RECONHECIMENTO BOTÂNICO DAS PLANTAS MEDICINAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RECONHECIMENTO BOTÂNICO DAS PLANTAS MEDICINAIS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA: FITOTERAPIA PROF.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO RECONHECIMENTO BOTÂNICO DAS PLANTAS MEDICINAIS

2 IMPORTANTE: O emprego correto de plantas medicinais para fins terapêuticos, requer o uso de plantas medicinais selecionadas por sua eficácia e segurança terapêuticas, baseadas na tradição popular ou cientificamente validadas como medicinais. Considera-se validada a planta que respondeu, positivamente, à aplicação do conjunto de ensaios capazes de comprovar a existência da propriedade terapêutica que lhe é atribuída, bem como seu grau de toxicidade nas doses compatíveis com emprego medicinal.

3 Um dos aspectos mais importantes está relacionado à identidade das plantas. Por ser fortemente baseada em nomes regionalistas, a verdadeira identidade de uma planta recomendada pode variar de região para região. Nomes populares Alecrim, boldo, calêndula, melissa - os nomes populares de muitas plantas tem um encanto e poesia próprios. Algumas descrevem um traço característico da planta, como por exemplo a língua-de-vaca, é um nome atribuído a várias plantas cujas folhas se assemelham ao formato da língua das vacas, assim como a erva-cidreira refere-se a espécies com odor cítrico.

4 Outras plantas recebem o nome de acordo com o uso que as pessoas fizeram delas, é o caso, por exemplo, do quebra-pedra (para eliminar ou quebrar pedra nos rins) e a erva-mata-pulgas (erva-de-santa-maria), utilizada popularmente contra insetos devido seu forte cheiro. Casearia sylvestris Annona cacans

5 O exemplo da Mandrágora: Mandrágora acorrentada a um dos cães utilizados para extrair as raízes do solo, Século XII.

6 Erros freqüentes: Os nomes populares podem ser igualmente motivo de confusão. Muitas vezes a mesma planta tem mais de um nome: o Cassaú é conhecido ainda no Brasil como Calungo e cipó-mil-homens. No entanto, essa mesma planta é também chamada em Portugal de Aristoloquia, onde brota espontaneamente e é usada para fazer chás medicinais. Aristolochia cymbiphera

7 Variações lingüísticas: dependendo da região do Brasil algumas espécies possuem nomes populares diferentes. Por exemplo: Chenopodium ambrosioides L. é conhecido em Santa Catarina como erva-de-santa-maria, enquanto que na Região Nordeste, a mesma planta é chamada mastruço, que em Santa Catarina esta última corresponde a Coronopus didymus Chenopodium ambrosioides L. Coronopus didymus

8 Espécies afins: um mesmo nome popular pode ser empregado para diversas espécies afins, de um mesmo gênero, ou seja, espécies diferentes que tem um parentesco botânico bastante estreito podem receber a mesma terminologia vulgar. É muito comum verificarmos em rótulos de fitoterápicos e de cosméticos à base de produtos naturais, a presença de Passiflora (maracujá) em sua composição, ora, dentro deste gênero inúmeras espécies são encontradas na nossa flora e denominadas de maracujá, faltou, portanto a especificação de qual espécie faz parte do composto. Passiflora alata Passiflora edulis Passiflora incarnata

9 Tão problemático quanto o fato de uma planta ter mais de um nome popular é a confusão gerada por um mesmo nome que, não raro, é aplicado a duas ou mais espécies diferentes. Por todo o Brasil, há várias plantas sem relação alguma e que são chamadas de macela. Vocês conhecem a Cidreira?

10 Lippia alba Lippia citriodora Cymbopogon citratus Melissa officinalis Cymbopogon winterianus Mentha piperita

11 Nomes científicos: Para evitar esses erros, os cientistas usam um sistema de denominação, em duas partes, conhecido como nomenclatura binomial, aplicado tanto para plantas quanto para animais. Essa nomenclatura teve como pioneiro Carolus Linnaeus ( ), um naturalista sueco do séc XVIII. Carl Linnaeus

12 ...seu sistema deu origem às regras hoje estabelecidas no Código Internacional de Nomenclatura Botânica, um livro que contém as convenções internacionais de denominação botânica.

13 A primeira parte do nome de uma planta informa seu gênero, o grupo ao qual ela pertence e com o qual partilha muitas características. As violetas, por exemplo, pertencem ao gênero Viola e as rosas ao gênero Rosa. A segunda parte do nome de uma planta nos diz sua espécie, o tipo específico de planta num gênero. Assim, a Rosa alba é o nome botânico da rosa branca (alva, do latim Alba, branca) e Rosa sinensis é o nome da rosa-da-china (sinensis, de sino, prefixo latino para chinês). O nome botânico é sempre seguido por uma abreviação do nome da pessoa que a classificou cientificamente. Muitos nomes de plantas, por exemplo, são seguidos pela inicial L, de Linnaeus. Exemplos: Equisetum giganteum L. Maytenus ilicifolia Reissek Mikania glomerata Spreng.

14 Observação: O nome do gênero é sempre iniciado em letra maiúscula, e o epíteto específico (espécie), em letra minúscula. Ambos devem estar em itálico ou sublinhados. O nome do autor deve ser grafado normalmente. Genero especie Aut.

15 Famílias botânicas: Os gêneros são agrupados em famílias botânicas, cujos nomes em geral terminam com o sufixo aceae em latim, e - ácea em português. Por exemplo, as plantas do gênero Lilium (lírios comuns) e as do gênero Allium (alhos) pertencem à família Liliaceae. Myrtaceae Melastomataceae Lauraceae

16 Alguns nomes de gêneros, como Achilea, Artemísia e Asclepias, tem sua origem em nomes de figuras mitológicas. Outros Linnaeus, simplesmente tomou emprestado dos nomes comuns latinos ou gregos de plantas.

17 Outros nomes foram cunhados ainda para homenagear alguém. O gênero Kalmia, por exemplo, recebeu o nome de Peter Kalm, um dedicado aluno de Linnaeus que coletava plantas para ele. Peter Kalm Auto-retrato

18 Maiden, Joseph A segunda parte (espécie) do nome botânico também é dado às vezes em homenagem a uma pessoa do meio científico. Por exemplo, o Eucalyptus blakelyi recebeu do conhecido botânico australiano Joseph Maiden o nome de William Blakely, que o auxiliou na revisão do gênero Eucalyptus.

19 Com mais freqüência, porém, o nome da espécie descreve alguma característica específica da planta. As vezes, por exemplo, refere-se a cor de suas flores: rubrus para vermelho, purpureum para roxo e alba para branco. Ariocarpus rubrus Digitalis ferruginia

20 O nome da espécie pode também descrever a folhagem: rotundifolia para folhas redondas, grandifolia para folhas grandes, millefolium para muitas folhas. Pereskia grandifolia Physalis capsicifolia

21 ...ou ainda descrever alguma particularidade destacada: erectus para ereto, hirsutum para peludo, odorata para fragrante, e assim por diante. Nymphaea odorata Ilex glabra

22 E outros ainda nos dizem como as plantas foram empregadas pelas pessoas no passado: é o caso dos nomes edulis, comestível, e cathartica, catártica (de efeito catártico, purgativo). Phalaenopsis venosa Euterpe edulis

23 A espécie officinalis A designação específica officinalis (ou às vezes officinale) merece um comentário particular, porque é parte do nome científico de muitas plantas medicinais. Significa da oficina. A alusão refere-se às boticas, antigas farmácias, e o nome quer dizer que qualquer planta officinalis foi, por um certo tempo, valorizada pelos boticários precursores dos farmacêuticos de hoje, como exemplo o gengibre, que é Zingiber officinale.

24 Rosmarinus officinalis Zingiber officinale Taraxacum officinale Melissa officinale

25 Identificando Plantas: O mais importante ao identificar plantas é a forma de pensar. As plantas tem milhares de características, muitas das quais se repetem em várias espécies. Assim, a combinação de caracteres de uma planta pode imediatamente sugerir uma identificação ao botânico com experiência, mas pode ser muito difícil para este explicar por que determinado nome apareceu na sua mente. Certas plantas, ou grupos de plantas, têm um jeitão. Aprender jeitões é um processo pessoal que vem com a experiência prática. Nada substitui a experiência individual. Ao utilizar uma planta medicinal é importante saber: Identificação correta da planta quanto ao nome científico; Parte usada da planta Forma adequada de uso da planta

26 Montagem e coleção de exsicatas:

27 Modelos de exsicata: ESCALA DE TAMANHO INFLORESCENCIAS FOLHAS BEM FORMADAS E DISPOSTAS CARIMBO DO HERBÁRIO FICHA DE INDENTIFICAÇÃO Referência: MATTOS, Rafael. Apostila do Curso de Especialização em Plantas Medicinais. Faculdade Bagozzi material não publicado.

NOMENCLATURA BOTÂNICA* Prof. Dr. Mauro Parolin

NOMENCLATURA BOTÂNICA* Prof. Dr. Mauro Parolin NOMENCLATURA BOTÂNICA* Prof. Dr. Mauro Parolin O criador da nomenclatura botânica e da classificação das plantas foi Carl von Linné (Lineu, em português), botânico, zoólogo e médico sueco. Nasceu em 1707

Leia mais

INTRODUÇÃO METODOLOGIA

INTRODUÇÃO METODOLOGIA Pesquisas agronômicas das plantas medicinais nativas regulamentadas pela ANVISA Lin Chau Ming, Gabriela Granghelli Gonçalves, Maria Izabela Ferreira Departamento de Horticultura, Faculdade de Ciências

Leia mais

FARMACOGNOSIA. Matéria-Prima Vegetal 2011.1

FARMACOGNOSIA. Matéria-Prima Vegetal 2011.1 FARMACOGNOSIA Matéria-Prima Vegetal 2011.1 O que é farmacognosia? A palavra Farmacognosia vem de dois vocábulos gregos e quer dizer Pharmakon droga e fármaco gnosis conhecimento. Farmacognosia é uma ciência

Leia mais

Orientação sobre a Notificação Simplificada de Produto Tradicional Fitoterápico (PTF)

Orientação sobre a Notificação Simplificada de Produto Tradicional Fitoterápico (PTF) Orientação sobre a Notificação Simplificada de Produto Tradicional Fitoterápico (PTF) A COFID informa que o sistema de notificação simplificada foi atualizado para permitir a notificação de Produtos Tradicionais

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE PLANTAS MEDICINAIS

GUIA PRÁTICO DE PLANTAS MEDICINAIS GUIA PRÁTICO DE PLANTAS MEDICINAIS SÉRIE E. Comunicação e Educação em Saúde GUIA PRÁTICO DE PLANTAS MEDICINAIS SMS VIVARIO 2015 Organização Social de Saúde Viva Rio Coordenador Geral Sebastião Correia

Leia mais

Consulta Pública n. 72, de 14 de julho de 2010. Estabelece os critérios de aceitabilidade de nomes comerciais de medicamentos.

Consulta Pública n. 72, de 14 de julho de 2010. Estabelece os critérios de aceitabilidade de nomes comerciais de medicamentos. Consulta Pública n. 72, de 14 de julho de 2010. Estabelece os critérios de aceitabilidade de nomes comerciais de medicamentos. Versão Consolidada n. 07, de 27 de maio de 2013. Para Audiência Pública Resolução

Leia mais

NOTÍCIAS DO CFF Plenário do CFF aprova prescrição farmacêutica Data: 30/08/2013 De acordo com o texto da proposta, o farmacêutico poderá realizar a prescrição de medicamentos e produtos com finalidade

Leia mais

Espécies Bioativas. Antonio Amaury Silva Jr. Airton Rodrigues Salerno. Pesquisadores da Epagri Estação Experimental de Itajaí

Espécies Bioativas. Antonio Amaury Silva Jr. Airton Rodrigues Salerno. Pesquisadores da Epagri Estação Experimental de Itajaí Espécies Bioativas Antonio Amaury Silva Jr. Airton Rodrigues Salerno Pesquisadores da Epagri Estação Experimental de Itajaí UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Taxonomia 222 espécies bioativas 193 com

Leia mais

Prof. Dr. Leandro Machado Rocha Laboratório de Tecnologia de Produtos Naturais Faculdade de Farmácia UFF

Prof. Dr. Leandro Machado Rocha Laboratório de Tecnologia de Produtos Naturais Faculdade de Farmácia UFF Prof. Dr. Leandro Machado Rocha Laboratório de Tecnologia de Produtos Naturais Faculdade de Farmácia UFF R. Mário Viana 523 Santa Rosa - Niterói - R.J. E-mail: lean@vm.uff.br BIOMAS DO BRASIL Biomas são

Leia mais

Plantas Medicinais. Josefina Dorotéa Nunes Bióloga e Técnica de Enfermagem

Plantas Medicinais. Josefina Dorotéa Nunes Bióloga e Técnica de Enfermagem Plantas Medicinais Josefina Dorotéa Nunes Bióloga e Técnica de Enfermagem É provável que a utilização das plantas como medicamento seja tão antiga quanto o próprio homem. CONSELHOS ÚTEIS Toda planta medicinal

Leia mais

ETNOBOTÂNICA NO ENSINO DE BIOLOGIA

ETNOBOTÂNICA NO ENSINO DE BIOLOGIA ETNOBOTÂNICA NO ENSINO DE BIOLOGIA Joara Alves da Silva; Gizelle Matias de Souza Silva; Milena Maria de Luna Francisco; Evaldo de Lira Azevêdo; Márcia Adelino da Silva Dias CAPES/PIBID/UEPB joaracg2008@gmail.com

Leia mais

Fitoterapia e a prática do Nutricionista. Nutricionista Jacira Santos CRN-2 0091

Fitoterapia e a prática do Nutricionista. Nutricionista Jacira Santos CRN-2 0091 Fitoterapia e a prática do Nutricionista Nutricionista Jacira Santos CRN-2 0091 Nutrição Clínica Anos 70 Dietoterapia Hospitalar Anos 80 Dietoterapia em Consultório Anos 90 Fitoquímicos isolados e fitoterápicos

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA A CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS GENÉTICOS DE PLANTAS MEDICINAIS EM CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA-PA

ESTRATÉGIA PARA A CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS GENÉTICOS DE PLANTAS MEDICINAIS EM CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA-PA ESTRATÉGIA PARA A CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS GENÉTICOS DE PLANTAS MEDICINAIS EM CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA-PA Iane Brito Tavares (1) Eng.ª Ambiental, M. Sc. Produção Vegetal/Professora do curso de Tecnologia

Leia mais

RESOLUÇÃO RDC Nº 59, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. Dispõe sobre os nomes dos medicamentos, seus complementos e a formação de famílias de medicamentos.

RESOLUÇÃO RDC Nº 59, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. Dispõe sobre os nomes dos medicamentos, seus complementos e a formação de famílias de medicamentos. RESOLUÇÃO RDC Nº 59, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014 Dispõe sobre os nomes dos medicamentos, seus complementos e a formação de famílias de medicamentos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

PALAVRAS-CHAVES Plantas medicinais, fitoterapia, Itaipu.

PALAVRAS-CHAVES Plantas medicinais, fitoterapia, Itaipu. Projeto Itaipu de plantas medicinais. Euclides Lara Cardozo Junior. Universidade Paranaense UNIPAR Campus Toledo - Curso de Farmácia Av. Parigot de Souza, 3636 Toledo / PR CEP: 85903-170 euclideslc@unipar.br.

Leia mais

Plantas medicinais indicadas no Formulário Fitoterápico Nacional para as Preparações Extemporâneas.

Plantas medicinais indicadas no Formulário Fitoterápico Nacional para as Preparações Extemporâneas. Plantas medicinais indicadas no Formulário Fitoterápico Nacional para as Preparações Extemporâneas. 1. Achillea millefolium L. Nomenclatura popular: Mil-folhas e mil-em-rama. partes aéreas secas 1 2 g

Leia mais

Pesquisas Agronômicas de Plantas Medicinais da Mata Atlântica regulamentadas pela ANVISA

Pesquisas Agronômicas de Plantas Medicinais da Mata Atlântica regulamentadas pela ANVISA Pesquisas Agronômicas de Plantas Medicinais da Mata Atlântica regulamentadas pela ANVISA Lin Chau Ming 1 ; Maria Izabela Ferreira 1 ; Gabriela Granghelli Gonçalves 1. 1 UNESP-Faculdade de Ciências Agronômicas-Departamento

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: conhecimento popular, etnobotânica, plantas medicinais. Abstract

Resumo. Palavras-chave: conhecimento popular, etnobotânica, plantas medicinais. Abstract JARDIM DE PLANTAS MEDICINAIS E AROMÁTICAS: A EDUCAÇÃO AMBIENTAL VALORIZANDO O CONHECIMENTO POPULAR GARDEN OF MEDICINAL AND AROMATICAL PLANTS: ENVIRONMENTAL EDUCATION VALUING POPULAR KNOWLEDGE Ivanéia Alves

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS NO BREJO PARAIBANO

UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS NO BREJO PARAIBANO UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS NO BREJO PARAIBANO Samara Dayse da Luz Ayres¹, Thiene de Lima Rodrigues², Anne Evelyne Franco de Souza³ ¹ ² ³ Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências Agrárias-Campus

Leia mais

Levantamento Etnofarmacológico em Comunidades Rurais do Recôncavo da Bahia/BA

Levantamento Etnofarmacológico em Comunidades Rurais do Recôncavo da Bahia/BA Levantamento Etnofarmacológico em Comunidades Rurais do Recôncavo da Bahia/BA Ethnopharmacological studies in communities of Recôncavo da Bahia/BA SILVA, Diogo. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia,

Leia mais

SISTEMÁTICA E TAXONOMIA CLASSIFICAÇÃO DOS SERES VIVOS

SISTEMÁTICA E TAXONOMIA CLASSIFICAÇÃO DOS SERES VIVOS SISTEMÁTICA E TAXONOMIA CLASSIFICAÇÃO DOS SERES VIVOS Sistemática ou Classificação Biológica Conceito: É ramo da Biologia que estuda a diversidade dos seres vivos. Taxonomia: nomeia e classifica os seres

Leia mais

Marcos regulatórios para plantas medicinais e fitoterápicos

Marcos regulatórios para plantas medicinais e fitoterápicos Marcos regulatórios para plantas medicinais e fitoterápicos GMEFH/GGMED/ANVISA Prêmio Inovação na Gestão Pública Federal 2006/2007 Medicamentos fitoterápicos Fitoterápicos São medicamentos obtidos empregando-se

Leia mais

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas 1 AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas Ernesto F. L. Amaral 19 e 28 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

CLASSES DE VEGETAÇÃO

CLASSES DE VEGETAÇÃO CLASSES DE VEGETAÇÃO Nomenclatura Botânica nome comum X nome científico Erva cidreira Cymbopogon citratus Melissa officinalis Lippia alba Forrações O termo forração diz respeito àquelas espécies geralmente

Leia mais

PLANTE "UMA FARMÁCIA" NO SEU QUINTAL

PLANTE UMA FARMÁCIA NO SEU QUINTAL PLANTE "UMA FARMÁCIA" NO SEU QUINTAL 1 INTRODUÇÃO Paulo Henrique Radaik1 José Eduardo Brasil P. Pinto2 Osmar Alves Lameira 3 Grupo Yebá Ervas & Matos4 As plantas medicinais, hoje em dia, vêm se destacando

Leia mais

NOTA TÉCNICA FITOTERAPIA

NOTA TÉCNICA FITOTERAPIA NOTA TÉCNICA FITOTERAPIA A Portaria nº 1.686 de 16 de Outubro de 2009 da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia instituiu o Núcleo Estadual de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Núcleo FITOBAHIA com o

Leia mais

DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia

DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM e Ecologia Florestal-LDEF

Leia mais

PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS NO TRATAMENTO SINTOMÁTICO DA GRIPE POR MULHERES CLIMATÉRICAS

PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS NO TRATAMENTO SINTOMÁTICO DA GRIPE POR MULHERES CLIMATÉRICAS PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS NO TRATAMENTO SINTOMÁTICO DA GRIPE POR MULHERES CLIMATÉRICAS GEWEHR, Daiana Meggiolaro 1 ; BELLINAZO, Cristiane Rodrigues 2 ; BANDEIRA, Vanessa Adelina Casali 3 ; GONÇALVES,

Leia mais

Estudo Etnobotânico no Município de Colômbia SP

Estudo Etnobotânico no Município de Colômbia SP Estudo Etnobotânico no Município de Colômbia SP (Ethnobotany Study at Colômbia, SP, Brazil) Elaine Tosti 1 ; Áurea Maria Therezinha Colli 2 1 Faculdades Integradas Fafibe - Bebedouro-SP elianetosti@hotmail.com

Leia mais

HERBÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA: Catálogo de Árvores e Arbustos do Campus

HERBÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA: Catálogo de Árvores e Arbustos do Campus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO (X ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Levantamento Etnofarmacológico em Comunidades Rurais do Recôncavo da Bahia/BA

Levantamento Etnofarmacológico em Comunidades Rurais do Recôncavo da Bahia/BA Levantamento Etnofarmacológico em Comunidades Rurais do Recôncavo da Bahia/BA Ethnopharmacological studies in communities of Recôncavo da Bahia/BA SILVA, Diogo. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia,

Leia mais

TÍTULO: A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS NO AUXILIO DO TRATAMENTO DO DIABETES TIPO 2

TÍTULO: A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS NO AUXILIO DO TRATAMENTO DO DIABETES TIPO 2 TÍTULO: A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS NO AUXILIO DO TRATAMENTO DO DIABETES TIPO 2 CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SAÚDE DA FAMÍLIA ORIENTAÇÕES PARA CADASTRO DE CURRÍCULOS NO SITE VAGAS.COM.BR

ASSOCIAÇÃO SAÚDE DA FAMÍLIA ORIENTAÇÕES PARA CADASTRO DE CURRÍCULOS NO SITE VAGAS.COM.BR ASSOCIAÇÃO SAÚDE DA FAMÍLIA ORIENTAÇÕES PARA CADASTRO DE CURRÍCULOS NO SITE VAGAS.COM.BR São Paulo Setembro/2015 Esclarecimentos gerais No intuito de oferecer orientações aos candidatos que almejam disponibilizar

Leia mais

USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA Eva Aparecida Prado do Couto (UEG) 1 evinhacouto@hotmail.com Flávia Melo Rodrigues ² rflamelo@gmail.com Introdução Segundo Queiroz (1986) o uso das espécies

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA

ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA MARIA DAS GRAÇAS LINS BRANDÃO JULIANA MORAIS AMARAL DE ALMEIDA ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA Colaboradores Darly Gomes Soares Gustavo Pereira

Leia mais

Relação de plantas reconhecidas como eficazes, pela ANVISA.

Relação de plantas reconhecidas como eficazes, pela ANVISA. UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ODONTOLOGIA DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA Relação de plantas reconhecidas como eficazes, pela ANVISA. RESOLUÇÃO-RE Nº 89, DE 16 DE MARÇO DE 2004. O Adjunto da Diretoria

Leia mais

Oficina 23 - HORTA NA ESCOLA

Oficina 23 - HORTA NA ESCOLA Oficina 23 - HORTA NA ESCOLA Introdução Inúmeras atividades educativas podem ser desenvolvidas, nos anos iniciais do Ensino Fundamental, abordando como tema a Horta, pois este assunto possibilita o desenvolvimento

Leia mais

Informação de segurança muito importante para os profissionais de saúde que prescrevem, dispensam e administram

Informação de segurança muito importante para os profissionais de saúde que prescrevem, dispensam e administram Informação de segurança muito importante para os profissionais de saúde que prescrevem, dispensam e administram Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Versão 1, março 2014 ATENÇÃO: Risco

Leia mais

PLANTAS COM PROPRIEDADES MEDICINAIS USADAS NO TRATAMENTO DE DESORDENS HEPÁTICAS PELA POPULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE PALMA - MG, BRASIL.

PLANTAS COM PROPRIEDADES MEDICINAIS USADAS NO TRATAMENTO DE DESORDENS HEPÁTICAS PELA POPULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE PALMA - MG, BRASIL. PLANTAS COM PROPRIEDADES MEDICINAIS USADAS NO TRATAMENTO DE DESORDENS HEPÁTICAS PELA POPULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE PALMA - MG, BRASIL. Carvalho E. 1, Azevedo L.L. 2, Silva M. S. 3, Silva I.E.P. 4, Pompilho

Leia mais

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Versão 3.00 2001 Introdução: Este guia visa a orientar o profissional farmacêutico sobre os genéricos, e como este deve proceder na hora de aviar uma receita nesta nova

Leia mais

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRESIDENTE DA REPÚBLICA DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, O PRESIDENTE DA REPÚBLICA 1. Congratulo-me vivamente com a realização deste Congresso do Ano Internacional dos Voluntários. Trata-se de um acontecimento da maior importância

Leia mais

O USO DE PLANTAS MEDICINAIS NA COMUNIDADE DE CURRAL DO MEIO - CRATEÚS - CE

O USO DE PLANTAS MEDICINAIS NA COMUNIDADE DE CURRAL DO MEIO - CRATEÚS - CE O USO DE PLANTAS MEDICINAIS NA COMUNIDADE DE CURRAL DO MEIO - CRATEÚS - CE Fábio Araújo Bezerra (Graduando), Ana Lúcia Rodrigues da Silva (PQ), Cléia Rocha de Sousa (PQ), Adervan Fernandes Sousa* (PQ).

Leia mais

Este documento tem o objetivo de esclarecer alguns procedimentos e definir parâmetros para facilitar o processo.

Este documento tem o objetivo de esclarecer alguns procedimentos e definir parâmetros para facilitar o processo. Prezado Curador, Em dezembro de 2010 o INCT-HVFF (INCT-Herbário Virtual da Flora e dos Fungos) teve um projeto aprovado junto ao CNPq, no âmbito do programa Reflora, cujo objetivo é aumentar a base informacional

Leia mais

Compartilhando experiências em Práticas Integrativas e Complementares

Compartilhando experiências em Práticas Integrativas e Complementares II JORNADA CIENTÍFICA HOSPITAL DE MEDICINA ALTERNATIVA Compartilhando experiências em Práticas Integrativas e Complementares no SUS Goiânia, outubro de 2012. 1 2 Política: Integrar MT/MCA aos Sistemas

Leia mais

Informe Técnico nº. 005 MED/NVP/DVS/CEVS/SES/RS - Versão 001

Informe Técnico nº. 005 MED/NVP/DVS/CEVS/SES/RS - Versão 001 Informe Técnico nº. 005 MED/NVP/DVS/CEVS/SES/RS - Versão 001 Assunto: Esclarecimentos sobre a regulamentação de medicamentos fitoterápicos, plantas medicinais, drogas vegetais e derivados vegetais. 1.

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPB0232 METODOLOGIA PARA SELEÇÃO DE ENTREVISTAS PARA IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Avaliação de Interfaces

Avaliação de Interfaces Especialização em Tecnologias de Software para Ambiente Web Avaliação de Interfaces Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Projeto e Avaliação de Interfaces: Ambiente Web

Leia mais

Art. 6º O farmacêutico responsável por farmácia homeopática terá auxiliares de sua confiança.

Art. 6º O farmacêutico responsável por farmácia homeopática terá auxiliares de sua confiança. Decreto nº 57.477, de 20 de dezembro de 1965 Dispõe sobre manipulação, receituário, industrialização e venda de produtos utilizados em homeopatia e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

CURSO DE FORMAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS 1 CURSO DE FORMAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS INTRODUÇÃO Os Cuidados de Saúde Primários (CSP), em Portugal, atravessam um momento de grande crescimento científico e afirmação como pilar essencial

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE PLANTAS MEDICINAIS DESIDRATADAS ORIUNDAS DE CULTIVO ORGÂNICO

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE PLANTAS MEDICINAIS DESIDRATADAS ORIUNDAS DE CULTIVO ORGÂNICO AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE PLANTAS MEDICINAIS DESIDRATADAS ORIUNDAS DE CULTIVO ORGÂNICO J. F. Battisti*, O. M. Porcu2** *Discente em Engenharia de Produção/UTFPR,Câmpus Medianeira, Medianeira, Brasil

Leia mais

Assunto: Esclarecimentos sobre a regulamentação de medicamentos fitoterápicos, plantas medicinais, drogas vegetais e derivados vegetais.

Assunto: Esclarecimentos sobre a regulamentação de medicamentos fitoterápicos, plantas medicinais, drogas vegetais e derivados vegetais. Informe Técnico nº. 005 MED/NVP/DVS/CEVS/SES/RS Assunto: Esclarecimentos sobre a regulamentação de medicamentos fitoterápicos, plantas medicinais, drogas vegetais e derivados vegetais. 1. Introdução A

Leia mais

ILAINE AVOZANI LORENZON

ILAINE AVOZANI LORENZON ILAINE AVOZANI LORENZON USO E CULTIVO DE PLANTAS MEDICINAIS PELOS FAMILIARES DOS ALUNOS DO PRIMEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DA ESCOLA ESTADUAL MASCARENHAS DE MORAES, CACHOEIRINHA-RS. Canoas, 2008. ILAINE AVOZANI

Leia mais

7. Teoria Estruturalista

7. Teoria Estruturalista 7. Teoria Estruturalista Conteúdo 2. Organização Formal e Organização Informal 3. Tipologia das Organizações 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração - Teoria, Processo e Prática Chiavenato,

Leia mais

Plantas medicinais utilizadas por uma comunidade universitária no Município de São Paulo, SP

Plantas medicinais utilizadas por uma comunidade universitária no Município de São Paulo, SP Ciências Biológicas / Biological Sciences Plantas medicinais utilizadas por uma comunidade universitária no Município de São Paulo, SP Medicinal plants used for university students in São Paulo City, São

Leia mais

Profª Drª Marina Peduzzi Escola de Enfermagem da USP

Profª Drª Marina Peduzzi Escola de Enfermagem da USP Fórum Nacional de Educação das Profissões da Área da saúde - Fenepas Integrando ensino e serviços: a formação para o trabalho em equipe no ensino de graduação das profissões da área da saúde Profª Drª

Leia mais

PLANTAS MEDICINAIS CULTIVADAS EM HORTAS COMUNITARIAS NA

PLANTAS MEDICINAIS CULTIVADAS EM HORTAS COMUNITARIAS NA PLANTAS MEDICINAIS CULTIVADAS EM HORTAS COMUNITARIAS NA ZONA NORTE DE TERESINA Francisco Ivan da Silva 1 *, Eurípedes Siqueira Neto 2, Jackson Araújo Lima 3, Miguel de Castro Silva 4, Teodorico Cavalcante

Leia mais

Eixo Temático: Relações entre Educação, Ciência e Cultura

Eixo Temático: Relações entre Educação, Ciência e Cultura 48 Anais do Congresso Nordestino de Biólogos - Vol. 4: Congrebio 2014 Eixo Temático: Relações entre Educação, Ciência e Cultura ET-05-005 A ETNOBOTÂNICA DE PLANTAS MEDICINAIS NO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DE

Leia mais

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA Ficha técnica no. 2.1 Atividade Principal 2.1 SENTINDO A NATUREZA Objetivo da 2 Os escoteiros estão trabalhando por um mundo onde o habitat natural seja suficiente para suportar as espécies nativas. Objetivos

Leia mais

Plantas usadas no Sistema Digestivo

Plantas usadas no Sistema Digestivo Enfermidades do aparelho digestivo: Plantas usadas no Sistema Digestivo Dispepsia Se refere a uma síndrome caracterizada por náusea, pressão epigástrica, inchaço, flatulência e dores abdominais espasmódicas,

Leia mais

Atividades educativas. Plantas e folhas

Atividades educativas. Plantas e folhas Atividades educativas Plantas e folhas w w w. s l o w f o o d f o u n d a t i o n. c o m Preâmbulo Aqui encontram-se três propostas para actividades inerentes a questão da identificação das plantas e de

Leia mais

! "# ALUNO: ANDRÉ SOLLER ORIENTADOR: PROFº. DR. RENATO GOLDENBERG CO-ORIENTADORAS: PROFª. DRA. PATRICIA SOFFIATTI PROF a. DRA.

! # ALUNO: ANDRÉ SOLLER ORIENTADOR: PROFº. DR. RENATO GOLDENBERG CO-ORIENTADORAS: PROFª. DRA. PATRICIA SOFFIATTI PROF a. DRA. ! "# $%& "' ALUNO: ANDRÉ SOLLER ORIENTADOR: PROFº. DR. RENATO GOLDENBERG CO-ORIENTADORAS: PROFª. DRA. PATRICIA SOFFIATTI PROF a. DRA. ALICE CALVENTE $ A família Cactaceae A. L. de Jussieu - Aprox. 1500

Leia mais

BIBLIOTECA ARTIGO Nº 48

BIBLIOTECA ARTIGO Nº 48 BIBLIOTECA ARTIGO Nº 48 MUITO BARULHO POR NADA - COMO COMPLICAR A EXPLICAÇÃO Autores - Marcos Lobo De Freitas Levy e Silvia V. Fridman A ANVISA prevê a elaboração de uma nova resolução para permitir a

Leia mais

Modelos Conceptual e Mental

Modelos Conceptual e Mental Interfaces Pessoa Máquina 08-10-2012 Modelos Conceptual e Mental Cap. 6 Conceptualização da Interação 06 Melhor e Pior? 1 Melhor e Pior? Resumo Aula Anterior Análise de Utilizadores O que é? Porquê? O

Leia mais

Biblioteca Escolar. O Dicionário

Biblioteca Escolar. O Dicionário O Dicionário O que é um dicionário? Livro de referência onde se encontram palavras e expressões de uma língua, por ordem alfabética, com a respetiva significação ou tradução para outra língua e ainda,

Leia mais

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls O objetivo principal do cartão de relatório elementar é comunicar o progresso do aluno para os pais, alunos e outros funcionários

Leia mais

Uso de Plantas Medicinais e Satisfação de Consumidores de Lojas de Produtos Naturais do Mercado Municipal de Curitiba, PR.

Uso de Plantas Medicinais e Satisfação de Consumidores de Lojas de Produtos Naturais do Mercado Municipal de Curitiba, PR. ETNOFARMACOLOGIA DOI 10.5935/2446-4775.20150012 Uso de Plantas Medicinais e Satisfação de Consumidores de Lojas de Produtos Naturais do Mercado Municipal de Curitiba, PR. Use of Medicinal Plants and Satisfaction

Leia mais

OS SABERES DOS PROFESSORES

OS SABERES DOS PROFESSORES OS SABERES DOS PROFESSORES Marcos históricos e sociais: Antes mesmo de serem um objeto científico, os saberes dos professores representam um fenômeno social. Em que contexto social nos interessamos por

Leia mais

Resenha Histórica: O início do ensino farmacêutico na Universidade de Coimbra remonta aos finais do séc. XVI. Finais do séc. XVI: Curso prático de

Resenha Histórica: O início do ensino farmacêutico na Universidade de Coimbra remonta aos finais do séc. XVI. Finais do séc. XVI: Curso prático de Resenha Histórica: O início do ensino farmacêutico na Universidade de Coimbra remonta aos finais do séc. XVI. Finais do séc. XVI: Curso prático de boticários na Universidade de Coimbra. 1772: Reforma da

Leia mais

FORMAS DE PREPARAÇÕES E USO DAS PLANTAS MEDICINAIS

FORMAS DE PREPARAÇÕES E USO DAS PLANTAS MEDICINAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA E PATOLOGIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HOMEOPÁTICAS E FITOTERÁPICAS FORMAS DE PREPARAÇÕES E USO DAS PLANTAS MEDICINAIS

Leia mais

E se as plantas não tivessem nome? A importância do Código de Nomenclatura Botânica

E se as plantas não tivessem nome? A importância do Código de Nomenclatura Botânica III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 69 E se as plantas não tivessem nome? A importância do Código de Nomenclatura Botânica Elton John de Lírio 1,* & Valderes Bento Sarnaglia Júnior

Leia mais

Características do PHP. Começando a programar

Características do PHP. Começando a programar PHP Introdução Olá pessoal. Desculpe o atraso na publicação da aula. Pude perceber pelas respostas (poucas) ao fórum que a realização da atividade do módulo I foi relativamente tranquila. Assistam ao vídeo

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

O ABC do Programa de Fidelização

O ABC do Programa de Fidelização O ABC do Programa de Fidelização COMO E POR QUÊ RETER CLIENTES? Diagnóstico As empresas costumam fazer um grande esforço comercial para atrair novos clientes. Isso implica Investir um alto orçamento em

Leia mais

Atividade extra. Questão 1. Questão 2. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Biologia. A diversidade biológica é o fruto da variação genética.

Atividade extra. Questão 1. Questão 2. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Biologia. A diversidade biológica é o fruto da variação genética. Atividade extra Questão 1 A diversidade biológica é o fruto da variação genética. Falar em biodiversidade e em tempo significa, necessariamente, falar de: a. Degeneração. b. Conservação. c. Evolução. d.

Leia mais

C A T Á L O G O D E P R O D U T O S : Ó L E O S E S S E N C I A I S E Á G U A S B I O A T I V A S

C A T Á L O G O D E P R O D U T O S : Ó L E O S E S S E N C I A I S E Á G U A S B I O A T I V A S Óleos Essenciais &Fitocosméticos C A T Á L O G O D E P R O D U T O S : Ó L E O S E S S E N C I A I S E Á G U A S B I O A T I V A S UM NOVO CONCEITO DE CULTIVO, PRODUÇÃO E CONSUMO: EM PROL DA VIDA LINHA

Leia mais

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte.

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte. MARCAS DA ITÁLIA NA TOPONÍMIA DE BELO HORIZONTE Resumo Zuleide Ferreira Filgueiras 1 Esta comunicação tem como objetivo apresentar os principais resultados da dissertação de mestrado A presença italiana

Leia mais

Cristian Perroni Professor: Fernando Pires Disciplina: Fotografia Ambiental Flora Ipê Amarelo /Roxo

Cristian Perroni Professor: Fernando Pires Disciplina: Fotografia Ambiental Flora Ipê Amarelo /Roxo Cristian Perroni Professor: Fernando Pires Disciplina: Fotografia Ambiental Flora Ipê Amarelo /Roxo Ipê - Amarelo Nome científico: Tabebuia pulcherrima Nomes populares: ipê-amarelo, ipê-da-praia Família:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ MARCIO AUGUSTO ZANON MARTINS VALERIA OLIVEIRA SILVA

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ MARCIO AUGUSTO ZANON MARTINS VALERIA OLIVEIRA SILVA CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ MARCIO AUGUSTO ZANON MARTINS VALERIA OLIVEIRA SILVA CONHECIMENTO POPULAR E USO DE PLANTAS MEDICINAIS PELA COMUNIDADE E PROFISSIONAIS DE SAÚDE DO BAIRRO CERÂMICA,

Leia mais

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER Duas explicações da Origem do mundo palavra (a linguagem verbal) associada ao poder mágico de criar. Atributo reservado a Deus. Através dela ele criou as

Leia mais

Linguagens de. Aula 02. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Linguagens de. Aula 02. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de Programação III Aula 02 Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de Programação Técnica de comunicação padronizada para enviar instruções a um computador. Assim

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

HANSENÍASE TEM CURA PATROCÍNIO

HANSENÍASE TEM CURA PATROCÍNIO Luizinho e Chiquinho HANSENÍASE TEM CURA PATROCÍNIO SBD: DERMATOLOGISTA COM TÍTULO DE ESPECIALISTA CUIDANDO DE VOCÊ. Oi LuizinhO. nossa conversa sobre DST foi muito útil, mas agora, eu tenho uma dúvida

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS PELA POPULAÇÃO DE SANTA CRUZ RIO DE JANEIRO RJ

LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS PELA POPULAÇÃO DE SANTA CRUZ RIO DE JANEIRO RJ Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2012, v. 15, edição especial, p. 76 82 LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS PELA POPULAÇÃO DE SANTA CRUZ RIO DE JANEIRO RJ LOPES, Gláucia Ferreira

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

PERFIL DE IDOSAS PORTADORAS DE CÂNCER DE MAMA E O CONSUMO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO TERAPIA COMPLEMENTAR

PERFIL DE IDOSAS PORTADORAS DE CÂNCER DE MAMA E O CONSUMO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO TERAPIA COMPLEMENTAR PERFIL DE IDOSAS PORTADORAS DE CÂNCER DE MAMA E O CONSUMO DE PLANTAS MEDICINAIS COMO TERAPIA COMPLEMENTAR Karyanna Alves de Alencar Rocha (1); Maria Janielly de Oliveira Costa (2); Ariadne Messalina Batista

Leia mais

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados.

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados. O QUE É O ACCESS? É um sistema gestor de base de dados relacional. É um programa que permite a criação de Sistemas Gestores de Informação sofisticados sem conhecer linguagem de programação. SISTEMA DE

Leia mais

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo, Brasil. Várias são

Leia mais

MÓDULO 6 INTRODUÇÃO À PROBABILIDADE

MÓDULO 6 INTRODUÇÃO À PROBABILIDADE MÓDULO 6 INTRODUÇÃO À PROBBILIDDE Quando estudamos algum fenômeno através do método estatístico, na maior parte das vezes é preciso estabelecer uma distinção entre o modelo matemático que construímos para

Leia mais

23 anos UMA EXPERIÊNCIA A SER COMPARTILHADA

23 anos UMA EXPERIÊNCIA A SER COMPARTILHADA Hospital de Medicina Alternativa 23 anos UMA EXPERIÊNCIA A SER COMPARTILHADA 1986 - Projeto de Fitoterapia CONVÊNIO - Secretaria de Estado da Saúde - GO - Ministério da Saúde - Instituto Brasileiro de

Leia mais

O que é natural não faz mal

O que é natural não faz mal O que é natural não faz mal Contaminantes Ineficácia Riscos Ação farmacológica Efeitos tóxicos Efeitos adversos Espécie errada Produtos constituídos por extratos de espécies vegetais com tradição de uso

Leia mais

Como avaliar e planejar o tempo necessário para execução das atividades para elaboração de um guia de campo

Como avaliar e planejar o tempo necessário para execução das atividades para elaboração de um guia de campo Anexo 08 Texto Complementação Apostila 1 Como avaliar e planejar o tempo necessário para das atividades para elaboração de um guia de campo Por: Jorge Antônio Silva Costa Maria Theresa Sopena Stradmann

Leia mais

É muito mais que encanto é saúde é sustento, É a mão da natureza aos mortais exibida Na condição de flor delicada e inocente.

É muito mais que encanto é saúde é sustento, É a mão da natureza aos mortais exibida Na condição de flor delicada e inocente. Cai a noite escura, e no céu estendidas, As estrelas cintilam com pele reluzente. E a flor da paixão, toda em seda vestida, Enfeita a nossa terra da aurora ao poente. Planta audaciosa e de flor colorida

Leia mais

Módulo de Administração de Utilizadores

Módulo de Administração de Utilizadores base Módulo de Administração de Utilizadores Versão 2.0 Manual do utilizador Janeiro 2002 Ficha técnica Título BIBLIObase : Módulo de Administração de Utilizadores: versão 2.0 : manual do utilizador Autores

Leia mais

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 3.2 O Espaço Nulo de A: Resolvendo Ax = 0 11 O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 Esta seção trata do espaço de soluções para Ax = 0. A matriz A pode ser quadrada ou retangular. Uma solução imediata

Leia mais