DOC. NT NT MONTAGEM DE REDES E LINHAS ÁREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. INDICE 1. OBJETIVO ÂMBITO DE APLICAÇÃO...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOC. NT NT MONTAGEM DE REDES E LINHAS ÁREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. INDICE 1. OBJETIVO... 02 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO..."

Transcrição

1 REV. Página 1 de 149 INDICE Página 1. OBJETIVO ÂMBITO DE APLICAÇÃO NORMAS E/OU DOCUMEOS COMPLEMEARES CONDICÕES GERAIS CONDIÇÕES ESPECÍFICAS SEÇÃO 5.1 POSTES E CRUZETAS SEÇÃO 5.2 FERRAGENS ELETROTÉCNICAS SEÇÃO 5.3 CONECTORES ELÉTRICOS SEÇÃO 5.4 PRÉ-FORMADOS SEÇÃO 5.5 CONDUTORES ELÉTRICOS SEÇÃO 5.6 ISOLADORES SEÇÃO 5.7 EQUIPAMEOS ELÉTRICOS SEÇÃO 5.8 ILUMINAÇÃO PÚBLICA SEÇÃO 5.9 MISCELÂNEA VIGÊNCIA APROVAÇÃO... 06

2 - AB - NBR 7285/82 - Cabos de potência com isolação sólida extrudada de polietileno CERON NORMA TÉCNICA REV. Página 2 de OBJETIVO Esta norma padroniza as características técnicas e construtivas (formatos, dimensões, tolerâncias, materiais e resistência mecânica) de elementos utilizados na construção de redes e linhas aéreas urbanas e rurais de distribuição de energia elétrica de sistemas com tensão primária até 34,5 KV e tensão secundária de 220/127 V, da Centrais Elétricas de Rondônia S.A CERON. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Esta norma aplica-se às áreas de planejamento, projetos, construção e fiscalização de obras, operação, manutenção, suprimentos e controle de qualidade. 3. NORMAS E/OU DOCUMEOS COMPLEMEARES Na aplicação desta norma, poderá ser necessário consultar: - CERON - IT Postes de Concreto Armado para Redes Aéreas de Distribuição de Energia Elétrica Especificação; - AB - NBR 6134/80 Postes e Cruzetas de Concreto Especificação; - AB - NBR 8453/84 - Cruzeta de Concreto Armado para Redes Aéreas de Distribuição de Energia Elétrica Especificação; - CERON - IT Postes de Madeira não preservados para Redes Aéreas de Distribuição de Energia Elétrica Especificação; - CERON - D Cruzeta de Madeira para Redes Aéreas de Distribuição de Energia Elétrica Especificação; - AB - NBR 8158/83 - Ferragens Eletrotécnicas para Redes Aéreas de Distribuição de Energia Elétrica Especificação; - AB - NBR 8159/85 - Ferragens Eletrotécnicas para Redes Aéreas Urbanas e Rurais de Distribuição de Energia Elétrica Formatos, Dimensões e Tolerâncias Padronização. - CERON - D Haste de Aterramento cobreadas por processo eletrolítico Especificação; - AB - NBR 5471/86 - Eletrotécnica e Eletrônica - Condutores Elétricos Terminologia; - AB - NBR 5111/85 - Fios e cabos de cobre nús de seção circular para fins elétricos Especificação; - AB - NBR 5349/85 - Fios e cabos de cobre nús mole para fins elétricos Especificação; - AB - NBR 7270/82 - Cabos de Alumínio com alma de aço Especificação; - AB - NBR 7271/82 - Condutores de Alumínio para instalação aéreas com ou sem cobertura protetora Especificação;

3 - AB - NBR 5037/83 - Fitas adesivas sensíveis à pressão para fins de isolação elétrica CERON NORMA TÉCNICA REV. Página 3 de CERON - D Isoladores para Redes e Linhas de 0,6, 15, 34,5 e 69 KV Especificação; - AB - NBR 6248/87 - Isolador Castanha Dimensões e Características Padronização; - AB - NBR 6249/87 - Isolador Roldana Dimensões e Características Padronização; - AB - NBR 6882/87 - Isolador Pedestal Dimensões e Características Padronização; - AB - NBR 7109/87 - Isolador de Disco Dimensões e Características Padronização; - AB - NBR 7110/87 - Isolador de Pino Dimensões e Características Padronização; - CERON - D Chaves Fusíveis de Distribuição Especificação; - CERON - IT Chaves Seccionadora monopolar Especificação; - CERON - D Chaves Seccionadora tripolar em carga com câmara de interrupção a ar Especificação; - AB - NBR 7571/82 - Seccionador Característica Técnica Dimensional Padronização; - CERON - IT Pára-raios tipo distribuição e tipo estação Especificação; - CERON - D Transformadores para Redes Aéreas de Distribuição de Energia Elétrica Especificação; - AB - NBR 5440/87 - Transformadores para Redes Aéreas de Distribuição Padronização; - AB - NBR 7036/81 - Recebimento, instalação e manutenção de transformadores de distribuição imersos em líquido isolante Procedimento; - CERON - D Capacitores de Potência Especificação; - AB - NBR 5060/77 - Guia para instalação e operação de capacitores de potência Procedimento; - AB - NBR 5101/85 - Iluminação Pública Especificação; - AB - NBR 5120/77 - Lâmpada a vapor de mercúrio a alta pressão destinadas a iluminação Especificação; - AB - NBR 5123/82 - Relé Fotoelétrico para iluminação Especificação; - AB - NBR 5125/80 - Reatores para lâmpadas à vapor de mercúrio a alta pressão Especificação; - AB - NBR 5359/85 - Elos fusíveis de distribuição Especificação; - AB - NBR 5385/85 - Elos fusíveis de distribuição Método de Ensaio; - AB - NBR 7282/82 - Dispositivos fusíveis tipo expulsão Especificação;

4 REV. Página 4 de AB - NBR 5057/82 - Fitas adesivas sensíveis à pressão para fins de isolação elétrica Método Ensaios; 4. CONDIÇÕES GERAIS 4.1 Para as peças zincadas, a zincagem dever ser feita por imersão a quente e os materiais pré-formados podem ser zincados eletroliticamente. 4.2 Todos os parafusos padronizados e aqueles utilizados como parte integrante de materiais e equipamentos devem ter rosca métrica, conforme a AB NBR 6159/ As partes não cotadas das figuras constantes do capítulo 5 desta norma, são orientativas aceitando-se outras formas, desde que as características elétricas e mecânicas sejam mantidas. 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS As características específicas dos materiais e equipamentos padronizados, constam das tabelas e figuras das seções 5.1 à VIGÊNCIA Este procedimento terá vigência a partir de sua aprovação. 7. APROVAÇÃO José Carlos de Medeiros Paulo Sérgio Petis Fernandes Diretor Presidente/Técnico Interino Diretor Administrativo/Financeiro Interino

5 REV. Página 5 de 149 SEÇÃO 5.1 POSTES E CRUZETAS

6 REV. Página 6 de 149 FACE A a POSTE DE CONCRETO ARMADO SEÇÃO DUPLO T obs: o conduíte deve ser embutido DETALHE C FACE B b F Ver detalhe D a) Recomenda se L (m) 9,0 11,0 12,0 13,0 b) Admite se L (m) 11,0 50 ± 5 M T B B A A Ø19 ± 2 Identificação L 50 ± 5 Conduíte PVC Ø19 mm para passagem do cabo de aterramento Traço de referência Ver detalhe A DETALHE A 30 ± ± ± 50 J 30 ± 2 25 ± 2,5 Ver detalhe C

7 REV. Página 7 de 149 POSTE DE CONCRETO ARMADO SEÇÃO DUPLO T DETALHE DO TOPO (direção de menor resistência) 50 ± 1 FACE A (direção de maior resistência) 100 ± 2 FACE B F 100 ± ± 2 T Ver detalhe D M Furos de Ø19 ± 2 a cada 100 ± 2 75 ± 2 DETALHE D 25 ± ± 2 25 ± 1 50 ± 2 Conduíte PVC Ø19 mm para passagem do cabo de aterramento

8 REV. Página 8 de 149 TABELA 1 Características dos postes de concreto armado seção duplo T padronizados Item Comp. Nominal L 6 0,05 (m) 9,0 11,0 12,0 13,0 Tipo D B D B B-1,5 B B-1,5 B B-1,5 Resistência Nominal Rn (dan) Face (A) Face (B) Momento fletor Nominal no plano De aplicação de Rn mínimo MA (dan x M) (A) Face (A) Face (B) Massa Aprox. (Kg) Face ( A ) Topo a Base A Face ( B ) Topo b Base B Dimensões (mm) F J e T M NOTAS: a) As massas são aproximadas e não possuem sentido normativo, não devendo ser exigida a sua observância, inclusive na inspeção. b) Todos os postes de concreto tipo B e B-1,5, deverão ser fabricados com uma mangueira de PVC de 12,5 mm que passará internamente à sua estrutura, conforme detalhe das figuras 1 e 2. c) (A) valores mínimos para distância do plano de aplicação de Rn ao topo do poste: Face A cavada = 100 mm Face B lisa = 100 mm

9 REV. Página 9 de 149 POSTE DE CONCRETO ARMADO SEÇÃO DUPLO T TABELA 2 DISTÂNCIA DIMENSÕES DAS SEÇÕES EM FUNÇÃO DO TIPO E DA FACE DO POSTE DO D B B 1,5 B 4,5 B- 6 TOPO A 6 5 B 6 5 A 6 5 B 6 5 A 6 5 B 6 5 A 6 5 B 6 5 A 6 5 B

10 REV. Página 10 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 1 C ONDIÇÕES GERAIS: 1.1 O poste dever ser sempre transportado e estocado com a parte gravada voltada para cima O poste só podem ser transportados com no mínimo 21 dias de fabricação e 28 dias para uso. 2 MATERIAL: Concreto Armado. 3 RESISTÊNCIA MECÂNICA: 3.1 Cada tipo de poste relacionado na tabela, quando ensaiado mecanicamente conforme N.T.D. 011 (Especificação/CERON), deve atender o contido na referida norma. 4 ACABAMEO: Conforme N.T.D. 011 (Especificação/CERON). 5 IDEIFICAÇÃO: 5.1 Deve ser gravado em baixo relevo, com profundidade entre 2mm e 5mm de forma legível e indelével no concreto, antes da cura total, da base para o topo. - Traço de referência a ( ) mm. da base. - Data (dia, mês e ano) de fabricação. - Comprimento nominal ( m.) - Resistência nominal ( da N.) - Nome ou marca do fabricante. Ex.: 1-31/07/82-12, POSTE S/A. 5.2 A identificação deve ficar centralizada transversalmente e defasada de 90º em relação à geratriz que contém os furos para a passagem do cabo de aterramento. 5.3 A largura máxima dos caracteres não dever ser superior a 40% do diâmetro da seção transversal do poste. 5.4 A identificação deve ser no máximo até ( ) mm. da base. 6 ENSAIOS E DEMAIS CARACTERÍSTICAS: 6.1 Conforme D-011 (Especificação) e ou normas aplicáveis que não contrariem as normas da CERON.

11 19 ± 3 CERON NORMA TÉCNICA REV. Página 11 SEÇÃO POSTE DE CONCRETO ARMADO Ø A CIRCULAR 30 ± 2 F A 19 ± 3 B Furos p/ passagem do cabo de aterramento Identificação L Traço de referência e 30 ± 2 19 ± J 3000 ± ± 50 Ø B CORTE A B

12 REV. Página 12 POSTE DE CONCRETO ARMADO SEÇÃO CIRCULAR TABELA 1 Características dos postes de concreto armado seção circular padronizados. Item Comprimento Nominal L60,05 (m) Tipo Resistência nominal R n (da N) Momento fletor nominal no plano de aplicação de R n (C) mínimo M A (da N x m) Massa Aprox. (Kg) 01 C C C C C C C C C C C ,0 C C A65 (A) Dimensões (mm) B65 (B) F65 J65 e Notas : a) (A) Conicidade 20mm/m; (B) Conicidade 15mm/m. b) As massas são aproximadas e não possuem sentido normativo, não devendo ser exigida a sua observância, inclusive na inspeção; c) (C) Valores mínimos para distância do plano de aplicação de Rn ao topo do poste igual a 100mm.

13 REV. Página 13 POSTE DE CONCRETO ARMADO SEÇÃO CIRCULAR TABELA 2 DISTÂNCIA DIÂMETRO DAS SEÇÕES EM FUNÇÃO DO TIPO DO POSTE (mm) DO TOPO C - 14 C - 17 C - 19 C - 23 C - 29 (mm) A 6 5 A 6 5 A 6 5 A 6 5 A

14 REV. Página 14 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: POSTE DE CONCRETO ARMADO SEÇÃO CIRCULAR 1 CONDIÇÕES GERAIS: 1.1 O poste deve ser sempre transportado e estocado com a parte gravada voltada para cima. 2 MATERIAL: Concreto Armado. 3 RESISTÊNCIA MECÂNICA: 3.1 Cada tipo de poste relacionado na tabela, quando ensaiado mecanicamente conforme IT (Especificação/CERON), deve atender o contido na referida norma. 4 ACABAMEO: Conforme IT (Especificação/CERON). 5 IDEIFICAÇÃO: 5.1 Deve ser gravado em baixo relevo, com profundidade entre 2mm e 5mm de forma legível e indelével no concreto, antes da cura total, da base para o topo. - Traço de referência a ( ) mm. da base. - Data (dia, mês e ano) de fabricação. - Comprimento nominal ( m.) - Resistência nominal ( da N.) - Nome ou marca do fabricante. Ex.: 1-31/07/82-12, POSTE S/A. 5.2 A identificação deve ficar centralizada transversalmente e defasada de 90º em relação à geratriz que contém os furos para a passagem do cabo de aterramento. 5.3 A largura máxima dos caracteres não dever ser superior a 40% do diâmetro da seção transversal do poste. 5.4 A identificação deve ser no máximo até ( ) mm. da base. 6 ENSAIOS E DEMAIS CARACTERÍSTICAS: 6.1 Conforme D-011 (Especificação) e ou normas aplicáveis que não contrariem as normas da CERON.

15 REV. Página 15 CORAPOSTE Cabo de aço FACE A TOPO 140 ± 5 FACE B TOPO 110 ± 5 A 150 B 3025 ± 25 Indicação de poste assimétrico na face a ser comprimida Identificação 5000 ± ± ± ± ± 2 CORTE A B 19 ± 1 Ø 19 ± 1 Ø 19 ± 1 Traço de referência 1500 ± ± ± ± ± 5 50 ± 2 50 ± 2 BASE BASE SEÇÃO DUPLO T

16 REV. Página 16 TIPO B (assimétrico) RESISTÊNCIA NOMINAL (Rn) dan MOMEO FLETOR MOMINAL (MA) (Ver obs. 2) (dan x m.) OBS: Medidas em milímetros. CORAPOSTE SEÇÃO DUPLO T CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 1 CONDIÇÕES GERAIS:

17 REV. Página Concreto armado. 3 RESISTÊNCIA MECÂNICA: 3.1 Devera ser ensaiada apenas a face B (lisa) do contra poste, e no sentido de maior resistência mecânica. 3.2 Os esforços reais F deverão ser aplicados a 150 mm. do topo do contraposte, através do cabo de aço, conforme indicado no desenho. 4 IDEIFICAÇÃO: 4.1 Deve ser gravado em baixo relevo, com profundidade enter 2mm e 5mm de forma legível e indelével no concreto, antes da cura total, na face lisa a ser comprimida, da base para o topo. - Traço de referência a ( ) mm. da base. - Data (dia, mês e ano) de fabricação. - Comprimento nominal ( m.). - Resistência nominal ( dan). - Nome ou marca do fabricante. Ex.: > 03/09/81-5, POSTE S/A. 4.2 A gravação deve ficar centralizada transversalmente e ir no máximo até 300mm. do topo. 4.3 A largura dos caracteres não devem ocupar mais do que 60% da largura da face lisa do contraposte e não ser inferior a 30mm. 5 ENSAIOS E DEMAIS CARACTERÍSTICAS: 5.1 Conforme as normas da AB, aplicáveis, que não contrariem as normas da CERON. POSTES DE MADEIRA

18 ... CERON NORMA TÉCNICA REV. Página 18 NÃO-PRESERVADOS Ø A 100±2 100±2 100±2 50± ±2 100±2 100±2 Ø 18 ± L Identificação DETALHE DA FURAÇÃO NO TOPO DO POSTE ± 50 e 5±1 Local para fixar a placa 65±2 65±2 Ø B 4000 ± 50

19 REV. Página 19 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 1 CONDIÇÕES GERAIS: - Conforme desenhos e tabelas. 2 MATERIAL: - Madeira de lei de acordo com D 024 especificação CERON. 3 IDEIFICAÇÃO: 3.1 Deve apresentar na forma legível e indelével, gravado a foto ou com chapa metálica fixada num entalhe a ser gravado pelo fabricante, as seguintes informações. - Nome ou marca comercial do fornecedor. - Comprimento nominal do poste. - Tipo do poste. 4 ENSAIOS E DEMAIS CARACTERÍSTICAS: - De acordo com a D 024 especificação CERON ou Normas aplicáveis que não contrariem. CARACTERÍSTICAS DOS POSTES COMPRIMEO NOMINAL m Ø (A) TOPO (cm) CIRCUNFERÊNCIA TOPO (cm) MÍNIMO MÁXIMO Ø (B) BASE (cm) CIRCUNFERÊNCIA BASE (cm) MÍNIMO MÁXIMO

20 1 Deverá obedecer as especificações contidas na NBR 8458 AB. 2 Serão utilizadas nas redes de linhas de distribuição de energia elétrica de até 15KV. 3 Os tipos de madeira, preparo, acondicionamento e entrega, deverão obedecer as especificações AB NBR Cruzeta de madeira para redes de distribuição de energia elétrica, e D 021 Especificação CERON. 4 IDEIFICAÇÃO: Deverá conter placa de identificação, com as inscrições do nome do fornecedor, espécie de madeira e ano de fabricação. CERON NORMA TÉCNICA REV. Página ±2 450 ± 5 150± ± ± ± ± ± 2 VISTA DE A 112,5 ± 2,5 A 90 ± 2 18 ± 1 FACE B Biseis conforme Detalhe ± ± ± ± ± ± ± ± 2 VISTA DE A 90 ± 2 A 18 ± 1 FACE A Identificação conforme Detalhe 1 112,5 ± 2,5 60 ± 5 10 ± 1 90 ± 5 CERON JAN. /01 FV Nome ou marca comercial do fornecedor Mês e ano de preparação Espécie de madeira (Abrev.) R= 10 ± 1 10 ± 1 DETALHE 1 DETALHE 2 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS:

21 1 Deverá obedecer as especificações contidas na NBR 8458 AB. 2 Serão utilizadas nas redes de linhas de distribuição de energia elétrica de até 34,5KV. 3 Os tipos de madeira, preparo, acondicionamento e entrega, deverão obedecer as especificações AB NBR Cruzeta de madeira para redes de distribuição de energia elétrica, e D 021 Especificação CERON. 4 IDEIFICAÇÃO: Deverá conter placa de identificação, com as inscrições do nome do fornecedor, CERON NORMA TÉCNICA REV. Página ± 10 VISTA DE A 90 ± 2 150±2 150±2 200 ± ± ± ± 5 100±2 100±2 450 ± 5 A 18 ± 1 Identificação conforme Detalhe 1 FACE A VISTA DE A 150±2,5 100± ± ± ± ± ± 5 A 18 ± 1 Biseis conforme Detalhe 2 FACE B 10 ± 1 60 ± 5 Nome ou marca comercial do fornecedor Mês e ano de preparação CERON 10 ± 1 R= 10 ± 1 JAN. /01 Espécie de madeira (Abrev.) FV DETALHE 2 DETALHE ± 2 100±2 90 ± 5 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS:

22 1 Deverá obedecer as especificações contidas na D 021 Especificação CERON. 2 Serão utilizadas nas redes de linhas de distribuição de energia elétrica de até 34,5KV. 3 Os tipos de madeira, preparo, acondicionamento e entrega, deverão obedecer as especificações AB NBR Cruzeta de madeira para redes de distribuição de energia elétrica, e D 021 Especificação CERON. 4 IDEIFICAÇÃO: Deverá conter placa de identificação, com as inscrições do nome do fornecedor, CERON NORMA TÉCNICA REV. Página 22 CRUZETA DE MADEIRA 5.000mm 150 ± ± ± ± ± ± 5 150± 2 VISTA DE A 150 ± 2 A 18 ± 1 FACE A Identificação conforme Detalhe 1 Biseis conforme Detalhe ± 2,5 60 ± 5 10 ± 1 90 ± 5 CERON JAN. /01 FV Nome ou marca comercial do fornecedor Mês e ano de preparação Espécie de madeira (Abrev.) R= 10 ± 1 10 ± 1 DETALHE 1 DETALHE 2 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS:

23 REV. Página 23 SEÇÃO DE EXTREMIDADE ( Ver Detalhe ) CRUZETA DE CONCRETO ARMADO TIPO L DE 1700mm. 75 ± ± ± ± ± 2 +2, ± 2 50±1 50± , , ± ± 2 64 ± 1 90 ± 2 DETALHE ± ± ± 5 50 ± 1 90±2 Dimensões em mm. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 1 CONDIÇÕES GERAIS: 1.1 Deverá obedecer as especificações da NBR AB. 1.2 Todos os furos de Ø mm. 1.3 A cruzeta, quando ensaiada de acordo com o estabelecido na NBR 8453 deve suportar nos pontos indicados ( ) uma carga de 150 dan, e ponto indicado com ( ) 300 dan. 2 IDEIFICAÇÃO: 2.1 As cruzetas devem apresentar a seguinte identificação gravada de forma legível e indelével no concreto. - Nome ou marca do fabricante. - Ano, mês e dia de fabricação Esta identificação deve ser apresentada numa mesma face da cruzeta. A gravação deve ter profundidade não inferior a 1mm, nem superior a 3mm. e altura de no mínimo 30mm. 3 ENSAIOS E DEMAIS CARACTERÍSTICAS.

24 * CERON NORMA TÉCNICA REV. Página 24 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO RETANGULAR DE 1900mm. 100±2 450 ± ± ± ± ± ± 5 100± * * ±1 450 ± 5 150±2 250 ± 3 100±3 250 ± 3 150±3 450 ± 5 50 ± 1 90±2 * * Dimensões em mm. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 1 CONDIÇÕES GERAIS: 1.1 Deverá obedecer as especificações da NBR AB. 1.2 Todos os furos de Ø mm. 1.1 A cruzeta, quando ensaiada de acordo com o estabelecido na NBR 8453 deve suportar nos pontos indicados ( ) uma carga de 200 dan. 2 IDEIFICAÇÃO: As cruzetas devem apresentar a seguinte identificação gravada de forma legível e indelével no concreto. - Nome ou marca do fabricante. - Ano, mês e dia de fabricação Esta identificação deve ser apresentada numa mesma face da cruzeta. A gravação deve ter profundidade não inferior a 1mm, nem superior a 3mm. e altura de no mínimo 30mm. 3 ENSAIOS E DEMAIS CARACTERÍSTICAS.

25 * CERON NORMA TÉCNICA REV. Página 25 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO TIPO T DE 1900mm. 100 ± 2 50±1 500 ± ± 3 50±1 350 ± ± ± 2 +2,5 0 +2,5 0 * SEÇÃO DA EXTREMIDADE ( Ver detalhe ) ±1 80±2 100± ±2,5 200± ± ± ± ± ± ± 4 50 ± 1 * 90±2 + 2, Dimensões em mm. 90 ± 2 DETALHE CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 1 CONDIÇÕES GERAIS: 1.1 Deverá obedecer as especificações da NBR AB. 1.2 Todos os furos de Ø mm. 1.3 A cruzeta, quando ensaiada de acordo com o estabelecido na NBR 8453 deve suportar nos pontos indicados ( ) uma carga de 200 dan. 2 IDEIFICAÇÃO: As cruzetas devem apresentar a seguinte identificação gravada de forma legível e indelével no concreto. - Nome ou marca do fabricante. - Ano, mês e dia de fabricação Esta identificação deve ser apresentada numa mesma face da cruzeta. A gravação deve ter profundidade não inferior a 1mm, nem superior a 3mm. e altura de no mínimo 30mm. 3 ENSAIOS E DEMAIS CARACTERÍSTICAS.

26 * CERON NORMA TÉCNICA REV. Página 26 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO RETANGULAR DE 2.300mm. 100 ± ± 5 150±2 100±2 200 ± 3 150±2 150±2 200 ± 3 100±2150 ± ± ± 2 * * ± ± 5 100±2 200 ± ± ± 3 100±3 700 ± 5 50 ± 1 * * 90±2 Dimensões em mm. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 1 CONDIÇÕES GERAIS: 1.1 Deverá obedecer as especificações da NBR AB. 1.2 Todos os furos de Ø mm. 1.3 A cruzeta, quando ensaiada de acordo com o estabelecido na NBR 8453 deve suportar nos pontos indicados ( ) uma carga de 200 dan. 2 IDEIFICAÇÃO: As cruzetas devem apresentar a seguinte identificação gravada de forma legível e indelével no concreto. - Nome ou marca do fabricante. - Ano, mês e dia de fabricação Esta identificação deve ser apresentada numa mesma face da cruzeta. A gravação deve ter profundidade não inferior a 1mm, nem superior a 3mm. e altura de no mínimo 30mm. 3 ENSAIOS E DEMAIS CARACTERÍSTICAS. 3.1 Conforme NBR 8453 (especificação) e NBR 8454 (padronização) AB, ou normas aplicáveis.

27 REV. Página 27 PLACA DE CONCRETO 600 ± 20 F Ø 19 ± 1 Ø 62 ± 4 5 ± 0,5 200 ± ± 10 DETALHE 1 ( Para ensaio ) 50 máx. Suporte ( Dimensionar adequadamente) 600 ± máx. 100

28 REV. Página 28 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 1 CONDIÇÕES GERAIS: 1.1 A placa de concreto deve ter um encaixe cilíndrico para acomodar a arruela quadrada da haste de âncora, conforme desenho. O referido encaixe deve ser na face que trabalha a compressão. 1.2 A placa de concreto dever ser sempre transportada e estocada com a face gravada voltada para cima, (face que trabalha a compressão). 2 MATERIAL: 2.1 Concreto armado. 3 RESISTÊNCIA MECÂNICA: 3.1 A placa de concreto quando ensaiada conforme detalhe 1, deve suportar um esforço de tração F igualo a dan no mínimo sem apresentar ruptura ou trincas, exceto as capilares. 4 ACABAMEO: 4.1 As superfícies, inclusive a parte interna do furo e o encaixe, devem ser lisas, isentas de bolhas de ar ou pedaços de brita. 5 IDEIFICAÇÃO: Deve ser gravado em baixo relevo, com profundidade entre 2mm e 5mm, de forma legível e indelével, na face que contém o encaixe, antes da cura total do concreto, no mínimo. 5.1 Data (dia, mês e ano) de fabricação. 5.2 Nome ou marca do fabricante. 6 ENSAIOS E DEMAIS CARACTERÍSTICAS: 6.1 Conforme normas da AB, aplicáveis, e que não contrariem as normas da CERON.

29 REV. Página 29 TORA DE MADEIRA PARA ESTAI DE ÂNCORA Furo Ø 18 mm mm CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 1 MATERIAL: - Madeira de lei. 2 ACABAMEO: - As toras deverão ser isentas de furos, fendas e empeno. 3 UTILIZAÇÃO: 3.1 Tora de mm para sapata de pântano; 3.2 Tora de mm para âncora de sub-solo. 4 CONDIÇÕES GERAIS:

30 REV. Página 30 SEÇÃO 5.2 FERRAGENS ELETROTÉCNICAS

31 REV. Página 31 SUPORTE PARA TRANSFORMADOR EM POSTE DE SEÇÃO CIRCULAR 18 ± 0, ± ,2 Chapa 8 x ± 1 CORTE A B Parafuso de cabeça abaulada M 16 x ± 1 A 20 B + 2 0,2 Chapa 8 x Ø A mín. Solda r= 15 (mín.) + 2 0,2 Chapa 8 x C D ± ± 1 18±0, Flexa Residual VISTA C D TABELA 1 Diâmetro (mm) ITEM A

32 REV. Página 32 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 1 CONDIÇÕES GERAIS: 1.1 O suporte deve ser fornecido completamente montado com parafusos e respectivas porcas. 2 MATERIAL: 2.1 Aço carbono, AB 1010 a 1020, laminado. 3 RESISTÊNCIA MECÂNICA: 3.1 O par de suporte corretamente instalado, conforme detalhe para ensaio, deve suportar um esforço de tração F de 3000 dan (alternativa 1) e 2500 dan (alternativa 2), no mínimo, sem ruptura, podendo apresentar uma flecha residual máxima de 20mm, quando aplicado uma força de F de 1500 dan, no mínimo. 4 IDEIFICAÇÃO: 4.1 Deve ser estampada no corpo de cada peça, de forma legível e indelével, no mínimo, em cada metade de suporte; 4.2 Nome ou marca do fabricante; 4.3 Dimensões nominais do suporte em mm, conforme indicado na tabela 1; 4.4 Nos parafusos nome ou marca do fabricante.

33 1 As cintas devem ser fornecidas montadas, conforme indicado no desenho, com os respectivos parafusos. 2 MATERIAL: Aço carbono AB 1010 a 1020, laminado. 3 RESISTÊNCIA MECÂNICA: A cinta corretamente instalada no poste, deve suportar um esforço de tração F de 3000 da N, no mínimo, sem ruptura e um esforço de 1500 da N, no mínimo, sem apresentar uma flecha residual superior a 20% da dimensão A, conforme indicado no detalhe 1. 4 IDEIFICAÇÃO: Deve ser estampado no corpo de cada peça de forma legível e indelével, no mínimo. - Em cada metade da cinta: - Nome ou marca do fabricante; CERON NORMA TÉCNICA REV. Página 33 Parafuso cabeça abulada M 16 x 2 70 CIA PARA POSTE SEÇÃO CIRCULAR F 38 ± 3 A 6 ± 1 30 ±3 B A 19 ± 1 10 ± 1 r = 15 (mín.) 50 ± 2 25 ± 1 25 ± 1 F 38 ± 2 18 ± 0,5 CORTE A B TABELA 1 ITEM DIÂMETRO TOLERÂNCIA ITEM DIÂMETRO A (mm) mm A (mm) , , CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS TOLERÂNCIA mm 6 4,0 6 4,5 F F Flecha Residual Flecha Residual

34 REV. Página 34 CIA PARA POSTE SEÇÃO DUPLO T F 10 ± 1 38 ± 3 30 ± 3 B A A B R = 15 (mín.) B 50 ± 2 F 25 ± 1 25 ± 1 38 ± 2 18 ± 0,5 18 ± 0,5 18 ± 0,5 CORTE A B POSIÇÃO X POSIÇÃO Y DIMENSÕES DIMENSÕES A 6 B 6 A 6 B DETALHE 1 ( Para ensaio ) F F Flecha Residual Fecha Residual

35 REV. Página 35 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1 A cinta deve ser fornecida completamente montada com parafuso e respectivas porcas. 2 MATERIAL: Aço carbono AB 1010 a 1020, laminado. 3 RESISTÊNCIA MECÂNICA: A cinta corretamente instalada no poste, deve suportar um esforço de tração F de 1500 da N, no mínimo, sem ruptura ou sem apresentar uma flecha residual superior a 20% de A e de 3000 da N, no mínimo, sem ruptura. 4 - ACABAMEO: Zincado a quente. 5 - IDEIFICAÇÃO: Deve ser estampado de forma legível e indelével, no mínimo Em cada metade da cinta: - Nome ou marca do fabricante; - Dimensões nominais A x B da cinta, em mm, conforme indicado na Tabela 1; Nos parafusos: - Nome ou marca do fabricante. 6 ENSAIOS E DEMAIS CARACTERÍSTICAS: 6.1 Conforme Normas da AB, aplicáveis, e que não contrariem as Normas da CERON.

36 a) A armação secundária deve ser fornecida completamente montada com haste e cupilha. b) Material: - Corpo de armação e haste, aço carbono B 1010 e 1020, laminado ou trefilado. - Cupilha: bronze, latão ou aço inoxidável. c) Resistência mecânica: A armação secundária corretamente instalada com isolador roldana ou peça rígida, geometricamente equivalente, deve suportar o esforço F ( perpendicular a F ) de 180 da N no mínimo, aplicado simultaneamente nos isoladores roldana ou equivalente colocados em cada estribo, CERON NORMA TÉCNICA REV. Página 36 ARMAÇÃO SECUNDÁRIA (mín.) Haste 25 ± 2 25 ± ± 7 55±2 200 ± 4 55±2 F F 10 ± 2 Ø 16 ± 0,5 325 ± 10 F = 50 ± 2 F Chapa abaulada Cupilha 18 ± 0,5 5 (mín.) 5 ± 0,5 10 ± 1 Ø 7 + 0,5 0 Chapa abaulada 5 ± 0,5 x ± 0,5 F I (mín.) F = 50 ± 3 Rebite Ø ± 2 34±4 Ø18 ± 0,5 100 ± ± 2 25 ± 2 DETALHES 3,2 25 ± 0,5 1,7 4,2 10,4±0,3 16 2,3 ± 1 6,4 ± 02 4,4 4,2 0,9 CUPILHA 36,5 ± 1,5 X X 4 ± 0,1 2 ± 0,05 CORTE X X CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

37 . CERON NORMA TÉCNICA REV. Página 37 AFASTADOR DE ARMAÇÃO SECUNDÁRIA C D A SOLDA 50 ± 2 50 ± 2 100±5 200 ± 4 50 ± 2 F/N B C 200 ± 4 F/N F/N F SOLDA 50 ± 2 50 ± 2 100±5 A B 50 ± ± ,5 Ø18 ± 0,5 Cantoneira ou Chapa dobrada Furos centrados tolerância ± 5 47,5 ± 4 Ø18 ±0,5 23 ± 1, CORTE C D + 0 6,5 5 47,5 ± 4 VISTA A B CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS a) Material: Aço carbono, AB 1010 a 1020, laminado. b) Resistência mecânica: O afastador corretamente instalado deve suportar um esforço da tração F de 300 dan no mínimo, sem apresentar qualquer deformação permanente ou ruptura. Os esforços horizontais e verticais são aplicados não simultaneamente. ITEM A B N: Nº DE FUROS DA COTA B C

38 2.1 A sela corretamente instalada com parafuso entre duas superfícies adequadas, não deve apresentar deformação permanente ou ruptura, quando aplicado na porca do parafuso um toque de 8 da N m, no CERON NORMA TÉCNICA REV. Página 38 SELA PARA CRUZETA 100 ± 5 15±2 r = 75 ± 5 15±2 10±1 30 ± 3 3 ± 0,4 21 ± ± ± 5 CORTE A B C 12 ± 1 3 ± 0,4 A Ø 18 ± 0,5 B D CORTE C D CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 1 MATERIAL: 1.1 Aço carbono, AB 1010 a 1020 laminado. 2 RESISTÊNCIA MECÂNICA:

39 REV. Página 39 SUPORTE L 38 ± 0,4 B 8 ± 0,4 11±0,3 2 r = 32 ± 1,5 + 0, ,7 3 F 2 4 F 32 ± 1,5 A PEÇA ± ± 7 11 ± 0,5 r = 32 ± 1,5 11±0,5 + 0, ,5 0. 8,7 1 B CORTE B B ± 5 PEÇA 1 13 ± 0,3 114 ± 1 11 ± 0, A CORTE A A1 19 ± 0,5 24 ± 2 PEÇA 2 PEÇA 4 ARRUELA DE PRESSÃO PORCA QUADRADA ROSCA M10 x 1,5 Ø12+0,4 1,5 +0,3 Ø 10 1,3 24 ± 2 ARRUELA DE ESTRIA 45 (mín.) PORCA QUADRADA ROSCA M12 x 1,75 (ver NBR 6159, NBR 6160 e NBR 6161) ARRUELA DE PRESSÃO

40 REV. Página 40 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1- CONDIÇÕES GERAIS: - Conforme desenho. 2 MATERIAL: Aço carbono, AB 1010 a 1020 laminado. 3 RESISTÊNCIA MECÂNICA: O suporte corretamente instalado deve suportar um esforço de trabalho F de 200 dan, no mínimo, sem ruptura, apresentando uma flecha residual menor ou igual à 5mm. OBS: O suporte deve ser fornecido completamente montado com parafusos, arruelas e porcas.

41 REV. Página 41 PINO PARA ISOLADOR F Rosca M 16 x 2 (Ver NBR 6159, NBR 6160 e NBR 6161) Ø 1 B Ver detalhe 3 E Entalhe Ø D Ø D CORTE A B C B A A Permite se a utilização de nervura cônica. J 4 ± 0,5 Flecha F "T" 12 / 111 "C" Flecha F "T" 12 / 61 "C" Chumbo mín. 1,5 AÇO DETALHE 1 (para ensaio) DETALHE 2 (para ensaio) DETALHE 3 ITEM A B C (mín.) DIMENSÕES (mm) D E F (mín.) G (mín.) , ,6-2 I J OBS: O pino deve também suportar um esforço T de tração e/ou C de compressão aplicado no seu eixo de 300 dan, no mínimo, sem apresentar deformação permanente quando ensaia do conforme indicado nos detalhes 1 e 2. ITEM FLECHA (mm) MÁXIMA RESIDUAL CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1 Material: 1.1 Corpo: Aço carbono, AB 1010 a 1020 laminado e forjado; 1.2 Cabeça de pino: Rosca de chumbo. 2 Resistência Mecânica: 2.1 O pino deve suportar em qualquer direção e sentido perpendicular ao seu eixo, um esforço F de 200 dan, no mínimo, e atender a tabela 1 acima, quando ensaiado conforme indicado nos detalhes 1 e 2.

42 OBS: O pino deve também suportar um esforço T de tração e/ou C de compressão aplicado ao seu eixo de 300 dan no mínimo sem apresentar deformação permanente quando ensaiado conforme indicado nos detalhes 1 e 2. CERON NORMA TÉCNICA REV. Página 42 PINO DE TOPO 4 ± 0,5 Ø D 4 ± 0,5 Cabeça de chumbo conforme AB NBR 5032 Flecha "T" 60 mín. E Entalhes F "C" 12/ ± ± 5 50 Ver detalhe 3 Apoio (dimensionar adequadamente). DETALHE 1 (para ensaio) A J Flecha "T" F Ø 18 ± 0,5 "C" 12/ ± 2 Chumbo 1,5 Aço (mínimo) ± 2 14±1 35 ± 2 5 ± 0,4 5 ± 0,4. DETALHE 3 30 ± 1 Apoio (dimensionar adequadamente). DETALHE 2 (para ensaio) 50 ± 2

43 REV. Página 43 TABELA 1 1 DIMENSÕES (mm) A D E (mín.) J FLECHA (mm) ITEM MÁXIMA RESIDUAL CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 1 O pino para isolador deverá ser fornecido montado com porca e arruela. 2 MATERIAL: 2.1 Pino e porca: aço carbono AB 1010 e 1020, forjado; 2.2 Cabeça de pino: rosca de chumbo 3 RESISTÊNCIA MECÂNICA: 3.1 O pino dever suportar em qualquer direção e sentido perpendicular ao seu eixo, um esforço F de 200 dan, no mínimo, e atender a tabela 1 acima, quando ensaiado conforme indicado nos detalhes 1 e 2. 4 A flecha deve ser medida no topo do isolador.

44 3.1 O parafuso corretamente instalado deve suportar um esforço de tração com cunho F de dan, no CERON NORMA TÉCNICA REV. Página 44 PARAFUSO DE CABEÇA ABAULADA e F e = extremidade máxima = 1,0 Ø 32 ± 2 8± A B 16±0,5 CORTE A B A Ø16 +0,5 2 Rosca M16 x 2 (ver NBR 6159, NBR 6160 e NBR 6161) ITEM DIMENSÕES (mm) A B (mín.) 1 45 ± ± 1, ± 2,5 75 B F CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 1 O parafuso dever ser fornecido montado com porca, conforme indicado no desenho. 1.2 A excentricidade máxima entre o eixo do parafuso e o eixo da seção na extremidade do mesmo (cabeça ou porca) deve ser 1,0. 2 MATERIAL: 2.1 Aço carbono, AB 1010 a 1020 laminado ou trefilado e forjado. 3 RESISTÊNCIA MECÂNICA:

45 REV. Página 45 PARAFUSO DE CABEÇA QUADRADA Ø 24 ± 1 CORTE A B F e e = extremidade máxima = 1,0 11±0,5 30 A B A Ø16 +0,5 2 Rosca M16 x 2 (ver NBR 6159, NBR 6160 e NBR 6161) ITEM DIMENSÕES (mm) A B (Mín.) B (Máx.) 1 50 ± 1, ± 2, ± 2, ± 3, ± 3, ± 3, ± 4, ± 4, B F CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 1 O parafuso dever ser fornecido montado com porca, conforme indicado no desenho. 2 MATERIAL: 2.1 Aço carbono, AB 1010 a 1020, laminado ou trefilado e forjado. 3 RESISTÊNCIA MECÂNICA:

46 REV. Página 46 F PARAFUSO DE ROSCA DUPLA Rosca M16 x 2 (total) (ver NBR 6159, NBR 6160 e NBR 6161) A Ø16 +0,2 2 ITEM DIMENSÕES (mm) A AJUSTE ± , , , , ,0 F CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 1 O parafuso dever ser fornecido montado com porca, conforme indicado no desenho. 2 MATERIAL: 2.1 Aço carbono, AB 1010 a 1020, laminado ou trefilado e forjado. 3 RESISTÊNCIA MECÂNICA:

47 REV. Página 47 PARAFUSO PARA MADEIRA 100 ± 5 9 ± 1 80 ± 3 Ø13 ± 1 F 30 1,60±0,06 l,80 ± 0,06 4,25 ± 0,15 60 ± 2 DETALHES DA ROSCA CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 1 A excentricidade máxima entre o eixo do parafuso e o eixo da seção na extremidade do mesmo (cabeça) deve ser 1,0. 2 Material: 2.1 Aço carbono, AB 1010 a 1020, laminado ou trefilado e forjado. 3 Resistência Mecânica: 3.1 O parafuso corretamente instalado deve suportar um esforço de tração com cunho F de 200 dan, no

48 REV. Página 48 A MÃO FRANCESA perfilada - bêco D B Ø 18 ± 0,5 C CORTE AB G A B F F Cantoneira ou Chapa dobrada E B Ø 18 ± 0,5 C ITEM Recebe tratamento ( Zincagem ) RESISTÊNCIA MECÂNICA MÍNIMA (dan) TRAÇÃO COMPRESSÃO F R DIMENSÕES (mm) A B C D E F G TOLERÂNCIA ± 0,5 ± 2 ± 1 ± 1 ± CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: a) Material: Aço carbono, AB 1010 a 1020, laminado ou trefilado e forjado. b) Resistência Mecânica: A mão francesa deve suportar os esforços F de 200 tração e/ou R de compressão da tabela acima, sem sofrer qualquer deformação permanente ou ruptura.

49 REV. Página 49 MÃO FRANCESA PLANA A B 28±1 F VER DETALHE 1 28 ± 1 25 ± 1 DETALHE 1 18 ± 0,5 R = 9 ± 0,3 R= 9 ± 0,3 6 ± 1 24 ± 1,5 Ø 18 ± 0,5 25±1 F ,2 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1 MATERIAL: - Aço carbono AB 1010 a 1020 laminado. 2 - ACABAMEO: - Zincado à quente. TABELA 1 DIMENSÕES A 6 B RESISTÊNCIA MECÂNICA: - A mão francesa deve suportar um esforço de tração F de 1500 dan no mínimo, sem apresentar deformação permanente e de 2000 dan sem sofrer ruptura. 4 IDEIFICAÇÃO: - A mão francesa deve ter estampado em seu corpo, de forma legível e indelével, no mínimo o nome ou marca do fabricante.

50 2.1 O espaçador de isoladores corretamente instalado entre duas superfícies rígidas, de concreto ou metálicas, presas por parafuso que o atravesse, não deve apresentar deformação permanente ou ruptura, CERON NORMA TÉCNICA REV. Página 50 ESPAÇADOR DE ISOLADORES Ø 80 ± 10 Ø18 ± 0,5 40 ± 5 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1 MATERIAL: 1.1 Ferro fundido ou liga de alumínio. 2 RESISTÊNCIAMECÂNICA:

51 - A porca olhal corretamente instalada deve suportar um esforço de tração F de 4500 dan, no mínimo, sem apresentar qualquer deformação permanente e um esforço de F 5000 dan, no mínimo, sem CERON NORMA TÉCNICA REV. Página 51 PORCA - OLHAL r = 19 ± 1 78 ± 5 45 ± 2 26 ± 2 20 ± 2 Ø 40 ± 2 Rosca M 16 x 2 (ver NBR 6159, NBR 6160 e 6161) CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1 CONDIÇÕES GERAIS: Conforme o desenho. 2 MATERIAL: 2.1 Aço carbono, AB 1010 a 1045, forjado ou ferro fundido modular ou maleável. 3 RESISTÊNCIA MECÂNICA:

52 REV. Página 52 F GANCHO- OLHAL 43 ± 3 Ø18 ± 0, ± 2 80 ± 8 21 ± 3 O formato da seção é ilustrativo 45 ± 5 R = 13±0,5 22 ± 3 28 ± 4 38 ± 5 50 ± 4 F CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS a) MATERIAL: Aço carbono, AB 1010 a 1045 forjado, ou ferro fundido maleável ou ferro fundido modular. b) RESISTÊNCIA MECÂNICA: O gancho olhal corretamente instalada deve suportar um esforço de tração F de 5000 dan, no mínimo, sem apresentar ruptura ou sem apresentar qualquer deformação

53 1 A manilha - sapatilha, deve ser fornecida completamente montada, com pino e cupilha. 2 MATERIAL: 2.1 Corpo da manilha sapatilha: Aço carbono AB 1010 a 1020, forjado ou ferro fundido modular ou ferro fundido maleável, ou liga de alumínio. 2.2 Pino: Aço carbono AB 1010 a 1020, forjado. 2.3 Cupilha: Latão, bronze ou aço inoxidável. 3 RESISTÊNCIA MECÂNICA: 3.1 A manilha sapatilha corretamente instalada deve: 3.2 Acomodar adequadamente a alça pré-formada para cabo de diâmetro nominal de até 20 mm e não deve apresentar ou permitir qualquer deformação permanente ou ruptura da alça ou da manilha-sapatilha quando o referido cabo for tracionado com uma força F1 de 5000 dan, no mínimo, conforme indicado no desenho. 3.3 Suportar o olhal, sem apresentar qualquer deformação permanente ou ruptura, um esforço de tração CERON NORMA TÉCNICA REV. Página 53 MANILHA SAPATILHA Ø37 ± 4 34 ± 5 Ø18±0,5 7 ± 2 20 ± 3 7 ± 2 F 1 ou F ( máx. ) r = 20 ± 1 F 2 Ø30 ± 3 60 ± 4 r = 3,2 Detalhe para ensaio (alça pré formada) F 1 60 ± 5 22(mín.) r = 10±0,5 32 ± 5 25 ± 0, r = 1,7 r = 4,2 4,4 PINO 6 ± 0,5 10,4±0,3 r = 4,2 16 0,9 2,3 ± 1 6,4 ± 02 Ø25 ± 2 + 0,5 Ø7 0 X 4 ± 0,1 5 (mín.) 36 (mín.) 46 ± 2 Ø16 ± 0,5 36,5 ± 1,5 CUPILHA X 2 ± 0,05 CORTE X X CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

54 REV. Página 54 10±2 54 ± 6 SAPATILHA 7 ± 2 R= Parte superior Parte inferior 75 ± 5 2 ± 0,5 25 ± ,5 2 3 ± 0,4 12 ± 1 15 ± 3 3 ± 0, ± 2 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS a) Material: Aço carbono AB 1010 a 1020, laminado. F b) Resistência Mecânica: A sapatilha corretamente instalada deve acomodar adequadamente a alça préformada para cabo de diâmetro nominal de até 9,5 mm, não devendo ocorrer ruptura da alça ou da sapatilha quando o referido cabo for tracionado com uma força F de dan, no mínimo ou deformação permanente além dos limites indicados no quadro abaixo: TRAÇÃO F dan DEFORMAÇÃO Sem deformação no leito da parte superior.

55 2.1 A peça quando corretamente cravada na madeira (eucalipto ou madeira de dureza equivalente), não deve sofrer deformação na parte de fora da madeira, exceto aquelas devido as batidas do martelo. CERON NORMA TÉCNICA REV. Página 55 GRAMPO U PARA CERCA 3,5 (mín.) 30 ± A A VISTA A A CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1 MATERIAL: 1.1 Aço carbono, AB 1010 a 1020, trefilado. 2 RESISTÊNCIA MECÂNICA:

56 2.1 A chapa de estai corretamente instalada deve suportar um esforço de tração F de 3200 dan, no mínimo, sem apresentar ruptura ou qualquer deformação permanente, exceto diminuição do ângulo não superior a 5º. CERON NORMA TÉCNICA REV. Página 56 CHAPA PARA FIXAÇÃO DE ESTAI 76 ± 4 38 ± 2 38 ± ,2 60 ± 5 30 ± 2,5 30 ± 2,5 45±5 Ø18 ±0,5 35 ± 2,5 70 ± 5 36 ± 2 13 ± 0,5 10 ± 1 20 ± 1 36 ± 2 35 ± 2,5 F CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1 MATERIAL: 1.1 Aço carbono, AB 1010 a 1020, laminado. 2 RESISTÊNCIA MECÂNICA:

57 REV. Página 57 ARRUELA QUADRADA DE AÇO Ø 18 ± 0, ,6 0,1 50 ± 2 ITEM A (mm) CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS a) MATERIAL: Aço carbono, AB 1010 a 1020, laminado. b) RESISTÊNCIA MECÂNICA: A arruela corretamente instalada em parafuso, entre porca e uma superfície rígida metálica ou concreto, não deve apresentar deformação permanente ou ruptura, quando aplicado na porca do parafuso um torque de 8 dan x m, no mínimo.

58 2.1 O olhal para parafuso corretamente instalado deve suportar um esforço de tração F de dan, no mínimo, sem apresentar qualquer deformação permanente ou ruptura e suportar um esforço lateral CERON NORMA TÉCNICA REV. Página 58 OLHAL PARA PARAFUSO F A 104 ± 4 B 35 ± 2 16 ± 2 F 18 ± 0,5 30 ± 1 CORTE A B CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1 MATERIAL: 1.1 Aço carbono, AB 1010 a 1045 forjado, ou fero fundido maleável ou ferro modular. 2 RESISTÊNCIA MECÂNICA:

59 a) A haste de âncora deve ser fornecida montada com arruela e porca. b) MATERIAL: Aço carbono AB 1010 a 1020 laminado ou trefilado, com olhal soldado ou forjado. c) RESISTÊNCIA MECÂNICA: A haste de âncora corretamente instalada deve suportar um esforço de tração F de dan no mínimo, sem apresentar qualquer deformação permanente e dan no CERON NORMA TÉCNICA REV. Página 59 HASTE DE ÂNCORA F 40 ± 5 + 0,5 Ø ± 5 Ø16 + 0, ± 50 Rosca M 16 x 2 Arruela quadrada 90 ± 5 Porca quadrada CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS F

60 5.1 Conforme as normas AB NBR 6006, NBR 6597 e NBR 5425 ou Normas aplicáveis que não CERON NORMA TÉCNICA REV. Página 60 HASTE DE ATERRAMEO DE AÇO-COBRE ± 20 F 150±50 +0,2 15,87 0,3 55 ± 5 8 ± 1 4,5 ± 1,5 F 2 ± 0,4 Identificação Aço (Núcleo) Cobre (Revestimento) 0,25 ( mín. ) OBS: Medidas em milímetros. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1 MATERIAL: 1.1 A haste deve compor-se de número de aço carbono AB 1010 e 1020, recoberto com cobre eletrolítico com, no mínimo, 95% de pureza, e sem traços de zinco. 1.2 A aderência da camada de cobre com espessura mínima 0,25mm, sobre o aço diretamente ou através de metais que evitem a corrosão, deve ser feita pelo processo de eletrodeposição ou difusão de modo que se assegure uma união inseparável e homogênea dos metais. 2 RESISTÊNCIA MECÂNICA: 2.1 A haste não deverá flambar quando aplicado em suas extremidades um esforço de compressão F = 40 dan (mínimo). 3 ACABAMEO: 3.1 A haste deve ter bom aspecto visual, ser livre de impurezas e imperfeições. 4 IDEIFICAÇÃO: 4.1 A haste deve ter gravado em seu corpo, de forma legível e indelével e sudelével, no mínimo, o nome e ou marca do fabricante. 5 ENSAIOS E DEMAIS CARACTERÍSTICAS:

61 REV. Página 61 CABO DE AÇO OU CORDOALHA DE AÇO CARBONO ( 7 FIOS ) TIPO ASTM ÁREA NOMINAL (mm ) DIÂMETRO NOMINAL (mm) PESO (Kgf/Km) CARGA RUPTURA (Kgf) 1/4 24,66 6, /8 38,61 9, MÓDULO DE ELASTICIDADE (Kgf/ mm ) COEF.DE DILATAÇÃO LINEAR 10-6 x ( C) ,5 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1 MATERIAL: - Aço carbono. 2 ACABAMEO: - Zincado a quente, AB NBR-7400, (04 imersões). 3 RESISTÊNCIA MECÂNICA: - Conforme tabela.

62 REV. Página 62 SUPORTE T DESENHO 1 F F 50±3 Solda Ver detalhe ± 1 25 ± 1 50±3 60 ± 3 50 ± 5 50 ± 5 Ø18 ± 0,5 F 195 ± ± 2 F ± 2 35 ± Ø14 ± 0,5 Ø14 ± 0, DETALHE Arruela de estria 24 ± 2 20±1 250 ± ± 15 20±1 Rosca M12 x 1,75 (Ver NBR 6159,6160 e 6161) Porca quadrada Arruela de pressão DESENHO 2 F Solda Ver detalhe F ± 1 50±3 25 ± 1 50±3 60 ± 3 70 ± 2 50 ± 1 50 ± 1 70 ± ± ± 2 F F 35 ± ± 2 30 ± 1 30 ± DETALHE Arruela de estria 24 ± 2 30 ± ± ± 7 30 ± 1 Rosca M12 x 1,75 Porca quadrada 20±1 380 ± ± 7,5 380 ± ± 7,5 20±1 (Ver NBR 6159,6160 e 6161) Arruela de pressão 800 ± 15

63 REV. Página 63 CARACTERÍSTICAS NOTAS: 1) O suporte deve ser fornecido completamente montado com parafusos, arruelas e porcas. Os parafusos devem ter tolerância 8g e as porcas 7H, conforme NBR ) Material: Aço carbono, AB 1010 a 1020, laminado. 3) Resistência Mecânica: O suporte corretamente instalado deve suportar um esforço de tração F de 200 dan, no mínimo, sem ruptura, apresentando uma flecha residual menor ou igual a 5mm. 4) Identificação: Deve ser estampado no corpo de cada peça que forma o suporte, de forma legível e indelével, no mínimo o nome ou a marca do fabricante, com exceção para as porcas e arruelas.

64 REV. Página SUPORTE TL ,5 18 ± 0,5 35± VER DETALHE A PARAFUSO F Ø18 ± 0, ± 2 F 185 ± 7 50 ± ± 2 8 ± 1 F SOLDA F SOLDA ,5 DETALHE A ARRUELA DE PRESSÃO Ø12 30 ± 2 ROSCA M12 x 1,75 NB 97 PORCA QUADRADA 15±0,5 15±0, ± 5 40 ± 2

65 REV. Página 65 CARACTERÍSTICAS NOTAS: 1) CARACTERÍSTICAS GERAIS: 1.1 Conforme desenho e especificação. 1.2 O suporte deve ser fornecido completamente montado com parafusos, arruelas e porcas, conforme indicado no desenho 2) MATERIAL: Aço carbono, SAE 1010 a 1020, trefilado ou laminado. 3) RESISTÊNCIA MECÂNICA: O suporte corretamente instalado, deve suportar um esforço de tração F de 200 dan, no mínimo, sem apresentar qualquer deformação permanente ou ruptura. 4) IDEIFICAÇÃO: Deve ser estampado no corpo de cada peça que forma o suporte, de forma legível e indelével, no mínimo o nome ou a marca do fabricante, com exceção para as porcas e arruelas.

66 REV. Página 66 SEÇÃO 5.3 CONECTORES ELÉTRICOS

67 REV. Página 67 CONECTOR DERIVAÇÃO À PRESSÃO PARA ALUMÍNIO E BIMETÁLICOS A Configuração do "C" antes da aplicação. B Uma vez aplicada,a ação da mola do "C" mantém os condutores em firme contato com a cunha, proporcionando uma segura e permanente conexão. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 1 - CARACTERÍSTICAS GERAIS: Conforme o desenho. 2 - MATERIAL: - Liga de alumínio. 3 - IDEIFICAÇÃO: - A marca do fabricante, bitola do condutor e índice da matriz devem ser estampados na peça. 4 - FABRICAÇÃO: - O material usado nas peças não deve sofrer operação de recozimento; - As peças devem ser carregadas com composto anti-óxido especial, embaladas individualmente. 5 - UTILIZAÇÃO: - São usados para conectar condutores de alumínio ou liga de alumínio, sólidos ou multifilares

68 REV. Página 68

69 REV. Página 69 SÉRIE VERMELHA SÉRIE AZUL Ref. Usar cartucho Combinações Ref. Usar cartucho Combinações / ; 1/ ; 1/ ; ; / ; /0-1/0; 2/0-2; 1/0-2 2/0-2/0; 3/0-1/0; 4/0-2 3/0-6; 2/0-6 2/0-4; 3/0-4 2/0-1/0; 3/0-2 4/0-4 4/0-4 3/0-2/0; 4/0-1/0 3/0-3/0; 4/0-2/0 4/0-3/0 4/0-4/ /0 10; 12, , 12, , 12, , 12, , 12, / / / / ; 336.4CA ; 336.4CA ; 336.4CA /0; 336.4CA - 1/ /0; 336.4CA - 2/ /0; 336.4CA - 3/ /0; 336.4CA - 4/ ; 336.4CA CA SÉRIE VERMELHA Ref Usar cartucho / / / /0 Combinações

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ASPECTOS GERAIS... 2 3. EXCEÇÕES... 2 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NDU-010 VERSÃO 3.1 JUNHO/2013 SUMÁRIO Item Descrição Classe Desenho 1. Haste de Aço-Cobre para Aterramento...

Leia mais

REV. Página 1 de 14 DOC. IT CERON NORMA TÉCNICA DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE SISTEMAS N.º 002.11

REV. Página 1 de 14 DOC. IT CERON NORMA TÉCNICA DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE SISTEMAS N.º 002.11 . REV. Página de 4. OBJETIVO. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 6. INSPEÇÃO 7. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO . REV. Página de 4. OBJETIVO.. Esta norma

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011 Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/10/2011 18/10/2011 ELABORAÇÃO Marcelo Poltronieri SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estrutura CE2H TR (2º Nível) Poste de Concreto de Seção Circular 7. Estrutura CE2H

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO IX Referente ao Edital de Pregão Presencial nº. 002/2015 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Página 1 de 10 1. DO OBJETO 1.1. O presente pregão tem como objeto a AQUISIÇÃO DE ELETROFERRAGENS, de acordo com as

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 29 / 07 / 2011 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para parafuso U 16x270mm utilizado nas Linhas de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: setembro/08 FOLHA : 1 / 6 FURAÇÃO DA CRUZETA

Leia mais

MANUAL DE ENGENHARIA

MANUAL DE ENGENHARIA 02.04.2007 1/6 1. OBJETIVO Esta especificação padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas de concreto armado destinadas ao suporte

Leia mais

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE 1. OBJETIVO Esta norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO POSTES DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DEDISTRIBUIÇÃO EMISSÃO: REVISÃO: PAGINA: 1/33 A P R E S E N T A Ç Ã O Esta Norma fixa as características básicas de poste de concreto

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA NTD-14 NTD 14 MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA CONTROLE DE VERSÕES NTD-14 - MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Nº.: DATA VERSÃO 1 13/07/4 0 2 03/9 1 NTD 14 MONTAGEM

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS 11 metros = 150 12 metros = 150 450 1000 máximo 11 metros = 850 12 metros = 1450 800 450 450 11 metros = 1700 12 metros = 1800 11 ou 12 metros 100 11 metros = 1300 12

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE FERRAGENS E ACESSÓRIOS. LT 138kV ENTRONCAMENTO (INDAIAL RIO DO SUL II) RIO DO SUL RB LT 25522

ESPECIFICAÇÃO DE FERRAGENS E ACESSÓRIOS. LT 138kV ENTRONCAMENTO (INDAIAL RIO DO SUL II) RIO DO SUL RB LT 25522 DIRETORIA TECNICA DEPARTAMENTO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO DIVISÃO DE LINHAS ESPECIFICAÇÃO DE FERRAGENS E ACESSÓRIOS LT 138kV ENTRONCAMENTO (INDAIAL RIO DO SUL II) RIO DO SUL RB LT 25522

Leia mais

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV ÍNDICE APRESENTAÇÃO....2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE... 3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-CONDUTORES...4 6-PROCEDIMENTOS...5 6.1- Afastamentos padronizados...5 6.2-Engastamento

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028 MONTAGEM DE S PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA, RURAL, COM CONDUTORES NUS - 13,8 E 34,5 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA INDICE 1- OBJETIVO...

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO Página 1. OBJETIVO 4 2. APLICAÇÃO 4 3. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 5

Leia mais

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea ITEM DESCRIÇÃO QUANT. 1.00 REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.1 Cabo de alumínio com alma de aço (CAA), seção 4/0, diâmetro externo

Leia mais

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES 3$'5 2'((6758785$6 '(/,1+$6(5('(6 PARTE 1 ASPECTOS GERAIS INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras ASPECTOS GERAIS PARTE

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA DSEE 11/12/2014 DATA SUMÁRIO

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CABOS COBERTOS FIXADOS EM ESPAÇADORES APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CABOS COBERTOS FIXADOS EM ESPAÇADORES APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Amarrações SEÇÃO 6 Cruzamentos SEÇÃO 7 Conexões e Emendas SEÇÃO

Leia mais

Manual Técnico de Distribuição

Manual Técnico de Distribuição ESP ESPECIFICAÇÃO ESP - 205 POSTES DE CONCRETO PARA REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO ESP - 205 edição vigência aprovação Revisão 02 Agosto/98 DDPP Página 1 1. FINALIDADE Esta Especificação tem por finalidade

Leia mais

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado.

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. CAIXA DE MEDIÇÃO EM 34, kv 1 OBJETIVO Esta Norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas da caixa de medição a ser utilizada para alojar TCs e TPs empregados na medição de

Leia mais

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO Exigências Mínimas 1 Objetivo Estabelecer as condições mínimas para construção de postes de concreto armado ou concreto protendido, destinados à utilização em entradas de serviço de unidades consumidoras,

Leia mais

RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - REDE DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV REDE SUL / SUDESTE

RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - REDE DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV REDE SUL / SUDESTE RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV SUL / SUDESTE AFASTADOR, ARMACAO SECUNDARIA, ACO CARBONO 1010-1020, ZINCADO A QUENTE, DIMENSOES: 1000 X700 10002599 MM, 4 FUROS, NORMAS

Leia mais

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0041 CRUZETAS DE AÇO TUBULAR 1/14

Leia mais

CONTRATAÇÃO DO MÊS DE MARÇO 2013

CONTRATAÇÃO DO MÊS DE MARÇO 2013 GÃO ELETRONICO 000/0 999/0 0/0/0 MESES ATÉ 0/0/ JOÃO DE BARRO COMÉRCIO E SERVIÇOS LTDA - ME FORNECIMENTO DE RECARGAS DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO GLP, EM RECIPIENTES (BOTIJAS) DE CAPACIDADE KG E 0KG.9,00.9,00

Leia mais

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS 1- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Convencional Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 13 2- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Compacta Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 2 de

Leia mais

isto é Magnet! 50 anos priorizando a qualidade,

isto é Magnet! 50 anos priorizando a qualidade, Catálogo 2012 50 anos priorizando a qualidade, isto é Magnet! Em 2012, a Magnet completa 50 anos de atividades, história que começou com a sua fundação, em 1962, na cidade de São Paulo, com uma produção,

Leia mais

C HAVE FUSÍVEL T IPO MZ PARA DISTRIBUIÇÃO

C HAVE FUSÍVEL T IPO MZ PARA DISTRIBUIÇÃO C HAVE FUSÍVEL T IPO MZ PARA DISTRIBUIÇÃO A Chave fusível tipo MZ foi desenvolvida para operar em redes de distribuição com tensões de 15, 27 e 38 kv. Especialmente projetada para proteger transformadores,

Leia mais

Conferência do Projeto

Conferência do Projeto 214-DPDORC4 22/4/214 1 de 5 12/2/214 1:3.7 CARACTERIZAÇÃO Data Projeto Nº Pedido Finalidade 16/7/213 Título Implantação de SE Descrição da Obra: Tipo da Obra: IMPLANTAÇÃO EXPANSÃO DA REDE ELÉTRICA (ALTA

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01 20/10/2012/2012 20/10/2012 APROVADO POR Edson Hideki Takauti SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 13 / 03 / 2014 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de Suporte de Transformador Tipo Cantoneira para utilização nas Redes de Distribuição

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE - MG OUTUBRO DE 2.014 1 OBJETIVO: Especificar os materiais a serem empregados na

Leia mais

A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S

A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S C A T Á L O G O R E F E R E N C I A L DE M Ó D U L O S P A D R Õ E S D

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO MA NU AL E SP EC IA L SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0032 ESPECIFICAÇÃO DE CONDUTORES

Leia mais

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado NBR 7480/1996 Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado OBJETIVO Fixar as condições exigíveis na encomenda, fabricação e fornecimento de barras e fios de aço destinados a armaduras

Leia mais

CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES

CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO CONECTORES PARA CABOS FLEXÍVEIS RAMAIS DE LIGAÇÃO E MEDIDORES CÓDIGO ESP-I-GPC-01/13 VERSÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA R0 20/05/2013 CONTROLE DE REVISÃO

Leia mais

Memorial Descritivo 01/2013 - V01

Memorial Descritivo 01/2013 - V01 Memorial Descritivo P.SQ.07 01/2013 - V01 ÍNDICE Piso em Aço - Modelo AX-1000 Piso em aço Chapa Inferir Estampada Chapa Superior Lisa Concreto Sistema Estrutural Cruzeta Chapa Superior Chapa de Reforço

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO.

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO. OBRA: COL. EST. RESIDENCIAL SÃO PEDRO - PROJETO PADRÃO SECULO XXI. LOCAL: - Rua Tucunaré com Rua Pacu e Avenida Astolpho Leão Borges APM-05, Residencial São Pedro Goianira - GO ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0022 CRUZETAS DE CONCRETO ARMADO

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA POSTES DE CONCRETO ARMADO CIRCULAR E DUPLO T E SUMÁRIO CONTEÚDO 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Serviço 03 5.2.

Leia mais

NT MATERIAIS PARA REDES E LINHAS AEREAS URBANAS E RURAIS DE DISTRIBUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA.

NT MATERIAIS PARA REDES E LINHAS AEREAS URBANAS E RURAIS DE DISTRIBUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. REV. Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. REQUISOS GERAIS 3.1. Projeto Geral 3.2. Normas Recomendadas 3.3. Unidade de Medida e Idiomas 3.4. Desenhos 3.5. Garantia 4. DEFINIÇÕES 3.6. Valor Nominal

Leia mais

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. DESENVONVIMENTO DE EQUIPAMENTOS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO PARA-RAIOS DE DISTRIBUIÇÃO DE 12, 15 E 27 kv 10 ka

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO PARA-RAIOS DE DISTRIBUIÇÃO DE 12, 15 E 27 kv 10 ka EMD -.008 1/5 Obs: Medidas em milímetros. EMD -.008 2/5 CÓDIGO CEB TENSÃO NOMINAL CEB TABELA 1 TENSÃO DO PÁRA-RAIOS DIMENSÕES (mm) A (máx.) H (mín.) 2 3 4 5 6 12050008 13,8 12 400 80 12050009 13.8 15 450

Leia mais

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica CEMAR NORMA DE PROCEDIMENTOS Função: Área: Processo: Código: Técnica Técnica Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica NP-12.306.02 Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE ITA - 006 Rev. 0 Setembro / 2003 Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com

Leia mais

Padrão de Entrada COELBA. Padrão de Entrada Monofásico

Padrão de Entrada COELBA. Padrão de Entrada Monofásico Padrão de Entrada COELBA Informações do site www.coelba.com.br Padrão de Entrada é o conjunto de instalações composto de caixa de medição, sistema de aterramento, condutores e outros acessórios indispensáveis

Leia mais

EMPRESA MISSÃO VISÃO VALORES

EMPRESA MISSÃO VISÃO VALORES EMPRESA A Axxio Pisos Elevados é fruto do compromisso permanente com a satisfação de seus clientes e com a inovação, com o intuito de que todos os serviços sejam cada vez mais ágeis e seguros. Para isso

Leia mais

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação.

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação. 25 / 10 / 2011 1 de 7 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do pontalete de aço para utilização em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com Projeto Elétrico Padrão de Medição, fornecimento de energia em tensão primária 13.8kV, a partir da rede aérea de distribuição para atender Defensoria Pública do Estado da Paraíba. Responsavel Técnico:

Leia mais

Número PE022/2015. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega

Número PE022/2015. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega Folha 1 UNIVERSIDADE DO SUDOESTE DA - CAMPUS VITORIA DA CO 1 ALICATE, universal, de 8 polegadas, em aco, cabo com isolacao para 1000 volts e em conformidade com norma ABNT NBR vigente no que diz respeito

Leia mais

Esta Norma fixa os requisitos para especificação, fabricação, fornecimento e recebimento de armaduras treliçadas eletrossoldadas.

Esta Norma fixa os requisitos para especificação, fabricação, fornecimento e recebimento de armaduras treliçadas eletrossoldadas. NBR 14862 - MAIO 2002 - Armaduras treliçadas eletrossoldadas - Requisitos Origem: Projeto 18:314.01-004:2001 ABNT/CB-18 - Comitê Brasileiro de Cimento, Concreto e Agregados CE-18:314.01 - Comissão de Estudo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T Hevânio D. de Almeida a b, Rafael A. Guillou a,, Cleilson F. Bernardino

Leia mais

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Armaduras

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Armaduras Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Armaduras Aço o para Concreto O que é o aço a o? O aço é uma combinação de SUCATA, FERRO GUSA E OUTROS.

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

EM-RIOLUZ-74 ESPECIFICAÇÃO DE CABO PARA REDE SUBTERRÂNEA DE IP

EM-RIOLUZ-74 ESPECIFICAÇÃO DE CABO PARA REDE SUBTERRÂNEA DE IP DIRETORIA TECNOLÓGICA E DE PROJETO DTP GERÊNCIA TECNOLÓGICA E DE DESENVOLVIMENTO GTD EM-RIOLUZ-74 ESPECIFICAÇÃO DE CABO PARA REDE SUBTERRÂNEA DE IP EMISSÃO- 02 29.12.2014 ESPECIFICAÇÃO EM-RIOLUZ-74 EMISSÃO

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2 NORMA TÉCNICA CELG Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição NTC-18 Revisão 2 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

Caixa para medidor polifásico com trava na tampa e visor

Caixa para medidor polifásico com trava na tampa e visor FIRUGA 1: CAIXA COM TAMPA 227 VISTA SUPERIOR 114 57 A 14 209 345 45 LENTE 46 171 PRÉ-FURO Ø5 53 VISTA LATERAL ESQUERDA Ø2 FURO PARA LACRE A VISTA FRONTAL MÍN. 10,5 15 LUVA W1/4 VISTA LATERAL DIREITA 48

Leia mais

PD-4.009. Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia

PD-4.009. Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia PD-4.009 Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia PD-4.009 Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV ELABORADO

Leia mais

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS 1000 (máximo) 1750 450 500 600 VISTA LATERAL 1800 12000 100 1000 150 7300 VISTA FRONTAL VISTA SUPERIOR (1) Sem escala. (2) Medidas em milímetros. (3) Deverá atender os

Leia mais

Acessórios Desconectáveis 200A

Acessórios Desconectáveis 200A 200A APLICAÇÃO Os Acessórios da Prysmian possuem uma concepção de projeto baseada no sistema plugue - tomada, porém para tensões, permitindo fácil conexão e desconexão de um cabo de potência, de um equipamento,

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-17/09/2012 22/10/2012 ENGENHARIA E SISTEMAS TÉCNICOS (DTES-ES) APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI (DTES-ES) SUMÁRIO

Leia mais

Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura

Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura Lista de Materiais para a Arena Desenho da estrutura Desenho da estrutura (detalhes) Lista de materiais para Arena V RODEIO NACIONALDE ELETRICISTAS Lista de Materias para Arena Item Descrição Quantidade

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-31/10/2013 05/11/2013 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI DTES-ES SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE BARRAS E PERFIS AÇO PARA INDÚSTRIA TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE Ao usar a ampla linha de Barras e Perfis Gerdau, você coloca mais qualidade no seu trabalho. Cada produto foi desenvolvido

Leia mais

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas de Transição Rede Compacta Rede Nua com Para-Raios 6.1. Estrutura CE3.N3

Leia mais

Um corpo é submetido ao esforço de cisalhamento quando sofre a ação de um carregamento (força cortante) que atua na direção transversal ao seu eixo.

Um corpo é submetido ao esforço de cisalhamento quando sofre a ação de um carregamento (força cortante) que atua na direção transversal ao seu eixo. 47 8. CISALHAMENTO Um corpo é submetido ao esforço de cisalhamento quando sofre a ação de um carregamento (força cortante) que atua na direção transversal ao seu eixo. A tensão de cisalhamento ( ) é obtida

Leia mais

Perfilados e acessórios

Perfilados e acessórios Perfilados e acessórios 936563 936511 frente e verso 936501 frente e verso 936551 Perfi l de aço perfi lado. Produzido em chapa de aço pré-galvanizado, por imersão a quente, ou galvanizado à fogo com excelente

Leia mais

Fios e cordoalhas de aço zincados para Eletrificação e Telefonia

Fios e cordoalhas de aço zincados para Eletrificação e Telefonia Fios e cordoalhas de aço zincados para Eletrificação e Telefonia Fios e cordoalhas de aço 1 Qualidade que faz a diferença. Conhecer a qualidade das coisas é saber diferenciá-las. E, assim, poder escolher

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Postes de Concreto Armado para Redes de Distribuição Especificação e Padronização. NTC-01 Revisão 3

NORMA TÉCNICA CELG. Postes de Concreto Armado para Redes de Distribuição Especificação e Padronização. NTC-01 Revisão 3 NORMA TÉCNICA CELG Postes de Concreto Armado para Redes de Distribuição Especificação e Padronização NTC-01 Revisão 3 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA

Leia mais

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL 1 I. ASPECTOS GERAIS CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL Conforme já foi visto, a tensão representa o efeito de um esforço sobre uma área. Até aqui tratamos de peças submetidas a esforços normais a seção

Leia mais

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES A descrição das atividades tem como propósito facilitar o relacionamento entre a CONTRATANTE e a CONTRATADA, na medida em que visa

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO MATERIAL CÂMARA TRANSFORMADORA Unid. Quant. V. unit.r$ V. TotalR$ Placa de

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título ESTRUTURAS PARA EQUIPAMENTOS

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título ESTRUTURAS PARA EQUIPAMENTOS APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Transformadores SEÇÃO 3 Chaves Tripolares SEÇÃO 4 Banco de Capacitores SEÇÃO 5 Religadores e Seccionalizadores SEÇÃO 6 Reguladores de Tensão 1 OBJETIVO

Leia mais

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora.

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora. Brocas A broca é uma ferramenta de corte geralmente de forma cilíndrica, fabricada com aço rápido, aço carbono, ou com aço carbono com ponta de metal duro soldada ou fixada mecanicamente, destinada à execução

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO ITEM R$

ESPECIFICAÇÃO DO ITEM R$ ANEXO 2 Planilha Orçamentária Estimativa de Quantitativos e Preços Máximos Global e Unitários LOTE ÚNICO ESPECIFICAÇÃO DO ITEM Qtde. Unitário R$ Total R$ 01 02 03 04 05 CHAVE NIVEL TIPO BOIA,ATUACAO: ALARME

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

MOD. 225-10.000-03/2009 - Gráfica Garilli - Agência PUC Propaganda

MOD. 225-10.000-03/2009 - Gráfica Garilli - Agência PUC Propaganda MOD. 225 -.000-03/2009 - Gráfica Garilli - Agência PUC Propaganda Rua Xavier de Toledo, 640 Vila Paulicéia São Bernardo do Campo, SP CEP: 09692-030 Geral: Tel.: (11) 4176-7877 Fax: (11) 4176-7879 E-Mail:

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

. Caixa para medidor polifásico, chave de aferição, transformadores de corrente e disjuntor (CM-3) Desenho 7

. Caixa para medidor polifásico, chave de aferição, transformadores de corrente e disjuntor (CM-3) Desenho 7 2 1 - OBJETIVO 1.1 - Esta Especificação fixa os critérios e as exigências técnicas mínimas relativos à aprovação de modelo, fabricação e ao recebimen;o de Caixas para instalação de medidores de energia

Leia mais

NORMA TÉCNICA NTC 010

NORMA TÉCNICA NTC 010 COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA COCEL NORMA TÉCNICA 010 CAIXA PARA EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO E DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO DE MEDIÇÃO MODULADO Divisão de Medição e Fiscalização Emissão: 2015 Versão: 01/2015

Leia mais

ADENDO 02. Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT.

ADENDO 02. Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT. DIRETORIA TÉCNICA DEPARTAMENTO COMERCIAL DIVISÃO DE MEDIÇÃO ADENDO 02 Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT. Florianópolis, agosto de 2005.

Leia mais

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda.

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. NORMA PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA REDE DE DISTRIBUIÇÃO SECUNDÁRIA BT MULTIPLEXADA 1ª edição Versão 1.0 out/09 [Digite texto] MEDIDAS DE CONTROLE Revisão:

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE DOCUMENTO NORMATIVO CRITÉRIO DE PROJETO DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE Código Página Revisão Emissão CP 015 I 1 JAN/2004 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Condições Gerais 5. Requisitos Ambientais 6. Lançamento de Condutores 7. Fixação Definitiva do Condutor 8. Identificação de Fases

Leia mais

Comprimento nominal (L) menos o comprimento de engastamento (e).

Comprimento nominal (L) menos o comprimento de engastamento (e). MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DA DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0066 POSTES POLIMÉRICOS DE POLIÉSTER

Leia mais

ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREAS PRIMÁRIAS COMPACTAS PROTEGIDAS

ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREAS PRIMÁRIAS COMPACTAS PROTEGIDAS DIRETORIA TÉCNICA - TE SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - TPE GERÊNCIA DE PADRONIZAÇÃO - TPPA Assunto: MONTAGEM ELETROMECÂNICA Título: ESTRUTURAS PARA REDES COMPACTAS PROTEGIDAS PT.RD.06.002

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título MATERIAIS PARA REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título MATERIAIS PARA REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO Data da última revisão 08.08.2013 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Condutores SEÇÃO 3 Isoladores SEÇÃO 4 Conexões SEÇÃO 5 Amarrações SEÇÃO 6 Ferragens SEÇÃO 7 Postes SEÇÃO 8 Cruzetas

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA ENTRADA CLIENTE. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA ENTRADA CLIENTE. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Ramal de Entrada Subterrâneo 6.1. CE2H ES Poste de Concreto de Seção Circular 6.2.

Leia mais

Corte e dobra. Nesta aula, você vai ter uma visão geral. Nossa aula. Princípios do corte e da dobra

Corte e dobra. Nesta aula, você vai ter uma visão geral. Nossa aula. Princípios do corte e da dobra A U A UL LA Corte e dobra Introdução Nesta aula, você vai ter uma visão geral de como são os processos de fabricação por conformação, por meio de estampos de corte e dobra. Inicialmente, veremos os princípios

Leia mais