REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA REDES COMPACTAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA REDES COMPACTAS"

Transcrição

1 REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS FORNECIMENTO EM TENSÃO PRIMÁRIA REDES COMPACTAS 3ª Edição Versão 1.0 Fevereiro/2012 1

2 Responsáveis Técnicos pela revisão: Fabiano Casanova Schurhaus Engenheiro Eletricista Jonathan Wustro Mocellin Engenheiro Eletricista Responsáveis Técnicos pela aprovação: Pedro Welson Molina Bibliografia utilizada e consultada: Padrão técnico de Afastamentos Mínimos para Redes de Distribuição da CPFL Energia, publicação Padrões técnicos das Redes Compactas Protegidas, da COPEL, publicação Padrões técnicos das Redes Compactas Protegidas, da COPEL, publicação Manual técnico de Ferragens para Redes Compactas, da Enersul, publicação Padrões para Estruturas de Redes Compactas de Redes de Distribuição Aérea Primária Compacta com Cabo Coberto em Espaçadores NE 102-E-CELESC. Site: Fevereiro de

3 INDICE 1. OBJETIVO NORMAS COMPLEMENTARES TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES ANEL DE AMARRAÇÃO BRAÇO ANTI-BALANÇO BRAÇO TIPO C BRAÇO TIPO L CABO COBERTO CABO MENSAGEIRO CANTONEIRA AUXILIAR PARA BRAÇO TIPO C COBERTURA PROTETORA PARA CONECTOR COBERTURA PROTETORA PARA ESTRIBO E GRAMPO DE LINHA VIVA ESPAÇADOR LOSANGULAR ESPAÇADOR VERTICAL ESTRIBO PARA BRAÇO TIPO L ESTRUTURA CE ESTRUTURA CE1A ESTRUTURA CE ESTRUTURA CE ESTRUTURA CE FIXADOR DE PERFIL U GRAMPO DE ANCORAGEM ISOLADOR BASTÃO PERFIL U PINO CURTO PARA ISOLADOR PROTETOR DE BUCHA DE EQUIPAMENTOS SUPORTE AFASTADOR HORIZONTAL SUPORTE HORIZONTAL SUPORTE Z REDE COMPACTA ABREVIATURAS UTILIZADAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAMPO DE APLICAÇÃO RESTRIÇÕES... 9 a)poluição Salina e Industrial... 9 b)descarga Atmosféricas AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRÕES DAS ESTRUTURAS ESTRUTURAS CE1 Estrutura para Vão em Tangência ou com Deflexões CE1A Estrutura para vão em Tangência com Braço Anti-Balanço (até 6 ) CE2 Estrutura para Vãos com Deflexões de 6 a CE3 Estrutura para Fim de Rede CE4 Estrutura para Vão com Deflexões de 60 a 90 ou Ancorado CE3-CE3 Estrutura para Deflexões Maiores que CE2.3 Estrutura de Derivação para o Mesmo Lado da Rede CE2-CE3 CF Estrutura de Derivação com Chave Fusível CE-PR Estrutura para Instalação de Pára-Raios CE-PR CE-FA Estrutura para Instalação de Chaves Faca

4 5.11 CE-TR Estrutura para Instalação de Transformador Trifásico Convencional CE3-TR Estrutura para instalação de Transformador Trifásico Convencional em Fim de Rede CE2-N3 CF Estrutura de Transição de Rede Compacta para Ramal Convencional CE3.N3 FA Estrutura de Transição com Chave Faca CE3.N3 PR Estrutura de Transição sem Chave Faca CE2- SH Estrutura com Suporte Horizontal AMARRAÇÕES E CONEXÕES DISPOSIÇÕES GERAIS ISOLADOR TIPO PINO POLIMÉRICO ESPAÇADORES ANCORAGEM DERIVAÇÃO ATERRAMENTO Aterramento do Mensageiro ao Longo da Rede Aterramento de Pára-Raios Aterramento de Pára-Raios em estrutura tipo CE Aterramento de Pára-Raios instalado no Tanque do Transformador CRUZAMENTO AÉREO ESTRUTURAS PARA REDES MONOFÁSICAS Estrutura UC1A Estrutura UC Estrutura UC Estrutura UC ANEXOS

5 REGULAMENTO DE REDES COMPACTAS DA IGUAÇU ENERGIA 1. OBJETIVO Este regulamento tem por objetivo estabelecer normas e padrões técnicos e as condições gerais para o fornecimento de energia elétrica às instalações consumidoras atendidas pela Iguaçu Energia. Este regulamento aplica-se somente às redes de média tensão (tensão 23,1kV), ou seja, primárias novas a serem instaladas, como às reformas e ampliações das já existentes, ainda que provisórias, quer sejam públicas ou particulares. Em qualquer tempo, por razões de ordem técnica ou legal, poderão ser alteradas estas disposições, motivo pelo qual os interessados deverão, periodicamente, solicitar à Iguaçu Energia informações quanto a possíveis modificações. 2. NORMAS COMPLEMENTARES Na aplicação deste regulamento, em algumas situações, poderá ser preciso consultar as Normas da ABNT, Normas Internacionais e Resoluções da ANEEL, vigentes na época da sua utilização. Os dispositivos deste regulamento aplicam-se às condições normais de fornecimento de energia elétrica. Os casos omissos ou aqueles que, pelas características excepcionais, exijam estudos especiais, serão objetos de análise e decisão por parte da Iguaçu Energia. Normas CODI/ABRADEE ABNT CE NBR 6547 Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica Associação Brasileira de Normas Técnicas Ferragens de Linhas Aéreas Terminologia Outros: Regulamentação da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) Resolução 414/2010 Condições Gerais de Fornecimento de Energia Elétrica, em vigência. 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 3.1 ANEL DE AMARRAÇÃO Acessório utilizado para fixação dos condutores fase e mensageiro nos berços dos espaçadores e separadores. 3.2 BRAÇO ANTI-BALANÇO Acessório preso ao poste na estrutura CE1A, com a finalidade de evitar o balanço do espaçador e dar melhor estabilidade mecânica à rede. 3.3 BRAÇO TIPO C Ferragem em formato C, presa ao poste, com finalidade de sustentação das fases em condições de ângulo, de 6 a 90, e de final de linha, derivações e conexão de equipamentos à rede. 3.4 BRAÇO TIPO L Ferragem em formato L, presa ao poste, com função de sustentação do cabo mensageiro da rede compacta, em condição de tangência ou com ângulos de deflexão de até 6. 5

6 3.5 CABO COBERTO Cabo dotado de cobertura protetora extrudada de material polimérico, que visa reduzir a corrente de fuga em caso de contato acidental do cabo com objetos aterrados e diminuir o espaçamento. 3.6 CABO MENSAGEIRO Cabo utilizado para sustentação dos espaçadores, separadores e para proteção elétrica e mecânica na rede compacta. Atua como uma blindagem contra surtos atmosféricos quando devidamente aterrado. 3.7 CANTONEIRA AUXILIAR PARA BRAÇO TIPO C Ferragem utilizada para encabeçamento das fases na extremidade superior do braço tip C, ou para instalação dos pára-raios. 3.8 COBERTURA PROTETORA PARA CONECTOR Acessório para proteção elétrica da conexão de derivação. 3.9 COBERTURA PROTETORA PARA ESTRIBO E GRAMPO DE LINHA VIVA Acessório para proteção dos componentes energizados na derivação através do estribo e grampo de linha viva ESPAÇADOR LOSANGULAR Acessório, de material polimérico e formato losangular (trifásico), cuja função é a sustentação e a separação dos cabos cobertos na rede compacta ao longo do vão, mantendo a isolação elétrica da mesma ESPAÇADOR VERTICAL Acessório de material polimérico, de formato vertifical cuja função é a sustentação e a separação dos cabos cobertos na rede compacta, em situações de conexões entre fases. Flying-tap, mantendo a isolação elétrica da rede ESTRIBO PARA BRAÇO TIPO L Ferragem complementar ao braço tipo L, cuja função é a sustentação do espaçador junto ao braço ESTRUTURA CE1 Estrutura utilizada em tangente ou quando ocorre deflexão horizontal máxima de seis graus. Esta estrutura exige dois espaçadores losangulares instalados a um metro eqüidistantes do braço tipo L ESTRUTURA CE1A Estrutura com braço tipo L, estribo para espaçador, espaçador losangular e braço anti-balanço, permitindo deflexão horizontal da rede compacta de até 6, tracionando ou comprimindo o referido braço anti-balanço. Pode ser utilizada também em estruturas contendo conector de derivação de cunha, em ligações que não têm grampo de linha viva ESTRUTURA CE2 Estrutura em ângulo, com braço tipo C e o mesmo mensageiro fixado no poste, permitindo deflexão máxima horizontal de 60. Esta estrutura exige dois espaçadores losangulares instalados no máximo a 12 metros de distância, um de cada lado da estrutura ESTRUTURA CE3 Estrutura de ancoragem simples, com braço tipo C, isolador de ancoragem., mensageiro fixado no poste, cabos cobertos em configuração triangular, podendo, no caso de equipamentos, conter pára-raios, conector derivação ou estribo e grampo de linha viva. 6

7 3.17 ESTRUTURA CE4 Estrutura de ancoragem dupla, semelhante à estrutura C3, utilizada em ângulos superiores a 60 ou em casos de mudança de bitola FIXADOR DE PERFIL U Ferragem complementar que tem a finalidade de sustentar o perfil U GRAMPO DE ANCORAGEM Acessório fixado no isolador bastão com a finalidade de sustentar o cabo coberto ISOLADOR BASTÃO Acessório para isolamento e sustentação da rede compacta PERFIL U Ferragem utilizada como cruzeta ou extensor de poste em rede compacta. Como cruzeta deve ser fixada ao poste com uma mão francesa e como extensor deve ser fixada ao topo do poste PINO CURTO PARA ISOLADOR Ferragem utilizada para fixação do isolador polimérico de pino nas estruturas metálicas para rede compacta PROTETOR DE BUCHA DE EQUIPAMENTOS Acessório utilizado para proteção das partes energizadas de buchas de equipamentos SUPORTE AFASTADOR HORIZONTAL Ferragem em formato L, fixada ao poste, com a finalidade de sustentação dos cabos cobertos em isoladores de pino e que permite um maior afastamento da rede compacta de edificações. Permite também a montagem de chaves e pára-raios em alguns tipos de estruturas SUPORTE HORIZONTAL Ferragem em formato L, fixada ao poste com a finalidade de fixação de isoladores para sustentação do cabo coberto, nas estruturas que utilizam estribos para grampos de linha viva, de modo a permitir maior estabilidade e afastamento dos mesmos SUPORTE Z Ferragem, em formato Z, com a função de fixação do pára-raios ao braço tipo C, perfil U, suporte afastador horizontal ou cantoneira auxiliar REDE COMPACTA Rede de distribuição em média tensão que utiliza cabos cobertos por espaçadores, sustentados por cabo mensageiro, apresentando uma configração compacta. 7

8 3.28 ABREVIATURAS UTILIZADAS SIGLA ABNT CODI MT BT CREA/SC NBI ANEEL NBR IE IENERGIA IGUAÇU ENERGIA ART DESCRIÇÃO Associação Brasileira de Normas Técnicas Comitê de Distribuição Média Tensão Baixa Tensão Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de SC Nível Básico de Isolamento Agência Nacional de Energia Elétrica Norma Brasileira Iguaçu Distribuidora de energia Elétrica Ltda Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda Anotação de Responsabilidade Técnica 4. DISPOSIÇÕES GERAIS A rede compacta deve ser tratada como rede convencional nua para os aspectos de segurança que envolva construção, operação e manutenção. Desta forma seus condutores e acessórios não devem ser tocados enquanto a rede não estiver desligada e corretamente aterrada, exceto na condição de linha viva, sob pena de colocar em risco a segurança de eletricistas e terceiros. A rede compacta utiliza um cabo mensageiro para sustentação da rede, fixado à posteação por meio de braços metálicos e espaçadores losangulares instalados em intervalos regulares ao longo do vão. Os espaçadores exercem a função de elementos de sustentação e separação elétrica dos condutores cobertos, que ficam dispostos em um arranjo triangular compacto. A altura mínima dos postes a ser utilizado neste padrão da rede, deveré ser de 12m. O esforço mecânico aplicado sobre as estruturas provém do cabo mensageiro, considerando que devido à pequena distância entre espaçadores, os condutores cobertos requerem trações de montagem bastante reduzidas quando comparadas às do mensageiro. Todos os procedimentos de construção, manutenção e operação devem estar de acordo com o estabelecido na Norma Regulamentadora 10 (NR-10). 4.1 CAMPO DE APLICAÇÃO As redes compactas aplicam-se principalmente a sistemas urbanos de distribuição onde se deseja atingir níveis de confiabilidade superiores aos das redes convencionais nuas e tenhamos os seguintes problemas: 8

9 a) Desligamentos provocados por interferência da arborização na rede: este padrão de rede permite o toque eventual de galhos trazendo uma menor área de poda de árvores e possibilitando uma maior periodicidade de manutenção preventiva na poda de árvores, além do mensageiro servir anteparo para a queda de galhos; b) Saídas de alimentadores de SE s: como alternativa técnico-econômica à redes isoladas multiplexadas ou redes subterrâneas; c) Congestionamento de estruturas: pelo diminuto espaço que ocupam, permite-se a instalação de vários circuitos na mesma posteação; d) Locais de freqüentes ocorrências de objetos lançados à rede; e) Áreas rurais de preservação permanente; f) Poda de Árvores: As podas de árvores deverão ser diminuídas, devendo ser realizadas apenas podas em um raio de 80 cm em volta da rede. 4.2 RESTRIÇÕES a) Poluição Salina e Industrial As restrições para sua utilização são as regiões de orla marítima e zonas industriais poluídas (locais de atmosfera agressiva), pelo fato de empregar cabo coberto não isolado, que sob presença de contaminação, passa a conduzir correntes superficiais na cobertura polimérica, causando o fenômeno de trilhamento elétrico (tracking). Para estas situações deverão ser estudadas alternativas para cada caso específico tais como: - Elevação do NBI (nível básico de isolamento) da rede convencional; - Mudança de configuração, mantendo-se o cabo coberto e acessórios; - Mudança para rede isolada e/ou subterrânea; - Utilização de isoladores especiais. A rede compacta não deve ser instalada a menos de 800 metros da orla marítima em áreas agressivas. Em regiões litorâneas com pouca agressividade, isto é, com pouca influência de ventos e névoa salina oriunda do mar, esta distância pode ser diminuída utilizando espaçadores e isoladores classe 35 kv. b) Descarga Atmosféricas O padrão da Iguaçu Energia para construção de redes convencionais tem um NBI de 150 kv nas estruturas para as redes de 23,1 kv utilizando isoladores de pino poliméricos. 4.3 AFASTAMENTOS MÍNIMOS Os cabos cobertos devem ser considerados como condutores nus no que se refere a todos os afastamentos mínimos já padronizados para redes primárias nuas para garantir a segurança de pessoas. Os afastamentos mínimos para 24,2 kv devem ser iguais aos de 36,2 kv. Os afastamentos entre condutores do mesmo circuito ou de circuitos diferentes, inclusive condutores aterrados, devem respeitar os afastamentos mínimos estabelecidos nas tabelas seguintes: 9

10 Tabela 01 Distância entre condutores de circuitos diferentes Tabela 02 Distância entre condutores e solo Tabela 03 Distância vertical mínima entre os condutores de um mesmo circuito 10

11 Tabela 04 Distância mínima das partes energizadas à fase ou à terra em pontos fixos Os afastamentos mínimos que constam nas tabelas são sempre relativos às partes energizadas e não ao ponto de fixação. Não são permitidas construções civis sob as redes compactas. Em área rural, devem ser obedecidos os valores da faixa de segurança, e na área urbana, as situações apresentadas nas figuras abaixo: 11

12 Figura 01 Afastamentos mínimos Condutores e Edificação 12

13 Tabela 05 Afastamentos mínimos na figura 01 Se os afastamentos verticais das figuras b e c não podem ser mantidos, exigem-se os afastamentos horizontais da figura e. Se o afastamento vertical entre os condutores e as sacadas, terraços ou janelas for igual ou maior do que as dimensões das figuras b e c não exige o afastamento horizontal da borda da sacada, terraço ou janela da figura e, porém o afastamento da figura d deve ser mantido. Figura 02 Afastamentos mínimos Circuitos diferentes 13

14 Figura 03 Afastamentos mínimos Condutor ao solo Quanto à instalação de estribos, na recomposição da cobertua do cabo deve ser adotado no item 6.1. Em áreas arborizadas o adaptador estribo deve ser protegido com o acessório polimérico protetor de estribo e grampo de linha viva. OBS: Mesmo que o afastamento mínimo entre os condutores e o solo seja atendido com postes de 11m, a altura mínima dos postes a ser utilizado neste padrão da rede, deveré ser de 12m. 14

15 Figura 04 Instalação de Estribo de Espera para Aterramento Temporário A distância mínima entre as chaves fusíveis é de 400 mm. Para garantir a segurança durante a operação as chaves devem respeitar a distância mínima estabelecida na figura

16 Figura 05 Distância mínima entre chaves fusíveis As figuras abaixo descreve os espaçamentos entre condutores de circuitos diferentes na mesma estrutura, também chamados de circuitos múltiplos. 16

17 Figura 06 Afastamentos mínimos entre condutores diferentes na mesma estrutura 17

18 - Espaçadores Na instalação dos espaçadores em intervalos irregulares ao longo do vão, visando assegurar o balanceamento mecânico da rede, recomenda-se adotar o critério da tabela 06. Tabela 06 Afastamento do primeiro espaçador Deve-se sempre procurar manter a seqüência de fases nos espaçadores ao longo da rede, buscando manter a fase instalada no lado do poste sempre nesta posição. No caso de necessidade de mudança de traçado da rede (interferência com construção civil, mudança de poste para o outro lado da rua, etc.) podem ser feitas transposições, conforme a figura 06. A fase B deve ser instalada obrigatoriamente no berço inferior do espaçador losangular com garras, em conformidade com figura 07. Figura 07 Sequência de fases no espaçador losangular com garras e no espaçador vertical 18

19 Figura 08 Transposição de fases O afastamento entre os espaçadores ao longo do vão pode variar de 6000 a 8000mm, sendo este último o valor máximo permitido, conforme figura 09. A tabela 06 apresenta a quantidade de espaçadores considerando o afastamento máximo de 8000mm entre espassadores. 19

20 Tabela 07 Quantidade de espaçadores Para vãos superiores aos indicados na tabela 06, a quantidade de espaçadores deve ser calculada utilizando-se a mesma regra. 20

21 4.4. PADRÕES DAS ESTRUTURAS A nomenclatura das estruturas básicas CE deriva da designação Compacta em Espaçadores seguindo de forma análoga os índices das estruturas das redes convencionais. Os códigos de materiais não padronizados pela ABNT foram numerados sequencialmente pela letra N. As estruturas básicas, com suas respectivas denominações aplicações, estão ilustradas nesta especificação. Outros arranjos podem ser obtidos a partir da combinação de estruturas básicas entre si ou conjugadas com estruturas de rede convencional. Quando existirem redes com estruturas tangentes em seqüência acima de 3 vãos, é recomendável que a estrutura CE1A seja intercalada com as estruturas CE1. Nas estruturas com ângulo, sempre que possível, braço tipo C deve ser posicionado na bissetriz do ângulo formado pela rede na estrutura. Em longos trechos de alinhamento de rede é recomendável intercalar estruturas de ancoragem a cada 500 metros, aproximadamente, assegurando maior confiabilidade ao projeto mecânico da rede, além de facilitar a construção e eventual troca de condutores. No projeto de rede devem ser previstas pontos para aterramento temporário, no máximo, a cada 300 metros de rede. O adaptador estribo (estribo de reserva) deve ser utilizado para aterramento temporário, respeitando os afastamentos contidos na figura 4 e devem ser instalados em estruturas com ponto de fixação, por exemplo, CE2, CE3, CE4 e estruturas com equipamentos. Os postes utilizados para rede compacta são os mesmos padronizados na Iguaçu Energia e devem atender o dimensionamento mecânico da rede e os afastamentos mínimos, sendo que a altura mínima deverá ser 12m. Circuitos duplos, triplos ou quádruplos, podem ser construídos, desde que obedeçam aos afastamentos mínimos entre circuitos do item 4.2. Nas estruturas de redes com classe de tensão 25 e 35 kv, utilizar o espaçador especificado para 35 kv. Nas estruturas com tensão em 25 kv usar os braços tipo L e C especificados para 35 kv. Nos cruzamentos aéreos com rece convencional, a rede compacta deve ser posicionada em nível superior, efetuando-se as ligações com cabo coberto, observando-se a distância mínima entre circuitos. Devem ser instalados conjuntos de pára-raios, no mínimo, a cada 500 metros de rede. Em locais com alta incidência de descargas atmosféricas recomenda-se a cada 300 metros. No caso de intersecção da rede compacta com a rede nua, deve se usar a cada 500 metros. Devem ser instalados pára-raios em todos os fins de rede, transições de redes e equipamentos (transformadores, religadores e reguladores). Recomenda-se a utilização de protetor de bucha, protetor para grampo de linha viva e protetor de pára-raios em locais onde ocorram frequentes desligamentos da rede por contatos acidentais com objetos e pequenos animais. Nas estruturas básicas e mais frequentes são apresentados os desenhos para montagem em poste de concreto de seção circular e duplo T. Nas demais estruturas, onde houve apenas o desenho do poste de seção circular, só 21

22 deve ser utilizado poste de concreto duplo T se a lista de materiais contemplar esta montagem. Devem ser observados os esforços mecânicos para cada tipo de poste a ser utilizado. Nas conexões dos cabos cobertos deverão ser tomadas medidas para recomposição da cobertura do cabo. Pode ser adotada cobertura de emenda para cabo coberto ou recomposição da cobertura do cabo conforme item 6.1. Na construção da rede compacta não se permite a emenda do cabo mensageiro em vão. O mensageiro deve ser aterrado a cada 200 metros, com resistência de terra máxima de 25 ohms e interligado ao condutor neutro da rede, em locais onde não exista outro aterramento. O mensageiro deve ter sua continuidade preservada, nos casos de seccionamento, deve ser feita a conexão entre duas pontas com o conector cunha apropriado. 5 ESTRUTURAS 5.1 CE1 Estrutura para Vão em Tangência ou com Deflexões A distãncia do espaçador em relação ao poste pode variar a fim de facilitar a manutenção. Esta estrutura utilizada para vão em tangência ou com ângulo de deflexão máximo de 6. A altura mínima do poste para esta estrutura é 12 metros. Casos os postes adjacentes sejam maiores, deve-se utilizar perfil U como prolongador, fixado ao topo do poste, ou um poste de 13 metros, a fim de manter o nivelamento da rede. Figura 10 Estrutura CE1 Poste de concreto de seção circular 22

23 Figura 11 Estrutura CE1 - Poste de concreto de seção DT Tabela 08 Estrutura CE1 Lista de Materiais 23

24 5.2 CE1A Estrutura para vão em Tangência com Braço Anti-Balanço (até 6 ) Figura 12 Estrutura CE1A Poste de concreto de seção circular NOTAS : Esta estrutura pode ser montada sem o braço anti-balanço em substituição a estrutura CE1. Esta estrutura deve ser utilizada intercalada com a estrutura CE1, em trecho tangentes. 24

25 Figura 13 Estrutura CE1A Poste de concreto de seção DT 25

26 Tabela 09 Estrutura CE1A Lista de materiais 5.3 CE2 Estrutura para Vãos com Deflexões de 6 a 60 Figura 14 Estrutura CE2 Poste de concreto de seção circular 26

27 Esta estrutura é utilizada para vão em deflexão com ângulo compreendido entre 6 e 60 Figura 15 Estrutura CE2 Poste de concreto de seção DT 27

28 Tabela 10 Estrutura CE2 Listas de Materiais 5.4 CE3 Estrutura para Fim de Rede Figura 16 Estrutura CE3 Poste de Concreto Circular 28

29 Nota1 Esta estrutura é utilizada para fim de rede e deve ser instalada com pára-raios. Apenas em derivações e nos casos estabelecidos no item 5.4, a estrutura CE3 pode ser instalada sem pára-raios. Nota 2 Deverá ser feita recomposição da cobertura nas pontas dos cabos conforme 6.1. Figura 17 Estrutura CE3 Poste de concreto de seção DT 29

30 Tabela 11 Estrutura CE3 Poste de concreto de seção DT 5.5 CE4 Estrutura para Vão com Deflexões de 60 a 90 ou Ancorado Figura 18 Estrutura CE4 Poste de concreto de seção circular Nota 1 Esta estrutura é utilizada para vão em deflexão com ângulo compreendido entre 60 e 90 ou para ancorar a rede primária, se necessário. Nota 2 No caso de deflexão externa (ângulo oposto do poste), os isoladores tipo pino poliméricos das fases mais afastadas dos postes podem ser eliminados. 30

31 Figura 19 Estrutura CE4 Poste de concreto de seção DT Tabela 12 Estrutura CE4 Lista de materiais 31

32 5.6 CE3-CE3 Estrutura para Deflexões Maiores que 90 Figura 20 Estrutura CE3-CE3 Poste de concreto de seção circular Esta estrutura é utilizada para deflexões maiores que 90 32

33 Figura 21 Estrutura CE3-CE3 Poste de concreto de seção DT Tabela 13 Estrutura CE3-CE3 Lista de materiais 33

34 5.7 CE2.3 Estrutura de Derivação para o Mesmo Lado da Rede Figura 22 Estrutura CE2.3 Poste de concreto de seção circular Quando for utilizada porca-olhal inserir uma cinta para poste circular e 3 porcas-olhal na lista de material. 34

35 Figura 23 Estrutura CE2.3 Poste de concreto de seção DT Tabela 14 Estrutura CE2.3 Lista de materiais 35

36 5.8 CE2-CE3 CF Estrutura de Derivação com Chave Fusível Figura 24 Estrutura CE-2-CE-3 CF Poste de concreto de seção DT 36

37 Esta estrutura é limitada a derivações com corrente máxima de 50ª. Para correntes superiores, substituir o grampo de linha viva e o conector estribo por conector cunha (O-1) adequado, recompondo-se a cobertura após a instalação. Tabela 15 Estrutura CE2-CE3 CF - Lista de materiais 5.9 CE-PR Estrutura para Instalação de Pára-Raios CE-PR O protetor de estribo deve ser utilizados em áreas com arborização intensa ou sujeita a contato eventuais de pássaros, conforme item 6.1. Figura 25 Estrutura CE-PR Poste de concreto de seção circular 37

38 Deve ser feita recomposição da cobertura do cabo conforme 6.1. Tabela 16 Estrutura CE-PR Lista de materiais 5.10 CE-FA Estrutura para Instalação de Chaves Faca Figura 26 Estrutura CE-FA Poste de concreto de seção circular 38

39 Esta estrutura deve ser utilizada para instalação de chaves da faca em tangente ou deflexões máximas de até 6. Para deflexões maiores, substituir o braço L por olhal e encabeçar o cabo mensageiro como dois fins de linha. A ancoragem do cabo coberto pode ser efetuada de duas maneiras: com alça pré-formada de distribuição e manilha-sapatilha, e neste caso deve-se desconsiderar o grampo de ancoragem polimérico e vice-versa. Os isolador de ancoragem poliméricos devem ser sempre de 35 kv para esta estrutura. A utilização dos adaptadores estribos é obrigatória nesta estrutura e utilizada, por exemplo, para conexão do aterramento temporário ou by-pass da seccionadora para manutenção com a rede energizada. Tabela 17 Estrutura CE-FA Lista de materiais 39

40 5.11 CE-TR Estrutura para Instalação de Transformador Trifásico Convencional Figura 27 Estrutura CE-TR Poste de concreto de seção circular Nota 1 O material FC-10 pode ser substituído por cruzeta, instalada com mão francesa perfilada e sela. Nota 2 Para conexão do transformador pode ser utilizado conector cunha de derivação com grampo de linha viva ou conector cunha de alumínio, com recomposição da cobertura. 40

41 Nota 3 No conjunto cinta para poste de concreto circular foi considerado duas meias cintas e dois parafusos com as respectivas porcas de fixação. Nota 4 Quando o transformador tiver suporte pára-raios fixado no tanque, devem ser instalados pára-raios direto no suporte. Nota 5 Em áreas não arborizadas a ligação da chave fusível ao transformador pode ser feita com cabo nu. Nota 6 Quando o transformador não possuir suporte para pára-raios no tanque, o pára-raios deve ser instalado cruzeta (R) ou suporte afastador horizontal (FC-10). Tabela 18 Estrutura CE-FA Lista de materiais 41

42 5.12 CE3-TR Estrutura para instalação de Transformador Trifásico Convencional em Fim de Rede Figura 28 Estrutura CE3-TR Poste de concreto de seção circular O material FC-10 pode ser substituído por cruzeta, instalada com mão francesa perfilada e sela. Para conexão do transformador pode ser utilizado conector cunha de derivação com grampo de linha viva ou conector cunha de alumínio, com recomposição da cobertura. No conjunto cinta para poste de concreto circular foi considerado duas meias cintas e dois parafusos com as respectivas porcas de fixação. Quando o transformador tiver suporte pára-raios fixado no tanque, devem ser instalados pára-raios direto no suporte. Em áreas não arborizadas a ligação da chave fusível ao transformador pode ser feita com cabo nu. Quando o transformador não possuir suporte para pára-raios no tanque, o pára-raios deve ser instalado cruzeta (R) ou suporte afastador horizontal (FC-10). 42

43 Tabela 19 Estrutura CE3-TR Lista de materiais 43

44 5.13 CE2-N3 CF Estrutura de Transição de Rede Compacta para Ramal Convencional Figura 29 Estrutura CE2-NE CF Poste de Concreto de seção circular 44

45 O desenho do isolador de ancoragem da rede convencional é apenas representativo. Deve ser utilizado o isolador de ancoragem polimérico padronizado pela Iguaçu Energia. A utilização do gancho no isolador de ancoragem é facultativa. Em áreas arborizadas pode ser utilizado cabo convencional (nu) para ligação do grampo de linha viva à chave fusível. Esta estrutura é limitada a derivações com corrente máxima de 50A. Para correntes superiores, substituir o grampo de linha viva e o conector por conector cunha (O-1) adequado, recompondo-se a cobertura após a instalação. Figura 30 Estrutura CE2-N3 CF Estrutura de concreto seção DT 45

46 Tabela 20 Estrutura CE3-TR Lista de materiais 46

47 5.14 CE3.N3 FA Estrutura de Transição com Chave Faca Figura 31 Estrutura de Transição com chave faca Na relação de material somentes estão listados os materias da rede primária. A ancoragem do cabo coberto pode ser efetuada de duas maneiras: com alça pré-deformada de distribuição e manilha-sapatilha, e neste caso deve-se desconsiderar o grampo de ancoragem polimérico e vice-versa. A alça pré-formada para cabo mensageiro é a mesma padronizada pela ABNT como alça pré-formada de estai (M2). 47

48 No conjunto cinta para poste de concreto circular foi considerado duas meias cintas e dois parafusos com as respectivas porcas de fixação. O desenho do isolador de ancoragem da rede convencional é apenas representativo. Deve ser utilizado o isolador padronizado pela Iguaçu Energia, neste caso, o polimérico. A utilização do gancho no isolador de ancoragem é facultativa. Tabela 21 Estrutura de Transição com chave faca Lista de Materias 48

49 5.15 CE3.N3 PR Estrutura de Transição sem Chave Faca Figura 32 Estrutura CE3.N3-PR Poste de concreto de seção veicular Devem ser instalados pára-raios em toda transição da rede. 49

50 Figura 33 Estrutura CN3.N3-PR Poste de concreto de seção duplo T 50

51 5.16 CE2- SH Estrutura com Suporte Horizontal Tabela 22 Estrutura CN3.N3-PR Lista de materiais Figura 34 Estrutura CE2-SH Poste de concreto de seção circular 51

52 A montagem da estrutura CE2, com suporte horizontal é utilizada para facilitar conexões em uma derivação ou instalação de equipamentos, por exemplo, chave faca NA para manobra de alimentadores. Figura 35 Estrutura CE2-SH Poste de concreto de seção duplo T 52

53 6. AMARRAÇÕES E CONEXÕES 6.1 DISPOSIÇÕES GERAIS As amarrações utilizadas são seguintes: Tabela 23 Estrutura CE2-SH Lista de materiais a) Anel de amarração elastomérico para espaçadores (cabo coberto e mensageiro); b) Grampo de ancoragem polimérico (cabo coberto); c) Alça pré-formada (cabo de aço); d) Anel de amarração elastomérico para isolador tipo polimérico. A ancoragem do cabo coberto deverá ser feita com o grampo de ancoragem polimérico. Caso seção do cabo coberto seja maior que seção aceita pelo grampo, alternativamente e após consulta à Iguaçu Energia, a ancoragem poderá ser feita com alça pré-formada de distribuição própria para cabos cobertos. Nos casos onde a conexão é realizada com conector derivação estribo e grampo de linha viva, se a área estiver sujeita a toques acidentais ou intensa arborização, deve ser utilizado o protetor de estribo e grampo de linha viva. Figura 36 Protetor de estribo e grampo de linha viva 53

54 Recomposição da cobertura: - Aplicar massa para isolamento elétrico uniformizado a superfície do cabo juntamente com o conector tipo cunha. Figura 37 Reconstituição da cobertura aplicação de massa para isolamento elétrico para uniformização da superfície da conexão - Aplicar 3 camadas de fita elétrica isolante de alta tensão com superposição de 50% da largura, restabelecendo a cobertura protetora do cabo; Figura 38 Reconstituição da cobertura aplicação da fita elétrica auto-aglomerante de alta tensão para restabelecimento da cobertura isolante - Aplicar em seguida fita isolante com superposição de 50% da largura, resistente a radiação ultravioleta; trilhamento elétrico e à abrasão de galhos de árvores. 54

55 Figura 39 Reconstituição da cobertura aplicação da fita adesiva isolante para acabamento sobre a fita autoaglomerante de alta tensão 6.2 ISOLADOR TIPO PINO POLIMÉRICO a) Isolador Tipo Pino Polimérico com Anel de Amarração Figura 40 Isolador polimérico com anel no topo b) Isolador Tipo Pino Polimérico com Anel na Lateral Figura 41 isolador polimérico com anel na lateral 55

56 c) Anel de Amarração Deve ser de silicone que atende as características mecânicas, resistências aos raios ultravioletas, trilhamento elétrico e intempéries. Figura 42 Anel de Amarração 6.3 ESPAÇADORES Figura 43 Espaçador e separador polimérico a) Amarração do mensageiro nos espaçadores; Figura 44 Espaçador e separador polimérico com pré-formado metálico 56

57 Figura 45 Espaçador e separador polimérico com anel Figura 46 Espaçador e separador polimérico com fio de alumínio nu b) Fixação do espaçador e separador polimérico no estribo; Figura 47 Espaçador e separador polimérico com anel 57

58 6.4 ANCORAGEM Ancoragem do cabo de alumínio coberto e cabo mensageiro Figura 48 Ancoragem simples Sem e com gancho olhal cabo de alumínio coberto As dimensões e número de saias do isolador são apenas representativa. Utilizando ou não o gancho, nos dois casos devem ser utilizados o isolador padronizado para a classe de tensão da rede. Figura 49 Ancoragem simples cabo mensageiro 58

59 Figura 50 Ancoragem dupla Sem e com gancho olhal cabo de alumínio coberto Nota Evitar o seccionamento do cabo quando os cabos forem da mesma seção. Figura 51 Ancoragem dupla cabo mensageiro 59

60 6.5 DERIVAÇÃO Figura 52 Derivações cabo de alumínio coberto Figura 53 Derivações cabo mensageiro 60

61 7. ATERRAMENTO O mensageiro da rede compacta deve ser interligado ao neutro da rede secundária nas estruturas em que haja aterramento. Nos casos em que haja apenas rede primária, esta deve ser acompanhada por um condutor neutro. 7.1 Aterramento do Mensageiro ao Longo da Rede Este tipo de aterramento deverá ser utilizado para aterrar o mensageiro a cada 200m de rede compacta, onde não existia outro aterramento. Se houber estai no poste, interligá-lo ao cabo de descida do aterramento; O cabo de descida deve ser interligado ao neutro da baixa tensão; Em poste de concreto a ser instalado, passar o condutor de aterramento por dentro do poste, deixando os pontos acessíveis para o aterramento. O tubo de proteção só deve ser orçado se o poste for engastado com base concretada. Figura 54 Aterramento do mensageiro ao longo da rede 61

62 7.2 Aterramento de Pára-Raios Figura 55 aterramento de pára-raios 62

63 7.3 Aterramento de Pára-Raios em estrutura tipo CE3 Figura 56 Aterramento de Pára-raios em Estrutura tipo CE3 63

64 7.4 Aterramento de Pára-Raios instalado no Tanque do Transformador Figura 57 Ligação dos pára-raios instalados no tanque do transformador 64

65 8. CRUZAMENTO AÉREO No cruzamento aéreo interligado com rede primária nua, a rede compacta deve ser posicionada em nível superior, efetuando-se as ligações com o cabo coberto e observando-se a distância mínima entre circuitos definida no capítulo de afastamentos mínimos. No cruzamento de cabos de seções diferentes, o cabo de maior seção deve cruzar por cima do de menor seção e o cabo de ligação deve ser o menor seção. O projetista deve, sempre que possível, evitar o cruzamento aéreo em redes compactas. Figura 58 Cruzamento áereo Rede compacta x Rede compacta 65

66 Figura 59 Cruzamento aéreo Cabo coberto 66

67 Figura 60 Cruzamento aéreo - Mensageiro 9. ESTRUTURAS PARA REDES MONOFÁSICAS a) São apresentadas as estruturas básicas para redes compactas. Para derivações devem-se combinar as estruturas, respeitando-se os afastamentos mínimos exigidos. Para instalação de equipamentos, deve-se utilizar a estrutura monofásica básica, complementada pelo padrão de instalação de equipamentos da rede trifásica. b) Os desenhos indicam estruturas montadas em poste de concreto duplo T. Podem ser utilizados também postes de concreto circular para as montagens. c) O poste de concreto duplo tipo T deve ser montado de forma que a força resultante seja aplicada em sua face de maior resistência. O poste deve ser dimensionado para suportar o esforço resultante da estrutura montada. d) Para estrutura UC4, ângulos menores, é necessária a aplicação de um braço L com isolador de pino polimérico (semelhante à estrutura UC2), com o intuito de garantir os afastamentos mínimos. 67

68 Figura 61 (a) Espaçador vertical em rede monofásica (b) Espaçador monofásico 9.1 Estrutura UC1A Esta estrutura é utilizada para vão em tangência ou com ângulo de deflexão máximo 6. Para vãos longos (acima de 40 metros) e com deflexão até 6, deve-se calcular o esforço máximo provocado no braço anti-balanço de forma a garantir sua suportabilidade. 68

69 Figura 62 Estrutura UC1A Tabela 23 Estrutura UC1A Listas de materiais 69

70 9.2 Estrutura UC2 Esta estrutura é utilizada para vão em deflexão com ângulo compreendido entre 6 e 60 Para vãos longos (acima de 40 metros) deve-se calcular o esforço máximo provocado no pescoço do isolador para dimensionar o ângulo máximo. Para cabos de bitolas menores, o cálculo pode resultar ângulos maiores que 60. Figura 63 Estrutura UC2 70

71 Tabela 24 Estrutura UC2 Lista de materiais 9.3 Estrutura UC3 Esta estrutura é utilizada em fins de rede e é obrigatório o uso de pára-raios; A conexão do pára-raios deve ser feita com conector cunha (com ou sem estribo) e a cobertura deve recomposta. O mensageiro deve ser aterrado no fim de rede. Figura 64 - Estrutura UC3 71

72 Tabela 25 Estrutura UC3 Lista de materiais 72

73 9.4 Estrutura UC4 Esta estrutura é utilizada para vão em deflexão com ângulo compreendido entre 60 e 90 ou para ancorar a rede primárica, se necessário. Para esta estrutura, em ângulos menores, é necessária a aplicação de um braço L com isolador de pino polimérico (semelhante à estrutura UC2), com o intuito de garantir os afastamentos mínimos. Figura 65 - Estrutura UC4 73

74 Tabela 26 Estrutura UC4 Lista de materiais 74

75 ANEXOS 75

76 76

77 77

78 78

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ASPECTOS GERAIS... 2 3. EXCEÇÕES... 2 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estrutura CE2H TR (2º Nível) Poste de Concreto de Seção Circular 7. Estrutura CE2H

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CABOS COBERTOS FIXADOS EM ESPAÇADORES APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CABOS COBERTOS FIXADOS EM ESPAÇADORES APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Amarrações SEÇÃO 6 Cruzamentos SEÇÃO 7 Conexões e Emendas SEÇÃO

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES 3$'5 2'((6758785$6 '(/,1+$6(5('(6 PARTE 1 ASPECTOS GERAIS INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras ASPECTOS GERAIS PARTE

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO Página 1. OBJETIVO 4 2. APLICAÇÃO 4 3. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 5

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-31/10/2013 05/11/2013 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI DTES-ES SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas. Norma. Revisão 03 07/2014 NORMA ND.12

Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas. Norma. Revisão 03 07/2014 NORMA ND.12 Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas Norma 07/2014 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Rua Ary Antenor de Souza, 321 Jd. Nova

Leia mais

ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREAS PRIMÁRIAS COMPACTAS PROTEGIDAS

ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREAS PRIMÁRIAS COMPACTAS PROTEGIDAS DIRETORIA TÉCNICA - TE SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - TPE GERÊNCIA DE PADRONIZAÇÃO - TPPA Assunto: MONTAGEM ELETROMECÂNICA Título: ESTRUTURAS PARA REDES COMPACTAS PROTEGIDAS PT.RD.06.002

Leia mais

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS 1- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Convencional Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 13 2- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Compacta Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 2 de

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COMPACTA PROTEGIDA CLASSE 15 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA página APRESENTAÇÃO 1. OBJETIVO...03 2. CAMPO DE APLICAÇÃO...03

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-17/09/2012 22/10/2012 ENGENHARIA E SISTEMAS TÉCNICOS (DTES-ES) APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI (DTES-ES) SUMÁRIO

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA, URBANA COM CABOS COBERTOS EM ESPAÇADORES CLASSE 15 kv página APRESENTAÇÃO 1. OBJETIVO...03 2.

Leia mais

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda.

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. NORMA PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA REDE DE DISTRIBUIÇÃO SECUNDÁRIA BT MULTIPLEXADA 1ª edição Versão 1.0 out/09 [Digite texto] MEDIDAS DE CONTROLE Revisão:

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO Código: 0 RES nº 085/2012, Página 1 RES nº 085/2012, ÍNDICE CAPÍTULOS Página 1. OBJETIVO 4 2. APLICAÇÃO 4 3. CONCEITOS 5 4. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 6 4.1 Notas Gerais 6 4.2 Condutores e Edificações 7 4.3

Leia mais

PD-4.009. Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia

PD-4.009. Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia PD-4.009 Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia PD-4.009 Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV ELABORADO

Leia mais

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS 11 metros = 150 12 metros = 150 450 1000 máximo 11 metros = 850 12 metros = 1450 800 450 450 11 metros = 1700 12 metros = 1800 11 ou 12 metros 100 11 metros = 1300 12

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO COMPACTA (REDE COMPACTA SPACER CABLE) VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3

Leia mais

NORMA TÉCNICA. NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

NORMA TÉCNICA. NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv. Cuiabá Mato Grosso - Brasil NORMA TÉCNICA NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv Cuiabá Mato Grosso - Brasil APRESENTAÇÃO 1- OBJETIVO...04 2- CAMPO DE APLICAÇÃO...04

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Condições Gerais 5. Requisitos Ambientais 6. Lançamento de Condutores 7. Fixação Definitiva do Condutor 8. Identificação de Fases

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NDU-010 VERSÃO 3.1 JUNHO/2013 SUMÁRIO Item Descrição Classe Desenho 1. Haste de Aço-Cobre para Aterramento...

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2 NORMA TÉCNICA CELG Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição NTC-18 Revisão 2 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE ITA - 006 Rev. 0 Setembro / 2003 Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA I-313.0021 CRITÉRIOS PARA UTILIZAÇÃO

Leia mais

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI 1 - NOME DO CURSO: Projetos de RDI / RDP: RDI: Redes de Distribuição Aéreas Isoladas; RDP: Redes de Distribuição Aéreas Protegidas (Compactas). 2 - ÁREA: Eletrotécnica Sub

Leia mais

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV ÍNDICE APRESENTAÇÃO....2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE... 3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-CONDUTORES...4 6-PROCEDIMENTOS...5 6.1- Afastamentos padronizados...5 6.2-Engastamento

Leia mais

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES ANEXO II ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES A descrição das atividades tem como propósito facilitar o relacionamento entre a CONTRATANTE e a CONTRATADA, na medida em que visa

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE DOCUMENTO NORMATIVO CRITÉRIO DE PROJETO DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE Código Página Revisão Emissão CP 015 I 1 JAN/2004 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 2.0

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 2.0 NTD 2.0.07 REDES SECUNDÁRIAS ISOLADAS RSI PADRÕES BÁSICOS DE 5ª EDIÇÃO AGOSTO-2011 DIRETORIA DE ENGENHARIA SUPERINTENDENCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA 1/34 NORMA TÉCNICA

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 NORMA TÉCNICA CELG Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TIPOS

Leia mais

ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO

ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO ATIVIDADES DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO ANEXO III 1. ATIVIDADES DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA (FATORES BÁSICOS GLOBAIS) Poste a Instalar Completo: Corresponde à instalação de um poste equipado, podendo incluir

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA NTD-14 NTD 14 MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA CONTROLE DE VERSÕES NTD-14 - MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Nº.: DATA VERSÃO 1 13/07/4 0 2 03/9 1 NTD 14 MONTAGEM

Leia mais

SISTEMA DE DOCUMENTOS NORMATIVOS SUBSISTEMA DE NORMAS TÉCNICAS

SISTEMA DE DOCUMENTOS NORMATIVOS SUBSISTEMA DE NORMAS TÉCNICAS APRESENTAÇÃO...4 1 OBJETIVO...3 2 AMPLITUDE...3 3 RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4 CONCEITUAÇÃO...3 4.1 REDE DE DISTRIBUIÇÃO...3 4.2 REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA RDU...3 4.3 REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior Projeto de Rede de Distribuição Aérea Compacta - 13,8kV Processo Planejar, Ampliar e Melhorar a Rede Elétrica Atividade Elaborar Projetos e Orçamentos / Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.03-00.05

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE DT-144/2013 DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00 INSTALAÇÃO DE CAIXA DE PROTEÇÃO SECUNDÁRIA NA REDE DE BAIXA TENSÃO FOLHA DE CONTROLE DECISÃO TÉCNICA INSTALAÇÃO

Leia mais

CABOS ISOLADOS / COBERTOS DE BAIXA TENSÃO (até 1kV) Nota: Sob consulta, os cabos Forex, Flexonax, Forenax, Forefix podem ser fornecidos com armadura Fio e Cabo WPP Cordão FOREPLAST (300 V) Os fios WPP

Leia mais

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO Exigências Mínimas 1 Objetivo Estabelecer as condições mínimas para construção de postes de concreto armado ou concreto protendido, destinados à utilização em entradas de serviço de unidades consumidoras,

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO PROTEGIDAS

VIABILIDADE ECONÔMICA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO PROTEGIDAS VIABILIDADE ECONÔMICA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO PROTEGIDAS Mário Lúcio de Sales Brito 1, Pedro Mendes Castro 2 O objetivo deste estudo é demonstrar que a utilização generalizada das Redes Protegidas é viável

Leia mais

CONTRATAÇÃO DO MÊS DE MARÇO 2013

CONTRATAÇÃO DO MÊS DE MARÇO 2013 GÃO ELETRONICO 000/0 999/0 0/0/0 MESES ATÉ 0/0/ JOÃO DE BARRO COMÉRCIO E SERVIÇOS LTDA - ME FORNECIMENTO DE RECARGAS DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO GLP, EM RECIPIENTES (BOTIJAS) DE CAPACIDADE KG E 0KG.9,00.9,00

Leia mais

NORMA TÉCNICA PADRÃO DE ESTRUTURAS DE REDE AÉREA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEX NTD-07

NORMA TÉCNICA PADRÃO DE ESTRUTURAS DE REDE AÉREA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEX NTD-07 NORMA TÉCNICA PADRÃO DE ESTRUTURAS DE REDE AÉREA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEX NTD-07 PÁG. APRESENTAÇÃO... 0/55. OBJETIVO... 0/55. AMPLITUDE... 0/55. RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO... 0/55 4.

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas de Transição Rede Compacta Rede Nua com Para-Raios 6.1. Estrutura CE3.N3

Leia mais

PROJETO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Cliente: FRADEMIR ANTÔNIO DE ALCANTES Endereço: RUA NORBERTO RADUENZ TESTO CENTRAL POMERODE - SC

PROJETO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Cliente: FRADEMIR ANTÔNIO DE ALCANTES Endereço: RUA NORBERTO RADUENZ TESTO CENTRAL POMERODE - SC Título: PROJETO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA REDE COMPACTA DE MÉDIA TENSÃO LOT FRADEMIR ANTÔNIO DE ALCANTES MEMÓRIA DE CÁLCULO Cliente: FRADEMIR ANTÔNIO DE ALCANTES Endereço: RUA NORBERTO

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA DSEE 11/12/2014 DATA SUMÁRIO

Leia mais

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea ITEM DESCRIÇÃO QUANT. 1.00 REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.1 Cabo de alumínio com alma de aço (CAA), seção 4/0, diâmetro externo

Leia mais

NTD-12 MONTAGEM DE REDES AÉREAS SECUNDÁRIAS ISOLADAS COM CABOS MULTIPLEXADOS

NTD-12 MONTAGEM DE REDES AÉREAS SECUNDÁRIAS ISOLADAS COM CABOS MULTIPLEXADOS NTD-1 APRESENTAÇÃO 4 1. OBJETIVO 5. AMPLITUDE 5 3. RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO 5 4. CONCEITUAÇÃO 5 4.1. REDE DE DISTRIBUIÇÃO 5 4.. REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA RDU 5 4.3. REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Acessórios Desconectáveis 200A

Acessórios Desconectáveis 200A 200A APLICAÇÃO Os Acessórios da Prysmian possuem uma concepção de projeto baseada no sistema plugue - tomada, porém para tensões, permitindo fácil conexão e desconexão de um cabo de potência, de um equipamento,

Leia mais

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Normas CEMIG ND2.1 - Instalações Básicas de Redes de Distribuição Áreas Urbanas ND3.1 - Projetos de Redes de Distribuição Aéreas Urbanas RDU Rede de Distribuição

Leia mais

PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL

PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL PADRÃO DE ESTRUTURA PE 031 R 03 REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DE ENERGIA ELÉTRICA URBANA E RURAL DOCUMENTO NORMATIVO Código PADRÃO DE ESTRUTURA PE - 031 Página I REDE PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior Projeto de Rede de Distribuição Aérea Compacta - 13,8kV Processo Planejar, Ampliar e Melhorar a Rede Elétrica Atividade Elaborar Projetos e Orçamentos / Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.03-00.05

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0078 REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

Leia mais

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS NORMA TÉCNICA NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS Cuiabá Mato Grosso - Brasil INDICE 1 OBJETIVO...03

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011 Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/10/2011 18/10/2011 ELABORAÇÃO Marcelo Poltronieri SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica CEMAR NORMA DE PROCEDIMENTOS Função: Área: Processo: Código: Técnica Técnica Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica NP-12.306.02 Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-042/2013 R-06

DECISÃO TÉCNICA DT-042/2013 R-06 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE /2013 DECISÃO TÉCNICA /2013 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R- define critérios de utilização de condutores, isoladores,

Leia mais

RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - REDE DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV REDE SUL / SUDESTE

RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - REDE DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV REDE SUL / SUDESTE RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV SUL / SUDESTE AFASTADOR, ARMACAO SECUNDARIA, ACO CARBONO 1010-1020, ZINCADO A QUENTE, DIMENSOES: 1000 X700 10002599 MM, 4 FUROS, NORMAS

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/01/2013 29/01/2013 APROVADO POR SEBASTIÃO J. SANTOLIN - DTES- SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Compartilhamento de Postes da Rede de Energia Elétrical Processo Planejar, Ampliar e Melhorar o Sistema Elétrico Atividade Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.02-01.015 2ª Folha 1 DE 15 16/10/2008

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO www.celesc.com.br PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DOP

DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DOP ANEXO IX GLOSSÁRIO 1. GLOSSÁRIO RELACIONADO À SEGURANÇA NO TRABALHO Acidente sem vítima: é aquele que provoca efeitos negativos ao patrimônio, tais como: Danos a equipamentos importantes do sistema elétrico

Leia mais

NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO

NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO Prof. Pedro Armando da Silva Jr. Engenheiro Eletricista, Dr. pedroarmando@ifsc.edu.br DESENERGIZAÇÃO A desenergização é um conjunto de ações coordenadas, sequenciadas

Leia mais

- verificar a adequação de novos sistemas e a precisão dos seus projetos;. - detectar as alterações naturais ou provocadas em sistemas existentes;

- verificar a adequação de novos sistemas e a precisão dos seus projetos;. - detectar as alterações naturais ou provocadas em sistemas existentes; 1. OBJETIVO Estabelecer os procedimentos a serem seguidos nas medições das resistências de sistemas de aterramento instalados na rede de distribuição. Essas medições são necessárias para: - verificar a

Leia mais

DEPARTAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO

DEPARTAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO 1 OBJETIVOS Esta norma estabelece os requisitos, condições técnicas mínimas e os procedimentos a serem seguidos na elaboração e apresentação de projetos de compartilhamento de infraestrutura das redes

Leia mais

Conferência do Projeto

Conferência do Projeto 214-DPDORC4 22/4/214 1 de 5 12/2/214 1:3.7 CARACTERIZAÇÃO Data Projeto Nº Pedido Finalidade 16/7/213 Título Implantação de SE Descrição da Obra: Tipo da Obra: IMPLANTAÇÃO EXPANSÃO DA REDE ELÉTRICA (ALTA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. PROPRIETÁRIO: IFSULDEMINAS - Câmpus Muzambinho.. Estrada de Muzambinho, km 35 - Bairro Morro Preto.

MEMORIAL DESCRITIVO. PROPRIETÁRIO: IFSULDEMINAS - Câmpus Muzambinho.. Estrada de Muzambinho, km 35 - Bairro Morro Preto. MEMORIAL DESCRITIVO ASSUNTO: Projeto de adaptação de rede de distribuição de energia elétrica urbana em tensão nominal primária de 13.8KV e secundária de 220/127V, com 02 postos de transformação de 75KVA

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

Rémy da SILVA / Jean-Marie LEPRINCE. 04 de setembro de 2013 Alain Doulet- ERDF I

Rémy da SILVA / Jean-Marie LEPRINCE. 04 de setembro de 2013 Alain Doulet- ERDF I Trabalhos seguros em linha viva de Media Tensão Rémy da SILVA / Jean-Marie LEPRINCE 04 de setembro de 2013 Alain Doulet- ERDF I 1 Introdução A ERDF desenvolve trabalhos em linha viva desde os anos 60.

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA Outubro 2008 Companhia Energética de Alagoas-CEAL Superintendência de Projetos e Obras-SPP Gerencia de Projetos e Obras

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.01.01 CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS. Sumário

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.01.01 CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS. Sumário 1. Objetivo... 6 2. Aplicação... 6 3. Documentos de referência... 6 4. Obtenção de dados preliminares... 6 4.1. Características do projeto... 6 4.1.1. Localização... 6 4.1.2. Tensão de operação... 6 4.1.3.

Leia mais

TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS

TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS TABELA DE REMUNERAÇÃO DOS SERVIÇOS ANEXO II 1. REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA (RDU) Os serviços de Melhoria e Ampliação de Rede de Distribuição Urbana executados conforme projeto executivo elaborado serão

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI. Índice:

MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI. Índice: MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI Índice: 1 - Generalidades 2 - Rede aérea de Alta Tensão 3 - Rede Secundária 4 - Aterramentos 5 - Posto de Transformação

Leia mais

1. FINALIDADE... 3 2. CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3. RESPONSABILIDADES... 4 4. DEFINIÇÕES... 5 5. REFERÊNCIAS... 9 6. CRITÉRIOS GERAIS...

1. FINALIDADE... 3 2. CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3. RESPONSABILIDADES... 4 4. DEFINIÇÕES... 5 5. REFERÊNCIAS... 9 6. CRITÉRIOS GERAIS... 29/04/2014 1 de 1 SUMÁRIO 1. FINALIDADE... 3 2. CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3. RESPONSABILIDADES... 4 4. DEFINIÇÕES... 5 5. REFERÊNCIAS... 9 6. CRITÉRIOS GERAIS... 11 6.1 Generalidades... 11 6.2 Topologia

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito Instalações Elétricas Prediais -É a Ligação intencional de um condutor à terra. -Significa colocar instalações de estruturas metálicas e equipamentos elétricos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações ID-4.044 Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações Diretoria de Engenharia Gerência de Serviços Técnicos ELABORADO: Luiz Eduardo R. Magalhães Gerência

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 Página 1 de 13 COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 PADRÃO DE ENTRADA INDIVIDUAL ECONÔMICO COM POSTE DE AÇO E CAIXA DE POLICARBONATO TIPO PP Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PADRÃO ANTIFURTO COPEL

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PADRÃO ANTIFURTO COPEL XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PADRÃO ANTIFURTO COPEL HILDAMARA BRONDANI COELHO EDSON BENEDITO CÉSAR COPEL- COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA Palavras-chave: furto, padrão, cabo

Leia mais

Título do Documento: Rede Multiplexada de Baixa Tensão: Estruturas e Projetos Tipo: FECO-D-07 Norma Técnica e Padronização

Título do Documento: Rede Multiplexada de Baixa Tensão: Estruturas e Projetos Tipo: FECO-D-07 Norma Técnica e Padronização Tipo: Norma Técnica e Padronização REDE MULTIPLEXADA DE BAIXA TENSÃO: ESTRUTURAS E PROJETOS LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Instalação básica... 43 Figura 2 Estruturas tangentes SI 1... 44 Figura 3 Estrutura

Leia mais

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS NORMA TÉCNICA NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS Cuiabá Mato Grosso - Brasil INDICE 1 OBJETIVO...03

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0085 ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA ENTRADA CLIENTE. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA ENTRADA CLIENTE. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Ramal de Entrada Subterrâneo 6.1. CE2H ES Poste de Concreto de Seção Circular 6.2.

Leia mais

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II Informações sobre este material didático: Edição: 1ª Edição Data da versão: 30/12/2006 Autor(es): Bruno Campos Pedroza, DSc Professor

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028 MONTAGEM DE S PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA, RURAL, COM CONDUTORES NUS - 13,8 E 34,5 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA INDICE 1- OBJETIVO...

Leia mais

Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS

Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS O que é? É um Dispositivo de Proteção contra Surtos Elétricos (DPS) para uso em redes de distribuição de energia elétrica de baixa

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS Referência: Projeto: Data: MD-SPDA CER - BRASIL OUTUBRO/2013 SUMÁRIO 1 GENERALIDADES 2 DESCRIÇÃO DO PROJETO 3

Leia mais

PD-4.003. Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia

PD-4.003. Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia PD-4.003 Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia Da Distribuição PD-4.003 Redes de Distribuição Aérea Urbana

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro.

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro. e MANUAL TÉCNICO ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR e ANDAIME TUBULAR Objetivo Estabelecer os procedimentos que devem ser obedecidos na liberação de montagem / desmontagem de andaimes com a finalidade de

Leia mais

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. ANEXOS 6. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO Página 2 de 1. OBJETIVO Esta norma estabelece as condições exigíveis

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais