modalidade é muito útil para trabalhos em grupo e exploração de situações fictícias, com risco, muito complicadas, caras ou que levem muito tempo para se processarem. Isto é possível pois são criados modelos dinâmicos e simplificados do mundo real, permitindo sua manipulação pelo aprendiz. A divisão acima tem o caráter de facilitar a apresentação pois na prática, é muito difícil encontrar programas que se encaixem em um só perfil. Mesmo quando utilizando-se dos recursos dos computadores tais como integração de vídeo, som, animação, hipermídia, hipertexto etc., caso o computador esteja ensinando, ainda temos o paradigma instrucionista, independente de quão agradável e bonito seja o software. 2.4 Abordagem Construcionista Neste modelo, a ênfase está na aprendizagem. Aqui, o computador não é mais o instrumento de ensino ao aprendiz e sim uma ferramenta na qual o aluno desenvolve algo, ou seja, o aprendizado ocorre em função da execução de uma tarefa por intermedio da máquina.

28 28 Construcionismo é uma reconstrução teórica a partir do construtivismo piagetiano, feita por Seymour Papert (1994) que estudou durante quatro anos com Piaget, no Centro de Epistemologia Genética, em Genebra. Papert ficou entusiasmado com a perspectiva de Piaget e seus seguidores, de considerar a criança como ser pensante e construtora de suas próprias estruturas cognitivas, mesmo sem ser ensinada. Porém, se inquietou com a pouca pesquisa no sentido de como criar condições para que mais conhecimento pudesse ser adquirido por esta criança. A atitude construcionista implica na meta de ensinar, de tal forma a produzir o máximo de aprendizagem, com o mínimo de ensino. Mas isso não quer dizer deixar as crianças à deriva. Muito ao contrário, a busca do construcionismo é a de alcançar meios de aprendizagem fortes que valorizem a construção mental do sujeito, apoiada em suas próprias construções no mundo.. (Weiss & Cruz). Dizer que estruturas intelectuais são construídas pelo aluno, ao invés de ensinadas por um professor não significa que elas sejam construídas do nada. Pelo contrário, como qualquer construtor, a criança se apropria, para seu próprio uso, de materiais que ela encontra e, mais significativamente, de modelos e metáforas sugeridos pela cultura que a rodeia..(papert, 1985).

29 29 Assim, podemos considerar como construcionistas os programas: para uso geral (aluno, professor etc.): planilhas eletrônicas, processadores de textos, calculadoras, construção e transformação de gráficos, ou seja, programas com fim específico que possibilitam a execução de uma tarefa, com o usuário determinando o que o computador deve fazer; para resolução de problemas ou elaboração de projetos: normalmente associados a linguagens de computação que, por serem precisas e não ambíguas, possibilitam que o aluno indique ao computador como determinado problema deve ser solucionado, podendo refazer o caminho em caso de erro ou engano. Como exemplo de linguagens temos BASIC, Pascal, LOGO, esta última bastante utilizado em projetos de inserção de informática na educação embora não possa ser utilizado em todas as áreas do conhecimento (somente em resolução de projetos, atividades que exijam representação de problemas); para produção de música: possibilita ao aluno aprender música fazendo música ao contrário do aprendizado tradicional que exige que o aprendiz adquira os conceitos antes de executar uma peça; e para controle de processos: especialmente benéfico para os alunos que têm vocação para aprender fazendo, estes programas possibilitam ao aprendiz acompanhar e modificar o processo enquanto ele está acontecendo, ou seja permite que se vivencie, por exemplo, os problemas complexos de um engenheiro sem as possíveis implicações catastróficas do ponto de vista de segurança, de economia se o veículo não anda é só alterar o programa sem ter que modificar a linha de montagem da fábrica.. (Valente, 1993)

30 Projeto de Informática A disponibilização de recursos de informática para alunos e professores resultará apenas em gastos e decepções, caso não faça parte de um planejamento que considere minuciosamente como tais elementos podem auxiliar a instituição no atingimento dos objetivos explicitados em seu Projeto Pedagógico. Ou seja, o Projeto de Informática deve estar incluído no Projeto Pedagógico, baseando-se nas mesmas premissas e complementado-o. Deste modo, o Projeto de Informática deve manter os princípios desejáveis para o Projeto Pedagógico, quais sejam: construção coletiva sob coordenação da direção; participação dos professores, pais e alunos; obediência as diretrizes estaduais e nacionais; formação permanente dos professores; avaliação periódica do processo pelos envolvidos; e reelaboração ao longo do tempo. No âmbito do Projeto de Informática, deve-se atentar especialmente para a participação dos professores, tanto na criação quanto execução do plano, objetivando mobilizar o corpo docente da escola a se preparar para o uso do Laboratório de Informática na sua prática diária de ensinoaprendizagem. Não se trata, portanto, de fazer do professor um especialista em Informática, mas de criar condições para que se aproprie, dentro do processo de construção de sua competência, da utilização gradativa dos referidos recursos informatizados: somente um tal apropriação da utilização da tecnologia pelos educadores poderá gerar novas possibilidades de sua utilização educacional.. (Fróes)

31 Considerações Neste capítulo foi dado ênfase na necessidade da utilização dos computadores na educação bem como no novo papel a ser desempenhado pelos educadores neste novo paradigma. Discutiu-se, também, as formas como o computador pode ser utilizado nos ambientes educacionais, observando-se, inclusive, as posições contrárias a tal utilização, que na realidade não se constituem motivos reais para que toda a potencialidade de auxílio à educação dos computadores deixe de ser utilizada. Quanto a forma de usar o computador, como máquina de ensinar ou como ferramenta, buscou-se evidenciar que instrucionismo e construcionismo, dicotômicos na aparência são complementares na realidade. Cada abordagem contribui a sua maneira para geração de conhecimento, necessariamente holístico, sem espaço para...pensar ou isso ou aquilo, quando o mundo exige que coordenemos o isso com vários aquilos numa rede sistêmica de pensamento. (Padilha, 1999).

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Informática Educativa no Brasil Professor: Fernando Zaidan 1 Referências: SANTINELLO, J. Informática educativa no Brasil e ambientes

Leia mais

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO PRESENCIAL: estudos preliminares e proposta de uma metodologia de implantação no CEFET-Bambuí Christiane dos Santos

Leia mais

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Sumário Apresentação O papel do Aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Dúvidas 3 5 6 9 10 11 14

Leia mais

Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013)

Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013) Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013) Questionamentos que devem ser enfrentados 1. Como você descreveria esse ambiente

Leia mais

ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO 1 ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MAIO 2008 Ericksson Rocha e Almendra - Escola Politécnica

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Pedagógica Pós-graduação Epidemiologia Como surgiu a EAD O

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle No INSEP, o ambiente virtual de aprendizagem oferecido ao acadêmico é o MOODLE. A utilização dessa ferramenta é fundamental para o sucesso das atividades em EAD,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR. Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva

Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR. Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva http://teleduc.cefetmt.br Edição 2006/2 Curso de Especialização em Educação

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA 9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA Autor(es) MICHELE CRISTIANI BARION FREITAS Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO 1. Introdução A partir de ferramentas

Leia mais

Tópicos Especiais. Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Informática Educativa no Brasil 17/01/2009

Tópicos Especiais. Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Informática Educativa no Brasil 17/01/2009 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao 1 Tópicos Especiais Informática Educativa no Brasil

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

O MOODLE E O ENSINO À DISTÂNCIA: RESISTÊNCIA AO USO DA FERRAMENTA

O MOODLE E O ENSINO À DISTÂNCIA: RESISTÊNCIA AO USO DA FERRAMENTA 1 O MOODLE E O ENSINO À DISTÂNCIA: RESISTÊNCIA AO USO DA FERRAMENTA Brenno Marcus Pereira do Prado Engenharia Elétrica UFMG brennoprado@gmail.com Filipe Santana de Freitas Engenharia Elétrica UFMG bxcfilipe@gmail.com

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

MOODLE é o acrónimo de "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem;

MOODLE é o acrónimo de Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem; MOODLE é o acrónimo de "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment Software livre, de apoio à aprendizagem; Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem; A expressão designa ainda

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NA BUSCA DE NOVOS DOMÍNIOS DA EAD

A IMPORTÂNCIA DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NA BUSCA DE NOVOS DOMÍNIOS DA EAD A IMPORTÂNCIA DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NA BUSCA DE NOVOS DOMÍNIOS DA EAD Data: 12/04/2007 Elvia Nunes Ribeiro - CEFET-GO elvianr@gmail.com Gilda Aquino de Araújo Mendonça CEFET-GO gaam@cefetgo.br

Leia mais

Tópicos Especiais. Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Informática Educativa no Brasil 01/10/2008

Tópicos Especiais. Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Informática Educativa no Brasil 01/10/2008 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao 1 Tópicos Especiais Informática Educativa no Brasil

Leia mais

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO 1 A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² Bruna Barçante¹ Aylla Barbosa Ribeiro¹ Fernanda Teixeira Ferreira Leite¹

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

A Influência da Plataforma de Gerenciamento de EAD no Desenvolvimento de Programas de Ensino via Web: uma experiência do LATEC/UFRJ

A Influência da Plataforma de Gerenciamento de EAD no Desenvolvimento de Programas de Ensino via Web: uma experiência do LATEC/UFRJ A Influência da Plataforma de Gerenciamento de EAD no Desenvolvimento de Programas de Ensino via Web: uma experiência do LATEC/UFRJ Telma Pará LATEC/UFRJ telma@coep.ufrj.br Cristina Haguenauer LATEC/UFRJ

Leia mais

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Maria Elisabette Brisola Brito Prado 1 Nos últimos anos, a educação a distância via telemática ganhou uma nova dimensão,

Leia mais

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes na Plataforma MOODLE para Apoio às Atividades Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Parnaíba, 14 de Novembro de 2012

Leia mais

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu Ambientação ao Moodle João Vicente Cegato Bertomeu AMBIENTAÇÃO A O MOODLE E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M SAUDE da FAMILIA Sumário Ambientação ao Moodle 21 1. Introdução 25 2. Histórico da EaD 25 3. Utilizando

Leia mais

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Marcelo Antonio dos Santos Mestre em Matemática Aplicada UFRGS, Professor na Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) e professor da rede

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A LOUSA DIGITAL 1

UM ESTUDO SOBRE A LOUSA DIGITAL 1 UM ESTUDO SOBRE A LOUSA DIGITAL 1 MARTINS, Sandro Luís Moresco 2 ; VARASCHINI, Patricia 3 ; SANTOS, Leila Maria Araújo 4 1 Trabalho de Pesquisa _ UFSM 2 Programa Especial de Formação de Professores (UFSM),

Leia mais

AVANÇOS DAS AÇÕES EDUCATIVAS EM EAD, UTILIZANDO TELEDUC, DESENVOLVIDAS NA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DE SANTOS COMPARTILHANDO SABERES NA REDE

AVANÇOS DAS AÇÕES EDUCATIVAS EM EAD, UTILIZANDO TELEDUC, DESENVOLVIDAS NA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DE SANTOS COMPARTILHANDO SABERES NA REDE AVANÇOS DAS AÇÕES EDUCATIVAS EM EAD, UTILIZANDO TELEDUC, DESENVOLVIDAS NA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DE SANTOS COMPARTILHANDO SABERES NA REDE Santos/SP- 02/2014 Carlos Eduardo da Silva Fontoura SEDUC/Santos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE APRENDIZAGEM NO PORTAL ESPAÇO

UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE APRENDIZAGEM NO PORTAL ESPAÇO 1 UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE APRENDIZAGEM NO PORTAL ESPAÇO Luciana Guimarães Rodrigues de Lima Mestranda em Lingüística Aplicada - LATEC- UFRJ, lucianagrlima@globo.com Cristina

Leia mais

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social.

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Palestrante: Paulo Cesar Alves 19/09/2005 Agenda Formulação

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE

CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE Luciara Wanglon Afonso 1 Daniele Pinto Andres 2 RESUMO Este artigo tem por objetivo apresentar algumas questões

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Índice Como acessar o Moodle Editando seu PERFIL Editando o curso / disciplina no Moodle Incluindo Recursos

Leia mais

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line 1 2 A HIPOCAMPUS é uma empresa de consultoria em comunicação e ensino digital com foco nos profissionais de saúde. Estamos prontos a auxiliar empresas dos diferentes segmentos da área de saúde a estabelecer

Leia mais

Tiago Rodrigo Marçal Murakami

Tiago Rodrigo Marçal Murakami Tiago Rodrigo Marçal Murakami Bacharel em Biblioteconomia pela USP Estudante de Administração Pública na UFOP Editor do Blog Bibliotecários sem Fronteiras - BSF Responsável pelo RABCI Estrutura e objetivo

Leia mais

SOFTWARES LIVRES POTENCIAIS PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

SOFTWARES LIVRES POTENCIAIS PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA SOFTWARES LIVRES POTENCIAIS PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA André Dosciati 1 Claudia Piva 2 Lecir Dalabrida Dorneles 3 A. Patricia Spilimbergo 4 Resumo. O avanço da informática na sociedade, e consequentemente

Leia mais

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES FACULDADE ZACARIAS DE GÓES DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Valença Bahia Dezembro 2011 DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Resenha a ser apresentada como avaliação da disciplina EAD em Ambiente

Leia mais

O MUNDO MUDOU. #fato

O MUNDO MUDOU. #fato DO GIZ AO BYTE O MUNDO MUDOU #fato Sociedade da Informação Informação como recurso estratégico Uso intensivo das TIC Interação digital Diversas formas de fazer as mesmas, ou novas coisas Qual é a sua?

Leia mais

A sala virtual de aprendizagem

A sala virtual de aprendizagem A sala virtual de aprendizagem Os módulos dos cursos a distância da Faculdade Integrada da Grande Fortaleza decorrem em sala virtual de aprendizagem que utiliza o ambiente de suporte para ensino-aprendizagem

Leia mais

1. 1. COMO ACESSAR O CURSO

1. 1. COMO ACESSAR O CURSO 1. 1. COMO ACESSAR O CURSO 1.1. Para ter acesso ao curso, digite: https://www.nec.fct.unesp.br/~teleduc/ 1.2. Abrirá a página a seguir, então, é só posicionar o cursor sobre Cursos: 1.3. Em seguida clique

Leia mais

Educação Especial e Novas Tecnologias: O Aluno Construindo Sua Autonomia

Educação Especial e Novas Tecnologias: O Aluno Construindo Sua Autonomia I Introdução Educação Especial e Novas Tecnologias: O Aluno Construindo Sua Autonomia Teófilo Alves Galvão Filho teogf@ufba.br http://infoesp.vila.bol.com.br Com muita frequência a criança portadora de

Leia mais

O modelo Bazar de Produção de Softwares. O caso das Comunidades Virtuais de Software livre.

O modelo Bazar de Produção de Softwares. O caso das Comunidades Virtuais de Software livre. O modelo Bazar de Produção de Softwares O caso das Comunidades Virtuais de Software livre. Por Vicente Aguiar Fonte: Lucas Rocha Feced/2005 Sobre esta apresentação 2008 Vicente Aguiar

Leia mais

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM AULAS DE MATEMÁTICA: INTEGRAÇÃO DO LAPTOP EDUCACIONAL NO ENSINO DE ÁLGEBRA

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM AULAS DE MATEMÁTICA: INTEGRAÇÃO DO LAPTOP EDUCACIONAL NO ENSINO DE ÁLGEBRA PRÁTICA PEDAGÓGICA EM AULAS DE MATEMÁTICA: INTEGRAÇÃO DO LAPTOP EDUCACIONAL NO ENSINO DE ÁLGEBRA Fernanda Elisbão Silva de Souza Mestranda da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, fernanda.elisbao@gmail.com

Leia mais

O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP

O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP INTRODUÇÃO O que seria a utilização do computador na educação de maneira inteligente? Seria fazer aquilo que o professor faz tradicionalmente

Leia mais

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Neste capítulo iremos estudar como montar um curso à distância que, embora acessível via a Internet, tenha acesso controlado. Para isto, teremos

Leia mais

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL ELIANE ROSA DO ORIÊNTE FABIANA DA SILVA BEZERRA FANÇA JEISEBEL MARQUES COUTINHO JÉSSICA MEIRE DE ALMEIDA GOMES JÚLIA DA SILVA MELIS OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Andréa Tonini José Luiz Padilha Damilano Vera Lucia Marostega Universidade Federal de Santa Maria RS RESUMO A UFSM vem ofertando Cursos de Formação

Leia mais

TÍTULO FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PARA PROFESSORES DO ENSINO PROFISSIONALIZANTE DA REDE PÚBLICA FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

TÍTULO FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PARA PROFESSORES DO ENSINO PROFISSIONALIZANTE DA REDE PÚBLICA FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL TÍTULO FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PARA PROFESSORES DO ENSINO PROFISSIONALIZANTE DA REDE PÚBLICA FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Modalidade do Trabalho: Comunicação Oral. Área: Formação de Professores

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

ICE INSTITUTO CUIABADO DE EDUCAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 4º SEMESTRE RECURSOS HUMANOS CARLOS EDUARDO JULIANI

ICE INSTITUTO CUIABADO DE EDUCAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 4º SEMESTRE RECURSOS HUMANOS CARLOS EDUARDO JULIANI ICE INSTITUTO CUIABADO DE EDUCAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 4º SEMESTRE RECURSOS HUMANOS CARLOS EDUARDO JULIANI SOFTWARE LIVRE E SOFTWARE PROPRIETARIO Software Livre. O software livre foi desenvolvido,

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Carla de Araújo 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo: Tendo em vista as

Leia mais

FAQ Estude Sem Dúvidas

FAQ Estude Sem Dúvidas FAQ Estude Sem Dúvidas Núcleo de Educação a Distância Faculdade Flamingo São Paulo Atualizado em: Outubro/2015 2 Estude sem dúvidas FAQ para os alunos de Pedagogia Presencial Caros alunos e alunas do curso

Leia mais

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO GUIA DO ALUNO Prezado(a) Aluno(a), O Guia do Aluno é um instrumento normativo que descreve os padrões de qualidade dos processos acadêmicos e administrativos necessários ao desenvolvimento dos cursos de

Leia mais

Sistema de Gestão de Aulas

Sistema de Gestão de Aulas Sistema de Gestão de Aulas criando cultura para o Ensino a Distância e melhorando o processo ensino-aprendizagem pela internet RICARDO CREPALDE* RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a experiência

Leia mais

SOLUÇÕES BASEADAS NO USO DE SOFTWARE LIVRE: ALTERNATIVAS DE SUPORTE TECNOLÓGICO À EDUCAÇÃO PRESENCIAL E A DISTÂNCIA

SOLUÇÕES BASEADAS NO USO DE SOFTWARE LIVRE: ALTERNATIVAS DE SUPORTE TECNOLÓGICO À EDUCAÇÃO PRESENCIAL E A DISTÂNCIA SOLUÇÕES BASEADAS NO USO DE SOFTWARE LIVRE: ALTERNATIVAS DE SUPORTE TECNOLÓGICO À EDUCAÇÃO PRESENCIAL E A DISTÂNCIA 099-TC-C5 05/2005 Fabio Rafael Segundo Universidade Regional de Blumenau, fabio@furb.br

Leia mais

Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Serviço Federal de Processamento de Dados SERPRO Universidade Corporativa Ministério da Fazenda Responsável: Margareth Alves de Almeida - Chefe

Leia mais

EaD como estratégia de capacitação

EaD como estratégia de capacitação EaD como estratégia de capacitação A EaD no processo Ensino Aprendizagem O desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação (tics) deu novo impulso a EaD, colocando-a em evidência na última

Leia mais

Referenciais de Qualidade adotados na Adaptação de um Curso a Distância

Referenciais de Qualidade adotados na Adaptação de um Curso a Distância 1 Referenciais de Qualidade adotados na Adaptação de um Curso a Distância Data de envio do trabalho: 06/11/2006 Ludmyla Rodrigues Gomes Escola Nacional de Administração Pública (ENAP) ludmyla.gomes@enap.gov.br

Leia mais

ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO

ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO COLÉGIO MILITAR DO RIO DE JANEIRO GUIA BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DA REDE COLABORATIVA Construçãoo de Saberes no Ensino Médio ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO CMRJ - 2010 2 LISTA DE FIGURAS Figura 01: Exemplo de

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

Um novo olhar sobre TIC e Educação Matemática

Um novo olhar sobre TIC e Educação Matemática Um novo olhar sobre TIC e Educação Matemática Profa. Dra. Maria Raquel Miotto Morelatti Departamento de Matemática, Estatística e Computação mraquel@fct.unesp.br O que são TIC? Recursos tecnológicos que

Leia mais

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur Unidade I TECNOLOGIA EDUCACIONAL EM EAD Material Instrucional Profª Christiane Mazur Ensinar Ensinar é, também, a arte de estimular o desejo de saber. EAD - Brasil 1904: Correspondência impressos; 1923:

Leia mais

Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Manual do Aluno

Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Manual do Aluno Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido Manual do Aluno Março 2009 Mensagem de boas-vindas! Caro cursista! Seja bem-vindo ao curso de Formação de Tutores.

Leia mais

GUIA PRA TICO DO ALUNO

GUIA PRA TICO DO ALUNO GUIA PRA TICO DO ALUNO Sistema de Avaliação, Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA e Portal ÚNICO Guia prático e de conhecimento do Sistema de Avaliação, utilização das ferramentas tecnológicas Ambiente

Leia mais

A INFORMÁTICA E O ENSINO DE MATEMÁTICA: ALGUNS ESTUDOS RECENTES

A INFORMÁTICA E O ENSINO DE MATEMÁTICA: ALGUNS ESTUDOS RECENTES A INFORMÁTICA E O ENSINO DE MATEMÁTICA: ALGUNS ESTUDOS RECENTES Silvia Regina Viel Rodrigues - Uni-FACEF Introdução Localizado no Departamento de Matemática, Unesp, Rio Claro, sob a coordenação do professor

Leia mais

USO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM COMO FORMA DE POPULARIZAR O CONHECIMENTO CIENTÍFICO

USO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM COMO FORMA DE POPULARIZAR O CONHECIMENTO CIENTÍFICO USO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM COMO FORMA DE POPULARIZAR O CONHECIMENTO CIENTÍFICO Autor e Orientador Eduardo Lima Leite 1 (Universidade Federal de Campina Grande, eduardo@cstr.ufcg.edu.br) Resumo: O trabalho

Leia mais

A PRESENTAÇÃO SUMÁRIO

A PRESENTAÇÃO SUMÁRIO SUMÁRIO Apresentação Como ter sucesso na educação à distância A postura do aluno online Critérios de Avaliação da aprendizagem do aluno Como acessar a plataforma Perguntas freqüentes A PRESENTAÇÃO O Manual

Leia mais

TECNOLOGIA CONTRIBUINDO PARA INCLUSÃO? ESCOLA DE HACKERS

TECNOLOGIA CONTRIBUINDO PARA INCLUSÃO? ESCOLA DE HACKERS TECNOLOGIA CONTRIBUINDO PARA INCLUSÃO? ESCOLA DE HACKERS Ariane Mileidi Pazinato; Neuza Terezinha Oro; Eliamar Ceresoli Rizzon; Maria Elene Mallmann; Josiane Muller; Adriano Canabarro Teixeira; Jaqueline

Leia mais

Índice. Introdução... 3 Conhecendo Ambiente de estudo... 4

Índice. Introdução... 3 Conhecendo Ambiente de estudo... 4 Página 1 Índice Introdução... 3 Conhecendo Ambiente de estudo... 4 O QUE É EDUCAÇÃO A DISTANCIA (EAD)?... 4 O que é necessário para estudar em ead?... 4 Quais são as vantagens de estudar a distância?...

Leia mais

Apostila Coordenador

Apostila Coordenador Apostila Coordenador Índice Passo-a-passo para acessar... 5 Acesso aos dados do aluno... 6 Consultando o cadastro de alunos... 9 Consultando a matrícula de alunos... 10 Registrando e tratando ocorrências

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

Desenvolvimento e aplicação de um software como ferramenta lúdica para a memorização das regras do novo acordo ortográfico

Desenvolvimento e aplicação de um software como ferramenta lúdica para a memorização das regras do novo acordo ortográfico Desenvolvimento e aplicação de um software como ferramenta lúdica para a memorização das regras do novo acordo ortográfico Maria José Basso Marques*, Elisângela Mazei da Silva** Estado de Mato Grosso,

Leia mais

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet 57 Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet Hoje em dia ter a Internet como aliada é um recurso indispensável para qualquer educador ou responsável por treinamento corporativo que atue em qualquer

Leia mais

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1 DESAFIO Um dos maiores avanços percebidos pela área de qualidade de software foi comprovar que a qualidade de um produto final (software) é uma consequência do processo pelo qual esse software foi desenvolvido.

Leia mais

CURSOS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

CURSOS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO CURSOS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO TUTORIAL PARA TUTORES PLATAFORMA MOODLE OURO PRETO 2014 1 SUMÁRIO 1. PRIMEIRO ACESSO À PLATAFORMA... 03 2. PLATAFORMA DO CURSO... 07 2.1 Barra de Navegação...

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular.

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular. Trabalha de Conclusão do Curso Educação a Distância : Um Novo Olhar Para a Educação - Formação de Professores/Tutores em EaD pelo Portal Somática Educar Ferramentas de informações e comunicações e as interações

Leia mais

O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem...

O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem... O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 08 Edição do Perfil... 10 Ambiente Colaborar... 11 Iniciando

Leia mais

Modelos de Negócio com Software Livre

Modelos de Negócio com Software Livre Modelos de Negócio com Software Livre Marcelo Souza (marcelo@cebacad.net) Tech Jr. Empresa Júnior de Informática UCSal CEBACAD Centro Baiano de Computação de alto Desempenho PSL-BA Projeto Software Livre

Leia mais

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento FORMAÇÃO CONTINUADA NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA EXPERIÊNCIA EM CURITIBA Maio/2007 Eloina de Fátima Gomes dos Santos Prefeitura Municipal de Curitiba eloinas@curitiba.org.br Cíntia Caldonazo

Leia mais

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno Guia Rápido de Utilização Ambiente Virtual de Aprendizagem Perfil Aluno 2015 APRESENTAÇÃO O Moodle é um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) open source¹. Esta Plataforma tornouse popular e hoje é utilizada

Leia mais

Diretor Executivo Walter Teixeira dos Santos Jr. Diretor Acadêmico Júlio César Alvim. Coordenadora do NEaD Luciana Ulhoa

Diretor Executivo Walter Teixeira dos Santos Jr. Diretor Acadêmico Júlio César Alvim. Coordenadora do NEaD Luciana Ulhoa FACULDADE ÚNICA Diretor Executivo Walter Teixeira dos Santos Jr Diretor Acadêmico Júlio César Alvim Coordenadora do NEaD Luciana Ulhoa FACULDADE ÚNICA Caro aluno, Seja bem-vindo às Disciplinas Semipresenciais

Leia mais

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas?

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Thuban Qgis Jump MapServer O Futuro das Tecnologias

Leia mais

CONHECENDO O SOFTWARE LIVRE

CONHECENDO O SOFTWARE LIVRE CONHECENDO O SOFTWARE LIVRE Reinaldo Candido da Costa 1 * Rosaria Ferreira Otoni dos Santos* Resumo O presente artigo busca instigar a reflexão dos usuários dos meios de comunicação e disseminação da informação

Leia mais

Como é o desenvolvimento de Software?

Como é o desenvolvimento de Software? Como é o desenvolvimento de Software? Fases do Desenvolvimento Modelo Cascata Define atividades seqüenciais Outras abordagens são baseadas nesta idéia Especificação de Requisitos Projeto Implementação

Leia mais

O desenvolvimento da EaD pode ser descrito basicamente em três gerações, conforme os avanços e recursos tecnológicos e de comunicação de cada época.

O desenvolvimento da EaD pode ser descrito basicamente em três gerações, conforme os avanços e recursos tecnológicos e de comunicação de cada época. Educação a distância (EaD, também chamada de teleducação), por vezes designada erradamente por ensino à distância, é a modalidade de ensino que permite que o aprendiz não esteja fisicamente presente em

Leia mais

1 O USO DA INTERNET NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA BALADELI, Ana Paula Domingos 1 ALTOÉ, Anair 2

1 O USO DA INTERNET NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA BALADELI, Ana Paula Domingos 1 ALTOÉ, Anair 2 1 O USO DA INTERNET NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA BALADELI, Ana Paula Domingos 1 ALTOÉ, Anair 2 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem o objetivo de apresentar os resultados preliminares

Leia mais

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS Lucas Gabriel Seibert Universidade Luterana do Brasil lucasseibert@hotmail.com Roberto Luis Tavares Bittencourt Universidade Luterana do Brasil rbittencourt@pop.com.br

Leia mais

II ENCONTRO DE MATEMÁTICA

II ENCONTRO DE MATEMÁTICA Perspectivas atuais para pesquisa em : Ensino e TECNOLOGIA EDUCACIONAL: POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO ENTRE PROFESSOR DE MATEMÁTICA E O ALUNO NO AMBIENTE ESCOLAR Ediênio Farias Célia Gomes Resumo: O presente

Leia mais

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA Ronaldo Vieira Cabral Abdias de Brito Aguiar Júnior José Sidney Nunes de Araújo Resumo: A parte das

Leia mais

5.1.1. WebCT (Web Course Tools)

5.1.1. WebCT (Web Course Tools) 27!" 28 5.1.Os Ambientes Os ambientes integrados de ensino à distância são formados por um conjunto de ferramentas que de uma forma ou de outra possibilitam a interação entre professor e aluno. Estas ferramentas

Leia mais

Título: Guia do Aluno EAD Autor: Adriana V. Bassut Edição: Novembro 2009. Guia do Aluno EAD

Título: Guia do Aluno EAD Autor: Adriana V. Bassut Edição: Novembro 2009. Guia do Aluno EAD Título: Guia do Aluno EAD Autor: Adriana V. Bassut Edição: Novembro 2009 Guia do Aluno EAD Sumário SUMÁRIO...2 INTRODUÇÃO...3 METODOLOGIA...3 AULAS VIRTUAIS...4 INSCRIÇÃO...4 APROVAÇÃO...5 PRESENÇA...5

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LOGO: APRENDIZAGEM DE PROGRAMAÇÃO E GEOMETRIA * 1. COSTA, Igor de Oliveira 1, TEIXEIRA JÚNIOR, Waine 2

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LOGO: APRENDIZAGEM DE PROGRAMAÇÃO E GEOMETRIA * 1. COSTA, Igor de Oliveira 1, TEIXEIRA JÚNIOR, Waine 2 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LOGO: APRENDIZAGEM DE PROGRAMAÇÃO E GEOMETRIA * 1 COSTA, Igor de Oliveira 1, TEIXEIRA JÚNIOR, Waine 2 Palavras-CHAVE: formação de professores, programação, Logo Introdução As

Leia mais