"Med Forward" "Papel da indústria na redução de riscos associados ao consumo nocivo de álcool" Casa do InfantePorto 24 de Maio 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""Med Forward" "Papel da indústria na redução de riscos associados ao consumo nocivo de álcool" Casa do InfantePorto 24 de Maio 2013"

Transcrição

1 "Med Forward" "Papel da indústria na redução de riscos associados ao consumo nocivo de álcool" Casa do InfantePorto 24 de Maio

2 "Med Forward" SUSTENTABILIDADE ATRAVÉS DA RESPONSABILIDADE SOCIAL Casa do InfantePorto 24 de Maio

3 As marcas do vinho no Porto e o Douro 3

4 As marcas do vinho no Porto e o Douro 4

5 29 Regiões com Indicação Geográfica 5

6 Variedades de uva Produtores de vinho Postos de trabalho Área de vinha (ha) Produção de vinho (hl) Valor de produção ( ) 6

7 deportugalparaomundo 53% do vinho é exportado 2,97 milhões de hectolitros exportados Valor da exportação: 675 milhões Preço médio da exportação: 2,27/litro 7

8

9 EU Commission WHO Álcool está na agenda política global, regional e nacional; Forte e consistente pressão dos países anti álcool (Nórdicos + Muçulmano) e das ONGs; Pressão para tratar o álcool com as mesmas ferramentas que o tabaco; Pouca distinção entre consumo moderado e consumo nocivo. 9

10 Wine in Moderation Vinho com Moderação compromisso do sector vitivinícola europeu para trabalhar na redução dos malefícios do consumo abusivo de vinhos e de outras bebidas alcoólicas 10

11 OBJECTIVO WIM defender a cultura do vinho, a sua gente, a sua paisagem e o seu consumo moderado num ambiente económico e social que permita o desenvolvimento sustentável de negócios responsáveis; provocar mudanças culturais na abordagem ao consumo de álcool. 11

12 DEFENDER Vini-Viticultura, Paisagem, Ambiente Cultura e Alimentação Mediterrânica Consumo Moderado & Responsável 12

13 WINE IN MODERATION AISLB WINE IN MODERATION AISLB é uma ONG, sedeada em Bruxelas, com a responsabilidade de coordenar o programa de WINE IN MODERATION (Vinho com Moderação); Agenesis desta organização é o compromisso do sector vitivinícola europeu para trabalhar na redução dos malefícios do consumo abusivo de vinhos e de outras bebidas alcoólicas; Lançado em Bruxelas a 18 de Março de 2008, o WIM é considerado um dos 5 melhores exemplos de compromissos assumidos no Fórum de Álcool e Saúde da Europa (entre 108); Implementada a sua actividade em pelo menos 9 países : França, Alemanha, Itália, Portugal, UK, Espanha, Grécia, Chipre e Suíça. 13

14 ESTRUTURA - WIM AISLB 2012 Effective members EU NATIONAL ASSOCIATIONS Observer members AMBASSADORS 14

15 ESTRUTURA - WIM AISLB 2012 Effective members EU NATIONAL ASSOCIATIONS Observer members AMBASSADORS 15

16 COMPROMISSO DO SECTOR DE VINHO EUROPEU Promover moderação e responsabilidade no consumo de vinho; Informar e educar intervenientes e público sobre: riscos sociais e para a saúde do consumo excessivo e abusivo; encorajar mudanças culturais na abordagem ao álcool; fazer da moderação uma moda; O tema abordado é o consumo perigoso e nocivo, não o consumo em si

17 COMPROMISSO DO SECTOR DE VINHO EUROPEU CÓDIGO DE COMUNICAÇÃO DO VINHO MENSAGEM VINHO COM MODERAÇÃO Indução de moderação e responsabilidade ART DE VIVRE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO Encorajar mudanças culturais Vinho com moderação como parte de um estilo de vida saudável Informar sobre riscos do abuso WINE INFORMATION COUNCIL CONSELHO DE INFORMAÇÃO SOBRE O VINHO Partilhar boas práticas Investigação e informações científicas

18 COMPROMISSO DO SECTOR DE VINHO EUROPEU MENSAGEM VINHO COM MODERAÇÃO CÓDIGO DE COMUNICAÇÃO DO VINHO AUTO REGULAÇÃO ART DE VIVRE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO WINE INFORMATION COUNCIL CONSELHO DE INFORMAÇÃO SOBRE O VINHO EVIDÊNCIA CIENTÍFICA TRANSPARENTE

19 VINHO COM MODERAÇÃO.PT ACÇÕES Implementação do programa em Portugal Vinho com Moderação desde organizações aderentes Educar e Informar o sector vitivinícola Membro fundador do Fórum de Álcool e Saúde (AEVP, ACIBEV e Sogrape Vinhos) Com apoio do 19

20 VINHO COM MODERAÇÃO.PT Comunicação ao Consumidor Formação e Recrutamento do Sector Vitivinícola Formação no Âmbito Laboral Formação com Associações de Pais e Escolas 20

21 VCM NA EDUCAÇÃO MENSAGEM CHAVE : GUIÃO PARA UM CONSUMO MODERADO DE VINHO 1. Desfrute o vinho ao máximo Perceberovinhoquesebebe:saberdeondevem;oseucarácter único torna o acto de beber mais agradável; Beber lentamente: leve tempo a perceber e saborear os gostos distintos do vinho; Apreciar o vinho que complementa as refeições, juntamente com umcopodeágua; O consumo regular de pequenas quantidades de vinho pode trazer benefícios à saúde, ao contrário do que acontece com a ingestão de grandes quantidades de uma só vez; Não exceder as linhas directivas de um consumo moderado e de baixo risco de bebidas alcoólicas; 21

22 VCM NA EDUCAÇÃO MENSAGEM CHAVE : GUIÃO PARA UM CONSUMO RESPONSÁVEL DE VINHO 2. O consumo de vinho requer maturidade: os menores não devem beber; 3. As mulheres grávidas devem evitar o consumo de vinho e bebidas alcoólicas; 4. Se vai conduzir evite beber. Se o fizer -nunca exceda os limites da TAS, legalmente estabelecidos para os condutores; 5. Consulte o seu médico de família em caso de qualquer dúvida. 22

23 23

24 Obrigado! Seja Responsável. Beba com Moderação 24 24

Brochura. Apenas ao saborear o vinho moderada e calmamente, os seus sabores complexos podem ser apreciados e desfrutados na totalidade.

Brochura. Apenas ao saborear o vinho moderada e calmamente, os seus sabores complexos podem ser apreciados e desfrutados na totalidade. Brochura Vinho com moderação Vinho: a cultura da moderação A produção e consumo de vinho são parte da cultura europeia desde há milénios. A UE é a maior produtora de vinhos do mundo, bem como a líder mundial

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

POR UM CONSUMO SAUDÁVEL DE VINHO O C O M P R O M I S S O D A R E S P O N S A B I L I D A D E S O C I A L

POR UM CONSUMO SAUDÁVEL DE VINHO O C O M P R O M I S S O D A R E S P O N S A B I L I D A D E S O C I A L POR UM CONSUMO SAUDÁVEL DE VINHO O C O M P R O M I S S O D A R E S P O N S A B I L I D A D E S O C I A L Sites úteis www.wineinmoderation.eu www.vinhocommoderacao.pt www.wineinformationcouncil.eu www.educalcool.qc.ca

Leia mais

(1) A importância do pequeno médio viticultor português com a mudança de paradigma

(1) A importância do pequeno médio viticultor português com a mudança de paradigma (1) A importância do pequeno médio viticultor português com a mudança de paradigma (2) A EU é o mais importante produtor de vinho com 175m hl/ano. Em valores representa: 45% do superficie viticola, 65%

Leia mais

Comunicação Comercial : Legislação ou Auto-regulação?

Comunicação Comercial : Legislação ou Auto-regulação? 12 - NOV - 2012-10h00 - Centro de Congressos de Lisboa 2º Conferência VINHO COM MODERAÇÃO promovida pela ACIBEV Comunicação Comercial : Legislação ou Auto-regulação? Seja responsável. Beba com moderação

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS NAS COMUNICAÇÕES COMERCIAIS DO VINHO

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS NAS COMUNICAÇÕES COMERCIAIS DO VINHO CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS NAS COMUNICAÇÕES COMERCIAIS DO VINHO PRINCÍPIOS DA COMUNICAÇÃO DOS VINHOS DA UE I. PREÂMBULO O vinho tem sido parte da vida e cultura Europeias desde que há memória; é um pilar

Leia mais

Compromissos na educação

Compromissos na educação Compromissos na educação Comentário Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Ciclo de Seminários Sextas da Reforma Lisboa, 23 de Maio de 2014 Organização do Banco de Portugal, do Conselho

Leia mais

A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM. Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES)

A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM. Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) Esquema da apresentação: Objectivos da PAC pós-2013 Orientações propostas

Leia mais

VINHO, APENAS APRECIADO COM MODERAÇÃO

VINHO, APENAS APRECIADO COM MODERAÇÃO Seja responsável. Beba com moderação. VINHO, APENAS APRECIADO COM MODERAÇÃO Consumo responsável de álcool Desfrute o vinho ao máximo: Conheça o vinho que bebe: saber de onde vem o seu carácter único torna

Leia mais

Sensibilização para o Sector Doméstico. A DECO na Educação para o Consumo Sustentável

Sensibilização para o Sector Doméstico. A DECO na Educação para o Consumo Sustentável Sensibilização para o Sector Doméstico A DECO na Educação para o Consumo Sustentável 1 Quem somos A DECO Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor é uma associação privada, sem fins lucrativos

Leia mais

SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico -

SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico - SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico - APE Energia e Ambiente metas e políticas Maio 2004 António Neves de Carvalho EDP Electricidade de Portugal, S.A. Gabinete de Ambiente

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL JUNHO DE 2015 Seja responsável. Beba com moderação. É uma associação empresarial sem fins lucrativos, de âmbito nacional, criada em Janeiro de 1975 na sequência da extinção dos

Leia mais

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional - A ligação entre os Fundos de Pensões e o 1 Os Fundos de Pensões em Portugal Início em 1987 Fundos de Pensões

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA PARA O DIREITO INTERNACIONAL -10000517

ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA PARA O DIREITO INTERNACIONAL -10000517 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis-Abeba (ETHIOPIE) P. O. Box 3243 Téléphone (251-11) 5517 700 Fax : 551 78 44 Website : www.au.int ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA

Leia mais

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR Jorge Jacob Agenda: 1 Sinistralidade Rodoviária um flagelo mundial 2 Organização Mundial MACRO 3 WHO The Decade of Action for Road Safety 4 OCDE/ITF - IRTAD 5 UE/Comissão Europeia 6 Portugal: 6.1 Situação

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

Seminário Nacional A INDÚSTRIA E O SISTEMA DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Contributos para a estratégia 2020

Seminário Nacional A INDÚSTRIA E O SISTEMA DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Contributos para a estratégia 2020 Seminário Nacional A INDÚSTRIA E O SISTEMA DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Contributos para a estratégia 2020 Painel: Formação em alternância: Que modelo? Empregabilidade, competitividade e sustentabilidade na

Leia mais

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis Poder Local e Cidades d Saudáveis Vereadora Corália Loureiro Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis II Simpósio Internacional de Saúde Ambiental e a Construção de Cidades Saudáveis - IGOT - UL 6 Dezembro

Leia mais

NEWSLETTER ÁGUA DE LUSO LANÇA LUSO DE FRUTA LARANJA

NEWSLETTER ÁGUA DE LUSO LANÇA LUSO DE FRUTA LARANJA 1 ÁGUA DE LUSO LANÇA LUSO DE FRUTA LARANJA A marca Luso de Fruta, da Sociedade da Água de Luso, lança a nova variedade Laranja, que vem juntar-se à gama já existente constituída pelas variedades Limão,

Leia mais

Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência

Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência Sofia Lourenço Unidade "Direitos das pessoas com deficiência" Comissão Europeia 2 Dezembro 2014 Palácio da Cidadela de Cascais Políticas Europeias

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE COOPERAÇÃO EM PAISAGEM PROJETO PAYS.MED.URBAN

EXPERIÊNCIA DE COOPERAÇÃO EM PAISAGEM PROJETO PAYS.MED.URBAN EXPERIÊNCIA DE COOPERAÇÃO EM PAISAGEM EXPERIÊNCIAS DE COOPERAÇÃO EM PAISAGEM A cooperação transnacional, no âmbito das problemáticas de desenvolvimento territorial e dos processos de transformação da paisagem

Leia mais

Portuguese version 1

Portuguese version 1 1 Portuguese version Versão Portuguesa Conferência Europeia de Alto Nível Juntos pela Saúde Mental e Bem-estar Bruxelas, 12-13 Junho 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e Bem-Estar 2 Pacto Europeu para

Leia mais

boas práticas da indústria

boas práticas da indústria boas práticas da indústria ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS BEBIDAS REFRESCANTES NÃO ALCOÓLICAS 1 A indústria das bebidas refrescantes não alcoólicas está consciente dos desafios que actualmente envolvem as sociedades

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia

TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia istockphoto Conteúdo Caro leitor, Sobre o projecto... 2 Criando uma base de conhecimento para as regiões de convergência da Europa...

Leia mais

CÓDIGO BOAS PRÁTICAS COMUNICAÇÃO COMERCIAL DAS BEBIDAS ALCOÓLICAS

CÓDIGO BOAS PRÁTICAS COMUNICAÇÃO COMERCIAL DAS BEBIDAS ALCOÓLICAS Novembro 2004 CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS NA COMUNICAÇÃO COMERCIAL DAS BEBIDAS ALCOÓLICAS O ENQUADRAMENTO DAS BOAS PRÁTICAS NA ACTIVIDADE E COMUNICAÇÃO COMERCIAL O ponto de partida adoptado pelo sector é o

Leia mais

ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie

ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ntíficodolnegconselhocientífi Científico 2011 12/31/2011 codolnegconselhocientíficod

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO Alocução de Sua Excelência Kay Rala Xanana Gusmão Primeiro-Ministro da República Democrática de Timor-Leste por ocasião da Primeira Conferência

Leia mais

Programa 5 ao Dia. Um Alimentação Saudável está nas nossas mãos.

Programa 5 ao Dia. Um Alimentação Saudável está nas nossas mãos. Programa 5 ao Dia Um Alimentação Saudável está nas nossas mãos. O que é o Programa 5 ao Dia? Enquadramento Conceito Objectivos e Destinatários Associação 5 ao Dia Desenvolvimento Enquadramento Mudança

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital U. Lusófona, 11 Jul 2009 Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento Ministério da Ciência, Tecnologia

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Alimentação Saudável. 2008 Teresa Bilhastre - CSCR

Alimentação Saudável. 2008 Teresa Bilhastre - CSCR Ministério da Saúde O Programa de Saúde Escolar insere-se no Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Pretende: Reforçar as acções de promoção da saúde e prevenção da doença em ambiente escolar. Ministério da

Leia mais

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA Pretoria Africa du Sul Conteúdo 1. Apresentação da FOJASSIDA 2. Introdução 3. Diferentes formas de parcerias

Leia mais

MENSAGEM COMUM 01 MENSAGEM COMUM CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS NAS COMUNICAÇÕES COMERCIAIS DO VINHO GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO

MENSAGEM COMUM 01 MENSAGEM COMUM CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS NAS COMUNICAÇÕES COMERCIAIS DO VINHO GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO MENSAGEM COMUM 01 MENSAGEM COMUM CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS NAS COMUNICAÇÕES COMERCIAIS DO VINHO GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO 1 01 MENSAGEM COMUM 04 02 CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS NAS COMUNICAÇÕES COMERCIAIS DO VINHO

Leia mais

6º Fórum Mundial da Água

6º Fórum Mundial da Água 6º Fórum Mundial da Água A gestão integrada de recursos hídricos e de águas residuais em São Tomé e Príncipe como suporte da segurança alimentar, energética e ambiental Eng.ª Lígia Barros Directora Geral

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS

RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS ONU - ACÇÃO RSE E OS DIREITOS HUMANOS Lisboa, 13 de NOVEMBRO 2012 ESTRATÉGIA DA UE PARA A RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ODETE SEVERINO UE: Responsabilidade Social das Empresas 2002 COM - RSE: um

Leia mais

A Competitividade dos Portos Portugueses O Turismo e o Sector dos Cruzeiros

A Competitividade dos Portos Portugueses O Turismo e o Sector dos Cruzeiros O Turismo e o Sector dos Cruzeiros Agenda 1. Portugal e o Mar 2. Os Cruzeiros no PENT 3. O Turismo na Economia Portuguesa 4. O Segmento de Cruzeiros Turísticos 5. Cruzeiros Turísticos em Portugal Terminais

Leia mais

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES Ferramentas para a Sustentabilidade do Turismo Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural Castro Verde, 7 Março 2012 Teresa Bártolo 2012 Sustentare Todos os direitos reservados www.sustentare.pt 2 Turismo

Leia mais

CÓDIGO DE AUTO-REGULAÇÃO DA COMUNICAÇÃO COMERCIAL EM MATÉRIA DE BEBIDAS ALCOÓLICAS - VINHOS E BEBIDAS ESPIRITUOSAS -

CÓDIGO DE AUTO-REGULAÇÃO DA COMUNICAÇÃO COMERCIAL EM MATÉRIA DE BEBIDAS ALCOÓLICAS - VINHOS E BEBIDAS ESPIRITUOSAS - CÓDIGO DE AUTO-REGULAÇÃO DA COMUNICAÇÃO COMERCIAL EM MATÉRIA DE BEBIDAS ALCOÓLICAS - VINHOS E BEBIDAS ESPIRITUOSAS - I. PREÂMBULO O consumo de bebidas alcoólicas faz, há séculos, parte integrante da nossa

Leia mais

CÓDIGO DE MARKETING da

CÓDIGO DE MARKETING da CÓDIGO DE MARKETING da jägermeister Preâmbulo As bebidas espirituosas são bens culturais e apreciá-las é uma tradição secular: São consumidas de forma responsável por milhões de adultos em todo o mundo,

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

REDE EUROPEIA DE CENTROS EDUCATIVOS 50/50

REDE EUROPEIA DE CENTROS EDUCATIVOS 50/50 REDE EUROPEIA DE CENTROS EDUCATIVOS 50/50 IEE/08/710/SI2.528425 Líder do projecto: Parceiros: Financiado por:: O projecto Projecto: REDE EUROPEIA DE CENTROS EDUCATIVOS 50/50 Programa: Energia Inteligente

Leia mais

Vinho Moderação Wine Moderation Wine Moderation Wine Moderation

Vinho Moderação Wine Moderation Wine Moderation Wine Moderation Vinho com Moderação Vinho com moderação Vinho: a cultura da moderação A produção e consumo de vinho são parte da cultura europeia desde há milénios. A UE é a maior produtora de vinhos do mundo, bem como

Leia mais

II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações

II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações O Futuro é hoje: visões e atitudes para um Portugal sustentável Introdução 1.Sustentabilidade e Responsabilidade Social; 2. O Desenvolvimento Sustentável;

Leia mais

Telefonia IP e Comunicações Unificadas Cisco. Solução de Switching e Voz sobre Metro LAN

Telefonia IP e Comunicações Unificadas Cisco. Solução de Switching e Voz sobre Metro LAN Telefonia IP e Comunicações Unificadas Cisco Solução de Switching e Voz sobre Metro LAN José Ferreira 17/04/2008 Agenda O Grupo Aveleda Vinhos, Queijos e Turismo As Motivações e o porquê da evolução tecnológica

Leia mais

*** PROJECTO DE RECOMENDAÇÃO

*** PROJECTO DE RECOMENDAÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Comércio Internacional 22.11.2011 2010/0343(NLE) *** PROJECTO DE RECOMENDAÇÃO sobre o projecto de decisão do Conselho relativa à celebração pela União Europeia

Leia mais

2015 / 2017 ESTRATÉGIA, MERCADOS E OBJECTIVOS

2015 / 2017 ESTRATÉGIA, MERCADOS E OBJECTIVOS VINHOS DE PORTUGAL 2015 / 2017 ESTRATÉGIA, MERCADOS E OBJECTIVOS HOTEL CURIA PALACE 26 de Novembro de 2014 1 VINHOS DE PORTUGAL O PAPEL DO TURISMO NA PROMOÇÃO DO VINHO PORTUGUÊS Licínio Cunha 2 DEUS CRIOU

Leia mais

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite para participar neste debate e felicitar os organizadores pela importância desta iniciativa. Na minha apresentação irei falar brevemente da

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa em 21 de Novembro de 1986, aprovou a presente Carta, que contém as orientações para

Leia mais

Programas Europeus. 09 de Julho de 2010 Salão Nobre. Eurodeputada Parlamento Europeu

Programas Europeus. 09 de Julho de 2010 Salão Nobre. Eurodeputada Parlamento Europeu Programas Europeus de Ciência e Inovação 09 de Julho de 2010 Nobre do Instituto Superior Técnico, Lisboa Salão Nobre Maria da Graça Carvalho Eurodeputada Parlamento Europeu ESTRATÉGIA EU2020 CIÊNCIA E

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA 1952 CECA (TRATADO DE PARIS 18 de Abril 1951) Países aderentes: França Alemanha Bélgica Holanda Luxemburgo Itália Objectivos do Tratado de Paris: Criação do Mercado Comum

Leia mais

A Região Demarcada do Douro

A Região Demarcada do Douro A Região Demarcada do Douro Região história 1619 - O nome Porto 1699 - Vinho do Porto 1713 - A marca Porto 1756 a 10 de Setembro - A primeira denominação de origem com a criação da Companhia Geral da Agricultura

Leia mais

ENNEREG Regiões 202020 A Construir Caminho Para Uma Europa de Energia Sustentável. Rui Martins, IDMEC-IST, Portugal

ENNEREG Regiões 202020 A Construir Caminho Para Uma Europa de Energia Sustentável. Rui Martins, IDMEC-IST, Portugal ENNEREG Regiões 202020 A Construir Caminho Para Uma Europa de Energia Sustentável Rui Martins, IDMEC-IST, Portugal Estoril, 13 de Setembro 2011 1 ENNEREG: Regiões 202020 a construir caminho para uma Europa

Leia mais

APOGOM. Compromissos da indústria alimentar sobre Alimentação, Actividade Física e Saúde

APOGOM. Compromissos da indústria alimentar sobre Alimentação, Actividade Física e Saúde APOGOM Compromissos da indústria alimentar sobre Alimentação, Actividade Física e Saúde É hoje amplamente reconhecido que o aumento significativo de certas doenças não transmissíveis (tais como as doenças

Leia mais

O Relatório de Sustentabilidade e os seus benefícios na EDP. Porto, 5 de Junho de 2009

O Relatório de Sustentabilidade e os seus benefícios na EDP. Porto, 5 de Junho de 2009 O Relatório de Sustentabilidade e os seus benefícios na EDP Porto, 5 de Junho de 2009 Agenda 1. EDP 2. Motivações e Desafios 3. Reconhecimentos 4. Próximos Passos 20090605 Benefícios do RS na EDP Direcção

Leia mais

Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL

Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL Começo por agradecer a todos terem vindo a este seminário. Em especial à Senhora Secretária de Estado que muito nos honra com a sua presença

Leia mais

Liliana de Fátima Nogueira Pinto Nº 14474. Questionário

Liliana de Fátima Nogueira Pinto Nº 14474. Questionário Liliana de Fátima Nogueira Pinto Nº 14474 Questionário Alcoolismo no Feminino: O Consumo de Bebidas Alcoólicas em Alunas Universitárias uma amostra da FCS-UFP do Porto Faculdade de Ciências da Saúde Universidade

Leia mais

Comissão Vitivinícola Regional Alentejana www.vinhosdoalentejo.pt Copyright fotos e textos: Comissão Vitivinícola Regional Alentejana Reprodução

Comissão Vitivinícola Regional Alentejana www.vinhosdoalentejo.pt Copyright fotos e textos: Comissão Vitivinícola Regional Alentejana Reprodução Comissão Vitivinícola Regional Alentejana www.vinhosdoalentejo.pt Copyright fotos e textos: Comissão Vitivinícola Regional Alentejana Reprodução interdita CVRA COMISSÃO VITIVINÍCOLA REGIONAL ALENTEJANA

Leia mais

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008 5º Seminário A Política Ambiental no Sector Energético Português 3 de Julho de 2008 Propostas da campanha nacional Índice da apresentação - O que é a RFA - RFA Europeia - Exemplos e comparação com PT -

Leia mais

Gestão do Conhecimento na Empresa

Gestão do Conhecimento na Empresa Gestão do Conhecimento na Empresa HM CONSULTORES Av. Dr. Lourenço Peixinho Ed. Delta, 18, 3.º I/F 3800-164 Aveiro tel. +351 234 377 840 fax. +351 234 377 849 geral@hmconsultores.pt www.hmconsultores.pt

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação As políticas nacionais para a Sociedade do Conhecimento: literacia/competências digitais e inclusão social Graça Simões Agência para a Sociedade do Conhecimento UMIC Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

Mesa - redonda. Programas Nacionais. Programa Nacional da Prevenção das Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde

Mesa - redonda. Programas Nacionais. Programa Nacional da Prevenção das Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde Mesa - redonda Programas Nacionais Programa Nacional da Prevenção das Infecções Associadas Cuidados de Saúde Cristina Costa Programa Nacional de Prevenção das Resistências antimicrobianos Ana Leça Moderadora

Leia mais

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL Resumo do relatório Water Footprint in Portugal WWF Mediterrâneo, 2010 O Problema: uma pegada demasiado elevada O Relatório Planeta Vivo 2008 da WWF demonstra que o uso insustentável da água é um problema

Leia mais

Avaliando o Cenário Político para Advocacia

Avaliando o Cenário Político para Advocacia Avaliando o Cenário Político para Advocacia Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

Call centres, regiões e ensino superior

Call centres, regiões e ensino superior Call centres, regiões e ensino superior Call centres, regiões e ensino superior Frank Peck Center for Regional Economic Development University of Central Lancashire (UK) A UCLAN (Universidade de Central

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Região dos Vinhos Verdes 11.01.2012

Região dos Vinhos Verdes 11.01.2012 Região dos Vinhos Verdes 11.01.2012 13h00 Encerramento Agenda 10h00 Apresentação dos dados do mercado nacional e exportação Dr. Manuel Pinheiro, Presidente da CVRVV 10h30 Apresentação dos resultados do

Leia mais

Porto, 6 de Maio de 2010

Porto, 6 de Maio de 2010 A Responsabilidade Social na Internacionalização Porto, 6 de Maio de 2010 Indíce 1. AICEP Modelo de Negócio e Objectivos 2. International Business Intelligence Unit 3. Empresas e Responsabilidade Social

Leia mais

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal 31 de Janeiro de 2011 Alberto Soares IDENTIDADE FUNDAMENTAL DA MACROECONOMIA ECONOMIA ABERTA Poupança Interna + Poupança Externa Captada = Investimento

Leia mais

VINIPORTUGAL Associação Interprofissional para a Promoção dos Vinhos de Portugal. Plano Estratégico Institucional 2015 / 2017

VINIPORTUGAL Associação Interprofissional para a Promoção dos Vinhos de Portugal. Plano Estratégico Institucional 2015 / 2017 VINIPORTUGAL, Plano Estratégico 2015-2017 VINIPORTUGAL Associação Interprofissional para a Promoção dos Vinhos de Portugal Plano Estratégico Institucional 2015 / 2017 Desenvolver e executar estratégias

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

A Experiência da Iniciativa de Transparência da Indústria Extractiva (ITIE) em Moçambique

A Experiência da Iniciativa de Transparência da Indústria Extractiva (ITIE) em Moçambique www.iese.ac.mz A Experiência da Iniciativa de Transparência da Indústria Extractiva (ITIE) em Moçambique Rogério Ossemane 3ª Conferencia Internacional sobre Monitoria e Advocacia da Governação Maputo,

Leia mais

Fitness Against Doping Relatório intercalar principais resultados

Fitness Against Doping Relatório intercalar principais resultados Fitness Against Doping Relatório intercalar principais resultados The European Health and Fitness Association Rue Washington 40 B 1050 Bruxelles Belgium www.ehfa.eu Resultados Preliminares do Projecto

Leia mais

PAO 2013 Assembleia Geral 13 de Novembro de 2012

PAO 2013 Assembleia Geral 13 de Novembro de 2012 PAO 2013 Assembleia Geral 13 de Novembro de 2012 PAO 2013 1. NOTA DOS FUNDADORES 2. OBJECTIVOS 2013 a) INTERVENÇÃO SOCIAL b) ANGARIAÇÃO DE FUNDOS c) COMUNICAÇÃO d) VOLUNTÁRIOS ABO e) GESTÃO ADMINISTRATIVA

Leia mais

APELO A COMUNICAÇÕES carta de convite 1.º APELO

APELO A COMUNICAÇÕES carta de convite 1.º APELO APELO A COMUNICAÇÕES carta de convite 1.º APELO Caro Senhor, Cara Senhora, O XXXIV Congresso Mundial da Vinha e do Vinho e a 9.ª Assembleia-Geral da Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV)

Leia mais

Caminho para a dignidade 2015-2030. Uma Agenda universal e participativa

Caminho para a dignidade 2015-2030. Uma Agenda universal e participativa Caminho para a dignidade 2015-2030 Uma Agenda universal e participativa 2015 Caminho para a dignidade 2015-2030 Fusão de 6 agendas/diálogos internacionais (!) 1.Agenda do desenvolvimento e os ODM 2.Desenvolvimento

Leia mais

Estabelecendo Prioridades para Advocacia

Estabelecendo Prioridades para Advocacia Estabelecendo Prioridades para Advocacia Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS Introdução O presente documento pretende apresentar uma visão geral das principais conclusões e recomendações do estudo da European Agency

Leia mais

a concorrência entre Entidades Gestoras assegurará custos mais baixos e maior qualidade

a concorrência entre Entidades Gestoras assegurará custos mais baixos e maior qualidade a concorrência entre Entidades Gestoras assegurará custos mais baixos e maior qualidade Ricardo Neto 28 de Setembro de 2006 1 ERP 2 Missão ERP 3 Objectivos ERP 4 Obstáculos à Concorrência 5 ERP Portugal

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação The importance of Information and Communication Technologies for the development of Portuguese Wine Routes 21st 23rd JUNE OPORTO Estrutura da Apresentação 2. Tecnologias de Informação e Comunicação no

Leia mais

Declaração de Odense. O ABC para a Equidade Educação e Saúde. 4.ª Conferência Europeia das Escolas Promotoras de Saúde:

Declaração de Odense. O ABC para a Equidade Educação e Saúde. 4.ª Conferência Europeia das Escolas Promotoras de Saúde: Declaração de Odense O ABC para a Equidade Educação e Saúde 4.ª Conferência Europeia das Escolas Promotoras de Saúde: Equidade, Educação e Saúde 7-9 outubro 2013 A 4ª Conferência Europeia sobre escolas

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial.

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. 1 Conteúdo Conceitos e definições segundo a NP 4456:2007 A inovação no mundo e em Portugal 2 Objectivos Situar a problemática

Leia mais

EFRD Normas Comuns para o Comércio. Responsável. Versão Revista em Novembro de 2010

EFRD Normas Comuns para o Comércio. Responsável. Versão Revista em Novembro de 2010 EFRD Normas Comuns para o Comércio 1 Responsável Versão Revista em Novembro de 2010 Int r o d u ç ã o a) O European Forum for Responsible Drinking (EFRD) é uma aliança das principais empresas de bebidas

Leia mais

N.º2 Férias e Álcool. A viagem:

N.º2 Férias e Álcool. A viagem: N.º2 Férias e Álcool Esta semana o tema que iremos abordar será um 2 em 1, onde expomos os principais cuidados a ter em conta, para que possa usufruir de umas férias mais seguras, ao mesmo tempo que alertamos

Leia mais

Sagres, a sede que se deseja como bem disse o escritor feito publicitário J.C. Ary dos Santos aquando da 1ª campanha publicitária da marca em 1963.

Sagres, a sede que se deseja como bem disse o escritor feito publicitário J.C. Ary dos Santos aquando da 1ª campanha publicitária da marca em 1963. Pack Estudantes História da Sagres Sagres, a sede que se deseja como bem disse o escritor feito publicitário J.C. Ary dos Santos aquando da 1ª campanha publicitária da marca em 1963. Desde 1940, quando

Leia mais

Ministério da Energia

Ministério da Energia Ministério da Energia O PROCESSO DE REGULAMENTAÇÃO DO SECTOR DE BIOENERGIA EM MOÇAMBIQUE Apresentação na 2ª Semana de Bioenergia Maputo, 05 de Maio de 2014 14-05-2014 1 JUSTIFICAÇÃO As principais motivações

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil Maria Rita Marques de Oliveira 1- MEIO AMBIENTE E PRODUÇÃO DE ALIMENTOS 2- ACESSO AOS ALIMENTOS 3- ALIMENTO SEGURO 4- PREVENÇÃO E CONTROLE

Leia mais

2010/2011 Plano Anual de Actividades

2010/2011 Plano Anual de Actividades 2010/2011 Plano Anual de Actividades Cristiana Fonseca Departamento de Educação para a Saúde 01-07-2010 2 Plano Anual de Actividades Introdução Quando em 1948 a Organização Mundial de Saúde definiu a saúde

Leia mais

Selling Tools. Dale Carnegie Training Portugal www.dalecarnegie.pt customerservice@dalecarnegie.pt

Selling Tools. Dale Carnegie Training Portugal www.dalecarnegie.pt customerservice@dalecarnegie.pt Dale Carnegie Training Portugal www.dalecarnegie.pt customerservice@dalecarnegie.pt Enquadramento As vendas têm um ambiente próprio; técnicas e processos específicos. A forma de estar, o networking, os

Leia mais

Contributos para a segurança e salvamento, necessários para a economia do mar

Contributos para a segurança e salvamento, necessários para a economia do mar TUDO PARA SALVAR MAIS VIDAS AsNaSAPortugal Associação Nacional de Salvamento Aquático Sede Social e Delegação Matosinhos: AsNaSA - Associação de Nadadores Salvadores Casa Patrão de Salva Vidas Ezequiel

Leia mais