Rótulo Ecológico para Impressoras

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rótulo Ecológico para Impressoras"

Transcrição

1 Pág. Nº 1/16 SUMÁRIO 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo da categoria de produtos 6 Critérios Técnicos 7 Atendimento a requisitos legais 8 Utilização de laboratórios de ensaios e aceitação de resultados 9 Descrição do processo de certificação 10 Descrição do processo de manutenção da certificação 11 Modificações nos critérios Histórico das revisões Revisão Data Descrição da alteração Observações Elaboração Verificação Aprovação Rosemar Santos Julio Reis Guy Ladvocat Analista Técnica Assistente Técnico Gerente de Certificação de Sistemas

2 Pág. Nº 2/16 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter a qualidade ambiental através da redução do consumo de energia e de materiais, bem como da minimização dos impactos de poluição gerados pela produção, utilização e disposição de produtos e serviços. Este documento foi preparado com base em uma visão geral sobre a avaliação do ciclo de vida do produto, conforme estabelecido na norma ABNT NBR ISO 14024, para programas de rotulagem ambiental do tipo I, e em informações de especificações para produtos similares de outros programas de rotulagem ambiental desenvolvidos por outros membros do GlobalEcolabelling Network (GEN). 1 Objetivo Este Procedimento estabelece os requisitos que osprodutos impressoras devem atender para obter a licença para uso da Marca ABNT de Qualidade Ambiental (Rótulo Ecológico ABNT). O Rótulo Ecológico para impressoras pode ser atribuído a dispositivos que exibemas seguintes propriedades ambientais: Baixo consumo de energia; Longa duração e design reciclável; Substituição e/ou redução dos materiais nocivos para o ambiente; Utilização de material reciclado. 2 Referências normativas Os documentos relacionados a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem requisitos válidos para este procedimento. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta publicação. Como os documentos estão sujeitos a revisão, recomenda-se àqueles que utilizem este procedimento, que verifiquem a conveniência de utilização de edições mais recentes dos documentos indicados. - ABNT NBR ISO 14001: Sistemas da gestão ambiental Requisitos com orientações para uso - ABNT NBR ISO 14020: Rótulos e declarações ambientais - Princípios gerais - ABNT NBR ISO 14024: Rótulos e declarações ambientais - Rotulagem ambiental do tipo I - Princípios e procedimentos - ABNT NBR ISO 14040: Gestão ambiental - Avaliação do ciclo de vida - Princípios e estrutura - ABNT NBR 10004: Resíduos sólidos - Classificação - PG-11 - Procedimento Geral da Marca ABNT - Qualidade Ambiental - PG-12 - Diretrizes para Elaboração dos Critérios da Marca ABNT- QualidadeAmbiental - GECA Printers and Imaging Equipment GECA - EL142 - Printers KOREA ECO-LABEL - ISO Plastics -- Generic identification and marking of plastics products.

3 Pág. Nº 3/16 - IEEE Std IEEE Standard for Environmental Assessment of Imaging Equipment 3 Definições 3.1 Programa de rotulagem ambiental do tipo I Programa de terceira parte voluntário, baseado em critérios múltiplos, que outorga uma licença que autoriza o uso de rótulos ambientais em produtos, indicando a preferência ambiental de um produto dentro de uma categoria de produto específica com base em considerações do ciclo de vida (ABNT NBR ISO 14024). 3.2 Avaliação do Ciclo de Vida (ACV) ACV considera os impactos ambientais ao longo da vida do produto (do berço ao túmulo) desde a extração de matérias-primas até a produção, uso e disposição final. As categorias gerais de impactos ambientais a considerar incluem o esgotamento de recursos, a saúde humana e as consequências ecológicas. 3.3 Copiadoras Esta categoria inclui fotocopiadoras independentes, ou seja, comercialmente disponíveisreproduzindo unidades de imagem eletrostática. A copiadora deve, no mínimo, conter um sistema de projeção de imagens e uma unidade de manuseio de papel. 3.4 Impressoras Esta categoria inclui qualquer dispositivo de saída de imagemcapaz de criar uma cópia impressa, a partir de dados fornecidos por um computador independente, através de uma rede, drive USB, câmera digital ou outro dispositivo eletrônico. 3.5 Scanners Esta categoria inclui qualquer produto capaz de converter uma cópia em formato eletrônico. 3.6 Máquinas de fax Qualquer equipamentocapaz de proporcionar a transmissão eletrônica de uma cópia impressa através de uma linha telefônica ou por meio de uma rede. 3.7 Dispositivos Multifunções Produtos que fazem duas ou mais das funções mencionadas acima. 3.8 Componentes e Peças utilizadas Complementos como o papel adicional,unidades extras de manuseio de papel e consumíveis como cartuchos, bateriase conjuntos ópticos fotossensíveis.esta categoria exclui expressamenteconsumíveis em papel.

4 Pág. Nº 4/ Velocidades de impressão Refere-se àquantidade de páginas por minuto (PPM) ao imprimir em papel de tamanho A4no sentido de permitir a velocidade mais elevada.no entanto, a velocidade de impressão de impressoras a coresdeve ser definida de acordo com a definição do seu fabricante Modo de espera Refere-se ao modo em que o produto está prontopara executar a próxima cópia impressa após conclusão da última Potencial de destruição do ozônio (ODP) Refere-se ao valor que indica o impacto relativo a substâncias que empobrecem a camada de ozônio quando o impacto da destruição do ozônio de CFC-11 está definida para ser Emissões de compostos orgânicos voláteis Refere-se à quantidade de VOCpor unidade de hora que é emitida, enquantoo produto está sendo fabricado de acordo com as condições definidas. 3.13Impressora de Grande Porte Impressora de grande porte refere-se a uma impressora com uma função de impressão para folhas de tamanho A2 ou maior. Isto inclui produtos que aceitam papel tipo rolo contínuo que tenha uma largura de 406 mm ou mais. 3.14Plásticos Primários Produtos destinados à produção de válvulas, como as utilizadas nas embalagens de perfumes e cremes. 3.15Fabricante/importador Qualquer pessoa, companhia ou organização que coloca equipamentos eletroeletrônicos (EEE) no mercado, isto é, ou fabrica ou vende EEE sob marca própria; ou revende EEE com componentes fabricados por outros, sob sua própria marca; ou importa ou exporta EEE (de acordo com ABNT IEC/PAS 62545:2011). Este procedimento não se aplica a qualquer produto que seja exclusivamente alimentado por baterias. 4 Siglas As siglas empregadas no texto deste Procedimento são as seguintes: - ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ACV - Avaliação do ciclo de vida - CT - Coordenação Técnica - GSI - Gerência de Certificação de Sistemas - ISO - International Organization for Standardization - GEN - Global Ecollabeling Network

5 Pág. Nº 5/16 - CTC - Comitê Técnico de Certificação - LED - Diodo Emissor de Luz - VOC - Volatile Organic Compounds - PTFE - Politetrafluoretileno (Teflon) - OPC -Organic Photo Conductor - PER - Particle Emission Rate - ESD - ElectroStatic Discharge - EMI - Electromagnetic Interference 5 Escopo da categoria de produtos Os critérios se aplicam a impressoras comumente usadas em escritórios e emresidências,conectadas a computadores;incluem impressoras a laser e impressoras a jato de tinta. Isentas deste critério estão as impressoras que utilizampapel tipo rolo contínuo que excedem a velocidade de impressão de 60 PPM,impressoras que excedem a velocidade de impressão de 70 PPM e impressoras de grande porte. Os produtos incluídos neste escopo devem, pelo menos: Imprimir ou copiar como sua função primária; Serem capazes de produzir impressões monocromáticas (preto e branco) ou coloridas; Funcionar como dispositivos eletrofotográficos (LED ou laser) com toner ou jato de tintausando tinta (gel ou cera); Emissões de ruído (nível de potência sonora) não superior a 75 db durante a impressão monocromática. 6 Critérios Técnicos 6.1 Adequação ao uso Para se tornar certificado, o produto tem de ter um bom desempenho quando utilizado de acordo com as instruções do fabricante e em conformidade com as normas existentes de qualidade, segurança e durabilidade. O fabricante deve garantir que o produto esteja apto para o fim anunciado. O atendimento à portaria 170 do INMETRO ou à norma IEC ou equivalentes, garantem o atendimento a este requisito. 6.2 Consumo Energético Na fase de utilização, o produto deve cumprir os seguintesrequisitos O desempenho de economia de energia do produto devesatisfazer o regulamento de funcionamento do modo de esperado programa de economia de energia, de acordo com a Lei de

6 Pág. Nº 6/16 Racionalização do Uso de Energia oulei de eficiência Energética - Lei 10295/01 ou de acordo com os procedimentos Energy Star atuais Impressoras monocromáticas com a impressão (ou cópia) de velocidade de 25PPMou mais e impressoras com impressão a cores (ou cópia) com velocidade de 20PPM ou mais devem ser capazes de imprimir em ambos os lados de uma folha de papel com ou sem equipamento adicional. Nota 1) Este critério deve ser aplicado somente aos produtos baseados em impressão a laser; 6.3 Requisitos para os Materiais Plásticos Plásticos, tais como o PVC, não podem ser utilizados nas partes externasde plástico do produto com peso de25 g ou mais.isentos deste critério estão os aditivos fluoroorgânicos com menos de 0,5% em peso(por exemplo, aditivos anti-gotejamento). Plásticos primários (excluindo os componentes reutilizados) e plásticos reciclados devem respeitar o seguinte: Não devem ser adicionados a nenhuma parte plástica - Bifenilas polibromadas (PBB), Éter difenil polibromados (PBDE) incluindo Decabromo difenil éter (decabde) e parafinas cloradas de cadeia curta(c = 10 ~ 13), cuja concentração de cloro é de 50% ou mais Os produtos certificados ou o componente com peso maior que 25g devem ser marcadoscom um código de identificação da resina apropriada promulgada pela Plastics and Chemical Industry Association(ver ou de acordo com a norma ISO ouabnt NBR 13230:2008. Isenções podem ser feitas para produtos quea natureza do processo de fabricação ou a forma e tamanhodo produto limitam a aplicação do código de identificação de resina de plástico no produto. Produtos isentos devem assegurar que informações apropriadas comodescriçãodos métodos de eliminação do produto e o código de identificação da resinasejam fornecidos no momento da venda do produto, para incentivar ainda mais a reciclagem Peças de plástico pesando 25g ou mais devem ser feitas de, no máximo, quatro materiaisdiferentes,que sejam facilmente separáveis. Ao mesmo tempo, cada peça de plástico pesando 25g ou maisdeve ser feita de um único polímero (homopolímero) ou misturas de polímeros recicláveis(ligas de polímeros) Peças plásticas separáveis(pesando 25g ou mais e com uma área mínima de superfície plana de 200mm 2 )devem ser visivelmente marcadas com a identificação do materialpara facilitar a separação, coleta e eliminação e: Deve ser possível desmontar sem ferramentas especiais; Não devem ser pintadas ou envernizadas de modo que reduza a possibilidade de reciclagem do material; Qualquer produto que contenha peças de plástico, cujo peso total seja superior a 100 g deveconter pelo menos 5 g de plástico reciclado pós-consumo. Os seguintes itens podem ser subtraídos do peso total combinado: placas de circuito impresso, etiquetas, cabos, conectores, componentes eletrônicos, componentes ópticos, componentes ESD,

7 Pág. Nº 7/16 componentes EMI e material plástico de base biológica.a certificação do produto a este programa não será suspensa se o não cumprimento deste critério for causado por circunstâncias temporárias, além do controle do fabricante, incluindo, mas não limitado a, incêndios, inundações, terremotos, atos de guerra,ação do governo, acidentes, dificuldades trabalhistas ou escassez, incapacidade de obter materiais, equipamentos, ou transporte. No caso dos produtos que contenham menos de 100 g de plástico, após as exclusões serem removidas, o fabricante poderá declarar "Não se aplica" no Registro da Entidade de Fiscalização do Mercado Compostos de cádmio, chumbo ou mercúrio não devem ser adicionados ao produto, exceto quando não existirem alternativas para os componentes elétricos e eletrônicos e placas de circuito Teor de chumbo, cádmio, mercúrio e cromo hexavalente nas partes doproduto devem cumprir o seguinte requisito. O requerente deve ter um sistema adequado para controlar o conteúdo de substâncias perigosasde modo a atender aos seguintes requisitos: Substância Pb Cd Hg +6 (nota) Cr Concentração [mg/kg] Nota: No caso do teor de cromo total (Cr) ser de 1000 mg / kg ou menos, este é considerado como equivalente Metais - Um total de, pelo menos, 90% em peso de metais com massaacima de 25g ou uma superfície plana com mais de 200 mm 2 nas carcaçasdevem ser reciclados Camadas (Layers) fotossensíveis - Foto semicondutoresnão devem conter adição de cádmio, chumbo, mercúrio e selênio Baterias - Os teores de metais pesados em baterias não devem ultrapassar os seguintes limites: Mercúrio Cádmio Chumbo 5 ppm 5 ppm 15 ppm Papel para imprimir O dispositivo deve ser capaz de utilizar papel reciclado sem comprometer a garantia do fabricante. Se o dispositivo possuir uma saída para o papelele deve ser capaz de imprimir frente e verso. Se a taxa de cópia do dispositivo for maior ou igual a 45 PPM, o dispositivo deverá ser capaz de imprimir frente e verso como um ajuste automático Toners e Cartuchos Os cartuchos e toners deverão ser fechados de modo a impedir o pó de toner escapar durante o armazenamento e manipulação. Recipientes de plástico de jato de tinta e toner (> 25g) devem ser identificados com o código de identificação da resina apropriadapromulgado peloplasticsandchemicalindustryassociation ou de acordo com a norma ISO 11469, por meio de rotulagem visível.

8 Pág. Nº 8/ Substâncias Proibidas Preparados que contenham as seguintes substâncias regulamentadas no Protocolo de Montrealnão podem ser utilizados na produção final de dispositivos ou componentes certificados, incluindo na produção de placas de circuito: CFC s HCFC s HFC s 1,1,1-tricloroetano Tetracloreto de carbono 6.5 Emissões e Ruídos Emissões As emissões no ar interior resultantes de equipamentos de imagem não devem exceder os seguintes níveis: Valores admissíveis para teste de taxa de emissão, conforme previsto no Anexo S-M para dispositivos Eletrofotográficos. Todos os valores em mg/h, com exceção de emissões de partículas Fase pré-operacional TVOC* Impressora monocromática 1 (Os dispositivos de desktop) 2 (Dispositivos montado no pisode volume> 250 L) Impressora colorida 1 (Os dispositivos de desktop) 2 (Dispositivos montado no piso de volume > 250 L) Fase de impressão (Fase préoperacional + fase de impressão) TVOC* Benzeno < 0,05 < 0,05 Estireno 1,0 1,8 Substâncias isoladas de VOC não identificadas 0,9 0,9 Ozônio 1,5 3,0 Poeira 4,0 4,0 Fase de impressão PER 10 PW 3,5 * ,5 * (Partículas/10min) *Verificar a lista de compostos orgânicos voláteis, que deve ser considerada quando da medição das emissões de equipamentos de escritório em função de impressão (Consulte o Apêndice S-M, parag. 4.5 VOC s) Ruídos Equipamentos de imagem devem ter seus níveis de potência sonora medidos de acordo com a normaiso 7779 e declarado de acordo com a norma ISO O nível sonoro ponderado(l Wad )deve ser inferior a 75dB. Além disso, o nível de potência sonora não deve exceder os seguintes valores de teste L WAd,lim,mo ou L WAd,lim,co no respectivo modo de impressão: O valor do teste L WAd,lim,mo para impressão monocromática deve ser determinado dependendo da velocidade de operaçãos mo indicada com uma casa decimal de acordo com a seguinte fórmula:

9 Pág. Nº 9/16 LWAd,lim,mo = ( * Smo) db O valor do testel WAd,lim,co para impressão a cores em sistemas paralelosé determinado na dependênciada velocidade de operaçãos co em db e apresentadas com uma casa decimal de acordo com a seguinte fórmula: LWAd,lim,co = ( * Sco) db Para os dispositivos eletrofotográficos de cor, em série, coms co 0.5 S mo de acordo coml WAd,lim,mo o modo de impressão monocromática é necessário.neste caso, o cumprimento L WAd,lim,co no modo colorido não é obrigatório. Para dispositivos com L WAd > 63 db, as informações do usuário deve, além disso, contém o texto seguinte: "O equipamento de escritório com um nível de potência sonorol WAd > 63 db não é adequado para uso em salas predominantemente utilizadas para atividades intelectuais. Devido à sua alta emissão de ruído devem ser colocados em salas separadas. 6.6 Reciclagem de Pós Consumo e Rotulagem Separabilidade Critérios para impressoras e dispositivos de imagem estão relacionados com unidades modulares. Um módulo é uma parte que pode ser separada do produto e ser tratada como uma peça completa para efeitos de reciclagem. A estrutura modular facilita a desmontagem, bem como torna os reparos mais simples e fáceis. Os seguintes requisitos devem ser cumpridos: Os módulos devem ser facilmente removíveis; O pessoal qualificado deve ser capaz de desmontar a máquina completamente em partes recicláveis; Pontos de fixação/desmontagem devem ser facilmente acessíveis sem ferramentas altamente especializadas; Conexões entre diferentes materiais devem ser fáceis de localizar, por exemplo, por meio de etiquetas visíveis nos produtos ou informações sobre a desmontagem fornecidas em informativos; Não deve haver articulações não separáveis, como coladas ou juntas soldadas entre os diferentes materiais; Peças de plástico devem ser compostas de um único polímero,homo/copolímero ou mistura de polímeros compatíveis (ligas de polímero). No entanto, esta disposição não se aplica às peças com peso inferior a 25g ou peças de plástico reutilizadas. Um máximo de quatro tipos diferentes de plásticos (ou ligas de plástico) pode estar presente na carcaçae estes devem ser separáveis uns dos outros. Componentes utilizados para funções semelhantes devem serfeitos do mesmo tipo de plástico. Rótulos/Etiquetasnão devem ser impregnados,marcados, revestidos ou tratados de forma que impeçama reciclagem.

10 Pág. Nº 10/ Prolongamento da vida útil garantia O fabricante deverá oferecer uma garantia comercial sobre a qualidade do produto. O período da garantia deve ser de, no mínimo,um (1) ano. A garantia é válida a partir da data de entrega aoconsumidor. 6.7 Informações ao Consumidor Asseguintes informações básicas para o usuáriodevem ser disponibilizadas na documentação ou na Internet Instruções sobre o posicionamento da máquina; Informações sobre reciclagem de recipientesopc kit/bateriasfotossensíveis,recipientes de toner e recipientes de toner usado; Informações sobre cuidados com a bateria, reciclagem e substituição; Informações que as baterias usadas devem ser eliminadas de acordo com a legislação local; Capacidade de Imprimir (cópias por minuto ou volume de cópias por ano ou mês); Informações sobre o funcionamento do sistema de gestão de energia; Informações sobre a utilização de cópia frente e verso; Recomendação de que o papel ecológico seja usado; Recomendação de que a máquina devaser desligada quando não estiver em uso. O equipamento de escritório com um nível de potência sonoro L WAd entre 63dB e 75dB não é adequado para uso em salas predominantemente utilizadas para atividades intelectuais Devido à sua alta emissão de ruído devem ser colocados em salas separadas. A seguinte informação técnica também deve ser especificada no manual de serviço:a especificação da freqüência com que filtros de ozônio, bateria e rolos térmicos, etc. necessitam de substituição. As informações técnicas a seguir devem ser especificadas no manual do usuário ou serem disponibilizadas para o cliente: Valor máximo de emissões, incluindo as concentrações de ozônio, poeira e estireno; Consumo máximo de energia durante a operação, modo espera emodo desligado; A potência máxima de som durante a operação, modo espera emodo desligado. O manual do usuário e informações sobre o produto devem ser escritosem uma das línguas oficiais do país em que o produto esteja à venda. 6.8 Logística Reversa O fabricante deve oferecer uma estrutura (sistemática), para recebimento das impressoras após sua utilização e posterior destinação final ambientalmente adequada, seguindo as legislações ambientais aplicáveis e vigentes. O fabricante deve possuir registros da quantidade recebida e destinada de impressoras.

11 Pág. Nº 11/16 A organização deve garantir que os produtos sejam destinados a empresas devidamente licenciadas para exercerem essa atividade e manter registros do encaminhamento à destinação final ambientalmente adequada. No caso do fabricante atribuir a uma empresa a retomada e a reciclagem dos resíduos de produtos, o envio das informações relevantes é considerado como equivalente. Material coletado sob este regime não deve ser descartado em aterros ou incinerado. Disposição transitória: Será aceito um manual descrevendo a destinação final ambientalmente correta do produto, durante o período de 18 meses após a aprovação deste procedimento. As empresas podem informar aos clientes em um manual as formas de disposição final do produto. Após este período será aceita apenas a evidência da implantação da sistemática de logística reversa ou das fases em andamento e já realizadas com cronograma de previsão de término. 6.9 Critérios para Embalagem Materiais de absorção de choque na embalagem devem ser feitos de celulose ou papel reciclado como molde da polpa. No entanto, os seguintes materiais são considerados equivalentes: a) Materiais de absorção de choque fabricados usando mais de 50% em peso de plástico reciclado; b) EPS (poliestireno expandido), EPE (polietileno expandido) e EPP (polipropileno expandido), cujo agente de formação de espuma tenha zero ODP; c) Embalagem plástica debolha de ar. Plásticos clorados não devem ser usados na embalagem de produtos. A embalagem utilizada deve ser capaz de ser recicladapelos sistemas locais de reciclagem Critérios para distribuição Transporte próprio Caso o fabricante tenha, em suas instalações, postos de abastecimento de combustíveis para consumo próprio, deverá possuir medidas de contenção/prevenção e procedimentos de emergência para casos de derramamento, incêndio e explosão Transporte terceirizado Caso o fabricante utilize empresas de transporte terceirizadas, estas deverão estar registrados junto ao CONTRAN (ANTT) a fim de atender os requisitos aplicáveis à legislação vigente Critérios ambientaisaplicáveis ao processo O fabricante deve estabelecer um Programa de otimização do consumo de energia e de água com metas de redução quando apropriado. O Programa deve considerar a reutilização da água usada nos sistemas de resfriamento, geração de vapor, bem como em procedimentos de limpeza e sanitização de máquinas, equipamentos, tubulações de transferência e mangueiras, entre outros, quando possível O fabricante deve estabelecer um programa de gestão de resíduos que considere a redução, o reuso ou reciclagem, assegurando a sua otimização e a destinação adequada dos resíduos gerados, inclusive os recicláveis. Todos os resíduos devem ser classificados de acordo com a norma ABNT NBR

12 Pág. Nº 12/ Caso o processo tenha subprodutos perigosos como um dos seus resultados, estes devem ser segregados e devem ser tomadas medidas adequadas para a sua reciclagem/reutilização (quando aplicável), disposição final ou eliminação No caso de o fabricante armazenar produtos perigosos ou prejudiciais ao meio ambiente, deve seguir as normas e legislação aplicáveis à saúde, segurança e meio ambiente. A FISPQ (Ficha de Informação do Produto Químico) deve estar próxima do produto químico eventualmente armazenado Os materiais utilizados durante a produção não devem ser tratados de modo a impedir a reciclabilidade ao fim da vida útil do produto. 7 Atendimento a requisitos legais O fabricante deve cumprir (ou exceder) a legislação e regulamentos ambientais aplicáveis, em nível federal, estadual e municipal, considerando inclusive, mas não se limitando a, aspectos relacionados às emissões, efluentes e resíduos. Sempre que um fabricante for de uma jurisdição no exterior, os regulamentos ambientais daquela jurisdição se aplicam. A critério da ABNT, o atendimento a este requisito pode ser evidenciado com uma declaração assinada pelo Executivo Sênior da Empresa. 8 Utilização de laboratórios de ensaios e aceitação de resultados 8.1 É responsabilidade da ABNT selecionar o laboratório para a realização dos ensaios que serão utilizados nos processos de concessão e manutenção da Marca ABNT de Qualidade Ambiental Rótulo Ecológico. 8.2 Quando forem utilizados laboratórios acreditados pelo Inmetro ou acreditados por organismos de acreditação de laboratórios de outro País com o qual o Inmetro tenha acordo de reconhecimento mútuo, os laboratórios não precisam ser avaliados. 8.3 Quando forem utilizados laboratórios não acreditados, os laboratórios serão avaliados de acordo com os requisitos do item 7.5 do PG-11 Procedimento Geral da Marca ABNT Qualidade Ambiental. 8.4No caso de utilização de laboratório de primeira parte (do próprio fabricante), a ABNT deve acompanhar a execução de todos os ensaios para fins de concessão e manutenção da certificação, independentemente do laboratório ser acreditado ou não. 8.5 Serão aceitos relatórios e documentos de oriundos de outros processos de certificação, por exemplo, membros do GEN (Global Eco-labeling Network) ou equivalentes, a fim de atender aos critérios definidos neste procedimento; 9 Descrição do processo de certificação 9.1 Documentação O fabricante deve enviar para a ABNT a documentação abaixo relacionada para análise: a) Especificação de cada produto a ser certificado; b) Cópia do Contrato Social registrado em Junta Comercial; c) Planta do site;

13 Pág. Nº 13/16 d) Localização Geográfica atualizada (especificando a área de entorno do site rios, áreas de preservação, comunidades, indústrias, entre outros); e) Lista das principais matérias primas utilizadas no processo produtivo; f) Lista dos principais insumos que são necessários para a realização do processo produtivo; g) Licenças Ambientais; h) Fluxograma esquemático do processo produtivo, desde a entrada da matéria prima até a saída do produto acabado; i) Fluxo interno de água, energia, resíduos, efluentes e emissões, no que se refere à fabricação do produto objeto da concessão; j) Fotos dos produtos que serão certificados. 9.2 Análise preliminar A documentação será analisada pela ABNT quanto ao seu conteúdo e adequação, resolvendo-se junto ao fabricante eventuais pendências. 9.3 Pré-auditoria (opcional) Após a aprovação da documentação apresentada, a ABNT fará uma pré-auditoria nas instalações do fabricante, com os seguintes objetivos: a) Avaliar a localização do fabricantee as condições específicas do local; b) Verificar o nível de preparação do fabricantepara a auditoria de certificação; c) Avaliar a compreensão do fabricantequanto aos critérios a serem atendidos para a obtenção da certificação; d) Coletar informações necessárias em relação aos processos e localização do fabricante, aspectos legais e regulamentares; e) Avaliar a alocação de recursos para a auditoria de certificação, bem como facilitar seu planejamento. 9.4 Auditoria de certificação Uma vez eliminadas quaisquer dúvidas ou pendências da documentação, bem como solucionadas quaisquer observações apontadas na pré-auditoria, será realizada a auditoria de certificação, que deverá abranger os seguintes aspectos: Avaliação dos produtos A ABNT irá avaliar no fabricantese os produtos a serem certificados estão sendo produzidos de acordo com as especificações apresentadas, bem como a forma como o fabricantecontrola seu processo produtivo de forma a assegurar o atendimento aos requisitos Avaliação do atendimento aos critérios técnicos e aos requisitos legais A ABNT irá avaliar se o produto e/ou processos do fabricante, objeto da certificação, atendem aos critérios estabelecidos nos itens 6 e 7 deste procedimento, através de documentos, entrevistas, acompanhamento de processo produtivo, registros ou quaisquer outros meios que se entenda necessários para a comprovação.

14 Pág. Nº 14/16 Para os critérios que não possam ser avaliados durante a auditoria, por exemplo, aqueles que necessitam de ensaios laboratoriais para comprovação, o fabricantedeverá demonstrar como controla seu processo produtivo, bem como sua relação com fornecedores, distribuidores e/ou clientes, de forma a atender aos critérios. Para estes casos, a critério da ABNT, durante as auditorias poderão ser coletadas amostras para a realização de ensaios em laboratórios selecionados conforme o item 8 deste procedimento Coleta de amostras eensaios Na auditoria de certificação, a ABNT irá coletar amostras de alguns componentes ou produtos, a seu critério, para a realização de ensaios. As amostras poderão ser compostas de prova, contraprova e testemunha. As amostras serão lacradas pela ABNT e a identificação dos lacres será registrada no formulário de coleta de amostras. As amostras de prova devem ser encaminhadas ao laboratório, acompanhadas de uma cópia do formulário de coleta de amostras e devem estar devidamente lacradas de acordo com o evidenciado no formulário de coleta (número de série, modelo e etc). Caso não seja possível realizar a coleta de prova, contraprova e testemunha, apenas será coletada a prova e esta será enviada para o laboratório; só serão coletadas outras duas amostras de confirmação de resultado caso a primeira amostra ensaiada apresente não conformidade. O fabricante deve tomar os cuidados necessários para preservar os lacres das amostras enviadas ao laboratório, bem como daquelas armazenadas para fins de possíveis contestações. A coleta pode ser realizada na fábrica ou no mercado. 9.5 Avaliação inicial da qualidade Para aprovação da concessão da Marca ABNT de Qualidade Ambiental, as amostras ensaiadas devem ser aprovadas nos ensaios referidos no item 6 deste procedimento, bem como a avaliação dos requisitos exigidos nos itens 6 e 7 deve demonstrar conformidade ao longo de todo o processo. Caso ocorra reprovação em qualquer dos ensaios realizados durante esta fase, a certificação do produto não será concedida até a resolução do problema. Após a implementação das ações corretivas, a ABNT deverá agendar uma nova coleta de amostras e a realização de novos ensaios. Deverão ser coletadas prova e contraprova. e, caso as amostras ensaiadas sejam aprovadas, a certificação será então concedida para o produto. 9.6 Concessão da certificação Cumpridas as etapas anteriores, a CT emite um parecer conclusivo e encaminha o processo para análise do GSI. Caso o processo de certificação seja aprovado pelo GSI, a ABNT emitirá o Certificado da Marca ABNT de Qualidade Ambiental, que é a licença para o uso da marca no produto (Rótulo Ecológico). No caso de reprovação, as razões serão comunicadas ao fabricante para que este possa tomar as ações corretivas necessárias e retomar o processo de certificação. As ações corretivas, bem como as ações a serem tomadas para a retomada do processo de certificação devem ser acordadas com a ABNT. 10 Descrição do processo de manutenção da certificação Após a concessão da Certificação, a ABNT deve realizar o controle para verificar se o fabricantemantém as condições técnico-organizacionais que deram origem à certificação. Esta verificação será realizada por meio de auditorias de manutenção e poderão também, a critério da ABNT, serem realizadas coletas de amostras para ensaios,tanto na fábrica como no mercado.

15 Pág. Nº 15/ Auditorias de manutenção As auditorias serão realizadas em períodos previamente acordados com o fabricantee sua periodicidade será anual. Nestas auditorias serão abordados os seguintes aspectos: Avaliação dos produtos A ABNT irá avaliar no fabricantese os produtos certificados continuam sendo produzidos de acordo com as especificações apresentadas Avaliação do atendimento aos critérios de desempenho e aos requisitos legais A ABNT irá avaliar se os produtos certificados e/ou processos do fabricante continuam a atender aos requisitos estabelecidos nos itens 6 e 7 deste procedimento. Para os requisitos que não possam ser avaliados durante a auditoria, por exemplo, aqueles que necessitam de ensaios laboratoriais para comprovação, o fabricante deverá demonstrar como controla seu processo produtivo, bem como sua relação com fornecedores, distribuidores e clientes, de forma a atender aos requisitos Coleta de amostrase ensaios Ensaios serão realizados com uma periodicidade anual em amostras coletadas na fábrica e/ou no mercado, a critério da ABNT. Quando as amostras forem coletadas na fábrica, os ensaios deverão ser realizados por unidade produtiva e/ou produto. Nas coletas de mercado, o fabricante (ou seu representante) deverá ser informado pela ABNT e poderá acompanhar o processo de coleta. Os componentes ou produtos a serem coletados serão de escolha da ABNT. Na auditoria de manutenção, a ABNT irá coletar amostras de alguns componentes ou produtos, a seu critério, para a realização de ensaios. As amostras devem ser compostas de prova, contraprova e testemunha. As amostras serão lacradas pela ABNT e a identificação dos lacres será registrada no formulário de coleta de amostras. As amostras de prova devem ser encaminhadas ao laboratório selecionado, acompanhadas de uma cópia do formulário de coleta de amostras. As amostras de contraprova e testemunha devem ser armazenadas pelo fabricante para fins de possíveis contestações. O fabricante deve tomar os cuidados necessários para preservar os lacres das amostras enviadas ao laboratório, bem como daquelas armazenadas para fins de possíveis contestações. Caso não seja possível realizar a coleta em triplicata, apenas será coletada a prova e esta será enviada para o laboratório; só serão coletadas outras duas amostras de confirmação de resultado caso a primeira amostra ensaiada tenha resultado considerado insatisfatório. Os resultados dos ensaios serão enviados ao fabricante pela ABNT. No caso de ocorrência de não conformidade nos ensaios (não atendimento de algum requisito) o fabricante deve apresentar um plano de ação em até 15 dias, para avaliação da ABNT, que terá até 10 dias úteis para retornar com o resultado da avaliação Avaliação da conformidade Para manutenção da certificação, as amostras ensaiadas devem ser aprovadas nos ensaios referidos no item 6 deste procedimento, bem como a avaliação dos requisitos exigidos nos itens 6 e 7 deve demonstrar conformidade ao longo de todo o processo. Caso ocorra reprovação em qualquer dos ensaios realizados durante esta fase, a certificação do produto será suspensa até a resolução do problema.

16 Pág. Nº 16/16 Após a implementação das ações corretivas, a ABNT deverá agendar uma nova auditoria e coleta de amostras para ensaios. Caso o fabricante não apresente nãoconformidades e as amostras ensaiadas sejam aprovadas, o fabricante poderá utilizar a Marca de Conformidade ABNT novamente no produto. Após esta auditoria, a periodicidade da amostragem para ensaios deve passar para semestral até que se obtenham as condições iniciais de conformidade, quando então a periodicidade deve voltar a ser anual. Após a implementação das ações corretivas, a ABNT deve agendar uma nova auditoria e coleta de amostras para ensaios. Caso o fabricante não apresente nãoconformidades e as amostras ensaiadas sejam aprovadas, o fabricante pode utilizar a Marca de Conformidade ABNT novamente no produto Autocontrole Durante as auditorias, o fabricante deverá demonstrar para a ABNT como controla seu processo produtivo de forma a manter o produto atendendo aos critérios estabelecidos neste procedimento. Essa metodologia poderá ser apresentada de forma documental ou demonstrada de forma prática através da utilização de sistemas de controle proprietários do fabricante Acordos de reconhecimento Conforme estabelecido no item 15 do PG-11, o processo de manutenção da certificação poderá ser modificado conforme o conteúdo de eventuais acordos de cooperação ou de reconhecimento mútuo. 11 Modificações nos critérios Se depois de concedida a Marca de Conformidade ABNT, ou durante o processo de concessão, ocorrerem mudanças significativas nos critérios estabelecidos para a certificação do produto, a ABNT deverá conceder um prazo suficiente para que seus clientes licenciados e em processo de licenciamento possam adequar seus produtos à nova situação. Para o estabelecimento deste prazo a ABNT convocará as partes interessadas.

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas Pág. Nº 2/10 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter a qualidade ambiental por meio da redução do consumo de energia

Leia mais

Rótulo ecológico para condicionadores de ar

Rótulo ecológico para condicionadores de ar Pág. Nº 1/11 SUMÁRIO Histórico das revisões 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo de Produtos 6 Citérios técnicos 7 Atendimento à legislação ambiental 8 Utilização

Leia mais

Rótulo Ecológico para Monitores de Vídeo

Rótulo Ecológico para Monitores de Vídeo Pág. Nº 1/13 SUMÁRIO 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo da categoria de produtos 6 Critérios Técnicos 7 Atendimento a requisitos legais 8 Utilização de laboratórios

Leia mais

Rótulo ecológico para pneus reformados PE-145. Itens Revisados: - 5-6.2.1-9

Rótulo ecológico para pneus reformados PE-145. Itens Revisados: - 5-6.2.1-9 Rótulo ecológico para pneus reformados PE-145 Itens Revisados: - 5-6.2.1-9 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter

Leia mais

Rótulo Ecológico para Eventos Sustentáveis

Rótulo Ecológico para Eventos Sustentáveis Pág. Nº1/12 SUMÁRIO 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo Categoria de produtos 6 Critérios 7 Atendimento a requisitos legais 8 Utilização de laboratórios de ensaios

Leia mais

Rótulo Ecológico para Tablets

Rótulo Ecológico para Tablets Pág. Nº 1/3 SUMÁRIO 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo de produtos 6 Critérios Técnicos 7 Atendimento a requisitos legais 8 Utilização de laboratórios de ensaios

Leia mais

Rótulo Ecológico para Televisores

Rótulo Ecológico para Televisores Pág. Nº 1/1 SUMÁRIO 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo da Categoria de produtos 6 Critérios 7 Atendimento a requisitos legais 8 Utilização de laboratórios de

Leia mais

Rótulo Ecológico para Notebooks

Rótulo Ecológico para Notebooks Pág. Nº 1/15 SUMÁRIO 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo da categoria de produtos 6 Critérios Técnicos 7 Atendimento a requisitos legais 8 Utilização de laboratórios

Leia mais

Rótulo Ecológico para Computadores

Rótulo Ecológico para Computadores Pág. Nº 1/12 SUMÁRIO 1 Introdução 2 Objetivo 3 Referências normativas 4 Definições 5 Siglas 6 Escopo de Produtos 7 Critérios técnicos 8 Atendimento a requisitos legais 9 Modificações nos critérios Histórico

Leia mais

ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS

ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS Rótulo Ecológico para Serviços de Asseio e Pág. Nº 1/13 SUMÁRIO Histórico das revisões 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo de Produtos 6 Critérios técnicos 7

Leia mais

A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM)

A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM) A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM) Sistema de Gestão de Requisitos para Substâncias Perigosas em Produtos e Componentes Elétricos e Eletrônicos Abril de 2011 Objetivo Capacitação

Leia mais

Rótulo Ecológico para Telefones móveis

Rótulo Ecológico para Telefones móveis Rótulo Ecológico para Pág. Nº 1/3 SUMÁRIO 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo da Categoria de produtos 6 Critérios Técnicos 7 Atendimento a requisitos legais

Leia mais

Rótulo Ecológico para Eventos Sustentáveis

Rótulo Ecológico para Eventos Sustentáveis Pág. Nº1/10 SUMÁRIO 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo 6 Critérios Técnicos 7 Descrição do processo de certificação 8 Descrição do processo de manutenção da

Leia mais

Manual de Instruções do uso da Marca ABNT

Manual de Instruções do uso da Marca ABNT Pág. Nº 1/8 SUMÁRIO Histórico das revisões 1 Objetivo 2 Referências Normativas 3 Siglas 4 Marcas e certificados da ABNT Certificadora 5 Requisitos Gerais 6 Requisitos específicos para sistemas certificados

Leia mais

Gerenciamento de Impressões

Gerenciamento de Impressões Gerenciamento de Impressões Junte se ao prático! Gerenciamento de Impressão É a terceirização de todo o processo de impressão dentro da empresa, ou seja do ambiente de produção de documentos: impressoras,

Leia mais

Rótulo Ecológico para Produtos de Aço

Rótulo Ecológico para Produtos de Aço Pág. Nº1/1 SUMÁRIO 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo da Categoria de produtos 6 Critérios 7 Atendimento a requisitos legais 8 Utilização de laboratórios de

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Certificação de sacolas plásticas impressas tipo camiseta

Certificação de sacolas plásticas impressas tipo camiseta Pág. Nº 1/13 SUMÁRIO Histórico das revisões 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Descrição do processo de certificação 6 Manutenção da certificação 7 Marcação dos produtos certificados

Leia mais

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013.

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013. LO N : 0019/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré- Revisão de 11/05/21 2ª. Revisão 31/05/21 Revisão Técnica Nome: Eng. Alexandre Schinazi Cargo: Engenheiro CREA: 246223 Assinatura: Data: Aprovação

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS Página 1 de 9 POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 27/01/2014 Revisado por: Rominik M. Fontenele 03/10/2014

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

RESPONSABILIDADE AMBIENTAL

RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Guia KIP Green Eco A cor da KIP É VERDE A KIP tem um compromisso com o desenvolvimento de projetos de produtos que promovam a saúde e a sustentabilidade ambiental. A nossa meta é melhorar e aprimorar de

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Inventário de PCB. Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria

Inventário de PCB. Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria Inventário de PCB Brasília, 28 de novembro de 2014. Legalmente amparado Convenção

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Adequação às Normas e Legislações Vigentes... 3 3. Definições de Obrigações e Responsabilidades... 3 4. Diretrizes Mínimas Exigidas...

Leia mais

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 05/11/29 Elaboração Emissão Aprovada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE ELABORAÇÃO ANÁLISE

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece as condições necessárias para a concessão da Autorização para Uso do Selo de Identificação

Leia mais

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS Página 1 de 9 POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 29/01/2014 Revisado por: Fernanda G. Brandão 26/03/2014 28/03/2014

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

CARTILHA PARA O USO DA MARCA

CARTILHA PARA O USO DA MARCA Página 1 de 11 PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO Este procedimento é parte integrante do Sistema de Gestão da Qualidade da BRICS. Quando disponível em domínio público, está sujeito a alterações sem aviso

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção...

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... Página 1 de 8 SUMÁRIO 1. Histórico de mudanças... 2 2. Escopo... 3 3. Manutenção... 3 4. Referências... 3 5. Definições... 3 6. Qualificação da equipe de auditores... 3 7. Condições gerais... 3 7.1 Selo

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão 1 de 8 1. OBJETIVO Estabelecer o processo para concessão, manutenção, extensão, suspensão e cancelamento de certificações de Sistema de Gestão da Qualidade, conforme a Norma NBR ISO 9001 e Sistema de Gestão

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Entidade Setorial Nacional Mantenedora

Entidade Setorial Nacional Mantenedora Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Nacional da Indústria Cerâmica ANICER Santa Luzia, 651, 12º andar Centro - Rio de Janeiro / RJ Tel/Fax: (21) 2524-0128 Site: www.anicer.com.br E-mail:

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS USUÁRIOS DE T.I.

POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS USUÁRIOS DE T.I. POLÍTICA DE ATENDIMENTO AOS USUÁRIOS DE T.I. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. ATENDIMENTO AOS USUÁRIOS DE T.I. 3.1.1. Diretrizes 3.1.2. Responsabilidades 4. SERVIÇOS 4.1.1. Reparos efetuados

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014

RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014 RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014 Dispõe sobre práticas e critérios destinados a defesa do meio ambiente e promoção do desenvolvimento nacional sustentável nas contratações de bens, serviços e obras, no âmbito

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem como objetivo estabelecer diretrizes e orientações para realização

Leia mais

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 ITEM 10 DOCUMENTAÇÕES E REGISTROS Palestrante: Carlos Cezar Martins RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO Carlos Cezar Martins DE 2013 Farmacêutico com especialização em Qualidade

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 86, de 26 de maio de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO CONECTORES QUALITY FIX

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO CONECTORES QUALITY FIX MANUAL DO USUÁRIO CONECTORES QUALITY FIX 1 Sumário Treinamento específico e essencial.... 3 Manutenção, serviço e armazenamento.... 3 Inspeção... 3 Uso... 4 Tempo de vida do Produto.... 4 Garantia... 4

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO Empreendedor: RECITEC RECICLAGEM TÉCNICA DO BRASIL LTDA.

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO Empreendedor: RECITEC RECICLAGEM TÉCNICA DO BRASIL LTDA. FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO RESUMO Parecer Técnico GEDIN 078 / 2008 A RECITEC Reciclagem Técnica do Brasil Ltda., detentora da Licença Prévia 107/2004, da Licença de Instalação 273/2005

Leia mais

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR PROVA DE NÍVEL SUPERIOR CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior I - QUÍMICA 1. PPHO são os Procedimentos-Padrão de Higiene Operacional. Um bom plano de PPHO deve ser estruturado sobre alguns pontos básicos.

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3. OGX Procedimento de Gestão PG.SMS.004 Denominação: Gestão de Mudanças SUMÁRIO Este procedimento estabelece as condições que permitam identificar, avaliar e controlar os riscos inerentes as mudanças, desde

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

Qualidade Ambiental ABNT

Qualidade Ambiental ABNT Qualidade Ambiental ABNT PROGRAMA ABNT DE ROTULAGEM AMBIENTAL Andreia Oliveira ABNT Fundação em 1940; Entidade privada, sem fins lucrativos e considerada de utilidade pública; Único fórum brasileiro de

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES Março de 2014 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance, 2012-2014. Este documento está disponível nos seguintes sites: www.sanstandards.org

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA

Leia mais

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA 1. ESCOPO Identificar e classificar os aspectos ambientais das atividades, produtos e serviços da XXXX, visando estabelecer quais causam ou poderão causar impactos ambientais significativos. 2. DEFINIÇÕES

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO REQUISITOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PROF. MARCOS FERGÜTZ ABRIL/14 INTRODUÇÃO - Legislação Portaria no. 51, de 28 de janeiro de 2014, do INMETRO,

Leia mais

Diretiva RoHS ("Restriction of Certain Hazardous

Diretiva RoHS (Restriction of Certain Hazardous Diretiva RoHS ("Restriction of Certain Hazardous Substances ): Testes de certificação Seminário Internacional sobre Diretivas WEEE e RoHS Brasília. DF 8/2/2011 Certificação RoHS Diretiva RoHS histórico

Leia mais

Rótulo ecológico para mobiliário de escritório

Rótulo ecológico para mobiliário de escritório Pág. Nº 1/20 SUMÁRIO Histórico das revisões 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Escopo de Produtos 6 Critérios técnicos 7 Atendimento a requisitos legais 8 Utilização

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL. A auditoria ambiental está intimamente ligada ao Sistema de Gestão Ambiental.

AUDITORIA AMBIENTAL. A auditoria ambiental está intimamente ligada ao Sistema de Gestão Ambiental. AUDITORIA AMBIENTAL A auditoria ambiental está intimamente ligada ao Sistema de Gestão Ambiental. O SGA depende da auditoria para poder evoluir na perspectiva de melhoria contínua. Ao se implementar um

Leia mais

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade Página 1 de 8 25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade INSTRUÇÃO NORMATIVA N O 1, DE 19 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os critérios

Leia mais

Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria Produtos de decoração

Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria Produtos de decoração Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria Produtos de decoração O Prêmio Planeta Casa 2012 busca valorizar empresas, organizações da sociedade civil e profissionais das áreas de arquitetura, design,

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL A auditoria ambiental pode ser restrita a um determinado campo de trabalho ou pode ser ampla, inclusive, abrangendo aspectos operacionais, de decisão

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Guarapuava PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL Comissão Gestora do Plano de Gestão de Logística Sustentável UTFPR - Câmpus

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA 2 - Metodologia 3 - Aplicação x Legislação 4 - Análise de Inventário 5 - Avaliação de Impacto 6 - Interpretação Avaliação A Análise de Ciclo de Vida (ACV) avalia as interações

Leia mais

Segurança no Trabalho com Produtos Químicos

Segurança no Trabalho com Produtos Químicos 1 CONVENÇÃO N. 170 Segurança no Trabalho com Produtos Químicos I Aprovada na 77a reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1990), entrou em vigor no plano internacional em 4.11.83. II Dados

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO

INFORMAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DECLARAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS À IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS SUSPEITAS DE CONTAMINAÇÃO E CONTAMINADAS POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS NO ESTADO DE MINAS GERAIS INFORMAÇÕES GERAIS A FEAM - Fundação Estadual do

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

Porque é que é necessário ter padrões de rendimento em páginas?

Porque é que é necessário ter padrões de rendimento em páginas? Introdução Porque é que é necessário ter padrões de rendimento em páginas? O rendimento em páginas indica o número previsto de páginas que podem ser impressas com um cartucho de impressão. Ao longo do

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

Especificação Brascabos para o Controle de Substâncias Nocivas BC_1064

Especificação Brascabos para o Controle de Substâncias Nocivas BC_1064 TIPO: Instrução ELABORADOR: 45841 - Rodrigo de Campos DATA ORIGINAL: 18/11/2008 PUBLICADOR: 45519 - Vinicius Siqueira Campos Cheliga DATA REVISÃO: 30/09/2011 ÁREA EMITENTE: SGI DATA EXPIRAÇÃO: 30/09/2013

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

Critérios de classificação:

Critérios de classificação: É com enorme satisfação que informamos que foi atribuído pelo ICNF o reconhecimento da ArcosHouse como Empreendimento de Turismo de Natureza. Critérios de classificação: Critérios para Reconhecimento (nº

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ?

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ? PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES AVALIAÇÃO SASSMAQ (P.COM.26.00) O SASSMAQ é um Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade, elaborado pela Comissão de Transportes da ABIQUIM, dirigido

Leia mais

GARANTIA DELTAFIRE. Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA

GARANTIA DELTAFIRE. Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA GARANTIA DELTAFIRE Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA Deltafire Ltda. R. Pinheiro Machado, 3271 Caxias do Sul, RS Tel. 54 3204-4000 CEP 95020-172 www.deltafire.com.br Garantia

Leia mais

Versão: 2 Início de Vigência: XX. XX.2006 Instrumento de Aprovação:

Versão: 2 Início de Vigência: XX. XX.2006 Instrumento de Aprovação: Procedimento de Comercialização MANUTENÇÃO DE CADASTRO DE AGENTES DA CCEE E USUÁRIOS DO SCL Versão: 2 Início de Vigência: XX. XX.2006 Instrumento de Aprovação: ÍNDICE 1. APROVAÇÃO...3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES...3

Leia mais

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina:

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: 1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: OCA OCS OCF 2- Considerando a sistemática de uma certificação de sistemas enumere de 1 à 6 a seqüência correta das etapas

Leia mais

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração?

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração? Página 1 de 8 Esclarecimentos prestados pelo IPEM-PR aos questionamentos realizados pela Vigilância Sanitária, através do oficio n 420/2014 DVVSP/CEVS/SVS de 04 de junho de 2014. 1. A Vigilância Sanitária

Leia mais