ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV"

Transcrição

1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO OBJETIVO AMPLITUDE RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO INSTRUÇÕES GERAIS CONDUTORES PROCEDIMENTOS Afastamentos padronizados Engastamento de postes Engastamento de estai de âncora em solo firme Engastamento de estai de âncora em rocha Montagem de estai primário de contra poste engastamento reforçado Estruturas primárias monofásicas padronizadas Estruturas primárias trifásicas padronizadas Fixação dos pára-raios no tanque do transformador Malha de aterramento Entrada de serviço posto de transformação trifásico Aterramento de cercas paralelas Aterramento de cercas transversais Aterramento de cercas próximas a malhas de terra de postos de transformação Tabelas de flechas de montagem Tabela de trações de montagem Gráficos pára definição de estruturas VIGÊNCIA PROVAÇÃO...84 EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 1 / 84

2 APRESENTAÇÃO Nesta Norma Técnica são apresentadas as instalações básicas padronizadas para montagem de redes primárias aéreas, trifásicas e monofásicas, para distribuição de energia elétrica em áreas rurais, empregando isoladores tipo pilar, cruzetas de concreto em postes de concreto tipo Duplo T. EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 2 / 84

3 1. OBJETIVO Estabelecer um padrão básico para montagem de redes de distribuição aérea rural, em sistemas trifásicos e monofásicos, com isoladores tipo pilar e cruzetas de concreto aplicados em postes de concreto tipo Duplo T, de modo a assegurar condições técnicas e econômicas favoráveis às instalações e a qualidade do serviço de energia elétrica. 2. AMPLITUDE Aplica-se à construção e extensão de redes de distribuição de energia elétricas aéreas trifásicas e monofásicas, localizadas em regiões com características rurais dentro da área de concessão da CELTINS, nas tensões nominais primárias de 7,9, 13,8, 19,9 e 34,5. 3. RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO Cabe às Superintendências e Coordenadores de Áreas zelar pelo cumprimento das prescrições desta Norma. 4. INSTRUÇÕES GERAIS 4.1. O presente padrão estabelece as instalações básicas. Eventualmente o projeto terá que alterar ou completar detalhes para atender casos particulares possíveis de acontecer numa construção Os desenhos apresentados mostram a montagem das estruturas em postes DT e com isoladores poliméricos, correspondentes à tensão de 34,5 KV, contudo, as relações de materiais contemplam também a tensão de 13,8 KV, opções de ancoragem ver item Para aplicação das estruturas constantes nesta norma devem ser consultados os ábacos e tabelas anexas, observando-se que por ocasião da construção é imperativa a aplicação de trações adequadas nos cabos, bem como, a checagem EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 3 / 84

4 das flechas, principalmente nos vãos que estão nos limites de aplicabilidade, conforme definidos nos ábacos para aplicação de estruturas Os condutores padronizados nesta Norma são os seguintes: 5. CONDUTORES CAA PARA S AÉREAS SEÇÃO (mm2) 39,19 62,44 125,08 DIÂMETRO (mm) 8,01 10,11 14,31 BITOLA/TIPO (AWG) 2 CAA 1/0 CAA 4/0 CAA 5.1. As distâncias dos condutores ao solo referem-se às alturas mínimas nas condições de flecha máxima (a 50ºC), para a fase fixada na estrutura com a menor cota em relação ao solo As conexões deverão ser feitas somente empregando-se conectores do tipo cunha A proteção de sobrecorrentes deverá ser feita conforme previsto na Norma Técnica da OTD A proteção contra sobretensões deverá ser feita através de pára raios de distribuição com desligador automático, invólucro e suporte poliméricos, de ZnO sem centelhadores e com as seguintes características elétricas básicas: Tensão nominal da rede (V) Tensão nominal do pára-raios (KV) Corrente nominal de descarga (ka) EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 4 / 84

5 5.5. O aterramento de transformadores, religadores, reguladores de tensão e outros equipamentos, deve ser feito através de malhas de terra definidas em projetos específicos de aterramento. Os valores máximos da resistência de aterramento dessas malhas, não devem ser superiores aos estabelecidos a seguir: Tensão nominal da rede (V) Transformadores Trifásicos, monofásicos e outros equipamentos / Ω / Ω 5.6. As ligações e conexões a terra nos postos de transformação, deverão ser feitas conforme mostrado no item 6.36 relativo à entrada de serviço para transformadores trifásicos e monofasicos O seccionamento e aterramentos de cercas de arame deverão ser feitos conforme previsto nos itens 6.37, 6.38 e PROCEDIMENTOS 6.1. Afastamentos padronizados ENTRE CONDUTORES DE CIRCUITOS DIFERENTES TENSÃO NOMINAL- E (V) DISTÂNCIA MÍNIMA (cm) CIRCUITO SUPERIOR CIRCUITO E < E < E INFERIOR COMUNICAÇÃO E < E E EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 5 / 84

6 NATUREZA DO LOGRADOURO TENSÃO NOMINAL- E (V) ENTRE CONDUTORES E O SOLO COMUNICAÇÃO E CABOS ATERRADOS DISTÂNCIA MÍNIMA (cm) E < E < E ÁREA RURAL A ÁREA RURAL B RODOVIAS 700/ / /800 FERROVIAS ENTRE CONDUTORES DE UM MESMO CIRCUITO TENSÃO NOMINAL- E (V) DISTÂNCIA VERTICAL MÍNIMA NA ESTRUTURA (cm) E 20 < E < E A Locais acessíveis exclusivamente a pedestres B Locais acessíveis a trânsito de veículos, travessias sobre estradas particulares Nota 1 Em ferrovias eletrificadas ou eletrificáveis, a distância mínima do condutor ao boleto dos trilhos é de 12 metros para 13,8 e 34,5 KV. EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 6 / 84

7 6.2- Engastamentos de postes Sentido do esforço L Solo socado em camadas de 20 cm e A B e B Placa de concreto e B e B 500 Areia lavada Ø "b" + 30 A A Ø "b" + 30 Concreto traço 1:3:5 Consultar nota 4 A 3 Ø "b" + 40 Concreto traço 1:3:5 Consultar nota 4 Ø "b" Ø "b" Ø "b" Ø "b" Ø "b" CORTE AB CORTE AB CORTE AB CORTE AB SIMPLES REFORÇADA CONCRETADA TUBULÃO Simples Reforçada Concretada Tubulão NOTAS: (1) Sem escala. (2) Medidas em centímetro. (3) A profundidade de engastamento simples ou reforçado será calculada para qualquer tipo de poste e = L ou e = L x 10% + 60 ONDE: e = Profundidade do engastamento L = Comprimento do Poste (4) Refere-se a 1 volume de cimento Portland, 3 de areia e 5 de pedra britada n 2; o tempo de cura nã o deve ser inferior a 12 dias. (5) Para evitar a aderência do concreto no poste (engastamento concretado), protegê-lo com plástico. (6) Poderá ser suprimida a base reforçada ou concretada, quando o solo for pedregoso, tipo matação, e que comprovadamente não irá ceder depois de aplicados os esforços. (7) Nas situações de solos instáveis como Argila muito mole, Areia muito fofa, Banhado, Turfa, Mangue e outros, a implantação de qualquer tipo de poste requererá maiores precauções na sua instalação, como: lançar mão de tubulões e concretagem ou a recomposição do solo, substituindo-o por um de maior resistência. EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 7 / 84

8 6.3. Engastamento de estai ancora em solo firme ESTAI DE ANCORA EM SOLO FIRME H Haste de ancora 16 x 2400mm 1 L Placa de concreto armado 200x100xmm 1 M Sapatilha para cabo aço 2 N1 Alça preformada para estai cabo aço 2 Y1 Nota 01 Cordoalha de aço V Parafuso cabeça quadrada 1 H 134 Arruela Quadrada 2 Nota 1 Material depende da aplicação V = quantidade variável EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 8 / 84

9 6.4. Engastamento de estai ancora em rocha Terra compactada 10 mínimo H3 45 M1 N1 Ver observação 2 Solo não atingido pela Escavação 50 mínimo Rocha Concreto - traço 1:1,5 (Ver obs. 3) 5 Ver observação -4 Observação 1- Medidas em centímetros 2 -A parte dobrada da haste de âncora, deverá ser engastada no concreto a uma profundidade mínima de 10 cm 3- Refere-se a um volume de cimento e 1,5 de areia 4- A haste deve ser instalada com 2 porcas, para garantir que todos os filetes da rosca da porca absorvam os esforços aplicados à haste. ESTAI DE ANCORA EM ROCHA H Haste de ancora 2400mm 1 M Sapatilha para cabo aço 2 N1 Alça preformada para estai cabo aço 2 Y1 Nota 01 Cordoalha de aço V Parafuso cabeça quadrada 1 Areia V cimento V Nota 1 Material depende da aplicação V = quantidade variável EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 9 / 84

10 6.5. Montagem de estai primário de contra-poste com engastamento reforçado. ESTAI CONTRA POSTE ENGASTAMENTO REFORÇADO L Placa de concreto armado 1 M Sapatilha para cabo aço 2 N1 Alça preformada para estai cabo aço 2 Y1 Nota 01 Cordoalha de aço V Parafuso cabeça quadrada 2 H Chapa para estai 1 H 134 Arruela Quadrada 2 O Olhal para parafuso 1 EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 10 / 84

11 6.6 Estrutura primaria monofásicas padrão EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 11 / 84

12 6.6 Estrutura primaria trifasica padrão EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 12 / 84

13 6.7 Tipos de isolação para ancoragem EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 13 / 84

14 6.8 Estrutura U1 10 J D, E F2, F3, F4 A A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS.: Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 14 / 84

15 MONTAGEM DA ESTRUTURA U1 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 D Isolador pilar (rosca diam. m 16) 110 kv 1 E Isolador pilar (rosca diam. m 16) 170 kv 1 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) F Pino auto-travante m16x200 mm para isolador pilar F Pino auto-travante m16x250 mm para isolador pilar CONDUTOR AMARRAÇÃO DO CONDUTOR BITOLA 2- AWG CAA 1/0 AWG CAA J Nota 1 Laço pré-formado simples lateral Nota 1 Material depende da aplicação 4/0 AWG CAA EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 15 / 84

16 6.9 Estrutura U2 10 D, E F2, F3, F4 J A A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS.: Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 16 / 84

17 MONTAGEM DA ESTRUTURA U2 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 D Isolador pilar (rosca diam. m16) 110 kv 1 E Isolador pilar (rosca diam. m16) 170 kv 1 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) F Pino auto-travante m16x200 mm para isolador pilar F Pino auto-travante m16x250 mm para isolador pilar CONDUTOR AMARRAÇÃO DO CONDUTOR BITOLA 2- AWG CAA 1/0 AWG CAA J Nota 1 Laço pré-formado simples topo /0 AWG CAA Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 17 / 84

18 6.10 Estrutura UT-1 D, E I F1 A1 15 G2, G3, G4, G5 A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS.: Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 18 / 84

19 MONTAGEM DA ESTRUTURA UT1 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 D Isolador pilar (rosca diam. m16) 110 kv 1 E Isolador pilar (rosca diam. m16) 170 kv 1 A Suporte para isolador tipo pilar 1 1 F Pino auto-travante m16x38 mm para isolador pilar 1 1 H 134 Arruela quadrada 2 2 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm 2 2 G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm CONDUTOR AMARRAÇÃO DO CONDUTOR BITOLA 2- AWG CAA 1/0 AWG CAA I Nota 1 Laço pré-formado de topo Nota 1 Material depende da aplicação 4/0 AWG CAA EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 19 / 84

20 6.11 Estrutura U3 20 N M P Q G2, G3, G4, G5 A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS.: Medidas em centimetos EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 20 / 84

21 MONTAGEM DA ESTRUTURA U3 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 O Olhal para parafuso 1 1 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 1 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 1 Q Gancho Olhal 1 1 H 134 Arruela quadrada 1 1 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm AMARRAÇÃO DO CONDUTOR 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça preformada Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 21 / 84

22 6.12 Estrutura U O Q P M N D, E A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS: Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 22 / 84

23 MONTAGEM DA ESTRUTURA U4 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 D Isolador pilar (rosca diam. m16) 110 kv 1 E Isolador pilar (rosca diam. m16) 170 kv 1 O Olhal para parafuso 2 2 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 2 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 2 Q Gancho Olhal 2 2 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm F Pino auto-travante m16x200 mm para isolador pilar F Pino auto-travante m16x250 mm para isolador pilar AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÃO 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça preformada I Nota 1 Laço pré-formado de lateral X Nota 1 Conector derivação tipo cunha V Nota 1 Cartucho para conector cunha Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 23 / 84

24 6.13 Estrutura U4 -Cfu CARGA FONTE N M P O Q 100 S, S1 A6, A7 A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS. : Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 24 / 84

25 MONTAGEM DA ESTRUTURA U4-Cfu PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 O Olhal para parafuso 2 2 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 2 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 2 Q Gancho Olhal 2 2 S Chave fusível tipo C- 15 kv 1 S Chave fusível tipo C- 36,2 kv 1 A Suporte T 1 1 Nota 1 Elo fusível tipo K In adequada 1 1 H 134 Arruela quadrada 2 2 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÃO 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pre-formada Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 25 / 84

26 6.14 Estrutura U4-CR CARGA FONTE M O, Q N P A B C D, E S3 G A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL K2, K3 D, E B G1, H F 40 CORTE AB OBS. : Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 26 / 84

27 MONTAGEM DA ESTRUTURA U4-CR PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto 250 dan retangular 1 1 O Olhal para parafuso 2 2 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 2 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 2 D Isolador pilar (rosca diam. m16) 110 kv 1 E Isolador Pilar (rosca diam. m16) Kv 1 F Pino auto-travante 140 mm para isolador pilar 1 1 Q Gancho Olhal 2 2 S Chave fusível religadora tipo C- 15 kv 1 S Chave fusível religadora tipo C- 36,2 kv 1 C Mão francesa plana de 619 mm 2 2 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 2 2 Nota 1 Elo fusível tipo K In adequada 3 3 H 134 Arruela quadrada 5 5 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm G Parafuso de cabeça quadrada de 350 mm CONDUTOR AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÃO BITOLA 2- AWG CAA 1/0 AWG CAA M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pre-formada I Nota 1 Laço pré-formado de topo Nota 1 - Material depende da aplicação 4/0 AWG CAA EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 27 / 84

