NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL"

Transcrição

1 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO ASPECTOS GERAIS EXCEÇÕES TENSÕES DE FORNECIMENTO REDE PRIMÁRIA Estruturas Convencionais INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTOS Transformadores Pára-raios Chave Fusível Chave Faca Unipolar Chave Blindada ATERRAMENTO CONEXÕES ESTAIS AFASTAMENTOS MÍNIMOS FAIXA DE SERVIDÃO NOTAS COMPLEMENTARES ANEXO I - DESENHOS... 9

3 1. INTRODUÇÃO Esta norma padroniza a montagem de redes aéreas de distribuição rural, nas áreas de concessão da ENERGISA. 2. ASPECTOS GERAIS Os materiais utilizados são os constantes na Norma de Padrões e Especificações de Materiais da Distribuição NDU 010. As estruturas apresentadas nesta norma são aquelas mais comumente projetadas nesta modalidade de Rede. O sistema de distribuição deve ser com neutro contínuo (mensageiro ou neutro da rede secundária), multi e solidamente aterrado e interligado à malha da subestação. Alguns desenhos contemplam, cruzetas poliméricas maciças e cruzetas de concreto, e outros apenas um ou outro dos dois tipos. 3. EXCEÇÕES Os casos não previstos nesta norma, ou aqueles que pelas características exijam tratamento à parte, deverão ser previamente encaminhados à Concessionária, através de seus escritórios locais, para apreciação conjunta da área de projetos / área de estudos. 4. TENSÃO DE FORNECIMENTO TENSÃO PRIMÁRIA TENSÃO (kv) ENERGISA 22/12,7 Minas Gerais 13,8/7,96 Borborema Sergipe Paraíba 11,4/6,58 Nova Friburgo Minas Gerais 5. REDE PRIMARIA As Redes de Distribuição Primárias serão em Estruturas Convencionais com cabos de alumínio nus CAA. NDU-005 ESE/EPB/EBO/EMG/ENF VERSÃO 3.0 JULHO/

4 5.1. Estruturas Convencionais As estruturas convencionais da rede de distribuição primária, em cabo de alumínio nu CAA, são denominadas N (normal), T (triangular), H (horizontal) e U (monofásica). NOTA: Nas empresas Energisa Nova Friburgo e Energisa Minas Gerais, as estruturas utilizam cruzetas poliméricas maciças. Na Energisa Borborema, Energisa Sergipe e Energisa Paraíba, as estruturas utilizam cruzetas de concreto Dados de Construção a) Estruturas Trifásicas - Estrutura T1(concreto), N1(madeira ou polimérica maciça) Usadas em tangências, podendo também ser empregadas em ângulos conforme desenhos 13 e 14, neste caso, a instalação dos condutores nos isoladores deverá ser feita lateralmente. - Estrutura T2(concreto), N2(madeira ou polimérica maciça) Usadas em ângulos, podendo também ser empregadas em tangências conforme desenhos 15 e Estruturas N3(concreto), N3(madeira ou polimérica maciça) Usadas em derivações e fins de linha, conforme desenho Estruturas N4(concreto), N4(madeira ou polimérica maciça) Usadas em ângulos conforme desenho 18 e em mudança de bitolas de condutores. - Estruturas TE(concreto), TE(madeira ou polimérica maciça) Usadas em ângulos conforme desenho 19 e em mudança de bitolas de condutores e em tangência. - Estruturas HT(madeira) Usadas em ângulos conforme desenho 20 e em mudança de bitolas de condutores e em tangência. - Estruturas HTE (concreto), HTE (madeira) Usadas em ângulos conforme desenhos 21 e 22 e em mudança de bitolas de condutores e em tangência. NDU-005 ESE/EPB/EBO/EMG/ENF VERSÃO 3.0 JULHO/

5 - Estruturas HTT(madeira) Usadas em ângulos conforme desenho 23. b) Estruturas Monofásicas - Estrutura U1 Usada em tangência, podendo também ser empregada em ângulos conforme desenho 24. Neste caso, a instalação do condutor no isolador deverá ser feita lateralmente. - Estrutura U2 Usada em ângulos, podendo também ser empregada em tangências conforme desenhos Estrutura U3 Usada em derivações e fins de linha. Desenho Estrutura U4 Usada em ângulos conforme desenho 27, e em mudança de bitolas de condutores. 6. INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTOS Todo equipamento deverá ser conectado a Rede Primária com Grampo de Linha Viva e estribo. Com exceção das chaves-facas e fusíveis, em toda estrutura com equipamentos, deverá ter uma malha de terra, onde as carcaças dos equipamentos serão aterradas e conectadas ao neutro Transformador Nas empresas Energisa Minas Gerais, Energisa Nova Friburgo, Energisa Paraíba e Energisa Borborema a ligação da rede primária convencional e protegida ao transformador deverá ser feita através de cabo de alumínio 50mm² protegido. Na empresa Energisa Sergipe, a ligação da rede primária convencional e protegida ao transformador deverá ser feita através de cabo de cobre 35mm² com isolamento para 1kV. Os transformadores devem ser instalados no lado de maior resistência do poste e voltados para o sentido da RDR. NDU-005 ESE/EPB/EBO/EMG/ENF VERSÃO 3.0 JULHO/

6 Para transformadores até 112,5 kva, o esforço mínimo do poste deve ser de 300 dan, e para os transformadores acima de 112,5 kva, o esforço mínimo deve ser de 1000 dan Pára-raios MT Nas empresas Energisa Minas Gerais, Energisa Nova Friburgo, Energisa Paraíba e Energisa Borborema, a ligação dos pára-raios MT à linha deverá ser feita com cabo de alumínio protegido adequado. Na empresa Energisa Sergipe, a ligação dos para-raios MT à linha deverá ser feita com cabo de cobre adequado, com isolamento para 1kV. O pára-raios central deverá ser aterrado através de cabo terra e os laterais deverão ser interligados através de um único cabo, conectado ao cabo terra. O cabo terra deverá ser continuo do Pára-raios até a haste de terra. O barramento deverá passar entre os suportes dos mesmos e a cruzeta, por baixo desta. Em estruturas com transformadores, os pára-raios MT deverão ser fixados na carcaça dos mesmos e o jumper de ligação deverá ser conectado ao jumper da bucha primária a aproximadamente 20cm da mesma, conforme desenho Chave-Fusível Será instalada sempre com a base do cartucho alimentando a carga. Nas empresas Energisa Minas Gerais, Energisa Nova Friburgo, Energisa Paraíba e Energisa Borborema, a ligação da chave-fusível à linha deverá ser feita com cabo de alumínio protegido adequado. Na empresa Energisa Sergipe, a ligação da chave-fusível à linha deverá ser feita com cabo de cobre adequado, com isolamento para 1kV. Quando for utilizada para proteger um transformador, poderá ser instalada em estruturas anteriores a do equipamento. Em derivações trifásicas, poderão ser utilizados isoladores Hi-top para auxiliar na fixação dos jumpers, conforme desenhos 34 e 35. NDU-005 ESE/EPB/EBO/EMG/ENF VERSÃO 3.0 JULHO/

7 6.4. Chave-Faca Unipolar A ligação da rede primária à chave-faca será feita através de conector terminal a compressão para chave-faca. Nas empresas Energisa Minas Gerais, Energisa Nova Friburgo, Energisa Paraíba e Energisa Borborema, a ligação da chave-faca à rede primária deverá ser feita com o mesmo cabo da rede, dispensando o GLV quando o cabo for 336,4MCM ou 185mm². Na empresa Energisa Sergipe, a ligação da chave-faca à rede primária deverá ser feita com cabo de cobre de 70 ou 120mm², com isolamento para 1Kv; ou com o mesmo cabo da rede, dispensando o GLV, quando o cabo for 336,4MCM ou 185mm². A ligação da Rede Primária a chave faca será feita com cabo protegido através de conector terminal a compressão para chave faca. A chave faca deverá ser instalada com a abertura da lâmina para o lado da carga, que ficará desenergizada quando a chave faca estiver aberta, conforme desenho Chaves Blindadas Nas estruturas com chaves a óleo, seccionadoras, remotas ou religadoras deverão ser instaladas chaves by-pass, sendo estas chaves-fusíveis ou faca de acordo com a carga que será cortada. Nas empresas Energisa Minas Gerais, Energisa Nova Friburgo, Energisa Paraíba e Energisa Borborema, a ligação da chave-blindada à rede primária deverá ser feita com o mesmo cabo da rede, dispensando o GLV quando o cabo for 336,4MCM ou 185mm². Na empresa Energisa Sergipe, a ligação da chave-blindada à rede primária deverá ser feita com cabo de cobre de 70 ou 120mm², com isolamento para 1kV; ou com o mesmo cabo da rede, dispensando o GLV, quando o cabo for 336,4MCM ou 185mm². NDU-005 ESE/EPB/EBO/EMG/ENF VERSÃO 3.0 JULHO/

8 7. ATERRAMENTO Na área de concessão da Energisa Sergipe e Energisa Paraíba (municípios que possuem Orla Marítima) serão utilizados hastes de terra de aço cobreado de 2400m x 16mm com cabo de aço cobreado de 3 x 9 AWG e na área de concessão da Energisa Borborema, Energisa Nova Friburgo, Energisa Minas Gerais e Energisa Paraíba (demais municípios) serão utilizados hastes de terra tipo cantoneira de aço galvanizado de 2400mm x 25mm e cabo de aço de 6,8mm. A distância entre as hastes deve ser de 3000m e entre a haste e o poste deve ser de 1000mm. Depois de cravada, a distância entre o topo da haste e a superfície do solo deve ser de no mínimo 450mm; do ponto de conexão à superfície do solo a distância deve ser de no mínimo 600mm. O cabo do aterramento deve ser contínuo da conexão com o neutro até o terminal a compressão conectado a haste. Os demais detalhes para construção estão nos desenhos 052 e CONEXÕES Nas conexões de neutro da rede serão utilizados conectores a compressão tipo H na Energisa Borborema, Energisa Nova Friburgo, Energisa Minas Gerais e Energisa Paraíba; e conectores tipo cunha na Energisa Sergipe. Nas redes primárias serão utilizados os conectores a compressão tipo H empresas Energisa Nova Friburgo e Energisa Minas Gerais; e conectores de derivação Tipo Cunha na Energisa Borborema, Energisa Sergipe e Energisa Paraíba. 9. ESTAIAMENTO Os estais das estruturas deverão ser feitos com cabo de aço SM 9,5mm para as redes trifásicas e SM 6,4mm para as redes monofásicas, conforme desenho AFASTAMENTOS MÍNIMOS Os afastamentos mínimos que constam nesta norma são relativos às partes energizadas e não ao ponto de fixação. NDU-005 ESE/EPB/EBO/EMG/ENF VERSÃO 3.0 JULHO/

9 Quando não forem informados os afastamentos mínimos para 22 kv, devem ser adotados os definidos para 36,2kV. Os afastamentos mínimos podem ser aumentados convenientemente, dependendo das condições de operação e manutenção da rede. 11. FAIXA DE SERVIDÃO A largura da faixa de servidão (faixa de segurança) para redes de distribuição rurais é no mínimo 15m, distribuídos em 7,5m de cada lado em relação ao eixo da rede, permitindo-se apenas o plantio de culturas rasteiras e vedando-se as plantações de porte elevado, tais como Eucalipto, construção de edificações e assemelhados na referida faixa, atendendo-se assim aos requisitos de segurança de pessoas e bens. NOTA: Para constituição de faixa de servidão em propriedade de terceiros deve ser seguido o item 16. ANEXO III CONSTITUIÇÃO AMIGÁVEL DE SERVIDÃO da NDU NOTAS COMPLEMENTARES 1. Em qualquer tempo e sem necessidade de aviso prévio, esta Norma poderá sofrer alterações, no seu todo ou em parte, por motivo de ordem técnica e/ou devido a modificações na legislação vigente, de forma a que os interessados deverão, periodicamente, consultar a Concessionária. 2. É parte integrante desta norma a NDU-021 (Adendo as Normas de Distribuição Unificadas da ENERGISA à Norma Regulamentadora Nº010 NR 010). NDU-005 ESE/EPB/EBO/EMG/ENF VERSÃO 3.0 JULHO/

10 13. ANEXO I - DESENHOS NDU-005 ESE/EPB/EBO/EMG/ENF VERSÃO 3.0 JULHO/

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24 LISTA DE MATERIAL Item Quantidade Cruzeta de Conc. Descrição DT F-3 1 Armação Secundária de 1 Estribo A-2 7 Arruela Quadrada de 38mm R-6 1 Cruzeta de Concreto Tipo "T" 1900mm M-5 4 Fio Nú de Alumínio N.º 6 BWG para Amarração (m) M-8 4 Fita de Alumínio 1X10mm (m) I-2 3 Isolador de Pino I-3 1 Isolador Roldana F-32 5 Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado F-37 1 Pino de Topo p/ Isolador F-36 2 Pino p/ Isolador P 1 Poste

25

26 LISTA DE MATERIAL Item Quantidade Cruzeta Mad. ou Pol. Maciça Descrição DT A-2 2 Arruela Quadrada 32mm A-2 6 Arruela Quadrada 38mm R-3 1 Cruzeta de Madeira 90 x 115 x 2400mm ou Cruzeta Polimérica Maciça 90 x 112 x 2400mm M-5 3 Fio Nú de Alumínio para Amarração M-8 3 Fita de Alumínio I-2 3 Isolador de Pino Porcelana F-20 2 Mão Francesa Plana Norma 700mm F-31 2 Parafuso Cabeça Abaulada M12 x 125mm F-32 2 Parafuso de Rosca Dupla M16 x Tamanho Adequado F-36 3 Pino para Isolador P 1 Poste de Concreto

27

28 LISTA DE MATERIAL Item Quantidade Cruzeta de Conc. Descrição DT F-3 1 Armação Secundária de 1 Estribo A-2 15 Arruela Quadrada de 38mm R-6 2 Cruzeta de Concreto Tipo "T" 1900mm M-5 7 Fio Nú de Alumínio N.º 6 BWG para Amarração (m) M-8 7 Fita de Alumínio 1X10mm (m) I-2 6 Isolador de Pino I-3 1 Isolador Roldana F-32 7 Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado F-37 2 Pino de Topo p/ Isolador F-36 4 Pino p/ Isolador A-21 4 Porca Quadrada P 1 Poste

29

30 LISTA DE MATERIAL Item Quantidade Cruzeta Mad. ou Descrição Pol. Maciça DT A-2 4 Arruela Quadrada 32mm A-2 16 Arruela Quadrada 38mm R-6 - Cruzeta de Concreto T 1900mm R-3 2 Cruzeta de Madeira 90 x 115 x 2400mm ou Cruzeta Polimérica Maciça 90 x 112 x 2400mm M-5 6 Fio Nú de Alumínio para Amarração M-8 6 Fita de Alumínio I-2 6 Isolador de Pino Porcelana F-20 4 Mão Francesa Plana Normal 700mm F-31 4 Parafuso Cabeça Abaulada M12 x 125mm F-31 - Parafuso Cabeça Abaulada M16 x 45mm F-31 - Parafuso Cabeça Abaulada M16 x 70mm F-31 - Parafuso Cabeça Abaulada M16 x 150mm F-32 4 Parafuso de Rosca Dupla M16 x Tamanho Adequado F-36 6 Pino para Isolador A-21 4 Porca Quadrada P 1 Poste de Concreto

31

32 LISTA DE MATERIAL Quantidade Descrição Item Cruzeta de Conc. Cruzeta de Mad. ou Pol. Maciça DT DT M Alça Preformada de Distribuição A-2-4 Arruela Quadrada de 32mm A Arruela Quadrada de 38mm R Cruzeta de Concreto Tipo "T" 1900mm R-3-2 Cruzeta de Madeira 90 x 115 x 2400mm ou Cruzeta Polimérica Maciça 90 x 112 x 2400mm F Gancho Olhal I Isolador de Ancoragem Polimérico F Manilha Sapatilha F-20-4 Mão Francesa Plana Normal 700mm F-31-4 Parafuso de Cabeça Abaulada M12 x 125mm F Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado F Porca Olhal A Porca Quadrada P 1 1 Poste Sapatilha

33

34 LISTA DE MATERIAL Quantidade Descrição Item Cruzeta de Conc. Cruzeta de Mad. ou Pol. Maciça DT DT M Alça Preformada de Distribuição A-2-4 Arruela Quadrada de 32mm A Arruela Quadrada de 38mm R Cruzeta de Concreto Tipo "T" 1900mm R-3-2 Cruzeta de Madeira 90 x 115 x 2400mm ou Cruzeta Polimérica Maciça 90 x 112 x 2400mm M Fio Nú de Alumínio N.º 6 BWG para Amarração (m) M Fita de Alumínio 1X10mm (m) F Gancho Olhal I Isolador de Ancoragem Polimérico I Isolador de Pino F Manilha Sapatilha F-20-4 Mão Francesa Plana Normal 700mm F-31-4 Parafuso de Cabeça Abaulada M12 x 125 mm F Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado F Pino p/ Isolador F Porca Olhal P 1 1 Poste A Sapatilha A-21 1 Porca quadrada

35

36 LISTA DE MATERIAL Quantidade Descrição Item Cruzeta de Conc. Cruzeta de Mad. ou Pol. Maciça DT DT M Alça Preformada de Distribuição A-2-4 Arruela Quadrada de 32mm A Arruela Quadrada de 38mm R Cruzeta de Concreto Tipo "T" 1900mm R-3-2 Cruzeta de Madeira 90 x 115 x 2400mm ou Cruzeta Polimérica Maciça 90 x 112 x 2400mm M Fio Nú de Alumínio N.º 6 BWG para Amarração (m) M Fita de Alumínio 1X10mm (m) F Gancho Olhal I Isolador de Ancoragem Polimérico I Isolador de Pino F Manilha Sapatilha F-20-4 Mão Francesa Plana Normal 700mm F-31-4 Parafuso de Cabeça Abaulada M12 x Tamanho Adequado F Parafuso de Rosca Dupla M16 X 125mm F Pino de Topo p/ Isolador F Porca Olhal P 1 1 Poste A Sapatilha

37

38 LISTA DE MATERIAL Item Quantidade DT Descrição M-1 8 Alça Preformada de Distribuição A-2 11 Arruela Quadrada 32mm R-3 2 Cruzeta de Eucalipto 5000mm F-13 7 Gancho Olhal I-4 7 Isolador de Ancoragem Polimérico F-22 6 Manilha Sapatilha F-32 6 Parafuso de Rosca Dupla M16 x Tamanho Adequado F-40 7 Porca Olhal P-2 2 Poste de Concreto Duplo T A-25 2 Sapatilha A-21 6 Porca Quadrada M16 X 24mm

39

40 LISTA DE MATERIAL Item Quantidade DT Descrição M-1 6 Alça Preformada de Distribuição M-2 4 Alça Preformada para Cabo de Aço A-2 14 Arruela Quadrada de 38mm 6 Cabo de Aço 9,5 mm Média Resistêcia (m) M-5 3 Fio Nú de Alumínio N.º 6 BWG para Amarração (m) M-8 3 Fita de Alumínio 1X10mm (m) F-13 6 Gancho Olhal I-4 6 Isolador de Ancoragem Polimérico I-2 3 Isolador de Pino F-22 6 Manilha Sapatilha F-32 9 Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado F-37 3 Pino de Topo p/ Isolador F Porca Olhal P 1 Poste A-25 6 Sapatilha

41

42 LISTA DE MATERIAL Item Quantidade DT Descrição M-1 6 Alça Preformada de Distribuição A-2 7 Arruela Quadrada 38mm R-3 2 Cruzeta de Madeira 5000mm M-5 3 Fio Nu de Alumínio para Amarração M-8 3 Fita de Alumínio F-13 6 Gancho Olhal I-4 6 Isolador de Ancoragem Polimérico I-2 3 Isolador de Pino Porcelana F-22 6 Manilha Sapatilha F-32 9 Parafuso de Rosca Dupla M16 x Tamanho Adequado F-37 3 Pino de Topo F-40 6 Porca Olhal P-2 3 Poste de Concreto Duplo T

43

44 LISTA DE MATERIAL Item Quantidade DT Descrição M-1 8 Alça Preformada de Distribuição A-2 27 Arruela Quadrada 38mm R-3 4 Cruzeta de Madeira 5000mm M-5 1 Fio Nu de Alumínio para Amarração M-8 1 Fita de Alumínio F-13 8 Gancho Olhal I-4 8 Isolador de Ancoragem Polimérico I-2 1 Isolador de Pino Porcelana F-22 8 Manilha Sapatilha F Parafuso de Rosca Dupla M16 x Tamanho Adequado F-37 1 Pino de Topo F-40 8 Porca Olhal P-2 3 Poste de Concreto Duplo T

45

46 LISTA DE MATERIAL Item Quantidade DT Descrição A-2 4 Arruela Quadrada de 38mm M-5 2 Fio Nú de Alumínio N.º 6 BWG para Amarração (m) M-8 2 Fita de Alumínio 1X10mm (m) I-2 1 Isolador de Pino F-32 2 Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado F-37 1 Pino de Topo p/ Isolador P 1 Poste

47

48 LISTA DE MATERIAL Item Quantidade DT Descrição A-2 1 Arruela Quadrada de 38mm M-5 3 Fio Nú de Alumínio N.º 6 BWG para Amarração (m) M-8 3 Fita de Alumínio 1X10mm (m) I-2 2 Isolador de Pino F-32 2 Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado F-37 2 Pino de Topo p/ Isolador P 1 Poste

49

50 LISTA DE MATERIAL Item Quantidade DT Descrição M-1 1 Alça Preformada de Distribuição A-2 1 Arruela Quadrada de 38mm F-13 1 Gancho Olhal I-4 1 Isolador de Ancoragem Polimérico F-22 1 Manilha Sapatilha F-32 1 Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado F-40 1 Porca Olhal P 1 Poste

51

52 LISTA DE MATERIAL Item Quantidade DT Descrição M-1 2 Alça Preformada de Distribuição A-2 2 Arruela Quadrada de 38mm M-5 2 Fio Nú de Alumínio N.º 6 BWG para Amarração (m) M-8 2 Fita de Alumínio 1X10mm (m) F-13 2 Gancho Olhal I-4 2 Isolador de Ancoragem Polimérico I-2 1 Isolador de Pino F-22 2 Manilha Sapatilha F-32 2 Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado F-37 1 Pino de Topo p/ Isolador F-40 1 Porca Olhal P 1 Poste

53

54 LISTA DE MATERIAL Quantidade Item Cruzeta de Conc. Cruzeta de Mad. ou Pol. Maciça Descrição DT DT A-2-2 Arruela Quadrada de 32mm A Arruela Quadrada de 38mm - 0,3 Cabo de Aço 6,4mm (kg) 0,3 - Cabo de Aço Cobreado 3x9 AWG (kg) 9 9 Cabo conforme nota no desenho (m) 3 3 Chave Fusível O Conector de Derivação Adequado 3 - Conector Estribo Adequado 3 3 Conector Terminal a Compressão 3 3 Conector Terminal a Compressão Cabo-Barra p/ Aterramento R Cruzeta de Concreto Tipo "T" 1900mm R-3-1 Cruzeta de Madeira 90 X 115 X 2400mm ou Cruzeta Polimérica Maciça 90 x 112 x 2400mm A Elo Fusível Adequado - 3 Estribo para GLV G GLV F-20-2 Mão Francesa Plana Normal 700mm F-31-2 Parafuso de Cabeça Abaulada 12X125mm F Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado (*) F Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado (**) E Pára-Raios P 1 1 Poste A Suporte para Transformador em Poste DT (**) E Transformador de Distribuição (*) Item para transformadores com potência até 112,5 kva (**) Item para transformadores com potência superior a 112,5 kva

55

56 LISTA DE MATERIAL Quantidade Item Cruzeta de Conc. Cruzeta de Mad. ou Pol. Maciça Descrição DT DT A-2 2 Arruela Quadrada de 38mm - 0,3 Cabo de Aço 6,4mm (kg) 0,3 - Cabo de Aço Cobreado 3x9 AWG (kg) 9 9 Cabo conforme nota no desenho (m) O-5-3 Conector de Derivação Adequado 3 - Conector Estribo Adequado 3 3 Conector Terminal a Compressão 3 3 Conector Terminal a Compressão Cabo-Barra p/ Aterramento - 3 Estribo para GLV G GLV F Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado (*) F Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado (**) E Pára-Raios P 1 1 Poste A Suporte para Transformador em Poste DT (**) E Transformador de Distribuição (*) Item para transformadores com potência até 112,5 kva (**) Item para transformadores com potência superior a 112,5 kva

57

58 LISTA DE MATERIAL Quantidade Item Cruzeta de Conc. Cruzeta de Mad. Descrição ou Pol. Maciça DT DT A-2-2 Arruela Quadrada de 32mm A Arruela Quadrada de 38mm - 0,3 Cabo de Aço 6,4mm (kg) 0,3 - Cabo de Aço Cobreado 3x9 AWG (kg) 9 9 Cabo conforme nota no desenho (m) 3 3 Chave Fusível O Conector de Derivação Adequado 3 - Conector Estribo Adequado 3 3 Conector Terminal a Compressão 3 3 Conector Terminal a Compressão Cabo-Barra p/ Aterramento R Cruzeta de Concreto Tipo "T" 1900mm R-3-1 Cruzeta de Madeira 90 X 115 X 2400mm ou Cruzeta Polimérica Maciça 90 x 112 x 2400mm A Elo Fusível Adequado - 3 Estribo para GLV G GLV F-20-2 Mão Francesa Plana Normal 700mm F-31-2 Parafuso de Cabeça Abaulada 12X125mm F Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado (*) F Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado (**) E Pára-Raios P 1 1 Poste A Suporte para Transformador em Poste DT (**) E Transformador de Distribuição (*) Item para transformadores com potência até 112,5 kva (**) Item para transformadores com potência superior a 112,5 kva

59

60 LISTA DE MATERIAL Item Quantidade Descrição E1 E2 A Arruela Quadrada de 38mm - 0,3 Cabo de Aço 6,4mm (kg) 0,3 Cabo de Aço Cobreado 3x9 AWG (kg) 3 3 Cabo conforme nota no desenho (m) 1 1 Chave Fusível O Conector de Derivação Adequado 1 - Conector Estribo Adequado 1 1 Conector Terminal a Compressão 1 1 Conector Terminal a Compressão Cabo-Barra p/ Aterramento A Elo Fusível Adequado - 1 Estribo para GLV G GLV F Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado E Pára-Raios P 1 1 Poste F Suporte L E Transformador de Distribuição E1 = Energisa Sergipe E2 = Energisa Minas Gerais, Energisa Nova Friburgo, Energisa Paraíba e Energisa Borborema

61

62 LISTA DE MATERIAL Item Quantidade E1 E2 Descrição A Arruela Quadrada de 38mm - 0,3 Cabo de Aço 6,4mm (kg) 0,3 - Cabo de Aço Cobreado 3x9 AWG (kg) 3 3 Cabo conforme nota no desenho (m) O Conector de Derivação Adequado 1 - Conector Estribo Adequado 1 1 Conector Terminal a Compressão 1 1 Conector Terminal a Compressão Cabo-Barra p/ Aterramento - 1 Estribo para GLV G GLV F Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado E Pára-Raios P 1 1 Poste E Transformador de Distribuição E1 = E2 = Energisa Sergipe Energisa Minas Gerais, Energisa Nova Friburgo, Energisa Paraíba e Energisa Borborema

63

64 LISTA DE MATERIAL Item Quantidade Descrição E1 E2 A Arruela Quadrada de 38mm - 0,3 Cabo de Aço 6,4mm (kg) 0,3 0,3 Cabo de Aço Cobreado 3x9 AWG (kg) C Cabo conforme nota no desenho (m) 1 1 Chave Fusível O Conector de Derivação Adequado 1 - Conector Estribo Adequado 1 1 Conector Terminal a Compressão 1 1 Conector Terminal a Compressão Cabo-Barra p/ Aterramento A Elo Fusível Adequado - 1 Estribo para GLV G GLV F Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado E Pára-Raios P 1 1 Poste F Suporte L E Transformador de Distribuição E1 = Energisa Sergipe E2 = Energisa Minas Gerais, Energisa Nova Friburgo, Energisa Paraíba e Energisa Borborema

65

66 LISTA DE MATERIAL Quantidade Item Cruzeta Mad. Descrição ou Pol. Maciça DT A-2 4 Arruela Quadrada 32mm A-2 10 Arruela Quadrada 38mm (Estrutura N) A-2 - Arruela Quadrada 38mm (Estrutura M) 4 Cabo conforme nota no desenho (m) C-3 7,5 Cabo de Alumínio Igual ao da Rede (m) E-9 3 Chave Fusível F-10 - Cinta para Poste Circular de Tamanho Adequado O-5 3 Conector Derivação Adequado R-7/6 - Cruzeta de Concreto T 1900mm R-3 2 Cruzeta de Madeira 90 x 115 x 2400mm ou Cruzeta Polimérica Maciça 90 x 112 x 2400mm A-10 3 Elo Fusível 3 Estribo para GLV M-5 1 Fio Nú de Alumínio para Amarração (*) M-8 1 Fita de Alumínio (*) G-1 3 GLV I-2 1 Isolador de Pino Porcelana (*) F-20 4 Mão Francesa Plana Normal 700mm F-31 4 Parafuso Cabeça Abaulada M12 x 125mm F-31 - Parafuso Cabeça Abaulada M16 x 45mm F-31 - Parafuso Cabeça Abaulada M16 x 70mm F-31 - Parafuso Cabeça Abaulada M16 x 150mm F-32 4 Parafuso de Rosca Dupla M16 x Tamanho Adequado (Estrutura N) F-32 - Parafuso de Rosca Dupla M16 x Tamanho Adequado (Estrutura M) F-36 1 Pino para Isolador (*) A-21 4 Porca Quadrada (Estrutura N) A-21 - Porca Quadrada (Estrutura M) F-45 - Sela para Cruzeta (*) Em estruturas de derivação de ramais

67

68 LISTA DE MATERIAL Quantidade Item Cruzeta de Conc. Descrição DT M-1 3 Alça Preformada de Distribuição A-2 12 Arruela Quadrada de 38mm C-3 9 Cabo de Alumínio igual ao da Rede (m) 4 Cabo conforme nota no desenho (m) 3 Chave Fusível 3 Conector Estribo Adequado R-6 2 Cruzeta de Concreto Tipo "T" 1900mm A-10 3 Elo Fusível Adequado M-5 1 Fio Nú de Alumínio N.º 6 BWG para Amarração (m) M-8 1 Fita de Alumínio 1X10mm (m) F-13 3 Gancho Olhal G-1 3 GLV I-4 3 Isolador de Ancoragem Polimérico I-2 1 Isolador de pino Polimérico F-22 3 Manilha Sapatilha F-32 4 Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado F-36 1 Pino para Isolador F-25 3 Porca Olhal A-21 1 Porca Quadrada P 1 Poste

69

70 LISTA DE MATERIAL Quantidade Quantidade Item Cruzeta de Conc. Cruzeta de Mad. Descrição ou Pol. Maciça DT DT A-2-2 Arruela Quadrada de 32mm A Arruela Quadrada de 38mm C Cabo de Alumínio igual ao da Rede (m) 4 4 Cabo conforme nota no desenho (m) 3 3 Chave Fusível O-5-1 Conector de Derivação Adequado 3 - Conector Estribo Adequado R Cruzeta de Concreto Tipo "T" 1900mm R-3-1 Cruzeta de Madeira 90 X 115 X 2400mm ou Cruzeta Polimérica Maciça 90 x 112 x 2400mm A Elo Fusível Adequado - 3 Estribo para GLV G GLV F-20-2 Mão Francesa Plana Normal 700mm F-31-2 Parafuso de Cabeça Abaulada 12X125mm F Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado P 1 1 Poste

71

72 LISTA DE MATERIAL Item Quantidade E1 E2 Descrição A Arruela Quadrada de 38mm C Cabo de Alumínio igual ao da Rede (m) 4 4 Cabo conforme nota no desenho (m) 1 1 Chave Fusível O-5-1 Conector de Derivação Adequado 1 - Conector Estribo Adequado A Elo Fusível Adequado - 1 Estribo para GLV G GLV F Parafuso de Rosc a Dupla M16 X Tamanho Adequado P 1 1 Poste F Suporte L E1 = E2 = Energisa Sergipe Energisa Minas Gerais, Energisa Nova Friburgo, Energisa Paraíba e Energis a Borborema

73

74 LISTA DE MATERIAL Quantidade Quantidade Item Cruzeta de Mad. Descrição Cruzeta de Conc. ou Pol. Maciça DT DT A-2-4 Arruela Quadrada de 32mm A Arruela Quadrada de 38mm 9 9 Cabo conforme nota no desenho (m) 3 3 Chave Faca Unipolar O-5-6 Conector de Derivação Adequado 6 - Conector Estribo Adequado 6 6 Conector Terminal a Compressão Adequado R Cruzeta de Concreto Tipo "T" 1900mm R-3-2 Cruzeta de Madeira 90 X 115 X 2400mm ou Cruzeta Polimérica Maciça 90 x 112 x 2400mm - 6 Estribo para GLV G GLV F-20-4 Mão Francesa Plana Normal 700mm F-31-4 Parafuso de Cabeça Abaulada 12X125mm F Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado A Porca Quadrada P 1 1 Poste

75

76 LISTA DE MATERIAL Quantidade Quantidade Item Cruzeta de Mad. Descrição Cruzeta de Conc. ou Pol. Maciça DT DT A Arruela Quadrada de 38mm 3 3 Cabo conforme nota no desenho (m) 1 1 Chave Faca Unipolar O-5-2 Conector de Derivação Adequado 2 - Conector Estribo Adequado 2 2 Conector Terminal a Compressão Adequado - 2 Estribo para GLV G GLV F Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado P 1 1 Poste F Suporte L

77

78 LISTA DE MATERIAL Quantidade Quantidade Item Cruzeta de Mad. Descrição Cruzeta de Conc. ou Pol. Maciça DT DT A-2-2 Arruela Quadrada de 32mm A Arruela Quadrada de 38mm - 0,3 Cabo de Aço 6,4mm (kg) 0,3 - Cabo de Aço Cobreado 3x9 AWG (kg) 9 9 Cabo conforme nota no desenho (m) O Conector de Derivação Adequado 6 - Conector Estribo Adequado 3 3 Conector Terminal a Compressão 3 3 Conector Terminal a Compressão Cabo-Barra p/ Aterramento R Cruzeta de Concreto Tipo "T" 1900mm R-3-1 Cruzeta de Madeira 90 X 115 X 2400mm ou Cruzeta Polimérica Maciça 90 x 112 x 2400mm - 3 Estribo para GLV G GLV F-20-2 Mão Francesa Plana Normal 700mm F-31-2 Parafuso de Cabeça Abaulada 12X125mm F Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado E Pára-Raios P 1 1 Poste F Suporte L

79

80 LISTA DE MATERIAL Item Quantidade E1 E2 Descrição A Arruela Quadrada de 38mm - 0,2 Cabo de Aç o 6,4mm (kg) 0,2 - Cabo de Aço Cobreado 3x9 AWG (kg) 3 3 Cabo conforme nota no desenho (m) O-5 1 Conector de Derivação Adequado 1 - Conector Estribo Adequado 1 1 Conector Terminal a Compressão 1 1 Conector Terminal a Compressão Cabo-Barra p/ Aterramento - 1 Estribo para GLV G GLV F Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado E Pára-Raios P 1 1 Poste F Suporte L E1 = E2 = Energisa Sergipe Energisa Minas Gerais, Energisa Nova Friburgo, Energisa Paraíba e Energisa Borborema

81

82

83

84

85

86 LISTA DE MATERIAL Item Quantidade E1 E2 Descrição M Alça Preformada para Cabo de Aço A Arruela Quadrada de 38mm Var. Var. Cabo de Aço 9,5mm ou 6,4mm (m) A Chapa de Estai - 1 Chapa para Âncora O Conector de Derivação Adequado F Haste de Âncora F Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tamanho Adequado S Placa de Concreto para Estai P 1 1 Poste A Sapatilha E1 = E2 = Energisa Sergipe, Energisa Borborema e Energisa Paraíba Energisa Minas Gerais e Energisa Nova Friburgo

87

88

89 LISTA DE MATERIAL Item Quantidade DT Descrição M-2 2 Alça Preform ada para Cabo de Aço A-2 3 Arruela Q uadrada de 38mm Var. Cabo de Aço 9,5mm ou 6,4mm (m) A-6 1 Chapa de Estai O-5 1 Conector de Derivação Adequado 1 Contra-Poste de Concreto F-32 2 Parafuso de Rosca Dupla M16 X Tam anho Adequado F-25 1 Porca Olhal P 1 Poste A-25 2 Sapatilha

90

91

92

93

94

95

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NDU-010 VERSÃO 3.1 JUNHO/2013 SUMÁRIO Item Descrição Classe Desenho 1. Haste de Aço-Cobre para Aterramento...

Leia mais

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS 1- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Convencional Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 13 2- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Compacta Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 2 de

Leia mais

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV ÍNDICE APRESENTAÇÃO....2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE... 3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-CONDUTORES...4 6-PROCEDIMENTOS...5 6.1- Afastamentos padronizados...5 6.2-Engastamento

Leia mais

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS 11 metros = 150 12 metros = 150 450 1000 máximo 11 metros = 850 12 metros = 1450 800 450 450 11 metros = 1700 12 metros = 1800 11 ou 12 metros 100 11 metros = 1300 12

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estrutura CE2H TR (2º Nível) Poste de Concreto de Seção Circular 7. Estrutura CE2H

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA NTD-14 NTD 14 MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA CONTROLE DE VERSÕES NTD-14 - MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Nº.: DATA VERSÃO 1 13/07/4 0 2 03/9 1 NTD 14 MONTAGEM

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES 3$'5 2'((6758785$6 '(/,1+$6(5('(6 PARTE 1 ASPECTOS GERAIS INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras ASPECTOS GERAIS PARTE

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO Página 1. OBJETIVO 4 2. APLICAÇÃO 4 3. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 5

Leia mais

PD-4.009. Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia

PD-4.009. Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia PD-4.009 Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia PD-4.009 Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV ELABORADO

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CABOS COBERTOS FIXADOS EM ESPAÇADORES APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CABOS COBERTOS FIXADOS EM ESPAÇADORES APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Amarrações SEÇÃO 6 Cruzamentos SEÇÃO 7 Conexões e Emendas SEÇÃO

Leia mais

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea ITEM DESCRIÇÃO QUANT. 1.00 REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.1 Cabo de alumínio com alma de aço (CAA), seção 4/0, diâmetro externo

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA DSEE 11/12/2014 DATA SUMÁRIO

Leia mais

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com Projeto Elétrico Padrão de Medição, fornecimento de energia em tensão primária 13.8kV, a partir da rede aérea de distribuição para atender Defensoria Pública do Estado da Paraíba. Responsavel Técnico:

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028 MONTAGEM DE S PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA, RURAL, COM CONDUTORES NUS - 13,8 E 34,5 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA INDICE 1- OBJETIVO...

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-17/09/2012 22/10/2012 ENGENHARIA E SISTEMAS TÉCNICOS (DTES-ES) APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI (DTES-ES) SUMÁRIO

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-31/10/2013 05/11/2013 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI DTES-ES SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO IX Referente ao Edital de Pregão Presencial nº. 002/2015 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Página 1 de 10 1. DO OBJETO 1.1. O presente pregão tem como objeto a AQUISIÇÃO DE ELETROFERRAGENS, de acordo com as

Leia mais

Conferência do Projeto

Conferência do Projeto 214-DPDORC4 22/4/214 1 de 5 12/2/214 1:3.7 CARACTERIZAÇÃO Data Projeto Nº Pedido Finalidade 16/7/213 Título Implantação de SE Descrição da Obra: Tipo da Obra: IMPLANTAÇÃO EXPANSÃO DA REDE ELÉTRICA (ALTA

Leia mais

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES A descrição das atividades tem como propósito facilitar o relacionamento entre a CONTRATANTE e a CONTRATADA, na medida em que visa

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2 NORMA TÉCNICA CELG Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição NTC-18 Revisão 2 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - REDE DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV REDE SUL / SUDESTE

RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - REDE DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV REDE SUL / SUDESTE RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV SUL / SUDESTE AFASTADOR, ARMACAO SECUNDARIA, ACO CARBONO 1010-1020, ZINCADO A QUENTE, DIMENSOES: 1000 X700 10002599 MM, 4 FUROS, NORMAS

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL EQUIPAMENTOS. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL EQUIPAMENTOS. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Banco Regulador de Tensão 6.1. Em Plataforma 6.1.1. Vista Lateral 6.1.2. Vista Frontal

Leia mais

Padrão de Entrada COELBA. Padrão de Entrada Monofásico

Padrão de Entrada COELBA. Padrão de Entrada Monofásico Padrão de Entrada COELBA Informações do site www.coelba.com.br Padrão de Entrada é o conjunto de instalações composto de caixa de medição, sistema de aterramento, condutores e outros acessórios indispensáveis

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título ESTRUTURAS PARA EQUIPAMENTOS

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título ESTRUTURAS PARA EQUIPAMENTOS APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Transformadores SEÇÃO 3 Chaves Tripolares SEÇÃO 4 Banco de Capacitores SEÇÃO 5 Religadores e Seccionalizadores SEÇÃO 6 Reguladores de Tensão 1 OBJETIVO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA REDES COMPACTAS

REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA REDES COMPACTAS REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA REDES COMPACTAS 3ª Edição Versão 1.0 Fevereiro/2012 1 Responsáveis Técnicos pela revisão: Fabiano Casanova Schurhaus Engenheiro Eletricista

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO Código: 0 RES nº 085/2012, Página 1 RES nº 085/2012, ÍNDICE CAPÍTULOS Página 1. OBJETIVO 4 2. APLICAÇÃO 4 3. CONCEITOS 5 4. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 6 4.1 Notas Gerais 6 4.2 Condutores e Edificações 7 4.3

Leia mais

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas de Transição Rede Compacta Rede Nua com Para-Raios 6.1. Estrutura CE3.N3

Leia mais

ADENDO 02. Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT.

ADENDO 02. Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT. DIRETORIA TÉCNICA DEPARTAMENTO COMERCIAL DIVISÃO DE MEDIÇÃO ADENDO 02 Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT. Florianópolis, agosto de 2005.

Leia mais

CONTRATAÇÃO DO MÊS DE MARÇO 2013

CONTRATAÇÃO DO MÊS DE MARÇO 2013 GÃO ELETRONICO 000/0 999/0 0/0/0 MESES ATÉ 0/0/ JOÃO DE BARRO COMÉRCIO E SERVIÇOS LTDA - ME FORNECIMENTO DE RECARGAS DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO GLP, EM RECIPIENTES (BOTIJAS) DE CAPACIDADE KG E 0KG.9,00.9,00

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE ITA - 006 Rev. 0 Setembro / 2003 Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE DOCUMENTO NORMATIVO CRITÉRIO DE PROJETO DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE Código Página Revisão Emissão CP 015 I 1 JAN/2004 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

SISTEMA DE DOCUMENTOS NORMATIVOS SUBSISTEMA DE NORMAS TÉCNICAS

SISTEMA DE DOCUMENTOS NORMATIVOS SUBSISTEMA DE NORMAS TÉCNICAS APRESENTAÇÃO...4 1 OBJETIVO...3 2 AMPLITUDE...3 3 RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4 CONCEITUAÇÃO...3 4.1 REDE DE DISTRIBUIÇÃO...3 4.2 REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA RDU...3 4.3 REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREAS PRIMÁRIAS COMPACTAS PROTEGIDAS

ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREAS PRIMÁRIAS COMPACTAS PROTEGIDAS DIRETORIA TÉCNICA - TE SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - TPE GERÊNCIA DE PADRONIZAÇÃO - TPPA Assunto: MONTAGEM ELETROMECÂNICA Título: ESTRUTURAS PARA REDES COMPACTAS PROTEGIDAS PT.RD.06.002

Leia mais

PD-4.003. Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia

PD-4.003. Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia PD-4.003 Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia Da Distribuição PD-4.003 Redes de Distribuição Aérea Urbana

Leia mais

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS NORMA TÉCNICA NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS Cuiabá Mato Grosso - Brasil INDICE 1 OBJETIVO...03

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA ENTRADA CLIENTE. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA ENTRADA CLIENTE. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Ramal de Entrada Subterrâneo 6.1. CE2H ES Poste de Concreto de Seção Circular 6.2.

Leia mais

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS 1000 (máximo) 1750 450 500 600 VISTA LATERAL 1800 12000 100 1000 150 7300 VISTA FRONTAL VISTA SUPERIOR (1) Sem escala. (2) Medidas em milímetros. (3) Deverá atender os

Leia mais

NTD-12 MONTAGEM DE REDES AÉREAS SECUNDÁRIAS ISOLADAS COM CABOS MULTIPLEXADOS

NTD-12 MONTAGEM DE REDES AÉREAS SECUNDÁRIAS ISOLADAS COM CABOS MULTIPLEXADOS NTD-1 APRESENTAÇÃO 4 1. OBJETIVO 5. AMPLITUDE 5 3. RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO 5 4. CONCEITUAÇÃO 5 4.1. REDE DE DISTRIBUIÇÃO 5 4.. REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA RDU 5 4.3. REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

NORMA TÉCNICA PADRÃO DE ESTRUTURAS DE REDE AÉREA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEX NTD-07

NORMA TÉCNICA PADRÃO DE ESTRUTURAS DE REDE AÉREA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEX NTD-07 NORMA TÉCNICA PADRÃO DE ESTRUTURAS DE REDE AÉREA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEX NTD-07 PÁG. APRESENTAÇÃO... 0/55. OBJETIVO... 0/55. AMPLITUDE... 0/55. RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO... 0/55 4.

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO COMPACTA (REDE COMPACTA SPACER CABLE) VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3

Leia mais

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica CEMAR NORMA DE PROCEDIMENTOS Função: Área: Processo: Código: Técnica Técnica Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica NP-12.306.02 Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Leia mais

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda.

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. NORMA PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA REDE DE DISTRIBUIÇÃO SECUNDÁRIA BT MULTIPLEXADA 1ª edição Versão 1.0 out/09 [Digite texto] MEDIDAS DE CONTROLE Revisão:

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO 44/81 3. Deverão ser afixadas, com parafusos, placas identificando as chaves-facas com os dizeres FONTE, CARGA e BY PASS ; 4. Todos os reguladores de tensão deverão ser solidamente conectados ao neutro

Leia mais

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS NORMA TÉCNICA NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS Cuiabá Mato Grosso - Brasil INDICE 1 OBJETIVO...03

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO 2ª EDIÇÃO ABRIL 2015 DIRETORIA DE DISTRIBUIÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS FICHA TÉCNICA Coordenação: José Cezar Nonato Participantes: Eleomar da Silva, José

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COMPACTA PROTEGIDA CLASSE 15 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA página APRESENTAÇÃO 1. OBJETIVO...03 2. CAMPO DE APLICAÇÃO...03

Leia mais

DOC. NT NT MONTAGEM DE REDES E LINHAS ÁREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. INDICE 1. OBJETIVO... 02 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...

DOC. NT NT MONTAGEM DE REDES E LINHAS ÁREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. INDICE 1. OBJETIVO... 02 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... REV. Página 1 de 149 INDICE Página 1. OBJETIVO... 02 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 02 3. NORMAS E/OU DOCUMEOS COMPLEMEARES... 03 4. CONDICÕES GERAIS... 05 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 06 SEÇÃO 5.1 POSTES E

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA, URBANA COM CABOS COBERTOS EM ESPAÇADORES CLASSE 15 kv página APRESENTAÇÃO 1. OBJETIVO...03 2.

Leia mais

SUMÁRIO. CÓDIGO: NTD DATA DE VIGÊNCIA: 02/05/2016 TÍTULO: Estruturas de Banco de Reguladores de Tensão VERSÃO NORMA: 1.

SUMÁRIO. CÓDIGO: NTD DATA DE VIGÊNCIA: 02/05/2016 TÍTULO: Estruturas de Banco de Reguladores de Tensão VERSÃO NORMA: 1. SUMÁRIO REGULADOR DE TENSÃO ESTRELA ATERRADO 23 kv...2 REGULADOR DE TENSÃO DELTA ABERTO 13,8 kv...7 REGULADOR DE TENSÃO DELTA FECHADO 13,8 kv... 11 ALTERAÇÕES... 15 Estruturas Instalações de Equipamentos

Leia mais

TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS

TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS ANEXO II 1. REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA (RDU) Os serviços de Melhoria e Ampliação de Rede de Distribuição Urbana executados conforme projeto executivo elaborado serão

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Norma Processo Planejar, Ampliar e Melhorar a Rede Elétrica Atividade Elabora Projetos e Orçamentos / Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.03-00.06 1ª Folha 1 DE 48 30/07/2013

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 2.0

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 2.0 NTD 2.0.07 REDES SECUNDÁRIAS ISOLADAS RSI PADRÕES BÁSICOS DE 5ª EDIÇÃO AGOSTO-2011 DIRETORIA DE ENGENHARIA SUPERINTENDENCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA 1/34 NORMA TÉCNICA

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Dados do cliente Proprietário: Roney Casagrande CPF: 765.425.990-53 Endereço: Estrada Pinhal da Serra, n 04452, Interior Cidade: Pinhal da Serra RS CEP: 95.390-000 Dados da

Leia mais

Acessórios Desconectáveis 200A

Acessórios Desconectáveis 200A 200A APLICAÇÃO Os Acessórios da Prysmian possuem uma concepção de projeto baseada no sistema plugue - tomada, porém para tensões, permitindo fácil conexão e desconexão de um cabo de potência, de um equipamento,

Leia mais

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV ÍNDICE APRESENTAÇÃO....2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE... 3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-CONDUTORES...4 6-PROCEDIMENTOS...5 6.1- Afastamentos padronizados...5 6.2-Engastamento

Leia mais

ANEXO II. MATERIAIS RDS ( Inclusive mão de obra, tributos e encargos necessários para execução)

ANEXO II. MATERIAIS RDS ( Inclusive mão de obra, tributos e encargos necessários para execução) ANEXO II PLANILHA ORÇAMENTÁRIA DE CUSTOS PROPONENTE: OBRA: PARQUE DE EVENTOS - ILUMINAÇÃO ( OBRAS DE EXTENSÃO DE REDE, ILUMINAÇÃO PÚBLICA E/OU ADEQUAÇÃO DE REDE ELÉTRICA) LOCAL: RUA ANTÔNIO AUGUSTO MENDES

Leia mais

Romagnole. Energia que transforma.

Romagnole. Energia que transforma. C at á lo g o d e f e r r ag e n s energia é o núcleo dos acontecimentos, a mãe das transformações, o berço do desenvolvimento. É o princípio e o meio para fins cada vez mais audaciosos, complexos e importantes

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0078 REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA TRIFÁSICA 13,8 E 34,5 KV NTD-016

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA TRIFÁSICA 13,8 E 34,5 KV NTD-016 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE...3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-PROCEDIMENTOS...5 5.1-Afastamentos padronizados na estrutura...5 5.2-Afastamentos

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011 Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/10/2011 18/10/2011 ELABORAÇÃO Marcelo Poltronieri SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL

PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL DOCUMENTO NORMATIVO Código PADRÃO DE ESTRUTURA PE - 031 Página I REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

Leia mais

ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO

ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO ANEXO III 1. ATIVIDADES DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA (FATORES BÁSICOS GLOBAIS) Poste a Instalar Completo: Corresponde à instalação de um poste equipado, podendo incluir

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO www.celesc.com.br PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA I-313.0002 PROCEDIMENTOS PARA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO - REDE ELÉTRICA

MEMORIAL DESCRITIVO - REDE ELÉTRICA MEMORIAL DESCRITIVO - REDE ELÉTRICA ÍNDICE 1 Descrição do Empreendimento 2 Normas Técnicas 3 Características Básicas da Rede Elétrica 4 Previsões de Cargas 5 Entrada de Energia em Baixa Tensão 6 Considerações

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior Projeto de Rede de Distribuição Aérea Multiplexada BT poste DT Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.03-00.008 11ª Folha 1

Leia mais

PADRÕES DE ESTRUTURA DE LAAT

PADRÕES DE ESTRUTURA DE LAAT PADRÕES DE ESTRUTURA DE LAAT PE-044 Padrão de LAAT Convencional sem Cabo Pára-raios PE-045 Padrão de LAAT Convencional com Cabo Pára-raios PE-046 Padrão de LAAT Compacta sem Cabo Pára-raios PE-047 Padrão

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DOP

DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DOP ANEXO IX GLOSSÁRIO 1. GLOSSÁRIO RELACIONADO À SEGURANÇA NO TRABALHO Acidente sem vítima: é aquele que provoca efeitos negativos ao patrimônio, tais como: Danos a equipamentos importantes do sistema elétrico

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-025/2013 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-025/2013 R-00 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE /2013 DECISÃO TÉCNICA /2013 R- PARA FORMAR UM BANCO TRIFÁSICO FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica apresenta critérios para instalação

Leia mais

Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS

Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS O que é? É um Dispositivo de Proteção contra Surtos Elétricos (DPS) para uso em redes de distribuição de energia elétrica de baixa

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES MEMORIAL DESCRITIVO DE IMPLANTAÇÃO Unidade de Educação Infantil Próinfância Tipo C 1. OBJETIVO: A presente especificação tem por objetivo estabelecer os critérios para a implantação da Unidade de Educação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO MATERIAL CÂMARA TRANSFORMADORA Unid. Quant. V. unit.r$ V. TotalR$ Placa de

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 003

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 003 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 00 MONTAGEM DE BANCO DE CAPACITORES SEM CONTROLE AUTOMÁTICO DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA 1. OBJETIVO Estabelecer a padronização da montagem de bancos de capacitores

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL - ESTRUTURAS BÁSICAS

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL - ESTRUTURAS BÁSICAS Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Termos e definições 6. Condições Gerais 7. Engastamento 7.1. Engastamento Simples 7.2. Engastamento F1

Leia mais

Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura

Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura Desenho da estrutura (detalhes) Lista de materiais para Arena V RODEIO NACIONALDE ELETRICISTAS Lista de Materias para Arena Item Descrição Quantidade

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior Projeto de Rede de Distribuição Aérea Compacta - 13,8kV Processo Planejar, Ampliar e Melhorar a Rede Elétrica Atividade Elaborar Projetos e Orçamentos / Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.03-00.05

Leia mais

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO Exigências Mínimas 1 Objetivo Estabelecer as condições mínimas para construção de postes de concreto armado ou concreto protendido, destinados à utilização em entradas de serviço de unidades consumidoras,

Leia mais

NORMA TÉCNICA. NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

NORMA TÉCNICA. NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv. Cuiabá Mato Grosso - Brasil NORMA TÉCNICA NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv Cuiabá Mato Grosso - Brasil APRESENTAÇÃO 1- OBJETIVO...04 2- CAMPO DE APLICAÇÃO...04

Leia mais

NORMA TÉCNICA MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA COM CONDUTORES NUS DE SISTEMAS TRIFÁSICOS DE MÉDIA TENSÃO.

NORMA TÉCNICA MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA COM CONDUTORES NUS DE SISTEMAS TRIFÁSICOS DE MÉDIA TENSÃO. NORMA TÉCNICA NTE 026 MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA COM CONDUTORES NUS DE SISTEMAS TRIFÁSICOS DE MÉDIA TENSÃO - 1,8 E 4,5 kv- Cuiabá Mato Grosso - Brasil NTE 026 11ª Edição GPS/NT 1/12/2012

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI 1 - NOME DO CURSO: Projetos de RDI / RDP: RDI: Redes de Distribuição Aéreas Isoladas; RDP: Redes de Distribuição Aéreas Protegidas (Compactas). 2 - ÁREA: Eletrotécnica Sub

Leia mais

CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES

CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES CÓDIGO ESP-I-GPC-01/13 VERSÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA R0 20/05/2013 CONTROLE DE REVISÃO

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA DE UNIDADES CONSUMIDORAS DE BAIXA TENSÃO E-321.0001

PADRONIZAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA DE UNIDADES CONSUMIDORAS DE BAIXA TENSÃO E-321.0001 PADRONIZAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA DE UNIDADES CONSUMIDORAS DE BAIXA TENSÃO E - 3 2 1. 0 0 0 1 N O V E M B R O 2 0 0 7 PADRONIZAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA DE UNIDADES CONSUMIDORAS DE BAIXA

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Condições Gerais 5. Requisitos Ambientais 6. Lançamento de Condutores 7. Fixação Definitiva do Condutor 8. Identificação de Fases

Leia mais

SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 4EN 2013/1 SOLIVAN ALTOÉ SISTEMA ELÉTRICO CONCEITOS BÁSICOS SISTEMA ELÉTRICO CONCEITOS BÁSICOS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Transmissão de energia elétrica A tensão elétrica

Leia mais

O SPDA Estrutural é uma solução tecnológica aperfeiçoada pela Termotécnica Para-raios, com o intuito de oferecer além de segurança, ganho estético

O SPDA Estrutural é uma solução tecnológica aperfeiçoada pela Termotécnica Para-raios, com o intuito de oferecer além de segurança, ganho estético O SPDA Estrutural é uma solução tecnológica aperfeiçoada pela Termotécnica Para-raios, com o intuito de oferecer além de segurança, ganho estético para as fachadas das edificações e redução de custos,

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Norma Processo Planejar, Ampliar e Melhorar a Rede Elétrica Atividade Elabora Projetos e Orçamentos / Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.03-00.06 2ª Folha 1 DE 48 12/08/2014

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO INSPEÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA E INFORMAÇÕES SOBRE AS DIMENSÕES DOS TRANSFORMADORES DE MEDIÇÃO

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO INSPEÇÃO DE SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA E INFORMAÇÕES SOBRE AS DIMENSÕES DOS TRANSFORMADORES DE MEDIÇÃO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO INSTRUÇÃO DE CÓDIGO TÍTULO VERSÃO IT.DT.PDN.03.14.011 INFORMAÇÕES SOBRE AS DIMENSÕES DOS 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3

Leia mais

R & R Projetos e Instalações Ltda ( MASTER Engenharia em Eletricidade)

R & R Projetos e Instalações Ltda ( MASTER Engenharia em Eletricidade) PROJETO ELÉTRICO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA BAHIA CEFET - BA MEMORIAL DESCRITIVO Este projeto visa a unificação de medição de média tensão, reforma da subestação II e instalação de alimentadores

Leia mais

REV. Página 1 de 14 DOC. IT CERON NORMA TÉCNICA DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE SISTEMAS N.º 002.11

REV. Página 1 de 14 DOC. IT CERON NORMA TÉCNICA DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE SISTEMAS N.º 002.11 . REV. Página de 4. OBJETIVO. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 6. INSPEÇÃO 7. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO . REV. Página de 4. OBJETIVO.. Esta norma

Leia mais

São identificadas pelas características inerentes aos sistemas de distribuição:

São identificadas pelas características inerentes aos sistemas de distribuição: Capítulo2 CHAVE-FUÍVEI PARA PROTEÇÃO DE ALIMENTADORE E TRANFORMADORE 2.1 Introdução Classicamente, os sistemas de distribuição primários, aéreos, trifásicos e aterrados, constituídos por condutores nus,

Leia mais