e Iniciação Científica 2015 Anais com os resumos.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "e Iniciação Científica 2015 Anais com os resumos."

Transcrição

1 e Iniciação Científica 2015 Anais com os resumos.

2

3

4 SUMÁRIO DIREÇÃO DA FACHA E OS SETORES DE APOIO ACADÊMICO...5 ORGANIZAÇÃO E EQUIPE DE APOIO...6 APRESENTAÇÃO TCC...9 AUTOR(A): ANA CAROLINA DA SILVA TEIXEIRA BISPO...9 AUTOR(A): BRUNA CALDAS DA SILVA...10 AUTOR(A): CARINA CORTINES FERNANDES...11 AUTOR(A): CARLOS VICTOR SOUSA DE AZEVEDO...12 AUTOR(A): CINTIA NASCIMENTO RIBEIRO...13 AUTOR(A): DANIEL GUIMARÃES DE MAGALHÃES...14 AUTOR(A): DANIELA TORRESARAÚJO...15 AUTOR(A): DÉBORA RODRIGUES ANIBOLETE...16 AUTOR(A): EDEM PEREIRA BORGES...17 AUTOR(A): FÁBIO CRISTIAN DAMIÃO DA SILVA...18 AUTOR(A): GRAZIELLE FURTADO ALVES DA COSTA DEVAUX...19 AUTOR(A): HANNAH LIMA A. DE VASCONCELLOS...20 AUTOR(A): IVANILDO CARMO...21 AUTOR(A): JOANA FORTUNA...22 AUTOR(A): JOÃO GABRIEL ALVES SANTARÉM...23 AUTOR(A): JONATHAN ALVES DA SILVA FERREIRA...24 AUTOR(A): JORGE DA CRUZ CHAVES...25 AUTOR(A): JUAN SILVEIRA AUTOR(A): LARYZA NASCIMENTO COSTA...27 AUTOR(A): LEONARDO JACINTHO...28 AUTOR(A): LETÍCIA OLIVEIRA DE FREITAS...29 AUTOR(A): LUANNA S. BERNARDES DE SOUZA...30 AUTOR(A): MARCELO VIEIRA...31 AUTOR(A): MARIA CAROLINA LINDGREN...32 AUTOR(A): MARINA ANDRADE LIMA...33 AUTOR(A): MATHEUS S. PEREIRA...34 AUTOR(A): MAYRA LUIZA DE QUEIROZ GONÇALVES ALMEIDA CORRÊA...35 AUTOR(A): MICHELE MARINHO PEREIRA CAMPOS...36 AUTOR(A): NATHALIA DAUD PEREIRA...37 AUTOR(A): NATHALIA NONNO...38

5 AUTOR(A): PEDRO DIEGO DA SILVA ROCHA...39 AUTOR(A): PEDRO MOTTA AUTOR(A): PHILIPPE SENOS MATTA...41 AUTOR(A): RAFAELA COSTA...42 AUTOR(A): RAFAELA RODRIGUES DE TOLEDO...43 AUTOR(A): RAQUEL GENTIL LIMA DE ANDRADE...44 AUTOR(A): RENATA DE OLIVEIRA LOPES...45 AUTOR(A): SILVIA FRANCO AUTOR(A): SIMONE MEDEIROS...47 AUTOR(A): TATIANE MENEZES OLIVEIRA...48 AUTOR(A): URSULA CASTRO...49 AUTOR(A): VANESSA CRISTINE CARDOZO CUNHA...50 AUTOR(A): VANESSA DAVEL DA SILVA...51 AUTOR(A): VINICIUS ARAUJO...52 AUTOR(A): WALLACE BORGES...53 AUTOR(A): WINNIE PAIVA ANTUNES FIORI INICIAÇÃO CIENTÍFICA...55 AUTOR(A): AMANDA MARINHO DE SÁ...55 AUTOR(A): BÁRBARA AZEVEDO DE ALMEIDA...56 AUTOR(A): CAMILA DOS REIS PEREIRA...57 AUTOR(A): FABRÍCIO VONA ALBUQUERQUE...58 AUTOR(A): FERNANDA DE OLIVEIRA LOURENÇO E THAÍS FARIAS DE SOUZA...59 AUTOR(A): HANNA CAGY...60 AUTOR(A): ISABELA CESÁRIO DE FARIA ALVIM E LEANDRO LIMA GONÇALVEZ...61 AUTOR(A): JOANNA CASSIANNO...62 AUTOR(A): JOSÉ ALESSANDRO DE OLIVEIRA...63 AUTOR(A): LÍVIA RODRIGUES...64 AUTOR(A): MATHEUS DE SABOYA CARVALHO...65 AUTOR(A): NATANNE VIEGAS...66 AUTOR(A): NATHANY BASTOS ROZALINO...67 AUTOR(A): RAPHAEL CUNHA NUNES DE AZEVEDO...68 AUTOR(A): RAPHAELA CRUZ NOGARED...69 AUTOR(A): VANISE GUIMARÃES DA SILVEIRA...70 AUTOR(A): VITOR ZANFAGNINI...71

6 DIREÇÃO DA FACHA E OS SETORES DE APOIO ACADÊMICO Direção Geral Prof. Paulo César Martinez y Alonso Vice-direção Márcia Regina Alonso Pfisterer Superintendência Financeira Cláudia Alonso Superintendência Administrativa Andréia Cristina Alonso Gerência Acadêmica Profa. Denise Azeredo Gerência de Campus - Méier Regina Maria Dantas Chaves do Lago Coordenação Adjunta de Jornalismo Profa. Michele Cruz Vieira Profa. Ivana Gouveia Coordenação de Gestão Desportiva Profa. Verônica Perissé Nolasco Coordenação do Núcleo de Iniciação Científica: Ariane Diniz Holzbach Eduardo Domingues Maria Paulina Gomes Coordenação de Trabalho de Conclusão de Curso Profa. Maria Paulina Gomes Coordenação de Extensão Prof. Telson Pires Secretária-geral Alessandra Moreira das Neves Canha Coordenação Adjunta de Publicidade e Propaganda Prof. Romualdo Ayres Coordenação de Radialismo Prof. Nelson Hoineff Prof. José Augusto de Almeida Neto Coordenação de Relações Públicas Profa. Maria Helena Carmo dos Santos Coordenação de Teorias e Fundamentos Prof. Aristides Alonso Prof. Sady Bianchin Coordenação de Direito Prof. Eduardo Garcia Ribeiro Lopes Domingues Coordenação de Turismo Prof. Marcelo Tesserolli

7 ORGANIZAÇÃO E EQUIPE DE APOIO Coordenação de TCC Núcleo de Iniciação Científica Organização Geral Escritório de Relações Públicas Organização do Evento Centro de Produção e Pesquisa Criação e Editoração

8 APRESENTAÇÃO JÁ ESTÁ SE TORNANDO UMA TRADIÇÃO NA FACHA, A REALIZAÇÃO DA JORNADA ANUAL DE TCC E DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, COM A APRESENTAÇÃO DOS TCCS QUE OBTIVERAM NOTA DEZ E DOS RE- SULTADOS PARCIAIS ALCANÇADOS PELOS ALUNOS QUE SE DEDICARAM AOS PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. TAL EVENTO DEMONSTRA TAMBÉM O QUANTO A INSTITUIÇÃO SE PREOCUPA COM A FORMAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DA CAPACIDADE DE PESQUISA EM SEUS ALUNOS E COM A PRODUÇÃO DISCEN- TE DO CONHECIMENTO NAS ÁREAS DOS CURSOS MINISTRADOS, FATORES INDISPENSÁVEIS PARA O ALCANCE DA QUALIDADE ALMEJADA NO ENSINO. OS ANAIS DA JORNADA CONSUBSTANCIAM A PRODUÇÃO DISCENTE COM A INCLUSÃO DOS RESU- MOS RELATIVOS AOS TRABALHOS APRESENTADOS NA JORNADA, EM FORMA DE EXPOSIÇÃO ORAL, APRESENTAÇÃO DE VÍDEOS OU EXPOSIÇÃO DE PÔSTERES. FICAM REGISTRADOS AQUI OS PARABÉNS E OS AGRADECIMENTOS AOS ALUNOS E ORIENTADORES RESPONSÁVEIS PELA ELABORAÇÃO DOS TCC E PELA REALIZAÇÃO DAS PESQUISAS, ENFATIZANDO QUE SEUS ESFORÇOS, DEDICAÇÃO E EMPENHO, CONTRIBUÍRAM DE FORMA DECISIVA PARA QUE SE PUDESSE CHEGAR A RESULTADOS QUE, EMBORA TÍMIDOS, SÃO BASTANTE PROMISSORES. NA OPORTUNIDADE, EXTERNAMOS NOSSOS AGRADECIMENTOS AOS FUNCIONÁRIOS DA IES, AO ERP, À ACHA, BEM COMO AOS PROFESSORES CONVIDADOS PARA ATUAREM COMO COORDENADORES DE MESA E AVALIADORES, PELO APOIO PRESTADO À REALIZAÇÃO DESSE EVENTO. NÚCLEO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COORDENAÇÃO DE TCC GERÊNCIA ACADÊMICA DIREÇÃO EXECUTIVA

