FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE MATO GROSSO DO SUL. Filiada a Confederação Brasileira de Automobilismo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE MATO GROSSO DO SUL. Filiada a Confederação Brasileira de Automobilismo"

Transcrição

1 FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO MS CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO ESTADUAL E INTERESTADUAL DE MARCAS E PILOTOS MS 2011 REGULAMENTO TÉCNICO INTRODUÇÃO CAPITULO I ARTIIGO - 1º - O presente Regulamento obedece às normas do Código Desportivo Internacional CDI/FIA e Código Desportivo do Automobilismo CDA. 1.1 O presente Regulamento Técnico refere-se ao Campeonato Estadual e Interestadual de Marcas e Pilotos MS Os Adendos Técnicos entram em vigor 30 (trinta) dias após a sua homologação pela Federação de Automobilismo de Mato Grosso do Sul FAMS. 1.3 Tudo que não for especificamente permitido neste regulamento é proibido, sendo que todos os itens que por ventura gerem dúvidas quanto à sua utilização, devem, necessariamente, estar com suas características originais. 1.4 É expressamente proibida a modificação das características originais dos veículos, com exceção das previstas neste regulamento. DOS VEÍCULOS PARTICIPANTES CAPITULO II ARTIGO 2º - Os veículos participantes deverão estar de acordo com artigos e parágrafos do anexo J emitido pelo anuário da FIA, seus boletins e anexos, além dos seguintes itens específicos para este regulamento. ARTIGO 3º - Categoria Turismo é permitida a participação de qualquer veículo de fabricação nacional, cujo motor de série tenha a capacidade cúbica de cc (um mil e seiscentos centímetros cúbicos) de 08 (oito) válvulas e 16 (dezesseis) válvulas. 3.1 Fica autorizada a troca do motor dos veículos de fabricação nacional, cuja motorização original é CHT 1.6 por motores AP 1.6, respeitando à preparação dos mesmos. ARTIGO 4º - Categoria Super Turismo é permitida a participação de qualquer veículo de fabricação nacional, cujo motor de série tenha a capacidade cúbica de até cc (dois mil centímetros cúbicos). REGULAMENTO TÉCNICO

2 4.1 Os veículos que participarão da Categoria Super Turismo até cc composta pelos carros enquadrados na categoria do Campeonato Brasileiro de Endurance e carros que não se enquadrem na categoria Turismo. ARTIGO 5º - Os veículos que participarão da Categoria Turismo 1600 cc obedecerão às disposições contidas neste artigo. 5.1 É permitida a participação de qualquer veículo fabricado no MERCOSUL, cujo motor de série tenha a capacidade cúbica de cc (um mil e seiscentos centímetros cúbicos) de 08 (oito) válvulas e 16 (dezesseis) válvulas. a) Fica autorizado a troca de carroceria do veículo participante do campeonato por uma de modelo mais novo da mesma montadora desde que mantenha o mesmo motor já usado no campeonato desta montadora. 5.2 É obrigatório o uso de pára-choques dianteiros e traseiros, sendo também obrigatória a retirada da lâmina interna, quando for o caso, sendo permitida a retirada de material para melhor refrigeração. 5.3 É permitido o uso opcional de spoiler dianteiro, traseiro e abas laterais, confeccionados em fibra de vidro ou plástico em modelos encontrados no mercado de peças e acessórios ou homologados pela FAMS. 5.4 As suspensões e suas peças devem permanecer originais, salvo aquelas cuja modificação ou retirada seja permitida por este regulamento. 5.5 Somente é permitido o corte e/ou retrabalho nas balanças para fins de caster e cambagem sem, contudo, adicionar material. 5.6 As molas dianteiras são livres quanto ao tipo e ao uso, desde que mantido o sistema original do veículo. 5.7 Os amortecedores são livres quanto ao tipo e ao uso, desde que mantido o sistema original, sendo proibido o uso de reservatório de expansão, ou adição de qualquer material que altere suas características originais e tenham procedência nacional, sendo permitido recalibrar os mesmos com ar e/ou óleo e/ou nitrogênio. 5.8 As buchas de suspensão são livres desde que mantidas as furações e características originais não sendo permitido o uso de Uniball. 5.9 A coluna da suspensão, incluindo o prato superior do amortecedor poderá ser regulável e usar uniball, e deverá ser mantido o sistema original quanto ao tipo e a fixação Os batentes dos amortecedores são livres, sendo proibido qualquer tipo de retrabalho que altere as características originais A barra estabilizadora deverá ser original do modelo e terá uso opcional É permitida a adição de arruelas ou calços nos pontos de fixação das pontas de eixos traseiras com a finalidade de ajuste de alinhamento e cambagem As peças de suspensão devem permanecer em suas posições originais, não podendo haver inversão nem mesmo para fins de ganho de convergência e divergência, cambagem, caster, etc. REGULAMENTO TÉCNICO

3 5.14 O eixo traseiro deve ser original, sem nenhum trabalho ou retrabalho, sendo permitida a fixação da suspensão traseira por meio de correntes. a) Uno fica permitido à retirada do feixe de mola traseiro É proibido o retrabalho dos furos de fixação dos suportes (esquerdo e direito) da barra tensora no monobloco As rodas são de livre escolha quanto ao modelo e material, devendo ser de aro de 13 (treze) polegadas de diâmetro, por até 06 (seis) polegadas de tala e quando alojadas, devem estar totalmente cobertas pela carroceria quando medidas verticalmente, sendo vedada a colocação de abas não originais do veículo Os pneus para todas as categorias são radiais de livre marca nacional e ou da marca HANKOOK. a) Linha Volkswagen 175/70 aro 13 b) Demais 165/70 aro 13 c) É obrigatório ser lacrados no máximo 03 (três) pneus novos para a tração e 03 (três) pneus usados para a traseira com no mínimo de 02 (dois) mm de altura no menor suco da borracha. Os pneus dianteiros lacrados somente poderão ser utilizados a partir da tomada de tempo, atividade em que deverão ser apresentados no brilho para a vistoria na saída dos boxes. Esses pneus serão novamente vistoriados na saída de box, no momento da saída para a formação dos grids das duas corridas de cada rodada dupla. Esses pneus não poderão ser utilizados nos treinos livres ou de aquecimento, e não poderão ainda ser frisados. d) É permitido o uso de alargador de roda É permitida a substituição dos parafusos de fixação das rodas por prisioneiros e porcas O sistema de freio deverá permanecer original, observado o seguinte: a) Poderá ser utilizado disco ventilado; b) As pinças e disco podem ser substituídos por de outro modelo, desde que da mesma linha de montagem; c) As lonas e pastilhas são livres quanto à marca desde que de procedência nacional; d) O fluido de freios e livre quanto à marca e procedência; e) O servo freio deverá ser original, com livre retrabalho interno e permitido o entupimento total ou parcial da mangueira. f) É permitida a remoção ou desativação do freio de estacionamento; g) É permitida a colocação de canalização flexível de até 10 (dez) cm de diâmetro para conduzir o ar até o freio de cada roda dianteira A caixa de câmbio e o diferencial deverá ser a original da marca/modelo do veículo, sendo permitida a troca das engrenagens do câmbio e diferencial, porém, deverão ser usados componentes originais da linha fornecidos pelo fabricante A embreagem poderá ser original ou de cerâmica, original do veículo, independentemente da cilindrada dos respectivos modelos. REGULAMENTO TÉCNICO

4 5.22 Não é permitida a instalação de diferencial blocado ou autoblocado, bem como nenhuma modificação do sistema original, como a instalação de arruela de ajuste ou qualquer outro artifício para travamento ou bloqueio do mesmo Os suportes da caixa de câmbio são livres, salvo quanto à quantidade, que deverá permanecer a original do modelo O sistema de arrefecimento deverá estar montado no local de origem, sendo as fixações do radiador e das mangueiras livres As mangueiras são livres sendo permitida a instalação de um bulbo para indicação de temperatura O tipo de ventoinha é livre, sendo permitida a sua retirada É permitida a montagem de proteção do radiador, do tipo grade ou tela, tanto junto ao mesmo como no envolvente do pára-choque dianteiro O combustível é o álcool hidratado, sendo proibida a adição, preparação ou uso de outras substâncias A bomba de combustível é de marca e modelo livres O coletor de descarga é livre quanto à marca e procedência É permitida a retirada dos filtros originais dos veículos É permitido o balanceamento do conjunto de manivelas (virabrequim, engrenagens, volante do motor e platô da embreagem) apenas por processo de retirada de material É permitido o aliviamento do peso do volante do motor que deverá ser do modelo original do veículo, independentemente da cilindrada do mesmo É permitida a equalização dos pesos das bielas e pistões por processo de retirada de material, devendo permanecer 01 (uma) biela e 01 (um) pistão sem qualquer tipo de retrabalho Os anéis deverão ser originais, permitindo-se a retirada de material exclusivamente entre as pontas É permitido encamisar o bloco e também a usinagem do bloco de cilindros na sua face de contato com o cabeçote por processo de retirada de material, sendo prevista a perda da numeração de identificação do bloco O retrabalho nos dutos e sede de válvulas será livre, permitindo-se a instalação de tuchos mecânicos É permitida a utilização de comando de válvulas como segue: a) Chevrolet Corsa original MPF 1.6 nº b) Volkswagen carburado; 053.1, 053.3, e c) injetado; , e d) Fiat comando até 278º (duzentos e setenta e oito graus) com levante máximo de 10,8 mm com tolerância de 0,05 mm. e) Motores 16 Válvulas Original do Motor. REGULAMENTO TÉCNICO

5 5.39 As polias, correntes, correias, guias, tensores e ajustes da distribuição são livres, tanto quanto ao percurso e quanto ao número, sendo que a utilização da correia de alternador é obrigatória As válvulas deverão permanecer originais, sendo permitido o retrabalho apenas na altura da haste As molas e pratos de válvulas devem permanecer originais, sendo somente permitida a utilização de 01 (um) calço de mola de até 01 mm (um milímetro). a) É permitido o uso do calço de mola fixo no guia de válvula A taxa de compressão é livre, sendo o único trabalho permitido para se modificar a taxa de compressão o rebaixamento do cabeçote e/ou bloco, por meio de usinagem por retirada de material, sendo livre a junta do cabeçote. a) É permitido rebaixar a face superior do dos pistões. b) É permitido o uso do pistão AP 1.8 nos motores AP 1.6 até 050 mm Os veículos deverão utilizar o sistema de alimentação original do motor em competição, podendo ser usado o EPRON mapeado para competição. Será permitido o uso da unidade de gerenciamento do motor nacional livre. Deverá ser fixado fora do alcance do piloto. Observadas as seguintes exceções: a) Os motores Volkswagen e Fiat poderão utilizar 01 (um) carburador das marcas Weber ou Solex, de até 40 mm com livre retrabalho. b) O corpo de borboleta dos veículos injetados deverá ser fixo ao coletor de admissão, obedecendo às medidas originais de cada veículo; c) É permitido o retrabalho dos bicos originais para fins de utilização de álcool como combustível A bomba de combustível é livre quanto ao modelo e procedência, assim como é livre o retrabalho da válvula reguladora de pressão do combustível O coletor de admissão deve ser o original permitindo-se o retrabalho para adaptação do carburador e o retrabalho dos dutos, quando permitido neste regulamento A bobina de ignição e o distribuidor deverão permanecer originais da montadora, sendo livres as velas A bomba de óleo deverá ser a original do motor podendo-se, apenas, trabalhar a sua regulagem de pressão É livre a construção de quebra ondas no interior do Carter que deverá ser o original do motor O lubrificante é de livre escolha dos concorrentes É permitida a utilização de radiador de óleo, desde que mantida a bomba de óleo original É proibida a utilização de reservatório suplementar de óleo, inclusive cárter seco É obrigatório o uso do recuperador de óleo do suspiro do motor de no mínimo de 02 (dois) litros. REGULAMENTO TÉCNICO

6 5.53 É permitido o uso de redutor no furo de lubrificação do bloco para o cabeçote. DA SEGURANÇA CAPITULO III ARTIGO 6º - Todos os veículos deverão estar de acordo com os artigos e parâmetros do anexo J do Código Desportivo Internacional CDI, da FIA, seus boletins e anexos, Código Desportivo do Automobilismo CDA. DO PESO DOS VEÍCULOS CAPITULO IV ARTIGO 7º - O peso mínimo para todos os veículos, com o piloto e indumentária completa, será o que consta a tabela abaixo deste artigo. A verificação do peso será efetuada em ordem de marcha, isto é, na condição em que o carro parou, sem adicionar combustível, líquidos, fluído de freios, lubrificantes e sem repor peças que eventualmente tenham sido perdidas durante as etapas ou treino cronometrado e deve ser respeitado durante todo o período do evento que pode ser vistoriado a qualquer momento da competição. Tabela de pesos: CARACTERÍSTICAS DO VEÍCULO PESO (Kg) Com motor de oito válvulas 860 Com motor de 16 válvulas Consideram-se o peso mínimo do veículo em ordem de competição, no estado em que se apresentarem para as pesagens oficiais durante a tomada de tempo ou no final da etapa, respeitados os seguintes requisitos: a) É permitida a retirada de material do interior do veículo para fins de atingir o peso mínimo desde que não se altere as características do mesmo e não comprometa a segurança do piloto. b) Reservatório de combustível no nível que se encontrar na hora que for solicitada a pesagem oficial; c) Todos os líquidos de arrefecimento, freio e lubrificantes nos níveis que se apresentarem para as pesagens oficiais; d) Com os acessórios e dispositivos obrigatórios de segurança; e) Com o piloto e sua indumentária a bordo. 7.2 Na pesagem ao final da tomada de tempo ou etapa, não será permitido adicionar qualquer líquido que tenha vazado ou peças, acessórios, equipamentos e/ou lastros que tenham se desprendido do veículo. 7.3 É permitido complementar o peso mínimo do veículo com um ou mais lastros desde que os mesmos sejam sólidos, fixados por meio de no mínimo dois parafusos de aço de diâmetro mínimo de 10 (dez) mm com porca e contra porca e localizados no interior do habitáculo, em local visível e de tal forma que permita a lacração efetiva pelo Comissário Técnico. 7.4 A balança oficial do evento deve estar à disposição de todos os concorrentes durante o desenrolar das atividades, no local indicado pela organização. REGULAMENTO TÉCNICO

7 7.5 Os veículos que durante as vistorias técnicas apresentarem problemas de falta de peso terão no máximo (03) três oportunidades seguidas para comprovarem estar no peso mínimo regulamentado para a categoria. DISPOSIÇÕES FINAIS CAPITULO V ARTIGO 8 Caso um veículo seja considerado perigoso com relação à sua preparação, dispositivos ou estado geral, poderá ser excluído da etapa a critério dos Comissários Desportivos. ARTIGO 9 Os veículos devem cumprir as regulamentações previstas neste regulamento em sua totalidade, a todo ou qualquer momento da etapa. ARTIGO 10 É dever de cada competidor provar aos comissários desportivos e técnicos de cada etapa que seus veículos cumprem todas as regulamentações e medições em sua totalidade durante toda a duração do evento. ARTIGO 11 Durante a etapa, os casos omissos serão julgados pelos comissários desportivos, com base no CDA/CBA e do anexo J do CDI/FIA. ARTIGO 12 Modificação do Regulamento O presente Regulamento poderá sofrer alterações em sua redação no decorrer do campeonato, para equiparação das marcas, assim que o Conselho Técnico Desportivo da FAMS achar necessário. O presente regulamento foi elaborado pelo Conselho Técnico Desportivo da FAMS entrando em vigor na data da sua homologação pelo Presidente da Federação de Automobilismo de Mato Grosso do Sul FAMS. Campo Grande, 12 Fevereiro de Conselho Técnico Desportivo Anderson Navarezi Presidente Federação de Automobilismo MS Valdemir Dias Terra Presidente REGULAMENTO TÉCNICO

Os comissários podem solicitar a qualquer momento que sejam feitas as verificações necessárias em qualquer veiculo inscrito no evento.

Os comissários podem solicitar a qualquer momento que sejam feitas as verificações necessárias em qualquer veiculo inscrito no evento. REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ADAPTADO TURBO 1-REGULAMENTAÇÃO Todos os veículos inscritos deveram passar por vistoria prévia. Os competidores deverão provar ao comissário técnicos e desportivos do evento,

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FORÇA LIVRE REGULAMENTO TÉCNICO 2015 ARTIGO 1: VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CARROCERIA E DIMENSÕES ARTIGO 3: PESO ARTIGO 4: MOTOR ARTIGO 5: COMBUSTÍVEL ARTIGO 6: LUBRIFICAÇÃO ARTIGO 7:

Leia mais

07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C )

07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C ) 07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C ) 07.1 NORMAS TÉCNICAS: A categoria Dianteira Turbo C deverá seguir as normas técnicas constantes neste regulamento específico. 07.2 DEFINIÇÃO

Leia mais

14 - REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA TURBO C

14 - REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA TURBO C 14 - REGULAMENTO TÉCNICO DA CATEGORIA TURBO C 14 DEFINIÇÃO Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê ou sedan, de 2, 3, 4 ou 5 portas Veículos de tração dianteira

Leia mais

1 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DASAFIO TURBO

1 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DASAFIO TURBO FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA A CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 Rua Comendador Azevedo, 440 Conj. 1 Fone/Fax (51)3224 4808 CEP 90220-150 Porto Alegre

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO 8 - CATEGORIA TRASEIRA ORIGINAL TO 8.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta

Leia mais

5HDOL]DomR. )LVFDOL]DomR

5HDOL]DomR. )LVFDOL]DomR 5HDOL]DomR $37$662&'263,/2726'(785,602'2&($5È )LVFDOL]DomR )&$)('(5$d 2&($5(16('($87202%,/,602 Filiada à CBA - Confederação Brasileira de Automobilismo. 5(*8/$0(1727e&1,&2,1752'8d 2 Este regulamento é

Leia mais

Campeonato Paranaense de Motovelocidade 2014

Campeonato Paranaense de Motovelocidade 2014 Campeonato Paranaense de Motovelocidade 2014 Regulamento Técnico ART. 1 - MOTOCICLETAS E CLASSES SUPERBIKE - Pró Motocicletas acima de 980cc, motor de 4 tempos e de 04 cilindros de até 1050cc, e 3 cilindros

Leia mais

7 - CATEGORIA FORÇA LIVRE DIANTEIRA FLD

7 - CATEGORIA FORÇA LIVRE DIANTEIRA FLD 1 7 - CATEGORIA FORÇA LIVRE DIANTEIRA FLD REGULAMENTAÇÃO: Todos os veículos inscritos deverão passar por vistoria prévia. Todos pilotos deverão ter a cédula de piloto vigente no ano corrente para participar

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2014 REGULAMENTO TÉCNICO 10 - CATEGORIA TURBO TRASEIRA TT 10.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria

Leia mais

Regulamento Técnico - Regras Gerais/Segurança

Regulamento Técnico - Regras Gerais/Segurança Regulamento Técnico - Regras Gerais/Segurança As normas e regras aqui estabelecidas são complementares aos regulamentos técnicos de cada categoria, portanto devem ser seguidas e obedecidas por competidores

Leia mais

CAMPEONATO DE TURISMO 1600 DO DISTRITO FEDERAL 2012 Regulamento Técnico

CAMPEONATO DE TURISMO 1600 DO DISTRITO FEDERAL 2012 Regulamento Técnico Pág. 1 de 14 CAMPEONATO DE TURISMO 1600 DO DISTRITO FEDERAL 2012 Regulamento Técnico IN-FADF nº 004/12 Dispõe sobre o Regulamento Técnico do Campeonato de Turismo 1600 2012 Capítulo I DO REGULAMENTO EM

Leia mais

CAMPEONATO GAÚCHO DE ARRANCADA

CAMPEONATO GAÚCHO DE ARRANCADA FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA A CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 Rua Comendador Azevedo, 440 - Conj. 1 - Fone/Fax (51)3224 4808 CEP 90220-150 - Porto

Leia mais

14 - CATEGORIA STREET TRAÇÃO TRASEIRA STT

14 - CATEGORIA STREET TRAÇÃO TRASEIRA STT 14 - CATEGORIA STREET TRAÇÃO TRASEIRA STT 14.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick-up, de 2, 3, 4 ou 5 portas de tração traseira

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CAMPEONATO PAULISTA DE AUTOMOBILISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2014 PICK-UP CATEGORIA E ARTIGO 1 : VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS. ARTIGO 2 : CARROCERIA E DIMENSÕES. ARTIGO 3 : PESO ARTIGO 4 : MOTOR ARTIGO

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 6 - CATEGORIA DIANTEIRA TURBO A - DT-A 6.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

CAMPEONATO PAULISTA DE VELOCIDADE NA TERRA ESPECÍFICO DOS MODELOS ATÉ 1600 CC REGULAMENTO TÉCNICO 2008

CAMPEONATO PAULISTA DE VELOCIDADE NA TERRA ESPECÍFICO DOS MODELOS ATÉ 1600 CC REGULAMENTO TÉCNICO 2008 CAMPEONATO PAULISTA DE VELOCIDADE NA TERRA ESPECÍFICO DOS MODELOS ATÉ 1600 CC REGULAMENTO TÉCNICO 2008 Regulamentação aprovada para veículos nacionais 1.4 injetado; 1.6 carburado e 1.6 injetado, homologados

Leia mais

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Turbo A.

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Turbo A. 6 - CATEGORIA DIANTEIRA TURBO A - DT- A 6.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, nacionais ou importados, coupê, sedan ou pick- up, de 2, 3, 4 ou 5

Leia mais

veículos de capacidade e cinqüenta

veículos de capacidade e cinqüenta 12 CATEGORIA PRO MOD PM 12.1) DEFINIÇÃO: Participam destas categorias veículos bipostos nacionais e importados, turismo, de produção em série, réplicas e protótipos, coupê, sedan ou pick upp de 2, 3, 4

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 13 CATEGORIA EXTREME 10,5 XTM 13.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

FEDERAÇÃO PARANAENSE DE AUTOMOBILISMO FORÇA LIVRE MOTORSPORT CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO PARANAENSE DE ARRANCADA REGULAMENTO TÉCNICO

FEDERAÇÃO PARANAENSE DE AUTOMOBILISMO FORÇA LIVRE MOTORSPORT CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO PARANAENSE DE ARRANCADA REGULAMENTO TÉCNICO 1 FEDERAÇÃO PARANAENSE DE AUTOMOBILISMO FORÇA LIVRE MOTORSPORT CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO PARANAENSE DE ARRANCADA REGULAMENTO TÉCNICO REGULAMENTAÇÃO TÉCNICA GERAL DAS CATEGORIAS: O Campeonato

Leia mais

CAMPEONATO SCHIN DE KART 2014

CAMPEONATO SCHIN DE KART 2014 CAMPEONATO SCHIN DE KART 2014 JÚNIOR MENOR DE KART - ITAL SISTEM PMJK: Parágrafo 1º - Prova A duração da prova, será definido através do adendo 2 da etapa. Parágrafo 2º - Da Categoria - O Campeonato será

Leia mais

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 FORMULA 1.8 Regulamento Técnico e Desportivo 2014 ARTIGO 1: NORMAS DE PARTICIPAÇÃO,COMPETIDORES, VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CHASSIS, CARENAGENS E DIMENSÕES ARTIGO 3: PESO ARTIGO 4: MOTOR

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DE SÃO FRANCISCO

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DE SÃO FRANCISCO Objetivo: Contratação de empresa para fornecimento de peças e serviços, para manutenção da frota de veículos desta municipalidade, confome Termo de Referência e Anexo I deste Edital. Lote: 00001 Item(*)

Leia mais

SPEED 1600 Regulamento Técnico. 2013 Revisado em 14/02/2013

SPEED 1600 Regulamento Técnico. 2013 Revisado em 14/02/2013 SPEED 1600 Regulamento Técnico 2013 Revisado em 14/02/2013 ARTIGO 1: VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CARROCERIA E DIMENSÕES ARTIGO 3: PESO ARTIGO 4: MOTOR ARTIGO 5: COMBUSTÍVEL ARTIGO 6: LUBRIFICAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA CLASSIC CUP DIVISÃO 2

REGULAMENTO TÉCNICO PARA CLASSIC CUP DIVISÃO 2 REGULAMENTO TÉCNICO PARA CLASSIC CUP DIVISÃO 2 2011 ARTIGO 1: VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CATEGORIAS ARTIGO 3: IDENTIFICAÇÃO ARTIGO 4: CARROCERIA E DIMENSÕES ARTIGO 5: PESO ARTIGO 6: MOTOR

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO 13 CATEGORIA EXTREME 10,5 XTM 13.1) DEFINIÇÃO: a) Participam destas categorias

Leia mais

CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA 2015 REGULAMENTO TÉCNICO 2015 CATEGORIA TRASEIRA TURBO - TT

CAMPEONATO ECPA DE ARRANCADA 2015 REGULAMENTO TÉCNICO 2015 CATEGORIA TRASEIRA TURBO - TT 10 - CATEGORIA TURBO TRASEIRA TT 10.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick-up, de 2, 3, 4 ou 5 portas, de tração traseira equipados

Leia mais

FEDERAÇÃO PERNAMBUCANA DE AUTOMOBILISMO

FEDERAÇÃO PERNAMBUCANA DE AUTOMOBILISMO FEDERAÇÃO PERNAMBUCANA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO E DESPORTIVO - FPA Campeonato Pernambucano de Velocidade - MARCAS E PILOTOS B Regulamento Técnico 2016 1 - MOTOR 2 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO 3 -

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 2013 REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C DT-C 4.1) - DEFINIÇÃO: a) Participam desta

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 2 - CATEGORIA DIANTEIRA ORIGINAL DO 2.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

COPA FUSCA Regulamento Técnico

COPA FUSCA Regulamento Técnico COPA FUSCA Regulamento Técnico 2012 ARTIGO 1: VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CARROCERIA E DIMENSÕES ARTIGO 3: PESO ARTIGO 4: MOTOR ARTIGO 5: COMBUSTÍVEL ARTIGO 6: LUBRIFICAÇÃO E ARREFECIMENTO

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO VELOCIDADE NA TERRA, CATEGIRIA SPEED 2015

REGULAMENTO TÉCNICO VELOCIDADE NA TERRA, CATEGIRIA SPEED 2015 REGULAMENTO TÉCNICO VELOCIDADE NA TERRA, CATEGIRIA SPEED 2015 REGULAMENTO TÉCNICO ESPECÍFICO DO MODELO: Fusca Art. 1º - INTRODUÇÃO Regulamentação aprovada para veículos Volkswagen dos modelos acima relacionados,

Leia mais

Em caso de não encontrar, ligue ( 0xx11 ) 2018-0501

Em caso de não encontrar, ligue ( 0xx11 ) 2018-0501 DSL0067 BUCHA BRAÇO TENSOR TOPIC DSL0058 Bucha Barra Estabilizadora topic DSL0083 Bucha Jumelo Traseiro topic DSL0001 ROLAMENTO GUIA DSL0008 Junta do Carter topic DSL0009 Fechadura Porta Deslizante topic

Leia mais

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Super.

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Super. 3 - CATEGORIA DIANTEIRA SUPER DS 3.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, nacionais ou importados, coupê, sedan ou pick- up, de 2, 3, 4 ou 5 portas,

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA A quilometragem percorrida pelo veículo é indicada pelo: 1 velocímetro. 2 hodômetro. 3 manômetro. 4 conta-giros. O termômetro é utilizado para indicar a temperatura: 1 do motor. 2 do combustível. 3 no

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO ESTADUAL FUSCA AP-1.6 2011 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO ESTADUAL FUSCA AP-1.6 2011 REGULAMENTO TÉCNICO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO ESTADUAL FUSCA AP-1.6 2011 REGULAMENTO TÉCNICO ART. 1º - INTRODUÇÃO A categoria Fórmula Fusca AP 1.6, que enquadra automóveis de marca Volkswagen, modelo Fusca Sedan,

Leia mais

STOCK CAR PAULISTA LIGHT E SUPER. STOCK PAULISTA LIGHT (novo nome da categoria) REGULAMENTO TÉCNICO

STOCK CAR PAULISTA LIGHT E SUPER. STOCK PAULISTA LIGHT (novo nome da categoria) REGULAMENTO TÉCNICO STOCK CAR PAULISTA LIGHT E SUPER STOCK PAULISTA LIGHT (novo nome da categoria) REGULAMENTO TÉCNICO 2011 ARTIGO 1: VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CARROCERIAS E DIMENSÕES ARTIGO 3: PESO ARTIGO

Leia mais

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares. c) A denominação desta categoria será Dianteira Original.

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares. c) A denominação desta categoria será Dianteira Original. 2- CATEGORIA DIANTEIRA ORIGINAL DO 2.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, nacionais ou importados, coupê, sedan ou pick- up, de 2, 3, 4 ou 5 portas,

Leia mais

Seção I DO REGULAMENTO EM GERAL

Seção I DO REGULAMENTO EM GERAL Capítulo XXVIII DO REGULAMENTO TÉCNICO Seção I DO REGULAMENTO EM GERAL Art. 28 O presente Regulamento Técnico abrange todos os veículos participantes do Centro Oeste de Marcas e Pilotos Turismo 1600 e

Leia mais

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor.

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Objetivos Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Descrição Neste módulo são abordados os princípios de funcionamento do motor Ciclo Otto,

Leia mais

Este regulamento está organizado conforme o CDI Código Desportivo Internacional e CDA Código Desportivo do Automobilismo.

Este regulamento está organizado conforme o CDI Código Desportivo Internacional e CDA Código Desportivo do Automobilismo. 15 - CATEGORIA TRASEIRA STREET TURBO. Este regulamento está organizado conforme o CDI Código Desportivo Internacional e CDA Código Desportivo do Automobilismo. 15.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria

Leia mais

MARCAS E PILOTOS MINAS GERAIS

MARCAS E PILOTOS MINAS GERAIS MARCAS E PLOTOS MNAS GERAS REGULAMENTO TÉCNCO PADRÃO 2013 PARA AS CATEGORAS SUPER, LGHT E MASTER A Federação Mineira de Automobilismo FMA estabelece este Regulamento Técnico Padrão para provas de Velocidade

Leia mais

Categoria Desafio IMPORT

Categoria Desafio IMPORT Categoria Desafio IMPORT 1 - NORMAS TÉCNICAS: A categoria Desafio IMPORT deverá seguir as normas técnicas constantes neste regulamento especifico. 2 - DEFINIÇÃO: a) Poderão participar desta categoria veículos

Leia mais

FEDERAÇÃO PERNAMBUCANA DE AUTOMOBILISMO

FEDERAÇÃO PERNAMBUCANA DE AUTOMOBILISMO FEDERAÇÃO PERNAMBUCANA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO E DESPORTIVO - FPA Campeonato Pernambucano de Velocidade - MARCAS E PILOTOS A e B Regulamento Técnico 2015 1 - MOTOR 2 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA COPA BRASIL DE VELOCIDADE NA TERRA CATEGORIA TURISMO 1600

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA COPA BRASIL DE VELOCIDADE NA TERRA CATEGORIA TURISMO 1600 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA COPA BRASIL DE VELOCIDADE NA TERRA CATEGORIA TURISMO 1600 REGULAMENTO TÉCNICO 2013 INTRODUÇÃO: O presente regulamento refere-se

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY RALLY CROSS COUNTRY DE VELOCIDADE 2013 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY RALLY CROSS COUNTRY DE VELOCIDADE 2013 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY RALLY CROSS COUNTRY DE VELOCIDADE 2013 REGULAMENTO TÉCNICO ARTIGO 1 - PRESCRIÇÕES GERAIS... 2 ARTIGO 2 - CATEGORIAS... 8 ARTIGO 3 - CATEGORIA

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO. incl. Planos A + B + B1 execução. rotinas + procedimentos FROTA SIM - SISTEMA INTEGRADO DE MANUTENÇÃO

PLANO DE MANUTENÇÃO. incl. Planos A + B + B1 execução. rotinas + procedimentos FROTA SIM - SISTEMA INTEGRADO DE MANUTENÇÃO PLANO DE MANUTENÇÃO C incl. Planos A + B + B1 execução rotinas + procedimentos FROTA OPERAÇÃO URBANA 1) Principais objetivos : Avaliação anual (aproxim.) do estado mecânico do veículo Acertos mecânicos

Leia mais

FEDERAÇÃO SERGIPANA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO SERGIPANO

FEDERAÇÃO SERGIPANA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO SERGIPANO FEDERAÇÃO SERGIPANA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO SERGIPANO CAMPEONATO SERGIPANO DE ARRANCADA REGULAMENTO DESPORTIVO 2008 REGULAMENTO TÉCNICO 2008 CAMPEONATO SERGIPANO DE ARRANCADA REGULAMENTO

Leia mais

FAELI REGIONAL DE KART FESTIVAL DE KART RD 2011 REGULAMENTO DESPORTIVO

FAELI REGIONAL DE KART FESTIVAL DE KART RD 2011 REGULAMENTO DESPORTIVO FAELI REGIONAL DE KART FESTIVAL DE KART RD 2011 REGULAMENTO DESPORTIVO ART 1º- Campeonato a ser realizado no Kartódromo de Farroupilha, em 2011, com organização da Bepi Kart - Competições e Lazer, e supervisão

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CAMPEONATO SPYDER RACE CATEGORIA P3 2014 Regulamento Técnico ARTIGO 1 : VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS. ARTIGO 2 : CARROCERIA E DIMENSÕES. ARTIGO 3 : HABITACULO ARTIGO 4 : PESO ARTIGO 5 : MOTOR ARTIGO

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE FESTIVAL DE MARCAS E PILOTOS TURISMO 1600-2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE FESTIVAL DE MARCAS E PILOTOS TURISMO 1600-2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE FESTIVAL DE MARCAS E PILOTOS TURISMO 1600-2015 Capítulo I REGULAMENTO DESPORTIVO Seção I INTRODUÇÃO Art. 1º A Confederação Brasileira

Leia mais

CAMPEONATO METROPOLITANO DE VELOCIDADE NO ASFALTO LONDRINA 2015 REGULAMENTO TÉCNICO MARCAS L

CAMPEONATO METROPOLITANO DE VELOCIDADE NO ASFALTO LONDRINA 2015 REGULAMENTO TÉCNICO MARCAS L CAMPEONATO METROPOLITANO DE VELOCIDADE NO ASFALTO LONDRINA 2015 REGULAMENTO TÉCNICO MARCAS L 1 INTRODUÇÃO 2 MODIFICAÇÕES DOS COMPONENTES ORIGINAIS 3 MOTOR 4 TREM DE FORÇA - TRANSMISSÃO 5 SUSPENSÃO 6 SISTEMA

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE FESTIVAL DE MARCAS E PILOTOS TURISMO 1600-2013 Capítulo I REGULAMENTO DESPORTIVO Seção I INTRODUÇÃO Art. 1º A Confederação Brasileira

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AUTOMOBILISMO E KARTING 001 / 2008. VÁLIDA A PARTIR DE 01 de Junho de 2008

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AUTOMOBILISMO E KARTING 001 / 2008. VÁLIDA A PARTIR DE 01 de Junho de 2008 Ficha Técnica Nº FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AUTOMOBILISMO E KARTING FICHA TÉCNICA PARA O FIATUNO 45 S FIRE VÁLIDA A PARTIR DE 01 de Junho de 2008 A) Viatura vista de ¾ frente B) Viatura vista de ¾ trás 1

Leia mais

MARCAS E PILOTOS. Regulamento Técnico Regulamento Corrigido em 03/02/2012 (Alteração artigo 11 Pneus) 2012

MARCAS E PILOTOS. Regulamento Técnico Regulamento Corrigido em 03/02/2012 (Alteração artigo 11 Pneus) 2012 MARCAS E PILOTOS Regulamento Técnico Regulamento Corrigido em 03/02/2012 (Alteração artigo 11 Pneus) 2012 ARTIGO 1 : VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS. ARTIGO 2 : CARROCERIA E DIMENSÕES. ARTIGO 3 : PESO

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA CAMPEONATO BRASILEIRO DE VELOCIDADE NA TERRA CATEGORIA FÓRMULA TUBULAR

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA CAMPEONATO BRASILEIRO DE VELOCIDADE NA TERRA CATEGORIA FÓRMULA TUBULAR 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA CAMPEONATO BRASILEIRO DE VELOCIDADE NA TERRA CATEGORIA FÓRMULA TUBULAR REGULAMENTO TÉCNICO 2015 ARTIGO 1: VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES

Leia mais

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO CAMPEONATO GAÚCHO DE COPA FUSCA 2014 ART. 1º - INTRODUÇÃO REGULAMENTO TÉCNICO Este Regulamento é específico para veículos Volkswagem Sedan, entrando em vigor na data de

Leia mais

General Motors do Brasil Ltda. Assunto: Motor completo. Catálogo Eletrônico de Peças Edição: Maio 2004 Data de Impressão: 29/7/2006

General Motors do Brasil Ltda. Assunto: Motor completo. Catálogo Eletrônico de Peças Edição: Maio 2004 Data de Impressão: 29/7/2006 Clube Calibra Brasil www.clubecalibra.com.br Assunto: Motor completo Assunto: Motor completo 1 1994/1995 W AS/M-14004973 MOTOR conjunto 90500556 1 1 1994/1995 W AP/M-14004974 MOTOR conjunto 90501783

Leia mais

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FEDERAÇÃO PARANAENSE DE AUTOMOBILISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2012

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FEDERAÇÃO PARANAENSE DE AUTOMOBILISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2012 CAMPEONATO INTERESTADUAL DE ENDURANCE - 2012 FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FEDERAÇÃO PARANAENSE DE AUTOMOBILISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2012 ARTIGO 01: POLITICA GERAL ARTIGO 02: REGULAMENTAÇÃO ARTIGO

Leia mais

CCA CLUBE DE COMPETIÇÃO AUTOMOBILÍSTICO

CCA CLUBE DE COMPETIÇÃO AUTOMOBILÍSTICO CAMPEONATO CEARENSE DE MARCAS E PILOTOS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 ARTIGO 1 : VEÍCULOS PERMITIDOS 1.1 Poderão participar do Campeonato Cearense de Marcas, veículos de passeio de 2 ou 4 portas, com capacidade

Leia mais

Nota: As informações apresentadas estão corretas no momento da publicação, e estão sujeitas a alteração sem aviso prévio.

Nota: As informações apresentadas estão corretas no momento da publicação, e estão sujeitas a alteração sem aviso prévio. JEEP GRAND CHEROKEE ESPECIFICAÇÕES Todas as dimensões estão em milímetros (polegadas), salvo indicação contrária. Todas as dimensões são medidas com os pneus e rodas que equipam o veículo de série. Nota:

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MARCAS 2014

REGULAMENTO TÉCNICO MARCAS 2014 REGULAMENTO TÉCNICO MARCAS 2014 1 MOTOR 2 SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO 3 CABEÇOTE 4 TRANSMISSÃO 5 FREIOS 6 SUSPENSÃO 7 PESO 8 ELEMENTOS DA CARROCERIA 9 SISTEMAS ELÉTRICOS 10 SISTEMA DE ARREFECIMENTO 11 RODAS

Leia mais

259.6.3 FT3-1999 Parede antifogo e piso 259.15.3

259.6.3 FT3-1999 Parede antifogo e piso 259.15.3 Art. 1 - INTRODUÇÃO 1.1 - Qualquer dos modelos da Categoria C 3 está fabricado com as mesmas especificações. Tanto na parte desportiva como na de segurança, os concorrentes não podem em caso algum omitir

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA CAMPEONATO BRASILEIRO DE VELOCIDADE NA TERRA CATEGORIA TURISMO 1.600C.C.

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA CAMPEONATO BRASILEIRO DE VELOCIDADE NA TERRA CATEGORIA TURISMO 1.600C.C. 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA CAMPEONATO BRASILEIRO DE VELOCIDADE NA TERRA CATEGORIA TURISMO 1.600C.C. REGULAMENTO TÉCNICO 2015 ESPECÍFICO DOS MODELOS:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIATUBA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIATUBA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO 1 PROCESSO Nº 2015018617 PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIATUBA - PREGÃO PRESENCIAL Nº015/2015, Aquisição de peças e serviços mecânicos, destinado à manutenção de veículos deste Município. DESPACHO. Tendo em

Leia mais

FICHA TÉCNICA CARROCERIA Hatchback em monobloco, 4 lugares, 2 portas AERODINÂMICA Coeficiente aerodinâmico. Cx 0,38

FICHA TÉCNICA CARROCERIA Hatchback em monobloco, 4 lugares, 2 portas AERODINÂMICA Coeficiente aerodinâmico. Cx 0,38 FICHA TÉCNICA CARROCERIA Hatchback em monobloco, 4 lugares, 2 portas AERODINÂMICA Coeficiente aerodinâmico Área frontal Cw x A MOTOR Cx 0,38 2.17 m2 0.82 m2 Dianteiro, transversal, 2.0 litros, 4 cilindros

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY RALLY CROSS COUNTRY DE VELOCIDADE 2015 REGULAMENTO TÉCNICO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY RALLY CROSS COUNTRY DE VELOCIDADE 2015 REGULAMENTO TÉCNICO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE RALLY RALLY CROSS COUNTRY DE VELOCIDADE 2015 REGULAMENTO TÉCNICO ARTIGO 1 - PRESCRIÇÕES GERAIS... 2 ARTIGO 2 - CATEGORIAS... 8 ARTIGO 3 - CATEGORIA

Leia mais

4 CAMPEONATO BRASILEIRO DE SHIFTER KART - 2009 REGULAMENTO PARTICULAR CAPÍTULO I

4 CAMPEONATO BRASILEIRO DE SHIFTER KART - 2009 REGULAMENTO PARTICULAR CAPÍTULO I 4 CAMPEONATO BRASILEIRO DE SHIFTER KART - 2009 REGULAMENTO PARTICULAR CAPÍTULO I A CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CBA, através de suas filiadas (FAUs), fará realizar o 4º CAMPEONATO BRASILEIRO

Leia mais

PARTE B REGULAMENTAÇÃO TÉCNICA

PARTE B REGULAMENTAÇÃO TÉCNICA PARTE B REGULAMENTAÇÃO TÉCNICA INTRODUÇÃO No GT3 Cup Challenge Brasil serão utilizados carros tecnicamente idênticos (modelos Porsche 911 GT3 Cup) de uma série limitada construída com base no modelo convencional

Leia mais

A presente garantia terá 4 (quatro) anos de vigência sem limite de. garantia de 4 (quatro) anos contra defeitos de corrosão perfurativa.

A presente garantia terá 4 (quatro) anos de vigência sem limite de. garantia de 4 (quatro) anos contra defeitos de corrosão perfurativa. GARANTIA HYUNDAI I Terno de Garantia Hyundai O Presente Termo de Garantia Hyundai aplica-se única e exclusivamente ao veículo da marca e fabricação Hyundai devidamente identificado ao final deste documento,

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE TURISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE TURISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE TURISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2015 ARTIGO Nº. 1 DEFINIÇÕES... 2 ARTIGO Nº. 2 ENTENDIMENTO GERAL... 2 ARTIGO

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE PARTE B CLASSE CUP REGULAMENTAÇÃO TÉCNICA 2016

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE PARTE B CLASSE CUP REGULAMENTAÇÃO TÉCNICA 2016 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE PARTE B CLASSE CUP REGULAMENTAÇÃO TÉCNICA 2016 INTRODUÇÃO Sempre que os presentes regulamentos se referirem à PROMOTORA, a DENER MOTORSPORT

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CAMPEONATO PAULISTA DE DRAG RACE 2014 REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DRAG RACE DIANTEIRA DD 1- REGULAMENTAÇÃO: Todos os veículos inscritos deverão passar por vistoria prévia. Todos os pilotos deverão ter

Leia mais

WWW.GARAGEM83.COM.BR

WWW.GARAGEM83.COM.BR 1º e 2º ETAPA: 29/03/2014 & 30/03/2014 3º e 4º ETAPA: 19/07/2014 & 20/07/2014 5º e 6º ETAPA: 27/09/2014 & 28/09/2014 7º e 8º ETAPA: 13/12/2014 & 14/12/2014 AUTÓDROMO DE CARUARU/PE WWW.GARAGEM83.COM.BR

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA COPA BRASIL DE VELOCIDADE NA TERRA

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA COPA BRASIL DE VELOCIDADE NA TERRA 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA COPA BRASIL DE VELOCIDADE NA TERRA CATEGORIA MINI-FÓRMULA TUBULAR CATEGORIAS A E B REGULAMENTO TÉCNICO 2013 CATEGORIAS MINI

Leia mais

CAMPEONATO PARANAENSE DE VELOCIDADE NA TERRA REGULAMENTO TÉCNICO - 2015 CATEGORIAS: MARCAS A MARCAS B TURISMO I TURISMO C

CAMPEONATO PARANAENSE DE VELOCIDADE NA TERRA REGULAMENTO TÉCNICO - 2015 CATEGORIAS: MARCAS A MARCAS B TURISMO I TURISMO C CAMPEONATO PARANAENSE DE VELOCIDADE NA TERRA REGULAMENTO TÉCNICO - 2015 CATEGORIAS: MARCAS A MARCAS B TURISMO I TURISMO C Art. 1º - INTRODUÇÃO Regulamentação aprovada para veículos com Motor 1.6 a álcool,

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MR-03 SPORTS

REGULAMENTO TÉCNICO MR-03 SPORTS REGULAMENTO TÉCNICO MR-03 SPORTS INTRODUÇÃO Este regulamento visa orientar aos participantes das corridas de Mini-Z MR-03 Sports, quanto aos ajustes e modificações permitidos nos carros. A idéia principal

Leia mais

F E D E R A Ç Ã O D E A U T O M O B I L I S M O D O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O

F E D E R A Ç Ã O D E A U T O M O B I L I S M O D O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O CAMPEONATO ESTADUAL FORA DE ESTRADA INDOOR 4x4 E 4x2 Regulamento Geral 2015 Art. 1º - FINALIDADES... 2 Art. 2º - INSCRIÇÕES... 2 Art. 3º - PARTICIPANTES... 3 Art. 4º - CARACTERÍSTICAS DAS PISTAS... 3 Art.

Leia mais

DESCRIÇÃO VALOR UNIDADE Comprimento máximo

DESCRIÇÃO VALOR UNIDADE Comprimento máximo CAPA Na capa da Ficha Técnica devem estar claramente as informações para identificação da equipe, escola, número do carro, semelhante às capas utilizadas nos relatórios de projeto da competição nacional.

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA CAMPEONATO BRASILEIRO DE VELOCIDADE NA TERRA CATEGORIA FÓRMULA TUBULAR

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA CAMPEONATO BRASILEIRO DE VELOCIDADE NA TERRA CATEGORIA FÓRMULA TUBULAR 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE NA TERRA CAMPEONATO BRASILEIRO DE VELOCIDADE NA TERRA CATEGORIA FÓRMULA TUBULAR REGULAMENTO TÉCNICO 2014 ARTIGO 1: VEÍCULOS E MODIFICAÇÕES

Leia mais

FESTIVAL MOTOR DAY DE ARRANCADA 2015

FESTIVAL MOTOR DAY DE ARRANCADA 2015 FESTIVAL MOTOR DAY DE ARRANCADA 2015 4 REGULAMENTO TÉCNICO ESPECÍFICO DA CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C - DTC 4.1) - DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos nacionais de turismo de grande produção

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE TURISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2013

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE TURISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2013 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE TURISMO REGULAMENTO TÉCNICO 2013 ARTIGO Nº. 1: DEFINIÇÕES...2 ARTIGO Nº. 2: ENTENDIMENTO GERAL...2 ARTIGO

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE STOCK CAR - COPA CAIXA REGULAMENTO TÉCNICO 2012 SUMÁRIO

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE STOCK CAR - COPA CAIXA REGULAMENTO TÉCNICO 2012 SUMÁRIO 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE VELOCIDADE CAMPEONATO BRASILEIRO DE STOCK CAR - COPA CAIXA REGULAMENTO TÉCNICO 2012 SUMÁRIO ARTIGO Nº.1: DEFINIÇÕES... 2 ARTIGO Nº.2: ENTENDIMENTO

Leia mais

SUPER CARS MASTER REGULAMENTO TÉCNICO 2013

SUPER CARS MASTER REGULAMENTO TÉCNICO 2013 SUPER CARS MASTER REGULAMENTO TÉCNICO 2013 ARTIGO 1: POLITICA GERAL ARTIGO 2:REGULAMENTÃÇÕES ARTIGO 3: CHASSI ARTIGO 4: CARROCERIA E DIMENSÕES ARTIGO 5: PESO ARTIGO 6: MOTOR ARTIGO 7: TUBULAÇÕES E COMBUSTÍVEL

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO COPA CLÁSSICOS DE COMPETIÇÃO REGULAMENTO TÉCNICO 2015 ARTIGO 1: VEÍCULOS, CHASSI E MODIFICAÇÕES PERMITIDAS ARTIGO 2: CATEGORIAS ARTIGO 3: CARROCERIA E DIMENSÕES ARTIGO 4: PESO ARTIGO 5: MOTOR ARTIGO 6:

Leia mais

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FUNDADA EM 26 DE JULHO DE 1961 FEDERAÇÃO GAÚCHA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO GAÚCHO CAMPEONATO GAÚCHO DE COPA CLASSIC 2014 REGULAMENTO DESPORTIVO 2014 ARTIGO 1 - A FGA, em conjunto com os clubes promotores, realizarão,

Leia mais

CAMPEONATO PARARANAENSE LIGHT DE KART - 2015 REGULAMENTO TÉCNICO DESPORTIVO

CAMPEONATO PARARANAENSE LIGHT DE KART - 2015 REGULAMENTO TÉCNICO DESPORTIVO CAMPEONATO PARARANAENSE LIGHT DE KART - 2015 REGULAMENTO TÉCNICO DESPORTIVO A Federação Paranaense de Automobilismo FPrA, e suas filiadas: AKRL Associação dos Kartistas da Região de Londrina, farão realizar

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL CAMPEONATO BRASILEIRO DE PICK UP RACING REGULAMENTO TÉCNICO 2008

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL CAMPEONATO BRASILEIRO DE PICK UP RACING REGULAMENTO TÉCNICO 2008 1 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL CAMPEONATO BRASILEIRO DE PICK UP RACING REGULAMENTO TÉCNICO 2008 ARTIGO Nº.1: DEFINIÇÕES 1.1. As definições utilizadas neste

Leia mais

Anexo III - ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS. ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE VALOR 01 Tanque c/ equipamento combinado c/capacidade para 6m³ litros

Anexo III - ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS. ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE VALOR 01 Tanque c/ equipamento combinado c/capacidade para 6m³ litros Anexo III - ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE VALOR 01 Tanque c/ equipamento combinado c/capacidade para 6m³ litros 01 (Instalado sobre reboque agrícola). 1 1 TANQUE RESERVATÓRIO: Tanque

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE PAULO FRONTIN ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº: 6/2014. Página: 1/30

ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE PAULO FRONTIN ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº: 6/2014. Página: 1/30 Página: 1/30 60 KIT EMBREAGEM PARA VEICULO FIAT DOBLO ANO 2005 U AUTO MECANICA 1º DE MAIO LTDA ME (9277) VALEO 0 208,3100 1 61 COMANDO DE EMBREAGEM PARA VEICULO FIAT DOBLO ANO 2005 U AUTO MECANICA 1º DE

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL. CAMPEONATO BRASILEIRO FORA DE ESTRADA INDOOR 4x4 E 4x2

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL. CAMPEONATO BRASILEIRO FORA DE ESTRADA INDOOR 4x4 E 4x2 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL CAMPEONATO BRASILEIRO FORA DE ESTRADA INDOOR 4x4 E 4x2 Regulamento Técnico e Desportivo 2014 1 FINALIDADES... 2 2 CAMPEONATO... 2 3 CARACTERÍSTICAS DAS PISTAS...

Leia mais

RELAÇÃO DE PEÇAS EM PROMOÇÃO

RELAÇÃO DE PEÇAS EM PROMOÇÃO RELAÇÃO DE PEÇAS EM PROMOÇÃO Código Nome Qtde Marca 000 151 96 13 PINHÃO IMPULSOR 1 BOSCH 120 200 04 70 POLIA 0470* 1 LASO 163 820 37 61 FAROL ESQUERDO COMPLETO - 163 820 01 61-1 HELLA 006 997 30 92 CORREIA

Leia mais

Motor Posição Número de cilindros Diâmetro X Curso Cilindrada Total Taxa de compressão Potência máxima (ABNT/regime) Torque máximo (ABNT/regime)

Motor Posição Número de cilindros Diâmetro X Curso Cilindrada Total Taxa de compressão Potência máxima (ABNT/regime) Torque máximo (ABNT/regime) Motor Posição Número de cilindros Diâmetro X Curso Cilindrada Total Taxa de compressão Potência máxima (ABNT/regime) Torque máximo (ABNT/regime) Número de válvulas por cilindro Eixo de Comando de válvulas

Leia mais

REGULAMENTO BAJA SAE BRASIL CAPÍTULO 5 REQUISITOS GERAIS DO VEÍCULO

REGULAMENTO BAJA SAE BRASIL CAPÍTULO 5 REQUISITOS GERAIS DO VEÍCULO REGULAMENTO BAJA SAE BRASIL CAPÍTULO 5 REQUISITOS GERAIS DO VEÍCULO RBSB 5 EMENDA 0 DATA DE EFETIVIDADE: 01 DE JANEIRO DE 2010 2/9 CONTROLE DE REVISÃO Emenda Data de Efetividade 0 01 de Janeiro de 2010

Leia mais

FÓRMULA VEE BRAZIL. Regulamento Técnico 2012 ARTIGO 1: VEÍCULOS PERMITIDOS ARTIGO 2: CARENAGEM E ASSOALHO ARTIGO 3: PESO ARTIGO 4: MOTOR

FÓRMULA VEE BRAZIL. Regulamento Técnico 2012 ARTIGO 1: VEÍCULOS PERMITIDOS ARTIGO 2: CARENAGEM E ASSOALHO ARTIGO 3: PESO ARTIGO 4: MOTOR FÓRMULA VEE BRAZIL Regulamento Técnico 2012 ARTIGO 1: VEÍCULOS PERMITIDOS ARTIGO 2: CARENAGEM E ASSOALHO ARTIGO 3: PESO ARTIGO 4: MOTOR ARTIGO 5: COMBUSTÍVEL ARTIGO 6: LUBRIFICAÇÃO E ARREFECIMENTO ARTIGO

Leia mais

GUIA DE LOCALIZAÇÃO DE PEÇAS PARA O GVE

GUIA DE LOCALIZAÇÃO DE PEÇAS PARA O GVE ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO PATRIMÔNIAL GERÊNCIA DE BENS MÓVEIS GUIA DE LOCALIZAÇÃO DE PEÇAS PARA O GVE G E VEÍCULOS LEVES 2007 1 2 ESTADO DE SANTA

Leia mais

TROFÉU BRASIL 2.015 OPEN FORCE

TROFÉU BRASIL 2.015 OPEN FORCE TROFÉU BRASIL 2.015 OPEN FORCE REGULAMENTO REGULAMENTO GERAL ITEM 1. DISPOSIÇÕES PREMILIMARES 1.1 - O presente regulamento estabelece regras que devem ser cumpridas, visando evitar, e dirimir possíveis

Leia mais

TROFÉU CLUBE DESPORTIVO NACIONAL PROMERCH PUBLICIDADE 2011 REGULAMENTO TÉCNICO

TROFÉU CLUBE DESPORTIVO NACIONAL PROMERCH PUBLICIDADE 2011 REGULAMENTO TÉCNICO TROFÉU CLUBE DESPORTIVO NACIONAL PROMERCH PUBLICIDADE 2011 REGULAMENTO TÉCNICO 1. TODAS AS VIATURAS DEVERÃO ESTAR OBRIGATORIAMENTE EQUIPADAS COM: 1.1. - Armação de Segurança constituída por: a) Arco Principal:

Leia mais

Compras Efetuadas por Período

Compras Efetuadas por Período Sistema de Compras Pág. 1 de 95 Secretaria: 02 SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO - CNPJ: 18.431.312/0001-15 45962 PULPTO 8468 13/04/2007 ACRILTEC INDUSTRIA E COMERCIO LTDA - CNPJ: UN 1,00 1.380,00 1.380,00

Leia mais