ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV"

Transcrição

1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO OBJETIVO AMPLITUDE RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO INSTRUÇÕES GERAIS CONDUTORES PROCEDIMENTOS Afastamentos padronizados Engastamento de postes Engastamento de estai de âncora em solo firme Engastamento de estai de âncora em rocha Montagem de estai primário de contra poste engastamento reforçado Estruturas primárias monofásicas padronizadas Estruturas primárias trifásicas padronizadas Fixação dos pára-raios no tanque do transformador Malha de aterramento Entrada de serviço posto de transformação até 75 kva Aterramento de cercas paralelas Aterramento de cercas transversais Aterramento de cercas próximas a malhas de terra de postos de transformação Tabelas de flechas de montagem Tabela de trações de montagem Gráficos pára definição de estruturas VIGÊNCIA PROVAÇÃO...86 EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 1 / 86

2 APRESENTAÇÃO Nesta Norma Técnica são apresentadas as instalações básicas padronizadas para montagem de redes primárias aéreas, trifásicas e monofásicas, para distribuição de energia elétrica em áreas rurais, empregando isoladores tipo pilar, cruzetas de concreto em postes de concreto tipo Duplo T. EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 2 / 86

3 1. OBJETIVO Estabelecer um padrão básico para montagem de redes de distribuição aérea rural, em sistemas trifásicos e monofásicos, com isoladores tipo pilar e cruzetas de concreto aplicados em postes de concreto tipo Duplo T, de modo a assegurar condições técnicas e econômicas favoráveis às instalações e a qualidade do serviço de energia elétrica. 2. AMPLITUDE Aplica-se à construção e extensão de redes de distribuição de energia elétricas aéreas trifásicas e monofásicas, localizadas em regiões com características rurais dentro da área de concessão da CELTINS, nas tensões nominais primárias de 7,9, 13,8, 19,9 e 34,5. 3. RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO Cabe às Superintendências e Coordenadores de Áreas zelar pelo cumprimento das prescrições desta Norma. 4. INSTRUÇÕES GERAIS 4.1. O presente padrão estabelece as instalações básicas. Eventualmente o projeto terá que alterar ou completar detalhes para atender casos particulares possíveis de acontecer numa construção Os desenhos apresentados mostram a montagem das estruturas em postes DT e com isoladores poliméricos, correspondentes à tensão de 34,5 KV, contudo, as relações de materiais contemplam também a tensão de 13,8 KV, opções de ancoragem ver item Para aplicação das estruturas constantes nesta norma devem ser consultados os ábacos e tabelas anexas, observando-se que por ocasião da construção é imperativa a aplicação de trações adequadas nos cabos, bem como, a checagem EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 3 / 86

4 das flechas, principalmente nos vãos que estão nos limites de aplicabilidade, conforme definidos nos ábacos para aplicação de estruturas Os condutores padronizados nesta Norma são os seguintes: 5. CONDUTORES CAA PARA REDES AÉREAS SEÇÃO (mm2) 39,19 62,44 125,08 DIÂMETRO (mm) 8,01 10,11 14,31 BITOLA / TIPO(AWG) 2 CAA 1/0 CAA 4/0 CAA 5.1. As distâncias dos condutores ao solo referem-se às alturas mínimas nas condições de flecha máxima (a 50ºC), para a fase fixada na estrutura com a menor cota em relação ao solo As conexões deverão ser feitas somente empregando-se conectores do tipo cunha A proteção de sobrecorrentes deverá ser feita conforme previsto na Norma Técnica da OTD A proteção contra sobretensões deverá ser feita através de pára raios de distribuição com desligador automático, invólucro e suporte poliméricos, de ZnO sem centelhadores e com as seguintes características elétricas básicas: Tensão nominal da rede (V) Tensão nominal do pára-raios (KV) Corrente nominal de descarga (ka) EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 4 / 86

5 5.5. O aterramento de transformadores, religadores, reguladores de tensão e outros equipamentos, deve ser feito através de malhas de terra definidas em projetos específicos de aterramento. Os valores máximos da resistência de aterramento dessas malhas, não devem ser superiores aos estabelecidos a seguir: Tensão nominal da rede (V) Transformadores Trifásicos, monofásicos e outros equipamentos / / As ligações e conexões a terra nos postos de transformação, deverão ser feitas conforme mostrado no item 6.36 relativo à entrada de serviço para transformadores trifásicos e monofasicos O seccionamento e aterramentos de cercas de arame deverão ser feitos conforme previsto nos itens 6.37, 6.38 e PROCEDIMENTOS 6.1. Afastamentos padronizados ENTRE CONDUTORES DE CIRCUITOS DIFERENTES TENSÃO NOMINAL- E (V) DISTÂNCIA MÍNIMA (cm) CIRCUITO SUPERIOR CIRCUITO E < E < E INFERIOR COMUNICAÇÃO E < E E EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 5 / 86

6 NATUREZA DO LOGRADOURO TENSÃO NOMINAL- E (V) ENTRE CONDUTORES E O SOLO COMUNICAÇÃO E CABOS ATERRADOS DISTÂNCIA MÍNIMA (cm) E < E < E ÁREA RURAL A ÁREA RURAL B RODOVIAS / / /800 FERROVIAS ENTRE CONDUTORES DE UM MESMO CIRCUITO TENSÃO NOMINAL- E (V) DISTÂNCIA VERTICAL MÍNIMA NA ESTRUTURA (cm) E 20 < E < E A Via exclusivas de pedestre em áreas rurais. B Estradas rurais e áreas de plantio com trafego de maquinas agrícolas. Nota 1 Em ferrovias eletrificadas ou eletrificáveis, a distância mínima do condutor ao boleto dos trilhos é de 12 metros para 13,8 e 34,5 KV. ABNT NBR : 2009 EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 6 / 86

7 6.2- Engastamentos de postes Sentido do esforço L Solo socado em camadas de 20 cm e A B e B Placa de concreto e B e B 500 Areia lavada Ø "b" + 30 A A Ø "b" + 30 Concreto traço 1:3:5 Consultar nota 4 A 3 Ø "b" + 40 Concreto traço 1:3:5 Consultar nota 4 Ø "b" Ø "b" Ø "b" Ø "b" Ø "b" CORTE AB CORTE AB CORTE AB CORTE AB SIMPLES REFORÇADA CONCRETADA TUBULÃO Simples Reforçada Concretada Tubulão NOTAS: (1) Sem escala. (2) Medidas em centímetro. (3) A profundidade de engastamento simples ou reforçado será calculada para qualquer tipo de poste e = L ou e = L x 10% + 60 ONDE: e = Profundidade do engastamento L = Comprimento do Poste (4) Refere-se a 1 volume de cimento Portland, 3 de areia e 5 de pedra britada n 2; o tempo de cura nã o deve ser inferior a 12 dias. (5) Para evitar a aderência do concreto no poste (engastamento concretado), protegê-lo com plástico. (6) Poderá ser suprimida a base reforçada ou concretada, quando o solo for pedregoso, tipo matação, e que comprovadamente não irá ceder depois de aplicados os esforços. (7) Nas situações de solos instáveis como Argila muito mole, Areia muito fofa, Banhado, Turfa, Mangue e outros, a implantação de qualquer tipo de poste requererá maiores precauções na sua instalação, como: lançar mão de tubulões e concretagem ou a recomposição do solo, substituindo-o por um de maior resistência. EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 7 / 86

8 6.3. Engastamento de estai ancora em solo firme ESTAI DE ANCORA EM SOLO FIRME H Haste de ancora 16 x 2400mm 1 L Placa de concreto armado 200x100xmm 1 M Sapatilha para cabo aço 2 N1 Alça preformada para estai cabo aço 2 Y1 Nota 01 Cordoalha de aço V Parafuso cabeça quadrada 1 H 3245 Arruela Quadrada 2 Nota 1 Material depende da aplicação V = quantidade variável EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 8 / 86

9 6.4. Engastamento de estai ancora em rocha Terra compactada 10 mínimo H3 45 M1 N1 Ver observação 2 Solo não atingido pela Escavação 50 mínimo Rocha Concreto - traço 1:1,5 (Ver obs. 3) 5 Ver observação -4 Observação 1- Medidas em centímetros 2 -A parte dobrada da haste de âncora, deverá ser engastada no concreto a uma profundidade mínima de 10 cm 3- Refere-se a um volume de cimento e 1,5 de areia 4- A haste deve ser instalada com 2 porcas, para garantir que todos os filetes da rosca da porca absorvam os esforços aplicados à haste. ESTAI DE ANCORA EM ROCHA H Haste de ancora 2400mm 1 M Sapatilha para cabo aço 2 N1 Alça preformada para estai cabo aço 2 Y1 Nota 01 Cordoalha de aço V Parafuso cabeça quadrada 1 Areia V cimento V Nota 1 Material depende da aplicação V = quantidade variável EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 9 / 86

10 6.5. Montagem de estai primário de contra-poste com engastamento reforçado. ESTAI CONTRA POSTE ENGASTAMENTO REFORÇADO L Placa de concreto armado 1 M Sapatilha para cabo aço 2 N1 Alça preformada para estai cabo aço 2 Y1 Nota 01 Cordoalha de aço V Parafuso cabeça quadrada 2 H2 544 Chapa para estai 1 H 3245 Arruela Quadrada 2 O 3232 Olhal para parafuso 1 EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 10 / 86

11 6.6 Estrutura primaria monofásicas padrão EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 11 / 86

12 6.6 Estrutura primaria trifasica padrão EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 12 / 86

13 6.7 Tipos de isolação para ancoragem EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 13 / 86

14 6.8 Estrutura U1 10 J D, E F2, F3, F4 A A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS.: Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 14 / 86

15 MONTAGEM DA ESTRUTURA U1 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 D Isolador pilar porc.(rosca diam. m 16) 110 kv 1 E Isolador pilar porc.(rosca diam. m 16) 170 kv 1 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) F Pino auto-travante m16x200 mm para isolador pilar F Pino auto-travante m16x250 mm para isolador pilar CONDUTOR AMARRAÇÃO DO CONDUTOR BITOLA 2- AWG CAA 1/0 AWG CAA J Nota 1 Laço pré-formado simples lateral Nota 1 Material depende da aplicação 4/0 AWG CAA EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 15 / 86

16 6.9 Estrutura U2 10 D, E F2, F3, F4 J A A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS.: Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 16 / 86

17 MONTAGEM DA ESTRUTURA U2 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 D Isolador pilar porc.(rosca diam. m16) 110 kv 1 E Isolador pilar porc.(rosca diam. m16) 170 kv 1 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) F Pino auto-travante m16x200 mm para isolador pilar F Pino auto-travante m16x250 mm para isolador pilar REDE CONDUTOR AMARRAÇÃO DO CONDUTOR BITOLA 2- AWG CAA 1/0 AWG CAA J Nota 1 Laço pré-formado simples topo /0 AWG CAA Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 17 / 86

18 6.10 Estrutura UT-1 D, E I F1 A1 15 G2, G3, G4, G5 A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS.: Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 18 / 86

19 MONTAGEM DA ESTRUTURA UT1 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 D Isolador pilar porc.(rosca diam. m16) 110 kv 1 E Isolador pilar porc.(rosca diam. m16) 170 kv 1 A Suporte para isolador tipo pilar 1 1 F Pino auto-travante m16x38 mm para isolador pilar 1 1 H 3245 Arruela quadrada 2 2 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm 2 2 G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm CONDUTOR AMARRAÇÃO DO CONDUTOR BITOLA 2- AWG CAA 1/0 AWG CAA 4/0 AWG CAA I Nota 1 Laço pré-formado de topo Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 19 / 86

20 6.11 Estrutura U3 20 N M P Q G2, G3, G4, G5 A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS.: Medidas em centimetos EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 20 / 86

21 MONTAGEM DA ESTRUTURA U3 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 O Olhal para parafuso 1 1 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 1 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 1 Q Gancho Olhal 1 1 H 3245 Arruela quadrada 1 1 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm AMARRAÇÃO DO CONDUTOR CONDUTOR BITOLA 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CAA CAA CAA M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça preformada Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 21 / 86

22 6.12 Estrutura U O Q P M N D, E A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS: Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 22 / 86

23 MONTAGEM DA ESTRUTURA U4 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 D Isolador pilar porc.(rosca diam. m16) 110 kv 1 E Isolador pilar porc.(rosca diam. m16) 170 kv 1 O Olhal para parafuso 2 2 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 2 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 2 Q Gancho Olhal 2 2 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm F Pino auto-travante m16x200 mm para isolador pilar F Pino auto-travante m16x250 mm para isolador pilar AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÃO CONDUTOR BITOLA 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CAA CAA CAA M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça preformada I Nota 1 Laço pré-formado de lateral X Nota 1 Conector derivação tipo cunha V Nota 1 Cartucho para conector cunha Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 23 / 86

24 6.13 Estrutura U4 -Cfu CARGA FONTE N M P O Q 100 S, S1 A6, A7 A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS. : Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 24 / 86

25 MONTAGEM DA ESTRUTURA U4-Cfu PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 O Olhal para parafuso 2 2 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 2 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 2 Q Gancho Olhal 2 2 S Chave fusível tipo C- 15 kv 1 S Chave fusível tipo C- 36,2 kv 1 A Suporte T 1 1 Nota 1 Elo fusível tipo K In adequada 1 1 H 3245 Arruela quadrada 2 2 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÃO CONDUTOR BITOLA 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CAA CAA CAA M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pre-formada Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 25 / 86

26 6.14 Estrutura U4-CR CARGA FONTE M O, Q N P A B C D, E S3 G A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL K2, K3 D, E B G1, H F 40 CORTE AB OBS. : Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 26 / 86

27 MONTAGEM DA ESTRUTURA U4-CR PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto 250 dan retangular 1 1 O Olhal para parafuso 2 2 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 2 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 2 D Isolador pilar porc.(rosca diam. m16) 110 kv 1 E Isolador pilar porc.(rosca diam. m16) Kv 1 F Pino auto-travante 140 mm para isolador pilar 1 1 Q Gancho Olhal 2 2 S Chave fusível religadora tipo C- 15 kv 1 S Chave fusível religadora tipo C- 36,2 kv 1 C Mão francesa plana de 619 mm 2 2 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 2 2 Nota 1 Elo fusível tipo K In adequada 3 3 H 3245 Arruela quadrada 5 5 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm G Parafuso de cabeça quadrada de 350 mm AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÃO CONDUTOR BITOLA 2- AWG CAA 1/0 AWG CAA M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pre-formada I Nota 1 Laço pré-formado de topo Nota 1 - Material depende da aplicação 4/0 AWG CAA EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 27 / 86

28 6.15 Estrutura U4-FC CARGA FONTE N M P O Q B W, W2 C A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS. : Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 28 / 86

29 MONTAGEM DA ESTRUTURA U4-CF PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto 250 dan retangular 2 2 O Olhal para parafuso 2 2 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 2 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 2 Q Gancho Olhal 2 2 w 653 Chave seccionadora tipo faca 15 KV 1 W Chave seccionadora tipo faca 36,2 KV 1 C Mão francesa plana de 619 mm 2 2 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 2 2 H 3245 Arruela quadrada 5 5 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm G Parafuso de cabeça quadrada de 350 mm AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÃO CONDUTOR BITOLA 2- AWG CAA 1/0 AWG CAA M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pre-formada U 5626 Terminal barra tipo espada 4/ U Nota 1 Conector tipo cunha V Nota 1 Cartucho para conector cunha Nota 1 - Material depende da aplicação 4/0 AWG CAA EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 29 / 86

30 6.16 Estrutura U3-U3 G2, G3, G4, G5 100 Q P M N A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS.: Medidas em centimetos EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 30 / 86

31 MONTAGEM DA ESTRUTURA U3-U3 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 O Olhal para parafuso 2 2 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 2 Q Gancho Olhal 2 2 H 3245 Arruela quadrada 2 2 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÃO CONDUTOR BITOLA 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CAA CAA CAA M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formado V Nota 1 Cartucho para conector cunha Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 31 / 86

32 6.17 ESTRUTURA U3 Cfu DERIVAÇÂO T O Q P M N 100 A7 S, S1 A A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS: Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 32 / 86

33 MONTAGEM DA ESTRUTURA U3-Cfu PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 O Olhal para parafuso 1 1 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 1 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 1 Q Gancho Olhal 1 1 S Chave fusível tipo C- 15 kv 1 S Chave fusível tipo C- 36,2 kv 1 A Suporte T 1 1 Nota 1 Elo fusível tipo K In adequada 1 1 H 3245 Arruela quadrada 3 3 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÃO CONDUTOR BITOLA 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CAA CAA CAA M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pre-formada Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 33 / 86

34 6.17 Estrutura U3-T (máximo) 200 Q N P M T T M 1 P1, P2 G2 A Z2 A 2700 E1 VISTA LATERAL VISTA FRONTAL EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 34 / 86

35 MONTAGEM DA ESTRUTURA U3-T PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 T3 Transformador monofásico (5, 10, 15 e 25kVA)- MRT- Tens. Nota 1 Secundária 440/220 V 1 1 H 3245 Arruela quadrada 3 3 O Olhal para parafuso 1 1 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 1 p Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 1 Q Gancho olhal 1 1 P Pára-raios de distribuição- 12 kv polimérico 10 ka, 1 P Pára-raios de distribuição 30 kv- polimérico - 10 ka 1 C Armação secundária de 1 estribo 1 1 C Isolador roldana-porcelana 1 1 POSTE FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm K Parafuso de cabeça quadrada de 350 mm AMARRAÇÕES CONEXÕES ATERRAMENTO 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA Z Cabo de aço galvanizado 6,4 mm V V V Z Cabo de cobre flexível isolado 10 mm² 1 m 1 m 1 m T Conector derivação para linha viva U Nota 1 Conector derivação cunha tipo estribo normal U Conector derivação tipo cunha-amp-tipo II, ou similar M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formada H Haste de aterramento de aço-cobre - 5/8" por 2400 mm V V V R Conector ater. tipo cunha cabo-haste haste 14,3mm cabo 6 a 16 mm² V V V Z Arame de aço galvanizado n.º 14 BWG (m) E Eletroduto flexível de pvc - 12 mm (1/2") (m) Nota 1 Material depende da aplicação V = Quantidade variável EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 35 / 86

36 6.18 Estrutura U1-T (máximo) D, E T F1 A A7 S, S1 P1, P2 G2 Z2 A A 2700 E1 VISTA LATERAL VISTA FRONTAL EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 36 / 86

37 MONTAGEM DA ESTRUTURA U1-T PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 T3 Transformador monofásico (5, 10,15 e 25 kva)- MRT- Tens. Nota 1 Secundária 440/220 V 1 1 H 3245 Arruela quadrada 6 6 O Olhal para parafuso 1 1 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 1 p Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 1 Q Gancho olhal 1 1 P Pára-raios de distribuição- 12 kv polimérico 10 ka, 1 P Pára-raios de distribuição 30 kv- polimérico - 10 ka 1 C Armação secundária de 1 estribo 1 1 C Isolador roldana-porcelana 1 1 A Suporte T 1 1 POSTE FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm K Parafuso de cabeça quadrada de 350 mm AMARRAÇÕES CONEXÕES ATERRAMENTO 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA Z Cabo de aço galvanizado 6,4 mm V V V Z Cabo de cobre flexível isolado 10 mm² 1 m 1 m 1 m T Conector derivação para linha viva U Nota 1 Conector derivação cunha tipo estribo normal U Conector derivação tipo cunha-amp-tipo II, ou similar M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formada H Haste de aterramento de aço-cobre - 5/8" por 2400 mm V V V R Conector ater. tipo cunha cabo-haste haste 14,3mm cabo 6 a 16 mm² V V V Z Arame de aço galvanizado n.º 14 BWG (m) E Eletroduto flexível de pvc - 12 mm (1/2") (m) Nota 1 Material depende da aplicação V = Quantidade variável EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 37 / 86

38 6.18 Estrutura U3 -T-F (máximo) 200 Q N 550 P M 6951 T A7 S, S1 P1, P2 G2 A Z2 A 2700 E1 VISTA LATERAL VISTA FRONTAL EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 38 / 86

39 MONTAGEM DA ESTRUTURA U3-T-F PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (kv) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 T3 Transformador monofásico (5, 10, 15 e 25kVA)- MRT- Tens. Nota 1 Secundária 440/220 V 1 1 H 3245 Arruela quadrada 3 3 O Olhal para parafuso 1 1 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 1 p Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 1 Q Gancho olhal 1 1 P Pára-raios de distribuição- 12 kv polimérico 10 ka, 1 P Pára-raios de distribuição 30 kv- polimérico - 10 ka 1 C Armação secundária de 1 estribo 1 1 C Isolador roldana-porcelana 1 1 A Suporte T 1 1 POSTE FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm K Parafuso de cabeça quadrada de 350 mm AMARRAÇÕES CONEXÕES ATERRAMENTO 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA Z Cabo de aço galvanizado 6,4 mm V V V Z Cabo de cobre flexível isolado 10 mm² 1 m 1 m 1 m T Conector derivação para linha viva U Nota 1 Conector derivação cunha tipo estribo normal U Conector derivação tipo cunha-amp-tipo II, ou similar M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formada H Haste de aterramento de aço-cobre - 5/8" por 2400 mm V V V R Conector ater. tipo cunha cabo-haste haste 14,3mm cabo 6 a 16 mm² V V V Z Arame de aço galvanizado n.º 14 BWG (m) E Eletroduto flexível de pvc - 12 mm (1/2") (m) Nota 1 Material depende da aplicação V = Quantidade variável EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 39 / 86

40 6.20 Estrutura N D, E CARGA I FONTE 40 B F C G1, G2, G3, G4 VISTA FRONTAL VISTA LATERAL G B VISTA SUPERIOR OBS.: Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 40 / 86

41 MONTAGEM DA ESTRUTURA N1 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8 34,5 A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto ( 90x90x2000mm) 250 dan 1 1 C Mão francesa plana de 619 mm 2 2 D Isolador pilar porc.(rosca diam m16x2) 110 KV 3 E Isolador pilar porc.(rosca diam m16x2) 170 KV 3 F Pino auto-travante 140 mm (rosca superior diam. m16x2) 3 3 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 2 2 H 3245 Arruela quadrada 5 5 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm CONDUTOR AMARRAÇÃO DO CONDUTOR 2- AWG BITOLA CAA 1/0 AWG CAA 4/0 AWG CAA I Nota 1 Laço pré-formado de topo J Nota 1 Laço pré-formado simples lateral Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 41 / 86

42 6.21 Estrutura N O Q P M N 40 H, G C G1, G2, G3, G4 VISTA FRONTAL VISTA LATERAL B K1, K2 VISTA SUPERIOR OBS. : Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 42 / 86

43 MONTAGEM DA ESTRUTURA N3 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8 34,5 A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto ( 90x90x2000mm) 250 dan 2 2 C Mão francesa plana de 619 mm 4 4 O Olhal para parafuso 3 3 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 3 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 3 Q Gancho Olhal 3 3 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 4 4 H 3245 Arruela quadrada FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm K Parafuso de rosca dupla de 400 mm K Parafuso de rosca dupla de 450 mm AMARRAÇÃO DO CONDUTOR CONDUTOR BITOLA 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CAA CAA CAA M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formado Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 43 / 86

44 6.22 Estrutura N D, E I B 40 F C P M G3 VISTA FRONTAL VISTA LATERAL G, H K1, K2 VISTA SUPERIOR OBS.: Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 44 / 86

45 MONTAGEM DA ESTRUTURA N4 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8 34,5 A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto ( 90x90x2000mm) 250 dan 2 2 C Mão francesa plana de 619 mm 4 4 O Olhal para parafuso 6 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 6 Q Gancho Olhal 6 6 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 4 4 H 3245 Arruela quadrada 8 8 D Isolador pilar porc.(rosca diam m16x2) 110 KV 3 E Isolador pilar porc.(rosca diam m16x2) 170 KV 3 F Pino auto-travante 140 mm (rosca superior diam. m16x2) 3 3 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm K Parafuso de rosca dupla de 400 mm K Parafuso de rosca dupla de 450 mm AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÃO 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formada I Nota 1 Laço pré-formado de topo X Nota 1 Conector derivação tipo cunha X1 Nota 1 Cartucho para conector Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 45 / 86

46 6.23 Estrutura LE D, E X I G2 F1 A A C B Q M VISTA FRONTAL VISTA LATERAL VISTA SUPERIOR OBS.: Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 46 / 86

47 MONTAGEM DA ESTRUTURA LE PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8 34,5 A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto ( 90x90x2000mm) 250 dan 2 2 C Mão francesa plana de 619 mm 4 4 O Olhal para parafuso 6 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 6 Q Gancho Olhal 6 6 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 4 4 A Suporte para isolador tipo pilar 1 1 H 3245 Arruela quadrada 8 8 D Isolador pilar porc.(rosca diam m16x2) 110 KV 3 E Isolador pilar porc.(rosca diam m16x2) 170 KV 3 F Pino auto-travante m16x38 mm para isolador pilar 1 1 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm K Parafuso de rosca dupla de 400 mm K Parafuso de rosca dupla de 450 mm 3 3 AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÃO 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formada I Nota 1 Laço pré-formado de topo Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 47 / 86

48 6.24 Estrutura P FASE B (S) D,E ~ 110 (34,5 KV) ~ 80 (13,8 KV) F2, F3 FASE C (T) FONTE A J CARGA FASE A (R) 20 ~ 110 (34,5 KV) ~ 80 (13,8 KV) VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS. : Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 48 / 86

49 MONTAGEM DA ESTRUTURA P1 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 D Isolador pilar porc.(rosca diam. m16) 110 kv 3 E Isolador pilar porc.(rosca diam. m16) 170 kv 3 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) F Pino auto-travante 200 mm para isolador pilar F Pino auto-travante 250 mm para isolador pilar CONDUTOR AMARRAÇÃO DO CONDUTOR BITOLA 2- AWG CAA 1/0 AWG CAA J Nota 1 Laço pré-formado simples lateral Nota 1 Material depende da aplicação 4/0 AWG CAA EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 49 / 86

50 6.25 Estrutura PT - 1 ~ 95 (34,5 KV) ~ 72 (13,8 KV) FONTE A1 F1 CARGA FASE B (S) D,E 20 F2, F3 FASE C (T) ~ 95 (34,5 KV) ~ 72 (13,8 KV) 20 A J VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS. : Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 50 / 86

51 MONTAGEM DA ESTRUTURA PT- 1 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 D Isolador pilar porc.(rosca diam. m16) 110 kv 3 E Isolador pilar porc.(rosca diam. m16) 170 kv 3 A Suporte para isolador tipo pilar 1 1 F Pino auto-travante m16x38 mm para isolador pilar 1 1 H 3245 Arruela quadrada 2 2 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) F Pino auto-travante 200 mm para isolador pilar F Pino auto-travante 250 mm para isolador pilar G Parafuso de cabeça quadrada- 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm 2 2 G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm CONDUTOR AMARRAÇÃO DO CONDUTOR BITOLA 2- AWG CAA 1/0 AWG CAA 4/0 AWG CAA J Nota 1 Laço pré-formado simples lateral I Nota 1 Laço pré-formado de topo Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 51 / 86

52 6.26 Estrutura PTA - 1 FASE B (S) CARGA FONTE ~ 34,5 KV120 ~ 13,8 KV100 D, E F1 A1 I G3, G4, G5 FASE A (R) FASE C (T) 20 J ~ 34,5 KV 120 ~ 13,8 KV 100 VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS. : Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 52 / 86

53 MONTAGEM DA ESTRUTURA PTA-1 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT ou Circular 1 1 D Isolador pilar porc.(rosca diam. m16) 110 kv 3 E Isolador pilar porc.(rosca diam. m16) 170 kv 3 A Suporte para isolador tipo pilar 1 1 F Pino auto-travante m16x38 mm para isolador pilar 3 3 A Afastador para isolador pilar 2 2 H 3245 Arruela quadrada 2 2 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada- 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm 2 2 G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm G Parafuso de cabeça quadrada de 350 mm CONDUTOR AMARRAÇÃO DO CONDUTOR BITOLA 2- AWG CAA 1/0 AWG CAA 4/0 AWG CAA J Nota 1 Laço pré-formado simples lateral I Nota 1 Laço pré-formado de topo Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 53 / 86

54 Estrutura N3-N3 I B FONTE C A 105 D, E B CARGA 40 Q M P VISTA FRONTAL VISTA LATERAL OBS. : Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 54 / 86

55 MONTAGEM DA ESTRUTURA N3- N3 PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8 34,5 A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto ( 90x90x2000mm) 250 dan 4 4 C Mão francesa plana de 619 mm 8 8 O Olhal para parafuso 6 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 6 Q Gancho Olhal 6 6 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 8 8 H 3245 Arruela quadrada D Isolador pilar porc.(rosca diam m16x2) 110 KV 2 E Isolador pilar porc.(rosca diam m16x2) 170 KV 2 F Pino auto-travante 140 mm (rosca superior diam. m16x2) 2 2 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm 2 K Parafuso de rosca dupla de 400 mm K Parafuso de rosca dupla de 450 mm K Parafuso de rosca dupla de 500 mm 3 3 AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÕES 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA I Nota 1 Laço pré-formado de topo M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formada Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 55 / 86

56 6.28 Estrutura N4-F CARGA FONTE N M P Q O 40 K1 100 A B B I C G2 S1, S A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL D, E G1, H F OBS. : Medidas em centimetros CORTE AB EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 56 / 86

57 MONTAGEM DA ESTRUTURA N4 - F PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8 34,5 A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto ( 90x90x2000mm) 250 dan 3 3 C Mão francesa plana de 619 mm 6 6 O Olhal para parafuso 6 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 6 Q Gancho Olhal 6 6 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 6 6 H 3245 Arruela quadrada D Isolador pilar porc.(rosca diam m16x2) 110 KV 3 E Isolador pilar porc.(rosca diam m16x2) 170 KV 3 F Pino auto-travante 140 mm (rosca superior diam. m16x2) 3 3 S Chave fusível tipo C- 15 KV 10 ka 3 S Chave fusível tipo C- 36,2 KV 4 ka 3 Nota 1 Elo fusível tipo K In adequada 3 3 POSTE FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm K Parafuso de rosca dupla de 400 mm K Parafuso de rosca dupla de 450 mm K Parafuso de rosca dupla de 500 mm 3 3 AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÕES 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA I Nota 1 Laço pré-formado de topo M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formada Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 57 / 86

58 6.29 Estrutura N4 - FR B N CARGA M Q O P FONTE 80 C A B O1 I S3 A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL D, E B OBS.: Medidas em centimetros CORTE AB EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 58 / 86

59 MONTAGEM DA ESTRUTURA N4 - FR PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto 250 dan retangular 4 4 C Mão francesa plana de 619 mm 8 8 O Olhal para parafuso 6 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 6 Q Gancho Olhal 6 6 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 7 7 H 3245 Arruela quadrada D Isolador pilar porc.(rosca diam. m16) 110 kv 1 E Isolador pilar porc.(rosca diam. m16) Kv 1 F Pino auto-travante 140 mm para isolador pilar 1 1 S Chave fusível religadora tipo C- 15 KV 3 S Chave fusível religadora tipo C- 36,2 KV 3 Nota 1 Elo fusível tipo k In adequada 9 9 O Espaçador de isoladores 4 4 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm K Parafuso de rosca dupla de 400 mm K Parafuso de rosca dupla de 450 mm K Parafuso de rosca dupla de 500 mm K Parafuso de rosca dupla de 550 mm AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÕES 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA I Nota 1 Laço pré-formado de topo M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formada Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 59 / 86

60 6.30 Estrutura primaria N4 - FC B FONTE Q M CARGA 40 C W1, W2 P W1, W2 Q A VISTA FRONTAL VISTA LATERAL H, G O A N VISTA SUPERIOR OBS.: Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 60 / 86

61 MONTAGEM DA ESTRUTURA N4 - FC PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8 34,5 A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto ( 90x90x2000mm) 250 dan 2 2 C Mão francesa plana de 619 mm 4 4 O Olhal para parafuso 6 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 6 Q Gancho Olhal 6 6 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 2 2 H 3245 Arruela quadrada 6 6 W 653 Chave seccionadora tipo faca unipolar 15 KV A 3 W Chave seccionadora tipo faca unipolar 36,2 KV 400 A 3 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm K Parafuso de rosca dupla de 400 mm K Parafuso de rosca dupla de 450 mm AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÃO 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA M 1662 Manilha sapatilha Q terminal barra tipo espada 4/0 6 N Nota 1 Alça pre-formada X Nota 1 Conector tipo cunha Nota 1 Cartucho para conector Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 61 / 86

62 6.31 Estrutura N1 N3 F VISTA FRONTAL D, E O Q P M N CARGA S1, S2 VISTA LATERAL EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 62 / 86

63 MONTAGEM DA ESTRUTURA N1- N3 - CFU PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8 34,5 A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto ( 90x90x2000mm) 250 dan 3 3 C Mão francesa plana de 619 mm 6 6 O Olhal para parafuso 3 3 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 3 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 3 Q Gancho Olhal 3 3 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 6 6 H 3245 Arruela quadrada D Isolador pilar porc.(rosca diam m16x2) 110 KV 4 E Isolador pilar porc.(rosca diam m16x2) 170 KV 4 F Pino auto-travante 140 mm (rosca superior diam. m16x2) 4 4 S Chave fusível tipo C- 15 KV 10 ka 3 S Chave fusível tipo C- 36,2 KV 4 ka 3 Nota 1 Elo fusível tipo tipo K In adequada 3 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm 2 2 K Parafuso de rosca dupla de 400 mm K Parafuso de rosca dupla de 450 mm 3 3 K Parafuso de rosca dupla de 500 mm CONDUTOR AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÃO 2- AWG BITOLA CAA 1/0 AWG CAA 4/0 AWG CAA 336,4 MCM CA I Nota 1 Laço pré-formado de topo J Nota 1 Laço pré-formado simples lateral M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formada T Conector derivação para linha viva U Nota 1 Conector derivação cunha tipo estribo normal V Nota 1 Cartucho para conector cunha Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 63 / 86

64 Estrutura HTE D,E F1 A1 O M1 N1 N1 G2, G3 A O Q P M 0038 N OBS. : Medidas em centimetros EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 64 / 86

65 MONTAGEM DA ESTRUTURA HTE PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 3 3 D Isolador pilar porc.(rosca diam. m16) 110 kv 3 E Isolador pilar porc.(rosca diam. m16) 170 kv 3 A Suporte para isolador tipo pilar 3 3 F Pino auto-travante m16x38 mm para isolador pilar 3 3 O Olhal para parafuso P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 6 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 6 Q Gancho Olhal 6 6 H 3245 Arruela quadrada 3 3 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm AMARRAÇÃO DO CONDUTOR E CONEXÃO CONDUTOR BITOLA 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CAA CAA CAA M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça preformada I Nota 1 Laço pré-formado de topo X Nota 1 Conector derivação tipo cunha M Sapatilha para cabo de aço N Alça pre-formada para cabo de aço de 7,9 mm Y Cordoalha de aço 7,9 mm V1 Nota 1 Cartucho para conector cunha Nota 1 Material depende da aplicação EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 65 / 86

66 Estrutura N3 -T 200 Q P M 40 T U 160 P1, P2 VISTA FRONTAL A OBS.: Medidas em centimetros VISTA FRONTAL EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 66 / 86

67 MONTAGEM DA ESTRUTURA N3-T PARA TENSÃO DE OPERAÇÃO (KV) 13,8-DT 34,5-DT A Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT 1 1 B Cruzeta de concreto 90x90x2000mm 250 dan 2 2 C Mão francesa plana de 619 mm 4 4 G Parafuso de cabeça quadrada- 125 mm 4 4 H 3245 Arruela quadrada 9 9 O Olhal para parafuso 3 3 P Isolador, ancoragem, Polimérico 36,2 KV 3 P Isolador, ancoragem, Polimérico 15 KV 3 Q Gancho olhal 3 3 P Pára-raios de distribuição- 12 KV polimérico 10 ka, 3 P Pára-raios de distribuição 30 KV- polimérico - 10 ka 3 C Armação secundária de 1 estribo 1 1 C Isolador roldana- porcelana 1 1 W1 Nota 1 Suporte de transformador em poste DT 2 2 FIXAÇÃO DA ESTRUTURA NO POSTE DE CONCRETO DT COMPRIMENTO (m) POSTE RESISTÊNCIA NOMINAL (dan) G Parafuso de cabeça quadrada de 150 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 200 mm G Parafuso de cabeça quadrada de 250 mm G Parafuso de cabeça quadrada de mm K Parafuso de cabeça quadrada de 350 mm K Parafuso de rosca dupla de 400 mm K Parafuso de rosca dupla de 450 mm AMARRAÇÕES CONEXÕES - ATERRAMENTO 2- AWG 1/0 AWG 4/0 AWG CONDUTOR BITOLA CAA CAA CAA Z Cordoalha de aço galvanizado 6,4 mm (m) V V V Z Cabo de cobre flexível isolado 10 mm² 2 m 2 m 2 m U Conector derivação tipo cunha-amp-tipo II, ou similar H Haste de aterramento de aço-cobre - 5/8" por 2400 mm V V V R Conector ater. tipo cunha cabo-haste haste 14,3mm cabo 6 a 16 mm² V V V E Eletroduto de pvc - 12 mm (1/2") (m) M 1662 Manilha sapatilha N Nota 1 Alça pré-formada Nota 1 Material depende da aplicação V = Quantidade variável EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 67 / 86

68 6.34 Fixação de pára-raios no tanque do transformador EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 68 / 86

69 6.35 Malha de aterramento EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 69 / 86

70 6.36 Entrada de serviço postos de transformação até 75 KVA EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 70 / 86

71 Aterramento de cercas paralelas à rede de distribuição EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 71 / 86

72 Aterramento de cerca transversal à rede de distribuição EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 72 / 86

73 Aterramento de cerca próximo a malhas de terra EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 73 / 86

74 6.40 Tabela de fechas de montagem EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 74 / 86

75 Tabelas de tração de montagem TABELA DE TRAÇÕES DE MONTAGEM PARA REDES RURAIS RDR (dan) CABO 2 AWG - CAA TEMP. º C Vãos (m) TEMP. º C Vãos (m) EMISSÃO: 09 de julho de 2008 REVISÃO:NOV. 13 FOLHA : 75 / 86

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA TRIFÁSICA 13,8 E 34,5 KV NTD-016

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA TRIFÁSICA 13,8 E 34,5 KV NTD-016 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE...3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-PROCEDIMENTOS...5 5.1-Afastamentos padronizados na estrutura...5 5.2-Afastamentos

Leia mais

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV ÍNDICE APRESENTAÇÃO....2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE... 3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-CONDUTORES...4 6-PROCEDIMENTOS...5 6.1- Afastamentos padronizados...5 6.2-Engastamento

Leia mais

NORMA TÉCNICA MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA COM CONDUTORES NUS DE SISTEMAS TRIFÁSICOS DE MÉDIA TENSÃO.

NORMA TÉCNICA MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA COM CONDUTORES NUS DE SISTEMAS TRIFÁSICOS DE MÉDIA TENSÃO. NORMA TÉCNICA NTE 026 MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA COM CONDUTORES NUS DE SISTEMAS TRIFÁSICOS DE MÉDIA TENSÃO - 1,8 E 4,5 kv- Cuiabá Mato Grosso - Brasil NTE 026 11ª Edição GPS/NT 1/12/2012

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO 44/81 3. Deverão ser afixadas, com parafusos, placas identificando as chaves-facas com os dizeres FONTE, CARGA e BY PASS ; 4. Todos os reguladores de tensão deverão ser solidamente conectados ao neutro

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA ENTRADA CLIENTE. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA ENTRADA CLIENTE. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Ramal de Entrada Subterrâneo 6.1. CE2H ES Poste de Concreto de Seção Circular 6.2.

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL EQUIPAMENTOS. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL EQUIPAMENTOS. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Banco Regulador de Tensão 6.1. Em Plataforma 6.1.1. Vista Lateral 6.1.2. Vista Frontal

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO 2ª EDIÇÃO ABRIL 2015 DIRETORIA DE DISTRIBUIÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS FICHA TÉCNICA Coordenação: José Cezar Nonato Participantes: Eleomar da Silva, José

Leia mais

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas de Transição Rede Compacta Rede Nua com Para-Raios 6.1. Estrutura CE3.N3

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 003

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 003 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 00 MONTAGEM DE BANCO DE CAPACITORES SEM CONTROLE AUTOMÁTICO DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA 1. OBJETIVO Estabelecer a padronização da montagem de bancos de capacitores

Leia mais

NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - DPE

NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - DPE 1- OBJETIVO Padronizar a estrutura de montagem da chave tripolar sob carga SF6 15 kv do fabricante Arteche. 2- APLICAÇÃO DO TIPOS DE MONTAGEM

Leia mais

NORMA TÉCNICA NTE INSTALAÇÃO DE REGULADORES DE TENSÃO MONOFÁSICOS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE

NORMA TÉCNICA NTE INSTALAÇÃO DE REGULADORES DE TENSÃO MONOFÁSICOS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉNIA NTE - 034 INSTALAÇÃO DE REGULADORES DE TENSÃO MONOÁSIOS DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE SISTEMA DE DOUMENTOS NORMATIVOS SUBSISTEMA DE NORMAS TÉNIAS INSTALAÇÃO DE REGULADORES DE

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL - ESTRUTURAS BÁSICAS

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL - ESTRUTURAS BÁSICAS Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Termos e definições 6. Condições Gerais 7. Engastamento 7.1. Engastamento Simples 7.2. Engastamento F1

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 034 INSTALAÇÃO DE REGULADORES DE TENSÃO MONOFÁSICOS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 034 INSTALAÇÃO DE REGULADORES DE TENSÃO MONOFÁSICOS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil NORMA TÉNIA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 034 INSTALAÇÃO DE REGULADORES DE TENSÃO MONOÁSIOS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO uiabá Mato Grosso - Brasil SUMÁRIO 1. OBJETIVOS...3 2. AMPO DE APLIAÇÃO...3 3. RESPONSABILIDADE

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO T Í T U L O REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL POSTE DUPLO T CÓDIGO PT.PN.03.13.0012 VERSÃO Nº ATA Nº APROVAÇÃO DATAA DATA DA VIGÊNCIA 00-27/05/2011 27/05/2011

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA AMARRAÇÕES, DERIVAÇÕES E ATERRAMENTO

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA AMARRAÇÕES, DERIVAÇÕES E ATERRAMENTO Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Amarrações e Ancoragens 6.1. Amarrações para Isoladores 6.2. Amarrações para Espaçadores

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE MULTIPLEXADA BT ESTRUTURAS BÁSICAS

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE MULTIPLEXADA BT ESTRUTURAS BÁSICAS Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Condições Gerais 5. Requisitos Ambientais 6. Estruturas Básicas 6.1. Estrutura Tangente com Isolador Roldana SI-1 6.2. Estrutura

Leia mais

PD Redes de Distribuição Aérea Urbana 24,2kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia

PD Redes de Distribuição Aérea Urbana 24,2kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia PD-4.002 Redes de Distribuição Aérea Urbana 24,2kV Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia Da Distribuição PD-4.002 Redes de Distribuição Aérea Urbana

Leia mais

REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Redes de Distribuição de Baixa e Média Tensão CANOAS- RS MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO 1. OBJETIVO: Fornecer informações necessárias sobre os

Leia mais

1 FINALIDADE CAMPO DE APLICAÇÃO RESPONSABILIDADES DEFINIÇÕES REFERÊNCIAS CRITÉRIOS GERAIS... 6

1 FINALIDADE CAMPO DE APLICAÇÃO RESPONSABILIDADES DEFINIÇÕES REFERÊNCIAS CRITÉRIOS GERAIS... 6 05/11/2014 1 de 214 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 2 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 4 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 4 4.2 Aterramento... 4 4.3 Distribuidora...

Leia mais

SUMÁRIO. CÓDIGO: NTD DATA DE VIGÊNCIA: 02/05/2016 TÍTULO: Estruturas de Banco de Reguladores de Tensão VERSÃO NORMA: 1.

SUMÁRIO. CÓDIGO: NTD DATA DE VIGÊNCIA: 02/05/2016 TÍTULO: Estruturas de Banco de Reguladores de Tensão VERSÃO NORMA: 1. SUMÁRIO REGULADOR DE TENSÃO ESTRELA ATERRADO 23 kv...2 REGULADOR DE TENSÃO DELTA ABERTO 13,8 kv...7 REGULADOR DE TENSÃO DELTA FECHADO 13,8 kv... 11 ALTERAÇÕES... 15 Estruturas Instalações de Equipamentos

Leia mais

1 FINALIDADE CAMPO DE APLICAÇÃO RESPONSABILIDADES DEFINIÇÕES REFERÊNCIAS DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES...

1 FINALIDADE CAMPO DE APLICAÇÃO RESPONSABILIDADES DEFINIÇÕES REFERÊNCIAS DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES... 05/11/2013 1 de 1 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 2 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 3 RESPONSABILIDADES... 2 4 DEFINIÇÕES... 3 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 3 4.2 Aterramento... 3 4.3 Distribuidora...

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA NTD-14 NTD 14 MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA CONTROLE DE VERSÕES NTD-14 - MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Nº.: DATA VERSÃO 1 13/07/4 0 2 03/9 1 NTD 14 MONTAGEM

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL AMARRAÇÕES, ATERRAMENTO, CONEXÕES E CRUZAMENTOS

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL AMARRAÇÕES, ATERRAMENTO, CONEXÕES E CRUZAMENTOS Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Amarrações em MT 7. Amarrações em BT 8. Cruzamento Aéreo em MT 9. Cruzamento Aéreo

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA TRIFÁSICA 13,8 E 34,5 KV NTD-016

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA TRIFÁSICA 13,8 E 34,5 KV NTD-016 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE...3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-PROCEDIMENTOS...5 5.1-Afastamentos padronizados na estrutura...5 5.2-Afastamentos

Leia mais

SUBSISTEMAS NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMAS NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIUIÇÃO SUBSISTEMAS NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0002 ESTRUTURAS PARA REDES AÉREAS

Leia mais

Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina PARTE 3 SEÇÃO 3-B

Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina PARTE 3 SEÇÃO 3-B Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina PARTE 3 SEÇÃO 3-B Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 002

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 002 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 002 INSTALAÇÃO DE RELIGADOR AUTOMÁTICO NOVA COOPER POWER SYSTEMS DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA 1. OBJETIVO Padronizar a estrutura de montagem do religador automático

Leia mais

Padronização de Estruturas e Critérios para Utilização de Postes de Concreto Duplo T em Redes Urbanas. Norma. Revisão 04 03/2014 NORMA ND.

Padronização de Estruturas e Critérios para Utilização de Postes de Concreto Duplo T em Redes Urbanas. Norma. Revisão 04 03/2014 NORMA ND. Padronização de Estruturas e Critérios para Utilização de Postes de Concreto Duplo T em Redes Urbanas Norma 03/2014 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Rua Ary Antenor de

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028 MONTAGEM DE S PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA, RURAL, COM CONDUTORES NUS - 13,8 E 34,5 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA INDICE 1- OBJETIVO...

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 006

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 006 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 006 INSTALAÇÃO DE RELIGADOR AUTOMÁTICO TIPO ESV da COOPER POWER DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA 1. OBJETIVO Padronizar as estruturas de montagem do religador automático

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 004

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 004 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 004 INSTALAÇÃO DE RELIGADOR AUTOMÁTICO VIPER S SHANGHAI G & W ELECTRIC DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA 1. OBJETIVO Padronizar a estrutura de montagem do religador

Leia mais

Estruturas para Redes Aéreas Rurais de Distribuição de Energia Elétrica em 34,5 kv. Padronização. Revisão 04 04/2014 NORMA ND.04

Estruturas para Redes Aéreas Rurais de Distribuição de Energia Elétrica em 34,5 kv. Padronização. Revisão 04 04/2014 NORMA ND.04 Estruturas para Redes Aéreas Rurais de Distribuição de Energia Elétrica em 34,5 kv Padronização /2014 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Rua Ary Antenor de Souza, 321 Jd.

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Objetivo Simbologia para Mapeamento Simbologia para Projeto e Cadastramento Nomenclatura Alterações...

SUMÁRIO. 1. Objetivo Simbologia para Mapeamento Simbologia para Projeto e Cadastramento Nomenclatura Alterações... SUMÁRIO 1. Objetivo...2 2. Simbologia para Mapeamento...2 3. Simbologia para Projeto e Cadastramento...4 4. Nomenclatura... 10 5. Alterações... 13 Revisado: Gilnei Santos Aprovado: Leandro Silva Projetos

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO SECUNDÁRIAS AÉREAS ISOLADAS

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO SECUNDÁRIAS AÉREAS ISOLADAS SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.007 SECUNDÁRIAS AÉREAS ISOLADAS 01 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO-ES SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2.

Leia mais

Título do Documento: Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea Secundária com Condutores Isolados Estruturas (Multiplexada) Tipo: NTC-D-06

Título do Documento: Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea Secundária com Condutores Isolados Estruturas (Multiplexada) Tipo: NTC-D-06 Título do Documento: Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea Secundária com Condutores Isolados Estruturas Tipo: Norma Técnica e Padronização REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA SECUNDÁRIA

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL

COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL Página 1 de 2 COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1. OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ASPECTOS GERAIS... 2 3. EXCEÇÕES... 2 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

Conferência do Projeto

Conferência do Projeto 214-DPDORC4B 22/4/214 1 de 5 12/2/214 1:9.23 CARACTERIZAÇÃO Data Projeto Nº Pedido Finalidade 16/7/213 Título Implantação de SE Descrição da Obra: Tipo da Obra: IMPLANTAÇÃO EXPANSÃO DA REDE ELÉTRICA (ALTA

Leia mais

Canal de Vendas ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A.

Canal de Vendas ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. Canal de Vendas 08 2 ROMGNOLE Produtos Elétricos S.. ROMGNOLE Produtos Elétricos S.. 013 plicação dos Produtos 08 4 ROMGNOLE Produtos Elétricos S.. Ferragens REDE CONVENCIONL REDE COMPCT fastador de Rede

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO ATERRAMENTO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO ATERRAMENTO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO 1/8 1. Objetivo Estabelecer critérios básicos para a instalação de sistemas de aterramento das instalações e equipamentos utilizados em redes aéreas de distribuição. 2. Aplicação Distribuição. 3. Documentos

Leia mais

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS 11 metros = 150 12 metros = 150 900 300 600 1000 máximo 1000 máximo 11 metros = 850 12 metros = 1450 900 100 11 metros = 1300 12 metros = 1300 800 450 350 11 metros =

Leia mais

Sistema Bifásico em 13,8 kv para Redes Aéreas Rurais de Distribuição de Energia Elétrica. Padronização. Revisão 04 07/2014 NORMA ND.

Sistema Bifásico em 13,8 kv para Redes Aéreas Rurais de Distribuição de Energia Elétrica. Padronização. Revisão 04 07/2014 NORMA ND. Sistema Bifásico em 13,8 kv para Redes Aéreas Rurais de Distribuição de Energia Elétrica Padronização 07/2014 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia,

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COMPACTA PROTEGIDA CLASSE 15 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA página APRESENTAÇÃO...3 1. OBJETIVO...4 2. CAMPO DE APLICAÇÃO...4

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NDU-010 VERSÃO 3.1 JUNHO/2013 SUMÁRIO Item Descrição Classe Desenho 1. Haste de Aço-Cobre para Aterramento...

Leia mais

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS 11 metros = 150 12 metros = 150 450 1000 máximo 11 metros = 850 12 metros = 1450 800 450 450 11 metros = 1700 12 metros = 1800 11 ou 12 metros 100 11 metros = 1300 12

Leia mais

A N E X O VI M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E M E D I Ç Ã O D E E N E R G I A

A N E X O VI M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E M E D I Ç Ã O D E E N E R G I A A N E X O VI M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E M E D I Ç Ã O D E E N E R G I A C A T Á L O G O R E F E R E N C I A L DE M Ó D U L O S P A D R Õ E S D E C O N S T R U Ç Ã O D E S U B E S T A Ç Õ

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. PROJETO ELÉTRICO POSTO DE TRANSFORMAÇÃO TRIFÁSICO 225 kva/13,8kv 220/127 V SEDE DE PROMOTORIAS - PRIMAVERA DO LESTE MT

MEMORIAL DESCRITIVO. PROJETO ELÉTRICO POSTO DE TRANSFORMAÇÃO TRIFÁSICO 225 kva/13,8kv 220/127 V SEDE DE PROMOTORIAS - PRIMAVERA DO LESTE MT MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO POSTO DE TRANSFORMAÇÃO TRIFÁSICO 225 kva/13,8kv 220/127 V SEDE DE PROMOTORIAS - PRIMAVERA DO LESTE MT Cuiabá, MT Maio / 2014 2 Assunto: PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

Leia mais

PD Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento, Engenharia e Obras da Distribuição

PD Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento, Engenharia e Obras da Distribuição PD-4.009 Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Planejamento, Engenharia e Obras da Distribuição Gerência de Tecnologia da Distribuição Folha de Controle

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0085 ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal DDI/SCD/SED Maio/2010 Notas sobre esta revisão (maio/2010) Este manual, originalmente desenvolvido para Entrada

Leia mais

CUIDADO! ELETRICIDADE CUIDADO! ELETRICIDADE CUIDADO! ELETRICIDADE CUIDADO! ELETRICIDADE PLANTA BAIXA MEDIDAS EM: cm BEP 1 x Ø4" VISTA FRONTAL MEDIDAS EM: cm VISTA CORTE LATERAL: A-A" MEDIDAS EM: cm Av.

Leia mais

Estruturas para Instalação de Equipamentos Especiais nas Redes de Distribuição de Energia Elétrica. Padronização. Revisão 01 08/2014 NORMA ND.

Estruturas para Instalação de Equipamentos Especiais nas Redes de Distribuição de Energia Elétrica. Padronização. Revisão 01 08/2014 NORMA ND. Estruturas para Instalação de Equipamentos Especiais nas Redes de Distribuição de Energia Elétrica Padronização 08/24 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Rua Ary Antenor de

Leia mais

Item (Pág. 26) Foi inserida a Norma NR 10 Segurança em instalações e serviços em eletricidade.

Item (Pág. 26) Foi inserida a Norma NR 10 Segurança em instalações e serviços em eletricidade. O presente documento contém as alterações, correções e inclusões da versão anterior, contempladas na versão 1.2, que entrará em vigor a partir de 1º de novembro de 2014. TEXTO Item 10.3.2 (Pág. 26) Foi

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Ligações Especiais para Atendimento em Baixa Tensão NTC-74

NORMA TÉCNICA CELG D. Ligações Especiais para Atendimento em Baixa Tensão NTC-74 NORMA TÉCNICA CELG D Ligações Especiais para Atendimento em Baixa Tensão NTC-74 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3 4. CONDIÇÕES GERAIS DE

Leia mais

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COMPACTA 36,2 KV 02

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COMPACTA 36,2 KV 02 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.01.001 02 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES LIMA ENGENHARIA E CADASTRO-SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. APLICAÇÃO...

Leia mais

Nas exigências de um determinado material deve prevalecer, respectivamente, o exigido:

Nas exigências de um determinado material deve prevalecer, respectivamente, o exigido: MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0048 EQUIPAMENTOS 1/16 1. FINALIDADE

Leia mais

SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA.

SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA. Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA. 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura 1. FINALIDADE MEMORIAL DESCRITIVO Fornecimento de energia elétrica a três edifícios da Universidade Federal do Sul da Bahia, com a sede sendo a Reitoria localizada na Rua Itabuna, s/n, Rod. Ilhéus Vitória

Leia mais

Comunicado MS/PM - 053/2016. Assunto: Instalação de religadores dos fornecedores ABB e Schneider em Redes de Distribuição Aéreas Urbanas 15 kv.

Comunicado MS/PM - 053/2016. Assunto: Instalação de religadores dos fornecedores ABB e Schneider em Redes de Distribuição Aéreas Urbanas 15 kv. Comunicado MS/PM - 053/2016 Assunto: Instalação de religadores dos fornecedores ABB e Schneider em Redes de Distribuição Aéreas Urbanas 15 kv. Prezados Senhores, A CEMIG D através da Gerência de Engenharia

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 30/11/2007 Revisão e atualização do texto, e adequação ao modelo atual de normativo.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 30/11/2007 Revisão e atualização do texto, e adequação ao modelo atual de normativo. Projeto de Rede de Distribuição Aérea Multiplexada em Baixa Tensão Processo `Planejar, Ampliar e Melhorar a Rede Elétrica Atividade Elabora Projetos e Orçamentos Código Edição Data VR01.02-01.07 2ª Folha

Leia mais

Instalações Básicas de Linhas e Redes de Distribuição Compactas de 24,2 e 36,2 kv

Instalações Básicas de Linhas e Redes de Distribuição Compactas de 24,2 e 36,2 kv ND 2.10 Companhia Energética de Minas Gerais Manual de Distribuição Instalações Básicas de Linhas e Redes de Distribuição Compactas de 24,2 e 36,2 kv Belo Horizonte Minas Gerais Brasil ND-2.10 Classificação:

Leia mais

QUADRO DE PREÇOS (Revisão 01) LT 138kV PALMITOS - MONDAÍ LT 25006

QUADRO DE PREÇOS (Revisão 01) LT 138kV PALMITOS - MONDAÍ LT 25006 QUADRO DE PREÇOS (Revisão 01) LT 138kV PALMITOS - MONDAÍ LT 25006 JUL /06 10740 Instalação do Canteiro vb 1,00 20.537,46 11.390,98 31.928,44 10742 Limpeza da faixa central com 3m de largura km 29,45 1,48

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA- TIPO PSH - 13,8 KV NTD - 17

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA- TIPO PSH - 13,8 KV NTD - 17 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA- TIPO PSH - 13,8 KV NTD - 17 CONTROLE DE VERSÕES NTD 17 - MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA- TIPO PSH - 13,8 kv Nº.: DATA VERSÃO 0 03/09 Original

Leia mais

ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA

ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. CAMPO DE APLICAÇÃO. 3 4. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 4 5. CONDIÇÕES GERAIS 6 6. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 7 Afastamentos Mínimos entre Condutores e

Leia mais

CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO

CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO Para que a Celpa ligue a sua luz pela primeira vez, você precisa estar com o padrão de entrada de energia instalado corretamente. Chamamos de Padrão de Entrada Celpa

Leia mais

RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - REDE DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV REDE SUL / SUDESTE

RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - REDE DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV REDE SUL / SUDESTE RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV SUL / SUDESTE AFASTADOR, ARMACAO SECUNDARIA, ACO CARBONO 1010-1020, ZINCADO A QUENTE, DIMENSOES: 1000 X700 10002599 MM, 4 FUROS, NORMAS

Leia mais

CISCEA. Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo PÁGINA: PLANILHA QUANTIDADE /ORÇAMENTÁRIA. 1 de 5 DATA:

CISCEA. Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo PÁGINA: PLANILHA QUANTIDADE /ORÇAMENTÁRIA. 1 de 5 DATA: 1 de 5 01.00.000 SERVIÇOS TÉCNICOS-PROFISSIONAIS 01.02.000 GEOTECNIA 01.02.107 Medição de resistividade do solo.01 - Ponto de medição com 5 níveis (2, 4, 8, 16 e 32)m un 10,00 01.03.000 ESTUDOS E PROJETOS

Leia mais

FINALIDADE RAMO DE ATIVIDADE. Pré-moldados CARGA INSTALADA

FINALIDADE RAMO DE ATIVIDADE. Pré-moldados CARGA INSTALADA FINALIDADE Este memorial refere-se ao projeto(de acordo com a NT-002/2011 R03 da COELCE) de implantação de uma subestação aérea de 225kVA, atendendo à BM Pré-Moldados LTDA. Localidade:, Rodovia BR 222,

Leia mais

NORMA TÉCNICA CHESP NTD - 011

NORMA TÉCNICA CHESP NTD - 011 PÁGINA 1 de 13 NORMA TÉCNICA CHESP NTD - 011 Critérios de Projetos de Travessias e Ferrovias (Norma compilada da NTC - 62 CELG D) PÁGINA 2 de 13 Versão Controle de Revisão Motivo da Revisão/Alteração Data

Leia mais

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado.

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. 1 OBJETIVO Esta Norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas da caixa de medição a ser utilizada para alojar TCs e TPs empregados na medição de unidades consumidoras do Grupo

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs. Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs. Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki AGENDA Cabos condutores Isoladores e ferragens Estruturas das LTs Cabos para-raios Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki TE-140 2 CABOS CONDUTORES Prof.

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO IX Referente ao Edital de Pregão Presencial nº. 002/2015 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Página 1 de 10 1. DO OBJETO 1.1. O presente pregão tem como objeto a AQUISIÇÃO DE ELETROFERRAGENS, de acordo com as

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA DSEE 11/12/2014 DATA SUMÁRIO

Leia mais

PD Redes de Distribuição Aérea Compacta - 34,5 kv. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Engenharia. Gerência de Serviços Técnicos

PD Redes de Distribuição Aérea Compacta - 34,5 kv. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Engenharia. Gerência de Serviços Técnicos PD-4.014 Redes de Distribuição Aérea Compacta - 34,5 kv Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Engenharia Gerência de Serviços Técnicos Padrão de Distribuição - PD-4.014 REVISADO POR: Alexandre Amaral

Leia mais

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com Projeto Elétrico Padrão de Medição, fornecimento de energia em tensão primária 13.8kV, a partir da rede aérea de distribuição para atender Defensoria Pública do Estado da Paraíba. Responsavel Técnico:

Leia mais

ATERRAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO NTD

ATERRAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO NTD Página: 1 de 9 Data Elaboração: Dezembro/07 Data Revisão : Setembro/08 1. Objetivo Esta norma tem a finalidade de uniformizar os procedimentos para especificação, execução, medição e inspeção dos serviços

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-29/05/2014 09/06/2014 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI DTES-ES SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 LIGAÇÕES ESPECIAIS NA VIA PÚBLICA COM MEDIÇÃO Diretoria de Planejamento e Planejamento Gerência de Engenharia Página 2 de 11 ÍNDICE OBJETIVO...3 1. APLICAÇÃO...4

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estrutura CE2H TR (2º Nível) Poste de Concreto de Seção Circular 7. Estrutura CE2H

Leia mais

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0007 ACESSÓRIOS E FERRAGENS DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS 1- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Convencional Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 13 2- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Compacta Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 2 de

Leia mais

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I Folha: 0001 Objeto: Aquisição de Material de e Permanente(Material de Construção e Elétrico) 001 1190 Transformador em poste de 11,5 KVA-15KV, 60Hz alta tensão 1, ZKV, baixa tensão 0/17V. LOTE 001 / SETOR

Leia mais

Finalidade Fonte de Alimentação Proteção da Rede de Média Tensão Proteção contra Sobretensão: 2.5.

Finalidade Fonte de Alimentação Proteção da Rede de Média Tensão Proteção contra Sobretensão: 2.5. MEMÓRIAL DESCRITIVO 5 2.1. - Finalidade Traçar diretrizes básicas para a implementação dos projetos de iluminação externa do Campus Petrolina e iluminação da via de interligação entre o anel viário e os

Leia mais

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA Recon BT_Energia em Casa_10x21.indd 1 12/22/15 3:31 PM

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA Recon BT_Energia em Casa_10x21.indd 1 12/22/15 3:31 PM ENERGIA EM SUA CASA Recon BT/2013 Regulamentação para o Fornecimento de Energia Elétrica a Consumidores em Baixa Tensão CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA. 499-008 Recon BT_Energia

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Instalações Elétricas Condutores Elétricos (Parte 2) Prof. Gilmário Lima SELEÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Chama-se de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR

Leia mais

Fornecimento Provisório de Energia Elétrica em Baixa Tensão (Procedimento Interno Uso Exclusivo da Ampla)

Fornecimento Provisório de Energia Elétrica em Baixa Tensão (Procedimento Interno Uso Exclusivo da Ampla) ITA - 010 Rev. 0 MAIO / 2005 Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Fornecimento Provisório de Energia Elétrica em Baixa Tensão (Procedimento Interno Uso Exclusivo

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO QUANTIDADES DE US UTILIZADAS PELA CELG D PARA A REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS. ITD-16 Revisão 6

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO QUANTIDADES DE US UTILIZADAS PELA CELG D PARA A REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS. ITD-16 Revisão 6 INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO QUANTIDADES DE US UTILIZADAS PELA CELG D PARA A REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS ITD-16 Revisão 6 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO TÍTULO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-06//2009 06//2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior TÍTULO SUMÁRIO. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA ESTIMATIVA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA ESTIMATIVA MÊS DE REFERÊNCIA DOS S: MAIO / 2009 ITEM MATERIAL UN QUANT. 1 REDE DE DISTRIBUIÇÃO: Rede de distribuição a ser executada parte no sistema embutido e parte no sistema aparente com eletroduto de pvc, fiação,

Leia mais

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea ITEM DESCRIÇÃO QUANT. 1.00 REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.1 Cabo de alumínio com alma de aço (CAA), seção 4/0, diâmetro externo

Leia mais

2,00 ARRUELA, REDONDA, ACO CARBONO GALV, PC 0,05 04 035X18X3MM 8,00 ARRUELA,QUADRADA, ACO CARBONO GALV, PC 0,15 05 050X18X3MM

2,00 ARRUELA, REDONDA, ACO CARBONO GALV, PC 0,05 04 035X18X3MM 8,00 ARRUELA,QUADRADA, ACO CARBONO GALV, PC 0,15 05 050X18X3MM PLANILHA DE DETALHAMENTO DE CUSTOS TÍTULO.: EXT. PRIMÁRIA EM 13.8KV COM INST. DE SE AEREA DE 112,5KVA - E/F: ANATEL EXT. AT. 26m - N. PST AT - 02 N. DE CONS. 01 ITEM DESCRIÇÃO DO MATERIAL UN PESO QTDE

Leia mais

Caixa de passagem e ligação

Caixa de passagem e ligação Caixa de passagem e ligação AR14 A prova de tempo e jatos potentes d água Características Construtivas Caixa de passagem e ligação fabricada em liga de alumínio fundido copper free de alta resistência

Leia mais

Chave Fusível Polimérica tipo MZ uso externo para distribuição

Chave Fusível Polimérica tipo MZ uso externo para distribuição Chave Fusível Polimérica tipo MZ uso externo para distribuição Página 1 de 6 A Chave fusível Polimérica tipo MZ foi desenvolvida para operar em redes de distribuição com tensões de 15, 27 e 38 kv. Especialmente

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA-13,8 e 34,5kV NTD 11

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA-13,8 e 34,5kV NTD 11 MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA-13,8 e 34,5kV NTD 11 CONTROLE DE VERSÕES NTD 11 - MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA-13,8 e 34,5kV Nº.: DATA VERSÃO 01 12/2004 Original 02 03/2009 Revisão

Leia mais

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA.

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA. ENERGIA EM SUA CASA Recon BT/2013 Regulamentação para o Fornecimento de Energia Elétrica a Consumidores em Baixa Tensão CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA. Regulamentação para

Leia mais

Chave Fusível. Tecnologia com melhor Custo / Benefício!

Chave Fusível. Tecnologia com melhor Custo / Benefício! Chave Tecnologia com melhor Custo / Benefício! Chave Base C Suporte L (1) 264 mm -Polimérica 300A 15kV Normas NBR 8124 (PB 995) IEC 060282-2 ANSI C37-41 Consulte-nos sobre outras normas e tipos. Cartucho

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PT.DT.PDN REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA MONTAGEM ELÉTRICA 01

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PT.DT.PDN REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA MONTAGEM ELÉTRICA 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.022 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA SP MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA - ES SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais