ANAIS DO XLIV CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL. Fortaleza, Julho de 2006

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS DO XLIV CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL. Fortaleza, Julho de 2006"

Transcrição

1 ANAIS DO XLIV CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL Sociedade Brasileira de Economia e Sociologia Rural Universidade Federal do Ceará Universidade de Fortaleza Banco do Nordeste Embrapa Agroindústria Tropical Fortaleza, Julho de 2006 Página 1

2 XLIV Congresso da SOBER A SOBER é uma sociedade civil sem fi ns lucrativos que congrega profi ssionais com interesse em economia e sociologia rural, hoje com mais de 600 sócios ativos e sede em Brasília. O Congresso da SOBER está em sua 44 edição e esse ano será realizado pela terceira vez na ensolarada Fortaleza-CE. Os Congressos da SOBER reúnem professores, pesquisadores, alunos de pós-graduação e agentes econômicos com interesse no desenvolvimento social e econômico do Brasil rural. Neles, são apresentados os trabalhos técnicos e científi cos mais recentes e relevantes referentes aos temas do Congresso. Além da elevada quantidade de trabalhos apresentados, destaca-se a qualidade e nível técnico dos trabalhos da SOBER, os quais são resultados das pesquisas dos técnicos brasileiros e estrangeiros. É comum a presença de pesquisadores e professores de outros países, principalmente Portugal e América Latina. Assim, a SOBER é uma instituição vitoriosa em sua missão de congregar os profissionais com interesse no desenvolvimento do Brasil rural. Margareth de Figueirêdo Nogueira Mesquita Bibliotecária/UFC A Comissão Organizadora do Congresso é constituída pelos seguintes membros: C74c Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural (44: 2006: Fortaleza,Ce) Anais do 44º Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural /Editado por Joaquim Bento de Souza Ferreira Filho, Maria Irles de Oliveira Mayorga e Francisco Casimiro Filho.- Fortaleza: SOBER/BNB, p. 21 cm. ISBN Questões agrárias. 2.Educação e desenvolvimento. 3. Economia rural. 4. Sociologia rural. 5. Agricultura familiar. 6. Agronegócio. I. Sociedade Brasileira de Economia e Sociologia Rural. II. Universidade Federal do Ceará, Departamento de Economia Agrícola. III. Banco do Nordeste do Brasil. IV. Universidade de Fortaleza V. Embrapa Agroindústria Tropical. VI. Ferreira Filho, J. B. S. VII. Casimiro Filho, F. VIII. Mayorga, M. I. O. Título. Comissão Nacional (Atuais) Presidente Elísio Contini - MAPA/Embrapa - DF Vice-Presidentes Antônio Salazar P. Brandão - UERJ Sérgio Schneider - UFRGS Maria Odete Alves - BNB Flávio Borges Botelho Filho - UnB Marco Antonio Montoya - UPF Diretor Executivo Joaquim Bento de Souza Ferreira Filho - USP CDD Página 2 Página 3

3 Comitê Organizador Local Maria Irles de Oliveira Mayorga - UFC (Coordenadora) Francisco Casimiro Filho - UFC (Coordenador Científi co) Maria Odete Alves - BNB Margarida Lima - BNB Ahmad Saeed Khan - UFC Ruben Dario Mayorga - UFC Suely Salgueiro Chacon - UNIFOR Adriano Albuquerque - EMBRAPA/Agricultura Tropical Lydia Ma. Fernandes Pessoa - Secret. de Agri. e Pecuária - SEAGRI Paulo Roberto Fontes Barquete - INCRA/CE GRUPOS DE PESQUISA Grupos de Pesquisa e seus Coordenadores 1 - Comercialização, Mercados e Preços Agrícolas Geraldo Sant Ana de Camargo Barros 2 - Administração Rural e Gestão do Agronegócio Ricardo Pereira Reis 3 - Comércio Internacional Viviani Silva Lírio 4 - Sistemas Agroalimentares e Cadeias Agroindustriais Pery Francisco Assis Shikida 5 - Políticas Setoriais e Macroeconômicas Rogério Edivaldo de Freitas 6 - Agricultura, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Flávio Borges Botelho Filho 7 - Agricultura Familiar Sérgio Schneider 8 - Mercado de Trabalho Agrícola Lauro Francisco Mattei 9 - Instituições e Organizações na Agricultura Carlos Eduardo de Freitas Vian 10 - Reforma Agrária e Outras Políticas de Redução da Pobreza Sonia Maria P. Pereira Bergamasco 11 - Desenvolvimento Territorial e Ruralidade Amilcar Baiardi 12 - Ciência, Inovação Tecnológica e Pesquisa Antonio Flávio Dias Ávila Página 4 Página 5

4 XLIV CONGRESSO DA SOBER FORTALEZA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DOS PRÊMIOS SOBER COORDENADOR GERAL Marcelo José Braga Professor Adjunto Bolsista do CNPq Universidade Federal de Viçosa Departamento de Economia Rural XLIV CONGRESSO DA SOBER FORTALEZA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DO PRÊMIO SOBER MELHOR DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM SOCIOLOGIA RURAL. COORDENADOR: Josefa Salete Barbosa Cavalcanti (Coordenadora da Comissão) Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Filosofi a e Ciências Humanas, Departamento de Ciências Sociais. Edgard Alencar Universidade Federal de Lavras, Departamento de Administração e Economia. DAE/UFLA Deis Elucy Siqueira Bolsista de Produtividade Em Pesquisa do CNPq - Nível 1C Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Humanas, Departamento de Sociologia. Amilcar Baiardi Bolsista de Produtividade Em Pesquisa do CNPq - Nível 1D Universidade Federal da Bahia. XLIV CONGRESSO DA SOBER FORTALEZA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DO PRÊMIO SCHUH MELHOR DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM ECONOMIA RURAL COORDENADOR: Decio Zylbersztajn Bolsista de Produtividade Em Pesquisa do CNPq - Nível 1D Universidade de São Paulo, Faculdade de Economia Administração e Contabilidade, Departamento de Administração. Alfredo Kingo Oyama Homma Bolsista de Produtividade Em Pesquisa do CNPq - Nível 2 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Centro de Pesquisa Agrofl orestal da Amazônia Oriental. Tales Wanderley Vital Universidade Federal Rural de Pernambuco, Departamento de Letras e Ciências Humanas, Curso de Mestrado Em Administração Rural e Comunicação Rural. Moises de Andrade Resende Filho Professor Adjunto Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Economia, Departamento de Análise Econômica. XLIV CONGRESSO DA SOBER FORTALEZA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DO PRÊMIO JOSÉ GOMES DA SILVA MELHOR TESE DE DOUTORADO NA ÁREA DE SOCIOLOGIA RURAL COORDENADOR: Flávio Sacco dos Anjos Bolsista de Produtividade Em Pesquisa do CNPq - Nível 2 Universidade Federal de Pelotas, Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Departamento de Ciências Sociais Agrárias. Aldenor Gomes da Silva Bolsista de Produtividade Em Pesquisa do CNPq - Nível 2 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Ciências Humanas Letras e Artes, Departamento de Ciências Sociais. Jose Norberto Muniz Universidade Federal de Viçosa, Centro de Ciências Agrárias, Departamento de Economia Rural. Dalva Maria da Mota Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Centro de Pesquisa Agrofl orestal da Amazônia Oriental, Cpatu. Página 6 Página 7

5 XLIV CONGRESSO DA SOBER FORTALEZA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DO PRÊMIO POTSCH MELHOR TESE DE DOUTORADO EM ECONOMIA RURAL COORDENADOR: Celso Leonardo Weydmann Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Sócio-Econômico, Departamento de Ciências Econômicas. Ahmad Saeed Khan Bolsista de Produtividade Em Pesquisa do CNPq - Nível 1A Universidade Federal do Ceará, Centro de Ciências Agrárias, Departamento de Economia Agrícola. Marco Antonio Montoya Rodrigues Universidade de Passo Fundo, Faculdade de Economia e Administração, Centro Regional de Economia e Administração. Heloisa Lee Burnquist Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Departamento de Economia Administração e Sociologia. ANAIS DO XLIV CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL XLIV CONGRESSO DA SOBER FORTALEZA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DO PRÊMIO RUI MILLER PAIVA MELHOR ARTIGO NA ÁREA DE ECONOMIA RURAL COORDENADOR: Gervásio Castro de Rezende Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Yony de Sa Barreto Sampaio Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Departamento de Ciências Econômicas. Pery Francisco Assis Shikida Bolsista de Produtividade Em Pesquisa do CNPq - Nível 2 Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Departamento de Economia. Fortaleza, Julho de 2006 Jose Roberto Vicente Instituto de Economia Agrícola. Página 8

6 TÍTULO E GRUPO PAG 1 COMERCIALIZAÇÃO, MERCADOS E PREÇOS AGRÍCOLAS SSD 202 A IMPORTÂNCIA DO PÓLO FRUTÍCOLA BANDEIRANTE NO AGRONEGÓCIO PAULISTA. 1 - Comercialização, Mercados e Preços Agrícolas Geraldo Sant Ana de Camargo Barros SCD 031 A INTERDEPENDÊNCIA ENTRE OS PREÇOS DO CAFÉ BRASILEIRO E COLOMBIANO: UMA ANÁLISE EMPÍRICA. SSD 077 A LOGÍSTICA COMO GARANTIA DE ALIMENTOS MAIS BARATOS: UM ESTUDO DE CASO SOBRE A MOVIMENTAÇÃO DE ARROZ. SCD 034 A REGRA ÓTIMA DE ARMAZENAMENTO DE ARROZ NO BRASIL ATRAVÉS DE UM MODELO DINÂMICO DE EXPECTATIVAS RACIONAIS. SSD 076 ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS PARA O CERTIFICADO DE DEPÓSITO AGROPECUÁRIO / WARRANT AGROPECUÁRIO (CDA/WA). SCD 033 ANALISANDO OS RELACIONAMENTOS DURADOUROS NO CANAL DE DISTRIBUIÇÃO DA MAÇÃ BRASILEIRA: UMA VISÃO DOS PRODUTORES. SCD 140 ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DOS MERCADOS FUTUROS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS BRASILEIRAS UTILIZANDO CO-INTEGRAÇÃO. SSD 207 ANÁLISE DA FORMAÇÃO DOS PREÇOS RECEBIDOS PELOS SOJICULOTORES DOS ESTADOS DO RIO GRANDE DO SUL, PARANÁ E MATO GROSSO. SSD 083 ANÁLISE DA TRANSMISSÃO ENTRE OS PREÇOS DOS CORTES DE SUÍNOS NO VAREJO E OS PREÇOS RECEBIDOS PELOS PRODUTORES NO ESTADO DE SÃO PAULO. SSD 086 ANÁLISE DA VOLATILIDADE DO PREÇO DO CACAU NO MERCADO DE FUTUROS DE NOVA YORK (CSCE):UMA APLICAÇÃO DO MODELO GARCH. SSD 199 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DOS PREÇOS HISTÓRICOS DO ARROZ NO RIO GRANDE DO SUL DE 1973 A SSD 324 ANÁLISE DO TRADE-OFF NA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL NAS USINAS DA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL. SCD 086 ANÁLISE DOS RETORNOS SOCIAIS ORIUNDOS DE ADOÇÃO TECNOLÓGICA NA CULTURA DO AÇAÍ NO ESTADO DO PARÁ. SSD 322 ANÁLISE DOS TERMOS DE TROCA E AS MODIFICAÇÕES ESTRUTURAIS DA COTONICULTURA NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL. SCD 141 ANÁLISE ESPACIAL DA PRODUTIVIDADE AGRÍCOLA NO ESTADO DO PARANÁ: IMPLICAÇÕES PARA O SEGURO AGRÍCOLA. SSD 071 APONTAMENTOS SOBRE AS TENDÊNCIAS DO PREÇO DO FRANGO DE CORTE NO BRASIL. SSD 075 AS ALTERAÇÕES NA COFINS E PIS E SEUS REFLEXOS SOBRE A CADEIA ORIZÍCOLA GAÚCHA. SSD 070 ASSIMETRIA NA TRANSMISSÃO DE PREÇOS DE PRODUTOS HORTIFRUTÍCOLAS NO ESTADO DE SÃO PAULO. SSD 087 ATITUDE DOS CONSUMIDORES E PERCEPÇÃO DO RISCO ASSOCIADO AO CONSUMO DE CARNE DE VACA EM PORTUGAL. SSD 330 AVALIAÇÃO DA PREVISIBILIDADE DOS PREÇOS DA MADEIRA DE EUCALIPTO UTILIZANDO REDES NEURAIS ARTIFICIAIS. SSD 085 CAUSALIDADE DE PREÇO DO MERCADO DE CARNE DE BOI GORDO PARA SEIS ESTADOS BRASILEIROS, 1994 A SSD 072 CAUSALIDADE E CO-INTEGRAÇÃO NO MERCADO DE CAFÉ ENTRE A BM&F E A NYBOT. SSD 325 COMERCIALIZAÇÃO E COMPORTAMENTO DE PREÇOS DA MADEIRA SERRADA NOS ESTADOS DE SÃO PAULO E PARÁ. SSD 082 COMPORTAMENTO DE COMPRA DOS CONSUMIDORES DE FRUTAS, LEGUMES E VERDURAS (FLV) NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL. Página 11

7 TÍTULO E GRUPO PAG TÍTULO E GRUPO PAG SSD 081 COMPORTAMENTO DOS PREÇOS NOS MERCADOS BRASILEIROS DE SUINOS, MILHO E SOJA. SCD 030 DAS PREOCUPAÇÕES FISIOCRÁTICAS E CLÁSSICAS AO CUSTEIO AGRÍCOLA MODERNO: O PENSAMENTO ECONÔMICO E SUA APLICAÇÃO AO SISTEMA NACIONAL DE CRÉDITO RURAL (SNCR). SCD 139 ESTAGNAÇÃO DA PECUÁRIA BOVINA NO AGRESTE DE PERNAMBUCO. SSD 209 ESTRATÉGIAS COM CONTRATOS FUTUROS E PREVISÃO DOS PREÇOS DE CAFÉ ARÁBICA: UMA ABORDAGEM DE CO-INTEGRAÇÃO. SSD 333 ESTUDO DA CADEIA PRODUTIVA DE FLORES: MUNICÍPIO DE GRAVATÁ PERNAMBUCO. SSD 331 EVOLUÇÃO DAS ELASTICIDADES-RENDA DOS DISPÊNDIOS DE LEITE E DERIVADOS NO BRASIL. SCD 029 EXPECTATIVA DE RENTABILIDADE NA CAFEITURA BRASILEIRA: SITUAÇÃO NAS REGIÕES GEOGRÁFICAS. SCD 083 EXPORTAÇÕES AGRÍCOLAS BRASILEIRAS E O ACORDO MERCOSUL-UNIÃO EUROPÉIA. SSD 205 FEIRAS LIVRES DO BREJO PARAIBANO: CRISE E PERSPECTIVAS. SSD 080 FLUXO DE COMERCIALIZAÇÃO DE HORTALIÇAS PRODUZIDAS NA REGIÃO ALTO CABECEIRAS DO TIETÊ. SSD 084 FLUXOS DE ALGODÃO EM PLUMA PARA EXPORTAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA: UMA APLICAÇÃO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR. SSD 201 FLUXOS DE EXPORTAÇÃO DE SOJA DO ESTADO DO MATO GROSSO: UMA APLICAÇÃO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR. SSD 210 FONTES DE CRESCIMENTO DO VALOR DA PRODUÇÃO DE COMMODITIES DO AGRONEGÓCIO EM MINAS GERAIS NO PERÍDO 1994 A 2004: CAFÉ, CANA-DE-AÇÚCAR E SOJA. SSD 073 FORMAÇÃO DO FRETE NO BRASIL: SUBSÍDIOS PARA ESTRATÉGIAS DE NEGOCIAÇÃO EM CADEIAS DE SUPRIMENTOS. SCD 088 INDICADORES DE EFICIÊNCIA E ECONOMIAS DE ESCALA NA PRODUÇÃO DE LEITE: UM ESTUDO DE CASO PARA PRODUTORES DOS ESTADOS DE RONDÔNIA, TOCANTINS E RIO DE JANEIRO. SSD 200 INTEGRAÇÃO ESPACIAL DO MERCADO DE BOI GORDO ENTRE OS ESTADOS DE MINAS GERAIS E SÃO PAULO NA PRESENÇA DO EFEITO THRESHOLD. SSD 326 INTEGRAÇÃO ESPACIAL E CAUSALIDADE DE PREÇOS NO MERCADO BRASILEIRO DE BOI GORDO: RESULTADOS PRELIMINARES. SCD 143 MARGENS DE COMERCIALIZAÇÃO DO PESCADO GAÚCHO: EM ANÁLISE O MUNICÍPIO DO RIO GRANDE. SCD 084 MODELAGEM ARIMA NA PREVISÃO DO PREÇO DA ARROBA DO BOI GORDO. SCD 142 MODELO DE PREVISÃO UNIVARIADO PARA PREÇOS DE LEITE PAGOS AOS PRODUTOS NAS PRINCIPAIS REGIÕES BRASILEIRAS. SSD 203 MOVIMENTAÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR NUMA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA EM CONDIÇÕES ADVERSAS DE OPERAÇÃO. SSD 327 OPERAÇÕES DE CASH-AND-CARRY ARBITRAGE NA BM&F: UMA DESAGREGAÇÃO DOS CUSTOS. SSD 079 OUTSOURCING NA GESTÃO DA CADEIA DO FRIO, O PAPEL DO OPERADOR LOGÍSTICO COMO SOLUÇÃO DE ARMAZENAGEM, DISTRIBUIÇÃO E CLIMATIZAÇÃO: O CASO TRU LOGÍSTICA. SSD 078 PADRÕES SAZONAL E CÍCLICO PARA PREÇO DE BOI GORDO NO ESTADO DE SÃO PAULO SCD 032 PREVISÃO PARA O PREÇO FUTURO DO CACAU ATRAVÉS DE UMA SÉRIE UNIVARIADA DE TEMPO: UMA ABORDAGEM UTILIZANDO O MÉTODO ARIMA. SSD 328 PREÇOS DE TERRAS NO BRASIL, FINANCIAMENTO E PRODUTIVIDADE TOTAL DOS FATORES. SCD 085 PRODUTIVIDADE DO CAFÉ EM MINAS GERAIS: UMA ANÁLISE ESPACIAL. SSD 206 RELAÇÕES DE PREÇOS NOS MERCADOS INTERNO E INTERNACIONAL DE SOJA E DERIVADOS. SSD 332 REPASSE DAS VARIAÇÕES DA TAXA DE CÂMBIO NOS PRECOS DO VAREJO: UMA ANALISE COM DADOS DO ÍNDICE DE PREÇOS AO CONSUMIDOR DE CAMPO GRANDE. SCD 087 RISCO E RETORNO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DAS EMPRESAS LISTADAS NA BOVESPA. SSD 204 SAZONALIDADE, MARGEM DE COMERCIALIZAÇÃO E TRANSMISSÃO DE PREÇOS DO TOMATE DE MESA NO ESTADO DE SÃO PAULO. SSD 074 SPREAD: UMA AVALIAÇÃO DOS CONTRATOS FUTUROS DO ALGODÃO NA BM&F E NA NYBOT. SSD 323 UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE OS EFEITOS ESPACIAIS NA AGROPECUÁRIA PARANAENSE. SCD 027 UM ESTUDO SOBRE O VALOR DO SISTEMA DE RASTREABILIDADE ANIMAL NOS EUA. SSD 329 UMA ANÁLISE APLICADA DE DECISÃO COM OPÇÃO DE VENDA UTILIZANDO CADEIAS DE MARKOV. SCD 028 UMA METODOLOGIA PARA AVALIAR A EXPECTATIVA DE RENTABILIDADE NA AGRICULTURA BRASILEIRA: UM ESTUDO DAS REGIÕES GEOGRÁFICAS. SSD 208 USO DA ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS PARA A CRIAÇÃO DE CLUSTERS COMO MECANISMO DE DIVERSIFICAÇÃO DE CARTEIRA DE ATIVOS DO SETOR AGROINDUSTRIAL. 2 ADMINISTRAÇÃO RURAL E GESTÃO DO AGRONEGÓCIO SSD 162 ABERTURA DE CAPITAL COMO UMA OPÇÃO DE FINANCIAMENTO DAS ATIVIDADES DAS EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO. SSD 283 AGROINDÚSTRIA FAMILIAR ORGÂNICA E ESTRATÉGIAS DE MARKETING E COMERCIALIZAÇÃO. SCD 011 ANÁLISE COMPARATIVA SOBRE CUSTOS AGROINDUSTRIAIS: UMA APLICAÇÃO DE TESTES NÃO-PARAMÉTRICOS ENTRE EMPRESAS DA PARAÍBA E DE PERNAMBUCO. SSD 029 ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DE ALGUNS FATORES SOCIOECONÔMICOS E DEMOGRÁFICOS NO CONSUMO DOMICILIAR DE CARNES NO BRASIL. SSD 288 ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS DE MARKETING DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSAMENTO DE AMENDOIM DA REGIÃO DE TUPÃ-SP. Página 12 Página 13

8 TÍTULO E GRUPO SSD 024 ANÁLISE DO DESEMPENHO COMPETITIVO DAS AGROINDÚSTRIAS DE FRUTAS DO ESTADO DO PARÁ. SSD 033 ANÁLISE ECONOMICA DA PRODUÇÃO DE ARROZ NO MUNICIPIO DE VÁRZEA ALEGRE / CE. SCD 122 ANÁLISE ESTRATÉGICA DE OPERAÇÕES AGROINDUSTRIAIS: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR ARROZEIRO. SSD 151 ANÁLISE SOCIOECONÔMICA DO IRRIGANTE DA BACIA HIDROGRÁFICA METROPOLITANA, ESTADO DO CEARÁ. SSD 285 APURAÇÃO E CONTROLE DE CUSTOS: UM ESTUDO NO SETOR AVÍCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO BENTO DO UNA PE. SSD 156 AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE DE UM PROCESSO PRODUTIVO AUTOCORRELACIONADO: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA FABRICANTE DE CAFÉ SOLÚVEL. SCD 124 AVALIAÇÃO DE AÇÕES PARA A CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO DE GESTÃO PARA O SETOR BRASILEIRO DE BATATA IN NATURA. SSD 152 AVALIAÇÃO ECONÔMICA COMPARATIVA DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE NA REGIÃO DE AQUIDAUANA-MS. SCD 006 AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL. SCD 065 CANAIS QUE NÃO FUNCIONAM: O CASO DA CO-GERAÇÃO DE ENERGIA COM O USO DO BAGAÇO DE CANA. SCD 120 CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE PECUÁRIA NOS MUNICÍPIOS DO MATO GROSSO DO SUL: BRASILÂNDIA, CHAPADÃO DO SUL, PARANAÍBA E RIBAS DO RIO PARDO. SSD 027 CENTRO DE CUSTOS E ESCALA DE PRODUÇÃO NA PECUÁRIA LEITEIRA DOS PRINCIPAIS ESTADOS PRODUTORES DO BRASIL. SSD 287 CENÁRIOS DE LONGO PRAZO PARA A CAFEICULTURA BRASILEIRA: SCD 123 COMPETITIVIDADE DA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA NO ESTADO DE MATO GROSSO SAFRA 2004/05. SSD 025 COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE FRUTAS EM RONDÔNIA: UM ESTUDO DE CASO. SSD 155 COMPREENDENDO A TOMADA DE DECISÃO DO PRODUTOR RURAL. SCD 012 CUSTOS DA CADEIA PRODUTIVA DO FRANGO: PARCERIA ENTRE COOPERATIVA E PEQUENOS PRODUTORES FAMILIARES NO ESTADO DE SANTA CATARINA. SSD 028 DECISÕES DE DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO EM UMA COOPERATIVA. SCD 007 DESEMPENHO AGROECONÔMICO DO CONSÓRCIO ALFACE-BETERRABA SOB SISTEMA ORGÂNICO. SSD 159 DISPOSIÇÃO DE PAGAR POR ALIMENTOS SEGUROS: O CASO DOS HORTIFRUTÍCOLAS SEM RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS. PAG 2 - Administração Rural e Gestão do Agronegócio Ricardo Pereira Reis Página 14

9 TÍTULO E GRUPO PAG TÍTULO E GRUPO PAG SSD 031 DO CERRADO À AMAZÔNIA: AS ESTRUTURAS SOCIAIS DA ECONOMIA DA SOJA EM MATO GROSSO. SSD 280 ECONOMIA DE ESCALA NA PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL. SSD 161 EFEITO DO NÍVEL DE ESCOLARIDADE NO CONSUMO DE CARNE BOVINA E HORTALIÇAS NO BRASIL. SCD 063 EFICIÊNCIA COMBINADA DOS FATORES DE PRODUÇÃO: APLICAÇÃO DE ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS (DEA) À PRODUÇÃO LEITEIRA. SCD 009 EM BUSCA DE UM NOVO PARADIGMA PARA O SEGURO RURAL NO BRASIL. SSD 036 ESCOLHA DA LÂMINA ÓTIMA DE IRRIGAÇÃO PARA FEIJÃO, DE ACORDO COM O NÍVEL DE AVERSÃO AO RISCO POR PARTE DO PRODUTOR. SSD 289 ESTRATÉGIAS DE MARKETING EM LATICÍNIOS: UM ESTUDO EM EMPRESAS DA REGIÃO DE TUPÃ SP. SSD 158 ESTUDO DA VIABILIDADE FINANCEIRA DA IMPLANTAÇÃO DE PIVÔ CENTRAL COM A UTILIZAÇÃO DE ROTAÇÃO DE CULTURAS NO OESTE BAIANO. SSD 150 ESTUDO DA VIABILIDADE FINANCEIRA DA IMPLANTAÇÃO DE UM APIÁRIO PARA A PRODUÇÃO DE PRÓPOLIS E MEL. SSD 149 ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL DE SOJA E MAMONA NA REGIÃO NORTE DO PARANÁ. SCD 013 GESTÃO DO AGRONEGÓCIO DA CERA DE CARNAÚBA: CUSTOS DE PRODUÇÃO, RENTABILIDADE E LUCRATIVIDADE. SSD 038 IDENTIFICANDO ESTRATÉGIAS DE MARKETING NAS REDES DE SUPERMERCADOS PARA FRUTAS E HORTALIÇAS NO BRASIL. SCD 067 INDICADORES DE DESEMPENHO NÃO-FINANCEIROS NO AGRONEGÓCIO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO. SCD 121 INVESTIMENTO EM INDÚSTRIA FRIGORÍFICA: IMPACTO DOS RISCOS DE MERCADO NA DETERMINAÇÃO DO VALOR DO NEGÓCIO. SSD 284 MARKETING METRICS EM COMUNICAÇÃO NO AGRONEGÓCIO:UM ESTUDO DE CASO NO PÓLO REGIONAL DE VIÇOSA ATRAVÉS DO MODELO DE AMBLER. SSD 157 MARKETING VERDE COMO UMA ABORDAGEM ESTRATÉGICA FRENTE AO NOVO PERFIL DE CONSUMO. SSD 026 METODOLOGIAS DE CUSTOS DE PRODUÇÃO NA PECUÁRIA LEITEIRA: UM ESTUDO NOS PRINCIPAIS ESTADOS PRODUTORES DO BRASIL. SSD 148 MODELO PARA AVALIAÇÃO DOS LIMITES DA VIABILIDADE DO BIODIESEL NO BRASIL. SSD 281 NICHOS DE MERCADO COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA: O CASO DA PRODUÇÃO DE LEITE DE CABRAS E OVELHAS NA REGIÃO DE BENTO GONÇALVES, RS. SCD 008 O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE ÁGUA MINERAL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE AS VARIÁVEIS QUE INFLUENCIAM O CONSUMO. SSD 153 O CULTIVO DA GRAVIOLEIRA EM PROPRIEDADES PRODUTORAS DE CACAU DA REGIÃO SUDESTE DA BAHIA: UM ESTUDO DA VIABILIDADE FINANCEIRA DA CULTURA. Página 16 SCD 010 O GOVERNO FEDERAL E O MERCADO DE SEGURO AGRÍCOLA: APRENDENDO COM O PASSADO E CONSTRUINDO O FUTURO. SSD 030 O IMPACTO DA CERTIFICAÇÃO PIF E EUREPGAP, NO PROCESSO DE COMERCIALIZAÇÃO DA UVA PRODUZIDA POR PEQUENOS PRODUTORES DO VALE DO SÃO FRANCISCO: UM ESTUDO DE CASO. SSD 282 O IMPACTO DA INSTRUÇÃO NORMATIVA 51 NO SISTEMA AGROINDUSTRIAL DO LEITE NO RIO GRANDE DO SUL: UMA ANÁLISE NA ELEGÊ ALIMENTOS S/A E NA COOPERATIVA LANGUIRI LTDA. SSD 286 O PROCESSO DE INOVAÇÃO E DE ESTRATÉGIA DE COOPERAÇÃO COMPETITIVA PARA A OBTENÇÃO DA INDICAÇÃO DE PROCEDÊNCIA VALE DOS VINHEDOS: O CASO DA VINÍCOLA CORDELIER SERRA GAÚCHA- RS/BRASIL. SSD 039 OPERAÇÕES EM REDES DE SUPRIMENTO GLOBAIS E ALTA-CONFIABILIDADE. SSD 160 PERFIL DO CONSUMIDOR BRASILEIRO DE CARNE BOVINA E DE HORTALIÇAS. SCD 014 PERFIL DO CONSUMIDOR DOMICILIAR DE AÇAÍ NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM PA. SSD 034 PONTOS DE VENDA DE ALIMENTOS: UMA ANÁLISE DO PERFIL DE COMPRA DOS CONSUMIDORES DE CARNE BOVINA E FLV. SSD 037 POTENCIAL DAS PRINCIPAIS REGIÕES BRASILEIRAS PARA ABASTECIMENTO DE SANGUE DE BOVINOS E SUÍNOS MELHORIA DA RENTABILIDADE E OPORTUNIDADE DE INVESTIMENTO. SCD 066 PRÁTICAS DE GESTÃO DE CUSTOS NO AGRONEGÓCIO: UMA ABORDAGEM MULTIVARIADA. SSD 023 RETORNO E RISCO EM SISTEMAS DE SUCESSÃO DE SOJA NO ESTADO DE SÃO PAULO, SSD 035 RETORNOS À ESCALA E DESEMPENHO ECONÔMICO DOS PRODUTORES DE LEITE EM MINAS GERAIS. SSD 032 SIMULAÇÃO DA VIABILIDADE INDUSTRIAL DO PROCESSAMENTO DE AMÊNDOAS DE CACAU EM PEQUENA ESCALA: O CASO DA CACAUICULTURA DE MEDICILÂNDIA NO ESTADO DO PARÁ. SCD 064 SISTEMAS DE PRODUÇÃO E CUSTOS NA PRODUÇÃO DE SOJA ORGÂNICA, CONVENCIONAL E TRANSGÊNICA. SCD 119 UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO. SSD 154 UMA AVALIAÇÃO PROSPECTIVA DOS EFEITOS ECONÔMICOS DA ADOÇÃO DE SOJA TRANSGÊNCIA NO MATO GROSSO. SCD 068 UTILIZAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO EM AGROINDÚSTRIAS PARAIBANAS. SSD 022 VIABILIDADE ECONÔMICA DE CONTRATOS DE INTEGRAÇÃO NA CRIAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE NA MICRORREGIÃO DE VIÇOSA MG. 3 COMÉRCIO INTERNACIONAL SSD 342 A COMPETITIVIDADE DA BORRACHA NATURAL NO BRASIL. SSD 339 A EVOLUÇÃO DAS EXPORTAÇOES E DA COMPETITIVIDADE DO COMPLEXO SOJA NO BRASIL E NO PARANÁ: SSD 089 A IMPORTÂNCIA DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO NAS RELAÇÕES COMERCIAIS ENTRE BRASIL E CHINA. SCD 091 A MODERNIZAÇÃO DOS PORTOS E O COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL. SSD 343 A RODADA DO MILÊNIO: IMPACTOS SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. Página 17

10 TÍTULO E GRUPO PAG TÍTULO E GRUPO PAG SSD 095 ABERTURA ECONÔMICA E CRESCIMENTO: ABORDAGEM DE THIRLWALL PARA ESTUDOS DO DESEMPENHO DA BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA. SSD 213 ACORDOS COMERCIAIS E O SETOR PRODUTIVO DE CARNE BOVINA: ESTIMATIVAS DE GANHOS PARA O MERCOSUL. SCD 035 ANÁLISE ECONÔMICA DAS BARREIRAS TARIFÁRIAS AO CAFÉ SOLÚVEL BRASILEIRO. SSD 096 ARBITRAGEM NO MERCADO CAMBIAL E DE TÍTULOS NO BRASIL: UM TESTE ECONOMÉTRICO DA PARIDADE DE JUROS E DA MOBILIDADE DE CAPITAL. SSD 094 AS BARREIRAS TÉCNICAS AO COMÉRCIO: IDENTIFICANDO ALGUMAS TENDÊNCIAS. SSD 224 AS EXPORTAÇÕES COMO DETERMINANTE DE CRESCIMENTO: O CASO DO ESTADO DO PARANÁ NO PERÍODO DE 1990 A SSD 088 AS EXPORTAÇÕES E A COMPETITIVIDADE DO COMPLEXO CAFEEIRO BRASILEIRO E PARANAENSE. SCD 036 AS POTENCIALIDADES E DISTORÇÕES COMERCIAIS NO MERCADO INTERNACIONAL DA MANGICULTURA BRASILEIRA. SSD 226 BRAZILIAN FRUIT TRADE: THE EXPORT AGENT TRANSACTION ARRANGEMENT. SSD 344 CANAIS DE EXPORTAÇÃO PARA AS FLORES TROPICAIS DE PERNAMBUCO:ANÁLISE DA INSERÇÃO NO MERCADO EUROPEU. SSD 097 COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE FRANGOS DE CORTE NO COMÉRCIO INTERNACIONAL. SSD 212 COMPETITIVIDADE DA PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR NO BRASIL. SSD 218 COMPETITIVIDADE DO CAFÉ VERDE BRASILEIRO NO MERCADO INTERNACIONAL. SSD 334 COMPETITIVIDADE DO COMPLEXO SOJA BRASILEIRO NO CONTEXTO DO COMÉRCIO INTERNACIONAL. SSD 340 CONCENTRAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES E VULNERABILIDADE NO NORDESTE BRASILEIRO. SSD 227 EFEITOS DO FIM DO ACORDO MULTIFIBRAS NA PRODUÇÃO E NO EMPREGO DOS SETORES TÊXTIL E DE VESTUÁRIO NO BRASIL. SSD 216 ESTIMATIVA DA DEMANDA DE IMPORTAÇÃO BRASILEIRA DE LEITE EM PÓ, SSD 215 ESTIMAÇÃO DA EQUAÇÃO DE OFERTA DE EXPORTAÇÃO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ( ). SCD 090 EVOLUÇÃO DA PARTICIPAÇÃO BRASILEIRA NO MERCADO SUCROALCOOLEIRO INTERNACIONAL. SSD 214 EVOLUÇÃO E CONTRIBUIÇÃO DO COMÉRCIO INTRA-INDÚSTRIA PARA O CRESCIMENTO DO COMÉRCIO TOTAL ENTRE BRASIL E ARGENTINA. SSD 223 EVOLUÇÃO E POTENCIAL DOS MERCADOS DO ORIENTE MÉDIO PARA A CARNE BOVINA BRASILEIRA. SSD 090 EXPORTAÇÕES AGROPECUÁRIAS, MODELO GRAVITACIONAL, E CARACTERÍSTICAS DOS PAÍSES IMPORTADORES. SSD 219 EXPORTAÇÕES AGRÍCOLAS BRASILEIRAS: O PARADOXO DO SUCESSO. SSD 338 EXPORTAÇÕES AGRÍCOLAS E DESINDUSTRIALIZAÇÃO: UMA CONTRIBUIÇÃO AO DEBATE. SSD 211 EXPORTAÇÕES DE MANGA DO PÓLO PETROLINA/JUAZEIRO: UMA ANÁLISE DO DESEMPENHO NO PERÍODO DE Página 18 SSD 228 EXPORTAÇÕES E CRESCIMENTO ECONÔMICO DO CEARÁ NO PERÍODO SSD 217 EXPORTAÇÕES NO AGRONEGÓCIO DA CACHAÇA: UM ESTUDO DE CASO DA CACHAÇA DE ALAMBIQUE GAÚCHA. SSD 225 GRIPE AVIÁRIA: PRIMEIROS IMPACTOS NAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS. SSD 335 IMPACTO DA FEBRE AFTOSA NA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA. SCD 094 IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS PARA O MERCOSUL, UNIÃO EUROPÉIA E NAFTA SOBRE PRODUÇÃO E EMPREGO: UMA ANÁLISE DE INSUMO-PRODUTO PARA SCD 148 IMPACTO DOS ROYALTIES NA COMERCIALIZAÇÃO NACIONAL DE FLORES: UM ESTUDO MULTI-CASO. SSD 093 IMPACTOS DA FEBRE AFTOSA NO SETOR DE ABATE DE ANIMAIS: UMA ANÁLISE DE EQUILÍBRIO GERAL. SCD 089 IMPACTOS DA ÁREA DE LIVRE COMERCIO DAS AMÉRICAS (ALCA), COM GRADUAL DESGRAVAÇÃO TARIFÁRIA, SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA. SCD 146 IMPACTOS DO PROTOCOLO DE CARTAGENA SOBRE O COMÉRCIO DE COMMODITIES AGRÍCOLAS. SCD 093 IMPACTOS DOS ACORDOS INTERNACIONAIS SOBRE AS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS AGROPECUÁRIAS BRASILEIRAS. SSD 345 IMPACTOS ECONÔMICOS DE MEDIDAS TÉCNICAS IMPOSTAS SOBRE AS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE LEITE CONDENSADO. SSD 091 INDICADORES DE COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE SOJA EM GRÃO, 1986 A SSD 336 INTENSIDADE E ORIENTAÇÃO REGIONAL DO COMÉRCIO ENTRE OS PAÍSES DO MERCOSUL NO PERÍODO DE SCD 037 MERCADO DE CARNES: ASPECTOS DESCRITIVOS E EXPERIÊNCIAS COM O USO DE MODELOS DE EQUILÍBRIO PARCIAL E DE ESPAÇO DE ESTADOS. SSD 222 MERCADO MUNDIAL DE CARNE BOVINA: PARTICIPAÇÃO BRASILEIRA E BARREIRAS À EXPORTAÇÃO. SSD 099 MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS APLICADOS AO SETOR DE EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE FLORES DE CORTE. SCD 144 O COMÉRCIO INTERNACIONAL DA CARNE BOVINA E A INDÚSTRIA FRIGORÍFICA EXPORTADORA. SSD 098 O CRÉDITO BANCÁRIO COMO ESTRATÉGIA DE INSERÇÃO DAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO MERCADO INTERNACIONAL. SCD 145 O CUSTO DE TRANSPORTE COMO BARREIRA AO COMÉRCIO NA INTEGRAÇÃO ECONÔMICA: O CASO DO NORDESTE. SSD 221 O PASS-THROUGH DAS VARIAÇÕES DA TAXA DE CÂMBIO PARA OS PREÇOS DE EXPORTAÇÃO DE SOJA. SSD 337 O POTENCIAL DO AGRONEGÓCIO NO CEARÁ: A SUSTENTABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DO ABACAXI. SSD 341 O REFLEXO DA CULTURA ORGANIZACIONAL NAS NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS DA EMPRESA TANAC. SSD 220 OS IMPACTOS DA EXPANSÃO DA UNIÃO EUROPÉIA DE 2004 NO SETOR DE CARNE BOVINA BRASILEIRO. SCD 038 PANORAMA COMPETITIVO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO, LOGÍSTICA DE TRANSPORTE E ARMAZENAMENTO E A IMPLEMENTAÇÃO DO PROTOCOLO DE CARTAGENA. SSD 092 POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL. Página 19

11 TÍTULO E GRUPO PAG TÍTULO E GRUPO PAG SCD 147 QUOTAS TARIFÁRIAS E ACESSO AOS MERCADOS AGRÍCOLAS. SCD 039 THE DOHA DEVELOPMENT AGENDA AND BRAZIL: A CLOSER LOOK INTO THE DISTRIBUTIONAL IMPACTS INSIDE AGRICULTURE. SCD 040 VANTAGENS COMPARATIVAS REVELADAS E ORIENTAÇÃO REGIONAL DA SOJA BRASILEIRA FRENTE A UNIÃO EUROPÉIA E AO FORO DE COOPERAÇÃO ECONÔMICA NA ÁSIA E NO PACIFÍCO ( ). Página 20 SCD 092 VANTAGENS MERCADOLÓGICAS E EXIGÊNCIAS DOS IMPORTADORES DE CERA DE CARNAÚBA. 4 SISTEMAS AGROALIMENTARES E CADEIAS AGROINDUSTRIAIS SCD 168 A AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA DO PARANÁ PÓS-DESREGULAMENTAÇÃO. SCD 167 A CADEIA PRODUTIVA DE CARNE SUÍNA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL E NA SERRA GAÚCHA. SSD 138 A DESREGULAMENTAÇÃO NO MERCADO DE CAFÉ TORRADO E MOÍDO E A EMERGÊNCIA DE CAMPOS ORGANIZACIONAIS: UMA ANÁLISE PROSPECTIVA E UMA AGENDA DE PESQUISA. SCD 002 A DINÂMICA DE UMA PEQUENA PROPRIEDADE DENTRO DE UMA ANÁLISE DE FILIÈRE. SSD 253 A EVOLUÇÃO DAS RELAÇÕES COMERCIAIS ENTRE CITRICULTORES E INDÚSTRIAS PROCESSADORAS DE SUCO NA FORMAÇÃO DOS PREÇOS E SUA EXPRESSÃO NO DESENVOLVIMENTO SETORIAL. SSD 006 A EXPANSÃO DA CADEIA DA SOJA NA AMAZÔNIA: OS CASOS DO PARÁ E AMAZONAS. SSD 269 A GESTÃO DA CADEIA PRODUTIVA AGROINDUSTRIAL DO LEITE E O MAPEAMENTO DO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL: CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE RONDÔNIA. SCD 005 A NEGOCIAÇÃO DA QUASE-RENDA ENTRE PRODUTOR E AGROINDÚSTRIA: UMA DISCUSSÃO TEÓRICA E APLICADA NA AVICULTURA DE CORTE PARANAENSE. SSD 134 A QUESTÃO DA QUALIDADE NO DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA AGROINDUSTRIAL DO LEITE. SSD 128 ANÁLISE COMPETITIVA DA CADEIA PRODUTIVA DA CARCINICULTURA NO ESTADO DO PARÁ: O CASO DO LITOPENAEUS VANNAMEI (BOONE, 1931). SSD 381 ANÁLISE DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE RASTREABILIDADE BOVINA NO BRASIL: ESTUDOS DE CASO NOS SEGMENTOS DE PRODUÇÃO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. SSD 377 ANÁLISE DA GOVERNANÇA DA CADEIA DA SOJA. SSD 132 ANÁLISE DAS CONFIGURAÇÕES INTERORGANIZACIONAIS NA PECUÁRIA DE CORTE GAÚCHA. SSD 257 ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE DA COTONICULTURA NA REGIÃO DO TRIÂNGULO MINEIRO/MG APLICAÇÃO DA MATRIZ DE ANÁLISE DE POLÍTICA. SSD 003 ANÁLISE DE DESEMPENHO NA CADEIA BOVINA NO ESTADO DE SÃO PAULO. SSD 126 ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ESPONTÂNEOS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO EM UMA ASSOCIAÇÃO DE PRODUTORES RURAIS DO SETOR LEITEIRO. SSD 254 CADEIA PRODUTIVA DA ALGAROBA NO PÓLO DE PRODUÇÃO DA BACIA DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO. SSD 005 CARACTERIZAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DO LÁTEX/BORRACHA NATURAL E IDENTIFICAÇÃO DOS PRINCIPAIS GARGALOS PARA O CRESCIMENTO. SSD 260 CARACTERIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE MANDIOCA E FORMAS DE INSERÇÃO NO MERCADO DA REGIÃO ALTA PAULISTA. SCD 115 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DA CADEIA PRODUTIVA DE CAFÉ ORGÂNICO DO SUL DE MINAS GERAIS: SUBSÍDIOS PARA O AUMENTO DAS EXPORTAÇÕES. SSD 262 CARACTERIZAÇÃO E INSERÇÃO DA ATIVIDADE LEITEIRA NA REGIÃO ALTA PAULISTA. SCD 116 CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA E PRODUTIVA DA BOVINOCULTURA DE CORTE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. SSD 266 CARACTERIZAÇÃO SÓCIO-ECONÔMICA DE PRODUTORES DE FRANGO DE CORTE NO BRASIL: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE REGIÕES BRASILEIRAS. Página 21