9

10 1. TCC TÁ ESTRESSADO? VAI SURFAR! e Iniciação Científica 2015 AUTOR(A): ANA CAROLINA DA SILVA TEIXEIRA BISPO PROFESSOR(A) ORIENTADOR(A): JOSÉ AUGUSTO NETO TÁ ESTRESSADO VAI SURFAR PROPÕE MOSTRAR O SURF NÃO SOB O OLHAR DAQUELE QUE SO- BREVIVE DO ESPORTE, MAS DO PONTO DE VISTA DE PESSOAS COMUNS QUE SE APAIXONARAM PELA PRÁTICA DO SURF. A PROPOSTA É MOSTRAR O CONTRASTE ENTRE A PROFISSÃO, IDADE, PORTE FÍSICO E UM ESPORTE QUE PARA MUITOS É PRATICADO APENAS POR JOVENS E AINDA MARGINALIZADO POR ALGUNS. ATRAVÉS DE DEPOIMENTOS, ESTRUTURAR A NARRATIVA DO DOCUMENTÁRIO, SEMPRE FAZEN- DO A CONEXÃO COM O QUE HÁ DE COMUM ENTRE OS PERSONAGENS, O SURF. TEM COMO OBJETIVO MOSTRAR O PERSONAGEM NO SEU AMBIENTE DE TRABALHO, O ESTRESSE DIÁRIO QUE ENFRENTA E DEPOIS ELE NA PRAIA SURFANDO. IMPORTANTE DESTACAR QUE TÁ ESTRESSADO VAI SURFAR NÃO SE TRATA DE UM VÍDEO DE SURF. O FILME FOI PRODUZIDO E PENSADO PARA MOSTRAR OS BENEFÍCIOS QUE O ESPORTE PODE TRAZER E QUE NÃO HÁ BARREIRAS PARA PRATICÁ-LO. PALAVRAS-CHAVE: SURF. ESTILO DE VIDA. DESESTRESSE. VIDA SAUDÁVEL. 9

11 JORNALISMO FEMININO: AS MUDANÇAS NA LINGUAGEM JORNALÍSTICA PARA ACOMPANHAR AS METAMORFOSES SOCIAIS DA MULHER BRASILEIRA AUTOR(A): BRUNA CALDAS DA SILVA PROFESSOR(A) ORIENTADOR(A): GERALDO MAINENTI ESTE TRABALHO VISA PERCEBER, ATRAVÉS DE ANÁLISE DE CONTEÚDO, COMO AS PUBLICAÇÕES FE- MININAS ACOMPANHARAM AS MUDANÇAS DA MULHER BRASILEIRA DENTRO DA SOCIEDADE. AO LONGO DA HISTÓRIA DA HUMANIDADE, A MULHER VEM SAINDO DO PAPEL DE INFERIORIDADE COM O ADVENTO DOS MOVIMENTOS FEMINISTAS. A MÍDIA EM GERAL E, PRINCIPALMENTE, O JORNALISMO TÊM COMO PRINCIPAL MISSÃO RETRATAR A SOCIEDADE. VISTO QUE MUDANÇAS MAIS MARCANTES OCORRERAM A PARTIR DA DÉCADA DE 1970, FOI PRECISO ADAPTAR OS VEÍCULOS FEMININOS PARA A NOVA MULHER QUE SURGIA NA SOCIEDADE. A ELA NÃO BASTAVA MAIS SER APENAS DONA-DE-CASA, ERA PRECISO IR ALÉM DOS LAÇOS FAMILIARES, CONSTRUIR UM LADO PROFISSIONAL SÓLIDO E PROMISSOR. SENDO ASSIM, FOI NA SEGMENTAÇÃO DE MERCADO QUE O JORNALISMO FEMININO ENCONTROU A SOLUÇÃO PARA ACOMPANHAR ESSA MULHER, COM INTERESSES CADA VEZ MAIS ESPECÍFICOS E TEMAS COMO SEXO, SAÚDE E BELEZA PASSARAM A GANHAR DESTAQUE. O OBJETO DE ESTUDO DESTE TRABALHO FOI A REVISTA NOVA COSMOPOLITAN, LANÇADA EM SETEMBRO DE 1973, PELA EDITORA ABRIL. O OBJETIVO É MOSTRAR COMO SE DEU A EVOLUÇÃO SOCIAL E SEXUAL DA MULHER BRASILEIRA ATRAVÉS DAS PÁGINAS DESSA REVISTA, AO LONGO DE 30 ANOS. FORAM ANALISADAS AS CAPAS DE SETE EDIÇÕES DESTE PERÍODO, ALÉM DAS SUAS MATÉRIAS PRINCIPAIS E OS ANÚNCIOS VEICULADOS NAS PÁGINAS DE NOVA. OBSERVA-SE, ENTÃO, A PREGAÇÃO DE UMA PSEUDO-LIBERAÇÃO DA MULHER, POIS ESTA, MESMO SENDO VEICULADA COMO LIVRE E DECIDIDA, ACABA POR SE TORNAR ESCRAVA DO DESEJO MASCULINO, DO CONSUMO E, PRINCIPALMENTE, DA MANEIRA COMO DEVE CONDUZIR A SUA VIDA SEXUAL. PALAVRAS-CHAVE: JORNALISMO FEMININO. CONSUMO. NOVA COSMOPOLITAN. SEXUALIDA- DE. MULHER BRASILEIRA. 10

12 GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES: O CASO DA TABERNA DOS PINHEIROS AUTOR(A): CARINA CORTINES FERNANDES PROFESSOR(A) ORIENTADOR(A): MARIA HELENA CARMO DOS SANTOS O PRESENTE TRABALHO ABORDA UM ESTUDO SOBRE AS RELAÇÕES PÚBLICAS E AS ORGANIZAÇÕES, QUE PRECISAM ESTAR MAIS ABERTAS AO TEMA RELACIONAMENTO COM SEUS PÚBLICOS COMO ESTRA- TÉGIA DE VANTAGEM COMPETITIVA, UTILIZANDO, PARA ISSO, A COMUNICAÇÃO ESTRATÉGICA. LOGO, ESTE TRABALHO TEM COMO OBJETIVO ANALISAR OS RELACIONAMENTOS ORGANIZACIONAIS COM UM PÚBLICO ESTRATÉGICO EM ESPECIAL: OS FORNECEDORES. COM ISSO, FOI REALIZADO UM ESTUDO DE CASO EM UM BAR E RESTAURANTE DA ZONA NORTE DO RIO DE JANEIRO, A TABERNA DOS PINHEIROS, CUJO RELACIONAMENTO COM OS FORNECEDORES É UM PONTO CRUCIAL PARA QUE A TABERNA CONSIGA ENTREGAR ALIMENTOS E BEBIDAS COM QUALIDADE. POR MEIO DE ENTREVISTAS REALIZADAS COM OS FORNECEDORES E COM UM DOS DONOS, VERIFICOU-SE QUE O BOM RELACIONAMENTO ENTRE AS PAR- TES É DETERMINANTE PARA QUE EXISTA A MANUTENÇÃO DO FORNECIMENTO. PARA ISSO, A TABERNA DOS PINHEIROS PRECISA CUIDAR DESSE RELACIONAMENTO COM OS FORNECEDORES, QUE SÃO CADA VEZ MAIS IMPORTANTES, PRINCIPALMENTE EM MERCADOS ALTAMENTE COMPETITIVOS. PALAVRAS-CHAVE: RELAÇÕES PÚBLICAS. COMUNICAÇÃO ESTRATÉGICA. RELACIONAMENTO. FORNECEDORES. TABERNA DOS PINHEIROS. 11

