Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO"

Transcrição

1 FORÇA LIVRE REGULAMENTO TÉCNICO 2015 ARTIGO 1: VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CARROCERIA E DIMENSÕES ARTIGO 3: PESO ARTIGO 4: MOTOR ARTIGO 5: COMBUSTÍVEL ARTIGO 6: LUBRIFICAÇÃO ARTIGO 7: SISTEMA ELÉTRICO ARTIGO 8: TRANSMISSÃO PARA AS RODAS ARTIGO 9: SUSPENSÃO ARTIGO 10: FREIOS ARTIGO 11: RODAS E PNEUS ARTIGO 12: EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA ARTIGO 13: CONSIDERAÇÕES GERAIS

2 ARTIGO 1 - VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS 1 VEÍCULO ADMITIDOS Serão aceitos na Categoria Força Livre, todos os veículos de competição que se enquadrem no presente Regulamento Técnico. Não serão aceitos veículos tipo: Fórmula, Auto-Cross, Gaiolas, Bugies, Vans, etc. Serão admitidos veículos sem capota, desde que rigorosamente de acordo com todos os itens de segurança (Santo Antonio de 6 (seis) pontos, etc.) constantes do Anexo "J" da Federação Internacional de Automobilismo (F.I.A). Todos os veículos deverão estar de acordo com os Artigos e Parágrafos do Anexo "J" emitido pelo anuário da F.I.A. e seus boletins. A categoria será composta da seguinte forma: 1 Até 4 Cilindros 1A Turismo Aspirados 1B - Protótipos aspirados 2-5 e 6 Cilindros aspirados 3 A partir de 8 cilindros aspirados e Turbos com qualquer número de cilindros. ARTIGO 2 - CARROCERIA E DIMENSÕES 2.1 LANTERNAS E FARÓIS Obrigatório que as lanternas e os faróis sejam protegidos com adesivo tipo contact. 2.2 ESPELHOS EXTERNOS Obrigatório o uso de 2 (dois) espelhos retrovisores externos, de qualquer modelo. 2.3 ALÇAS DO CAPÔ Obrigatório a colocação de 2 (duas) alças de segurança em cada capô (dianteiro e traseiro). 2.4 GANCHOS DE REBOQUE Obrigatório a colocação de gancho de reboque na dianteira e traseira, metálico de diâmetro mínimo 6,3 mm, identificados com a cor contrastante com a cor do veículo e seta indicadora, para facilitar a localização do gancho, fixados com no mínimo 2 parafusos de 8 mm.

3 ARTIGO 3 PESO 3.1 PESO DO VEÍCULO Fica estabelecido que o peso mínimo total do veículo ao final das competições e da tomadas de tempo oficiais é sem piloto, com lubrificantes do motor e câmbio,fluido de freio e combustível nos níveis em que terminarem as competições e as tomadas de tempo acima referidas, não podendo ser adicionadas nenhum dos líquidos acima e não será drenado o tanque de combustível. No caso de algum componente mecânico ou de carroceria ter caído durante as competições e tomadas de tempo oficiais, este(s) componente(s) não poderá (ão) ser colocados de volta no veículo para a aferição do peso ou seja, o carro terá seu peso aferido nas exatas condições em que terminou as competições e a as tomadas de tempo oficiais. Qualquer material encontrado solto,em qualquer lugar do veículo será retirado antes da aferição do peso. Peso mínimo nas categorias: 1A - Turismo aspirados 685 Kg até 4 cilindros. 1B Protótipo aspirados 645 kg até 4 cilindros. 2 - Protótipo e Turismo aspirados 1030 Kg para os veículos de 5 e 6 cilindros. 3 A partir de 8 cilindros aspirados e Turbos com qualquer número de cilindros. 3.1 Protótipo aspirados 1250 Kg a partir de 8 cilindros Turismo aspirados 1100 Kg a partir de 8 cilindros Protótipo turbo 1350 Kg a partir de 8 cilindros Turismo turbo 1200 Kg a partir de 8 cilindros. 3.5 Protótipo e turismo turbo 1150 Kg para 5 e 6 cilindros Protótipo turbo 720 Kg até 4 cilindros. 3.7 Turismo turbo 850 Kg até 4 cilindros. 3.2 USO DE LASTROS Lastros máximos de 50 kg (cinquenta quilos). Blocos sólidos de 10 kg ( dez quilos) cada um. O lastro deverá ser fixado com dois parafusos de 8 (oito) mm cada, com reforço na parte inferior do assoalho, tipo sanduíche. ARTIGO 4 MOTOR 4.1 RETRABALHO O retrabalho no motor e seus componentes são livres. 4.2 ESCAPAMENTO Livre, procedência e material. Obrigatório a utilização de um abafador no escapamento sempre que o motor estiver ligado com o veículo no interior dos boxes.

4 ARTIGO 5 COMBUSTÍVEL 5.1 TANQUE DE COMBUSTÍVEL Quando dentro do habitáculo deverá ser de metal ou de borracha, estando proibido o uso de tanque de qualquer tipo de fibra ou plástico. Quando externo em seu local original, fica liberado a utilização de tanque de plástico original do modelo. 5.2 CAPACIDADES DO TANQUE Capacidade máxima dos tanques: Protótipo / Turismo 100 litros 5.3 DISPOSITIVO DE SEGURANÇA Deverá possuir no tanque de combustível um dispositivo de segurança (respiro) para caso de ocorrer excesso de combustível durante a operação de abastecimento. 5.4 LINHAS, BOMBA E FILTRO DE COMBUSTÍVEL A Linha, bomba e filtro de combustível devem estar fora do habitáculo do veiculo. ARTIGO 6 LUBRIFICAÇÃO 6.1 RESERVATÓRIOS PARA RESPIRO Obrigatório a colocação de um reservatório translúcido de no mínimo 2 (dois) litros para os respiros do motor. ARTIGO 7 - SISTEMA ELÉTRICO 7.1 BATERIA É permitido o uso de bateria de chumbo ácido, fabricação livre, de qualquer marca, de capacidade e do tipo selada e acondicionada em caixa protetora, fora do habitáculo. 7.2 LUZES DE FREIO É obrigatória a instalação de 2(duas) lanternas vermelhas (luzes de freio) na parte traseira de todo veículo de competição, em perfeito funcionamento para treinos e provas, compondo-se de lâmpadas ou leds, cada uma, sendo permitida (opcionalmente), a instalação de 2(duas) lanternas de freio tipo break light colocadas no vidro traseiro utilizando-se, para maior segurança, de um circuito independente.

5 ARTIGO 8 - TRANSMISSÃO PARA AS RODAS 8.1 CÂMBIO Uso livre em seus modelos, fabricação e trabalho. ARTIGO 9 SUSPENSÃO 9.1 AMORTECEDORES Os amortecedores são livres com relação à marca e fabricação. 9.2 RETRABALHO As suspensões dianteiras e traseiras são livres. ARTIGO 10 FREIOS 10.1 FREIOS DE ESTACIONAMENTO O sistema de freio de estacionamento (freio de mão) poderá ser retirado sendo opcional o seu uso. ARTIGO 11 - RODAS E PNEUS 11.1 PNEUS Uso livre em seus modelos, tipos e fabricação, sendo proibido pneus recauchutados, remoldados e ou recapados RODAS Uso livre em seus modelos, tipos e fabricação. ARTIGO 12 - EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA SISTEMAS DE SEGURANÇA São consideradas como integrantes do sistema de segurança do veículo, todas as peças ou conjunto de peças previstas no artigo 253 do anexo "J" da F.I. A mais os previstos especificamente neste Regulamento PROTEÇÕES ANTI-FOGO As proteções anti-fogo (ver anexo "J" da F.I.A) deverão ser absolutamente estanques, à prova de escape de qualquer tipo de fluído ou gazes, nos seguintes casos: A) Proteção contra escape de ácido e gazes de bateria. B) Proteção contra fogo, gazes e fluidos entre o motor e o habitáculo do piloto. C) Proteção contra vazamento de ordem geral de combustível entre o compartimento do tanque e o habitáculo do piloto.

6 12.3 TELAS DE PROTEÇÃO A fixação da tela de proteção do vão da porta esquerda é opcional. Se utilizada, a tela de proteção deve ser, obrigatoriamente, fixada com arrebites tipo pop ou parafusos, mantendo toda a tela esticada, não sendo permitida a fixação com material tipo velcro ou botões EXTINTOR DE INCÊNDIO Obrigatório a colocação dentro do habitáculo do veículo de no mínimo 1 (um) extintor de incêndio de 4 Kg (quatro quilos) de pó químico ou ABC fixado na posição vertical CONSTRUÇÕES Se um automóvel for considerado perigoso, será excluído pelos Comissários Desportivos do Evento CHAVES GERAIS Obrigatório o uso de um sistema de chave geral que desligue todo o sistema elétrico do veículo, sendo que o seu acionamento deverá ser um interno, ao alcance do piloto, e outro externo identificado com o símbolo mostrando um raio vermelho sobre um triângulo azul ARTIGO 13 - CONSIDERAÇÕES GERAIS Os casos omissos serão resolvidos de acordo com a tradução do "Anexo J" da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), publicado pelo Conselho Técnico Desportivo Nacional da Confederação Brasileira de Automobilismo. Este Regulamento foi aprovado pelo C.T.D.P. - Conselho Técnico Desportivo Paulista da Federação de Automobilismo de São Paulo. São Paulo, 14 de abril de 2015 José Aloizio Cardozo Bastos Presidente em Exercício Marcus Ramaciotti Presidente CTDP

veículos de capacidade e cinqüenta

veículos de capacidade e cinqüenta 12 CATEGORIA PRO MOD PM 12.1) DEFINIÇÃO: Participam destas categorias veículos bipostos nacionais e importados, turismo, de produção em série, réplicas e protótipos, coupê, sedan ou pick upp de 2, 3, 4

Leia mais

1 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DASAFIO TURBO

1 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DASAFIO TURBO FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA A CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 Rua Comendador Azevedo, 440 Conj. 1 Fone/Fax (51)3224 4808 CEP 90220-150 Porto Alegre

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO 13 CATEGORIA EXTREME 10,5 XTM 13.1) DEFINIÇÃO: a) Participam destas categorias

Leia mais

Os comissários podem solicitar a qualquer momento que sejam feitas as verificações necessárias em qualquer veiculo inscrito no evento.

Os comissários podem solicitar a qualquer momento que sejam feitas as verificações necessárias em qualquer veiculo inscrito no evento. REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ADAPTADO TURBO 1-REGULAMENTAÇÃO Todos os veículos inscritos deveram passar por vistoria prévia. Os competidores deverão provar ao comissário técnicos e desportivos do evento,

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 13 CATEGORIA EXTREME 10,5 XTM 13.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo

Federação de Automobilismo de São Paulo REGULAMENTO TÉCNICO FORÇA LIVRE 2017 INFORMAÇOES SOBRE A CATEGORIA Serão aceitos na Categoria Força Livre, todos os veículos de competição que se enquadrem no presente Regulamento Técnico. Não serão aceitos

Leia mais

Regulamento Técnico - Regras Gerais/Segurança

Regulamento Técnico - Regras Gerais/Segurança Regulamento Técnico - Regras Gerais/Segurança As normas e regras aqui estabelecidas são complementares aos regulamentos técnicos de cada categoria, portanto devem ser seguidas e obedecidas por competidores

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CAMPEONATO PAULISTA DE DRAG RACE 2014 REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DRAG RACE DIANTEIRA DD 1- REGULAMENTAÇÃO: Todos os veículos inscritos deverão passar por vistoria prévia. Todos os pilotos deverão ter

Leia mais

14 - REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA TURBO C

14 - REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA TURBO C 14 - REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA TURBO C 14 DEFINIÇÃO Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê ou sedan, de 2, 3, 4 ou 5 portas Veículos de tração dianteira

Leia mais

Categoria Desafio IMPORT

Categoria Desafio IMPORT Categoria Desafio IMPORT 1 - NORMAS TÉCNICAS: A categoria Desafio IMPORT deverá seguir as normas técnicas constantes neste regulamento especifico. 2 - DEFINIÇÃO: a) Poderão participar desta categoria veículos

Leia mais

CAMPEONATO GAÚCHO DE ARRANCADA

CAMPEONATO GAÚCHO DE ARRANCADA FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA A CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 Rua Comendador Azevedo, 440 - Conj. 1 - Fone/Fax (51)3224 4808 CEP 90220-150 - Porto

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA CLASSIC CUP DIVISÃO 2

REGULAMENTO TÉCNICO PARA CLASSIC CUP DIVISÃO 2 REGULAMENTO TÉCNICO PARA CLASSIC CUP DIVISÃO 2 2011 ARTIGO 1: VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CATEGORIAS ARTIGO 3: IDENTIFICAÇÃO ARTIGO 4: CARROCERIA E DIMENSÕES ARTIGO 5: PESO ARTIGO 6: MOTOR

Leia mais

7 - CATEGORIA FORÇA LIVRE DIANTEIRA FLD

7 - CATEGORIA FORÇA LIVRE DIANTEIRA FLD 1 7 - CATEGORIA FORÇA LIVRE DIANTEIRA FLD REGULAMENTAÇÃO: Todos os veículos inscritos deverão passar por vistoria prévia. Todos pilotos deverão ter a cédula de piloto vigente no ano corrente para participar

Leia mais

STOCK CAR PAULISTA LIGHT E SUPER. STOCK PAULISTA LIGHT (novo nome da categoria) REGULAMENTO TÉCNICO

STOCK CAR PAULISTA LIGHT E SUPER. STOCK PAULISTA LIGHT (novo nome da categoria) REGULAMENTO TÉCNICO STOCK CAR PAULISTA LIGHT E SUPER STOCK PAULISTA LIGHT (novo nome da categoria) REGULAMENTO TÉCNICO 2011 ARTIGO 1: VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CARROCERIAS E DIMENSÕES ARTIGO 3: PESO ARTIGO

Leia mais

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Super.

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Super. 3 - CATEGORIA DIANTEIRA SUPER DS 3.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, nacionais ou importados, coupê, sedan ou pick- up, de 2, 3, 4 ou 5 portas,

Leia mais

07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C )

07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C ) 07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C ) 07.1 NORMAS TÉCNICAS: A categoria Dianteira Turbo C deverá seguir as normas técnicas constantes neste regulamento específico. 07.2 DEFINIÇÃO

Leia mais

SPEED 1600 Regulamento Técnico. 2013 Revisado em 14/02/2013

SPEED 1600 Regulamento Técnico. 2013 Revisado em 14/02/2013 SPEED 1600 Regulamento Técnico 2013 Revisado em 14/02/2013 ARTIGO 1: VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CARROCERIA E DIMENSÕES ARTIGO 3: PESO ARTIGO 4: MOTOR ARTIGO 5: COMBUSTÍVEL ARTIGO 6: LUBRIFICAÇÃO

Leia mais

14 - CATEGORIA STREET TRAÇÃO TRASEIRA STT

14 - CATEGORIA STREET TRAÇÃO TRASEIRA STT 14 - CATEGORIA STREET TRAÇÃO TRASEIRA STT 14.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick-up, de 2, 3, 4 ou 5 portas de tração traseira

Leia mais

5HDOL]DomR. )LVFDOL]DomR

5HDOL]DomR. )LVFDOL]DomR 5HDOL]DomR $37$662&'263,/2726'(785,602'2&($5È )LVFDOL]DomR )&$)('(5$d 2&($5(16('($87202%,/,602 Filiada à CBA - Confederação Brasileira de Automobilismo. 5(*8/$0(1727e&1,&2,1752'8d 2 Este regulamento é

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO 8 - CATEGORIA TRASEIRA ORIGINAL TO 8.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL CAMPEONATO BRASILEIRO DE ENDURANCE COPA DAS FEDERAÇÕES

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL CAMPEONATO BRASILEIRO DE ENDURANCE COPA DAS FEDERAÇÕES 1 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL CAMPEONATO BRASILEIRO DE ENDURANCE COPA DAS FEDERAÇÕES REGULAMENTO DESPORTIVO E TÉCNICO 2010 NORMAS DESPORTIVAS 1.0 - INTRODUÇÃO

Leia mais

FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE MATO GROSSO DO SUL. Filiada a Confederação Brasileira de Automobilismo

FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE MATO GROSSO DO SUL. Filiada a Confederação Brasileira de Automobilismo FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO MS CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO ESTADUAL E INTERESTADUAL DE MARCAS E PILOTOS MS 2011 REGULAMENTO TÉCNICO INTRODUÇÃO CAPITULO I ARTIIGO - 1º - O presente Regulamento

Leia mais

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Turbo A.

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Turbo A. 6 - CATEGORIA DIANTEIRA TURBO A - DT- A 6.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, nacionais ou importados, coupê, sedan ou pick- up, de 2, 3, 4 ou 5

Leia mais

PARAGRAFO ÚNICO: Um Piloto poderá inscrever-se em mais de um carro, porém NÃO NA MESMA CATEGORIA.

PARAGRAFO ÚNICO: Um Piloto poderá inscrever-se em mais de um carro, porém NÃO NA MESMA CATEGORIA. FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE SÃO PAULO 5 A.EDIÇÃO DOS 1000 KM DE INTERLAGOS G.P. CIDADE DE SÃO PAULO DIAS 21, 22 e 23 DE JANEIRO DE 2011. Local: AUTÓDROMO JOSÉ CARLOS PACE INTERLAGOS ARTIGO 1 O G.P. CIDADE

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO 10 - CATEGORIA TURBO TRASEIRA TT 10.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria

Leia mais

FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DO ESTADO DE SANTA CATARINA

FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DO ESTADO DE SANTA CATARINA FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO XXIV PROVA DE ARRANCADA INTERNACIONAL DE CAMINHÕES EM BALNEÁRIO ARROIO DO SILVA / SC 1 - DAS INSCRIÇÕES DE 13 A 16 DE MARÇO DE 2014 REGULAMENTO GERAL 1.1 - As inscrições poderão

Leia mais

CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA 2015 REGULAMENTO TÉCNICO 2015 CATEGORIA TRASEIRA TURBO - TT

CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA 2015 REGULAMENTO TÉCNICO 2015 CATEGORIA TRASEIRA TURBO - TT 10 - CATEGORIA TURBO TRASEIRA TT 10.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick-up, de 2, 3, 4 ou 5 portas, de tração traseira equipados

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CAMPEONATO SPYDER RACE CATEGORIA P3 2014 Regulamento Técnico ARTIGO 1 : VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS. ARTIGO 2 : CARROCERIA E DIMENSÕES. ARTIGO 3 : HABITACULO ARTIGO 4 : PESO ARTIGO 5 : MOTOR ARTIGO

Leia mais

FEDERAÇÃO PARANAENSE DE AUTOMOBILISMO FORÇA LIVRE MOTORSPORT CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO PARANAENSE DE ARRANCADA REGULAMENTO TÉCNICO

FEDERAÇÃO PARANAENSE DE AUTOMOBILISMO FORÇA LIVRE MOTORSPORT CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO PARANAENSE DE ARRANCADA REGULAMENTO TÉCNICO 1 FEDERAÇÃO PARANAENSE DE AUTOMOBILISMO FORÇA LIVRE MOTORSPORT CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO PARANAENSE DE ARRANCADA REGULAMENTO TÉCNICO REGULAMENTAÇÃO TÉCNICA GERAL DAS CATEGORIAS: O Campeonato

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 6 - CATEGORIA DIANTEIRA TURBO A - DT-A 6.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CAMPEONATO PAULISTA DE AUTOMOBILISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2014 PICK-UP CATEGORIA E ARTIGO 1 : VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS. ARTIGO 2 : CARROCERIA E DIMENSÕES. ARTIGO 3 : PESO ARTIGO 4 : MOTOR ARTIGO

Leia mais

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares. c) A denominação desta categoria será Dianteira Original.

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares. c) A denominação desta categoria será Dianteira Original. 2- CATEGORIA DIANTEIRA ORIGINAL DO 2.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, nacionais ou importados, coupê, sedan ou pick- up, de 2, 3, 4 ou 5 portas,

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO COPA CLÁSSICOS DE COMPETIÇÃO REGULAMENTO TÉCNICO 2015 ARTIGO 1: VEÍCULOS, CHASSI E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CATEGORIAS ARTIGO 3: CARROCERIA E DIMENSÕES ARTIGO 4: PESO ARTIGO 5: MOTOR ARTIGO 6:

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO ENDURANCE CLASSICS SERIES:

REGULAMENTO TÉCNICO ENDURANCE CLASSICS SERIES: REGULAMENTO TÉCNICO ENDURANCE CLASSICS SERIES: 1-. MODELOS ADMITIDOS: NSR Ford GT 40 MKIV Ford GT 40 MKII Ford P-68 Porsche 917 SLOT.IT Chaparral 2.E Alfa Romeo 33/3 Ferrari 312 PB 2-. CHASSIS A. É permitido

Leia mais

COPA FUSCA Regulamento Técnico

COPA FUSCA Regulamento Técnico COPA FUSCA Regulamento Técnico 2012 ARTIGO 1: VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CARROCERIA E DIMENSÕES ARTIGO 3: PESO ARTIGO 4: MOTOR ARTIGO 5: COMBUSTÍVEL ARTIGO 6: LUBRIFICAÇÃO E ARREFECIMENTO

Leia mais

Anexo III - ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS. ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE VALOR 01 Tanque c/ equipamento combinado c/capacidade para 6m³ litros

Anexo III - ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS. ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE VALOR 01 Tanque c/ equipamento combinado c/capacidade para 6m³ litros Anexo III - ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE VALOR 01 Tanque c/ equipamento combinado c/capacidade para 6m³ litros 01 (Instalado sobre reboque agrícola). 1 1 TANQUE RESERVATÓRIO: Tanque

Leia mais

FEDERAÇÃO SERGIPANA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO SERGIPANO

FEDERAÇÃO SERGIPANA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO SERGIPANO FEDERAÇÃO SERGIPANA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO SERGIPANO CAMPEONATO SERGIPANO DE ARRANCADA REGULAMENTO DESPORTIVO 2008 REGULAMENTO TÉCNICO 2008 CAMPEONATO SERGIPANO DE ARRANCADA REGULAMENTO

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY RALLY CROSS COUNTRY DE VELOCIDADE 2015 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY RALLY CROSS COUNTRY DE VELOCIDADE 2015 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY RALLY CROSS COUNTRY DE VELOCIDADE 2015 REGULAMENTO TÉCNICO ARTIGO 1 - PRESCRIÇÕES GERAIS... 2 ARTIGO 2 - CATEGORIAS... 8 ARTIGO 3 - CATEGORIA

Leia mais

PREGULAMENTO ARRANCADÃO DE JERICOS 2015 CATEGORIA AGRICULTORES

PREGULAMENTO ARRANCADÃO DE JERICOS 2015 CATEGORIA AGRICULTORES 1.1.NORMAS TÉCNICAS PREGULAMENTO ARRANCADÃO DE JERICOS 2015 CATEGORIA AGRICULTORES As categorias da Corrida de jerico deverão seguir as normas técnicas constantes neste regulamento específico. 1.2.DEFINIÇÃO

Leia mais

Campeonato Paranaense de Motovelocidade 2014

Campeonato Paranaense de Motovelocidade 2014 Campeonato Paranaense de Motovelocidade 2014 Regulamento Técnico ART. 1 - MOTOCICLETAS E CLASSES SUPERBIKE - Pró Motocicletas acima de 980cc, motor de 4 tempos e de 04 cilindros de até 1050cc, e 3 cilindros

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO TROFÉU DE RESISTÊNCIA DO CLUBE AUTOMÓVEL DE LOUSADA

REGULAMENTO TÉCNICO TROFÉU DE RESISTÊNCIA DO CLUBE AUTOMÓVEL DE LOUSADA REGULAMENTO TÉCNICO TROFÉU DE RESISTÊNCIA DO CLUBE AUTOMÓVEL DE LOUSADA VISA Nº 17/TRF/2015/A em 11/02/2015 ALTERADO EM 15/09/2015 Art. 1 e 16 ALTERADO EM 18/09/2015 ##### 1 #####Os concorrentes, que pretendam,

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C DT-C 4.1) - DEFINIÇÃO: a) Participam desta

Leia mais

HELI. MOTOR COM POTÊNCIA PARA 5-10t CPCD50 CPCD60 CPCD70 CPCD80 CPCD100

HELI. MOTOR COM POTÊNCIA PARA 5-10t CPCD50 CPCD60 CPCD70 CPCD80 CPCD100 HELI MOTOR COM POTÊNCIA PARA 5-10t Painel de Instrumentos Digital Limpo e fácil de ler Leitura instantânea ao ligar Layout ergonômico CPCD50 CPCD60 CPCD70 CPCD80 CPCD100 Torre de ampla visão As empilhadeiras

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 2 - CATEGORIA DIANTEIRA ORIGINAL DO 2.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL. CAMPEONATO BRASILEIRO FORA DE ESTRADA INDOOR 4x4 E 4x2

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL. CAMPEONATO BRASILEIRO FORA DE ESTRADA INDOOR 4x4 E 4x2 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL CAMPEONATO BRASILEIRO FORA DE ESTRADA INDOOR 4x4 E 4x2 Regulamento Técnico e Desportivo 2014 1 FINALIDADES... 2 2 CAMPEONATO... 2 3 CARACTERÍSTICAS DAS PISTAS...

Leia mais

F E D E R A Ç Ã O D E A U T O M O B I L I S M O D O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

F E D E R A Ç Ã O D E A U T O M O B I L I S M O D O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O CAMPEONATO ESTADUAL FORA DE ESTRADA INDOOR 4x4 E 4x2 Regulamento Geral 2015 Art. 1º - FINALIDADES... 2 Art. 2º - INSCRIÇÕES... 2 Art. 3º - PARTICIPANTES... 3 Art. 4º - CARACTERÍSTICAS DAS PISTAS... 3 Art.

Leia mais

24 HORAS TROFA 13/14 JULHO 2013 Regulamento Técnico

24 HORAS TROFA 13/14 JULHO 2013 Regulamento Técnico 1. MODELOS ADMITIDOS Os modelos admitidos no campeonato são as réplicas de modelos que se enumeram abaixo, já comercializados. SCALEAUTO Mercedes SLS GT3 Pagani Zonda Honda HSV-010 BMW Z4 GT3 ARROW SLOT

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO Regras Gerais As normas e regras aqui estabelecidas são complementares aos regulamentos técnicos de cada categoria, portanto devem ser seguidas e obedecidas por competidores e equipes de todas as categorias.

Leia mais

Este regulamento está organizado conforme o CDI Código Desportivo Internacional e CDA Código Desportivo do Automobilismo.

Este regulamento está organizado conforme o CDI Código Desportivo Internacional e CDA Código Desportivo do Automobilismo. 15 - CATEGORIA TRASEIRA STREET TURBO. Este regulamento está organizado conforme o CDI Código Desportivo Internacional e CDA Código Desportivo do Automobilismo. 15.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria

Leia mais

Carregadeira LW300K. Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg

Carregadeira LW300K. Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg Carregadeira LW300K Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg Qualidade, confiabilidade e força, aliada ao baixo consumo de combustível. A Pá-carregadeira LW300K

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE STOCK CAR REGULAMENTO TÉCNICO 2014

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE STOCK CAR REGULAMENTO TÉCNICO 2014 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE STOCK CAR REGULAMENTO TÉCNICO 2014 ARTIGO Nº.1: DEFINIÇÕES... 2 ARTIGO Nº.2: ENTENDIMENTO GERAL... 2 ARTIGO

Leia mais

PARTE B REGULAMENTAÇÃO TÉCNICA

PARTE B REGULAMENTAÇÃO TÉCNICA PARTE B REGULAMENTAÇÃO TÉCNICA INTRODUÇÃO No GT3 Cup Challenge Brasil serão utilizados carros tecnicamente idênticos (modelos Porsche 911 GT3 Cup) de uma série limitada construída com base no modelo convencional

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE STOCK CAR - COPA CAIXA REGULAMENTO TÉCNICO 2012 SUMÁRIO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE STOCK CAR - COPA CAIXA REGULAMENTO TÉCNICO 2012 SUMÁRIO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE STOCK CAR - COPA CAIXA REGULAMENTO TÉCNICO 2012 SUMÁRIO ARTIGO Nº.1: DEFINIÇÕES... 2 ARTIGO Nº.2: ENTENDIMENTO

Leia mais

JEEP CLUBE DE MACEIÓ

JEEP CLUBE DE MACEIÓ JEEP CLUBE DE MACEIÓ R E G U L A M E N T O XIX Prova do Sururu A XIX PROVA DO SURURU de 4x4 será regida pelo presente regulamento e pelo Código Desportivo do Automobilismo. A XIX PROVA DO SURURU de 4x4

Leia mais

Potência Líquida no volante. 90 hp (68 kw) Peso operacional. 9.400 kg a 10.300 kg Capacidade da Lâmina (SAE J1265) 1,8 m 3

Potência Líquida no volante. 90 hp (68 kw) Peso operacional. 9.400 kg a 10.300 kg Capacidade da Lâmina (SAE J1265) 1,8 m 3 Potência Líquida no volante Peso operacional 90 hp (68 kw) 9.400 kg a 10.300 kg Capacidade da Lâmina (SAE J1265) 1,8 m 3 D A New Holland é reconhecida em todo o mundo pelas inovações tecnológicas, eficiência

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE TURISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2013

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE TURISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2013 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE TURISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2013 ARTIGO Nº. 1: DEFINIÇÕES...2 ARTIGO Nº. 2: ENTENDIMENTO GERAL...2 ARTIGO

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE STOCK CAR REGULAMENTO TÉCNICO 2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE STOCK CAR REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE STOCK CAR REGULAMENTO TÉCNICO 2015 ÍNDICE pg. ARTIGO Nº.1: DEFINIÇÕES... 2 ARTIGO Nº. 2: ENTENDIMENTO GERAL...

Leia mais

FESTIVAL MOTOR DAY DE ARRANCADA 2015

FESTIVAL MOTOR DAY DE ARRANCADA 2015 FESTIVAL MOTOR DAY DE ARRANCADA 2015 4 REGULAMENTO TÉCNICO ESPECÍFICO DA CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C - DTC 4.1) - DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos nacionais de turismo de grande produção

Leia mais

www.peugeot.com.br/professional

www.peugeot.com.br/professional www.peugeot.com.br/professional Todos os veículos Peugeot estão de acordo com o PROCONVE, Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores. Colar etiqueta de identificação da Concessionária.

Leia mais

12 HORAS DE TARUMÃ 2012. 32ª Edição PROVA LUIZ ALBERTO RIBEIRO DE CASTRO REGULAMENTO PARTICULAR DA PROVA

12 HORAS DE TARUMÃ 2012. 32ª Edição PROVA LUIZ ALBERTO RIBEIRO DE CASTRO REGULAMENTO PARTICULAR DA PROVA 12 HORAS DE TARUMÃ 2012 32ª Edição PROVA LUIZ ALBERTO RIBEIRO DE CASTRO REGULAMENTO PARTICULAR DA PROVA ART. 1º INFORMAÇÕES ESPECÍFICAS DA PROVA a) NOME DA PROVA: 12 HORAS DE TARUMÃ 2012 b) DATA DA PROVA:

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY RALLY CROSS COUNTRY DE VELOCIDADE 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY RALLY CROSS COUNTRY DE VELOCIDADE 2013 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY RALLY CROSS COUNTRY DE VELOCIDADE 2013 REGULAMENTO TÉCNICO ARTIGO 1 - PRESCRIÇÕES GERAIS... 2 ARTIGO 2 - CATEGORIAS... 8 ARTIGO 3 - CATEGORIA

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE TURISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE TURISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE TURISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2015 ARTIGO Nº. 1 DEFINIÇÕES... 2 ARTIGO Nº. 2 ENTENDIMENTO GERAL... 2 ARTIGO

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO HISTÓRICOS V8 5000 REGULAMENTO TÉCNICO 2014 ARTIGO 1 : VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2 : CARROCERIA E DIMENSÕES ARTIGO 3 : PESO ARTIGO 4 : MOTOR ARTIGO 5 : COMBUSTÍVEL ARTIGO 6 : LUBRIFICAÇÃO

Leia mais

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO GAÚCHO CAMPEONATO GAÚCHO DE COPA CLASSIC 2014 REGULAMENTO DESPORTIVO 2014 ARTIGO 1 - A FGA, em conjunto com os clubes promotores, realizarão,

Leia mais

REGULAMENTO BAJA SAE BRASIL CAPÍTULO 5 REQUISITOS GERAIS DO VEÍCULO

REGULAMENTO BAJA SAE BRASIL CAPÍTULO 5 REQUISITOS GERAIS DO VEÍCULO REGULAMENTO BAJA SAE BRASIL CAPÍTULO 5 REQUISITOS GERAIS DO VEÍCULO RBSB 5 EMENDA 0 DATA DE EFETIVIDADE: 01 DE JANEIRO DE 2010 2/9 CONTROLE DE REVISÃO Emenda Data de Efetividade 0 01 de Janeiro de 2010

Leia mais

PROFISSIONAL EM TODAS AS SUAS FORMAS

PROFISSIONAL EM TODAS AS SUAS FORMAS PROFISSIONAL EM TODAS AS SUAS FORMAS Peugeot www.peugeot.com.br/professional PROFISSIONAL EM TODAS AS SUAS FORMAS Bem mais do que uma simples ferramenta de transporte, a gama Peugeot coloca à sua disposição

Leia mais

CATEGORIA: FÓRMULA VEE BRAZIL REGULAMENTO TÉCNICO 2015 ARTIGO 1: VEÍCULOS PERMITIDOS ARTIGO 2: CARENAGEM E ASSOALHO ARTIGO 3: PESO ARTIGO 4: MOTOR

CATEGORIA: FÓRMULA VEE BRAZIL REGULAMENTO TÉCNICO 2015 ARTIGO 1: VEÍCULOS PERMITIDOS ARTIGO 2: CARENAGEM E ASSOALHO ARTIGO 3: PESO ARTIGO 4: MOTOR CATEGORIA: FÓRMULA VEE BRAZIL REGULAMENTO TÉCNICO 2015 ARTIGO 1: VEÍCULOS PERMITIDOS ARTIGO 2: CARENAGEM E ASSOALHO ARTIGO 3: PESO ARTIGO 4: MOTOR ARTIGO 5: COMBUSTÍVEL ARTIGO 6: SISTEMA ELÉTRICO ARTIGO

Leia mais

259.6.3 FT3-1999 Parede antifogo e piso 259.15.3

259.6.3 FT3-1999 Parede antifogo e piso 259.15.3 Art. 1 - INTRODUÇÃO 1.1 - Qualquer dos modelos da Categoria C 3 está fabricado com as mesmas especificações. Tanto na parte desportiva como na de segurança, os concorrentes não podem em caso algum omitir

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE GRAN TURISMO ( GT ) 2012 SUMÁRIO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE GRAN TURISMO ( GT ) 2012 SUMÁRIO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE GRAN TURISMO ( GT ) 2012 SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. REGULAMENTO... 3 3. CARROCERIA... 4 4. PESO... 5 5.

Leia mais

TRATOR DE ESTEIRA 7D. 9.400 kg a 10.150 kg. Potência líquida no volante. 90 hp (67 kw) Peso operacional. CAPACIDADE DA LÂMINA (SAE J1265) 1,8 m 3

TRATOR DE ESTEIRA 7D. 9.400 kg a 10.150 kg. Potência líquida no volante. 90 hp (67 kw) Peso operacional. CAPACIDADE DA LÂMINA (SAE J1265) 1,8 m 3 TRATOR DE ESTEIRA 7D Potência líquida no volante Peso operacional 90 hp (67 kw) 9.400 kg a 10.150 kg CAPACIDADE DA LÂMINA (SAE J1265) 1,8 m 3 7D A New Holland é reconhecida em todo o mundo pelas inovações

Leia mais

TROFÉU CLUBE DESPORTIVO NACIONAL PROMERCH PUBLICIDADE 2011 REGULAMENTO TÉCNICO

TROFÉU CLUBE DESPORTIVO NACIONAL PROMERCH PUBLICIDADE 2011 REGULAMENTO TÉCNICO TROFÉU CLUBE DESPORTIVO NACIONAL PROMERCH PUBLICIDADE 2011 REGULAMENTO TÉCNICO 1. TODAS AS VIATURAS DEVERÃO ESTAR OBRIGATORIAMENTE EQUIPADAS COM: 1.1. - Armação de Segurança constituída por: a) Arco Principal:

Leia mais

Acionamento elétrico 4X4 Acionamento elétrico do sistema de tração 4x4 e reduzida com luz indicadora do sistema acionado (nas versões 4x4).

Acionamento elétrico 4X4 Acionamento elétrico do sistema de tração 4x4 e reduzida com luz indicadora do sistema acionado (nas versões 4x4). S10 Colina Disponível nas versões cabine simples ou dupla e equipada com o motor 2.8L Turbo Diesel Eletrônico MWM, a camionete Chevrolet S10 Colina tem freios ABS nas quatro rodas, acionamento elétrico

Leia mais

Gerência de Compra GERÊNCIA DN FORNECEDOR

Gerência de Compra GERÊNCIA DN FORNECEDOR 1 1 12/01116 NOMENCLATURA: CAMINHÃO 4X2, DESTINADO AO TRANSPORTE DE CARGAS RODOVIÁRIAS EM ÁREAS URBANAS DE CURTA E MÉDIA DISTÂNCIAS A SER IMPLEMENTADO COM CARROCERIA FECHADO TIPO FURGAO (BAÚ), EM DURALUMINIO/FIBRA

Leia mais

A SUA EMPILHADEIRA NO TAMANHO IDEAL

A SUA EMPILHADEIRA NO TAMANHO IDEAL A SUA EMPILHADEIRA NO TAMANHO IDEAL 0325-folheto H50CT 26-11-11.pmd 1 NOVA HYSTER H50CT: EMPILHADEIRA CONTRABALANÇADA COM OPERADOR SENTADO A H50CT é nova em tudo, do seu projeto inovador às suas características

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 14/98. CONSIDERANDO o art. 105, do Código de Trânsito Brasileiro;

RESOLUÇÃO Nº 14/98. CONSIDERANDO o art. 105, do Código de Trânsito Brasileiro; RESOLUÇÃO Nº 14/98 Estabelece os equipamentos obrigatórios para a frota de veículos em circulação e dá outras providências. O Conselho Nacional de Trânsito CONTRAN, usando da competência que lhe confere

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO VELOCIDADE NA TERRA, CATEGIRIA SPEED 2015

REGULAMENTO TÉCNICO VELOCIDADE NA TERRA, CATEGIRIA SPEED 2015 REGULAMENTO TÉCNICO VELOCIDADE NA TERRA, CATEGIRIA SPEED 2015 REGULAMENTO TÉCNICO ESPECÍFICO DO MODELO: Fusca Art. 1º - INTRODUÇÃO Regulamentação aprovada para veículos Volkswagen dos modelos acima relacionados,

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL CAMPEONATO BRASILEIRO DE PICK UP RACING REGULAMENTO TÉCNICO 2008

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL CAMPEONATO BRASILEIRO DE PICK UP RACING REGULAMENTO TÉCNICO 2008 1 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL CAMPEONATO BRASILEIRO DE PICK UP RACING REGULAMENTO TÉCNICO 2008 ARTIGO Nº.1: DEFINIÇÕES 1.1. As definições utilizadas neste

Leia mais

FICHA TÉCNICA CARROCERIA Hatchback em monobloco, 4 lugares, 2 portas AERODINÂMICA Coeficiente aerodinâmico. Cx 0,38

FICHA TÉCNICA CARROCERIA Hatchback em monobloco, 4 lugares, 2 portas AERODINÂMICA Coeficiente aerodinâmico. Cx 0,38 FICHA TÉCNICA CARROCERIA Hatchback em monobloco, 4 lugares, 2 portas AERODINÂMICA Coeficiente aerodinâmico Área frontal Cw x A MOTOR Cx 0,38 2.17 m2 0.82 m2 Dianteiro, transversal, 2.0 litros, 4 cilindros

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO. incl. Planos A + B + B1 execução. rotinas + procedimentos FROTA SIM - SISTEMA INTEGRADO DE MANUTENÇÃO

PLANO DE MANUTENÇÃO. incl. Planos A + B + B1 execução. rotinas + procedimentos FROTA SIM - SISTEMA INTEGRADO DE MANUTENÇÃO PLANO DE MANUTENÇÃO C incl. Planos A + B + B1 execução rotinas + procedimentos FROTA OPERAÇÃO URBANA 1) Principais objetivos : Avaliação anual (aproxim.) do estado mecânico do veículo Acertos mecânicos

Leia mais

REGULAMENTO PARTICULAR VI -6 HORAS 2015 VI 6 HORAS 2015 KARTÓDROMO ALDEIA DA SERRA SP

REGULAMENTO PARTICULAR VI -6 HORAS 2015 VI 6 HORAS 2015 KARTÓDROMO ALDEIA DA SERRA SP ARTIGO 1º - Organização REGULAMENTO PARTICULAR VI -6 HORAS 2015 VI 6 HORAS 2015 KARTÓDROMO ALDEIA DA SERRA SP A VI 6 HORAS 2015 Aldeia da Serra, edição de 21/11/2015, será organizada pelo Kartódromo Aldeia

Leia mais

CAMPEONATO PARARANAENSE LIGHT DE KART - 2015 REGULAMENTO TÉCNICO DESPORTIVO

CAMPEONATO PARARANAENSE LIGHT DE KART - 2015 REGULAMENTO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO PARARANAENSE LIGHT DE KART - 2015 REGULAMENTO TÉCNICO DESPORTIVO A Federação Paranaense de Automobilismo FPrA, e suas filiadas: AKRL Associação dos Kartistas da Região de Londrina, farão realizar

Leia mais

TR-350XL. CAPACIDADE DO GUINDASTE 31.800 kg a 3,0 m

TR-350XL. CAPACIDADE DO GUINDASTE 31.800 kg a 3,0 m TADANO GUINDASTE HIDRÁULICO SOBRE RODAS CATÁLOGO DE ESPECIFICAÇÕES N.º TR-350XL-3-00101/EX-10 TR-350XL DADOS GERAIS CAPACIDADE DO GUINDASTE 31.800 kg a 3,0 m LANÇA 4 seções, 9,95 m - 32,0 m DIMENSÕES GERAIS

Leia mais

Regulamento Particular da Prova 500 Milhas de Kart 2010

Regulamento Particular da Prova 500 Milhas de Kart 2010 Regulamento Particular da Prova 500 Milhas de Kart 2010 ARTIGO 1º- Organização 500 Milhas de Kart Granja Viana, 14ª edição / 2010, será organizado pelo Clube Granja Viana com supervisão da Federação de

Leia mais

GP18-050LX. Fabricadas no Brasil. As empilhadeiras ideais para as mais variadas operações com carga de 1.800 até 2.500kg

GP18-050LX. Fabricadas no Brasil. As empilhadeiras ideais para as mais variadas operações com carga de 1.800 até 2.500kg GP18-050LX As empilhadeiras ideais para as mais variadas operações com carga de 1.800 até 2.500 Fabricadas no Brasil Empilhadeiras Contrabalançadas Nova família Yale LX contrabalançada com operador sentado

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA A quilometragem percorrida pelo veículo é indicada pelo: 1 velocímetro. 2 hodômetro. 3 manômetro. 4 conta-giros. O termômetro é utilizado para indicar a temperatura: 1 do motor. 2 do combustível. 3 no

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II ÁGUA QUENTE 1 UTILIZAÇÃO Banho Especiais Cozinha Lavanderia INSTALAÇÕES

Leia mais

DESCRIÇÃO VALOR UNIDADE Comprimento máximo

DESCRIÇÃO VALOR UNIDADE Comprimento máximo CAPA Na capa da Ficha Técnica devem estar claramente as informações para identificação da equipe, escola, número do carro, semelhante às capas utilizadas nos relatórios de projeto da competição nacional.

Leia mais

Este catálogo tem o objetivo de facilitar a identificação dos componentes, agilizando a reposição dos mesmos.

Este catálogo tem o objetivo de facilitar a identificação dos componentes, agilizando a reposição dos mesmos. PARA O USUÁRIO Este catálogo tem o objetivo de facilitar a identificação dos componentes, agilizando a reposição dos mesmos. PARA SOLICITAR AS PEÇAS Entre em contato com nosso representante mais próximo,

Leia mais

Tipos de tratores agrícolas

Tipos de tratores agrícolas Tratores Agrícolas Tipos de tratores agrícolas Tratores agrícolas São máquinas projetadas para tracionar, transportar e fornecer potência para máquinas e implementos agrícolas. O desenvolvimento de tratores

Leia mais

HYSTER H1.8-50CT FABRICADAS NO BRASIL EMPILHADEIRAS NOS TAMANHOS E CAPACIDADES IDEAIS

HYSTER H1.8-50CT FABRICADAS NO BRASIL EMPILHADEIRAS NOS TAMANHOS E CAPACIDADES IDEAIS HYSTER H1.8-50CT FABRICADAS NO BRASIL EMPILHADEIRAS NOS TAMANHOS E CAPACIDADES IDEAIS NOVA HYSTER CT: EMPILHADEIRA CONTRABALANÇADA COM OPERADOR SENTADO A CT é nova em tudo, do seu projeto inovador às suas

Leia mais

Este catálogo tem o objetivo de facilitar a identificação dos componentes, agilizando a reposição dos mesmos.

Este catálogo tem o objetivo de facilitar a identificação dos componentes, agilizando a reposição dos mesmos. PARA O USUÁRIO Este catálogo tem o objetivo de facilitar a identificação dos componentes, agilizando a reposição dos mesmos. PARA SOLICITAR AS PEÇAS Entre em contato com nosso representante mais próximo,

Leia mais

Inspeção Técnica e de Segurança

Inspeção Técnica e de Segurança Esta planilha é apresentada somente como um documento de referência. Os veículos devem cumprir todas as regras, presentes ou não nesta planilha. Os juízes poderão a qualquer momento adicionar ou modificar

Leia mais

35ª Edição PROVA: Antoninho Muza Naime

35ª Edição PROVA: Antoninho Muza Naime 12 HORAS DE TARUMÃ 2015 35ª Edição PROVA: Antoninho Muza Naime REGULAMENTO PARTICULAR DA PROVA ART. 1º INFORMAÇÕES ESPECÍFICAS DA PROVA a) 12 HORAS DE TARUMÃ 2015 b) DATA DA PROVA: 18, 19 e 20 de Dezembro

Leia mais

PeçaChevrolet Catálogo de peças genuínas Chevrolet para consultas e compras online

PeçaChevrolet Catálogo de peças genuínas Chevrolet para consultas e compras online PeçaChevrolet Catálogo de peças genuínas Chevrolet para consultas e compras online O novo produto PeçaChevrolet é um catálogo eletrônico de peças indicado para utilização de oficinas e reparadores independentes

Leia mais

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO E DESPORTIVO GAÚCHO CAMPEONATO GAÚCHO DE MARCAS E PILOTOS 2014 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Art. 1º - Introdução REGULAMENTO DESPORTIVO A Federação Gaúcha de

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS LICITAÇÃO Nº PP03060001/2013. Item Especificação Unid Vr. Unit Vr. Total

ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS LICITAÇÃO Nº PP03060001/2013. Item Especificação Unid Vr. Unit Vr. Total ANEXO III 1 ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS LICITAÇÃO Nº PP03060001/2013 Item Especificação Unid Vr. Unit Vr. Total 1 CAMINHÃO TOCO COM CAPACIDADE DE CARGA ÚTIL VARIANDO DE 10.000 A 12.000KG. DEVERÁ COMPOR

Leia mais

DRIFT SHOW INTRODUÇÃO REGULAMENTO GERAL DO DRIFT - FASP FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE SÃO PAULO. NORMAS E REGULAMENTOS DRIFT - 2012 NORMAS DESPORTIVAS

DRIFT SHOW INTRODUÇÃO REGULAMENTO GERAL DO DRIFT - FASP FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE SÃO PAULO. NORMAS E REGULAMENTOS DRIFT - 2012 NORMAS DESPORTIVAS REGULAMENTO GERAL DO DRIFT - FASP FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE SÃO PAULO. NORMAS E REGULAMENTOS DRIFT - 2012 NORMAS DESPORTIVAS INTRODUÇÃO A FASP - Federação de Automobilismo de São Paulo supervisionará

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE ENDURANCE TOP SERIES 2012

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE ENDURANCE TOP SERIES 2012 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE ENDURANCE TOP SERIES 2012 REGULAMENTO DESPORTIVO E TÉCNICO SUMÁRIO NORMAS DESPORTIVAS... 2 1. Introdução...

Leia mais

CAMINHÕES MILITARES UAI M1-50 e M1-34 UM TREM BÃO DAS GERAIS

CAMINHÕES MILITARES UAI M1-50 e M1-34 UM TREM BÃO DAS GERAIS CAMINHÕES MILITARES UAI M1-50 e M1-34 UM TREM BÃO DAS GERAIS No auge da Indústria de Material de Defesa no Brasil, nos anos 80, uma empresa mineira, localizada em Belo Horizonte, montadora de equipamentos

Leia mais