12 TÍTULO E GRUPO PAG TÍTULO E GRUPO PAG SSD 258 COMPETITIVIDADE E CONCENTRAÇÃO DE MERCADO: UMA ANÁLISE DA AVICULTURA NAS MESORREGIÕES OESTE E SUDOESTE PARANAENSE. SSD 265 CONCORRÊNCIA E ESTRATÉGIAS DE PRECIFICAÇÃO NO SISTEMA AGROINDUSTRIAL DO LEITE. SSD 264 CONSTRUÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DO TURISMO EM BONITO/MS. SCD 114 CONTRATOS ENTRE PEQUENOS PRODUTORES E EMPRESA EXPORTADORA DE MANGA NO RIO GRANDE DO NORTE: UMA ANÁLISE PELA ABORDAGEM PRINCIPAL-AGENTE. SSD 004 COORDENAÇÃO E CUSTOS DE TRANSAÇÃO NOS CANAIS DE COMERCIALIZAÇÃO CITRÍCOLA NO BRASIL. SSD 007 CÂMARAS SETORIAIS DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO: UMA ABORDAGEM VOLTADA À NOVA ECONOMIA INSTITUCIONAL. SSD 375 DA FRENTE PARA TRÁS: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS À AGROPECUÁRIA E ESPECIALIZAÇÃO REGIONAL NO BRASIL. SSD 256 DESEMPENHO DOS FRUTICULTORES DA ÁREA DE ATUAÇÃO DO BANCO DO NORDESTE DO BRASIL BNB. SSD 135 DETERMINANTES DA RELAÇÃO COMERCIAL ENTRE PECUARISTAS E FRIGORÍFICOS: O CASO DOS PECUARISTAS E FRIGORÍFICOS DA REGIÃO DE TUPÃ. SSD 129 DIAGNÓSTICO DA MALACOCULTURA NO MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO SUL (SC). SSD 012 DINÂMICA DA CADEIA PRODUTIVA E A ESTRATÉGIA PARA O ALINHAMENTO DAS DEMANDAS POR PESQUISA AGROPECUÁRIA NA REGIÃO CAFEIRA DO SUL DE MINAS GERAIS: UM ESTUDO SOBRE A GESTÃO INTERINSTITUCIONAL DO CONSÓRCIO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DO CAFÉ. SCD 003 EFEITOS SISTÊMICOS EM RELAÇÕES CONTRATUAIS: UM ESTUDO DO COMÉRCIO DA SOJA ENTRE CHINA E BRASIL EM P 020 EFICÁCIA DA ROTULAGEM OBRIGATÓRIA EM UM CANAL DE DISTRIBUIÇÃO DE BANANA: ESTUDO DE CASO NA CENTRAL DE ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS. SSD 371 ELEMENTOS HISTÓRICOS E EVOLUÇÃO RECENTE DO DESEMPENHO DA RIZICULTURA NO MERCADO MUNDIAL, E NOS PAÍSES DO MERCOSUL. SSD 136 ESTIMATIVA DO CONSUMO DE FERTILIZANTES PELA LARANJA EM SÃO PAULO AO LONGO DAS ÚLTIMAS DÉCADAS. SSD 125 ESTRATÉGIA E COORDENAÇÃO NO SETOR AGROINDUSTRIAL: UMA ABORDAGEM NEO-INSTITUCIONALISTA DAS ESTRATÉGIAS DE SUPRIMENTO DE UM MOINHO PAULISTA. SSD 259 ESTRATÉGIAS ADMINISTRATIVAS E OPERACIONAIS UTILIZADAS PELAS USINAS DE AÇÚCAR E ÁLCOOL DA REGIÃO DE RIBEIRÃO PRETO (SP). SSD 137 ESTRUTURA DE MERCADO E COMPETITVIDADE DAS EMPRESAS PRODUTORAS DE SEMENTES DE SOJA DA REGIÃO SUL DE MATO GROSSO. SCD 058 ESTUDO DA COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA APÍCOLA DE SANTA CATARINA: ÊNFASE NA ANÁLISE DA DINÂMICA COMPETITIVA DO SEGMENTO PRODUTOR E PROCESSADOR DA CADEIA. SSD 002 ESTUDO DA INFLUÊNCIA TECNOLÓGICA NO SEGMENTO PROCESSADOR DA CADEIA AGROINDUSTRIAL DE CARNES BOVINA E SUÍNA. SSD 267 ESTUDO DE IMPACTO ECONÔMICO (EIS) PARA O SETOR AGROINDUSTRIAL CANAVIEIRO PAULISTA E ALAGOANO: CONJUNTURA E AGENDA DE PESQUISA. SSD 270 EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE MAÇÃ EM SANTA CATARINA: NOVAS ESTRATÉGIAS EM BUSCA DA COMPETITIVIDADE. SSD 376 EVOLUÇÃO DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO DAS MAIORES EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO, SCD 060 EXIGÊNCIAS DOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PARA AQUISIÇÃO DE FLV: UMA COMPARAÇÃO ENTRE A TEORIA E ALGUNS CASOS ESTUDADOS. Página 22 SSD 001 FATORES EXPLICATIVOS PARA A DIMINUIÇÃO DA PRODUÇÃO DE CACAU NO BRASIL: UMA ANÁLISE UTILIZANDO O MODELO SHIFT-SHARE. SSD 010 FILTROS INSTITUCIONAIS E ENTRAVES ORGANIZACIONAIS NA CITRICULTURA PAULISTA. SSD 268 FLRORICULTURA EM PERNAMBUCO: PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO PARA SSD 378 FRUTICULTURA IRRIGADA NO NORTE DE MINAS GERAIS. SSD 374 GESTÃO DA QUALIDADE EM LATICÍNIOS: UM ESTUDO MULTICASO E PROPOSTAS PARA MELHORIA. SSD 131 IMPACTOS FINANCEIROS DA INTEGRAÇÃO VERTICAL: UM ESTUDO NA INDÚSTRIA CANAVIEIRA. SSD 263 INCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA NO SEGMENTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM MINAS GERAIS. P 084 MEIO AMBIENTE, INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE NA AGROINDÚSTRIA BRASILEIRA: A CADEIA PRODUTIVA DO BIODIESEL. SSD 139 O AGRONEGÓCIO DO SUCO DE LARANJA CONCENTRADO CONGELADO (SLCC) DO ESTADO DO PARANÁ. SSD 372 O SETOR FLORESTAL E MADEIRA E MOBILIÁRIO NA ECONOMIA PARAENSE A PARTIR DE UMA VISÃO INTERSETORIAL. SSD 141 OS MERCADOS DE TERRA E TRABALHO NA (RE)ESTRUTURAÇÃO DA CATEGORIA SOCIAL DOS FORNECEDORES DE CANA DAS REGIÕES DE PIRACICABA E RIBEIRÃO PRETO: ANÁLISE DE DADOS DE CAMPO. SSD 011 PERFIL DA FLORICULTURA NO NORDESTE BRASILEIRO. SSD 140 PERFIL ESTRATÉGICO E COMPETITIVO DO SEGMENTO DE TORREFAÇÃO E MOAGEM DE CAFÉ EM MINAS GERAIS. SSD 127 PERSPECTIVAS DO PROGRAMA DE ÁLCOOL COMBUSTÍVEL BRASILEIRO. SSD 380 PERSPECTIVAS E PROSPECTIVAS DA AVICULTURA NAS REGIÕES SUL E CENTRO- OESTE: UMA ANÁLISE BASEADA NAS VANTAGENS COMPARATIVAS. SSD 124 PERSPECTIVAS PARA A CAPRINOCULTURA NO BRASIL: O CASO DE PERNAMBUCO. SSD 261 PERSPECTIVAS PARA A CULTURA DA MAMONA NO NORDESTE EM SSD 009 POTENCIALIDADES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO DE AMENDOIM. SSD 133 PROJETO CAJU: ORGANIZAÇÃO PRODUTIVA ORIENTADA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CAJUCULTURA CEARENSE. SSD 373 RACIONALIDADE LIMITADA E OPORTUNISMO NA CADEIA DO CAFÉ: IMPACTOS NAS FORMAS CONTRATUAIS. SCD 004 REFORMA AGRÁRIA E USINAS PÚBLICAS: UMA ALTERNATIVA DE SUSTENTABILIDADE PARA A PRÇODUÇÃO DE BIODIESEL NO SERTÃO PERNAMBUCANO. SSD 370 SISTEMA DE ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE NA INDÚSTRIA DE ERVA-MATE:UMA VISÃO DA NOVA ECONOMIA INSTITUCIONAL. SSD 255 SITUAÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO NO NORDESTE: ESTRUTURAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA, PRODUÇÃO E MERCADO. SSD 130 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E RASTREABILIDADE: RELAÇÕES SISTÊMICAS DOS AMBIENTES E A ESTRUTURA DE GOVERNANÇA DO SISTEMA AGROINDUSTRIAL DA CARNE BOVINA BRASILEIRA. SCD 059 TENDÊNCIA DAS ESTRUTURAS DE MERCADO A MONTANTE E A JUSANTE DA AGRICULTURA BRASILEIRA NO PERÍODO DE 1990 A SSD 008 TENDÊNCIAS MUNDIAIS NO CONSUMO DE ALIMENTOS. SCD 001 TEORIA DOS CUSTOS DE MENSURAÇÃO ALGUMAS VALIDAÇÕES EMPÍRICAS. SCD 166 UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DAS OFERTAS DE AÇÚCAR E ÁLCOOL PARANAENSES. Página 23

13 TÍTULO E GRUPO PAG TÍTULO E GRUPO PAG SSD 379 UMA ANÁLISE SISTÊMICA DA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA BRASILEIRA. 5 POLÍTICAS SETORIAIS E MACROECONÔMICAS SCD 053 (RE)NEGOCIAÇÕES DAS DÍVIDAS AGRÍCOLAS. SSD 118 A ESTIMAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES DE CAFÉ CRU EM GRÃO BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1997 A SSD 119 A IMPORTÂNCIA DO CRÉDITO AGRÍCOLA E DA EDUCAÇÃO NA DETERMINAÇÃO DO PRODUTO PER CAPITA RURAL: UM ESTUDO DINÂMICO EM PAINÉIS DE DADOS DOS MUNICÍPIOS PARANAENSES. SCD 054 A PARTICIPAÇÃO DO AGRONEGÓCIO NO PIB BRASILEIRO: CONTROVÉRSIAS CONCEITUAIS E PROPOSTAS METODOLÓGICAS. SSD 249 ANÁLISE DE CICLOS NA ECONOMIA BRASILEIRA. SSD 251 ANÁLISE DO IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NA AGROPECUÁRIA SOBRE A GERAÇÃO DE PRODUTO, EMPREGO E IMPORTAÇÕES NO ESTADO DO CEARÁ. SSD 121 ANÁLISE DOS PRINCIPAIS TRIBUTOS INCIDENTES NA CADEIA DE CARNE BOVINA BRASILEIRA. SCD 108 ASPECTOS ALOCATIVOS E DISTRIBUTIVOS DA REDUÇÃO NA TRIBUTAÇÃO INDIRETA SOBRE INSUMOS AGROPECUÁRIOS: UMA ANÁLISE DE EQUILÍBRIO GERAL INTER-REGIONAL. SSD 122 AVALIAÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR-PRONAF GRUPO B EM MINAS GERAIS. SCD 160 DIMENSIONANDO O PIB DO AGRONEGÓCIO EM PERNAMBUCO. SCD 109 DIREÇÃO DA CAUSALIDADE ENTRE DESENVOLVIMENTO FINANCEIRO E CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL. SSD 252 FATORES DETERMINANTES DA INADIMPLÊNCIA DO CRÉDITO RURAL NAS ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO DE FRUTEIRAS NO ESTADO DO CEARÁ. SSD 248 FINANCIAMENTO DA AGRICULTURA BRASILEIRA: OS NOVOS INSTRUMENTOS DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS PRIVADOS. SSD 250 IMPACTO DA POLÍTICA CAMBIAL NAS EXPORTAÇÕES DE FRANGO APÓS A IMPLANTAÇÃO DO PLANO REAL ( ). SSD 123 INSTRUMENTOS SE SUSTENTAÇÃO DE PREÇOS DE ARROZ: A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA. SCD 162 MODERNIZAÇÃO E DIVERSIFICAÇÃO COM MINIMIZAÇÃO DE RISCOS NA AGRICULTURA FAMILIAR: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE ASSENTAMENTO BOM CONSELHO NO MUNICÍPIO DE MACAÍBA/RN. SSD 120 O CRÉDITO RURAL OFICIAL E A AGRICULTURA DE MATO GROSSO: 1993 A SCD 110 O FINANCIAMENTO PARA A AQUISIÇÃO DE INSUMOS NAS REVENDAS DO PARANÁ. SCD 161 POLÍTICAS PÚBLICAS DE FOMENTO À PRODUÇÃO FAMILIAR NO BRASIL: O CASO RECENTE DO PRONAF. SSD 247 SÍNTESE TEÓRICA DA CREDIBILIDADE E CONSISTÊNCIA DA POLÍTICA MONETÁRIA E SEUS CUSTOS EM TERMOS DE DESEMPREGO NO BRASIL. 6 AGRICULTURA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SSD 181 A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL DE FLORESTAS, COMPETITIVIDADE E AMBIENTALISMO RENOVADO: UM ESTUDO DE CASO NA AGROINDÚSTRIA ERVATEIRA PUTINGUENSE RIO GRANDE DO SUL. SSD 314 A IMPORTÂNCIA DO ICMS ECOLÓGICO COMO INSTRUMENTO DE COMPENSAÇÃO FINANCEIRA NA APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO PROTETOR RECEBEDOR. SCD 077 A INTEGRAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NA ESCALA TERRITORIAL: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO RIO GRANDE DO NORTE. SSD 308 A POLÍTICA DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO RIO GRANDE DO SUL: SUA ESTRUTURA E PERCEPÇÃO DOS COMITÊS DE BACIA HIDROGRÁFICA. Página 24 SCD 130 A REVISÃO DA POLÍTICA DE TARIFAS DE ÁGUA NO USO AGRÍCOLA: UM ESTUDO DE CASO NO SUL DE PORTUGAL. SCD 021 A SUSTENTABILIDADE DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE DO RIO GRANDE DO SUL. SSD 312 A THEORETICAL FRAMEWORK ON SUSTAINABILITY BASED ON THE MAINTENANCE OF NATURAL CAPITAL STOCKS. SSD 057 AGRICULTURA ALTERNATIVA E SUSTENTABILIDADE: O CASO DO ASSENTAMENTO NOVAS VIDAS EM OCARA, CEARÁ. SSD 189 ALGUMAS POSSIBILIDADES DE ESTUDO DE CONFLITOS SÓCIO-AMBIENTAIS A PARTIR DA SOCIOLOGIA DOS REGIMES DE AÇÃO. SCD 020 AMPLIANDO O CONCEITO DE RASTREABILIDADE: EM BUSCA DE SUSTENTABILIDADE NAS CADEIAS PRODUTIVAS. SCD 134 ANÁLISE COMPARATIVA DO BALANÇO ENERGÉTICO DO MILHO EM DIFERENTES SISTEMAS DE PRODUÇÃO. SSD 303 ANÁLISE ECONÔMICA DA EXPLORAÇÃO DE CUPUAÇU EM SISTEMAS AGROFLORESTAIS. SSD 186 APLICAÇÃO DO DASHBOARD OF SUSTAINABILITY NA AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DO DESENVOLVIMENTO RURAL LOCAL. SSD 311 AS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS (ONGS) PROMOTORAS DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL. SSD 020 AS POLÍTICAS AMBIENTAIS E OS OBJECTIVOS DOS AGRICULTORES: O CASO DOS AGRICULTORES DO SUL DE PORTUGAL. SCD 076 ATIVIDADE AGRÍCOLA E EXTERNALIDADE AMBIENTAL: UMA ANÁLISE A PARTIR DO USO DE AGROTÓXICOS NO CERRADO BRASILEIRO. SSD 307 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO USO DE ÁGUA PELO TOMATEIRO SOB IRRIGAÇÃO POR SULCOS. SSD 301 AVALIAÇÃO ECONÔMICA DA POLUIÇÃO DO AR NA AMAZÔNIA OCIDENTAL: UM ESTUDO DE CASO DO ESTADO DO ACRE. SSD 054 BIODIESEL: UMA PROPOSTA ECONÔMICA, SOCIAL E AMBIENTALMENTE CORRETA. SCD 135 CARACTERÍSTICAS DA TECNOLOGIA DE PRODUÇÃO DA PESCA ARTESANAL EM CABO VERDE. SSD 053 CERTIFICAÇÃO DA CASTANHA-DO-BRASIL NA REGIÃO DO ALTO ACRE: UMA EXPERIÊNCIA DE SUSTENTABILIDADE. SSD 300 COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA NA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARDINHO: PERSPECTIVAS E IMPACTOS ECONÔMICOS SOBRE OS USUÁRIOS. SSD 055 CONDIÇÕES DO TEMPO E PRODUTIVIDADE TOTAL DE FATORES NA AGRICULTURA PAULISTA, SSD 182 CONSIDERAÇÕES SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DE COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DE RIOS FEDERAIS O CASO DO COMITÊ DE BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARANAÍBA. SSD 021 CONTRIBUIÇÃO DAS POLÍTICAS AGRÍCOLAS PARA A SUSTENTABILIDADE DO AMBIENTE NUM SISTEMA AGRÍCOLA MEDITERRÂNEO. SCD 131 CUSTOS AMBIENTAIS DA PRODUÇÃO DA SOJA EM ÁREAS DE EXPANSÃO RECENTE NOS CERRADOS BRASILEIROS O CASO DE PEDRO AFONSO TO. SSD 063 DA ABUNDÂNCIA DO AGRONEGÓCIO À CAIXA DE PANDORA AMBIENTAL: A RETÓRICA DO DESENVOLVIMENTO (IN) SUSTENTÁVEL DO MATO GROSSO. SCD 025 DEMANDA POR PESCADOS NO BRASIL ENTRE 2002 E SSD 192 DESENVOLVIMENTO LOCAL SUSTENTÁVEL NA ZONA DA MATA PE: ASPECTOS ESTRUTURANTES DO PROMATA NO MUNICÍPIO DE PAUDALHO. SCD 024 DINÂMICA DO ESTOQUE DE RECURSOS PESQUEIROS EM CABO VERDE, NO PERÍODO DE 1982 A Página 25

14 TÍTULO E GRUPO PAG TÍTULO E GRUPO PAG SCD 022 ECONOMIC GROWTH AND ENERGY CONSUMPTION: A SUR REGRESSION MODEL APPLICATION IN BRAZIL FOR SEVERAL SOURCES OF FUEL. SCD 023 EMISSÕES DE CO2 NA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE DE DECOMPOSIÇÃO ESTRUTURALPARA OS ANOS 1990 E SSD 313 FATORES CRÍTICOS À PRODUÇÃO FLORESTAL EM SANTA CATARINA: UM ESTUDO DE PROSPECÇÃO. SSD 184 GESTÃO DO LIXO: UM ESTUDO SOBRE AS POSSIBILIDADES DE REAPROVEITAMENTO DO LIXO DE PROPRIEDADES HORTÍCOLAS. SSD 315 GESTÃO INTEGRADA E MEIO AMBIENTE EM UM EMPREENDIMENTO DE FRUTICULTURA. SCD 075 GRUPOS DE ESTABELECIMENTOS SUINÍCOLAS E POTENCIAL POLUIDOR NO ALTO URUGUAI CATARINENSE. SSD 059 INDICADOR DE QUALIDADE DE PRODUÇÃO DA CULTURA DO TOMATE, NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. SSD 191 LEGISLAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS E O TRATAMENTO DE DEJETOS NA SUINOCULTURA PAULISTA. SCD 133 NOTAS SOBRE O AMBIENTALISMO, (AGRO)ECOLOGIA, CIÊNCIA E CAPITALISMO. SSD 058 O DESAFIO DA REDE ARROZEIRAS DO SUL DIANTE DA PERSPECTIVA DE UMA GESTÃO SUSTENTÁVEL. SSD 061 O DILEMA NA ACACICULTURA BRASILEIRA: GLOBALIZAÇÃO X DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. SCD 080 O MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO COMO ALTERNATIVA DE POLÍTICA PÚBLICA AMBIENTAL. SSD 305 O MERCADO DE CARBONO NA AMAZÔNIA LEGAL: UMA ESTIMATIVA DOS GANHOS ECONÔMICOS PARA O ESTADO DO TOCANTINS. SCD 079 O PAPEL DA PECUÁRIA BOVINA DE CORTE NO BRASIL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA O EFEITO ESTUFA. SSD 183 O SISTEMA DE LICENCIAMENTO DE PROPRIEDADES RURAIS COMO ESTRATÉGIA DE CONTROLE DO DESMATAMENTO ILEGAL: A EXPERIÊNCIA DO MATO GROSSO. SSD 302 OS RECURSOS NATURAIS E O PENSAMENTO ECONÔMICO. SSD 187 PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PRODUTORES DE CACHAÇA NA REGIÃO DE OURINHOS SP. SSD 056 PESCA E AQÜICULTURA COMO TECONOLOGIA DE BACKSTOP. SCD 026 PESCA PREDATÓRIA DA LAGOSTA NO BRASIL: UM MODELO INSUSTENTÁVEL. SSD 306 PRODUÇÃO MAIS LIMPA: UMA RESPONSABILIDADE EMPRESARIAL. SCD 078 PROGRESSO TÉCNICO, RELAÇÕES DE TRABALHO E QUESTÕES AMBIENTAIS NA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA. SSD 188 PROTOCOLOS DE RELACIONAMENTOS SOCIAIS PARA RECUPERAÇÃO DE ÁREAS IMPACTADAS POR ATIVIDADES PETROLÍFERAS. SCD 019 THE COMMONS DILEMMA REVISITED: EXPANDING RATIONALITY AND ANIMATING INSTITUTIONAL ANALYSIS. SSD 310 TRANSFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS E AMBIENTAIS NA REGIÃO DOS CAMPOS DE CIMA DA SERRA (RS): O MANEJO ADEQUADO DO CAMPO NATIVO COM ALTERNATIVA DE SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E AMBIENTAL. SSD 304 UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS POLÍTICAS FLORESTAIS DO BRASIL E PARAGUAI. SSD 019 UMA POLÍTICA DE C&T PARA O SETOR PRIMÁRIO NA AMAZÔNIA. SSD 190 UMA VISÃO PANORÂMICA SOBRE A CASTANHA-DE-CAJU IN NATURA E PROCESSADA NOS PRINCIPAIS ESTADOS PRODUTORES. SCD 132 USO E CONSERVAÇÃO DOS REMANESCENTES DE MANGABEIRA POR POPULAÇÕES TRADICIONAIS. Página 26 SSD 185 VALOR ECONÔMICO E SOCIOCULTURAL DO ECOTURISMO E DAS ATIVIDADES RECREACIONAIS PROVIDAS PELA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL SERRA DE SÃO JOSÉ (MG). SCD 018 VALORAÇÃO CONTINGENTE DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL (APA) SÃO JOSÉ MG: UM ESTUDO DE CASO. SSD 309 VALORAÇÃO ECONÔMICA DO MEIO AMBIENTE E UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS: O CASO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARDINHO RS. SSD 060 VALORAÇÃO MONETÁRIA DE BENEFÍCIOS AMBIENTAIS: O CASO DO TURISMO NO LITORAL DO MUNICÍPIO DE CANAVIEIRAS ESTADO DA BAHIA. SSD 062 VIABILIDADE ECONÔMICA DO BIODIESEL E IMPACTO DO SEU USO NO PREÇO DA TARIFA DE ÔNIBUS NA CIDADE DE ITABUNA, BAHIA. SSD 052 ÁGUA E AGROTÓXICOS? ISSO NÃO SE MISTURA. ESTUDO SOBRE A MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO DA LAGOA, SÃO JOSÉ DO RIO PRETO, SP. 7 AGRICULTURA FAMILIAR SSD 168 A AGRICULTURA ORGÂNICA COMO FONTE DE EMPREGO E RENDA: UM ESTUDO DE CASO DA PRODUÇÃO VITIVINÍCOLA. SSD 164 A IMPORTÂNCIA DA AGRICULTURA FAMILIAR NO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO CAFÉ EM RONDÔNIA. SSD 294 A IMPORTÂNCIA DA AGROINDUSTRIALIZAÇÃO NAS ESTRATÉGIAS DE REPRODUÇÃO DAS FAMÍLIAS RURAIS. SSD 277 A INSERÇÃO DA FRUTICULTURA IRRIGADA COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO: UM ESTUDO NA REGIÃO DA CAMPANHA NO RS. SSD 296 A PEQUENA PROPRIEDADE RURAL NO ESPÍRITO SANTO: CONSTITUIÇÃO. SSD 293 A PLURATIVIDADE E A VIABILIZAÇÃO DA PEQUENA PROPRIEDADE: UM ESTUDO DE CASO DOS PRODUTORES RURAIS NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. SSD 042 A PLURIATIVIDADE E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A QUALIDADE DE VIDA DOS AGRICULTORES FAMILIARES: APROXIMAÇÕES PARA O CASO DO RIO GRANDE DO SUL. SSD 179 AGRICULTURA E PECUÁRIA EM ÁREAS DE FRONTEIRA: DIFERENÇAS E SUSTENTABILIDADE. SSD 165 AGRICULTURA FAMILIAR E TURISMO RURAL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. SSD 298 AGRICULTURA FAMILIAR EM BOA ESPERANÇA/ES: PATRIMÔNIO FUNDIÁRIO, ESTRATÉGIAS FAMILIARES E ORGANIZAÇÃO DO. SSD 291 AGRICULTURA FAMILIAR NO SEMI-ÁRIDO: FATALIDADE DE EXCLUSÃO OU RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. SCD 072 AGRICULTURA FAMILIAR: PECUÁRIA LEITEIRA COMO LÓCUS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS PARANAENSES. SSD 047 ANÁLISE DA IMPORTÂNCIA DO PROJETO GARANTIA-SAFRA NA PRODUÇÃO DE GRÃOS: O CASO DO CEARÁ. SCD 069 ANÁLISE DAS LIBERAÇÕES DOS RECURSOS DO PRONAF DESCENTRALIZAÇÃO DAS APLICAÇÕES DO CRÉDITO RURAL? SSD 046 ANÁLISE DOS ASPECTOS SOCIAIS E PRODUTIVOS DA MAMONA COM VISTAS A PRODUÇÃO DO BIODIESEL: UM ESTUDO DE CASO. SSD 279 ANÁLISE ECONÔMICA DA CULTURA DE ALGODÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS FAMILIARES. SCD 015 AS RECENTES TRANSFORMAÇÕES NAS AGRICULTURAS FAMILIARES PARANAENSES: ANÁLISE A PARTIR DAS INFORMAÇÕES DE OCUPAÇÕES E RENDAS DO PERÍODO SSD 163 ASPECTOS ECONÔMICOS DA SUBSTITUIÇÃO DE FONTES CONVENCIONAIS DE ENERGIA POR BIOGÁS EM ASSENTAMENTO RURAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. SSD 175 AÇÕES COLETIVAS ENVOLVENDO PEQUENOS PRODUTORES: DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO NOS MERCADOS. Página 27

15 TÍTULO E GRUPO PAG TÍTULO E GRUPO PAG SSD 297 BOA ESPERANÇA/ES: FORMAÇÃO SOCIESPACIAL E CONDIÇÕES DE PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR. SSD 172 CAFÉ E COM A CORAGEM: 20 ANOS DE MONITORAMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR NA AMAZÔNIA. SSD 050 CAPITAL SOCIAL E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL: UMA ABORDAGEM SISTÊMICA DA VERTICALIZAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR. SSD 278 CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES DE LEITE DE MONÇÕES (SP). SSD 041 CARACTERÍSTICAS DAS POTENCIAIS CULTURAS MATÉRIAS-PRIMAS DO BIODIESEL E SUA ADOÇÃO PELA AGRICULTURA FAMILIAR. SCD 126 CONSUMO DE ÁGUA, ESTRATÉGIAS PRODUTIVAS E ESCASSEZ HÍDRICA: UM LEVANTAMENTO PRELIMINAR COM FAMÍLIAS RURAIS NO ALTO JEQUITINHONHA. SCD 073 CONTRIBUIÇÕES DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE COMUNIDADE SUDESUL NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE UMA SOCIEDADE RURAL NO SUL DO RIO GRANDE DO SUL: UM OLHAR ALÉM OU AQUÉM DOS INDICADORES ECONÔMICOS. SSD 290 CULTIVO DO MILHO NO ESTADO DO CEARÁ: MILHO HÍBRIDO OU MILHO VARIEDADE? SCD 017 DEMANDAS E GARGALOS TECNOLÓGICOS DA AGRICULTURA FAMILIAR NO PARANÁ: A VISÃO DAS ENTIDADES REPRESENTATIVAS. SSD 167 DESEMPENHO DE PRODUTORES AGRÍCOLAS COM BASE EM MEDIDAS DE PRODUTIVIDADE: UMA ABORDAGEM MULTICRITERIAL. SSD 169 E AGORA JOSÉ... PARA ONDE? IMPASSES EM TORNO DA IDENTIDADE E PROJETO DO MOVIMENTO DE AGRICULTORES EM CONSTANTINA-RS. SCD 125 ENTRE A MONOCULTURA E A DIVERSIDADE: OS CAMINHOS DOS AGRICULTORES ASSENTADOS NA REGIÃO DE ARARAQUARA-SP. SCD 074 ESTABELECIDOS E OUTSIDERS NO CRÉDITO RURAL: O CASO DO PRONAF B. SCD 128 ESTUDO DO PERFIL DOS MUNICÍPIOS RECEPTORES DE RECURSOS DO PRONAF CRÉDITO UMA COMPARAÇÃO ENTRE AS CAPTAÇÕES DA REGIÃO SUL E DA REGIÃO NORDESTE. SSD 044 EVOLUÇÃO DO ESPAÇO AGRÁRIO DO MUNICÍPIO DE QUEVEDOS-RS. SSD 040 EXTENSÃO RURAL: POLISSEMIA E RESISTÊNCIA. SCD 016 IMPACTOS DAS FEIRAS DE PRODUTORES RURAIS NO COMÉRCIO URBANO EM MUNICÍPIOS DO VALE DO JEQUITINHONHA. SSD 292 MODO DE PRODUÇÃO E REFORMA AGRÁRIA: COMO EVOLUI A FORMA DE PRODUÇÃO DOS COMUNITÁRIOS DO ASSENTAMENTO GROSSOS? SSD 170 NOVAS FORMAS DE INSERÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR AO MERCADO COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL. SSD 051 NOVOS SUJEITOS POLÍTICOS: AUTO-ORGANIZAÇÃO DAS TRABALHADORAS RURAIS. SSD 049 O CRÉDITO DO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR (PRONAF) E A EFICIÊNCIA TÉCNICA AGRÍCOLA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE PARA O PERÍODO DE 1996 A SSD 043 O PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR (PRONAF): UM ENFOQUE NA PERSPECTIVA DEMOCRÁTICA DE ALAIN TOURAINE. SSD 177 O QUE SE COMPRA NA FEIRA? PERFIL E FATORES DE DECISÃO DO CONSUMIDOR EM LAVRAS, MG. SCD 070 PLURIATIVIDADE E SUCESSÃO HEREDITÁRIA NA AGRICULTURA FAMILIAR. SCD 127 POTENCIALIZANDO APOIOS INSTITUCIONAIS E PARCERIAS NA FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL: O CURSO TÉCNICO EM AGROPECUÁRIA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL EM UNAÍ/MG. SSD 174 PROPOSTA METODOLÓGICA PARA A CAPACITAÇÃO GERENCIAL DE AGRICULTORES FAMILIARES. Página 28 SSD 180 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: PERSPECTIVAS PARA A. SSD 299 REDES SOCIAIS DE RECIPROCIDADE NOS ESPAÇOS LOCAIS DO MEIO RURAL E INICIATIVAS DE DESENVOLVIMENTO: ALGUMAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO. SSD 171 RESGATANDO E PRESERVANDO A BASE GENÉTICA DA BACIA DO RIO CURU, CEARÁ: ALGUNS RESULTADOS E CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES. SSD 295 SIMULAÇÃO DE CENÁRIOS PARA A PECUÁRIA LEITEIRA DE ECONOMIA FAMILIAR EM MINAS GERAIS. SCD 129 SISTEMAS DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE LAPÃO, BAHIA. SSD 176 SISTEMAS E CUSTOS DE PRODUÇÃO DE MANDIOCA NO ESTADO DE ALAGOAS. SSD 173 SUBSÍDIOS PARA A ELABORAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS COM RECORTE DE GÊNERO E RAÇA NA AGRICULTURA FAMILIAR. SSD 166 SUSTENTABILIDADE SOCIAL E ECONÔMICA: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA VISANDO À INCLUSÃO SOCIAL DE PRODUTORES DE BASE FAMILIAR. SSD 045 TRANSFERÊNCIA E APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS ATRAVÉS DA UNIDADE DE TESTE E DEMONSTRAÇÃO UTD, NO CULTIVO DO ALGODÃO PARA A AGRICULTURA FAMILIAR NO SUDOESTE DE GOIÁS, COM ENFOQUE NO MUNICÍPIO DE RIO VERDE, SAFRA 2004/2005. SSD 048 TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS RECENTES NO ESPAÇO RURAL DO OESTE DE SANTA CATARINA: MIGRAÇÃO, SUCESSÃO E CELIBATO. SCD 071 UMA ESTIMATIVA PRELIMINAR DAS RECEITAS MONETÁRIAS E NÃO-MONETÁRIAS DE AGRICULTORES FAMILIARES DO VALE DO JEQUITINHONHA. SSD 178 VIABILIDADE ECONÔMICA DE SISTEMAS AGROFLORESTAIS ORGÂNICOS NO BAIXO SUL DA BAHIA O CASO DO PROJETO ONÇA. 8 MERCADO DE TRABALHO AGRÍCOLA SSD 364 A AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA PARAIBANA: IMPLICAÇÕES DA CRISE NO EMPREGO E NA ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA NA DÉCADA DE SCD 107 A EVOLUÇÃO DAS ATIVIDADES E RENDAS NÃO-AGRÍCOLAS NA PARAÍBA NOS ANOS 90. SCD 050 A EXACERBAÇÃO ROMÂNTICA NA PESQUISA SOCIAL E A ANÁLISE DA MIGRAÇÃO CAMPO-CIDADE EM PERNAMBUCO NO SÉCULO XX. SCD 052 A PLURIATIVIDADE NO NORDESTE E NO SUL DO BRASIL. SSD 242 COMPARAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RURAL NO BRASIL, SUÉCIA E CANADÁ. SSD 365 CONDIÇÕES E ACESSO À SAÚDE ENTRE OS OCUPADOS NOS SETORES AGRÍCOLA, INDUSTRIAL E SERVIÇOS: UMA ANÁLISE REGIONAL EM ANOS RECENTES, 1998 E SSD 366 CRESCIMENTO DO PRODUTO AGROPECUÁRIO: UMA APLICAÇÃO DO VETOR AUTO- REGRESSIVO (VAR). SSD 241 DIFERENÇAS SALARIAIS POR COR NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO SUL DO BRASIL. SSD 367 EMPREGO RURAL NA FRUTICULTURA PARAIBANA NO PERÍODO SSD 243 MERCADO DE TRABALHO FORMAL EM ATIVIDADES AGROPECUÁRIAS PAULISTAS, SSD 246 MUDANÇAS RECENTES NO EFEITO DA ESCOLARIDADE SOBRE O SALÁRIO DO TRABALHADOR AGRÍCOLA GAÚCHO. SCD 106 MUDANÇAS RECENTES NO MERCADO DE TRABALHO RURAL. SSD 369 O COMPORTAMENTO DA MÃO-DE-OBRA OCUPADA NO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE PARA OS ANOS DE 1995 E SSD 368 O PROGRAMA DOCUMENTO NORDESTE E AS NOVAS FORMAS DE ABORDAR A GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NAS REGIÕES DO RIO SÃO FRANCISCO E NA SERRA DA CAPIVARA NO PIAUÍ. SSD 244 OCUPAÇÕES AGRÍCOLAS E NÃO AGRÍCOLAS: TRAJETÓRIA E RENDIMENTOS NO MEIO RURAL BRASILEIRO. Página 29

16 TÍTULO E GRUPO PAG TÍTULO E GRUPO PAG SCD 051 POLÍTICAS TRABALHISTA, FUNDIÁRIA E DE CRÉDITO AGRÍCOLA E POBREZA NO BRASIL. SSD 245 TECNOLOGIA E RELAÇÕES DE PRODUÇÃO NO EXTRATIVISMO DA CARNAÚBA NO NORDESTE BRASILEIRO. 9 INSTITUIÇÕES E ORGANIZAÇÕES NA AGRICULTURA SSD 117 ILUMINANDO SINGULARIDADES E SENTIDOS EM UMA EXPERIÊNCIA DE OCUPAÇÃO E DE ACAMPAMENTO. SSD 107 A ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES DE LEITE DE ÁGUAS BELAS COMO AGENTE DE DESENVOLVIMENTO. SCD 157 A ECONOMIA INSTITUCIONAL: EM BUSCA DE UMA TEORIA DO DESENVOLVIMENTO RURAL. SSD 237 A IMPORTÂNCIA DO AUTOFINANCIAMENTO PARA O FINANCIAMENTO DO PROCESSO DE EXPANSÃO DAS COOPERATIVAS AGROPECUÁRIAS. SSD 239 ABERTURA DIRETA DO CAPITAL DAS COOPERATIVAS AGROPECUÁRIAS PELA EMISSÃO DE TÍTULOS DE DÍVIDA. SSD 240 AGRONEGÓCIO COOPERATIVO: A TRANSIÇÃO E OS DESAFIOS DA COMPETITIVIDADE. SSD 112 ALGUMAS REFLEXÕES ACERCA DO ESPAÇO DE INVESTIGAÇÃO SOBRE O \\\\\\\\. SCD 048 ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS EM ESPAÇOS RURAIS DO NORDESTE: O CASO DO PÓLO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO ASSU-MOSSORÓ (RN). SSD 111 ATORES SOCIAIS RURAIS, GOVERNANÇA LOCAL E DESENVOLVIMENTO RURAL NA AMÉRICA LATINA. SSD 116 AUTONOMIA E DEPENDÊNCIA NA ASSOCIAÇÃO DOS PEQUENOS AGRICULTORES DO PROJETO CINTURÃO VERDE DE ILHA SOLTEIRA. SSD 115 AVALIAÇÃO DE PROGRAMA PÚBLICO DE DESENVOLVIMENTO NO. SSD 361 CAPITAL SOCIAL E ACESSO AO CRÉDITO NA AGRICULTURA FAMILIAR. SSD 114 CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E LIMITES A AÇÃO ESTRATÉGICA: REDES DE RECURSOS DE PODER EM PERSPECTIVA COMPARADA. SCD 104 CONSTRUÇÃO DE REDES E INCLUSÃO SOCIAL NO TERRITÓRIO CITRÍCOLA PAULISTA. SCD 049 CONTRACTING UNDER WEAK. SCD 156 COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO DO LEITE: TENDÊNCIAS INTERNACIONAIS. SSD 358 DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE PRODUTORES NA REGIÃO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. SSD 113 DISCUTINDO A MUDANÇA DE PARADIGMA NA ATUAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES SINDICAIS DE TRABALHADORES RURAIS. SSD 236 EFICIÊNCIA DOS PRINCÍPIOS COOPERATIVISTAS NA COAPIL PARA PROMOVER O DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO DOS COOPERADOS E COLABORADORES. SSD 363 ESTRATÉGIAS DAS COOPERATIVAS DE LATICÍNIOS NO ESTADO DE SÃO PAULO: CASO COOPERATIVA DE LATICÍNIOS DE SOROCABA: COLASO. SSD 235 EXTENSÃO RURAL NO ESTADO DE GOIÁS: PRODUÇÃO FAMILIAR E MODERNIDADE REFLEXIVA. SCD 101 GRUPOS DE PRESSÃO E A TRAMITAÇÃO DO PROJETO DE LEI DE BIOSSEGURANÇA NO CONGRESSO NACIONAL. SCD 047 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS DOS ADMINISTRADORES DA COOPERATIVA MISTA DOS PRODUTORES RURAIS DO SUDESTE GOIANO. SSD 360 INOVAÇÃO E PRÁTICAS ENDÓGENAS NA ATIVIDADE PESQUEIRA DO BAIXO TOCANTINS: UMA ALTERNATIVA FACE À DIFICULDADE DE OFERTA. SSD 362 INVESTIGAÇÃO DO DESEMPENHO DAS COOPERATIVAS DE CRÉDITO DE MINAS GERAIS POR MEIO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS (DEA). Página 30 SCD 103 INVESTMENT CONSTRAINTS IN AGRICULTURAL COOPERATIVES: THEORY, EVIDENCE AND SOLUTIONS. SCD 102 O CAPITAL SOCIAL NO ESTADO DO CEARÁ: O CASO DO MUNICÍPIO DE ITAREMA. SSD 238 O DESENVOLVIMENTO DAS FONTES INFORMAIS DE CRÉDITO NA DÉCADA DE 1990 E A MUDANÇA DE RELAÇÃO DOS NOVOS AGENTES O CASO DA CARAMURU ALIMENTOS LTDA. SSD 110 O PROGRAMA SAI E SEU EFEITO NA CAPACITAÇÃO DO EMPRESÁRIO RURAL DO ALTO TIETÊ SP. SCD 105 OS CONSÓRCIOS DE PRODUTORES DIFERENCIADOS NO TERRITÓRIO CITRÍCOLA PAULISTA E SEUS RECURSOS DE PODER. SCD 158 PLANTAÇÕES E POLÍTICA FLORESTAL NO BRASIL: ANÁLISE DA FORMAÇÃO E DA INSTITUCIONALIZAÇÃO DE DEMANDAS ( ). SSD 109 PRINCIPAIS CAUSAS DO NÃO ASSOCIATIVISMO ENTRE AGRICULTORES FAMILIARES DO MUNICÍPIO DE NOVA PALMA (RS, BRASIL) E ESTRATÉGIAS DE EXTENSÃO. SSD 359 PROPOSTA DE METODOLOGIA DE RATING PARA COOPERATIVAS AGROPECUÁRIAS. SCD 155 REFLEXÕES SOBRE O PAPEL DAS COOPERATIVAS AGROPECUÁRIUAS NO FINANCIAMENTO DA AGRICULTURA BRASILEIRA. SSD 106 RISCO DE LIQUIDEZ EM COOPERATIVAS DE CRÉDITO: UMA ABORDAGEM A PARTIR DO MODELO LOGIT MULTINOMIAL. SSD 108 TITULO: A ORGANIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE P&D AGRÍCOLA EM CUBA A PARTIR DOS ANOS 90: CONFRONTOS E DESAFIOS NO SECULO XXI. SCD 159 UTILIZAÇÃO DA FUNÇÃO DE ANÁLISE DISCRIMINANTE LINEAR E O MODELO DE REGRESSÃO LOGÍSTICA NA PREVISÃO DE INSOLVÊNCIA DE COOPERATIVAS AGRÍCOLAS DO ESTADO DO PARANÁ. 10 REFORMA AGRÁRIA E OUTRAS POLÍTICAS DE REDUÇÃO DA POBREZA SSD 272 A BUSCA PELA ESTABILIDADE ECONÔMICA E OS SEUS EFEITOS SOBRE O PROJETO FOME ZERO NO BRASIL. SCD 111 A ESCOLA EM ASSENTAMENTOS DE REFORMA AGRÁRIA: IMPASSES E POSSIBILIDADES NO PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS. SSD 271 ANÁLISE DA POLÍTICA DE ASSENTAMENTOS RURAIS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: O CASO DO ASSENTAMENTO ASSOCIAÇÃO MUTIRÃO DA CONQUISTA VALENÇA / RJ. SCD 165 AS VILAS RURAIS NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DO PARANÁ: UMA POLÍTICA PÚBLICA DE DESENVOLVIMENTO E SEU IMPACTO NA VIDA DOS TRABALHADORES RURAIS VOLANTES. SCD 113 CARACTERIZAÇÃO DAS FAMÍLIAS E DA PRODUÇÃO DE QUATRO ASSENTAMENTOS DA REGIÃO DE ANDRADINA-SP. SSD 145 COOPERATIVAS DE PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO MST: POSSIBILIDADES E LIMITES COMO INDUTORA DA SUSTENTABILIDADE DOS ASSENTAMENTOS. SSD 274 EVOLUÇÃO DAS ATIVIDADES PRODUTIVAS DO ASSENTAMENTO ANHUMAS: LUTAS E PERCALÇOS. SSD 142 FOME ZERO:EVOLUÇÃO DESDE O CONCEITO DE SEGURANÇA ALIMENTAR ATÉ O PROJETO (VERSÃO DE 2001). SSD 273 INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO EM ASSENTAMENTOS RURAIS E PERIFERIA URBANA: ESTUDO DE CASO DOS ASSENTAMENTOS DE CÓRREGO RICO (JABOTICABAL-SP), REAGE BRASIL (BEBEDOURO-SP) E ÁREA PERIFÉRICA URBANA (JARDIM ALVORADA) JABOTICABAL-SP. SSD 146 MEDIDAS DE POBREZA FGT DAS PESSOAS OCUPADAS COM ATIVIDADE PRINCIPAL NA AGRICULTURA: UMA ANÁLISE SEGUNDO A POSIÇÃO NA OCUPAÇÃO NOS ESTADOS DA REGIÃO NORDESTE. Página 31

17 TÍTULO E GRUPO PAG TÍTULO E GRUPO PAG SCD 055 O ARRENDAMENTO DE TERRAS NO BRASIL: UMA ABORDAGEM REGIONAL. SCD 163 O ARRENDAMENTO NOS LOTES DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DE TRABALHADORES RURAIS: UMA POSSIBILIDADE A CONSIDERAR? SSD 143 O PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO COMO INSTRUMENTO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. O CASO DO ASSENTAMENTO DANDARA DOS PALMARES CAMAMU/BA. SCD 164 POBREZA RURAL NO BRASIL: DIFERENTES ABORDAGENS GERAM RESULTADOS DIFERENTES? SCD 112 PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS: UMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL. SCD 057 REFORMA AGRÁRIA E DESENVOLVIMENTO RURAL NO NORDESTE: A EXPERIÊNCIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE. SSD 144 REFORMAS INSTITUCIONAIS E O FINANCIAMENTO DA AGROPECUÁRIA. SSD 276 SISTEMAS DE PRODUÇÃO E COMPOSIÇÃO DA RENDA EM ÁREAS DE REFORMA AGRÁRIA: O CASO DE DOIS ASSENTAMENTOS EM ILHÉUS (BA). SSD 147 TRABALHADORES ASSENTADOS E TRABALHADORES ACAMPADOS EM MATO GROSSO DO SUL, NO PERÍODO DE 1983 A SSD 275 TRABALHO E PARTICIPAÇÃO DAS MULHERES NAS DECISÕES EM DOIS ASSENTAMENTOS DA REGIÃO DE ANDRADINA-SP. SCD 056 VULNERABILIDADE ALIMENTAR E POBREZA DOMICILIAR:CASO DE SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA RJ. 11 DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL E RURALIDADE SCD 099 A ABORDAGEM TERRITORIAL DO DESENVOLVIMENTO RURAL MUDANÇA INSTITUCIONAL OU \ INOVAÇÃO POR ADIÇÃO\? SSD 232 A INFLUÊNCIA DOS SETORES DE ATIVIDADE ECONÔMICA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO-SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PAULISTAS NA DÉCADA DE SSD 103 A MODERNIZAÇÃO AGRÍCOLA NOS MUNICÍPIOS DA MESORREGIÃO CAMPO DAS VERTENTES: UMA APLICAÇÃO DE MÉTODOS DE ANÁLISE MULTIVARIADA. SCD 149 A MODERNIZAÇÃO DA AGRICULTURA E OS BRASIGUAIOS NO PARAGUAI. SSD 356 A ORGANIZAÇÃO DE REDES DE UNIDADES PRODUTIVAS COMO INSTRUMENTO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL RURAL: UMA EXPERIÊNCIA NO ESTADO DO PARANÁ. SCD 095 A PLURIATIVIDADE NO BRASIL: PROPOSTA DE TIPOLOGIA E SUGESTÃO DE POLÍTICAS. SCD 153 ALGUNS COMENTÁRIOS SOBRE AS MUDANÇAS NA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA E O PAPEL DO CENTRO-OESTE. SCD 096 ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO TERRITORIAL DA SOJICULTURA NO BRASIL: SSD 234 ANÁLISE DO TRANSPORTE ESCOLAR RURAL DA CIDADE DE TOLEDO PR. SSD 233 AS AGROINDÚSTRIAS RURAIS TRADICIONAIS E O TURISMO NA QUARTA COLÔNIA- RS: INTERFACES E SINERGIAS. SSD 229 AS CONTRIBUIÇÕES DO PODER PÚBLICO PARA O DESENVOLVIMENTO PARTICIPATIVO DO TURISMO. SSD 349 AS DESIGUALDADES ECONÔMICAS REGIONAIS E O SETOR AGROPECUÁRIO DO RIO GRANDE DO SUL. SCD 151 AS IMPLICAÇÕES DA DELIMITAÇÃO DE RURAL E URBANO PARA AS PRÁTICAS DAS INSTITUIÇÕES DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL EM CIDADES RURAIS. SSD 357 ATIVIDADE PESQUEIRA NA AMZÔNIA: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL. SCD 043 AVALIANDO A INTENSIDADE DA MODERNIZAÇÃO DA AGROPECUÁRIA GAÚCHA: UMA APLICAÇÃO DE ANÁLISE FATORIAL E CLUSTER. SCD 154 CAPITAL HUMANO, SOCIAL E EMPREGO EM MUNICÍPIOS AGRÍCOLAS. Página 32 SSD 350 CARACTERIZAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO RURAL DOS MUNICÍPIOS PARANAENSES. SSD 352 COMPOSIÇÃO DE CULTURAS E OCUPAÇÃO DO ESPAÇO NA AGROPECUÁRIA PAULISTA DE SCD 098 DESENVOLVIMENTO AGRÍCOLA PRODUTIVISTA OU AGROECOLÓGICO? UMA REFLEXÃO ACERCA DO CARÁTER TUTELAR DA EXTENSÃO RURAL. SSD 351 DETERMINANTES DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DOS MUNICÍPIO DA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: HIERARQUIZAÇÃO E REGIONALIZAÇÃO. SSD 104 DIAGNÓSTICO SOCIO-ECONÓMICO Y AMBIENTAL DE LA REGION DEL CAMPO EXPERIMENTAL DE LA UNIVERSIDAD NACIONAL DE RIO CUARTO CÓRDOBA ARGENTINA. SSD 101 ESPECTRO ESTRUTURAL DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL NAS MICRORREGIÕES DE VALENÇA, ILHÉUS-ITABUNA E PORTO SEGURO, ESTADO DA BAHIA. SSD 353 EVOLUÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DA RENDA E DA POBREZA DAS FAMÍLIAS OCUPADAS E RESIDENTES NO MEIO RURAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS, DE 1981 A SCD 041 EXTRATIVISMO EM SERGIPE:A VULNERABILIDADE DE UM MODO DE VIDA? SCD 097 FONTES DE CRESCIMENTO DAS PRINCIPAIS CULTURAS TEMPORÁRIAS NO ESTADO DA BAHIA. SCD 044 GESTÃO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL. SSD 102 GESTÃO TERRITORIAL DO AGRONEGÓCIO O CASO DA REGIÃO NORDESTE DO ESTADO DE S. PAULO. SSD 348 GRAU DE MODERNIZAÇÃO DO SETOR AGROPECUÁRIO NA REGIÃO NORTE DO BRASIL. SCD 045 MODERNIZAÇÃO AGRÍCOLA E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: REAVALIANDO OS MODELOS DE SCHULTZ E PAIVA. SCD 042 MOVIMENTO RECENTE DA AGRICULTURA FAMILIAR. SSD 346 O COMPORTAMENTO LOCACIONAL DA MÃO-DE-OBRA NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL: NOTAS COMPARATIVAS A PARTIR DOS INDICADORES DE ANÁLISE REGIONAL. SSD 105 O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO E SEUS EFEITOS EM COMUNIDADES RECEPTORAS: UM ESTUDO NO MUNICÍPIO DE CARRANCAS-MG. SCD 046 O NOVO RURAL: TEORIA E ESTUDO DE CASO. SSD 355 O PROBLEMA DA NÃO DEFINIÇÃO DA UNIDADE ECONÔMICA BÁSICA NA AGRICULTURA. SCD 150 O PROCESSO DE MERCANTILIZAÇÃO DO CONSUMO DE ALIMENTOS NA AGRICULTURA FAMILIAR. SSD 230 REVESES À QUESTÃO TERRITORIAL NA REGIÃO DE IRECÊ, BAHIA. SCD 100 SEMÂNTICA E FORMAÇÃO DISCURSIVA: A PROPÓSITO DO DEBATE SOBRE PLURIATIVIDADE E MULTIFUNCIONALIDADE. SSD 231 TRANSFORMAÇÕES DA AGROPECUÁRIA DA AGROPECUÁRIA PARANAENSE: UM ESTUDO NA AMUSEP NO PERÍODO DE 1970 A 1995/1996. SSD 347 TURISMO E DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL PERFIL DA ESTRUTURA DE HOSPEDAGEM RURAL NA REGIÃO CENTRAL DO RS. SSD 100 TURISMO E MUDANÇAS SOCIOCULTURAIS EM CONCEIÇÃO DE IBITIPOCA, MG: DA REESTRUTURAÇÃO DA ESFERA PRODUTIVA À CHEGADA DE NOVOS ATORES SOCIAIS, UM ESPAÇO RURAL EM TRANSFORMAÇÃO. SSD 354 TURISMO EM ÁREAS RURAIS PERSPECTIVAS DA ORGANIZAÇÃO LOCAL NO CASO DAS TERRAS ALTAS DA MANTIQUEIRA (MG). SCD 152 UMA INTERPRETAÇÃO POLÍTICA DA INTRODUÇÃO DA SOJA NO CERRADO DE MATO GROSSO. 12 CIÊNCIA, INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E PESQUISA. SSD 317 A AMÊNDOA DA CASTANHA-DE-CAJU: COMPOSIÇÃO E IMPORTÂNCIA DOS ÁCIDOS GRAXOS PRODUÇÃO E COMÉRCIO MUNDIAIS. Página 33

18 TÍTULO E GRUPO PAG TÍTULO E GRUPO PAG SCD 138 A PESQUISA PÚBLICA E A INDÚSTRIA SEMENTEIRA NOS SEGMENTOS DE SEMENTES DE SOJA E MILHO HÍBRIDO NO BRASIL. SSD 067 ANÁLISE DOS FATORES CONDICIONANTES DA REESTRUTURAÇÃO AGRÍCOLA NO NO ESTADO DE MATO GROSSO. SSD 065 ANÁLISE DOS FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO ESCOLAR NAS ESCOLAS DAS ÁREAS URBANAS E RURAIS DO BRASIL. SSD 320 AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS DA PESQUISA DA EMBRAPA: A EXPERIÊNCIA DO PERÍODO 2001/2004. SSD 316 COMUNICAÇÃO RURAL ENTRE TRÊS ATORES NAS ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO DE FRUTEIRAS NO NORDESTE BRASILEIRO:. SSD 198 DEBATES ATUAIS SOBRE A SEGURANÇA DOS ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E OS DIREITOS DOS CONSUMIDORES. SSD 197 DETERMINANTES SOCIOECONÔMICOS DA SITUAÇÃO NUTRICIONAL DAS FAMÍLIAS DA CIDADE DE CRATO CE. SSD 195 EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NO BRASIL: O CASO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. SSD 064 FORMAS DE APRENDIZAGEM E PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO EM UM ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DA SOJA NO CERRADO. SSD 193 IMPACTOS DOS INVESTIMENTOS EM PESQUISA AGRÍCOLA NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL, SSD 319 INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. SCD 136 INOVAÇÃO NOS INSTITUTOS PÚBLICOS DE PESQUISA E INSTITUTOS DE PESQUISA MISTOS, NO AGRONEGÓCIO FLORESTAL: ANÁLISE COMPARATIVA. SCD 081 MEDIDA DE EFICIÊNCIA ECONÔMICA DOS CENTROS DE PESQUISA DA EMBRAPA: UMA ABORDAGEM DE PAINEL DINÂMICO PARA AVALIAÇÃO DE COVARIÁVEIS. SSD 196 O GRAU DE CONHECIMENTO DO TRABALHADOR RURAL SOBRE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS NA REGIÃO DO ALTO TIETÊ - SP ANTES E APÓS TREINAMENTOS DIRECIONADOS. SSD 069 PADRÕES DE UTILIZAÇÃO E EXPECTATIVAS DE CAFEICULTORES EM RELAÇÃO À WEBSITES DE INFORMAÇÃO SOBRE CAFÉ. SSD 066 PERSPECTIVA DO USO DE SEMENTES TRANSGÊNICAS NA PRODUÇÃO DE MILHO NO BRASIL. SSD 068 PROGRAMA DE MILHO HÍBRIDO: NÍVEL TECNOLÓGICO, GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NO ESTADO DO CEARÁ. SCD 137 RESIDÊNCIA AGRÁRIA: PROJETO UNIVERSITÁRIO E CAMPONÊS COMO FATOR DE DESENVOLVIMENTO DO CAMPO. SSD 194 TOMADA DE DECISÃO: O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS COMO FERRAMENTA DE APOIO À GESTÃO DE PROPRIEDADES RURAIS. SCD 082 TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DE ORGANIZAÇÕES PÚBLICAS DE PESQUISA: UMA ANÁLISE DAS PERCEPÇÕES DE EMPRESAS AGROINDUSTRIAIS NO BRASIL. SSD 318 TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIAS AGROPECUÁRIAS: FATOR DE COMPETITIVIDADE NA MICRORREGIÃO DE PETROLINA PE. SSD 321 UM ESTUDO DOS FATORES QUE AFETAM A FREQÜÊNCIA E O ATRASO ESCOLAR, NOS MEIOS URBANO E RURAL, DE SÃO PAULO E PERNAMBUCO. 13 SOCIOECONOMIA SOLIDARIA E DESENVOLVIMENTO LOCAL SCD 118 A ECONOMIA SOLIDÁRIA COMO INSTRUMENTO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE PINTADAS. SCD 062 A ECONOMIA SOLIDÁRIA PARA ALÉM DO TRABALHO E DA PRODUÇÃO. SSD 014 A GESTÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E O DESENVOLVIMENTO LOCAL. SSD 016 ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA E DO DESENVOLVIMENTO HUMANO DAS FAMÍLIAS DAS BORDADEIRAS DE ITAPAJÉ CE (*). SCD 117 AS INCUBADORAS TECNOLÓGICAS DE COOPERATIVAS POPULARES: UMA PRIMEIRA TENTATIVA DE CONSTRUÇÃO DE MODELO. SCD 061 COMÉRCIO JUSTO E SOLIDÁRIO EM TERRITÓRIO KALUNGA. SSD 018 DA IDENTIDADE DE RESISTÊNCIA À IDENTIDADE DE PROJETO NO TERRITÓRIO DO SISAL, (BAHIA): O CASO DA APAEB-VALENTE. SSD 015 DIMENSÕES DA ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL. SSD 017 POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO URBANO EM BELÉM: A INSERÇÃO DE TRABALHADORES EM COOPERATIVAS POPULARES. SSD 013 SOCIOECONOMIA SOLIDÁRIA, ESTADO E SOCIEDADE CIVIL: AÇÕES PARA A GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA. Página 34 Página 35

19 SSD FATORES EXPLICATIVOS PARA A DIMINUIÇÃO DA PRODUÇÃO DE CACAU NO BRASIL: UMA ANÁLISE UTILIZANDO O MODELO SHIFT-SHARE. JAQUELINE SEVERINO DA COSTA; MICHELE MERÉTICA MILTONS; ALEXANDRE FLORINDO ALVES; JOSÉ LUIZ PARRÉ; UEM, MARINGÁ, PR, BRASIL; Palavras-chave: Cacau; Produtividade; Shift-Share; agronegócio; brasil O presente trabalho permitiu verifi car os fatores que explicam a redução da produção de cacau no Brasil, ocorrida principalmente a partir do ano de 1995 e que fizeram com que o país saísse da condição de exportador líquido para importador do produto a partir de Procurou-se ainda, através do modelo shift-share analisar se os efeitos área, produtividade e localização geográfi ca tiveram papel expressivo neste sentido. O que se verifi cou foi que o efeito-produtividade teve maior participação, indicando que os fatores apontados pela literatura, como a disseminação da doença Vassoura-de-Bruxa e alterações nas condições climáticas, tais como a distribuição de chuvas no período, provocaram principalmente alterações na produtividade, e não tanto na área plantada ou na localização das lavouras. SSD ESTUDO DA INFLUÊNCIA TECNOLÓGICA NO SEGMENTO PROCESSADOR DA CADEIA AGROINDUSTRIAL DE CARNES BOVINA E SUÍNA. JOSÉ PAULO SOUZA; DÉRCIO BERNARDES SOUZA; LAÉRCIO BARBOSA PEREIRA; UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ, MARINGÁ, PR, BRASIL; Palavras-chave: ambiente tecnológico; competitividade; inovação tecnológica na cadeia de carne bovina e suína; inovação tecnológica; paradigma teconológico. A aplicação e a exploração de novas tecnologias, bem como as transformações decorrentes desse processo, passaram a constituir a base de um novo paradigma tecnológico para o ambiente competitivo mundial. Sua trajetória indica profundas e continuas transformações em produtos e processos, com impacto direto na dinâmica do ambiente competitivo em que se insere qualquer organização. Nas cadeias produtivas elos de otimização e coordenação têm forte orientação nos aspectos tecnológicos tanto em segmentos primários como de apoio, orientando seu posicionamento dentre os padrões competitivos identifi cados. Dessa forma, nesse trabalho, com fundamento em pressupostos da pesquisa qualitativa, buscou-se como objetivo caracterizar como esse avanço tecnológico influi na dinâmica e no desempenho operacional do segmento de abate e processamento da cadeia agroindustrial de carne bovina e suína, e como afeta seu desempenho competitivo. Observou-se que, as inovações em produtos, no caso do segmento bovino, são mais incrementais e não afetam as características fundamentais do produto, estando relacionadas a cortes específi cos e a embalagens. Por outro lado, no segmento suíno, as inovações tanto podem envolver mudanças ou não nas características fundamentais do produto. Dessa forma, nessa cadeia, as inovações em produtos vêm possibilitando ganhos de competitividade e as inovações de processos vêm contribuindo para efi cácia da produção Página 36 Página 37

20 SSD ANÁLISE DE DESEMPENHO NA CADEIA BOVINA NO ESTADO DE SÃO PAULO. CARLOS ANDRÉ DA SILVA MÜLLER; JAIR CARVALHO DOS SANTOS; DANILO ROLIM DIAS DE AGUIAR; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; Palavras-chave: Desempenho; Cadeia Bovina; São Paulo; concentração; VAR Na década de 90, a cadeia produtiva de carne bovina experimentou mudanças significativas no que tange a relação entre os seus elos. Observou-se a elevação do poder de mercado do varejo frete ao segmento de abate/processamento, bem como este setor elevou seu poder frente ao segmento pecuário. Contudo, as mudanças incidiram de forma diferenciada entre os elos que a compõe, e assim sendo, um estudo que mensure seus efeitos revestese de importância. Os resultados comprovam a elevação do desempenho do varejo após a concentração deste mercado, em parte transferindo renda do segmento de abate/ processamento, o mesmo ocorrendo com o segmento pecuário que, com o Plano Real, teve parte de sua renda transferida para os demais segmentos. De uma forma geral, o segmento varejista é o maior benefi ciado com as mudanças da década de 90. SSD COORDENAÇÃO E CUSTOS DE TRANSAÇÃO NOS CANAIS DE COMERCIALIZAÇÃO CITRÍCOLA NO BRASIL. ANA CLAUDIA VIEIRA; LUIZ FERNANDO PAULILLO; LUIZ MANOEL ALMEIDA; UFSCAR, SÃO CARLOS, SP, BRASIL; Palavras-chave: coordenação; custo de transação; citricultura; rede citrícola; comercialização Este artigo apresenta os diversos canais de comercialização da rede citrícola no Brasil, com os respectivos custos de transação. O objetivo central é analisar se os custos de transação têm sido relevantes e em que sentido eles interferem no desempenho dos agentes produtores. Diante de um ambiente cada vez mais complexo e das difi culdades do segmento agrícola em adquirir habilidade para a negociação, a coordenação da rede fi ca sob o domínio da grande indústria processadora. Nesse sentido, verifi ca-se, através de pesquisa de campo com os citricultores, qual é o custo de transação e procura-se analisar como eles infl uenciam as escolhas desses produtores, não apenas quanto ao canal de comercialização mas quanto à própria permanência no setor. Essas escolhas são importantes quando se considera que a rede citrícola vem apresentando difi culdades cada vez maiores para os produtores agrícolas (especialmente os pequenos), diante do domínio das quatro grandes empresas processadoras. SSD CARACTERIZAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DO LÁTEX/BORRACHA NATURAL E IDENTIFICAÇÃO DOS PRINCIPAIS GARGALOS PARA O CRESCIMENTO. CARLOS OMINE; MÁRCIA AZANHA FERRAZ DIAS DE MORAES; BANCO BRASIL, SÃO PAULO, SP, BRASIL; Palavras-chave: cadeia produtiva borracha; seringueira; látex; preços; gargalos Realizou-se uma caracterização da cadeia produtiva da borracha do Brasil, considerandose três elos principais: a produção agrícola (seringueira), a produção de látex e seu benefi ciamento. O Brasil responde atualmente por 1% da produção mundial de látex, sendo importador do produto. A crescente produção no estado de São Paulo com melhores condições edafoclimáticas pode alterar este cenário. Analisou-se o valor necessário para investimentos para implementação de seringais, a forma de fixação de preços da borracha natural e do látex. Procedeu-se ao levantamento de dados primários e entrevistas com agentes do setor para identifi car os principais gargalos para a expansão da atividade. Observou-se que o custo de implantação de um hectarede seringueira, incluindo o cumprimento de legislação específi ca chega a R$ 6.000, 00, que é difícil de ser arcado pelos pequenos produtores, considerando-se a ausência de linhas de crédito ofi ciais compatíveis com o retorno da atividade. No que refere à formação de preços, observou-se que a legislação pertinente e os acordos entre os intervenientes especifi ca que os preços pagos são ajustados aos valores do látex importado. Deste modo, os preços nacionais estão alinhados com o mercado internacional, e sofrem o impacto da taxa de câmbio. Praticamente 70% do preço fi ca com o produtor de látex e 30% com a indústria beneficiadora, conforme entendimento entre os agentes da cadeia produtiva. As perspectivas são positivas do lado da demanda, de modo que há uma clara necessidade de maior produção, que dependerá da superação dos gargalos apresentados. As linhas de crédito recém constituídas exigem requisitos de difícil cumprimento por parte dos produtores (tais como a constituição de reserva ambiental de 20% do total da área, fato que reduz a rentabilidade da cultura). Outra necessidade levantada pelos agentes é a equiparação da seringueira com árvore de refl orestamento, que solucionaria o problema de acesso às linhas de crédito. Quanto às usinas de látex verificou-se da mesma forma a necessidade de giro e instrumentos de comercialização, como EGF, o que as possibilitaria a formação de estoques para venda em períodos mais vantajosos. As usinas benefi ciadoras, que dependem de investimentos, capital de giro e recursos de comercialização, cada vez mais tornam-se obsoletas e fi nanceiramente inviáveis, e também requerem linhas de crédito apropriadas. Página 38 Página 39

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO. Disciplina: Administração em Agronegócios

I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO. Disciplina: Administração em Agronegócios I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO Disciplina: Administração em Agronegócios A evolução do setor agrícola brasileiro. Os ciclos da agricultura brasileiro. A modernização da agricultura. O crescimento

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

SEBRAE/AL Edital 01/2015 ERRATA 02 Credenciamento de Pessoas Jurídicas para compor o Cadastro de Consultores e Instrutores do Sistema SEBRAE

SEBRAE/AL Edital 01/2015 ERRATA 02 Credenciamento de Pessoas Jurídicas para compor o Cadastro de Consultores e Instrutores do Sistema SEBRAE SEBRAE/AL Edital 01/2015 ERRATA 02 Credenciamento de Pessoas Jurídicas para compor o Cadastro de Consultores e Instrutores do Sistema SEBRAE O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL INTEGRAÇÃO CONTRATUAL Uma Estratégia de Acesso ao Mercado Internacional Pedro Viana Borges Esp. Pol. Públicas P e Gestão Governamental Internacionalização de Cooperativas Integração Regional no Mercosul

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

Consultoria e Projetos Preparando o solo, aplicando Preparados Biodinâmicos, Produzindo as sementes e Colhendo Bons Frutos

Consultoria e Projetos Preparando o solo, aplicando Preparados Biodinâmicos, Produzindo as sementes e Colhendo Bons Frutos Consultoria e Projetos Preparando o solo, aplicando Preparados Biodinâmicos, Produzindo as sementes e Colhendo Bons Frutos Projeto MDA Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento

Leia mais

Protocolo Oficial de Boas Práticas Agropecuárias

Protocolo Oficial de Boas Práticas Agropecuárias Produção Integrada Agropecuária PI Brasil Protocolo Oficial de Boas Práticas Agropecuárias Agosto/2011 CUSTO DA POSIÇÃO DE DESTAQUE DA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA * Pode ter sido produzido com antibióticos

Leia mais

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Governo do Brasil Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Integração Contratual para Acesso a Mercado Rodolfo Osorio de Oliveira Coordenador

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

O QUE É. Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento. Eletrobrás

O QUE É. Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento. Eletrobrás O QUE É Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento 1 QUEM SÃO Total de Pessoas: 12.023.703 84% Rural 16% Urbano Total: 10.091.409 Total:

Leia mais

A Política Nacional de Ater Pnater e seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável

A Política Nacional de Ater Pnater e seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Seminário: A Extensão Rural Pública e seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Belo Horizonte, 17 de Outubro 2007 A Política Nacional de Ater Pnater e seus Impactos no Desenvolvimento Municipal

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA INTRODUÇÃO 1. COMPLEXO AGROINDUSTRIAL CAI 2. AGROINDÚSTRIA

INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA INTRODUÇÃO 1. COMPLEXO AGROINDUSTRIAL CAI 2. AGROINDÚSTRIA INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA ÁREA INDUSTRIAL MAIO/2009 Nº 11 INTRODUÇÃO Neste informe são apresentados alguns dados sobre os desembolsos do BNDES para a agroindústria no ano de 2008. 1. COMPLEXO

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas

Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas Larissa Bueno Ambrosini Carlos Alberto Oliveira de Oliveira Pesquisadores Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária Porto Alegre, 21 de novembro de 2012. O debate

Leia mais

Demonstrativo das Receitas Diretamente Arrecadadas por Órgão/Unidade Orçamentária

Demonstrativo das Receitas Diretamente Arrecadadas por Órgão/Unidade Orçamentária Demonstrativo das Receitas Diretamente Arrecadadas por Órgão/Unidade Orçamentária 01. 000 Câmara dos Deputados 1.462.885 1.388.134 74.751 01. 901 Fundo Rotativo da Câmara dos Deputados 1.462.885 1.388.134

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Rural 05. Habitantes no

Leia mais

INTEGRAÇÃO NA CADEIA PRODUTIVA COM USO DE

INTEGRAÇÃO NA CADEIA PRODUTIVA COM USO DE Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo - SDC Departamento de Cooperativismo e Associativismo - DENACOOP INTEGRAÇÃO NA CADEIA PRODUTIVA COM USO DE CONSÓRCIO Raul de Oliveira Fontoura

Leia mais

ESTADO DE MINAS GERAIS

ESTADO DE MINAS GERAIS TEMAS VOLUME DE RECURSOS 20 bilhões para o estado de Minas Gerais: 60% Custeio 25% Comercialização 15% Investimento TAXA DE JUROS Diminuição da taxa de juros para o crédito rural (recursos obrigatórios)

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL: balanço e próximos passos

SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL: balanço e próximos passos SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL: balanço e próximos passos ÍNDICE Balanço Processo de consulta pública para alteração na Portaria 60/2012 Próximos passos BALANÇO - Brasil 43 UPBs detentoras do Selo Combustível

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina. Rui Trigo Morais

Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina. Rui Trigo Morais Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina Rui Trigo Morais Para caracterizar devidamente os instrumentos de transferência de I&D na América Latina, as suas especificidades,

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 AGRICULTURA ORGÂNICA Engenheiro Agrônomo Carlos Alberto Salvador

Leia mais

MBA Gestão Estratégica do Agribusiness

MBA Gestão Estratégica do Agribusiness MBA Gestão Estratégica do Agribusiness Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: 24/08/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às 22h30 Semanal Quarta-Feira 18h30

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Setembro de 2012 A política agrícola anunciada para a agricultura empresarial se caracterizou por assegurar o necessário apoio ao produtor rural.

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Geografia 7 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Complete o quadro com as características dos tipos de clima da região Nordeste. Tipo de clima Área de ocorrência Características

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

Produção Integrada Agropecuária PI Brasil Novembro/2011 AGROPECUÁRIA BRASILEIRA (2006) Fonte: Conab/MAPA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA CUSTO DA POSIÇÃO DE DESTAQUE DA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA * Pode ter sido

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Política Econômica CMN 29.07.2009 Votos Agrícolas Brasília-DF, 29 de julho de 2009. RESUMO DOS VOTOS DA ÁREA AGRÍCOLA REUNIÃO DO CMN JULHO 2009 1 ESTABELECE NOVO PRAZO

Leia mais

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista A atividade agrícola e o espaço agrário Prof. Bruno Batista A agropecuária É uma atividade primária; É obtida de forma muito heterogênea no mundo países desenvolvidos com agricultura moderna, e países

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total 100 Fortalecimento da Atuação Legislativa 8.475.000 8.475.000 101 Fortalecimento do Controle Externo Estadual 80.649.880 80.649.880 102 Fortalecimento do Controle Externo Municipal 3.245.000 3.245.000

Leia mais

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 José Alberto Ângelo Danton Leonel de Camargo Bini Denise Viane Caser Paulo José Coelho Carlos Nabil Ghobril alberto@iea.sp.gov.br

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 39-CEPE/UNICENTRO, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova o Curso de Especialização em MBA em Cooperativismo e Desenvolvimento de Agronegócios, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE S (ÁREA: GESTÃO) TECNÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização:A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos Linhas de crédito para o setor florestal Homero José Rochelle Engº Agrônomo ESALQ 1979 Plano de Safra 2014/2015 MAPA - Ministério

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA.

O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ETANOL E BIOMASSA PARA COGERAÇÃO DE ENERGIA. Seminário Temático Agroindustrial de Produção de Sorgo Sacarino para Bioetanol, 2. Ribeirão Preto, SP, 20-21/Setembro/2012. O SORGO SACARINO É UMA ALTERNATIVA PARA COMPLEMENTO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO

Leia mais

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO Introdução O modelo de desenvolvimento rural nos últimos tempos, baseado na modernização agrícola conservou muitas das características históricas

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES Agosto/15 Análise de Competitividade Rações Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da competitividade

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia PRGRA Pró-Reitoria de Graduação DIRPS Diretoria de Processos Seletivos

Universidade Federal de Uberlândia PRGRA Pró-Reitoria de Graduação DIRPS Diretoria de Processos Seletivos GEOGRAFIA Gabarito Final - Questão 1 A) Dentre os fatores que justificam a expansão da cana-de-açúcar no Brasil, destacam-se: Aumento da importância do álcool ou etanol na matriz energética brasileira;

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Doutorando História das Ciências UFBA,UEFS ABA QUALYAGRO PEC NORDESTE 2013 Guilherme Augusto Vieira gavet@uol.com.br Agronegócio Contexto Pessoal Início trabalhos com Agronegócio

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO

SEGURO RURAL BRASILEIRO SEGURO RURAL BRASILEIRO Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 O QUE É O SEGURO RURAL? O seguro rural é uma importante ferramenta de gestão de riscos que protege

Leia mais

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios Você é nosso convidado para participar

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

Agricultura familiar e ruralidade

Agricultura familiar e ruralidade LISTA DE ARTIGOS APROVADOS POR GRUPOS DE TRABALHO (PÔSTER E ORAL) Agricultura familiar e ruralidade 1 A EDUCAÇÃO NA FISCALIZAÇÃO DA PRODUÇÃO E DA COMERCIALIZAÇÃO DE ALIMENTOS COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO

Leia mais

Fatores que proporcionam a grande produção e variedade agrícola:

Fatores que proporcionam a grande produção e variedade agrícola: Fatores que proporcionam a grande produção e variedade agrícola: Muito extenso Solos férteis Clima variado Bom regime pluviométrico Extensas planícies Cultivo variado Problemas: Falta de reforma agrária

Leia mais

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil?

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Prof. Samuel Ribeiro Giordano, Dr.Sc. Coordenador de Projetos do Pensa Programa de Agronegócios da Universidade de São Paulo-Brasil srgiorda@usp.br www.fia.com.br/pensa

Leia mais

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD I. O PROBLEMA DE DESENVOLVIMENTO E PROBLEMAS IMEDIATOS ENFOCADOS A conversão da floresta primária na Amazônia ameaça a biodiversidade e libera estoques

Leia mais

O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário. dezembro de 2012

O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário. dezembro de 2012 O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário dezembro de 2012 Apoio ao setor rural Ministério da Agricultura Pecuária e Abatecimento - MAPA Programas Agropecuários do Governo Federal Operacionalizados pelo

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Projeto. Das Roças e Florestas dos Povos e Comunidades Tradicionais e da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar

Projeto. Das Roças e Florestas dos Povos e Comunidades Tradicionais e da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar Projeto Das Roças e Florestas dos Povos e Comunidades Tradicionais e da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar Nutritivo para alimentação escolar Nutrição como Sustento e Sustentabilidade Nutrimento

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1. Produção de Leite Rodrigo Sant`Anna Alvim 1 O Brasil conta com um setor leiteiro que vem crescendo substancialmente nos últimos anos. Grande importador

Leia mais

Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável

Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável Sumário Agricultura familiar no Brasil Importância e aspectos positivos da palma de óleo Programa Palma de Óleo e sinergia com o

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

Um plano da agricultura familiar para o Brasil

Um plano da agricultura familiar para o Brasil Um plano da agricultura familiar para o Brasil 1 Plano Safra da Agricultura Plano Safra Familiar da Agricultura Familiar 2008/09 2 Mais Alimentos Um plano da agricultura familiar para o Brasil 18 milhoes

Leia mais

41º CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE 2015

41º CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE 2015 41º CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE 2015 CENÁRIO MUNDIAL SETOR FLORESTAL PRESSÃO PARA PRESERVAÇÃO DAS FLORESTAS PRESSÃO PARA ABERTURA DE NOVAS FRONTEIRAS FLORESTA RISCO DE ESCASSEZ VALORIZAÇÃO 2 O BRASIL FLORESTAL

Leia mais

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 Pilares do PSPA CRÉDITO PROMOÇÃO PROMOÇÃO DO DO CONSUMO PESQUEIRO PSPA INFRAESTRUTURA ASSISTÊNCIA TÉCNICA COMERCIALI

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS Área: ADMINISTRAÇÃO José Lindomir Pezenti EMATER, Cascavel-PR, pezenti@yahoo.com.br Geysler Rogis Flor Bertolini UNIOESTE, Cascavel-PR,

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais