NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO"

Transcrição

1 NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO RURAL EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 1 / 91

2 A P R E S E N T A Ç Ã O Esta Norma Técnica estabelece os critérios básicos para elaboração de projetos de redes aéreas de distribuição rural, de forma a assegurar as condições técnico-econômicas e segurança das instalações e a qualidade do serviço de energia elétrica, visando uniformizar os procedimentos de projetos em toda área de concessão da Celtins. Palmas, novembro de Riberto José Barbanera Diretor Presidente Juliano Ferraz de Paula Diretor Técnico Comercial EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 2 / 91

3 SUMÁRIO Objetivo Campo de Aplicação Normas e/ou Documentos Complementares Terminologia e Definições Tipos de Obras e Roteiro para Elaboração de Projetos Obtenção de Dados Preliminares Levantamento de Cargas e Determinação de Demanda Exploração do Traçado e Levantamento Topográfico Configuração Básica Dimensionamento Elétrico Dimensionamento Mecânico Apresentação do Projeto Arquivamento do Projeto Anexos EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 3 / 91

4 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios básicos para a elaboração de projetos de Rede Aérea de Distribuição Rural RDR, de forma a assegurar boas condições técnico-econômica das instalações e da qualidade do serviço de energia elétrica. 2 CAMPO DE AMPLIAÇÃO Aplica-se a projetos de redes aéreas de distribuição rurais novas, melhorias e ampliações em sistema trifásico nas tensões primárias de 13,8kV e 34,5kV. 3 NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3.1 Normas da ABNT - NBR-5422 Projeto de Redes Aéreas de Transmissão de Energia Elétrica; - NBR Redes de Distribuição Aérea Rural de Energia Elétrica com condutor nu. 3.2 Normas da Celtins - Materiais Padronizados de Distribuição; - Padronização e Especificação de Pára-raios; - Transformadores de Distribuição; - Chaves Fusíveis de Distribuição; - Montagem de Redes de Distribuição Aérea Rural Trifásica 13,8kV e 34,5kV. 3.3 Outros - CODI Critérios para Projetos de Redes Aéreas de Distribuição Rural; OBS.: Em suas últimas revisões. EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 4 / 91

5 4 TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 4.1 Sistema de Distribuição Parte do sistema de potência destinado ao transporte de energia elétrica, apartir do barramento secundário de uma subestação (onde termina a transmissão ou subtransmissão) até os pontos de consumo. 4.2 Subestação de Distribuição Subestação abaixadora e/ou elevadora de tensão da qual derivam os alimentadores de distribuição. 4.3 Rede de Distribuição Aérea Rural RDR Parte integrante do sistema de distribuição implantado, na sua maior parte, fora do perímetro urbano de cidades, distritos e vilas. 4.4 Rede Primária Parte de uma rede de distribuição que alimenta transformadores de distribuição e pontos de entrega sob a mesma tensão primária nominal. 4.5 Derivação de Distribuição Ligação feita em qualquer ponto de um sistema de distribuição, para alimentar tronco, ramal, transformador de distribuição ou ponto de entrega. 4.6 Alimentador de Distribuição Parte de uma rede primária numa determinada área de uma localidade que alimenta, diretamente ou por intermédio de seus ramais, transformadores de distribuição da Celtins e/ou de consumidor. 4.7 Tronco do Alimentador Parte de um alimentador de distribuição que transporta a parcela principal da carga total. 4.8 Ramal Rural Parte de um alimentador de distribuição, fora do perímetro urbano, que deriva diretamente do tronco do alimentador. EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 5 / 91

6 4.9 Rede Secundária Parte da rede de distribuição energizada pelos secundários dos transformadores de distribuição Sistema Radial Sistema ou parte de um sistema de potência no qual, em condições normais de operação, só pode haver fluxo de energia em um único sentido Carga Instalada Somatória das potências nominais das cargas ligadas ao sistema considerado Demanda É a potência elétrica, em kva, requisitada por determinada carga instalada durante um período de tempo definido. Normalmente se considera a potência média de 15 minutos Demanda Máxima Maior de todas as demandas ocorridas durante um período específico de tempo (um dia, dois dias, um ano, etc.) Demanda Média É a relação entre a quantidade de energia elétrica consumida, durante um período de tempo qualquer e o número de horas do mesmo período Fator de Carga Relação entre a demanda média e a demanda máxima ocorrida no mesmo período de tempo. FC = dm D Para um ano: FC = C 730 x D onde: FC = fator de carga C = consumo anual em kwh D = demanda máxima em kw dm = demanda média em kva EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 6 / 91

7 4.16 Fator de Demanda Relação entre a demanda máxima de uma instalação, verificada em um período especificado e a correspondente carga instalada (menos as reservas) Fator de Potência Relação entre a potência ativa e a potência aparente Flecha Maior distância, em um vão de rede aérea, entre um condutor e a reta que passa por seus pontos de fixação, medida em condições específicas Rede Aérea Rede elétrica em que os condutores, geralmente nus, ficam elevados em relação ao solo ou afastados de outras superfícies, que não os respectivos suportes Transposição Permutação da posição relativa dos condutores de uma rede elétrica Estrutura de Apoio Estrutura que suporta os condutores e/ou estais componentes de uma rede aérea Estrutura Ancorada Suporte na qual é feita a ancoragem de todos os condutores de dois vãos contínuos de uma rede Estai Cabo destinado a assegurar ou reforçar a estabilidade de um suporte de rede aérea, transferindo esforços para outra estrutura, contraposte ou âncora Vão Distância horizontal entre dois suportes consecutivos de uma rede aérea. EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 7 / 91

8 4.25 Vão Básico do Gabarito Vão adotado na elaboração da tabela de flechas, a partir da tração horizontal correspondente, para construção do gabarito Vão Ancorado Vão compreendido entre duas estruturas de ancoragem Vãos Contínuos Série de 02 (dois) ou mais vãos compreendidos entre estruturas de ancoragem Vão Regulador Vão fictício, mecanicamente equivalente a uma série de vãos contínuos,compreendidos entre estruturas ancoradas, e que serve para a definição do valor do vão para tração de montagem Simbologia A simbologia a ser utilizada para representação em projetos está estabelecida no Anexo 05 desta Norma. 5 TIPOS DE OBRAS Os projetos de Rede de Distribuição Rural RDR, classificam-se em: 5.1 Projetos de Rede Nova: são aqueles que visam a implantação de todo o sistema de distribuição necessário para o atendimento a uma determinada área onde não existe rede de distribuição. 5.2 Projetos de Melhoria de Rede: são aqueles que visam promover alterações em uma rede existente, seja para adequá-la a novas situações de carga, seja por motivo de segurança, obsoletismo, melhoria nas condições de fornecimento ou adequação das instalações ao meio ambiente. 5.3 Projetos de Ampliação de Rede: são aqueles destinados a atender novos consumidores que implicam no prolongamento da rede de distribuição existente. EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 8 / 91

9 6 OBTENÇÃO DOS DADOS PRELIMINARES Inicialmente, deve-se obter basicamente: - As características do projeto; - O planejamento básico; - Os projetos existentes; 6.1 As Características do Projeto Consiste na determinação do tipo de projeto a ser desenvolvido, da área a ser abrangida e do estado atual da rede, quando esta existir. 6.2 O Planejamento Básico Os projetos deverão atender a um planejamento básico, que permita um desenvolvimento progressivo, compatível com a área em estudo. Em área onde o sistema elétrico será totalmente implantado ou ampliado, o projeto deverá ser precedido de uma análise a fim de determinar a disponibilidade do sistema elétrico para a região. 6.3 Os Projetos Existentes Deverão ser verificados os possíveis projetos anteriormente elaborados na área abrangida, ainda não construídos ou em construção, que deverão ser considerados nos projetos em elaboração. 7 LEVANTAMENTO DE CARGA E DETERMINAÇÃO DA DEMANDA 7.1 Levantamento de Carga Consiste na coleta dos dados de carga dos consumidores em potencial, localizados na área em estudo. Os procedimentos serão diferenciados de acordo com o tipo de projeto, conforme a seguir: Projeto de Melhoria de Rede a) Consumidores ligados à rede primária Localizar em planta todos os consumidores ligados à rede primária com os seguintes dados: - Natureza da atividade; - Horário de funcionamento, indicando o período de carga máxima e sazonalidade, caso haja; - Carga total, caso não haja medição de demanda e capacidade instalada; - Possíveis novas ligações na rede primária, ou acréscimo de carga na área do projeto. EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 9 / 91

10 b) Consumidores ligados à rede secundária Localizar os consumidores residenciais rurais, anotando-se em planta o tipo de ligação (monofásica, bifásica ou trifásica), e os não residenciais (oficinas, laticínios, etc.), indicando-se a carga total instalada e seu horário de funcionamento. Os consumidores não residenciais de pequena carga (bar, armazém, etc.), deverão ser tratados como residenciais. c) Consumidores especiais Anotar o horário de funcionamento e a carga total instalada, observando-se a existência de aparelhos que possam ocasionar oscilação de tensão na rede (raios-x, solda elétrica, forno a arco, etc.) Projeto de Ampliação ou Rede Nova As cargas a considerar nestes casos, serão fundamentadas no cadastramento das propriedades, que deverá ser realizado de modo a avaliar a real necessidade da carga a ser instalada, conforme os equipamentos eletrodomésticos e eletrorurais que serão instalados, identificando-se a potência de cada equipamento e fator de potência. Deverá ser anotada a existência de aparelhos que possam ocasionar oscilação de tensão na rede ou outro tipo de influência considerada anormal Projeto de Complementação de Fases A complementação de fases em RDR deve ser executada quando o carga instaladas em ramais monofásicos e monofilar ultrapassar (carga instalada existente somada a carga a ser ligada) 160 KVA 13,8/ 3 e 265 KVA 34,5/ 3 e/ou quando houver desequilíbrio de corrente nos circuitos. 7.2 Determinação de Demanda O procedimento para determinação dos valores de demanda estão descritos em função de várias situações possíveis de projetos. No cálculo de demanda deve ser considerado um horizonte de 10 anos, utilizando a taxa de crescimento de carga característica da região (Tabela 8 do Anexo 03) Projeto de Melhoria de Rede A determinação da demanda poderá ser obtida através de medição ou pelo processo estimativo. EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 10 / 91

11 Processo por Medição No processo por medição deverá ser obtido o perfil da carga do alimentador diretamente das medições de seu tronco e ramais, observando-se sempre a coincidência com as demandas das ligações existentes na rede primária. Confrontando-se os resultados das medições com as respectivas cargas instaladas serão obtidos fatores de demanda típicos que poderão ser utilizados como recurso, na determinação de demanda por estimativa, em outras áreas. a) Tronco de alimentadores rurais A determinação de demanda máxima de alimentadores rurais, basicamente, é feita através de relatório de acompanhamento da subestação de distribuição. Na impossibilidade de obter a demanda máxima através de relatórios de acompanhamento, deverá ser feita medição na saída do alimentador em estudo (ver nota 1); b) Ramais rurais Para determinação da demanda máxima dos ramais rurais, deverão ser instalados Registradores Gráfico no início do ramal(ver nota 1); c) Consumidores ligados na rede primária Deverá ser feita verificação da demanda máxima do consumidor através da leitura do medidor de kwh/demanda. Deverá ser considerada, ainda, previsão de aumento de carga. NOTA 1: Para os alimentadores e ramais rurais, as medições devem ser efetuadas com a rede operando em sua configuração normal, em dia de carga típica, por um período mínimo de 24 horas Processo Estimativo a) Tronco de alimentadores rurais No caso de melhoria de rede, esse processo não se aplica aos alimentadores. A determinação da demanda será sempre feita por relatórios de acompanhamento ou medição; b) Ramais rurais A estimativa de demanda máxima poderá ser feita através da demanda máxima do alimentador, obtida na subestação, em confronto com a capacidade das cargas dos transformadores instalados ao longo do mesmo. EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 11 / 91

12 Deverá ser analisada sempre, a simultaneidade de funcionamento das cargas dos consumidores ligados à rede primária; c) Consumidores ligados à rede primária A demanda de consumidores ligados à rede primária deverá ser estimada aplicando-se à carga instalada um fator de demanda típico, dependendo da natureza da atividade, conforme Tabela 7 do Anexo Projeto de Ampliação ou Rede Nova Nos projetos de ampliação ou atendimento à novas localidades, a determinação da demanda será feita em função da demanda de transformadores de distribuição de áreas similares já atendidas, considerandose a influência de demandas individuais de consumidores ligados à rede primária, aplicando-se os fatores de demanda conhecidos de consumidores similares. Na determinação da demanda de consumidores em baixa tensão será utilizada a Norma - ou poderá ser também obtida através do fator de carga e do kwh/consumidor, a ser determinado através do faturamento dos consumidores característicos da região. 8 EXPLORAÇÃO DO TRAÇADO E LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO 8.1 Exploração do Traçado Deverão ser avaliadas as condições existentes do projeto e do terreno, incluindo as possíveis condições futuras, com o objetivo de pré-determinar o possível traçado, buscando sempre a melhor solução técnico-econômica. 8.2 Levantamento Topográfico Os serviços topográficos será realizado conforme critérios e procedimentos contidos na OTD Caderneta de Campo Deverá conter os seguintes elementos: - Croquis e cálculos dos comprimentos das tangentes; - Cálculo de norte verdadeiro e os rumos verdadeiros; - Todos os ângulos da RDR, medidos ou calculados; EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 12 / 91

13 - O levantamento planimétrico da RDR e também os detalhes quando necessário; - Todos os demais elementos colhidos no terreno, para o estabelecimento do traçado; - O nome do topógrafo, número de registro no CREA, as datas dos trabalhos e o tipo do aparelho utilizado. 9 CONFIGURAÇÃO BÁSICA As redes de distribuição terão de forma geral uma configuração radial e serão constituídas de troncos trifásicos de 3 condutores e ramais trifásicos e monofásicos para alimentar pequenas localidades e propriedades rurais. 10 DIMENSIONAMENTO ELÉTRICO Os critérios para dimensionamento elétrico, proteção, seccionamento e aterramento das redes de distribuição rural são: 10.1 Níveis de Tensão As tensões nominais primárias padronizadas pela Celtins são 13,8kV e 34,5kV, podendo ser fixada a tensão de fornecimento primário no ponto de entrega de energia a determinado consumidor, entre + 5% e 7,5% para limites adequados e + 5% e 10% para limites precários conforme Portarias vigente. A máxima queda de tensão do barramento da subestação (ou Regulador de Tensão) à qualquer ponto da rede primária em áreas atendendo exclusivamente a consumidores atendidos em tensão primária de distribuição com transformador exclusivo será de 7,5% considerando um crescimento de carga para um horizonte de 10 anos. A queda de tensão deverá ser determinada através de cálculos ou medições registradas. Os cálculos deverão ser feitos utilizando os coeficientes unitários de queda de tensão percentual definidos na Tabela 6. O formulário a ser utilizado encontra-se no Quadro 4 e um exemplo de cálculo no Anexo 06 ou deverá ser calculado utilizando-se os programas de supervisão de redes primárias, disponibilizados na Celtins Perfil de Tensão Para o dimensionamento da rede de distribuição rural deve-se determinar o perfil de tensão mais adequado às condições da rede e subestações. EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 13 / 91

14 Os fatores a serem considerados na determinação do perfil de tensão são: - Comprimento da RDR; - Tipo e bitola do condutor; - Tensão no barramento da subestação; - Transformador de distribuição; - Cargas a serem supridas; 10.3 Corrente Mínima de Curto-Circuito O valor mínimo de corrente de curto-circuito é de 60A, devendo o cálculo ser feito utilizando o programa de supervisão de redes disponível na Celtins, no qual já está colocado a corrente de curto-circuito nas barras das subestações. Caso o valor calculado da corrente de curto-circuito não atinja o valor acima citado, deverá ser feita as seguintes alterações no projeto: 1 Mudança de bitola do condutor; ou ramal. 2 Instalação de religador com proteção de neutro, na derivação do 10.4 Condutores Serão utilizados condutores de alumínio com alma de aço CAA, conforme Norma Materiais Padronizados de Distribuição - nas bitolas 2 AWG, 1/0 AWG, 4/0 AWG, constantes na Tabela 1 do Anexo 03. A escolha da bitola deve ser feita de acordo com a queda de tensão máxima permitida, capacidade de condução dos condutores e corrente mínima de curto circuito de 60A. O cálculo de queda de tensão deve ser elaborado utilizando coeficiente unitário de queda de tensão, fator de demanda e taxas de crescimento de carga para um horizonte de 10 anos ou utilizando o programa de supervisão de redes disponíveis na Celtins Complementação de Fases A complementação de fases deverá ser feita com condutor de alumínio. No caso do condutor existente ser de aço zincado ou cabo de alumínio CAA, 6 e 4 AWG, este deverá ser substituído para alumínio CAA com bitola igual ou superior a 2 AWG, adequando-se às condições elétricas e mecânicas exigidas Carregamento Na configuração radial, o carregamento deverá ser compatível com o limite térmico do condutor. Quando houver previsão de interligação com outras RDR s deverão ser consideradas as cargas sujeitas a transferência. EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 14 / 91

15 Desequilíbrio de Carga O máximo desequilíbrio permissível em qualquer ponto de uma RDR será de 20%. O desequilíbrio será determinado pela equação: d% = 3 x (2Ia Ib Ic)² +3(Ic Ib)² x Ia + Ib + Ic Onde: Ia, Ib, Ic são os módulos das correntes nas fases, em ampéres Correção de Níveis de Tensão O condutor de uma rede de distribuição deverá efetuar o transporte de energia até o local de utilização mais afastado da fonte sem que haja a necessidade de investimentos iniciais em reguladores de tensão. Quando os níveis de tensão predeterminados no perfil adotado não puderem ser mantidos deverão ser analisadas a s alternativas seguintes, sob o ponto de vista técnico e econômico em função da situação específica do projeto: a) Instalação de regulador de tensão tipo Auto-Booster Poderão ser instalados em redes com regulação de tensão na retaguarda (na SE através de reguladores de tensão) ou em redes com variação de tensão em um único sentido, mesmo sem regulação de retaguarda; b) Instalação de regulador de tensão Deverão ser previstos em alimentadores cujos níveis de tensão forem inferiores aos permitidos, cuja correção não for técnicoeconomicamente recomendável com a utilização de capacitores. A faixa de regulação deverá ser de mais ou menos 10%. A elevação ou redução de tensão é feita através de 32 degraus Tap s de 5/8% cada um. A potência dos reguladores deve ser compatível com a demanda máxima do circuito no ponto de instalação. Locação Deverá ser determinada através do perfil de tensão da rede no ponto onde a tensão em carga máxima não atinja o limite inferior da faixa de variação da tensão. Para o caso de rede muito longa, às vezes torna-se necessário a instalação de até 3 bancos reguladores, sendo este limite, o máximo recomendado. Instalação Serão instalados preferencialmente em bancos trifásicos, porém poderá ser feita aplicação de uma ou duas unidades. EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 15 / 91

16 * Em sistema trifásico a 4 fios serão utilizados 3 reguladores monofásicos de tensão nominal igual a tensão fase-neutro do sistema, ligados em estrela. Em ramais monofásicos também poderão ser instalados reguladores monofásicos deste tipo. * Nos sistemas trifásicos a 3 fios serão utilizados reguladores monofásicos de tensão igual a tensão fase do sistema. * Para a ligação de reguladores monofásicos em estrela, deve-se efetuar um aterramento específico de maneira a obter uma resistência máxima de 10 ohms. Caso isto não seja feito poderá ocorrer o deslocamento do neutro, provocando danos à isolação além de interferir no funcionamento do mesmo. Este tipo de ligação permite a cada regulador trabalhar independentemente. C) Instalação de Banco de Capacitores Com a finalidade principal de regulação de tensão e/ou compensação de reativos, deverão ser previstos a instalação de banco de capacitores na RDR. critérios: Em qualquer dos dois casos devem ser observados os seguintes - Os bancos poderão ser fixos ou automáticos; - Deverão ser utilizados somente em redes trifásicas, conectadas em estrela aterrada; - A potência dos bancos deverá ser de 300, 600, 900 e 1200kVAr constituídos por unidades monofásicas de 100 ou 200kVAr; - A máxima variação de tensão com a entrada ou saída de um banco de capacitores automáticos será de 2,5%; - A máxima elevação de tensão com a utilização de banco de capacitores não deverá exceder a 7,5%; - A máxima compensação de reativos resultante deverá ser limitada pelo fator de potência igual a 1 no início do alimentador em condições de carga máxima; - A distância mínima entre bancos de capacitores deve ser de 500m, medidos através da rede primária. - Quando a finalidade básica da instalação for a melhoria dos níveis de tensão, deverão ser observados os critérios abaixo: EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 16 / 91

17 1) Deverá ser calculada a elevação percentual de tensão no ponto de instalação do banco de capacitores, provocada pela circulação da corrente capacitiva do banco na rede primária. 2) Com bancos fixos Em princípio serão locados e dimensionados de tal modo a enquadrar os níveis de tensão ao longo do alimentador, em condições de carga mínima, dentro das faixas estabelecidas, procurando-se, sempre minimizar a circulação de reativos ao longo do alimentador. 3) Com bancos automáticos Deverão ser locados e dimensionados de tal modo a enquadrar os níveis de tensão ao longo do alimentador, em condições de carga máxima, dentro das faixas estabelecidas, observando-se os capacitores fixos existentes. Procurar sempre minimizar a circulação de reativos ao longo do alimentador. NOTA: Os bancos de capacitores quando instalados na rede de distribuição causam uma elevação na tensão, não servindo, no entanto, como regulador, eles apenas diminuem a queda de tensão na rede e/ou corrigem o fator de potência. Caso o banco seja controlado por comando automático, ele possibilitará também a regulação da tensão Transformadores Deverão atender as Normas Transformadores para rede aéreas de Distribuição ETD e NBR 5440 da ABNT Proteção Os equipamentos de proteção devem atender as seguintes condições: - Mesma classe de tensão da rede; - O nível de isolamento do equipamento deve ser compatível com a classe de tensão da rede; - A capacidade de interrupção dos equipamentos associada ao valor de X/R do circuito no ponto de instalação, deve ser no mínimo igual a máxima corrente assimétrica de defeito Chaves Fusíveis e Elos Fusíveis Instalar chaves fusíveis base C nos seguintes casos: a) Derivação de redes que alimentam cidades e povoados : EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 17 / 91

18 - Ramal trifásico Instalar chaves fusíveis na derivação do ramal e no primeiro poste que antecede a estrutura do transformador, para ramais maiores ou iguais a 1km, usar chaves fusíveis religadoras na derivação; - Ramal monofásico Instalar chaves fusíveis na derivação e na estrutura do transformador, para ramais maiores ou iguais a 1km, usar chaves fusíveis religadoras na derivação; - Nos casos de ramais até 250m ou em vão único, é permitida a instalação de chave fusível apenas na derivação do ramal. b) Ramais que derivam de ramais - Ramal trifásico Instalar chaves fusíveis apenas no primeiro poste que antecede a estrutura do transformador; - Ramal monofásico Instalar chaves fusíveis apenas na estrutura do transformador; - No caso de projetos com grandes extensões (acima de 1Km) e/ou com mais de um consumidor, deverão ser instaladas chaves fusíveis de religamento na derivação. c) Nas estruturas de bancos de capacitores Deverão ser instaladas chaves fusíveis, com elo dimensionado adequadamente, conforme tabela 10. NOTA: Todas as derivações de ramais deverão ser, obrigatoriamente, conectadas com conector estribo tipo cunha e grampos de linha viva. EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 18 / 91

19 Elos fusíveis - Todos os transformadores serão protegidos com elos fusíveis dimensionados, conforme tabela 5; - Os elos fusíveis deverão suportar continuamente a sobrecarga suportável pelo transformador sem prejuízo a sua vida útil; - A escolha dos elos fusíveis deve ser feita de modo a garantir a coordenação ou seletividade entre os diversos dispositivos instalados nos trechos da rede, garantindo também segurança e proteção a condutores e equipamentos; - Os elos fusíveis das derivações deverão ser definidos pela Celtins Religadores Automáticos Serão instaladas de acordo com os seguintes critérios: a) Localização - Saídas de alimentadores das subestações, quando justificar técnica e economicamente sua utilização; - Em pontos de circuitos longos onde o curto-circuito mínimo não é suficiente para sensibilizar o dispositivo de retaguarda; - Antes de cargas cuja continuidade de serviço seja de grande importância; - Em caso de bifurcação da rede tronco pode-se instalar religadores automáticos no tronco ou em ambos ramais dependendo da situação da rede. b) Dimensionamento e ajuste A capacidade de interrupção deve ser superior ao máximo curtocircuito no ponto de instalação. Bobina Série A corrente nominal da bobina deve ser maior ou igual a máxima corrente de carga no ponto de instalação, incluindo manobras e crescimento de carga, observando-se os requisitos de coordenação da proteção. A seqüência de operação deverá ser de tal modo a permitir coordenação com os dispositivos de proteção instaladas a montante e a jusante; EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 19 / 91

20 Disparo de Terra Deverá ser ajustado para a corrente de curto-circuito fase terra mínima observando-se o máximo desequilíbrio permitido pelo sistema. Em ramais monofásicos deve ser feito um estudo a parte para dimensionar o disparo de terra; Ajuste São estabelecidos para cada caso analisando-se todos os aspectos de coordenação, bem como os critérios de segurança e proteção de equipamentos e condutores Seccionamento a) Localização Quando justificável deverão ser instalados de acordo com os seguintes critérios: - Em série e na retaguarda de dispositivos de religamento automático; - Após cargas cuja continuidade de serviço seja considerada importante, mas aceite interrupções de pequena duração; - Em bifurcação de um tronco poderá ser instalado no mesmo ou em ambos os ramais, dependendo da situação da rede; - Nos casos em que é impossível ou impraticável a coordenação com o dispositivo de proteção de retaguarda. - Em ramais que o comprimento for igual ou superiores a 10 km com instalação de chaves facas de 6 em 6 km, em locais de fácil acesso para a operação. b) Dimensionamento e ajuste Bobina Série Deverá ser dimensionada de acordo com a corrente máxima no ponto de instalação, incluindo manobras e crescimento de carga; Disparo de Terra Deverá ser sensibilizado pela corrente de curto-circuito fase-terra mínima no trecho protegido e ser compatível com a proteção de retaguarda; Tempo de Memória Deverá permitir coordenação com o tempo de religamento do equipamento de retaguarda; EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 20 / 91

21 Ajuste O número de contagem do seccionalizador será o número de operações do equipamento de retaguarda menos 1, se ligados em série Proteção Contra Sobretensão A proteção contra sobretensão será feita por pára-raios adequadamente dimensionados e localizados de modo a se obter a máxima proteção possível e de características compatíveis com a rede Localização do pára-raios - Deverão ser instalados pára-raios em todas as estruturas que contenham transformadores, seccionalizadores, religadores e chaves a óleo; - Para religadores, seccionalizadores, reguladores de tensão e chaves a óleo, deverão ser instalados dois jogos de pára-raios, sendo um do lado da fonte e um do lado da carga; - Deverão ser instalados pára-raios em todo fim de rede; - Se após um fim de rede trifásico ou bifásico seguir uma fase, deve-se prever pára-raios em todas as fases dos fins de Redes trifásicas ou bifásicas; - Quando a rede não possuir equipamentos para os quais a proteção é obrigatória, instalar um conjunto de pára-raios em pontos considerados estratégicos Critérios para seleção de pára-raios - Os pára-raios deverão ser do tipo válvula polimérico, equipados com dispositivos para desligamento automático e de óxido de zinco; - A tensão nominal dos pára-raios deve ser 12Kv e 30Kv respectivamente para redes de 13,8Kv e 34,5Kv; - A corrente nominal de descarga deverá ser de 10KA; - O nível de proteção para impulso dos pára-raios deve coordenar com o nível básico de isolamento (N.B.I.) dos equipamentos por eles protegidos, observando a faixa de segurança de 20% para o limite de coordenação. EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 21 / 91

22 10.8 Aterramento Considerações Gerais Deverão ser aterrados todos os pára-raios e as carcaças de todos os equipamentos; Os aterramentos de pára-raios e carcaças de transformadores devem ser Independentes do aterramento do neutro da rede secundária; Os condutores de aterramento devem ser contínuos e não devem ter em série nenhuma parte metálica de equipamentos elétricos ou ferragens; A interligação dos equipamentos elétricos à malha de terra deverá ser feita através de um único condutor de aterramento; A distância mínima da haste de aterramento mais próxima do poste deverá ser de 1m. A parte superior da haste deve estar no mínimo a 0,60m abaixo da superfície do solo; A distância mínima entre hastes de aterramento é o seu comprimento (2,40m); O condutor de aterramento deverá ser de cobre de bitola mínima de 25mm², bem fixado ao poste através de eletroduto até uma altura mínima de 3m e, se possível, instalado internamente ao poste; O valor máximo recomendado para o aterramento é de 10 ohms; A configuração do aterramento será de livre escolha, desde que atenda a máxima resistência de aterramento permitida; Deverão ser utilizado haste de aterramento de cobre ou aço cobre de comprimento de a 2400 mm, conforme Norma Materiais Padronizados de Distribuição; Recomendamos que o aterramento fique a uma distância mínima de 30m de edificação que abriguem pessoas ou animais Aterramento de Cercas a) Cercas transversais à rede de distribuição Devem ser seccionadas no mínimo a 20m de cada lado do eixo da rede de distribuição; O seccionamento da cerca deve ser feito com seccionador préformado conforme Norma Materiais Padronizados de EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 22 / 91

23 Distribuição ou com mourões de madeira, no caso de cerca de arame liso; Na parte da cerca dentro da faixa estabelecida, devem ser executados aterramentos com apenas 1 haste em ambas as extremidades. Cercas transversais à rede devem ser seccionadas e aterradas conforme a figura abaixo: NOTAS: 1 Interromper os fios de arame através de seccionador pré-formado para cercas; 2 Aterrar com haste de 2400mm. EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 23 / 91

24 a) Cercas paralelas à rede de distribuição O aterramento e seccionamento devem ser feitos a cada 250m ao longo de todo o trecho enquanto houver paralelismo situado até 30m do eixo da rede de distribuição. EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 24 / 91

25 b) Cercas próximas ao aterramento de equipamentos Cercas paralelas à configuração do aterramento Seccionar o trecho de comprimento correspondente ao dobro da dimensão do aterramento (simetricamente à sua configuração), conforme figura a seguir. Não havendo possibilidade de contato acidental dos condutores com o trecho de cerca resultante deste seccionamento, este deverá ser mantido isolado da terra. Caso contrário, este trecho da cerca deverá ser provido de um aterramento composto de uma haste em seu ponto central. Cerca transversal à configuração do aterramento Seccionar o trecho de comprimento correspondente ao quádruplo da maior dimensão do aterramento simetricamente à sua configuração, conforme figura a seguir. Não havendo possibilidade de contato acidental dos condutores com o trecho da cerca resultante deste seccionamento, este deverá ser mantido isolado da terra, caso contrário este trecho da cerca seccionado deverá ser aterrado: - Nas duas extremidades, se o aterramento do primário cruzá-lo; ou - Apenas em seu ponto central, caso não haja esse cruzamento. EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 25 / 91

26 11 DIMENSIONAMENTO MECÂNICO Este dimensionamento tem por objetivo determinar o esforço mecânico resultante sobre uma determinada estrutura para que se possa verificar sua condição de estabilidade. Definido o traçado, deverão ser locadas nos desenhos as estruturas necessárias ao suporte da rede. Na planta baixa além dos dados topográficos deverão ser indicadas as estruturas conforme Exemplo 3 do Anexo 06. Para dimensionar as estruturas devem-se considerar os seguintes aspectos: - Tração de projeto dos condutores calculada para condição de vento máximo e temperatura mínima; - Ação do vento sobre os condutores e estruturas; - Peso da estrutura e condutores; - Resistência mecânica do solo, poste, cruzeta, ferragens, armações e isoladores; - Espaçamento e tensão elétrica entre condutores; - Ângulo de deflexão da rede; - Espaçamento entre estruturas. EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 26 / 91

27 11.1 Estais Deve-se usar estais de acordo com o definido nos ábacos, em áreas classificadas como de pecuária; Em áreas classificadas como agricultura só será permitido o uso de estais nas condições especificadas nos ábacos; Os estais nas estruturas de ancoragem e fim de rede devem ser instalados, respectivamente, sempre na direção da bissetriz do ângulo de deflexão da linha ou na direção da rede; O cabo de aço a ser utilizado nos estais é o de bitola 7,9 mm ou conforme indicado nos ábacos. As cordoalhas dos estais aplicados em locais de pastejo de animais, deverá ser recoberta com arame farpado até uma altura de 2 m do solo, para evitar que os animais não encostem Postes Os postes a serem utilizados devem estar em conformidade com a Norma Poste de Concreto de Seção Circular, Duplo T Engastamento Na elaboração do projeto deve-se levar em conta o momento resistente oferecido pelo solo ao tombamento de estrutura, que depende basicamente dos seguintes aspectos: - Profundidade de engastamento; - Dimensões da base do poste; - Características físicas do terreno. A profundidade de instalação ou engastamento, para qualquer tipo de poste, será igual a: e = L + 0,6m 10 onde: e = engastamento, em metros L = comprimento do poste, em metros Sendo as dimensões da base dos postes padronizados, conforme Norma Postes de Concreto de Seção Circular e Duplo T, conclui-se que o fator determinante do tipo de engastamento é a característica do solo. Na Tabela 9 encontra-se a definição de fundações para alguns tipos de solos. A fundação poderá ser diferente da encontrada na tabela, desde que os EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 27 / 91

28 cálculos sejam apresentados juntamente com o projeto, devendo ser considerado neste cálculo uma sobrecarga de 40% da resistência nominal do poste, pois a mesma foi considerada na confecção dos ábacos. Em regiões pantanosas, a fundação deverá ser feita conforme item 4.3 da Norma Montagem de Redes de Distribuição Aérea Rural Trifásica 13,8kV e 34,5kV Estabilidade das Estruturas Na elaboração do projeto deve-se levar em conta as características que definem a estabilidade das estruturas tais como: Resistência mecânica do poste aos esforços de compressão que, atuando na direção de seu comprimento provocará um esforço de compressão ou flambagem; Resistência mecânica do solo aos esforços de compressão; Resistência mecânica da cruzeta à flexão, sendo considerados os esforços verticais e horizontais que poderão atuar sobre a mesma; A carga nominal da cruzeta será igual a 50% de sua carga de ruptura; Resistência mecânica do estai; Resistência mecânica dos pinos Gabaritos As catenárias dos gabaritos utilizados para projeto de redes médias de distribuição rural foram plotadas a partir das tabelas de trações e flechas do Anexo 03. Foram utilizadas os seguintes vãos básicos para a construção dos respectivos gabaritos: a) Vãos contínuos: usados para vãos contínuos ou ancorados até 220m(Figura 5). Curva do condutor (catenária) na condição de flecha máxima (50ºC, sem vento) com vão básico de 140m; Curva do condutor (catenária) na condição de flecha mínima (+5ºC, sem vento) com vão básico de 240m. b) Vãos ancorados: usados para vãos ancorados entre 220m e 550m (Figura 6). Curva do condutor (catenária) na condição de flecha máxima (50ºC, sem vento) com vão básico de 350m. EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 28 / 91

29 c) Detalhe de travessia: usado para vãos até 150m (Figura 7). Curva do condutor (catenária) na condição de flecha máxima (50º C, sem vento) com vão básico de 90m Linha do Pé do Poste e Linha de Solo São Redes paralelas à linha (catenária) do condutor na condição de flecha máxima sem vento, indicando respectivamente o pé das estruturas e a distância do cabo condutor ao solo. A linha do pé do poste representa a altura livre do poste de 10m. A linha do solo representa a altura mínima exigida para a maioria dos vãos Utilização Os gabaritos devem ser utilizados para cabo de alumínio CAA e regiões com incidência de vento até 100 Km/h. A correta utilização do gabarito será fundamental para não comprometer a segurança da RDR. Um exemplo de utilização dos gabaritos encontra-se no Anexo Escalas Os gabaritos para vãos contínuos e ancorados são confeccionados na escala 1:500 na vertical e 1:5000 na horizontal. Para detalhe de travessia 1:100 na vertical e 1:500 na horizontal Considerações Sobre a Montagem O desenho do perfil do cabo deve representar tão fielmente quanto possível a sua posição na condição de flecha máxima. Para que o projeto represente a construção, a montagem dos cabos deve ser realizado nas condições de projeto, ou seja, a montagem deve ser feita com a tração correta em função dos vãos e temperatura ambiente, de acordo com a Tabela 2 do Anexo Vão Regulador Para obtenção dos valores de tração, através da tabela de trações de montagem, deve-se antes, calcular o valor do vão regulador de cada secção de tensionamento, através da equação. a reg = a1³ + a2³ + a3³ an³ a1 + a2 + a an onde: a reg = vão regulador, em metros a1, a2, a3,...na = comprimentos individuais dos vãos que compõem a secção de tensionamento, em metros EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 29 / 91

30 O valor máximo para uma secção de tensionamento de uma rede de distribuição rural trifásica deve ser: Cabos de alumínio CAA 2 AWG: 1500m; Cabos de alumínio CAA 1/0 AWG : 1200m; Cabos de alumínio CAA 4/0 AWG: 800m; O valor do vão regular de cada secção de tensionamento deve ser o mais próximo possível do vão básico do gabarito e deve ser indicado no projeto executivo da RDR Locação de Estruturas Com exceção das estruturas prefixadas a locação das demais estruturas no perfil, deverá ser feita por tentativas, utilizando para isto o gabarito adequado. Critérios para locação: Nos casos em que a rede de distribuição rural passar dentro de perímetro urbano, os vãos não deverão ultrapassar a 80 metros, possibilitando, no futuro, intercalação de postes para instalação de rede secundária; Nas travessias sobre rodovias, as estruturas do vão da travessia, deverão ser locadas fora da faixa de domínio do DNIT e Dertins; Os postes deverão guardar das cristas dos cortes ou dos pés das saias de aterros a distância mínima de 5,0 metros; A distância do poste a borda exterior do acostamento, medida sobre a superfície do terreno, deverá ser maior do que a altura livre do poste; Nas travessias sobre Linha de Telecomunicação, sobre ou sob Rede de Distribuição ou sob Linha de Transmissão, as estruturas do vão de travessia, deverão ser locadas, preferencialmente, fora da faixa de domínio; Dentro do perímetro urbano, em locais onde poderão existir, no futuro, cruzamento de RDU, será projetar postes de 11m para 13.8 KV e 12m para 34,5 KV; Nas imediações de subestações, normalmente congestionadas, será conveniente projetar postes de 12m prevendo a instalação de segundo circuito. EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 30 / 91

31 Escolha das Estruturas As estruturas a serem utilizadas estão contidas na Norma Montagem de Redes de Distribuição Aérea Rural Trifásica e Monofásica- 13,8kV e 34,5kV. Na escolha das estruturas poderão ser utilizados ábacos que determinam para as situações de tangência e ângulo, a limitação máxima de cada estrutura (considerando 40% de sobrecarga na resistência nominal do poste), de acordo com a bitola e o ângulo de deflexão dos condutores, constantes no Anexo 04. Sendo inevitável o emprego de vãos ou ângulos superiores aos previstos nos ábacos, deverá ser utilizada estrutura especial cujo desenho e memória de cálculo deve fazer parte do projeto. As estruturas do vão de travessia de rodovia, ferrovia, rios, Redes de energia elétrica e de telecomunicações deverão ser de ancoragem Posicionamento dos Postes DT a) Tangentes Suspensão: o poste deverá ser implantado com a secção de maior esforço perpendicular à direção da rede; Ancoragem: indicado no ábaco. b) Ângulos O poste deverá ser implantado sempre com a secção de maior esforço direcionado para a bissetriz do ângulo de deflexão da rede. c) Fim de rede O poste deverá ser implantado com a secção de maior esforço na mesma direção da rede. EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 31 / 91

32 Distâncias Verticais Mínimas dos Condutores ao Solo na Condição de Flecha Máxima a 50ºC Locais acessíveis apenas a pedestres: 6,0 metros; Estradas rurais e áreas de plantio com trafego de maquinas agrícolas: 6,5 metros Travessia de rodovias (DERTINS): 7,0 metros para vãos até 100 metros, e 8,0 metros para vão acima de 100 metros. Travessia de rodovias (DNIT): 7,0 metros para vãos até 100 metros, sendo esta distância acrescida de 10 cm para cada 10m de acréscimo de vão. Travessia de ferrovia: 9,0 metros para ferrovia não eletrificada ou não eletrificáveis e 12 metros para ferrovia eletrificada ou eletrificável Distâncias verticais mínimas dos condutores a superfície da água na condição de flecha máxima a 50º C Águas navegáveis: d = H + 2m onde: d = distância mínima acima do nível máximo da água atingida pela maior enchente H = altura do maior mastro de embarcação, informada pela responsável da Capitania dos Portos autoridade Águas não navegáveis: distância mínima de 6m acima do nível máximo da água atingida pela maior enchente Distância Verticais Mínimas Entre os Condutores nos Cruzamentos na Condição de Flecha Máxima a 50ºC No caso de travessia de uma rede sobre ou sob outra, as distâncias verticais mínimas nas condições mais desfavoráveis de aproximação dos condutores, são calculadas pela fórmula (NBR 5422/85): se DU > 87kV D = a + 0,01( DU 50 ), D = 2,00+0,01(138 50) D = 2,00 + 0,01(29,67) D = 2,00 +0,29 D=2, 3 1,73 se DU > 87KV, D = a ex. DU = 69 KV, D = 2,00 onde: EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 32 / 91

33 D = distância mínima entre os condutores em metros a = 2,00 metros, para Redes de energia elétrica a = 2,80 metros, para Redes de telecomunicações DU = tensão mais elevada entre as duas Redes da travessia ( KV) NOTA: 1) A rede de maior tensão deve ficar acima da rede de menor tensão, satisfazendo as distâncias mínimas de segurança e, caso a rede ou rede a ser transposta tenha cabo muito leve (telefônico, telegráfico, etc.) deve ser considerado a possibilidade de inversão de flecha ocasionada pelo vento; 2) Para altitudes superiores a 1000m em relação ao nível do mar, o valor da segunda parcela de D deverá ser acrescida de 3% para 300m de altitude acima de 1000m Faixas de Segurança a) Largura da faixa A largura da faixa de segurança deverá ser de 7,5 metros para cada lado do eixo da rede; b) Distância mínima entre eixos de duas Redes paralelas A distância horizontal mínima entre os eixos de dois suportes será calculada pela fórmula: d = b1 + b2 + f + DU 150 onde: d = distância horizontal mínima, em metros b1 e b2 = distâncias horizontais do eixo do suporte ao ponto de fixação do condutor mais afastado desse eixo para a primeira e segunda RDR respectivamente, em metros. f = flecha na temperatura máxima de projeto, em metros. DU = corresponde ao valor da tensão mais elevada das duas Redes, com um mínimo de 69kV Sinalização de advertência a) Vales profundos Nas travessias sobre vales profundos, com viabilidade de tráfego de aeronaves, nos trechos em que os cabos superiores se situarem acima de 145 metros do solo, estes deverão ser sinalizados com um EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 33 / 91

34 mínimo de 3 esferas, espaçadas de 40 metros no máximo, mantendo uma distância mínima de 5 metros para as estruturas de apoio, conforme Figura 4 do Anexo 02; b) Vias navegáveis Nas travessias sobre vias navegáveis, os cabos inferiores deverão ser sinalizados com um mínimo de 3 esferas e espaçadas de 40 metros no máximo, mantendo uma distância mínima de 5 metros para as estruturas de apoio; c) Regiões agrícolas Os trechos de RDR localizados em regiões agrícolas que utilizam a aviação na aplicação de defensivos deverão receber a sinalização de advertência. As esferas devem ser espaçadas de 40 metros no máximo, mantendo uma distância mínima de 5 metros para as estruturas de apoio. NOTA: As esferas devem ser de fibra de vidro, com diâmetro de 500 milímetros, na cor laranja FAB Derivações Derivações de Ramais de Redes Rurais Existentes a) Independente do nível de tensão do ramal a ser implantado deverão ser fornecidos pelo interessado à Celtins, os seguintes dados: - Nome da RDR (origem e destino); - Tipo de estrutura de onde partirá a derivação; - Tipo de carga nominal e comprimento do poste da estrutura da qual partirá a derivação; - Tipo e seção do condutor; - Tensão de operação da RD; - Nome da subestação na qual se origina a RDR; - Distância da estrutura de derivação do ramal à subestação; - Distância da estrutura de derivação aos consumidores adjacentes com respectiva numeração das chaves fusíveis. - Numero da estrutura de onde partira o novo ramal; b) Não será permitido derivação de ramal em estruturas com mais de um poste (HT e HTE), e estrutura do tipo LE, P1, PT1e PTA1, com EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 34 / 91

35 chaves, religadores, capacitores e transformadores. Os casos especiais deverão ser previamente submetidos a apreciação da Celtins; c) Não será permitido mais de uma derivação por estrutura; d) Todo ramal deverá sair de uma estrutura da rede existente; e) Quando a derivação tiver origem em estrutura do tipo U1, U2, N1 ou N2 observar os seguintes limites para implantação da primeira estrutura do ramal: - Vão até 175 metros para estrutura simples (U1, U2, N1 e N2); - Vão até 250 metros para estrutura de ancoragem. Nestes casos a estrutura de derivação deverá ser obrigatoriamente estaiada com: - 1 estai no sentido oposto ao caminhamento do ramal, para vãos até 175m; - 3 estais, sendo 2 estais no sentido longitudinal da rede existente ou projetada e 1 estai no sentido oposto ao caminhamento do ramal, para vãos até 250 metros, observando-se a estabilidade mecânica da estrutura de derivação. f) Quando a derivação tiver origem em estrutura de ancoragem é necessário a implantação de uma estrutura tipo U4, N4 a 30m no máximo, da estrutura de derivação, onde deverão ser instaladas as chaves fusíveis de proteção do ramal, quando for o caso. Pode-se dispensar esta exigência ( f ), a critério da Celtins, quando o ramal for de apenas um vão. g) Quando a derivação tiver origem em estruturas trifásicas que os isoladores pilares forem instalados diretamente no postes (estruturas P-1, PT-1 e PTA-1) estas estruturas deverá ser transformada em uma estrutura N Derivações de Ramais de Redes Alimentadoras de Cidades a) O primeiro vão deverá ter no máximo 30m (vão frouxo); b) A estrutura do primeiro vão deverá ser U4, N4 NOTA: Nenhuma derivação poderá ter ângulo menor do que 60º e maior que 120º Posto de Transformação EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 35 / 91

36 a) Quando o posto de transformação for instalado em estrutura singela, localizado até 40 m da estrutura de derivação, deve-se utilizar estai de subsolo, para vãos superiores utilizar estai a Âncora; b) O vão que antecede a estrutura do transformador trifásicos não poderá ser superior 220m; c) Os postes deverão ser de concreto armado e estar de acordo com a norma ETD-01; d) Os transformadores com potência até 150 kva poderão ser instalados em estrutura singela (um poste), sendo que para 225 a 300 kva exige-se a instalação em estrutura tipo plataforma (dois postes). Acima de 300 kva os transformadores deverão ser instalados em base de concreto; e) A resistência mínima dos postes para instalação de transformadores deverá ser de 300 dan; f) A potência máxima dos transformadores monofásicos para classes 15 kv e 36,2 kv fica limitada a potencia de 25 kva 440/220v (1 bucha de alta tensão e 3 buchas de baixa tensão). g) Os transformadores também deverão obedecer as especificações técnicas da Celtins; h) É imprescindível que os transformadores rurais fiquem localizados distantes no mínimo 30 m das edificações que abriguem pessoas ou animais. Distâncias menores que as citadas, aumentam os riscos a exposições a tensões perigosas de toque ou de passo, durante a ocorrência de surtos atmosféricos e curto-circuito; 12 APRESENTAÇÃO DO PROJETO O projeto deverá ser composto de: 12.1 Memorial Descritivo Deverá conter informações referentes a: - Objetivo e necessidade da obra; - Características técnica, cálculo de demanda e queda de tensão; - Número de consumidores e áreas beneficiadas; - Relação de consumidores; - Listagem e especificação dos materiais e equipamentos. EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: JULHO 2014 FOLHA : 36 / 91

NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO NORMA TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO RURAL EMISSÃO: novembro/99 REVISÃO: NOV./09 FOLHA : 1 / 91 A P R E S E N T A Ç Ã O Esta Norma Técnica estabelece

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE DOCUMENTO NORMATIVO CRITÉRIO DE PROJETO DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE Código Página Revisão Emissão CP 015 I 1 JAN/2004 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES 3$'5 2'((6758785$6 '(/,1+$6(5('(6 PARTE 1 ASPECTOS GERAIS INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras ASPECTOS GERAIS PARTE

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ASPECTOS GERAIS... 2 3. EXCEÇÕES... 2 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO RURAL - RDR NTD-05

CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO RURAL - RDR NTD-05 CRITÉRIOS BÁSICOS PARA PROJETOS DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO RURAL - RDR NTD-05 11/01/2007 2/40 1. OBJETIVO 3 PÁG. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3 4. CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV ÍNDICE APRESENTAÇÃO....2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE... 3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-CONDUTORES...4 6-PROCEDIMENTOS...5 6.1- Afastamentos padronizados...5 6.2-Engastamento

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. ANEXOS 6. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO Página 2 de 1. OBJETIVO Esta norma estabelece as condições exigíveis

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA NTD-14 NTD 14 MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA CONTROLE DE VERSÕES NTD-14 - MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Nº.: DATA VERSÃO 1 13/07/4 0 2 03/9 1 NTD 14 MONTAGEM

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE ITA - 006 Rev. 0 Setembro / 2003 Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com

Leia mais

1.1. Locação da rede de distribuição

1.1. Locação da rede de distribuição 1. Rodovias O uso da faixa de domínio das estradas de rodagem estaduais e federais delegadas, é regulamentada pela Decisão Normativa nº 35, de 18 de agosto de 2003, emitida pelo DAER/RS. 1.1. Locação da

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO Página 1. OBJETIVO 4 2. APLICAÇÃO 4 3. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 5

Leia mais

CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS TRAVESSIA DE OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO

CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS TRAVESSIA DE OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO 1/16 1. Rodovias O uso da faixa de domínio das estradas de rodagem estaduais e federais delegadas, é regulamentada pela Decisão Normativa nº 35, de 18 de agosto de 2003, emitida pelo DAER/RS. 1.1. Locação

Leia mais

TENSÕES MECÂNICAS ADMISSÍVEIS PARA ELABORAÇÃO E/OU VERIFICAÇÃO DE PROJETOS DE TRAVESSIAS AÉREAS UTILIZANDO CABOS SINGELOS DE ALUMÍNIO COM ALMA DE AÇO

TENSÕES MECÂNICAS ADMISSÍVEIS PARA ELABORAÇÃO E/OU VERIFICAÇÃO DE PROJETOS DE TRAVESSIAS AÉREAS UTILIZANDO CABOS SINGELOS DE ALUMÍNIO COM ALMA DE AÇO RT 2.002 Página 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer parâmetros técnicos para subsidiar a padronização dos critérios para adoção de tensões mecânicas de projeto quando da utilização de cabos singelos de alumínio

Leia mais

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Normas CEMIG ND2.1 - Instalações Básicas de Redes de Distribuição Áreas Urbanas ND3.1 - Projetos de Redes de Distribuição Aéreas Urbanas RDU Rede de Distribuição

Leia mais

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição Professor Jorge Alexandre A. Fotius Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Em áreas urbanas com baixa densidade

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 Página 1 de 1 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1.OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Me. Hader Aguiar Dias Azzini hader_azzini@hotmail.com Campinas - ES 2014 Introdução Em geral, o projeto elétrico compreende quatro partes: Memória (justificativa

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica CEMAR NORMA DE PROCEDIMENTOS Função: Área: Processo: Código: Técnica Técnica Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica NP-12.306.02 Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2 NORMA TÉCNICA CELG Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição NTC-18 Revisão 2 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 NORMA TÉCNICA CELG Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TIPOS

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028 MONTAGEM DE S PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA, RURAL, COM CONDUTORES NUS - 13,8 E 34,5 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA INDICE 1- OBJETIVO...

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Dados do cliente Proprietário: Roney Casagrande CPF: 765.425.990-53 Endereço: Estrada Pinhal da Serra, n 04452, Interior Cidade: Pinhal da Serra RS CEP: 95.390-000 Dados da

Leia mais

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS 1- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Convencional Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 13 2- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Compacta Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 2 de

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 Página 1 de 19 COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 ATENDIMENTO DE NOVOS CONSUMIDORES LOCALIZADOS EM ÁREAS DE SISTEMAS SUBTERRÂNEOS DE DISTRIBUIÇÃO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES A descrição das atividades tem como propósito facilitar o relacionamento entre a CONTRATANTE e a CONTRATADA, na medida em que visa

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 07/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Quadro de Distribuição Circuitos Terminais Circuitos Terminais Quadro de Distribuição Quadro de Distribuição

Leia mais

São identificadas pelas características inerentes aos sistemas de distribuição:

São identificadas pelas características inerentes aos sistemas de distribuição: Capítulo2 CHAVE-FUÍVEI PARA PROTEÇÃO DE ALIMENTADORE E TRANFORMADORE 2.1 Introdução Classicamente, os sistemas de distribuição primários, aéreos, trifásicos e aterrados, constituídos por condutores nus,

Leia mais

NT CRITÉRIO PARA PROJETO DE REDES E LINHAS AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE E.E IT PROJETO DE REDES E LINHAS AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO RURAL TRIFÁSICA.

NT CRITÉRIO PARA PROJETO DE REDES E LINHAS AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE E.E IT PROJETO DE REDES E LINHAS AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO RURAL TRIFÁSICA. 1 de 66 ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. NORMAS COMPLEMENTARES 4. DEFINIÇÕES 5. ANTEPROJETO 6. CONTEÚDO DE PROJETO 7. SIMBOLOGIA 8. LEVANTAMENTO 9. ESTIMATIVA DE DEMANDA 10. PROJETO CONVENCIONAL

Leia mais

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia.

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia. fls. 1/11 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO CP-003/2006 R-01

CRITÉRIO DE PROJETO CP-003/2006 R-01 DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT CRITÉRIO DE PROJETO CP-003/2006 R-0 REDE DE DISTRIBUIÇÃO RURAL MONOFILAR DEPARTAMENTO DE NORMAS E PROCEDIMENTOS CP-003/2006 R-0 DOCUMENTO

Leia mais

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada Notas: Critérios Construtivos do Padrão de Entrada A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada. O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA DSEE 11/12/2014 DATA SUMÁRIO

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS RIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 6 Condutores elétricos - dimensionamento e instalação.

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Condições Gerais 5. Requisitos Ambientais 6. Lançamento de Condutores 7. Fixação Definitiva do Condutor 8. Identificação de Fases

Leia mais

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações ID-4.044 Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações Diretoria de Engenharia Gerência de Serviços Técnicos ELABORADO: Luiz Eduardo R. Magalhães Gerência

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

projecto de postos de transformação

projecto de postos de transformação 123 Henrique Ribeiro da Silva Dep. de Engenharia Electrotécnica (DEE) do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) projecto de postos de transformação {2.ª Parte - Postos em Cabine} Os postos de

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA Outubro 2008 Companhia Energética de Alagoas-CEAL Superintendência de Projetos e Obras-SPP Gerencia de Projetos e Obras

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 9. Sistema de Aterramento 02 9.1. Geral 02 9.2. Normas 02 9.3. Escopo de Fornecimento 02 T-9.1. Tabela 02 9.4. Características Elétricas 03 9.4.1. Gerais 03 9.4.2. Concepção Geral

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE DT-144/2013 DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00 INSTALAÇÃO DE CAIXA DE PROTEÇÃO SECUNDÁRIA NA REDE DE BAIXA TENSÃO FOLHA DE CONTROLE DECISÃO TÉCNICA INSTALAÇÃO

Leia mais

DEPARTAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO

DEPARTAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO 1 OBJETIVOS Esta norma estabelece os requisitos, condições técnicas mínimas e os procedimentos a serem seguidos na elaboração e apresentação de projetos de compartilhamento de infraestrutura das redes

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 034/2008 PADRÃO DE ESTRUTURA PE-034/2008 R-02 ESTRUTURAS ESPECIAIS

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 034/2008 PADRÃO DE ESTRUTURA PE-034/2008 R-02 ESTRUTURAS ESPECIAIS DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 034/2008 PADRÃO DE ESTRUTURA PE-034/2008 R-02 ESTRUTURAS ESPECIAIS FOLHA DE CONTROLE PADRÃO DE ESTRUTURA ESTRUTURAS ESPECIAIS Código Página

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito Instalações Elétricas Prediais -É a Ligação intencional de um condutor à terra. -Significa colocar instalações de estruturas metálicas e equipamentos elétricos

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA

CÓPIA NÃO CONTROLADA NT - 05.006.00 1 de 140 ÍNDICE 1 FINALIDADE... 6 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 6 3 DEFINIÇÕES... 6 3.1 Alimentador de Distribuição... 6 3.2 Aterramento... 6 3.3 Carga Instalada... 6 3.4 Demanda (Média)... 6

Leia mais

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO 1 CONDIÇÕES PRÉVIAS Antes de iniciar qualquer trabalho de montagem, ou antes de adquirir um posto de transformação (PT),

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO.

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO. OBRA: COL. EST. RESIDENCIAL SÃO PEDRO - PROJETO PADRÃO SECULO XXI. LOCAL: - Rua Tucunaré com Rua Pacu e Avenida Astolpho Leão Borges APM-05, Residencial São Pedro Goianira - GO ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES

Leia mais

Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas. Norma. Revisão 03 07/2014 NORMA ND.12

Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas. Norma. Revisão 03 07/2014 NORMA ND.12 Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas Norma 07/2014 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Rua Ary Antenor de Souza, 321 Jd. Nova

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS 02.111-TD/AT-3013a Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS Gerência de Desenvolvimento e Engenharia de Ativos da Distribuição TD/AT Belo Horizonte Setembro/2013

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL

PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL DOCUMENTO NORMATIVO Código PADRÃO DE ESTRUTURA PE - 031 Página I REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA Índice 1 Introdução 2 Local da Obra 3 Normas 4 Malha de Aterramento 5 Equipamento e Materiais 6 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas 7 Cálculo dos Elementos

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 9 Divisão da Instalação em Circuitos Porto Alegre - 2012 Tópicos Quadros de distribuição Disjuntores Divisão da instalação elétrica

Leia mais

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS NORMA TÉCNICA NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS Cuiabá Mato Grosso - Brasil INDICE 1 OBJETIVO...03

Leia mais

TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS

TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS ANEXO II 1. REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA (RDU) Os serviços de Melhoria e Ampliação de Rede de Distribuição Urbana executados conforme projeto executivo elaborado serão

Leia mais

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Compartilhamento de Postes da Rede de Energia Elétrical Processo Planejar, Ampliar e Melhorar o Sistema Elétrico Atividade Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.02-01.015 2ª Folha 1 DE 15 16/10/2008

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/01/2013 29/01/2013 APROVADO POR SEBASTIÃO J. SANTOLIN - DTES- SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. NORMA TÉCNICA CELG

CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. NORMA TÉCNICA CELG CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. NORMA TÉCNICA CELG Critérios para Projetos e Procedimentos para Execuções de Aterramentos de Redes Aéreas e Subestações de Distribuição NTC - 60 NTC-60 / DT-SETOR DE NORMATIZAÇÃO

Leia mais

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS:

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410 relativos à escolha

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

PLANEJAMENTO E PROJETOS DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Projeto de Redes aéreas do sistema de distribuição

PLANEJAMENTO E PROJETOS DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Projeto de Redes aéreas do sistema de distribuição UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PLANEJAMENTO E PROJETOS DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária

ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária Elaborado por: Eng. Dener Pioli Gerencia de Engenharia de Automação e Proteção Aprovado por: Sergio

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI. Índice:

MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI. Índice: MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI Índice: 1 - Generalidades 2 - Rede aérea de Alta Tensão 3 - Rede Secundária 4 - Aterramentos 5 - Posto de Transformação

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: setembro/08 FOLHA : 1 / 6 FURAÇÃO DA CRUZETA

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CABOS COBERTOS FIXADOS EM ESPAÇADORES APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CABOS COBERTOS FIXADOS EM ESPAÇADORES APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Amarrações SEÇÃO 6 Cruzamentos SEÇÃO 7 Conexões e Emendas SEÇÃO

Leia mais

PD-4.003. Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia

PD-4.003. Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia PD-4.003 Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia Da Distribuição PD-4.003 Redes de Distribuição Aérea Urbana

Leia mais

NTD - 04 Norma Técnica de Distribuição

NTD - 04 Norma Técnica de Distribuição NTD - 04 Norma Técnica de Distribuição Critérios para Projeto de Redes Aéreas Urbanas Convencionais (Redes Aéreas Nuas) 1ª EDIÇÃO Abril - 2007 DT Diretoria Técnica DEN Divisão de Engenharia SEEP- Seção

Leia mais

NTD-12 MONTAGEM DE REDES AÉREAS SECUNDÁRIAS ISOLADAS COM CABOS MULTIPLEXADOS

NTD-12 MONTAGEM DE REDES AÉREAS SECUNDÁRIAS ISOLADAS COM CABOS MULTIPLEXADOS NTD-1 APRESENTAÇÃO 4 1. OBJETIVO 5. AMPLITUDE 5 3. RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO 5 4. CONCEITUAÇÃO 5 4.1. REDE DE DISTRIBUIÇÃO 5 4.. REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA RDU 5 4.3. REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 1 PROJETO ELÉTRICO

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 1 PROJETO ELÉTRICO AULA 1 PROJETO ELÉTRICO 1- Introdução 2- Normas técnicas Todo projeto deve ser concebido a luz de uma norma técnica. No Brasil, a normatização é de responsabilidade da Associação Brasileira de Normas Técnica

Leia mais

Projeto de Rede Telefônica

Projeto de Rede Telefônica Projeto de Rede Telefônica Prof. Manoel Henrique Sequencia Definições e materiais. Caixas de distribuição Blocos de terminais Caixas de passagem Tubulação Entrada Primária Secundária Cabos telefônicos

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Novas Normas NBR IEC 61643-1 - Dispositivos de proteção contra surtos em baixa tensão - Parte 1: Dispositivos de proteção conectados a sistemas de

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA ENE095 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1 TRANSFORMADORES DE MEDIDAS

Leia mais

TORRE ESTAIADA ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ACESSÓRIOS

TORRE ESTAIADA ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ACESSÓRIOS TORRE ESTAIADA A torre estaiada é a solução mais econômica por atingir grandes alturas e com elevada capacidade de carga, porém exige-se disponibilidade de terreno para sua instalação. Possui seção transversal

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO

VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO Inspeção visual e documentação............................................................284 Ensaios de campo em instalações...........................................................285

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-17/09/2012 22/10/2012 ENGENHARIA E SISTEMAS TÉCNICOS (DTES-ES) APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI (DTES-ES) SUMÁRIO

Leia mais

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO Exigências Mínimas 1 Objetivo Estabelecer as condições mínimas para construção de postes de concreto armado ou concreto protendido, destinados à utilização em entradas de serviço de unidades consumidoras,

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais