I flue. então.. 'pre. dômina-v.~.. no ~ -i":' ç:ij huir ~ ll." qt!i~ c;e abriü, ~ '

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I flue. então.. 'pre. dômina-v.~.. no ~ -i":' ç:ij huir ~ ll." qt!i~ c;e abriü, ~ '"

Transcrição

1 !NumérÕÜniCo 11 ~o de 1931 [di{of: L Ildi)!"o Udplisld Avé, ;1-' 'f ~ r ;: I:-i ~ r-i ~~ o:: que foram t0! l~ ";' r c, VJ 1 :c i~ \i j "';, as5im :,U(d ~ U!:' u I ' : ' I Ul11 :U CC l' ;,IJ ;úafll,:iiho', : " i1;'i: de tl l11 5(1, biu pijndo li} Ú)WLlr, \' 1 ';, t:t~ "",'r :"\ UqllstO s~ ri ; ; C io : ;f::l ll\ifll;ln;d~ \11, ' 1 :'1 t ~i',!,\ r('cc"n dé :, ' \1 1\ '11 60'0" : idl'al' i1 -!10-11",, ',1', l~i"'~' ( "" SlIj(li hrii'j'j;:r, «(, m Úil~0r,,~:!:"1' : I \ ~ 1 ' ~' I! dül l: ll li l 10St' ord ~!la~l:"< i1a 'tl") l -">'iejl~i" (' \\"l rt1 1':lr L-:n'p<ln B? lh ' : clos pç;vo\ C' ÚJlI l'prsqil<l - k r:l ç; ": Jd,"" ;! ~ Ddvid :afitu,, gem" dcs c~) 1~1 1-(ld uo l'clyp:, dl' "1\1" " :)"';1 -,j",10 pre- ' 'sa'lldo ' lod,is ;1!, ;:f\)fias"e ( :oi:o : ~ : :l ~ ;-:ij' ~ii :l\ hcin 5 C gfa'n'dpa~(pr"e INil (1" ',(La!:> " t,,1i~'1ri' ", ~ornar IH)" limi~l" ~l hislo- Co mo!>on w:grjnde ios- ria " :: -,L'I :W:";':1: fl' l! lli u;"\enão O mundo 'ar:a-tisó: ; cxlé:" houvc s ~ ';' ; po r hso l1a e:s, nlj"~do pel0 lab\ liar: lq IPrÓ~ I'-,! 1 gem!,~: ~,;r 1~: r,1 US Uuis \ ' hcuo do viêio:' e db:critfle; i'vj;ui,l " f "' 1I 1I1I)u, 'C' ;1 um : anciosó:-'suspjrava ~or úm: eslillh!l n E' :lhiucl1 á luz o ~ ibe~ta d9r:qlle,:queü~ary do- ;, Sl'U Illli -=! ~'J\ ; io iilho ':1h e '0 júgo infamanlt!: sób N<1 ~ t ( ~ l, p,) i ~' o (\spera ' que : iazia,- 'réanj~<i~do os :' di) (];:;<; :i 1~, ~s() conduclor, 'pov:os e as faça:s', e d~ndo : " [ioerlrl dord e I s r~el o Sal " ;n o'v:a:o rienlaçãq a~ sçiên : t!nr dl i ; UIIL1HI :il t!t' para a *~g!~~àh~r~?ohdi~: ~~~~'~~~~~i~~~'~~~'~~~~)~::~~~ 50nll,-; que 1h~ pf-pp?rçio-: de prcclijro l'scrip!or vinha nas~e ' luz : pa~, Ielicldade illuminar (rm 1In1 rclio de 'o 'progí"e~si:\ o p~ga-'lí$mb-" e ~?p irilo dj',;-illd 4 cunscien, I flue então 'pre dômina-v~ no ~ -i":' ç:ij huir ~ ll" qt!i~ c;e abriü, ~ ' ~ :, _ Occid'!Ú,-re;': erain capaz,çh;~,f, vcrd<ld ' como' sr Jbre' íl ião' ajev'anta'do ' e-mprehen: tc:' r,a pelos ai'dores do estio, dirnehio" porql,iant'o à' pê'r- : :"::"-:--::;' p Jr~ rc rr'beí t'\~l seu seio os :! ': rlicibsa" doli tr ii:i ~,que: pro =, ->' f " l~ rl 't [i rrs orvalhos do céo ' Clamava r cqgil~i1~6 ' ~!lj :ca: E (~r,l C'SS2 auror'a des : mente :do ''corpo ':e ' dos ILnll Ora nte de' am:jj:, paz e : :,: seritídos: s'ó fome!1lava : as, liberdooe que o' propheta ' paixões d esord-enadas' do ' Isaias árúelli? 'para resgatar '!iorrieni 'c dcsc chhere-nd'o- os que Jnda v~m nastrél!as eni! (6~plelo:o(ber:ieficQs ' 'c os que hjbitava'hl na re- InnuxOs cfe >seu "spirif9 ',:' gião da sombra da illorle;, :, 'er it' na ojerd ad'e: impolen le ou esse 'gozo pcrenne, ou,,' p~ra fe9 :ené ral :0:' :; ::-:-:>, paz' indefec1ivct' quc os a[j' ~Õ um a {e\i9i~o ':divina, ' ios mi=lravillladosannund a' :base:a-ça :: nq ' sohrir:ne(riq;' vam aos &im l~les 'd'e; c~ra; na' re$rgnação ~ e ' '- l)a -dõ:r ção e aos hotnens de boa ;6<riU :n~ á~ ~dp"" <?ri~jlte, ~ p:a:" ' vdnla~~ Wa da Jtiz,: ppdatia, qp,, r~ r lã9,~s~up'c,ld~ r~foj~a EnlrelanÚ', :;";5 ' e~roncas - nos : :(OSIUfJl~S ; dos' povos : doutrinas que,9- ~T1tjga phi, :libettan d<i;os dós Iiam~s 10sophiJopregoava,de(a da maleria, inoc ulan d(},,hiam,e o polvtheismo iá Ih'csriôéon'çáO os~ú: loca va ásra ijsdo d espres " '1enstétundanis: ae uma,,tigio 'e do aniquilamerito, "; ' r:l9v~"vid~,e:' n<\ ~I~a <?s: ' Seus idólos aflindavam :se ' pfüieipios in~morredoiros n'o,pó' do :olv,ido e ~~ '~s'y ~: ~~d;;~l~{nât~i~~~'i~~~~i ~ ;:~f~i~~i~<~::~~i~:~~ As :-naçõesmais escjàt(i :: d'e'graos d0 a"itclf) porqu'e' ' ~~ ~ i~à~~~~~d o ~ ~sperado ' ; :, ' ' ' ' : ' : ~' ~';~~~~:~~ie~~~~;~,~~~~r~~~~:t liú, 'para o Orlente, 'em d<', : O leltlpio da perpeluida m~ndà (t e um,re:gen~radól', ~, :' :', ;'- de que:se ergüi ;, magesto-, '<1':''' lhes :sarasse a'uicerá, :,, ' : '' ' só el'1 Roma e a cujo res :: da: 4e l?t~ rircã oj que ' I~~~ : ~?~r~f~ a )ll,i!i~> ~: :\h~s : i~~app~i~v~ o ' 'vjq ~r :' :peito: c orria o valiciriio - "de qu~ ~ cahiri~ q~ando uma' virge'n1 : d~~se ~ á,ruz, 05,hlstorl~d ores T]1als ôba hs~dos 'qessá:épàca sao u naninles em piocla : ' desabou elfectivameri te tónl Ó nascimenlo de Chrislo,,:, 'mar que daji lev~nl~'r : ~er~t~ :~se ' aslro_~ I~erulg'enie 'que': 'ijlumíniuido 3 Ga,: ':' : ': ' :, E '~p~sar d~ tanlos iao~,glos o~erí!dos' :no n3schnento de,1esus que ' como' eu1ti, liléa com se:ll~ ~:f~l~at~~ ~ '-: P~oie"ct~ti~, ill~?_o ~~r:i1 hq:-- ;~f fàce' ;d (I :terra, e'' dana': :: s ~r Jo de :Deus balic:a~~ : das: : ê ~tnend~~ do céo i lerra p;1r~ re5li(~!r' ao')loriiem o,lhf:;souro novo ru,mo ~ \ip~iª4~ ~jntetlge ~cla ~O,):lO ~~Ill _,_,'-" ', :' ': ' > L1e gr3ç~s lnl!nlla~, qúê, pe'rçlê rfpela <,niacul~' :or!gijial; 05!~óe~; :dcs:onhecera:m'd o : n essc ",,; ' " ' ',' ' (ara~l'er porquari lo :esper~vam vel,o~ ~ã8'reclh:íado na's fa) ~tls da' pobreza! n~as: prece~ld,? O prophela_ :Miqu#as :valici~â:-q ~~ 'd'e' ~:B~tblem <sat:tiri~ ' o <iue : r:eina~ia ~O irnjf~o':da iama ~ (itie ~ a ' g'ojl a :''''1 :presla -ao~ grandês' ~~ :mund~ '- ~omo à' que aprê~oav~,-t!l-olui 1!!"'1: Isr~1 : -J ' ' ~ "' _, ' : " '">:' " os' ;eiios"lnolvjdávels de seus anllgos' IIberladores: Geddc;r e ; J~da's -rtlacabéo " :' '- ' _ SueiõTfio rer~re que ' ~l? or iilnj~it::b~{i:a iná ra;se " a' v~i ha e: per01an ên1e; :opi ~ ~ ' : tnlên 'áíós1 Obsecadosr:NAo: cómpreherutcratrl que ) J '3llegQria '"da' antiga :ic! havla nião-deque um vulio exlraoâlí~a t1õ: surgíçia dã Judé a e 'obieda O,imp erio' :~~ ~~~~~íd:o peradie;e ~$â~ :r-ealjd~ de ~ul: OI &eú~ Olh06 : S~ ~3 ni1?s)a~~ ~C~Sc!':p~~1ifiSe I~;,- u~liversal,, ' ' ''' I~Orl~l,nesse rei eterno; "Q,ue elchahaado a humitdade, -ass~n lar la ~ seu larono nlo 1'10$ Tatilo ínculcêl que a maior parte dos, judeus estavam pel'süadfdos se 'be'ns ~dqcos do :ieínpo : 1lrIs ~ ~0 \cónqlo d~ m lseril crea lura rphabililando~ri pelos 'seus gundo um oraculo conservado nos antigos livros de seus proplte}as,' ~'que : '5~ffrlme=Dlos e' dores :e ' pel~s_ ~9~â! ~~p' lsc:n~llis~n'cs do seu, dlvln~o ' -amor : ' no lempo de Augusto o Ociente prevaleceria, e alguem-;-oriumto"l:ta ' re:~inaria sobre o- mundçt, '' ' '-_ Já viram? Não! C~AS /-\S Grandes reducções nos preços : - Venhàr'T'l éritão ver asültlrnas r16vldades érn tecidos nas " I:-~EI~NA~/lBUC [~ NAS Visitli!m a expmíção --~-,

2 ' -,,"I' - " ~ ', :: ' "1 i, i - - r ',, ' I" r "'1' > ' "," ', ' Die :stillé, ' ~ ': : W~jh~~e~l~HÍlber~n ' ' " Weih~~cht iiti Giockenoeball '' Weilui~olll'rii átillri Féld Utiler dem SlQrneÍlzoll, WoilinRchi im hohen' Noril Hi~lor: ~e Sebirio B~rd, " WoitIllBCbt' im o rorcen SUd, Wi> hei ' dio Sçj1n;gIUhl, Wib~cbl al l(\oor11, Eie' i~, cier Freud"Sch:all D6 rl~ 'n'teir Tr ii~~ill, Riei io der Krippe Stall, Dorl' ín P"là61 und Prachl, O till beil ~Naehl ; ' S~liw i ng& dein pchtpanior Auch' Ub'ar,' 1O',r 2 - Cigâ"te-sçáçolmeiá d,-e frabálb~ ~ : O'': -'",' :heilige!na<ht ':~ ' ~oll '~ei Dank d~;challé weii: Óer sei~ W~rl ' besiân~ii~ i) ' '," LÍnd der Siínd er TióSlurid ZU uns Ilergêserldei hai: ' S~ : ;~i" '~ s :r'i:6'~b ' - i!1 ' d ~~ ~g á~~e n :: ' \Vrli,Weihnaehlrühil di~ i:lér, i('n ~ Ob :f'in~t \vplfv'?'rúiie'ri -inil seinem schllf s'~hsmon:;'le lan~ ' ' ' JhN;c\,i u;'d 'E;~' uncí Tod~s : g aus~'n sá~se,'odçr i~ r~~;l~ n :: " O~I in' weil~uachisfre; nder" ijm ' gebu~g ourri;;;l ; e;'sseíi A fiikâ ~, 'in sc hw~rem Ge~ 'itlergüss~ll: :ojj~ r : 'zuhause ::,m ' 'I)Úih~~Ciils'" VISTA GERAL DE loinvill~, " ' fulcro irradlador dorth;niimenlo 'progreisisla i~duslria I de S';n"'taihai-in a, L--'-_-_---':,;---_--,,_ - --;"7"-"--'-'----'-~_J " zimmér: UeperaÚ:: gibfs ' ; iille ' so$ingi 'der DiclÍler In der frohenweihna t hls ze:\i:" slund:énvjoer zurückscha'ul)n die il~rgatig~n~eil, \v 6, Ihmisl' sofeiérlich z~ Mui ais ob ' er die sc!lwingen ein~~ ma'ncherlei ' Bilder duilalj~lien,u i e erl~ng~ I ~~ rge"seri ' ~rid ' heilige n G~úesengels verspür~, derç~r':h çie iveiien 'tande dereri Reiz ei verblichen geglaubl, und \voer hineinsch'ái1i,' ;:"'aridere und iie Hmenmll séiném i'fngei rüh re z;'~e li ins eigeneherz, Itnll ; darin Slimrilenhiirl dié ni,hl ~~r, ' " ger,flejde weihn~chl allüber~ú ) ' slummen wollen ob er sie glei~fi schonhhre hindii;~h ; belatibl; di e slimmen al ie; Weih~achlslieder und W~ih; ; 'unfassharéri " ~, -' Aus der Voieihnachilic'i)en Grosse dé s~i ill~nfelde~g~h t ' ÚiBliok in cjie Sladt milihren j,uriderltaúsiihd ~il~nden, RalÍfeilden,lragén'den; fachenderi, ', ~'5J:~~~t~'~;:çnpi~]i~1~ni~~i:~~:r~~li~::,~i0::~ if~::, tenstras'ser 'geliei, die Me iischenlüge hi \13 us; a 1I,rJ1 ãh ikhkiei"' iier:;;{-erdeúl;, ~'i~ i nden l ~i~ lei; 'Si;a:s~e~ undpfalz'i!" ka,rim ~ i er undd~;,bchan 'é in sa m er ' Wan~erer schr"irei:wie slilje auch hier,! " Noch leuéhlelhin'ler den Fenslern nirr: ( ~::n~e~:e~e~tk!~;~~;::'~~u~~~~~:~;i::h!~;:r~~~ fl}~i~~~l~ji~~~i~!!~\~~~i ~ nach lssprüche die slim~,~d~s Se li'len WeillliaC hisg ia~ti-en~, '; "Uns istein Kind geboren; ein 'Sohn isl uns: gegeb'; ri : lindeir hei! Wuriclerba r, Ral Krilfl;Held; EWig : ' Vàle~, :' friedefürsll Das ' isl é'ne emslemalí~slimrii~;i' um sehnend es, irrende~ M'nséhenki~d ; :láih r uttlzum We!liliachI591~lIbei1'!Ersr indém Ki~ d er : Krippe findesi du den \VàhrenFried en Dir isl n~~ éinwu,riderztihêhel1 dr~,ri bra~chsl duden H kein Mensch Iinn dir mlen in der ralselvoljenwe\t darum brauchsi du den: der :Ral" heissi 50 niili'lhasldu :au:ch:: deri 1<r~fivQllenHeld enden ewigén V~lerdei'FrledElli,:~ len, : TrOlz ': ~lies 'Kriege 5, :<!ner Revillulion alles Zánkesurid SlreiieS, alier FriNII ()~;gi,eil iri >der ui~li hal er de~~~éh Fri ~d~n Oie Erigel h abe~ \Vah ~gered ~ l; ais sies aríg e~ ; f,;'éde aul Erd~n: palnil meinleli sie 'nichl di ~ Utopie ~;'n es " p:olúischen Well fr ie,iens sondem den wahren H ~ r zêri~f~ie'; d ~n, der~unübér'all hw~chl ; wo Jesus i~ denher~~~ g~lxlren : wírd, :' ' ' O da ve rsiéi)l ni and iiwéih ~a chis&ille dé~oichle;s : "' :', Du slillel1eil'ge Naehl: ' Schwinge dei;' li'hlpanier A,uCh ' Ub"t mir~ ' Ó~s ' is'l auci)l!ils~ r Gebei; ~~s~~ W~ihri~ch1slÍgb~1 f Ach ' :m 'ij~h1en i,vi r alie eiíle ré'chl fr oh lich'e, gesegneleweih~ ' nà c'~ 1 erlebén;' '"ine Weihnochi' nich l ni;; ' mil Lichlerbaum und Sch5nen ' Gesche';k~n u~ d Erderifr~ude, sondern einé, <heilige Naci)linil rlem Kirtifin der K"iÍpé un,d de;" Góu: HerZCI;~ "BBOB!~I" FERMENTO lllemio LEGITIMO,' á venda em todas as casas de varejo, R LOBO ~ C? RUA DO PRINCIPE 673 Telephone 202 ' ljlysses :,Gost~ : Advog~do " ' ' " ' " Mihisiro CaléfgeraSl(j,3 " iniliisiri~sultiili~in~rtte ' creadasem J Ofl'l'ville; J,OI N V, ' JL ' LE : sua ' orig irj~jidadea ' da ceraillicaa rlis\icil' da!riic i ~ti va neudàoama &Cia~; eslabeleddos áaveriida' AMou r~",,-"""""";";';';"";:'-';"";;';"--';"";';"'-1 rd'à,deii'ã'!;c iõj;is d:\t1~~so~fe~n~~s~~' ~,í~~ro~~r:r~~~~~;~~' u~~ Cera'mica A rfistica ~t"" "t"'ilil'lu, osnr, J~sé,jr1neu da Gama, além de pos&uir ' >'-: \, de _ Agrieol<113rasileiro é Technico-Ind ' JosélrinelLda Gama' & Cia d er v~r,segalardeado;na Exposição Va~ós; IIPpil elhos de lavmorio, pot: óccasiã,odo :Ce,iltenario da Indepen dencia com um Diploma HOl1r ii;- ~stii)iularid!? o,se:u genio artístico e flllros, muringues I! outros ar1i- gos do ramo, corisagran_do as verdadeiras ç~ra s pí:imas po:r: ~)Ie confeccionadas - 1tt!CII1\ " qgalqnor mtlllleaob _ Trata-se; _p<iis; de umairídilstrjá"1ie'stina<til a obter ruidoso suco Avertida Abdon Baplisla 205 cesso em nossa terra; )OINVllLE' - STA CATHARINA fjervejas -:- o:cicôres ClCRVE'J ARIA JOINVILLE fintes de beber - ljebidas sem a/coo/ CA'I'HARINlCNSE reparem no emblema s Catharina

3 :" ' :'" ::: ~, ":, ' pharmacüjs toca~s CASAS [JE ' MODAS ()~ ph1irrttacêuticos ab~ixo saudámapo pulação joinvillense com os volosardenle~s d~um " ' ' '' ' NOVQAllnQ prospero e feliz Casa Pieper Vva E Hingler G abinetes:denta ri OS; Os cirurgiõesctentistas apreseniam ~uas : ' expressões sinceras por um '' ' Novo Anilode vellt1lras ' a todos os seus clientes ' '; : ' ~ " '"!' ~'a,~\~ Q"~{ \)e'i\''ót~ R~ado Prin~ipe192 Rua 9d~ Março 2U ' ~\~{ Voç '" ' ~~ó~ Q~~{ liilarca~arlna 844 " RbdrigpdeQljveira'Lobo ' ioca RTOR I O 'Esc,iptorjoIM dei [)iíncipe, 246 'Resid'e~cia:' Rua 3' de 'Maio, 11' :' ' ' :' ' ~8Iepho~e>168"'-", JOIN)'ILtE, Es1ado desta C~thrlna TabeHiàoArnoldo Luz a---- : Ruo 15 de Novembro 366 Herrmann 8 Cio Ruo' 9 de Mor~o 126 Behge8 Cia_ Ruo 15' de Novembro 651 Casa Dippe Ruo Duque decoxlo 149 Rua do P'incipe 848 Casa Zal!ar Rua do Prlncipe 249 Casa Jersey Rua Cruzeiro Felippe Dippe Rua do P,lnclpe 439 Os qrg~riisadoresdo pr~senle numero especial, " g~ai6s peia generosidade com que foi ESC~~;ir~ ~;~r~:lfl~7~~::~~~,ec:~:;;::;o: acolhidaasuainiclaliva, saudam expressiva- ' ': ~e~le Ú tmhil<'l~les de JOin~ille,comoS : ~~s isi~(1~~ ini~o~~isl R~gí:6tro ~e hypothe t ~ s ; T811phon e?70, Rua doprjdci~ lf, 54 m~lh()"es VO}() defellzes FESTAS' :fl2hri1tn rio I?ilt// SeI, "'id/il/ Rua 9 de Março 56!Ver lier I\fell "'ill/l/ Rua S Catharina 695!Vil/I er I( ilr", ill/" Rua15doNovembro580 iboas Ill/:stas Pedro de Barros -:--2 ~ T be illio ~, Anligo Cartorio do 'fa1jecido labe;lião Er ; e~,john ( ' Escripturas de compra ~ venda' ~ hyp9theca~ - Contractos - InvenJarios' -- Reconheci!T'entos de firmas etc P"ALLA-!tE; ALLEM~O Cartorio: Bua' s: de!luço, ' 7': fnd~rlngu5 'nl~rth EscrivãodEÍ O i phão~, Ause~tEis ' e ' P'ovedo'ri'a JOÚrVILLE ' '',~ Bârb~arlas ~ ' ' Pa d ilj~ 'i as ' Oi; proprie!ari9sdasbarbe'~~ia5ioin\lil- ' ' Qsindu~triaes dep~nilicação a~guram ' I ', Ien~es de~eiáma()5 seusl~éguezes um ' ' ' FElIZES FESTAS ' aiqdosos Ir~guez~s' r Novofuorlcielltê ' &f~jk ' ~, '" ~''" " Ri<ardo<l\lilzkeAdolphO ' GrflnschJot_ que lhes dispensam s)la prelerencia,,~-----'--,c:c,'r"--'----"""",----'-- ' I": ' ~ "' ), ~ 'le{ s~\~o~()e~ '' ', Ru<:ruzel,à 49 ' 1_RO~Con:M~ra51 1 : ~:u,i~~l'ri9~1~?2~1, (JeraldôMlliifeuJeL " Arllalld us Paul ': 1iÍ ',IIII lftlar!l R"adoOl'rinctp 47~ ~<f:{i~'~ : ' : '' C-~\~ : ' > ' ' ~,o " RuoS~o P~d(oIOl Rua do Prlricrp~ 859, '' S7>\?o'Y 9 : " :' ill ~e;:oord?l'1'i~~c? ~i~é,?'a,\~o r ', " S~\O~\~\~~ :(: ', : ;: RIi~ ' ~~ prín~!pe~805, Ruo' DUq'~~COXI~: :~!~OA Rua'do Pririoip 869 juaio]~i!~cip, ~é6 : :' --,- ;,"-'--'-'-'-:, ;:::;,:, : :', AlfredO' HUle " :' P~C/,P '' ill)~ 8 rlltlk ' ~(j~l'iij AtillJ er " oi{- Rua9d Março 1'85 ' '' RuaDuci~e Cli[~:m ' ' ' ' :: : Pi!i1i1ri~ $, :' Pil(j<1f/~ ' ilns,, RilSI/no Rua S; ~~dro312 Rua Stli:Catharfna~, " ' ' I j,1 I ~ ', Ay Abdon OpUta 183 Rua S Cátbar;Da 874 Rua S Calharlna 755

4 - ~ ' 'Zelai devossasaude o;::;: ',' "-"'-" ': ' usando unicamente :,Banha vegetal "Gordura Selecta" assllcar refinadopurissimo "Sol Lévante" Depositarlos: H DOUAT& ela = JO IN VI L L E = Importadores, Exportadores BorgiB <> homed da morte e dos incestos, das festas Bumptuo888 fiom qu~ B cantarela mal8-\ob 88 cortezas' e 08 cardeais, desenha-s_e,8 figura humilde '<;la São Fran cisco;_ O 'Poverel/o de As_sia, c~f!18rido'0 hymno do IrmAo Sol, á IrlllAAgua, clara, ~umildet _pre_cioflb e _ ~a8ta Por oulro lado, ei1iquanto Mi~uel Angelo" -traduz nos arrojos do seu e,pcopr~ e n8~ concepções do seu pincel- 08 Bom brios penâ8melltoe e 88 tragic88 desesperad_ç8e de uma alma formidave!1 qu!3 8Ó),Uça de 8nguBti8~ V,é S9 Rafael lançando 'DBS" suas té188 -as- cores maviosas do seu 'pincel di ViDO 'Quer_'Da:~ sombras da antiguidade ou da" Eda<;le Media, nas auroras ds Renaséença, 'Qu, nos 6~ple~<;lores: da' Mstoria ~Qderna, 0 mundo vem procurando a~tingir' a mela do:progresso~ enlevado' no sot!hó id~alista de, dias éada ve~: nielh9re8 Que o anno d 1932 l!jarque para Joinville,u ma de88a8 formo8a8' ~tap8s e que o, Brasil encontre' a' ijua ' 'quota p~rte de: felicidades',a'que -,te'm jus, '8"0 os yotoi5 qqe' fazemo8 como bons patriotas que n08 p~tt,~amos de ser CC)tonlsação ~ Marca a ephem'eride de hoje um 'anno, mais nos :annaes da hlstoria dos tempos Na' cadpia d08 laclos 8urgem trio umphos e registram,se derrotas, morrem gerações e erguem ae cidadea, emquanto a acienc:ia procura devbs8ai' oa myaterioa da Datureza Além, Ejlrgue 8e Caligula ameaçando os deuses, e no delirio do seu orgulho lanç,&' uma ponte enorme sohre lu! eguba, porque ap08tára correr, a galope, sobre a8 ondaa do mor 'EIlIquanto i8so, a figura empolo gante d~ Marco Aurelio, huqlllde e aua tero",perfila'8e impressionantemente, di zendo: - chomem I NAo és senão uma d'ebil,alma, arraatando um cedaver, Mala além, no solo em que Ceser Joinville, colmeia de trabalho, ~m que o' sbngue,rermanioo' 'tem,,posto todo o calor do' seu enthusia8mo e abnegação, -,tem enêóntrado nas iniciativas dos 8eus primitivos colodos, o es~eio do 8eu progresso e' engrandeci mento Não deixa, poia, de ver a propo alto; tran8crever em nosso numero es pecial, a carta que o' Barão de Rio Branco, no anno de 1889, dirigiu aos membroa organisadores da Exposição Unit"eraal de Paria, salientando os bene ficios des8a imigração Eis o topioo que se relere li colo, ni8açao aueina: - co rp~ultado da coloniaação ól fioial é representada por um accreacimo consideravel da riqueu pacional no Bra sil, e o que é mais ainde, teve uma in EXPD~ta~ãl', d~mad~i~â5~j11 orandf ~5~ala CaesConde d'eu Caixa postal n,12 End,tel:" Phosphoros" ~ loidulbbe, Santa~atharina flllencia moral e civilisadora,sobre ',os tiictos em que foi levada,' "N ão se poderá' apreciar 1,0 Behge & Cia Visite a exposição juflto valor ~ste-s b~n,eficios mora~~,,porem, toda a gonte p<?de clmatatár o ae11 Confecção de Roupas Brancas Especialidades em confecções de: Roupas para senhoras, Enxovaes para noivas, Cintas sob medidas, Camisas para l1omens, Pijames sob medidas, etc mais conceitlladacasa especialista neste ramo, nos Estados de Santa Catharina e Paraná, Rual5ü, HOYembro n, Telefone n, 447 Joinville - SantaCatharlna de Modas e Confecções para da Casa Jersey 'Ereços reau~iaos, RUA CRUZEIRO Telephone N_ Bazar Nippo n e!feito Basta dizer que, 'naa ~egiões oulr'ora deshabitada8, ou epena8 occüpada8 por" alg'uns" habitantes que se achav'atn ~epa: rnd03 do resto do mundo num"eatado"de abandono que parecia de-ver leva 1;:08 ' ao' estado e,elvagem, conto se hoje (1899) 'quasl brasileiros de origepl germllnica, dos quaee uma parte, con~ervam 'ain~a a lingua e 08 ('ostum~,a do se~, paiz;,e"que, no seu novo (neio, t,êm contribuido Ipuito pera o ava,nço da civilisaçi\ó, ' Ellt!8 nã~ 8e Ümitam a ser pobres" culth adores; ha 'entre' elles jornalistas'; pa~ dres, advogaçlos, m,embros 'de' a,b8embles8 provinciaes Um delle8 é membro do Camara dos Deput~ci08' 'e um antigo colono' de' Santa Catharioa fez parte; 'por 'eleição de toda provlncia, de uma I,ieta,trfpBce na qual o Imperador teve de 6acolher uni" senador do Imperio'» ]OINVILLE coi6rii$açã~úlrang ira,podedizer,se, 56 te~e joinville, resplandece nacons!ellação das cidades iniéionobrasil depois qu 'tlprincipe regeille D_joã6 catharinense9' como aslr" de primeira grandeza: foi tlbdgadoatransportar'sep"raobrasil,comtoda a S e m p r e' Ellase destaca pela e~huberancía dos seus camfiünilia real, 'em i 8os pos uberrimos, pela mahnilicenda do seu casario de '" Data dessa época à vinda decolonosálle;ligenas linhas aprumadas; peiaenergia do seu povo laborjoso hnidarido-se ás colônias MSanto>AgostinhÓ, em t8t2, 0 0 I Ü l dt ṫ dt m- U tl (lt eaclivo e pelo progresso, sempre cr~scenle, de sua, na provinda doe~piriiosàiltil; ade Leopordiriâ, em' "U Il U Il Ullindustrias mulliformes Porto Segúio, "aprovinciàda l3ahia;eãde Nov" Hadesdea fundação dejoinville, umavontad~ Fribürgo, em 1819, na pióvincia do Riode Janeiro, - forle de vencer no aní movigoioso da sua gente: Apósa 'epopeaglo~iosad~ lndependeilda, que " o iumo que rola, em espiraes, do alto das (hagriio ded_ PedroasSignalou rias margens verdeiantes minés gigantes <li< seus eslabelecimenlos fabris,é (omo epitorescasdoriacho Vpliãnga,forám!uildadasoulias aflamula assignafâdora das iriicialivasgrandiosas, que 'cotonias;comofosseade São Leopilldo em la~;'encoi1iram no trabalho afanoso oestimulo enahon- Trei, Forquilhas 'ea de S~oPedrOdeAlcantaf~; em,radez impollula dos carkléresa al"va~capoderosa a nossóestado:; -, soerguer cadave~ mais a nossa terra aos olhos do O systema d~tolonisaçi!ooüicial esla\l~ suieit~a paiz e no conceilodos 'propríos' exlranhos, surprezôs cerias regras e determinados'preci!jtosi'tórisistindo?s, por tant~ aclivid~deeportamanholabor_ pdncipaesemo governo págaroiransporte dós colo' Tlllllpb()De3S& JQINVILLE jóinville vale como :umexempiomaravijtloso nos dopaiz deorigelll:alé aoporitoondefpssemlo-,tenacldade,a eslimular -os grandes arroios calizádos:àlimeníàl-ospelóespaço dede~óitil mezes; L -,;",;,,;",;,~,,,,"T,-,,,_I minosa influencia da sua paúiolicalição,, dar-ihesa_propriedadedo~ terrênos terr / não hàl6ga: que por elte(fosserrlculijvados; lor~ éster~is, porque no _ c "écer-ihes gado~conceder'lhesaisen' amiigoda sua populaçápsó existe çãode impostós Pelo p~azoyarravel um anseio, s6ha um"ainsplraçao d()',o maiorernais : variad6 sortimento encontra-se na CASA DIPPE -<je ' ~ii(f "(jezannos : miilante: Trabalhar e produzir, _ A~i>d~dpio as ~ref~rencias:inci- Iraball)ar; para o bem eslarde dh'am'sobreôs aç6iiarios-esuiss()s'iada Um dos seus hablta~tes, ~ass~rldo~illstardi para osalle~i!es, Pro duzir, para <lu eno espelhoda culá iaça,olills ajlena ao ltabàlho seii~ <kmoldea:~átis!izeiplena_cl;>lh!cuvidade seretrate' o geilióda raça é se reyeia osymbolo do<pom mente as asi;>irai;l\es"que o 'governo visava;, ~exe,mplo '0 deslin o de,joinyh1e estáti"- O sui do,_~rasil,i>elpseu - clrma, : çadd, foi escolhido -parl domlcili o desses, grandes PI oneiios,dô~~grài)decimentq A estrada do seufiitíjrodivisa" se ilo hórison te c o m"h ~m;,s res - nacional, devendo:lheo13rasij;incón- testavelmente o i,,{ptilso vigoroso hi!,,-:plêndeildas fulgurantes: com que "O apenas do amanho dos campos, como azul diaphano deste céu, sem egüai-,-e ~ tambem do estabelecimento das mais semrivat, rebrilham as eslrellas scien, variadas induslris_ iilanti!sdo <Cnizelr9 dosül:- de Sedas Armarinhos- finos ~:- Sempre _ - as uuimasnovidades felíppe DI PPE RUA DO PRINCJPE 439

5 de ' BÓas Festas e feliz AnnoNovo-' Dos sig~atarlos abaixo aos seus parentes e amigos : ' Rua 15 donoombro 324 " '' ' l' Qln\)ill ense 1 1i1\iUf3T'3 ' '," Rua do J'rin(,ipoSlS ' ' rrantis C3 ) pe:~são \)ona ' ' RuaCo;'olhofro ~[ia132 -' ' " '' cen\fal \,\o\el RuaVisçond'; do'raun8y 18:\ <alfalatartc\s:," ', Aos,seus gentisfreguezes as Cas(JsPernam,but:anas desejam, BiõasfeSlas :<)sproprietarfosdesejáinaos!regueús:p~ Bt~B, Aúgli'St~:Sâlfer " ' F,eltzes:,', ' " ' ~ : laml!la " B:6as "Festas'," : ",,", José p ~ Torr~nS ' e lamiliá -' " 'VJeiss ' Ho\el '! RU\,' :;ronymoco~1~o42 " : YtO n\ot, ' 1i,,\l)I't,a Mlaia\ana t Avnid~A~don Baptista 166 'p ~ns~qha\l1\ ' ' ~ "" Rua15d Novmb~ 424, ',' ' 8i1rs e Cafés,; ' Aosiieüs fr,eguezesdesejain tfln NovoA,1iilo ' de feltc1dades:," : ' " ~~~~>~<f ~ ;'" ', ' ~úâ ; BoPj;j»i 65' : ',': "I ' ~,, Ricilrd~Ro~erist~ck e lamllla ', ',: José Navarro Liit!l: e lamilia ~~- '' /) 'QÍ' ' aoa do Prhi ip~ ': 324-' " " : Carlos Nicódemus : " S1hieHo ' 2en~i ", ej~milia ',; é 'i';;úia ";" ", ' :' - f'iantisto H~gemann e lanilha " -- - ' " " -',; " - ~ ' Berievenuto Vieira e serihora _ Ru doi Boo;)b8ii'ó1 128 o 1, Rua 8 Pedro 41 0_, ',

6 Chêfp~l~riél Põ ui] sta - ARMANDOSCtlOONDERMARCK -Grondesorllmenlo de - :CtÜlpéos de sol edecobeça - ARTlGOSFINÓS PARA HOMENS ~~~ : ci~ ',P~cip~,-~ ~C>~#~ sen~ -,c th~ o ', que:avulta :" i, (i6 '~x~~4 :~e F'~rl~ : Aind~o échosini~trodasbombardas da ~ev oluçilo victoria_sa <te outubro reboava por tôda a~ásildãod~territorio brasileir6é láo Gover~ÓPtovlsorio, presiiglado pelo po~of garanildo péljj su~lehiaculo das armas, entrava iúil1la phaseacliva de granei es cogilaçôes d; ~inist_rah~~!:l - ' > :' ', > : : ' Abordou com a energia precisa os magnos problemásde utilldadq~~iii:j _ Visou com es~ecial, c'rinhoasaúd'; a Édoicâçao e a lnstrucçil odo povo :quegoverna, 1:réárido ~ pástada Educiiçãoe SaúdePubli~á Credito Mutuo Predial o Colosso das Sociczdadczs Sorleios mensoes Todo dia 4 eis ]ola2$000 - Melnsalidadczs 2$000 Medico gr,,", Reembolso 9 ranlldo : Capital lixo 300: Capital movol 19800:000$000 o maior sortimento em artigos finos de toda a especie Chapém Ramenzoni, Camisas,Gravalas, ColarinhQs, Meios, ligas, Cüecls, Lenços, Clnlas, Suspemorios, Cilpas,Sobreludos, Clilelaria PerlumclI'ia, Meias e Calçad6s pora senhor a ~,Som brinhas, Unhas para borda r~ Arligos 'para IOilelle, paro barbeiro, par(j itivern o, par;i banho e sporl Arligosde cquroe para viajem E:spelhos, Moidurás e \'Woselc ele CASAPIEPER bo ~ agrada a;odos ÇéÍféPúro Exfr~ E' incomparavel Nãolem :rival José p, Tôrrells " RUA CONSELHEIRO MAfRA~ : 13 Expos ição ~erma nehte, :' "! ) avulta Buscae os bancos escolares! Annaxo Atelier photographlco Bu,", do Pri:coipo a15 - JOINVILLE Usem unicamente PNEUS ükelly" Os melhores Agenles: "Nic;-elau- Mld~r & CiéJ~ Nicolau Mader & Cia Fiobricao de> Her li4atto PremiadA em diverll&li expoaiçi5ea Motriz: CURITYBA, Par ná, Br sil End telegraphlco: "Mador" Caiu poltal lw E1Crlplorlo: Pr~ç tl SeflLldor Morefi 8 FobrlcG: Ruo Jodo Negrdo, 105/1 I I FIIi, JOINVILLE, Sanla Calharin Caiia poatal 61 Eod telegrapbioo :,Mader" F~brlcas : RUlI SdnlOJ, C Yplrungd A Casa Zattar Especialidade em Tecidos finos - Armarinho Variado sortimento de muitas outras fazendas Ruo do Principe 249 ~ --,

7 ~ ~ ' ; ' ' (i:~ ~~ :d~ :D,leu : pas~&d~; FIÔrde IÓllJS ~ ' :: ~ 7 - 'C :;- : '' ' ' Serve:::te:: a rntld~ira ~~g~~ " ~': De :mol~urtl : eo roslo : fr'ilnçoi Corpo: se ~m~ toutin e wa ~ous~sse ' ~uin ' Iyrio: b"-:-tli,~(): ~ (Éoo do ' meu p~~~doj I n rqerno ri a rh --, -~- ' ' ' C~m 0~06, diz ~ 'o Lénda o 16tu& elperárs QU8odo' esle mui orllú'"que nlo :tel;ll cura o Iin~ti flor que ' em si d~8abr~êjlar deviaj ' terminar par8 aempre O meu tormeoto 6ntre{ ~nto b8~téro 8pêmie uw fó dia ' e da vjda "roubando ultimo 'alento, ' 'para vê-lo ~or)'~r: o vento 8 d&!folbârs! ~~~ oorpo ' ~~bp~ohãr 08 ~ep~ltúrs Grande sorlimenlo em: ::Q'J~D'lO" ono~ ~í~h!~i~a: e~ p r a n i~& ar~~d A~a ha de aabar alfil'uem que nloia tàrturs, Q Jlórir de6u amor! É qua nd~ eu p~nlari" Materiaes e Ferragens m~i9 r~e e tnaia compudge o '80rtj:m'ento ter de enc"onlr á~10 on'volto e m d610róaa e' fria para Construcções que 8e oculta e" em aecretp peosame:oto '- nuv:~ji ~~ sof~i rpento, I"rftl de ~I;)focháia 1 :' alimeota, chorao ~ o, 8 dea ve~tura Cutelai-ia M,eu De~ls, ~~~o é ~oi~ro'~ ~ "ida ~e8~ 'rilundo:! por lodos os preços E ai p6d" o m'artirio çons~rn8r-se:: : Como: cá j sobre 'cós - terrifico," iracundo: 010 deixando jamais p~ee'pl~8r e "' ' no dee:p~rtqr dc{ionho 0' vé~ 'da reol ida~el o Ferramentas em geral' DO abismo da descr~nça o eêr pr<?8crito, : ~IO~r 'd ~ i~'t~~ '"-;' Ó' a~or ftorl;l6ce ~~di~l!ie~'t 'e o Oleos lubrificantes de eaperadça ainda rsaln um sonho Ürido: Crucl~-n08; fenece e rle;xa-"ol ((,meote' para qualquer fim - que me ras,r'uem 0 peito e leiam : ri~do ' : na ~ii p~ d~ peito, o'jlrn flor :_ a el\ud~d~! Tintas e Vernizes aobre o meu coração um no rne eecrito V Slo rços'am~hte qu~rerá se trajarecülçéírbem nestes dias defe~tas s Iço I <~C!os,nãohesile, PrOcurei! conhecida CASA GtOBO ::::, :,- ',-; ': que :lhe(')pres\"ntê(,ceillenas dernodeiosretentes,pprpre(qs sem concúr'r~n(ia Arnaldo ~ Thiago louça de Aluminio e fc ' Al:na~do ~ ~hi&~o_ : 'l'ril!~za~ p'ro que triate1a81? ' NãQ v~!e ~ 'pena, ~eriina Tu: inda és p'eqljenin~: J ' :r?~ ' vicia '88 cl~r88 d 'e~~"i8s : De v~ t' 8egurr ~ e a e,'perdnçs ': ro(u wa 81egfi8 de lu z (J~~ia d'''[loi~' to[ú~, Dev e: ~qrrir ' :e" "criança : : ' Na 'tu~ iqs dê qti'~m c~nq8? I '----~_,~_,"""';,"I :A vidb é uni h y ~o <? i~noqe~te Ãnn i tacj(jríb~ Id( ~J!\::1 :,:~::::::~:~; ~: ',": : : A : í)rim~~~e~8: jrii!~j taj (Ú Pe~i~)~ Aa ~ ro~3~ : ~A~ uim : 88pinhos! _ ~J:t!:n~~:~~~~i~r~~I;e:;~:,~~ id~ ~i::7n;:t:i::;i~inho' ~U~I,~:~6~i ~~~!r~ ~~::f:r l:omo i~,colibri [~~tí" hd ~~~~:/D[~~~e~~~~~I~~~ta;:;J;::;:d~ Que,eÍltregár: apedilbil inlicuiado, ~epoi' G,8ribáldi \l'reverti~~! ' 11~~:;rf,~:;{~~gj;;: : ~m::tti~:~~~r~~'~:;i ~~ép~;?::!~ ~~~T~:~t~lj/:: ~\~:6~h~~D~II; ~!~1~~~~~~~~~ flau~fu fllmtida feia "erva-mate em lárga escala Estrip,º-rio em Ponta Grossa, l)~v &,/brl~c~r e ~ ~ ~ jlq~e: DoI ing~ri '(iob paiàariollo8 : Que é~rg e~" e~ r~~o~d~ :: : > ~~~~g;~~:i~:et;:0[;6;~r' (Por OOio,) Emtanto eu vi 16 can8ad~ Naq~ell a noite, re~ord,~'? ~m ' que vibravam ai eor~s& Do violino e auimada LA dentro a dsnnfetuav a E loste, vêr<ia jooono A Iuo p~llid~ e bello Qm~, triste, 8 noite doi~8~a I D'a mernncori~ DlàDa o' ~ A; e~útari~ do 8epaC(O Tufo,te D6[~loiegoçó JOINVILLE - ~ ~ :' 0 " nêcio " Telegrammas: Millon" ~ Caixa postal, 40 c CASA FAV ORITA: Annexa á CASA HERRrfANN ~ Calçados para senhoras, cavalheir~& e creailças Malas, chuteiras, ' e bolas de foot~ball o Grande variedade em chinelos galochas parasenhoras,cavalhelrós ecrean:çâs Rua 9 de Março, 126" Teiephone 66 JOINVlll1': ' AnnilaGaribaldi Depôr; '0 IDagu8 que ' i~':ilana á teu ollrr coro o ~lio :Em n6d~ :a o~vir t~d :4~i~~ MáfB t~íete alndá te 'deixa ~e ' oora'ça~ ' de8r~jto ~r~~~e'ote ' A: :eoluq~i;' : ~~ ' ~anejl~ E a airila duramente : 81ano~8d~, : Em holo)18~8to '3Q 'aeu amoro ardente : Ttit8zaa ' _ p'ra quf,' tneteza"i? ' " C81~OU á pé!, a: honra ~~ ~oulada : 'N~o ~ t6 ~ V~D~ me~lna : ';: ~ ' -: o Até ' oi8bo' ruobtt~u: bravura~ heroicil ~DUO IV:'~ldd oo ~~ : i>i ::uo,eo, d ~' oe,av,~~o :", ' o': E~boéa "A r'is~ cu:mp~i ~ 'a: IU~ ~~a : ') 'F9f"P impulso: de uaia von~de :e:ltoioa" Dev~& ' f8güi~ 'e a ;88per8n ~ " ' ~ flr~~ ~ 'I6;U geni~ :d«(}ierolna Nuroo olgri~d~luz, :,~ Mulher pórdidlll Porque? ior ~er rolí~te t 9~e~a: de' fl9'e8 ~fú"ea ' De: q'ueiii 'foi d~bvelãda óor:iip~nhei~~ r~~v8 ~ôfrlr : té ; : ori~nç~ < A Iad~ 6 pat a batalhar :ov~nte ::_:' : Pela' hodra da: p$tria bràeheira? -," ' ' * ~: ~' éorrer p r~ Ga~i b~ldi c~~~ ~ru B8~b { C"oi in~i~tarde,é ter perdido a ildba1 'Por ventura -se perd~u )gde~ d e Gaetitr A qual depoi,demort,(!oiraldha? "'- ~r88ileir~1 PQ~ D~ú~; ~~:: m~c~ I~j"8 : : -A ~~~o~i'~daq~ejla ~~ " q'ue ee:enlaq,": "- :Todo '0 f!jig~í":-: d,?, ro~so" orope'la O :yrobollco Úgulho d( uroa ro98 : ' M\mcllo Aul~ ElÍd:; 8ERsTAêo" ' Importadores de ',Herva Mate IVI~TRIZ : Joinvi\le "Caixa Postal 103 " Tetephone 315 FILlAES: "Marra: Ouro Verde" (Santa Cath~rinà) :-

8 : : ' ~ : ", ' ", " " " ~" : 'AEMP'RESUL,: : ' ---- o "PlIrt", o la ' Os i>rqdliéto~qq';a ' terradá;~itidàs ~Qe 'mais,', cer,~ Ad' e' E2ri IQ O ' p, 'ooo,res:u oo l Qi$âQOO ' : :- : -mq80-18dç8 porfu_ I em' contribui do para : o j~,ye; desen~qlvim ~ rito econ-(imíço I e,u,e m aos lares s"trlanejos rf êonfiibuíodo : poderosamehle ', Santa do )10SS0 ', Esladó 'lei/ando a ' farlura ' e li' conrqrl~ " - A i:u"sina "-do Bradnho coj;lf ~apacidade parti para o augmerilo':das -no ssas recehas: ~ sem dúvida p~oduzjr 21,qOOcavâlios força e$tádesllnadaaln, a herr~i~:~ev"'i ~S tempreludlcado n~stes ' uuiníos liuir,grandemente; em o desenvolvlmentolnduslilal 'Feverelro de 1932", tem pos O desenvolvimenlo da indu$liía 'hervaleira do norteifoestado: ' acomp8dhado com em noss!) ESlado, induslria <juééslaria : teduildá á " Grila se hoie por ~imples ' politicagem' conlra 'ultima da s' miserias s e 'não :IMa a aelivldade :<la li Empresul devidq á : liixa ' ouro 'Mas nllo lia ca a DODa SerpeDUna directoria do "Inslih,ito :do Male", erguendo'seauiva ' I d - ' bl" - - : e osodhorconfetti, ',' e energica contra ~ s repelidos _gblp -es -dós :inl~res ' p,la, ~s eslrangeir~ 'appl ca os'emserv,çospu,cos sados eril lerir de morte essa nossa grande lonte no Brásil e: em, ou tros piíizes suleilos á' frequenles a oaraoter, oom' de rendáe d'e rec'eita, " ' ',,, crl'ses provôcâdaspeia instabllidade das'instilui grande mariheta ' O Irabalho alanósoque se tem veri!icádo,es-, ' ções 'poliilcas ' dos governos, seme55a exlgencla; çao li 20,20hora p'eclalmente depois dolraeasso das :comb,nações ' " pdrque a : verdild'e ê 'Que-' os: juros e 3' amortisação com os produclores p'a~anaenses~ - "-roendo a_'corâa',' - : disses : ca'pitaes: 'são pagos' em --ouro Fosse_--_ a ço- 1j_6oIuff""CW"O ~ ~/rjiij ~a Estrada de Fer ~o a compromlssos tomados mostra bem':_- o- _' zelo '_ e :a bra:nça 'tellà em' d inheiro 'papele' os pagameritos ~~~~ MERCI _ - a, P H Q, ~~~~a~~~ti1~t~l iguras qüe á lesla,s eenconlramdo no exterior feitoselnooro, i!esdeque nllo pode, Chigtrâo 2~OOOduzill i preços nunca A propaganda leita ultimamenteatravezos :';'os obrigar: o alleinão Ou oingleza' r ceber '0 paizes europeus, orienlada denlro' das n,flliores nor ' nosso dínheira em sl!usre~pecthios paizes, e o'resultado mas' que o : descoruilio aponla,cilalecomo um 'ex~mplo d'e: " 'V I I' ~ o S capacidade commercial e o s Iruclosquedella serão colhidos ' seriaalallenda;:, <, '' ' age sanger rrna dentro de brevetempo, ' liirãoassignalaraelliclencia das ' ' : ' Afa"à ouro <não é uma nollldadeem ]olnvllle, O Padrlca dcz 'mczlas', m~d idas poslas em pralica, moslraijdo a'os scepficoso quanl'}" " con'iraclo delornecimenlo de energja'electrica da Empreza "vale a vonlade ' e '0 eslorço ' quando orienlados eril sadio's ',' ',,' d' ~ ' Jofnville,com a aes Franclsco: IQllello com a condi principios de commercio e ao mesmo lempo de patriolismo: ' d ' Dentre as medidas que- o InsUlulo domate pleite ',çãp' ala~a 'Ouro; c ' 'Novo (" 'junto dos altos poderes, deslacasea de u(l1 aalurada vi : :c, :E poi isio mesmo a Empreza: de s, Francisco cobra gilancia ao clong'o das Ironleiras, de ' molde a'evilarque o o KW:de,luz a, 900"rs, e cobra taxa mlnlma sobre o' lor a, todos os :' seus 'freguezes' e conlrabandli 'promêre ás' escancaras coril lodo "o'seu cor' necirilento 'de lorça sem Que ocontraclo aaulorlse atanlo ' amigos, ' tejo sinislro de ruinosos efleilos nãos6 pa'raaspopulaçõés ', O~em' : (ei ' ó,' corili'acto _: com a' francisquense nlo foi -o como para o proprio erario esladoal; annualmenle- pr'ejudj:~' e,i' preleilo' de)oíitviue nendoi a Einprésul Foloantigo, Rua São Paúlo305~ joinville cado em milhares de conlos dl r,ei:lo'r, da ""'m preza ] Qlrivllh!ns e de Ele',, O Inslilulo do Male lem sido avalvula de segurança, " contra os desvarios d-os egdjslas é dos jn etricldade" ' :BANCO ltt:cional' :CO COKK:&::aCIO leresseiros, que olhando apenas os seus :auando - pass~r - a : ~doai~ - 'situa(;jó :- d _~ ' : - ' FUNOADO EM proprios -_ inleresses desprezam criminosa- -"p-r'em:e'lú:l a-~ _economica- e - fíri~~ceira /:- qua n ' '~de 'Ini~~é~do (~IÍo ~' : R'Ii~J m=~ ~~,,%o~' ~ IOI~~O ti«'i ~oodo ~ R, ~J2jQ,<lOOJOCXl 'mente os da'- collectividade, _' :: _ d~ -: ~e:je_~ ~abél~_~~r o no~so: - cr~dii9 : ~ '0 : A%:-2!:GlRE E41!kkn o«upodo, p~lo ' 8drKg " Ib l coi<lool!xxl Para nó~ "c"alhartnenses, se o_-lnslii,",ló,dl? : ~6S~~ _ : cám _bj~ ~_liingit á _c ~!?~ _ :~e _ {; v~rá o : :: :~~,~ :; p~~ ft4t P,I~~' ~II(IB 'do rllo b'r~t 'do i~r, ~IO C:~no~a-p~:I1~ c:l~ Sul ~~~~s~e:m r_:p':usa~n~~~~ u;h:~~g:t~:n~::r~'p~~':~~~~~~ P ovo' 'd e: : Jo i"nvil le ' q' U e a ;en Ira da -da' Em: -/ ~ f~z ~OOAS : ~\ ~,EAÃÇOEi 8ANC~AI1~ob ~~~J!~~gW~~EiPO~OENTEi ~A)-PR'AÇAS DO PA,,~ como esperança_ eu"-cllva c;1os'nossos ~esllno ~ _que 'e SI~,? reservadrs-a um<?::da_ njssas' maiores Ij,;: " ' pr~siítem -loir:ivil~~ - tepresent~ úm : grande- PM, ) 01 ~ h /o :,,! :, ;~ t: ~~!J,~ ~~iofmt oic (~I(~! ' t Pforol - ~I~~!~~~ que é- Idmbem 'Urod' das nos sa~ _ Jl1alo:res' ::S~tvic;? --:~re _sr~do ~ao seu- -~~~Y~ ~ 3C?, s~~it s _N~[~~1 ~"' ~n~li~ ;, Pltdlo ~1o Ó R,!'! ~o Pnntlpt,;, ~I - CoIIl PO~'' ~ ~ 0 progresso; ' " ', J_,~ """-,"""-,-",---,"T,~,--,-,,"""',,-f A djrec"tqrja êíojns liluio do M -Ie é -acjúatmenl~' Cf r1'ililulda _ pelos seguintes senhores : Presidente:, ' Denf~o deum, mezestará ' inaugul'ado ;M' ' "'1 ' :'''R'',:'h 't: ",' " 'J" " H ff'l ' O:~elephQn'autQmalicoell1 JÓfnv(llé, :ser, -,',ayer eq: ICer 5' 'e:' " c' c o?ss; Hans Jordan; vicepresldt"nl~: WenzeJ : ~~hlhofei ; é M oú h a' d' os I: secre~do: Bern1rdo-S1arnri1; 2' s f'cr~ _ldrlo: Affonso L!"'pper; I': Th"t"s9urelrd: -Arnáldo Doual; :2', viço' que rio ' ~sladó ' s6 ', exisle ell1floria, ' Rua: Jaraguá :j olnvil\e ilopqiis;, e ' Th ' ~~ Up~:fsr:n :, Lneo, e" <addoioii-d'u s ':rseoug' n'' 1 " "'0' lo-;-'m u' 'd' f brlca ::d~ :- elc:o""i p ~ ntdl e ' Rua -~a~n'~ : Cat~~~iha j 186 Assis,Brasll- na S_U3 qualjdad~ ' de: lrilerve'ntor"do ' pentel- ' ':,-"0 I ~ v-(ltê ESládo, o rt"sp!?~tlvo ~refello nl\jnlclpal -dr Plactdo Será, mais 4m se'viço da Emprel\uLá ' nossa,terra " JUÚO le Hci I~ ~Ós ariigos e fresuezes RuA :DuaUE DECAXJASN;' 25, Ar-niarinh() ' érv'hudez~s Aptesenta ;aos seus fregue; ' r-'o_' vrr _,p_'o,-de_o~i~'v_i,"_ ' _ ;~ ~~ ~ : zes os,melhores desejos de ) U UOM A N TE' U fel < " _,; ;"j ~, :jejs,=,~s~~ g~, e, ~ ~s,' '~, '~ :~~ O ÍJ ~, ; ' um N()VOiA~ én I~i veílturoso f~ze ndil ÍlrmÍl<'inh(; reridiu;elc "" : RUA DUQUE, DECI',)ÚASN, 2S:,elarb&BydidXaesemódêl M I [H IE L1N, - 'CHAPELARIA MODERNA, ' ' )yponovo '\EscudoVermelho" " SnipreiÍó~idades em chapeusparasenhorasé crea,6çàs: ~ : 'p~racamjnhões ' " "' e_nleile's os mais' variados' " " ua~iii,boas FESTAS FEUZ AMIl! MOlO 1111 Ollda frlgllzii RUa do Prlncipe Z92 - JOINVlll,E Otto Bennack ~ cina "'-1echanica e Fundição À~ distincta fregue~ia votos de-' BOAS FESTAS Sta, Ca,tha,rina, Cervejaria "GLORIA" de Adolpho Czernay Boas festas a todos os freguezes e amigos 10lDw poreo Vailo Rua Lages 119 Av, 1060 Pessoa 41 VMIIa _ SIo Plulo no I ItIIIHbr de plfftll - arnhl kj'oiiitlr~ Deposltarlos: Dlrmrurl' a rli1 Ir li _ IonnIbro 421 JDI,IIII >~' TOR~EFACÇÃ()b'EÇAfÉ, ~ ~ ~ Pedrô" (rmaye~íe ", ~ ODes~ja atoclos os Seus freg' uezes e a in igose ',,~ Finitas Felizes" ~ Represo:ct:oçOe Rua Duque de Caxias n 404 C~z:nz:niaee Breve! Recomecerá 'a trabalhar a, fabrica dos afamados baldes de zinco Boas Festas JOINVILLe Feliz Pinno Novo Santa Catharina Cervejaria JOãO Reinhold Fabrica de ~~rv~ja, Gazosas e Licores II Uns listas a fadas as SIUS rulnfls Rua Jaguaruna JOINVILlE Tehiphone 2 ~ "

9 ' I', " ', ', ~ "' :,, ' ~- dia -, :ls de' Oei:émb"r'o ; Ais 8 'horas da ~o"u~ " Kol6lJie, Zeitung" SA RAUDA N ÇA NTE tean~corr~u no ' pre~ej:ito - f~~~tó ~~ ptrstâ ~o do oorrool8 o 69<> 8nnive~8rjo do jornaj'"i\olcm",,zblt\ld Fr"; qual, por aua otientaçao, ~:Qur~ta'f~lra, )1' de Dezembro "', certamante uni doa que GRANDE CONCERTO E BAILE maia ae,tem impoeto é pee, Mull(:n do rriolll~"ro )ohnnn SIr:nun fer8dcia 'de toda6 a6 claa: I $ad19 de Zingllio Ouver lure I L Rosu do Sul Valse, onublo Au~l V!ilse '4 Morc-~o Pot pourrl di opereta aea "oóia8', eepec~alrpent8 da oolodia germaoica No píllcii : Entrada humoritica do SEIS FARRISTAS GRANDE BAILE '''''':''1 ","",,'0,; Os, iirg~~sos para' pusoas qu~ ~áo ' s~jam SO~/Qs p~dnôq os Sl'!rs _ assioiios procurar flo std~ '-Q'!I Q "',gorrrgodo' A: &ojoniezeitung" ' " n088ai felicitações, A~ meia noile: Iluminação pel:t esphhii luminos"" 2iraloría r,~,~"'""';,,;;,:-'-,-:"';,"':-,,,-,-',,-~--;,,---',;l--;~,-----~ SANCODO nh,o 6,pe~anÇo~OB'~ 'dáa ~r~ BRASIL o-::,,: ~:ti::::t:, ' : FUNDO DERESERVA :0000$00 ' :621$895 fh lodas operações bancarias' ás melhoreslaxas,: Agencias e torrespondenfes, emtoilas asprincipa~s praças dopai2 ~ Corresponderites no Exlerior AGE:!fCIAemJOINVILLE: i~ad~ PrincipeN: 434 (~BqtiiDa da rua ~ngnie~eyer) " : _ - " " : ' ~ " 5~1;~~ ; U«pois :da Novena,havérá uma-'feeta no Salão Club Jóinville do Ságr~do CoraçAo de Je: : eui, com :Arvore ' d~ NataI, ÇODvUe de p088~ã8 ~61?toe ~ u~ drama '-De o~dem- d~ ' Dir~'ci~ti~ Iyrfcç: óbro 0 natal éonvido os' snrs socios e Dr~ 27 : ':Mi68aa ás 8 'e ás ekmas famijias p'ara ' lq: ~àr9a \ : h8,vendo ' C omm~~ Baile de 3t <lo nhao Geral :da Liga do SAo com Jo'é o Qua'leSle léiara apa,sagem '; Ànri~; ~ N? ~6~ ' : b'i~ ' S' ri to ~ 'no Novo ' lasetàfeirndolpez : Com mudhao Geral d '6' de) 8PQlI:tól~do ' rw;tiab:~ : be"çaocom 8e Ao:1 O:h,oi88, dôra~ ~or ' iodo~: ~a mereq,~dora ' e : j\la ~ ",, M; il;: Asy19J oaq uim STbiaio» Di~:2i,~ : )~ : ~ i~- (ie ' ie,st~' :""" ~ s D:',UniAoFmilf~r' > hl~gnifici\n'l'ebair,e ::': :-:: D i~ )'-~ ' ' :' ~~~~~~:;:;:~~~~':' ' ' 2'diÍld~ i<l8i 26 ~i~~t~:ro:::::~bz' 9 bo,a d milohii:, llivln9, Asylode Orphãos No asvlo municipal de orphilos 'Abdon Bapllsl realisar sé ha, ho;'e, das 16 horas em deanle, a distribuição de mimos aos seus internados VISTA GERAL da grande jabrlca do maravllhoo apj!rlllvo estomacal cuja fama tranpondo a fronteira coneguiu obter o ma' rulcloio succe'so em toda a grande ddades do mundo Dr João Dias de Paiva Rua do RONrlo, S9 10 ando

10 ~~~~~ ~ ~ ~~~~~~ ~ ~IO~ ~ ~ ~~ ~ ~~, --~~~~~~~, l'~lunlc1pio o E PARA T'y " ~~,administração As-"boal admlnhl r oc;6~~ stlo,,em duvida a melhor garantia do progresso: f:' dellcn que depende 060 só (I prosperidade colledlvej como lambem q ptirllcul"r Um ' munlclplo ~~~;,~~~i~,,~~~~~s,e'~~ó~a~:nl~en~~o~~~~~ Paraly, -"('orno ' os deml'lls munldplos do Es lado 1160 poderia esc(lpar (I regrd, Pôúulndo no ~u,ólo loda a rlquezl'l necelsarjo'i <Ia H!U desenvolvimento coube a\ <Jdmlnhlrac;oe\ pas 'sedas organlzeu (I llla vido inlerna dolondo o de ellradds ', de rodagem e" dcmdi' melhor,amentas Indhpcosaveh 10 leu progreno," No ' ~ nl(lnlo n~o ie pode dizer que lod}i as admlnúlra( Óes rjjunlcl p(u~, de 'Peraly cor responderilm Ilelmenle o lua riflalidode Uma} houve melhor~} do qut;! 01 oulr01, in(euzmenle (aliou sempre umo oc c; óo conllnua, capaz de ml:!nln ti mo~cha progreuivo Re'lourodo o mun lc lplo em Oulubro de 1917, dtpojl de um 10P}D de lempo em que elleve enlregue ' (U admlnhlraçóel dlrechu de variol munldplof, Paralr poude novdmenle enlror no rllhmo do plogr e~ lo, e camlnhaf com' leguranço - foram enldo recon"rui40' al e,lrgdol de lod09!m, cornfruldos nóv~ui o que Iudo Conlrlbulu corsjderdve lrnenle para Que o mu nlclplo' le de!envolvene bollanle A,Me Pi:n lou po r Umil completo relormo e denlro em pouco eram Inaugurado! o luz ejeclrico e o lelephone A"' re'voluçóo de 19)0 velo enconlror o mu olclplo 'em boas condl c;õel, seguindo de rolo 1M1I~a vendo Inçremenlados o lua lovour" e '0 seu commerclo t ' de crer Que Ino conll núe "dentro "em pouco poro bem de lodol Inclusl e do" proprlo EII~do A Ramos Alvim Entre os caracteres de elite resiclenl(l's C'm ParalV co~la se o snr, A Ra, mos Alvim, Moço dotado de uma cult ura pouco vulg~r~ de uma polid(l'z (I' criterio a toda prova; de coraçãj nobre e amigo de todos, é elle um homem a quem o fuluro abre lora supprimido T(I'ndt as suas porias sidoeleiloprf'ff'ilo e l<er Residindo em Pa- ceu esse ca rgo por es ralv ha já alguns an- paço ~e um an~o c nos, exerceu o cargo de pouco; quando resignou guarda-lfvros da C'xlin- por conveniencia de ser cta firma Abdon Bptista viço, & Cia, Deve -se a elle (o ptimc'iro Inslituto Re- Entretanto, a s ua conduna, o snu modo miriglon Que l oinville de procl"dl"r, o Sl"U hno teve donde sahiram nu- cavalheirism9 qranqe merosos mo<os e moças aram-lhe a svmpalhia' para a vida commercial 'e a admiração de lodos Transferindo a sua os municipes Que ja residencia para Paralv mais O abandonaram_ como gerrnlp da firnl3 Aclualmenre é s, s Carlos Hoepke S A, O arrendaria dos de- ("oub ~ lhe a ~ar de ou positosdafirmahoepcke IrOS chefes influentes E'm Paralv e negoceia reslaurar 3Quelle muni- cóm madeiras por con cipio Que annos antrs ta propria, possuindo no Es tado os melhores depositas de madeira existentes, Contando (I no r61 dos nossos amigos enviamos-lhe os nossos cumprimentos e os valos de boas feslas e f~ 1iz anno novo Comnterdo ' " -- " f (~Ó01 I C ome ~i e '{,,!lendo 9 mun'-~:! ~ IO dé Pa rai v t: ainda vlrg~rp ~(I e" pl<?r liç4o dai,uas 'ertos P01Suindo lehenos ubeulmo~ ~ va,f"(n plonlcl es corl';do por rlo~ (oudelosos, o municlp lo produz opllmamenh~ 'orroz, leilóq, :" mil ho bolald, mond,ioco, «lnna de~ ' (Is~u (ar; : eolendolnl, cebolas: oltlo, genglbre el~ elc, A 10no do rio Uepon} pr oduilodos'os (~ reces do~ climas lropl<oel O Grroz 'i: 1>(0 : dulldo Cln grllndc cs<:olj O, Insu(oi e 0 rerlnha de ""mondio«i,do produ~idol erj!" g ronde Quonl1dade " O (olnmer~lo do P(lI(lly ~ Inl~rno razendote po rem, em 9~4nde escola com JOlnvllle ~ ~o Froln<llco e em me nor escolo com 81u ~ menou e lialahy " Acluolmenle o munlcipio exporia milhtres de!(lcco, M arro'z, de (Iuucar e '''r1nhol de mandioca, ole~ de muitos oulros" p'roduclol do I oorl;l Nóo possu indo o munlcipio boal eslrodoi O <)rono do! exporloc;6o sc--i oz pela e:slrado de S"nlll Colhadna e 1" 'rilolrlllmo No Inlerior exldem imporlonles COla5 com rnerclaes que cenlrtluz"m o maior parte ' do produc~llo, exporlandcl-a Se o munlciplo possul~-se ' melhores e,ilrodos de rodoge1n 'corrimunlcoc;ões mols' ropldes' e e lljclentes com o Inlerlo; 0 deserivolvlmenlo do commerclo e da lo ouro seria surpreh'e - denle Geryacio ' f, Vieira e familia deselam felizes featab aos sj!us parenfes e pessoas de suas relações A, Ramos ' Alvim e familia auguram um novo anno re " pleto' de felicidades aos seus parentes e am igos, Montezuma de Carvalho e senhora a to'das a's pessoas de suas relações e de sua familia desejam boab festas Mario Sprotte e familia apresentam votos de t'eli1/les festas a todas as pessoas de sua amisade, Pharmacia Vieira = Paraly= Gei'vilsioF Viekil PHARMACEUTico " Manipulação escrupulosa --' Attende se '0 s~rl!lço düjrno e nqdurno-completo sort'i ~~ntó :d~ dtoga~k prod u ct os c"imicos, :espec!ã,iida~es " phatrnaceulic~s' nacionaes e exliartgeiras_ FELIZ ANNO ~ Com as nossas saudações ao nobre povo' de Paraty, áuguramosclhe uin Novo Anno de prosperidade, que erga cada vez mais aos nossos 'olhos o seu grao de progresso e de cultura, I MARIO SPROTTi:: Casa de Seccos e Mciíhados Paraty Fazendas, Ferragens, Bebidas nacionaes,cigarros e outros artigos para' fumariíes ' " ', ' " -; ~ - " JORGE MÚSSI PARAiv : ;Griinde ~~oriod~~orlimenlo ~e orligo$ finos enilecidos,armorinho, ' cdsiinir'as el(' Âpr~veitelll,â opportunidade 4()SIir~Ços _ baratíssimos actuaes' a: t ~~~:n~i:u~u!e~:sdi~it~~i~~el f:~~o p~ que o n~v~ a~nos~ja par~ seus 'parenles eamigone plecto de venltirasmil Cuslodio AngeJio de Oliveira e familia sáudaintodos os seus pa 'rentes e amigos com os ' votos' de felizes festas Montézumade Carvalhp ARMAzEMDESECCOSE MOLHADOS End ;elegraphi~~ ; Moi1lezUm~; ": PAaATY nhor: de Sl\a : ami~3dedesejam um ' ' : l!l~~o,annpprobper~e feliz: " Sanlc'i Cc:it~ili'iriçr '- Br:;sil " Á ~,,R~ MQs ' ALyl, : ~, Par(ll}/,", (Al1éirdatari<i : 49~!!~S~ej)osilC)stloepcke) Sebastião Nunes CASA DE' SECCOS E MOLHADOS Paraty - Santa: Catl!,àrlna Fazendas, Armarihho:Bebidas n~cíonaes ~ Cig~h:o~ ' " d ~s rrielh~~: es marcas; ' Fumos 'especims, Conservas ' eritlallis e - 'o~iros prodljclos Jo~ge M~ssl~ familia aos s,ru ~ a ~ig (is des~iam urr(:n:ovj A-nDo r~pletoéje prq8i>erlda:deá ' : JoãR Chrisiiilno, :Grelimapn efaniilia désejamúm :anno repleoto d& fel1óid~';b aos : s~"u S ~a"tenf~~ ~ pe:s~~a s ' de: s~~s relâçõe~ ;, "'~;,:"~' -::' ;' ;; : "~ : ::: :':7 r ~ç " '2 _ :':" ::,,:>:' -:: :"" ' ~ ::- : Recebe-e ti'a!l$ponailirectamenteaosêiistado dos navios ~ Arniazen~ e gàlj:i6es cob~rt~s, esp'~cia lriienleconstr~ld~s para: _ P:nh9s~r~~do, ~TiSr~s~:~P~~~iir~~~ei~t de ieisérra~as" Totas ' '" ~etc~~0~ls,ai~a~~t1:r:a~t:~, Madeir~s5erradas o,,: ' Desviopariiótlariigadóã E f, SãoP'a~lo ~ RióGran-de; da Estaçãoilo Porto Tra~içl)(;: - i:cin1 :' ~àj~~ó ' 29I1êrtli > ~ Tra~~porle rapidoe ehicié~í~ ~ liistailaç6esrilagnifii:as;taxasconiinil!is ', ~ ~, - ~ ' : ~ ~ ' ~

11 " ' 1 ~ SÃO FRAN GJSCODO- SUL' '~ ' " I?~INC~ZADA HÁH TÓN,9A ' Cótnt MariO H~offmi:u,n Sã'oFrancTs o aommaadante ~Jrib :Hofim~nil: :p~ra Iua ~uo a <;40, ' pilo u IraLo ii)4oo aravel:,plo,oua coltur : :: Princezá da 13abilonga! pelo e~dh80h : ( SáoFrahéisco: Linda' terra ' :~ ~enlob toohni", Terr~ió"mosa que encerra Encanlos como não vi 'Terra de ateias doiradas " Como no mllndo nãoha Ondecanla cisabiá C v'olteia o colibri, N~sg~ de terr~ bemdicta R ecaillocuio primor " ~ ;;ú:~~~et::e2~ee:;r~~eu : t~:riiun~i~deit1àravilhas Que serepeíerriarôdos :E lemúm ceu ~'di2em lodos c O MatcósGorresén Se ' ha ~~,;~ ~~ali~~~~~ ~~~ ~ :~ã;~~: ~ :gloriá :-d~' i~u_~ ' ~iu'idp,hoa ap :~foi"ço proptio;" (j Dr ' M8r~0 GOrreaan é um do 'admira": 'vail ej:e~:plo',1 e'm que'podem & ~ 'devem ' põr '01 olho,li todoll quantol ~Jm9j9m VEm c'ar 08" 91CÓlhCI e' o~ : (topeços to p adoij "no ' c8!d1 "!lh9 agrelte da viq$ ' ~o~teri;iporimea A 80!p~ a vigo - roeoa, aaaign ala dores dft,úrl"r 'entll:gia,'que tbm tanto ' de ':ferrea : ~o 'mo' : de ji-;qiie- :brantavel e de uma 'capacidade por tód:ol "~1 titu "101 invejâyel Im ' p~t :'ea '~ u: Mar- (]õr"r~ije~:ó:oentra OI Q:pJa~ ~oe:":' da : ql;l9 \~ ~e~e : um~ :' gar~~t~~' Be i-'-- ;;;"'-"-,_,-,-,--'-,_,--'---'L--''--_-, ~U,D' Blp~~~ç~el : ~e ju~tiq8~; ": iilu t" O,[fIC, " ii~ 4!iEf(\:~~~ : DeipacHahle ' AdiJll~eiro VAP~ii~í~I~:~, E t~~}?i"ft,~i~~ ' ''B:r~t6-: ' C~I~e " iorrei~ ' ] : " Salaerfrancisquellses Qúe,oANNO"NO\/O ericha de tçmtas ~entu ras osyossos lç1res como de grão,s de~reia cdbertas se ' encontram as ' vossas ' poe,ficas risonhcispraias : ' 1932 (afétbiqllinho Salão de"bhhares ' Sãô Fral1tiS(o dosuí ', : ',"'-' \ ", José Carvalhó Filho JOIé Alvol de CMvalho Filho retrat ua lua pychologia f)e homem de trabft lho, o eapitito de inl' oiativa de leu,audopo o honrado pao a quom Slo Francico do Sul ficou dovendo lervtçoi indp~avel, Dotado d ~ronda violo,,ymboli ndo pel hoorad proj>ria honra, O ar, Joé Alv d Çervalho Filho vim nguindo OI pallol de leu progenitor, DOI HUI anlelol In Ufítcl d d"dvolvl meoto e progneto da teru formo que lhe ur lo de berço eommerciante probo o u tat>eleeimento, m duo \',da o mai importa0'" d Slo Francieo Limbra como mo dfllnr nempfo do quanto pode o Mfor~ doe que le apoiam no Irabalho, tomo Imenlo primlorl do triumphol que 10 dedol ao homm oonqulour na vld Willy Scho~land 'Soolo d rirmo Scho lond & Kam pke, forma ao ludo do mal laborio '0' commerciantaa de 810 FrancilCo A energia e tenacidade do leu la~ bor valeu lha O podor dootro de bre vea di"', eommerejar IJOb eu nomoindividuai, no predio de ua propri dado 4 rua Babitonga 49 ~, Bernardo Truppel Dentre &I figuro marca~te q\18 em S!t"raDoieo do Sul ue), anvolvm 8 lua actividade, deltaca-tle o Ir Bernardo TruppeJ Largamente relaciooarlo nio apeuu na torra oade relide, oomo em todo o Elado, volo o MU nomo como fl mula do honetidade, atrabiodo para a lua p,loa ai lymplitbialj e o I"6Ipeito d todol que oom lia privam na intimidade, ou que 0000 n hajam d ' Ita bt r qu quer relaco d oanotm eommlnial o ar e ardo Troppol oot' latlmmoal ligado Fralloioo do Sul, por laça0 IDdooouluvole d uma de _ Eooe lialardlo oodquliloll O ptl CODduola tltmplar d líomem de bem " dlrell ptl aóllvldd ela oua m plelçlo de lutador e d abu"t!odo, DO IDlller qumldlu>o d ou ariblllço'"

12 ~ -: ~ ~ ~~: : :,,~ ' ~ " ' Carlos da Costa Pereira I" T dbellhio de Nolds e Olliciéll do Regislro de Im moveis ' ~ Rua Marechal Floriano, 13 São Francisco Filrmilciil SOUZiI Limil OLIVIO NOBREGA 'Ruo Ba bilo ngo N, 31 - Telelone N, 15 "~~r'--,-~-- Variado sorlimenio ' drogas, especialidades farmaceulicas, produ{o-s quimicos; arligos d'e borracha, injeções, soros, efc Hotel Mattana SjQ frmlsce ia SI o,'" ctld,al dnta dda;c Mrr, li'bi pjf Q a' OI: A ' fr bala õjctoíti r: dç~c!o P;HIt os I nn ' ü J;an'us> c ex" ' r, m' I Tl'a"~ loc!01 o- fon:lpu1i:llaj los millliiadót 11ft,Itttll,, o ncndo d~' p~,('i ld ~bll pr1 o ~("rvl(o 1nIoo_1I ~ "' tlllo Hom- opatla d Araujo Penn, stock completo, Per!umarhls nacionaes e estrangeiras Tinta GERlIf['AIUA para IIngi~ roupa Café Popular (BILHAR) Doces e empadas frescas diariamenl Natal e A n n o Bom "Pão Nalividade" Rue 8~b " onga, JS Sio FrUCHCO do SI 2" T abellióo de Nolds Escrivão de Orliios, éivil e comércio Rua Marechal Floriano, 15 Sãofl'i1n~i5rO do Sal Marcos GÕr resen, SÃO FRANCISCO J FABRICA DE CONSERVAS Importação Engln~o di btllliciir um Exportaçao DiplomA da honra,c() ll c(! " ; ci ~ pelo lnatituto Agricola 8 rail9iro do R,o dn Janelro fi Fabncll dij Conlorva Alimantloia ~ Caixa Postal n, 10 End lo(egr: "Marcos" Cod,: Ribeir-o Rua Marecha l Flo r iano 45

13 '",", ' :, 'iniciativa', ' " ",, ' " Dentreos~r~ridesestabeleÚme~tos cool'l'erclaesde, S~nta Catharina desiaú se QÚllpa'úlo a vanguarda', a Casa Hoepcke n~o ':sópelaamplitud<,dosseus n!locioscomo pela salidei dqs' seus recursos: -- ',' ' ; 0 iogardee~éépc i~nal destaq~equeiustameill~ dis ' fruc1a> assenta na" honradézimpollula dos seudirigentes denlre os Quaes nos' cab dstacar a personalidade de alto ' Selinke à quai ;i tsia dosnegociosdai;';po'tailt firma ' '':asucciirs~i ;d~ ' vislnh" :ddad des~o Francisco do Sul lm sldo um admira~él eempto de trabalho çill;structor e de âctlvid~de c,eado'a ' ' 0 mílndo segun4o; u;'; velho proverbioalleni~ope( tence aos: abngóúlps Que fazem dae,jergia a mola propul sora das inlciativas : p~àveitosas ; sendo,que: na opinião de jacquescoeur; 'p'ara' os esplr'ilo's alnt~~os e dispostos não ' na :imp:ossiveis ' ' :, ': ' :: ',, " Cicero, vae maislong~ q'~and' o diz : - elodo o Iioniem riciie duas' spedes de educa ' ção uma que lhe é dada pelos se~~ semelhanle~eoulrá ; l11uito: mai's, importanitt,:q'ile ', elle proprio 'dá a ' si me~mo : : 00 o o obooo o o o o o a 0 0 o 00 o? 0,00,, ' Oito Selinké ertql\adrase perfeita;';e,;te aestesapien tissimo conceito Mais d'o que' a educação que ' lhe fo i Oito Sellnke ' dada: pelos' seus semelhantes tem,ehe assent,~dq : a' IÜlha Gerenrõ da ee Hoepçko em S Francisco i~delectilleldasuac"nductana educação ljue a 'si mesmo ':em dadd~ "torrtatt'do se, 'uni 'ex:emplb de capacidade admi ooooouooouuoooooooooo n-i 'slr~tiva no::'meneio dos negocias da ' grand'e casa co mmeí" I tial que o i/enerando e sáudosocarl Hoepcke lundou e ' qoe a alia visão dê seus deiis filhos Max e Carl consegui > ram m'anter pela honradez inconcussa dos só us caracfúes plo alan Qu'oti9iano da sua actividade Como estei" vigoroso ~!> ' progresso sempre crescente e 'réspeuablridade cada vez maior da Casa HoePcke distingue se'úilo Sénnke pelo sugalha~dócavalheinsmo : e pela sua i~~eiaiieicul: : tura o que vem allestar o principio de que enlre '0" Irati á lho e o saber não ha antagonismos ' Aflás tál acerto, 'não' se restri~ge aos ;';odernos lem" poso Platão que por sér tãei sabio foicognomiíladó o edivino pagou as despezas' da sua' viage'm' 'ao Egypfo vendendo oleos nos palies 'poronde passou; 'Splilosi':::o ' philosopho ganhou a' vida ' polindo espelhos; (;inneü;,~ii niesmo tempo que se dedicava ao estudo das pl~ntas tra " balhava como sapateiro; lhales o primeiro d06:seté sa bios e Solon o segundo 'edlflcadorde Athenas deram na sua é~ honradas e proveítosas lições coino 'homens de negocios " Inserindo'esle numero especial uma secção ddiaida a S Francisco do Sul mal nos 'ficaria deijeandodep;;star a devida homenagem a Oflo Sennke cufa vidatrr\ sido ' um evangelho de virtudes escriplo a golpes 'de trabalho que se reflectam não apenas 'na terra : onde nasceu e 'vem deserivolvendo a sua activf"ffade mas que iiiuminami pelo' exemplo apropria nacionalidade q ue en~onira nos homens da sua te;';pera; " penhor seguro e infafll~el dà victori atrave,; o fastigio dos seus gloriosos destin!>s ~_ ~~~ ~_~~~~~~~~ ~~------_ ~--~----~~ ~--~ ~I, ' ' ' C A :, ':" ', R I t: O S "--_- c :,,',' ","" " ',', '-- :-- HOepCKE " :,,;,; ' ' 5 A São Francisco do Súl CasaUatr1:&:rionanopo11s-:F111aeS ::91 u=~nau LageB~ ieg~a Importado re s Ag ellte s m a r itim os J)espa~boséExpediçQés -Séglirôsmaritlmos e te est es Seguros,~eguladorE{s de Avarias RczprczscZlllá njcisdo$ Uan~~s: ' R<zpresczntantczs das: Banco do Bra$il Banco National dpcom~erci6 Ban'co Allemão Gazmotoren fabrik Deulz ' ''acumoil CompanyAnglo Mexican - transatlai\ucobank~1 London &SouthÂiJ,ericâLta; Pefroleum CompanyLta - Bancofrancei ellal1aitoe Banco Germanico da Àinericado Sul ford' Motor (ompany-the Goodyear Tire RabJerCompany ", >~ " EnussionariosdeV"alês OtifodOBanco ~ do Brasil }lgczlllcl,~d~sç~rnpimtila~ dczha~~gaç~o: '- ' ~ran~czsllrmaz(ins cz DIZP~sitos Erhpre'za '' de Na\ieg~'çãoHoepckeL1oYdNacion~1 Sul 'Amerii!ario, ' para : rn~tç~dori~s ~m~alpõ~osespedàlmentepara ' ' ' ' ':, S()d~dadél)áúHsia aenav~ga~ãômatarazzo ', ' madeiras, Óepositosespeciaes para her~amate e café, VAPQ R~,S :> Efha;, '~Lagunâ ;AlIlaran tê «Jupi ter' ~ Venus Depositôs 'em, Paratypara madeiràs co~ trapiehepai-a embarque '~ ' Nordá~úts2hér Ltoyd Bré!l)eíi; lirieasueca Brasil ~LaJilata', S~r\liço ~eglllarde cargá entre SÚfrancisco,Paraty e JoiniiiHe : ' Ltoyd, Real ;Belga S, A; johnsqn Une; ' Skotlarid Une;' Ll6yd Real ' Deposito{em}pinville paramadei,as com ' tra~ictie, ~ ' ' '' ' ' ti()landez l ~ MlÍiisQn ' Steaniship ~Liries; ille' (ómiliksteámshi,p, ' Tt~piches em São fra1jdscp para atracação de vapores ~" R eboc:a ~ ;Co(lÍji~nhi~ ; ch[iel1amnavigáçãó tnteróceiriic~ ',: Secção' Cle Vepâõs: " : ' ' (}rcrnd~ mqsrrücqr[q " ~,, azenâas, lirm~rinhoifefragens, cabos; linlas oleos lubrificanles- i ",p~çó~n, ger~t :in~"'um~~los : p~ra ' I~:v()~~â:, pia~os papelâria ele ek~ ~F: ;j,~ d? '~ ' c a' t~ ~ c 'o n~o t :L ~ ' ílti ", ' ~l'viç()aéreq (Qdas s ças x ) ~:::~iliwti;cemà'w dos âtmãdóiópélfelh(k ':~J,RA[jIOTELEFUNKEN: '' ' " ' ',, ', < :~e+a~ p~rfi,lâ~ ' ~I ~dtrí 6à', > DepQsitarioà' da CERVEJllRI1\ CRTHl\RINENSE LTDJ\ 'de johlviiie "~ ' ', ' :,' "

14 c :;o-===-=-,= : TRUPPEL & ela, Agentes Maritimos ltepresentações - Commissões e Consignações ~-'=== Agentes da = Hamburg-Süõamerikanische Dampfschiffahrts-Gesellschaft e tlamburg-amerika-linie Para passagens e fretes e do Norddeutscher LJoyd ' Bremen - Para freites Serviço regular de vapores passageiros entre HAMBURGO RIO DE JANEIRO SANTOS SÃO FRANCISCO DO SUL RIO GRANDE MONTEVIDEO e BUENOS AIRES ; emitlindo passagens de chamada de qualquer local da Europa para o Brasil SeRViÇO DE CARGAS para Hamburgo e outros portos da Europa com um vapor quinzenalmente = Despachos e Expedição: = encarrega-se do recebimento classificação despacho e embarque de madeiras, ete o E:cdereQo te:egrafico: TRUPPEL" - Caixa poetal 89 SÃO FltANCISCO DO SUL A BABITONCA Dos portos maritimos de Santa Catharina destaca-se por suas condições especiaes o de São Francisco do Sul E élle o escoadouro dos pro- duclos da mais prospera e fiorescenle zona do nosso Eslado tornando-se o cenlrqconvergente NAVECAÇAO Nestes ufl imos annos a marinha mercante tem ' procura do dotar as 'suas unidadei: de tudo quanto épossivel irnaginaro genio modernista da'hora pre; s ~ nte brôr ~ perola suggestionai11e das "Mil e uma noites" Por seu turno ~ marinha na zam os mares 'as par- cional;p'ccura comji'erisarobrr; " tés do globo registrado diariamente na vasta tiahiada "Ba- 'Iho dessa luxuosidade com a ' hygiene e o conlorto queéa bitóriga'\ cuja sumptuosidade é propaganda maxlm'a que pode magriilícencia se abraça ao fui ' ' da' " fa'zer-se para, atrahir a prefe ero d'eaclividadeque, repre, Hamburg-Südamerikanischen Dampfschiffahrts-Gesellschaft senta rendados iliajantes ~~~~~ COlll panhiádê N, v lloyd:brasheito ' Co I11 pa,nhianacional' de Navegação " Costeira ~ Linha ' Manaus~BUénosAyres' âoriodejaneiro naspriiiléiras e terças-feiras de ServLda por ]JaqiJ~tes ' di la ordemrêcebendo L' :pal;sage:lros: e cai:gasdirect~mente~ para R ia Orande m bnte Ayreseç(ji'riltan$bordo para Pelotás Porlo 'hn,lirõ; n s~nta; Vidoriã;: Rio~araguay ' e ' :porlós dê Ur'lha-)~iO~ Laguna Servida por ulllv~íl9 ;, qje : iàzqlláiro < viagens' por, ~est~ ~ur/~;a~~~:~~t~oer~~u~~p~ra, o sul, ~ a 2 êu Linhad ~ ;Carguejrds- p~r:ao RiQ, ~~Prata > s~rvida'por bons )l~vios cargíleiros : D~lllai5 ) ~j O:flll~çÕesna ' Age~ciaém S :FranciscO,Pfaç~ da < l~depéridencia ' ~n~,~ ~\3~f \ tei:egiaphlco: : ~AVg LOVP VIAQENS RAPInAS Serviço dé Cargas e passageiros para o ~ pori'o s do norle es;'ld~ p~iz coryl os, m 'agnifico ~ e c6nforlavei~: paq~t> l t> s : ' clfagiba~,: Itabera ~' ~lfa i ubiia li~qualia~, <lltapuhr_, :ltali~ga II~qu era, cltauba~ ~Itassuce, : chapura ~, ' liapema_ -e cllapuca,', - ' Nâvíos limpos; ' de ' boa marcha, 'po &-i u i nd~excellentes camarotes em Cim'a e bem ve ntilados ',""I ~ i o ' ~ ' :t:n: ~ ~ o ' ~, ~ ": Os seiihores passageiros que d seiar~mvi"i"r pará 0 SUL de'v'~r1l6 "estar e"m 'São fréincisco ás se)( ~ as fejras pela 'manhã; p, "cis:que desejarem ' vi~i'h para ' o NORTe; ás lerç as [eiraslambem peta manhã : ' :A~, i~am~s aos' s e ~ho r ~~, pas~ ~geirq~' que 'Ianlo para o' qul c~ ~ o para' ~ ' " ' Norle as parlidas serão ás' la horas da manhã ' ' PASSAGENS sfa'; ; ~" éj1 dida s ;"ediarileapr"senládio de allesiad~ ' de ' vaccina alé o momenlo "de sahida dos paqueles ","" Ca:;gss"' V'~ ~~ ~á " ~" Encb~end~a ',,'!'Iecebem par,( o SULàtL porio Al~[fre e para o NORTE alé B~olfe ' O~ lras ini_ormadfe; '9~~irà~ J~ ~ar n~ 'Á"g ~ nc :i a :' ~~ Có~pan~i~ ~~ S :f:~ancísco " Caixa Posal 42 - T ej~grainm8; "Çostelr"~ ' ANTONIO PE~RODE : OLIY~IRA;Agenie S; I!~Gll ~ AY~ MO~ :~t Q I\\ e c : rull~ '~e p~c,l1j1;~~:~a~s s~!;~: Mari~iD10fJ '' ', ~ &Om : vapo~esparaospqrtosd6 ; nortt\6: sllj dopaiz "'sem ba1de~i\o, " ",

15 " ' : ~ "o : " : Antqqib ped~q de V~I~E~:li:~~ár~:C:i::;\:~r;~h~:!:~~ ~ ; ÔA~I:~~~;~~:oj:\~ I~: çi~ "Co,teirà r~~ ~diôi o : Com "a j ~6\'i ç ç~o ' do' 'q~ 9 :' cum p~imo" " ~i;!:v:: t ~:;l:~: P:: P~:Z: r::: ~ ::::i"~~d ::,~:~Daird~'::,~ i~~:v: i~~a : p'~j~ ~g:~~,~ i ~ : ' d~' \ Cgeteiro' 'em ' "8 Francil:lc9 I::~~;g:E::;:::: tobolla, de ' froles q uo :vig'o : 2~~:~~~~7;~ª : : ':d" :o ~ :mo : pdr,~o'u:d : O~'to~ ~: ~,_, : o ~ b:rrot,: roob;~r A aclividade 'co~~ e rc';e'i : ' :e:m 'lu alquor du au ~s modali d~de8 ~ be"e(lcal! ~ exige qu ali (;l~ d elj q ll ~ 'tor~ 'am ' 'o h o m~d1 dlg~q de c~"iidoraçi\o o r~a poito' no meio aocial" ~in quo lt"e'seni,"ol\"'o o : ar-"u lfobalho proficuq ', A': fi~mn Ser"l::!o A, Nobrega ~: ci~ <lo S, Fra~oiaco Ád u 'yiuva e filhos do antjgo del ~ ' : Por' ' '1~m~a~' Ko feho ern '2S' ~~ aet~dfb ~o ~ ~Q ~ e 6'r ~~ nte : ~rino', ~:I:p:~':i:ad:d~~: c::;~:i'zj\'~: ~:Zii :~,:~;;:~ié~1r;;:dà: ~~ pr ~~a ilao (~JlI : ~'tít' " s: F~'8I i ~ "faco ~ o' ~o-a~o:' diatincto ~ "~ : ezado co ~ a~a~~a ~o j' : a~ : B r~uli9 ' de S d~~~ : :L(rn:/ ' FUDCcioD,: ario ; d ~ Lio~d ' ad~l!ne i ro S~ : ~ergio ~e~de:l9i4, ~~a~d~ ': o~~oi ' AIJgu3to Nob(eg8, I~ndadil ero agenleo ~~e98 :, corppânb ia ts~ 9: te've c~mo ie~ primeiro aii: oa:: era A ' B~~~~ta :~ 8 YalOr08~ '[lropugnador o ci c ' o' ~r ara,iúo 'de Sou~~ ' <: ~~dj'o li' quem : " 0 8 e ~ abaru08 ' ' ' ' 'd~ "referir" e "que todo ~ çom: :L: ma ~' ~~I ~!1 ~ o ' im~?ir~o : :~: ~er~io, _ c8nto 'd':aqú'élla cidado : c o ll6id ~u~ç~o de se~~ eupe- ' co~o ' de Jo{ovill'o, :sompre co riore, pe1a e'ua hode8tidadq opoceu co~c? um perreito ca ~ ~Õd~ a prova,' ~:8ndo por- dno~~ Jp : roj!;g :e r~:::, A, o ut,:~*no i ol' :r _ ~ I" ~\I1h n ira Q: / : ~umrn ~I ~b,ja ':o ~_ i,;: t:a: rn:~b;!m~:r; içn:;': 'r~d~:o';m:r~o ~,_aoo '(anto', um' ~cl:o d~ : j~a~iç~ li "'I b o ~ ' ~ ~ua ' ~e~~dte n'óniê~çl\o para o alt9 po~~ co~ ' qu", ~oaba ~~ : ' :": ' ;t:p~e~a tr~i:?~~;r~o::roq~:~t:r:~ D:~;à; ~~~"::~:::o '' :; i~~r:i: ~;g:::pr~o~~~~: " m di;~::~~!o ~~ora~:~:o ::: ~:~t:'roi:c::~::::;: : ~Jr;~- ' tilmo8 ao Sr; Braulio de 'SoUM Lima ai' coalu o(fuah'a~ : ' G~urdB dai '-tra4iç~~b :patermi'p, 'O p o~~ Q 'l~ ometiagoado ' bq~ -I-,Ic- ~ P~trQni~ho :Vi(;l()r :(j~ SoJza 'com i-\r *~l-~z~p ~ ~ $cscco~ ~ivi:?l ~~d9~ ' " JUlI)os,'e seus Pfl!Pimidos~ ' Café em pó; Chá licrva :Alate; fruetas Cordas : pa;ipescare out,-os gerreriis ãtíine'iiticios ae '1" :quaiidade - ' <:~u~7d~ Sété~broN~a ', ' ' Ffh\NGISG<? reiicitaçoe~ : ~~~ ~~'~~~I IL~ ~~~hl PADARIA ESPERANÇA ' ', de ' ' : ' Viúva Ae Pedro<C:alc11n1 deqliv~1:ra Eíptclllld4dl : 11'1,WS:lill,UtOI b~!ii'l dálllllialllos iloiojlrll Itr T~balha " Com 88 'melhoroa" fa~inbãa ': do ~MoiDbO FI~mi~ eo8e", ~ Ac~iia ~"'cp~en~as ' pã'r~ bali~~ dos : ca s ~l11e ~I~~ etç '::',\\arechal Floriano ~eixbio N - 1'( - ' SÃO' frànélsco,, o nau pudérmos rlefxar ~ : afereccla O Dome de Pe- tro ullho V de SOUZ8, como oxpreildo "\'ivlda quo é d~ devot8~ me'dto 80 trabalho u do amor Ilctisolado, dua terrs l que I ~~ ~~~~:~~_:~~~~ I!Dcoolrado neue um baluarte 4BOh,ivo da -epqt ~~piroçoe, _ J d João edam~ ARMAZEM DE SECCOS E,OOLIiADOS Etpecialita om Maoteiga Queijo Bltnh~ Ljogulça- e Cor A CASA MAIS BARATEIRA ~ÃO FRANCISCO - Rua Babilo~g] N 55 - Esi S Ca: harina que ál~~ :~ r~levantb "II~r~iço Jho deve 8 muito! ainda lbm ' 8 ~porar ' dll tua cp~idl\qe 8 da Ilt18 aotu~çi~, o" ~ J()àO Adams ' A~~~:8 ::'0 ~odh~~ ido p;op~~ etá~io da imp~ltaíl(e :Cllia > I 8swbelecida em ~SAo Francisco do Sul, 'Da Bua : pefllon alid 8de augg6ijtiva duaâ: a ' p,reciáy éle lacmaa- : Ii dó egontlé- r roap» o a do homem ' de nã gq~io~ ; : ' ': ri8 qu~'? ' bave'r,c~'d ({~i8ta~o ' '8: 8yt:I:lpsthI8: 8 8 'e8tl~a ~B:B flgu ' : fal ' mais doetacaveis : da 'cprin- ;' :: ~:: ~l~'!:~~!l~:'~b~~'!~~~ ~~~~ : : greeeo dá terra, Q,ridê :vem das" envolvendo: a ' 8ua: 8ctiv(dsdo', t1mbraodo pel ~ e60ruptjfq ::~ pe!"a : rara' c~pac'idad~ d~ q ue 6 'do:-" ( ta!!o ' 'João' Ad8 m~ ; pode ' afirinar~~8 J : :;Tiutr~ 'por': SJo : Fr~~oiãco uma :~~r~8deira : ved~ taçloi qiie~ lbe é ' ' ju8tâ me~f:e r~ti t~ido pelo ~preço ' oro que : todo~ '9' têm, devido 4e!Juaa : ~ltal - qu~lid~~68 ~o trahalh<i :e ao, lieus 'exoepcionaes dotes d~ '; ~ m a: fi~,af~~" ~xtre W~' : :,: ' ' p" : ;ài~~~~~~lrij~~rfi ~~Umpbmo - coai~ro do'y;i lixij><ialo ae Jorge Zattar& Cia " : ; Pt«ço 15 da :t:r6 o=b~o ' Sedas Fazendas e Armarinhos fali I," liilrl~ "'111 I UlIIIII, :: 0IIni,rtps filt" ÃO FRANCiSCO ' DO SUL ' : : Schossland K Kampke CASA CARVALHO de Carvalho e Filho JOSé Antonio de Oliveira filho # Se ecos e Molhados l"ol'tnecedo:res DE NAVIOS l" b~io de Gelo end lelegr: Kampland" Caixa postal n 39 Rua Babltonga n, 49 - SÃO FRANCISCO SIn18 C1hrln Rua Babitonga e CoL Jose Alvo d Carvalho T elegr "Córv/llho" Coixi"J pollol 49 São Frllnclsco do Sul Armazem d e S ec(05 e Molhados Padaria e ConleUarla elefro mecanica Engenho de beneficiar arroz Deposilo de madeiras o mal erlao para construção Carpintaria' com mifquinas para a parelhar madeiras Lenha grossa e enada Teleg<, "Oliva" - Codigo Ribeiro' - Caixan 61 Se ecos e Molh~dos - Exporloção São francisco do Sul Sanla Calharlna

16 " '! ç ' Moinho ' " " LXIJ4)EMPRE E5TAj ~RINHA5 Dl: TRIGO ) ~A-M-A~IS"----c f O":"R:-::T-::E A MAIS BARATA 16 '" ~' A' NOSSA FREGUES1A ' " ' ' ',, ' ' ' c--onossopresentenanr!93'2 Porqlle é um presente? Vamos dizel-o : A qublidado ~nirorme e constanle das fsrinhs8 depondo, um grande porte, da poeeibili dnde do nrnl8 Z8nSr bdt,tanlelrigo Olll grão, pata reduzir 80 mini lua (\if&ront;'us que pod"em hllver enlre \111 u outro embarque, co pura poltor dispor em qual '11101' molllento, de trigos produ 1\ct08 em Ulna:t diferentob 08 n08508 anugo8 silo, ia ti nham capacidade de orm8t8061' um mioimo (lo 1500,000 quilo do trig:o e com al8e te mos podido oferocer lioe clicn los lipolt d t fari nha ' pêlo me~ no\ iguêlis aos " do quaisquer outrll8 pl'ocedimcie8, o não pre; dul\"aniott, por onquanto, nosta época d<j crise f&7e1' uma des pu,," t l\o ele\'odtl qual a da cans trllçito de nov08 silos No entretanto no desejo de não medirmos tiserifleio8 a bem doa n08808 freguezes resolve,"'os i)umenti)r pi)ra o dóbro os nossos silos, a que rep rell6nt& uma déspesa de 3ãO oonloii de réis (repetimos, tre 7tmloa e clnco8ntaf oxclutiiyamente ' para mrnter: ainda maia 8 uniformidade d8s nossas fa rinhaa Etlla despeea; POlg, é um obsequio ' fej(o á norr8 fregu& ala, vieto eomo nenhum 'lucro "Silos" para arm~ienar 15~~ : OOO quhós ctetrigo em gr~o direto prpduzita ao Moinho, ",,' '', : ' F~zemoR isto porque tet:n0s confiança no futuro d~ ' Santa Vn th!iri1?~ ' e: por"qqo lambt)m noa Qnima 8 ~ erte:r;a de que oa n08sos r~('gu e8ee 8~berAo;" Qr:n r~lrib u i çii:o a08 n rorços, 'contribuir, com 8 suo prefereneia pe l b~ 0; ~prodll'to~, para o n0880 progresso, que 1heR traosmutará na gonmtja d~ ' reeej)er sempre as melhoresfarinhás MOINHO JÓtNVlllE L '! Instituto do Mãte ' Joiúvi lie Santa Catharinâ ' ' ' ~Jasit r : Tomar"mate ' ', ' : e' dever :! o FABRICJvàrs: ' JORDAN~ ' (ierkeniôa ":,:, : " ' " :",, ~ ':' : ': lo) twllle~st~ CATHARIHA~BRAS)l ' :: : - ' ' ; "" de todo'<bom:,:brasileiro e~ ' fªt~s,' ' o : :'" ', : ~, ' ': ' ' Aperitivo Estomacal '", emp :a~~tes

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O A B O R T O : U M A Q U E S T Ã O M O R A L, L E G A L, C U L T U R A L E E C O N Ô M I C A C U R I T I B A

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da fuvest 009 ª fase - Matemática 08.0.009 MATEMÁTIA Q.0 Na figura ao lado, a reta r tem equação y x no plano cartesiano Oxy. Além dis so, os pontos 0,,, estão na reta r, sendo 0 = (0,). Os pontos A 0,

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO

O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO DOUGLAS ADAMS O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO Volume Dois da Série O MOCHILEIRO DAS GALÁXIAS A Jane e James, agradecimentos profundos; a Geoffrey Perkins, por realizar

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M N Ú C L E O D E C O M P R A S E L I C I T A Ç Ã O A U T O R I Z A Ç Ã O P A R A R E A L I Z A Ç Ã O D E C E R T A M E L I C I T A T Ó R I O M O D A L I D A D E P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 027/ 2

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

FOI DEUS QUEM FEZ VOCÊ

FOI DEUS QUEM FEZ VOCÊ FOI DEUS QUEM FEZ OCÊ AMELINHA Arr Neton W Mcedo Crmo Gregory c c c Deus que fez vo - Deus quem fez vo - Deus quem fez vo- c Deus quem fez vo - J De-us 4 Deus quem fez vo - Deus quem fez vo - J Deus quem

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12 R A M F A R A N D O L E 12 ru e d e R ib e a u v illé 6 7 7 3 0 C H A T E N O IS R e s p o n s a b le s d u R e la is : B ie g e l H. - R o e s c h C. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : * * * * * * * * *

Leia mais

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024 E S T A D O D E S A N T A C A T A R I N A P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E M A J O R V I E I R A S E C R E T A R I A M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O, C U L T U R A E D E S P O R T O C N

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 1 a Começa assim Este jogo começa com todos os participantes procurando as PA LAVRAS SEMENTES. E isso não é nada difícil! Basta as pessoas que vão jogar o jogo saírem conversando

Leia mais

"Dorme enquanto eu velo"

Dorme enquanto eu velo poesia: Fernando Pessoa q = 60 6 "Dorme enquanto eu velo" para voz e piano legato Dor Patrícia Lopes J - me en. quan - to eu ve - lo Dei - xa me -. - so nhar 11. Na - da'em mim é ri - so - nho. 1. Que

Leia mais

Quero um Novo Lar پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 0 پ0 0 پ0 3پ0 0 پ0 3 پ0 0

Quero um Novo Lar پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 0 پ0 0 پ0 3پ0 0 پ0 3 پ0 0 1 3 پ0 7 _ پ0 7 _ پ0 7 _ & 4 7 A. ز E 7 1 j j پ0گ7? 4 n #_ n _ L? Mi - nha ca -sa e -ra ve - ha nپ0ٹ0o po - di - a su - por - tar پ0ˆ7. _ eu me 4 پ0 7 پ0 8 & E 7 G 6 /A A _.. nnn_ n پ0ˆ7_ j j j j G j پ0گ7

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s.

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s. O r ie n ta ç õ e s In i ci ai s E u, R ic k N e ls o n - P e rs on a l & P rof e s s io n al C o a c h - a c re dito qu e o o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te

Leia mais

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP White Paper Flexibilidade e economia na era IP Saiba como utilizar as tecnologias mais modernas de comunicação de voz pela internet para conseguir mais economia e rapidez em telefonia para sua empresa

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro João Ferrão Resumo As visões recentes sobre o mundo rural revelam grande permeabilidade à ideia de património

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

'!"( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, ".6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # )

'!( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, .6 )) -2 7! 6))  ) 6 #$ ))! 6) 8 9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) !" #$%&& #% 1 !"# $%& '!"( )*+%, ( -. ) #) /)01 01)0) 2! ' 3.!1(,,, " 44425"2.6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 4442$ ))2 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) 44425"2 ))!)) 2() )! ()?"?@! A ))B " > - > )A! 2CDE)

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010 UNICAMP 2010 - GEOGRAFIA 13. Ob serve o gráfico abaixo e responda às questões: a) Indi que a(s) re gião(ões) do glo bo com ta xa de es pe ran ça de vi da ao nas cer in fe ri or à mé dia mun di al, nos

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

Evangelhos. www.paroquiadecascais.org

Evangelhos. www.paroquiadecascais.org Evangelhos 1. Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus (Mt 5, 1-12a) ao ver a multidão, Jesus subiu ao monte e sentou-se. Rodearam-n O os discípulos e Ele começou a ensiná-los, dizendo:

Leia mais

White Paper. Gestão Ágil de Produtos

White Paper. Gestão Ágil de Produtos White Paper Gestão Ágil de Produtos Um bom gestor de produtos de software oferece o suporte e a confiança que a equipe de desenvolvimento precisa Com o advento das metodologias ágeis de desenvolvimento

Leia mais

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619

CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619 CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 CRIADOR TELEFONE GAIOLA ANEL SEXO NOMENCLATURA VALOR OBS ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619 1 IB-105-40-13 FM CN OP AM MF IN 100,00 BANCO: 2 BB-3992-44-11

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II)

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II) Órg. 6 11 q = 60 me mf ortas a ris to! Não te mais, não te nhais do: 'scanca rai o vosso cora ção ao mor de Deus. RI POR RIO (Hino ao eato João Paulo II) ortas a ris to! Não te mais não te nhais me do;

Leia mais

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU MULHER SOLTEIRA REFRÃO: Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir (Essa música foi feita só prás mulheres

Leia mais

do o de do Dn pr es i lha n har ac ord ad o... E co 1 0 uma

do o de do Dn pr es i lha n har ac ord ad o... E co 1 0 uma P R O P " E ) A D E DO C L U D L I T T E H A R I O S U MMARIO f ; õ E J ; õ E ; I \ ;; z Df < j ç f:t \ :f P ü Bz }? E CLOTIJ DE J x "? ú J f Lf P DI!; V: z z " I O PA F L ARÉNE S Pz: E:\H P HA RRC : A

Leia mais

Vamos adorar a Deus. Jesus salva (Aleluia)

Vamos adorar a Deus. Jesus salva (Aleluia) Vamos adorar a Deus //: SI LA SOL LA SI SI SI LA LA LA SI SI SI SI LA SOL LA SI SI SI LA LA SI LA SOOL SOOL :// Vamos adorar a Deus, Meu Senhor e Salvador Vamos adorar a Deus, com o nosso louvor. B I S

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Ribeirão Bonito - SP Abril 2008 AMARRIBO A MA R R IB O

Ribeirão Bonito - SP Abril 2008 AMARRIBO A MA R R IB O Ribeirão Bonito - SP Abril 2008 A MA R R IB O A MA R R IB O w w w.a m a r r ib o.or g.b r f u n d a çã o: 1 4 d e n ov em b r o d e 1 9 9 9 loca liza çã o A MA R R IB O- A m igos A s s ocia d os d e R

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

UNICAMP 2012 (2ª Fase)

UNICAMP 2012 (2ª Fase) 1. Re so lu ção (se rá con si de ra do ape nas o que es ti ver den tro des te es pa ço). a)...in te res se do pú bli co (L1): Tra ta-se de um subs tan ti vo pos to que de ter mi na do pe lo ar ti go o,

Leia mais

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA Filipe Carreira da Silva Resumo Este artigo tem por objectivo discutir a noção de esfera pública proposta por Jürgen Habermas. Para tanto,

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

Dia da bandeira Tá na cara que é orgulho

Dia da bandeira Tá na cara que é orgulho Dia da bandeira Tá na cara que é orgulho 19 de novembro Hino à Bandeira Música de Francisco Braga Letra de Olavo Bilac Apresentado pela primeira vez em 15 de agosto de 1906 (Extraído do livro Bandeira

Leia mais

HINOS DE DESPACHO. www.hinarios.org 01 O DAIME É O DAIME. O Daime é o Daime Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana

HINOS DE DESPACHO. www.hinarios.org 01 O DAIME É O DAIME. O Daime é o Daime Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana HINOS DE DESPACHO Tema 2012: Flora Brasileira Estrela D Alva www.hinarios.org 1 2 01 O DAIME É O DAIME O é o Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana O é o O professor dos professores

Leia mais

mas, en quan to ob jec tos ma te riais da lin gua gem, foi de ta lha da men te ana li za da; o fac to de as pa la vras al fa e be ta pos suí rem le

mas, en quan to ob jec tos ma te riais da lin gua gem, foi de ta lha da men te ana li za da; o fac to de as pa la vras al fa e be ta pos suí rem le A Subjectivação da Linguagem Para comunicarem entre si, os homens edificaram, pouco a pouco, no decurso dos séculos, uma massa de sonoridades que constituem a linguagem. Michel Sages As for mas es cri

Leia mais

2. A C l a s s i f i c a ção M S C 01 H i s t o r y a n d b i o g r a p h y 03 M a t h e m a t i c a l l o g i c a n d f o u n d a t i o n s 05 C o m

2. A C l a s s i f i c a ção M S C 01 H i s t o r y a n d b i o g r a p h y 03 M a t h e m a t i c a l l o g i c a n d f o u n d a t i o n s 05 C o m Áreas Científicas do Departamento de Matemática Docu mento de trab al h o 1. Introdução O D e p a r t a m e n t o d e M a t e m á t i c a e st á or g a n i z a d o e m q u a t r o S e c ç õ e s: S 8 1

Leia mais

A Gonçalves no México I N F O R M A

A Gonçalves no México I N F O R M A I N F O R M A Novembro de 2007 Depois de atuar por quase três anos no México com um escritório comercial, a Gonçalves investe em uma unidade industrial no país, que entrará em operação no início de 2008.

Leia mais

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT RECENSÃO COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT [Lígia Noronha, Nelson Lourenço, João Paulo Lobo-Ferreira, Anna Lleopart, Enrico Feoli, Kalidas Sawkar, e A. G. Chachadi (2003),

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de White Paper Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server Entenda como usar melhor a plataforma de correio eletrônico da Microsoft para ganhar mais eficiência na comunicação da sua empresa O correio

Leia mais

CANTOS - Novena de Natal

CANTOS - Novena de Natal 1 1 - Refrão Meditativo (Ritmo: Toada) D A7 D % G Em A7 % Onde reina o amor, frater---no amor. D A7 D % G A7 D Onde reina o amor, Deus aí está! 2 - Deus Trino (Ritmo: Balada) G % % C Em nome do Pai / Em

Leia mais

1ª Leitura - Ex 17,3-7

1ª Leitura - Ex 17,3-7 1ª Leitura - Ex 17,3-7 Dá-nos água para beber! Leitura do Livro do Êxodo 17,3-7 Naqueles dias: 3 O povo, sedento de água, murmurava contra Moisés e dizia: 'Por que nos fizeste sair do Egito? Foi para nos

Leia mais

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Informativo mensal da unidade Contagem da PUC Minas nº 78 Agosto de 2008 Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Com três li nhas de pro du tos bá si ca, es cri tó rio e es por ti va, a

Leia mais

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C iclo de vida : Do pneu novo ao pneu us ado FABRICAÇÃO IMPORTAÇÃO MERCADO Pneus Novos EXPORTADOS Pneus novos Fora do

Leia mais

Hino Nacional. Hino Nacional Hino à Bandeira Hino da Independência Hino da Proclamação da República

Hino Nacional. Hino Nacional Hino à Bandeira Hino da Independência Hino da Proclamação da República Hino Nacional Hino à Bandeira Hino da Independência Hino da Proclamação da República Hino Nacional Música: Francisco Manuel da Silva (1795/1865) Letra: Joaquim Osório Duque Estrada (1870/1927) Ouviram

Leia mais

White Paper. E-mail Marketing: por onde começar?

White Paper. E-mail Marketing: por onde começar? White Paper E-mail Marketing: por onde começar? Primeiros passos para definir o planejamento de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação, é importante criar suas

Leia mais

COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA. Som da Vila. Cifras e Fichas Técnicas

COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA. Som da Vila. Cifras e Fichas Técnicas COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA Som da Vila Cifras e Fichas Técnicas Músicas 1. Nosso Louvor... 3 2. És... 4 3. Toda Honra, Glória e Louvor... 5 4. Agora e Sempre... 6 5. Àquele que pode... 7 6.

Leia mais

ECBR PROFESSORA PRISCILA BARROS

ECBR PROFESSORA PRISCILA BARROS CANTATA DE NATAL 2015 ECBR PROFESSORA PRISCILA BARROS 1. O PRIMEIRO NATAL AH UM ANJO PROCLAMOU O PRIMEIRO NATAL A UNS POBRES PASTORES DA VILA EM BELÉM LÁ NOS CAMPOS A GUARDAR OS REBANHOS DO MAL NUMA NOITE

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro Acólitos São João da Madeira Cancioneiro Índice Guiado pela mão...5 Vede Senhor...5 Se crês em Deus...5 Maria a boa mãe...5 Quanto esperei por este momento...6 Pois eu queria saber porquê?!...6 Dá-nos

Leia mais

PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO

PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO Professora: Raquel de Lemos Tochetto PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO Competências Linguagem oral, leitura e escrita. Objetivo geral:

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

1. A ESTRELA E A LUA

1. A ESTRELA E A LUA 1. A ESTRELA E A LUA A ESTRELA E A LUA ERAM DUAS IRMÃS COSME E DAMIÃO TAMBÉM SÃO DOIS IRMÃOS OXALÁ E OGUM GUIA NOSSOS PASSOS SOMOS FILHOS DE UMBANDA QUE BALANÇA MAIS NÃO C 2. CADE DOUM COSME E DAMIÃO,

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL

CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL Miguel Correia Pinto e Manuel Mira Godinho Resumo Com os avanços nos domínios da biotecnologia registados nas décadas mais recentes, os conhecimentos

Leia mais

PESCADOR. Introdução: A E D E (2x) Mais qual é o meu caminho, qual a direção. E qual é o meu destino, minha vocação

PESCADOR. Introdução: A E D E (2x) Mais qual é o meu caminho, qual a direção. E qual é o meu destino, minha vocação PSCDOR Introdução: D (2x) Mais qual é o meu caminho, qual a direção D qual é o meu destino, minha vocação Carregar tua palavra, qualquer direção Dm Dm chamar outras almas, em outros mares pescar Pescador

Leia mais

PNV 292. Atos das mulheres. Tea Frigerio. São Leopoldo/RS

PNV 292. Atos das mulheres. Tea Frigerio. São Leopoldo/RS PNV 292 Atos das mulheres Tea Frigerio São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970 São Leopoldo/RS Fone: (51) 3568-2560 Fax:

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

www.encartedigitalmk.com.br Conheça mais esta inovação da MK Music Uma empresa que pensa no futuro

www.encartedigitalmk.com.br Conheça mais esta inovação da MK Music Uma empresa que pensa no futuro Encarte e letras disponíveis em www.encartedigitalmk.com.br Conheça mais esta inovação da MK Music Uma empresa que pensa no futuro Produção executiva: MK Music / Masterização: Max Motta no MK Studio /

Leia mais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Letras Álbum Amanhecer João da Ilha (2011) «Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Já sei que és buliçoso Trazes

Leia mais