13 LINKS PATROCINADOS NO GOOGLE ADWORDS E O MERCADO E-COMMERCE AUTOR(A): CARLOS VICTOR SOUSA DE AZEVEDO PROFESSOR(A) ORIENTADOR(A): LUIZ CARLOS AGNER NESSE TRABALHO SERÁ APRESENTADA UMA BREVE HISTÓRIA DA EXPANSÃO DA PUBLICIDADE DI- GITAL, EXPONDO-A COMO UMA GRANDE OPORTUNIDADE DE MÍDIA PARA A PUBLICIDADE ATUAL, UTILI- ZANDO, PARA ISSO, O GOOGLE ADWORDS COMO FERRAMENTA. JUNTAMENTE COM ISSO, SERÁ IDENTI- FICADA A ATUAL SITUAÇÃO DO MERCADO ONLINE, ASSIM COMO O SEU POTENCIAL DE CRESCIMENTO. SERÃO APRESENTADAS, TAMBÉM, POSSÍVEIS MOTIVAÇÕES E VANTAGENS DE SE ANUNCIAR NESSE MEIO E COMO DE SER FEITO UM ANÚNCIO EM UMA FERRAMENTA DE PROPAGANDA DIGITAL, DE USO SIMPLES E EFICIENTE, E DE BAIXO CUSTO. PALAVRAS-CHAVE: PUBLICIDADE DIGITAL. GOOGLE ADWORDS. E-COMMERCE. 12

14 FANTASIA E A CONSTRUÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NAS REDES SOCIAIS AUTOR(A): CINTIA NASCIMENTO RIBEIRO PROFESSOR(A) ORIENTADOR(A): ARISTIDES ALONSO ESTE ARTIGO TRATA DO MODO COMO A FANTASIA (EM SENTIDO PSICANALÍTICO) AGE NA CONS- TRUÇÃO DO CAPITAL SOCIAL (JAMES COLEMAN, PIERRE BOURDIEU E ROBERT PUTNAM) NAS REDES SOCIAIS, PRINCIPALMENTE NO FACEBOOK. BUSCANDO-SE DESTA FORMA UM ENTENDIMENTO SOBRE COMO OS INDIVÍDUOS SE INSEREM SOCIALMENTE EM TAL AMBIENTE.PRETENDE-SE DESTACAR TAMBÉM OS FATORES QUE SÃO IMPORTANTES PARA UM INDIVÍDUO ADQUIRIR BOM NÍVEL DE REPUTAÇÃO, E ASSIM CONSEGUIR CONQUISTAR A CONFIANÇA ALHEIA NO MEIO VIRTUAL. E, PASSAR A FAZER PARTE DE GRUPOS PREVIAMENTE FORMADOS NESTE AMBIENTE. ADEMAIS, SE ESTABELECER, CRIAR VÍNCULOS E MANTER SUA REDE DE RELACIONAMENTOS VIRTUAL, QUE PODE ATE SER MAIOR QUE A EXISTENTE NO AMBIENTE FÍSICO. PALAVRAS-CHAVE: FANTASIA. DESEJO. REDE SOCIAL. CAPITAL SOCIAL. 13

15 A ASSESSORIA DE IMPRENSA DE UM CLUBE: ANÁLISE DO COTIDIANO DO VASCO DA GAMA AUTOR(A): DANIEL GUIMARÃES DE MAGALHÃES PROFESSOR(A) ORIENTADOR(A): LUIS FELIPE FRANCESCHINI A PRESENTE MONOGRAFIA TEM COMO OBJETIVO PRINCIPAL ANALISAR A IMPORTÂNCIA DO TRABA- LHO DE UMA ASSESSORIA DE IMPRENSA PARA UM CLUBE DE FUTEBOL. PROCURA DISCUTIR O LUGAR DA ASSESSORIA DE IMPRENSA NA CONSTRUÇÃO DAS IMAGENS PESSOAIS E EMPRESARIAIS, ALÉM DA SUA RELAÇÃO COM A MÍDIA. ATRAVÉS DE PESQUISAS, TRAÇA A HISTÓRIA DESTA VERTENTE JORNALÍSTICA E SUA INFLUÊNCIA NO TRATO DIRETO COM OS PROFISSIONAIS DA IMPRENSA E COM AS MÍDIAS DE MASSA, BEM COMO COM OS ATLETAS E DIRIGENTES. O TRABALHO MOSTRA AS TRANSFORMAÇÕES PELAS QUAIS PASSARAM AS ASSESSORIAS DE IMPRENSA DE CLUBES DE FUTEBOL AO LONGO DOS ANOS E, PARA ISSO, UTILIZA COMO OBJETO DE ESTUDO E PESQUISA O DIA A DIA DO VASCO DA GAMA, ANALISANDO O TRABALHO REALIZADO PELOS JORNALISTAS QUE FAZEM A COBERTURA DO CRUZ-MALTINO E DOS PROFISSIONAIS QUE TRABALHAM EXERCENDO A FUNÇÃO DE ASSESSORES DE IMPRENSA. AO LONGO DA EXPOSIÇÃO, MOSTRA-SE O TRABALHO QUE REVELA O COTIDIANO DAS PESSOAS ENVOLVIDAS NESTE TIPO DE SETOR. PALAVRAS-CHAVE: ASSESSORIA. IMPRENSA. CLUBE. ANÁLISE. VASCO. 14

16 CULTURA FÃ ESPORTIVA: ANÁLISE DO DESIMPEDIDOS AUTOR(A): DANIELA TORRESARAÚJO PROFESSOR(A) ORIENTADOR(A): ARIANE DINIZ HOLZBACH ESTE TRABALHO VISA ANALISAR A CULTURA DO FÃ DE ESPORTE NO CIBERESPAÇO E COMO ESSE TIPO DE COMUNIDADE PODE SER EXPLORADO POR EMPRESAS DE ENTRETENIMENTO. PARA TANTO, FORAM EXPLICITADOS OS CONCEITOS DE CULTURA DA CONVERGÊNCIA, CULTURA PARTICIPATIVA E INTE- LIGÊNCIA COLETIVA CRIANDO SUBSÍDIOS PARA O ENTENDIMENTO DA CULTURA FÃ E POSTERIORMENTE DO FÃ DE ESPORTE. O OBJETO DE ESTUDO É A PÁGINA NO FACEBOOK DO CANAL DESIMPEDIDOS, AVA- LIANDO O CONTEÚDO PUBLICADO DURANTE A COPA DO MUNDO DE CONCLUÍMOS QUE O FANDOM ESPORTIVO É UM PROCESSO DE COMUNICAÇÃO QUE GERA GRANDE VISIBILIDADE E LUCRATIVIDADE PARA EMPRESAS. PALAVRAS-CHAVE: FANDOM. ESPORTE. COPA DO MUNDO. CIBERCULTURA. 15

17 O PAPEL DA SOCIEDADE NO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO AUTOR(A): DÉBORA RODRIGUES ANIBOLETE PROFESSOR(A) ORIENTADOR(A): ARIADENE JACQUES ESTE ESTUDO BUSCA DESCONTRUIR O MITO DA MANIPULAÇÃO MIDIÁTICA POR MEIO DA APRESEN- TAÇÃO DE UMA CONCEPÇÃO DIALÓGICA DO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO E CONSIDERANDO AS INFLU- ÊNCIAS HISTÓRICAS, SOCIAIS E CULTURAIS QUE O PERMEIAM, SOBRETUDO NO BRASIL. SABE-SE QUE A IDEOLOGIA DE QUE A MÍDIA É UMA ENTIDADE QUE DOMINA E MANIPULA CONSCIÊNCIAS É BASTANTE ARRAIGADA NA SOCIEDADE BRASILEIRA, SENDO INCLUSIVE COMPARTILHADA POR MUITOS PROFISSIO- NAIS DE COMUNICAÇÃO. ESSES, POR SUA VEZ, BASEIAM-SE COMUMENTE EM TEORIAS TRADICIONAIS, QUE DEFINEM A COMUNICAÇÃO COMO UMA DINÂMICA UNILATERAL, NA QUAL OS MEIOS IMPÕEM SEU CONTEÚDO A UM PÚBLICO TOTALMENTE PASSIVO. DENTRO DESSE CONTEXTO, O PRESENTE TRA- BALHO APRESENTA UM CONTRAPONTO ENTRE ESSA CONCEPÇÃO E OUTRAS CORRENTES TEÓRICAS, QUE ABORDAM O TEMA DE FORMA MAIS REALISTA, CONSIDERANDO A PARTICIPAÇÃO DOS RECEPTORES NA CONSTRUÇÃO DOS SIGNIFICADOS. COMO OBJETO DE ESTUDO SÃO APRESENTADOS EXEMPLOS NA POLÍTICA, NO JORNALISMO E NO ENTRETENIMENTO (TELEVISÃO), QUE QUESTIONAM O CONCEITO DE MANIPULAÇÃO DEMONSTRANDO A CAPACIDADE DE REAÇÃO DOS INDIVÍDUOS. A ANÁLISE BASEIA-SE AINDA NA POPULARIZAÇÃO DA INTERNET E DAS NOVAS TECNOLOGIAS, QUE VÊM PROPICIANDO MAIOR PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE NA PRODUÇÃO DOS MEIOS, VISANDO DEMONSTRAR QUE O PARADIGMA EM QUESTÃO NÃO CONDIZ COM A REALIDADE ATUAL. DESSA FORMA, ESSA MONOGRAFIA TEM A INTEN- ÇÃO DE DEMONSTRAR A COMPLEXIDADE DA DINÂMICA DA COMUNICAÇÃO, E QUE, REDUZI-LA A UMA INTERPRETAÇÃO LIMITADA NÃO É SUFICIENTE PARA DESVENDÁ-LA. VALE RESSALTAR QUE A POSIÇÃO AQUI LEVANTADA NÃO VISA LIVRAR A MÍDIA BRASILEIRA DE SUAS ATITUDES CONDENÁVEIS TAMPOUCO AFIRMAR QUE O PÚBLICO É TOTALMENTE INOCENTE, MAS DEMONSTRAR QUE A COMUNICAÇÃO É UM PROCESSO DIALÓGICO, QUE PRECISA DOS DOIS LADOS PARA SE LEGITIMAR. EM OUTRAS PALAVRAS, NO LUGAR DE UMA RELAÇÃO DE MANIPULAÇÃO E PASSIVIDADE, FOI POSSÍVEL IDENTIFICAR, NO DECORRER DESSA PESQUISA, UMA INFLUÊNCIA RECÍPROCA ENTRE A MÍDIA E SEU PÚBLICO. ASSIM, CHEGA-SE À CONCLUSÃO DE QUE É IMPRESCINDÍVEL QUE OS PROFISSIONAIS DE COMUNICAÇÃO, ASSIM COMO TODA SOCIEDADE PASSEM A OLHAR O PROCESSO COMUNICATIVO SOB UMA NOVA ÓTICA, PARA QUE CADA UM POSSA ENTENDER SEU PAPEL E TIRAR MELHOR PROVEITO DELE. ALÉM DISSO, É PRECISO PERCEBER QUE A CONTEMPORANEIDADE OFERECE INÚMERAS POSSIBILIDADES, QUE DEVEM SER APROVEITADAS POR AMBOS OS LADOS, PARA QUE, DESSA FORMA, SEJA POSSÍVEL DESENVOLVER UMA COMUNICAÇÃO MAIS EFETIVA, AMPLA E DEMOCRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: COMUNICAÇÃO. DIALÓGICA. RECEPÇÃO. MANIPULAÇÃO. MÍDIA. 16

18 EFETIVIDADE DO DIREITO À SAÚDE NO SISTEMA PRISIONAL BRASILEIRO: UMA QUESTÃO DE DIREITOS HUMANOS AUTOR(A): EDEM PEREIRA BORGES PROFESSOR(A) ORIENTADOR(A): MARTA ALONSO O PRESENTE TRABALHO CUIDA DO DIREITO SOCIAL À SAÚDE SOB O ENFOQUE DOS DIREITOS HU- MANOS, DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS E DA NECESSIDADE DE EFETIVIDADE DE SUAS NORMAS NO ÂMBITO DO SISTEMA PRISIONAL BRASILEIRO. DESSA FORMA, OBJETIVA-SE AVALIAR A IMPORTÂNCIA E O ALCANCE DAS NORMAS E DOS PRINCÍPIOS QUE DIZEM RESPEITO AO DIREITO À SAÚDE, ALÉM DOS PRINCIPAIS INSTRUMENTOS JURÍDICOS PARA A GARANTIA DE SEU EFETIVO EXERCÍCIO. A HIPÓTESE DE INVESTIGAÇÃO DESTE TRABALHO É VERIFICAR SE OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS E A LEGISLAÇÃO EM VIGOR, CONSOANTES AO DIREITO À SAÚDE, SÃO EFETIVOS NO ÂMBITO DO SISTEMA PRISIONAL BRASILEIRO. VERIFICA-SE QUE O PRINCIPAL PROBLEMA DO DIREITO À SAÚDE NO SISTEMA PRISIONAL BRASILEIRO NÃO ESTÁ NA LACUNA OU NA AUSÊNCIA DE NORMAS, MAS SIM NA OMISSÃO DO ESTADO EM SUA IMPLEMENTAÇÃO. A METODOLOGIA UTILIZADA PARA ESTE TRABALHO PARTIU DA ANÁLISE DE DOUTRINA, DA JURISPRUDÊNCIA, DA LEGISLAÇÃO VIGENTE, E DA COLETA DE DADOS ESTATÍSTICOS EM ÓRGÃOS OFICIAIS E EM INSTITUIÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS. PALAVRAS-CHAVE: DIREITO À SAÚDE. DIREITOS HUMANOS. SISTEMA PRISIONAL BRASILEIRO. 17

19 O BRASIL E O TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL AUTOR(A): FÁBIO CRISTIAN DAMIÃO DA SILVA PROFESSOR(A) ORIENTADOR(A): IEDA TATIANA CURY A CRIAÇÃO DO TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL FOI UM MARCO HISTÓRICO NA LUTA PELA DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS. O ESTATUTO DE ROMA, DE 1998, CRIOU, JUNTAMENTE COM O TRIBUNAL, UMA REAL EXPECTATIVA DE QUE, A PARTIR DAQUELE MOMENTO, A IMPUNIDADE NÃO MAIS PREVALECERIA SOBRE A JUSTIÇA QUANDO SE ESTIVESSE DIANTE DO COMETIMENTO DOS MAIS BÁRBAROS CRIMES DO PLANETA. NO BRASIL, ENTRETANTO, MUITO SE DISCUTE ACERCA DA COMPATIBILIDADE DO ESTATUTO COM O ORDENAMENTO JURÍDICO PÁTRIO, PRINCIPALMENTE NO QUE DIZ RESPEITO À POSSIBILIDADE DA COMINAÇÃO DA PENA DE PRISÃO PERPÉTUA PELA CORTE, SANÇÃO VEDADA PELA CARTA MAGNA DE BUSCANDO ENRIQUECER O DEBATE SOBRE O TEMA E POSICIONANDO-SE SOBRE A QUESTÃO, O PRESENTE ARTIGO, MEDIANTE PESQUISA DOUTRINÁRIA E JURISPRUDENCIAL, ESCLARECE QUE ESSA POSSÍVEL ANTINOMIA ENTRE O ESTATUTO DE ROMA E A CONSTITUIÇÃO FEDERAL BRASILEIRA É APENAS APARENTE. PALAVRAS-CHAVES: TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL. ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEI- RO. ANTINOMIA APARENTE. 18

20 O NARRADOR JORNALISTA NA CONSTRUÇÃO DA MEMÓRIA POLÍTICA BRASILEIRA AUTOR(A): GRAZIELLE FURTADO ALVES DA COSTA DEVAUX PROFESSOR(A) ORIENTADOR(A): ANA CRISTINA ARRUDA A MONOGRAFIA TEM POR OBJETIVO DISCUTIR O PAPEL DO JORNALISTA NA CONSTRUÇÃO DA MEMÓ- RIA POLÍTICA BRASILEIRA A PARTIR DA ATUALIZAÇÃO DO DISCURSO CRÍTICO DE EUCLIDES DA CUNHA E DA IMPRENSA ALTERNATIVA NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR. PROBLEMATIZAMOS A IDEIA DE QUE O JORNALISMO SE CONSTITUI EM UM DISCURSO EXCLUSIVAMENTE PRODUZIDO A PARTIR DO TEMPO PRESENTE, REAFIRMANDO A NECESSIDADE ÉTICA DA VINCULAÇÃO DO JORNALISTA COM O ARQUIVO HIS- TÓRICO. PROPOMOS A CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE MEMÓRIA A PARTIR DE IDEIAS DESENVOLVIDAS POR HENRI BERGSON, SIGMUND FREUD, MAURICE HALBWACHS, MICHEL FOUCAULT, ANDREAS HUYSSEN E ZYGMUNT BAUMAN. DEFENDEMOS TAL CONCEITO COMO UM DISCURSO CRÍTICO INTERSUBJETIVO DO TEMPO PRESENTE NA INTERPRETAÇÃO DO PASSADO, SEMPRE INCOMPLETO E CONFLITUOSO. A PAR- TIR DA MEMÓRIA, CRUZAMOS CRITICAMENTE OS DEBATES CONTEMPORÂNEOS SOBRE A FORMAÇÃO DO JORNALISTA NO BRASIL, O RELATO DO CORRESPONDENTE EUCLIDES DA CUNHA SOBRE A GUERRA DE CANUDOS E PRODUTOS JORNALÍSTICOS DE RESISTÊNCIA DA IMPRENSA ALTERNATIVA NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR. COMO PROPOSTA DE REFLEXÃO, RESSALTAMOS, A PARTIR DA INTERAÇÃO ENTRE OS DISCURSOS JORNALÍSTICOS CRÍTICOS À VIOLÊNCIA ESTATAL EM DIFERENTES MOMENTOS DA HISTÓRIA POLÍTICA BRASILEIRA, O COMPROMISSO DO JORNALISMO ÉTICO COM A MEMÓRIA, ESPAÇO DE TENSÃO INDISPENSÁVEL PARA IMPULSIONAR A AÇÃO E O PENSAMENTO CRÍTICOS NA SOCIEDADE BRASILEIRA. PALAVRAS-CHAVE: MEMÓRIA. JORNALISMO CRÍTICO. ESTADO E VIOLÊNCIA. 19

21 NOMADISMO DIGITAL: CHEGAMOS À ERA DA GLOBALIZAÇÃO AUTOR(A): HANNAH LIMA A. DE VASCONCELLOS PROFESSOR(A) ORIENTADOR(A): ARIADENE JACQUES A REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA MUDOU PROFUNDAMENTE O MUNDO. DESDE AS RELAÇÕES INTERPES- SOAIS ATÉ O VALOR DO CAPITAL, CADA ELEMENTO DA VIDA HUMANA FOI AFETADO POR ESTA REVOLU- ÇÃO. HOJE, VIVEMOS EM UMA SOCIEDADE EM REDE, CONECTADA 24H POR DIA. POR CONTA DESTE NOVO PANORAMA, É POSSÍVEL TRABALHAR DE QUALQUER LUGAR EQUIPADO COM UM DISPOSITIVO, COMO UM NOTEBOOK OU UM SMARTPHONE, CONECTADO À INTERNET. ESTE NOVO SISTEMA DE TRABALHO É O CHAMADO NOMADISMO DIGITAL, UM MOVIMENTO QUE PROPAGA A IDEIA DE BENEFICIAR-SE DAS TEC- NOLOGIAS E DA INTERNET PARA MELHORAR A QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR, AUMENTANDO A SUA PRODUTIVIDADE, AO MESMO TEMPO EM QUE POSSIBILITA A ECONOMIA NOS GASTOS DE UMA EMPRESA. É UM MOVIMENTO COM PRINCÍPIOS QUE ENGLOBAM QUESTÕES AMBIENTAIS, DE MOBILIDADE URBANA, SOCIAIS, ECONÔMICAS E DE SAÚDE. ISSO PORQUE O TRABALHO É PARTE CENTRAL DO DIA A DIA DA POPULAÇÃO MUNDIAL, MOLDANDO O ESTILO DE VIDA DE CADA UM. ESTE FATO TORNA O NOMA- DISMO DIGITAL UM MOVIMENTO DE GRANDE IMPORTÂNCIA EM MEIO AO ESGOTAMENTO PLANETÁRIO. O MUNDO DÁ SINAIS CLAROS DE QUE O MODO COMO VIVEMOS E TRABALHAMOS HOJE NÃO É MAIS SUS- TENTÁVEL NEM PELA NATUREZA, NEM PELO HOMEM. O NOMADISMO DIGITAL, SURGE, ENTÃO COMO UMA DAS OPÇÕES PARA MUDAR O SISTEMA LABORAL NO QUAL ESTAMOS INSERIDOS E POSSIBILITAR A CHEGADA DE UMA NOVA ERA: A ERA DA REALIZAÇÃO. PALAVRAS-CHAVE: NOMADISMO DIGITAL. REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA. TRABALHO. 20

22 EU ME RECONHEÇO AUTOR(A): IVANILDO CARMO PROFESSOR(A) ORIENTADOR(A): JOSÉ AUGUSTO NETO O PROJETO TEM COMO OBJETIVO CONTAR, ATRAVÉS DE UM DOCUMENTÁRIO, A TRAJETÓRIA DE VIDA DE UM JOVEM, NEGRO, DE FAMÍLIA HUMILDE, MORADOR DE UMA COMUNIDADE CARENTE, QUE OUSOU SONHAR UM SONHO QUASE IMPOSSÍVEL. ABORDA SUA CRIAÇÃO, PASSANDO PELA FORMAÇÃO EDUCACIONAL VINDA DE PAIS ANALFABETOS, O INÍCIO DE UM SONHO, AS DIFICULDADES, OS CONFLITOS PESSOAIS E FAMILIARES, SUAS IDEIAS, SEUS IDEAIS, OS OBSTÁCULOS SUPERADOS E SUA PERSISTÊNCIA PARA ALCANÇAR O FUTURO PROFISSIONAL. ESTE RELATÓRIO BUSCA MOSTRAR O PROCESSO DE CRES- CIMENTO DE UMA PESSOA. O PRINCIPAL RECURSO UTILIZADO PARA O SEU DESENVOLVIMENTO FOI A COLETA DE INFORMAÇÕES ATRAVÉS DE ENTREVISTAS COM PESSOAS QUE DESEMPENHARAM PAPEIS IMPORTANTES NESSE PROCESSO. PARA SEU DESENVOLVIMENTO, FOI NECESSÁRIO MUITO TRABALHO E MUITAS NOITES SEM DORMIR, ATÉ SE CHEGAR A UMA PERSPECTIVA DE COMO SERIA REPRODUZIR SUA PRÓPRIA TRAJETÓRIA DE VIDA EM UM DOCUMENTÁRIO. O QUE PARECIA FÁCIL, MAS, NO ENTANTO, UM DOCUMENTÁRIO PRECISA, SEM DÚVIDA, DE UM ROTEIRO BEM ESCRITO. E COMO ESCREVER SUA HISTÓRIA NUM PAPEL DE UMA FORMA LÓGICA E ATRAENTE? CONDENSAR QUASE 35 ANOS DE VIDA EM APENAS 30 MINUTOS É UM TRABALHO ÁRDUO. UM DOCUMENTÁRIO TESTEMUNHAL COM DEPOIMENTOS DE FAMILIARES, AMIGOS E PROFISSIONAIS QUE COMPARTILHARAM DESSA HISTÓRIA. NAS FILMAGENS, FOI FEITA UMA GRAVAÇÃO DE OBSERVAÇÃO E AO MESMO TEMPO DE INTERAÇÃO NAS QUAIS TENTAMOS TRAZER UM POUCO DA INFÂNCIA (FICCIO- NAL), COM INTERAÇÃO DO PASSADO E DO PRESENTE. PALAVRAS-CHAVE: HISTÓRIA DE VIDA. FORMAÇÃO EDUCACIONAL. 21

23 RESPEITÁVEL PÚBLICO: A VIDA DEBAIXO DA LONA DE CIRCO AUTOR(A): JOANA FORTUNA PROFESSOR(A) ORIENTADOR(A): JOSE AUGUSTO NETO ESTE TRABALHO ACADÊMICO, INTITULADO RESPEITÁVEL PÚBLICO TRANSITA PELO MUNDO DO CIR- CO MODERNO E DO CIRCO TRADICIONAL DO RIO DE JANEIRO, PROCURA MOSTRAR SUAS DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS, E SUA SITUAÇÃO NOS DIAS DE HOJE. COM A AJUDA DE DEPOIMENTOS DE PESSOAS QUE VIVEM COM CIRCO, SEJA PROFISSIONALMENTE OU POR HOBBIE, QUESTÕES COMO QUALIDADE DE VIDA, MORADIA, TRADIÇÕES FAMILIARES E A BUSCA PELA SATISFAÇÃO PESSOAL SERÃO ABORDADAS. O DO- CUMENTÁRIO NOS TRAZ, ALÉM DO ESTILO DE VIDA EM COMUM DE DIFERENTES PERSONAGENS DO CIRCO CONTEMPORÂNEO E DO CIRCO TRADICIONAL, A PAIXÃO QUE CONTINUA NA PELE MESMO DAQUELES QUE NÃO EXERCEM MAIS SUA PRINCIPAL FUNÇÃO NO PICADEIRO, MOSTRANDO QUE AS PESSOAS PODEM SIM SE ADAPTAR PARA CONTINUAR FAZENDO AQUILO QUE AMAM. O CIRCO É UMA DAS MANIFESTAÇÕES ARTÍSTICAS MAIS ANTIGAS DO MUNDO. O SEU SURGIMENTO E DESENVOLVIMENTO CAMINHAM JUNTO DO PROCESSO HISTÓRICO DAS SOCIEDADES MEDIEVAIS, MODERNAS E CONTEMPORÂNEAS. COM FAMÍLIAS VINDAS DA EUROPA, ESSA ARTE APARECEU NO BRASIL COM O NOME DE CIRCO, POR VOLTA DO SEC XIX, ANTES DISSO, APRESENTAÇÕES ISOLADAS E MANIFESTAÇÕES NÃO ERAM MUITO COMUNS, MAS APARE- CIAM. COM O SURGIMENTO DE NOVOS MEIOS DE ENTRETENIMENTO E AS TRANSFORMAÇÕES DO MUNDO MODERNO E DAS TECNOLOGIAS, EM MEADOS DO SÉCULO XX, HOUVE UMA REDUÇÃO ENORME DO PÚ- BLICO QUE ASSISTIA ÀS APRESENTAÇÕES. O CIRCO ENTÃO TEVE QUE SE REINVENTAR PARA CONTINUAR EXISTINDO. A GRANDE MAIORIA DOS PROFESSORES QUE CONHECI E PUDE ENTREVISTAR, TEM UM PASSADO CIRCENSE BEM ANTIGO, EM QUE NEM ELES PRÓPRIOS SABEM DO COMEÇO. POR CONSEQUÊNCIA DE NENHUM DOS FILHOS SEGUIR A CARREIRA CIRCENSE, OS PROFESSORES PROCURARAM A ESCOLA PARA QUE A HISTÓRIA DELES NO CIRCO NÃO PARASSE POR ALI, FAZENDO COM QUE AQUELES ALUNOS SEJAM AS SUAS PRÓXIMAS GERAÇÕES DE UMA CARREIRA TÃO GRANDIOSA E AMADA. EM TODAS AS ENTREVISTAS COM A VELHA GUARDA DO CIRCO, PUDE SENTIR O AMOR QUE ELES AINDA MANTÊM PELO CIRCO, E O CARINHO QUE PASSAM PARA OS ALUNOS, E MESMO COM TANTAS DIFICULDADES QUE O CIRCO BRASILEIRO VEM ENFRENTANDO. O CIRCO BRASILEIRO NÃO SE ENCON- TRA EM SEU MELHOR MOMENTO E ESTÁ LONGE DE CHEGAR NELE. ASSIM COMO TODAS AS PROFISSÕES DEVEM SER VALORIZADAS, O PICADEIRO TAMBÉM PRECISA DE AJUDA. FOI MUITO TRISTE VER AS DIFI- CULDADES QUE OS ARTISTAS PASSAM. HOJE QUEM É DO CIRCO PRECISA DRIBLAR AS TECNOLOGIAS E OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO QUE SUGAM AS FAMÍLIAS EM TROCA DE ENTRETENIMENTO. MAS FOI MUITO GRATIFICANTE TAMBÉM, VER QUE NINGUÉM ESTÁ ALI PRA DESISTIR, E A ESPERANÇA EM CADA OLHAR ME FEZ VER OS OBSTÁCULOS POR OUTROS OLHOS TAMBÉM. PALAVRAS-CHAVE: CIRCO. ARTE. CIRCO TRADICIONAL. CIRCO MODERNO. 22

24 A REPUTAÇÃO ORGANIZACIONAL A PARTIR DE UMA CULTURA DE VALORES: O CASO LOSANGO AUTOR(A): JOÃO GABRIEL ALVES SANTARÉM PROFESSOR(A) ORIENTADOR(A): MARIA HELENA CARMO ESSE TRABALHO ANALISA A IMPORTÂNCIA DA REPUTAÇÃO ORGANIZACIONAL COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO DE MERCADO E O SEU PROCESSO DE CONSTRUÇÃO A PARTIR DE UMA CULTURA ORGANI- ZACIONAL VOLTADA PARA VALORES. RELATA A IMPLICÂNCIA DOS VALORES COMO SENDO AS BASES DO NEGÓCIO E DO PROCESSO DE FORMAÇÃO DA CULTURA ORGANIZACIONAL, DE SUA MANUTENÇÃO E DE SEU COMPARTILHAMENTO; DA CULTURA COMO PORTADORA DA HISTÓRIA, LENDAS, PROCESSOS E PRÁ- TICAS DAS ORGANIZAÇÕES; BEM COMO MODO DE AGIR E O CONJUNTO DE SUAS PERCEPÇÕES COLETIVAS E DE SUA INFLUÊNCIA DA GESTÃO DA REPUTAÇÃO; DA COMUNICAÇÃO NO CONTEXTO INSTITUCIONAL, SUA FUNÇÃO, IMPORTÂNCIA E OBJETIVOS, E SUA PARTICIPAÇÃO NA FORMAÇÃO DE UMA SÓLIDA REPUTAÇÃO. TRATA, TAMBÉM, DA IMPORTÂNCIA DA REPUTAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO DE MERCADO, A PARTIR DO CASO DA LOSANGO, ELEITA UMA DAS MELHORES EMPRESAS PARA SE TRABALHAR NO BRASIL E A MELHOR PARA SE TRABALHAR NO RIO DE JANEIRO SEGUNDO O RANKING DO GREAT PLACE TO WORK PALAVRAS-CHAVE: REPUTAÇÃO. CULTURA ORGANIZACIONAL. VALORES. ORGANIZAÇÕES. 23

25 COMUNICAÇÃO E MÚSICA: UM OLHAR SOBRE A TRAJETÓRIA DA BANDA RAMONES AUTOR(A): JONATHAN ALVES DA SILVA FERREIRA PROFESSOR(A) ORIENTADOR(A): SADY BIANCHIN O PROJETO EXPERIMENTAL CONSISTE NA ELABORAÇÃO DE UM RÁDIO DOCUMENTÁRIO QUE CONTA A TRAJETÓRIA DA BANDA RAMONES, DESDE A SUA FORMAÇÃO, PASSANDO PELOS PRINCIPAIS ÁLBUNS, TURNÊS, ATÉ CHEGAR AOS DIAS ATUAIS EM QUE A BANDA COMEMORA 40 ANOS DE FUNDAÇÃO EM A PROPOSTA, ALÉM DE APRESENTAR A HISTÓRIA DA BANDA, É MOSTRAR QUAIS MÉTODOS DE COMUNICAÇÃO OS MÚSICOS UTILIZARAM PARA PROPAGAR O NOME DOS RAMONES E INFLUENCIAR NA FORMAÇÃO DE NOVAS BANDAS. A NARRATIVA COMEÇA EM 1974 QUANDO JOEY, JOHNNY, TOMMY E DEE DEE RAMONE DECIDEM MONTAR A BANDA, SEM SABER QUE COLOCARIAM OS NOMES NA HISTÓRIA DO PUNK ROCK. SÃO APROXIMADAMENTE 20 MINUTOS DE ÁUDIO COM HISTÓRIAS, ENTREVISTAS, CURIO- SIDADES E FAIXAS DE PUNK ROCK. AO LONGO DAS ENTREVISTAS COM OS VOCALISTAS DAS BANDAS TEQUILA BABY E RAIMUNDOS, QUE FORAM REFERÊNCIA DO ROCK NACIONAL NOS ANOS DE 1990, VÃO COMPARTILHAR EXPERIÊNCIAS QUE TIVERAM COM OS RAMONES. EDUARDO SOARES DA ROSA, O DUDA CALVIN E RODRIGO AGUIAR MADEIRA CAMPOS, CONHECIDO COMO DIGÃO, RESPECTIVAMENTE, TIVE- RAM CONTATO COM OS PRIMEIROS ALGUNS DA BANDA AMERICANA EM SOLO BRASILEIRO HÁ CERCA DE 20 ANOS. O RÁDIO DOCUMENTÁRIO COMUNICAÇÃO E MÚSICA: UM OLHAR SOBRE A TRAJETÓRIA DA BANDA RAMONES ABORDARÁ POLÊMICAS ENVOLVENDO OS MÚSICOS E AS ESTRATÉGIAS DE COMUNI- CAÇÃO UTILIZADAS PELOS LÍDERES DOS RAMONES PARA DIVULGAR O GRUPO E ATRAIR UMA LEGIÃO DE FÃS PELO MUNDO. A OBRA SERÁ NARRADA COM BASE EM LIVROS SOBRE O MOVIMENTO PUNK QUE ABORDAM A INFLUÊNCIA DO GRUPO SOBRE UMA GERAÇÃO A PARTIR DO FINAL DA DÉCADA DE 1970; AUTOBIOGRAFIAS ASSINADAS PELO GUITARRISTA JOHNNY RAMONE, ALÉM DO IRMÃO DE JOEY RAMONE, MICKEY LEIGH; ARTISTAS DO CENÁRIO UNDERGROUND DO BRASIL QUE PARTICIPARAM DE TURNÊS COM OS MÚSICOS E TAMBÉM COM O RELATO DO BATERISTA MARKY RAMONE, RETIRADO DO DVD TEQUILA BABY & MARKY RAMONE, LANÇADO EM 2006 PELA GRAVADORA ANTÍDOTO. O DOCUMENTÁRIO COMU- NICAÇÃO E MÚSICA: UM OLHAR SOBRE A TRAJETÓRIA DA BANDA RAMONES É UMA BOA OPORTUNIDADE PARA CONHECER A HISTÓRIA DOS RAMONES, NARRADA POR ARTISTAS QUE ALÉM DE MONTAR BANDAS INSPIRADAS NO GRUPO, TIVERAM A OPORTUNIDADE DE PARTICIPAR DE TURNÊS COM OS PRINCIPAIS ARTISTAS DO CENÁRIO PUNK. PALAVRAS-CHAVE: JORNALISMO. COMUNICAÇÃO SOCIAL. PUNK ROCK. 24

26 DOCUMENTÁRIO CLIPPING: MONITORANDO A INFORMAÇÃO AUTOR(A): JORGE DA CRUZ CHAVES PROFESSOR(A) ORIENTADOR(A): MÁRCIO RISCADO O DOCUMENTÁRIO CLIPPING MONITORANDO A INFORMAÇÃO APRESENTA OS PROCESSOS DESEN- VOLVIDOS PELAS EMPRESAS QUE OFERECEM SERVIÇOS DE CLIPPING, DENOMINADAS CLIPADORAS, QUE TRATAM AS INFORMAÇÕES DESDE A PUBLICAÇÃO ATÉ A ANÁLISE APROFUNDADA REALIZADA POR ES- PECIALISTAS NA ÁREA DA INFORMAÇÃO. AS NOTÍCIAS, PROPAGANDAS OU PEÇAS PUBLICITÁRIAS SÃO MONITORADAS EM DIVERSOS VEÍCULOS DE COMUNICAÇÃO, VINTE E QUATRO HORAS POR DIA. ESSE TRABALHO BUSCA AVERIGUAR A IMPORTÂNCIA E A EVOLUÇÃO DOS SERVIÇOS DE CLIPPING, QUE MONI- TORAM A MÍDIA ONLINE, TV, RÁDIO, MÍDIA IMPRESSA E MÍDIA EXTERIOR. REGISTRAR COMO É REALIZADO O SERVIÇO DE MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO E A IMPORTÂNCIA DESSE TRABALHO PARA AS EMPRE- SAS E ASSESSORIAS, VISTO QUE HOJE, A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO É ESSENCIAL AO MUNDO EMPRESARIAL, CORPORATIVO, INSTITUIÇÕES PÚBLICAS E PRIVADAS. O SERVIÇO DE CLIPPING DEIXOU DE SER UM SIMPLES CORTE E COLA E SE TORNOU UMA ARMA ESTRATÉGICA DE PLANEJAMEN- TO. ALÉM DO MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO, AS EMPRESAS DE CLIPPING AGREGARAM OUTROS SERVIÇOS COMO RELATÓRIOS QUANTITATIVOS E OU QUALITATIVOS, ANÁLISE E MONITORAMENTO DE ANÚNCIOS, TORNANDO O SERVIÇO AINDA MAIS COMPLETO E INDEPENDENTE. COM O USO DE NOVAS FERRAMENTAS E TECNOLOGIAS, HOJE É POSSÍVEL MONITORAR A INFORMAÇÃO COM MAIOR EFICIÊNCIA E PRECISÃO. DEVIDO À DIVERSIDADE DE MÍDIAS E AOS AVANÇOS DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAL, TORNOU-SE AINDA MAIS DIFÍCIL PARA UMA PESSOA FÍSICA OU JURÍDICA O ACOMPANHAMENTO AUTÔ- NOMO DAS INFORMAÇÕES. A CONTRATAÇÃO DE UM SERVIÇO DE CLIPPING SE TORNA UM ELEMENTO INDISPENSÁVEL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA. A FALTA DE INFORMAÇÃO PODE DIFICULTAR O PLA- NEJAMENTO. O CLIPPING PREENCHE ESSA LACUNA, FUNCIONANDO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA E FAVORECENDO O DESENVOLVIMENTO DE UM PLANO DE COMUNICAÇÃO EFICIENTE. PARA A ELABORAÇÃO DO DOCUMENTÁRIO FORAM REALIZADAS CONSULTAS BIBLIOGRÁFICAS E EN- TREVISTAS COM PROFISSIONAIS DA ÁREA DE COMUNICAÇÃO. PALAVRAS-CHAVE: CLIPPING. MONITORAMENTO. INFORMAÇÃO. 25

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP Movimentos sociais e internet: uma análise sobre as manifestações de 2013 no Brasil Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista,

Leia mais

cidade, envolvemos os cidadãos nas questões que afetam a vida de todos nós. Incentivamos a não

cidade, envolvemos os cidadãos nas questões que afetam a vida de todos nós. Incentivamos a não Eu pratico, e você? APRESENTAÇÃO Desde 2009, a RÁDIO ITATIAIA realiza, em parceria com empresas, um importante convite à sociedade mineira. Mais do que um projeto, o PRATIQUE GENTILEZA é uma convocação

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2012 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 14% da população,

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Design 2011-1 DESENVOLVENDO A IDENTIDADE VISUAL DE UMA POUSADA EM CONSERVATÓRIA Alunos: OLIVEIRA,

Leia mais

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Introdução USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho EEEFM Agenor Clemente dos Santos paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas.

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas. COMERCIAIS MARCANTES Açucena Vieira de Morais, Daniella Zarro Teixeira Silva Pinto, James da Silva Costa, Ariane Fernanda da Silva Costa, Silene Fernandes Bicudo Univap Universidade do Vale do Paraíba/FCSAC

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão Identificação da Ação Proposta Área do Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas Área Temática:

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Prof. Msc Alice Selles 24/11 Aula inicial apresentação e visão geral do módulo. Proposição

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2013 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 26 % da

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO.

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL UNITAU - Universidade de Taubaté CBH-PS Comitê de Bacias Hidrográficas do Rio Paraíba do Sul Trabalho realizado

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS

AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS AÇÕES SOCIAIS, AMBIENTAIS E CULTURAIS Relatório de Atividades 2014 Sumário 1.0 Introdução - Pág 3 2.0 Quem Somos, Estatísticas, Valores - Pág 4 3.0 Projetos 2014 - Pág 5 a 15 3.1 Novo site - Pág 5 a 12

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação)

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Resenha Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Renata Escarião PARENTE 1 Parte do resultado da tese de doutoramento

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS.

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Fevereiro 2016 A MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O que mais incomoda no discurso/posição que a mulher

Leia mais

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil Após um mais de ano de trabalho e experiências adquiridas a CRIC apresenta à diretoria regional as diretrizes que regem

Leia mais

Rede IPTV DX - Clubes Desportivos

Rede IPTV DX - Clubes Desportivos White Paper 24 de Setembro de 2014 Rede IPTV DX - Clubes Desportivos Alcançando e realizando o potencial do torcedor móvel IPTV Móvel para Clubes Desportivos - DX - 1 O negócio de mídia e venda para torcedores

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

Sistema de Gerenciamento da Informação. Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional.

Sistema de Gerenciamento da Informação. Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional. Sistema de Gerenciamento da Informação Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional. O tempo sumiu-1 8 horas dormir; 8 horas trabalhar; 1,5 hora no trânsito;

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo saber como é desenvolvido o trabalho de Assessoria de Imprensa, sendo um meio dentro da comunicação que através

Leia mais

Por muitos anos, investir cifras. Venda diferenciada. marketing conteúdo

Por muitos anos, investir cifras. Venda diferenciada. marketing conteúdo Venda diferenciada Para fechar negócios e estreitar relação com clientes, corretoras de seguros aderem ao Marketing de Conteúdo Lívia Sousa Por muitos anos, investir cifras altíssimas em ações publici-

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

Gerência de Comunicacão

Gerência de Comunicacão Gerência de Comunicacão Quem somos? Representação política e institucional Representação sindical Educação cooperativista, promoção social e monitoramento Gecom Marketing Publicidade e propaganda Assessoria

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

SISEB Informa. 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias. Ensino a distância (EAD) SisEB Curso: Ação cultural em bibliotecas

SISEB Informa. 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias. Ensino a distância (EAD) SisEB Curso: Ação cultural em bibliotecas Ano I Número 6 setembro 2014 3 Ensino a distância (EAD) SisEB Curso: Ação cultural em bibliotecas 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias página 4 6 Encontro Prêmio São Paulo

Leia mais

Outdoor de Lançamento do CD da Dupla Johny e Junior 1

Outdoor de Lançamento do CD da Dupla Johny e Junior 1 Outdoor de Lançamento do CD da Dupla Johny e Junior 1 Danizieli de OLIVEIRA 2 Diego de OLIVEIRA 3 Renata Cristina FORNAZIERO 4 Thaís Roberta CASAGRANDE 5 Wolnei MENEGASSI 6 Paulo César D ELBOUX 7 Faculdade

Leia mais

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 Bárbara Fernandes Valente da Cunha 2 * Palavras-chaves: Comunicação

Leia mais

Mídia Kit. Produzido por Luis Daniel da Silva Rodrigo Almeida Tancy Costa Mavignier. Jornalistas

Mídia Kit. Produzido por Luis Daniel da Silva Rodrigo Almeida Tancy Costa Mavignier. Jornalistas Mídia Kit Produzido por Luis Daniel da Silva Rodrigo Almeida Tancy Costa Mavignier Jornalistas Índice Quem somos... 3 Conteúdo... 3 Temática... 4 Periodicidade... 5 Redes Sociais... 5 Estatísticas de visitas...

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

O que é protagonismo juvenil?

O que é protagonismo juvenil? O que é protagonismo juvenil? Branca Sylvia Brener * Índice Protagonismo Juvenil Por que a participação social dos jovens? O papel do educador Bibliografia Protagonismo Juvenil A palavra protagonismo vem

Leia mais

Enquete. Dia dos Professores

Enquete. Dia dos Professores Enquete Dia dos Professores No dia 15 de outubro será comemorado o dia do professor. Muito se fala que a profissão, apesar de muito importante, perdeu seu glamour e prestígio, sendo incapaz de atrair a

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

SURFWEAR: UM MERCADO EM EXPANSÃO. Jheniffer Oliari; Graziela Morelli Centro Universitário de Brusque - Unifebe

SURFWEAR: UM MERCADO EM EXPANSÃO. Jheniffer Oliari; Graziela Morelli Centro Universitário de Brusque - Unifebe Trabalho 001 SURFWEAR: UM MERCADO EM EXPANSÃO Jheniffer Oliari; Graziela Morelli E-mail: jhenifferoliari@ig.com.br Palavras-chave: Surfwear; Surf; Vestuário A indústria surfwear é um dos segmentos da indústria

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO. O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva para a desconstrução do racismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO. O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva para a desconstrução do racismo UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva para a desconstrução do racismo Uberaba 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 19-CEPE/UNICENTRO, DE 6 DE MARÇO DE 2009. Aprova o Curso de Especialização em Mercados Emergentes em Comunicação, modalidade modular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO. O

Leia mais

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO CALDAS, Rosângela Formentini Departamento de Ciência da Informação UNESP/Marília A definição de marketing ainda permanece enquanto uma discussão

Leia mais

Richard Uchôa C. Vasconcelos. CEO LEO Brasil

Richard Uchôa C. Vasconcelos. CEO LEO Brasil Richard Uchôa C. Vasconcelos CEO LEO Brasil O tema hoje é engajamento, vamos falar de dez maneiras de engajar o público em treinamentos a distância. Como vocês podem ver, toda a minha apresentação está

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 Evelyn Nascimento Bastos 2 Palavras-chaves: Meios de Comunicação; Imagem Empresarial;

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

Nas Ruas de BH. BIENAL ANTP de MARKETING 2.006 Categoria: Marketing Institucional. Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte - BHTRANS

Nas Ruas de BH. BIENAL ANTP de MARKETING 2.006 Categoria: Marketing Institucional. Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte - BHTRANS BIENAL ANTP de MARKETING 2.006 Categoria: Marketing Institucional Nas Ruas de BH Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte - BHTRANS Responsável pela Experiência: Rodrigo César Magalhães Silva

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1

A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1 A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1 Isabela LOURENÇO 2 Caio Cardoso de QUEIROZ 3 Francisco José Paoliello PIMENTA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora,

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais