A variação da velocidade de fala como estratégia comunicativa na expressão de atitudes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A variação da velocidade de fala como estratégia comunicativa na expressão de atitudes"

Transcrição

1 A variação da velocidade de fala como estratégia comunicativa na expressão de atitudes Palavras-chave: velocidade de fala, comunicação, atitude Introdução Uma das principais funções da prosódia é a expressão de atitudes. Através da variação de parâmetros como entonação, intensidade e organização temporal (velocidade de fala e pausas) o ser humano é capaz de transmitir atitudes diferenciadas, como a certeza e a dúvida. O presente trabalho tem como foco o estudo da expressividade do falante e sua relação com a variação da velocidade de fala. Faz parte do projeto de doutorado do primeiro autor. A velocidade de fala pode ser relacionada com o ritmo que cada individuo imprime à seu discurso, adequando-se ao contexto e a própria situação na qual ele se encontra (Behlau e Pontes, 1995). Dessa forma, unem-se dois parâmetros relevantes para a velocidade de fala: aspectos individuais e o ambiente. Estudos sobre a velocidade de fala considerando esses dois fatores foram desevolvidos no estudo de falantes nativos em diferentes idades (Folha e Felicio, 2009; Martins e Andrade, 2008), distúrbios de fala e linguagem (Wertzner e Silva, 2009; Azevedo e Cardoso, 2009) e expressividade. Dentro desta última, podemos considerar os atos de fala, as emoções e as atitudes. Estudos sobre a organização temporal no comando militar verificaram que tanto a velocidade de fala quanto a localização das pausas apresentaram tendências relevantes neste tipo de discurso (Celeste et. al., 2006; Coelho, 2007). Alguns autores apontam que a variação da velocidade de fala pode ser utilizada na expressão de emoções, com menor velocidade de fala na expressão de carinho e maior na expressão de raiva (Barbosa et. al., 2009). Ao estudar a expressividade de professores de química, a velocidade de fala foi considerada como um dos parâmetros relevantes. Essa foi avaliada como lenta, rápida ou adequada, estando adequada em apenas um pouco mais da metade dos participantes (54%) (Chaves, Coutinho e Mortimer, 2009). Tendo em vista a relação entre a velocidade de fala e a expressividade dos falantes, o objetivo deste trabalho foi investigar como a variação da velocidade de fala pode ser utilizada como estratégia comunicativa na expressão das atitudes de certeza e dúvida. Métodos Participaram desta pesquisa 12 indivíduos do sexo masculino, sem queixas de alteração de fala, linguagem e audição.

2 Para constituição do corpus, foram elaboradas 10 frases neutras e curtas. Essas foram colocadas na forma declarativa e interrogativa. As mesmas frases foram inseridas dentro de contextos específicos a fim de auxiliar os participantes na expressão de certeza e dúvida. Foram no total 10 frases neutras, 10 expressões de certeza e 10 expressões de dúvida por participante. Os dados foram coletados em ambiente silencioso para que o ruído não interferisse nas análises acústicas, por meio do programa de análise acústica Praat. Os participantes leram as frases nas formas declarativa e interrogativa num primeiro momento. No segundo momento, foram coletadas as expressões de certeza e por fim de dúvida. A análise acústica considerou os seguintes parâmetros: Tempo total de pausas e disfluências; Taxa de elocução: número de sílabas dividido pelo tempo total de elocução; Taxa de articulação: número de sílabas dividido pelo tempo total de articulação. Após a análise acústica dos dados foi realizada a análise estatística através dos programas excell, versão windows vista e Minitab Foram tiradas medidas de estatística descritiva e teste de associação de variáveis não paramétrico de Kruskall Wallis, uma vez que os dados não apresentaram normalidade satisfatória, com nível de confiança de 95%. Resultados Inicialmente, é necessário expor que a expressão de dúvida apresentou duas formas distintas: uma similar a forma afirmativa (dúvida1) e outra similar a forma interrogativa (dúvida2) e por isso foram analisadas separadamente. No que diz respeito às pausas e às disfluências, essas foram encontradas somente na expressão de dúvida, como mostram as tabelas 1 e 2. Afirmativa Interrogativa Certeza Dúvida 1 Dúvida 2 N enunc N pausas % p p % 8,80% Média* ,106 0,337 Tabela 1: Número total de enunciados, número total de pausas nos enunciados, sua porcentagem de ocorrência e média em milisegundos para GC. Legenda: N enun: número total de enunciados % p p: porcentagem de ocorrência de enunciados com pausas *Foram consideradas para o cálculo da média apenas os valores maiores que 0.

3 Afirmativa Interrogativa Certeza Dúvida 1 Dúvida 2 N enunc N disf % p disf % 10% Média* ,232 0,157 Tabela 2: Número total de enunciados, número total de disfluências nos enunciados, sua porcentagem de ocorrência e média em milisegundos. Legenda: N enun: número total de enunciados N disf: número total de disfluências % p p: porcentagem de ocorrência de enunciados com disfluências *Foram consideradas para o cálculo da média apenas os valores maiores que 0. As médias e o desvio padrão das taxas de elocução e articulação encontram-se nos gráficos 1 e 2, respectivamente e a comparação desses parâmetrso na tabela3. 6,5 Interval Plot of Tx E 95% CI for the Mean 6,0 5,5 Tx E 5,0 4,5 4,0 Afirm Cert Duv 1 Tipo fr Duv 2 Int Gráfico 1: Média e desvio padrão das modalidades e atitudes para os valores da taxa de elocução.

4 6,5 Interval Plot of Tx A 95% CI for the Mean 6,0 5,5 Tx A 5,0 4,5 4,0 Afirm Cert Duv 1 Tipo fr Duv 2 Int Gráfico 2: Média e desvio padrão das modalidades e atitudes para os valores da taxa de articulação. Afirm X Cert Afirm X Duv 1 Inter X Duv 2 Cert X Duv 1 Cert X Duv 2 Duv 1 X Duv 2 Tx E 0,000* 0,000* 0,06 0,000* 0,4 0,000* Tx A 0,000* 0,000* 0,04 0,000* 0,1 0,000* Tabela 3: Valor de p (p<0,05) por meio do teste não paramétrico de Kruskall Wallis para comparação entre modalidades e atitudes das taxas de elocução e articulação. Discussão O primeiro fator a ser considerado aqui será a presença de pausas do enunciado. Como os participantes falaram frases curtas, considerou-se que não há necessidade fisiológica de utilizar pausa. Dessa forma, as pausas foram consideradas como parte de uma estratégia do locutor para se expressar, ou seja, foram produzidas como estratégia comunicativa. As pausas são um recurso supra-segmental relevantes no discurso, desempenhando várias funções em conversações (Alves, 2002). Assim como as pausas, as disfluências foram inseridas a fim de expressar dúvida, mais fortemente em dúvida1. Tanto as pausas quanto as disfluências ocorreram apenas na dúvida, reforçando a idéia de que a presença dessas é intencional. Quanto às taxas de elocução e articulação, vimos que a dúvida1 é estatisticamente diferente das demais. No entanto, a dúvida2 não apresentou diferença estatisticamente significativa da interrogativa para taxa de elocução. Tal fato se justifica na medida em que observamos o gráfico 2 e a tabela 1: a articulação na dúvida é mais rápida do que na interrogativa, no entanto foi mascarada na taxa de elocução devido às pausas e às disfluências.

5 A certeza, por sua vez, se diferencia claramente da afirmação, com médias bem mais elevadas nas taxas de elocução e articulação, com diferença estatisticamente significativa. O mesmo acontece se compararmos certeza e dúvida1. No comando militar, a taxa de articulação apresenta média inferior à encontrada para a expressão de certeza (Coelho, 2007). Uma dificuldade encontrada para a comparação com a literatura é que a maior parte dos estudos utiliza avaliação qualitativa para esta medida (Barbosa et. al., 2009; Chaves, Coutinho e Mortimer, 2009). Conclusão O presente estudo mostrou que a variação dos aspectos de velocidade de fala apresentam uma tendência estatisticamente significativa na expressão das atitudes de certeza e dúvida. A presença de pausas e disfluências na expressão de dúvida mostraram-se também relevantes. No entanto, são necessários mais estudos para que essa relaçéao seja melhor compreendida. Referências Azevedo, Luciana Lemos de; Cardoso, Francisco. Ação da levodopa e sua influência na voz e na fala de indivíduos com doença de Parkinson: [revisão] / The action of levodopa and its influence on voice and speech of patients with Parkinson desease: [review]. Rev. Soc. Bras. Fonoaudiol. 2009; 14 (1): Barbosa, N. Cavalcanti, E. Neves, E. Chaves, T. Coutinho, F. Mortimer, E. A expressividade do professor universitário como fator cognitivo no ensino-aprendizagem. Cien. Cogn. 2009; Vol. 14 (1): Behlau, M. Pontes, P. Avaliação e tratamento das disfonias. São Paulo: Lovise, Celeste, L.C. Coelho, L. Reis. Organização temporal no comando militar. IX Semana de Letras - as letras e seu ensino, Chaves, T. Coutinho, F. Mortimer, E. A expressividade nos professores de química : aspectos verbais e não verbais. R.B.E. C. T. 2009; 2(1):1-17. Coelho, L. A prosódia no comando militar [dissertação]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais - Faculdade de Letras; Folha GA, Felício CM. Relationship between age, percentage of consoants correct and speech rate (original title: Relações entre idade, porcentagem de consoantes corretas e velocidade de fala). Pró- Fono Revista de Atualização Científica jan-mar; 21(1): Martins, V.O. Andrade, C.F. Perfil evolutivo da fala de falantes do português brasileiro. Pró-Fono R. Atual. Cient. 2008; 20(1).

6 Oliveira, Carolina Rotta; Ortiz, Karin Zazo; Vieira, Marilena Manno. Disartria: estudo da velocidade de fala / Dysarthria: a speech rate study. Pró-fono. 2004; 16(1): Wertzner HF, Silva LM. Speech rate in children with and without phonological disorder (original title: Velocidade de fala em crianças com e sem transtorno fonológico). Pró-Fono Revista de Atualização Científica jan-mar;21(1):19-24.

Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino

Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino César Reis (UFMG) Leandra Batista Antunes (UFOP) Leandro Augusto dos Santos (UFOP) Vanessa Pinha (UFMG) Apesar de os

Leia mais

A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica.

A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica. A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica. Autores: Carla Aparecida de Vasconcelos Bruna Ferreira de Oliveira Sirley Alves Carvalho César Reis A partir

Leia mais

Preditividade das sentenças do protocolo de avaliação da inteligibilidade da fala nas disartrias

Preditividade das sentenças do protocolo de avaliação da inteligibilidade da fala nas disartrias Preditividade das sentenças do protocolo de avaliação da inteligibilidade da fala nas disartrias Alexandre E, Barreto SS, Ortiz KZ Palavras-chave: Inteligibilidade da Fala; Percepção da Fala; Disartria.

Leia mais

Processamento Auditivo (Central)

Processamento Auditivo (Central) Processamento Auditivo (Central) O QUE É PROCESSAMENTO AUDITIVO (CENTRAL)? É o conjunto de processos e mecanismos que ocorrem dentro do sistema auditivo em resposta a um estímulo acústico e que são responsáveis

Leia mais

Avaliação da Voz e do Comportamento Vocal em Crianças com Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade

Avaliação da Voz e do Comportamento Vocal em Crianças com Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade Avaliação da Voz e do Comportamento Vocal em Crianças com Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade Palavras chaves: Transtorno de falta de atenção com hiperatividade; distúrbios da voz em criança;

Leia mais

Desempenho comunicativo de crianças com síndrome de Down em duas situações diferentes

Desempenho comunicativo de crianças com síndrome de Down em duas situações diferentes Desempenho comunicativo de crianças com síndrome de Down em duas situações diferentes Palavras-chave: síndrome de Down; desenvolvimento da linguagem; adores A pragmática estuda a competência envolvida

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM Terapia Fonoaudiológica com Ênfase na Estimulação do Processamento Auditivo Fonoaudióloga. Mestra. Adriana de Souza Batista Ouvir é... Habilidade que

Leia mais

Fga. Maria Aurélia de F. Coimbra Amatucci. out/2012

Fga. Maria Aurélia de F. Coimbra Amatucci. out/2012 Fga. Maria Aurélia de F. Coimbra Amatucci out/2012 É o que fazemos com que ouvimos. (Katz, 1996) É como a orelha conversa com o cérebro. (Musiek, 1994) Compreensão de como as orelhas comunicam-se com o

Leia mais

Voz: Atuação do Fonoaudiólogo e do Preparador Vocal

Voz: Atuação do Fonoaudiólogo e do Preparador Vocal Voz: Atuação do Fonoaudiólogo e do Preparador Vocal Apresentação: Millena Vieira (Fonoaudióloga) Joel Pinheiro (Preparador Vocal) Bárbara Camilo (3ºano) Daniele Istile (2º ano) Orientação: Profª Drª Kelly

Leia mais

Ultrassonografia aplicada na produção de fala: análise da produção das. fricativas /s/ e /ʃ/

Ultrassonografia aplicada na produção de fala: análise da produção das. fricativas /s/ e /ʃ/ fricativas /s/ e /ʃ/ Ultrassonografia aplicada na produção de fala: análise da produção das Autores: DANIRA TAVARES FRANCISCO, LUCIANA DE OLIVEIRA PAGAN- NEVES, HAYDÉE FISZBEIN WERTZNER, Descritores: ultrassonografia;

Leia mais

Aquisição lexical no desenvolvimento normal e alterado de linguagem um estudo experimental

Aquisição lexical no desenvolvimento normal e alterado de linguagem um estudo experimental Aquisição lexical no desenvolvimento normal e alterado de linguagem um estudo experimental Descritores: Transtornos do desenvolvimento da linguagem; Terapia da linguagem; Vocabulário Introdução A aquisição

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPB0576 ALTERAÇÕES DO SONO E TRANSTORNO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE

Leia mais

Revista CEFAC ISSN: 1516-1846 revistacefac@cefac.br Instituto Cefac Brasil

Revista CEFAC ISSN: 1516-1846 revistacefac@cefac.br Instituto Cefac Brasil Revista CEFAC ISSN: 1516-1846 revistacefac@cefac.br Instituto Cefac Brasil Konzen Albiero, Jamile; Michelon Melo, Roberta; Marafiga Wiethan, Fernanda; Bolli Mota, Helena MÉDIA DOS VALORES DA FRASE EM DIFERENTES

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012) No caso específico da disciplina de PORTUGUÊS, do 3.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA Palavras chave: afasia; diálogo; sentido. O estudo tem o objetivo investigar e analisar os

Leia mais

Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma

Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma habilidade motora - o largar e pontapear sem ressalto - em precisão. Nuno Amaro 1,2, Luis Neves 1,2, Rui Matos 1,2,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE REDAÇÕES COMO METODOLOGIA AVALIATIVA DE ESTUDANTES BRASILEIROS DO ENSINO MÉDIO DE QUÍMICA

UTILIZAÇÃO DE REDAÇÕES COMO METODOLOGIA AVALIATIVA DE ESTUDANTES BRASILEIROS DO ENSINO MÉDIO DE QUÍMICA IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN UTILIZAÇÃO DE REDAÇÕES COMO METODOLOGIA AVALIATIVA DE ESTUDANTES BRASILEIROS DO

Leia mais

RETIFICAÇÃO DE EDITAL - 01/2016

RETIFICAÇÃO DE EDITAL - 01/2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL RETIFICAÇÃO DE EDITAL - 01/2016 PROCESSO

Leia mais

LIMIAR DE FUSÃO BINAURAL MASCARAMENTO

LIMIAR DE FUSÃO BINAURAL MASCARAMENTO 27 Maio de 2011 AUDIOLOGIA LIMIAR DE FUSÃO BINAURAL MASCARAMENTO FUSION AT INFERRED THRESHOLD (FIT) - MASKING Jorge Humberto Martins. Audiologista Mestre em Ciências da Fala e da Audição Correspondência:

Leia mais

Atividades de interpretação de gráficos de barras e linhas: o que sabem os alunos do 5º ano?