28 6.15 Estrutura U4-FC CARGA FONTE N M P O Q B W, W2 C A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS. : Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 28 / 84

29 MONTAGEM DA ESTRUTURA U4-CF PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto 250 dan retangular 2 2 O Olhal para parafuso 2 2 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 2 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 2 Q Gancho Olhal 2 2 w 653 Chave seccionadora tipo faca 15 KV 1 W Chave seccionadora tipo faca 36,2 KV 1 C Mão francesa plana de 619 mm 2 2 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 2 2 H 134 Arruela quadrada 5 5 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm G Parafuso de cabeça quadrada de 350 mm CONDUTOR AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÃO BITOLA 2- AWG CAA 1/0 AWG CAA M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pre-formada U 5626 Terminal barra tipo espada 4/ U Nota 1 Conector tipo cunha V Nota 1 Cartucho para conector cunha Nota 1 - Material depende da aplicação 4/0 AWG CAA EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 29 / 84

30 6.16 Estrutura U3-U3 G2, G3, G4, G5 100 Q P M N A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS.: Medidas em centimetos EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 30 / 84

31 MONTAGEM DA ESTRUTURA U3-U3 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 O Olhal para parafuso 2 2 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 2 Q Gancho Olhal 2 2 H 134 Arruela quadrada 2 2 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÃO 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formado V Nota 1 Cartucho para conector cunha Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 31 / 84

32 6.17 Estrutura U3-T 100 (máximo) G2 Q N 20 P M T T 160 P1, P2 G2 A VISTA LATERAL VISTA FRONTAL EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 32 / 84

33 MONTAGEM DA ESTRUTURA U3-T PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 T3 Nota 1 Transformador monofásico - MRT- Tens. Secundária 440/220 V 1 1 H 134 Arruela quadrada 3 3 O Olhal para parafuso 1 1 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 1 p Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 1 Q Gancho olhal 1 1 P Pára-raios de distribuição- 12 kv polimérico 10 ka, 1 P Pára-raios de distribuição 30 kv- polimérico - 10 ka 1 C Armação secundária de 1 estribo 1 1 C Isolador roldana-porcelana 1 1 POSTE FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm K Parafuso de cabeça quadrada de 350 mm AMARRAÇÕES CONEXÕES ATERRAMENTO 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA Z Cabo de aço galvanizado 6,4 mm V V V Z Cabo de cobre flexível isolado 10 mm² 1 m 1 m 1 m T Conector derivação para linha viva U Nota 1 Conector derivação cunha tipo estribo normal U Conector derivação tipo cunha-amp-tipo II, ou similar M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formada H Haste de aterramento de aço-cobre - 5/8" por 2400 mm V V V R Conector ater. tipo cunha cabo-haste haste 14,3mm cabo 6 a 16 mm² V V V Z Arame de aço galvanizado n.º 14 BWG (m) E Eletroduto flexível de pvc - 12 mm (1/2") (m) Nota 1 Material depende da aplicação V = Quantidade variável EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 33 / 84

34 6.18 Estrutura U1-T (máximo) D,E T D,E F1 G2 A1 G2 S, S P1, P2 G2 A A VISTA LATERAL VISTA FRONTAL EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 34 / 84

35 MONTAGEM DA ESTRUTURA U1-T PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 T3 Nota 1 Transformador monofásico - MRT- Tens. Secundária 440/220 V 1 1 H 134 Arruela quadrada 6 6 O Olhal para parafuso 1 1 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 1 p Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 1 Q Gancho olhal 1 1 P Pára-raios de distribuição- 12 kv polimérico 10 ka, 1 P Pára-raios de distribuição 30 kv- polimérico - 10 ka 1 C Armação secundária de 1 estribo 1 1 C Isolador roldana-porcelana 1 1 A Suporte T 1 1 POSTE FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm K Parafuso de cabeça quadrada de 350 mm AMARRAÇÕES CONEXÕES ATERRAMENTO 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA Z Cabo de aço galvanizado 6,4 mm V V V Z Cabo de cobre flexível isolado 10 mm² 1 m 1 m 1 m T Conector derivação para linha viva U Nota 1 Conector derivação cunha tipo estribo normal U Conector derivação tipo cunha-amp-tipo II, ou similar M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formada H Haste de aterramento de aço-cobre - 5/8" por 2400 mm V V V R Conector ater. tipo cunha cabo-haste haste 14,3mm cabo 6 a 16 mm² V V V Z Arame de aço galvanizado n.º 14 BWG (m) E Eletroduto flexível de pvc - 12 mm (1/2") (m) Nota 1 Material depende da aplicação V = Quantidade variável EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 35 / 84

36 6.19 Estrutura U3 -T-F (máximo) Q N M 550 T P S, S P1, P2 G2 A A VISTA LATERAL VISTA FRONTAL EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 36 / 84

37 MONTAGEM DA ESTRUTURA U3-T-F PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 T3 Nota 1 Transformador monofásico - MRT- Tens. Secundária 440/220 V 1 1 H 134 Arruela quadrada 3 3 O Olhal para parafuso 1 1 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 1 p Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 1 Q Gancho olhal 1 1 P Pára-raios de distribuição- 12 kv polimérico 10 ka, 1 P Pára-raios de distribuição 30 kv- polimérico - 10 ka 1 C Armação secundária de 1 estribo 1 1 C Isolador roldana-porcelana 1 1 A Suporte T 1 1 POSTE FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm K Parafuso de cabeça quadrada de 350 mm AMARRAÇÕES CONEXÕES ATERRAMENTO 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA Z Cabo de aço galvanizado 6,4 mm V V V Z Cabo de cobre flexível isolado 10 mm² 1 m 1 m 1 m T Conector derivação para linha viva U Nota 1 Conector derivação cunha tipo estribo normal U Conector derivação tipo cunha-amp-tipo II, ou similar M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formada H Haste de aterramento de aço-cobre - 5/8" por 2400 mm V V V R Conector ater. tipo cunha cabo-haste haste 14,3mm cabo 6 a 16 mm² V V V Z Arame de aço galvanizado n.º 14 BWG (m) E Eletroduto flexível de pvc - 12 mm (1/2") (m) Nota 1 Material depende da aplicação V = Quantidade variável EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 37 / 84

38 6.20 Estrutura N D, E CARGA I FONTE 40 B F C G1, G2, G3, G4 VISTA FRONTAL VISTA LATERAL G B VISTA SUPERIOR OBS.: Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 38 / 84

39 MONTAGEM DA ESTRUTURA N1 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8 34,5 A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto ( 90x90x2000mm) 250 dan 1 1 C Mão francesa plana de 619 mm 2 2 D Isolador pilar (rosca diam m16x2) 110 KV 3 E Isolador pilar (rosca diam m16x2) 170 KV 3 F Pino auto-travante 140 mm (rosca superior diam. m16x2) 3 3 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 2 2 H 134 Arruela quadrada 5 5 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm CONDUTOR AMARRAÇÃO DO CONDUTOR 2- AWG BITOLA CAA 1/0 AWG CAA 4/0 AWG CAA I Nota 1 Laço pré-formado de topo J Nota 1 Laço pré-formado simples lateral Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 39 / 84

40 6.21 Estrutura N O Q P M N 40 H, G C G1, G2, G3, G4 VISTA FRONTAL VISTA LATERAL B K1, K2 VISTA SUPERIOR OBS. : Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 40 / 84

41 MONTAGEM DA ESTRUTURA N3 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8 34,5 A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto ( 90x90x2000mm) 250 dan 2 2 C Mão francesa plana de 619 mm 4 4 O Olhal para parafuso 3 3 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 3 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 3 Q Gancho Olhal 3 3 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 4 4 H 134 Arruela quadrada FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm K Parafuso de rosca dupla de 400 mm K Parafuso de rosca dupla de 450 mm AMARRAÇÃO DO CONDUTOR 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formado Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 41 / 84

42 6.22 Estrutura N D, E I B 40 F C P M G3 VISTA FRONTAL VISTA LATERAL G, H K1, K2 VISTA SUPERIOR OBS.: Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 42 / 84

43 MONTAGEM DA ESTRUTURA N4 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8 34,5 A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto ( 90x90x2000mm) 250 dan 2 2 C Mão francesa plana de 619 mm 4 4 O Olhal para parafuso 6 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 6 Q Gancho Olhal 6 6 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 4 4 H 134 Arruela quadrada 8 8 D Isolador pilar (rosca diam m16x2) 110 KV 3 E Isolador pilar (rosca diam m16x2) 170 KV 3 F Pino auto-travante 140 mm (rosca superior diam. m16x2) 3 3 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm K Parafuso de rosca dupla de 400 mm K Parafuso de rosca dupla de 450 mm AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÃO 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formada I Nota 1 Laço pré-formado de topo X Nota 1 Conector derivação tipo cunha X1 Nota 1 Cartucho para conector Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 43 / 84

44 6.23 Estrutura LE D, E X I G2 F1 A A C B Q M VISTA FRONTAL VISTA LATERAL VISTA SUPERIOR OBS.: Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 44 / 84

45 MONTAGEM DA ESTRUTURA LE PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8 34,5 A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto ( 90x90x2000mm) 250 dan 2 2 C Mão francesa plana de 619 mm 4 4 O Olhal para parafuso 6 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 6 Q Gancho Olhal 6 6 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 4 4 A Suporte para isolador tipo pilar 1 1 H 134 Arruela quadrada 8 8 D Isolador pilar (rosca diam m16x2) 110 KV 3 E Isolador pilar (rosca diam m16x2) 170 KV 3 F Pino auto-travante m16x38 mm para isolador pilar 1 1 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm K Parafuso de rosca dupla de 400 mm K Parafuso de rosca dupla de 450 mm 3 3 AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÃO 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formada I Nota 1 Laço pré-formado de topo Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 45 / 84

46 6.24 Estrutura P FASE B (S) D,E ~ 110 (34,5 KV) ~ 80 (13,8 KV) F2, F3 FASE C (T) FONTE A J CARGA FASE A (R) 20 ~ 110 (34,5 KV) ~ 80 (13,8 KV) VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS. : Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 46 / 84

47 MONTAGEM DA ESTRUTURA P1 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 D Isolador pilar (rosca diam. m16) 110 kv 3 E Isolador pilar (rosca diam. m16) 170 kv 3 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) F Pino auto-travante 200 mm para isolador pilar F Pino auto-travante 250 mm para isolador pilar CONDUTOR AMARRAÇÃO DO CONDUTOR BITOLA 2- AWG CAA 1/0 AWG CAA J Nota 1 Laço pré-formado simples lateral Nota 1 Material depende da aplicação 4/0 AWG CAA EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 47 / 84

48 6.25 Estrutura PT - 1 ~ 95 (34,5 KV) ~ 72 (13,8 KV) FONTE A1 F1 CARGA FASE B (S) D,E 20 F2, F3 FASE C (T) ~ 95 (34,5 KV) ~ 72 (13,8 KV) A 20 J VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS. : Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 48 / 84

49 MONTAGEM DA ESTRUTURA PT- 1 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 D Isolador pilar (rosca diam. m16) 110 kv 3 E Isolador pilar (rosca diam. m16) 170 kv 3 A Suporte para isolador tipo pilar 1 1 F Pino auto-travante m16x38 mm para isolador pilar 1 1 H 134 Arruela quadrada 2 2 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) F Pino auto-travante 200 mm para isolador pilar F Pino auto-travante 250 mm para isolador pilar G Parafuso de cabeça quadrada- 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm 2 2 G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm CONDUTOR AMARRAÇÃO DO CONDUTOR BITOLA 2- AWG CAA 1/0 AWG CAA 4/0 AWG CAA J Nota 1 Laço pré-formado simples lateral I Nota 1 Laço pré-formado de topo Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 49 / 84

50 6.26 Estrutura PTA - 1 FASE B (S) CARGA FONTE ~ 34,5 KV120 ~ 13,8 KV100 D, E F1 A1 I G3, G4, G5 FASE A (R) FASE C (T) 20 J ~ 34,5 KV 120 ~ 13,8 KV 100 VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS. : Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 50 / 84

51 MONTAGEM DA ESTRUTURA PTA-1 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT ou Circular 1 1 D Isolador pilar (rosca diam. m16) 110 kv 3 E Isolador pilar (rosca diam. m16) 170 kv 3 A Suporte para isolador tipo pilar 1 1 F Pino auto-travante m16x38 mm para isolador pilar 3 3 A Afastador para isolador pilar 2 2 H 134 Arruela quadrada 2 2 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada- 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm 2 2 G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm G Parafuso de cabeça quadrada de 350 mm CONDUTOR AMARRAÇÃO DO CONDUTOR BITOLA 2- AWG CAA 1/0 AWG CAA 4/0 AWG CAA J Nota 1 Laço pré-formado simples lateral I Nota 1 Laço pré-formado de topo Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 51 / 84

52 Estrutura N3-N3 I B FONTE C A 105 D, E B CARGA 40 Q M P VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS. : Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 52 / 84

53 MONTAGEM DA ESTRUTURA N3- N3 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8 34,5 A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto ( 90x90x2000mm) 250 dan 4 4 C Mão francesa plana de 619 mm 8 8 O Olhal para parafuso 6 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 6 Q Gancho Olhal 6 6 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 8 8 H 134 Arruela quadrada D Isolador pilar (rosca diam m16x2) 110 KV 2 E Isolador pilar (rosca diam m16x2) 170 KV 2 F Pino auto-travante 140 mm (rosca superior diam. m16x2) 2 2 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm 2 K Parafuso de rosca dupla de 400 mm K Parafuso de rosca dupla de 450 mm K Parafuso de rosca dupla de 500 mm 3 3 AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÕES 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA I Nota 1 Laço pré-formado de topo M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formada Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 53 / 84

54 6.28 Estrutura N4-F CARGA FONTE N M P Q O 40 K1 100 A B B I C G2 S1, S A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL D, E G1, H F OBS. : Medidas em centimetros CORTE AB EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 54 / 84

55 MONTAGEM DA ESTRUTURA N4 - F PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8 34,5 A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto ( 90x90x2000mm) 250 dan 3 3 C Mão francesa plana de 619 mm 6 6 O Olhal para parafuso 6 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 6 Q Gancho Olhal 6 6 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 6 6 H 134 Arruela quadrada D Isolador pilar (rosca diam m16x2) 110 KV 3 E Isolador pilar (rosca diam m16x2) 170 KV 3 F Pino auto-travante 140 mm (rosca superior diam. m16x2) 3 3 S Chave fusível tipo C- 15 KV 10 ka 3 S Chave fusível tipo C- 36,2 KV 4 ka 3 Nota 1 Elo fusível tipo K In adequada 3 3 POSTE FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm K Parafuso de rosca dupla de 400 mm K Parafuso de rosca dupla de 450 mm K Parafuso de rosca dupla de 500 mm 3 3 AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÕES 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA I Nota 1 Laço pré-formado de topo M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formada Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 55 / 84

56 6.29 Estrutura N4 - FR B N CARGA M Q O P FONTE 80 C A B O1 I S3 A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL D, E B OBS.: Medidas em centimetros CORTE AB EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 56 / 84

57 MONTAGEM DA ESTRUTURA N4 - FR PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto 250 dan retangular 4 4 C Mão francesa plana de 619 mm 8 8 O Olhal para parafuso 6 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 6 Q Gancho Olhal 6 6 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 7 7 H 134 Arruela quadrada D Isolador pilar (rosca diam. m16) 110 kv 1 E Isolador Pilar (rosca diam. m16) Kv 1 F Pino auto-travante 140 mm para isolador pilar 1 1 S Chave fusível religadora tipo C- 15 KV 3 S Chave fusível religadora tipo C- 36,2 KV 3 Nota 1 Elo fusível tipo k In adequada 9 9 O Espaçador de isoladores 4 4 POSTE FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm K Parafuso de rosca dupla de 400 mm K Parafuso de rosca dupla de 450 mm K Parafuso de rosca dupla de 500 mm K Parafuso de rosca dupla de 550 mm AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÕES 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA I Nota 1 Laço pré-formado de topo M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formada Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 57 / 84

58 6.30 Estrutura primaria N4 - FC B FONTE Q M CARGA 40 C W1, W2 P W1, W2 Q A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL H, G O A N VISTA SUPERIOR OBS.: Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 58 / 84

59 MONTAGEM DA ESTRUTURA N4 - FC PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8 34,5 A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto ( 90x90x2000mm) 250 dan 2 2 C Mão francesa plana de 619 mm 4 4 O Olhal para parafuso 6 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 6 Q Gancho Olhal 6 6 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 2 2 H 134 Arruela quadrada 6 6 W 653 Chave seccionadora tipo faca unipolar 15 KV A 3 W Chave seccionadora tipo faca unipolar 36,2 KV 400 A 3 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm K Parafuso de rosca dupla de 400 mm K Parafuso de rosca dupla de 450 mm AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÃO 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA M 1662 Manilha sapatilha Q terminal barra tipo espada 4/0 6 N Nota 1 Alça pre-formada X Nota 1 Conector tipo cunha Nota 1 Cartucho para conector Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 59 / 84

60 6.31 Estrutura N1 N3 F VISTA FRONTAL D, E O Q P M N CARGA S1, S2 VISTA LATERAL EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 60 / 84

61 MONTAGEM DA ESTRUTURA N1- N3 - CFU PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8 34,5 A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto ( 90x90x2000mm) 250 dan 3 3 C Mão francesa plana de 619 mm 6 6 O Olhal para parafuso 3 3 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 3 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 3 Q Gancho Olhal 3 3 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 6 6 H 134 Arruela quadrada D Isolador pilar (rosca diam m16x2) 110 KV 4 E Isolador pilar (rosca diam m16x2) 170 KV 4 F Pino auto-travante 140 mm (rosca superior diam. m16x2) 4 4 S Chave fusível tipo C- 15 KV 10 ka 3 S Chave fusível tipo C- 36,2 KV 4 ka 3 Nota 1 Elo fusível tipo tipo K In adequada 3 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm 2 2 K Parafuso de rosca dupla de 400 mm K Parafuso de rosca dupla de 450 mm 3 3 K Parafuso de rosca dupla de 500 mm CONDUTOR AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÃO 2- AWG BITOLA CAA 1/0 AWG CAA 4/0 AWG CAA 336,4 MCM CA I Nota 1 Laço pré-formado de topo J Nota 1 Laço pré-formado simples lateral M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formada T Conector derivação para linha viva U Nota 1 Conector derivação cunha tipo estribo normal V Nota 1 Cartucho para conector cunha Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 61 / 84

62 Estrutura HTE D,E F1 A1 O M1 N1 N1 G2, G3 A O Q P M 0038 N OBS. : Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 62 / 84

63 MONTAGEM DA ESTRUTURA HTE PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 3 3 D Isolador pilar (rosca diam. m16) 110 kv 3 E Isolador pilar (rosca diam. m16) 170 kv 3 A Suporte para isolador tipo pilar 3 3 F Pino auto-travante m16x38 mm para isolador pilar 3 3 O Olhal para parafuso P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 6 Q Gancho Olhal 6 6 H 134 Arruela quadrada 3 3 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÃO 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça preformada I Nota 1 Laço pré-formado de topo X Nota 1 Conector derivação tipo cunha M Sapatilha para cabo de aço N Alça pre-formada para cabo de aço de 7,9 mm Y Cordoalha de aço 7,9 mm V1 Nota 1 Cartucho para conector cunha Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 63 / 84

64 Estrutura N3 -T 200 Q P M 40 T U 160 P1, P2 VISTA FRONTAL A OBS.: Medidas em centimetros VISTA FRONTAL EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 64 / 84

65 MONTAGEM DA ESTRUTURA N3-T PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto 90x90x2000mm 250 dan 2 2 C Mão francesa plana de 619 mm 4 4 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 4 4 H 134 Arruela quadrada 9 9 O Olhal para parafuso 3 3 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 3 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 3 Q Gancho olhal 3 3 P Pára-raios de distribuição- 12 KV polimérico 10 ka, 3 P Pára-raios de distribuição 30 KV- polimérico - 10 ka 3 C Armação secundária de 1 estribo 1 1 C Isolador roldana- porcelana 1 1 W1 Nota 1 Suporte de transformador em poste DT 2 2 POSTE FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm K Parafuso de cabeça quadrada de 350 mm K Parafuso de rosca dupla de 400 mm K Parafuso de rosca dupla de 450 mm AMARRAÇÕES CONEXÕES - ATERRAMENTO 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA Z Cordoalha de aço galvanizado 6,4 mm (m) V V V Z Cabo de cobre flexível isolado 10 mm² 2 m 2 m 2 m U Conector derivação tipo cunha-amp-tipo II, ou similar H Haste de aterramento de aço-cobre - 5/8" por 2400 mm V V V R Conector ater. tipo cunha cabo-haste haste 14,3mm cabo 6 a 16 mm² V V V E Eletroduto de pvc - 12 mm (1/2") (m) M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formada Nota 1 Material depende da aplicação V = Quantidade variável EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 65 / 84

66 6.34 Fixação de pára-raios no tanque do transformador EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 66 / 84

67 6.35 Malha de aterramento EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 67 / 84

68 6.36 Entrada de serviço postos de transformação até 75 KVA EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 68 / 84

69 Aterramento de cercas paralelas à rede de distribuição EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 69 / 84

70 Aterramento de cerca transversal à rede de distribuição EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 70 / 84

71 Aterramento de cerca próximo a malhas de terra EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 71 / 84

72 6.40 Tabela de fechas de montagem EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 72 / 84

73 Tabelas de tração de montagem TABELA DE TRAÇÕES DE MONTAGEM PARA S RURAIS RDR (dan) CABO 2 AWG - CAA TEMP. º C Vãos (m) TEMP. º C Vãos (m) EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 73 / 84

74 TABELA DE TRAÇÕES DE MONTAGEM PARA S RURAIS RDR (dan) CABO 1/0 AWG - CAA TEMP. º C Vãos (m) TEMP. º C Vãos (m) EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 09 FOLHA : 74 / 84

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA NTD-14 NTD 14 MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA CONTROLE DE VERSÕES NTD-14 - MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Nº.: DATA VERSÃO 1 13/07/4 0 2 03/9 1 NTD 14 MONTAGEM

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028 MONTAGEM DE S PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA, RURAL, COM CONDUTORES NUS - 13,8 E 34,5 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA INDICE 1- OBJETIVO...

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV ÍNDICE APRESENTAÇÃO....2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE... 3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-CONDUTORES...4 6-PROCEDIMENTOS...5 6.1- Afastamentos padronizados...5 6.2-Engastamento

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ASPECTOS GERAIS... 2 3. EXCEÇÕES... 2 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS 11 metros = 150 12 metros = 150 450 1000 máximo 11 metros = 850 12 metros = 1450 800 450 450 11 metros = 1700 12 metros = 1800 11 ou 12 metros 100 11 metros = 1300 12

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NDU-010 VERSÃO 3.1 JUNHO/2013 SUMÁRIO Item Descrição Classe Desenho 1. Haste de Aço-Cobre para Aterramento...

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA TRIFÁSICA 13,8 E 34,5 KV NTD-016

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA TRIFÁSICA 13,8 E 34,5 KV NTD-016 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE...3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-PROCEDIMENTOS...5 5.1-Afastamentos padronizados na estrutura...5 5.2-Afastamentos

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA DSEE 11/12/2014 DATA SUMÁRIO

Leia mais

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES 3$'5 2'((6758785$6 '(/,1+$6(5('(6 PARTE 1 ASPECTOS GERAIS INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras ASPECTOS GERAIS PARTE

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estrutura CE2H TR (2º Nível) Poste de Concreto de Seção Circular 7. Estrutura CE2H

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS 1- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Convencional Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 13 2- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Compacta Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 2 de

Leia mais

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea ITEM DESCRIÇÃO QUANT. 1.00 REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.1 Cabo de alumínio com alma de aço (CAA), seção 4/0, diâmetro externo

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA, URBANA COM CABOS COBERTOS EM ESPAÇADORES CLASSE 15 kv página APRESENTAÇÃO 1. OBJETIVO...03 2.

Leia mais

RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - REDE DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV REDE SUL / SUDESTE

RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - REDE DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV REDE SUL / SUDESTE RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV SUL / SUDESTE AFASTADOR, ARMACAO SECUNDARIA, ACO CARBONO 1010-1020, ZINCADO A QUENTE, DIMENSOES: 1000 X700 10002599 MM, 4 FUROS, NORMAS

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO Página 1. OBJETIVO 4 2. APLICAÇÃO 4 3. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 5

Leia mais

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica CEMAR NORMA DE PROCEDIMENTOS Função: Área: Processo: Código: Técnica Técnica Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica NP-12.306.02 Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CABOS COBERTOS FIXADOS EM ESPAÇADORES APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CABOS COBERTOS FIXADOS EM ESPAÇADORES APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Amarrações SEÇÃO 6 Cruzamentos SEÇÃO 7 Conexões e Emendas SEÇÃO

Leia mais

PD-4.009. Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia

PD-4.009. Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia PD-4.009 Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia PD-4.009 Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV ELABORADO

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COMPACTA PROTEGIDA CLASSE 15 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA página APRESENTAÇÃO 1. OBJETIVO...03 2. CAMPO DE APLICAÇÃO...03

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE DOCUMENTO NORMATIVO CRITÉRIO DE PROJETO DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE Código Página Revisão Emissão CP 015 I 1 JAN/2004 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-17/09/2012 22/10/2012 ENGENHARIA E SISTEMAS TÉCNICOS (DTES-ES) APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI (DTES-ES) SUMÁRIO

Leia mais

Conferência do Projeto

Conferência do Projeto 214-DPDORC4 22/4/214 1 de 5 12/2/214 1:3.7 CARACTERIZAÇÃO Data Projeto Nº Pedido Finalidade 16/7/213 Título Implantação de SE Descrição da Obra: Tipo da Obra: IMPLANTAÇÃO EXPANSÃO DA REDE ELÉTRICA (ALTA

Leia mais

Padrão de Entrada COELBA. Padrão de Entrada Monofásico

Padrão de Entrada COELBA. Padrão de Entrada Monofásico Padrão de Entrada COELBA Informações do site www.coelba.com.br Padrão de Entrada é o conjunto de instalações composto de caixa de medição, sistema de aterramento, condutores e outros acessórios indispensáveis

Leia mais

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES A descrição das atividades tem como propósito facilitar o relacionamento entre a CONTRATANTE e a CONTRATADA, na medida em que visa

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2 NORMA TÉCNICA CELG Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição NTC-18 Revisão 2 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO IX Referente ao Edital de Pregão Presencial nº. 002/2015 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Página 1 de 10 1. DO OBJETO 1.1. O presente pregão tem como objeto a AQUISIÇÃO DE ELETROFERRAGENS, de acordo com as

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

NORMA TÉCNICA. NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

NORMA TÉCNICA. NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv. Cuiabá Mato Grosso - Brasil NORMA TÉCNICA NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv Cuiabá Mato Grosso - Brasil APRESENTAÇÃO 1- OBJETIVO...04 2- CAMPO DE APLICAÇÃO...04

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE ITA - 006 Rev. 0 Setembro / 2003 Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com

Leia mais

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com Projeto Elétrico Padrão de Medição, fornecimento de energia em tensão primária 13.8kV, a partir da rede aérea de distribuição para atender Defensoria Pública do Estado da Paraíba. Responsavel Técnico:

Leia mais

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS 1000 (máximo) 1750 450 500 600 VISTA LATERAL 1800 12000 100 1000 150 7300 VISTA FRONTAL VISTA SUPERIOR (1) Sem escala. (2) Medidas em milímetros. (3) Deverá atender os

Leia mais

NORMA TÉCNICA MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA COM CONDUTORES NUS DE SISTEMAS TRIFÁSICOS DE MÉDIA TENSÃO.

NORMA TÉCNICA MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA COM CONDUTORES NUS DE SISTEMAS TRIFÁSICOS DE MÉDIA TENSÃO. NORMA TÉCNICA NTE 026 MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA COM CONDUTORES NUS DE SISTEMAS TRIFÁSICOS DE MÉDIA TENSÃO - 1,8 E 4,5 kv- Cuiabá Mato Grosso - Brasil NTE 026 11ª Edição GPS/NT 1/12/2012

Leia mais

DOC. NT NT MONTAGEM DE REDES E LINHAS ÁREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. INDICE 1. OBJETIVO... 02 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...

DOC. NT NT MONTAGEM DE REDES E LINHAS ÁREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. INDICE 1. OBJETIVO... 02 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... REV. Página 1 de 149 INDICE Página 1. OBJETIVO... 02 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 02 3. NORMAS E/OU DOCUMEOS COMPLEMEARES... 03 4. CONDICÕES GERAIS... 05 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 06 SEÇÃO 5.1 POSTES E

Leia mais

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO Exigências Mínimas 1 Objetivo Estabelecer as condições mínimas para construção de postes de concreto armado ou concreto protendido, destinados à utilização em entradas de serviço de unidades consumidoras,

Leia mais

PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL

PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL DOCUMENTO NORMATIVO Código PADRÃO DE ESTRUTURA PE - 031 Página I REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

Leia mais

CONTRATAÇÃO DO MÊS DE MARÇO 2013

CONTRATAÇÃO DO MÊS DE MARÇO 2013 GÃO ELETRONICO 000/0 999/0 0/0/0 MESES ATÉ 0/0/ JOÃO DE BARRO COMÉRCIO E SERVIÇOS LTDA - ME FORNECIMENTO DE RECARGAS DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO GLP, EM RECIPIENTES (BOTIJAS) DE CAPACIDADE KG E 0KG.9,00.9,00

Leia mais

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS NORMA TÉCNICA NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS Cuiabá Mato Grosso - Brasil INDICE 1 OBJETIVO...03

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO 44/81 3. Deverão ser afixadas, com parafusos, placas identificando as chaves-facas com os dizeres FONTE, CARGA e BY PASS ; 4. Todos os reguladores de tensão deverão ser solidamente conectados ao neutro

Leia mais

PD-4.003. Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia

PD-4.003. Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia PD-4.003 Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia Da Distribuição PD-4.003 Redes de Distribuição Aérea Urbana

Leia mais

PADRÕES DE ESTRUTURA DE LAAT

PADRÕES DE ESTRUTURA DE LAAT PADRÕES DE ESTRUTURA DE LAAT PE-044 Padrão de LAAT Convencional sem Cabo Pára-raios PE-045 Padrão de LAAT Convencional com Cabo Pára-raios PE-046 Padrão de LAAT Compacta sem Cabo Pára-raios PE-047 Padrão

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-31/10/2013 05/11/2013 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI DTES-ES SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Norma Processo Planejar, Ampliar e Melhorar a Rede Elétrica Atividade Elabora Projetos e Orçamentos / Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.03-00.06 1ª Folha 1 DE 48 30/07/2013

Leia mais

NORMA TÉCNICA PADRÃO DE ESTRUTURAS DE REDE AÉREA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEX NTD-07

NORMA TÉCNICA PADRÃO DE ESTRUTURAS DE REDE AÉREA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEX NTD-07 NORMA TÉCNICA PADRÃO DE ESTRUTURAS DE REDE AÉREA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEX NTD-07 PÁG. APRESENTAÇÃO... 0/55. OBJETIVO... 0/55. AMPLITUDE... 0/55. RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO... 0/55 4.

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011 Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/10/2011 18/10/2011 ELABORAÇÃO Marcelo Poltronieri SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS NORMA TÉCNICA NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS Cuiabá Mato Grosso - Brasil INDICE 1 OBJETIVO...03

Leia mais

TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS

TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS ANEXO II 1. REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA (RDU) Os serviços de Melhoria e Ampliação de Rede de Distribuição Urbana executados conforme projeto executivo elaborado serão

Leia mais

ADENDO 02. Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT.

ADENDO 02. Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT. DIRETORIA TÉCNICA DEPARTAMENTO COMERCIAL DIVISÃO DE MEDIÇÃO ADENDO 02 Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT. Florianópolis, agosto de 2005.

Leia mais

NTD-12 MONTAGEM DE REDES AÉREAS SECUNDÁRIAS ISOLADAS COM CABOS MULTIPLEXADOS

NTD-12 MONTAGEM DE REDES AÉREAS SECUNDÁRIAS ISOLADAS COM CABOS MULTIPLEXADOS NTD-1 APRESENTAÇÃO 4 1. OBJETIVO 5. AMPLITUDE 5 3. RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO 5 4. CONCEITUAÇÃO 5 4.1. REDE DE DISTRIBUIÇÃO 5 4.. REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA RDU 5 4.3. REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO Código: 0 RES nº 085/2012, Página 1 RES nº 085/2012, ÍNDICE CAPÍTULOS Página 1. OBJETIVO 4 2. APLICAÇÃO 4 3. CONCEITOS 5 4. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 6 4.1 Notas Gerais 6 4.2 Condutores e Edificações 7 4.3

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO www.celesc.com.br PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL

Leia mais

NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO RURAL EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 1 / 91 A P R E S E N T A Ç Ã O Esta Norma Técnica estabelece

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 003

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 003 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 00 MONTAGEM DE BANCO DE CAPACITORES SEM CONTROLE AUTOMÁTICO DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA 1. OBJETIVO Estabelecer a padronização da montagem de bancos de capacitores

Leia mais

NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO RURAL EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: NOV./09 FOLHA : 1 / 91 A P R E S E N T A Ç Ã O Esta Norma Técnica estabelece

Leia mais

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado.

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. CAIXA DE MEDIÇÃO EM 34, kv 1 OBJETIVO Esta Norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas da caixa de medição a ser utilizada para alojar TCs e TPs empregados na medição de

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES MEMORIAL DESCRITIVO DE IMPLANTAÇÃO Unidade de Educação Infantil Próinfância Tipo C 1. OBJETIVO: A presente especificação tem por objetivo estabelecer os critérios para a implantação da Unidade de Educação

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 2.0

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 2.0 NTD 2.0.07 REDES SECUNDÁRIAS ISOLADAS RSI PADRÕES BÁSICOS DE 5ª EDIÇÃO AGOSTO-2011 DIRETORIA DE ENGENHARIA SUPERINTENDENCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA 1/34 NORMA TÉCNICA

Leia mais

ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREAS PRIMÁRIAS COMPACTAS PROTEGIDAS

ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREAS PRIMÁRIAS COMPACTAS PROTEGIDAS DIRETORIA TÉCNICA - TE SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - TPE GERÊNCIA DE PADRONIZAÇÃO - TPPA Assunto: MONTAGEM ELETROMECÂNICA Título: ESTRUTURAS PARA REDES COMPACTAS PROTEGIDAS PT.RD.06.002

Leia mais

SISTEMA DE DOCUMENTOS NORMATIVOS SUBSISTEMA DE NORMAS TÉCNICAS

SISTEMA DE DOCUMENTOS NORMATIVOS SUBSISTEMA DE NORMAS TÉCNICAS APRESENTAÇÃO...4 1 OBJETIVO...3 2 AMPLITUDE...3 3 RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4 CONCEITUAÇÃO...3 4.1 REDE DE DISTRIBUIÇÃO...3 4.2 REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA RDU...3 4.3 REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda.

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. NORMA PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA REDE DE DISTRIBUIÇÃO SECUNDÁRIA BT MULTIPLEXADA 1ª edição Versão 1.0 out/09 [Digite texto] MEDIDAS DE CONTROLE Revisão:

Leia mais

Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS

Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS O que é? É um Dispositivo de Proteção contra Surtos Elétricos (DPS) para uso em redes de distribuição de energia elétrica de baixa

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título ESTRUTURAS PARA EQUIPAMENTOS

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título ESTRUTURAS PARA EQUIPAMENTOS APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Transformadores SEÇÃO 3 Chaves Tripolares SEÇÃO 4 Banco de Capacitores SEÇÃO 5 Religadores e Seccionalizadores SEÇÃO 6 Reguladores de Tensão 1 OBJETIVO

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA ENTRADA CLIENTE. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA ENTRADA CLIENTE. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Ramal de Entrada Subterrâneo 6.1. CE2H ES Poste de Concreto de Seção Circular 6.2.

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior Projeto de Rede de Distribuição Aérea Compacta - 13,8kV Processo Planejar, Ampliar e Melhorar a Rede Elétrica Atividade Elaborar Projetos e Orçamentos / Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.03-00.05

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL EQUIPAMENTOS. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL EQUIPAMENTOS. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Banco Regulador de Tensão 6.1. Em Plataforma 6.1.1. Vista Lateral 6.1.2. Vista Frontal

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA REDES COMPACTAS

REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA REDES COMPACTAS REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA REDES COMPACTAS 3ª Edição Versão 1.0 Fevereiro/2012 1 Responsáveis Técnicos pela revisão: Fabiano Casanova Schurhaus Engenheiro Eletricista

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas de Transição Rede Compacta Rede Nua com Para-Raios 6.1. Estrutura CE3.N3

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Dados do cliente Proprietário: Roney Casagrande CPF: 765.425.990-53 Endereço: Estrada Pinhal da Serra, n 04452, Interior Cidade: Pinhal da Serra RS CEP: 95.390-000 Dados da

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior Projeto de Rede de Distribuição Aérea Compacta - 13,8kV Processo Planejar, Ampliar e Melhorar a Rede Elétrica Atividade Elaborar Projetos e Orçamentos / Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.03-00.05

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0078 REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 NORMA TÉCNICA CELG Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TIPOS

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI. Índice:

MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI. Índice: MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI Índice: 1 - Generalidades 2 - Rede aérea de Alta Tensão 3 - Rede Secundária 4 - Aterramentos 5 - Posto de Transformação

Leia mais

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI 1 - NOME DO CURSO: Projetos de RDI / RDP: RDI: Redes de Distribuição Aéreas Isoladas; RDP: Redes de Distribuição Aéreas Protegidas (Compactas). 2 - ÁREA: Eletrotécnica Sub

Leia mais

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Compartilhamento de Postes da Rede de Energia Elétrical Processo Planejar, Ampliar e Melhorar o Sistema Elétrico Atividade Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.02-01.015 2ª Folha 1 DE 15 16/10/2008

Leia mais

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. ANEXOS 6. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO Página 2 de 1. OBJETIVO Esta norma estabelece as condições exigíveis

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/01/2013 29/01/2013 APROVADO POR SEBASTIÃO J. SANTOLIN - DTES- SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Condições Gerais 5. Requisitos Ambientais 6. Lançamento de Condutores 7. Fixação Definitiva do Condutor 8. Identificação de Fases

Leia mais

ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO

ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO ANEXO III 1. ATIVIDADES DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA (FATORES BÁSICOS GLOBAIS) Poste a Instalar Completo: Corresponde à instalação de um poste equipado, podendo incluir

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. PROPRIETÁRIO: IFSULDEMINAS - Câmpus Muzambinho.. Estrada de Muzambinho, km 35 - Bairro Morro Preto.

MEMORIAL DESCRITIVO. PROPRIETÁRIO: IFSULDEMINAS - Câmpus Muzambinho.. Estrada de Muzambinho, km 35 - Bairro Morro Preto. MEMORIAL DESCRITIVO ASSUNTO: Projeto de adaptação de rede de distribuição de energia elétrica urbana em tensão nominal primária de 13.8KV e secundária de 220/127V, com 02 postos de transformação de 75KVA

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO 2ª EDIÇÃO ABRIL 2015 DIRETORIA DE DISTRIBUIÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS FICHA TÉCNICA Coordenação: José Cezar Nonato Participantes: Eleomar da Silva, José

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO - REDE ELÉTRICA

MEMORIAL DESCRITIVO - REDE ELÉTRICA MEMORIAL DESCRITIVO - REDE ELÉTRICA ÍNDICE 1 Descrição do Empreendimento 2 Normas Técnicas 3 Características Básicas da Rede Elétrica 4 Previsões de Cargas 5 Entrada de Energia em Baixa Tensão 6 Considerações

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA Outubro 2008 Companhia Energética de Alagoas-CEAL Superintendência de Projetos e Obras-SPP Gerencia de Projetos e Obras

Leia mais

NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - DPE

NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - DPE 1- OBJETIVO Padronizar a estrutura de montagem da chave tripolar sob carga SF6 15 kv do fabricante Arteche. 2- APLICAÇÃO DO TIPOS DE MONTAGEM

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO COMPACTA (REDE COMPACTA SPACER CABLE) VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior Projeto de Rede de Distribuição Aérea Multiplexada BT poste DT Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.03-00.008 11ª Folha 1

Leia mais

SUMÁRIO. CÓDIGO: NTD DATA DE VIGÊNCIA: 02/05/2016 TÍTULO: Estruturas de Banco de Reguladores de Tensão VERSÃO NORMA: 1.

SUMÁRIO. CÓDIGO: NTD DATA DE VIGÊNCIA: 02/05/2016 TÍTULO: Estruturas de Banco de Reguladores de Tensão VERSÃO NORMA: 1. SUMÁRIO REGULADOR DE TENSÃO ESTRELA ATERRADO 23 kv...2 REGULADOR DE TENSÃO DELTA ABERTO 13,8 kv...7 REGULADOR DE TENSÃO DELTA FECHADO 13,8 kv... 11 ALTERAÇÕES... 15 Estruturas Instalações de Equipamentos

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Norma Projeto de Rede de Distribuição Aérea Multiplexada em Baixa Tensão - Processo Planejar, Ampliar e Melhorara a Rede Elétrica Atividade Elabora Projetos e Orçamentos / Obras

Leia mais

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço 1 Entrada de energia DEFINIÇÕES Instalação de responsabilidade do consumidor, compreendendo ramal de entrada, poste particular ou pontalete, caixas, dispositivos de proteção, eletrodo de aterramento e

Leia mais

Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas. Norma. Revisão 03 07/2014 NORMA ND.12

Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas. Norma. Revisão 03 07/2014 NORMA ND.12 Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas Norma 07/2014 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Rua Ary Antenor de Souza, 321 Jd. Nova

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO Instalação Nobreak 60 KVA - 380 V PROPRIETÁRIO: Procuradoria Geral de Justiça. 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO DADOS DO PROPRIETÁRIO

Leia mais