ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO"

Transcrição

1 ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO

2 EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO Sangue, fluidos orgânicos potencialmente infectantes (sêmen, secreção vaginal, liquor, líquido sinovial, líquido pleural, peritoneal, pericárdico, amniótico), fluidos orgânicos potencialmente não infectantes (suor, lágrima, fezes, urina e saliva), exceto se contaminado com sangue.

3 PÚBLICO-ALVO Todos profissionais e trabalhadores que atuam, direta ou indiretamente em atividades onde há risco de exposição ao sangue e a outros materiais biológicos incluindo aqueles profissionais que prestam assistência domiciliar e atendimento pré-hospitalar (ex. bombeiros, socorristas, etc.)

4 OBJETIVO Estabelecer sistemática de atendimento nos diferentes níveis de complexidade que permita diagnóstico, condutas, medidas preventivas e notificação da exposição a material biológico, prioritariamente na transmissão do vírus da imunodeficiência humana (HIV), do vírus da hepatite B (HBV) e do vírus da hepatite C (HCV).

5 EPIDEMIOLOGIA A Organização Mundial de Saúde estima a ocorrência de dois a três milhões de acidentes percutâneos com agulhas contaminadas por material biológico por ano entre trabalhadores da área da saúde. (PRÜSS-ÜSTÜN, A.; RAPITI, E.; HUTIN, Y. Sharps injuries:2003)

6 GRÁFICO I Total de Acidentes de Trabalho com Material Biológico por sexo no Estado de Goiás nos anos de 2007 a Masculino Feminino Total Total Fonte: CEREST Estadual, 2011.

7 TABELA I - Total de Acidentes de Trabalho com Material Biológico por sexo no Estado de Goiás nos anos de 2007 a ANO Sexo Total Masculino Feminino Total Fonte: CEREST Estadual de Goiás, 2011.

8 TABELA II Ocupações mais atingidas por Acidentes de Trabalho com Material Biológico no Estado de Goiás nos anos de 2007 a OCUPAÇÃO Total TÉCNICO DE ENFERMAGEM AUXILIAR DE ENFERMAGEM ESTUDANTE EMPREGADO DOMÉSTICO NOS SERVIÇOS GERAIS ENFERMEIRO MÉDICO CIRURGIÃO GERAL FAXINEIRO CIRURGIÃO DENTISTA - CLÍNICO GERAL MÉDICO CLÍNICO COLETOR DE LIXO Fonte: CEREST Estadual de Goiás, 2011.

9 TABELA III Circunstância dos Acidentes de Trabalho com Material Biológico no Estado de Goiás nos anos de 2007 a Circunstância do Acidente Total Ignorado/Branco Outros Adm. med. endovenosa Descarte inadeq. lixo Descarte inadeq. chão Proced. cirúrgico Proced. odontológico Punção NE Manip caixa perfuro/cortante Lavagem de material Adm. med. intramuscular Proced. laboratorial Punção coleta Adm. med. subcutânea Lavanderia Reencape Dextro Adm. med. intradérmica Fonte: CEREST Estadual de Goiás, 2011.

10 EPIDEMIOLOGIA O risco ocupacional após exposições a materiais biológicos é variável e depende do tipo de acidente e de outros fatores, como gravidade, tamanho da lesão, presença e volume de sangue envolvido, além das condições clínicas do paciente-fonte e uso correto da profilaxia pós exposição. (CARDO et al., 1997)

11 EPIDEMIOLOGIA Os ferimentos com agulhas e material perfurocortante, em geral, são considerados extremamente perigosos por serem potencialmente capazes de transmitir mais de 20 tipos de patógenos diferentes. (COLLINS;KENNEDY,1987)

12 DOENÇAS MAIS FREQUENTES HIV HEPATITE B HEPATITE C

13 RISCO DE SOROCONVERSÃO APÓS ACIDENTE PERCUTÂNEO

14 MEDIDAS PREVENTIVAS Boas práticas de trabalho; Utilizar EPI s adequados aos riscos; Educação em Saúde ; Lavar frequente das mãos; Esquema Vacinal Completo.

15 IMPORTANTE AS CONDUTAS APROPRIADAS PÓS-EXPOSIÇÃO CONSTITUEM IMPORTANTE COMPONENTE DE SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO.

16 EMERGÊNCIA MÉDICA

17 TRABALHADORES ENVOLVIDOS TODOS OS PROFISSIONAIS EXPOSTOS A MATERIAL BIOLÓGICO

18 TIPOS DE EXPOSIÇÃO Percutâneas: lesões provocadas por instrumentos perfurantes e cortantes, como, agulhas, bisturi, vidrarias etc;

19 TIPOS DE EXPOSIÇÃO Mucosas: quando há respingos envolvendo olho, nariz, boca ou genitália;

20 TIPOS DE EXPOSIÇÃO Cutâneas: por exemplo, contato com pele não íntegra, como no caso de dermatites ou feridas abertas;

21 TIPOS DE EXPOSIÇÃO Por mordeduras humanas: consideradas como exposição de risco quando envolvem a presença de sangue. Devem ser avaliadas tanto para o indivíduo que provocou a lesão quanto para aquele que tenha sido exposto.

22 ACIDENTOU! O QUE FAZER? PARA ONDE IR?

23

24

25

26 PACIENTE FONTE

27

28

29 FONTE VÍTIMA

30 VÍTIMA

31

32

33 Providenciar atendimento imediatamente; Realizar TESTE RÁPIDO para HIV exclusivamente do paciente fonte;

34 Coleta de sangue do trabalhador para exames;

35

36 Avaliação dos resultados; TESTE RÁPIDO NEGATIVO Não instituir quimioprofilaxia TESTE RÁPIDO PARA HIV POSITIVO Indicar quimioprofilaxia

37 QUIMIOPROFILAXIA PPE HIV

38

39 Análise de situações. Paciente fonte com diagnóstico prévio de HIV Indicar quimioprofilaxia (Mesma medicação que a fonte utiliza)

40 FONTE DESCONHECIDA DESCONHECIDO

41

42 ?????

43

44

45

46

47

48

49 PORTADORES DE TUBERCULOSE

50 PRESIDIÁRIOS

51 CONDUTAS PARA HEAPATITE B Para iniciar a profilaxia é necessário determinar o status sorológico da FONTE e ACIDENTADO. CONDUTAS PARA HEPATIIE C QUIMIOPROFILAXIA EM TESTE

52 ACONSELHAMENTO PÓS TESTE Orientação quanto a importância do acompanhamento pós acidentado e do tratamento, caso se confirme a condição de soropositividade do paciente fonte. Orientação quanto a práticas seguras de sexo (uso de preservativos e evitar gestação), amamentação.

53 Agendar consulta com INFECTOLOGISTA no Centro de Referência Diagnóstico e Terapêutica CRDT; Fone: (62) Encaminhar a CAT ao INSS; Preencher a ficha do SINAN (Sistema de Informação de Agravos de Notificação) Portaria 104/2011GM/MS

54 3 0 GOIÂNIA PSF GUANABARA VERA LUCIA BRIGIDO F MARIA JOSÉ SILVA GOIÂNIA NORTE GUANABARA RUA BRASIL

55 TÉCNICO DE ENFERMAGEM 4 CAIS GUANABARA GOIÂNIA NORTE

56 Encaminhar para o CEREST Regional

57 Acompanhamento é feito pelo INFECTOLOGISTA. Durante o acompanhamento se constatada a soroconversão, encaminhar para tratamento no SAE (Serviço de Atendimento Especializado) do HC (Hospital das Clínicas) ou HDT (Hospital de Doenças Tropicais.

58 RFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL.Ministério da Saúde.Secretaria da Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Exposição a materiais biológicos - Brasília: Editora do Mistério da Saúde, (Saúde do Trabalhador 3.Protocolos de Complexidade Diferenciada).

59 CEREST Regional de Goiânia Fone: (62) CEREST Regional de Anápolis Fone: (62) CEREST Regional de Ceres CONTATOS Fone: (62) CEREST Regional de Formosa Fone: (61) DST/AIDS Goiás Fone: (62) /

60 OBRIGADA! Thaysa Zago CEREST ESTADUAL/GVSAST/SUVISA/SES GO FONE: (62)

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

Acidentes com materiais perfurocortantes

Acidentes com materiais perfurocortantes Acidentes com materiais perfurocortantes Forma de transmissão: Oral-fecal Riscos biológicos Via respiratória (gotículas ou aérea) Contato Via sanguínea Alto risco Risco Intermediário Sem risco Sangue e

Leia mais

Clique para editar o título mestre

Clique para editar o título mestre Fórum HIV e Hepatites Virais NOVAS ABORDAGENS PARA PREVENÇÃO DA INFECÇÃO PELO HIV ESTE É O MELHOR CAMINHO? Profilaxia Pós Exposição Denize Lotufo Estevam Infectologista Coordenação de DST/Aids de SP 1

Leia mais

Solicitação e análise de exames durante um período determinado, para verificar se o acidentado com

Solicitação e análise de exames durante um período determinado, para verificar se o acidentado com 1/7 1. OBJETIVO Registrar, orientar e conduzir todo acidente de trabalho ocorrido com o colaborador do grupo SH Brasil nas instalações pertencentes à mesma, nos serviços prestados em áreas externas ou

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO

ACIDENTE DE TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO ACIDENTE DE TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO CID-10: Z20.9 Elaboração: equipe técnica Camila Seixas - Médica - Vigilância em Saúde do Trabalhador Frederico Leão - Médico - Vigilância em Saúde

Leia mais

NÍVEL DE BIOSSEGURANÇA 1

NÍVEL DE BIOSSEGURANÇA 1 NÍVEL DE BIOSSEGURANÇA 1 Nível de contenção laboratorial que se aplica aos laboratórios de ensino básico, onde são manipulados os microrganismos pertencentes a classe de risco 1. Não é requerida nenhuma

Leia mais

SEGURANÇA DO PROFISSIONAL

SEGURANÇA DO PROFISSIONAL SEGURANÇA DO PROFISSIONAL RISCO BIOLÓGICO Palestrante: Carolina Cardoso de Araujo Ferri Importância na Enfermagem Brasil: 1,5 milhões de profissionais São Paulo: 346.730 profissionais * Enfermeiros: 65.981

Leia mais

Acidente com Perfuro- Cortantes. Guia Rápido

Acidente com Perfuro- Cortantes. Guia Rápido Acidente com Perfuro- Cortantes Guia Rápido Cuidado do Ferimento Lavar com água e sabão o ferimento ou pele exposta ao sangue ou fluidos orgânicos. Lavar as mucosas com água em abundância. Não é recomendada

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

HIV + sint. C.V. (> 1500 cópias/ml) PPE EXPANDIDO PPE PPE

HIV + sint. C.V. (> 1500 cópias/ml) PPE EXPANDIDO PPE PPE AVALIAÇÃO DO STATUS SOROLÓGICO Conhecida Solicitar consentimento para a realização dos seguintes exames: HBs Ag, Anti-HBc IgM+IgG, Anti-HCV e Anti-HIV (teste rápido para HIV*) Desconhecida Material de

Leia mais

MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO

MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE POLÍTICAS DE SAÚDE COORDENAÇÃO NACIONAL DE DST E AIDS MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é descrever

Leia mais

Secretaria de Saúde PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011

Secretaria de Saúde PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011 PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011 INDICE Introdução... 3 1) Definição da sorologia para HIV do paciente-fonte... 4 2) Locais de atendimento ao acidentado...

Leia mais

RISCOS BIOLÓGICOS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE

RISCOS BIOLÓGICOS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE I Simpósio de Biossegurança ESTES/UFU RISCOS BIOLÓGICOS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE Tanyse Galon Contextualizando a Temática RISCO BIOLÓGICO O conceito tem um fim em si mesmo? CONCEITOS DA RELAÇÃO SAÚDE E TRABALHO

Leia mais

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Profilaxia Pós-Exposição ao HIV Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Fatores de risco para infecção ocupacional pelo HIV O risco de infecção ocupacional pelo HIV era aumentado quando: A exposição ocupacional

Leia mais

Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho

Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho Assim que ocorrer o acidente Introdução Fluxo AT Com o objetivo de adotar medidas de cuidado e segurança à saúde de médicos, clientes e colaboradores, a

Leia mais

PROTOCOLO DE CONDUTA DE EXPOSIÇÃO À MATERIAL BIOLÓGICO: HIV E HEPATITE B E C

PROTOCOLO DE CONDUTA DE EXPOSIÇÃO À MATERIAL BIOLÓGICO: HIV E HEPATITE B E C 1 de 19 PROTOCOLO DE CONDUTA DE EXPOSIÇÃO À MATERIAL BIOLÓGICO: SUMÁRIO 2 de 19 Introdução 3 Profissionais de Saúde e Tipos de Exposição 4 Risco de Transmissão 4 Prevenção da Exposição a Materiais Biológicos

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ

LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ Guilherme Viero, Marlise Shoenhals, Franciele A.C. Follador, Darlan Clóvis Vettorello Rech,

Leia mais

2. REDUÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV

2. REDUÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS/HV NOTA TÉCNICA Nº. 004/DIVE/SES/2011

Leia mais

SERVIÇO O DE ATENDIMENTO A ACIDENTES COM MATERIAL GICO: Experiência do Instituto de Infectologia Emílio Ribas

SERVIÇO O DE ATENDIMENTO A ACIDENTES COM MATERIAL GICO: Experiência do Instituto de Infectologia Emílio Ribas SERVIÇO O DE ATENDIMENTO A ACIDENTES COM MATERIAL BIOLÓGICO GICO: Experiência do Instituto de Infectologia Emílio Ribas Dr. Francisco Ivanildo de Oliveira Junior O Instituto de Infectologia Emílio Ribas

Leia mais

Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde. Dra Cristiane Rapparini Doutora em Infectologia pela UFRJ Coordenadora do Projeto Riscobiologico.

Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde. Dra Cristiane Rapparini Doutora em Infectologia pela UFRJ Coordenadora do Projeto Riscobiologico. Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde Dra Cristiane Rapparini Doutora em Infectologia pela UFRJ Coordenadora do Projeto Riscobiologico.org Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde 1621134 - Produzido

Leia mais

Coleta de sangue do caso índice e do profissional: Caso fonte. Profissional (fonte de contaminação) 2 tubos secos de 8 ml 2 tubos secos de 8 ml

Coleta de sangue do caso índice e do profissional: Caso fonte. Profissional (fonte de contaminação) 2 tubos secos de 8 ml 2 tubos secos de 8 ml Universidade Estadual de Campinas Hospital da Mulher Prof. Dr. José Aristodemo Pinotti - CAISM - Seção de Apoio e Desenvolvimento do Profissional / RH COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Rotina

Leia mais

Caderno de Informações Epidemiológicas das DST/HIV/Aids do Município de Uberaba-MG

Caderno de Informações Epidemiológicas das DST/HIV/Aids do Município de Uberaba-MG SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROGRAMA MUNICIPAL DE DST/AIDS DE UBERABA Caderno de Informações Epidemiológicas das DST/HIV/Aids do Município de Uberaba-MG Gerente: Maria Clara de Vasconcelos Afonso Elaboração:

Leia mais

ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE ACIDENTES COM PERFURO CORTANTES

ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE ACIDENTES COM PERFURO CORTANTES ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE ACIDENTES COM PERFURO CORTANTES INTRODUÇÃO *Cindy Heloisa Silva da Silva - NOVAFAPI *Frida Jéssica de Carvalho e Silva- NOVAFAPI *Renata Giordana de Sousa Andrelino- NOVAFAPI

Leia mais

A-3 Modelos de formulários para pesquisa com os trabalhadores sobre a exposição a sangue ou outros materiais biológicos no ambiente de trabalho

A-3 Modelos de formulários para pesquisa com os trabalhadores sobre a exposição a sangue ou outros materiais biológicos no ambiente de trabalho A-3 Modelos de formulários para pesquisa com os trabalhadores sobre a exposição a sangue ou outros materiais biológicos no ambiente de trabalho Esta pesquisa ajuda a avaliar os aspectos relativos à notificação

Leia mais

Atendimento Inicial às Vítimas de Exposição a Material Biológico em Contagem MG

Atendimento Inicial às Vítimas de Exposição a Material Biológico em Contagem MG Atendimento Inicial às Vítimas de Exposição a Material Biológico em Contagem MG Um guia de consulta rápida para o atendimento de urgência às vítimas de acidentes com material biológico Programa Municipal

Leia mais

Unimed Anápolis Cooperativa de Trabalho Médico.

Unimed Anápolis Cooperativa de Trabalho Médico. PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO E SAÚDE OCUPACIONAL - NR - 7 Unimed Anápolis Cooperativa de Trabalho Médico. (Filial) Elaborado pela Strategy Segurança e Medicina do Trabalho www.strategysaudeocupacional.com.br

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Centro Universitário Newton Paiva Escola de Odontologia BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Maria Aparecida Gonçalves de Melo Cunha O que é biossegurança? O termo biossegurança é formado pelo radical

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

Hepatites virais e profissionais de saúde

Hepatites virais e profissionais de saúde Hepatites virais e profissionais de saúde Prof. Antonio Carlos de Castro Toledo Jr. Faculdade de Medicina da Unifenas-BH Pós-graduação em Medicina Tropical e Infectologia da Universidade Federal do Triângulo

Leia mais

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP CENTRO CIRÚRGICO Jardim Japonês Centro Cirúrgico Hospital Maternidade Terezinha de Jesus Juiz de Fora (MG) Queimaduras

Leia mais

COMISSÃO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE ACIDENTES COM MATERIAIS PERFUROCORTANTES PROTOCOLO DE PRONTO ATENDIMENTO

COMISSÃO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE ACIDENTES COM MATERIAIS PERFUROCORTANTES PROTOCOLO DE PRONTO ATENDIMENTO COMISSÃO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE ACIDENTES COM MATERIAIS PERFUROCORTANTES PROTOCOLO DE PRONTO ATENDIMENTO EM ACIDENTES COM EXPOSIÇÃO AO RISCO BIOLÓGICO ASSIS 2013 Página 1 de 7 COMISSÃO DE PREVENÇÃO

Leia mais

Isolamento. HISTÓRICO 1983: Guia de Isolamento do CDC. 1987: Precauções Universais. 1987: Isolamento de Substâncias Corpóreas

Isolamento. HISTÓRICO 1983: Guia de Isolamento do CDC. 1987: Precauções Universais. 1987: Isolamento de Substâncias Corpóreas Isolamento HISTÓRICO 1983: Guia de Isolamento do CDC Isolamento Categoria Específico Isolamento Doença Específico 1987: Precauções Universais 1987: Isolamento de Substâncias Corpóreas 1996: Novo Guia de

Leia mais

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M.

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011 Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. Trazzi Objetivos: As normas descritas abaixo, deverão ser acatadas pelos

Leia mais

Dr Iris Ricardo Rossin Médico Assistente HC-FMRP/USP Tese doutorado

Dr Iris Ricardo Rossin Médico Assistente HC-FMRP/USP Tese doutorado Uso de dispositivos eletrônicos para melhorar a adesão dos trabalhadores da saúde ao tratamento e seguimento de acidentes ocupacionais com risco biológico Dr Iris Ricardo Rossin Médico Assistente HC-FMRP/USP

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: e-mail: ÁREA TEMÁTICA: 1- INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: e-mail: ÁREA TEMÁTICA: 1- INTRODUÇÃO TÍTULO: ANÁLISE DOS ACIDENTES DE TRABALHO COM FLUIDOS BIOLÓGICOS OCORRIDOS COM ESTUDANTES DE NÍVEL MÉDIO E SUPERIOR NOS HOSPITAL DOS SERVIDORES DO ESTADO (HSE), DE 1999 A 2001. AUTORES: Nogueira, Daniele

Leia mais

Como Minimizar o Risco Profissional? Prevenção contra HIV e Profilaxia Medicamentosa

Como Minimizar o Risco Profissional? Prevenção contra HIV e Profilaxia Medicamentosa CAPÍTULO 110 Como Minimizar o Risco Profissional? Prevenção contra HIV e Profilaxia Medicamentosa Soraia Menezes Genelhu * Em todo mundo, 38 milhões de pessoas vivem com o vírus da imunodeficiência humana

Leia mais

PORTARIA Nº 100 REITOR/2006

PORTARIA Nº 100 REITOR/2006 PORTARIA Nº 100 REITOR/2006 CONSTITUI COMISSÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE OCUPACIONAL CASO, DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CLEMENTE DE FARIA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Reitor da Universidade Estadual de Montes

Leia mais

CLÍNICA DE FISIOTERAPIA MANUAL DE BIOSSEGURANÇA

CLÍNICA DE FISIOTERAPIA MANUAL DE BIOSSEGURANÇA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA MANUAL DE BIOSSEGURANÇA 1. INTRODUÇÃO O pessoal que atua em Unidades de Saúde está exposto a uma grande variedade de microrganismos provenientes das secreções, excreções, sangue

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM DENF

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM DENF UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO OESTE CEO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM DENF GUIA TÉCNICO: EXPOSIÇÃO A MATERIAIS BIOLÓGICOS Chapecó SC, 2013/Revisão: 2015/2 Rua

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO: UMA EDUCAÇÃO PERMANENTE PARA OS TRABALHADORES DA SAÚDE PORTO ALEGRE RIO GRANDE DO SUL

ACIDENTE DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO: UMA EDUCAÇÃO PERMANENTE PARA OS TRABALHADORES DA SAÚDE PORTO ALEGRE RIO GRANDE DO SUL CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde ACIDENTE DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO: UMA EDUCAÇÃO PERMANENTE PARA OS TRABALHADORES DA SAÚDE PORTO ALEGRE

Leia mais

VIGILÂNCIA DE HIV EM ACIDENTES PERFUROCORTANTES COM TRABALHADORES DA SAÚDE HIV surveillance in needlestick accidents with health workers

VIGILÂNCIA DE HIV EM ACIDENTES PERFUROCORTANTES COM TRABALHADORES DA SAÚDE HIV surveillance in needlestick accidents with health workers Acidentes perfurocortantes e HIV VIGILÂNCIA DE HIV EM ACIDENTES PERFUROCORTANTES COM TRABALHADORES DA SAÚDE HIV surveillance in needlestick accidents with health workers Artigo Original RESUMO Objetivo:

Leia mais

Cartilha de Biossegurança e Quimioprofilaxia da Exposição Ocupacional ao HIV.

Cartilha de Biossegurança e Quimioprofilaxia da Exposição Ocupacional ao HIV. Cartilha de Biossegurança e Quimioprofilaxia da Exposição Ocupacional ao HIV. APRESEN- TAÇÃO Nos últimos anos, a AIDS, como problema de Saúde Publica, vem levantando várias situações de risco relacionadas

Leia mais

NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS ANTI- HIV EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA.

NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS ANTI- HIV EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO:

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DA FICHA DE NOTIFICAÇÃO DO ACIDENTE DE TRABALHO COM EXPOSIÇÃO À MATERIAL BIOLÓGICO

ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DA FICHA DE NOTIFICAÇÃO DO ACIDENTE DE TRABALHO COM EXPOSIÇÃO À MATERIAL BIOLÓGICO Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância em Saúde Ambiental e do Trabalhador ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO

Leia mais

Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS

Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS Lucia Mardini DVAS Hepatites Virais Hepatite: inflamação do fígado. As hepatites podem

Leia mais

BIOLÓGICOS DATA : 01/03/2010 APROV: CCIH

BIOLÓGICOS DATA : 01/03/2010 APROV: CCIH PAG: 1/5 1 - DEFINIÇÃO É um procedimento que informa passo a passo aos coordenadores, chefes de setor, lideres e outros interessados, o que fazer após um acidente de contado com materiais biológicos. -

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO DE INDICAÇÃO DE TESTAGEM RÁPIDA HIV/SÍFILIS

PROTOCOLO CLÍNICO DE INDICAÇÃO DE TESTAGEM RÁPIDA HIV/SÍFILIS Hospital Nossa Senhora da Conceição GHC UPA Moacyr Scliar PROTOCOLO CLÍNICO DE INDICAÇÃO DE TESTAGEM RÁPIDA HIV/SÍFILIS 1- OBJETIVO Este protocolo tem por objetivo definir e alinhar condutas de indicação

Leia mais

NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde. Profª Andréia Ap.Tavares Martins E-mail: andreiatmenf@yahoo.com.br

NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde. Profª Andréia Ap.Tavares Martins E-mail: andreiatmenf@yahoo.com.br NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Profª Andréia Ap.Tavares Martins E-mail: andreiatmenf@yahoo.com.br A Saúde e a Segurança do Trabalhador no Brasil Em 2009 foram registrados 723.452

Leia mais

ACIDENTE COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO

ACIDENTE COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Saúde Pública COORDENADORIA DE PROMOÇÃO A SAÚDE CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR SINAN Sistema de Informação de Agravos

Leia mais

O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de

O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de transmissão... 6 Acidentes ocupacionais com materiais

Leia mais

Nara Rubia Borges da Silva Vitória Maria Lobato Paes

Nara Rubia Borges da Silva Vitória Maria Lobato Paes CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde A PREVENÇÃO DA HEPATITE B ATRAVÉS DA IMUNIZAÇÃO EM CASO DE ACIDENTE COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO DOS TRABALHADORES

Leia mais

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS.

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. Introdução e método: A violência física em especial a violência sexual é, sem dúvida, um problema de saúde pública.

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

MELHORAR A QUALIDADE DE VIDA DAS PVHIVAIDS

MELHORAR A QUALIDADE DE VIDA DAS PVHIVAIDS SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA ÀS DST/AIDS/HEPATITES E OUTRAS DOENÇAS INFECTO-CONTAGIOSAS CONTAGIOSAS QUALIDADE DA ASSISTÊNCIA E DA REDE BASICA E ESPECIALIZADA FORTALECIMENTO DA REDE DE APOIO MELHORAR

Leia mais

Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho [FUNDACENTRO] X Semana da Pesquisa

Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho [FUNDACENTRO] X Semana da Pesquisa Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho [FUNDACENTRO] X Semana da Pesquisa O trabalhador de limpeza hospitalar e o acidente com lesão por instrumento perfurocortante Caetana

Leia mais

ENFERMAGEM EM BIOSSEGURANÇA

ENFERMAGEM EM BIOSSEGURANÇA BIOSSEGURANÇA : 1-CONCEITO: É a ciência que estuda o manuseio de substâncias biológicas avaliando todas as condições que serão necessárias para a atividade de enfermagem. 1.2 Considerações gerais : Em

Leia mais

FLUXOGRAMA DO ACIDENTE BIOLÓGICO

FLUXOGRAMA DO ACIDENTE BIOLÓGICO 1 FLUXOGRAMA DO ACIDENTE BIOLÓGICO FLUXOGRAMA DAS MEDIDAS A SEREM ADOTADAS APÓS O ACIDENTE BIOLÓGICO E OS CUIDADOS COM O ACIDENTADO: 1) PACIENTE FONTE ASSINA TERMO DE CONSENTIMENTO (pág 2); 2) COLHER EXAMES

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Problema

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Problema 8 1 INTRODUÇÃO Os acidentes com materiais pérfuro-cortantes entre os profissionais da saúde são muito freqüentes, visto que a manipulação desses materiais dá-se em toda a jornada de trabalho, e tais acidentes

Leia mais

A SEGURANÇA DO PROFISSIONAL DA SAÚDE

A SEGURANÇA DO PROFISSIONAL DA SAÚDE A SEGURANÇA DO PROFISSIONAL DA SAÚDE 1º CASO REPORTADO DE PROFISSIONAL DA SAÚDE INFECTADO POR HIV, ATRAVÉS DE PICADA DE AGULHA Estimasse que a cada ano, os profissionais da saúde, sofram aproximadamente

Leia mais

Ministério do Trabalho e Emprego Portaria 485 de 11 de Novembro de 2005

Ministério do Trabalho e Emprego Portaria 485 de 11 de Novembro de 2005 Ministério do Trabalho e Emprego Portaria 485 de 11 de Novembro de 2005 Enfoque na prevenção de exposições a material biológico BIOSSEGURANÇA relato de caso Circulante de centro cirúrgico g ao manusear

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Recomendações do Ministério da Saúde Transcrito por Marília da Glória Martins

ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Recomendações do Ministério da Saúde Transcrito por Marília da Glória Martins ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Puerpério Imediato Acompanhamento da puérpera HIV* 1. Inibir a lactação através do enfaixamento das mamas com ataduras ou comprimindo-as com um top e evitando, com isso,

Leia mais

Saúde no Trabalho. Problemas ocupacionais em áreas críticas. Dr. Marcos José C. Baptista Médico do trabalho coordenador

Saúde no Trabalho. Problemas ocupacionais em áreas críticas. Dr. Marcos José C. Baptista Médico do trabalho coordenador Saúde no Trabalho Problemas ocupacionais em áreas críticas Dr. Marcos José C. Baptista Médico do trabalho coordenador Riscos ocupacionais Risco: probabilidade de ocorrência de um dano à saúde ou à integridade

Leia mais

COORDENAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SUPERVISÃO DE SAÚDE OCUPACIONAL

COORDENAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SUPERVISÃO DE SAÚDE OCUPACIONAL COORDENAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SUPERVISÃO DE SAÚDE OCUPACIONAL NORMA INTERNA NA OCORRÊNCIA DE ACIDENTE DE TRABALHO 2012 1 SUMÁRIO I Apresentação 03 II Objetivo 03 III Informações gerais 04 IV- Preenchimento

Leia mais

Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho [FUNDACENTRO]

Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho [FUNDACENTRO] Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho [FUNDACENTRO] Seminário do Programa de Pós-graduação em Trabalho, Saúde e Ambiente O trabalhador de limpeza hospitalar e o acidente

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

Riscos Biológicos. Acidente Ocupacional com Material Biológico. HIV, HCV e HBV

Riscos Biológicos. Acidente Ocupacional com Material Biológico. HIV, HCV e HBV Riscos Biológicos Acidente Ocupacional com Material Biológico HIV, HCV e HBV Sistema de Vigilância Monitorar práticas existentes Cobertura vacinal Características dos acidentes Riscos de adoecimento Estabelecer

Leia mais

PROJETO RISCOBIOLOGICO.ORG SISTEMA DE VIGILÂNCIA PSBIO

PROJETO RISCOBIOLOGICO.ORG SISTEMA DE VIGILÂNCIA PSBIO PROJETO RISCOBIOLOGICOORG SISTEMA DE VIGILÂNCIA PSBIO PROJETO RISCOBIOLOGICOORG SISTEMA DE VIGILÂNCIA PSBIO RELATÓRIO ANO III N 2 (Dados sujeitos à revisão) A PROFISSIONAL ACIDENTADA ESTÁ GRÁVIDA? INFORMAÇÕES

Leia mais

Vírus HIV circulando na corrente sanguínea

Vírus HIV circulando na corrente sanguínea O que é AIDS? Sinônimos: hiv, síndrome da imunodeficiência adquirida, sida É uma doença que ataca o sistema imunológico devido à destruição dos glóbulos brancos (linfócitos T CD4+). A AIDS é considerada

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 Enfermeira, 01 Farmacêutica e 01 Medico Infectologista e consultores-representantes

Leia mais

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS CEREST ESTADUAL Enfª do Trabalho: Thaysa Zago CLASSIFICAÇÃO Inseticidas ou praguicidas: combatem insetos; Fungicidas: atingem os fungos; Herbicidas: matam as plantas

Leia mais

Considerando que têm ocorrido injustificadas restrições a esses direitos no País;

Considerando que têm ocorrido injustificadas restrições a esses direitos no País; Direito à Educação - PORTARIA INTERMINISTERIAL N o 796, de 29/05/1992, dos Ministros da Educação e da Saúde - Normas e procedimentos educativos referente à transmissão e prevenção da infecção pelo HIV

Leia mais

Acidente com material pérfuro-cortante

Acidente com material pérfuro-cortante Acidente com material pérfuro-cortante Cássia de Lima Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Isabel Cristina Kowal Olm Cunha Docente do Curso de Graduação em Enfermagem. Orientadora. RESUMO Existem

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão Biossegurança

Procedimento Operacional Padrão Biossegurança a serviço da vida. www.biotecnica.ind.br 1 Índice Introdução 1 Definições 1 Treinamentos / Informações 2 Vigilância médica e de saúde 2 Normas de vigilância sanitária de funcionários que têm contato com

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS Descrição Doença que representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade, em função de seu

Leia mais

Material Perfurocortante

Material Perfurocortante Prevenção de acidentes por Material Perfurocortante Gestão da Fase Pré-Analítica: Recomendações da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial GESTÃO PREVENÇÃO DE DE RISCOS ACIDENTES

Leia mais

Oficina 2 Os trabalhos foram iniciados com a discussão do relato de caso apresentado. O grupo conversou sobre quais as medidas a serem adotadas pela

Oficina 2 Os trabalhos foram iniciados com a discussão do relato de caso apresentado. O grupo conversou sobre quais as medidas a serem adotadas pela Oficina 2 Os trabalhos foram iniciados com a discussão do relato de caso apresentado. O grupo conversou sobre quais as medidas a serem adotadas pela Unidade de Saúde Para se quebrar a cadeia de sequência

Leia mais

MANEJO HEPATITES VIRAIS B/C - 2015

MANEJO HEPATITES VIRAIS B/C - 2015 MANEJO HEPATITES VIRAIS B/C - 2015 HEPATITE C PAPEL DA ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE FILIPE DE BARROS PERINI Assessor Técnico GEDST-DIVE-SES Infectologista Policlínica Municipal do Continente SMS-PMF Assessor

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº. 12/DIVE/SUV/SES/2014

NOTA TÉCNICA Nº. 12/DIVE/SUV/SES/2014 GOVENO DE SANTA CATAINA Secretaria de Estado da Saúde Sistema Único de Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica NOTA TÉCNICA Nº. 12/DIVE/SUV/SES/2014 Assunto:

Leia mais

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013 Seminário estratégico de enfrentamento da Tuberculose e Aids no Estado do Rio de Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS Maio, 2013 1.Detecção de casos e tratamento da tuberculose 1.1. Descentralizar

Leia mais

MANUAL DE BIOSSEGURANÇA ODONTOLOGIA

MANUAL DE BIOSSEGURANÇA ODONTOLOGIA MANUAL DE BIOSSEGURANÇA ODONTOLOGIA Dr. João Rodrigues Sampaio Filho REITOR Prof. Dr. Douglas Apratto Tenório VICE-REITOR Profa. Esp. Daniela Pereira do Nascimento SECRETÁRIA ACADÊMICA Profa. Ma. Roberta

Leia mais

Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN. Lucia Mardini DVAS

Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN. Lucia Mardini DVAS Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN Lucia Mardini DVAS Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS CEVS Rua Domingos Crescêncio Nº 132 sala 310 hepatites@saude.rs.gov.br

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Medicina. Maristela Aparecida Magri Magagnini

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Medicina. Maristela Aparecida Magri Magagnini Universidade Estadual Paulista Faculdade de Medicina Maristela Aparecida Magri Magagnini ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E O SEU SIGNIFICADO PARA OS PROFISSIONAIS ENVOLVIDOS Dissertação de

Leia mais

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro 01 de 05 Anexo 1 Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro Figura 2: Exemplo de caixa com tampa de material não poroso, rígido, resistente à descontaminação, identificada

Leia mais

Manual de Biossegurança

Manual de Biossegurança Manual de Biossegurança Araras/SP Comissão de Biossegurança Introdução O manual de Biossegurança do Centro Universitário Hermínio Ometto - UNIARARAS, foi elaborado com o objetivo de padronizar, orientar

Leia mais

PLANEJANDO A GRAVIDEZ

PLANEJANDO A GRAVIDEZ dicas POSITHIVAS PLANEJANDO A GRAVIDEZ Uma pessoa que vive com HIV/aids pode ter filhos biológicos? Pode. As pessoas que vivem com HIV/aids não devem abandonar seus sonhos, incluindo o desejo de construir

Leia mais

PARTE A. Instituto da AIDS Consentimento Informado para fazer o exame de HIV

PARTE A. Instituto da AIDS Consentimento Informado para fazer o exame de HIV DEPARTAMENTO DE SAÚDE DO ESTADO DE NOVA YORK Instituto da AIDS Consentimento Informado para fazer o exame de HIV O exame de HIV é voluntário. O consentimento pode ser revogado a qualquer momento, mediante

Leia mais

Acidente Geral; Acidente com material biológico.

Acidente Geral; Acidente com material biológico. RHU-025 DE 01/12/2011 VERSÃO 02 III NORMAS GERAIS Existem dois tipos de acidente de trabalho: o Típico : o Trajeto. Acidente Geral; Acidente com material biológico. A caracterização do Acidente de Trabalho

Leia mais

CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE EM RELAÇÃO À HEPATITE C

CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE EM RELAÇÃO À HEPATITE C CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE EM RELAÇÃO À HEPATITE C 1 Vieira, E. S.; 2 Cardoso E. M.; 3 Souza, J. R.; 4 Filipini. S. M., 5 Giaretta, V. M. A Faculdade de Ciências da Saúde, Curso de

Leia mais

PROTOCOLO DA ROTINA DE ATENDIMENTO EM ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO

PROTOCOLO DA ROTINA DE ATENDIMENTO EM ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE RIO CLARO PROTOCOLO DA ROTINA DE ATENDIMENTO EM ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO Estabelece a sistemática de atendimento ao acidentado 2015 A V E N I D A 2 - N º 238 - C E

Leia mais

MONITORAMENTO DE ACIDENTES COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO. Alcyone Artioli Machado 14º Congresso Brasileiro de Infectologia

MONITORAMENTO DE ACIDENTES COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO. Alcyone Artioli Machado 14º Congresso Brasileiro de Infectologia MONITORAMENTO DE ACIDENTES COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO Alcyone Artioli Machado 14º Congresso Brasileiro de Infectologia Acidente Estresse Vírus Doença Letal TRANQUILIZAR O TRABALHADOR Subnotificação

Leia mais

EM CASA DE FERREIRO O ESPERTO É DE PAU

EM CASA DE FERREIRO O ESPERTO É DE PAU Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Serviço Público Federal Universidade Federal do Pará Centro de Ciências da Saúde EM CASA DE FERREIRO O ESPERTO É DE PAU : uma

Leia mais

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA Regina Lúcia Dalla Torre Silva 1 ; Marcia helena Freire Orlandi

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

DRA. GLÁUCIA BERRETA RUGGERI MÉDICA ENDOCRINOLOGISTA DO CENTRO DE SAÚDE OCUPACIONAL HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN glauciabr@einstein.

DRA. GLÁUCIA BERRETA RUGGERI MÉDICA ENDOCRINOLOGISTA DO CENTRO DE SAÚDE OCUPACIONAL HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN glauciabr@einstein. DRA. GLÁUCIA BERRETA RUGGERI MÉDICA ENDOCRINOLOGISTA DO CENTRO DE SAÚDE OCUPACIONAL HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN glauciabr@einstein.br Segurança do Paciente => 1999 => Marco => TheError is Human

Leia mais

ACIDENTES COM MATERIAL PERFUROCORTANTE EM PROFISSIONAIS DA SAÚDE - uma revisão de artigos indexados na Biblioteca Virtual em Saúde,

ACIDENTES COM MATERIAL PERFUROCORTANTE EM PROFISSIONAIS DA SAÚDE - uma revisão de artigos indexados na Biblioteca Virtual em Saúde, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA ANDREA DIAS ACIDENTES COM MATERIAL PERFUROCORTANTE EM PROFISSIONAIS DA SAÚDE

Leia mais

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C.

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. A) DIAGNÓSTICO ETAPA I - TRIAGEM SOROLÓGICA ( ANTI-HCV ) ETAPA II CONFIRMAÇAO

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO DE EXPOSIÇAO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO : HIV E HEPATITES B e C

RECOMENDAÇÕES PARA ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO DE EXPOSIÇAO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO : HIV E HEPATITES B e C RECOMENDAÇÕES PARA ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO DE EXPOSIÇAO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO : HIV E HEPATITES B e C 1 Cristiane Rapparini Secretaria Municipal de Saúde RJ Gerência de DST/AIDS Universidade

Leia mais