Atividades de interpretação de gráficos de barras e linhas: o que sabem os alunos do 5º ano? Atividades de interpretação de gráficos de barras e linhas: o que sabem os alunos do 5º ano? Maria Betânia Evangelista UFPE EDUMATEC - Brasil Resumo Esse estudo teve como objetivo analisar o desempenho

Leia mais

Identificação de emoções básicas a partir de fala de conteúdo neutro entre portadores de deficiência visual e videntes

Identificação de emoções básicas a partir de fala de conteúdo neutro entre portadores de deficiência visual e videntes Identificação de emoções básicas a partir de fala de conteúdo neutro entre portadores de deficiência visual e videntes Palavras Chave : emoções; portadores de deficiência visual; voz As características

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

Autismo e Síndrome de Down Habilidades comunicativas, sociais e cognitivas Palavras-chave: autismo, síndrome de Down, linguagem infantil

Autismo e Síndrome de Down Habilidades comunicativas, sociais e cognitivas Palavras-chave: autismo, síndrome de Down, linguagem infantil Autismo e Síndrome de Down Habilidades comunicativas, sociais e cognitivas Palavras-chave: autismo, síndrome de Down, linguagem infantil Introdução As perspectivas pragmáticas em psicolingüística têm fornecido

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTAS CURRICULARES E LIVROS DIDÁTICOS

TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTAS CURRICULARES E LIVROS DIDÁTICOS TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTAS CURRICULARES E LIVROS DIDÁTICOS Luciana Boemer Cesar 1 Mary Ângela Teixeira Brandalise 2 Palavras-chave: formação de professores, ensino de estatística,

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

V COLÓQUIO BRASILEIRO DE PROSÓDIA DA FALA UnB Ceilância Brasília/DF P R O G R A M A Ç Ã O A L M O Ç O

V COLÓQUIO BRASILEIRO DE PROSÓDIA DA FALA UnB Ceilância Brasília/DF P R O G R A M A Ç Ã O A L M O Ç O V COLÓQUIO BRASILEIRO DE PROSÓDIA DA FALA UnB Ceilância Brasília/DF P R O G R A M A Ç Ã O DIA 1 22/10 (Quinta-Feira) 8: 30 Credenciamento 9:00-11:00 Conferência de Abertura Marisa Filipe (Univ. Porto,

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Manual de formatação para artigos aprovados para publicação no Jornal da. Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (JSBF)

Manual de formatação para artigos aprovados para publicação no Jornal da. Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (JSBF) Manual de formatação para artigos aprovados para publicação no Jornal da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (JSBF) Orientação aos autores Agora que seu artigo foi aprovado para publicação no Jornal

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora Formadora: Dra. Gabriela Castanheira SEQUÊNCIA DIDÁCTICA 5º ANO ROTEIRO Ana Maria da Fonseca Rocha Julho

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO*

CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO* CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO* Maria Benedita Lima Pardo Tatiana Cardoso Andrade Ilka Thiziane Teixeira

Leia mais

Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais

Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais Palavras Chave: Audiometria, limiar auditivo, criança. Introdução: Além do exame audiométrico convencional, que testa as freqüências

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO ALGARVE Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Sede: Escola Secundária José Belchior Viegas) PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO METAS Domínios/ Conteúdos

Leia mais

Título: Teste de fala filtrada em indivíduos com perda auditiva neurossensorial em freqüências altas associada à presença de zonas mortas na cóclea.

Título: Teste de fala filtrada em indivíduos com perda auditiva neurossensorial em freqüências altas associada à presença de zonas mortas na cóclea. Título: Teste de fala filtrada em indivíduos com perda auditiva neurossensorial em freqüências altas associada à presença de zonas mortas na cóclea. Palavras chaves: audiometria, ruído, mascaramento, perda

Leia mais

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos auditivos Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia Karlin Fabianne Klagenberg Fonoaudióloga Doutorado em Distúrbios

Leia mais

DISTÚRBIOS ESPECIFICOS DA LINGUAGEM (DEL) E OS MÉTODOS DE ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS

DISTÚRBIOS ESPECIFICOS DA LINGUAGEM (DEL) E OS MÉTODOS DE ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 792 DISTÚRBIOS ESPECIFICOS DA LINGUAGEM (DEL) E OS MÉTODOS DE ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS DAIANA ANDRADE ROSA (Discente

Leia mais

ESTUDO DAS OCLUSIVAS NA LEITURA DE INDIVÍDUOS COM DOENÇA DE PARKINSON

ESTUDO DAS OCLUSIVAS NA LEITURA DE INDIVÍDUOS COM DOENÇA DE PARKINSON TEIXEIRA, E. G.; CARDOSO, F. Estudo das oclusivas na leitura de indivíduos com doença de Parkinson. ReVEL, v. 8, n. 15, 2010. [www.revel.inf.br]. ESTUDO DAS OCLUSIVAS NA LEITURA DE INDIVÍDUOS COM DOENÇA

Leia mais

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM O que o sistema processamento auditivo

Leia mais

Palavras-chave: Leitura, Escrita, Espanhol.

Palavras-chave: Leitura, Escrita, Espanhol. Importância do Processo de Leitura e Escrita para a Aprendizagem de Espanhol a Distância. Resumo: Janire Maria de Mello IFRN\UAB 1 Rousiene da Silva Gonçalves IFRN\UAB 2 Na modalidade de ensino à distância

Leia mais

TERAPÊUTICA DA FALA E A PESSOA COM DOENÇA DE PARKINSON

TERAPÊUTICA DA FALA E A PESSOA COM DOENÇA DE PARKINSON TERAPÊUTICA DA FALA E A PESSOA COM DOENÇA DE PARKINSON Por Drª Ana Paula Vital, Terapeuta da Fala, Mestre em Psicologia da Saúde Comunicação A comunicação é um aspecto essencial da natureza humana usada

Leia mais

Níveis de desempenho. Perguntar e fornecer opiniões. Perguntar e responder sobre os diferentes tipos de férias

Níveis de desempenho. Perguntar e fornecer opiniões. Perguntar e responder sobre os diferentes tipos de férias Competências.Adquirir conhecimentos sobre a cultura e civilização Anglo- Americana numa perspectiva intercultural. - Aprofundar o conhecimento da realidade Portuguesa através do confronto com aspectos

Leia mais

PROGRAMA COMPUTACIONAL DE ENSINO DE HABILIDADES AUDITIVAS

PROGRAMA COMPUTACIONAL DE ENSINO DE HABILIDADES AUDITIVAS PROGRAMA COMPUTACIONAL DE ENSINO DE HABILIDADES AUDITIVAS Palavras-chave: Treinamento auditivo. Deficiência auditiva. Implante coclear. NASCIMENTO, L. T 1 ; GOYOS, C. 2 ; BEVILACQUA, M. C. 3 1,3 Centro

Leia mais

Palavras chave: voz, prevenção, criança

Palavras chave: voz, prevenção, criança AÇÕES DE PREVENÇÃO DE DISFONIA INFANTIL EM CENÁRIOS EDUCACIONAIS: ANÁLISE DA CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS SOBRE VOZ A PARTIR DE DESENHOS DE ALUNOS DE EDUCAÇÃO INFANTIL. Palavras chave: voz, prevenção, criança

Leia mais

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta.

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. Angela Agulhari Martelini Gabriel. Pedagogia. Prefeitura Municipal de Bauru. helena2008mg@hotmail.com.

Leia mais

Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Introdução Material e Método

Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Introdução Material e Método Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Palavras Chaves: Perda auditiva induzida por ruído, audição, militares. Introdução

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA SANTOS, Lilian 1 NUNES, Célia 2 O presente trabalho tem como objetivo apresentar algumas considerações

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES SEUS DIZERES SOBRE A SALA DE AULA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES SEUS DIZERES SOBRE A SALA DE AULA FORMAÇÃO DE PROFESSORES SEUS DIZERES SOBRE A SALA DE AULA Lúcia de Fátima Melo do Nascimento Secret. Municipal de Educ. do Natal RN / Depart. de Ensino / Setor de Ensino Fundamental Colégio Imaculada Conceição

Leia mais

Estudo normativo da aprendizagem da ortografia por alunos da primeira série do ensino fundamental de escolas públicas: resultados preliminares

Estudo normativo da aprendizagem da ortografia por alunos da primeira série do ensino fundamental de escolas públicas: resultados preliminares Estudo normativo da aprendizagem da ortografia por alunos da primeira série do ensino fundamental de escolas públicas: resultados preliminares Descritores: alfabetização, escrita, aprendizagem Introdução

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) PORTUGUÊS

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) PORTUGUÊS CRTÉRO EPECÍCO DE AVALAÇÃO 3º ANO (1º CCLO) PORTUGUÊ DOMÍNO OJETVO DECRTORE DE DEEMPENHO MENÇÕE Oralidade 1. Escutar para aprender e construir conhecimentos 2. Produzir um discurso oral com correção 3.

Leia mais

A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil

A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil A Importância da psicomotricidade no desenvolvimento infantil Aline Daniela Gomes da Silva Vieira Discente de Psicologia Universidade Sagrado Coração Bauru-SP. e-mail: ninedvieira@hotmail.com Raquel Regina

Leia mais

3.2 Descrição e aplicação do instrumento de avaliação

3.2 Descrição e aplicação do instrumento de avaliação Após uma revisão literária dos vários autores que se debruçaram sobre a temática do nosso estudo, passamos a apresentar os procedimentos metodológicos adoptados no presente estudo. Neste capítulo apresentamos

Leia mais

ARGUMENTAÇÃO, TEXTUALIDADE E DESIGNAÇÃO NA SEMÂNTICA DO ACONTECIMENTO: OS SENTIDOS NOS DIFERENTES MODOS DE ESCRAVIDÃO

ARGUMENTAÇÃO, TEXTUALIDADE E DESIGNAÇÃO NA SEMÂNTICA DO ACONTECIMENTO: OS SENTIDOS NOS DIFERENTES MODOS DE ESCRAVIDÃO ARGUMENTAÇÃO, TEXTUALIDADE E DESIGNAÇÃO NA SEMÂNTICA DO ACONTECIMENTO: OS SENTIDOS NOS DIFERENTES MODOS DE ESCRAVIDÃO Soeli Maria Schreiber da SILVA (UFSCar) xoila@terra.com.br Na pesquisa atual desenvolvida

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 20 a 24 de outubro de 2008 A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL Caroline de Souza Gervazio 1 ; Luciana Figueiredo Lacanallo 2, Maria Ângela Garcia de Almeida 3 RESUMO:

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria no 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria no 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria no 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Código: ADM-113 Pré-requisito: - Período Letivo: 2013.2 Professor:

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014 Agrupamento de Escolas Domingos Sequeira Área Disciplinar: Português Ano de Escolaridade: 3º Mês: outubro Domínios de referência Objetivos/Descritores Conteúdos Oralidade 1

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTIAGO DO CACÉM ESCOLA FREI ANDRÉ DA VEIGA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS - 2º CICLO 5º ANO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTIAGO DO CACÉM ESCOLA FREI ANDRÉ DA VEIGA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS - 2º CICLO 5º ANO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTIAGO DO CACÉM ESCOLA FREI ANDRÉ DA VEIGA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS - 2º CICLO 5º ANO Competências de comunicação Pesos Instrumentos Parâmetros

Leia mais

Conceito de pesquisa

Conceito de pesquisa Conceito de pesquisa A pesquisa e uma atividade voltada para a solução de problemas, através do emprego de procedimentos científicos. Seus elementos são: 1. Problema ou dúvida 2. Metodo científico 3. Resposta

Leia mais

MONOGRAFIA : COMO FAZER

MONOGRAFIA : COMO FAZER Alguns sites que tratam sobre monografias http://www.admbrasil.com.br/abnt.htm http://planeta.terra.com.br/servicos/monografiaabnt/ http://www.sinescontabil.com.br/trabs_profissionais/fazendo_uma_monografia.htm

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE AULA 1º sem 2010 PROFESSOR: DANIELLA BASSO BATISTA PINTO Disciplina: GRAMÁTICA TEXTUAL Etapa: ()1ª () 2ª ()3ª (X)4ª Turmas: (X) F 1. OBJETIVOS: Gramática Textual: Conceito, Concepções e sua divisão.

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS. FAIBI Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ibitinga

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS. FAIBI Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ibitinga DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FAIBI Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ibitinga Ibitinga/ SP 2010 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 REGRAS GERAIS... 3 2.1 DAS FINALIDADES... 3 2.2

Leia mais

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL Rayné Moreira Melo Santos (CESMAC) raynefono@yahoo.com.br Rozana Machado Bandeira de Melo (CESMAC) rmbmelo@ig.com.br Zelita Caldeira Ferreira

Leia mais

Disciplina: Português Período: 1º. Equipe - 3 ano - turmas: 31, 32 e 33.

Disciplina: Português Período: 1º. Equipe - 3 ano - turmas: 31, 32 e 33. Disciplina: Português Período: 1º Unidade 1 Eu me comunico Linguagem : formal e informal Variação regional de vocabulário Usando diferentes linguagens Ortografia: L e U,A/AI; E/I; O/OU; Usando diferentes

Leia mais

DESAFIOS DA INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL EM PARINTINS-AM.

DESAFIOS DA INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL EM PARINTINS-AM. DESAFIOS DA INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL EM PARINTINS-AM. Autor: Bruna Azevedo de Andrade, ICSEZ brunaazevedoa92@gmail.com Coautor: Gilmara dos Santos Oliveira, ICSEZ gilmarapedagogiaana@gmail.com Orientador:

Leia mais

Subjetividade, afetividade, mídia 1

Subjetividade, afetividade, mídia 1 Subjetividade, afetividade, mídia 1 Edneuza Alves Universidade Católica de Brasília Nesta comunicação, analiso e discuto o relacionamento afetivo do homem moderno através da mídia, tomando como recorte

Leia mais

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008 Ruído Acção de Formação Associação de Municípios do Oeste Outubro de 2008 Objectivos Impacte do Ruído no Ser Humano; Introdução à Acústica; Quantificação do Ruído; Legislação Aplicável (D.L. n.º 9/2007

Leia mais

1. Turno: MANHÃ MINICURSO: TRANSCRIÇÃO, ANÁLISE AUTOMÁTICA E COMPARTILHAMENTO DE DADOS: CONHECENDO O CLAN/CHAT

1. Turno: MANHÃ MINICURSO: TRANSCRIÇÃO, ANÁLISE AUTOMÁTICA E COMPARTILHAMENTO DE DADOS: CONHECENDO O CLAN/CHAT Minicursos Presenciais 1. Turno: MANHÃ TRANSCRIÇÃO, ANÁLISE AUTOMÁTICA E COMPARTILHAMENTO DE DADOS: CONHECENDO O CLAN/CHAT ALESSANDRA DEL RÉ (UNESP-FCLAR) ROSÂNGELA NOGARINI HILÁRIO (PÓS-DOUTORADO/NALINGUA)

Leia mais

Estudo do desempenho de crianças das séries iniciais do ensino fundamental I em testes de leitura, escrita e nomeação rápida

Estudo do desempenho de crianças das séries iniciais do ensino fundamental I em testes de leitura, escrita e nomeação rápida Estudo do desempenho de crianças das séries iniciais do ensino fundamental I em testes de leitura, escrita e nomeação rápida Palavras-Chave: leitura, escrita manual, avaliação educacional. INTRODUÇÃO:

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT 1 TATIANA CORREA YAMACIRO DOS REIS 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel

Leia mais

O USO DAS ESTRATÉGIAS DE REPARO, CONSIDERANDO A GRAVIDADE DO DESVIO FONOLÓGICO EVOLUTIVO

O USO DAS ESTRATÉGIAS DE REPARO, CONSIDERANDO A GRAVIDADE DO DESVIO FONOLÓGICO EVOLUTIVO O USO DAS ESTRATÉGIAS DE REPARO, CONSIDERANDO A GRAVIDADE DO DESVIO FONOLÓGICO EVOLUTIVO The use of repair strategies considering the severity of the evolutional phonological disorder Maria Rita Leal Ghisleni

Leia mais

CONHECIMENTO DE PROFESSORES ACERCA DO DESENVOLVIMENTO DE FALA E AÇÕES

CONHECIMENTO DE PROFESSORES ACERCA DO DESENVOLVIMENTO DE FALA E AÇÕES CONHECIMENTO DE PROFESSORES ACERCA DO DESENVOLVIMENTO DE FALA E AÇÕES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE Palavras-chaves: capacitação, fala, promoção da saúde Introdução As instituições de educação infantil constituem

Leia mais

DISLEXIA DIFICULDADE NA APRENDIZAGEM. ALMEIDA, Renata Sanmartin y Rodriguez

DISLEXIA DIFICULDADE NA APRENDIZAGEM. ALMEIDA, Renata Sanmartin y Rodriguez DISLEXIA DIFICULDADE NA APRENDIZAGEM ALMEIDA, Renata Sanmartin y Rodriguez Discente do Curso pedagogia da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva RESUMO Dislexia é um distúrbio específico da

Leia mais

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem Como é que o PALAF se compara com outros programas? O PALAF foi traçado por duas psicólogas educacionais,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA. Critérios específicos de avaliação História

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA. Critérios específicos de avaliação História Critérios específicos de avaliação História Ponto 1 : Informações gerais Os elementos de avaliação serão classificados de forma qualitativa, de acordo com a terminologia que a seguir se indica. A classificação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ENTRE SENSAÇÕES LARINGOFARINGEAS E CAUSAS AUTORREFERIDAS POR PROFESSORES.

ASSOCIAÇÃO ENTRE SENSAÇÕES LARINGOFARINGEAS E CAUSAS AUTORREFERIDAS POR PROFESSORES. ASSOCIAÇÃO ENTRE SENSAÇÕES LARINGOFARINGEAS E CAUSAS AUTORREFERIDAS POR PROFESSORES. Autores: LAISE FERNANDES DE PAIVA, DANILO AUGUSTO DE HOLANDA FERREIRA, ALINE MENEZES GUEDES DIAS DE ARAÚJO, YOLANDA

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO FJBM 2007 EMENDA 01

CONCURSO PÚBLICO FJBM 2007 EMENDA 01 QUADRO DE PROVAS DO NIVEL SUPERIOR: Acrescenta-se o cargo de Jornalista. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES FUNDAÇÃO Dr. JOÃO BARCELLOS MARTINS COMISSÃO GESTORA CONCURSO PÚBLICO FJBM 2007 EMENDA

Leia mais

EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS. Definições Básicas. Definições Básicas. Definições Básicas. Introdução à Estatística. Dados: valores de variáveis observadas.

EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS. Definições Básicas. Definições Básicas. Definições Básicas. Introdução à Estatística. Dados: valores de variáveis observadas. Definições Básicas Introdução à Estatística ESTATÍSTICA: estudo dos métodos para coletar, organizar, apresentar e analisar dados. População: conjunto constituído por todos os indivíduos que apresentem

Leia mais

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FGV TJ/SC. RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/107847 COLABORADOR EducaPsico

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FGV TJ/SC. RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/107847 COLABORADOR EducaPsico RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FGV TJ/SC RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/107847 COLABORADOR EducaPsico Janeiro/2015 RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA - FGV Tribunal de Justiça de Santa Catarina Psicólogo

Leia mais

Mudanças fonológicas na terapia de sujeitos com desvio fonológico utilizando contraste e reforço do traço [voz]

Mudanças fonológicas na terapia de sujeitos com desvio fonológico utilizando contraste e reforço do traço [voz] LETRAS Mudanças DE fonológicas HOJE LETRAS na terapia DE de HOJE sujeitos LETRAS... DE HOJE LETRAS DE HOJE LETRAS DE HOJE LETRAS DE HOJE LETRAS DE HOJE 7 Mudanças fonológicas na terapia de sujeitos com

Leia mais

A VOZ NO TELEJORNALISMO

A VOZ NO TELEJORNALISMO A VOZ NO TELEJORNALISMO Leny R. Kyrillos 1 Cláudia Cotes 2 RESUMO A Fonoaudiologia atua junto aos profissionais do telejornalismo desde a década de 80. No início tal atuação baseou-se na experiência prática.

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP Resumo O propósito deste trabalho é apresentar o processo de constituição

Leia mais

Deve ainda ser tido em consideração o Despacho Normativo n.º 24-A/2012, de 6 de dezembro, bem como o Despacho n.º 15971/2012, de 14 de dezembro.

Deve ainda ser tido em consideração o Despacho Normativo n.º 24-A/2012, de 6 de dezembro, bem como o Despacho n.º 15971/2012, de 14 de dezembro. Prova de Equivalência à Frequência de Inglês Nível 5 Prova 21/2014 Informação Prova Data:16.maio.2014 3º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n. º 139/2012, de 5 de julho O presente documento divulga informação

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 Divulgação dos principais resultados Censo da Educação Superior 2010 Outubro de 2011 Estatísticas Básicas de Graduação (presencial e a distância) e Pós-Graduação por Categoria

Leia mais

Comparação entre onset e coda silábica durante a aquisição fonológica. Comparison between syllabic onset and coda during phonological acquisition

Comparação entre onset e coda silábica durante a aquisição fonológica. Comparison between syllabic onset and coda during phonological acquisition Comparação entre onset e coda silábica durante a aquisição fonológica Comparison between syllabic onset and coda during phonological acquisition Artigo Original Daniela Evaristo dos Santos Galea 1, Haydée

Leia mais

REUNIÃO DE PAIS INGLÊS 1º, 2º, 3º anos Teachers: Bianca e Ligia

REUNIÃO DE PAIS INGLÊS 1º, 2º, 3º anos Teachers: Bianca e Ligia REUNIÃO DE PAIS INGLÊS 1º, 2º, 3º anos Teachers: Bianca e Ligia ASSESSORIA TARGET IDIOMAS Especialização em línguas estrangeiras Referências: construtivismo e aprendizado de idiomas em contextos multilíngues

Leia mais

O%ENSINO%DA%PROSÓDIA%DO%ESPANHOL%COMO%LÍNGUA% ESTRANGEIRA%NAS%ESCOLAS%ESTADUAIS%DE%CURITIBA'

O%ENSINO%DA%PROSÓDIA%DO%ESPANHOL%COMO%LÍNGUA% ESTRANGEIRA%NAS%ESCOLAS%ESTADUAIS%DE%CURITIBA' ISSN: 2318-1028REVISTA VERSALETE ' OENSINODAPROSÓDIADOESPANHOLCOMOLÍNGUA ESTRANGEIRANASESCOLASESTADUAISDECURITIBA' SPANISHASAFOREIGNLANGUAGE:TEACHINGPROSODYIN PUBLICSCHOOLSINCURITIBA PolliannaMilan 1 '

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS E POSTÔNICAS MEDIAIS Fernando Antônio Pereira Lemos (CEFET-MG) RESUMO Este estudo retoma um tema bastante controverso na literatura: o alçamento das vogais médias

Leia mais

MEDIA TRANNING. Giovana Cunha. Coordenadora de Rádio e TV - TST giovana.cunha@tst.jus.br

MEDIA TRANNING. Giovana Cunha. Coordenadora de Rádio e TV - TST giovana.cunha@tst.jus.br MEDIA TRANNING Giovana Cunha COMO AGIR DIANTE DA IMPRENSA É muito comum o entrevistado se queixar que o jornalista não reproduziu corretamente as informações fornecidas na entrevista. O jornalista normalmente

Leia mais

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a seguir. COLÉGIO NOTRE DAME FONOAUDIOLOGIA PREVENTIVA

Leia mais

RECONHECIMENTO DE PADRÕES RECONHECIMENTO DE VOZ

RECONHECIMENTO DE PADRÕES RECONHECIMENTO DE VOZ RECONHECIMENTO DE PADRÕES RECONHECIMENTO DE VOZ O ESQUEMA DE CLASSIFICAÇÃO É GERALMENTE BASEADO NA DISPONIBILIDADE DE UM CONJUNTO DE PADRÕES QUE FORAM ANTERIORMENTE CLASSIFICADOS, O "CONJUNTO DE TREINAMENTO";

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS INDICADORES DE RISCO PARA A DEFICIÊNCIA AUDITIVA NUM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA PERDA AUDITIVA NO RECÉM NASCIDO

PREVALÊNCIA DOS INDICADORES DE RISCO PARA A DEFICIÊNCIA AUDITIVA NUM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA PERDA AUDITIVA NO RECÉM NASCIDO PREVALÊNCIA DOS INDICADORES DE RISCO PARA A DEFICIÊNCIA AUDITIVA NUM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA PERDA AUDITIVA NO RECÉM NASCIDO BURITI¹, Ana CARNEIRO², Cláudia CAVALVANTI³, Hannalice FERREIRA 4, Danilo OLIVEIRA

Leia mais

TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: UMA INVESTIGAÇÃO COM LICENCIANDOS E PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA A PARTIR DO PIBID

TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: UMA INVESTIGAÇÃO COM LICENCIANDOS E PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA A PARTIR DO PIBID TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: UMA INVESTIGAÇÃO COM LICENCIANDOS E PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA A PARTIR DO PIBID Nataélia Alves da Silva (1) * ; Creuza Souza Silva (1); Lecy das Neves Gonzaga (1); Michelle

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONAL PARA ATLETAS: CONHECIMENTO DE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO

SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONAL PARA ATLETAS: CONHECIMENTO DE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONAL PARA ATLETAS: CONHECIMENTO DE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO CARLOS VINÍCIUS DA SILVA BARBOSA, CAIO VICTOR COUTINHO DE OLIVEIRA, ALEXANDRE SÉRGIO SILVA, JANAINA CÂNDIDA RODRIGUES

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 04 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Rafaela Conde de Souza Entrevistadora: Luciana Zanella Gusmão TEMA: A IMPORTÂNCIA DA DINÂMICA DE GRUPO PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais