BEIJUS TRADICIONAIS: ALIMENTOS IDENTITÁRIOS DA POPULAÇÃO SERGIPANA GERANDO POSTOS DE TRABALHO E RENDA NA GRANDE ARACAJU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BEIJUS TRADICIONAIS: ALIMENTOS IDENTITÁRIOS DA POPULAÇÃO SERGIPANA GERANDO POSTOS DE TRABALHO E RENDA NA GRANDE ARACAJU"

Transcrição

1 BEIJUS TRADICIONAIS: ALIMENTOS IDENTITÁRIOS DA POPULAÇÃO SERGIPANA GERANDO POSTOS DE TRABALHO E RENDA NA GRANDE ARACAJU Flávia Emanuela Lima Santos (UFS) 1 Arilene Cardoso Santos (UFS) 2 Joice Lima de Oliveira (UFS) 3 Sônia de Souza Mendonça Menezes (Orientadora)(DGE-UFS) 4 RESUMO Os alimentos identitários na contemporaneidade são demandados pela população de forma acentuada contrariando as previsões feitas por autores sobre a homogeneização da cultura com o advento da globalização. Com a aceleração do movimento migratório a partir da década de 1970, observa-se uma demanda crescente das iguarias derivadas da mandioca no espaço metropolitano da Grande Aracaju. Este artigo tem por objetivo analisar a produção dos beijus tradicionais (beijus, saroio, pé -de-moleque, malcasado, bolacha de goma) como uma das representações simbólicas e autêntica da população sergipana, utilizada para a geração de renda e postos de trabalho na Grande Aracaju. A metodologia empregada na pesquisa foi a revisão bibliográfica para uma compreensão mais ampla acerca da temática atrelada a pesquisa de campo. Foram identificadas as áreas de produção desses derivados e os espaços de comercialização como as feiras livres, o mercado central de Aracaju e a venda dos produtos por ambulantes diariamente pelos bairros. Como resultado da pesquisa, constatamos que o saber-fazer repassado por gerações foi resgatado e a partir da década de 1970, a produção desses alimentos que tinham valor de uso, altera-se e passa a ter valor de troca. Em vários espaços da área metropolitana observamos a articulação dos grupos familiares na produção e comercialização dessas iguarias, constituindo como principal fonte de renda, essencial para a sustentabilidade e sua reprodução e a inserção das citadas iguarias para além dos espaços tradicionais como os pequenos e médios supermercados, mercearias e panificações o que denota o aumento da procura pela população por alimentos tradicionais. Palavras chave: iguarias. Identidade. reprodução social. 1-INTRODUÇÃO 1 Aluna do curso de Graduação em Geografia/UFS. 2 Aluna do curso de Graduação em Geografia/UFS. 3 Graduação em Geografia, bolsista da Iniciação Científica-PIBIC/CNPq/UFS; 4 Doutorado em Geografia. Professora Adjunta do DGE-UFS; Líder do GRUPAM-Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Alimentos e Manifestações 1

2 Na contemporaneidade as pesquisas sobre alimentação vêm crescendo amplamente, tanto no viés da alimentação para uma vida mais saudável, como um marcador de identidades culturais. O estudo nesta área é uma das melhores maneiras de identificar a cultura de uma determinada sociedade, pois o modo como homem se alimenta é determinado pela sua herança cultural, a partir deste fator que o homem irá decidir o que deve ou não ser consumido. Esse artigo tem por objetivo analisar o alimento como um marcador identitário de uma sociedade, no caso estudado os beijus tradicionais (beijus, saroio, pé-de-moleque, bolacha de goma, malcasado) na grande Aracaju. Consideramos também como uma estratégia de reprodução socioeconômica criada pelos grupos familiares urbanos, e procuramos identificar os significados da produção e comercialização dessas iguarias tradicionais para os produtores com a preservação do saber-fazer que é repassado por gerações e como fonte de geração de trabalho e renda. Observamos ainda o significado do consumo destes alimentos para os consumidores de diferentes faixas etárias e classes sociais. Durante a pesquisa foi percebido que tais alimentos estão arraigados na identidade cultural sergipana, tendo sua origem no período colonial. Constatamos que houve a expansão da produção desses derivados da mandioca na grande Aracaju indo de encontro ao que vem ocorrendo no mundo globalizado, onde a inserção de produtos industrializados vem reduzindo a procura de produtos tradicionais. Assim, percebemos que na sociedade contemporânea diversos grupos sociais preservam sua identidade cultural e alimentar. Em detrimento disto não é possível estabelecer um modelo mundial alimentar uniforme. Logo, verificamos que o modelo alimentar globalizado não consegue modificar os hábitos alimentares, não desenraizando a cultura alimentar de determinadas sociedades, que persistem em preservar suas tradições. Utilizamos como metodologia a pesquisa empírica com aplicação de questionários e entrevistas junto aos produtores/comerciantes e aos consumidores dos referidos alimentos identitários nas feiras semanais em todos os bairros de Aracaju e nos municípios que conformam a região da Grande Aracaju. Assim como pesquisas bibliográficas relacionadas a temática em periódicos, jornais, artigos científicos entre outros. 2

3 2- O ESTUDO DA ALIMENTAÇÃO NA GEOGRAFIA E A NOÇÃO DE TRADIÇÃO NA CULTURA ALIMENTAR O homem alimenta-se para sobreviver, suprir suas necessidades fisiológicas, porém o que realmente o faz dispender tempo e dinheiro para comer é o ato de satisfazer-se pelo prazer de se alimentar, isso inclui o ato de compartilhar, de conviver, fatores importantes na vida em sociedade. O que o homem come é fruto do meio cultural em que ele vive, portanto a forma e as técnicas que serão utilizados vão diferir na maneira em que se prepara os alimentos de acordo com o know-how de cada sociedade (CLAVAL,2001). A forma que o homem utiliza para interagir com o seu meio, é determinada por suas heranças culturais, a partir das técnicas como parafraseia Santos (2008, p. 29): É por demais sabido que a principal forma de relação entre o homem e a natureza, ou melhor, entre o homem e o meio, é dada pela técnica. As técnicas são um conjunto de meios instrumentais e sociais, com as quais o homem realiza sua vida, produz e, ao mesmo tempo, cria espaço [...]. E não haveria de ser diferente com a alimentação, os seres humanos adaptam determinadas variedades de espécies vegetais e animais de acordo com suas necessidades, criam técnicas para conservar ou preparar os alimentos e temporalmente modificam ou continuam a produzir os seus alimentos de acordo com as técnicas repassadas por gerações, garantindo assim a permanência da cultura alimentar de cada sociedade. Segundo Garine (1987) nas sociedades humanas, a fome e a sede, são formuladas e satisfeitas de acordo com os aspectos culturais, históricos e sociais ao qual o ser pertence. Isso vai determinar o que se deve comer, como comer, e as proibições alimentares. Para esse autor o homem se alimenta de acordo com a identidade cultural que possui. Enquanto isso, Castells (2000, p.23) ao discutir sobre a construção das identidades, esclarece: o sujeito vale-se de matéria-prima fornecida pela história, geografia, biologia, instituições produtivas e reprodutivas, pela memória coletiva e por fantasias pessoais [...] Esses elementos são processados pelos homens de forma individual ou grupal sendo paulatinamente reorganizados seus significados de acordo com uma propensão social, cultural enraizada em sua estrutura. 3

4 As práticas alimentares contemporâneas sofrem uma grande influência dos avanços tecnológicos na indústria de alimentos e na agricultura, pela globalização da economia, as transformações tomam um contorno maior no setor alimentício. Verifica-se o excesso no consumo de determinados alimentos (ricos em gordura e açúcar refinado). A indústria de alimentos preparados (congelados, prontos ou semi-prontos) está crescendo pela necessidade dos consumidores modernos que vão em busca de praticidade e rapidez, há uma grande demanda de opções no mercado de tais produtos. Mas, simultaneamente observa-se o movimento contraditório com uma demanda continuada por alimentos que estão relacionados à identidade de determinados grupos de consumidores. Se por um lado tal processo de globalização amplia a diversidade alimentar, por outro também a reduz, uma vez que circula um leque com opções de alimentos próprias da globalização. A cultura alimentar brasileira encontra-se alicerçada na herança cultural dos três grandes grupos étnicos (brancos, negros e índios) que foram introduzidos no período da ocupação territorial do Brasil, esses povos trouxeram seus traços culturais e culinários para a colônia portuguesa. Ao analisar a cultura alimentar brasileira, no tocante à tradição, como um valor vinculado a natureza e a terra, como uma busca pelo genuíno, autêntico, de forma simbólica que dará o caráter de tradicional as preparações típicas de certos alimentos. Mas, isto muitas vezes não representa uma volta às raízes do alimento e sim um resgate de técnicas e procedimentos de preparo artesanal do produto, como uma estratégia para a venda desses alimentos. Essa revalorização desses alimentos tradicionais se enquadra na noção de tradição da modernidade defendida por Garcia (2003, p. 490) [...] A noção de tradição da modernidade explica as mudanças que ocorrem na estrutura alimentar contemporânea: os pratos tradicionais ou típicos são transferidos para os restaurantes e instituições e, num âmbito doméstico, são preparados ou encomendados (em restaurante, rotisserias e outros prestadores de serviços) apenas em ocasiões especiais como festividades e comemorações.(...) Estes pratos tradicionais, por sua vez, são readaptados às condições atuais, seja no modo de preparo, seja nos produtos utilizados. Nessa direção, Hobsbawm (1994) afirma que a reinvenção do passado, subsidia os homens na interpretação do presente e estrutura permanentemente a sua identidade. 4

5 No caso estudado dos derivados da mandioca, observamos que com a criação de novos tipos de quitutes eles reinventam a tradição, e buscam a geração de postos de trabalho e renda. Como afirma Hobsbawm (1994): [...] inventam-se novas tradições quando ocorrem transformações suficientemente amplas e rápidas tanto do lado da demanda quanto da oferta. [...] (p.12) Faz-se necessário resgatar a história da mandioca, para entender essa busca pelos alimentos aqui denominados de identitários. 3- A IMPORTÂNCIA DA CULTURA DA MANDIOCA E OS SEUS DERIVADOS A Manihot esculenta Crantz, ou simplesmente mandioca apresenta-se mencionada em estudos científicos pela sua eficiência biológica como produtora de energia, e de boa adaptação aos solos deficientes em nutrientes. Além disso, a partir de sua são elaborados diversos produtos alimentícios como a farinha, amidos naturais ou modificados, a fécula que é utilizada na fabricação de biscoitos, bolos, o polvilho etc.. Além de alimentícios faz-se o uso industrial têxtil, papel, tintas e medicamentos. A mandioca é uma planta nativa do Brasil, utilizada pelos indígenas que dela tiravam o polvilho e a farinha. Estes alimentos foram fundamentais para o sustento dos primeiros habitantes do país, na época do descobrimento. A respeito da importância desse produto no período colonial, Câmara Cascudo (1983, pg. 502) ressalta: a farinha, de onipresente atuação diária, conquistou o português no primeiro século brasileiro[...]. A respeito da importância desse alimento para os brasileiros a primeira carta Magna brasileira foi batizada de Constituição da Mandioca, pois obrigava os deputados e senadores, grandes proprietários de terras cultivarem uma determinada quantidade de mandioca, com equivalência ao número de empregados de suas propriedades como forma de lhes assegurar a alimentação básica (JESUS, 2002). No cotidiano dos nordestinos, a mandioca é considerada uma fonte permanente de alimento, pelas suas possibilidades alimentícias, diversidade de sua aplicação e em decorrência da sua riqueza capaz de suprir deficiência alimentar de populações de baixa renda. Esta raiz apresenta alto valor energético (cada 100 gramas possuem 150 calorias), 5

6 possui sais minerais (cálcio, ferro e fósforo) e vitaminas do Complexo B, ela é alimento básico do homem do Nordeste que se utiliza do tubérculo para tentar suprir sua carência nutricional. Essa afirmação pode ser confirmada através da visão de outro autor (NETO LIMA, 1953) que critica o modo como a mandioca era vista pela maioria das pessoas. O autor ressalta que em meados do século XX, julgavam o seu principal produto - a farinha - um alimento sem valor nutricional e sem serventia alguma. Lima Neto (1958) defendia que se a farinha não tivesse as suas virtudes, muitos daqueles que fazem dela sua quase única alimentação, teriam desaparecido pela insuficiência de qualquer coisa necessária à economia biológica. Isso pode ser constatado na fala de CASCUDO (1983), sem a farinha a alimentação fica falha, sem ela o homem não vive. O sistema de trabalho é essencialmente familiar para diminuir os gastos e aumentar os lucros. Na produção e reprodução camponesa, não se utiliza qualquer forma de assalariamento, taxa de lucro, renda capitalizada, etc., apenas a força de trabalho familiar é um fator econômico, a produção familiar se iguala a qualquer atividade econômica, que deve diminuir os custos e aumentar os lucros (JESUS, 2002). A produção dessas iguarias no meio rural dar-se a partir das redes de sociabilidade, na qual a ajuda mútua consiste em uma das características da produção. 4-ESPACIALIZAÇÃO DA PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE BEIJUS TRADICIONAIS Após o trabalho empírico realizado nas feiras livres da grande Aracaju, identificamos onde são produzidos e comercializados os alimentos derivados de mandioca, com isso foi possível mapear a espacialização das casas de beijus (casa de farinha como também são conhecidos os locais nos quais são preparados os beijus).verificamos a presença desses estabelecimentos em vários bairros de Aracaju (Bairro América, Santos Dumont, Cidade Nova), e da grande Aracaju (Rosa Elze e no Povoado Colônia Pinto, localizados no município de São Cristóvão). 4.1-Locais de produção de beijus tradicionais em Aracaju 6

7 Na área urbana de Aracaju são encontradas casas que produzem derivados de mandioca, visitamos duas destas casas no Bairro América, situadas na Rua Argentina. Resgatamos a história desses derivados nesta comunidade através da fala do filho da proprietária da primeira casa visitada, ele afirmou que: Toda a comunidade produzia os beijus e eu aprendi com os amigos aqui da comunidade, antes quase todo mundo produzia, agora só eu e meu vizinho produzimos J. C. em 15/07/2011. A partir da fala do entrevistado constatamos que essa atividade foi socializada e serve como fonte de geração de renda familiar. A proprietária desta casa comercializa seus produtos no mercado municipal de Aracaju. A matéria-prima utilizada na produção é adquirida direto do produtor, aproximadamente 100 kg por semana, eles saem de Aracaju e vão para os municípios do interior de Sergipe (Lagarto, Itabaiana, Boquim) para comprar a tapioca, adquirem a tapioca por R$ 0,70 o quilo,uma vez que compram a mesma sem ter sua fase de preparo acabada, depois que compram tem que lavar a massa para poder produzir os beijus. Utilizam forno a lenha e compram as palhas que envolvem o produto no mercado municipal de Aracaju a um preço de R$ 2,50 o molho. A outra residência localizada na mesma rua é de propriedade do Senhor J.S. que comercializa os alimentos derivados de mandioca há quase 30 anos, ele aprendeu essa atividade com o vizinho. Ele trabalha na guarda municipal de Aracaju e escolheu comercializar essas iguarias por obter bons lucros, assim complementando sua renda. Comercializa nas feiras dos bairros Santa Lúcia, Castelo Branco, América e no CEASA, também faz entregas a uma clientela que trabalha nas repartições públicas. Apenas conta com a ajuda de sua esposa não tem nenhum funcionário, há 8 anos produz os beijus em uma chapa a gás, mecanizou a produção para facilitar o trabalho. Adquire a tapioca do produtor de Lagarto que entrega em sua casa a 2,00 o Kg, compra aproximadamente 150 KG de tapioca por semana. Verificamos que existem casas de fabricação de beijus tradicionais também no município de São Cristovão. 4.2-Locais de produção de beijus tradicionais em São Cristóvão 7

8 Iniciamos a visita as casas de farinha de São Cristovão com a Fábrica de beiju de propriedade da Senhora M. E. S. de J., ela relatou que os alimentos não sofreram alterações no preparo ao longo do tempo. Todo trabalho é realizado por familiares, cada pessoa da família tem uma função, o trabalho na casa de farinha começa às 08:00h e acaba ás19:00. Eles trabalham todos os dias exceto o domingo, carnaval e sexta-feira da paixão. São 13 filhos e 1 neto que estão envolvidos nessa atividade. A tapioca utilizada na confecção dos derivados de mandioca é produzida igualmente em Lagarto. Ela adquire 6 sacos de 100 à 120 quilos por semana.quando recebe a puba lava de novo para depois ser utilizada. A tapioca é fornecida pela mesma pessoa que entrega há vinte anos, o valor é de 2,00 reais o quilo da puba e 2,00 reais o quilo da tapioca que é paga com 8 dias. Foto1: Produção de beijus tradicionais em São Cristóvão. Fonte: Autoras; São Cristóvão - Colônia Pinto 19/04/2011. Houve mudança na mecanização da produção antes ralavam o coco no ralo e espremia a mandioca no pano, com a compra de um ralador que serve para ralar coco e milho,agilizou o processo de produção das iguarias. Antes da mudança na mecanização tudo era mais difícil, pois não tinha forminha para fazer os bolinhos então fazia na lata de sardinha ou de goiabada. Agora já tem forma para tudo, o malcasado, por exemplo, são feitos em formas grandes depois são cortados e embalados antes de serem vendidos. Todos os produtos são elaborados diariamente e o que sobra distribui para os vizinhos, somente a bolachinha que é feita a tarde pode ser vendida no dia seguinte. Foi nos informado que no período de São João às vendas aumentam por isso, a proprietária contrata trabalhadores temporários. No referido período eles fornecem para 8

9 supermercados, padarias e mercearias que montam barracas temáticas em seu estabelecimento e comercializam os derivados da mandioca, todos os membros familiares trabalham o dia e a noite e só descansam no São Pedro. Foi possível fazer a reconstituição histórica da produção dessas iguarias a partir do relato da proprietária que afirmou que sua mãe aprendeu com a madrinha a fazer os derivados de tapioca. Elas moravam no povoado Sobrado em Nossa Senhora do Socorro e depois a mãe se mudou para São Cristovão para trabalhar em um fábrica de tecido. Inicialmente elaborava apenas saroio, pé-de-moleque e beiju para vender. As suas filhas posteriormente introduziram as bolachinhas, os bolinhos e a queijada. A matriarca repassou o saber-fazer do beiju também a outras pessoas do lugar. Observamos nessa comunidade que a produção de beijus se dá a partir de uma rede de sociabilidade, onde pessoas pertencentes ao mesmo grupo social (família, parentes, amigos, comunidade) produzem e comercializam tais iguarias como uma estratégia de geração de renda podendo a atividade ser realizada por homens ou mulheres. A sociabilidade entre membros da família pôde ser evidenciada em outra casa de beiju visitada nessa mesma rua. A Senhora J. M. A. de 38 anos, nos informou que aprendeu a fazer os beijus com a avó que mora em São Cristovão, sabe fazer todo tipo de beiju, menos queijada. Quando tem encomenda requisita a queijada na fábrica de beiju que fica na mesma rua. A proprietária trabalha de terça a domingo, começa a fazer os derivados de mandioca logo cedo e trabalha até 12h30min não trabalha na sexta-feira da paixão e no carnaval. Ao terminar de produzir os derivados, destina-se a cidade de Aracaju para comercializar os produtos nos logradouros públicos. Adquire a tapioca do município de Lagarto compra 100 quilos por semana, o pagamento é feito entre oito e quinze dias ou á vista. Durante o São João aumenta a produção. Trabalham juntamente com a produtora cinco outros membros familiares sendo que J. S. é a única que domina todas as fases de preparo. Além de comercializar os beijus tradicionais, elabora e comercializa a pamonha, canjica, faz bolinho. Como existem outras pessoas da comunidade que adquirem esses produtos para revender, a proprietária alega que ao repassar aos revendedores diminui sua taxa de lucro, entretanto conquista novos mercados. 9

