Rótulo Ecológico para Notebooks

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rótulo Ecológico para Notebooks"

Transcrição

1 Pág. Nº 1/15 SUMÁRIO 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo da categoria de produtos 6 Critérios Técnicos 7 Atendimento a requisitos legais 8 Utilização de laboratórios de ensaios 9 Descrição do processo de certificação 10 Descrição do processo de manutenção da certificação 11 Modificação nos critérios Histórico das revisões Revisão Data Descrição da alteração Observações Elaboração Verificação Aprovação Rosemar Santos Julio Reis Guy Ladvocat Analista Técnica Assistente Técnico Gerente de Certificação de Sistemas

2 Pág. Nº 2/15 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter a qualidade ambiental através da redução do consumo de energia e de materiais, bem como da minimização dos impactos de poluição gerados pela produção, utilização e disposição de produtos e serviços. Este documento foi preparado com base em uma visão geral sobre a avaliação do ciclo de vida do produto, conforme estabelecido na norma ABNT NBR ISO 14024, para programas de rotulagem ambiental do tipo I, e em informações de especificações para produtos similares de outros programas de rotulagem ambiental desenvolvidos por outros membros do Global Ecolabelling Network (GEN). 1 Objetivo Este Procedimento estabelece os requisitos que osprodutos computadores portáteis, denominados notebooks, devem atender para obter a licença para uso da Marca ABNT de Qualidade Ambiental (Rótulo Ecológico ABNT).Esse grupo de produtos inclui os dispositivos com tecladoincorporado no monitor e exclui os produtos cuja função primárianão é a computação. O grupo de produtos computadores portáteis inclui todos oscomputadores que podem ser utilizados em locais múltiplos,compostos por uma unidade central, um monitor e um tecladocombinados numa carcaça, concebidos para seremfacilmente transportáveis e que podem ser alimentados poruma bateria interna recarregável. O Rótulo Ecológico para notebooks pode ser atribuído a dispositivos que exibemas seguintes propriedades ambientais: Baixo consumo de energia; Longa duração e design reciclável; Substituição dos materiais nocivos para o ambiente; Redução de emissão de poluentes; Utilização de material reciclado. 2 Referências normativas Os documentos relacionados a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem requisitos válidos para este procedimento. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta publicação. Como os documentos estão sujeitos a revisão, recomenda-se àqueles que utilizem este procedimento, que verifiquem a conveniência de utilização de edições mais recentes dos documentos indicados. - ABNT NBR ISO 14001: Sistemas da gestão ambiental Requisitos com orientações para uso - ABNT NBR ISO 14020: Rótulos e declarações ambientais - Princípios gerais - ABNT NBR ISO 14024: Rótulos e declarações ambientais - Rotulagem ambiental do tipo I - Princípios e procedimentos - ABNT NBR ISO 14040: Gestão ambiental - Avaliação do ciclo de vida - Princípios e estrutura

3 Pág. Nº 3/15 - ABNT NBR 10004: Resíduos sólidos - Classificação - PG-11 - Procedimento Geral da Marca ABNT - Qualidade Ambiental - PG-12 - Diretrizes para Elaboração dos Critérios da Marca ABNT- Qualidade Ambiental /343/CE - C(2005) Rótulo Ecológico Comunitário aos Computadores Portáteis - EL145. Notebook Computers - Korea Eco-label - Standard N : GECA The Australian Ecolabel Program Computers - Portaria INMETRO N 170/12- Requisitos de Avaliação da Conformidade para Bens de Informática - IEC Information technology equipment Safety - IEC Desktop and notebook computers Measurement of energy consumption 3 Definições 3.1 Programa de rotulagem ambiental do tipo I Programa de terceira parte voluntário, baseado em critérios múltiplos, que outorga uma licença que autoriza o uso de rótulos ambientais em produtos, indicando a preferência ambiental de um produto dentro de uma categoria de produto específica com base em considerações do ciclo de vida (ABNT NBR ISO 14024). 3.2 Avaliação do Ciclo de Vida (ACV) ACV considera os impactos ambientais ao longo da vida do produto (do berço ao túmulo) desde a extração de matérias-primas até a produção, uso e disposição final. As categorias gerais de impactos ambientais a considerar incluem o esgotamento de recursos, a saúde humana e as consequências ecológicas. 3.3 Modo de operação Refere-se ao modo em que o notebook está sendo executado sobre oentrada do usuário, tais como entrada de teclado ou entrada do touchpad. 3.4 Modo de espera (Modo Sleep) Refere-se ao modo em que o computador portátil não realiza a função e está à espera de iniciar o funcionamento pela entrada do usuário, tais como entrada de teclado ou entrada do touchpad. O modo de espera é um estado de baixa energia que o computador é capaz de iniciar automaticamente após um determinado período de inatividade ou por seleção manual. Um computador com capacidade de latência pode rapidamente "acordar" em resposta a conexões de rede ou dispositivos de interface do usuário com uma latência de 5 segundos, desde o início do evento de ativação para o sistema tornarse plenamente utilizável. 3.5 Touchpad O Touchpad é um dispositivo sensível ao toque, utilizado em computadores portáteis, para substituir o mouse.

4 Pág. Nº 4/ Modo Suspensão (Modo Deep Sleep) Refere-se ao modo de baixo consumo de energia em que o notebook entra automaticamentea partir do modo de espera. 3.7 Tempo do modo de mudança de padrão (Default mode-change time) Refere-se ao período de tempo necessário para entrar no modo de suspensãoa partir do momento da última entrada do usuário. 3.8 Modo desligado (Modo off) Refere-se ao estado em que o usuário termina a utilização do sistema de computador portátilusando o interruptor de alimentação. 3.9 Potencial de destruição do ozônio (ODP) Refere-se ao valor que indica o impacto relativo a substâncias que empobrecem a camada de ozônio quando o impacto dadestruição do ozônio de CFC-11 está definida para ser Consumo de energia típico (TEC - Typical Energy Consumption) Método de testar e comparar o desempenho energético dos computadores, que incide sobre o consumo típico de eletricidade por um produto em funcionamento normal durante um período detempo representativo Fabricante/importador Qualquer pessoa, companhia ou organização que coloca equipamentos eletroeletrônicos (EEE) no mercado, isto é, ou fabrica ou vende EEE sob marca própria; ou revende EEE fabricado por outros, sob sua própria marca; ou importa ou exporta EEE (de acordo com ABNT IEC/PAS 62545:2011). 4 Siglas As siglas empregadas no texto deste Procedimento são as seguintes: - ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ACV - Avaliação do ciclo de vida - CT - Coordenação Técnica - GSI - Gerência de Certificação de Sistemas - ISO - International Organization for Standardization - GEN - Global Ecollabeling Network - CTC - Comitê Técnico de Certificação

5 Pág. Nº 5/15 5 Escopo da categoria de produtos Oescopo da categoria de produtos deste procedimento contempla computadores portáteis, denominadosnotebooks. 6 Critérios Técnicos 6.1 Adequação ao uso Para se tornar certificado, o produto tem de ter um bom desempenho quando utilizado de acordo com as instruções do fabricante e em conformidade com as normas existentes de qualidade, durabilidade e segurança. O fabricante deve garantir que o produto esteja apto para o fim anunciado. O atendimento à portaria 170 do INMETRO ouà norma IEC ou equivalentes, garantem o atendimento a este requisito. 6.2 Energia Critérios para Consumo Energético O consumo de energia dos computadores portáteis será expresso TEC valor energético (Typical Energy Consumption ou Consumo Típico de Energia); Para efeitos da determinação do TECos valores de potência dos notebooks devem ser qualificados nas categorias A, B ou C, conforme definido abaixo: Categoria A: Todos os computadores portáteis que não se enquadram na definição da categoria B e C abaixo serão classificados na Categoria A para o RótuloEcológico. Categoria B: Para serem classificados na Categoria B notebooks devem ter: - uma unidade de processamento de gráficos(gpu). Categoria C: Para serem classificados na Categoria C notebooks devem ter: - um mínimo de 2 núcleos de processamento físicos; - um mínimo de 2 gigabytes (GB) de memória do sistema; - uma unidade de processamento de gráficos(gpu) com uma largura de frame buffersuperior a 128 bits Com a finalidade de determinar o valor doconsumo de energia anual típica(tec) para cada categoria de um dispositivo, um típico modelo de uso deve ser definido. A Tabela 1 abaixo mostra o modelo de utilização, com base em ponderações sobre os modos operacionais individuais de consumo: Tabela 1 Ponderação dos modos operacionais Notebook Modo de funcionamento Ponderação (fração de tempo) (%) Modo desligado: T off 60 Modo de suspensão: T Deepsleep 10 Modo de espera: T sleep 30

6 Pág. Nº 6/15 O valor da potência do TEC para que ao produto seja atribuído o rótulo ecológico deve ser determinado usando a seguinte fórmula: Onde: Px são valores de potência em watts; E TEC : (8760/1000)*(P Off *T Off + P Deep Sleep *T Deep Sleep + P Sleep *T Sleep ) Tx são frações de tempo em porcentagem de acordo com atabela 1 e; E TEC é o consumo típico anual de energia em kwh. A tabela 2 relaciona os valores de potência máximos permitidos de TEC para notebooks. Os produtos não devem exceder os valores listados nesta tabela. Categoria A B C Ajustamentos de capacidade E TEC (kwh) 30 kwh 39,75 kwh 66,38 kwh Memória 0,4 kwh (por GB > 4) Gráficos de alta qualidade (por GPUs com Frame Buffer de largura especificada) Armazenamento interno adicional Categoria B: 3 kwh(largura do frame buffer> 64-bit) 3 kwh Obs.: Os ensaios para o cálculo de E TEC devem ser realizados conforme tabela 6 do item E Condições de Ensaio do ANEXO E da Portaria INMETRO n 170/2012 ou tabela 1 da norma IEC ou Appendix A: Sample Calculationsdo ENERGY STAR Program Requirements for Computers Requisitos de gerenciamento de energia Requisitos de Expedição - O computador deve ser fornecido com um modo de suspensão definido para ativar no prazo de 30 minutos de inatividade, o mais tardar. Os computadores deverão reduzir a velocidade de quaisquer ativos de 1 Gb/s links de rede quando da transição para suspensão ou no modo desligado. - O dispositivo deve ser enviado com modo de suspensão do monitor configurado para ativar dentro de 15 minutos de inatividade do usuário, o mais tardar. Requisitos de rede para Wake-on-LAN (WOL) Computadores com entrada para cabo de rede devem ter a capacidade de ativar e desativar a WOL para o modo de suspensão. Aplica-se a computadores comercializados apenas através de canais de empresa.

7 Pág. Nº 7/15 Computadores com entrada para cabo de rede devem atender a um dos seguintes requisitos: WOL deve estar habilitado para o modo de suspensão quando operando em corrente alternada (isto é, os computadores portáteis podem desativar automaticamente a WOLquando desligado da rede); O computador deve fornecer o controle para permitir que a WOLseja suficientemente acessível tanto a interface do usuário do sistema operacional do clientee através da rede se o computador for enviado com WOL desativado. Requisitos de rede para Gestão Wake Aplica-se a computadores comercializados através de canais corporativos, apenas: Computadores com entrada para cabo de rede devem ser capazes de, tanto remoto (através darede),quanto eventos programados, de despertar do modo de suspensão (por exemplo, tempo real do relógio); O fabricante deve garantir ter o controle (isto é, configurado por meio das configurações de hardware, em vez de configurações de software), que essas configurações possam ser geridas centralmente, como o cliente deseja, por ferramentas correspondentes fornecidas pelo fabricante. 6.3 Critérios para Ruído O nível de ruído de acordo com aiso 9296 deve ser medido e não exceder os níveis indicados abaixo: 48 db no modo de funcionamento inativo; 55 db ao acessar uma unidade de disco. 6.4 Requisitos de Materiais Plásticos 90% (em peso) dos materiais plásticos e metálicos da carcaça devem sertecnicamenterecicláveis; Plásticos, tais como o PVC, não podem ser utilizados para as carcaçascom peso de 25 g ou mais; estes não devem estar contidos nas peças de plástico. Estão isentos deste critérioos aditivos fluoroorgânicos com menos de 0,5% em peso(por exemplo, anti-gotejamento). As partes de plástico com peso maior do que 25g devem satisfazer os seguintes critérios: Ser isentas de chumbo ou cádmio intencionalmente adicionados; As carcaças devem ser fabricadas com base num polímero único ou em polímeros compatíveis, constituídas por um máximo de dois tipos de polímeros separáveis. Ser isentas de inclusões metálicas que não possam ser separadas por uma única pessoa utilizando ferramentas simples,excetuando-se as placas de circuito impresso. Não podem conter retardadores de chama à base de polibromobifenila (PBB) e/ou éter de difenil polibromado (PBDE). Não podem conter retardadores de chama à base de cloro parafinas de cadeia compreendida entre 10 e 17 átomos de carbono e com teor ponderal de cloro superior a 50% (números CAS: e ).

8 Pág. Nº 8/15 Peças que consistem de um único tipo de polímero (homopolímero ou copolímero) ou mistura de plásticos recicláveis devem ser recicladas em sistemas convencionais de reciclagem; Cada peça de plástico individual deve ser marcada com um código apropriado de identificação da resina promulgada pelo Plastics e Chemical Industry Association (http://www.pacia.org.au) ou em conformidade com a norma ISO As partes de plástico não podem conter substâncias ou preparações retardadoras de chama às quais tenha sido atribuída, no momento da candidatura ao rótulo ecológico, qualquer uma das seguintes frases de risco: Perigos para a saúde: - R 45 (pode causar cancro); - R 46 (pode causar alterações genéticas hereditárias); - R 60 (pode comprometer a fertilidade); - R 61 (risco durante a gravidez com efeitos adversos na descendência). Perigos para o ambiente: - R50 (muito tóxico para os organismos aquáticos); - R50/R53 (muito tóxico para os organismos aquáticos, podendo causar efeitos nefastos em longo prazo noambiente aquático); - R51/R53 (tóxico para os organismos aquáticos, podendo causar efeitos nefastos em longo prazo no ambiente aquático) Substâncias Químicas Separação de Materiais Perigosos Materiais incompatíveis ou perigosos devem ser claramente identificados, facilmente encontrados e removíveis antes da reciclagem Baterias/acumuladores O conteúdo de alguns metais pesados em pilhas e acumuladores não pode exceder os seguintes limites: Substância mercúrio cádmio chumbo Limite Máx. 1 ppm Máx. 10 ppm Máx. 100 ppm Display Cádmio ou mercúrio não devem estar contidos em displays. O mercúrio é permitido apenas nas lâmpadas de iluminação de display LCD. O sistema de iluminação de fundo do monitor plano não pode conter, em média, mais de 3 mg de mercúrio por lâmpada.

9 Pág. Nº 9/ Critérios para design O produto deve ter uma estrutura modular e deve ser acessívelcom ferramentas comuns. Uma pessoa qualificada, sozinha, tem de ser capaz de desmontar o produto. O design do produto deve levar em consideração atualização e permutabilidade de módulos. O utilizador tem de ser capaz de mudar módulos sem quaisquer ferramentas especiais. Materiais incompatíveis ou perigosos devem ser claramente identificados, facilmente encontrados e removíveis antes da reciclagem. 6.6 Prolongamento da vida útil garantia O fabricante deverá oferecer uma garantia comercial sobre a qualidade do produto. O período da garantia deve ser de, no mínimo, um ano. A garantia é válida a partir da data de entrega ao consumidor. 6.7 Critérios para o Produto Capacidade de Atualização e Aperfeiçoamento Os computadores portáteis devem fornecer as seguintes opções de expansão: A memória serápermutávelou expansível em comparação com o padrão configurado de acordo com a Energy Star 5.0 ou versão mais atual. O notebook virá com um mínimo de duas interfaces USB, bem como um conector para um monitor externo Logística Reversa O fabricante deve oferecer uma estrutura (sistêmica), para recebimento dos monitores após sua utilização e posterior destinação final ambientalmente adequada, seguindo as legislações ambientais aplicáveis e vigentes. O fabricante deve possuir registros da quantidadede notebooks recebida e destinada. A organização deve garantir que os produtos sejam destinados a empresas devidamente licenciadas para exercerem essa atividade e manter registros do encaminhamento à destinação final ambientalmente adequada. No caso do fabricante atribuir a uma empresa a retomada e a reciclagem dos resíduos de produtos, o envio das informações relevantes é considerado como equivalente. Material coletado sob este regime não deve ser descartado em aterros ou incinerado. Disposição transitória: Será aceito um manual descrevendo a destinação final ambientalmente correta do produto, durante o período de 18 meses após a aprovação deste procedimento. As empresas podem informar aos clientes em um manual as formas de disposição final do produto. Após este período será aceita apenas a evidência da implantação total da sistemática de logística reversaou das fases em andamento e já realizadas com cronograma de previsão de término. 6.8 Informações sobre o Produto

10 Pág. Nº 10/15 As seguintes informações deverão ser enviadas com o produto: Informações de gerenciamento de energia, incluindo o consumo mínimo e máximo de energia da unidade de controle em funcionamento:modo espera,modo suspensão e modo desligado; A declaração de que o produto consome potência zero apenas quando não está fisicamente conectado a qualquer tomada elétrica, a menos que testes independentes sejam capazes de provar o contrário; Informações de capacidade de atualização ou permutabilidade dando conselhos sobre como o usuário pode atualizar ou trocar módulos, e que o sistema foi projetado para permitir esta atividade; Informações sobre como o usuário pode fazer a retomada no fim da vida útil do produto. Recomendações sobre melhor forma de utilização da bateria; A informação de que o computador não deve ser descartado no lixo doméstico ou enviado para aterro; Recomendações de limpeza do produto com substâncias ambientalmente preferíveis. Instruções de uso devem acompanhar novos produtos para que a informação sobre o produto ou serviço seja facilmente disponível para os usuários. 6.9 Critérios para Embalagem Materiais de absorção de choque na embalagem devem ser feitos de celulose ou papel reciclado como molde da polpa. No entanto, os seguintes materiais são considerados equivalentes: a) Materiais de absorção de choque fabricados usando mais de 50% em peso de plástico reciclável; b) EPS (poliestireno expandido), EPE (polietileno expandido) e EPP (polipropileno expandido), cujo agente de formação de espuma tenha zero ODP; c) Embalagem plástica debolha de ar Critérios para distribuição Transporte próprio Caso o fabricante tenha, em suas instalações, postos de abastecimento de combustíveis para consumo próprio, deverá possuir medidas de contenção/prevenção e procedimentos de emergência para casos de derramamento, incêndio e explosão Transporte terceirizado Caso o fabricante utilize empresas de transporte terceirizadas, estas deverão estar registrados junto ao CONTRAN (ANTT) a fim de atender os requisitos aplicáveis à legislação vigente Critérios ambientaisaplicáveis ao processo O fabricante deve estabelecer um Programa de otimização do consumo de energia e de água com metas de redução quando apropriado. O Programa deve considerar a reutilização da água usada nos

11 Pág. Nº 11/15 sistemas de resfriamento, geração de vapor, bem como em procedimentos de limpeza e sanitização de máquinas, equipamentos, tubulações de transferência e mangueiras, entre outros, quando possível O fabricante deve estabelecer um programa de gestão de resíduos que considere a redução, o reuso ou reciclagem, assegurando a sua otimização e a destinação adequada dos resíduos gerados, inclusive os recicláveis. Todos os resíduos devem ser classificados de acordo com a norma ABNT NBR Caso o processo tenha subprodutos perigosos como um dos seus resultados, estes devem ser segregados e devem ser tomadas medidas adequadas para a sua reciclagem/reutilização (quando aplicável), disposição final ou eliminação Os produtos perigosos ou prejudiciais ao meio ambiente devem seguir as normas e legislação aplicáveis à saúde, segurança e meio ambiente. A FISPQ (Ficha de Informação de Segurançado Produto Químico) deve estar próxima do produto químico eventualmente armazenado Os materiais utilizados durante a produção não devem ser tratados de modo a impedir a reciclabilidade ao fim da vida útil do produto. 7 Atendimento a requisitos legais O fabricante deve cumprir (ou exceder) a legislação e regulamentos ambientais aplicáveis, em nível federal, estadual e municipal, considerando inclusive, mas não se limitando a, aspectos relacionados às emissões, efluentes e resíduos. Sempre que um fabricante for de uma jurisdição no exterior, os regulamentos ambientais daquela jurisdição se aplicam. A critério da ABNT, o atendimento a este requisito pode ser evidenciado com uma declaração assinada pelo Executivo Sênior da Empresa. 8 Utilização de laboratórios de ensaios 8.1 É responsabilidade da ABNT selecionar o laboratório para a realização dos ensaios que serão utilizados nos processos de concessão e manutenção da Marca ABNT de Qualidade Ambiental Rótulo Ecológico. 8.2 Quando forem utilizados laboratórios acreditados pelo Inmetro ou acreditados por organismos de acreditação de laboratórios de outro País com o qual o Inmetro tenha acordo de reconhecimento mútuo, os laboratórios não precisam ser avaliados. 8.3 Quando forem utilizados laboratórios não acreditados, os laboratórios serão avaliados de acordo com os requisitos do item 7.5 do PG-11 Procedimento Geral da Marca ABNT Qualidade Ambiental. 8.4No caso de utilização de laboratório de primeira parte (do próprio fabricante), a ABNT deve acompanhar a execução de todos os ensaios para fins de concessão e manutenção da certificação, independentemente do laboratório ser acreditado ou não. 8.5 Serão aceitos relatórios e documentos oriundos de outros processos de certificação, por exemplo, membros do GEN (Global Eco-labeling Network) ou equivalentes, a fim de atender aos critérios definidos neste procedimento; 9 Descrição do processo de certificação 9.1 Documentação

12 Pág. Nº 12/15 O fabricante deve enviar para a ABNT a documentação abaixo relacionada para análise: a) Especificação de cada produto a ser certificado; b) Cópia do Contrato Social registrado em Junta Comercial; c) Planta do site; d) Localização Geográfica atualizada (especificando a área de entorno do site rios, áreas de preservação, comunidades, indústrias, entre outros); e) Lista das principais matérias primas utilizadas no processo produtivo; f) Lista dos principais insumos que são necessários para a realização do processo produtivo; g) Licenças Ambientais; h) Fluxograma esquemático do processo produtivo, desde a entrada da matéria prima até a saída do produto acabado; i) Fluxo interno de água, energia, resíduos, efluentes e emissões, no que se refere à fabricação do produto objeto da concessão; j) Fotos dos produtos que serão certificados. 9.2 Análise preliminar A documentação será analisada pela ABNT quanto ao seu conteúdo e adequação, resolvendo-se junto ao fabricante eventuais pendências. 9.3 Pré-auditoria (opcional) Após a aprovação da documentação apresentada, a ABNT fará uma pré-auditoria nas instalações do fabricante, com os seguintes objetivos: a) Avaliar a localização do fabricantee as condições específicas do local; b) Verificar o nível de preparação do fabricantepara a auditoria de certificação; c) Avaliar a compreensão do fabricantequanto aos critérios a serem atendidos para a obtenção da certificação; d) Coletar informações necessárias em relação aos processos e localização do fabricante, aspectos legais e regulamentares; e) Avaliar a alocação de recursos para a auditoria de certificação, bem como facilitar seu planejamento. 9.4 Auditoria de certificação Uma vez eliminadas quaisquer dúvidas ou pendências da documentação, bem como solucionadas quaisquer observações apontadas na pré-auditoria, será realizada a auditoria de certificação, que deverá abranger os seguintes aspectos: Avaliação dos produtos

13 Pág. Nº 13/15 A ABNT irá avaliar no fabricantese os produtos a serem certificados estão sendo produzidos de acordo com as especificações apresentadas, bem como a forma como o fabricantecontrola seu processo produtivo de forma a assegurar o atendimento aos requisitos Avaliação do atendimento aos critérios técnicos e aos requisitos legais A ABNT irá avaliar se o produto e/ou processos do fabricante, objeto da certificação, atendem aos critérios estabelecidos nos itens 6 e 7 deste procedimento, através de documentos, entrevistas, acompanhamento de processo produtivo, registros ou quaisquer outros meios que se entenda necessários para a comprovação. Para os critérios que não possam ser avaliados durante a auditoria, por exemplo, aqueles que necessitam de ensaios laboratoriais para comprovação, o fabricantedeverá demonstrar como controla seu processo produtivo, bem como sua relação com fornecedores, distribuidores e/ou clientes, de forma a atender aos critérios. Para estes casos, a critério da ABNT, durante as auditorias poderão ser coletadas amostras para a realização de ensaios em laboratórios selecionados conforme o item 8 deste procedimento Coleta de amostras eensaios Na auditoria de certificação, a ABNT irá coletar amostras de alguns componentes ou produtos, a seu critério, para a realização de ensaios. As amostras poderão ser compostas de prova, contraprova e testemunha. As amostras serão lacradas pela ABNT e a identificação dos lacres será registrada no formulário de coleta de amostras. As amostras de prova devem ser encaminhadas ao laboratório, acompanhadas de uma cópia do formulário de coleta de amostras e devem estar devidamente lacradas de acordo com o evidenciado no formulário de coleta (número de série, modelo e etc). Caso não seja possível realizar a coleta de prova, contraprova e testemunha, apenas será coletada a prova e esta será enviada para o laboratório; só serão coletadas outras duas amostras de confirmação de resultado caso a primeira amostra ensaiada apresente não conformidade. O fabricante deve tomar os cuidados necessários para preservar os lacres das amostras enviadas ao laboratório, bem como daquelas armazenadas para fins de possíveis contestações. A coleta pode ser realizada na fábrica ou no mercado. 9.5 Avaliação inicial da qualidade Para aprovação da concessão da Marca ABNT de Qualidade Ambiental, as amostras ensaiadas devem ser aprovadas nos ensaios referidos no item 6deste procedimento, bem como a avaliação dos requisitos exigidos nos itens 6 e 7 deve demonstrar conformidade ao longo de todo o processo. Caso ocorra reprovação em qualquer dos ensaios realizados durante esta fase, a certificação do produto não será concedida até a resolução do problema. Após a implementação das ações corretivas, a ABNT deverá agendar uma nova coleta de amostras e a realização de novos ensaios. Neste caso, a quantidade de amostras deverá ser o dobro da amostragem inicial. Caso as amostras ensaiadas sejam aprovadas, a certificação será então concedida para o produto. 9.6 Concessão da certificação

14 Pág. Nº 14/15 Cumpridas as etapas anteriores, a CT emite um parecer conclusivo e encaminha o processo para análise do GSI. Caso o processo de certificação seja aprovado pelo GSI, a ABNT emitirá o Certificado da Marca ABNT de Qualidade Ambiental, que é a licença para o uso da marca no produto (Rótulo Ecológico). No caso de reprovação, as razões serão comunicadas ao fabricante para que este possa tomar as ações corretivas necessárias e retomar o processo de certificação. As ações corretivas, bem como as ações a serem tomadas para a retomada do processo de certificação devem ser acordadas com a ABNT. 10 Descrição do processo de manutenção da certificação Após a concessão da Certificação, a ABNT deve realizar o controle para verificar se o fabricantemantém as condições técnico-organizacionais que deram origem à certificação. Esta verificação será realizada por meio de auditorias de manutenção e poderão também, a critério da ABNT, serem realizadas coletas de amostras para ensaios,tanto na fábrica como no mercado Auditorias de manutenção As auditorias serão realizadas em períodos previamente acordados com o fabricantee sua periodicidade será anual. Nestas auditorias serão abordados os seguintes aspectos: Avaliação dos produtos A ABNT irá avaliar no fabricantese os produtos certificados continuam sendo produzidos de acordo com as especificações apresentadas Avaliação do atendimento aos critérios de desempenho e aos requisitos legais A ABNT irá avaliar se os produtos certificados e/ou processos do fabricante continuam a atender aos requisitos estabelecidos nos itens 6 e 7 deste procedimento. Para os requisitos que não possam ser avaliados durante a auditoria, por exemplo, aqueles que necessitam de ensaios laboratoriais para comprovação, o fabricante deverá demonstrar como controla seu processo produtivo, bem como sua relação com fornecedores, distribuidores e clientes, de forma a atender aos requisitos Coleta de amostrase ensaios Ensaios serão realizados com uma periodicidade anual em amostras coletadas na fábrica e/ou no mercado, a critério da ABNT. Quando as amostras forem coletadas na fábrica, os ensaios deverão ser realizados por unidade produtiva e/ou produto. Nas coletas de mercado, o fabricante (ou seu representante) deverá ser informado pela ABNT e poderá acompanhar o processo de coleta. Os componentes ou produtos a serem coletados serão de escolha da ABNT. Na auditoria de manutenção, a ABNT irá coletar amostras de alguns componentes ou produtos, a seu critério, para a realização de ensaios. As amostras devem ser compostas de prova, contraprova e testemunha. As amostras serão lacradas pela ABNT e a identificação dos lacres será registrada no formulário de coleta de amostras. As amostras de prova devem ser encaminhadas ao laboratório selecionado, acompanhadas de uma cópia do formulário de coleta de amostras. As amostras de contraprova e testemunha devem ser armazenadas pelo fabricante para fins de possíveis contestações. O fabricante deve tomar os cuidados necessários para preservar os lacres das amostras enviadas ao laboratório, bem como daquelas armazenadas para fins de possíveis contestações.

15 Pág. Nº 15/15 Caso não seja possível realizar a coleta em triplicata, apenas será coletada a prova e esta será enviada para o laboratório; só serão coletadas outras duas amostras de confirmação de resultado caso a primeira amostra ensaiada tenha resultado considerado insatisfatório. Os resultados dos ensaios serão enviados ao fabricante pela ABNT. No caso de ocorrência de não conformidade nos ensaios (não atendimento de algum requisito) o fabricante deve apresentar um plano de ação em até 15 dias, para avaliação da ABNT, que terá até 10 dias úteis para retornar com o resultado da avaliação Avaliação da conformidade Para manutenção da certificação, as amostras ensaiadas devem ser aprovadas nos ensaios referidos no item 6 deste procedimento, bem como a avaliação dos requisitos exigidos nos itens 6 e 7 deve demonstrar conformidade ao longo de todo o processo. Caso ocorra reprovação em qualquer dos ensaios realizados durante esta fase, a certificação do produto será suspensa até a resolução do problema. Após a implementação das ações corretivas, a ABNT deverá agendar uma nova auditoria e coleta de amostras para ensaios. Caso o fabricante não apresente não conformidades e as amostras ensaiadas sejam aprovadas, o fabricante poderá utilizar a Marca de Conformidade ABNT novamente no produto. Após esta auditoria, a periodicidade da amostragem para ensaios deve passar para semestral até que se obtenham as condições iniciais de conformidade, quando então a periodicidade deve voltar a ser anual. Após a implementação das ações corretivas, a ABNT deve agendar uma nova auditoria e coleta de amostras para ensaios. Caso o fabricante não apresente não conformidades e as amostras ensaiadas sejam aprovadas, o fabricante pode utilizar a Marca de Conformidade ABNT novamente no produto Autocontrole Durante as auditorias, o fabricante deverá demonstrar para a ABNT como controla seu processo produtivo de forma a manter o produto atendendo aos critérios estabelecidos neste procedimento. Essa metodologia poderá ser apresentada de forma documental ou demonstrada de forma prática através da utilização de sistemas de controle proprietários do fabricante Acordos de reconhecimento Conforme estabelecido no item 15 do PG-11, o processo de manutenção da certificação poderá ser modificado conforme o conteúdo de eventuais acordos de cooperação ou de reconhecimento mútuo. 11 Modificações nos critérios Se depois de concedida a Marca de Conformidade ABNT, ou durante o processo de concessão, ocorrerem mudanças significativas nos critérios estabelecidos para a certificação do produto, a ABNT deverá conceder um prazo suficiente para que seus clientes licenciados e em processo de licenciamento possam adequar seus produtos à nova situação. Para o estabelecimento deste prazo a ABNT convocará as partes interessadas.

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas Pág. Nº 2/10 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter a qualidade ambiental por meio da redução do consumo de energia

Leia mais

Rótulo Ecológico para Monitores de Vídeo

Rótulo Ecológico para Monitores de Vídeo Pág. Nº 1/13 SUMÁRIO 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo da categoria de produtos 6 Critérios Técnicos 7 Atendimento a requisitos legais 8 Utilização de laboratórios

Leia mais

Rótulo ecológico para condicionadores de ar

Rótulo ecológico para condicionadores de ar Pág. Nº 1/11 SUMÁRIO Histórico das revisões 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo de Produtos 6 Citérios técnicos 7 Atendimento à legislação ambiental 8 Utilização

Leia mais

Rótulo ecológico para pneus reformados PE-145. Itens Revisados: - 5-6.2.1-9

Rótulo ecológico para pneus reformados PE-145. Itens Revisados: - 5-6.2.1-9 Rótulo ecológico para pneus reformados PE-145 Itens Revisados: - 5-6.2.1-9 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter

Leia mais

Rótulo Ecológico para Eventos Sustentáveis

Rótulo Ecológico para Eventos Sustentáveis Pág. Nº1/12 SUMÁRIO 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo Categoria de produtos 6 Critérios 7 Atendimento a requisitos legais 8 Utilização de laboratórios de ensaios

Leia mais

Rótulo Ecológico para Tablets

Rótulo Ecológico para Tablets Pág. Nº 1/3 SUMÁRIO 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo de produtos 6 Critérios Técnicos 7 Atendimento a requisitos legais 8 Utilização de laboratórios de ensaios

Leia mais

Rótulo Ecológico para Computadores

Rótulo Ecológico para Computadores Pág. Nº 1/12 SUMÁRIO 1 Introdução 2 Objetivo 3 Referências normativas 4 Definições 5 Siglas 6 Escopo de Produtos 7 Critérios técnicos 8 Atendimento a requisitos legais 9 Modificações nos critérios Histórico

Leia mais

Rótulo Ecológico para Televisores

Rótulo Ecológico para Televisores Pág. Nº 1/1 SUMÁRIO 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo da Categoria de produtos 6 Critérios 7 Atendimento a requisitos legais 8 Utilização de laboratórios de

Leia mais

ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS

ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS Rótulo Ecológico para Serviços de Asseio e Pág. Nº 1/13 SUMÁRIO Histórico das revisões 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo de Produtos 6 Critérios técnicos 7

Leia mais

Rótulo Ecológico para Eventos Sustentáveis

Rótulo Ecológico para Eventos Sustentáveis Pág. Nº1/10 SUMÁRIO 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo 6 Critérios Técnicos 7 Descrição do processo de certificação 8 Descrição do processo de manutenção da

Leia mais

Rótulo Ecológico para Telefones móveis

Rótulo Ecológico para Telefones móveis Rótulo Ecológico para Pág. Nº 1/3 SUMÁRIO 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo da Categoria de produtos 6 Critérios Técnicos 7 Atendimento a requisitos legais

Leia mais

Rótulo Ecológico para Produtos de Aço

Rótulo Ecológico para Produtos de Aço Pág. Nº1/1 SUMÁRIO 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo da Categoria de produtos 6 Critérios 7 Atendimento a requisitos legais 8 Utilização de laboratórios de

Leia mais

Rótulo Ecológico para Impressoras

Rótulo Ecológico para Impressoras Pág. Nº 1/16 SUMÁRIO 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo da categoria de produtos 6 Critérios Técnicos 7 Atendimento a requisitos legais 8 Utilização de laboratórios

Leia mais

Manual de Instruções do uso da Marca ABNT

Manual de Instruções do uso da Marca ABNT Pág. Nº 1/8 SUMÁRIO Histórico das revisões 1 Objetivo 2 Referências Normativas 3 Siglas 4 Marcas e certificados da ABNT Certificadora 5 Requisitos Gerais 6 Requisitos específicos para sistemas certificados

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM)

A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM) A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM) Sistema de Gestão de Requisitos para Substâncias Perigosas em Produtos e Componentes Elétricos e Eletrônicos Abril de 2011 Objetivo Capacitação

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré- Revisão de 11/05/21 2ª. Revisão 31/05/21 Revisão Técnica Nome: Eng. Alexandre Schinazi Cargo: Engenheiro CREA: 246223 Assinatura: Data: Aprovação

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS Página 1 de 9 POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 27/01/2014 Revisado por: Rominik M. Fontenele 03/10/2014

Leia mais

Certificação de sacolas plásticas impressas tipo camiseta

Certificação de sacolas plásticas impressas tipo camiseta Pág. Nº 1/13 SUMÁRIO Histórico das revisões 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Descrição do processo de certificação 6 Manutenção da certificação 7 Marcação dos produtos certificados

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

Qualidade Ambiental ABNT

Qualidade Ambiental ABNT Qualidade Ambiental ABNT PROGRAMA ABNT DE ROTULAGEM AMBIENTAL Andreia Oliveira ABNT Fundação em 1940; Entidade privada, sem fins lucrativos e considerada de utilidade pública; Único fórum brasileiro de

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

CARTILHA PARA O USO DA MARCA

CARTILHA PARA O USO DA MARCA Página 1 de 11 PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO Este procedimento é parte integrante do Sistema de Gestão da Qualidade da BRICS. Quando disponível em domínio público, está sujeito a alterações sem aviso

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão 1 de 8 1. OBJETIVO Estabelecer o processo para concessão, manutenção, extensão, suspensão e cancelamento de certificações de Sistema de Gestão da Qualidade, conforme a Norma NBR ISO 9001 e Sistema de Gestão

Leia mais

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Agenda Origem do estudo de Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos

Leia mais

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS Página 1 de 9 POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 29/01/2014 Revisado por: Fernanda G. Brandão 26/03/2014 28/03/2014

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013.

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013. LO N : 0019/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3. OGX Procedimento de Gestão PG.SMS.004 Denominação: Gestão de Mudanças SUMÁRIO Este procedimento estabelece as condições que permitam identificar, avaliar e controlar os riscos inerentes as mudanças, desde

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria Produtos de decoração

Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria Produtos de decoração Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria Produtos de decoração O Prêmio Planeta Casa 2012 busca valorizar empresas, organizações da sociedade civil e profissionais das áreas de arquitetura, design,

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece as condições necessárias para a concessão da Autorização para Uso do Selo de Identificação

Leia mais

Versão: 2 Início de Vigência: XX. XX.2006 Instrumento de Aprovação:

Versão: 2 Início de Vigência: XX. XX.2006 Instrumento de Aprovação: Procedimento de Comercialização MANUTENÇÃO DE CADASTRO DE AGENTES DA CCEE E USUÁRIOS DO SCL Versão: 2 Início de Vigência: XX. XX.2006 Instrumento de Aprovação: ÍNDICE 1. APROVAÇÃO...3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES...3

Leia mais

DECISÃO DA COMISSÃO de 16 de Dezembro de 1999 que estabelece os critérios para a atribuição do rótulo ecológico comunitário a frigoríficos

DECISÃO DA COMISSÃO de 16 de Dezembro de 1999 que estabelece os critérios para a atribuição do rótulo ecológico comunitário a frigoríficos L 13/22 DECISÃO DA COMISSÃO de 16 de Dezembro de 1999 que estabelece os critérios para a atribuição do rótulo ecológico comunitário a frigoríficos [notificada com o número C(1999) 4522] (Texto relevante

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014

RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014 RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014 Dispõe sobre práticas e critérios destinados a defesa do meio ambiente e promoção do desenvolvimento nacional sustentável nas contratações de bens, serviços e obras, no âmbito

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

Rótulo ecológico para mobiliário de escritório

Rótulo ecológico para mobiliário de escritório Pág. Nº 1/20 SUMÁRIO Histórico das revisões 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo de Produtos 6 Critérios técnicos 7 Atendimento a requisitos legais 8 Utilização

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro ABNT NBR ISO/IEC 27002 Segurança nas operações Responsabilidades e procedimentos operacionais Assegurar a operação segura e correta

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

12/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/2012 1/5

12/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/2012 1/5 12/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/2012 1/5 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações Uso de Dispositivos Móveis nos Aspectos relativos

Leia mais

Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014.

Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO Versão: 2 Pág: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO Dr. Renato de Lacerda Diretor Técnico 02/09/2010 APROVADO POR Dr. Jose Carlos dos

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 Está em andamento o processo de revisão da Norma ISO 9001: 2015, que ao ser concluído resultará na mudança mais significativa já efetuada. A chamada família ISO 9000

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA 2 - Metodologia 3 - Aplicação x Legislação 4 - Análise de Inventário 5 - Avaliação de Impacto 6 - Interpretação Avaliação A Análise de Ciclo de Vida (ACV) avalia as interações

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 ITEM 10 DOCUMENTAÇÕES E REGISTROS Palestrante: Carlos Cezar Martins RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO Carlos Cezar Martins DE 2013 Farmacêutico com especialização em Qualidade

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem como objetivo estabelecer diretrizes e orientações para realização

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL A auditoria ambiental pode ser restrita a um determinado campo de trabalho ou pode ser ampla, inclusive, abrangendo aspectos operacionais, de decisão

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO

INFORMAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DECLARAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS À IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS SUSPEITAS DE CONTAMINAÇÃO E CONTAMINADAS POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS NO ESTADO DE MINAS GERAIS INFORMAÇÕES GERAIS A FEAM - Fundação Estadual do

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 86, de 26 de maio de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

Entidade Setorial Nacional Mantenedora

Entidade Setorial Nacional Mantenedora Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Nacional da Indústria Cerâmica ANICER Santa Luzia, 651, 12º andar Centro - Rio de Janeiro / RJ Tel/Fax: (21) 2524-0128 Site: www.anicer.com.br E-mail:

Leia mais

livros indicados e / ou recomendados

livros indicados e / ou recomendados Material complementar. Não substitui os livros indicados e / ou recomendados Prof. Jorge Luiz - 203 Pág. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE - SGQ Sistema de Gestão da Qualidade SGQ é a estrutura a ser criada

Leia mais

Agulhas Hipodérmicas Estéreis para Uso Único e Agulhas Gengivais Estéreis para Uso Único

Agulhas Hipodérmicas Estéreis para Uso Único e Agulhas Gengivais Estéreis para Uso Único Complemento de Regra de Certificação Doc: 703-CRC-002 Página: 1/11 Elaborado por: Priscila Martins Pedroso Verificado por: Karen Martins Eliana T. Shimoda Lester Amaral Edilson Tsutomu Kishimoto Aprovado

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA 1. ESCOPO Identificar e classificar os aspectos ambientais das atividades, produtos e serviços da XXXX, visando estabelecer quais causam ou poderão causar impactos ambientais significativos. 2. DEFINIÇÕES

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES Março de 2014 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance, 2012-2014. Este documento está disponível nos seguintes sites: www.sanstandards.org

Leia mais

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo Estudo para implantação do SGA, PE e A3P Sistema de Gestão Ambiental do CAU/SP Programa de Ecoeficiência do CAU/SP Agenda Ambiental na Administração

Leia mais

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014.

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Rio de Janeiro, 24 de junho de 2014. Of. Circ. Nº 212/14 Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Senhor Presidente, Fazendo referência à Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO. Extensor PoE AXIS T8129

GUIA DO USUÁRIO. Extensor PoE AXIS T8129 GUIA DO USUÁRIO Extensor PoE AXIS T8129 PORTUGUÊS INGLÊS Compatibilidade eletromagnética (EMC) Este equipamento gera, usa e pode irradiar energia de radiofrequência e, caso não seja instalado e usado de

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção 1 de 16 1. OBJETIVO: Estabelecer a metodologia para a solicitação, extensão, manutenção e revalidação de certificados de conformidade. 2. APLICAÇÃO: Aplicável a todo processo de certificação, extensão

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO REQUISITOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PROF. MARCOS FERGÜTZ ABRIL/14 INTRODUÇÃO - Legislação Portaria no. 51, de 28 de janeiro de 2014, do INMETRO,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO 1. TÍTULO DO PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA Elaboração de estudo de viabilidade técnica e econômica da implantação da logística reversa para resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE) 2. JUSTIFICATIVA

Leia mais

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS 2012 Relevância: Impacta diretamente na saúde do paciente, na qualidade do produto e na integridade dos dados que devem provar que o sistema

Leia mais

Processo de Instalação Limpa do Windows 8.1 em Computadores Philco

Processo de Instalação Limpa do Windows 8.1 em Computadores Philco Processo de Instalação Limpa do Windows 8.1 em Computadores Philco O processo de Instalação Limpa irá remover todos os programas e arquivos de dados do seu computador, substituindo eles com uma instalação

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Associação Brasileira de Materiais Compósitos MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS

Associação Brasileira de Materiais Compósitos MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS MANUAL DE RECUPERAÇÃO DE TAMBORES METÁLICOS Introdução Este documento é um guia orientativo aos associados da Abmaco que desejem efetuar a disposição adequada de tambores e embalagens de resina poliéster

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida ACV

Avaliação do Ciclo de Vida ACV Avaliação do Ciclo de Vida ACV Eloísa Garcia Sustentabilidade BFT 2020 Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável é aquele que satisfaz as necessidades e aspirações da geração atual, sem comprometer

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Realizar o gerenciamento dos projetos desde o seu planejamento, desenvolvimento, recebimento, análise crítica, controle e distribuição nas obras. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Manual

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR 4.3.2 e PGR-4.3.1 e IGR-4.4.6-12.

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 10/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações Inventário e Mapeamento de Ativos de Informação nos

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência.

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n º 105, de 02 de junho de 2005 CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

COMPLEMENTO BERÇOS INFANTIS. Elaborado por: Diego Alves de Oliveira Verificado por: Karen Carolina Martins

COMPLEMENTO BERÇOS INFANTIS. Elaborado por: Diego Alves de Oliveira Verificado por: Karen Carolina Martins Página 1 de 1 Elaborado por: Diego Alves de Oliveira Verificado por: Karen Carolina Martins Aprovado por: Maria Lucia Hayashi Data Aprovação: 06/01/2015 1 - OBJETIVO Estabelecer os critérios para o programa

Leia mais

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 05/11/29 Elaboração Emissão Aprovada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE ELABORAÇÃO ANÁLISE

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais