POLÍTICAS PÚBLICAS DE DESENVOLVIMENTO E MUDANÇAS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE DO SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICAS PÚBLICAS DE DESENVOLVIMENTO E MUDANÇAS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE DO SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA 1"

Transcrição

1 POLÍTICAS PÚBLICAS DE DESENVOLVIMENTO E MUDANÇAS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE DO SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA 1 Leonardo Antonio Silvano Ferreira 2 Orientadora: Profª. Drª. Simone Wolff 3 RESUMO O estudo pretende fazer uma análise sobre a situação das atuais relações e condições no mercado de trabalho do município de Londrina, tomando como objeto o Arranjo Produtivo Local do setor de Tecnologia da Informação no município de Londrina. Os (APL s) são uma política pública de cunho regional e/ou municipal que, em parceria com instituições e empresas privadas, visam a facultar o estabelecimento e consolidação de pequenas e médias empresas, como protagonistas em localidades tidas como vocacionadas para o desenvolvimento de um setor específico da economia. Nesse cenário, surgem novas formas de contratos caracterizados pela flexibilização trabalhista, que enseja a precarização das condições do trabalho. O objetivo é avaliar os impactos que ocorrem nas relações de trabalho na cadeia produtiva do setor de TI sob o manto dessas políticas públicas de desenvolvimento local no município de Londrina. A hipótese é de que, no âmbito do mercado de trabalho, em conformidade com o modelo de desenvolvimento neoliberal, o aumento dos pequenos empresários numa cadeia produtiva, favorece o capital por facultar processos de flexibilização e precarização do trabalho, representados pelo trabalho temporário e / ou informal, na forma de microempreendedor, bem como o aumento de pessoas jurídicas prestadoras de serviços de uma empresa. Palavras chave: Políticas públicas de desenvolvimento, flexibilização do trabalho, setor de ti. 1 Este trabalho se refere à pesquisa de iniciação científica desenvolvida durante a graduação em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), no período de agosto de 2010 a julho de 2011, sob a orientação da Profa. Dra. Simone Wolff. Este estudo serviu de base para construção do objeto da pesquisa que está sendo desenvolvida no mestrado. 2 Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Londrina (UEL) e pesquisador do Grupo de estudos sobre novas tecnologias e trabalho (GENTT). 3 Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), docente do Departamento de Ciências Sociais e do Programa de Pós Graduação em Ciências Sociais da Universidade Estadual de Londrina (UEL), coordenadora do Grupo de estudos sobre novas tecnologias e trabalho (GENTT). 842

2 O presente trabalho objetiva-se a fazer uma análise sobre as relações e condições no mercado de trabalho, presentes na primeira década do ano 2000, tendo como base o município de Londrina, tomando como objeto o Arranjo Produtivo Local do setor de Tecnologia da Informação. É importante salientar que os (APL s) são uma política pública de cunho regional e/ou municipal que, em parceria com instituições e empresas privadas, visam a facultar o estabelecimento e consolidação de pequenas e médias empresas. Nesse cenário, simultâneo a busca pelo desenvolvimento de um setor específico da economia da cidade a qualquer custo, inclusive pelo barateamento da mão de obra, assistimos ao surgimento de novas modalidades de contratos de trabalho, que são caracterizados pela flexibilização da relação trabalhista. A flexibilização dessas relações podem ser caracterizadas, como por exemplo 4, por trabalho temporário e/ ou informal, pela relação de microempreendedor, e também pela forma de pessoas jurídicas prestadoras de serviços para uma empresa. Tendo como pano de fundo esta situação e nos apoiando em nossa hipótese chave, de que essas novas formas de contratos caracterizados pela flexibilização trabalhista, enseja a precarização das condições do trabalho, o objetivo é avaliar os impactos que ocorrem nas relações de trabalho no interior da cadeia produtiva do setor de TI e qual a intermediação das políticas públicas de desenvolvimento no município de Londrina. Para que possamos compreender o atual contexto das relações sociais no mercado de trabalho da região de Londrina é preciso ter ciência das profundas mudanças pela qual passa a sociedade levando em consideração a conjuntura política internacional, bem como a histórica relação conflituosa entre capital e trabalho. Para isso, é preciso refletir sobre algumas questões de forma breve, especificamente, a partir das duas últimas décadas do século XX. Ao longo da década de 1980, o mundo capitalista assistiu a um novo regime de acumulação política, econômica e social, isto é, a acumulação flexível, de acordo com Harvey (1992). Com o advento desta nova forma de acumulação 4 Nesses exemplos, podem ser caracterizadas como uma a perda de direitos trabalhistas, o fato deste trabalhador não possuir os benefícios que um trabalhador celetista possui. 843

3 capitalista, e em meio a um cenário de reestruturação econômica e produtiva, houve um reajuste da forma de organizar as relações de trabalho na sociedade. O período foi marcado por constantes degradações do mundo do trabalho, como por exemplo, expressos pela desregulamentação da legislação trabalhista e pela flexibilidade do mercado de trabalho. Com a emergência de um novo paradigma econômico inspirado no neoliberalismo fundamentado no princípio da liberdade de mercado, se tornou bastante presente durante a década de Este modelo neoliberal se tornou paradigma de desenvolvimento e a grande maioria dos países passou a seguir tal modelo. O paradigma neoliberal se tornou hegemônico no cenário mundial a partir da década de 1980, quando os EUA e Inglaterra protagonizaram a abertura comercial nos seus países e arregimentaram um consenso intercontinental em torno deste modelo econômico. No decorrer da década de 1990, este quadro gerou a intensificação das relações econômicas internacionais, tornando as relações do mercado de trabalho cada vez mais manejáveis e a mão de obra desvalorizada diante dos rendimentos baixos. Assim com a propagação do toyotismo, um método de organização da produção originado no Japão do pós-guerra, cujo princípio prevê uma maior flexibilidade nos processos produtivos e de trabalho, por meio do enxugamento das hierarquias e da polivalência operária, foi adotado como modelo de produção, e desencadearam uma reestruturação produtiva de amplo espectro, particularmente nas grandes corporações transnacionais. Esta reestruturação produtiva, ainda em curso, levou a uma nova forma de inserção das economias periféricas dentro da divisão internacional do trabalho. Com efeito, como aponta Chesnais (1996), a chamada globalização da economia é uma nova etapa da mundialização do capital, cujo processo de internacionalização se dá pela possibilidade de valorização oferecida tanto pelos atrativos fiscais e financeiros como pela quantidade de recursos e de mercados de trabalho e consumo nas regiões em que aporta. A liberação do comércio exterior contribuiu para facilitar as operações dos grupos industriais transnacionais, que passaram a recorrer cada vez mais ao recurso alternativo da realocação da força de 844

4 trabalho das atividades produtivas em países periféricos, por meio da terceirização e da subcontratação. É assim que se assiste o aumento da subcontratação e do trabalho temporário 5 como um novo paradigma de organização da produção, extremamente favorecido pela flexibilização e desregulamentação da legislação trabalhista, conforme Krein 6 (2007). Em tal medida, as Tecnologias de Informação e Comunicação TIC s tiveram papel essencial nesse processo por proporcionar as conexões necessárias para empresas numa relação internacional ao fluxo de produção sem perda de controle e sem a necessidade das matrizes se instalarem nos países onde se alojam os elos de suas cadeias de produção. O Arranjo Produtivo Local de Tecnologia da Informação do município de Londrina compreende o setor de informática, que por sua vez, está inserido no setor de serviços dentro da cadeia produtiva de tecnologia da informação. Observa-se que, a partir da inserção das tecnologias informacionais no ambiente de trabalho, pode trazer como resultado, modernas formas de expropriação do saber-fazer do trabalho presentes na atual era da informação, bem como formas de intensificação do trabalho, conforme Wolff (2005). [...] Esse fato, aliado a uma nova forma de estratégia, a saber, o investimento em ativos materiais isto é, que não dizem mais respeito tanto à extração de rendimentos via renda, mas sim via exploração, principalmente, de know-how tecnológico, possibilita a essas multinacionais englobar e ditar as regras para as pequenas e médias empresas locais, que são obrigadas a se incorporar àquelas, sob pena de exclusão e falência. (WOLFF, 2005, p. 118) As aplicações das tecnologias de informação pelas empresas têm o objetivo de melhorar e aumentar a produtividade. As empresas de tecnologia de 5 No Brasil, o trabalho temporário é legalmente amparado pela legislação trabalhista, de acordo com o art. 2º da Lei de 1974, é permitido para atender a necessidade transitória de substituição de seu pessoal regular e permanente ou a acréscimo extraordinário de serviços. Disponível em https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6019.htm. Acessado em 10 de julho de No Brasil, a flexibilização do trabalho, de acordo com Krein (2007), pode ser caracterizado a partir das seguintes formas: terceirização, sub-contratação, pessoa jurídica (PJ), cooperativa, sócio, parceria, consórcio de empregados, autônomo, contratação por prazo determinado, estágio, contrato parcial, contrato de experiência, contrato por obra certa, contrato de safra, empreitada, contrato temporário, moto-boy, caminhoneiro autônomo, integrado, trabalhador avulso, trabalho em domicílio, tele-trabalho, consultoria, façonismo, free lance. (p. 107). 845

5 informação elaboram softwares e programas de gerenciamento para empresas de diversos segmentos para facilitar o controle sobre os trabalhadores e, deste modo, promover a melhoria da produtividade. Dessa forma, como menciona Wolff (2005), as novas tecnologias incorporam do trabalhador o saber e o fazer necessário para realizar a ação. Na medida em que o sistema operacional, por meio das tecnologias da informação incorpora o saber fazer do trabalhador, mais reduzida é a importância do seu papel no processo de trabalho, pois este passa a realizar tarefas antes exercidas pelo trabalho vivo, e a utilização da jornada pode ser destinada para a realização de outras funções que não eram anteriormente exercidas. Concomitante a isso, observa-se o aumento da informalidade no mercado de trabalho. Dessa maneira, tem-se assim, um mercado de trabalho extremamente precarizado, marcado pela redução do número de empregos centrais e formais e o aumento das subcontratações, trabalho temporário, parcial, etc., cuja força de trabalho pode ser facilmente demitida, sem trazer muitos gastos ou problemas trabalhistas para as empresas. O mercado de trabalho, por exemplo, passou por uma radical reestruturação. Diante da forte volatilidade do mercado, do aumento da competição e do estreitamento das margens de lucro, os patrões tiraram proveito do enfraquecimento do poder sindical e da grande quantidade de mão-de-obra excedente (desempregados ou subempregados) para impor regimes e contratos de trabalho mais flexíveis. É difícil esboçar um quadro geral claro, visto que o propósito dessa flexibilidade é satisfazer as necessidades com frequência muito específicas de cada empresa. (HARVEY, 1992, p. 143). A partir da grande quantidade de mão de obra excedente disposta no mercado de trabalho é que esses regimes e contratos de trabalho mais flexíveis a que se refere Harvey (1992) se tornam cada vez mais frequentes nas relações produtivas da sociedade. Segundo Tavares (1994), uma das medidas pontuais das reformas neoliberais está centrada na flexibilização do mercado de trabalho, que altera a 846

6 relação trabalhista e deixam o trabalhador cada vez mais manejável na relação capital e trabalho, presentes em novas formas de vínculos trabalhistas flexíveis. Como observa Batista (1994), as influências políticas neoliberais na conjuntura econômica internacional foram propostas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e pelo Banco Mundial, foi intitulada de Consenso de Washington e, submetida no âmbito do capitalismo internacional, aos países subdesenvolvidos. Essas medidas são adotadas pelo governo brasileiro e se expandiu para os centros urbanos, ao longo da década de 1990, por meio dos ajustes estruturais, que se direcionava para a abertura econômica, desregulamentação financeira e diversas privatizações que remodelaram as cadeias produtivas nos seus diversos setores econômicos. A relação entre o global e local, na aposta de supervalorizar o desenvolvimento é uma nova tendência de organização do capitalismo contemporâneo. As grandes corporações mundiais atuam no sentido de reorganizar as cadeias produtivas, de modo a tornar mais vantajoso para o novo patamar de acumulação de capital. A promoção de nichos de desenvolvimento na sociedade, na perspectiva do local, se torna interessante na disseminação da ideologia de valorização do capital, isto é, tem como base a reorganização das empresas em conexões de rede, numa relação de dependência no contorno da atividade produtiva, tal como Castillo (2008) denomina de processos completos de produção. Com efeito, as micros e pequenas empresas atuam não como unidades avulsas na atividade econômica, mas sim como atividade integradas ao longo da cadeia produtiva de ti, ou seja, a pequena empresa atua nas franjas da cadeia produtiva, e tem uma relativa importância na disseminação de produtos oriundos das grandes corporações do ramo. As transnacionais atuam como networks globais, conforme define Dall Acqua (2002), de modo que a atuação das grandes transnacionais na extração de mais-valia se pulverize por todo o mundo, a partir da sua inserção nos países periféricos, pela rede informacional das cadeias produtivas. A reestruturação produtiva em setores econômicos, advindas pela onda neoliberal, em cadeias de produção dá margem às grandes empresas para elaborarem alternativas 847

7 estratégicas tendo em vista a redução com o custo da produção, possibilitando maior mobilidade do mercado de trabalho, tornando-o mais flexível. Assim as relações entre as transnacionais nos países cujas relações produtivas das empresas integram uma atividade meio-fim, correspondem, portanto, a busca do capital por excedente. É justamente nesse contexto, que se assiste uma tendência em se valorizar o desenvolvimento local e o micro-empreendedorismo, apostando, sobretudo na articulação de empresas do mesmo ramo, denominado de Arranjo Produtivo Local como é o caso do APL de TI de Londrina-PR, objeto desta pesquisa. A organização da produção, a partir da nova configuração em Arranjos Produtivos Locais (APL s) resulta em modificações nos processos de trabalho. Os dados observados na pesquisa permitem identificar alguns efeitos gerados nas condições de trabalho dos trabalhadores empregados no setor de serviços de TI do município de Londrina. A precarização do trabalho ocorre na medida em que as flexibilizações e desregulamentações trabalhistas se intensificam, sendo consequentemente adotadas pelas empresas e amparadas pelas políticas públicas locais. Constatamos que, por um lado, os impactos ocasionados na condição de trabalho dos trabalhadores centrais podemos apontar como aqueles trabalhadores que são empregados pelo regime celetista e que lhes é garantido alguns benefícios sociais em que ocorre a intensificação do trabalho, através de extensas jornadas de trabalho, do nivelamento da faixa de renda concentrada no piso mínimo da tabela salarial, (redução de intervalo, horário) e do discurso da administração municipal 7 sobre o baixo custo com a mão de obra local e de baixa 7 O discurso observado nos Cadernos Setoriais expostos no site do Instituto de Desenvolvimento de Londrina (CODEL), vinculado à prefeitura municipal, é altamente utilizado com vistas a atrair investimentos externos e novas empresas voltadas à inovação, uma vez que se entende que são estes os responsáveis pelo desenvolvimento da região na atual conjuntura. Podemos destacar, por exemplo, um trecho do caderno setorial de Mercado de Trabalho e Qualificação : Seguindo os rumos de sua história, Londrina se destaca neste cenário como celeiro de prosperidade e crescimento socioeconômico. Os números do mercado de trabalho comprovam que Londrina e região vivem um grande momento e que a industrialização promovida nos últimos anos traz benefícios a todos que, de forma direta ou indireta, fazem uso dos produtos aqui industrializados ou utilizam sua mão-de-obra como prestadora de serviços (CADERNO SETORIAL Mercado de Trabalho e Qualificação, 2003). 848

8 qualificação atraindo a vinda de novas empresas e indústrias. Por outro lado, há uma tendência no aumento de subcontratações via informalidade e terceirizações nos elos da cadeia produtiva, tendo como parâmetro, a flexibilização das relações trabalhistas, ocasionando a redução de empregos centrais 8. Nota-se, ainda, que há um aumento considerável no número de micro e pequenas empresas no aglomerado produtivo do setor de informática. O objetivo da organização em APL s é ampliar o desenvolvimento das empresas e tornar a região num polo de referência do setor. A organização de empresas de um mesmo setor econômico em APL s é amparada e incentivada pelo Estado, por meio de políticas públicas de desenvolvimento local. As medidas adotadas nas cadeias produtivas se caracterizam por incentivar a criação e o desenvolvimento das micro e pequenas empresas. Durante a pesquisa, foram examinadas algumas questões relativas ao setor de atividade de informática do município de Londrina 9. Ao longo da pesquisa, analisamos algumas características sobre os trabalhadores e as empresas. Segundo os dados do Ministério do Trabalho e Emprego, observa-se que da força de trabalho empregada no setor de informática corresponde a um total de trabalhadores em Londrina. Destes, (58%) recebem até 1,0 salários mínimos e a soma dos que recebem até 1,5 salários mínimos no setor de informática é de trabalhadores (73%). Observamos que a maior concentração de mão de obra empregada no setor de informática em Londrina refere-se ao grupo de atividade econômica de processamento de dados 10 (63,45%). Ou seja, aquela 8 Muitas vezes a diminuição do emprego central são propagadas por meio do discurso oficial que incentiva o micro empreendedorismo individual. 9 De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério de Trabalho e Emprego (MTE) os trabalhos de informática do município de Londrina estão classificados em grupos de atividade econômica da seguinte forma: consultoria em hardware (2,48%); consultoria em software e desenvolvimento e edição de softwares prontos para uso (6,98%); desenvolvimento de softwares sob encomenda e outras consultorias; processamento de dados (63,45%); atividades de banco de dados e distribuição on line de conteúdo eletrônico (0,79%); manutenção e reparação de máquinas de escritório e de informática (2,95%) e outras atividades de informática (23,35%). 10 Conforme o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério de Trabalho e Emprego (MTE) os trabalhadores de processamento de dados estão distribuídos, por faixa salarial, da seguinte maneira: até 0,5 salários mínimos, (0,55%); de 0,51 a 1,0 salários mínimos, (68,43%); de 1,01 a 1,5 salários 849

9 localizada na ponta da cadeia produtiva do setor de TI, que realizam as atividades de serviços e, portanto com baixa qualificação. Dentre estes trabalhadores, a maioria recebe até 1,0 salários mínimos, (68,98%). Observa-se que a distribuição de renda dos empregados do setor de informática está concentrada, em sua maioria, no piso salarial mínimo da tabela. A partir das informações levantadas junto ao Ministério do Trabalho, constata-se que aproximadamente três quartos da população de trabalhadores empregados no município de Londrina, recebem até um salário mínimo. Há, portanto, uma mão de obra local inserida no setor de informática, concentrada com rendimentos em níveis salariais relativamente baixos. Os relatórios desenvolvidos pela Companhia de Desenvolvimento de Londrina (CODEL), a partir dos Cadernos Setoriais reforçam esta característica da mão de obra empregada no setor, com objetivo de orientar e informar os investidores externos que pretendem instalar suas indústrias na cidade, com informações sobre o município e a mão de obra local, caracterizada e reforçada por baixos salários e baixa qualificação, além de trazer informações sobre infraestrutura e recursos financeiros, isto é, o custo com a mão de obra empregada é relativamente baixo. Se analisarmos a distribuição de renda dos trabalhadores empregados do setor de informática, podemos constatar que os trabalhadores de processamento de dados e outras atividades de informática, não especificadas anteriormente representam juntos, (86,8%) do total de trabalhadores do setor de informática. Desses, (58%) recebem até 1,0 salários mínimos. O rendimento médio mensal dos trabalhadores do setor de informática classificados na atividade outras atividades de informática, não especificadas anteriormente 11 compreende em sua maioria, empregados que mínimos, (13,79%); de 1,51 a 2,0 salários mínimos, (6,5%); de 2,01 a 3,0 salários mínimos, (5,58%); e soma das demais variáveis, acima de 3,0 salários mínimos, (5,16%). 11 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério de Trabalho e Emprego (MTE), neste grupo de atividade econômica, se observa uma pequena melhora em comparação com os trabalhadores de processamento de dados. Os que recebem de 0,51 a 1,0 salários mínimo correspondem a 850

10 recebem até 1,0 salários mínimos, ou seja, (55,56%) do contingente. Já em relação aos trabalhadores de consultoria em software 12, observamos outras características. Na contramão desta tendência de nivelamento salarial, existem aqueles trabalhadores que recebem maiores salários e estão empregados no setor de informática, mas correspondem a uma parcela minoritária, ou seja, (6,98%) dos trabalhadores do setor de informática. Destaca-se que, os trabalhadores classificados como atividade econômica em consultoria em software tem a média salarial mais elevada. Constatamos na pesquisa, que tem sido bastante comum, sobretudo a partir da década de 2000, outra forma de relação de trabalho analisada no setor de informática. Há uma tendência sendo observada no mercado de trabalho, que demonstra a crescente inserção daqueles trabalhadores que possuem vínculo de trabalho flexível, como por exemplo, as pessoas jurídicas (PJ) vinculadas às empresas, que não são captados pelos dados do Ministério do Trabalho. Entretanto, pode-se apontar que as políticas públicas locais em curso incentivam o emprego menos qualificado, como observado nos trabalhadores de processamento de dados do setor de informática de Londrina. O papel destas empresas denominadas de processos completos de produção, conforme Castillo (2008) se reflete nos atuais processos de precarização do trabalho. É nesse sentido, que a partir de impressões obtidas a partir de conversas telefônicas realizadas com alguns trabalhadores das empresas, é que existe uma grande quantidade de trabalhadores que possui um vínculo flexível de trabalho de prestação de serviços, sobretudo em médias empresas transnacionais instaladas na cidade. Esta relação de trabalho se caracteriza pela forma de (55,56%). Os demais trabalhadores estão distribuídos em outras variáveis acima de 1,0 salários mínimos, ou seja, de 1,0 a 1,51 salários mínimos, (13%); de 1,51 a 2,0 salários mínimos, (9,31%); de 2,01 a 3,0 salários mínimos, (9,19%); a soma das demais variáveis, acima de 3,0 salários mínimos, (12,65%); e até 0,5 salários mínimos, (0,29%). 12 Ainda de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério de Trabalho e Emprego (MTE), os trabalhadores classificados em consultoria em software percebem os melhores rendimentos. Desses trabalhadores, a maioria recebe acima de 3,0 salários mínimos, (32,68%); seguido por trabalhadores que recebem de 2,01 a 3,0 salários mínimos, (21,4%); os que recebem de 1,01 a 1,5 salários mínimos, são (20,53%); de 1,51 a 2,0 salários mínimos, representam (18,87%); já os que recebem de 0,51 a 1,0 salários mínimos, são apenas (5,64%); e até os que recebem até 0,5 salários mínimos, são (0,88%). 851

11 trabalhador pessoa jurídica (PJ), ou seja, uma micro-empresa (um trabalhador) prestando serviços à outra empresa. Outro elemento importante para se pensar a respeito da atual configuração da cadeia produtiva de tecnologia da informação examinadas ao longo da pesquisa, foram informações referentes às empresas que compõe o setor de informática do município de Londrina. Faz-se necessário examinarmos os efeitos ocorridos na cadeia produtiva, uma vez que uma de nossas hipóteses é a de que existe uma tendência em se valorizar o micro-empreendimento a partir de uma nova configuração do mercado de trabalho que realoque o trabalhador sob uma nova condição de vínculo de trabalho. As micro-empresas locais executam o papel na atividade produtiva integrada ao sistema econômico. Ou seja, a partir da conexão das empresas inseridas na lógica global e local na atual guinada do capitalismo, reorganiza a cadeia de produção e atribuem as atividades meio-fim nos elos da cadeia produtiva. O APL de tecnologia da informação 13 de Londrina compreende a organização da classe dos empresários deste segmento econômico, sendo constituído por empresas, em sua maioria micro e pequenos empresários, entidades e instituições de ensino. As informações sobre a quantidade de vínculos ativos nos estabelecimentos do setor de informática, de acordo com os dados do Relatório anual de Informações Sociais do Ministério do Trabalho e Emprego (RAIS/MTE) apontam para uma diminuição de empresas cadastradas no Ministério do Trabalho. As empresas do setor de informática de acordo com o grupo de atividade econômica compreendem as seguintes atividades: atividades do serviço de tecnologia da informação; tratamento de dados, hospedagem na internet e outras atividades relacionadas; e outras atividades de prestação de serviços de informação. Os dados da (RAIS) de 2006, traduzem um total de 217 empresas; em 2007, 207 empresas; em 2008, reduziu para 184; e em 2009, reduziu ainda mais para O APL de tecnologia da informação é constituído por 166 empresas, segundo o SEBRAE/PR, regional norte. Informação obtida em julho de

12 Tabela 1: Informações sobre vínculos empregatícios dos estabelecimentos do setor de informática. Média por peso em (%) de vínculos ativos dos anos de 2006, 2007, 2008 e Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego. Elaboração: GENTT. Anos / Quantidade de Grupo de Atividade Econômica, segundo vínculos ativos por peso classificação CNAE versão 2.0 em (%) Atividades dos serviços de tecnologia da informação Nenhum vínculo ativo 8,93 16,22 15,58 17,28 Até 4 vínculos ativos 48,21 52,70 53,25 48,15 De 5 a 9 vínculos ativos 25,00 14,86 12,99 11,11 Soma das demais variáveis, acima de 10 vínculos ativos 17,86 16,22 18,18 23,46 Tratamento de dados, hospedagem na internet e outras atividades relacionadas Nenhum vínculo ativo 8,93 16,22 15,58 17,28 Até 4 vínculos ativos 48,21 52,70 53,25 48,15 De 5 a 9 vínculos ativos 25,00 14,86 12,99 11,11 Soma das demais variáveis, acima de 10 vínculos ativos 17,86 16,22 18,18 23,46 Outras atividades de prestação de serviços de informação Nenhum vínculo ativo 15,25 23,26 13,16 17,86 Até 4 vínculos ativos 54,24 48,84 68,42 67,86 De 5 a 9 vínculos ativos 25,42 13,95 7,89 7,14 Soma das demais variáveis, acima de 10 vínculos ativos 5,08 13,95 10,53 7,14 Fonte: RAIS - Ministério do Trabalho e Emprego. 853

13 Observa-se que há uma redução de empresas em Londrina cadastradas junto ao Ministério do Trabalho e Emprego dos anos de 2006 a Embora sejam bastante comuns nos discursos oficiais sobre as vantagens do empreendedorismo na sociedade que incentiva a criação de pequenas empresas, percebe-se que há uma dificuldade para a empresa, sobretudo micros e pequenas empresas permanecerem em atividade 14. Além disso, as informações contidas na (RAIS) sobre a quantidade de vínculos ativos nos estabelecimentos registrados nos anos de 2006 a 2009 demonstram que a esmagadora maioria das empresas, é micro ou pequena empresa. Neste período, o grupo de atividade econômica das empresas de atividades de serviços de tecnologia da informação, nas variáveis de até 4 vínculos ativos compreendem juntos em média (65,08%) das empresas cadastradas, sendo que (14,50%) são empresas que não possuem nenhum vínculo ativo e (50,58%) possuem até 4 vínculos ativos; as empresas de 5 a 9 vínculos ativos representam em média (15,99%) e a soma das demais variáveis representa em média (18,93%). A guisa de conclusão, constatamos que a organização da produção em Arranjos Produtivos Locais resulta em uma série de impactos ocasionados nos processos de trabalho. Os dados observados até o momento permitem identificar alguns efeitos gerados nas condições de trabalho deste setor econômico, o setor de tecnologia da informação. Há, portanto, nos empregos centrais, o nivelamento da faixa de renda concentrada no piso mínimo da tabela salarial para maioria dos trabalhadores do setor de informática. Observa-se também o aumento de subcontratações via informalidade e terceirizações nos elos de sua cadeia produtiva e de novas formas de relações de trabalho, como o (PJ), tendo como paradigma a flexibilização dos contratos de trabalho e a desregulamentação das leis trabalhistas, ocasionando a redução de empregos centrais e na precarização do trabalho presente nas suas franjas. 14 Segundo notícia do Jornal de Londrina de 08 de maio de 2011, no primeiro trimestre de 2011, a cidade de Londrina registrou o fechamento de empresas 13,6% maior do que o primeiro trimestre de Os dados foram extraídos da Junta Comercial do Paraná (Jucepar). 854

14 Tem-se apostado no atual paradigma de desenvolvimento local, caracterizado pela articulação de empresas, sobretudo micro e pequena, com o intuito de melhorar o processo organizacional e gerar maior capacidade lucrativa das transnacionais inseridas na cadeia produtiva. Embora o discurso oficial seja de que o aumento do micro-empreendedorismo, trás melhoria na qualidade de vida no mercado de trabalho e de toda a população do seu entorno. Entretanto, o aumento dos pequenos empresários numa cadeia produtiva, não significa necessariamente algo bom para sociedade, e, além disso, favorece o capital por facultar processos de flexibilização e precarização do trabalho, representados pelo trabalho temporário e/ou informal ou ainda por novas diversas formas de trabalho, bem como o aumento de pessoas jurídicas prestadoras de serviços de uma empresa. O Arranjo Produtivo Local de tecnologia da informação (APL de TI), encabeçado por empresas articuladas, com vistas a fortalecer o setor de tecnologia, se organiza no sentido de pensar estratégias para atrair políticas públicas que beneficie a cadeia produtiva como um todo. Essas empresas, sobretudo as micros e pequenas, atuam como elemento chave para as transnacionais na cadeia produtiva dos países emergentes. Em suma, faz-se importante alertar e trazer para o debate da ordem do dia, sobre os impactos ocasionados nas condições de trabalho dos trabalhadores do setor serviços de informática no APL de TI, inseridas no mercado de trabalho de Londrina. Enfim, deve-se destacar que o que pode estar perpetuando formas de melhoria no processo produtivo mediante a flexibilização do mercado de trabalho no topo de suas cadeias produtivas pode estar se tornando formas precárias de exploração da força de trabalho. 855

15 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BATISTA, P. N. O consenso de Washington: a visão neoliberal dos problemas latinoamericanos. In: Em defesa do interesse nacional. Rio de Janeiro: Paz e Terra, BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Cadastro Geral de Empregados e Desempregados - CAGED. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego, 2009a. Disponível em: < Acesso em: abr Ministério do Trabalho e Emprego. Relação Anual De Informações Sociais - RAIS: Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego, 2009b. Disponível em: <http://www.mte.gov.br/rais/default.asp>. Acesso em: abr CASTILLO, Juan José. Las fábricas de software en España. Organización y división del trabajo: el trabajo fluido em la sociedad de la información. In: Política & Sociedade, Revista de Sociologia Política, Florianópolis-SC, v. 7, n. 3, p , outubro de (Tradução livre) CHESNAIS, François. Capítulo 1: Decifrar palavras carregadas de ideologia. In:. A Mundialização do Capital. São Paulo: Xamã, DALL ACQUA, Clarisse T. B. Competitividade e Participação: Cadeias Produtivas e a definição dos espaços econômicos, global e local. São Paulo: Annablume, HARVEY, David. Parte II: As transformações político-econômicas do capitalismo no final do século XX. In:. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Loyola, O novo imperialismo. São Paulo: Loyola, KREIN, José Dari. Tendências recentes nas relações de emprego no Brasil: Tese (Doutorado em Economia Social e do trabalho) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas. TAVARES, M. C. O dissenso de Washington. In: Em defesa do interesse nacional. Rio de Janeiro: Paz e Terra, WOLFF, S. Informatização do trabalho e reificação: uma análise à luz dos Programas de Qualidade Total. Campinas: Editora da Unicamp; Londrina: EDUEL,

Exercícios sobre Tigres Asiáticos

Exercícios sobre Tigres Asiáticos Exercícios sobre Tigres Asiáticos Material de apoio do Extensivo 1. (UNITAU) Apesar das críticas, nos últimos tempos, alguns países superaram o subdesenvolvimento. São os NIC (Newly Industrialized Countries),

Leia mais

Introdução. Estadual de Londrina (2014), sob orientação da Profa. Dra. Simone Wolff.

Introdução. Estadual de Londrina (2014), sob orientação da Profa. Dra. Simone Wolff. POLÍTICAS PÚBLICAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO NO SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) E AS CONSEQUÊNCIAS PARA O MERCADO DE TRABALHO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA-PR 1 Leonardo Antonio Silvano Ferreira

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO ALVES, Ana Elizabeth Santos (UESB/UFBA) GT: Trabalho e Educação 1 A Qualificação frente ao atual processo

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 A Dinâmica dos espaços da Globalização. (9º ano) *Estudaremos a difusão do modo capitalista de produção, ou seja, do modo de produzir bens e

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás

TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás O presente informe técnico tem o objetivo de mostrar a importância da micro e pequena empresa para o Estado de Goiás, em termos de geração de emprego

Leia mais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Rodolfo Finatti rodolfofinatti@yahoo.com.br FFLCH/USP Palavras-chave: condomínio empresarial, Região

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Considerando como movimentos desejáveis, tanto

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 0026_V1_2014 CADASTRO GERAL DE EMPREGO E DESEMPREGO DA CIDADE DE JARAGUÁ DO SUL - FEVEREIRO DE 2014 -

NOTA TÉCNICA Nº 0026_V1_2014 CADASTRO GERAL DE EMPREGO E DESEMPREGO DA CIDADE DE JARAGUÁ DO SUL - FEVEREIRO DE 2014 - NOTA TÉCNICA Nº 0026_V1_ CADASTRO GERAL DE EMPREGO E DESEMPREGO DA CIDADE DE JARAGUÁ DO SUL - FEVEREIRO DE - Jaraguá do Sul (SC), Março de. ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Jaraguá Ativa: Cidade inteligente e sustentável,

Leia mais

O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO

O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO Marcia Akemi Yamada 1 Soraia Kfouri Salerno 2 Resumo Uma das premissas do trabalho docente na Instituição do Ensino Superior (IES) é a produção

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, NOVEMBRO DE 2012 17 2012

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE

UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE Edição Especial Terceirização ondagem O termômetro da indústria tocantinense Palmas, Tocantins junho de 2014 UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE 72% das empresas industriais

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

VII Semana de Relações Internacionais

VII Semana de Relações Internacionais VII Semana de Relações Internacionais Sociologia da Globalização Um olhar local sobre um fenômeno global Introdução A Semana de Relações Internacionais é um evento promovido por estudantes, através do

Leia mais

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e Comentários gerais Pesquisa de Serviços de Tecnologia da Informação - PSTI A investigou, em 2009, 1 799 empresas de TI com 20 ou mais Pessoas Ocupadas constantes do cadastro de empresas do IBGE e os produtos

Leia mais

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Sistema produtivo

Leia mais

FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009. Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009

FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009. Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009 FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009 Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009 EMPRESAS E INOVAÇÃO Luísa Oliveira luisa.oliveira@iscte.pt Luísa Veloso

Leia mais

REQUERIMENTO N o, DE 2015

REQUERIMENTO N o, DE 2015 REQUERIMENTO N o, DE 2015 (Da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio) Requer a criação e constituição de Comissão Especial destinada a proferir parecer ao Projeto de Lei Complementar

Leia mais

Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade

Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade Dezembro 2011 Nº 6 Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade Durante a década de 1990, com o enfraquecimento das instituições reguladoras da economia e da sociedade

Leia mais

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas Conceitos Fundamentais de Engenharia 1 Ano Profª Fernanda Cristina Vianna Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas 1. O Que é Estrutura Organizacional? É a estrutura formal na qual ocorrem as

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO

O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO Luciana Sardenha Galzerano FE/Unicamp Agência Financiadora: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo Fapesp Resumo Este trabalho objetiva

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES O modelo tradicional do setor elétrico estruturado através de monopólios naturais verticalizados foi a principal forma de provisionamento de energia elétrica no mundo

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI Como pode cair no enem A desconcentração industrial verificada no Brasil, na última década, decorre, entre outros fatores,

Leia mais

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 Arquivo Título: Flexibilidade: Um Novo Formato das Organizações Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 RESUMO

Leia mais

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia.

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Autores: Ana Claudia Carlos 1 Raquel Aparecida Celso 1 Autores e Orientadores: Caroline Goerck 2 Fabio Jardel

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Outsourcing e Terceirização

Outsourcing e Terceirização ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Estratégia de Negócios em TI (Parte 4) Outsourcing e Terceirização Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr Definições Processo de gestão pelo qual se

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA Uilson Jose Nepchji eliziane.uilson@gmail.com Pedro Anotonio Laurentino Valdemir Monteiro Sandra Mara Matuik Mattos Professora do Curso Ciências Econômicas/

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação Política de Informação Pública Salvador, 28 a 30 de junho de 2004 Política de Informação Pública Inclusão Digital de Micro e Pequeno Empresa Telecentros

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Parque Científico e Tecnológico de Macaé

Parque Científico e Tecnológico de Macaé Parque Científico e Tecnológico de Macaé Carlos Eduardo Lopes da Silva¹ Ramon Baptista Narcizo² Joelson Tavares Rodrigues³ Resumo Este artigo apresenta os principais conceitos e estratégias que apóiam

Leia mais

Inovação e Tecnologia

Inovação e Tecnologia Inovação e Tecnologia INOVAÇA O E TECNOLOGIA ALTERNATIVAS PARA APOIAR A CIÊNCIA, A INOVAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO NO RS Em uma época identificada como a era do conhecimento e da informação, é

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Visão: "Que em 2020 Santa Maria e região sejam referência pela capacidade de empreender,

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. *

O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. * O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. * Lúcio Alcântara ** Senhores Contadores, É com muita honra que em nome do hospitaleiro povo cearense participo

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS NOS SETORES DE COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS NA CONURBAÇÃO CRAJUBAR NO PERÍODO DE 1995 A 2005

EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS NOS SETORES DE COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS NA CONURBAÇÃO CRAJUBAR NO PERÍODO DE 1995 A 2005 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS NOS SETORES DE COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS NA CONURBAÇÃO CRAJUBAR NO PERÍODO DE 1995 A 2005 Nara dos Santos Ferreira 1, Maria

Leia mais

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI)

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI) Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Visão: "Que em 2020 Santa Maria e região sejam referência pela capacidade de empreender,

Leia mais

O desenvolvimento econômico de «PLATAFORMAS TECNÓLOGICAS» para dar suporte à inovação e è competitividade do POLO INDUSTRIAL de MANAUS e da AMAZÔNIA

O desenvolvimento econômico de «PLATAFORMAS TECNÓLOGICAS» para dar suporte à inovação e è competitividade do POLO INDUSTRIAL de MANAUS e da AMAZÔNIA O desenvolvimento econômico de «PLATAFORMAS TECNÓLOGICAS» para dar suporte à inovação e è competitividade do POLO INDUSTRIAL de MANAUS e da AMAZÔNIA Alessandro GIARI Presidente APSTI Diretor General Polo

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM Salete Beatriz Scheid 1 Neide Tiemi Murofuse 2 INTRODUÇÃO: Vivemos atualmente numa sociedade marcada pelas intensas e rápidas

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS 1º MÓDULO: SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS Economia e Sociedade do Conhecimento: Conceitos básicos: economia da informação e conhecimento. Investimentos tangíveis e intangíveis. Gestão do Conhecimento e

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015 INSERIR IMAGEM ESPECÍFICA 1 I. Sociedade Portuguesa de Inovação (SPI) Missão: Apoiar os nossos clientes na gestão de projetos que fomentem a inovação e promovam oportunidades

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Introdução. A Internet de Todas as Coisas está pronta para gerar pelo menos US$ 613 bilhões em lucros empresariais mundiais no. ano de 2013.

Introdução. A Internet de Todas as Coisas está pronta para gerar pelo menos US$ 613 bilhões em lucros empresariais mundiais no. ano de 2013. Internet de Todas as Coisas (IoE). 10 principais descobertas da Pesquisa Índice de valor da IoE da Cisco com 7.500 responsáveis pela tomada de decisão em 12 países Joseph Bradley Jeff Loucks Andy Noronha

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA SÃO PAULO, 2014

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA SÃO PAULO, 2014 APRESENTAÇÃO CORPORATIVA SÃO PAULO, 2014 BRIGANTI ADVOGADOS é um escritório brasileiro de advogados, de capacidade e experiência reconhecidas, que nasce com um propósito distinto. Nosso modelo de negócio

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA: RESENHA: PINTO, Geraldo Augusto. A organização do trabalho no século 20: taylorismo, fordismo e toyotismo. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 88p. Rogério Gerolineto FONSECA Graduando do curso de

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental O momento certo para incorporar as mudanças A resolução 4.327 do Banco Central dispõe que as instituições

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Disseminar a cultura empreendedora e inovadora em Santa Maria Ações de disseminação da Cultura Empreendedora Ações de trabalho conjunto entre Universidades e Comunidade Divulgação do trabalho pelo CEI

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

O Uso da Inteligência Competitiva e Seus Sete Subprocessos nas Empresas Familiares

O Uso da Inteligência Competitiva e Seus Sete Subprocessos nas Empresas Familiares O Uso da Inteligência Competitiva e Seus Sete Subprocessos nas Empresas Familiares O uso da Inteligência Competitiva como processo para monitorar tecnologias, legislação, ambiente regulatório, concorrência,

Leia mais

Estatísticas de Empreendedorismo 2008

Estatísticas de Empreendedorismo 2008 Notas técnicas estudo do empreendedorismo remonta a Cantillon, que imagina O o empreendedor como um portador de incerteza no mercado, aquele que é capaz de prever e investir no futuro, ajudando a ajustar

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart Organização e a Terceirização da área de TI Profa. Reane Franco Goulart Como surgiu? A terceirização é uma ideia consolidada logo após a Segunda Guerra Mundial, com as indústrias bélicas americanas, as

Leia mais

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil Ponto de vista 40 Metodologia para um índice de confiança E expectativas das seguradoras no Brasil Francisco Galiza Em 2012, no Brasil, algumas previsões econômicas não fizeram muito sucesso. Por exemplo,

Leia mais

QFD: Quality Function Deployment QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO

QFD: Quality Function Deployment QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO 1 - INTRODUÇÃO Segundo Akao (1990), QFD é a conversão dos requisitos do consumidor em características de qualidade do produto e o desenvolvimento da qualidade de

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Contexto: O Impulso Jovem, Plano Estratégico de Iniciativas de Promoção da Empregabilidade Jovem

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em 2013

Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em 2013 EMPREGO DOMÉSTICO NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE ABRIL 2014 Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em Em, diminuiu o número de empregadas domésticas na

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA O objetivo específico deste concurso consiste em conceder apoios financeiros a projetos

Leia mais

Notas metodológicas. Objetivos

Notas metodológicas. Objetivos Notas metodológicas Objetivos Qual é a população de empresa em um determinado ano? Esta é aparentemente uma pergunta simples, entretanto, existem inúmeras questões envolvidas na definição, identificação

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais