Os comissários podem solicitar a qualquer momento que sejam feitas as verificações necessárias em qualquer veiculo inscrito no evento.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os comissários podem solicitar a qualquer momento que sejam feitas as verificações necessárias em qualquer veiculo inscrito no evento."

Transcrição

1 REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ADAPTADO TURBO 1-REGULAMENTAÇÃO Todos os veículos inscritos deveram passar por vistoria prévia. Os competidores deverão provar ao comissário técnicos e desportivos do evento, que seu veiculo cumpre todas as regulamentações exigidas, durante toda a duração do evento. Os comissários podem solicitar a qualquer momento que sejam feitas as verificações necessárias em qualquer veiculo inscrito no evento. Os comissários técnicos podem requerer que um veiculo seja desmontado, para se verificar as condições de segurança ou de conformidade com este regulamento técnico. Todo piloto inscrito deve despor de um ou mais mecânicos para que se proceda à desmontagem do veiculo, e todos os custos envolvidos na operação correm por conta do piloto/equipe. 1.1-DEFINIÇÃO Participam desta categoria veículos de turismo, coupe ou sedan, 2,3,4 ou 5 portas. Veículos de tração dianteira ou traseira, equipados com motores turbo que não sejam originais da linha de produção do veiculo. Fica liberado: * uso de bloco AP para veículos Volkswagen refrigerados a ar ou qualquer veículo de outra montadora; *uso de bloco de Vectra e Astra para veículos GM que não utilizam este bloco originalmente ou veículo de qualquer outra montadora; *uso de bloco de Tempra, uno, marea 4 (quatro) cilindros para veículos fiat que não utilizam este bloco originalmente ou veículos de qualquer outra montadora 1.2-DENOMINAÇÃO A denominação desta categoria será: adaptado turbo. Todos os veículos desta categoria devem fixar no pára-brisa dianteiro e do lado direito o nº do carro e as iniciais da categoria (AT). O tamanho dos nº/ letras deve ser de no mínimo de 15x15cm, a cor deve ser contrastante com a do fundo da superfície onde o mesmo será fixado. 1.3-HOMOLOGAÇÃO Veículos de fabricação nacional ou estrangeira equipados com motores de no Maximo 4(quatro) cilindros. Permitido o uso de veículos 2 (dois) ou mais lugares.

2 1.4-PESO MÍNIMO 890(oitocentos e vinte) quilos para veículos com cabeçote 8 (oito) válvulas 1060(novecentos e noventa) quilos para veículos com cabeçote 16 (dezesseis) válvulas 1220(um mil cento e cinqüenta) quilos para veículos com cabeçote 20 (vinte) válvulas O peso total será obtido através da soma do peso do carro com o peso do piloto, devidamente indumentado, e com capacete. O peso total deve ser composto por no mínimo 28(vinte e oito) % do total no eixo traseiro. No caso de necessidade de uso de lastro, o mesmo devera ser fixado, sendo ainda possível a sua lacração. Não é permitido qualquer tipo de alivio de peso através da retirada de suas partes e itens originais da carroçaria e interior. È permitida à retirada do macaco, estepe, chave de roda e triangulo. 1.5-MOTOR Fica livre o retrabalho do bloco, permitindo-se o aumento do volume do mesmo. Fica livre o uso de pistões e bielas forjadas. Fica proibido o uso de bielas de alumínio, indiferente do motor adaptado. Fica proibido alterar o curso original do virabrequim do motor adaptado. 1.6-SISTEMA DE IGNIÇÃO Marcas e tipos de bobinas, velas, limitador de giro e cabos de velas são livres. Fica liberado o uso de modulo de ignição do tipo (MSD) ou similar. Fica proibido o uso de mais que uma bobina para motores que não tem esse sistema como original. 1.7-SISTEMA DE ARREFECIMENTO Termostato, sistema de controle de temperatura, acionamento e o ventilador são livres. Fica proibida a retirada do radiador, bomba d água ou das mangueiras que os ligam. Fica proibido o uso de bomba d'água externa. 1.8-CABEÇOTE Fica livre o retrabalho. Fica livre a substituição do comando de válvulas original, desde que seja nacional o comando reposto.

3 1.9-ALIMENTAÇÃO Fica livre o retrabalho, adaptação de flange para TBI, ou carburador do coletor de admição. Fica livre o retrabalho do modulo de injeção original, ou sua substituição por outra nacional. Fica proibido o uso de mais que 1 um carburador para carburados. Fica proibido o uso de mais que 4 bicos de injeção para injetados. É permitido o uso de somente uma turbina de fabricação nacional, com as seguintes especificações: -Tamanho do rotor - diâmetro menor- 47 mm (tamanho máximo) - diâmetro maior- 60 mm (tamanho máximo) -Tamanho do eixo - diâmetro menor- 49,5 mm (tamanho máximo) - diâmetro maior- 64 mm (tamanho máximo) Fica proibido o uso de óxido nitroso ESCAPAMENTO Fica livre o seu dimensionamento SUSPENÇÃO Fica livre alterar a altura dos pratos das molas dos amortecedores através de solda ou rosca. Fica livre o retrabalho de molas e amortecedores. Fica proibida a retirada de molas e amortecedores. Fica proibido o uso de barra de tração para veículos de tração dianteira. Fica proibido o uso de ladder bar ou four link para veículos de tração traseira. Fica proibido o aumento da medida entre eixos original da carroceria TRANSMIÇÃO A caixa de cambio e diferencial devem ser as fornecidas pelo fabricante do veiculo ou do motor adaptado, de acionamento manual. Fica proibido o uso de cambio automático, semi-automático ou seqüencial. Liberado Trabalho ou retrabalho das engrenagens de cambio ou diferencial.

4 Engrenagens forjadas mantendo as características do fabricante. Substituição da tampa do diferencial original da caixa para forjada ou de aço. Uso de diferencial autoblocante. Proibido Usar solda para fazer o bloqueio do diferencial. Uso de engate rápido nas engrenagens. Uso de alavanca tipo inline EMBREAGEM Livre quanto ao tipo ou fornecedor RODAS E PNEUS As rodas são livres respeitando o diâmetro mínimo de 13 e Maximo 17. Os pneus deverão obrigatoriamente ser nacionalizados e possuir o selo do Inmetro. A largura mínima é de 185 mm e máxima 225 mm. Fica proibido o uso de pneus importados, recapados ou slick de qualquer tipo SISTEMA DE FREIO Fica livre a adaptação do sistema de freio, desde que esteja funcionando perfeitamente. Fica livre a utilização de freio a disco na traseira mesmo que não seja original CARROCERIA E CHASSI Ficam livres apenas alterações na carroceria ou chassi dentro do cofre do motor para adaptação do mesmo, desde que não afete a estrutura original da carroceria. È permitindo o levantamento do capo dianteiro, na sua parte traseira em no Maximo 10 cm. Fica livre o retrabalho das bordas dos para lamas. Fica proibido qualquer tipo de alivio de peso, retirando partes da carroceria ou interior do veiculo. Fica proibido a substituição dos vidros do veiculo por acrílico. Fica proibido o uso de frente de fibra ou qualquer tipo acessório aerodinâmico HABITÁCULO

5 Fica proibido a retirada bancos, forros de portas, laterais, painel etc. Fica livre a retirada de: Macaco, triangulo, chave de roda,estepe,tapetes,carpetes. Fica livre a substituição dos bancos originais por bancos concha e cinto 4 pontos. Fica livre a confecção de gaiola (santo Antonio) interno SITEMA ELÉTRICO A capacidade ou marca da bateria é livre. Fica livre a troca do local da bateria desde que fique dentro do cofre do motor e fixada solidamente SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO O sistema de lubrificação é livre. Todos os respiros de óleo devem finalizar em um ou mais reservatórios, com capacidade mínima de 3 (três) litros. Fica proibido o uso de bomba de lubrificação externa CIRCUITO DE COMBUSTÍVEL O percurso da linha de combustível é livre, porem na parte externa do veiculo. Fica livre o uso de apenas uma bomba de combustível elétrica ou mecânica e um dosador. Fica livre o retrabalho do tanque original, inclusive o catch tank. Fica proibida a substituição do tanque original do veiculo SEGURANÇA Fica livre a substituição dos bancos originais por bancos concha e cinto quatro pontos. Fica livre a confecção de gaiola (Santo Antônio) interno. È obrigatório o uso de extintor de incêndio, valido e fixado ao alcance do piloto. Recomenda-se a fixação de um anel/cabo para reboque na parte dianteira de veiculo. Fica proibido o uso de capacete aberto.

14 - REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA TURBO C

14 - REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA TURBO C 14 - REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA TURBO C 14 DEFINIÇÃO Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê ou sedan, de 2, 3, 4 ou 5 portas Veículos de tração dianteira

Leia mais

07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C )

07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C ) 07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C ) 07.1 NORMAS TÉCNICAS: A categoria Dianteira Turbo C deverá seguir as normas técnicas constantes neste regulamento específico. 07.2 DEFINIÇÃO

Leia mais

1 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DASAFIO TURBO

1 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DASAFIO TURBO FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA A CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 Rua Comendador Azevedo, 440 Conj. 1 Fone/Fax (51)3224 4808 CEP 90220-150 Porto Alegre

Leia mais

FEDERAÇÃO PARANAENSE DE AUTOMOBILISMO FORÇA LIVRE MOTORSPORT CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO PARANAENSE DE ARRANCADA REGULAMENTO TÉCNICO

FEDERAÇÃO PARANAENSE DE AUTOMOBILISMO FORÇA LIVRE MOTORSPORT CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO PARANAENSE DE ARRANCADA REGULAMENTO TÉCNICO 1 FEDERAÇÃO PARANAENSE DE AUTOMOBILISMO FORÇA LIVRE MOTORSPORT CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO PARANAENSE DE ARRANCADA REGULAMENTO TÉCNICO REGULAMENTAÇÃO TÉCNICA GERAL DAS CATEGORIAS: O Campeonato

Leia mais

CAMPEONATO GAÚCHO DE ARRANCADA

CAMPEONATO GAÚCHO DE ARRANCADA FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA A CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 Rua Comendador Azevedo, 440 - Conj. 1 - Fone/Fax (51)3224 4808 CEP 90220-150 - Porto

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO 10 - CATEGORIA TURBO TRASEIRA TT 10.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria

Leia mais

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares. c) A denominação desta categoria será Dianteira Original.

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares. c) A denominação desta categoria será Dianteira Original. 2- CATEGORIA DIANTEIRA ORIGINAL DO 2.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, nacionais ou importados, coupê, sedan ou pick- up, de 2, 3, 4 ou 5 portas,

Leia mais

veículos de capacidade e cinqüenta

veículos de capacidade e cinqüenta 12 CATEGORIA PRO MOD PM 12.1) DEFINIÇÃO: Participam destas categorias veículos bipostos nacionais e importados, turismo, de produção em série, réplicas e protótipos, coupê, sedan ou pick upp de 2, 3, 4

Leia mais

FEDERAÇÃO SERGIPANA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO SERGIPANO

FEDERAÇÃO SERGIPANA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO SERGIPANO FEDERAÇÃO SERGIPANA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO SERGIPANO CAMPEONATO SERGIPANO DE ARRANCADA REGULAMENTO DESPORTIVO 2008 REGULAMENTO TÉCNICO 2008 CAMPEONATO SERGIPANO DE ARRANCADA REGULAMENTO

Leia mais

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Turbo A.

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Turbo A. 6 - CATEGORIA DIANTEIRA TURBO A - DT- A 6.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, nacionais ou importados, coupê, sedan ou pick- up, de 2, 3, 4 ou 5

Leia mais

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Super.

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Super. 3 - CATEGORIA DIANTEIRA SUPER DS 3.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, nacionais ou importados, coupê, sedan ou pick- up, de 2, 3, 4 ou 5 portas,

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 13 CATEGORIA EXTREME 10,5 XTM 13.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO 8 - CATEGORIA TRASEIRA ORIGINAL TO 8.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta

Leia mais

CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA 2015 REGULAMENTO TÉCNICO 2015 CATEGORIA TRASEIRA TURBO - TT

CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA 2015 REGULAMENTO TÉCNICO 2015 CATEGORIA TRASEIRA TURBO - TT 10 - CATEGORIA TURBO TRASEIRA TT 10.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick-up, de 2, 3, 4 ou 5 portas, de tração traseira equipados

Leia mais

Este regulamento está organizado conforme o CDI Código Desportivo Internacional e CDA Código Desportivo do Automobilismo.

Este regulamento está organizado conforme o CDI Código Desportivo Internacional e CDA Código Desportivo do Automobilismo. 15 - CATEGORIA TRASEIRA STREET TURBO. Este regulamento está organizado conforme o CDI Código Desportivo Internacional e CDA Código Desportivo do Automobilismo. 15.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 6 - CATEGORIA DIANTEIRA TURBO A - DT-A 6.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C DT-C 4.1) - DEFINIÇÃO: a) Participam desta

Leia mais

Categoria Desafio IMPORT

Categoria Desafio IMPORT Categoria Desafio IMPORT 1 - NORMAS TÉCNICAS: A categoria Desafio IMPORT deverá seguir as normas técnicas constantes neste regulamento especifico. 2 - DEFINIÇÃO: a) Poderão participar desta categoria veículos

Leia mais

14 - CATEGORIA STREET TRAÇÃO TRASEIRA STT

14 - CATEGORIA STREET TRAÇÃO TRASEIRA STT 14 - CATEGORIA STREET TRAÇÃO TRASEIRA STT 14.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick-up, de 2, 3, 4 ou 5 portas de tração traseira

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO 13 CATEGORIA EXTREME 10,5 XTM 13.1) DEFINIÇÃO: a) Participam destas categorias

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 2 - CATEGORIA DIANTEIRA ORIGINAL DO 2.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

7 - CATEGORIA FORÇA LIVRE DIANTEIRA FLD

7 - CATEGORIA FORÇA LIVRE DIANTEIRA FLD 1 7 - CATEGORIA FORÇA LIVRE DIANTEIRA FLD REGULAMENTAÇÃO: Todos os veículos inscritos deverão passar por vistoria prévia. Todos pilotos deverão ter a cédula de piloto vigente no ano corrente para participar

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CAMPEONATO PAULISTA DE DRAG RACE 2014 REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DRAG RACE DIANTEIRA DD 1- REGULAMENTAÇÃO: Todos os veículos inscritos deverão passar por vistoria prévia. Todos os pilotos deverão ter

Leia mais

FESTIVAL MOTOR DAY DE ARRANCADA 2015

FESTIVAL MOTOR DAY DE ARRANCADA 2015 FESTIVAL MOTOR DAY DE ARRANCADA 2015 4 REGULAMENTO TÉCNICO ESPECÍFICO DA CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C - DTC 4.1) - DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos nacionais de turismo de grande produção

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FORÇA LIVRE REGULAMENTO TÉCNICO 2015 ARTIGO 1: VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CARROCERIA E DIMENSÕES ARTIGO 3: PESO ARTIGO 4: MOTOR ARTIGO 5: COMBUSTÍVEL ARTIGO 6: LUBRIFICAÇÃO ARTIGO 7:

Leia mais

FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE MATO GROSSO DO SUL. Filiada a Confederação Brasileira de Automobilismo

FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE MATO GROSSO DO SUL. Filiada a Confederação Brasileira de Automobilismo FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO MS CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO ESTADUAL E INTERESTADUAL DE MARCAS E PILOTOS MS 2011 REGULAMENTO TÉCNICO INTRODUÇÃO CAPITULO I ARTIIGO - 1º - O presente Regulamento

Leia mais

Regulamento Técnico - Regras Gerais/Segurança

Regulamento Técnico - Regras Gerais/Segurança Regulamento Técnico - Regras Gerais/Segurança As normas e regras aqui estabelecidas são complementares aos regulamentos técnicos de cada categoria, portanto devem ser seguidas e obedecidas por competidores

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO Regras Gerais As normas e regras aqui estabelecidas são complementares aos regulamentos técnicos de cada categoria, portanto devem ser seguidas e obedecidas por competidores e equipes de todas as categorias.

Leia mais

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 REGULAMENTO TÉCNICO GAUCHO 2015 DE ARRANCADA 1 1 - CATEGORIA STANDARD ST 1.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos nacionais de turismo de grande produção emsérie, coupê, sedan ou pick-up,

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA A quilometragem percorrida pelo veículo é indicada pelo: 1 velocímetro. 2 hodômetro. 3 manômetro. 4 conta-giros. O termômetro é utilizado para indicar a temperatura: 1 do motor. 2 do combustível. 3 no

Leia mais

FICHA TÉCNICA CARROCERIA Hatchback em monobloco, 4 lugares, 2 portas AERODINÂMICA Coeficiente aerodinâmico. Cx 0,38

FICHA TÉCNICA CARROCERIA Hatchback em monobloco, 4 lugares, 2 portas AERODINÂMICA Coeficiente aerodinâmico. Cx 0,38 FICHA TÉCNICA CARROCERIA Hatchback em monobloco, 4 lugares, 2 portas AERODINÂMICA Coeficiente aerodinâmico Área frontal Cw x A MOTOR Cx 0,38 2.17 m2 0.82 m2 Dianteiro, transversal, 2.0 litros, 4 cilindros

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA CLASSIC CUP DIVISÃO 2

REGULAMENTO TÉCNICO PARA CLASSIC CUP DIVISÃO 2 REGULAMENTO TÉCNICO PARA CLASSIC CUP DIVISÃO 2 2011 ARTIGO 1: VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CATEGORIAS ARTIGO 3: IDENTIFICAÇÃO ARTIGO 4: CARROCERIA E DIMENSÕES ARTIGO 5: PESO ARTIGO 6: MOTOR

Leia mais

F E D E R A Ç Ã O D E A U T O M O B I L I S M O D O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

F E D E R A Ç Ã O D E A U T O M O B I L I S M O D O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O CAMPEONATO ESTADUAL FORA DE ESTRADA INDOOR 4x4 E 4x2 Regulamento Geral 2015 Art. 1º - FINALIDADES... 2 Art. 2º - INSCRIÇÕES... 2 Art. 3º - PARTICIPANTES... 3 Art. 4º - CARACTERÍSTICAS DAS PISTAS... 3 Art.

Leia mais

Anexo III - ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS. ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE VALOR 01 Tanque c/ equipamento combinado c/capacidade para 6m³ litros

Anexo III - ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS. ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE VALOR 01 Tanque c/ equipamento combinado c/capacidade para 6m³ litros Anexo III - ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE VALOR 01 Tanque c/ equipamento combinado c/capacidade para 6m³ litros 01 (Instalado sobre reboque agrícola). 1 1 TANQUE RESERVATÓRIO: Tanque

Leia mais

Nota: As informações apresentadas estão corretas no momento da publicação, e estão sujeitas a alteração sem aviso prévio.

Nota: As informações apresentadas estão corretas no momento da publicação, e estão sujeitas a alteração sem aviso prévio. JEEP GRAND CHEROKEE ESPECIFICAÇÕES Todas as dimensões estão em milímetros (polegadas), salvo indicação contrária. Todas as dimensões são medidas com os pneus e rodas que equipam o veículo de série. Nota:

Leia mais

PREGULAMENTO ARRANCADÃO DE JERICOS 2015 CATEGORIA AGRICULTORES

PREGULAMENTO ARRANCADÃO DE JERICOS 2015 CATEGORIA AGRICULTORES 1.1.NORMAS TÉCNICAS PREGULAMENTO ARRANCADÃO DE JERICOS 2015 CATEGORIA AGRICULTORES As categorias da Corrida de jerico deverão seguir as normas técnicas constantes neste regulamento específico. 1.2.DEFINIÇÃO

Leia mais

ANEXO. carcaça externa da embreagem 8483.60.90. carcaça inferior do acelerador (para veículos de 8714.19.00

ANEXO. carcaça externa da embreagem 8483.60.90. carcaça inferior do acelerador (para veículos de 8714.19.00 ANEXO I- PARTES E PEÇAS FUNDIDAS NCM alavanca da embreagem do guidão, de alumínio 8714.19.00 alavanca do freio dianteiro do guidão, de alumínio 8714.19.00 alça lateral direita 8714.19.00 alça lateral esquerda

Leia mais

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO GAÚCHO CAMPEONATO GAÚCHO DE COPA CLASSIC 2014 REGULAMENTO DESPORTIVO 2014 ARTIGO 1 - A FGA, em conjunto com os clubes promotores, realizarão,

Leia mais

CAMPEONATO SCHIN DE KART 2014

CAMPEONATO SCHIN DE KART 2014 CAMPEONATO SCHIN DE KART 2014 JÚNIOR MENOR DE KART - ITAL SISTEM PMJK: Parágrafo 1º - Prova A duração da prova, será definido através do adendo 2 da etapa. Parágrafo 2º - Da Categoria - O Campeonato será

Leia mais

General Motors do Brasil Ltda. Assunto: Motor completo. Catálogo Eletrônico de Peças Edição: Maio 2004 Data de Impressão: 29/7/2006

General Motors do Brasil Ltda. Assunto: Motor completo. Catálogo Eletrônico de Peças Edição: Maio 2004 Data de Impressão: 29/7/2006 Clube Calibra Brasil www.clubecalibra.com.br Assunto: Motor completo Assunto: Motor completo 1 1994/1995 W AS/M-14004973 MOTOR conjunto 90500556 1 1 1994/1995 W AP/M-14004974 MOTOR conjunto 90501783

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO VELOCIDADE NA TERRA, CATEGIRIA SPEED 2015

REGULAMENTO TÉCNICO VELOCIDADE NA TERRA, CATEGIRIA SPEED 2015 REGULAMENTO TÉCNICO VELOCIDADE NA TERRA, CATEGIRIA SPEED 2015 REGULAMENTO TÉCNICO ESPECÍFICO DO MODELO: Fusca Art. 1º - INTRODUÇÃO Regulamentação aprovada para veículos Volkswagen dos modelos acima relacionados,

Leia mais

5HDOL]DomR. )LVFDOL]DomR

5HDOL]DomR. )LVFDOL]DomR 5HDOL]DomR $37$662&'263,/2726'(785,602'2&($5È )LVFDOL]DomR )&$)('(5$d 2&($5(16('($87202%,/,602 Filiada à CBA - Confederação Brasileira de Automobilismo. 5(*8/$0(1727e&1,&2,1752'8d 2 Este regulamento é

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL. CAMPEONATO BRASILEIRO FORA DE ESTRADA INDOOR 4x4 E 4x2

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL. CAMPEONATO BRASILEIRO FORA DE ESTRADA INDOOR 4x4 E 4x2 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL CAMPEONATO BRASILEIRO FORA DE ESTRADA INDOOR 4x4 E 4x2 Regulamento Técnico e Desportivo 2014 1 FINALIDADES... 2 2 CAMPEONATO... 2 3 CARACTERÍSTICAS DAS PISTAS...

Leia mais

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor.

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Objetivos Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Descrição Neste módulo são abordados os princípios de funcionamento do motor Ciclo Otto,

Leia mais

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 FORMULA 1.8 Regulamento Técnico e Desportivo 2014 ARTIGO 1: NORMAS DE PARTICIPAÇÃO,COMPETIDORES, VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CHASSIS, CARENAGENS E DIMENSÕES ARTIGO 3: PESO ARTIGO 4: MOTOR

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY RALLY CROSS COUNTRY DE VELOCIDADE 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY RALLY CROSS COUNTRY DE VELOCIDADE 2013 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY RALLY CROSS COUNTRY DE VELOCIDADE 2013 REGULAMENTO TÉCNICO ARTIGO 1 - PRESCRIÇÕES GERAIS... 2 ARTIGO 2 - CATEGORIAS... 8 ARTIGO 3 - CATEGORIA

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CAMPEONATO PAULISTA DE AUTOMOBILISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2014 PICK-UP CATEGORIA E ARTIGO 1 : VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS. ARTIGO 2 : CARROCERIA E DIMENSÕES. ARTIGO 3 : PESO ARTIGO 4 : MOTOR ARTIGO

Leia mais

STOCK CAR PAULISTA LIGHT E SUPER. STOCK PAULISTA LIGHT (novo nome da categoria) REGULAMENTO TÉCNICO

STOCK CAR PAULISTA LIGHT E SUPER. STOCK PAULISTA LIGHT (novo nome da categoria) REGULAMENTO TÉCNICO STOCK CAR PAULISTA LIGHT E SUPER STOCK PAULISTA LIGHT (novo nome da categoria) REGULAMENTO TÉCNICO 2011 ARTIGO 1: VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CARROCERIAS E DIMENSÕES ARTIGO 3: PESO ARTIGO

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO. incl. Planos A + B + B1 execução. rotinas + procedimentos FROTA SIM - SISTEMA INTEGRADO DE MANUTENÇÃO

PLANO DE MANUTENÇÃO. incl. Planos A + B + B1 execução. rotinas + procedimentos FROTA SIM - SISTEMA INTEGRADO DE MANUTENÇÃO PLANO DE MANUTENÇÃO C incl. Planos A + B + B1 execução rotinas + procedimentos FROTA OPERAÇÃO URBANA 1) Principais objetivos : Avaliação anual (aproxim.) do estado mecânico do veículo Acertos mecânicos

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AUTOMOBILISMO E KARTING 001 / 2008. VÁLIDA A PARTIR DE 01 de Junho de 2008

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AUTOMOBILISMO E KARTING 001 / 2008. VÁLIDA A PARTIR DE 01 de Junho de 2008 Ficha Técnica Nº FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AUTOMOBILISMO E KARTING FICHA TÉCNICA PARA O FIATUNO 45 S FIRE VÁLIDA A PARTIR DE 01 de Junho de 2008 A) Viatura vista de ¾ frente B) Viatura vista de ¾ trás 1

Leia mais

Jeep Renegade Sport 1.8 MT5 - FWD Ficha Técnica

Jeep Renegade Sport 1.8 MT5 - FWD Ficha Técnica JEEP Renegade Sport 1.8 MT5 - Flex MY'2016 Atualizado em 27/02/15 Jeep Renegade Sport 1.8 MT5 - FWD 1.8 E.TorQ Evo Flex MT5 - SPORT FWD 1.8 E.TorQ Evo Flex MT5 características Número de cilindros 4 em

Leia mais

Campeonato Paranaense de Motovelocidade 2014

Campeonato Paranaense de Motovelocidade 2014 Campeonato Paranaense de Motovelocidade 2014 Regulamento Técnico ART. 1 - MOTOCICLETAS E CLASSES SUPERBIKE - Pró Motocicletas acima de 980cc, motor de 4 tempos e de 04 cilindros de até 1050cc, e 3 cilindros

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CAMPEONATO SPYDER RACE CATEGORIA P3 2014 Regulamento Técnico ARTIGO 1 : VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS. ARTIGO 2 : CARROCERIA E DIMENSÕES. ARTIGO 3 : HABITACULO ARTIGO 4 : PESO ARTIGO 5 : MOTOR ARTIGO

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE PAULO FRONTIN ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº: 6/2014. Página: 1/30

ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE PAULO FRONTIN ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº: 6/2014. Página: 1/30 Página: 1/30 60 KIT EMBREAGEM PARA VEICULO FIAT DOBLO ANO 2005 U AUTO MECANICA 1º DE MAIO LTDA ME (9277) VALEO 0 208,3100 1 61 COMANDO DE EMBREAGEM PARA VEICULO FIAT DOBLO ANO 2005 U AUTO MECANICA 1º DE

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS LICITAÇÃO Nº PP03060001/2013. Item Especificação Unid Vr. Unit Vr. Total

ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS LICITAÇÃO Nº PP03060001/2013. Item Especificação Unid Vr. Unit Vr. Total ANEXO III 1 ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS LICITAÇÃO Nº PP03060001/2013 Item Especificação Unid Vr. Unit Vr. Total 1 CAMINHÃO TOCO COM CAPACIDADE DE CARGA ÚTIL VARIANDO DE 10.000 A 12.000KG. DEVERÁ COMPOR

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL, ABASTECIMENTO E PESCA TERMO DE REFERÊNCIA

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL, ABASTECIMENTO E PESCA TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO: 1.1 - Registro de Preços visando à contratação de Serviços de Locação de Veículos Automotores, para atender às necessidades desta Secretaria, bem como de seus Órgãos vinculados

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA COPA BRASIL DE VELOCIDADE NA TERRA

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA COPA BRASIL DE VELOCIDADE NA TERRA 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA COPA BRASIL DE VELOCIDADE NA TERRA CATEGORIA MINI-FÓRMULA TUBULAR CATEGORIAS A E B REGULAMENTO TÉCNICO 2013 CATEGORIAS MINI

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DE SÃO FRANCISCO

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DE SÃO FRANCISCO Objetivo: Contratação de empresa para fornecimento de peças e serviços, para manutenção da frota de veículos desta municipalidade, confome Termo de Referência e Anexo I deste Edital. Lote: 00001 Item(*)

Leia mais

FAELI REGIONAL DE KART FESTIVAL DE KART RD 2011 REGULAMENTO DESPORTIVO

FAELI REGIONAL DE KART FESTIVAL DE KART RD 2011 REGULAMENTO DESPORTIVO FAELI REGIONAL DE KART FESTIVAL DE KART RD 2011 REGULAMENTO DESPORTIVO ART 1º- Campeonato a ser realizado no Kartódromo de Farroupilha, em 2011, com organização da Bepi Kart - Competições e Lazer, e supervisão

Leia mais

Como conhecer e cuidar melhor do seu carro!

Como conhecer e cuidar melhor do seu carro! A cada 10 mil km: Trocar o fluido do freio;* Trocar os filtros de ar, de combustível, do ar condicionado;* Trocar o óleo do motor (sintético) e filtro do óleo;* A cada 15 mil km Verificar as velas de ignição

Leia mais

FEDERAÇÃO PERNAMBUCANA DE AUTOMOBILISMO

FEDERAÇÃO PERNAMBUCANA DE AUTOMOBILISMO FEDERAÇÃO PERNAMBUCANA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO E DESPORTIVO - FPA Campeonato Pernambucano de Velocidade - MARCAS E PILOTOS B Regulamento Técnico 2016 1 - MOTOR 2 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO 3 -

Leia mais

FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DO ESTADO DE SANTA CATARINA

FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DO ESTADO DE SANTA CATARINA FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO XXIV PROVA DE ARRANCADA INTERNACIONAL DE CAMINHÕES EM BALNEÁRIO ARROIO DO SILVA / SC 1 - DAS INSCRIÇÕES DE 13 A 16 DE MARÇO DE 2014 REGULAMENTO GERAL 1.1 - As inscrições poderão

Leia mais

CATEGORIA: FÓRMULA VEE BRAZIL REGULAMENTO TÉCNICO 2015 ARTIGO 1: VEÍCULOS PERMITIDOS ARTIGO 2: CARENAGEM E ASSOALHO ARTIGO 3: PESO ARTIGO 4: MOTOR

CATEGORIA: FÓRMULA VEE BRAZIL REGULAMENTO TÉCNICO 2015 ARTIGO 1: VEÍCULOS PERMITIDOS ARTIGO 2: CARENAGEM E ASSOALHO ARTIGO 3: PESO ARTIGO 4: MOTOR CATEGORIA: FÓRMULA VEE BRAZIL REGULAMENTO TÉCNICO 2015 ARTIGO 1: VEÍCULOS PERMITIDOS ARTIGO 2: CARENAGEM E ASSOALHO ARTIGO 3: PESO ARTIGO 4: MOTOR ARTIGO 5: COMBUSTÍVEL ARTIGO 6: SISTEMA ELÉTRICO ARTIGO

Leia mais

Como conhecer e cuidar melhor do seu carro!

Como conhecer e cuidar melhor do seu carro! Guia Como conhecer e cuidar melhor do seu carro! Segurança e Bem-estar! Você acaba de assistir a uma palestra sobre como conhecer e cuidar melhor do seu carro. Para que não se esqueça de alguns itens importantes,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO MANUAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO KIT DE IGNIÇÃO IGNIFLEX EDIÇÃO 05/2014 AVISOS IMPORTANTES LEIA O MANUAL COMPLETO ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO! É OBRIGATÓRIA A UTILIZAÇÃO DE VELAS RESISTIVAS PARA

Leia mais

Em caso de não encontrar, ligue ( 0xx11 ) 2018-0501

Em caso de não encontrar, ligue ( 0xx11 ) 2018-0501 DSL0067 BUCHA BRAÇO TENSOR TOPIC DSL0058 Bucha Barra Estabilizadora topic DSL0083 Bucha Jumelo Traseiro topic DSL0001 ROLAMENTO GUIA DSL0008 Junta do Carter topic DSL0009 Fechadura Porta Deslizante topic

Leia mais

SPEED 1600 Regulamento Técnico. 2013 Revisado em 14/02/2013

SPEED 1600 Regulamento Técnico. 2013 Revisado em 14/02/2013 SPEED 1600 Regulamento Técnico 2013 Revisado em 14/02/2013 ARTIGO 1: VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CARROCERIA E DIMENSÕES ARTIGO 3: PESO ARTIGO 4: MOTOR ARTIGO 5: COMBUSTÍVEL ARTIGO 6: LUBRIFICAÇÃO

Leia mais

TRATOR DE ESTEIRA 7D. 9.400 kg a 10.150 kg. Potência líquida no volante. 90 hp (67 kw) Peso operacional. CAPACIDADE DA LÂMINA (SAE J1265) 1,8 m 3

TRATOR DE ESTEIRA 7D. 9.400 kg a 10.150 kg. Potência líquida no volante. 90 hp (67 kw) Peso operacional. CAPACIDADE DA LÂMINA (SAE J1265) 1,8 m 3 TRATOR DE ESTEIRA 7D Potência líquida no volante Peso operacional 90 hp (67 kw) 9.400 kg a 10.150 kg CAPACIDADE DA LÂMINA (SAE J1265) 1,8 m 3 7D A New Holland é reconhecida em todo o mundo pelas inovações

Leia mais

CAMPEONATO DE TURISMO 1600 DO DISTRITO FEDERAL 2012 Regulamento Técnico

CAMPEONATO DE TURISMO 1600 DO DISTRITO FEDERAL 2012 Regulamento Técnico Pág. 1 de 14 CAMPEONATO DE TURISMO 1600 DO DISTRITO FEDERAL 2012 Regulamento Técnico IN-FADF nº 004/12 Dispõe sobre o Regulamento Técnico do Campeonato de Turismo 1600 2012 Capítulo I DO REGULAMENTO EM

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO REGRAS TÉCNICAS GERAIS

REGULAMENTO TÉCNICO REGRAS TÉCNICAS GERAIS REGULAMENTO TÉCNICO O presente Regulamento Técnico faz parte integrante e indissociável do Regulamento Geral da 2ª SUBIDA DA MONTANHA DE CAMPO LARGO 07 / 08 de dezembro de 2013. Os veículos inscritos serão

Leia mais

GUIA DE LOCALIZAÇÃO DE PEÇAS PARA GVE

GUIA DE LOCALIZAÇÃO DE PEÇAS PARA GVE ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO PATRIMÔNIAL GERÊNCIA DE BENS MÓVEIS GUIA DE LOCALIZAÇÃO DE PEÇAS PARA GVE G E 2007 1 2 ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO ESTADUAL FUSCA AP-1.6 2011 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO ESTADUAL FUSCA AP-1.6 2011 REGULAMENTO TÉCNICO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO ESTADUAL FUSCA AP-1.6 2011 REGULAMENTO TÉCNICO ART. 1º - INTRODUÇÃO A categoria Fórmula Fusca AP 1.6, que enquadra automóveis de marca Volkswagen, modelo Fusca Sedan,

Leia mais

ASSISTÊNCIA TÉCNICA TABELA DE TEMPOS VEÍCULOS LINHA LEVE

ASSISTÊNCIA TÉCNICA TABELA DE TEMPOS VEÍCULOS LINHA LEVE ASSISTÊNCIA TÉCNICA TABELA DE TEMPOS VEÍCULOS LINHA LEVE Na realização destes trabalhos foram utilizadas todas as ferramentas especiais e equipamentos recomendados pelo Departamento de Assistência Técnica

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO COPA CLÁSSICOS DE COMPETIÇÃO REGULAMENTO TÉCNICO 2015 ARTIGO 1: VEÍCULOS, CHASSI E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CATEGORIAS ARTIGO 3: CARROCERIA E DIMENSÕES ARTIGO 4: PESO ARTIGO 5: MOTOR ARTIGO 6:

Leia mais

RECEBIMENTO DEFINITIVO

RECEBIMENTO DEFINITIVO RECEBIMENTO DEFINITIVO HORÁRIO DE INÍCIO: LOCAL: LOCOMOTIVA Nº: HORÁRIO DE TÉRMINO: PAÍS: DATA: OK? OBS. COM O MOTOR DIESEL DESLIGADO: ITENS DO SISTEMA MECÂNICO, TRUQUE, HIDRÁULICO E PNEUMÁTICO: 1 - Inspecionar

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE TURISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2013

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE TURISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2013 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE TURISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2013 ARTIGO Nº. 1: DEFINIÇÕES...2 ARTIGO Nº. 2: ENTENDIMENTO GERAL...2 ARTIGO

Leia mais

M a n u a l d o M e c â n i c o

M a n u a l d o M e c â n i c o M a n u a l d o M e c â n i c o folder2.indd 1 20/11/2009 14 12 35 Manual do Mecânico GNV GÁS NATURAL VEICULAR Entenda o GNV e saiba quais os cuidados necessários para a manutenção de veículos que utilizam

Leia mais

03 REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA DIANTEIRA ORIGINAL (DO)

03 REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA DIANTEIRA ORIGINAL (DO) 03 REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA DIANTEIRA ORIGINAL (DO) 03.1 NORMAS TÉCNICAS: A categoria Dianteira Original deverá seguir as normas técnicas constantes neste regulamento especifico. 03.2 - DEFINIÇÃO:

Leia mais

Acionamento elétrico 4X4 Acionamento elétrico do sistema de tração 4x4 e reduzida com luz indicadora do sistema acionado (nas versões 4x4).

Acionamento elétrico 4X4 Acionamento elétrico do sistema de tração 4x4 e reduzida com luz indicadora do sistema acionado (nas versões 4x4). S10 Colina Disponível nas versões cabine simples ou dupla e equipada com o motor 2.8L Turbo Diesel Eletrônico MWM, a camionete Chevrolet S10 Colina tem freios ABS nas quatro rodas, acionamento elétrico

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIATUBA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIATUBA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO 1 PROCESSO Nº 2015018617 PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIATUBA - PREGÃO PRESENCIAL Nº015/2015, Aquisição de peças e serviços mecânicos, destinado à manutenção de veículos deste Município. DESPACHO. Tendo em

Leia mais

Motor Posição Número de cilindros Diâmetro X Curso Cilindrada Total Taxa de compressão Potência máxima (ABNT/regime) Torque máximo (ABNT/regime)

Motor Posição Número de cilindros Diâmetro X Curso Cilindrada Total Taxa de compressão Potência máxima (ABNT/regime) Torque máximo (ABNT/regime) Motor Posição Número de cilindros Diâmetro X Curso Cilindrada Total Taxa de compressão Potência máxima (ABNT/regime) Torque máximo (ABNT/regime) Número de válvulas por cilindro Eixo de Comando de válvulas

Leia mais

FEDERAÇÃO PERNAMBUCANA DE AUTOMOBILISMO

FEDERAÇÃO PERNAMBUCANA DE AUTOMOBILISMO FEDERAÇÃO PERNAMBUCANA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO E DESPORTIVO - FPA Campeonato Pernambucano de Velocidade - MARCAS E PILOTOS A e B Regulamento Técnico 2015 1 - MOTOR 2 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE TURISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE TURISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE TURISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2015 ARTIGO Nº. 1 DEFINIÇÕES... 2 ARTIGO Nº. 2 ENTENDIMENTO GERAL... 2 ARTIGO

Leia mais

11 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA FORÇA LIVRE DIANTEIRA (FLD)

11 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA FORÇA LIVRE DIANTEIRA (FLD) 11 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA FORÇA LIVRE DIANTEIRA (FLD) 11.1 NORMAS TÉCNICAS A categoria Força Livre Dianteira deverá seguir as normas técnicas constantes neste regulamento especifico. 11.2 - DEFINIÇÃO:

Leia mais

COPA FUSCA Regulamento Técnico

COPA FUSCA Regulamento Técnico COPA FUSCA Regulamento Técnico 2012 ARTIGO 1: VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CARROCERIA E DIMENSÕES ARTIGO 3: PESO ARTIGO 4: MOTOR ARTIGO 5: COMBUSTÍVEL ARTIGO 6: LUBRIFICAÇÃO E ARREFECIMENTO

Leia mais

Grupo: CN FICHA DE HOMOLOGAÇÃO E MANUAL TÉCNICO STOCK CAR V8 REVISÃO DE JULHO 2014. A) Veículo visto ¾ de frente B) Veículo visto ¾ de traseira

Grupo: CN FICHA DE HOMOLOGAÇÃO E MANUAL TÉCNICO STOCK CAR V8 REVISÃO DE JULHO 2014. A) Veículo visto ¾ de frente B) Veículo visto ¾ de traseira Grupo: CN FICHA DE HOMOLOGAÇÃO E MANUAL TÉCNICO STOCK CAR V8 REVISÃO DE JULHO 2014 A) Veículo visto ¾ de frente B) Veículo visto ¾ de traseira Chevrolet: Peugeot: Revisão 01 2014: Página 03 - Observações

Leia mais

integral. veículos de 02 (dois) ou admitida de cúbicas: 1000 kg 1100 kg 1250 kg oxido nitroso; 1200 kg 1350 kg

integral. veículos de 02 (dois) ou admitida de cúbicas: 1000 kg 1100 kg 1250 kg oxido nitroso; 1200 kg 1350 kg 13 CATEGORIA EXTREME 10,5 XTM 13.1) DEFINIÇÃO: a) Participam destas categorias veículos bipostos nacionais e importados, turismo de produçãoo em série, réplicas e protótipos, coupê, sedan ou pick upp de

Leia mais

05- REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA DIANTEIRA SUPER (DS)

05- REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA DIANTEIRA SUPER (DS) 05- REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA DIANTEIRA SUPER (DS) 05.1 NORMAS TÉCNICAS: A categoria Dianteira Super deverá seguir as normas técnicas constantes neste regulamento especifico. 05.2 - DEFINIÇÃO: a)

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE GRAN TURISMO ( GT ) 2012 SUMÁRIO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE GRAN TURISMO ( GT ) 2012 SUMÁRIO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE GRAN TURISMO ( GT ) 2012 SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. REGULAMENTO... 3 3. CARROCERIA... 4 4. PESO... 5 5.

Leia mais

SISTEMA I MOTION. FOX - I Motion

SISTEMA I MOTION. FOX - I Motion SISTEMA I MOTION FOX - I Motion Professor SCOPINO Técnico e Administrador da Auto Mecânica Scopino Professor do Umec Universo do Mecânico Ex-Professor do Senai Diretor do Sindirepa-SP Consultor do Jornal

Leia mais

O melhor de dois mundos. Porsche 911 Carrera 4 e 4S Cabriolet

O melhor de dois mundos. Porsche 911 Carrera 4 e 4S Cabriolet Porsche 911 Carrera 4 e 4S Cabriolet O melhor de dois mundos Tração nas quatro rodas e carroceria conversível: os novos Porsche combinam pura esportividade com a elegância e nostalgia dos passeios com

Leia mais

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO CAMPEONATO GAÚCHO DE MINI FÓRMULA TUBULAR EM PISTA DE TERRA REGULAMENTO DESPORTIVO E TÉCNICO 2014 Art. 1º - DEFINIÇÃO: A Federação Gaúcha de Automobilismo, com a colaboração

Leia mais

VIDAL & SOHN TEMPO G 1200 O MAIS ESTRANHO DOS 4X4 NO EXÉRCITO BRASILEIRO

VIDAL & SOHN TEMPO G 1200 O MAIS ESTRANHO DOS 4X4 NO EXÉRCITO BRASILEIRO VIDAL & SOHN TEMPO G 1200 O MAIS ESTRANHO DOS 4X4 NO EXÉRCITO BRASILEIRO A motorização no Exército Brasileiro remonta ao início dos anos 20, recebendo veículos dos mais variados modelos, das mais variadas

Leia mais

Grupo: CN FICHA DE HOMOLOGAÇÃO E MANUAL TÉCNICO STOCK CAR V8 2015. A) Veículo visto ¾ de frente B) Veículo visto ¾ de traseira

Grupo: CN FICHA DE HOMOLOGAÇÃO E MANUAL TÉCNICO STOCK CAR V8 2015. A) Veículo visto ¾ de frente B) Veículo visto ¾ de traseira Grupo: CN FICHA DE HOMOLOGAÇÃO E MANUAL TÉCNICO STOCK CAR V8 2015 A) Veículo visto ¾ de frente B) Veículo visto ¾ de traseira Chevrolet: Peugeot: Revisão 01 2015: Página 03 Observações gerais; Página 14

Leia mais

Potência Líquida no volante. 90 hp (68 kw) Peso operacional. 9.400 kg a 10.300 kg Capacidade da Lâmina (SAE J1265) 1,8 m 3

Potência Líquida no volante. 90 hp (68 kw) Peso operacional. 9.400 kg a 10.300 kg Capacidade da Lâmina (SAE J1265) 1,8 m 3 Potência Líquida no volante Peso operacional 90 hp (68 kw) 9.400 kg a 10.300 kg Capacidade da Lâmina (SAE J1265) 1,8 m 3 D A New Holland é reconhecida em todo o mundo pelas inovações tecnológicas, eficiência

Leia mais

TOPGEAR CATEGORIA TURBO TRASEIRA B TTB

TOPGEAR CATEGORIA TURBO TRASEIRA B TTB TOPGEAR 402-2016 15- CATEGORIA TURBO TRASEIRA B TTB 18.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick-up, de 2, 3, 4 ou 5 portas, de tração

Leia mais

CAMPEONATO TIMBÓ DE ARRANCADA 2016

CAMPEONATO TIMBÓ DE ARRANCADA 2016 CAMPEONATO TIMBÓ DE ARRANCADA 2016 15- CATEGORIA TURBO TRASEIRA B TTB 18.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick-up, de 2, 3, 4

Leia mais

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Turbo Traseira.

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Turbo Traseira. 10 - CATEGORIA TURBO TRASEIRA TT 10.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick- up, de 2, 3, 4 ou 5 portas, de tração traseira equipados

Leia mais

TROFÉU CLUBE DESPORTIVO NACIONAL PROMERCH PUBLICIDADE 2011 REGULAMENTO TÉCNICO

TROFÉU CLUBE DESPORTIVO NACIONAL PROMERCH PUBLICIDADE 2011 REGULAMENTO TÉCNICO TROFÉU CLUBE DESPORTIVO NACIONAL PROMERCH PUBLICIDADE 2011 REGULAMENTO TÉCNICO 1. TODAS AS VIATURAS DEVERÃO ESTAR OBRIGATORIAMENTE EQUIPADAS COM: 1.1. - Armação de Segurança constituída por: a) Arco Principal:

Leia mais

Seção I DO REGULAMENTO EM GERAL

Seção I DO REGULAMENTO EM GERAL Capítulo XXVIII DO REGULAMENTO TÉCNICO Seção I DO REGULAMENTO EM GERAL Art. 28 O presente Regulamento Técnico abrange todos os veículos participantes do Centro Oeste de Marcas e Pilotos Turismo 1600 e

Leia mais