10 Visitamos a casa de Beijus de E. 23 anos, segundo o mesmo começou com dez anos a fazer os derivados de mandioca, ele aprendeu essa atividade com a mãe que por sua vez aprendeu a fazer com a bisavó. O mesmo possui um trabalho formal e complementa a renda familiar produzindo esses alimentos identitários. Nessa propriedade trabalha apenas ele, o pai e a mãe. Juntos perfazem uma renda de mais ou menos 300 reais por semana Adquire a tapioca do município de Salgado, o preço varia, pois compra de três fornecedores diferentes e um é mais caro que o outro, o valor fica entre R$ 1,50 a R$ 2,00, pega 150 quilos por semana. Eles compram de vários fornecedores, pois um só não é capaz de produzir a quantidade de tapioca que ele utiliza durante a semana. Os produtos são comercializados nas feiras dos bairros: Santo Antônio, Bairro América e Agamenon Magalhães. Semelhante aos demais produtores no período junino as vendas aumentam. Nas visitas as casas de beijus foi possível perceber in lócus a força da identidade cultural que perpetua a produção dos derivados de mandioca, esta que foi repassada de geração em geração através do tempo e que vem conseguindo se manter quer na sua forma tradicional ou reinventada, tendo em vista que é a partir das reinvenções que as tradições culturais conseguem se propagar (Hobsbawm, 1994). Verificamos que os produtos elaborados por essas casas de fabricação de beijus tradicionais são comercializados nas feiras livres, nos mercados municipais e nos logradores públicos da grande Aracaju A COMERCIALIZAÇÃO DE BEIJUS TRADICIONAIS EM ARACAJU Com a expansão urbana da cidade de Aracaju houve uma intensa migração de pessoas advindas do interior do Estado em busca de uma melhor condição de vida. Esses migrantes passaram a procurar por alimentos que o aproximassem do seu território de origem, (MENEZES, 2009). Com isso os comerciantes ao perceberem a grande procura por tais alimentos passaram a vender produtos derivados da mandioca para atender as necessidades do mercado consumidor. 10

11 Foto 2: Comercialização de beijus tradicionais nas feiras livres de Aracaju. Fonte: Autoras; Bairro Santo Antônio 21/05/2011. Nas feiras de Aracaju os comerciantes nos informaram que iniciaram a comercialização dos derivados de mandioca na década de 1950 apenas 2% dos entrevistados iniciaram a comercialização dos derivados de mandioca, na década de 60 esse valor chegou a 5%, enquanto isso nos anos % dos comerciantes se inseriram nessa atividade, esse valor aumentou na década de 80 com 20% dos entrevistados, a década de 90 obteve o maior percentual com 35% dos vendedores, nos anos 2000 esse valor teve uma leve queda para 26%, já a partir de 2010 apenas 1% dos entrevistados iniciaram a comercialização. Ao serem questionados se além deles outra pessoa da família trabalha na produção dos derivados de mandioca, 76,7% dos produtores responderam que sim e 23,3% afirmaram que não. Com relação à aprendizagem dessa atividade, 83% aprenderam com parentes, 15% com amigos e 2% com outros meios. A matéria-prima para a produção desse alimento é adquirida da seguinte forma: segundo 56% dos produtores de beijus compram direto com o produtor, 22% compram de atravessadores e 22% produz a matéria-prima no próprio estabelecimento rural uma vez que estes são agricultores familiares que freqüentam as feiras semanais. Quanto à quantidade de matéria prima utilizada, percebemos uma variação acentuada no volume processado pelos produtores. Tabela 01 Tapioca utilizada para a produção de beijus tradicionais/semana Aracaju 2010/2011 Volume /kg % Produtores 10 a

12 60 a a a a Não informou 10 Fonte: Pesquisa realizada nas feiras livre de Aracaju entre o dia 13/12/2010 a 28/05/2011. É importante ressaltar que essa quantidade de matéria-prima, aumenta durante os festejos juninos. Decorrente do grande número de encomendas, uma vez que os alimentos tradicionais (beiju, pé-de-moleque, saroio, mal-casado) são integrados nas comidas típicas de São João. Eles aproveitam os festejos juninos e inserem na sua produção alimentos derivados do milho. Quanto à renda média semanal, os comerciantes informaram receber entre R$ 30,00 a R$ 600,00 semanal. Já 26% não quiseram informar sua renda semanal. Constatamos uma grande diferença em relação à renda semanal desses comerciantes, pois alguns comerciantes vendem em três ou quatro feiras por semana e outros em apenas uma ou duas feiras. A comercialização desses produtos não está restrita apenas à capital sergipana, constatamos uma grande demanda tanto da oferta como da procura na grande Aracaju A produção de beijus tradicionais na Grande Aracaju Foram encontrados vários pontos de comercialização nas feiras dos bairros dos municípios da Grande Aracaju. Ao serem questionados quanto ao início da comercialização dos beijus tradicionais, constatamos que a maior parte dos comerciantes das feiras da Grande Aracaju iniciou sua produção mais tarde se comparado aos comerciantes das feiras de Aracaju. Sendo que 53% começaram a comercializar no ano 2000, 23 % no ano 1980, 18% em 1990 e 6% no ano de Em relação a aprendizagem dessa atividade, 76 % responderam que aprenderam com seus parentes, 6 % afirmaram que aprenderam com seus amigos, 12% aprenderam de outras maneiras e 6% informaram que aprenderam quando trabalhavam na agricultura. 12

13 Verificamos que 94% dos entrevistados responderam ter familiares que vivenciam a mesma atividade, caracterizando esse trabalho como uma tradição familiar. Denardin (2010) cita que o saber fazer é repassado por gerações ao longo do tempo e cada grupo familiar possui seu modo próprio de elaborar os alimentos. Já 6% dos entrevistados disseram que nenhum membro da família esta envolvido com a atividade. Cabe ressaltar que 65% dos entrevistados afirmaram ter escolhido tal atividade por ser uma tradição de família e que desde a infância exercem essa atividade seria difícil aprender outra, uma vez que não tem condições financeiras para ingressarem em algum curso profissionalizante. Já 35% relataram que escolheram essa atividade por não encontrar emprego formal, adotaram essa atividade como estratégia de reprodução social e econômica. Percebemos através da fala dos entrevistados que eles preferem ser autônomos e não possuírem patrões, uma vez que não precisam prestar contas a terceiros, isso pode ser evidenciado através da fala de um dos entrevistados: A maioria dos meus familiares trabalha na venda de beijus, e seguindo essa tradição aprendi desde criança a fabricar e a vender, e, além disso, nesse trabalho tenho mais autonomia, sou meu próprio patrão. (A.S. Marcos Freire II, dia 03/05/2011). Como os comerciantes dos municípios da Grande Aracaju residem na área urbana da cidade não dispõem de espaço para o plantio da mandioca, necessitam comprar a matériaprima, de produtores do interior do Estado ou de atravessadores para elaborar os derivados de mandioca e comercializá-los. Apenas um dos comerciantes produz a tapioca, correspondendo a 6% do total. Sendo que 47% dos comerciantes compram de atravessadores e 47% direto do produtor. Quanto o município que adquirem a tapioca 17% afirmaram não saber o município fornecedor, 59% afirmou que vem do município de Lagarto, 12% de Itabaiana e 12% relatou comprar a tapioca oriunda de Salgado. Ainda sobre a matéria-prima os produtores relataram que pagam pelo quilo da tapioca e que o valor sai em média de R$ 1,40 a R$ 1,90 para 50% dos comerciantes e os outros 50% pagam entre R$ 2,00 a R$ 2,50 e que os valores pagos pelo quilo da tapioca sofrem alteração durante o ano por conta de o produto ser sazonal. 13

14 Em relação à quantidade de tapioca utilizada semanalmente vai variar de 10Kg a 300 Kg essa grande discrepância se dá pelo fato de alguns comerciantes comercializam em apenas uma a duas feiras, já outros vendem em três a quatro feiras semanalmente. Quanto à renda semanal líquida obtida sobre a comercialização dos beijus tradicionais os comerciantes da Grande Aracaju informaram lucrar em média de R$ 50,00 a 300,00 semanalmente. Após as entrevistas com os comerciantes/produtores dos alimentos derivados de mandioca, realizamos entrevistas com consumidores desse alimento, a fim de identificarmos o significado em consumirem tais iguarias. 5- O SIGNIFICADO DO CONSUMO DOS ALIMENTOS IDENTITÁRIOS Observamos que a demanda dos referidos alimentos está relacionada com a identidade cultural da população que busca no consumo desses produtos uma reaproximação do território de origem, assim como nutrir a sua identidade. Ao analisarmos o consumo das iguarias derivadas da mandioca, percebemos que sua demanda se relaciona principalmente com a busca de reaproximação do território de origem por parte dos consumidores, Raffestin (2003) apud Menezes (2009). A demanda desses alimentos carregados de símbolos e significados estão arraigados na cultura alimentar sergipana e independe de qual classe social o indivíduo está inserido na sociedade. A procura por alimentos identitários na área urbana se dá em decorrência da população migrante procurar preservar suas tradições de origem, resgatando seus traços culturais e alimentares. Assim Menezes (2009, p.43) enfatiza: [...] deslocados ou descolados do território, procuraram preservar símbolos da identidade territorial, traços conferidos na busca de atributos, que referenciam especificidades culturais e materiais. Alguns atributos (alimentos, músicas, danças...) estão eivados de identificação [...]. 14

15 Percebemos que o consumo dos alimentos identitários está relacionado a identidade cultural da população sergipana. E que os variados segmentos da sociedade demonstraram ao consumir tais alimentos recordando uma lembrança de momentos passados ao longo de sua trajetória de vida. Os consumidores ressaltaram lembranças como o cheiro e o sabor de tais alimentos e que o consumo de tais derivados reforçam a memória da tradição familiar passada de geração em geração. Nota-se que os consumidores ao serem questionados sobre sua motivação para escolha do local de compra dos produtos esta relacionada com a higiene do local e ao sabor dos derivados. Quanto a mudança do sabor do produto e aparência dos que consumiam no passado foi relatado pelos mesmos que não houve mudanças quanto ao sabor ou aparência do produto. Portanto a força propulsora da demanda desses alimentos está relacionada à identidade cultural que busca no consumo desses alimentos comercializados em feiras livres, por vendedores ambulantes nos bairros da cidade, nos mercados municipais de Aracaju, e nos logradouros públicos aquisição dos referidos derivados. 6- CONSIDERAÇÕES FINAIS: Estudar a alimentação pode ser uma ferramenta muito valiosa nas mãos de um geógrafo, uma vez que o seu estudo proporciona um conhecimento sobre o modo de vida, e as mudanças operadas na alimentação de um grupo social. Sua análise nos ajudar a compreender como o homem se relaciona com o meio físico e social que ele habita, pois a alimentação carrega traços da cultura e identidade de determinada sociedade. Com o trabalho empírico foi possível constatar a força dos derivados de mandioca como um alimento carregado por uma forte herança cultural que é repassada de geração em geração marcada por simbolismos. Verificamos a importância desses alimentos para os produtores/comerciantes dessas iguarias visto que ao não conseguirem se inserir no mercado formal de trabalho, esses homens e mulheres utilizaram o saber-fazer repassado por gerações como uma estratégia de reprodução sócio-econômica. 15

16 Nessa atividade são gerados 127 empregos informais, sendo que destes apenas 3 são prestadores de serviço. No mercado municipal de Aracaju Talles Ferraz encontram-se empregados 13 trabalhadores, deste apenas 1 é prestador de serviço, caracterizando esta atividade como familiar. Identificamos ainda a quantidade de tapioca utilizada para a produção de beijus tradicionais, são utilizados em média kg/semana nas feiras livres da grande Aracaju, no mercado municipal de Aracaju são 540 kg. No que tange ao consumo dessas iguarias percebemos que estes alimento estão enraizados na cultura sergipana e que a busca pelos mesmos se dá como forma de reaproximação do território de origem, assim como uma maneira de nutrir sua identidade carregada de simbolismo através do alimento. Em suma, observamos que a comercialização desses alimentos identitários, constitui uma alternativa de geração de postos de trabalho e renda para grupos familiares na grande Aracaju, tendo em vista a dificuldade da inserção dos mesmos no mercado formal de trabalho. REFERENCIAL CASCUDO, L. da C. História da Alimentação no Brasil. Belo Horizonte: Ed.Itatiaia; São Paulo: Ed. Da Universidade. São Paulo, CLAVAL, P. A Geografia Cultural, EDUFSC, Florianópolis, CANESQUI. A. M., GARCIA R. W. D., Antropologia e Nutrição:um diálogo possível, Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, p. (Coleção Antropologia e Saúde). CORRÊA. R. C. RESENDAL Z. Introdução à Geografia Cultural. Rio de Janeiro, RJ: Bertrand Brasil, 2003, 224 p. DAMASCENO, A. V. C. A cultura da produção de farinha: um estudo da matemática nos saberes dessa tradição- Natal, 2005,130p.Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Federal do Rio Grande do Norte- Centro de Ciência Social e Aplicada Programa de pós-graduação em Educação, Natal, DA MATTA, R. Sobre o simbolismo da comida no Brasil. In: O CORREIO, Rio de Janeiro, v. 15, n 7, jul. 1987, p. 22. DERNARDIN. V. F. SULZBACH. M. T. Produtos com identidade territorial: O caso da farinha de mandioca no litoral Paranaense. IN: SAQUET M. A; SANTOS R. A.(Orgs). Geografia Agrária, território e desenvolvimento. São Paulo: Expressão popular. 2010, p

17 GARCIA. R. W.D. Reflexos da globalização na cultura alimentar: Considerações sobre as mudanças na alimentação urbana. Revista de Nutrição, Campinas- SP, GARINE, I. de. Alimentação, culturas e sociedades. O Correio da Unesco, Rio de Janeiro, 15(7), p.4-7, HOBSBAWM, E. RANGE T. A invenção das tradições. Tradução Celina Cardim Cavalcanti. Rio de Janeiro: Paz e Terra JESUS. G. S. de, Farinheiros do Agreste de Ribeiropólis-SE ( ), monografia conclusão do curso de Licenciatura em Historia da UFS NUNES, M. T. Sergipe Colonial. 2ªed. São Cristovão: UFS, Aracaju: Fundação Oviedo Teixeira, 350p, MENEZES, S. de S. M. A força dos laços de proximidade na tradição e inovação no/do território sergipano das fabriquetas de queijo f. Tese (Doutorado em Geografia) Núcleo de Pós-Graduação em Geografia. Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, RAMOS, M. O. A comida de roça ontem e hoje: um estudo etnográfico dos saberes e praticas alimentares de agricultores de Maquiné (RS) f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural)- Universidade Federal do Rio Grane do Sul, Faculdade de Ciências Econômicas, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, Porto Alegre, SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço- Técnica e Tempo, Razão e Emoção. 4. ed. 2. reimpr. - São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, ZÉTOLA, B. M. Raízes do Brasil. Disponível In: Acessado em 20/09/2010. ZUIN. L. F. S. ZUIN. P. B. Produção de alimentos tradicionais. Contribuindo para o desenvolvimento local/regional e dos pequenos produtores rurais, Revista Brasileira de gestão e desenvolvimento regional, Vol.4, nº1, jan-abr, 2008, p In: acesso em 10/07/

A TAPIOCA E SUAS REIVENÇÕES: TRADIÇÃO E INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE REPRODUÇÃO SOCIAL E ECONÔMICA DE GRUPOS FAMILIARES NA GRANDE ARACAJU

A TAPIOCA E SUAS REIVENÇÕES: TRADIÇÃO E INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE REPRODUÇÃO SOCIAL E ECONÔMICA DE GRUPOS FAMILIARES NA GRANDE ARACAJU A TAPIOCA E SUAS REIVENÇÕES: TRADIÇÃO E INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE REPRODUÇÃO SOCIAL E ECONÔMICA DE GRUPOS FAMILIARES NA GRANDE ARACAJU Joice Lima de Oliveira(UFS) 1 Sônia de Souza Mendonça Menezes(UFS)

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR UTILIZANDO A MODELAGEM MATEMÁTICA

UMA INVESTIGAÇÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR UTILIZANDO A MODELAGEM MATEMÁTICA Comunicação Científica UMA INVESTIGAÇÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR UTILIZANDO A MODELAGEM MATEMÁTICA Emanuella Filgueira Pereira - UFRB Joana Angelina dos Santos Silva- UFRB Núbia de Andrade Santos - UFRB

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ESCADA, 2014 EXTENSÃO RURAL CONSTRUIR UM SONHO E LUTAR POR ELE Regional : Palmares PE Municipio: Escada Comunidades: Sitio

Leia mais

RELATORIO QUANTITATIVO

RELATORIO QUANTITATIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA RELATORIO QUANTITATIVO PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA O Programa de Aquisição de Alimentos - PAA, tem como finalidades

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís autonomia, território e paz Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica Foto: Jan de Jong Construindo autonomia, território e paz Sonia Irene Cárdenas Solís 15 Agriculturas v. 12 -

Leia mais

ERVAS AROMATIZANTES: BRINCANDO COM OS SENTIDOS. Paula Fernanda da Silva¹; Evanoel Fernandes Nunes 2 ; Giulianna Paiva Viana de

ERVAS AROMATIZANTES: BRINCANDO COM OS SENTIDOS. Paula Fernanda da Silva¹; Evanoel Fernandes Nunes 2 ; Giulianna Paiva Viana de ERVAS AROMATIZANTES: BRINCANDO COM OS SENTIDOS Paula Fernanda da Silva¹; Evanoel Fernandes Nunes 2 ; Giulianna Paiva Viana de Andrade Souza 3. 1,2 Licenciandos em Ciências Biológicas e Bolsistas do PIBID/BIOLOGIA/UFRN;

Leia mais

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID PRÁTICA PEDAGÓGICA EM GEOGRAFIA: ABORDANDO O ANTAGONISMO DO CONTINENTE AFRICANO POR MEIO DAS INTERVENÇÕES DO PIBID Liberato Epitacio de Sousa da Silva - PIBID/UEPB (Bolsista do PIBID de Geografia) Liberatotacio20@hotmail.com

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO

Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO Título: O EMPREENDEDORISMO: GERAÇÃO DE EMPREGO, RENDA E EXERCÍCIO DE CIDADANIA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA EM COMUNIDADES CARENTES NO SERTÃO PARAIBANO Silva, Hellosman de Oliveira, Rodrigues, Tárcio

Leia mais

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS)

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) 1 TREVIZAN, Fernanda Kiyome Fatori INTRODUÇÃO A promoção dos recursos humanos e do planejamento

Leia mais

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Albertina Marília Alves Guedes¹ Elisa Angélica Alves Guedes² Maria Nizete de Menezes Gomes

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA Silmara Oliveira Moreira 1 Graduanda em Geografia/UESB, Bolsista da UESB E-mail: silmara.geo@gmail.com Resumo: O objetivo

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

O ENSINO MÉDIO NAS ESCOLAS RURAIS DE JATAÍ, UMA GESTÃO COMPARTILHADA. Mara Sandra de Almeida 1 Luciene Lima de Assis Pires 2

O ENSINO MÉDIO NAS ESCOLAS RURAIS DE JATAÍ, UMA GESTÃO COMPARTILHADA. Mara Sandra de Almeida 1 Luciene Lima de Assis Pires 2 O ENSINO MÉDIO NAS ESCOLAS RURAIS DE JATAÍ, UMA GESTÃO COMPARTILHADA Mara Sandra de Almeida 1 Luciene Lima de Assis Pires 2 1 Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de Goiás Câmpus Jataí / marassandra@gmail.com

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Feiras livres da agricultura familiar

Feiras livres da agricultura familiar Feiras livres da agricultura familiar FEIRAS LIVRES DA AGRICULTURA FAMILIAR Tradicionalmente, a Emater MG tem participação efetiva na organização e implantação dessas feiras no Estado, desenvolvendo ações,

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI

A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI Kássia Hellem Tavares da Silva (*), Lorrane de Castro Miranda, Israel

Leia mais

DA GOMA DE MANDIOCA A FÉCULA INDUSTRIALIZADA NO MUNICÍPIO DE TEFÉ - AM

DA GOMA DE MANDIOCA A FÉCULA INDUSTRIALIZADA NO MUNICÍPIO DE TEFÉ - AM DA GOMA DE MANDIOCA A FÉCULA INDUSTRIALIZADA NO MUNICÍPIO DE TEFÉ - AM Débora Mota da silva Acadêmica do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Amazonas; e-mail de contato: demotas@gmail.com

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, A Constituição Federal de 1988 reconhece aos povos indígenas suas especificidades étnicas e culturais bem como estabelece seus direitos sociais. Dentre as inúmeras proteções conferidas aos povos indígenas

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França A década de 1930 do século XX traz para a população brasileira um novo momento, quanto a sua distribuição. Até então, a população

Leia mais

História local e ensino de História: múltiplos olhares a partir do litoral ao sertão sergipano

História local e ensino de História: múltiplos olhares a partir do litoral ao sertão sergipano História local e ensino de História: múltiplos olhares a partir do litoral ao sertão sergipano Paulo Heimar Souto 1 Rita de Cássia Dias Leal 2 I INTRODUÇÃO Dando relevância ao estudo das temáticas enfatizadas

Leia mais

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA PERSPECTIVAS PARA OS CURSOS TÉCNICOS DO EIXO HOSPITALIDADE E LAZER: um estudo de caso aplicável ao Curso Técnico de Nível Médio em Eventos da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL SÃO LUCAS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL SÃO LUCAS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL SÃO LUCAS Renata Pinto Dutra Ferreira Especialista Administração de Sistemas de Informação Instituto Presidente Tancredo de Almeida

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS Adriana Do Amaral - Faculdade de Educação / Universidade Estadual de

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

Informação de Imprensa

Informação de Imprensa Informação de Imprensa Estudo aponta alternativa de chuveiro mais ecoeficiente para banho quente Análise de Ecoeficiência desenvolvida pela Fundação Espaço ECO comparou o desempenho econômico e ambiental

Leia mais

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. não Eu Não r que o f existe coleção Conversas #14 - outubro 2014 - a z fu e r tu r uma fa o para c ul m d im ad? e. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO CIDADES EDUCADORAS A expressão Cidade Educativa, referindo-se a um processo de compenetração íntima entre educação e vida cívica, aparece pela primeira vez no Relatório Edgar Faure, publicado em 1972,

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

Setor de Panificação e Confeitaria

Setor de Panificação e Confeitaria Setor de Panificação e Confeitaria Em 2014 o setor de Panificação e Confeitaria brasileiro cresceu 8,02%e faturou R$ 82,5 bilhões. Desde 2010, o mercado vem registrando uma desaceleração. Setor de Panificação

Leia mais

Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas.

Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas. Justificativa Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas. A Escola de Ensino Fundamental Mondrian, fundada em 2011, começou suas atividades em

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais- IFSULDEMINAS Universidade

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Priscylla Karoline de Menezes Graduanda em Geografia (IESA/UFG) e-mail: priscyllakmenezes@gmail.com Dra. Rusvênia Luiza B. R. da Silva

Leia mais

Coordenação: Profª Vera Rodrigues

Coordenação: Profª Vera Rodrigues III Oficina Técnica da Chamada CNPq/MDS - 24/2013 Seminário de Intercâmbio de pesquisas em Políticas Sociais, Combate à Fome e à Miséria no Brasil Projeto E agora falamos nós: mulheres beneficiárias do

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

PRÁTICAS INCLUSIVAS: NA BUSCA DE UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL COM ALUNOS DA APAE NO MUNICÍPIO DE AREIA PB

PRÁTICAS INCLUSIVAS: NA BUSCA DE UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL COM ALUNOS DA APAE NO MUNICÍPIO DE AREIA PB PRÁTICAS INCLUSIVAS: NA BUSCA DE UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL COM ALUNOS DA APAE NO MUNICÍPIO DE AREIA PB Germana Luziana Cardoso do Nascimento; Universidade Federal da Paraíba (UFPB); Germanaluziana@gmail.com

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE

JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE JUVENTUDE RURAL E INTERVIVÊNCIA UNIVERSITÁRIA: CAMINHOS DE UMA CONSTRUÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE Ana Jéssica Soares Barbosa¹ Graduanda em Ciências Agrárias ajsbarbosa_lca@hotmail.com Centro de Ciências

Leia mais

TRAÇOS DO PERFIL DOS CATADORES DEMATERIAIS RECICLÁVEIS DO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA/RS 1

TRAÇOS DO PERFIL DOS CATADORES DEMATERIAIS RECICLÁVEIS DO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA/RS 1 TRAÇOS DO PERFIL DOS CATADORES DEMATERIAIS RECICLÁVEIS DO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA/RS 1 SILVA, Enedina Maria Teixeira 2, VIRGOLIN, Isadora Cadore 3, ISRAEL, Ana Lúcia Pinheiro 4, VERISSIMO, Fabiane 5, GUMA,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 64 A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 Edson da Silva Santos e-mail: edsonsporte@hotmail.com Bolsista FAPESB, Bacharelando

Leia mais

Curso: Formação dos Agentes de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) para a promoção da Agricultura Familiar Sustentável

Curso: Formação dos Agentes de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) para a promoção da Agricultura Familiar Sustentável Curso: Formação dos Agentes de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) para a promoção da Agricultura Familiar Sustentável Com a aceleraça o do aquecimento global e o crescimento populacional, cada

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

Hábitos saudáveis na creche

Hábitos saudáveis na creche 11 Hábitos saudáveis na creche Elvira Bezerra Pessoa: elvirabe@gmail.com Patrícia Edióne da Silva Graduada edionne.jp@hotmail.com Adeilson Paulino de Barros UEPB 1.INTRODUÇÃO No Brasil o atendimento á

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949.

A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. A Contribuição Sírio-Libanesa para o Desenvolvimento de Anápolis 1907 a 1949. Palavras-chave: Anápolis, árabe, desenvolvimento, comércio. LUPPI, Sheila Cristina Alves de Lima 1 POLONIAL, Juscelino Martins

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE Autor(a): Josineide Braz de Miranda Coautor(es): Anderson Carlos Maia da Silva, Josefa Sandra de Almeida Silva, kelren Jane

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL COM ESTUDANTES ORIUNDOS DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE PELOTAS

CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL COM ESTUDANTES ORIUNDOS DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE PELOTAS CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL COM ESTUDANTES ORIUNDOS DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE PELOTAS EJE. Comunicacion y Extensión PETER, Cristina Mendes ¹; ZANI João Luiz ²; MONTEIRO, Alegani Vieira³; PICOLI,Tony

Leia mais

Saúde Indígena no Brasil

Saúde Indígena no Brasil PAINEL I Particularidades genéticas das populações amazônicas e suas possíveis implicações Coordenação de Mesa: Wim Degrave. Saúde Indígena no Brasil Mário R. Castellani Abordarei um pouco do que estamos

Leia mais

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS.

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. Graciela Rodrigues Trindade (1) Bacharel em Gestão Ambiental formada

Leia mais

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA Uilson Jose Nepchji eliziane.uilson@gmail.com Pedro Anotonio Laurentino Valdemir Monteiro Sandra Mara Matuik Mattos Professora do Curso Ciências Econômicas/

Leia mais

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento Nirave Reigota Caram Universidade Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: nirave.caram@usc.br Comunicação Oral Pesquisa em Andamento

Leia mais

Uso e Arborização dos Espaços Comuns nas Escolas Municipais de Canhotinho-PE

Uso e Arborização dos Espaços Comuns nas Escolas Municipais de Canhotinho-PE THAMYLLYS MYLLANNY PIMENTEL AZEVEDO(AUTORA) E-mail: thamyllysmyllanny@hotmail.com MARIA BETÂNIA MOREIRA AMADOR (COAUTORA) E-mail: betaniaamador@yahoo.com.br UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO-UPE/CAMPUS GARANHUNS

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

3.2 MATERIAL DIDÁTICO

3.2 MATERIAL DIDÁTICO A comparação do presencial e do virtual: um estudo de diferentes metodologias e suas implicações na EAD André Garcia Corrêa andregcorrea@gmail.com Universidade Federal de São Carlos Resumo. O presente

Leia mais

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES TIERRE OTIZ ANCHIETA 1 MÔNICA HEITLING 2 TAINAN SILVA DO

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos

Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Produção Consumo Rede Socioassistencial Agricultura Familiar Inclui: Agricultores Familiares; Assentados; Povos e Comunidades Tradicionais;

Leia mais

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 Cultura, história e gastronomia: análise de enquadramento do jornalismo gastronômico 1 RESUMO Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 O texto parte de uma pesquisa que tem como proposta realizar

Leia mais

Questões - Festas populares do mês de junho

Questões - Festas populares do mês de junho Questões - Festas populares do mês de junho 1. Descreva os elementos característicos da Festa Junina presentes nas imagens. Abertura de São João 2011, no Pelourinho http://commons.wikimedia.org/wiki/file:s%c3%a3o_jo%c3%a3o_no_pel%c3%b4_2.jpg

Leia mais

USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA Eva Aparecida Prado do Couto (UEG) 1 evinhacouto@hotmail.com Flávia Melo Rodrigues ² rflamelo@gmail.com Introdução Segundo Queiroz (1986) o uso das espécies

Leia mais

Inicialmente vamos entender a lógica em que a Contabilidade está alicerçada.

Inicialmente vamos entender a lógica em que a Contabilidade está alicerçada. ENTENDENDO A LÓGICA DA CONTABILIDADE I - OBJETIVO O objetivo fim deste projeto é ensinar Contabilidade para aqueles que querem e precisam aprender, fazer um concurso público, ou simplesmente, aumentar

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 15 de setembro de 2015.

Clipping de notícias. Recife, 15 de setembro de 2015. Clipping de notícias Recife, 15 de setembro de 2015. Recife, 15 de setembro de 2015. Recife,15 de setembro de 2015. Recife,15 de setembro de 2015. Recife, 15 de setembro de 2015. 14/09/2015 ProRURAL DEBATE

Leia mais

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural Marcos Santos Figueiredo* Introdução A presença dos sindicatos de trabalhadores

Leia mais

Apoio à comercialização da agricultura familiar

Apoio à comercialização da agricultura familiar Apoio à comercialização da agricultura familiar Programa de Aquisição de Alimentos 1. Contexto Liberalização dos mercados de produtos agrícolas (anos 90) Intenso processo de concentração de capitais no

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS TEMA Conhecimentos Tradicionais RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS BENEFÍCIOS

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Tema Conhecimentos Tradicionais RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS BENEFÍCIOS

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS

SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS 181 SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS Valdecir Cahoni Rodrigues 1, Alvaro Costa Jardim Neto 2, Nilmaer Souza da Silva 1 1 Universidade do Oeste Paulista UNOESTE.

Leia mais

Fundamentos e procedimentos para uma análise de mercado na elaboração de projetos de investimentos Parte I

Fundamentos e procedimentos para uma análise de mercado na elaboração de projetos de investimentos Parte I Fundamentos e procedimentos para uma análise de mercado na elaboração de projetos de investimentos Parte I! Como fazer a análise de mercado?! Qual a diferença entre análise de mercado e análise da indústria?!

Leia mais

EDUCAÇÃO ALIMENTAR PARA CRIANÇAS MATRICULADAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS/PB

EDUCAÇÃO ALIMENTAR PARA CRIANÇAS MATRICULADAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS/PB EDUCAÇÃO ALIMENTAR PARA CRIANÇAS MATRICULADAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS/PB LINS SANTOS 1, Carlos Augusto MARINHO DA SILVA FILHO 2, Carlos Roberto ARAÚJO SILVA 3, Débora

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS PAIS

A IMPORTÂNCIA DOS PAIS 1 A IMPORTÂNCIA DOS PAIS NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ELABORADO POR LUCILEIDE RODRIGUES DOS SANTOS Gerente de Supervisão e Avaliação DAE SEED/SE 2 EQUIPE DAE SEED/SE Edneia Elisabete Cardoso Diretora DAE - SEED/SE

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA

MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA José Roberto da silva Almeida, Arno Bayer jrsa12@hotmail.com,

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Tabela 1. Raiz de mandioca Área colhida e quantidade produzida - Brasil e principais estados Safras 2005/06 a 2007/08

Tabela 1. Raiz de mandioca Área colhida e quantidade produzida - Brasil e principais estados Safras 2005/06 a 2007/08 Mandioca outubro de 2008 Safra nacional 2006/07 Na safra brasileira 2006/07 foram plantados 2,425 milhões de hectares e colhidos 26,920 milhões de toneladas - representando um crescimento de 0,87% e de

Leia mais

Difusão de conhecimentos técnicos sobre cultivo de hortaliças e adoção de novas metodologias de ensino com o emprego de horta escolar

Difusão de conhecimentos técnicos sobre cultivo de hortaliças e adoção de novas metodologias de ensino com o emprego de horta escolar VII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - Campus Bambuí VII Jornada Científica e I Mostra de Extensão 21 a 23 de outubro de 2014 Difusão de conhecimentos técnicos sobre cultivo de hortaliças e adoção de

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO.

TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO. TÍTULO: BENEFÍCIOS DO USO CONSCIENTE DA ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE EMPRESARIAL ASSOCIADO À EFICÁCIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON Antonio Henrique Neto, Discente da Faculdade Integrada de Pernambuco - FACIPE Suzane Bezerra de França, - FACIPE, SEDUC/PE docente. suzyfranca@yahoo.com.br

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE - economia solidária. extensão universitária. educação popular.

PALAVRAS-CHAVE - economia solidária. extensão universitária. educação popular. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB.

A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB. A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB. Natan Gomes de Oliveira Graduando em Licenciatura plena do curso de Geografia UEPB/Guarabira/PB.

Leia mais

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia.

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Autores: Ana Claudia Carlos 1 Raquel Aparecida Celso 1 Autores e Orientadores: Caroline Goerck 2 Fabio Jardel

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais