Regulamento Interno para a Produção e Comercialização de Produtos Vínicos com direito a DO Alentejo e a IG Alentejano. 1 de Fevereiro de 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento Interno para a Produção e Comercialização de Produtos Vínicos com direito a DO Alentejo e a IG Alentejano. 1 de Fevereiro de 2010"

Transcrição

1 Regulamento Interno para a Produção e Comercialização de Produtos Vínicos com direito a DO Alentejo e a IG Alentejano 1 de Fevereiro de 2010 * - Última actualização

2 Índice INTRODUÇÃO... 3 CAPÍTULO 1: INSCRIÇÕES Inscrição dos Agentes Económicos e das Instalações na CVRA Inscrição das Vinhas na CVRA... 4 CAPÍTULO 2: CERTIFICAÇÃO Declaração de Colheita e Produção (DCP) Declaração de Existências Certificação de Produtos Vínicos Aptos a DO Alentejo e a IG Alentejano Análise Físico-Química e Sensorial Documentos de Acompanhamento Conta-Corrente Rotulagem Selos de Garantia de Certificação CAPÍTULO 3 FISCALIZAÇÃO E CONTROLO Plano Anual de Fiscalização e Controlo Reclamações

3 Introdução O presente Regulamento visa complementar e compilar as normas inerentes à certificação aos produtos vínicos com direito à DO Alentejo e à IG Alentejano que se encontra cometida à Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA) nos termos do disposto na Portaria nº 1000/2008 de 4 de Setembro. Dá-se, assim, cumprimento ao estipulado nos Estatutos da Região Vitivinícola do Alentejo bem como às normas de acreditação da CVRA no âmbito da NP EN Aprovado pelo Conselho Geral em exercício no triénio , entra em vigor a partir de 1 de Fevereiro de CAPÍTULO 1: INSCRIÇÕES 3

4 1.1 Inscrição dos Agentes Económicos e das Instalações na CVRA Pedido de inscrição a) Todas as pessoas singulares ou colectivas que se dediquem à produção e comercialização de produtos vitivinícolas controlados pela Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA), excluindo a distribuição e a venda a retalho de produtos engarrafados, estão sujeitos a inscrição na CVRA, a qual deve estar em conformidade com a inscrição prévia no Instituto da Vinha e do Vinho, I.P. (IVV) como operadores do sector vitivinícola. b) A inscrição dos agentes económicos deve ser feita presencialmente pela pessoa responsável na CVRA, em formulários aprovados para o efeito e acompanhado da restante documentação necessária. c) As instalações de produção, armazenagem e pré-embalagem dos produtos vitivinícolas controlados pela Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA), estão sujeitas a inscrição na CVRA, a qual verificará mediante uma vistoria o cumprimento dos requisitos constantes do Regulamento da Produção e Comércio da DO e IG, bem como do presente Regulamento. d) A inscrição das instalações deve ser feita em duplicado nos formulários aprovados pela CVRA, acompanhada da restante documentação necessária. e) A CVRA deve ser informada e aprovar previamente, no caso de existir adição ou alteração de instalações pelo agente económico. f) O pagamento da inscrição dos agentes económicos é feito no acto (ver tabela de preços à data em vigor). g) Pagamento da inscrição de instalações dos agentes económicos e respectiva vistoria, sempre que necessária, é feita no acto (ver tabela de preços à data em vigor) Normas das Instalações de produção, armazenagem e pré-embalagem a) O produtor deve manter um sistema de rastreabilidade que permita identificar os diferentes produtos vínicos com direito a DO, IG ou mesa nas suas fases de produção, armazenamento e pré-embalagem. 1.2 Inscrição das Vinhas na CVRA Pedido de Inscrição a) Os viticultores que pretendam aprovar as suas vinhas para a produção de vinhos com DO Alentejo ou IG Alentejano têm que inscrever previamente as suas vinhas na CVRA, ou nos locais que esta vier a determinar, utilizando os formulários aprovados pela CVRA b) No momento da inscrição, cada viticultor deverá exibir documento de posse da parcela de vinha que vai inscrever e respectiva prova de legalidade, através do registo vitícola 4

5 c) A data limite de inscrição das vinhas referidas na alínea a), será o dia 31 de Maio da campanha anterior. d) A CVRA informa os agentes económicos que irão laborar uvas destinadas à produção de produtos com direito a DO Alentejo ou a IG Alentejano sobre as áreas das vinhas vistoriadas, até ao dia 10 de Agosto. Esta data poderá ser sujeita a alteração, por decisão da CVRA. e) A candidatura à inscrição das vinhas e a vistoria para determinação das condições de aprovação das vinhas é sujeita a pagamento Normas de instalação e condução da vinha para a produção de produtos vínicos As vinhas instaladas nas áreas e solos definidos devem satisfazer os seguintes requisitos: a) Para os produtos vínicos com DO Alentejo, serem estremes e em forma baixa. A forma de poda deve ser em cordão, em guyot ou em taça; b) As vinhas podem ser inscritas para a produção de produtos vínicos DO Alentejo desde que se encontrem no quarto ano após a enxertia e que 80% das plantas que constituem a parcela a inscrever apresentem plantas formadas. c) No caso de se tratar de reenxertia, as vinhas podem ser inscritas para a produção de produtos vínicos DO Alentejo no terceiro ano, com um limite mínimo de 80% de taxa de sucesso na reenxertia. d) Para análise e determinação dos encepamentos aptos à produção de vinho com direito a DO Alentejo e a IG Alentejano, considera-se a legislação em vigor sobre essa matéria à data da inscrição da parcela de vinha Alterações, abandono e transmissão a) Sempre que se verifiquem alterações na constituição dos encepamentos das vinhas cadastradas e aprovadas para DO Alentejo ou IG Alentejano, os viticultores têm que informar a CVRA, de modo a esta proceder a nova análise de aptidão da vinha. b) Sempre que se verifique o abandono, arranque ou transmissão de uma vinha, deve ser dado do facto conhecimento à CVRA, até 31 de Maio do ano seguinte, sem o que, a vinha não será considerada apta à produção de vinho com direito a DO Alentejo ou de IG Alentejano. CAPÍTULO 2: CERTIFICAÇÃO 5

6 2.1 Declaração de Colheita e Produção (DCP) a) A DCP, é o documento para declaração anual da produção de uvas, mosto e produtos vínicos obtidos por produção própria ou adquiridos, permitindo aos vitivinicultores e produtores comercializar a sua produção. b) Todos agentes económicos que produzam uva, mosto ou produtos vínicos devem submeter no IVV, a DCP relativa a cada campanha vitivinícola. A CVRA informa anualmente os agentes económicos dos prazos definidos pelo IVV para a submissão da DCP. c) Toda a informação constante na DCP tem que ser validada pela CVRA e integrada na conta corrente do agente económico. A validação da DCP para vinho apto a DO Alentejo, está sujeita ao limite máximo de rendimento por hectare estabelecido no Regulamento da Produção e Comércio. d) Os agentes económicos que não submetam a DCP ficam, para além das sanções previstas legalmente, impossibilitados de comercializar produtos vínicos com DO Alentejo ou IG Alentejano. 2.2 Declaração de Existências a) Todos os agentes económicos devem submeter anualmente junto do IVV, ou de qualquer entidade receptora, uma Declaração de Existências de mostos de uvas, de mostos de uvas concentrados, de mostos de uvas concentrados e rectificados e de vinhos e restantes produtos vínicos na sua posse em data a definir pelo IVV. b) A CVRA informa os agentes económicos da data estipulada pelo IVV para submissão da Declaração de Existências. 2.3 Certificação de Produtos Vínicos Aptos a DO Alentejo e a IG Alentejano a) Sempre que o agente económico pretenda comercializar produtos vínicos aptos a DO Alentejo e a IG Alentejano tem que os submeter a um processo de certificação. b) A certificação é o conjunto de 3 processos: i. Validação da colheita e produção através da aprovação da DCP. ii. Aprovação do lote pelo laboratório de análise físico-química e sensorial; iii. Aprovação da rotulagem e aposição do selo de garantia para produtos pré - embalados Definição de lote a certificar a) O lote do produto vínico total a certificar deverá ser homogéneo e corresponder às características da amostra colhida para análise. A amostra utilizada para efeito de análise físico-química e sensorial tendo em vista a certificação tem que corresponder ao lote do produto vínico que se pretende comercializar ou engarrafar. b) Excepcionalmente são admitidas diferenças devidas exclusivamente a estabilização e preparação para engarrafamento, sendo o álcool considerado um parâmetro fixo. c) O lote é proposto à certificação na categoria definida e com os designativos de qualidade requeridos pelo agente económico no pedido de certificação. Qualquer 6

7 pretensão a alterar a categoria ou designativo de qualidade, implica a abertura de um novo processo de certificação. d) Um produto ao qual foi retirada a categoria DO Alentejo ou IG Alentejano não poderá voltar à classificação anterior. e) O mesmo lote de produto vínico apto a DO Alentejo ou IG Alentejano pode ser submetido à certificação apenas uma vez, excepto em caso de perda do prazo de validade. f) O agente económico pode, através de práticas enológicas autorizadas, modificar o lote de produto vínico reprovado, dando origem a um novo lote e a um novo processo de certificação Requisitos específicos para a certificação de vinho espumante com apto a DO Alentejo e a IG Alentejano; a) O método a utilizar na preparação é o método clássico (fermentação em garrafa), apenas pode ser utilizada quando o produto: i. Tenha sido tornado espumante por segunda fermentação alcoólica em garrafa. ii. Tenha estado ininterruptamente em contacto com as borras durante, pelo menos, nove meses na mesma empresa desde a constituição do vinho base; iii. Tenha sido separado das borras por expulsão (dégorgement). a) O agente económico tem que informar a CVRA da data do engarrafamento, para que possa ser controlado o período de fermentação de nove meses em garrafa. b) O licor de expedição só poderá conter, mosto parcialmente fermentado, mosto concentrado ou solução de sacarose e vinho. c) As indicações tradicionais relativas ao grau de doçura (expresso em gramas de açúcar por litro) e os designativos de qualidade a usar nos vinhos espumantes aptos a DO Alentejo ou IG Alentejano são as expressas na legislação em vigor Requisitos específicos para a certificação de vinho licoroso apto a DO Alentejo e a IG Alentejano a) Deve ser elaborado a partir do mosto de uvas que reúna condições para poder dar origem a DO Alentejo ou a IG Alentejano em início de fermentação, ao qual devem ser adicionados álcool vínico neutro ou destilado de vinho. b) A colheita de amostras para certificação de vinhos licorosos só será efectuada após o cumprimento do prazo de estágio tendo em vista o tipo de designativo de qualidade que o produtor pretender atribuir ao vinho Requisitos específicos para a certificação de aguardente bagaceira e aguardente vínica apta a DO Alentejo e a IG Alentejano a) A aguardente bagaceira deverá ser resultado da destilação de bagaços provenientes das massas da vinificação de vinhos aptos a DO Alentejo ou a IG Alentejano e as destilações deverão ocorrer até ao dia 31 de Janeiro do ano seguinte ao início da campanha. 7

8 b) Os vinhos destinados à produção de aguardentes vínicas devem ser aptos à produção de vinhos DO Alentejo ou IG Alentejano e deverão ser destilados nessa mesma campanha até final de Abril. c) Na elaboração de aguardentes vínicas não são autorizados quaisquer aditivos, com excepção da água destilada para a redução do título alcoométrico até um mínimo de 35% Vol. e caramelo até um máximo de 2%. d) Os sistemas utilizados na destilação podem ser de destilação contínua ou descontínua. e) A atribuição dos designativos de qualidade é feita em função do envelhecimento e metodologias utilizadas f) Todo o processo de fabrico e envelhecimento das aguardentes bagaceiras ou vínicas deverá ocorrer em instalações sediadas na delimitação geográfica da produção de vinhos DO Alentejo ou da IG Alentejana. g) A colheita de amostras para certificação das aguardentes só será efectuada após cumprido o prazo de estágio para o designativo de qualidade que o agente propuser Validade da certificação do lote para aposição de selos de garantia a) Uma vez efectuada a análise físico-química e sensorial e considerado o produto conforme, poderão ser apostos selos de garantia, verificado o cumprimento dos restantes requisitos para a certificação, dentro dos seguintes prazos: i. Vinho a granel 12 meses até ao embalamento ou colocação do selo de garantia; ii. Vinho engarrafado, mas não rotulado 48 meses para vinhos tintos e 24 meses para vinhos brancos e rosados, até à colocação do selo de garantia iii. Vinho rotulado vida útil do produto. As operações de engarrafamento e rotulagem de cada lote certificado têm que ser comunicadas à CVRA em relatório mensal, de forma a esta poder esta suspender o prazo de validade. b) Não haverá lugar à venda de selos relativos a lotes de produtos vínicos que ultrapassem a data de validade estipulada e não sejam submetidos a novo processo de certificação. c) A CVRA tem que ser informada da data de engarrafamento de vinhos destinados a Garrafeira, no sentido de verificar o cumprimento do estágio obrigatório Reprovação na análise físico-química e/ou sensorial Recurso a) Os agentes económicos podem interpor recurso dos resultados dos ensaios físicoquímicos e/ou sensoriais. O pedido de recurso deve ser apresentado por escrito no prazo máximo de 5 (cinco) dias úteis após a notificação do resultado e deve ser dirigido ao Director do Laboratório. b) O recurso é assegurado pelo laboratório de análise físico-química e sensorial da CVRA. c) A interposição do recurso está sujeita ao pagamento de uma quantia pelo serviço prestado que será restituído ao agente económico sempre que o recurso entreposto lhe seja favorável. (ver tabela de preços à data em vigor) 8

9 Perda da certificação Quando se verifiquem acções/procedimentos por parte do agente económico, que ocorram durante o prazo de validade da certificação de produtos vínicos com DO Alentejo ou IG Alentejano, que alterem as características do lote certificado, este perde esse estatuto. São passíveis de originar a perda da certificação as seguintes acções: a) Loteamento de produtos vínicos certificados separadamente; b) Loteamento de produtos vínicos certificados com produtos aptos; c) Operações enológicas que alterem as características físico-químicas e/ou sensoriais do produto vínico certificado; d) Solicitação de nova certificação de um vinho já certificado; e) Transporte não autorizado pela CVRA de produtos vínicos; f) Quando na sequência de uma análise de verificação se demonstre inequivocamente, através dos resultados de análises físico-químicas e sensoriais, alterações ou adulterações ao produto certificado original Suspensão da certificação Caso se verifique ou se suspeite ter ocorrido qualquer acção descrita anteriormente o produto vínico correspondente a toda a conta corrente associada, fica com o direito à utilização dos selos de garantia suspenso até ao total esclarecimento das situações objecto de análise, mantendo-se o produto selado até à conclusão das averiguações. Se se demonstrar que não existiu qualquer acção passível de alterar o produto, essa suspensão é cancelada. Caso contrário aplicar-se-á a perda do direito à certificação Desclassificação a) A CVRA procede à desclassificação de produtos vínicos admitidos a certificação ou certificados para Vinho sem DO nem IG sempre que: i. Sejam detectadas práticas não autorizadas nos seus regulamentos ii. Os produtos vínicos que não cumpram os requisitos mínimos, estabelecidos b) A desclassificação, a pedido do agente económico de um produto vínico de DO Alentejo ou de IG Alentejano, após este ter sido certificado, só é permitida para Vinho sem DO nem IG. c) O controlo do produto vínico desclassificado para Vinho sem DO nem IG passa a ser da competência do IVV. 2.4 Análise Físico-Química e Sensorial Colheita de amostras a) Os custos inerentes à colheita de amostras e às análises inerentes ao processo de certificação são suportados pelas taxas de certificação a cobrar pela CVRA, à excepção da colheita de amostras efectuadas fora da região do Alentejo (ver tabela de preços à data em vigor). b) O número de recipientes que contêm a amostra varia consoante a finalidade da colheita: 9

10 i. Produtos vínicos para certificação ii. Transporte de produtos vínicos iii. Verificação iv. Exportação ou Regime de Colheita Periódica (possibilidade de entrega pelo agente económico, directamente na CVRA) c) As amostras para certificação são colhidas do lote para o qual foi efectuado o pedido. d) As amostras para transporte são colhidas do lote a transportar. e) As amostras para análise fisico-química e sensorial de produtos vínicos aptos a DO Alentejo ou IG Alentejano são recolhidas pela CVRA a partir da data de entrega da DCP. f) O pedido de colheita de amostras tendo em vista a análise dos produtos deve dar entrada na CVRA até quarta-feira da semana anterior ao da realização da análise. g) As amostras para efeitos de certificação são recolhidas por um representante da CVRA que procede à selagem e coloca uma etiqueta em cada uma das amostras com a identificação do produto, do agente económico, do nº de depósito/contentor/tulha, do nº do registo da amostra recolhida, local e respectiva data de colheita, na presença de um representante do agente económico. h) Um dos exemplares da amostra fica na posse do agente económico e os outros quatro exemplares são transportados pelo representante da CVRA para as instalações desta Comissão. O exemplar que fica na posse do agente económico pode ser utilizado para fins de recurso, desde que se encontre devidamente selada. i) No acto de entrada na CVRA as amostras são codificadas. Destas, uma destina-se à análise fisico química, duas à análise sensorial e uma fica em arquivo, para que, em caso de necessidade seja possível repetir as análises. j) Os produtos vínicos certificados pela CVRA ou aptos a certificação, estão sujeitos à colheita de amostras sempre que são transportados a granel, dentro do país. k) Os selos de garantia de certificação dos produtos vínicos, só poderão ser fornecidos após exame físico-químico e sensorial exigidos aos produtos em causa. l) As amostras engarrafadas e rotuladas, destinadas a análise pela CVRA para exportação para fora da Comunidade Europeia podem ser entregues pelo agente económico directamente na CVRA, desde que tenha dado entrada o respectivo pedido no sistema informático por parte do agente económico. m) Regime de Colheita Periódica (RCP) i. Refere-se a amostras de exportação, pertencentes a um lote único certificado. ii. O relatório de análises físico-químicas de cada RCP, é válido a partir da concessão do regime de RCP para esse lote iii. A RCP é válida para as exportações realizadas durante o prazo de 12 meses Análise a) Laboratório de Análises Físico-Químicas da CVRA 10

11 i. As análises são realizadas no laboratório de análises físico-químicas da CVRA, que se encontra actualmente acreditado pelo IPAC segundo a NP EN ISO/EIC para os parâmetros oficiais da certificação de vinhos. Todos os métodos não acreditados são rasteáveis a métodos acreditados. ii. iii. iv. O protocolo analítico de cada produto vínico a certificar, está coberto pela taxa de certificação paga pelo agente económico à CVRA. O laboratório, procede a conservação do duplicado da amostra durante o período máximo de 12 meses após a sua recepção nos casos de certificação, exportação e transporte. O relatório de ensaio é anexo ao relatório de certificação e enviado ao agente económico. b) Laboratório de Análise Sensorial (Câmara de Provadores) i. As decisões do laboratório de análise sensorial são autónomas relativamente aos restantes órgãos da CVRA nas matérias da sua competência. ii. iii. iv. Ao laboratório de análise sensorial da CVRA compete pronunciar-se objectivamente em relação às amostras recolhidas no agente económico. O laboratório de análise sensorial funciona de acordo com regulamento próprio. O laboratório de análise sensorial pronuncia-se apenas relativamente às amostras cujos registos e codificações garantam o integral anonimato dos produtos vínicos para apreciação. v. Não é possível certificar um produto vínico para outra categoria diferente da que foi indicada pelo agente económico no pedido de certificação Decisão a) Efectuada a análise físico-química e sensorial, as amostras são descodificadas e a CVRA dá conhecimento, por escrito, ao agente económico, dos resultados obtidos através do relatório de certificação. 2.5 Documentos de Acompanhamento Transporte de uva e mosto: a) Sempre que um agente económico pretenda transportar uvas ou mosto, e que para isso necessite do respectivo Documento de Acompanhamento ( DA ), terá de proceder ao seu preenchimento no IVV, e após validação da CVRA tem que ser impresso pelo agente económico, para acompanhar o respectivo transporte. b) O transporte de uva numa distância superior a 70 Km, obriga ao preenchimento do DA. c) O transporte de mosto obriga sempre ao preenchimento do DA, independentemente da distância a percorrer. 11

12 Transporte de produtos vínicos com direito a DO Alentejo e IG Alentejano, a granel e engarrafado e não rotulado, dentro de Portugal: a) O agente económico deve obrigatoriamente informar a CVRA do transporte e respectivo motivo, sempre que necessite de movimentar produtos vínicos entre instalações. b) Após a recepção do pedido de transporte e verificação pela CVRA do saldo da contacorrente, é recolhida pela CVRA uma amostra do produto vínico a transportar e efectuada a validação do DA ou DAA pela CVRA, se o pedido for considerado conforme. c) Os produtos vínicos certificados como DO Alentejo e IG Alentejano podem ser movimentados para fora da região Alentejo, desde que a movimentação seja comunicada à CVRA e esta a aprove. d) Os produtos a granel e pré-embalados com a denominação da sub-região de origem das uvas, perdem direito ao uso do nome dessa sub-região, caso sejam transportados para fora da sub-região de origem. e) Os produtos com a denominação IG Alentejano podem circular dentro de toda a região Alentejo como aptos. f) Se os procedimentos não tiverem sido comunicados à CVRA e obtida a devida autorização, o volume dos produtos vínicos transportados são desclassificados para Vinho sem IG. g) Caso haja lugar a apuramento no Documento de Acompanhamento ou no Documento Administrativo de Acompanhamento por parte do Agente Económico comprador, este deve sempre informar a CVRA, de modo a que se procedam às correcções necessárias. h) Caso se transaccionem produtos vínicos dentro das próprias instalações do agente económico, permanece a obrigatoriedade de comunicar à CVRA por escrito, o motivo dessa transacção, para se proceder à transferência de volumes nas respectivas contas correntes. i) A CVRA informa o agente económico comprador, de que se o volume adquirido ultrapassar o limite de 15% em relação ao produto vínico apto de produção própria existente na sua conta corrente, terá de alterar as indicações da rotulagem, não 12

13 podendo utilizar a designação produzido por, assim como se o adicionar a outros produtos vínicos, certificados ou não, o lote final perderá a certificação Transporte de produtos vínicos embalados e rotulados para a União Europeia e Países Terceiros a) Apenas são permitidos os transportes de produtos vínicos com DO Alentejo ou IG Alentejano quando embalados e rotulados. b) Para enviar produtos vínicos engarrafados e rotulados para países da União Europeia ou para Países Terceiros, o agente económico tem de requerer à CVRA a validação dos documentos de acompanhamento ( DA, DAA ou DAS ). 2.6 Conta-Corrente a) Os produtos vínicos inscritos para DO Alentejo e IG Alentejano, constantes na DCP submetida pelo agente económico ao IVV, são inseridos em contas correntes específicas, as quais ficam sob controlo da CVRA. b) Após a conclusão de um processo de certificação com parecer positivo, a conta corrente de um determinado produto vínico é actualizada no volume representado pela amostra. c) O lote de produto vínico a certificar como DO ou IG deve ser proveniente, no mínimo, em 85% de um determinado ano de colheita e a ele estar associado. d) Na sequência da comunicação de uma transacção solicitada pelo agente económico, desde que legalmente admitida, como seja a venda ou compra de volumes, ou desclassificação, a CVRA procede à transferência de volumes nas respectivas contas correntes. 2.7 Rotulagem Pedido de aprovação a) Toda a rotulagem a utilizar tem que ser aprovada pela CVRA, devendo obedecer ao Regulamento Interno da Rotulagem em vigor e demais legislação aí referenciada b) Os pedidos de aprovação de rotulagem devem submetidos à CVRA, acompanhados do comprovativo do título ou pedido do registo da marca e de outros documentos que sejam solicitados para casos particulares, como por exemplo: comprovativo de cedência de marca, referência a herdade, menção de outros operadores económicos, etc. c) A aprovação da rotulagem pode ser feita mesmo que o agente económico não disponha de produto vínico para certificar. d) Todos os designativos permitidos para vinhos com DO Alentejo ou IG Alentejano são passíveis de ser acondicionados nos tipos de embalagem permitidos. 13

14 e) A embalagem em bag-in-box é permitida para DO Alentejo e IG Alentejano até uma capacidade de 20 litros Apreciação a) A apreciação da rotulagem é efectuada por ordem de entrada, tendo por objectivo avaliar a sua conformidade com o Regulamento Interno de Rotulagem e demais normas em vigor. b) A apreciação, é comunicada, após recepção do pedido. c) Toda a rotulagem a utilizar é obrigatoriamente igual à que foi aprovada pela CVRA. d) Qualquer alteração à rotulagem já aprovada está sujeita a nova apreciação. Excepção feita à rotulagem com alteração apenas do teor alcoólico e do ano de colheita que deverá ser enviada para a CVRA, para que conste sempre de forma actualizada nos seus registos e que a CVRA se possa pronunciar, caso detecte qualquer incumprimento Reapreciação Em caso de discordância com a apreciação efectuada, poderá ser solicitada pelo agente económico, de forma fundamentada, uma reapreciação. 2.8 Selos de Garantia de Certificação a) O selo de garantia, fornecido pela CVRA, evidencia publicamente a certificação da DO Alentejo ou IG Alentejano nos produtos pré-embalados. b) Os selos de garantia são individualizados por um sistema alfanumérico sequencial, de forma a garantir o controlo de utilização. c) Os selos de garantia podem ser disponibilizados individualmente ou integrados na rotulagem. Quando integrados na rotulagem são produzidos em tipografias autorizadas pela CVRA, a pedido do operador económico e de acordo com as regras estabelecidas para os produtos vínicos certificados com DO Alentejo ou IG Alentejano. d) Os selos de garantia integrados na rotulagem têm que ser entregues directamente pela tipografia autorizada pela CVRA, nas instalações desta Comissão. Em caso algum podem ser entregues pela tipografia ao agente económico Requisição a) No caso de aprovação do pedido de certificação, os volumes correspondentes às amostras que foram sujeitas à certificação, passam de vinho apto a DO Alentejo ou IG Alentejano, a vinho com direito às respectivas designações, acrescentando-se à conta corrente do respectivo agente económico o volume então certificado. b) Só é permitido o fornecimento do número de selos de garantia equivalente ao volume do produto vínico certificado, desde que exista em conta corrente, produto apto à certificação e selos disponíveis para esse produto. 14

15 c) Após a certificação do seu produto vínico, o agente económico pode solicitar à CVRA o selo de garantia para colocar na embalagem do produto vínico certificado, através do envio de formulário próprio Atribuição a) Sempre que o agente económico requisitar selos de garantia respeitantes a qualquer dos produtos vínicos certificados, os volumes correspondentes à quantidade de selos requisitados são abatidos aos volumes disponíveis na respectiva conta corrente. b) Os selos de garantia são disponibilizados, até à totalidade do lote do produto vínico submetido a certificação, se forem verificadas em conjunto as seguintes condições: i. Rotulagem aprovada, de acordo com a conta-corrente e com o resultado analítico do produto vínico ii. Produto analiticamente conforme iii. Conta-corrente com saldo e com as especificações constantes na rotulagem Colocação a) Os selos de garantia devem ser colocados individualmente na embalagem de forma a impedir a sua reutilização. b) O agente económico não poderá dispor de selos de garantia em embalagem com rotulagem diferente daquela para a qual tenham sido concedidos. c) Os selos de garantia só devem ser aplicados no produto vínico correspondente ao lote de produto certificado e para o qual os selos de garantia foram concedidos. d) O agente económico deve comunicar à CVRA as quebras de selos causadas durante o processo de rotulagem. e) O agente económico tem que comunicar à CVRA, sempre que queira retirar ou destruir selos já apostos na embalagem. A retirada dos selos é sempre feita na presença de um representante da CVRA. CAPÍTULO 3 FISCALIZAÇÃO E CONTROLO 3.1 Plano Anual de Fiscalização e Controlo a) A CVRA planeia a realização de acções de controlo de acordo com os objectivos definidos anualmente, os quais podem ser ajustados sempre que se entenda necessário e tendo por base, pedidos de certificação e outras situações de risco. b) O controlo é realizado pelo Departamento de Fiscalização e Controlo que elabora um relatório de Fiscalização que posteriormente é enviado ao agente económico. c) Os agentes económicos deverão disponibilizar e providenciar o acompanhamento dos técnicos da CVRA sempre que tal seja solicitado para uma acção de controlo. 15

16 d) As acções de fiscalização e controlo incluem a verificação das condições de laboração das instalações e a verificação do cumprimento das normas descritas no presente regulamento. e) As acções de fiscalização e a recolha de amostras de verificação para efeitos de controlo da certificação que deu origem ao produto vínico, ocorrem nas seguintes situações em acto isolado ou em simultâneo: i. Verificação dos produtos vínicos existentes nas instalações do agente económico ii. Recolha de amostras de depósitos com produtos vínicos certificados e de produtos vínicos engarrafados e não rotulados. iii. Recolha de amostras na linha de engarrafamento iv. Recolha de amostras engarrafadas e rotuladas ou em Regime de Colheita Periódica nas instalações do agente económico v. Recolha de amostras no mercado (em Portugal, União Europeia e Países Terceiros) f) O agente económico tem que possuir e apresentar nas acções de fiscalização, registos de movimentos ocorridos com todos os produtos vínicos aí existentes. Os registos podem ser preenchidos nos livros Registo de Produtos Vitivinícolas Granel e Registo de Produtos Vitivinícolas Engarrafados / Embalados, editados pelo IVV, ou em programa informático próprio. g) O agente económico deverá ter um esboço actualizado e codificado, passível de impressão, das instalações onde deverá constar a numeração, codificação e posição dos recipientes onde exista produto vínico ou seu derivado. h) Os produtos vínicos devem encontrar-se separados e devidamente, identificados, quer estejam em depósito, barricas, ou pré-embalados. Na identificação dos produtos vínicos deve que constar: i. o tipo de produto vínico em causa (mosto, vinho, espumante, licoroso ou aguardente) ii. a classificação (apto a, DO, IG) iii. o ano de colheita iv. a cor v. o designativo de qualidade, se aplicável vi. a capacidade do depósito vii. um código identificativo do depósito i) Nos depósitos deverá constar de forma visível a sua capacidade nominal de armazenamento ou a real, se esta última for aferida por uma entidade certificada para o efeito. j) Após uma acção de fiscalização e controlo procede-se ao enquadramento legal dos factos apurados e elabora-se um relatório final que contém uma proposta de decisão. É enviada cópia do relatório ao agente económico para que tome conhecimento das verificações efectuadas. No caso de haver recomendações, as mesmas são assinaladas no relatório da fiscalização para que o agente económico as implemente dentro dos prazos estipulados. k) No caso de haver contestação ao relatório de fiscalização e controlo por parte do agente económico, esta deve ser feita no prazo máximo de 30 dias úteis após a data da recepção do mesmo. 16

17 3.2 Reclamações Reclamações apresentadas à CVRA no âmbito do processo de certificação a) As reclamações no âmbito do processo de certificação devem ser apresentadas directamente à CVRA. b) De acordo com o Decreto-Lei nº 156/2005 de 15 de Setembro, a CVRA dispõe de um Livro de Reclamações, onde qualquer reclamação pode ser registada pelo agente económico. c) As reclamações darão lugar a um processo de tratamento, sendo ao reclamante, comunicada a sua conclusão devidamente fundamentada Acompanhamento das reclamações externas feitas a agentes económicos a) Todas as reclamações recebidas pelos agentes económicos b) Qualquer consumidor ou fornecedor de serviços dos agentes económicos poderá apresentar uma reclamação directamente ao agente económico ou à CVRA. c) As reclamações que forem apresentadas na CVRA terão que ser registadas, tratadas e encaminhadas para o agente económico. d) A CVRA poderá durante as suas acções de fiscalização solicitar o livro de registos, documentos de acompanhamento e resolução de reclamações apresentadas ao agente económico. 17

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO MANUAL DE CERTIFICAÇÃO ESTE MANUAL PRETENDE COMPILAR AS PRINCIPAIS REGRAS NECESSÁRIAS PARA A CERTIFICAÇÃO E CONTROLO DA DENOMINAÇÃO DE ORIGEM «VINHO VERDE» E INDICAÇÃO GEOGRÁFICA «MINHO». MARÇO 2015 MANUAL

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE GESTÃO E CONTROLO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE GESTÃO E CONTROLO DE PROCEDIMENTOS Página Edição 3 Revisão Data de Aprovação Capítulo TÉCNICOS DE GESTÃO E DE PROCEDIMENTOS Página 1/3 Edição 3 Revisão 6 Data de Aprovação 20/07/2015 Índice Capítulo I Revisões do Manual

Leia mais

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO MANUAL DE PROCEDIMENTOS TÉCNICOS, DE GESTÃO E CONTROLO DE PRODUTOS COM DIREITO A DENOMINAÇÃO DE ORIGEM DoTEJO E INDICAÇÃO GEOGRÁFICA TEJO Edição: 6 Data: 2015-03-13 Pag: 1 / 30 MANUAL DE PROCEDIMENTOS

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO VINHOS DE PORTUGAL (2015)

REGULAMENTO DO CONCURSO VINHOS DE PORTUGAL (2015) REGULAMENTO DO CONCURSO VINHOS DE PORTUGAL (2015) O Concurso Vinhos de Portugal 2015, adiante designado por CVdP, decorrerá no período da manhã dos dias 11 a 15 de Maio de 2015. 1. OBJECTIVOS Os objectivos

Leia mais

Comissão Vitivinícola Regional Alentejana

Comissão Vitivinícola Regional Alentejana Comissão Vitivinícola Regional Alentejana Regulamento Interno da Rotulagem da Comissão Vitivinícola Regional Alentejana 21 de Janeiro de 2013 (Revisto a 2 de Maio de 2013) O presente Regulamento estabelece

Leia mais

REGIME JURÍDICO DA QUALIDADE E SEGURANÇA RELATIVA AO TRATAMENTO DE TECIDOS E CÉLULAS ORIGEM HUMANA

REGIME JURÍDICO DA QUALIDADE E SEGURANÇA RELATIVA AO TRATAMENTO DE TECIDOS E CÉLULAS ORIGEM HUMANA Lei n.º 12/2009, de 26 de Março REGIME JURÍDICO DA QUALIDADE E SEGURANÇA RELATIVA AO TRATAMENTO DE TECIDOS E CÉLULAS ORIGEM HUMANA (versão actualizada) SUMÁRIO Estabelece o regime jurídico da qualidade

Leia mais

ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI ODIVELAS. Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3

ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI ODIVELAS. Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3 ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3 REGULAMENTO MUNICIPAL PARA A ACTIVIDADE DO TRANSPORTE EM TÁXI Capítulo I Disposição Gerais

Leia mais

Decreto-Lei 104/93, de 5 de Abril - I Série A Decreto-Lei 104/93

Decreto-Lei 104/93, de 5 de Abril - I Série A Decreto-Lei 104/93 Decreto-Lei 104/93, de 5 de Abril - I Série A Decreto-Lei 104/93 Estabelece o novo regime do imposto especial sobre o consumo de bebidas alcoólicas Publicação: DR nº 80/93 I Série A O presente diploma

Leia mais

MANUAL DA AJUDA À ARMAZENAGEM PRIVADA DE CARNE DE SUÍNO

MANUAL DA AJUDA À ARMAZENAGEM PRIVADA DE CARNE DE SUÍNO MANUAL DA AJUDA À ARMAZENAGEM PRIVADA DE ÍNDICE I. ENQUADRAMENTO... 1 II. OBJETIVO... 1 III. ÂMBITO... 1 IV. INTERVENIENTES... 2 V. REQUERENTES... 2 i. Inscritos/identificados no sistema de informação

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 197/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas ao estatuto das entidades inspectoras das redes e ramais de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOBAÇA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOBAÇA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS Artigo 1º (OBJECTO E ÂMBITO) O presente regulamento tem por objecto a definição das regras aplicáveis à atribuição de apoios pela Câmara Municipal no exercício

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Denominação e natureza O Instituto de Seguros de Portugal, designado abreviadamente por ISP, é uma pessoa

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE GESTÃO E CONTROLO DE PRODUTOS VÍNICOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE GESTÃO E CONTROLO DE PRODUTOS VÍNICOS Pag: 1 / 47 Preparado por Aprovado por Serviço de Controlo e Certificação Direcção Pag: 2 / 47 ÍNDICE 1. Considerações Gerais 3 2. Descrição geral da actividade de certificação 4 3. Inscrições 8 3.1. De

Leia mais

Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes

Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Nota justificativa O Decreto-Lei n.º 320/2002, de 28 de Dezembro, na esteira do estabelecido

Leia mais

8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA 8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Portaria n. o 1416-A/2006 de 19 de Dezembro O Decreto-Lei n. o 76-A/2006, de 29 de Março, aprovou um vasto

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1. a série 4765 da CPLP, incluindo a República de Angola, tenham depositado na sede da CPLP, junto ao seu Secretariado Executivo, os respectivos instrumentos de ratificação ou documentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho O n.º 1 do artigo 117.º do Código da Estrada, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 114/94, de 3 de Maio, na última redacção que lhe foi

Leia mais

Última actualização em 01/05/2007

Última actualização em 01/05/2007 Portaria n.º 1416-A/2006 de 19 de Dezembro. - Regula o regime da promoção electrónica de actos de registo comercial e cria a certidão permanente, Ministério da Justiça, S.I 2º Suplemento, DR n.º 242, p.

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO

REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO O presente Regulamento surge na sequência da publicação

Leia mais

2. Existem actividades dentro do sector dos alimentos para animais que estejam isentas de registo ou aprovação?

2. Existem actividades dentro do sector dos alimentos para animais que estejam isentas de registo ou aprovação? PERGUNTAS MAIS FREQUENTES- ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. Que estabelecimentos carecem de registo ou aprovação no âmbito do sector dos alimentos para animais? Todos os estabelecimentos, em nome singular ou colectivo,

Leia mais

ASSUNTO: Certificação de Organizações de Formação do pessoal do controlo de tráfego aéreo, prevista na Lei n.º 6/2009, de 29 de Janeiro

ASSUNTO: Certificação de Organizações de Formação do pessoal do controlo de tráfego aéreo, prevista na Lei n.º 6/2009, de 29 de Janeiro INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone: 21 842 35 02 / Fax:

Leia mais

REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO EM ACÇÕES PROMOCIONAIS

REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO EM ACÇÕES PROMOCIONAIS REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO EM ACÇÕES PROMOCIONAIS IPIM - 1 - REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO EM ACÇÕES PROMOCIONAIS INTRODUÇÃO No exercício das atribuições que lhe foram cometidas pelo número 2 do artigo

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros do Município de Sobral de Monte Agraço Reunião de Câmara: 14/04/2003 Reunião da Assembleia: 29/04/2003 Publicado

Leia mais

ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO

ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO Preâmbulo Nos termos do Artigo 30.º do Estatuto do Notariado, aprovado pelo Decreto Lei Nº 26/2004, de 4 de Fevereiro, vem a Ordem dos Notários aprovar Regulamento

Leia mais

Terça-feira, 18 de Junho de 2002 Número 138 SUPLEMENTO II S É R I E DIARIO DA REPUBLICA SUPLEMENTO SUMÁRIO Ministério das Finanças Comissão do Mercado de Valores Mobiliários... 11 232-(2) 11 232-(2) DIÁRIO

Leia mais

Portaria n.º 932/2006 de 8 de Setembro Publicado no DR 174, Série I de 2006-09-08

Portaria n.º 932/2006 de 8 de Setembro Publicado no DR 174, Série I de 2006-09-08 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Portaria n.º 932/2006 de 8 de Setembro Publicado no DR 174, Série I de 2006-09-08 O regime jurídico das armas e munições, aprovado pela Lei n.º 5/2006, de 23 de Fevereiro,

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 13, DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 Dispõe sobre a documentação para regularização de equipamentos médicos das Classes de Risco I e II. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS Nota justificativa A criação de novas Zonas e loteamentos Industriais tem como principal finalidade

Leia mais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais A Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, revê o Código do Trabalho, mas mantém em vigor disposições assinaladas do anterior Código do Trabalho de 2003, e da sua regulamentação, até que seja publicado diploma

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

Segurança e saúde no trabalho

Segurança e saúde no trabalho Segurança e saúde no trabalho A empresa tem a responsabilidade legal de assegurar que os trabalhadores prestam trabalho em condições que respeitem a sua segurança e a sua saúde. A empresa está obrigada

Leia mais

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação 1 REGULAMENTO DA VENDA DE LOTES PARA CONSTRUÇÃO DE HABITAÇÃO EM LOTEAMENTOS MUNICIPAIS A JOVENS NATURAIS OU RESIDENTES NO CONCELHO DAS CALDAS DA RAINHA Introdução Com o objectivo de fixar jovens nas freguesias

Leia mais

Manual de Certificação

Manual de Certificação Manual de Certificação PARTE I Certificado de Aptidão Profissional Técnico Instalador de Sistemas Solares Térmicos SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ÍNDICE INTRODUÇÃO PARTE I CERTIFICAÇÃO

Leia mais

Dispõe sobre a Licença Sanitária de Pequenas Fábricas Rurais de Laticínios e dá outras providências.

Dispõe sobre a Licença Sanitária de Pequenas Fábricas Rurais de Laticínios e dá outras providências. Lei nº 15607 DE 06/10/2015 Norma Estadual - Pernambuco Publicado no DOE em 07 out 2015 Dispõe sobre a Licença Sanitária de Pequenas Fábricas Rurais de Laticínios e dá outras providências. O Presidente

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA. Capítulo I. Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas. Artigo 1º.

REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA. Capítulo I. Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas. Artigo 1º. REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA Capítulo I Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas Artigo 1º (Objecto) O Presente Regulamento tem por objecto a fixação das condições de

Leia mais

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Objecto... 2 Entidades competentes para a formação dos navegadores de recreio e para a realização dos respectivos exames... 2 Credenciação das entidades formadoras...

Leia mais

31/10/1992 Jornal Oficial L 316

31/10/1992 Jornal Oficial L 316 DIRECTIVA 92/83/CEE DO CONSELHO de 19 de Outubro de 1992 relativa à harmonização da estrutura dos impostos especiais sobre o consumo de álcool e bebidas alcoólicas CONSELHO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS, Tendo

Leia mais

Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas:

Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas: (Não dispensa a consulta do Diário da República) Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas: - Portaria nº 562/2007, de 30 de abril; - Portaria nº 1256/2009,

Leia mais

INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS

INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS CONDIÇÕES E DOCUMENTAÇÃO PARA REQUERER CONCESSÃO / RENOVAÇÃO DE ALVARÁ PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

REGULAMENTO DE AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS

REGULAMENTO DE AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS REGULAMENTO DE AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS Aprovado pelo Conselho de Administração em reunião de 29 de dezembro de 2010 ÍNDICE Disposições Gerais... 4 Objeto, Regime, Prazos e Princípios... 4 Objeto...

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TERRITORIAL DO ESPAÇO SUDOESTE EUROPEU 2007-2013

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TERRITORIAL DO ESPAÇO SUDOESTE EUROPEU 2007-2013 WINETech - SOE1/P1/E071 PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TERRITORIAL DO ESPAÇO SUDOESTE EUROPEU 2007-2013 FICHA DE INVESTIGADORES E-CATÁLOGO WINEtech INDICAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DA FICHA A diferença entre este

Leia mais

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA

REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA Nota justificativa (artigo 116.º do CPA) Em 22 de Dezembro de 2006,

Leia mais

FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS

FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Dezembro de 2015 REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE GALEGOS Em conformidade com o disposto na alínea d) do n.º 1 do artigo 9.º, conjugada

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO PARA INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES, TAXAS E REGIME SANCIONATÓRIO

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO PARA INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES, TAXAS E REGIME SANCIONATÓRIO MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO PARA INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES, TAXAS E REGIME SANCIONATÓRIO Edital n.º 842/2003 (2.ª série) AP. José Manuel Isidoro

Leia mais

Novo Regime dos Bens em Circulação. Teresa Lima e Pedro Veiga Inspetores Tributários Direção de Finanças de Viana do Castelo. 21 de maio de 2013

Novo Regime dos Bens em Circulação. Teresa Lima e Pedro Veiga Inspetores Tributários Direção de Finanças de Viana do Castelo. 21 de maio de 2013 Novo Regime dos Bens em Circulação Ação Promovida pela AEPL 21 de maio de 2013 Teresa Lima e Pedro Veiga Inspetores Tributários Direção de Finanças de Viana do Castelo Regime dos Bens em Circulação (RBC)

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES DESPACHO Encontra-se previsto no Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central (PIDDAC) para 2010 o projecto da responsabilidade do Instituto da Mobilidade e dos Transportes

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 7.678, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1988. Regulamento Dispõe sobre a produção, circulação e comercialização do vinho e derivados da uva

Leia mais

Regulamento das Máquinas Fiscais 31 DE DEZEMBRO DE 2015 1940 (189) CAPÍTULO VI ARTIGO 3

Regulamento das Máquinas Fiscais 31 DE DEZEMBRO DE 2015 1940 (189) CAPÍTULO VI ARTIGO 3 31 DE DEZEMBRO DE 2015 1940 (189) CAPÍTULO VI Disposições Diversas ARTIGO 34 (Regime Fiscal da Empresa) ARTIGO 35 (Força Executiva dos documentos) 1. Os documentos emitidos pela Maputo Sul, E.P., desde

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade. Documentação e Controlo da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade. Documentação e Controlo da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade. Documentação e Controlo da Qualidade João Seabra e Barros INETI - Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação, Departamento de Engenharia Energética e Controlo

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE ALAGOA GRANDE GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE ALAGOA GRANDE GABINETE DO PREFEITO LEI N.º 1274/2015 ESTADO DA PARAÍBA DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO SERVIÇO DE INSPEÇÃO MUNICIPAL - SIM, EM ALAGOA GRANDE, ESTADO DA PARAIBA, ESTABELECER NORMAS E PROCEDIMENTOS DE INSPEÇÃO SANITARIA EM ESTABELECIMENTO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS O presente programa/ catálogo é o documento informativo no qual se inserem as presentes condições gerais, dele fazendo parte integrante e que constituem, na ausência de documento autónomo

Leia mais

LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS

LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS Portaria n.º 355/97, de 28 de Maio Aprova o modelo do livro de reclamações

Leia mais

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA Índice Capítulo I Disposições gerais Secção I Noção, âmbito e objectivos Art.º 1 - Noção e âmbito material Art.º 2 - Objectivos

Leia mais

Direção de Serviços de Saúde e Proteção Animal PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES SOBRE ANIMAIS DE COMPANHIA E LEGISLAÇÃO DE BASE

Direção de Serviços de Saúde e Proteção Animal PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES SOBRE ANIMAIS DE COMPANHIA E LEGISLAÇÃO DE BASE PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES SOBRE ANIMAIS DE COMPANHIA E LEGISLAÇÃO DE BASE Lista e número das perguntas P1 - Como ser um dono responsável de um animal de companhia? P2 - Qual o número máximo de animais

Leia mais

REGULAMENTO DE INSCRIÇÕES E TRANSFERÊNCIAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BASQUETEBOL

REGULAMENTO DE INSCRIÇÕES E TRANSFERÊNCIAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BASQUETEBOL REGULAMENTO DE INSCRIÇÕES E TRANSFERÊNCIAS DA COM AS ALTERAÇÕES APROVADAS NA ASSEMBLEIA GERAL DE 06.DEZEMBRO.2008 E NAS REUNIÕES DE DIRECÇÃO DE 28.JULHO.2011; 06.NOVEMBRO.2012; 26.FEVEREIRO. 2014 1 2 ÍNDICE

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA Bens de consumo Produtos farmacêuticos Bruxelas, 14 de Fevereiro de 2008 EudraLex Normas que Regulam os Medicamentos na União Europeia Volume 4

Leia mais

Orientação de Gestão 3.Rev.2 (2013) Procedimentos de Verificações de Gestão Sistema de Incentivos do ON.2

Orientação de Gestão 3.Rev.2 (2013) Procedimentos de Verificações de Gestão Sistema de Incentivos do ON.2 Orientação de Gestão 3.Rev.2 (2013) Procedimentos de Verificações de Gestão Sistema de Incentivos do ON.2 1. ENQUADRAMENTO 1.1. De acordo com a alínea b) do artigo 60.º do Regulamento (CE) n.º 1083/2006,

Leia mais

Regulamento de Actividade de Comércio a Retalho exercida pelos Feirantes na Área do Município do Sabugal

Regulamento de Actividade de Comércio a Retalho exercida pelos Feirantes na Área do Município do Sabugal Regulamento de Actividade de Comércio a Retalho exercida pelos Feirantes na Área do Município do Sabugal Preâmbulo A regulamentação municipal sobre a actividade de comércio a retalho exercida por feirantes

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso Página 1 de 10 REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Preâmbulo A Portaria n.º 401/2007, de 5 de

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação do regulamento O presente regulamento estabelece as condições de acesso e as regras gerais de atribuição de co-financiamento comunitário do Fundo

Leia mais

Documento Metodológico

Documento Metodológico Documento Metodológico Registo Predial ( Modelo 287 Mapa de actividade mensal) Código: 502 Versão: 1.0 Introdução O Registo Predial destina-se essencialmente a dar publicidade à situação jurídica dos prédios,

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011)

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) Junta de Freguesia de Guadalupe REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS 1. Qual é a natureza das importâncias atribuídas aos árbitros pela Federação Portuguesa de Futebol? As importâncias em causa são consideradas rendimentos

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTEMOR-O-VELHO. Nota Justificativa

MUNICÍPIO DE MONTEMOR-O-VELHO. Nota Justificativa Nota Justificativa A Constituição da República Portuguesa define no n.º 2 do artigo 73.º que O Estado promove a democratização da Educação e as demais condições para que a Educação, realizada através da

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

8-(4) Diário da República, 1.ª série N.º 1 3 de Janeiro de 2011

8-(4) Diário da República, 1.ª série N.º 1 3 de Janeiro de 2011 8-(4) Diário da República, 1.ª série N.º 1 3 de Janeiro de 2011 Decreto Regulamentar n.º 1-A/2011 de 3 de Janeiro O Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social, aprovado

Leia mais

O presente Regulamento aplica-se a toda a área do Município de Moura. Artigo 2º Objecto

O presente Regulamento aplica-se a toda a área do Município de Moura. Artigo 2º Objecto REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE EM TÁXI ( Aprovado na sessão da Assembleia Municipal de Moura em 20 /6/03) CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

Despacho do Ministério da Saúde n.º 18/91, de 12 de Agosto (DR, 2.ª Série, n.º 209, de 11 de Setembro)

Despacho do Ministério da Saúde n.º 18/91, de 12 de Agosto (DR, 2.ª Série, n.º 209, de 11 de Setembro) Despacho do Ministério da Saúde n.º 18/91, de 12 de Agosto (DR, 2.ª Série, n.º 209, de 11 de Setembro) Boas práticas de fabrico de manipulados (Revogado pela Portaria n.º 594/2004, de 2 de Junho) O Dec.

Leia mais

DECRETO Nº 6.323, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007

DECRETO Nº 6.323, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 6.323, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007 Regulamenta a Lei nº 10.831, de 23 de dezembro de 2003, que dispõe sobre a agricultura orgânica, e dá

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior DESPACHO CONJUNTO Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior Considerando a Decisão da Comissão nº C (2004) 5735,

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO GERAL DAS EMPRESAS E DA ÍNDUSTRIA. EudraLex Normas que regulam os Medicamentos na União Europeia.

COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO GERAL DAS EMPRESAS E DA ÍNDUSTRIA. EudraLex Normas que regulam os Medicamentos na União Europeia. COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO GERAL DAS EMPRESAS E DA ÍNDUSTRIA Bens de consumo Produtos farmacêuticos Bruxelas, 03 de Fevereiro de 2010 ENTR/F/2/AM/an D(2010) 3374 EudraLex Normas que regulam os Medicamentos

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015. (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08.

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015. (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08. RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08.2015) Define os requisitos do cadastro de produtos médicos. A

Leia mais

Regulamento da Biblioteca Professor Morais Barbosa

Regulamento da Biblioteca Professor Morais Barbosa e Regulamento da Biblioteca Professor Morais Barbosa Capitulo I Da Biblioteca Professor Morais Barbosa Artigo 1.º Missão: A Biblioteca Professor Morais Barbosa (BPMB) tem por missão organizar, tratar,

Leia mais

GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER

GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER OUTUBRO 2015 Índice GLOSSÁRIO... 3 1. BREVE HISTORIAL LEGISLATIVO... 4 1.1. Principais alterações introduzidas pela revisão do Sistema da

Leia mais

Circular nº 24/2015. Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. 17 de Junho 2015. Caros Associados,

Circular nº 24/2015. Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. 17 de Junho 2015. Caros Associados, Circular nº 24/2015 17 de Junho 2015 Assunto: Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. Caros Associados, 1. Foi publicado no Diário da República, 1ª. Série, nº. 107, de 3 de Junho de 2015, a Lei nº. 41/2015, de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ESCANÇÕES DE PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO DOS ESCANÇÕES DE PORTUGAL ASSOCIAÇÃO DOS ESCANÇÕES DE PORTUGAL Concurso de Vinhos do Crédito Agrícola Vinhos Brancos e Tintos -2015- Regulamento Lisboa, Julho de 2015 Concurso de Vinhos do Crédito Agrícola Regulamento 1- O Concurso

Leia mais

PROJECTO REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI ÍNDICE

PROJECTO REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI ÍNDICE PROJECTO REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI Artigo l º - Âmbito de aplicação Artigo 2º - Objecto Artigo 3º - Definições * Artigo

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de dezembro, alterado pelos Decretos

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DO MINISTRO CIRCULAR N 01/ GAB-MF/2010

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DO MINISTRO CIRCULAR N 01/ GAB-MF/2010 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DO MINISTRO CIRCULAR N 01/ GAB-MF/2010 ASSUNTO: CONCEITOS E PROCEDIMENTOS RELATIVOS A INSCRIÇÃO NO OE, COBRANÇA, CONTABILIZAÇÃO E RECOLHA DE RECEITAS

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ CAPÍTULO I Disposições Comuns Artigo 1.º Lei Habilitante O presente

Leia mais

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime Lisboa, 2014 www.bportugal.pt http://clientebancario.bportugal.pt SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS 3.ª reedição, janeiro de 2016 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS do Montepio Geral Associação Mutualista Título II DISPOSIÇÕES PARTICULARES - MODALIDADES INDIVIDUAIS

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS do Montepio Geral Associação Mutualista Título II DISPOSIÇÕES PARTICULARES - MODALIDADES INDIVIDUAIS Artigo 1.º (Definições e Interpretação) 1. Nesta Secção, os termos e expressões iniciados por maiúsculas têm o significado que lhes é atribuído no Título VI (Glossário) do Regulamento. 2. Em caso de conflito

Leia mais

GUIA PRÁTICO DISPENSA DO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES PARA A SEGURANÇA SOCIAL RELATIVAMENTE AOS PRODUTORES DE LEITE DE VACA CRU

GUIA PRÁTICO DISPENSA DO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES PARA A SEGURANÇA SOCIAL RELATIVAMENTE AOS PRODUTORES DE LEITE DE VACA CRU GUIA PRÁTICO DISPENSA DO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES PARA A SEGURANÇA SOCIAL RELATIVAMENTE AOS PRODUTORES DE LEITE DE VACA CRU INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático 2036 Dispensa

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM A Câmara Municipal de Óbidos, sob proposta do seu Presidente, no uso das competências que lhe são conferidas por

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA Preâmbulo Com a publicação da Lei 53-E/2006, de 29 de Dezembro, alterada pela Lei 64-A/2008 de 31 de Dezembro, tornou-se necessário a adaptação da Tabela

Leia mais

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS Rev.2015 Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO Associação de Solidariedade Social de Crestuma Capítulo

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 Página 1 de 21 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...4 7. CONDIÇÕES GERAIS...4 8.

Leia mais

CERTIFICADOS DE APTIDÃO PROFISSIONAL (CAP) PARA:

CERTIFICADOS DE APTIDÃO PROFISSIONAL (CAP) PARA: CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL TELEFONE 218423502 INFORMAÇÃO AERONÁUTICA AFTN - LPPTYAYI AEROPORTO DA PORTELA 14/06 TELEX 12120 - AERCIV P 1749-034 LISBOA

Leia mais

Regulamento de Controlo Interno. Freguesia de Paçô. Arcos de Valdevez

Regulamento de Controlo Interno. Freguesia de Paçô. Arcos de Valdevez Regulamento de Controlo Interno Freguesia de Paçô Arcos de Valdevez 2013 Regulamento de Controlo Interno Artigo 1º Objecto O presente regulamento tem por objectivo estabelecer as regras, métodos e procedimentos

Leia mais

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE DE ALUGUER EM VEÍCULOS LIGEIROS DE PASSAGEIROS

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE DE ALUGUER EM VEÍCULOS LIGEIROS DE PASSAGEIROS REGULAMENTO DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE DE ALUGUER EM VEÍCULOS LIGEIROS DE PASSAGEIROS CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º (Âmbito) O presente regulamento abrange todas as pessoas (singulares e colectivas)

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA. Capítulo 1. Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º. Artigo 2º. Capítulo II Da Recolha

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA. Capítulo 1. Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º. Artigo 2º. Capítulo II Da Recolha 1 REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA Capítulo 1 Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º O Arquivo Municipal da Câmara Municipal de Gouveia (C.M.G.) compreende o âmbito, funções

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE PALHAÇA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sujeitos. Artigo 3.

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE PALHAÇA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sujeitos. Artigo 3. REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE PALHAÇA Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º 2 do artigo 17.º, conjugada com a alínea b) do n.º 5 do artigo 34.º da Lei das Autarquias

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA 2 Preâmbulo Considerando que o progressivo aumento do parque automóvel e, consequentemente, da procura de estacionamento para satisfação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ESCANÇÕES DE PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO DOS ESCANÇÕES DE PORTUGAL ASSOCIAÇÃO DOS ESCANÇÕES DE PORTUGAL Concurso de Vinhos do Crédito Agrícola Vinhos Brancos e Tintos -2014- Regulamento Lisboa, 06 de Outubro de 2014 Concurso de Vinhos do Crédito Agrícola Regulamento 1-

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros do Concelho da Lousã

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros do Concelho da Lousã Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros do Concelho da Lousã CML 015.000 1 Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros

Leia mais