NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 2.0

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 2.0"

Transcrição

1 NTD REDES SECUNDÁRIAS ISOLADAS RSI PADRÕES BÁSICOS DE 5ª EDIÇÃO AGOSTO-2011 DIRETORIA DE ENGENHARIA SUPERINTENDENCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA

2 1/34 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 2.07 AGO/2011 Colaboração: Eleomar da Silva Ferreira Kamila Franco Paiva Raimundo Luiz Andrade Silva Ricardo Bernardo da Silva Rodrigo Neiva Carvalho Sérgio Luiz Porto do Amaral

3 2/34 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO CAMPO DE APLICAÇÃO TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES Acessada: Acessantes: Barramento da rede secundária Barramento do transformador Cabo aéreo Isolado Cabo de aço zincado Cabo multiplexado Cabo nu Estribo Flexível (bigode) Mensageiro Neutro Auxiliar Neutro Contínuo Ponto de Conexão PRODIST Procedimentos de Distribuição Ramal de Entrada Ramal de Ligação ou Ramal de Conexão: Rede Secundária Isolada - RSI Redes e Linhas de Distribuição Aéreas Primárias Compactas (RLDC) AFASTAMENTOS MÍNIMOS PERMITIDOS AFASTAMENTOS MÍNIMOS ENTRE CIRCUITOS DA RSI, CIRCUITOS PRIMÁRIOS E DE COMUNICAÇÕES ALTURAS MÍNIMAS ENTRE CONDUTORES DA RSI E DE COMUNICAÇÃO EM RELAÇÃO AO SOLO AFASTAMENTOS MÍNIMOS ENTRE CONDUTORES DA RSI E AS EDIFICAÇÕES CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CONSIDERAÇÕES GERAIS CONDUTORES PADRONIZADOS INSTALAÇÃO BÁSICA COM ARMAÇÃO SECUNDÁRIA NEUTRO AUXILIAR CONEXÕES ELÉTRICAS CONECTORES PADRONIZADOS CONSIDERAÇÕES GERAIS CONEXÃO NA BUCHA SECUNDÁRIA DO TRANSFORMADOR CONEXÃO DO BARRAMENTO DO TRANSFORMADOR À RSI CONEXÃO DO RAMAL DE LIGAÇÃO À RSI ESTRIBO FLEXÍVEL ISOLAÇÃO DE CONEXÕES ENCABEÇAMENTOS ATERRAMENTOS ESTRUTURAS BÁSICAS ESTRUTURA SI-1 Estrutura em tangência ou ângulo até 60º ESTRUTURA SI-2 - Estrutura com duplo encabeçamento de RSI e mudança de bitola ou seccionamento ESTRUTURA SI-3 Estrutura com encabeçamento de RSI ESTRUTURA SI-4 Estrutura em tangência ou ângulo até 90 0, com derivação simples ESTRUTURA SI-5 - Flying-Tap com conexão (cruzamento de circuito com conexão no meio do vão) ESTRUTURA SI-6 Flying-Tap sem conexão (cruzamento de circuitos sem conexão no meio do vão) ESTRUTURA SI-7 Ligação de transformador à RSI ESTRUTURA SI Transição de rede aérea convencional para rede isolada...29 ANEXO ANEXO

4 3/34 1. INTRODUÇÃO As informações contidas nesta norma foram elaboradas tendo por base a experiência adquirida pelo corpo técnico da CEB, as normas da ABNT, as recomendações dos relatórios da ABRADEE, as resoluções da ANEEL, bem como os avanços tecnológicos já testados e aprovados. Esta norma se destina às condições normais de fornecimento. Os casos omissos e outros de características excepcionais deverão ser previamente submetidos à apreciação da CEB. Esta norma poderá ser parcial ou totalmente alterada por razões de ordem técnica, sem prévia comunicação, motivo pelo qual os interessados deverão periodicamente consultar a CEB quanto às eventuais modificações.

5 4/34 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Esta norma estabelece a padronização de montagem das redes secundárias isoladas - RSI a serem construídas no perímetro urbano e suburbano das cidades e entorno destas, bem como em loteamentos, condomínios, vilas, vilarejos, além de áreas rurais com características urbanas. Esta norma se aplica às redes novas, extensões e reformas de redes convencionais, executadas tanto pela CEB quanto por terceiros, desde que venham a ser incorporadas ao patrimônio da CEB Distribuição. Este tipo de rede é também recomendado onde seja necessário minimizar os problemas relacionados com impacto ambiental, ou ainda para redução dos riscos de contatos acidentais e como forma de melhoria da segurança e da confiabilidade do fornecimento de energia elétrica em locais com edificações próximas à rede, áreas com elevada densidade de carga e regiões densamente arborizadas.

6 5/34 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 3.1. Acessada: Distribuidora de energia elétrica em cujo sistema elétrico o acessante conecta sua instalações. (definição do PRODIST, Módulo 1, versão dezembro/2009) 3.2. Acessantes: Consumidor, central geradora, distribuidora ou agente importador ou exportador de energia, com instalações que se conectam ao sistema elétrico de distribuição, individualmente ou associados. (definição do PRODIST, Módulo 1, versão dezembro/2009) 3.3. Barramento da rede secundária Condutores da RSI que estão diretamente ligados ao barramento do transformador Barramento do transformador Conjunto de condutores que interligam as buchas secundárias do transformador de distribuição à RSI Cabo aéreo Isolado Cabo isolado apropriado para ser instalado acima do solo, em instalações externas, sujeita às intempéries Cabo de aço zincado Cabo formado por fios de aço com revestimento de zinco Cabo multiplexado Cabo aéreo isolado classe 1 kv, auto-sustentado, constituído por condutores fase de alumínio, dispostos helicoidalmente em torno de um mensageiro. Conhecido também como cabo pré-reunido Cabo nu Cabo sem isolação ou cobertura, constituído de fios nús Estribo Flexível (bigode) Pedaços de cabos de alumínio instalados nas fases do cabo multiplexado para conexão dos ramais de ligação, de modo a evitar ligações diretamente nos cabos Mensageiro Cabo em alumínio-liga nu utilizado na sustentação do cabo multiplexado Neutro Auxiliar Neutro adicional, em condutor nu, utilizado em situações especiais em que o mensageiro do cabo multiplexado é insuficiente para conduzir as correntes em regime permanente ou transitório Neutro Contínuo

7 6/34 Condutor que interliga todos os neutros da rede de distribuição de energia elétrica. É o cabo de neutro dos cabos multiplexados ou o cabo de alumínio nu, de alumínio-liga ou de aço zincado nas interligações dos trechos sem baixa tensão Ponto de Conexão Conjunto de equipamentos que se destina a estabelecer a conexão na fronteira entre as instalações da acessada e do acessante (PRODIST, Módulo 1, versão dezembro de 2009). Corresponde ao que era chamado como Ponto de Entrega PRODIST Procedimentos de Distribuição Documentos elaborados pela ANEEL, com a participação dos agentes de distribuição e de outras entidades e associações do setor elétrico nacional, que normatizam e padronizam as atividades técnicas relacionadas ao funcionamento e desempenho dos sistemas de distribuição de energia elétrica Ramal de Entrada Conjunto de condutores e acessórios instalado pelo consumidor entre o ponto de conexão e a medição ou proteção de suas instalações de utilização Ramal de Ligação ou Ramal de Conexão: Conjunto de condutores e acessórios instalados entre o ponto de derivação do sistema de distribuição da distribuidora e o ponto de conexão das instalações de utilização do acessante Rede Secundária Isolada - RSI Rede de distribuição em Baixa Tensão que utiliza condutores multiplexados isolados. (NBR 15688:2009) Redes e Linhas de Distribuição Aéreas Primárias Compactas (RLDC) São redes e linhas formadas por conjunto de cabo de aço, denominado mensageiro, e cabos cobertos (cabos protegidos) fixados em estruturas compostas por braços metálicos, espaçadores losangulares ou separadores de fase confeccionados em material polimérico, sendo utilizadas na CEB na tensão de 13,8 kv (redes) e 34,5 kv (linhas).

8 7/34 4. AFASTAMENTOS MÍNIMOS PERMITIDOS Os condutores fase da RSI são isolados para 0,6/1,0 kv e possuem rigidez dielétrica suficiente para evitar choques elétricos por contatos diretos e prolongados, mas por uma questão de proteção adicional, recomenda-se que sejam seguidos os afastamentos mínimos permitidos para redes secundárias na NBR 15688:2009. Em princípio, deverá ser obedecida a altura mínima de 7,20 metros para a instalação da RSI, coincidente, portanto, com a altura do neutro da rede secundária convencional. Entretanto, poderá ser adotada, eventualmente, a altura mínima de 6,80 metros para os casos específicos de estruturas com transformadores AFASTAMENTOS MÍNIMOS ENTRE CIRCUITOS DA RSI, CIRCUITOS PRIMÁRIOS E DE COMUNICAÇÕES O fato de a RSI ser composta de condutores isolados, não reduz as distâncias mínimas já estabelecidas em relação às redes de distribuição primárias nuas ou compactas protegidas. Assim sendo, serão mantidos os afastamentos mínimos conforme Tabela 1 Afastamentos verticais mínimos entre circuitos: Tipos de Circuitos Rede Secundária Isolada - RSI Tabela 1 Afastamentos verticais mínimos entre circuitos Rede primária convencional (nua) - 13,8 kv A f a s t a m e n t o M í n i m o (mm) Rede primária compacta protegida - 13,8 kv Linha protegida ou nua- 34,5 kv Circuitos de comunicação e de telefonia ALTURAS MÍNIMAS ENTRE CONDUTORES DA RSI E DE COMUNICAÇÃO EM RELAÇÃO AO SOLO As alturas mínimas, entre condutores da rede secundária isolada RSI e o solo, são apresentadas na Tabela 2 Alturas verticais mínimas entre circuitos e o solo.

9 8/34 Natureza do logradouro Tabela 2 Alturas verticais mínimas entre circuitos e o solo Afastamento Mínimo (m) RSI Comunicação e cabos aterrados Rodovias Federais 7,00 7,00 Ruas e Avenidas 5,50 5,00 Entradas de prédios e demais locais restritos a veículos leves Vias exclusivas para pedestres em áreas urbanas e rurais Estradas rurais e áreas de plantio com tráfego de máquinas agrícolas 4,50 4,50 4,50 3,00 6,50 6,50 Ferrovias não eletrificadas e não eletrificáveis 6,00 6,00 Ferrovias eletrificadas ou eletrificáveis 12,00 12,00 Linha de Metrô 6,00 6,00 Notas: 1. Em travessias sobre faixa de domínio de outros órgãos, deverão ser obedecidas as distâncias mínimas exigidas pelos mesmos. 2. As distâncias verticais dos condutores ao solo referem-se às alturas mínimas, medidas em condições de flechas máximas. 3. O ramal de ligação deve obedecer aos mesmos afastamentos verticais em relação ao solo estipulados para a RSI. 4. São considerados Circuitos de Comunicação: telefonia, fibras óptica, sistema de som, TV a cabo, alarmes, etc AFASTAMENTOS MÍNIMOS ENTRE CONDUTORES DA RSI E AS EDIFICAÇÕES Os afastamentos (da Figura 1 Afastamentos mínimos para edificações) são os mínimos admitidos para a instalação de uma RSI. Em caso de montagem de RSI e RLDC, na mesma posteação, prevalecerá o maior dos afastamentos mínimos, vertical ou horizontal, previstos nesta norma e na NTD 2.06 Redes de Distribuição Aéreas Compactas Protegidas, caso a caso.

10 9/34 Desenho 1 Desenho 2 Desenho 3 Desenho 4 Desenho 5 Desenho 6 Desenho 7 Notas: Figura 1 Afastamentos mínimos para edificações 1. O mesmo espaçamento em relação às sacadas deve ser também obedecido em relação a terraços e janelas presentes nas edificações. 2. Se os afastamentos verticais dos Desenhos 2 e 3 não puderem ser mantidos, exigem-se os afastamentos horizontais do Desenho 5 ; 3. Se o afastamento vertical entre os condutores e as sacadas, terraços ou janelas for igual ou maior do que as dimensões dos Desenhos 2 e 3, não se exige o afastamento horizontal da borda da sacada, terraço ou janela do Desenho 5, porém o afastamento do Desenho 4 deve ser mantido; 4. A altura mínima dos condutores do Ramal de Ligação ao solo, no ponto de flecha máxima, deverá ser de 4,5 m, tanto em locais de trânsito de veículos leves bem como em locais com trânsito exclusivo de pedestres.

11 10/34 5. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 5.1. CONSIDERAÇÕES GERAIS A construção da RSI utiliza um mensageiro para sua sustentação, ao qual são presos os cabos fase isolados. O mensageiro exerce também as funções de condutor neutro e de proteção mecânica. A RSI deve ter o neutro contínuo (mensageiro do cabo multiplexado) multi-aterrado e interligado à malha da subestação. O mensageiro da RSI deve ser conectado ao neutro contínuo da rede primária (RDA) e ao mensageiro das redes e linhas compactas protegidas (RLDC), nas estruturas em que houver aterramento. Quando for utilizado o neutro auxiliar conforme o item 5.4, este também deverá ser conectado à RLDC e à RSI. Devido às características dos cabos utilizados nas RSI, que não permitem a complementação de fases e cujos custos envolvidos na sua substituição são elevados, é sempre recomendável que estas redes sejam implantadas na configuração trifásica. Quanto ao dimensionamento de postes, engastamentos, concretagens de estruturas e estaiamentos, deverá ser adotado o disposto na NTD Critérios para Projeto de Redes Aéreas Urbanas, NTD 2.05 e NTD Nos aspectos relativos à iluminação pública e uso mútuo de postes deverão ser considerados as recomendações das demais normas vigentes na CEB. Os desenhos apresentados nesta norma indicam apenas postes de seção circular. No entanto, é recomendada a utilização de postes de seção Duplo-T (DT), prioritariamente, por conferirem um menor custo ao projeto. Para poste DT, as cotas são válidas para a face de maior resistência. As cintas são substituídas por parafusos de tamanho adequado. Todos os materiais da estrutura estão relacionados na Relação de Materiais, exceção feita aos materiais que compõem os aterramentos, cuja relação faz parte de uma Unidade de Projeto (UP) à parte. Os conectores constam na norma específica: NTD 2.04 Padrão de conexões de RDA e EM (Especificação de materiais e conectores de perfuração). Nas vias com posteação única, a RSI deverá ser instalada do lado da rua. Nas vias com posteação dupla, a RSI deverá ser instalada, preferencialmente, do lado da calçada. Salvo indicações em contrário, as cotas apresentadas nesta norma são em milímetros CONDUTORES PADRONIZADOS Esta norma considera a utilização de condutores de fase em alumínio (CA), classe 2, compactados, isolados em polietileno termofixo XLPE, com as fases identificadas, e o mensageiro, que também exerce a função de neutro, em alumínio-liga (CAL) e

12 11/34 encordoamento redondo normal, não compactado e gravação com o nome da companhia, conforme especificação de materiais. A nomenclatura utilizada para os cabos é a adotada pela NBR 8182, de agosto de 2003: N x 1 x S + S Onde: N é o número de condutores de fase S é a seção nominal dos condutores de fase, em mm 2 S é a seção nominal do condutor neutro, em mm 2 A Tabela 3 - Características físicas dos cabos multiplexados e a Tabela 4 - Características elétricas dos cabos multiplexados, apresentam respectivamente as características físicas e elétricas dos condutores. Quando especificar cabo colorido, especificar o neutro na mesma bitola da fase. Cabo Nº de Fios Condutor Fase Tabela 3 - Características físicas dos cabos multiplexados Espessura Mínima Cobertura (mm) Diâmetro Nominal - Fase (mm) Massa Total (kg/m) 3x1x ,6 6,6 a 7,5 0,535 3x1x ,6 7,7 a 8,6 0,715 3x1x ,8 9,3 a 10,2 0,995 3x1x ,0 12,5 a 13,5 1,550 Cabo Tabela 4 - Características elétricas dos cabos multiplexados Corrente Nominal Resistência Elétrica (Ω/km) (A) Rcc 20ºC Rca 90ºC Reatância Indutiva (Ω/km) 3x1x ,868 1,113 0,1183 3x1x ,641 0,822 0,1092 3x1x ,443 0,568 0,0945 3x1x ,253 0,324 0,0942 Obs: Valores de corrente máxima para 40ºC de temperatura ambiente e temperatura máxima de operação de 90ºC (Fonte: NBR 8182:2003). O cabo multiplexado de 35 mm 2 destina-se exclusivamente para obras de Iluminação Pública, conforme NTD INSTALAÇÃO BÁSICA COM ARMAÇÃO SECUNDÁRIA A instalação básica com armação secundária é apresentada na Figura 2:

13 12/34 Figura 2 - Instalação básica da RSI Nota: 1) Esta montagem será usada para a instalação da RSI em tangentes, deflexões e derivações, conforme mostrado nas especificações das estruturas. 2) Para o engastamento e estaiamento dos postes obedecer os mesmos critérios e procedimentos estabelecidos nas NTD 1.02, NTD 1.06 e NTD NEUTRO AUXILIAR A instalação do neutro auxiliar conforme a Figura 3 Instalação do neutro auxiliar, quando necessária, deve obedecer às seguintes condições: a) Condutor CA 1/0 AWG; (acrescentar na UP da estrutura SI-1, 80cm de cabo 1/0 CA e 2 conectores padronizados para este tipo de rede. b) Fixação em armação secundária de um estribo mais laço ou alça pré-formada; e, c) Instalado na mesma cinta superior da armação de dois estribos.

14 13/34 Figura 3 Instalação do neutro auxiliar. Notas: Esta montagem pode ser usada para circuitos em tangências, deflexões e derivações.

15 14/34 6. CONEXÕES ELÉTRICAS 6.1. CONECTORES PADRONIZADOS O sistema de conexões elétricas a ser utilizado na RSI constitui-se dos seguintes tipos de conectores: a) Conectores de perfuração: De derivação, isolado, com limitador de torque. b) Conectores de pressão: De derivação Tipo Cunha, em liga de cobre estanhado e com cobertura isolante. c) Conectores a compressão: Luva de emenda para cabos de alumínio (CA) e alumínio-liga (CAL). d) Conector compressão formato H para neutro adicional CONSIDERAÇÕES GERAIS Todas as conexões nos condutores de fase da RSI deverão ser executadas com conectores providos de capa de proteção isolante ou isoladas por enfitamento. Nas derivações e interligações entre as fases da RSI, deverão ser utilizados conectores de perfuração que assegurem uma perfeita conexão, isolamento e estanqueidade das partes vivas, evitando-se a retirada da isolação dos condutores fase da RSI (detalhes sobre a aplicação de conectores de derivação encontram-se no ANEXO 1). Alternativamente, poderão ser utilizados conectores tipo cunha. A capacidade de condução de corrente elétrica do conector de perfuração será limitada pela máxima bitola do cabo que venha a ser instalado no lado da derivação. Nas derivações e interligações entre os neutros da RSI, deverão ser utilizados conectores tipo cunha/compressão formato H. Havendo a necessidade de retirada da isolação, esta deverá ser recomposta. A recomposição do isolamento será necessária em qualquer situação em que a mesma seja retirada ou sofra algum dano, como por exemplo, quando da aplicação de luvas para emenda de cabos de fase rompidos ou danificados. O torque necessário para a conexão com o conector de perfuração se dá pelo rompimento da cabeça do parafuso, que funciona como um fusível mecânico. Conectores de perfuração não devem ser reaproveitados. Na interligação do Ramal de Ligação com o Ramal de Entrada da unidade consumidora, deve ser observada a NTD 6.01 Fornecimento de energia elétrica em tensão secundária a unidades consumidoras individuais CONEXÃO NA BUCHA SECUNDÁRIA DO TRANSFORMADOR A conexão do cabo do barramento do transformador de distribuição à bucha de saída do secundário deve ser efetuada conectando-se diretamente o próprio cabo na bucha do transformador, sem o uso de terminais específicos formando um colo, para evitar a penetração de umidade no interior dos condutores.

16 15/34 Também nessa conexão, é necessária a aplicação de fita auto-fusão coberta com fita isolante plástica na interface do cabo com o terminal da bucha do transformador, de forma a evitar a penetração e migração de umidade para o interior dos condutores. O cabo neutro do barramento do transformador é idêntico aos condutores fase. Desta forma, o terminal neutro da bucha do transformador também necessita ser isolado, conforme descrito acima. Quando forem utilizados dois condutores por fase no barramento do transformador, passar a metade do comprimento desse condutor por dentro do terminal da bucha de saída do secundário. Posteriormente, retirar a isolação do condutor no ponto em que deverá ser efetuado o contato elétrico no terminal da bucha CONEXÃO DO BARRAMENTO DO TRANSFORMADOR À RSI O barramento do transformador, formado por condutores de cobre isolados em XLPE, deve ser dimensionado conforme a Tabela 5 - Cabos do barramento do transformador. Tabela 5 - Cabos do barramento do transformador Potência do Transformador (kva) Nº Cabos de Cobre x Seção (por fase) 1 φ 3 φ mm , , x 70 2 x 70 * x 120 * x 150* * Obs: 1- Os cabos das fases e do neutro deverão ter o mesmo tamanho. 2- O transformador de 300 kva destina-se ao atendimento de cargas específicas. A conexão do barramento do transformador com o barramento da rede secundária deverá ser feita com conectores de perfuração. Alternativamente, poderão ser utilizados conectores tipo cunha CONEXÃO DO RAMAL DE LIGAÇÃO À RSI ESTRIBO FLEXÍVEL Em cada poste da RSI deve ser instalado um conjunto de três estribos flexíveis para possibilitar a conexão de ramais de ligação e de iluminação pública, sendo um estribo para cada fase, conforme Figura 4- Instalação do estribo flexível. O limite de conexões de ramais em cada estribo é de 4 (quatro). Caso seja necessária a ligação de mais ramais, deve ser instalado outro conjunto de estribos do outro lado do poste.

17 16/34 Os estribos são fixados aos cabos através de conectores de perfuração ou, alternativamente, através de conectores tipo cunha devidamente isolados. Os estribos flexíveis são confeccionados com pedaços de cabo isolado de 50 mm 2, o mesmo utilizado na RSI. Cada perna do estribo deve ter um comprimento aproximado de 20 cm. Caso a rede tenha sido construída com cabo 35 mm 2, exclusivamente para atender à Iluminação Pública, os estribos serão confeccionados nessa bitola. Quando a rede BT isolada for construída com cabos acima de 50 mm 2 os rabichos devem ser confeccionados com pedaços de cabos isolados de 50 mm². As pontas dos estribos devem ser vedadas com capuz ou fita auto-fusão recoberta com fita isolante plástica. Figura 4- Instalação do estribo flexível O estribo da fase A deve ser posicionado o mais próximo do poste, e os demais afastados sucessivamente, conforme o detalhe da Figura 4- Instalação do estribo flexível. Os condutores fase da RSI devem ser moldados antes de efetuar as conexões com conectores de perfuração, de modo a evitar esforços mecânicos que possam comprometer as conexões. O mensageiro é desprovido de estribo, sendo os neutros dos ramais de ligação conectados diretamente ao mesmo, através de conectores tipo cunha para entrada de serviço. Os conectores tipo cunha para entrada de serviço deverão ser instalados de maneira distanciada, conforme mostra a Figura 5. Em fins-de-linha, os estribos flexíveis são constituídos pelo próprio cabo multiplexado, caso este seja de 35 mm 2 (rede para atender Iluminação Pública) ou de 50 mm 2. Caso contrário, os estribos deverão ser confeccionados conforme mostra a Figura 5 - Estribos flexíveis em fim de rede.

18 17/34 Nota: Quando a rede BT isolada for com cabos acima de 50mm 2 utilizar o estribo flexível com cabo de alumínio de 50 mm. Figura 5 - Estribos flexíveis em fim de rede ISOLAÇÃO DE CONEXÕES Todas as conexões efetuadas na RSI, incluindo a saída das buchas secundárias dos transformadores, deverão ser isoladas. Quando forem utilizados conectores de perfuração, Figura 6 Ilustração de um Conector de Perfuração, são dispensados os procedimentos de isolação descritos a seguir, desde que sejam garantidas a estanqueidade e a integridade do conector. Figura 6 Ilustração de um Conector de Perfuração Prioritariamente utilizar como isolamento dos conectores tipo cunha, capas isolantes específicas -1 kv, de forma a facilitar o acesso à conexão. Caso não seja possível a utilização destes materiais, efetuar o isolamento através de enfitamento. Quando a isolação das conexões for feita com enfitamento, aplicar no mínimo 3 camadas de fita auto-fusão, com superposição de 50% na largura. Posteriormente, aplicar pelo menos 2 camadas de fita isolante plástica, com superposição de 50% na largura. O isolamento das luvas de emenda deverá ser efetuado através de enfitamento, conforme anteriormente descrito. A utilização de emenda de cabo, através de luva, só será permitida para a área de manutenção. Em rede nova, não será aceita emenda de cabos. 7. ENCABEÇAMENTOS

19 18/34 Os encabeçamentos da RSI e dos Ramais de Ligação devem ser feitos através alça préformada. Os encabeçamentos, incluindo as mudanças de seção dos condutores da RSI, devem sempre ser feitos de topo, em relação ao caminhamento da rede, e nunca na lateral. A Tabela 6 - Escolha da Alça Pré-formada apresenta a escolha da alça pré-formada aplicável nos encabeçamentos. Mensageiro / Neutro (mm 2 ) Tabela 6 - Escolha da Alça Pré-formada Comprimento Total Aplicado (mm) Alça Preformada Resistência Mínima de Escorregamento (dan) ± ± Obs.: Valores em conformidade com o projeto de norma 3: /90 (revisão da NBR 8159)

20 19/34 8. ATERRAMENTOS O aterramento do neutro da RSI corresponde à interligação do mensageiro à haste de aterramento com cabo de aço zincado 6,4mm. O neutro deve ser contínuo e multiaterrado. O aterramento deve ser feito conforme Figura 7 - Aterramento da RSI com 01 haste de aterramento do tipo cantoneira zincada de 2,40 m de comprimento, instalada nas seguintes condições: a) Em todos os fins de redes; e b) A cada 200m de rede. Figura 7 - Aterramento da RSI

21 20/34 Notas: A. Na falta do cabo de aço zincado 6,4 mm, e após a aprovação do fiscal, os aterramentos poderão ser executados com condutores de cobre rígido, 25 mm 2 desde que a descida seja devidamente protegida, para evitar roubo ou vandalismo, no interior do poste se este for circular ou protegido por tubo de aço se o poste for do tipo duplo-t. B. Na falta do cabo de aço zincado 6,4 mm, e após a aprovação do fiscal, poderá ser utilizado condutor de alumínio de seção não inferior a 4 AWG ou cabo de cobre rígido, 25 mm 2 caso a descida do aterramento seja executada com esse material. C. Na falta da haste de aço zincado 2400 mm e após aprovação do fiscal o aterramento poderá ser feito com haste de aço cobreada 3000 mm, 254 µm. D. Aterramento temporário BT será objeto da GRNT (Gerencia de Normatização) para desenvolver métodos de aterramento temporário. E. Deverá ser seguida a sequência de fases A, B, C na instalação dos estribos flexíveis. Quando da implantação de redes isoladas coloridas, seguir a sequência de fases e executar com os estribos da mesma cor da fase onde será conectado.

22 21/34 9. ESTRUTURAS BÁSICAS Os padrões deste capítulo se aplicam a vãos de até 40 m. Os jumpers nas estruturas de mudança de bitola deverão ser feitos pelo lado da rua. A deflexão interna máxima será de 30 º para todas as seções de cabos. Quando ocorrer situações de arrancamento ou quando os esforços resultantes forem superiores a 30 dan, utilizar estrutura SI-2 (duplo encabeçamento). O neutro pode ser unido no cruzamento com tento do próprio cabo, com um mínimo de 3 voltas de cada lado, alternativamente ao fio recozido de alumínio para amarração.

23 22/ ESTRUTURA SI-1 Estrutura em tangência ou ângulo até 60º Notas: 1. Poderá ser utilizado capuz isolante nas extremidades dos estribos flexíveis (rabicho) ou fita adesiva isolante. 2. Romper a porca fusível do conector de perfuração para garantir contato elétrico. ITEM QUANT. Circ DT DESCRIÇÃO LISTA DE MATERIAL ITEM QUANT. Circ DT DESCRIÇÃO C Conector de perfuração A2 1 1 Armação Secundária 2 estribos C C Conector de compressão formato H /cunha F-14-2 Parafuso de máquina M16 x TA Ver Tabela 1,50 m de cabo isolado unipolar AL-50 mm 2 F Cinta com parafusos C-30 0,2 0,2 Fio de Amarração F-19-2 Arruela quadrada de 38 mm C-31 0,2 0,2 Fita de proteção de alumínio P 1 1 Poste C-40 0,8 0,8 Cabo 1/0 CA IR 3 3 Isolador Roldana A1 1 1 Armação Secundária 1 estribo Nota: TA=Tamanho adequado

24 23/ ESTRUTURA SI-2 - Estrutura com duplo encabeçamento de RSI e mudança de bitola ou seccionamento. Notas: 1. Desconsiderar as conexões na relação de materiais nos casos de encabeçamentos com cabos da mesma bitola e seccionamento de circuitos; 2. Esta montagem pode ser utilizada para ângulos até 45º. 3. Poderá ser utilizado capuz isolante nas extremidades dos estribos flexíveis (rabicho) ou fita adesiva isolante. 4. Romper a porca fusível do conector de perfuração para garantir contato elétrico. ITEM QUANT. Circ DT DESCRIÇÃO LISTA DE MATERIAL ITEM QUANT. Circ DT DESCRIÇÃO A Alça preformada para cabos nú F Cinta com parafusos A Abraçadeira polimérica A1 2 2 Armação Secundária 2 estribo C Conector derivação de cunha/compressão F-14-2 Parafuso de máquina M16 x TA (ver tabela) C Conector de perfuração P 1 1 Poste C ,50 m de cabo isolado unipolar AL-50 mm 2 I Capuz isolante para cabo AL - 50 mm 2 IR 4 4 Isolador Roldana Nota: TA =Tamanho adequado

25 24/ ESTRUTURA SI-3 Estrutura com encabeçamento de RSI. Notas: 1. Duas estruturas SI-3 em níveis distintos podem ser utilizadas para deflexões de 90º. 2. Os conectores mostrados são dispensados quando o cabo da RSI for menor ou igual a 50 mm 2. ITEM QUANT Circ DT DESCRIÇÃO LISTA DE MATERIAL ITEM QUANT. Circ DT DESCRIÇÃO A Alça preformada para cabos multiplexados A2 1 1 Armação Secundária 2 estribo A Abraçadeira polimérica F-14-2 Parafuso de máquina M16 x TA Ver Tabela C Conector de compressão/cunha C ,80m de cabo isolado unipolar AL-50 mm 2 I Capuz isolante para cabo AL - 50 mm 2 F Cinta com parafusos (ver tabela) P 1 1 Poste A1 1 1 Armação Secundária 1 estribo IR 3 3 Isolador Roldana C Conector de perfuração F-19-1 Arruela quadrada Nota: TA=Tamanho adequado

26 25/ ESTRUTURA SI-4 Estrutura em tangência ou ângulo até 90 0, com derivação simples. Nota: Romper a porca fusível do conector de perfuração para garantir contato elétrico. ITEM QUANT. Circ DT DESCRIÇÃO LISTA DE MATERIAL ITEM QUANT. Circ DT DESCRIÇÃO A Alça preformada para cabos multiplexados A1 1 1 Armação Secundária 1 estribo A Abraçadeira polimérica A2 1 1 Armação Secundária 2 estribo C Conector derivação de cunha/compressão F Cinta com parafusos (ver tabela) C Conector de perfuração F-14-2 Parafuso de máquina M16 x TA (ver tabela) C ,50 m de cabo isolado unipolar AL-50 mm 2 F-19-1 Arruela quadrada de 38mm C-30 0,2 0,2 Fio amarração P 1 1 Poste C-31 0,2 0,2 Fita de proteção de condutores IR 3 3 Isolador Roldana Nota: TA = Tamanho adequado

27 26/ ESTRUTURA SI-5 - Flying-Tap com conexão (cruzamento de circuito com conexão no meio do vão). Notas: 1. O cruzamento aéreo só deverá ser executado após a fixação e tensionamento dos cabos. 2. Observar a ordem de ligação dos cabos de fase. 3. Nos cruzamentos de cabos de bitolas diferentes, efetuar as conexões com os cabos de maior bitola. 4. Alternativamente às abraçadeiras poliméricas, amarrar os condutores com, no mínimo, três voltas de fio isolado # 1,5 mm As distâncias do cruzamento aos postes devem ser aproximadamente iguais e nunca superiores a 15 metros. LISTA DE MATERIAL ITEM QUANT. DESCRIÇÃO ITEM QUANT. DESCRIÇÃO A-7 8 Abraçadeira polimérica C-12 2 Conector de compressão formato "H" C-5 6 Conector de perfuração

28 27/ ESTRUTURA SI-6 Flying-Tap sem conexão (cruzamento de circuitos sem conexão no meio do vão). Notas: 1. Observar a ordem de ligação dos cabos de fase. 2. Alternativamente às abraçadeiras poliméricas, amarrar os condutores com, no mínimo, três voltas de fio isolado # 1,5 mm As distâncias do cruzamento aos postes devem ser aproximadamente iguais e nunca superiores a 15 metros. LISTA DE MATERIAL ITEM QUANT. DESCRIÇÃO ITEM QUANT. DESCRIÇÃO A-7 8 Abraçadeira polimérica C-12 2 Conector de compressão formato "H" C-5 6 Conector de perfuração

29 28/ ESTRUTURA SI-7 Ligação de transformador à RSI. Notas: 1. Observar sempre a sequência de fases do transformador e da rede secundária. 2. A RSI deve passar a, pelo menos, na altura mínima de 7,20 m do solo. 3. Alternativamente às abraçadeiras poliméricas, amarrar os condutores com, no mínimo, três voltas de fio isolado # 1,5 mm O afastador será utilizado para distanciar a RSI do Transformador 5. Ver bitola dos cabos de barramentos de Trafo conforme Tabela Com barramento duplo considerar os materiais de conexão utilizar a UP (ABT004) ou ABT 005 (Trafo de 225 e 300 kva). ITEM QUANT. Circ DT DESCRIÇÃO LISTA DE MATERIAL ITEM QUANT. Circ DT DESCRIÇÃO C Conector de perfuração F-14-2 Parafuso de máquina M16 x TA C Conector de compressão formato H F Parafuso de cabeça abaulada M16 x 45mm (francês) C ,50 m de cabo isolado unipolar AL- 50mm 2 F-19-1 Arruela quadrada de 38 mm C-16 TA TA Cabo de cobre isolado XLPE (mínimo 1,25 m por fase) F Suporte para transformador - TA E Transformador de distribuição F Afastador de armação secundária (Nota 4) F Cinta com parafusos P 1 1 Poste A Armação 2 estribos IR 2 2 Isolador de roldana Nota: TA = Tamanho adequado

30 29/ ESTRUTURA SI Transição de rede aérea convencional para rede isolada. Notas: 1. As ligações das unidades consumidoras deverão ser efetuadas do lado da rede convencional. 2. Alternativamente às abraçadeiras poliméricas, amarrar os condutores com, no mínimo, três voltas de fio isolado # 1,5 mm Isolar os conectores dos cabos fase com 5 camadas de fita autofusão resistente ao sol e uma camada de fita adesiva isolante preta. ITEM QUANT. Circ DT DESCRIÇÃO LISTA DE MATERIAL ITEM QUANT. Circ DT DESCRIÇÃO A Alça preformada para cabos Cinta com parafuso F multiplexados A Abraçadeira polimérica IR 6 6 Isolador roldana C Conector derivação de cunha/compressão A2 3 3 Armação secundária de 02 estribos F-14-4 Parafuso de máquina M16 x TA (Ver Arruela quadrada F-19-2 Tabela)

31 30/34 ANEXO 1: APLICAÇÃO DE CONETOR TIPO PERFURAÇÃO Desenho ilustrativo do conetor perfuração a) O conector deve estar totalmente aberto, com o parafuso de aperto no fim de curso. Não force para abrir mais e para retirar o parafuso; b) O capuz deve ser totalmente inserido no seu alojamento próprio, ou seja, no lado oposto ao lado de entrada do condutor derivação;

32 31/34 c) Introduza o conector de derivação na canaleta apropriada até que o mesmo pare, atingindo o fim do capuz. Não force a partir desse ponto; d) Lentamente, ajuste o condutor principal (da rede multiplexada) no interior do conector, encaixando-o corretamente na sua canaleta, sem desalojar o condutor de derivação; e) Aperte a porca-fusível (limitador de torque) manualmente, mantendo ambos os condutores (principal e derivação) corretamente posicionados e centrados, até que o conector fique firme sobre os condutores. Complete o aperto com chave fixa, até o rompimento da porca fusível. f) As conexões com conectores de perfuração devem sempre ser feitas sem tração mecânica, ou seja, os condutores não devem estar forçando mecanicamente os conectores. g) Aplicar as braçadeiras plásticas a fim de não permitir o desenrolar do cabo. Observação: O conector tipo perfuração retirado nunca deve ser reaproveitado.

33 32/34 Temp ANEXO 2: TABELAS DE FLECHAS E TRAÇÕES Tabela 01 - RSI - Cabo 3x1x35+35mm2 - Trações de Projeto e Trações Finais (dan) Vãos Médios (ºC) 15 m 20 m 22 m 24 m 26 m 28 m 30 m 32 m 34 m 36 m 38 m 40 m Tprojeto Tabela 02 - RSI - Cabo 3x1x50+50mm2 - Trações de Projeto e Trações Finais (dan) Temp Vãos Médios (ºC) 15 m 20 m 22 m 24 m 26 m 28 m 30 m 32 m 34 m 36 m 38 m 40 m Tprojeto

34 33/34 Tabela 03 RSI - Cabo 3x1x70+70mm2 - Trações de Projeto e Trações Finais (dan) Temp Vãos Médios (ºC) 15 m 20 m 22 m 24 m 26 m 28 m 30 m 32 m 34 m 36 m 38 m 40 m Tprojeto Tabela 04 RSI - Cabo 3x1x120+70mm2 - Trações de Projeto e Trações Finais (dan) Temp Vãos Médios (ºC) 15 m 20 m 22 m 24 m 26 m 28 m 30 m 32 m 34 m 36 m 38 m 40 m Tprojeto

35 34/34 Tabela 05 - Flechas de Montagem (m) - Rede Secundária Isolada Cabos de mm 2 Temp FLECHAS (m) (ºC) 15 m 20 m 22 m 24 m 26 m 28 m 30 m 32 m 34 m 36 m 38 m 40 m 0 0,12 0,21 0,25 0,30 0,35 0,40 0,46 0,53 0,60 0,67 0,74 0,83 5 0,13 0,23 0,27 0,32 0,37 0,43 0,49 0,56 0,63 0,70 0,78 0, ,15 0,25 0,30 0,35 0,40 0,46 0,52 0,59 0,66 0,73 0,81 0, ,17 0,27 0,32 0,37 0,43 0,49 0,55 0,62 0,69 0,76 0,84 0, ,18 0,29 0,34 0,39 0,45 0,51 0,58 0,64 0,72 0,79 0,87 0, ,20 0,31 0,36 0,42 0,48 0,54 0,60 0,67 0,74 0,82 0,90 0, ,22 0,33 0,39 0,44 0,50 0,56 0,63 0,70 0,77 0,85 0,93 1, ,24 0,35 0,41 0,46 0,52 0,59 0,65 0,73 0,80 0,88 0,96 1, ,25 0,37 0,43 0,49 0,55 0,61 0,68 0,75 0,83 0,90 0,99 1, ,27 0,39 0,45 0,51 0,57 0,64 0,70 0,78 0,85 0,93 1,01 1, ,28 0,41 0,47 0,53 0,59 0,66 0,73 0,80 0,88 0,96 1,04 1,13

SISTEMA DE DOCUMENTOS NORMATIVOS SUBSISTEMA DE NORMAS TÉCNICAS

SISTEMA DE DOCUMENTOS NORMATIVOS SUBSISTEMA DE NORMAS TÉCNICAS APRESENTAÇÃO...4 1 OBJETIVO...3 2 AMPLITUDE...3 3 RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4 CONCEITUAÇÃO...3 4.1 REDE DE DISTRIBUIÇÃO...3 4.2 REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA RDU...3 4.3 REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS NORMA TÉCNICA NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS Cuiabá Mato Grosso - Brasil INDICE 1 OBJETIVO...03

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO Página 1. OBJETIVO 4 2. APLICAÇÃO 4 3. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 5

Leia mais

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica CEMAR NORMA DE PROCEDIMENTOS Função: Área: Processo: Código: Técnica Técnica Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica NP-12.306.02 Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.03.04 REDE COMPACTA - TRANSFORMADOR. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estrutura CE2H TR (2º Nível) Poste de Concreto de Seção Circular 7. Estrutura CE2H

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. PROPRIETÁRIO: IFSULDEMINAS - Câmpus Muzambinho.. Estrada de Muzambinho, km 35 - Bairro Morro Preto.

MEMORIAL DESCRITIVO. PROPRIETÁRIO: IFSULDEMINAS - Câmpus Muzambinho.. Estrada de Muzambinho, km 35 - Bairro Morro Preto. MEMORIAL DESCRITIVO ASSUNTO: Projeto de adaptação de rede de distribuição de energia elétrica urbana em tensão nominal primária de 13.8KV e secundária de 220/127V, com 02 postos de transformação de 75KVA

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2 NORMA TÉCNICA CELG Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição NTC-18 Revisão 2 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREAS PRIMÁRIAS COMPACTAS PROTEGIDAS

ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREAS PRIMÁRIAS COMPACTAS PROTEGIDAS DIRETORIA TÉCNICA - TE SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - TPE GERÊNCIA DE PADRONIZAÇÃO - TPPA Assunto: MONTAGEM ELETROMECÂNICA Título: ESTRUTURAS PARA REDES COMPACTAS PROTEGIDAS PT.RD.06.002

Leia mais

NORMA TÉCNICA. NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

NORMA TÉCNICA. NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv. Cuiabá Mato Grosso - Brasil NORMA TÉCNICA NTE-001 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM CABOS COBERTOS CLASSE 15 kv Cuiabá Mato Grosso - Brasil APRESENTAÇÃO 1- OBJETIVO...04 2- CAMPO DE APLICAÇÃO...04

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 POSTE DE CONCRETO DE SEÇÃO DUPLO T SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CONDUTORES NUS PT.DT.PDN.03.05.012 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA DSEE 11/12/2014 DATA SUMÁRIO

Leia mais

Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas. Norma. Revisão 03 07/2014 NORMA ND.12

Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas. Norma. Revisão 03 07/2014 NORMA ND.12 Redes Protegidas Compactas - Critérios para Projetos e Padronização de Estruturas Norma 07/2014 NORMA ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Rua Ary Antenor de Souza, 321 Jd. Nova

Leia mais

PD-4.003. Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia

PD-4.003. Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia PD-4.003 Redes de Distribuição Aérea Urbana 36,2kV Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia Da Distribuição PD-4.003 Redes de Distribuição Aérea Urbana

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações ID-4.044 Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações Diretoria de Engenharia Gerência de Serviços Técnicos ELABORADO: Luiz Eduardo R. Magalhães Gerência

Leia mais

Redes subterrâneas em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli*

Redes subterrâneas em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli* 46 Capítulo VI em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli* Tendência irreversível no mercado da construção civil, as redes subterrâneas a cada dia ganham mais terreno em obras em

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

Condutores elétricos

Condutores elétricos Sair da Norma Voltar para o Índice Alfabético Geral Condutores elétricos NOV 1986 NBR 5471 ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTE - 028 MONTAGEM DE S PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA, RURAL, COM CONDUTORES NUS - 13,8 E 34,5 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA INDICE 1- OBJETIVO...

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ASPECTOS GERAIS... 2 3. EXCEÇÕES... 2 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda.

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. NORMA PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA REDE DE DISTRIBUIÇÃO SECUNDÁRIA BT MULTIPLEXADA 1ª edição Versão 1.0 out/09 [Digite texto] MEDIDAS DE CONTROLE Revisão:

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES 3$'5 2'((6758785$6 '(/,1+$6(5('(6 PARTE 1 ASPECTOS GERAIS INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras ASPECTOS GERAIS PARTE

Leia mais

NTD-12 MONTAGEM DE REDES AÉREAS SECUNDÁRIAS ISOLADAS COM CABOS MULTIPLEXADOS

NTD-12 MONTAGEM DE REDES AÉREAS SECUNDÁRIAS ISOLADAS COM CABOS MULTIPLEXADOS NTD-1 APRESENTAÇÃO 4 1. OBJETIVO 5. AMPLITUDE 5 3. RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO 5 4. CONCEITUAÇÃO 5 4.1. REDE DE DISTRIBUIÇÃO 5 4.. REDE DE DISTRIBUIÇÃO URBANA RDU 5 4.3. REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-17/09/2012 22/10/2012 ENGENHARIA E SISTEMAS TÉCNICOS (DTES-ES) APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI (DTES-ES) SUMÁRIO

Leia mais

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS

NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS NORMA TÉCNICA NTE - 023 MONTAGEM DE REDES SECUNDÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA TRIFÁSICA, URBANA, COM CONDUTORES ISOLADOS MULTIPLEXADOS Cuiabá Mato Grosso - Brasil INDICE 1 OBJETIVO...03

Leia mais

NORMA TÉCNICA PADRÃO DE ESTRUTURAS DE REDE AÉREA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEX NTD-07

NORMA TÉCNICA PADRÃO DE ESTRUTURAS DE REDE AÉREA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEX NTD-07 NORMA TÉCNICA PADRÃO DE ESTRUTURAS DE REDE AÉREA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEX NTD-07 PÁG. APRESENTAÇÃO... 0/55. OBJETIVO... 0/55. AMPLITUDE... 0/55. RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO... 0/55 4.

Leia mais

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com

Responsavel Técnico: Kadner Pequeno Feitosa CREA 1600584594 Email-ativaprojetoseletricos@gmail.com Projeto Elétrico Padrão de Medição, fornecimento de energia em tensão primária 13.8kV, a partir da rede aérea de distribuição para atender Defensoria Pública do Estado da Paraíba. Responsavel Técnico:

Leia mais

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS 1- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Convencional Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 13 2- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Compacta Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 2 de

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Condições Gerais 5. Requisitos Ambientais 6. Lançamento de Condutores 7. Fixação Definitiva do Condutor 8. Identificação de Fases

Leia mais

NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO

NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Companhia Paranaense de Energia COPEL NORMAS TÉCNICAS COPEL NTC 901100 FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO Órgão Emissor: Coordenação de Comercialização de Energia - CCD Coordenadoria de

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CABOS COBERTOS FIXADOS EM ESPAÇADORES APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA COM CABOS COBERTOS FIXADOS EM ESPAÇADORES APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Amarrações SEÇÃO 6 Cruzamentos SEÇÃO 7 Conexões e Emendas SEÇÃO

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior Projeto de Rede de Distribuição Aérea Compacta - 13,8kV Processo Planejar, Ampliar e Melhorar a Rede Elétrica Atividade Elaborar Projetos e Orçamentos / Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.03-00.05

Leia mais

CRITÉRIO DE EXECUÇÃO CE-030/2014 R-02

CRITÉRIO DE EXECUÇÃO CE-030/2014 R-02 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE /2014 CRITÉRIO DE EXECUÇÃO /2014 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Este documento apresenta diretrizes e critérios básicos necessários para a Execução

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC

IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC MEMORIAL DESCRITIVO IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC Lote 01 MARÇO/2011 1. PROJETO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC SUL INTRODUÇÃO O Projeto de Sinalização

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.009 SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE DOCUMENTO NORMATIVO CRITÉRIO DE PROJETO DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE Código Página Revisão Emissão CP 015 I 1 JAN/2004 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

00 15/03/13 EMISSÃO INICIAL JCS/OSM JCS

00 15/03/13 EMISSÃO INICIAL JCS/OSM JCS 00 15/03/13 EMISSÃO INICIAL JCS/OSM JCS N.º DATA REVISÃO ELAB./ VERIF. ENGEPRO APROV. ENGEPRO APROV. CLIENTE ENG10A-LT-013 ATE XVI PROJETO BÁSICO - LOTE A LEILÃO Nº 007/2012 - ANEEL ELAB. VERIF. LT S 500

Leia mais

Aplicação de Condutores de Alumínio em Medição de Consumidor em BT

Aplicação de Condutores de Alumínio em Medição de Consumidor em BT Aplicação de Condutores de Alumínio em Medição de Consumidor em BT 1 Escopo Esta ITA Ampla, tem por objetivo estabelecer os procedimentos a serem adotados para aplicação de condutores de alumínio em substituição

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COMPACTA PROTEGIDA CLASSE 15 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA página APRESENTAÇÃO 1. OBJETIVO...03 2. CAMPO DE APLICAÇÃO...03

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS MEMORIAL DESCRITIVO Instalação Nobreak 60 KVA - 380 V PROPRIETÁRIO: Procuradoria Geral de Justiça. 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO DADOS DO PROPRIETÁRIO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO 1. GENERALIDADES 1.1 O projeto refere-se às instalações elétricas do empreendimento comercial localizado

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO Código ETD-00.023 Data da emissão 28.12.1993 Data da última revisão 09.09.2009 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL RESUMO

INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL RESUMO INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL Fernando Nascimento 1-21370122 Gabriela Sampaio Rêma 2-21370051 Marcos Vinícius Lemos da Silva 3-21270116 Paula da Silva Nogueira 4-21370049 RESUMO Poucas

Leia mais

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO)

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) Condições de atendimento Diretoria de Distribuição Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

ID-2.024. Instrução Técnica. Procedimento Técnico para Projetos e Implantação de Postes na AES Eletropaulo. Diretoria de Engenharia e Serviços

ID-2.024. Instrução Técnica. Procedimento Técnico para Projetos e Implantação de Postes na AES Eletropaulo. Diretoria de Engenharia e Serviços ID-2.024 Procedimento Técnico para Projetos e Implantação de Postes na AES Eletropaulo Instrução Técnica Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição 2 Folha de Controle Elaborado

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-20 MONTAGEM DE REDES PRIMÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA AÉREA, URBANA COM CABOS COBERTOS EM ESPAÇADORES CLASSE 15 kv página APRESENTAÇÃO 1. OBJETIVO...03 2.

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE BRASÍLIA - CEB MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO MÓDULO I

COMPANHIA ENERGÉTICA DE BRASÍLIA - CEB MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO MÓDULO I COMPANHIA ENERGÉTICA DE BRASÍLIA - CEB MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO MÓDULO I DIRETORIA DE DISTRIBUIÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ENGENHARIA GERÊNCIA DE ENGENHARIA E NORMALIZAÇÃO NTD 6.05 FORNECIMENTO DE ENERGIA

Leia mais

RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - REDE DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV REDE SUL / SUDESTE

RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - REDE DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV REDE SUL / SUDESTE RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV SUL / SUDESTE AFASTADOR, ARMACAO SECUNDARIA, ACO CARBONO 1010-1020, ZINCADO A QUENTE, DIMENSOES: 1000 X700 10002599 MM, 4 FUROS, NORMAS

Leia mais

NTU AES 003-1. Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL

NTU AES 003-1. Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL NTU AES 003-1 Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL Elaborado: Aprovado: DATA: 30/09/2010 João Carlos Nacas AES Eletropaulo Fernanda Pedron AES Sul Sergio

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA NTD-14 NTD 14 MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA CONTROLE DE VERSÕES NTD-14 - MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Nº.: DATA VERSÃO 1 13/07/4 0 2 03/9 1 NTD 14 MONTAGEM

Leia mais

MOD. 225-10.000-03/2009 - Gráfica Garilli - Agência PUC Propaganda

MOD. 225-10.000-03/2009 - Gráfica Garilli - Agência PUC Propaganda MOD. 225 -.000-03/2009 - Gráfica Garilli - Agência PUC Propaganda Rua Xavier de Toledo, 640 Vila Paulicéia São Bernardo do Campo, SP CEP: 09692-030 Geral: Tel.: (11) 4176-7877 Fax: (11) 4176-7879 E-Mail:

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-136/2010 R-01

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-136/2010 R-01 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA /20 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica /20 R- define o padrão de uso de condutores concêntricos de alumínio

Leia mais

ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. INTERLIGAÇÃO BRASIL - URUGUAI

ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. INTERLIGAÇÃO BRASIL - URUGUAI 0a Revisão do item 5 10/12/2010 KCAR/SMMF 10/12/2010 AQ 0 Emissão inicial 19/11/2010 KCAR/SMMF 19/11/2010 AQ N DISCRIMINAÇÃO DAS REVISÕES DATA CONFERIDO DATA APROVAÇÃO APROVAÇÃO ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Projeto de Rede de Distribuição de IP com Circuito Exclusivo Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.03-00.020 1ª Folha 1 DE

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 Página 1 de 19 COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 ATENDIMENTO DE NOVOS CONSUMIDORES LOCALIZADOS EM ÁREAS DE SISTEMAS SUBTERRÂNEOS DE DISTRIBUIÇÃO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Administração Regional no Estado da Bahia. Criado e mantido pelos Empresários do Comércio de Bens, Serviços e Turismo

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Administração Regional no Estado da Bahia. Criado e mantido pelos Empresários do Comércio de Bens, Serviços e Turismo CONVITE N. 44/2012 MEMORIAL DESCRITIVO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA REALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE AJUSTES E CORREÇÕES EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DO SESC COMÉRCIO, PARA INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS DE

Leia mais

ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO XIII - MEMORIAL DESCRITIVO 1 - APRESENTAÇÃO: O presente memorial visa descrever as diretrizes básicas que devem ser observadas na reformulação da iluminação pública do Parque Marinha do Brasil. 2

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA I-313.0021 CRITÉRIOS PARA UTILIZAÇÃO

Leia mais

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV ÍNDICE APRESENTAÇÃO....2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE... 3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-CONDUTORES...4 6-PROCEDIMENTOS...5 6.1- Afastamentos padronizados...5 6.2-Engastamento

Leia mais

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea ITEM DESCRIÇÃO QUANT. 1.00 REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.1 Cabo de alumínio com alma de aço (CAA), seção 4/0, diâmetro externo

Leia mais

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS 11 metros = 150 12 metros = 150 450 1000 máximo 11 metros = 850 12 metros = 1450 800 450 450 11 metros = 1700 12 metros = 1800 11 ou 12 metros 100 11 metros = 1300 12

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E MEMORIAL DE CÁLCULO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

ESPECIFICAÇÃO E MEMORIAL DE CÁLCULO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ESPECIFICAÇÃO E MEMORIAL DE CÁLCULO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS OBRA: C.M.E.I TIA JOVITA LOCAL: RUA PARACATU C/ RUA 4 C/ AVENIDA CRUZEIRO DO SUL - VILA PEDROSO. GOIÂNIA / GO. 1 1.0 - MEMORIAL DESCRITIVO.

Leia mais

2.0 - MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

2.0 - MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Pg 2/59 2.0 - MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO 2.1 - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 2.1.1 INSTALAÇÃO DE REDE DE ILUMINAÇÃO PÚBILCA DO ACESSO A CIDADE DE CAICÓ, PELA BR 427 E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE ILUMINAÇÃO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DECARGAS ATMOSFÉRICAS SPDA PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DO MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DO LESTE MT

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DECARGAS ATMOSFÉRICAS SPDA PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DO MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DO LESTE MT MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DECARGAS ATMOSFÉRICAS SPDA PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DO MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DO LESTE MT CUIABÁ, ABRIL DE 2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 3 2. METODOLOGIA E TIPO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO Código: 0 RES nº 085/2012, Página 1 RES nº 085/2012, ÍNDICE CAPÍTULOS Página 1. OBJETIVO 4 2. APLICAÇÃO 4 3. CONCEITOS 5 4. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 6 4.1 Notas Gerais 6 4.2 Condutores e Edificações 7 4.3

Leia mais

NTE - 013 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA

NTE - 013 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA NORMA TÉCNICA NTE - 013 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA Rede de Distribuição Aérea Edificações Individuais Cuiabá Mato Grosso - Brasil ÍNDICE Pág. APRESENTAÇÃO...3 1. OBJETIVO...4

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0078 REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE ITA - 006 Rev. 0 Setembro / 2003 Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-010 PADRÕES E ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS DA DISTRIBUIÇÃO NDU-010 VERSÃO 3.1 JUNHO/2013 SUMÁRIO Item Descrição Classe Desenho 1. Haste de Aço-Cobre para Aterramento...

Leia mais

006/2015 NORMA TÉCNICA NT-006/2015 R-04 COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA DE LINHA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

006/2015 NORMA TÉCNICA NT-006/2015 R-04 COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA DE LINHA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE 006/2015 NORMA TÉCNICA /2015 R- FOLHA DE CONTROLE FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Esta Norma tem por objetivo estabelecer os procedimentos aplicáveis

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI. Índice:

MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI. Índice: MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI Índice: 1 - Generalidades 2 - Rede aérea de Alta Tensão 3 - Rede Secundária 4 - Aterramentos 5 - Posto de Transformação

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO DE DISTRIBUIÇÃO PRIMÁRIA 13,8 kv

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO DE DISTRIBUIÇÃO PRIMÁRIA 13,8 kv T Í T U L O NORMA DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO VERSÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA R1 I - GPC 11/04/2014 16/04/2014 CONTROLE DE REVISÃO Data Responsáveis Descrição 11/04/2014 Elaboração: Eng. Alberto J.

Leia mais

Jato suave e concentrado; Chuveiro com chave seletora para ajuste da temperatura (4 temperaturas); Inovação tecnológica;

Jato suave e concentrado; Chuveiro com chave seletora para ajuste da temperatura (4 temperaturas); Inovação tecnológica; 1 1. INFORMAÇÕES GERAIS Função O Chuveiro tem como função principal fornecer água com vazão adequada à higiene pessoal. Aplicação Utilizado para higiene pessoal em banheiros ou áreas externas como piscinas.

Leia mais

Padrão de Entrada COELBA. Padrão de Entrada Monofásico

Padrão de Entrada COELBA. Padrão de Entrada Monofásico Padrão de Entrada COELBA Informações do site www.coelba.com.br Padrão de Entrada é o conjunto de instalações composto de caixa de medição, sistema de aterramento, condutores e outros acessórios indispensáveis

Leia mais

ND-2.009 Ligação de Edifícios com Transformadores

ND-2.009 Ligação de Edifícios com Transformadores ND-2.009 Ligação de Edifícios com Transformadores em Pedestal Norma Técnica Distribuição de Energia Elétrica ND-2.009 Ligação de Edifícios com Transformadores em Pedestal Autores: Plácido Antonio Brunheroto

Leia mais

Instalações elétricas provisórias na construção civil

Instalações elétricas provisórias na construção civil Instalações elétricas provisórias na construção civil São Paulo, 12 de agosto de 2014 NBR-5410 NR-18 10.1. Objetivo e campo de aplicação 10.2. Medidas de controle 10.3. Segurança no projeto 10.4. Segurança

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TRANSITO DE GOIAS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS.

DEPARTAMENTO DE TRANSITO DE GOIAS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. MEMORIAL DESCRITIVO DEPARTAMENTO DE TRANSITO DE GOIAS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. 1 I INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE GOIÁS. 1.0 - DADOS BÁSICOS: 1.1 - Edifício: Prédio

Leia mais

ADENDO 02. Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT.

ADENDO 02. Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT. DIRETORIA TÉCNICA DEPARTAMENTO COMERCIAL DIVISÃO DE MEDIÇÃO ADENDO 02 Adequação das Normas Técnicas NT-01-AT, NT-03 e Adendo a NT-03 a revisão da Norma NBR 14.039 da ABNT. Florianópolis, agosto de 2005.

Leia mais

Capítulo 3 Circuitos Elétricos

Capítulo 3 Circuitos Elétricos Capítulo 3 Circuitos Elétricos 3.1 Circuito em Série O Circuito Série é aquele constituído por mais de uma carga, ligadas umas as outras, isto é, cada carga é ligada na extremidade de outra carga, diretamente

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ Associação Alphaville Mossoró Janeiro- 2014 ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO

Leia mais

Defensas metálicas de perfis zincados

Defensas metálicas de perfis zincados MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-31/10/2013 05/11/2013 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI DTES-ES SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014.

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos.

Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos. 1 Soluções inovadoras em fios e cabos elétricos. Somos um dos maiores fabricantes mundiais de fios e cabos, com mais de 170 anos de história de progresso contínuo em nível global e mais de 40 anos no Brasil.

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: ELÉTRICO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. GENERALIDADES... 03 2. DOCUMENTOS APLICÁVEIS... 04 3. DESCRIÇÃO DO PROJETO...

Leia mais

Manual de Instalação DIGISTAR XE - 10 DIGISTAR XE - 16 DIGISTAR XE - 16 A

Manual de Instalação DIGISTAR XE - 10 DIGISTAR XE - 16 DIGISTAR XE - 16 A Manual de Instalação DIGISTAR XE - 10 DIGISTAR XE - 16 DIGISTAR XE - 16 A Sumário 1 - Instalação 1.1 - Ambiente de Instalação... 3 1.2 - Fixação Mecânica... 3 1.3 - Rede Elétrica... 4 1.4 - Fiação... 5

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Rede geral de terras Regras de execução Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia,

Leia mais

NORMA TÉCNICA NTC 011

NORMA TÉCNICA NTC 011 COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA COCEL NORMA TÉCNICA 011 CAIXAS PARA EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO - MATERIAL POLIMÉRICO Divisão de Medição e Fiscalização Emissão: 2015 Versão: 01/2015 1 2 SUMÁRIO: 1. OBJETIVO...

Leia mais

FASCÍCULO MEDIÇÃO ELETRÔNICA CENTRALIZADA. BAIXA TENSÃO edição 2010. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia

FASCÍCULO MEDIÇÃO ELETRÔNICA CENTRALIZADA. BAIXA TENSÃO edição 2010. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia FASCÍCULO MEDIÇÃO ELETRÔNICA CENTRALIZADA BAIXA TENSÃO edição 2010 Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia Fascículo de Medição Eletrônica Centralizada 2010 1º Edição v.01-31/03/2010

Leia mais

Finalidade... : ILUMINAÇÃO PÚBLICA PRAÇA JOÃO PESSOA Nº08

Finalidade... : ILUMINAÇÃO PÚBLICA PRAÇA JOÃO PESSOA Nº08 MEMORIAL DESCRITIVO 1. INTRODUÇÃO: O presente memorial tem por objetivo possibilitar uma visão global do projeto elétrico e da implantação da rede de distribuição em Baixa Tensão e iluminação pública do

Leia mais

PD-4.009. Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia

PD-4.009. Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Engenharia PD-4.009 Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia PD-4.009 Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV ELABORADO

Leia mais

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3 ESCORAMENTO PÁGINA 1/16 MOS 4ª Edição ESPECIFICAÇÕES MÓDULO 05 VERSÃO 00 DATA jun/2012 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3 0501 ESCORAMENTO DE MADEIRA... 3 0502

Leia mais

ELOS ACESSÓRIOS PARA CABO REDE SUBTERRÂNEA

ELOS ACESSÓRIOS PARA CABO REDE SUBTERRÂNEA INSTRUÇÕES DE MONTAGEM ELOS ACESSÓRIOS PARA CABO REDE SUBTERRÂNEA PÁG. / 6 EMEX 6 kv Edição: DEZ 09 A emenda EMEX é um acessório de cabo de média tensão isolado com EPR ou XLPE com camada semi-condutora

Leia mais

Capítulo 5. Linhas elétricas. 5.1 Aspectos gerais 26/04/2010

Capítulo 5. Linhas elétricas. 5.1 Aspectos gerais 26/04/2010 Capítulo 5 Linhas elétricas 2008 by Pearson Education slide 1 5.1 Aspectos gerais Condutor elétrico Fio Barra Linha pré-fabricada Barramento Condutor encordoado: classes 1 a 6 Cabo Corda Perna Coroa Cabo

Leia mais

Considerando-se as premissas básicas e critérios adotados determinam-se duas situações que estão representadas nos gráficos a seguir:

Considerando-se as premissas básicas e critérios adotados determinam-se duas situações que estão representadas nos gráficos a seguir: RT 2.001 Página 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer parâmetros técnicos para subsidiar a padronização dos critérios para adoção de tensões mecânicas de projeto quando da utilização de cabos singelos de alumínio

Leia mais