NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001"

Transcrição

1 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COMPACTA PROTEGIDA CLASSE 15 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA

2 página APRESENTAÇÃO 1. OBJETIVO CAMPO DE APLICAÇÃO RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO INSTRUÇÕES GERAIS E PROCEDIMENTOS AFASTAMENTOS MÍNIMOS CONFIGURAÇÃO DOS CIRCUITOS ESTRUTURAS BÁSICAS PADRONIZADAS ENGASTAMENTO DE POSTES ESTRUTURAS PRIMÁRIAS PADRONIZADAS DETALHES AMARRAÇÕES E CONEXÕES ELÉTRICAS CARACTERÍSTICAS DOS CABOS CA COBERTOS XLPE 8,7/15 kv PADRONIZADOS CARACTERÍSTICAS DOS CABOS MENSAGEIROS CABO NÚ DE AÇO ZINCADO - CAZ MATERIAIS BÁSICOS UTILIZADOS NA MON TAGEM DAS REDES COMPACTAS FERRAMENTAS PARA LANÇAMENTO DOS CABOS LANÇAMENTO DOS CABOS INSTALAÇÃO DOS ESPAÇADORES LOSANGULARES FLECHA FINAL DO MENSAGEIRO TRAÇÕES PARA PROJETO DE REDE COMPACTA TRAÇÕES PARA LANÇAMENTO DO MENSAGEIRO DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA NOMINAL DOS POSTES E O TIPO DE ENGASTAMENTO SIMBOLOGIA VIGÊNCIA ELABORAÇÃO APROVAÇÃO...84 ANEXO 01 TERMINOLOGIA...85 ANEXO 02 ZONA DE PROTEÇÃO DE AERÓDROMOS E HELIPONTOS ANEXO 03 DETERMINAÇÃO DO ÂNGULO DE DEFLEXÃO DA REDE EM CAMPO...98 ANEXO 04 RELAÇÃO DE MATERIAIS...99 EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 2/105

3 APRESENTAÇÃO Nesta Norma Técnica são apresentados os critérios básicos de projeto e as instalações padronizadas para montagem de redes aéreas urbanas de distribuição primária classe 15 kv, do tipo compacta protegida, em áreas urbanas. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 3/105

4 1. OBJETIVO Estabelecer um padrão básico para montagem de redes de distribuição trifásicas aéreas urbanas do tipo compacta protegida nas tensões nominais de 11,4 e 13,8 kv, de modo a assegurar condições técnicas e econômicas favoráveis às instalações e à qualidade do serviço de energia elétrica, bem como definir alguns critérios básicos que devem ser observados na elaboração dos respectivos projetos. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma aplica-se ao projeto e montagem de redes de distribuição aéreas trifásicas do tipo compacta protegida, novas, ampliação, reforço e melhoria, com tensões nominais primárias de 11,4 e 13,8 kv, localizadas em áreas com características urbanas dentro da área de concessão das concessionárias do Grupo RedeEnergia, nas seguintes situações: Locais com desligamentos provocados por interferência da arborização com a rede; Locais com desligamentos provocados por descargas atmosféricas; Locais de freqüentes ocorrências de objetos lançados à rede; Congestionamento de estruturas; Saída de alimentadores de subestações; Alimentador expresso atendendo a consumidor (es) especial (ais). Todas as redes de distribuição de empreendimentos particulares em localidades cuja rede de distribuição de média tensão seja da classe 15 kv; 3. RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO Cabe às áreas encarregadas pela manutenção e construção de redes de distribuição zelar pelo cumprimento das prescrições desta Norma. 4. INSTRUÇÕES GERAIS E PROCEDIMENTOS 4.1. A terminologia empregada nesta norma, encontra-se definida no ANEXO O presente padrão estabelece as instalações básicas. Eventualmente o projeto terá que alterar ou completar detalhes para atender casos particulares possíveis de acontecer numa construção Os desenhos apresentados mostram a montagem das estruturas em postes DT, contudo, as relações de materiais contemplam também os postes de concreto circulares (ver ANEXO 05) 4.4. Em estruturas com instalação de equipamentos não é permitido o uso de estais. Estais de âncora não devem ser utilizados 4.5. As redes compactas protegidas, como padronizadas nesta norma, permitem uma convivência mais harmoniosa entre a rede de distribuição de energia e a arborização, reduzindo-se substancialmente o volume de poda das árvores. Os condutores da rede compacta são protegidos com material que permite eventuais toques com galhos de árvores e outros objetos. Porém não devem ocorrer contatos permanentes a fim de se evitar a abrasão localizada na área de contato e a conseqüente perfuração elétrica da cobertura dos condutores que fatalmente provocará a interrupção no fornecimento Embora a rede compacta seja composta por cabos protegidos contra eventuais toques de galhos de árvores ou outros objetos, ela deve ser tratada como rede primária nua para todos os aspectos de segurança que envolva construção, operação e manutenção. Portanto, seus condutores e acessórios não devem ser tocados enquanto a rede não estiver desligada e corretamente aterrada, exceto na condição de linha viva, sob pena de colocar em risco a segurança dos envolvidos na tarefa e terceiros. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 4/105

5 4.7. São considerados normais os vãos de até 80 m. Isso em razão de estarmos assumindo a possibilidade de instalação futura de rede de distribuição de BT multiplexada com vãos de até 40 m As conexões previstas nesta Norma são somente as do tipo cunha Quando houver necessidade, a sinalização da rede deverá estar em conformidade com os procedimentos adotados para linhas de transmissão, de acordo com as ABNT NBR 6535, ABNT NBR 7276, ABNT NBR e ABNT NBR Para se determinar resistência nominal dos postes e o tipo de engastamento no solo, devem ser utilizadas as tabelas contidas no item Para a escolha das estruturas primárias devem ser consultados os quadros mostrados no item Condutores padronizados Para montagem da rede compacta devem ser empregados os condutores da Tabelas 1 e 2. Condutores fase Tabela 1 Cabo de alumínio CA, coberto com polietileno reticulado (XLPE) 8,7/15 kv Cabo mensageiro Cabo de aço galvanizado de 6,4 mm de diâmetro formação 7 fios Cabo de aço galvanizado de 9,5 mm de diâmetro formação 7 fios Tabela 2 Aplicação Bitola (mm²) Rede compacta com condutor de alumínio coberto de 35 e 50 mm² Cordoalha auxiliar para uso nas estruturas do tipo CLEA Rede compacta com condutores de alumínio coberto de 95e 150 mm² Para que a seqüência de fases seja mantida nos espaçadores ao longo da rede, é fundamental obedecer, sempre que possível, a seguinte convenção: MENSAGEIRO MENSAGEIRO FASE A FASE C FASE A FASE B FASE C FASE B LADO DA RUA LADO DA CALÇADA SEPARADOR DE CABOS ESPAÇADOR LOSANGULAR EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 5/105

6 4.14. Vãos padronizados. NTD-RE-001 Quando houver rede de BT conjugada, o vão máximo será de 40 m. Para rede de AT, circuito simples, poderá chegar a 80 m Tramo de tracionamento. O comprimento máximo de cada tramo de tracionamento (tracionamento do mensageiro) deverá ser de aproximadamente 500 metros Arrancamento. Nas situações de postes de 10 metros, entre postes de 12 metros ou depressões no terreno, deverá ser calculado o esforço vertical ascendente, a fim de evitar problemas quanto a construção Perfil de tensão. No estabelecimento dos critérios para o dimensionamento de rede primária, deve-se determinar e adotar o perfil de tensão mais adequado às condições da rede e subestações de distribuição. Os fatores que influem na determinação desse perfil são os seguintes: a) Comprimento dos alimentadores; b) Distância entre subestações; c) Regime de variação de tensão na barra das subestações; d) Características elétricas dos condutores; e) Queda de tensão admissível na rede primária, no transformador de distribuição, na rede secundária e na derivação do consumidor, até o ponto de entrega. f) A carga a ser instalada A queda de tensão máxima admissível no final da rede, calculada a partir da barra da subestação supridora do circuito, deverá ser de 5 % (cinco por cento) tendo como base a tensão nominal da rede Dimensionamento dos condutores. O dimensionamento dos condutores deverá ser feito com base no coeficiente de queda de tensão máxima permitida, nas características elétricas e físicas do sistema de distribuição e nas características elétricas dos condutores Proteção contra sobre-correntes. A proteção de sobre-correntes deverá ser feita por intermédio de religadores automáticos e chaves fusíveis de distribuição Proteção contra sobre-tensões. A proteção contra sobre-tensões de origem atmosférica deverá ser feita através de pára-raios, adequadamente dimensionados e instalados, de modo a se obter o máximo aproveitamento do equipamento protetor. Características dos pára-raios: Tensão nominal 12 kv Invólucro polimérico; Resistor não linear ZnO; Corrente de descarga nominal 10 ka; Com desligador automático Seccionamento e manobra Os tipos de equip,amentos de seccionamento e manobra a serem utilizados nas redes aéreas com cabos cobertos são: EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 6/105

7 Chave fusível; Seccionadora de faca unipolar; NTD-RE-001 Chave tripolar para operação sob carga Aterramento Temporário Nos circuitos primários com cabos cobertos, em intervalos de aproximadamente 300 (trezentos) metros, prever a instalação de estribos com conectores tipo cunha para conexão do conjunto de aterramento temporário quando da execução de serviços de manutenção com a rede desenergizada. Os pontos de aterramento preferencialmente serão os estribos dos transformadores. Nos trechos de rede compacta onde não existam transformadores instalados ao longo da faixa dos 300 metros, deverão ser instalados estribos de espera para aterramentos, que serão retirados a medida que forem sendo instalados transformadores intermediários Determinação do ângulo de deflexão da rede em campo. Para se determinar o ângulo de deflexão da rede deverá ser empregado o método mostrado no ANEXO AFASTAMENTOS MÍNIMOS 5.1. Os cabos cobertos devem ser considerados como condutores nus no que se refere a todos os afastamentos mínimos padronizados para redes primárias nuas para garantir a segurança de pessoas Os afastamentos mínimos entre condutores e o solo, entre condutores do mesmo circuito, entre condutores de circuitos diferentes, entre chaves, e entre partes energizadas à fase ou à terra em pontos fixos, estão indicados nos próprios desenhos das estruturas padronizadas a seguir mostradas. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 7/105

8 EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 8/105 ESTRUTURA - CLE 80 mín min Rede Secundária Isolada h POSTE DE 10 m AFASTAMENTOS MÍNIMOS 110 SOLO 110 ESTRUTURA - CLE OU CLEA1 Circuito Duplo 80 mín 160 POSTE DE 10 m NOTA 1 - Cotas em cm NOTA 2 - A altura mínima "h" corresponde à condição de flecha máxima indicada na Tabela 3 ao lado NOTA 3 - Em rodovias estaduais, a distância mínima do cabo ao solo deve obedecer à legislação específica do órgão estadual. Na falta de regulamentação estadual, obedecer a tabela ao lado 15 min Rede Secundária Isolada h 15 min 13 min 15 min 80 min ESTRUTURA CC2 17 mín h 170 POSTE DE 11 m Rede Secundária Isolada ESTRUTURA CUF3 SOLO SOLO SOLO h 170 POSTE DE 11 m Tabela 3 - Distância entre condutores e o solo Natureza do logradouro Altura mínima (h) cm Vias exclusivas de pedestres 350 Ruas e avenidas 550 Entradas de prédios e demais locais de uso restrito a veículos 450 Rodovias federais 700 Ferrovias não eletrificadas e não eletrificáveis min Rede Secundária Isolada ESTRUTURA -CLHS-CF 15 min 15 min h 170 POSTE DE 11 m NTD-RE-001

9 AFASTAMENTOS MÍNIMOS EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 9/ min Rede Secundária Isolada ESTRUTURA - CLEA1 DCUF3 h POSTE DE 11 m Rede Secundária Isolada ESTRUTURA CUF3 Circuito Duplo h POSTE DE 11 m NOTA 1 - Cotas em cm NOTA 2 - A altura mínima "h" corresponde à condição de flecha máxima indicada na Tabela 3 ao lado NOTA 3 - Em rodovias estaduais, a distância mínima do cabo ao solo deve obedecer à legislação específica do órgão estadual. Na falta de regulamentação estadual, obedecer a tabela ao lado Rede Secundária Isolada ESTRUTURA - CLE ou CLEA-1 Circuito Quadruplo SOLO SOLO SOLO SOLO 15 min 15 min h Rede Secundária Isolada ESTRUTURA 2CUF3 POSTE DE 11 m POSTE DE 11 m Tabela 3 - Distância entre condutores e o solo Natureza do logradouro Altura mínima (h) cm Vias exclusivas de pedestres 350 Ruas e avenidas 550 Entradas de prédios e demais locais de uso restrito a veículos 450 Rodovias federais 700 Ferrovias não eletrificadas e não eletrificáveis min h NTD-RE-001

10 AFASTAMENTOS MÍNIMOS EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 10/105 Rede Secundária Isolada ESTRUTURA -CC2-DC3-CF 50 min 80 min h Rede Secundária Isolada ESTRUTURA -CLEA1-DC3-CF 15 mín 50 min 80 min h 15 min Rede Secundária Isolada ESTRUTURA -CH-DC3-CF POSTE DE 11 m POSTE DE 11 m POSTE DE 11 m NOTA 1 - Cotas em cm NOTA 2 - A altura mínima "h" corresponde à condição de flecha máxima indicada na Tabela 3 ao lado NOTA 3 - Em rodovias estaduais, a distância mínima do cabo ao solo deve obedecer à legislação específica do órgão estadual. Na falta de regulamentação estadual, obedecer a tabela ao lado 17 min 15 min 50 min h Rede Secundária Isolada ESTRUTURA - CUF4-SU POSTE DE 11 m h Rede Secundária Isolada ESTRUTURA - CUF4-CF 80 min Tabela 3 - Distância entre condutores e o solo Natureza do logradouro Altura mínima (h) cm Vias exclusivas de pedestres 350 Ruas e avenidas 550 Entradas de prédios e demais locais de uso restrito a veículos 450 Rodovias federais 700 Ferrovias não eletrificadas e não eletrificáveis 600 POSTE DE 11 m h NTD-RE-001

11 EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 11/105 ESTRUTURA - CLH-T-PR Rede Secundária Isolada POSTE DE 11 m h AFASTAMENTOS MÍNIMOS ESTRUTURA - CLEA-T-PR POSTE DE 11 m Rede Secundária Isolada h ESTRUTURA - CUF3-T-PR POSTE DE 11 m Rede Secundária Isolada h 15 min 15 min Rede Secundária Isolada ESTRUTURA CC2 Circuito Quadruplo Tabela 3 - Distância entre condutores e o solo 15 min POSTE DE 12 m 17 min h NTD-RE-001 NOTA 1 - Cotas em cm NOTA 2 - A altura mínima "h" corresponde à condição de flecha máxima indicada na Tabela 3 ao lado NOTA 3 - Em rodovias estaduais, a distância mínima do cabo ao solo deve obedecer à legislação específica do órgão estadual. Na falta de regulamentação estadual, obedecer a tabela ao lado Natureza do logradouro Altura mínima (h) cm Vias exclusivas de pedestres 350 Ruas e avenidas 550 Entradas de prédios e demais locais de uso restrito a veículos 450 Rodovias federais 700 Ferrovias não eletrificadas e não eletrificáveis 600

12 5.3. Afastamentos mínimos entre condutores e o solo REDE PRIMÁRIA COMPACTA REDE SECUNDÁRIA RAMAL DE LIGAÇÃO COMUNICAÇÃO E CABOS ATERRADOS AFASTAMENTOS MÍNIMOS ENTRE CONDUTORES E SOLO FERROVIAS NÃO ELETRIFICADAS OU NÃO ELETRIFICÁVEIS RODOVIAS RUAS E AVENIDAS NOTAS 1 - Medidas em centímetros 2 - Os valores indicados são para o circuito mais próximo do solo na condição de flecha máxima. ENTRADA DE PRÉDIOS E DEMAIS LOCAIS DE USO RESTRITO A VEÍCULOS RUAS E VIAS EXCLUSIVAS A PEDESTRES EM ÁREAS URBANAS 5.4. Posição do poste em relação ao meio fio POSIÇÃO DO POSTE EM RELAÇÃO AO MEIO FIO MEIO FIO CALÇADA RUA L = 35 cm - para passeio com largura de até 1,5 metros; L = 50 cm - para passeio com largura maior que 1,5 metros EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 12/105

13 5.5. Afastamentos mínimos entre condutores e edificações. C D D C D C a Afastamentos horizontal e vertical entre condutores e muros b Afastamento vertical entre os condutores e o piso de sacadas, terraços ou janelas das edificações c d Afastamento horizontal entre os condutores e o piso de sacadas, terraços e janelas de edificações e Afastamento horizontal entre os condutores e paredes de edificações f Afastamento horizontal entre os condutores e a cimalha e o telhado de edificações g PLACA OU ANÚNCIO Afastamento horizontal entre os condutores e placas de publicidade NOTA 1 - Se os afastamentos verticais das Figuras "b" e "c" não puderem ser mantidos, exigem-se os afastamentos horizontais da Figura "d" NOTA 2 - Se o afastamento vertical entre os condutores e as sacadas, terraços ou janelas for igual ou mior do que as dimensões das Figuras "b" e "c", não se exige o afastamento horizontal da borda da sacada, terraço ou janela da Figura "d", porém o afastamento da Figura "e" deve ser mantido Afastamentos mínimos - condutores a edificações (mm) Primário Figura 15 kv Somente secundário A C B D a b c d e f g EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 13/105

14 5.6. Afastamentos entre a rede de distribuição e aeródromos Nas proximidades de aeródromos as estruturas deverão ser locadas obedecendo as prescrições estabelecidas na Portaria Nº 1141/GM5 de 8 de agosto de 1987, cujos parâmetros estão mostrados no ANEXO 2. A distância mínima da rede à cabeceira do aeroporto deverá ser maior que 500 metros Afastamentos mínimos Edificações sob as redes RD - Compacta -15 kv 60 min 80 min RD-Secundária- Isolada Multiplexada Faixa de ocupação Compartilha mento 50 Rede Telefônica (Limite inferior da faixa de ocupação 50 min 250 min 200 min Out-doors, relógios, semáforos e radares Pontos comerciais Raio = 250 min Edificações de paradas de ônibus Raio = 250 min SOLO SOLO NOTA - O raio de 250 cm se aplica a qualquer estutura, inclusive redes de telecomunicação e TV a cabo Dimensões em cm 6. CONFIGURAÇÃO DOS CIRCUITOS. Os circuitos duplos deverão ter preferencialmente a configuração mostrada na figura 1. Opcionalmente poderá ser utilizada a configuração mostrada na figura 2. Circuitos triplos ou quádruplos deverão ser construídos conforme figura 3. Figura 1 Figura 2 Figura 3 EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 14/105

15 7. ESTRUTURAS BÁSICAS PADRONIZADAS As estruturas básicas para montagem de redes compactas, sua identificação, denominação e aplicação estão mostradas a seguir: Representação Denominação Rede ABNT Aplicação Estrutura CLE C = Designa rede compacta L = Designa a presença do Braço tipo L E = Designa a presença do Estribo para espaçador losangular Estrutura CJE C = Designa rede compacta J = Designa a presença do Braço tipo J E = Designa a presença do Estribo para espaçador losangular Estrutura - CLEA1 C = Designa rede compacta L= Designa a presença do Braço tipo L E = Designa a presença do ESTRIBO para espaçador losangular A= Designa a presença do braço ANTIBALANÇO 1= Designa que a estrutura é do tipo passante e admite deflexão máxima de 6 graus Estrutura - CLEA2 C = Designa rede compacta L= Designa a presença do Braço tipo L E = Designa a presença do ESTRIBO para espaçador losangular A= Designa a presença do braço Antibalanço 2= Designa que a estrutura é passante e admite deflexão máxima de 15 graus CE 1 CE1A CE2 Vãos em tangência (sem deflexão) Vãos em tangência (sem deflexão) Para afastar os cabos da rede de troncos de árvores e/ ou equipamentos Vãos em tangência ou com deflexão máxima de 6 graus A cada 200 m de vãos em tangência. Vãos em deflexão com ângulos compreendidos entre 6 e 15 graus EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 15/105

16 Representação Denominação Rede ABNT Aplicação Estrutura CC2 Primeiro C = Designa rede compacta Segundo C= Designa a presença do Braço tipo C Vãos em deflexão com ângulos compreendidos entre 15 e 60 graus 2= Designa que a estrutura é passante e admite deflexão máxima de 60 graus Estrutura CUF3 C = Designa rede compacta U = Designa a presença do Perfil U F= Designa a presença do fixador do perfil U CE 3 Encabeçamentos em vão de fim de rede 3 = Designa que a estrutura é de ancoragem vão em fim de rede ESTRUTURA - CUF4 Estrutura CUF4 Estrutura - CE4 (Alternativa) ESTRUTURA - CE4 (Alternativa) C = Designa rede compacta U = Designa a presença do Perfil U F= Designa a presença do fixador do perfil U CE 4 Encabeçamentos duplos de rede ou em vãos com deflexão com ângulos compreendidos entre 0 e 60 graus 4 = Designa que a estrutura é de ancoragem dupla EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 16/105

17 Representação Denominação Rede ABNT Aplicação Estrutura 2CUF3 2 = Designa que são duas estruturas iguais no mesmo poste C = Designa rede compacta U = Designa a presença do Perfil U F= Designa a presença do fixador do perfil U CE3-CE3 Encabeçamentos duplos de rede em vãos com deflexão com ângulos compreendidos entre 60 e 90 graus 3 = Designa que a estrutura é de ancoragem Estrutura CLEA1-DCC2 CLA1 = Designa a estrutura existente na rede D = Designa que deriva do ponto uma outra estrutura CC2 = Designa a estrutura Derivação em ângulo de uma rede a partir de outra rede passante pelo ponto que deriva EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 17/105

18 Representação Denominação Rede ABNT Aplicação Estrutura CLEA1-DCUF3 CLA1 = Designa a estrutura existente na rede D = Designa que deriva do ponto uma outra estrutura CUF3 = Designa a estrutura CE1A-CE3 Derivação em ângulo de 90 graus de uma rede a partir de outra rede passante pelo ponto que deriva Estrutura de Transição N3-CUF3-PR N3 = Designa a estrutura de fim de linha da rede convencional CUF3 = Designa a estrutura da rede compacta no ponto de transição CE3.N3 PR Derivar uma rede compacta a partir de um ponto final de uma rede convencional PR= Designa a existência de pára-raios na estrutura de transição Estrutura de Transição N3-CUF N3 = Designa a estrutura de fim de linha da rede convencional CUF3 = Designa a estrutura da rede compacta no ponto de transição CE3.N3 Derivar uma rede compacta a partir de um ponto final de uma rede convencional EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 18/105

19 Representação Denominação Rede ABNT Aplicação Estrutura CLHS-CF C = Designa rede compacta L= Designa a presença do Braço tipo L H = Designa a presença do suporte Horizontal S= Designa que é uma estrutura de Instalação de chaves fusíveis utilizando estrutura de rede passante seccionamento CF= Designa a presença de Alternativa chaves fusíveis Estrutura CHS-CF C = Designa rede compacta H = Designa a presença do suporte Horizontal S= Designa que é uma estrutura de seccionamento Instalação de chaves fusíveis utilizando estrutura de rede passante CF= Designa a presença de chaves fusíveis Alternativa FONTE Estrutura CC2-DC3-CF CARGA CC2= Designa a estrutura existente na rede D = Designa que deriva do ponto uma outra estrutura C3 = Designa a estrutura que deriva CF= Designa a presença de CE2-N3 CF Derivação em ângulo de 90 graus de uma rede a partir de outra rede passante pelo ponto, com chaves-fusíveis na derivação chaves fusíveis EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 19/105

20 Representação Denominação Rede ABNT Aplicação FONTE CARGA Estrutura CLEA1-DC3-CF CLEA1= Designa a estrutura existente na rede D = Designa que deriva do ponto uma outra estrutura C3 = Designa a estrutura que deriva CF= Designa a presença de CE1A-C3 CF Derivação em ângulo de 90 graus de uma rede a partir de outra rede passante pelo ponto, com chaves-fusíveis na derivação chaves fusíveis FONTE Estrutura CH-DC3-CF CARGA C = Designa rede compacta H = Designa a presença do suporte Horizontal D = Designa que deriva do ponto uma outra estrutura C3 = Designa a estrutura que deriva CF= Designa a presença de Derivação em ângulo de 90 graus de uma rede a partir de outra rede passante pelo ponto, com chaves-fusíveis na derivação chaves fusíveis Estrutura CUF4-CF C = Designa rede compacta FONTE CARGA U = Designa a presença do FONTE CARGA Perfil U F= Designa a presença do fixador do perfil U 4 = Designa que a estrutura é de CE4 CF Instalação de chaves fusíveis utilizando estrutura de ancoragem ancoragem dupla CF= Designa a presença de chaves fusíveis EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 20/105

21 Representação Denominação Rede ABNT Aplicação Estrutura CUF4-SU C = Designa rede compacta FONTE CARGA U = Designa a presença do Perfil U F= Designa a presença do fixador do perfil U 4 = Designa que a estrutura CE4 SU Instalação de chaves facas utilizando estrutura de ancoragem é de ancoragem dupla SU= Designa a presença de chaves facas Estrutura CLH-T-PR C = Designa rede compacta L= Designa a presença do Braço tipo L H = Designa a presença do suporte Horizontal T = Designa que a estrutura CE TR ou CE2 TR Instalação de posto de transformação utilizando estrutura de rede passante é de um posto de transformação Alternativa PR= Designa a existência de pára-raios Estrutura CLEA-T-PR C = Designa rede compacta L= Designa a presença do Braço tipo L E = Designa a presença do estribo para espaçador A = Designa a presença do braço anti-balanço T = Designa que a estrutura CE1A TR Instalação de posto de transformação utilizando estrutura de rede passante Alternativa é de um posto de transformação PR= Designa a existência de pára-raios EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 21/105

22 Representação Denominação Rede Estrutura CUF3-T-PR C = Designa rede compacta U = Designa a presença do Perfil U F= Designa a presença do fixador do perfil U 3 = Designa que a estrutura é de ancoragem PR= Designa a presença de pára-raios ABNT CE3 TR Aplicação Instalação de posto de transformação utilizando estrutura de fim de rede EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 22/105

23 8. ENGASTAMENTO DE POSTES Sentido do esforço Solo socado em camadas de 20 cm L A B E E E B CORTE AB A 50 Concreto Traço 1:3:5 (ver obs 3 e 4) 20 A Placa de concreto ou tora de madeira Dv Dv 1-ENGASTAMENTO SIMPLES COMPRIMENTO DO POSTE (L) (cm) CORTE AB 1-ENGASTAMENTO COM BASE CONCRETADA PROFUNDIDADE DO ENGASTAMENTO (E) (cm) OBS: 1 - Medidas em centimetros 2- A profundidade do engastamento é calculada por E = L x 0, Refere-se a 1 volume de cimento Portland, 3 de areia e 5 de pedra britada n.o. 2. O tempo de cura não deve ser inferior a 12 dias. 4- Para evitar a aderência do concreto no poste, (base concretada), envolver o poste com plástico ou com a própria embalagem do cimento. Dv CORTE AB 1-ENGASTAMENTO REFORÇADO EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 23/105

24 9. ESTRUTURAS PRIMÁRIAS PADRONIZADAS DETALHES A seguir são mostradas em detalhes, e com seus respectivos afastamentos, as estruturas primárias que deverão ser empregadas para montagem de Redes de Distribuição Compactas Protegidas de 15 kv. ESTRUTURA - CLE (CL - Cadastro) (ver Obs. 2) 9 (ver obs. 3) OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Aumentar a cota em 5 cm quando utilizar a outra face do poste. 3- Fazer a amarração com anel de amarração ou fio de aluminio coberto -10 mm² ESTRUTURA - CJE (CJ - Cadastro) (ver Obs. 2) 9 (ver obs. 3) OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Aumentar a cota em 5 cm quando utilizar a outra face do poste. 3- Fazer a amarração com anel de amarração ou fio de aluminio coberto -10 mm² EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 24/105

25 ESTRUTURA - CLEA1 (CL1 - Cadastro) (ver Obs. 2) 9 (ver obs. 3) OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Aumentar a cota em 5 cm quando utilizar a outra face do poste. 3- Fazer a amarração com anel de amarração ou fio de aluminio coberto -10 mm² EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 25/105

26 ESTRUTURA - CLEA2 (CL2 - Cadastro) Mensageiro (ver Obs. 2) Cordoalha auxiliar Fixar cordoalha auxiliar ao mensageiro, próximo ao meio do vão Mensageiro 9 (ver obs. 4) 7 Cordoalha auxiliar Cordoalha auxiliar (ver obs. 5) mensageiro (ver obs. 3) OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Aumentar a cota em 5 cm quando utilizar a outra face do poste. 3- Evitar o seccionamento do mensageiro. No caso disso não ser possível, utilizar conector cunha para a sua interligação. 4- Fazer a amarração com anel de amarração ou fio de aluminio coberto -10 mm² 5- A cordoalha auxiliar é fixada ao mensageiro num ponto próximo ao meio do vão, através de fixadores preformados. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 26/105

27 ESTRUTURA - CC2 (CC2 - Cadastro) (ver Obs. 2) 9 (ver obs. 4) mensageiro (ver obs. 3) OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Aumentar a cota em 5 cm quando utilizar a outra face do poste. 3- Evitar o seccionamento do mensageiro. No caso disso não ser possível, utilizar conector cunha para a sua interligação. 4- Fazer a amarração com anel de amarração ou fio de aluminio coberto -10 mm² EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 27/105

28 ESTRUTURA - CUF3 (C3 - Cadastro) (ver Obs. 3) ver Obs. 2 OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Alternativamente poderá ser usada a alça pré-formada para cabos de aluminio coberto. Contudo deve ser dada preferência ao grampo de ancoragem. 3- Aumentar a cota em 5 cm quando utilizar a outra face do poste EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 28/105

29 ESTRUTURA - 2CFU3 (C3-C3 - Cadastro) (ver Obs. 5) ver Obs min (ver obs. 2 e 3) 9-10 (ver obs. 6) OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Evitar o seccionamento quando os condutores forem de mesma bitola. 3- Caso se aplique conector cunha sem capa, a conexão deverá ser protegida com massa, fita elétrica de alta tensão e fita adesiva isolante. 4- Alternativamente poderá ser usada a alça pré-formada para cabos de aluminio coberto. Contudo deve ser dada preferência ao grampo de ancoragem 5- Aumentar a cota em 5 cm quando se utilizar a outra face do poste. 6- Fazer a amarração com anel de amarração ou fio de aluminio coberto -10 mm² EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 29/105

30 ESTRUTURA - CUF4 (C4- Cadastro) (ver obs. 2 e 3) 9-10 (ver obs. 6) (ver obs. 5) ver Obs. 4 OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Evitar o seccionamento quando os condutores forem de mesma bitola. 3- Caso se aplique conector cunha sem capa, a conexão deverá ser protegida com massa, fita elétrica de alta tensão e fita adesiva isolante. 4- Alternativamente poderá ser usada a alça pré-formada para cabos de aluminio coberto. Contudo deve ser dada preferência ao grampo de ancoragem 5- Aumentar a cota em 5 cm quando se utilizar a outra face do poste. 6- Fazer a amarração com anel de amarração ou fio de aluminio coberto -10 mm² EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 30/105

31 ESTRUTURA - CE4 (Alternativa) (C4 - Cadastro) (ver Obs. 5) mensageiro (ver obs. 2) 9 (ver obs. 6) ver Obs. 4 OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Evitar o seccionamento quando os condutores forem de mesma bitola. 3- Caso se aplique conector cunha sem capa, a conexão deverá ser protegida com massa, fita elétrica de alta tensão e fita adesiva isolante. 4- Alternativamente poderá ser usada a alça pré-formada para cabos de aluminio coberto. Contudo deve ser dada preferência ao grampo de ancoragem 5- Aumentar a cota em 5 cm quando se utilizar a outra face do poste. 6- Fazer a amarração com anel de amarração ou fio de aluminio coberto -10 mm² EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 31/105

32 ESTRUTURA - DCC2 - Construção (CL1-CC2 - Cadastro) (mensageiro) (cordoalha auxiliar) (ver Obs. 4) 50 min 9 (ver obs. 5) Mensageiro Fixar cordoalha auxiliar ao mensageiro, próximo ao meio do vão 7 Cordoalha auxiliar (cabo coberto) (ver obs. 2) OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Caso se aplique conector cunha sem capa, a conexão deverá ser protegida com massa, fita elétrica de alta tensão e fita adesiva isolante. 3- Alternativamente poderá ser usada a alça pré-formada para cabos de aluminio coberto. Contudo deve ser dada preferência ao grampo de ancoragem 4- Diminuir a cota em 5 cm quando se utilizar a outra face do poste. 5- Fazer a amarração com anel de amarração ou fio de aluminio coberto -10 mm² EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 32/105

33 ESTRUTURA - DCUF3 - Construção (CL1-C3 - Cadastro) (ver Obs. 4) (ver obs. 2) Mensageiro (ver Obs. 3) VISTA FRONTAL Fixação - só ferragens OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Caso se aplique conector cunha sem capa, a conexão deverá ser protegida com massa, fita elétrica de alta tensão e fita adesiva isolante. 3- Alternativamente poderá ser usada a alça pré-formada para cabos de aluminio coberto. Contudo deve ser dada preferência ao grampo de ancoragem 4- Aumentar a cota em 5 cm quando se utilizar a outra face do poste. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 33/105

34 ESTRUTURA DE TRANSIÇÃO - N3-CUF3-PR (C3M - Cadastro) Mensageiro 9 (ver obs. 4) (ver obs. 2) (ver obs. 5) 50 min (ver Obs. 3) OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Caso se aplique conector cunha sem capa, a conexão deverá ser protegida com massa, fita elétrica de alta tensão e fita adesiva isolante. 3- Alternativamente poderá ser usada a alça pré-formada para cabos de aluminio coberto. Contudo deve ser dada preferência ao grampo de ancoragem 4- Fazer a amarração com anel de amarração ou fio de aluminio coberto -10 mm² 5- Aumentar a cota em 5 cm quando se utilizar a outra face do poste. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 34/105

35 ESTRUTURA DE TRANSIÇÃO - N3-CUF3 (C3M - Cadastro) Mensageiro 9 (ver obs. 4) (ver obs. 2) (ver obs. 6) (ver Obs. 3) OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Caso se aplique conector cunha sem capa, a conexão deverá ser protegida com massa, fita elétrica de alta tensão e fita adesiva isolante. 3- Alternativamente poderá ser usada a alça pré-formada para cabos de aluminio coberto. Contudo deve ser dada preferência ao grampo de ancoragem 4- Fazer a amarração com anel de amarração ou fio de aluminio coberto -10 mm² 5- A existência de pára-raios até a segunda estrutura adjacente à estrutura de transição de cabo nú para cabo protegido, dispensa a instalação de pára-raios na estrutura de transição. 6- Aumentar a cota em 5 cm quando se utilizar a outra face do poste. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 35/105

36 ESTRUTURA - CLHS-CF (CH - Cadastro) 9 (ver obs. 4) Mensageiro (ver Obs. 3) CARGA (ver obs. 2) FONTE OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Caso se aplique conector cunha sem capa, a conexão deverá ser protegida com massa, fita elétrica de alta tensão e fita adesiva isolante. 3- Alternativamente poderá ser usada a alça pré-formada para cabos de aluminio coberto. Contudo deve ser dada preferência ao grampo de ancoragem 4- Fazer a amarração com anel de amarração ou fio de aluminio coberto -10 mm² EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 36/105

37 ESTRUTURA - CLHS-CF (Alternativa) 9 (ver obs. 4) Mensageiro (ver Obs. 3) CARGA (ver obs. 2) FONTE OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Caso se aplique conector cunha sem capa, a conexão deverá ser protegida com massa, fita elétrica de alta tensão e fita adesiva isolante. 3- Alternativamente poderá ser usada a alça pré-formada para cabos de aluminio coberto. Contudo deve ser dada preferência ao grampo de ancoragem 4- Fazer a amarração com anel de amarração ou fio de aluminio coberto -10 mm² EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 37/105

38 ESTRUTURA -CHS-CF (CH - Cadastro) 9 (ver obs. 4) Mensageiro (ver Obs. 3) CARGA (ver obs. 2) FONTE OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Caso se aplique conector cunha sem capa, a conexão deverá ser protegida com massa, fita elétrica de alta tensão e fita adesiva isolante. 3- Alternativamente poderá ser usada a alça pré-formada para cabos de aluminio coberto. Contudo deve ser dada preferência ao grampo de ancoragem 4- Fazer a amarração com anel de amarração ou fio de aluminio coberto -10 mm² EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 38/105

39 ESTRUTURA -CHS-CF (Alternativa) 9 (ver obs. 4) Mensageiro CARGA (ver obs. 2) FONTE OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Caso se aplique conector cunha sem capa, a conexão deverá ser protegida com massa, fita elétrica de alta tensão e fita adesiva isolante. 3- Alternativamente poderá ser usada a alça pré-formada para cabos de aluminio coberto. Contudo deve ser dada preferência ao grampo de ancoragem 4- Fazer a amarração com anel de amarração ou fio de aluminio coberto -10 mm² EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 39/105

40 ESTRUTURA - DC3-CF - Construção (CC2-C3 - Cadastro) (ver obs. 5) FONTE 50 min CARGA (ver Obs. 3) 9 (ver obs. 4) OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Caso se aplique conector cunha sem capa, a conexão deverá ser protegida com massa, fita elétrica de alta tensão e fita adesiva isolante. 3- Alternativamente poderá ser usada a alça pré-formada para cabos de aluminio coberto. Contudo deve ser dada preferência ao grampo de ancoragem 4- Fazer a amarração com anel de amarração ou fio de aluminio coberto -10 mm² 5- Aumentar a cota em 5 cm quando se utilizar a outra face do poste. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 40/105

41 ESTRUTURA - DC3-CF - Construção (CH-C3 - Cadastro) (ver obs. 5) FONTE 9 (ver obs. 4) 50 min CARGA (ver Obs. 3) 9 (ver obs. 4) OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Caso se aplique conector cunha sem capa, a conexão deverá ser protegida com massa, fita elétrica de alta tensão e fita adesiva isolante. 3- Alternativamente poderá ser usada a alça pré-formada para cabos de aluminio coberto. Contudo deve ser dada preferência ao grampo de ancoragem 4- Fazer a amarração com anel de amarração ou fio de aluminio coberto -10 mm² 5- Aumentar a cota em 5 cm quando se utilizar a outra face do poste. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 41/105

42 ESTRUTURA - CUF4-CF (C4 - Cadastro) (ver obs. 4) FONTE ver Obs. 4 CARGA 50 min FONTE CARGA OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Caso se aplique conector cunha sem capa, a conexão deverá ser protegida com massa, fita elétrica de alta tensão e fita adesiva isolante. 3- Alternativamente poderá ser usada a alça pré-formada para cabos de aluminio coberto. Contudo deve ser dada preferência ao grampo de ancoragem 4- Aumentar a cota em 5 cm quando se utilizar a outra face do poste. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 42/105

43 ESTRUTURA - CUF4-SU (C4 - Cadastro) (ver obs. 4) FONTE CARGA ver Obs. 3 OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Caso se aplique conector cunha sem capa, a conexão deverá ser protegida com massa, fita elétrica de alta tensão e fita adesiva isolante. 3- Alternativamente poderá ser usada a alça pré-formada para cabos de aluminio coberto. Contudo deve ser dada preferência ao grampo de ancoragem 4- Aumentar a cota em 5 cm quando se utilizar a outra face do poste. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 43/105

44 ESTRUTURA - CLH-T-PR (CH - Cadastro) (ver obs. 5) 9 (ver obs. 3) (ver obs 4) Vai para a malha de terra OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Caso se aplique conector cunha sem capa, a conexão deverá ser protegida com massa, fita elétrica de alta tensão e fita adesiva isolante. 3- Fazer a amarração com anel de amarração ou fio de aluminio coberto -10 mm² 4- A existência de pára-raios até a segunda estrutura adjacente à estrutura do posto de transformação, dispensa a instalação de pára-raios 5- Aumentar a cota em 5 cm quando se utilizar a outra face do poste. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 44/105

45 ESTRUTURA - CLH-T-PR (Alternativa) (CH - Cadastro) (ver obs. 5) 9 (ver obs. 3) (ver obs 4) Vai para a malha de terra OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Caso se aplique conector cunha sem capa, a conexão deverá ser protegida com massa, fita elétrica de alta tensão e fita adesiva isolante. 3- Fazer a amarração com anel de amarração ou fio de aluminio coberto -10 mm² 4- A existência de pára-raios até a segunda estrutura adjacente à estrutura do posto de transformação, dispensa a instalação de pára-raios 5- Aumentar a cota em 5 cm quando se utilizar a outra face do poste. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 45/105

46 ESTRUTURA - CLEA-T-PR (CH - Cadastro) (ver Obs. 5) 9 (ver obs. 3) (ver obs 4) Vai para a malha de terra OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Caso se aplique conector cunha sem capa, a conexão deverá ser protegida com massa, fita elétrica de alta tensão e fita adesiva isolante. 3- Fazer a amarração com anel de amarração ou fio de aluminio coberto -10 mm² 4- A existência de pára-raios até a segunda estrutura adjacente à estrutura do posto de transformação, dispensa a instalação de pára-raios 5- Aumentar a cota em 5 cm quando se utilizar a outra face do poste. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 46/105

47 ESTRUTURA - CLEA-T-PR (Alternativa) (CH - Cadastro) (ver Obs. 5) 9 (ver obs. 3) (ver obs 4) Vai para a malha de terra OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Caso se aplique conector cunha sem capa, a conexão deverá ser protegida com massa, fita elétrica de alta tensão e fita adesiva isolante. 3- Fazer a amarração com anel de amarração ou fio de aluminio coberto -10 mm² 4- A existência de pára-raios até a segunda estrutura adjacente à estrutura do posto de transformação, dispensa a instalação de pára-raios 5- Aumentar a cota em 5 cm quando se utilizar a outra face do poste. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 47/105

48 ESTRUTURA - CUF3-T-PR (CH - Cadastro) (ver Obs. 5) (ver obs. 6) 50 min (ver obs 4) Vai para a malha de terra OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- Caso se aplique conector cunha sem capa, a conexão deverá ser protegida com massa, fita elétrica de alta tensão e fita adesiva isolante. 3- Fazer a amarração com anel de amarração ou fio de aluminio coberto -10 mm² 4- A existência de pára-raios até a segunda estrutura adjacente à estrutura do posto de transformação, dispensa a instalação de pára-raios 5- Alternativamente poderá ser usada a alça pré-formada para cabos de aluminio coberto. Contudo deve ser dada preferência ao grampo de ancoragem 6- Diminuir a cota em 5 cm quando se utilizar a outra face do poste. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 48/105

49 10. AMARRAÇÕES E CONEXÕES ELÉTRICAS NTD-RE-001 Não é permitida a emenda do cabo mensageiro no meio do vão; Em todas as conexões nos condutores fase com cabo coberto, devem ser usados conectores tipo cunha com capa protetora; As conexões do cabo coberto ao terminais de equipamentos devem ser feitas conforme o mesmo padrão usado nas redes aéreas convencionais com cabos nus. Nestas conexões não é praticável o restabelecimento da cobertura do cabo, portanto ele deve ser descascado o mínimo necessário para fazer a conexão; Em todas as conexões usar sempre conectores do tipo cunha Cruzamento aéreo de redes compactas CRUZAMENTO AÉREO DE REDES COMPACTAS Espaçador losangular M A C B Separador de cabos M Ver detalhes e notas A C B Conexão do Cabo Mensageiro CRUZAMENTO AÉREO DE REDES COMPACTAS Conexão dos Cabos Fase Conector cunha Fixador pre-formado para cabo de aço Conector cunha com capa Fio de Aluminio coberto de 10 mm² para amarração Cabo de Aluminio Mensageiro (cabo de aço) Cabo de Alumínio coberto igual ao de maior bitola das fases Cabo de Aluminio coberto-15 kv (cabos das fases) OBS. : 1- Medidas em centímetros. 2- No caso de cruzamento de mensageiros de diâmetros diferentes, o de menor bitola deve cruzar por cima. 3- No caso de cruzamento de cabos fase de bitolas diferentes, o cabo de ligação deve ser igual ao de maior bitola. 4- O cabo fase de menor bitola deve cruzar por cima do de maior bitola 5- Caso se aplique conector cunha sem capa, a conexão deverá ser reconstituída e protegida com massa, fita elétrica de alta tensão e fita adesiva isolante. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 49/105

50 Obs. Medidas em mm NTD-RE Cruzamento de rede aérea compacta com rede aérea convencional. Espaçador losangular Obs: 1- No cruzamento com com a rede convencional, instalar preferencialmente a rede compacta em nível superior, fazendo as ligações com cabo de aluminio coberto, observando uma distância mínima entre as ligações igual a 50 cm; 2-Caso se aplique conector cunha sem capa na conexão com a rede compacta, essa conexão deverá ser protegida com massa, fita elétrica de alta tensão e fita adesiva isolante. Cabo de aluminio coberto de bitola igual ao cabo da redecompacta Conector tipo cunha Conector cunha com capa protetora Cabo de aluminio coberto Cabo de aluminio nú da rede convencional EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 50/105

51 10.3. Malha de terra 7 Conector tipo cunha para aterramento Cabo de aço galvanizado - 1/4 " (6,4 mm) Haste de terra 5/8 " mm = ou >1 m = ou > 2,4 m = ou > 2,4 m = ou > 2,4 m = ou > 2,4 m = ou > 2,4 m Detalhe - Conexão Haste- Cabo EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 51/105

52 10.4. Aterramento do mensageiro O mensageiro deve ser aterrado em pontos onde haja malha de aterramento de pára-raios, de equipamentos e em finais de rede-(mensageiro ancorado) e em pontos adicionais (com uma haste de terra), de tal forma que a distância entre os pontos de aterramento não seja superior a 300 metros. O aterramento do mensageiro dever ser interligado ao neutro da rede de BT (caso haja no local) Mensageiro ancorado MENSAGEIRO NEUTRO Vai para a haste de terra Item Mensag/Neutro- BT Relação de material Código Descrição Qtdade Cabo de aço galvanizado 6,4 mm (kg) 2,5 18 (Mens) 6,4 mm Conector cunha, tipo CN12, série vermelha 01 18a (Mens) 9,5 mm Conector cunha, tipo CN11, série azul a (Neutro) 35 mm² (Neutro) 70 mm² Conector cunha, tipo CN13, série vermelha 01 Conector cunha tipo CN10, série azul Arame de aço galvanizado n.º 14 BWG (m) 06 EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 52/105

53 Mensageiro passante MENSAGEIRO NEUTRO Vai para a haste de terra Item Mensag/Neutro- BT Relação de material Código Descrição Qtdade Cabo de aço galvanizado 6,4 mm (kg) 2,5 18 (Mens) 6,4 mm Conector cunha, tipo CN12, série vermelha 01 18a (Mens) 9,5 mm Conector cunha, tipo CN11, série azul a (Neutro) 35 mm² (Neutro) 70 mm² Conector cunha, tipo CN13, série vermelha 01 Conector cunha tipo CN10, série azul Arame de aço galvanizado n.º 14 BWG (m) 06 EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 53/105

54 10.5. Fixação dos pára-raios ao tanque do transformador Vai p/ o aterramento Do tanque e para a Prumada de terra Ver NOTA 1 NOTA 1 Na interligação dos pára-raios, no cabo flexivel, deverá ser Deixado um colo para facilitar a atuação do desligador Automático do pára-raios B Vai p/ a prumada De Terra C COMPRIMENTO MÁXIMO DO CABO DE INTERLIGAÇÃO DOS PÁRA- RAIOS AO TANQUE DO TRANSFORMADOR D E B C A B AB DE = 40 cm Total = 185 cm EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 54/105

55 10.6. Amarrações dos cabos das fases nos isoladores de pino Amarração de topo com anel de amarração Anel de amarração Anel de amarração Amarração lateral com anel de amarração Anel de amarração Amarração de topo com fio de alumínio coberto de 10 mm² para amarração Alternativa A - Preferencial EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 55/105

56 Alternativa B Dar no mínimo 6 voltas bem apertadas Fio de aluminio coberto - 10 mm² Amarração lateral com fio de alumínio coberto de 10 mm² para amarração Dar no mínimo 6 voltas bem apertadas Fio de aluminio coberto - 10 mm² EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 56/105

57 10.7. Amarração dos cabos das fases no espaçador losangular Amarração com anel de amarração Espaçador losangular Cabo coberto Anel de amarração Amarração com fio de alumínio coberto de 10 mm² Espaçador losangular Cabo coberto Fio de alumínio coberto - 10 mm² EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 57/105

58 10.8. Amarração do espaçador losangular no estribo para espaçador Amarração com anel de amarração. Estribo para espaçador Anel de amarração Espaçador losangular Amarração com fio de alumínio coberto de 10 mm² Estribo para espaçador Fio de Aluminio coberto - 10 mm² 2 voltas e meia Espaçador losangular EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 58/105

59 10.9. Amarração do espaçador losangular no mensageiro Amarração com anel de amarração. Anel de amarração Mensageiro Espaçador losangular Amarração com laço pré-formado. Laço pre-formado Mensageiro Espaçador losangular EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 59/105

60 Fixação e conexão dos pára-raios em cruzeta Vai para a malha de terra OBS. : 1- Medidas em centímetros item Código Especificação Pára-raios de distribuição- 12 kv polimérico 10 ka, Cabo de cobre flexivel isolado 10 mm² Conector derivação tipo cunha-amp-tipo II, ou similar Cabo de cobre coberto com XLPE - 16 mm²- 15 kv) Cruzeta de concreto 250 dan retangular Cabo de aço galvanizado 6,4 mm (kg) Aplicação da capa protetora para conector tipo cunha, em derivações e ligações de equipamentos Nas derivações deverá ser empregado o conector tipo cunha de alumínio, com capa protetora, inclusive no conector com estribo para ligação de equipamentos. Para isso deverá ser feita uma fenda no protetor para instalação do estribo. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 60/105

61 Conexões em derivações EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 61/105

62 EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 62/105

63 11. CARACTERÍSTICAS DOS CABOS CA COBERTOS XLPE 8,7/15 kv PADRONIZADOS Características físicas Seção (mm²) Formação (Fios) Diâmetro do Cabo CA (mm) Diâmetro do cabo com cobertura (mm) Peso Unitário (kg/km) 35 7-c 7,1 13,5 196, c 8,2 14,6 242, c 11,5 17,9 409, c 14,2 20,6 583, Características elétricas Seção Reatância Indutiva Resistência elétrica (Ohm/km) Corrente nominal (A) (mm²) (Ohm/km) Rca 90 C 35 0,3200 1, ,3048 0, ,2786 0, ,2610 0, Obs: Corrente nominal temperatura ambiente de 40 C e temperatura do condutor a 90 C e instalação ao ar livre e com sol. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 63/105

64 11.3. Comparativo entre as características elétricas por tipo de rede de 13,8 kv D,E F 40 C B Seção AWG Corrente Nominal (A) Rede com cabo CAA- NU Capacidade Térmica MVA e.e = 1,09 m Reatância Indutiva (Ohm/km) Resistência elétrica (Ohm/km) Rca 90 C Queda de Tensão (cosφ=0,8) % MVA x km Rede compacta com cabo protegido Seção (mm²) e.e = 0,193 m Capacidade Térmica - MVA Queda de Tensão (cosφ=0,8) %MVA x km ,0 0,4425 1,1023 0, ,1 0,54 1/ ,4 0,4251 0,709 0, ,2 0,39 4/ ,8 0,3988 0,3797 0, ,4 0,25 336, ,4 0,3762 0,2032 0, ,9 0, CARACTERÍSTICAS DOS CABOS MENSAGEIROS CABO NÚ DE AÇO ZINCADO - CAZ Tração de Módulo de Coeficiente Diâmetro N. de Seção Peso ruptura elasticidade De dilatação nominal fios (mm²) (kg/km) (kgf) (kgf/mm²) Térmica (mm) Inicial= final 6 ( (10 / C) 6,4 7 22, (MR) ,52 9,5 7 51, (MR) ,52 EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 64/105

65 13. MATERIAIS BÁSICOS UTILIZADOS NA MON TAGEM DAS REDES COMPACTAS Separador de cabos Espaçador losangular Suporte L Suporte C Estribo para suporte tipo L Braço anti-balanço Suporte horizontal EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 65/105

66 Perfil U Fixador de Perfil U Suporte tipo J 14. FERRAMENTAS PARA LANÇAMENTO DOS CABOS Carretilha para condutores Usada para acomodar e dispor os condutores das fases nas posições adequadas para instalação dos espaçadores durante a etapa de tracionamento da rede. A carretilha é apoiada no cabo de aço mensageiro. (Lançamento simultâneo das 3 fases método de lançamento cortina) Carretilha para tração em rede alinhada Esta carretilha, apoiada sobre o cabo mensageiro da rede, é utilizada durante o processo de tracionamento dos condutores das fases.o tracionamento é feito amarrando-se os condutores das EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 66/105

67 fases, em feixe, a uma das extremidades da carretilha, enquanto a corda de puxamento é fixada à outra extremidade Carretilhas para tração em ângulo Estas carretilhas são utilizadas para facilitar o tracionamento dos condutores das fases e do cabo mensageiro em situações de ângulos na rede superiores a 6 graus. As carretilhas para cabo coberto são instaladas nos braço tipo C, com as roldanas ocupando as posições onde serão instalados os isoladores tipo pino, para acomodação dos condutores das fases. A carretilha para cabo mensageiro deve ser instalada na ferragem correspondente à acomodação do cabo mensageiro. Carretilha para cabo coberto Carretilha para cabo mensageiro Carretilha para lançamento poste a poste e remoção do cabo existente Esta carretilha é utilizada para a remoção dos condutores existentes. É afixada ao poste com 2 cintas tipo B, possui 3 roldanas confeccionadas em alumínio ou material polimérico. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 67/105

68 14.5. Guia para Cabo Mensageiro É acessório do braço Tipo L, utilizado para facilitar o lançamento do cabo mensageiro em postes com trechos tangentes ou em ângulos até 6º. O cabo mensageiro pode ser esticado e tracionado sem elevar a posição prevista para encaixe ao braço tipo L, durante a montagem da rede. Na primeira etapa o cabo mensageiro é esticado através do guia, para então ser tracionado e em seguida ser acomodado e fixado ao grampo do braço tipo L 15. LANÇAMENTO DOS CABOS Cuidados Exigidos Tratando-se de cabos cobertos, deverão ser tomadas todas as precauções necessárias durante o transporte, manuseio e execução do serviço de lançamento. O cabo não deve em hipótese alguma sofrer qualquer atrito com o solo, ou outros elementos que possam danificar sua cobertura Instalação das Ferragens e Roldanas de Lançamento Todos os postes deverão estar equipados com as ferragens correspondentes, de acordo com o projeto a ser executado. As bobinas dos cabos das fases e mensageiro deverão estar nos porta bobinas,conforme foto abaixo: Posição da bobinas de cabos Na substituição de rede convencional por rede compacta, deverá ser instalada a carretilha do item Carretilha para lançamento poste a poste e remoção do cabo existente Ao retirar as cruzetas de madeira, concreto ou plástico, os cabos existentes deverão ser apoiados nas carretilhas, pois estes cabos serão utilizados como guia para o lançamento do cabo mensageiro e dos cabos das fases. Em locais com ângulo na rede, deverão ser instaladas as carretilhas do item Carretilhas para tração em ângulo- na furação do isolador tipo pino no braço tipo C e a carretilha do mensageiro na porca olhal. (Após o lançamento e tracionamento, instalar os grampos de ancoragem e retirar as carretilhas). O cabo mensageiro deverá ser lançado e tracionado primeiro, conforme as tabelas de Trações e Flechas de montagem. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 68/105

69 15.4. Preparação para lançamento dos cabos das fases. Colocar camisa de puxamento na ponta de cada cabo, prendendo as carretilha de puxamento. Através de corda, posicionar a carretilha de tração no cabo mensageiro, fixando os cabos das fases. O meio a ser utilizado para lançar os novos cabos poderá ser o cabo antigo, nos casos de substituição de rede. Deverão ser montadas várias carretilhas unidas umas as outras, devendo, através de rádio comunicador, ser solicitado o início do puxamento, parando o lançamento para fixação de outras carretilhas. Este trabalho deverá ser realizado até o final do lançamento, o serviço deverá contar com o apoio de eletricista na cesta aérea e na preparação de subida das carretilhas, a fim de evitar embaraço nas cordas de ligação, além dos eletricistas que estarão nos portas bobinas, controlando as mesmas. Camisa de puxamento Luva giratória Quando no trecho a ser lançado houver deflexões superiores a 6º, aplicar o método cortina em subtrechos, definidos pelos ângulos da rede. Uma carretilha para condutores deverá ser fixada no primeiro poste. Isto permitirá que os cabos sejam puxados com maior facilidade e na configuração própria. As carretilhas para condutores devem ser instaladas com o lado de abertura para alojamento dos cabos voltado para o lado da posteação. OBSERVAÇÃO: É importante a coordenação técnica em solo, entre os trechos iniciais, ângulos e final de trecho, a fim de evitar destacamentos da carretilha de lançamento e acidentes com os cabos das fases Métodos de lançamento dos cabos Poste a poste Consiste no lançamento de pequenos vãos, onde a carretilha é instalada conforme item 14.4, realizando o lançamento individual de cada fase, ancorando-se ao final do trecho Cortina Lançamento de cabo em grandes trechos, onde são utilizadas as carretilhas dos itens 14.1 e 14.2 que darão a tração do lançamento simultâneo dos cabos das 3 fases. As bobinas dos condutores devem ser posicionadas na extremidade do trecho em que houver maior facilidade de execução do serviço. As bobinas deverão permanecer afastadas não EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 69/105

70 menos de 5 metros do primeiro poste e guardar o maior alinhamento possível com a posteação. Durante a operação de lançamento dos cabos, deverá ser controlada a velocidade das bobinas, a fim de evitar que os condutores entrem em contato com o solo. As carretilhas deslizam pelo cabo mensageiro, seguindo penduradas, lembrando a forma de uma cortina, conforme fotos a seguir: Neste tipo de lançamento recomenda-se que todos os postes estejam com o Suporte L, pois este suporte permite a passagem da carretilha de tração e das carretilhas de condutores, sem interrupção. Após o lançamento e tracionamento dos cabos, nas estruturas em que o suporte L não for utilizado, este deverá ser retirado. As carretilhas para lançamento dos condutores das fases deverão ser fixadas umas às outras, através de cordas de 9,5 mm de diâmetro aproximado, e com 8,0 m de intervalo entre uma e outra. As cordas são afixadas e centralizadas no próprio corpo da carretilha. As carretilhas deverão ser preparadas no solo e as cordas de ligação das carretilhas deverão estar desembaraçadas e enfileiradas. As carretilhas devem ser montadas uma a uma no cabo mensageiro, com apoio de eletricista em cesta aérea. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 70/105

71 OBSERVAÇÕES: Antes do lançamento deverá ser verificado o tamanho do trecho, a fim de separar a quantidade aproximada de carretilhas. Antes de se determinar a flecha dos condutores deve-se proceder a ancoragem dos mesmos. Determinar a flecha dos condutores enquanto eles estiverem nas roldanas. Depois de determinar a flecha, substituir as roldanas dos condutores pelos espaçadores e proceder amarração. 16. INSTALAÇÃO DOS ESPAÇADORES LOSANGULARES Com o término do lançamento, tracionamento e encabeçamento dos cabos das fases, deverá ser iniciada a instalação dos espaçadores losangulares. Deve-se observar as estruturas instaladas nos postes e posicionar os espaçadores de acordo com a tabela de vãos e tipos de estruturas, conforme padrão de construção. Esta atividade deverá ser executada com cesta aérea, podendo, para facilitar a instalação dos espaçadores, ser marcado no chão os locais de fixação dos mesmos Critérios para instalação No item 4.12 está mostrada a regra a ser seguida na instalação dos condutores nos espaçadores losangulares e separadores verticais a fim de se manter a seqüência de fases ao longo da rede Os primeiros espaçadores, à esquerda e à direita das estruturas devem ser instalados obedecendo-se as distâncias mostradas nos desenhos das respectivas estruturas constantes do item 9- ESTRUTURAS PRIMÁRIAS PADRONIZADAS. Estrutura Distância do 1 espaçador (m) CLE, CLEA1, CLEA2 8 CC2 13 Estruturas de ancoragem Espaçadores ao longo do vão. Instalar espaçadores em intervalos de 8 a 10 metros, obedecidas as condições anteriores Determinação do quantidade de espaçadores por vão de rede. Para calcular o nº de espaçadores deve ser usada a seguinte expressão: Vão De Dd Ne = I +1 Onde: EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 71/105

72 Ne = N de espaçadores; De = distância do 1 espaçador à esquerda do vão; Dd = distância do 1 espaçador à direita do vão; I = intervalo entre espaçadores (entre 8 e 10 m) Exemplo: Considerando o exemplo a seguir, teremos: - Vão entre as estruturas CLE e CLEA1: Ne = (40 8 8)/8 + 1 = 4 - Vão entre as estruturas CLEA1 e CC2: Ne = ( )/ Vão entre as estruturas CC2 e CUF3: Ne = ( )/9 + 1 = 3 CUF3 9m 4m 40m 35m 9m 8m 8m 8m 8m 8m 8m 7m 7m 13m 35m 13m CLE CLEA1 CC2 17. FLECHA FINAL DO MENSAGEIRO Na tabela a seguir são mostradas as diversas flechas do cabo mensageiro, em função do comprimento do vão e da temperatura, para a situação final de montagem, ou seja, com a rede pronta. FLEC H A F INAL D O M EN SAG EIR O - (APÓ S A R EDE PR O N T A) - (m) Vão T emperatura (ºC) (m) ,005 0,006 0,007 0,008 0,010 0,013 0,016 0,020 0,023 0, ,020 0,023 0,026 0,030 0,035 0,040 0,046 0,051 0,056 0, ,046 0,051 0,057 0,063 0,070 0,077 0,084 0,091 0,098 0, ,081 0,089 0,097 0,105 0,113 0,122 0,131 0,139 0,147 0, ,127 0,136 0,146 0,156 0,166 0,176 0,186 0,195 0,205 0, ,182 0,194 0,205 0,216 0,227 0,238 0,249 0,260 0,271 0, ,248 0,261 0,273 0,286 0,298 0,310 0,322 0,334 0,345 0, ,324 0,338 0,351 0,365 0,378 0,391 0,404 0,416 0,429 0, ,411 0,425 0,439 0,453 0,467 0,481 0,494 0,508 0,521 0, ,507 0,522 0,537 0,552 0,566 0,580 0,595 0,609 0,622 0, ,613 0,629 0,644 0,660 0,675 0,690 0,704 0,719 0,733 0, ,730 0,746 0,762 0,778 0,793 0,809 0,824 0,839 0,854 0, ,857 0,873 0,889 0,906 0,921 0,937 0,953 0,968 0,983 0, ,993 1,010 1,027 1,043 1,060 1,076 1,092 1,107 1,123 1, ,140 1,157 1,174 1,191 1,208 1,224 1,240 1,256 1,272 1, ,298 1,315 1,332 1,349 1,366 1,382 1,399 1,415 1,432 1, ,465 1,482 1,500 1,517 1,534 1,551 1,568 1,584 1,601 1, ,642 1,660 1,677 1,695 1,712 1,729 1,746 1,763 1,780 1, ,830 1,848 1,865 1,883 1,900 1,917 1,935 1,952 1,969 1, ,027 2,045 2,063 2,081 2,098 2,116 2,133 2,150 2,167 2, ,235 2,253 2,271 2,289 2,307 2,324 2,342 2,359 2,376 2, ,453 2,471 2,489 2,507 2,525 2,543 2,560 2,578 2,595 2, ,681 2,699 2,718 2,736 2,754 2,771 2,789 2,807 2,824 2, ,919 2,938 2,956 2,974 2,992 3,010 3,028 3,046 3,063 3, ,168 3,186 3,204 3,223 3,241 3,259 3,277 3,295 3,312 3, ,426 3,445 3,463 3,481 3,500 3,518 3,536 3,554 3,571 3, ,695 3,713 3,732 3,750 3,768 3,787 3,805 3,823 3,841 3,859 EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 72/105

73 18. TRAÇÕES PARA PROJETO DE REDE COMPACTA - (Sem vento) Cabos da rede Tração (dan) Cabo coberto de 35 mm² e Mensageiro CAZ- 6,4 mm 184 Cabo coberto de 50 mm² e Mensageiro CAZ-6,4 mm 214 Cabo coberto de 95 mm² e Mensageiro CAZ-9,5 mm 379 Cabo coberto de 150 mm² e Mensageiro CAZ-9,5 mm TRAÇÕES PARA LANÇAMENTO DO MENSAGEIRO Critérios de cálculo: Método das flechas constantes: cabo básico = conjunto formado pelo mensageiro de 9,5mm e 3 fases do cabo coberto de 95 mm². temperatura mínima=5 C e temperatura máxima = 50 C; Condição 1(maior duração): Temperatura média=25 C; sem vento; Tração máxima = 12% da tração de ruptura. Condição 2 (maior carga): Temperatura média das mínimas = 15 C; Com vento de 60 km/h; Tração máxima = 20 % da tração de ruptura. VÃO (m) REDE COM CABO COBERTO 35 mm² E MENSAGEIRO DE 6,4 mm- SITUAÇÃO INICIAL Temperatura (ºC) EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 73/105

74 R ED E C O M C AB O C O B E R TO 50 m m ² E M E N S AG E IR O D E 6,4 m m - S ITU AÇ Ã O IN IC IAL Vão Tem peratura C (m ) R E D E C O M C AB O C O B E R T O 95 m m ² E M E N S A G E IR O D E 9,5 m m - S ITU AÇ Ã O IN IC IAL V ão Tem peratura C (m ) EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 74/105

75 REDE COM CABO COBERTO 150 mm² E MENSAGEIRO DE 9,5 mm- SITUAÇÃO INICIAL Vão Temperatura (ºC) (m) DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA NOMINAL DOS POSTES E O TIPO DE ENGASTAMENTO Critérios de cálculo adotados: Tração de projeto dos condutores (sem vento); Vento de 60 km/h incidindo sobre os condutores e postes; Altura de fixação da rede de BT = 7,2 m em relação ao solo; Rede de AT e BT, circuito simples e sem mudança de bitola. Legenda: ES = Engastamento simples; ER = Engastamento reforçado; BC = Egastamento com base concretada EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 75/105

76 REDE DE AT - CIRCUITO SIMPLES - 3 # 35 mm² (6,4 mm) - Vento = 60 km/h Vão (m) ÂNGULO ENGASTAMENTO E RESISTÊNCIA NOMINAL DO POSTE - ( dan ) FIM DE REDE 150 ES ES 200 ES 200 ES ER REDE DE AT - CIRCUITO SIMPLES - 3 # 50 mm² (6,4 mm) - Vento = 60 km/h Vão (m) ÂNGULO ENGASTAMENTO E RESISTÊNCIA NOMINAL DO POSTE - ( dan ) 5 FIM DE REDE ES 200 ES 300 ER 200 ES ER 80 EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 76/105

77 REDE DE AT - CIRCUITO SIMPLES - 3 # 95 mm² (9,5 mm) - Vento = 60 km/h Vão (m) ÂNGULO ENGASTAMENTO E RESISTÊNCIA NOMINAL DO POSTE - ( dan ) FIM DE REDE 300 ER ES 200 ES 300 ER 600 BC 600 BC REDE DE AT - CIRCUITO SIMPLES - 3 # 150 mm² (9,5 mm) - Vento = 60 km/h Vão (m) ÂNGULO ENGASTAMENTO E RESISTÊNCIA NOMINAL DO POSTE - ( dan ) 5 FIM DE REDE ES ES ER 600 BC 600 BC EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 77/105

78 REDE DE AT - CIRCUITO SIMPLES - 3 # 35 mm² (6,4 mm) REDE DE BT - CONDUTORES MULTIPLEXADOS - 3 x 1 x 35 mm² + 35 mm² Vão (m) ENGASTAMENTO E RESISTÊNCIA NOMINAL DO POSTE - ( dan ) ES 200 ES ÂNGULO 300 ER 600 BC FIM DE REDE 300 ER REDE DE AT - CIRCUITO SIMPLES - 3 # 50 mm² (6,4 mm) REDE DE BT - CONDUTORES MULTIPLEXADOS - 3 x 1 x 35 mm² + 35 mm² Vão (m) ENGASTAMENTO E RESISTÊNCIA NOMINAL DO POSTE - ( dan ) ES 200 ES ÂNGULO 300 ER 600 BC FIM DE REDE 300 ER EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 78/105

79 REDE DE AT - CIRCUITO SIMPLES - 3 # 95 mm² (9,5 mm) REDE DE BT - CONDUTORES MULTIPLEXADOS - 3 x 1 x 35 mm² + 35 mm² Vão (m) ÂNGULO ENGASTAMENTO E RESISTÊNCIA NOMINAL DO POSTE - ( dan ) 5 FIM DE REDE ES 200 ES 300 ER 600 BC 600 BC REDE DE AT - CIRCUITO SIMPLES - 3 # 150 mm² (9,5 mm) REDE DE BT - CONDUTORES MULTIPLEXADOS - 3 x 1 x 35 mm² + 35 mm² Vão (m) ÂNGULO ENGASTAMENTO E RESISTÊNCIA NOMINAL DO POSTE - ( dan ) 5 FIM DE REDE ES 200 ES 300 ER 600 BC 600 BC BC EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 79/105

80 REDE DE AT - CIRCUITO SIMPLES - 3 # 35 mm² (6,4 mm) REDE DE BT - CONDUTORES MULTIPLEXADOS - 3 x 1 x 70 mm² + 70 mm² Vão (m) ES ÂNGULO ENGASTAMENTO E RESISTÊNCIA NOMINAL DO POSTE - ( dan ) 200 ES 300 ER 600 BC FIM DE REDE 300 ER 600 BC REDE DE AT - CIRCUITO SIMPLES - 3 # 50 mm² (6,4 mm) REDE DE BT - CONDUTORES MULTIPLEXADOS - 3 x 1 x 70 mm² + 70 mm² Vão (m) ES 200 ES ÂNGULO ENGASTAMENTO E RESISTÊNCIA NOMINAL DO POSTE - ( dan ) 300 ER 600 BC FIM DE REDE 600 BC EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 80/105

81 REDE DE AT - CIRCUITO SIMPLES - 3 # 95 mm² (9,5 mm) REDE DE BT - CONDUTORES MULTIPLEXADOS - 3 x 1 x 70 mm² + 70 mm² Vão (m) ÂNGULO ENGASTAMENTO E RESISTÊNCIA NOMINAL DO POSTE - ( dan ) 5 FIM DE REDE ES ES ER 600 BC 600 BC REDE DE AT - CIRCUITO SIMPLES - 3 # 150 mm² (9,5 mm) REDE DE BT - CONDUTORES MULTIPLEXADOS - 3 x 1 x 70 mm² + 70 mm² Vão (m) ÂNGULO ENGASTAMENTO E RESISTÊNCIA NOMINAL DO POSTE - ( dan ) 5 FIM DE REDE ES 200 ES 300 ER 600 BC 1000 BC 600 BC EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 81/105

82 REDE DE AT - CIRCUITO SIMPLES - 3 # 35 mm² (6,4 mm) REDE DE BT - CONDUTORES MULTIPLEXADOS - 3 x 1 x 120 mm² + 70 mm² Vão (m) ENGASTAMENTO E RESISTÊNCIA NOMINAL DO POSTE - ( dan ) ES 200 ES 300 ER ÂNGULO 600 BC FIM DE REDE 600 BC REDE DE AT - CIRCUITO SIMPLES - 3 # 50 mm² (6,4 mm) REDE DE BT - CONDUTORES MULTIPLEXADOS - 3 x 1 x 120 mm² + 70 mm² Vão (m) ÂNGULO ENGASTAMENTO E RESISTÊNCIA NOMINAL DO POSTE - ( dan ) FIM DE REDE ES 200 ES 300 ER 600 BC 600 BC EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 82/105

83 REDE DE AT - CIRCUITO SIMPLES - 3 # 95 mm² (9,5 mm) REDE DE BT - CONDUTORES MULTIPLEXADOS - 3 x 1 x 120 mm² + 70 mm² Vão (m) ÂNGULO ENGASTAMENTO E RESISTÊNCIA NOMINAL DO POSTE - ( dan ) 5 FIM DE REDE ES 200 ES 300 ER 600 BC 1000 BC 600 BC REDE DE AT - CIRCUITO SIMPLES - 3 # 150 mm² (9,5 mm) REDE DE BT - CONDUTORES MULTIPLEXADOS - 3 x 1 x 120 mm² + 70 mm² Vão (m) ES 200 ES 300 ER ÂNGULO ENGASTAMENTO E RESISTÊNCIA NOMINAL DO POSTE - ( dan ) 600 BC 1000 BC FIM DE REDE 600 BC 1000 BC EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 83/105

84 21. SIMBOLOGIA Deverá ser adotada a simbologia mostrada a seguir para redes compactas protegidas : Descrição Símbolo Condutores primários Três condutores primários de seção 150 mm² e mensageiro de diâmetro 9,5 mm 3 # 150 (9,5) 22. VIGÊNCIA Esta Norma entra em vigor na data de sua publicação e revoga todas as outras normas e procedimentos sobre montagem de redes de distribuição aérea urbana trifásica, para o campo de aplicação previsto no item 2 deste documento. 23. ELABORAÇÃO Superintendência de Projetos Automação e Obras - SPO Alfredo Resende Neto Coordenação de Normatização Técnica - CNT Roberto Oishi Jesus CEMAT Raul Szczypior CELPA Dário Parente CELTINS Claudinei Crepaldi REDE SUL-SUDESTE Rivaldo de Castro 24. APROVAÇÃO Clécio José Ramalho Diretor de Engenharia Diretoria Corporativa Flávio Decat Vice-presidente Corporativo de Distribuição Diretoria Corporativa EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 84/105

85 TERMINOLOGIA NTD-RE-001 ANEXO Objetivo Os termos técnicos utilizados nesta Norma estão definidos abaixo, complementados por aqueles contidos nas NBR 5460 e NBR Definições 2.1. Rede de distribuição Conjunto de linhas elétricas, com equipamentos e materiais diretamente associados, destinados a distribuição de energia elétrica Rede de distribuição urbana - RDU Rede de distribuição situada dentro do perímetro urbano Rede de distribuição rural - RDR Rede de distribuição situada fora do perímetro urbano Rede de distribuição particular - RDP Rede de distribuição de propriedade de terceiros Linha de sub-transmissão - LSU Linha elétrica destinada ao transporte de energia entre duas subestações (SEs) que alimenta ou não consumidores entre elas Alimentador Rede ou linha de distribuição elétrica que alimenta, diretamente ou por intermédio de seus ramais, transformadores de distribuição do concessionário e/ou consumidores Tronco Segmento da linha elétrica responsável pelo transporte da maior quantidade da carga com a extensão determinada pelas necessidades operacionais do alimentador Ramal Segmento da linha elétrica que deriva do tronco, responsável pela distribuição de energia aos consumidores Circuito de baixa tensão. Conjunto de linhas elétricas alimentado por um posto de transformação e responsável pela distribuição de energia elétrica aos consumidores Cabo Coberto Cabo dotado de cobertura protetora de material polimérico, utilizada para eliminação da corrente de fuga, em caso de contato acidental do condutor com objetos aterrados e diminuição do espaçamento entre condutores. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 85/105

86 ANEXO Espaçador Acessório de material polimérico de formato losangular cuja função é a de sustentação dos cabos cobertos ao longo do vão Separador Vertical Acessório de material polimérico cuja função é de sustentação e separação dos cabos cobertos na rede compacta, em situações de conexões entre fases ("flying-tap"), mantendo o isolamento elétrico da rede Braço Tipo "L" Ferragem cuja finalidade é de sustentação do cabo mensageiro da rede compacta, em condições de tangência ou com ângulos de deflexão de até Braço Tipo "C" Ferragem cuja a finalidade é de sustentação das fases em condições de ângulo e final de linha, derivações e conexão de equipamentos de rede Cabo Mensageiro Cabo utilizado para sustentação dos espaçadores e separadores, e para proteção elétrica e mecânica da rede compacta Braço anti-balanço Acessório de material polimérico cuja função é a redução da vibração mecânica das redes compactas Estribo para Braço Tipo "L" Ferragem complementar ao braço tipo "L" cuja função é a sustentação de espaçador junto ao braço Anel de Amarração Amarração de material elastomérico, com a função de fixação dos cabos cobertos e mensageiro, ao espaçador, da rede compacta Fio Coberto de Amarração Fio de alumínio recoberto com borracha termoplástica, que possui as mesmas funções do anel de amarração, podendo ser utilizado alternativamente Grampo de Ancoragem Acessório cuja função é a fixação (encabeçamento) dos cabos cobertos nas estruturas de ancoragem Braço tipo J Ferragem em formato de J, fixada ao poste com a finalidade de afastar os condutores da rede de árvores e equipamentos Perfil U Ferragem utilizada como cruzeta ou extensor de poste em rede compacta. Como cruzeta deve ser fixada ao poste com o Fixador de Perfil U, e como extensor deve ser fixada ao topo do poste. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 86/105

87 ANEXO Fixador de Perfil U Ferragem complementar que tem a função de sustentar o Perfil U Pino curto para islolador Ferragem utilizada para fixação do isolador polimérico de pino nas estruturas metálicas da rede compacta Protetor de bucha Acessório utilizado para proteção das partes energizadas de buchas de equipamentos Cobertura protetora para conector Acessório para proteção elétrica da conexão de derivação Rede compacta Rede de distribuição em média tensão que utiliza cabos cobertos em espaçadores, sustentados por cabo mensageiro, apresentando uma configuração compacta. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 87/105

88 ANEXO 02 ZONA DE PROTEÇÃO DE AERÓDROMOS E HELIPONTOS A - PLANO BÁSICO DE ZONA DE PROTEÇÃO DE AERÓDROMOS O Plano Básico de Zona de Proteção de Aeródromos contém as seguintes áreas: Faixa de Pista, Áreas de Aproximação, Áreas de Decolagem, Áreas de Transição, Área Horizontal Interna, Área Cônica e Área Horizontal Externa. (ver ilustração - item 1 e 2). 1. GABARITOS 1.1. Faixa da Pista O Gabarito da Faixa de Pista envolve a pista de pouso e tem, em cada ponto, a altitude do ponto mais próximo situado no eixo da pista ou no seu prolongamento. NOTA: Ao comprimento da pista, para efeito do Gabarito da Faixa da Pista, são acrescidas as Zonas de Parada Áreas de Aproximação Os Gabaritos das Áreas de Aproximação estendem-se em rampa, no sentido do prolongamento do eixo da pista, a partir da Faixa de Pista Áreas de Decolagem Os Gabaritos das Áreas de Decolagem estendem-se em rampa, no sentido do prolongamento do eixo da pista, a partir da Faixa de Pista ou do final da Zona Livre de Obstáculos, caso exista Áreas de Transição Estendem-se em rampa, a partir dos limites laterais da Faixa de Pista e da parte das Áreas de Aproximação, compreendida entre seu início e o ponto onde estas áreas atingem o desnível de 45 m (quarenta e cinco metros) em relação a elevação do Aeródromo A declividade da rampa das Áreas de Transição é medida sobre um plano vertical, perpendicular ao eixo da pista ou ao seu prolongamento O limite superior do Gabarito da Área de Transição é determinado por um plano horizontal com 45 m (quarenta e cinco metros) de altura em relação à elevação do Aeródromo Área Horizontal Interna Estende-se para fora dos limites dos Gabaritos das Áreas de Aproximação e Transição, com desnível de 45 m (quarenta e cinco metros) em relação a elevação do Aeródromo, e seus limites externos são semicírculos, com centros nas cabeceiras das pistas Área Cônica Estende-se em rampa de 1/20 (um vinte avos) para fora dos limites externos do Gabarito da Área Horizontal Externa. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 88/105

89 ANEXO Área Horizontal Externa Estende-se para fora dos limites externos do Gabarito da Área Cônica. 2. IMPLANTAÇÕES 2.1. Faixa de Pista Não são permitidos quaisquer aproveitamentos que ultrapassem, seus gabaritos, tais como construções, instalações e colocação de objetos de natureza temporária ou permanente fixos ou móveis Áreas de Aproximação, Decolagem e Transição Não são permitidas implantações de qualquer natureza que ultrapasse seus gabaritos "ARTIGO 15" - São permitidas, independentemente de autorização ou consulta ao Comando Aéreo Regional - COMAR, as implantações que se elevem acima da superfície do terreno em, no máximo, 8 m (oito metros) na Área Horizontal Interna, 19 m (dezenove metros) na Área Cônica e 30 m (trinta metros) na Área Horizontal Externa, qualquer que seja o desnível em relação à Elevação do Aeródromo. Parágrafo Único - O disposto neste Artigo não se aplica a instalações ou construções de torres, redes de alta tensão, cabos aéreos, mastros, postes e outros objetos cuja configuração seja pouco visível a distância "ARTIGO 16" - Qualquer aproveitamento que ultrapasse os gabaritos das Áreas Horizontal Interna, Cônica e Horizontal Externa, não enquadradas no artigo anterior, deverá ser submetido a autorização do Comando Aéreo Regional - COMAR Superfície Livre de Obstáculos As superfícies livres de obstáculos só se aplicam aos Aeródromos da Classe IFR-PRECISÃO. Destas superfícies só devem sobressair os objetos montados sobre suportes frágeis. As superfícies livres de obstáculos são as seguintes: Superfície de Aproximação Interna, Superfície de Transição Interna e Superfície de Pouso interrompido. Sua configuração e medidas constam na figura abaixo. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 89/105

90 ANEXO SUPERFÍCIES LIVRES 2.6. Atribuições Conforme PORTARIA N o 1141/GM5, de 8 de dezembro de I - Aos Comandos Aéreos Regionais - Promover a interdição, remoção ou demolição, por meio adequado, das implantações ou dos usos que contrariem o disposto nas normas aqui fixadas; EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 90/105

91 ANEXO 02 - No caso de autorização para aproveitamento de que trata esta Portaria, emitir a decisão final do requerimento, publicá-la no Boletim Interno da Organização, comunicá-la ao interessado por meio de ofício e arquivar o processo para controle e fiscalização, após verificar a viabilidade da pretensão, através dos pareceres dos seguintes órgãos: a) Serviço Regional de Engenharia b) Serviço Regional de Aviação Civil c) Serviço Regional de Proteção ao Vôo. B-PLANO BÁSICO DE ZONA DE PROTEÇÃO DE HELIPONTOS 1. O plano básico de Proteção de Helipontos consta das seguintes áreas: Área de Segurança, Área de Aproximação e decolagem e Área de Transição.(Ver ilustração - item 5) 2. O gabarito de Área de segurança estende-se para fora da área de pouso e decolagem do heliponto, onde apenas são permitidos aproveitamentos frágeis de no máximo 35 cm (trinta e cinco centímetros) de altura. 3. O gabarito da Área de Aproximação e Decolagem estende-se em rampa a partir da área de pouso e decolagem. (Sua configuração e medidas constam na ilustração - item 5). 4. O gabarito da área de Transição estende-se em rampa, a partir dos limites laterais da Área de Segurança e da parte lateral da Área de Aproximação, compreendida entre seu início e o ponto onde atinge o desnível de 30 m (trinta metros) em relação à elevação do heliponto A declividade da rampa das Áreas de Transição é medida sobre um plano vertical, perpendicular a projeção do eixo central da Área de Aproximação num plano horizontal Os helipontos com áreas de pouso circulares, que permitem aproximações ou decolagens em qualquer direção, não possuem Áreas de Transição. O gabarito de Área de Aproximação e Decolagem será utilizado em todas as direções. 5. Não é permitida a implantação de quaisquer obstáculos nas áreas vizinhas dos helipontos, que ultrapassem os gabaritos fixados no Plano definido neste Capítulo, não cabendo portanto, consultas sobre o aproveitamento destas áreas. 6. Os helipontos só poderão ser construídos e cadastrados se obedecerem aos gabaritos fixados nesta Portaria. PARÁGRAFO ÚNICO - para que um heliponto possa operar por instrumentos, deverá possuir um Plano Específico de Zona de Proteção com as mesmas características do Plano definido no item A PLANO BÁSICO DE ZONA DE PROTEÇÃO DE AERÓDROMOS. 7. É recomendável que, para as Áreas de Pouso e Decolagem de Emergência para Helicópteros, seja observado o prescrito neste Capítulo. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 91/105

92 8. DEFINIÇÕES: NTD-RE-001 ANEXO Área de pouso e decolagem para helicópteros. Área de heliponto ou heliporto, com dimensões definidas, onde o helicóptero pousa ou decola Elevação do aeródromo ou do heliponto. Altitude do ponto mais elevado da pista de pouso e decolagem do aeródromo ou da área de pouso e decolagem do heliponto Gabarito - superfícies limitadoras de obstáculos Heliponto - aeródromo destinado exclusivamente a helicópteros Heliporto - Heliponto público dotado de instalação e facilidades para apoio de operações de helicópteros, embarque e desembarque de pessoas e cargas Obstáculo - acidente físico ou objeto de natureza temporária ou permanente, fixo ou móvel, situado em zona de proteção em que tenha altura superior ao gabarito fixado pelos diversos Planos definidos nesta Portaria Plano Básico de Zona de Proteção de Helipontos. Documento de caráter definitivo e aplicação genérica que estabelece as restrições impostas ao aproveitamento das propriedades dentro das Zona de Proteção de heliponto Uso do solo - Tipos de atividades urbanas ou rurais localizadas nas áreas abrangidas pelos planos referentes ás Zonas de Proteção Zona Livre de Obstáculos - Área retangular sobre o solo ou a água, sob controle de autoridades competentes e selecionadas ou preparada como área disponível sobre a qual uma aeronave possa efetuar parte de sua subida inicial, até uma altura especificada Zona de Proteção - conjunto de áreas nas quais o aproveitamento e o uso do solo sofrem restrições definidas pelo Plano de Zona de Proteção. EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 92/105

93 1 - CLASSE VFR EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 93/105

94 2 - CLASSES IRF - NÃO PRECISÃO E IFR - PRECISÃO EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 94/105

95 3 - TABELA ANEXO 02 EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 95/105

96 ANEXO PLANO BÁSICO DE ZONA DE PROTEÇÃO DE HELIPONTO EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 96/105

97 ANEXO ÁREAS DE TRANSIÇÃO ÁREAS DE TRANSIÇÃO 30 METROS -ACIMA DA ELEVAÇÃO DO HELIPONTO A ÁREA DE APROXIMAÇÃO 60 M 60 M ÁREA DE APROXIMAÇÃO A CORTE A-A 30 m ACIMA DA ELEVAÇÃO DO HELIPORTO RAMPA 1/2 ÁREA DE APROXIMAÇÃO RAMPA 1/2 60 m 60 m EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 97/105

98 ANEXO 03 DETERMINAÇÃO DO ÂNGULO DE DEFLEXÃO DA REDE EM CAMPO AB = 20xSen(Ang./2) A Direção do alinhamento da rede Âng. B Eixo da rede Ângulo deflexão Distância Ângulo Distância Ângulo Distância AB (m ) deflexão AB (m ) deflexão AB (m ) 1 0, , ,15 2 0, , ,30 3 0, , ,45 4 0, , ,60 5 0, , ,75 6 1, , ,89 7 1, , ,04 8 1, , ,18 9 1, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,14 NOTAS: 1. Os pontos A e B são obtidos medindo-se na direção de cada linha. 2. Medindo-se a distância entre A e B acha-se o ângulo através da tabela EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 98/105

99 ANEXO - 04 RELAÇÃO DE MATERIAIS MONTAGEM DA ESTRUTURA ESTRUTURA DESCRIÇÃO CJE CLE CLEA1 CLEA2 CC2 CUF3 CUF4 2CFU3 DCC2 DCUF3 N3-CUF3 -PR DT C DT C DT C DT C DT C DT C DT C DT C DT C DT C DT C 1 Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT ou Circular Suporte L a Suporte J Estribo para suporte tipo L Parafuso de cabeça quadrada de 125 mm a 4528 Parafuso de cabeça quadrada de 100 mm Cabo de aço galvanizado - 6,4 mm (kg) V V V V Espaçador losangular 15 kv Anel de amarração Isolador de pino polimérico Suporte C Pino curto para isolador de pino Sapatilha Olhal para parafuso Isolador de ancoragem tipo bastão polimérico 15 kv Manilha sapatilha Gancho Olhal Perfil U Fixador de perfil U Pára-raios de distribuição- 12 kv polimérico 10 ka, Parafuso de cabeça abaulada de 50 mm Parafuso de cabeça abaulada de 100 mm Parafuso de cabeça abaulada de 150 mm Suporte para fixar pára-raios em cruzeta Cruzeta de concreto 250 dan retangular Arame de aço galvanizado n.º 14 BWG (m) Mão francesa plana de 619 mm Braço anti-balanço 15 kv Arruela quadrada Arruela espaçadora Sela de Cruzeta 3 Item Código MONTAGEM DA ESTRUTURA ESTRUTURA DESCRIÇÃO N3-CUF3 CLHS-CF CHS-CF DC3-CF CUF4-CF CUF4-SU CLH-T- CLEA-T- CUF3-T- PR PR PR DT C DT C DT C DT C DT C DT C DT C DT C DT C 1 Nota 1 Poste de concreto armado Seção DT ou Circular Suporte L Estribo para suporte tipo L Parafuso de cabeça quadrada de 125 mm a 4528 Parafuso de cabeça quadrada de 100 mm Cabo de aço galvanizado - 6,4 mm (kg) Espaçador losangular 15 kv Anel de amarração Isolador de pino polimérico Suporte C Pino curto para isolador de pino Sapatilha Olhal para parafuso Isolador de ancoragem tipo bastão polimérico 15 kv Manilha sapatilha Gancho Olhal Perfil U Fixador de perfil U Pára-raios de distribuição- 12 kv polimérico 10 ka, Parafuso de cabeça abaulada de 50 mm Parafuso de cabeça abaulada de 100 mm Parafuso de cabeça abaulada de 150 mm Suporte para fixar pára-raios em cruzeta Cruzeta de concreto 250 dan retangular Suporte horizontal Chave fusível tipo C- 15 kv 10 ka Arame de aço galvanizado n.º 14 BWG (m) Mão francesa plana de 619 mm Suporte de transformador em poste DT Braço anti-balanço 15 kv Arruela quadrada Item Código EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: 02 99/105

100 ANEXO - 04 EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: /105

101 ANEXO - 04 EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: /105

102 ANEXO - 04 EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: /105

103 ANEXO -04 EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: /105

104 ANEXO 04 EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: /105

105 ANEXO 04 EMISSÃO: Janeiro/09 REVISÃO: /105

NORMA TÉCNICA. NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

NORMA TÉCNICA. NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv. Cuiabá Mato Grosso - Brasil NORMA TÉCNICA NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv Cuiabá Mato Grosso - Brasil APRESENTAÇÃO 1- OBJETIVO...04 2- CAMPO DE APLICAÇÃO...04

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA, URBANA COM CABOS COBERTOS EM ESPAÇADORES CLASSE 15 kv página APRESENTAÇÃO 1. OBJETIVO...03 2.

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV ÍNDICE APRESENTAÇÃO....2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE... 3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-CONDUTORES...4 6-PROCEDIMENTOS...5 6.1- Afastamentos padronizados...5 6.2-Engastamento

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS NORMA TÉCNICA NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS Cuiabá Mato Grosso - Brasil INDICE 1 OBJETIVO...03

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO Página 1. OBJETIVO 4 2. APLICAÇÃO 4 3. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 5

Leia mais

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES 3$'5 2'((6758785$6 '(/,1+$6(5('(6 PARTE 1 ASPECTOS GERAIS INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras ASPECTOS GERAIS PARTE

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CABOS COBERTOS FIXADOS EM ESPAÇADORES APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CABOS COBERTOS FIXADOS EM ESPAÇADORES APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Amarrações SEÇÃO 6 Cruzamentos SEÇÃO 7 Conexões e Emendas SEÇÃO

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ASPECTOS GERAIS... 2 3. EXCEÇÕES... 2 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2 NORMA TÉCNICA CELG Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição NTC-18 Revisão 2 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-17/09/2012 22/10/2012 ENGENHARIA E SISTEMAS TÉCNICOS (DTES-ES) APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI (DTES-ES) SUMÁRIO

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA NTD-14 NTD 14 MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA CONTROLE DE VERSÕES NTD-14 - MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Nº.: DATA VERSÃO 1 13/07/4 0 2 03/9 1 NTD 14 MONTAGEM

Leia mais

Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas. Norma. Revisão 03 07/2014 NORMA ND.12

Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas. Norma. Revisão 03 07/2014 NORMA ND.12 Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas Norma 07/2014 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Rua Ary Antenor de Souza, 321 Jd. Nova

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE DOCUMENTO NORMATIVO CRITÉRIO DE PROJETO DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE Código Página Revisão Emissão CP 015 I 1 JAN/2004 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. PROPRIETÁRIO: IFSULDEMINAS - Câmpus Muzambinho.. Estrada de Muzambinho, km 35 - Bairro Morro Preto.

MEMORIAL DESCRITIVO. PROPRIETÁRIO: IFSULDEMINAS - Câmpus Muzambinho.. Estrada de Muzambinho, km 35 - Bairro Morro Preto. MEMORIAL DESCRITIVO ASSUNTO: Projeto de adaptação de rede de distribuição de energia elétrica urbana em tensão nominal primária de 13.8KV e secundária de 220/127V, com 02 postos de transformação de 75KVA

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estrutura CE2H TR (2º Nível) Poste de Concreto de Seção Circular 7. Estrutura CE2H

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-31/10/2013 05/11/2013 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI DTES-ES SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA REDES COMPACTAS

REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA REDES COMPACTAS REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA REDES COMPACTAS 3ª Edição Versão 1.0 Fevereiro/2012 1 Responsáveis Técnicos pela revisão: Fabiano Casanova Schurhaus Engenheiro Eletricista

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS NORMA TÉCNICA NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS Cuiabá Mato Grosso - Brasil INDICE 1 OBJETIVO...03

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028 MONTAGEM DE S PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA, RURAL, COM CONDUTORES NUS - 13,8 E 34,5 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA INDICE 1- OBJETIVO...

Leia mais

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS 1- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Convencional Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 13 2- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Compacta Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 2 de

Leia mais

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS 11 metros = 150 12 metros = 150 450 1000 máximo 11 metros = 850 12 metros = 1450 800 450 450 11 metros = 1700 12 metros = 1800 11 ou 12 metros 100 11 metros = 1300 12

Leia mais

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição Professor Jorge Alexandre A. Fotius Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Em áreas urbanas com baixa densidade

Leia mais

PD-4.009. Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia

PD-4.009. Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia PD-4.009 Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia PD-4.009 Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV ELABORADO

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 2.0

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 2.0 NTD 2.0.07 REDES SECUNDÁRIAS ISOLADAS RSI PADRÕES BÁSICOS DE 5ª EDIÇÃO AGOSTO-2011 DIRETORIA DE ENGENHARIA SUPERINTENDENCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA 1/34 NORMA TÉCNICA

Leia mais

ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREAS PRIMÁRIAS COMPACTAS PROTEGIDAS

ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREAS PRIMÁRIAS COMPACTAS PROTEGIDAS DIRETORIA TÉCNICA - TE SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - TPE GERÊNCIA DE PADRONIZAÇÃO - TPPA Assunto: MONTAGEM ELETROMECÂNICA Título: ESTRUTURAS PARA REDES COMPACTAS PROTEGIDAS PT.RD.06.002

Leia mais

SISTEMA DE DOCUMENTOS NORMATIVOS SUBSISTEMA DE NORMAS TÉCNICAS

SISTEMA DE DOCUMENTOS NORMATIVOS SUBSISTEMA DE NORMAS TÉCNICAS APRESENTAÇÃO...4 1 OBJETIVO...3 2 AMPLITUDE...3 3 RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4 CONCEITUAÇÃO...3 4.1 REDE DE DISTRIBUIÇÃO...3 4.2 REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA RDU...3 4.3 REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea ITEM DESCRIÇÃO QUANT. 1.00 REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.1 Cabo de alumínio com alma de aço (CAA), seção 4/0, diâmetro externo

Leia mais

NORMA TÉCNICA PADRÃO DE ESTRUTURAS DE REDE AÉREA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEX NTD-07

NORMA TÉCNICA PADRÃO DE ESTRUTURAS DE REDE AÉREA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEX NTD-07 NORMA TÉCNICA PADRÃO DE ESTRUTURAS DE REDE AÉREA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEX NTD-07 PÁG. APRESENTAÇÃO... 0/55. OBJETIVO... 0/55. AMPLITUDE... 0/55. RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO... 0/55 4.

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE ITA - 006 Rev. 0 Setembro / 2003 Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com

Leia mais

NTD-12 MONTAGEM DE REDES AÉREAS SECUNDÁRIAS ISOLADAS COM CABOS MULTIPLEXADOS

NTD-12 MONTAGEM DE REDES AÉREAS SECUNDÁRIAS ISOLADAS COM CABOS MULTIPLEXADOS NTD-1 APRESENTAÇÃO 4 1. OBJETIVO 5. AMPLITUDE 5 3. RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO 5 4. CONCEITUAÇÃO 5 4.1. REDE DE DISTRIBUIÇÃO 5 4.. REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA RDU 5 4.3. REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Condições Gerais 5. Requisitos Ambientais 6. Lançamento de Condutores 7. Fixação Definitiva do Condutor 8. Identificação de Fases

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COMPACTA PROTEGIDA CLASSE 15 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA página APRESENTAÇÃO...3 1. OBJETIVO...4 2. CAMPO DE APLICAÇÃO...4

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NDU-010 VERSÃO 3.1 JUNHO/2013 SUMÁRIO Item Descrição Classe Desenho 1. Haste de Aço-Cobre para Aterramento...

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA DSEE 11/12/2014 DATA SUMÁRIO

Leia mais

RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - REDE DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV REDE SUL / SUDESTE

RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - REDE DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV REDE SUL / SUDESTE RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV SUL / SUDESTE AFASTADOR, ARMACAO SECUNDARIA, ACO CARBONO 1010-1020, ZINCADO A QUENTE, DIMENSOES: 1000 X700 10002599 MM, 4 FUROS, NORMAS

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. ANEXOS 6. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO Página 2 de 1. OBJETIVO Esta norma estabelece as condições exigíveis

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO Código: 0 RES nº 085/2012, Página 1 RES nº 085/2012, ÍNDICE CAPÍTULOS Página 1. OBJETIVO 4 2. APLICAÇÃO 4 3. CONCEITOS 5 4. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 6 4.1 Notas Gerais 6 4.2 Condutores e Edificações 7 4.3

Leia mais

PROJETO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Cliente: FRADEMIR ANTÔNIO DE ALCANTES Endereço: RUA NORBERTO RADUENZ TESTO CENTRAL POMERODE - SC

PROJETO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Cliente: FRADEMIR ANTÔNIO DE ALCANTES Endereço: RUA NORBERTO RADUENZ TESTO CENTRAL POMERODE - SC Título: PROJETO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA REDE COMPACTA DE MÉDIA TENSÃO LOT FRADEMIR ANTÔNIO DE ALCANTES MEMÓRIA DE CÁLCULO Cliente: FRADEMIR ANTÔNIO DE ALCANTES Endereço: RUA NORBERTO

Leia mais

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica CEMAR NORMA DE PROCEDIMENTOS Função: Área: Processo: Código: Técnica Técnica Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica NP-12.306.02 Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Leia mais

Conferência do Projeto

Conferência do Projeto 214-DPDORC4 22/4/214 1 de 5 12/2/214 1:3.7 CARACTERIZAÇÃO Data Projeto Nº Pedido Finalidade 16/7/213 Título Implantação de SE Descrição da Obra: Tipo da Obra: IMPLANTAÇÃO EXPANSÃO DA REDE ELÉTRICA (ALTA

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS 02.111-TD/AT-3013a Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS Gerência de Desenvolvimento e Engenharia de Ativos da Distribuição TD/AT Belo Horizonte Setembro/2013

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

CONTRATAÇÃO DO MÊS DE MARÇO 2013

CONTRATAÇÃO DO MÊS DE MARÇO 2013 GÃO ELETRONICO 000/0 999/0 0/0/0 MESES ATÉ 0/0/ JOÃO DE BARRO COMÉRCIO E SERVIÇOS LTDA - ME FORNECIMENTO DE RECARGAS DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO GLP, EM RECIPIENTES (BOTIJAS) DE CAPACIDADE KG E 0KG.9,00.9,00

Leia mais

A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S

A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S C A T Á L O G O R E F E R E N C I A L DE M Ó D U L O S P A D R Õ E S D

Leia mais

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES A descrição das atividades tem como propósito facilitar o relacionamento entre a CONTRATANTE e a CONTRATADA, na medida em que visa

Leia mais

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI 1 - NOME DO CURSO: Projetos de RDI / RDP: RDI: Redes de Distribuição Aéreas Isoladas; RDP: Redes de Distribuição Aéreas Protegidas (Compactas). 2 - ÁREA: Eletrotécnica Sub

Leia mais

PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL

PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL DOCUMENTO NORMATIVO Código PADRÃO DE ESTRUTURA PE - 031 Página I REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

Leia mais

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda.

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. NORMA PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA REDE DE DISTRIBUIÇÃO SECUNDÁRIA BT MULTIPLEXADA 1ª edição Versão 1.0 out/09 [Digite texto] MEDIDAS DE CONTROLE Revisão:

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.01.01 CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS. Sumário

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.01.01 CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS. Sumário 1. Objetivo... 6 2. Aplicação... 6 3. Documentos de referência... 6 4. Obtenção de dados preliminares... 6 4.1. Características do projeto... 6 4.1.1. Localização... 6 4.1.2. Tensão de operação... 6 4.1.3.

Leia mais

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS:

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410 relativos à escolha

Leia mais

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Normas CEMIG ND2.1 - Instalações Básicas de Redes de Distribuição Áreas Urbanas ND3.1 - Projetos de Redes de Distribuição Aéreas Urbanas RDU Rede de Distribuição

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

1.1. Locação da rede de distribuição

1.1. Locação da rede de distribuição 1. Rodovias O uso da faixa de domínio das estradas de rodagem estaduais e federais delegadas, é regulamentada pela Decisão Normativa nº 35, de 18 de agosto de 2003, emitida pelo DAER/RS. 1.1. Locação da

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA Outubro 2008 Companhia Energética de Alagoas-CEAL Superintendência de Projetos e Obras-SPP Gerencia de Projetos e Obras

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior Projeto de Rede de Distribuição Aérea Compacta - 13,8kV Processo Planejar, Ampliar e Melhorar a Rede Elétrica Atividade Elaborar Projetos e Orçamentos / Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.03-00.05

Leia mais

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada Notas: Critérios Construtivos do Padrão de Entrada A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada. O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS

TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS ANEXO II 1. REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA (RDU) Os serviços de Melhoria e Ampliação de Rede de Distribuição Urbana executados conforme projeto executivo elaborado serão

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS TRAVESSIA DE OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO

CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS TRAVESSIA DE OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO 1/16 1. Rodovias O uso da faixa de domínio das estradas de rodagem estaduais e federais delegadas, é regulamentada pela Decisão Normativa nº 35, de 18 de agosto de 2003, emitida pelo DAER/RS. 1.1. Locação

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Novas Normas NBR IEC 61643-1 - Dispositivos de proteção contra surtos em baixa tensão - Parte 1: Dispositivos de proteção conectados a sistemas de

Leia mais

PD-4.003. Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia

PD-4.003. Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia PD-4.003 Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia Da Distribuição PD-4.003 Redes de Distribuição Aérea Urbana

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/01/2013 29/01/2013 APROVADO POR SEBASTIÃO J. SANTOLIN - DTES- SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Me. Hader Aguiar Dias Azzini hader_azzini@hotmail.com Campinas - ES 2014 Introdução Em geral, o projeto elétrico compreende quatro partes: Memória (justificativa

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior Projeto de Rede de Distribuição Aérea Compacta - 13,8kV Processo Planejar, Ampliar e Melhorar a Rede Elétrica Atividade Elaborar Projetos e Orçamentos / Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.03-00.05

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO COMPACTA (REDE COMPACTA SPACER CABLE) VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

ID-2.024. Instrução Técnica. Procedimento Técnico para Projetos e Implantação de Postes na AES Eletropaulo. Diretoria de Engenharia e Serviços

ID-2.024. Instrução Técnica. Procedimento Técnico para Projetos e Implantação de Postes na AES Eletropaulo. Diretoria de Engenharia e Serviços ID-2.024 Procedimento Técnico para Projetos e Implantação de Postes na AES Eletropaulo Instrução Técnica Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição 2 Folha de Controle Elaborado

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

MANUAL DE ENGENHARIA

MANUAL DE ENGENHARIA 02.04.2007 1/6 1. OBJETIVO Esta especificação padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas de concreto armado destinadas ao suporte

Leia mais

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Compartilhamento de Postes da Rede de Energia Elétrical Processo Planejar, Ampliar e Melhorar o Sistema Elétrico Atividade Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.02-01.015 2ª Folha 1 DE 15 16/10/2008

Leia mais

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO Exigências Mínimas 1 Objetivo Estabelecer as condições mínimas para construção de postes de concreto armado ou concreto protendido, destinados à utilização em entradas de serviço de unidades consumidoras,

Leia mais

projecto de postos de transformação

projecto de postos de transformação 123 Henrique Ribeiro da Silva Dep. de Engenharia Electrotécnica (DEE) do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) projecto de postos de transformação {2.ª Parte - Postos em Cabine} Os postos de

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 NORMA TÉCNICA CELG Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TIPOS

Leia mais

Barramento Elétrico Blindado KSL70

Barramento Elétrico Blindado KSL70 Barramento Elétrico Blindado KSL70 PG: 2 / 19 ÍNDICE PÁG. 1.0 DADOS TÉCNICOS 03 2.0 - MÓDULO 04 3.0 SUSPENSÃO DESLIZANTE 05 4.0 TRAVESSA DE SUSTENTAÇÃO 06 5.0 EMENDA DOS CONDUTORES E DOS MÓDULOS 07 6.0

Leia mais

CABOS ISOLADOS / COBERTOS DE BAIXA TENSÃO (até 1kV) Nota: Sob consulta, os cabos Forex, Flexonax, Forenax, Forefix podem ser fornecidos com armadura Fio e Cabo WPP Cordão FOREPLAST (300 V) Os fios WPP

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito Instalações Elétricas Prediais -É a Ligação intencional de um condutor à terra. -Significa colocar instalações de estruturas metálicas e equipamentos elétricos

Leia mais

Projeto de Rede Telefônica

Projeto de Rede Telefônica Projeto de Rede Telefônica Prof. Manoel Henrique Sequencia Definições e materiais. Caixas de distribuição Blocos de terminais Caixas de passagem Tubulação Entrada Primária Secundária Cabos telefônicos

Leia mais

REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM

REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM 1 ND 3.5 PROJETOS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS Roberto Carlos de Souza - CEMIG Erivaldo Costa Couto -

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Norma Processo Planejar, Ampliar e Melhorar a Rede Elétrica Atividade Elabora Projetos e Orçamentos / Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.03-00.06 1ª Folha 1 DE 48 30/07/2013

Leia mais

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações ID-4.044 Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações Diretoria de Engenharia Gerência de Serviços Técnicos ELABORADO: Luiz Eduardo R. Magalhães Gerência

Leia mais

DEPARTAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO

DEPARTAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO 1 OBJETIVOS Esta norma estabelece os requisitos, condições técnicas mínimas e os procedimentos a serem seguidos na elaboração e apresentação de projetos de compartilhamento de infraestrutura das redes

Leia mais

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE 1. OBJETIVO Esta norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas

Leia mais

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço

DEFINIÇÕES. Entrada de energia. Entrada de serviço 1 Entrada de energia DEFINIÇÕES Instalação de responsabilidade do consumidor, compreendendo ramal de entrada, poste particular ou pontalete, caixas, dispositivos de proteção, eletrodo de aterramento e

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0078 REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO www.celesc.com.br PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL

Leia mais

Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS

Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS O que é? É um Dispositivo de Proteção contra Surtos Elétricos (DPS) para uso em redes de distribuição de energia elétrica de baixa

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011 Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/10/2011 18/10/2011 ELABORAÇÃO Marcelo Poltronieri SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais