NOMENCLATURA BOTÂNICA* Prof. Dr. Mauro Parolin

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOMENCLATURA BOTÂNICA* Prof. Dr. Mauro Parolin"

Transcrição

1 NOMENCLATURA BOTÂNICA* Prof. Dr. Mauro Parolin O criador da nomenclatura botânica e da classificação das plantas foi Carl von Linné (Lineu, em português), botânico, zoólogo e médico sueco. Nasceu em 1707 e morreu em *http://maniadasplantas.blogspot.com/2009/09/nomenclatura-botanica.html

2 O QUE É O NOME BOTÂNICO? O nome botânico ou nome científico de uma planta é um nome universal, igual em qualquer parte do mundo, ao contrário dos diferentes nomes populares pelas quais é conhecida uma planta em diferentes locais do Mundo e até dentro do mesmo país. COMO SE CONSTRÓI O NOME BOTÂNICO? A classificação das plantas está organizada em categorias: Reino / Divisão / Classe / Ordem / Família / Género / Espécie. Isto é, o Reino das Plantas é composto de várias Divisões, cada Divisão possui várias Classes, cada Classe possui várias Ordens, e assim sucessivamente até à Espécie. E ainda se pode ir mais longe e encontrar subespécies, variedades e formas dentro da mesma espécie.

3 Monstera deliciosa O nome botânico de uma planta é constituído por 2 palavras, a primeira das quais refere o Gênero a que a planta pertence e a segunda especifica a planta dentro do Gênero onde está integrada. Note-se que uma planta se identifica sobretudo pela Espécie a que pertence porque possui características comuns a plantas idênticas que as distinguem facilmente das outras (para o ser humano). Por exemplo, o nome da planta que entre nós é conhecida como Costela de Adão é Monstera deliciosa. Neste caso, o nome botânico da planta que conhecemos como Costela de Adão diz-nos que esta Espécie pertence ao Género "Monstera". Este nome é universal e identifica a mesma planta em qualquer lugar do Mundo. Deve dizer-se que o nome botânico de uma planta se escreve em Latim e que na linguagem técnica e científica não é alvo de tradução para línguas locais. Deste modo, escreve-se do mesmo modo em todos os países. Finalmente, a redação correta do nome botânico implica que seja escrito em itálico, que a primeira palavra comece por maiúscula e a segunda por letra minúscula.

4 Seguem-se alguns conceitos adicionais que implicam diferentes formas de construção do nome botânico. HÍBRIDOS São o resultado do cruzamento de duas espécies diferentes. Por exemplo, cruzando a espécie Spiraea albiflora com a espécie Spiraea japonica obtemos o híbrido Spiraea x bumalda. Assim, quando entre as duas palavras encontramos um "x" sabemos que estamos perante um híbrido. Spiraea x bumalda. Exemplo: Spiraea x bumalda.

5 Se o x aparecer antes das duas palavras estaremos perante um híbrido que resulta do cruzamento de duas espécies de dois gêneros diferentes. São casos raros porque em 99% dos casos os híbridos resultam do cruzamento de duas espécies do mesmo gênero. Estes cruzamentos podem ocorrer espontaneamente na natureza ou serem produzidos pelo homem. Exemplo: x Cupressocyparis leylandii x Cupressocyparis leylandii

6 CULTIVARES São o resultado de um trabalho de seleção de uma característica de uma planta que é sujeita a técnicas de cultivo até que se obtenha uma planta nova com a característica pretendida, diferente da original. Por exemplo, o Nerium oleander aparece na natureza com flores de cor rosa mas existem cultivares de Nerium oleander de flor branca (Nerium oleander 'Mont Blanc'), de flor vermelha (Nerium oleander 'Atropurpureum'), de flor amarela (Nerium oleander 'Aurantiacum') e de outras cores, obtidos após a aplicação destas técnicas de seleção. Note-se que neste caso o último nome não se escreve em itálico, pode não ser latino e aparece entre aspas. Exemplo: Nerium oleander 'Mont Blanc' Na linguagem vulgar é frequente chamar variedade ao cultivar mas é incorrecto porque o cultivar é fruto do esforço humano e a variedade é um fenómeno espontâneo da natureza.

7 VARIEDADES São plantas diferentes das da espécie em que surgiram em resultado do aparecimento natural e espontâneo de características novas. Por exemplo, o Cupressus sempervirens, conhecido como o cipreste dos cemitérios, tem uma forma que lhe é dada pelo fato dos seus ramos serem quase verticais. Contudo, surgiram alguns ciprestes com ramos mais horizontais, característica que transmitiram à sua descendência, dando origem a uma variedade dentro da espécie. Exemplo: Cupressus sempervirens var. horizontalis.

8 SUBESPÉCIES Conceito semelhante ao de Variedade. Ocorrem também de forma espontânea na natureza. São plantas que se distinguem dentro da espécie por força das condições geográficas do território onde se desenvolveram as quais selecionaram características da planta mais adequadas a esse terreno. Exemplo: Quercus ilex subsp. rotundifolia

9 FORMAS Outro conceito parecido com o de Variedade e o de Subespécie. Ocorrem também de um modo espontâneo na natureza. São plantas que se distinguem em pormenores como a cor de uma folha ou a cor de uma flor. Exemplo: Fagus sylvatica f. purpurea Fagus sylvatica f. purpurea

10 Reino: Plantae Divisão: Angiospermae (ou Magnoliophyta) subdivisão: phytina Classe: Dicotyledoneae (ou Magnoliatae ou Magnoliopsida) Subclasse: Rosidae Ordem: Rosales Subordem: Rosineae Família: Rosaceae Subfamília: Rosoideae Tribo: Roseae Subtribo: Rosinae Gênero: Rosa Espécie: Rosa gallica L. Variedade: Rosa gallica L. var. versicolor Thory

11 Reino: Plantae Divisão: Magnoliophyta Classe: Magnoliopsida Ordem: Sapindales Família: Meliaceae Género: Melia Melia azedarach L.

12 (Paubrasil) Independentes de sua origem, os nomes dos táxons são tratados como nomes latinos Gênero e espécie não tem terminações fixas O nome de uma planta é uma combinação de dois nomes (binária), sendo o primeiro o nome do gênero e o segundo o epíteto específico. Todo nome deve ser acompanhado pelo nome do autor da espécie, e deve aparecer destacado do texto (itálico). Ex.: Caesalpinia echinata L.

13 Nomenclatura Botânica Caesalpinia echinata a. nome do gênero b. epíteto específico

14 Caesalpinia echinata L. a. nome do gênero b. epíteto específico c. autoria = quem descreveu (nome) a planta frequentemente abreviado, e.g. Linnaeus = L. or Linn.

15 quando uma espécie muda de gênero, o nome do autor do basiônimo (primeiro nome dado a uma espécie) deve ser citado entre parênteses, seguido pelo nome do autor que fez a nova combinação. Ex.: Tabebuia alba (Cham.) Sadw.; basiônimo : Tecoma alba Cham

16 Normas para redação de nomes científicos 1. Todas as letras em latim devem vir em itálico (cursiva), sublinhadas ou negrito; 2. A primeira letra do gênero ou categoria superior há de vir em maiúscula; 3. O resto do nome vem em minúscula (exceto em alguns casos em que se conserva a primeira letra de epíteto específico) 4. Os nomes dos híbridos vem precedidos de x. Ex. x Rhaphanobrassica; Mentha x piperita

17 Pronuncia de nomes científicos 1. Os ditongos ae e oe se lêem como e Ex. laevis; rhoeas 2. A combinação ch se lê k; Ex. Chenopodium 3. A combinação ph se lê f; Ex.Phaseolus vulgaris

Taxonomia e Sistemática Vegetal

Taxonomia e Sistemática Vegetal Taxonomia e Sistemática Vegetal INTRODUÇÃO Taxonomia :ciência da classificação dos organismos Caracteres taxonõmicos: são caracteres utilizados na classificação dos seres vivos. Identificação: é o processo

Leia mais

RECONHECIMENTO BOTÂNICO DAS PLANTAS MEDICINAIS

RECONHECIMENTO BOTÂNICO DAS PLANTAS MEDICINAIS UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA: FITOTERAPIA PROF.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO RECONHECIMENTO BOTÂNICO DAS PLANTAS MEDICINAIS IMPORTANTE: O emprego correto de plantas

Leia mais

SISTEMÁTICA E TAXONOMIA CLASSIFICAÇÃO DOS SERES VIVOS

SISTEMÁTICA E TAXONOMIA CLASSIFICAÇÃO DOS SERES VIVOS SISTEMÁTICA E TAXONOMIA CLASSIFICAÇÃO DOS SERES VIVOS Sistemática ou Classificação Biológica Conceito: É ramo da Biologia que estuda a diversidade dos seres vivos. Taxonomia: nomeia e classifica os seres

Leia mais

Botânica geral INTRODUÇÃO A BOTÂNICA GERAL BIOLOGIA 14/01/2014. Carga horária: 60 horas

Botânica geral INTRODUÇÃO A BOTÂNICA GERAL BIOLOGIA 14/01/2014. Carga horária: 60 horas Botânica geral INTRODUÇÃO A BOTÂNICA GERAL Anna Frida Hatsue Modro Carga horária: 60 horas Ementa: Embriologia. Tecidos vegetais. Anatomia interna dos vegetais (raiz, caule, folha, flor, fruto, e semente).

Leia mais

Centro de Ensino Médio Setor Leste Disciplina: Biologia Professor: João Couto Aluno: Bruce do Souza Melo Turma: 2 N. -Taxonomia-

Centro de Ensino Médio Setor Leste Disciplina: Biologia Professor: João Couto Aluno: Bruce do Souza Melo Turma: 2 N. -Taxonomia- Centro de Ensino Médio Setor Leste Disciplina: Biologia Professor: João Couto Aluno: Bruce do Souza Melo Turma: 2 N -Taxonomia- Taxionomia Os biólogos têm especial interesse pelo estudo dos organismos

Leia mais

11/05/2014. Introdução Evolução dos sistemas de classificação Período I Período II Período III Período IV. Anna Frida Hatsue Modro

11/05/2014. Introdução Evolução dos sistemas de classificação Período I Período II Período III Período IV. Anna Frida Hatsue Modro AULA 3 SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÕES Anna Frida Hatsue Modro Apresentação Introdução Evolução dos sistemas de classificação Período I Período II Período III Período IV Introdução Evolução dos Sistemas de

Leia mais

Aula 1 Introdução ao estudo da Sistemática e da Biodiversidade Vegetal. Prof. MSc. Allan Pscheidt

Aula 1 Introdução ao estudo da Sistemática e da Biodiversidade Vegetal. Prof. MSc. Allan Pscheidt Imagem: Tree of Life Web Project Botânica II (Criptógamas) Aula 1 Introdução ao estudo da Sistemática e da Biodiversidade Vegetal Prof. MSc. Allan Pscheidt WWF (1989): A diversidade biológica é riqueza

Leia mais

As plantas também têm famílias?

As plantas também têm famílias? Cedro-do-líbano Cedrus libani As plantas também têm famílias? Para mais facilmente serem estudadas, as plantas (e todos os seres vivos) são organizadas consoante as suas características em diferentes grupos:

Leia mais

DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia

DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM e Ecologia Florestal-LDEF

Leia mais

Padrões de Editoração

Padrões de Editoração Padrões de Editoração 1. Titulo do artigo no mesmo idioma do seu manuscrito (não exceder o limite de 12 palavras): a. Caixa baixa, exceto para a palavra inicial e nomes próprios; b. Não mencionar nomes

Leia mais

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT Editoração do Trabalho Acadêmico 1 Formato 1.1. Os trabalhos devem ser digitados em papel A-4 (210 X297 mm) apenas no anverso (frente) da folha. 2 Tipo e tamanho

Leia mais

Sistema Nervoso. Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular.

Sistema Nervoso. Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular. Neurônio Sistema Nervoso Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular. Dendritos prolongamentos ramificados que captam os estímulos nervosos. Axônio prolongamento único e responsável

Leia mais

4.2. UML Diagramas de classes

4.2. UML Diagramas de classes Engenharia de Software 4.2. UML Diagramas de classes Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Um diagrama de classes serve para modelar o vocabulário de um sistema Construído e refinado ao longo

Leia mais

O TÍTULO DO TRABALHO DEVERÁ SER EM FONTE TIPO ARIAL 12, NEGRITO, CENTRALIZADO, ESPAÇO SIMPLES (ESPAÇAMENTO DE 1,0) SEM PONTO FINAL

O TÍTULO DO TRABALHO DEVERÁ SER EM FONTE TIPO ARIAL 12, NEGRITO, CENTRALIZADO, ESPAÇO SIMPLES (ESPAÇAMENTO DE 1,0) SEM PONTO FINAL O TÍTULO DO TRABALHO DEVERÁ SER EM FONTE TIPO ARIAL 12, NEGRITO, CENTRALIZADO, ESPAÇO SIMPLES (ESPAÇAMENTO DE 1,0) SEM PONTO FINAL Nome do autor principal (sigla da instituição a que pertence, entre parênteses)

Leia mais

ORIGEM E EVOLUÇÃO DA VIDA SISTEMÁTICA

ORIGEM E EVOLUÇÃO DA VIDA SISTEMÁTICA ORIGEM E EVOLUÇÃO DA VIDA SISTEMÁTICA Multicelularidade = Novidade evolutiva Diversificação a partir de espécie ancestral = Ramificação da linhagem Para entendermos toda esta diversidade é necessário nomeá-la

Leia mais

Código Internacional de Nomenclatura Botânica. Diego Francisco Octavio Eddy Bruno dos Santos Natalia Cerrone Araujo

Código Internacional de Nomenclatura Botânica. Diego Francisco Octavio Eddy Bruno dos Santos Natalia Cerrone Araujo Código Internacional de Nomenclatura Botânica Diego Francisco Octavio Eddy Bruno dos Santos Natalia Cerrone Araujo Introdução O Código Internacional de Nomenclatura Botânica é um sistema simples e preciso

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES EM GENÉTICA - PARTE I

DESENVOLVENDO HABILIDADES EM GENÉTICA - PARTE I DESENVOLVENDO HABILIDADES EM GENÉTICA - PARTE I Leia o texto abaixo com atenção. Considere que, nos pombos, a ausência de s é condicionada geneticamente. Nos cruzamentos que um criador realizava, ele observou

Leia mais

HERANÇA MONOGÊNICA 1ª LEI DE MENDEL. Gregor Mendel : => Nasceu na Morávia, império Austro-húngaro. Gregor Mendel

HERANÇA MONOGÊNICA 1ª LEI DE MENDEL. Gregor Mendel : => Nasceu na Morávia, império Austro-húngaro. Gregor Mendel Genética Mendeliana: aquela determinada por um ou poucos genes, cuja epressão não é influenciada ou é pouco afetada pelo meio. HERANÇA MONOGÊNICA => Conceito de gene (mas não o termo) => foi proposto pela

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA COMPUTACIONAL E SISTEMAS (PGBCS) DO INSTITUTO OSWALDO CRUZ

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA COMPUTACIONAL E SISTEMAS (PGBCS) DO INSTITUTO OSWALDO CRUZ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA COMPUTACIONAL E SISTEMAS (PGBCS) DO INSTITUTO OSWALDO CRUZ NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DE DISSERTAÇÕES DE MESTRADO E TESES DE DOUTORADO Conforme os Regimentos de Ensino

Leia mais

OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA

OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA ESTUDAR A MORFOLOGIA E A BIOLOGIA DOS PARASITOS COMO FUNDAMENTO PARA CONHECER PATOGENIA, DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E CONTROLE (PROFILAXIA) DAS DOENÇAS CAUSADAS POR ELES Profa.

Leia mais

A TAXONOMIA E A NOMENCLATURA EM ANIMAIS

A TAXONOMIA E A NOMENCLATURA EM ANIMAIS A TAXONOMIA E A NOMENCLATURA EM ANIMAIS Aula Multimídia Prof. David Silveira Taxonomia ou Sistemática é o ramo das ciências naturais que se ocupa com a classificação dos organismos. Existe uma Taxonomia

Leia mais

REGRAS DE NOMENCLATURA ZOOLÓGICA

REGRAS DE NOMENCLATURA ZOOLÓGICA REGRAS DE NOMENCLATURA ZOOLÓGICA Sistema de Classificação Inicialmente a classificação das espécies modo de lidar com a diversidade dos organismos. Era como se cada espécie fosse colocada num escaninho

Leia mais

Título do trabalho: subtítulo do trabalho

Título do trabalho: subtítulo do trabalho Título do trabalho: subtítulo do trabalho Resumo Este documento apresenta um modelo de formatação a ser utilizado em artigos e tem como objetivo esclarecer aos autores o formato a ser utilizado. Este documento

Leia mais

A) NO CASO DE NÃO-INCLUSÃO DE ARTIGO(S) PUBLICADO(S) E/OU MANUSCRITO(S) SUBMETIDO(S) OU ACEITOS PARA PUBLICAÇÃO APRESENTAÇÃO DA MANEIRA FORMAL);

A) NO CASO DE NÃO-INCLUSÃO DE ARTIGO(S) PUBLICADO(S) E/OU MANUSCRITO(S) SUBMETIDO(S) OU ACEITOS PARA PUBLICAÇÃO APRESENTAÇÃO DA MANEIRA FORMAL); SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ NÚCLEO DE PESQUISAS EM ONCOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ONCOLOGIA E CIÊNCIAS MÉDICAS NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DE DISSERTAÇÕES DE MESTRADO, TESES

Leia mais

NOMENCLATURA BOTÂNICA

NOMENCLATURA BOTÂNICA A Nomenclatura Botânica refere-se à aplicação correta dos nomes científicos das plantas, e para garantir certa estabilidade e universalidade aos nomes dados aos diferentes táxons é criado, em 1867, o CÓDIGO

Leia mais

SEMINÁRIO . ORGANIZAÇÃO DO SEMINÁRIO.

SEMINÁRIO . ORGANIZAÇÃO DO SEMINÁRIO. SEMINÁRIO Seminário é um grupo de pessoas que se reúnem com o propósito de estudar um tema sob a direção de um professor ou autoridade na matéria. O nome desta técnica vem da palavra semente, indicando

Leia mais

Queridos alunos, aproveitem esta oportunidade de recordar o que estudamos durante este ano. Boa sorte! (Cada questão vale 1 ponto)

Queridos alunos, aproveitem esta oportunidade de recordar o que estudamos durante este ano. Boa sorte! (Cada questão vale 1 ponto) DISCIPLINA: Redação PROFESSORAS: Fernanda/Andréa/Marianna DATA: /12/2014 ASSUNTO: Trabalho de recuperação SÉRIE/ANO: 8º TURMA: NOME COMPLETO: Nº: Queridos alunos, aproveitem esta oportunidade de recordar

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e NORMAS PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA O projeto gráfico é de responsabilidade do autor

Leia mais

Atividade extra. Questão 1. Questão 2. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Biologia. A diversidade biológica é o fruto da variação genética.

Atividade extra. Questão 1. Questão 2. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Biologia. A diversidade biológica é o fruto da variação genética. Atividade extra Questão 1 A diversidade biológica é o fruto da variação genética. Falar em biodiversidade e em tempo significa, necessariamente, falar de: a. Degeneração. b. Conservação. c. Evolução. d.

Leia mais

Como localizar um documento na biblioteca!

Como localizar um documento na biblioteca! Como localizar um documento na biblioteca! Comece por fazer pesquisa no catálogo em linha: por autor, Por autor Se sabe o autor que procura, introduza o seu nome invertido. Ex.: Chang, Raymond por assunto,

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ GESTÃO2010/2012 ESCOLASUPERIORDOMINISTÉRIOPÚBLICO(Art.1ºdaLei11.592/89) Credenciada pelo Parecer 559/2008, de 10/12/08, do CEC (Art. 10, IV da Lei Federal n.º 9.394, de 26/12/1996 - LDB) NORMAS PARA ELABORAÇÃO

Leia mais

C. D. Costa Maria do Carmo de C. D. Maria do Carmo de

C. D. Costa Maria do Carmo de C. D. Maria do Carmo de C. D. Costa Maria do Carmo de C. D. Costa ANGIOSPERMAS FAMÍLIA ARACEAE Maria do Carmo de CLASSIFICAÇÃO - ENGLER DIVISÃO ---> Angiospermae CLASSE ---> Monocotyledonae ORDEM ---> Spathiflorae FAMÍLIA --->

Leia mais

4 RECURSOS AUTOMATIZADOS DO EXCEL

4 RECURSOS AUTOMATIZADOS DO EXCEL 4 RECURSOS AUTOMATIZADOS DO EXCEL 4.1 Auto Preenchimento O Excel possui um recurso de grande ajuda para quem necessita digitar uma seqüência de células cujo conteúdo é seqüencial. Esse recurso, chamado

Leia mais

Taxonomia e Nomenclatura. Aula nº49 e 51 4 e 9 Fev 09 Prof. Ana Reis

Taxonomia e Nomenclatura. Aula nº49 e 51 4 e 9 Fev 09 Prof. Ana Reis Taxonomia e Nomenclatura Aula nº49 e 51 4 e 9 Fev 09 Prof. Ana Reis Actualmente, as classificações biológicas são ainda influenciadas pelo trabalhos de Aristóteles, mas sobretudo pelos de Lineu, que é

Leia mais

Normas para apresentação de dissertações

Normas para apresentação de dissertações Normas para apresentação de dissertações Bases Essenciais Manuel A. Matos Resumo: Neste documento descrevem-se os aspectos essenciais a ter em conta na apresentação de dissertações ou documentos similares,

Leia mais

Classe A: Apenas o primeiro octeto identifica a rede e os três últimos identificam os Hosts.

Classe A: Apenas o primeiro octeto identifica a rede e os três últimos identificam os Hosts. MÓDULO 9 Endereçamento IP Em uma rede TCP/IP, cada computador possui um endereço IP que o identifica na rede, esse endereço é composto por uma seqüência de bits divididos em 4 grupos de 8 bits que recebem

Leia mais

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA 1 Prezado(a) aluno(a), Este roteiro foi preparado para auxiliá-lo na elaboração de sua monografia (TCC). Ele o apoiará na estruturação das etapas do seu trabalho de maneira

Leia mais

Apostila de Biologia 11 Leis de Mendel

Apostila de Biologia 11 Leis de Mendel Apostila de Biologia 11 Leis de Mendel Matheus Borges 1.0 Conceitos Básicos Herança biológica ou hereditariedade: características básicas da espécie que herdamos como também as características individuais.

Leia mais

ConservationTraining: Guia do Estudante

ConservationTraining: Guia do Estudante ConservationTraining: Guia do Estudante Introdução Neste guia apresentaremos a você os aspectos básicos da participação de um curso on line. Você será levado passo a passo a se inscrever, entrar no curso

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO

INSTITUTO TECNOLÓGICO PAC - PROGRAMA DE APRIMORAMENTO DE CONTEÚDOS. ATIVIDADES DE NIVELAMENTO BÁSICO. DISCIPLINAS: MATEMÁTICA & ESTATÍSTICA. PROFº.: PROF. DR. AUSTER RUZANTE 1ª SEMANA DE ATIVIDADES DOS CURSOS DE TECNOLOGIA

Leia mais

3.4.4 GLADÍOLO (Gladiolus L.) 3.4.4.1 Classificação Botânica

3.4.4 GLADÍOLO (Gladiolus L.) 3.4.4.1 Classificação Botânica 3.4.4 GLADÍOLO (Gladiolus L.) 3.4.4.1 Classificação Botânica O Gladíolo pertence à família das Iridáceas, dentro da classe das monocotiledôneas. O nome Gladiolus L., pertencente ao gênero foi classificado

Leia mais

Primeira Lei de Mendel e Heredograma

Primeira Lei de Mendel e Heredograma Primeira Lei de Mendel e Heredograma 1. (UFC-2006) Leia o texto a seguir. A Doença de Alzheimer (D.A.) (...) é uma afecção neurodegenerativa progressiva e irreversível, que acarreta perda de memória e

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA GENÉTICA

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA GENÉTICA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA GENÉTICA PROFESSORA: SANDRA BIANCHI ASSUNTOS ESTUDADOS NA GENÉTICA ESTUDO DOS GENES E DA HEREDITARIEDADE A GENÉTICA E A MATEMÁTICA ESTUDANDO PROBABILIDADE FÓRMULA GERAL: P(A) =

Leia mais

1ª e 2ª LEI DE MENDEL Professor: Robson Fernando Missio http://people.ufpr.br/~rfmissio/robson.htm Objetivo: apresentara 1a e 2a Lei de Mendel

1ª e 2ª LEI DE MENDEL Professor: Robson Fernando Missio http://people.ufpr.br/~rfmissio/robson.htm Objetivo: apresentara 1a e 2a Lei de Mendel 1ª e 2ª LEI DE MENDEL Professor: Robson Fernando Missio http://people.ufpr.br/~rfmissio/robson.htm Objetivo: apresentara 1a e 2a Lei de Mendel Quadrado de Punnet Segregação fenotípica 3/4 Preto 1/4 marron

Leia mais

GENÉTICA HUMANA HISTÓRICO 26/08/2013 GREGOR MENDEL AULA 3 RELAÇÃO GENÓTIPO-FENÓTIPO

GENÉTICA HUMANA HISTÓRICO 26/08/2013 GREGOR MENDEL AULA 3 RELAÇÃO GENÓTIPO-FENÓTIPO GENÉTICA HUMANA AULA 3 RELAÇÃO GENÓTIPO-FENÓTIPO CURSO: Psicologia SÉRIE: 2º Semestre CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 Horas/aula CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 Horas HISTÓRICO GREGOR MENDEL 1822 Nasceu em Heinzendorf,

Leia mais

1 Revisão: Construção de fórmulas

1 Revisão: Construção de fórmulas 1 Revisão: Construção de fórmulas Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução...3 Como efetuar uma operação...3 Construindo

Leia mais

Normas para participação com apresentação de pôsteres e/ou Trabalhos completos (Comunicações Orais)

Normas para participação com apresentação de pôsteres e/ou Trabalhos completos (Comunicações Orais) Normas para participação com apresentação de pôsteres e/ou Trabalhos completos (Comunicações Orais) *Os participantes do Congresso Internacional de Saúde poderão participar na modalidade OUVINTE, APRESENTAÇÃO

Leia mais

Manual de Estilo da APC 1

Manual de Estilo da APC 1 Manual de Estilo da APC 1 Por favor, considere as seguintes recomendações quando for escrever e editar textos para a APC. Para facilitar a consulta, as recomendações estão listadas em ordem alfabética.

Leia mais

NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DOS RESUMOS

NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DOS RESUMOS NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DOS RESUMOS NORMAS PARA ENVIO DE RESUMOS A ABENFISIO convida a todos os atores envolvidos com a formação e desenvolvimento da Fisioterapia a enviarem e compartilharem seus trabalhos

Leia mais

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são Atividade extra Fascículo 2 Biologia Unidade 4 Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais

Leia mais

CAPÍTULO 1 Introduzindo SIG

CAPÍTULO 1 Introduzindo SIG CAPÍTULO 1 Introduzindo SIG Por muito tempo, estudou-se o mundo usando modelos como mapas e globos. Aproximadamente nos últimos trinta anos, tornou-se possível colocar estes modelos dentro de computadores

Leia mais

Microsoft Excel 2003

Microsoft Excel 2003 Associação Educacional Dom Bosco Faculdades de Engenharia de Resende Microsoft Excel 2003 Professores: Eduardo Arbex Mônica Mara Tathiana da Silva Resende 2010 INICIANDO O EXCEL Para abrir o programa Excel,

Leia mais

Sistemática tica dos seres vivos. Evolução dos sistemas de classificação:

Sistemática tica dos seres vivos. Evolução dos sistemas de classificação: Evolução dos sistemas de classificação: Definição de conceitos: Taxonomia: área da Biologia que trata da classificação, da identificação e da atribuição de nomes aos grupos de seres vivos. Nomenclatura:

Leia mais

QUESTÃO 01 QUESTÃO 02(UNISA)

QUESTÃO 01 QUESTÃO 02(UNISA) Disciplina: Biologia Data: /09/2012 Professor: Luiz Carlos Panisset Travassos Turma: 3º Tipo de Atividade: Atividades de recuperação Segmento:EM/Agro Etapa:2ª Nome do(a) aluno(a): QUESTÃO 01 Uma criança

Leia mais

Entendendo a herança genética. Capítulo 5 CSA 2015

Entendendo a herança genética. Capítulo 5 CSA 2015 Entendendo a herança genética Capítulo 5 CSA 2015 Como explicar as semelhanças entre gerações diferentes? Pai e filha Avó e neta Pai e filho Avó, mãe e filha Histórico Acreditava na produção, por todas

Leia mais

Guia de Orientação para Apresentação de Projeto de Pesquisa para Alunos da FCC de acordo com as Normas da ABNT

Guia de Orientação para Apresentação de Projeto de Pesquisa para Alunos da FCC de acordo com as Normas da ABNT FACULDADE CRISTÃ DE CURITIBA Guia de Orientação para Apresentação de Projeto de Pesquisa para Alunos da FCC de acordo com as Normas da ABNT Elaborado pela bibliotecária Teresinha Teterycz - CRB 9 / 1171

Leia mais

Conceitos Fundamentais de Microsoft Word. Professor Rafael rafampsilva@yahoo.com.br www.facebook.com/rafampsilva

Conceitos Fundamentais de Microsoft Word. Professor Rafael rafampsilva@yahoo.com.br www.facebook.com/rafampsilva Conceitos Fundamentais de Microsoft Word Professor Rafael www.facebook.com/rafampsilva Introdução É um editor de texto ou processador de texto? editores de texto: editam texto (assim como uma máquina de

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO 39 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO 1. MONOGRAFIA Monografias são exposições de um problema ou assunto específico, investigado cientificamente, assim, não exige originalidade,

Leia mais

Várias classificações já foram propostas. Adotaremos a classificação proposta por Whittaker e adotada pelo naturalista sueco Lineu (1707-1778).

Várias classificações já foram propostas. Adotaremos a classificação proposta por Whittaker e adotada pelo naturalista sueco Lineu (1707-1778). NOMENCLATURA CIENTÍFICA E AS CATEGORIAS TAXONÔMICAS Nome científico de uma espécie Para escrevermos o nome científico de uma espécie, utilizamos as regras propostas por Lineu: 1. O nome deve ser escrito

Leia mais

Manual do Utilizador. Janeiro de 2012.

Manual do Utilizador. Janeiro de 2012. Janeiro de 2012. Índice 1. Introdução 2 Geral 2 Específico 2 Configurável 2 2. Acesso ao adapro 3 3. Descrição 4 Descrição Geral. 4 Funcionalidades específicas de um processador de textos. 5 Documento

Leia mais

TOLERÂNCIAS E AJUSTES (SISTEMA ISO) NBR 6158

TOLERÂNCIAS E AJUSTES (SISTEMA ISO) NBR 6158 TOLERÂNCIAS E AJUSTES (SISTEMA ISO) NBR 6158 GENERALIDADES O sistema ISO de tolerâncias e ajustes é relativo às tolerâncias para dimensões de peças uniformes e os ajustes correspondem a sua montagem. Para

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Agenda Estrutura Básica de consultas SQL: A cláusula SELECT; A cláusula FROM; A cláusula WHERE. Operação com cadeias

Leia mais

Fichas de Resumos de Conteúdo: Classificação dos seres vivos. Porque classificar? Reino. Filo. Classe. Ordem. Família. Gênero.

Fichas de Resumos de Conteúdo: Classificação dos seres vivos. Porque classificar? Reino. Filo. Classe. Ordem. Família. Gênero. Porque classificar? Desde que começamos a estudar os seres vivos, passamos a enxergá-los como grupos que possuíam alguma característica em comum. Ao longo do tempo, diferentes pensadores e cientistas escolheram

Leia mais

I CONGRESSO ACADÊMICO DE MEDICINA DA FAMINAS BH EDITAL PÔSTER

I CONGRESSO ACADÊMICO DE MEDICINA DA FAMINAS BH EDITAL PÔSTER I CONGRESSO ACADÊMICO DE MEDICINA DA FAMINAS BH EDITAL PÔSTER A Comissão Organizadora do I Congresso Acadêmico de Medicina da FAMINAS BH faz saber que estarão abertas, no período de 14 de outubro de 2015

Leia mais

Herança Quantitativa

Herança Quantitativa UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI CENTRO DE CIÊNCIAS AGRARIAS - CCA PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E MELHORAMENTO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GENÉTICA E MELHORAMENTO Herança Quantitativa MÁRIO HENRIQUE INTRODUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT. ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT. ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações 1ª edição Ilhéus BA 2012 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Tudo começou em África

Tudo começou em África Tudo começou em África (Expresso: 25-04-1998) Análises do D A confirmam a origem africana da espécie humana, uma ideia já defendida no século passado por Charles Darwin e Thomas Henry. A nossa árvore genealógica

Leia mais

Professor(a): Marco Rossellini Disciplina: Biologia Aluno(a): Ano: 3 EM Nº: Data: / / Bimestre: 3º NOTA: Exercícios - Geekie

Professor(a): Marco Rossellini Disciplina: Biologia Aluno(a): Ano: 3 EM Nº: Data: / / Bimestre: 3º NOTA: Exercícios - Geekie 1) Leia os trechos seguintes, extraídos de um texto sobre a cor de pele humana. A pele de povos que habitaram certas áreas durante milênios adaptou-se para permitir a produção de vitamina D. À medida que

Leia mais

selecionado. DICAS 1. Explore, sempre, o ícone

selecionado. DICAS 1. Explore, sempre, o ícone COMO USAR O MAPA COM INDICADORES DO GEOPORTAL DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE DA BAHIA? Este documento fornece um passo a passo explicativo e ilustrado das principais ferramentas do Mapa com Indicadores do GeoPortal

Leia mais

SHOW DOS IPÊS. Instituto de Educação infantil e juvenil Primavera, 2013. Londrina, de. Nome: Ano: Tempo Início: término: total:

SHOW DOS IPÊS. Instituto de Educação infantil e juvenil Primavera, 2013. Londrina, de. Nome: Ano: Tempo Início: término: total: SHOW DOS IPÊS Instituto de Educação infantil e juvenil Primavera, 2013. Londrina, de. Nome: Ano: Tempo Início: término: total: Edição XIX MMXIII Fase 1- parte 2 Grupo F Os ipês dão cor e vida ao final

Leia mais

Taxonomia e Sistemática

Taxonomia e Sistemática Taxonomia e Sistemática Sistemas de classificação Os sistemas de classificação dos seres vivos podem ser divididos basicamente em: artificial e natural. Sistema artificial baseava-se em apenas um caráter

Leia mais

Universidade Federal de Campina Grande Reunião REHISA Compartilhamento de Dados 11 e 12 de Abril de 2007. Tutorial TWiki

Universidade Federal de Campina Grande Reunião REHISA Compartilhamento de Dados 11 e 12 de Abril de 2007. Tutorial TWiki Universidade Federal de Campina Grande Reunião REHISA Compartilhamento de Dados 11 e 12 de Abril de 2007 Tutorial TWiki Marília Silva Dantas Imagine você um dia poder alterar diretamente o conteúdo de

Leia mais

Exercícios Extras - Taxonomia e Sistemática - Fernando

Exercícios Extras - Taxonomia e Sistemática - Fernando Exercícios Extras - Taxonomia e Sistemática - Fernando Questão 01 UFSCAR Alguns livros do ensino médio definem uma espécie biológica como um grupo de populações naturais cujos membros podem cruzar naturalmente

Leia mais

MATÉRIA. Juliana. Fósseis / Falta de alimento / Mutações / Seleção natural / Darwin / Evolução

MATÉRIA. Juliana. Fósseis / Falta de alimento / Mutações / Seleção natural / Darwin / Evolução Valores eternos. TD Recuperação ALUNO(A) MATÉRIA Ciências PROFESSOR(A) Juliana ANO SEMESTRE DATA 7º 1º Julho/2013 TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS ---- ---- 1. Relacione as palavras do quadro abaixo com

Leia mais

Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa

Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa O que é técnica? O que é instrumento? Tipos de técnicas e instrumentos de pesquisa Entrevista Questionários Observação 1. ENTREVISTA Encontro entre

Leia mais

DOCUMENTOS COMPLEMENTARES...51

DOCUMENTOS COMPLEMENTARES...51 SUMÁRIO Página 1. OBJETIVO...51 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES...51 3. DEFINIÇÕES...51 3.1. Tabela...51 3.2. Espaços...51 3.2.1. Topo...51 3.2.2. Centro...51 3.2.2.1. Espaço do cabeçalho...51 3.2.2.2. Coluna...52

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 06: Introdução Linguagem HTML

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 06: Introdução Linguagem HTML PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 06: Introdução Linguagem HTML O Desenvolvimento Web O desenvolvimento web é o termo utilizado para descrever atividade relacionada

Leia mais

2ºano. 2º período 1.2 HISTÓRIA & GEOGRAFIA. 10 de junho de 2014

2ºano. 2º período 1.2 HISTÓRIA & GEOGRAFIA. 10 de junho de 2014 2ºano 1.2 HISTÓRIA & GEOGRAFIA 2º período 10 de junho de 2014 Cuide da organização da sua avaliação, escreva de forma legível, fique atento à ortografia e elabore respostas claras. Tudo isso será considerado

Leia mais

Roteiro de aula prática 3º ano Prática 3 Primeira Lei de Mendel

Roteiro de aula prática 3º ano Prática 3 Primeira Lei de Mendel Roteiro de aula prática 3º ano Prática 3 Primeira Lei de Mendel Pergunta: Nós herdamos características dos nossos pais? Como isso acontece? Objetivos: Ensinar sobre as leis de transmissão de características

Leia mais

EDITAL TEMA LIVRE XII JANP

EDITAL TEMA LIVRE XII JANP EDITAL TEMA LIVRE XII JANP A Comissão Organizadora da XII Jornada Acadêmica de Anatomia Aplicada faz saber que estarão abertas, no período de 19 de junho de 2015 a 03 de julho de 2015, as inscrições para

Leia mais

Pesquisas Google - O Essencial

Pesquisas Google - O Essencial Pesquisas Google - O Essencial Para fazer uma consulta no Google, basta digitar algumas poucas palavras de descrição e pressionar a tecla "Enter" (ou clicar no Botão de Busca do Google) para a sua lista

Leia mais

Aapple v a l i@a@ç@ã@o @d@o mappleæê ß @dæe@ Dapple@a t@a@: Papple r@o fæe s s@o r@(@a@): Eapple n@c@. @dæe@ Eapple@d@u@c@.:

Aapple v a l i@a@ç@ã@o @d@o mappleæê ß @dæe@ Dapple@a t@a@: Papple r@o fæe s s@o r@(@a@): Eapple n@c@. @dæe@ Eapple@d@u@c@.: Aapple v a l i@a@ç@ã@o @d@o mappleæê ß @dæe@ Napple@o mæe@: Dapple@a t@a@: Papple r@o fæe s s@o r@(@a@): Eapple n@c@. @dæe@ Eapple@d@u@c@.: Napple@o mæe@: Dapple@a t@a@: Eapple s t@u@d@o @d@o Mappleæe

Leia mais

Núcleo de Inovação Tecnológica Campus Muzambinho

Núcleo de Inovação Tecnológica Campus Muzambinho Núcleo de Inovação Tecnológica Campus Muzambinho Líder: Gustavo Rabelo Botrel Miranda Vice-líder: Paulo Sérgio de Souza 1º Tesoureiro: Gustavo José da Silva 2º Tesoureiro: Hugo Baldan Júnior 1º Secretário:

Leia mais

Nivelamento Desenho Técnico

Nivelamento Desenho Técnico Módulo: Nivelamento Desenho Técnico Natanael Gomes da Costa Júnior Curso: FTST - FORMAÇÃO TÉCNICA EM SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO DE NIVELAMENTO DESENHO TÉCNICO Sumário Sumário...2 Competências a serem

Leia mais

serifa inclinada TIMES serifa

serifa inclinada TIMES serifa TIPOLOGIA NA WEB CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS Com Serifa Serifa é uma haste perpendicular que termina os principais traços de algumas letras. Este recurso facilita a leitura de textos impressos, aglutiando

Leia mais

PC Fundamentos Revisão 4

PC Fundamentos Revisão 4 exatasfepi.com.br PC Fundamentos Revisão 4 André Luís Duarte...mas os que esperam no Senhor renovarão as suas forças; subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; andarão, e não se fatigarão.is

Leia mais

Caixa de Nome Barra de Fórmulas. Célula Ativa Cabeçalho Coluna Cabeçalho Linha

Caixa de Nome Barra de Fórmulas. Célula Ativa Cabeçalho Coluna Cabeçalho Linha O software Microsoft Excel97 é uma planilha de cálculos bastante aprimorada no que diz respeito a elaborar documentos fáceis de entendimento e formatação altamente sofisticada. Inicialmente vamos aprender

Leia mais

Introdução 1ª Parte Web Web Web Web Browsers Editores Editores Etiquetas (tags) base indica que se trata de uma página escrita em linguagem HTML. Esta deve abranger todo o código;

Leia mais

Projeto de Pesquisa. Def.: Plano de ação contendo intenções que poderão (ou não) ser concretizadas na pesquisa.

Projeto de Pesquisa. Def.: Plano de ação contendo intenções que poderão (ou não) ser concretizadas na pesquisa. Projeto de Pesquisa Def.: Plano de ação contendo intenções que poderão (ou não) ser concretizadas na pesquisa. É um guia de ação para seu autor. O projeto de pesquisa é uma seqüência de etapas estabelecida

Leia mais

Linguagens de programação

Linguagens de programação Prof. André Backes Linguagens de programação Linguagem de Máquina Computador entende apenas pulsos elétricos Presença ou não de pulso 1 ou 0 Tudo no computador deve ser descrito em termos de 1 s ou 0 s

Leia mais

Desenho Técnico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato. Planta Baixa

Desenho Técnico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato. Planta Baixa Desenho Técnico Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Planta Baixa PROJETO ARQUITETÔNICO: PLANTAS E VISTAS Profª. Ms. Laura Ludovico de Melo ENG1051 PROJETO ARQUITETÔNICO: PLANTAS E VISTAS Planta Baixa:

Leia mais

Programação de Computadores I Fluxogramas PROFESSORA CINTIA CAETANO

Programação de Computadores I Fluxogramas PROFESSORA CINTIA CAETANO Programação de Computadores I Fluxogramas PROFESSORA CINTIA CAETANO Problemas & Algoritmos Para resolver um problema através dum computador é necessário encontrar em primeiro lugar uma maneira de descrevê-lo

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO GENÉTICA. Reprodução, Acasalamento, Manutenção e Algumas considerações...

CLASSIFICAÇÃO GENÉTICA. Reprodução, Acasalamento, Manutenção e Algumas considerações... CLASSIFICAÇÃO GENÉTICA Reprodução, Acasalamento, Manutenção e Algumas considerações... Classificação Genética Heterogênicos = outbred Isogênicos = Inbred Acasalamento Aleatório Não-Consangüíneos Acasalamento

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5.º ANO/EF 2015

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5.º ANO/EF 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5.º ANO/EF 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados na

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA RESERVA ECOLOGICA MATA DO PAU- FERRO (AREIA-PB) COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO

A IMPORTÂNCIA DA RESERVA ECOLOGICA MATA DO PAU- FERRO (AREIA-PB) COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO A IMPORTÂNCIA DA RESERVA ECOLOGICA MATA DO PAU- FERRO (AREIA-PB) COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO Edilaine da Silva Trajano (1); David Holanda de Oliveira (1); Sibelle Williane Dias dos Santos Inocêncio Alves

Leia mais

Devido à abundância e à diversidade de seres vivos, foi necessário ordená-los e organizá-los. Foi necessário criar um sistema de classificação.

Devido à abundância e à diversidade de seres vivos, foi necessário ordená-los e organizá-los. Foi necessário criar um sistema de classificação. Devido à abundância e à diversidade de seres vivos, foi necessário ordená-los e organizá-los. Foi necessário criar um sistema de classificação. A ciência que classifica os seres vivos chama-se taxonomia.

Leia mais

MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Araranguá MÊS /ANO 2 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO...3 2- OBJETIVOS...4 3- JUSTIFICATIVA...5 4- REVISÃO TEÓRICA...6 5- METODOLOGIA...7 6- CRONOGRAMA...8 7- BIBLIOGRAFIA...9

Leia mais

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA TCC2

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA TCC2 UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA COORDENAÇÃO ADJUNTA DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais