A Região Demarcada do Douro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Região Demarcada do Douro"

Transcrição

1 A Região Demarcada do Douro

2 Região história O nome Porto Vinho do Porto A marca Porto 1756 a 10 de Setembro - A primeira denominação de origem com a criação da Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro

3 Região história Marques de Pombal Primeiro Ministro de Portugal

4 Região história A área da Região Demarcada do Douro foi definida por: 4 distritos 21 concelhos 172 freguesias Agrupadas em três sub-regiões geográficas

5 1926 Criado entreposto único e exclusivo em Vila Nova de Gaia

6 Região história Mecanismos fundamentais que asseguram a qualidade do vinho Capacidade de venda Classificação das parcelas de vinha Sistema de Beneficio

7 Região história foram adotadas as primeiras regras gerais que estabeleciam os parâmetros de avaliação das parcelas de vinha proposta do Eng Moreira da Fonseca, foram considerados novos elementos, que combinados colocavam as parcelas numa escala de valores. De acordo com essa avaliação as parcelas de vinha eram colocadas numa escalda de classes de A a I.

8 O Sistema de Beneficio A quantidade de vinho do Porto a produzir é vulgarmente chamado benefício. A quantidade de vinho do Porto que pode ser produzida é definida anualmente pelo Conselho Interprofissional; O quantitativo autorizado é distribuído por todas as parcelas de vinha, tendo em conta a sua classificação. O Comunicado de Vindima, publicado anualmente pelo IVDP, estabelece o quantitativo de mosto.

9 Região dimensão ha - área total ha área de vinha ha área de vinha com DO ha área de vinha com DO Porto (A to F) Viticultores

10 Região Localização Douro Superior Baixo Corgo Cima Corgo

11 Região dimensão Sub-Região Área Total Área de vinha (ha) (%) (ha) (%) Baixo Corgo % % Cima Corgo % % Douro Superior % % Total

12 Região variedades TR Vinho do Porto e Douro 115 Regional Duriense 334 TN TF Rab côdega MF

13 Vinho do Porto A fermentação é interrompida pela adição de álcool vínico (aguardente vínica). São por isso vinhos doces e fortificados. As diferentes categorias e estilos de vinhos do Porto podem variar de acordo com: Envelhecimento De lote ou não Cor

14 Vinho do Douro D.O. Vinho do Douro Moscatel do Douro Espumante do Douro IG Duriense Vinho Regional Duriense

15 Região produção de vinho (2011) pipas (550 litros) pipas de vinho DO Porto pipas de vinho DO Douro pipas de vinho DO Moscatel do Douro 600 pipas de vinho DO Douro Espumante pipas de vinho IG Duriense pipas de vinho

16 Região agentes económicos Vinho do Porto 85 produtores-engarrafadores 40 comerciantes Vinho do Douro e Duriense 199 produtores-engarrafadores 475 comerciantes

17 Região vendas de vinhos Em 2011 foram comercializados 110 milhões de garrafas de vinho do Porto (87% para expedição/exportação) 29 milhões de garrafas de Douro (39% para expedição/exportação)

18 Região vendas de vinhos Expedições/exportações de vinhos com DO em 2011 o Vinho do Porto representou 69% do seu valor e 63% da quantidade Na RDD as DO (Porto, Douro e Moscatel do Douro) representaram 79% do valor e 71% da quantidade.

19 Região vendas de vinhos Expedições/exportações de vinhos portugueses o Vinho do Porto representou 45% do seu valor e 24% da quantidade Vinhos da RDD com DO representaram 51% do valor e 27% da quantidade.

20

21 IVDP a origem Instituto do Vinho do Porto Coordenar as atividades da Casa do Douro (Associação de Produtores) e do Grémio de Exportadores (Federação de Comerciantes) Um Instituto autónomo com funções públicas de defesa genérica dos interesses do comércio do Vinho do Porto (devido à sua grande importância económica)

22 IVDP A origem Reforma Institucional, adota o modelo de gestão interprofissional (CIRDD e IVP) modernização administrativa, melhorando a qualidade dos serviços públicos com ganhos de eficiência. Fusão da CIRDD com o IVP e criação do IVDP.

23 IVDP acreditação o laboratório do IVDP é integrado no Sistema Português da Qualidade, pela Acreditação junto do IPAC (Certificado de Acreditação n.º L0115) de acordo com a norma NP EN ISO/IEC 17025: 2005 para diversos ensaios, quer em Vinhos licorosos / Vinhos do Porto / Vinhos, quer em Aguardentes a Câmara de Provadores, pioneira em termos mundiais na implementação de um processo de Acreditação, tal como é obrigatório, comunitariamente, aos laboratórios de controlo oficial dos géneros alimentícios (Certificado de Acreditação n.º L0235 (Dez de 1999), de acordo com a norma NP EN ISO/IEC 17025: 2005 ).

24 IVDP lei orgânica Decreto-Lei n.º 97/2012, de 23 de Abril Assegurar e garantir a origem e a qualidade dos vinhos da RDD Regulamentar e controlar o comércio e a produção (assegurando a lealdade de concorrência entre todos os agentes económicos)

25 IVDP missão A missão essencial do IVDP é o controlo, a certificação, a promoção e a proteção das denominações de origem Porto e Douro e indicação geográfica Duriense

26 IVDP Instituto público com carater interprofissional Conselho Interprofissional encarregue de - Gestão das duas DO - Acordos entre as profissões - Definir a produção anual de Porto e os rendimentos/ha - Aprovar o plano de promoção. Conselho Diretivo com funções de - Proteção internacional das DO - Controlo e Certificação - Regular a atividade vitivinícola - Aplicar sanções

27 IVDP organigrama CONSELHO DIRETIVO SERVIÇOS DE APOIO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO E MARKETING DIRECÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE CONTROLO E DE FISCALIZAÇÃO DIREÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS E DE CERTIFICAÇÃO

28 Gestão da DO Douro e IG Duriense IVDP acreditado, como organismo de certificação de produtos, pela norma NP EN 45011: 2001 DCP Comunicação de venda Contas correntes Pedido de Certificação Conta registo indisponível Aprovação de Rótulos Requisição de Selos Conta registo disponível Declaração de Vendas Requisição de certificação de DO

29 Gestão da DO Porto IVDP acreditado, como organismo de certificação de produtos, pela norma NP EN 45011: 2001 Comunicação de venda DCP Contas correntes Pagamento Pedido de Certificação Conta registo Aprovação de Rótulos Requisição de Selos Declaração de Vendas Requisição de certificação de DO

30 Parcelas de vinha na RDD

31 Mapa da RDD

32 Selos de Garantia

33 IVDP Fiscalização Controlo em todo o processo de produção avaliação das parcelas de vinha e do potencial produtivo contabilização dos quantitativos dos vinhos existentes a granel e engarrafados colheita de amostras dos vinhos engarrafados, para apreciação analítica e sensorial

34 IVDP Laboratórios Especificações do Porto e segurança alimentar Investimento em alta tecnologia Formação Técnica 474 parâmetros no total 207 parâmetros acreditados - 43,7 % do total

35 IVDP Câmara de Prova provas cegas provadores Profissionais (20 vinhos dia, 5 dias/ semana) estabilidade de critérios acreditação (1ª câmara de análise sensorial do mundo)

36 IVDP comunicação e marketing Contribuir para o aumento do valor das exportações dos vinhos com D O produzidos na RDD através da implementação de uma estratégia de promoção dos seus productos Premium.

37 IVDP comunicação e marketing Mercados estratégicos seguidos na implementação do Plano de Promoção em Portugal Espanha França Reino Unido Canadá EUA Brasil China

38 IVDP comunicação e marketing em Espanha Promovemos atividades centradas na educação e pedagogia de alunos de escolas de hotelaria (Santiago, Madrid, Barcelona, Gijon, Bilbao) e profissionais do canal Horeca no activo, como chefes de cozinha e sommeliers Participamos em feiras e apoiamos os agentes económicos a encontrar novos distribuidores e novos mercados Participamos ainda como vinho oficial e exclusivo nas comidas del diretor do festival de cinema de San Sebastian

39 IVDP desafios Implementação de medidas simplificação administrativa, de acordo com medidas de sustentabilidade ambiental e responsabilidade social Desenvolvimento de uma área operadores reservada ao setor vitivinícola, os agentes económicos da Região Conceito de balcão único para diminuição do tempo de espera, menos custos e mais eficácia e eficiência

40 IVDP desafios Sincronização dos polígonos das parcelas de vinha entre as diferentes entidades públicas do setor permitindo melhorar a gestão corrente do património vitícola Uma gestão corrente do património vitícola, com disponibilidade de ferramentas de apoio à tomada de decisão na valorização do património vitícola nacional

41 IVDP desafios ainda maior articulação com o setor comercial, para desenvolver estratégias compelmentares de promoção, agenda e avaliação das ações realizadas promoção e defesa das DO com outras DO de prestígio: Borgonha, Presunto de Parma e Queijo Parmigiano Reggiano no Reino Unido e Champagne e Jerez nos EUA

42 IVDP desafios realização de atividades de promoção e informação sobre o sistema de DO da Europa junto de diversos públicos: Wine Shows para consumidores, certificados para sommeliers, material promocional para lojas, seminários para vendedores e retalhistas

43 IVDP desafios comunicar com públicos mais jovens e que comecem a beber vinho. E aprender a comunicar na era digital.

44 Vinho do Porto

45 Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto, IP Obrigado

MAPA DE PESSOAL (POSTOS DE TRABALHO)

MAPA DE PESSOAL (POSTOS DE TRABALHO) MAPA DE PESSOAL (POSTOS DE TRABALHO) INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E DO PORTO OE2009 Atribuições/Competências/actividades PRESIDÊNCIA 1 1 2 Subtotal 1 1 2 Gestão Financeira, dos Recursos Humanos, da Documentação,

Leia mais

1386 Diário da República, 1. a série N. o 41 27 de Fevereiro de 2007

1386 Diário da República, 1. a série N. o 41 27 de Fevereiro de 2007 1386 Diário da República, 1. a série N. o 41 27 de Fevereiro de 2007 Artigo 15. o Norma revogatória É revogado o Decreto-Lei n. o 99/97, de 26 de Abril. Artigo 16. o Entrada em vigor O presente decreto-lei

Leia mais

A ADVID Associação para o Desenvolvimento da Viticultura Duriense e a Academia do Vinho em colaboração com a Wine & Spirit Education Trust

A ADVID Associação para o Desenvolvimento da Viticultura Duriense e a Academia do Vinho em colaboração com a Wine & Spirit Education Trust A ADVID Associação para o Desenvolvimento da Viticultura Duriense e a Academia do Vinho em colaboração com a Wine & Spirit Education Trust Promove o curso THE WINE & SPIRIT EDUCATION TRUST CURSO NÍVEL

Leia mais

Comissão Vitivinícola Regional Alentejana

Comissão Vitivinícola Regional Alentejana Comissão Vitivinícola Regional Alentejana Regulamento Interno da Rotulagem da Comissão Vitivinícola Regional Alentejana 21 de Janeiro de 2013 (Revisto a 2 de Maio de 2013) O presente Regulamento estabelece

Leia mais

MAPA DE PESSOAL (POSTOS DE TRABALHO)

MAPA DE PESSOAL (POSTOS DE TRABALHO) s CONSELHO DIRETIVO 1 1 2 Subtotal 1 1 0 0 0 0 0 0 0 2 Gestão Financeira, dos Recursos Humanos, da Documentação, do Património e da Informática e Comunicações DIRECÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

Leia mais

THE WINE & SPIRIT EDUCATION TRUST CURSO NíVEL 3 INTERNACIONAL SUPERIOR e EXAME ACESSO NÌVEL 4

THE WINE & SPIRIT EDUCATION TRUST CURSO NíVEL 3 INTERNACIONAL SUPERIOR e EXAME ACESSO NÌVEL 4 A Academia do Vinho em colaboração com Wine & Spirit Education Trust e The Wine Academy of Spain Apresenta THE WINE & SPIRIT EDUCATION TRUST CURSO NíVEL 3 INTERNACIONAL SUPERIOR e EXAME ACESSO NÌVEL 4

Leia mais

Plano de Promoção e Internacionalização para 2014

Plano de Promoção e Internacionalização para 2014 Plano de Promoção e Internacionalização para 214 O Plano de Promoção e Internacionalização (PPI) do Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto, I.P. (IVDP, IP) para 214 assenta numa lógica de continuidade

Leia mais

Regulamento Interno para a Produção e Comercialização de Produtos Vínicos com direito a DO Alentejo e a IG Alentejano. 1 de Fevereiro de 2010

Regulamento Interno para a Produção e Comercialização de Produtos Vínicos com direito a DO Alentejo e a IG Alentejano. 1 de Fevereiro de 2010 Regulamento Interno para a Produção e Comercialização de Produtos Vínicos com direito a DO Alentejo e a IG Alentejano 1 de Fevereiro de 2010 * - Última actualização 11-02-2011 1 Índice INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

Comissão Vitivinícola Regional Alentejana www.vinhosdoalentejo.pt Copyright fotos e textos: Comissão Vitivinícola Regional Alentejana Reprodução

Comissão Vitivinícola Regional Alentejana www.vinhosdoalentejo.pt Copyright fotos e textos: Comissão Vitivinícola Regional Alentejana Reprodução Comissão Vitivinícola Regional Alentejana www.vinhosdoalentejo.pt Copyright fotos e textos: Comissão Vitivinícola Regional Alentejana Reprodução interdita CVRA COMISSÃO VITIVINÍCOLA REGIONAL ALENTEJANA

Leia mais

Comissão Vitivinícola Regional dos Açores

Comissão Vitivinícola Regional dos Açores Comissão Vitivinícola Regional dos Açores Elaborado Responsável Qualidade Aprovado Comissão Executiva Página 1 de 29 ÍNDICE CAPÍTULO 1 OBJECTIVOS E POLÍTICA DA QUALIDADE 4 1.1. Objectivo do Manual da Qualidade

Leia mais

Plano de Atividades 2015 2/27

Plano de Atividades 2015 2/27 2/27 Índice 1. INTRODUÇÃO... 5 2. MISSÃO, VISÃO, VALORES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 7 1.1 MISSÃO... 7 1.2 VISÃO... 7 1.3 VALORES... 7 1.4 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS (2012-2015)... 7 2 PRINCIPAIS SERVIÇOS

Leia mais

Deste modo, os valores dos balanços e das demonstrações de resultados apresentados têm as inerentes limitações de comparabilidade.

Deste modo, os valores dos balanços e das demonstrações de resultados apresentados têm as inerentes limitações de comparabilidade. 2. Notas ao Balanço e à Demonstração dos Resultados As notas que se seguem respeitam a numeração definida no Plano Oficial de Contabilidade Pública para a apresentação de demonstrações financeiras individuais.

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCO DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS

PLANO DE GESTÃO DE RISCO DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS ÍNDICE Página 1 de 16 I. APRESENTAÇÃO... 2 1. CARACTERIZAÇÃO DO IVDP, IP... 2 1.1. MISSÃO, VISÃO E VALORES... 3 1.2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL... 4 1.2.1. Sistema de Gestão... 5 1.2.2. Separação de funções...

Leia mais

(1) A importância do pequeno médio viticultor português com a mudança de paradigma

(1) A importância do pequeno médio viticultor português com a mudança de paradigma (1) A importância do pequeno médio viticultor português com a mudança de paradigma (2) A EU é o mais importante produtor de vinho com 175m hl/ano. Em valores representa: 45% do superficie viticola, 65%

Leia mais

INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E DO PORTO. Comunicado de Vindima 2010. Gráfico I. Evolução do balanço produção/comercialização (pipas)

INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E DO PORTO. Comunicado de Vindima 2010. Gráfico I. Evolução do balanço produção/comercialização (pipas) Balanço e acumulado (pipas) Comercialização (pipas) IVDP INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E DO PORTO Comunicado de Vindima 2010 I Introdução BALANÇO ECONÓMICO DA CAMPANHA DE 2009/2010 Mantendo a prudência

Leia mais

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ Planejamento Boa Gestão Consciência Política Sustent bilidade Participação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ESCANÇÕES DE PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO DOS ESCANÇÕES DE PORTUGAL ASSOCIAÇÃO DOS ESCANÇÕES DE PORTUGAL Concurso de Vinhos do Crédito Agrícola Vinhos Brancos e Tintos -2015- Regulamento Lisboa, Julho de 2015 Concurso de Vinhos do Crédito Agrícola Regulamento 1- O Concurso

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 1.404, DE 2004

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 1.404, DE 2004 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 1.404, DE 2004 Redação final do Projeto de Lei da Câmara nº 89, de 2000 (nº 3.512, de 1997, na Casa de origem). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ESCANÇÕES DE PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO DOS ESCANÇÕES DE PORTUGAL ASSOCIAÇÃO DOS ESCANÇÕES DE PORTUGAL Concurso de Vinhos do Crédito Agrícola Vinhos Brancos e Tintos -2014- Regulamento Lisboa, 06 de Outubro de 2014 Concurso de Vinhos do Crédito Agrícola Regulamento 1-

Leia mais

O ENOTURISMO. Conceito:

O ENOTURISMO. Conceito: Conceito: O conceito de enoturismo ainda está em formação e, a todo o momento, vão surgindo novos contributos; Tradicionalmente, o enoturismo consiste na visita a vinhas, estabelecimentos vinícolas, festivais

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS 4284 Diário da República, 1.ª série N.º 154 9 de agosto de 2012 Artigo 3.º Entrada em vigor A presente portaria produz efeitos a partir da data da sua assinatura. O Primeiro -Ministro, Pedro Passos Coelho,

Leia mais

INOVAÇÃO NA AGRICULTURA, AGRO-INDÚSTRIA E FLORESTA

INOVAÇÃO NA AGRICULTURA, AGRO-INDÚSTRIA E FLORESTA Os Queijos São Gião Sociedade Agro-Pecuária de Vale do Seia, Lda Seia, 04 de abril de 2014 Organização: Apoio Institucional: Agenda 1. Os Queijos São Gião - o que fazemos? 2. As oportunidades e ameaças

Leia mais

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO MANUAL DE CERTIFICAÇÃO ESTE MANUAL PRETENDE COMPILAR AS PRINCIPAIS REGRAS NECESSÁRIAS PARA A CERTIFICAÇÃO E CONTROLO DA DENOMINAÇÃO DE ORIGEM «VINHO VERDE» E INDICAÇÃO GEOGRÁFICA «MINHO». MARÇO 2015 MANUAL

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO VINHOS DE PORTUGAL (2015)

REGULAMENTO DO CONCURSO VINHOS DE PORTUGAL (2015) REGULAMENTO DO CONCURSO VINHOS DE PORTUGAL (2015) O Concurso Vinhos de Portugal 2015, adiante designado por CVdP, decorrerá no período da manhã dos dias 11 a 15 de Maio de 2015. 1. OBJECTIVOS Os objectivos

Leia mais

SEÇÃO IV BEBIDAS EM GERAL, VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS a) Para a importação de bebida, fermentado acético, vinho e

SEÇÃO IV BEBIDAS EM GERAL, VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS a) Para a importação de bebida, fermentado acético, vinho e SEÇÃO IV BEBIDAS EM GERAL, VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS a) Para a importação de bebida, fermentado acético, vinho e derivados da uva e do vinho, o estabelecimento deve possuir

Leia mais

Ministério das Pescas

Ministério das Pescas Ministério das Pescas Decreto Executivo n.º 30/06 de 0 de Março Havendo necessidade de se regulamentar a estrutura e o funcionamento da Direcção Nacional de InfraEstruturas e Pesquisa de Mercados a que

Leia mais

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO MANUAL DE PROCEDIMENTOS TÉCNICOS, DE GESTÃO E CONTROLO DE PRODUTOS COM DIREITO A DENOMINAÇÃO DE ORIGEM DoTEJO E INDICAÇÃO GEOGRÁFICA TEJO Edição: 6 Data: 2015-03-13 Pag: 1 / 30 MANUAL DE PROCEDIMENTOS

Leia mais

TURISMO DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL, ER MAPA DE PESSOAL PARA O ANO DE 2013

TURISMO DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL, ER MAPA DE PESSOAL PARA O ANO DE 2013 TURISMO DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL, ER MAPA DE PESSOAL PARA O ANO DE 203 (PESSOAL DA FUNÇÃO PÚBLICA) PRESIDENCIA VICE-PRESIDÊNCIA (artigos 3.º, 5.º e 6.º dos Estatutos) Presidente da Direção Vice-Presidente

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 7.678, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1988. Regulamento Dispõe sobre a produção, circulação e comercialização do vinho e derivados da uva

Leia mais

INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E DO PORTO

INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E DO PORTO 1 de 6 Considerando que o Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto, I.P. (IVDP), procurando agilizar e simplificar os procedimentos legais exigíveis, quer para a denominação de origem (DO) Porto, quer

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM VINHOS

ESPECIALIZAÇÃO EM VINHOS ESPECIALIZAÇÃO EM VINHOS Novembro 2010 1 Direção de Formação Departamento de Planeamento e Certificação Objectivos No final da formação, os formandos devem ter adquirido conhecimentos, competências e técnicas

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA. António Mantas

A CERTIFICAÇÃO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA. António Mantas A CERTIFICAÇÃO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA António Mantas am@sativa.pt A CERTIFICAÇÃO de um produto (ou de um processo ou de um serviço) é um meio de garantir a sua conformidade com normas e outros documentos

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE GESTÃO E CONTROLO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE GESTÃO E CONTROLO DE PROCEDIMENTOS Página Edição 3 Revisão Data de Aprovação Capítulo TÉCNICOS DE GESTÃO E DE PROCEDIMENTOS Página 1/3 Edição 3 Revisão 5 Data de Aprovação 14/01/2015 Índice Capítulo I Revisões do Manual

Leia mais

Uma rede que nos une

Uma rede que nos une Uma rede que nos une Uma rede que nos une O IMTT - Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, I.P. é um organismo da Administração Central, dotado de autonomia administrativa e financeira,

Leia mais

2015 / 2017 ESTRATÉGIA, MERCADOS E OBJECTIVOS

2015 / 2017 ESTRATÉGIA, MERCADOS E OBJECTIVOS VINHOS DE PORTUGAL 2015 / 2017 ESTRATÉGIA, MERCADOS E OBJECTIVOS HOTEL CURIA PALACE 26 de Novembro de 2014 1 VINHOS DE PORTUGAL O PAPEL DO TURISMO NA PROMOÇÃO DO VINHO PORTUGUÊS Licínio Cunha 2 DEUS CRIOU

Leia mais

Plano de Atividades 2013 2/23

Plano de Atividades 2013 2/23 2/23 Índice ÍNDICE... 3 1 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS... 4 2 INTRODUÇÃO... 5 3 MISSÃO, VISÃO, VALORES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 6 3.1 MISSÃO... 6 3.2 VISÃO... 6 3.3 VALORES... 6 3.4 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

CUIDAR DA TERRA ALIMENTAR A SAÚDE CULTIVAR O FUTURO

CUIDAR DA TERRA ALIMENTAR A SAÚDE CULTIVAR O FUTURO CUIDAR DA TERRA ALIMENTAR A SAÚDE CULTIVAR O FUTURO Por que é importante dar preferência aos produtos orgânicos? Os sistemas de produção orgânica se baseiam em princípios da agroecologia e, portanto, buscam

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Denominação A Escola Profissional adopta a designação de ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS e a abreviatura EPF. ARTIGO

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

Departamento de Recrutamento e Selecção. Perfil de Competências TÉCNICOS SUPERIORES PARA INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E PORTO

Departamento de Recrutamento e Selecção. Perfil de Competências TÉCNICOS SUPERIORES PARA INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E PORTO Departamento de Recrutamento e Selecção Perfil de Competências TÉCNICOS SUPERIORES PARA INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E PORTO Fevereiro de 2010 INTRODUÇÃO O Instituto dos Vinhos do Douro e Porto solicitou

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUER (nos termos da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro)

CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUER (nos termos da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro) Mapa Resumo dos postos de por cargo/carreira/categoria CARGO/CATEGORIAS/CARREIRAS A criar TOTAL Obs. Diretor de departamento 2 2 Chefe de divisão 6 6 Direção intermédia 3.º grau 2 2 Comandante Operacional

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

A DEFESA DA DENOMINAÇAO DE ORIGEN

A DEFESA DA DENOMINAÇAO DE ORIGEN A DEFESA DA DENOMINAÇAO DE ORIGEN Constantino Lopes Palma A Regiao Autónoma da Madeira é uma pequena regiao desprovida de recursos, representando o vinho da Madeira um suporte substancial na sua frágil

Leia mais

Negócio Missão Visão

Negócio Missão Visão Histórico A CEASA é um projeto que surgiu a partir da necessidade de organizar a comercialização e melhorar o abastecimento de produtos hortigranjeiros em Rio Branco. Pleiteada desde o início do Governo

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE GESTÃO E CONTROLO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE GESTÃO E CONTROLO DE PROCEDIMENTOS Página Edição 3 Revisão Data de Aprovação Capítulo TÉCNICOS DE GESTÃO E DE PROCEDIMENTOS Página 1/3 Edição 3 Revisão 6 Data de Aprovação 20/07/2015 Índice Capítulo I Revisões do Manual

Leia mais

Reorganização da Região Demarcada do Douro

Reorganização da Região Demarcada do Douro Reorganização da Região Demarcada do Douro Proposta de Trabalho Vila Real, Julho de 2012 A Comunidade Intermunicipal do Douro (CIMDOURO) é uma associação de municípios de fins múltiplos, pessoa colectiva

Leia mais

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013 INICIATIVA JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo Faro, 22 de maio de 2013 O Turismo na economia Peso no PIB Peso no Emprego Peso nas Exportações Peso dos Mercados O Turismo e a Regeneração Urbana

Leia mais

Telefonia IP e Comunicações Unificadas Cisco. Solução de Switching e Voz sobre Metro LAN

Telefonia IP e Comunicações Unificadas Cisco. Solução de Switching e Voz sobre Metro LAN Telefonia IP e Comunicações Unificadas Cisco Solução de Switching e Voz sobre Metro LAN José Ferreira 17/04/2008 Agenda O Grupo Aveleda Vinhos, Queijos e Turismo As Motivações e o porquê da evolução tecnológica

Leia mais

Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica

Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica Experiência do Brasil e proposta de uso para IG/DO 2º Taller Regional TCP/RLA/3211 Calidad de los alimentos vinculada al origen y las tradiciones

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME Projetos Individuais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME Projetos Individuais Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME Projetos Individuais até concursos abertos 16 de abril de 2012 Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME Projetos

Leia mais

Apresentação IBRAC: Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Cacau Brasília, 07 de março o de 2012 Carlos Lima Diretor Executivo

Apresentação IBRAC: Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Cacau Brasília, 07 de março o de 2012 Carlos Lima Diretor Executivo Apresentação IBRAC: Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Cacau Brasília, 07 de março o de 2012 Carlos Lima Diretor Executivo ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Contexto Atual 2. O Setor da Cachaça 3. O Instituto

Leia mais

Regime jurídico de acesso e exercício de atividades de comércio, serviços e restauração

Regime jurídico de acesso e exercício de atividades de comércio, serviços e restauração A Tipo de movimento Comunicação de exploração / acesso a atividade Alteração significativa das condições de acesso às atividades Alteração do ramo de atividade * Alteração da área de venda Preencher se

Leia mais

Assunto : Curso de Vinhos da WSET Nível 2. Ex.mos Senhores

Assunto : Curso de Vinhos da WSET Nível 2. Ex.mos Senhores Assunto : Curso de Vinhos da WSET Nível 2 Ex.mos Senhores Ao abrigo de um protocolo assinado entre o IVDP e a Academia do Vinho para formação na área dos vinhos, vimos divulgar a realização de um curso

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO REGULAMENTO INTERNO DAS REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Natureza) As representações são órgãos de execução

Leia mais

Relatório Final (alínea i) do art. 11º do Dec-Lei nº 81/2008 de 16 de maio)

Relatório Final (alínea i) do art. 11º do Dec-Lei nº 81/2008 de 16 de maio) DDESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS ZONAS DE PESCA I - IDENTIFICAÇÃO (a preencher pelos Serviços: Grupo de Ação Costeira/ Direção Regional de Agricultura e Pescas, conforme aplicável) Data de Entrada Data

Leia mais

Perguntas e respostas Mais Qualidade

Perguntas e respostas Mais Qualidade Perguntas e respostas Mais Qualidade O que é o Programa Mais Qualidade? O Mais Qualidade é um programa da Bayer CropScience que tem como objetivo a obtenção de frutas com qualidade superior. Tudo isso

Leia mais

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor:

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: - Conselho Municipal de Educação de Vila Real - Proposta de Regulamento ---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas CENFIM, Trofa 6 de Maio de 2014 Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas Rui Ferreira Alves O Sector da Construção no contexto da União Europeia Sector estratégico: relevante para promover

Leia mais

Eficácia 01. Melhorar a satisfação das necessidades e das condições de instalação dos serviços do MJ

Eficácia 01. Melhorar a satisfação das necessidades e das condições de instalação dos serviços do MJ ANEXO II ANO: 2015 Ministério da Justiça Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça, IP MISSÃO: Gestão dos recursos financeiros do Ministério da Justiça, do património afeto à área da justiça,

Leia mais

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES Ferramentas para a Sustentabilidade do Turismo Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural Castro Verde, 7 Março 2012 Teresa Bártolo 2012 Sustentare Todos os direitos reservados www.sustentare.pt 2 Turismo

Leia mais

Case Study Business Intelligence Portals como solução de Mobilidade

Case Study Business Intelligence Portals como solução de Mobilidade Case Study Business Intelligence Portals como solução de Mobilidade Agenda A BetterSoft Mobilidade e Colaboradores móveis A Divisão de FoodServices da Nestlé Portais corporativos O que são A Arquitectura

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS DE VINHO DO PORTO

ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS DE VINHO DO PORTO ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS DE VINHO DO PORTO Fórum de debate Região o Demarcada do Douro Estratégia e Sustentabilidade Museu do Douro, 3 de Novembro de 2011 - Agenda Os produtos e os seus mercados A Região

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Presidente Vice-Presidente Vogal Secretário-Geral Director Coordenador a) 9 8 1 Director a) 24 23 1 Prestação de assessoria técnica especializada ao Conselho Directivo 2 2 0 Monitorização e avaliação da

Leia mais

Topic 13: Commercializing Intellectual Property Assets: Case Study No. 2

Topic 13: Commercializing Intellectual Property Assets: Case Study No. 2 Training of Trainers Program on Effective Intellectual Property Asset Management by Small and Medium Sized Enterprises (SMEs) in Portuguese-Speaking African Countries (PALOP) Lisboa, Portugal 11 de abril

Leia mais

Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a modernização administrativa com vista à aproximação dos serviços aos cidadãos.

Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a modernização administrativa com vista à aproximação dos serviços aos cidadãos. OBJETIVOS DAS UNIDADES ORGÂNICAS - 2011 MUNICÍPIO DA MARINHA GRANDE UNIDADE ORGÂNICA: Divisão de Cooperação, Comunicação e Modernização Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a modernização

Leia mais

O Novíssimo Mundo do Vinho: Brasil X China se apresentam ao mercado mundial 23 de Agosto de 2013 - São Paulo Brasil Palestrante: Roberto Rabachino

O Novíssimo Mundo do Vinho: Brasil X China se apresentam ao mercado mundial 23 de Agosto de 2013 - São Paulo Brasil Palestrante: Roberto Rabachino 23 de Agosto de 2013 - São Paulo Brasil Palestrante: Roberto Rabachino Roberto Rabachino, italiano de Turim, é Doutor em Ciências da Alimentação com MBA em Análise Organoléptica Sensorial. Formado em Sociologia

Leia mais

Certificação de Cosméticos Orgânicos e Naturais

Certificação de Cosméticos Orgânicos e Naturais Certificação de Cosméticos Orgânicos e Naturais 1 No processo de certificação o foco é a garantia da rastreabilidade orgânica da cadeia produtiva INSTITUIÇÃO CREDENCIADORA CERTIFICADORAS VIG./INSP. SANITARIA

Leia mais

Os principais critérios valorimétricos utilizados na preparação das demonstrações financeiras foram os seguintes:

Os principais critérios valorimétricos utilizados na preparação das demonstrações financeiras foram os seguintes: 2. Notas ao Balanço e à Demonstração dos Resultados As notas que se seguem respeitam a numeração definida no Plano Oficial de Contabilidade Pública para a apresentação de demonstrações financeiras individuais.

Leia mais

TURISMO. o futuro, uma viagem...

TURISMO. o futuro, uma viagem... TURISMO o futuro, uma viagem... PLANO NACIONAL DO TURISMO 2007-2010 OBJETIVOS Desenvolver o produto turístico brasileiro com qualidade, contemplando nossas diversidades regionais, culturais e naturais.

Leia mais

Projecto de Resolução n.º 542/X/4. Uma Casa do Douro para os 40 mil pequenos viticultores durienses

Projecto de Resolução n.º 542/X/4. Uma Casa do Douro para os 40 mil pequenos viticultores durienses PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Resolução n.º 542/X/4 Uma Casa do Douro para os 40 mil pequenos viticultores durienses 1. O Douro, enquanto região de excelência na produção de

Leia mais

Ana Sofia de Oliveira

Ana Sofia de Oliveira Da Produção Vitivinícola ao Enoturismo Quinta-feira 25 de Novembro 2010 Enoturismo como ferramenta essencial na internacionalização dos Vinhos Portugueses Ana Sofia de Oliveira VINIPORTUGAL Quem somos?

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Carta de Serviço O MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO, órgão central do Estado que superintende a área da Indústria e Comércio. ATRIBUIÇÕES São

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior de Tecnologia Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Dielmar Uma empresa de sucesso... 1º Trabalho prático Grupo 3 Bruno Almeida bmcalmeyda@gmail.com

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE INDICE Objetivo... 2 Âmbito e campo de aplicação... 2 Responsabilidades... 2 Referências e bibliografia... 2 1. Referências... 2 2. Biliografia... 2 Descrição... 3 1. Definições... 3 2. Reclamação... 3

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

A política do medicamento: passado, presente e futuro

A política do medicamento: passado, presente e futuro A política do medicamento: passado, presente e futuro Barcelos, 27 de março de 2015 Ricardo Ramos (Direção de Avaliação Económica e Observação do Mercado) INFARMED - Autoridade Nacional do Medicamento

Leia mais

"Med Forward" "Papel da indústria na redução de riscos associados ao consumo nocivo de álcool" Casa do InfantePorto 24 de Maio 2013

Med Forward Papel da indústria na redução de riscos associados ao consumo nocivo de álcool Casa do InfantePorto 24 de Maio 2013 "Med Forward" "Papel da indústria na redução de riscos associados ao consumo nocivo de álcool" Casa do InfantePorto 24 de Maio 2013 1 "Med Forward" SUSTENTABILIDADE ATRAVÉS DA RESPONSABILIDADE SOCIAL Casa

Leia mais

Benchmarking CONSELHO REGULADOR TEQUILA (CRT) Viagem Exploratória ao México (Projeto Apex- Brasil x IBRAC)

Benchmarking CONSELHO REGULADOR TEQUILA (CRT) Viagem Exploratória ao México (Projeto Apex- Brasil x IBRAC) Benchmarking CONSELHO REGULADOR TEQUILA (CRT) Viagem Exploratória ao México (Projeto Apex- Brasil x IBRAC) João Pessoa, 13 de agosto de 2014 Proibida Alambique a reprodução Cambeba parcial ou total sem

Leia mais

Ministério da Agricultura

Ministério da Agricultura Ministério da Agricultura CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto) A presente lei estabelece o controlo e fiscalização da produção, do comércio e da importação e exportação de sementes e mudas

Leia mais

Operador Econômico Autorizado - OEA

Operador Econômico Autorizado - OEA Operador Econômico Autorizado - OEA 26.08.15 Operador Econômico Autorizado - OEA Agenda 00:00 Quem Somos O que é OEA? Benefícios Fases de Implementação Requisitos Projeto Piloto - Fase 1 01:30 Fase 2 OEA

Leia mais

Sistema de controlo das IG na União Europeia. Estudo de casos. Ana Soeiro TM QUALIFICA Brasilia Setembro 2014

Sistema de controlo das IG na União Europeia. Estudo de casos. Ana Soeiro TM QUALIFICA Brasilia Setembro 2014 Sistema de controlo das IG na União Europeia Estudo de casos Ana Soeiro TM QUALIFICA Brasilia Setembro 2014 Logo, o plano de verificação de uma IGP/DOP deve ter em conta TUDO O que é específico no produto

Leia mais

A implementação do balcão único electrónico

A implementação do balcão único electrónico A implementação do balcão único electrónico Departamento de Portais, Serviços Integrados e Multicanal Ponte de Lima, 6 de Dezembro de 2011 A nossa agenda 1. A Directiva de Serviços 2. A iniciativa legislativa

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA 19774 Diário da República, 2.ª série N.º 142 23 de julho de 2015 na qualidade de Instalador de tacógrafos homologados de acordo com o Regulamento (EU) n.º 165/2014, de 4 de fevereiro, estando autorizado

Leia mais

Registo Concours Mondial de Bruxelles 2015 Modalidades práticas de participação

Registo Concours Mondial de Bruxelles 2015 Modalidades práticas de participação Registo 2015 Modalidades práticas de participação 1. Inscrições Preencha um formulário de inscrição por produto ou vá ao nosso website: www.concoursmondial.com para registo online. Formulários de inscrição

Leia mais

Novos rumos para os produtos ibéricos.

Novos rumos para os produtos ibéricos. Novos rumos para os produtos ibéricos. 28 a 30 de Novembro Centro de Convenções -Ceará-Brasil A sua grande oportunidade de exportar para a região que mais cresce no Brasil. A IBERIA EXPO 2012 é uma iniciativa

Leia mais

CASE STUDY MADEIRA WINE COMPANY

CASE STUDY MADEIRA WINE COMPANY CASE STUDY MADEIRA WINE COMPANY A Madeira Wine Company, titular das conceituadas marcas Blandy's, Cossart Gordon, Leacock's, Miles e Atlantis posicionase como um produtor nacional com um forte perfil de

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 6.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 28 de dezembro de 2012. Série. Número 175

JORNAL OFICIAL. 6.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 28 de dezembro de 2012. Série. Número 175 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 28 de dezembro de 2012 Série 6.º Suplemento Sumário VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, SECRETARIAS REGIONAIS DO PLANO E FINANÇAS E DO AMBIENTE

Leia mais

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas O PERFIL DA CACHAÇA CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SETOR No mercado de cachaça, existem dois tipos da bebida: a caninha industrial e a cachaça artesanal de alambique. A primeira possui teor alcoólico de 38%

Leia mais

Estudo - Estratégias de Diferenciação das Principais Fileiras de Produtos Agrícolas, Agro- Alimentares de Alimentação do Vale do Ave

Estudo - Estratégias de Diferenciação das Principais Fileiras de Produtos Agrícolas, Agro- Alimentares de Alimentação do Vale do Ave Estudo - Estratégias de Diferenciação das Principais Fileiras de Produtos Agrícolas, Agro- Alimentares de Alimentação do Vale do Ave NOTAS INTRODUTÓRIAS - Objetivo do estudo: Definir estratégias de atuação

Leia mais

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende SEMINÁRIO: QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO ÃO Porto, 3 e 4 de Novembro de 2005 O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende Carla Dias carla.dias@cm-esposende.pt

Leia mais

Aviso - ALG-28-2015-11

Aviso - ALG-28-2015-11 Eixo Prioritário 5 Investir no Emprego OT 8 Promover a Sustentabilidade e a Qualidade do Emprego, e Apoiar a Mobilidade dos Trabalhadores PI 8.9 Apoio ao crescimento propício ao emprego, através do desenvolvimento

Leia mais

PLATAFORMA DE NEGÓCIOS

PLATAFORMA DE NEGÓCIOS SOBRE NOSSA PLATAFORMA COMPLETA A Plataforma de Negocio da Tommasi foi formada ao longo de 20 anos de experiência no ramo de importação e exportação e de uma equipe especializada para formação de uma estrutura

Leia mais

O ESTADO DA INOVAÇÃO NO SECTOR VITIVINICOLA DURIENSE

O ESTADO DA INOVAÇÃO NO SECTOR VITIVINICOLA DURIENSE ADVID Associação para o Desenvolvimento da Viticultura Duriense Cluster dos vinhos da Região do Douro 16 de NOVEMBRO DIA DA INOVAÇÃO, UTAD O QUE É INOVAÇÃO? *Uma inovação é a implementação de um produto

Leia mais

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Relatório de Estágio Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Rui Neves Lisboa, 21 de Junho de 2011 Índice Introdução... 3 Caracterização da Base de Dados... 4 Recolha e validação

Leia mais

Economia solidária e estratégias para o desenvolvimento do comércio justo

Economia solidária e estratégias para o desenvolvimento do comércio justo Economia solidária e estratégias para o desenvolvimento do comércio justo Rosemary Gomes FASE/FBES/FACES/RIPESS rgomes@fase.org.br Economia solidária : elementos para uma definição Atividades econômicas

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

MINISTÉRIOS DA SAÚDE, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DA REFORMA DO ESTADO E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

MINISTÉRIOS DA SAÚDE, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DA REFORMA DO ESTADO E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MINISTÉRIOS DA SAÚDE, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DA REFORMA DO ESTADO E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n. 390/2002 de 11 de Abril A Resolução do Conselho de Ministros n.º 166/2000,

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais