Criando Empreendedores através de Novas Técnicas de Ensino - Um Estudo de Caso em uma Escola de Ensino Fundamental

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Criando Empreendedores através de Novas Técnicas de Ensino - Um Estudo de Caso em uma Escola de Ensino Fundamental"

Transcrição

1 e Gestão de Pequenas Empresas Criando Empreendedores através de Novas Técnicas de Ensino - Um Estudo de Caso em uma Escola de Ensino Fundamental Marcela Cabral Coelho UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ - CAMPUS ITAJUBÁ Magno Leão Ribeiro UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ - CAMPUS ITAJUBÁ Andressa Faria Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ - CAMPUS ITAJUBÁ Antonio Carlos Batista Rosa UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ - CAMPUS ITAJUBÁ Fábio Roberto Fowler UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ - CAMPUS ITAJUBÁ Florianópolis - Março/2012

2 CRIANDO EMPREENDEDORES ATRAVÉS DE NOVAS TÉCNICAS DE ENSINO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL. RESUMO O presente artigo visa mostrar a importância do empreendedorismo no desenvolvimento econômico de uma região. Neste contexto, a educação empreendedora contribui com o processo ao formar indivíduos diferenciados, com habilidades capazes de potencializar seu desempenho no mercado de trabalho. Com o objetivo de aplicar o conceito de educação empreendedora, apresenta-se um estudo de caso realizado em uma escola de ensino fundamental situada em comunidade popular, elaborado por um professor e um grupo de pesquisa composto por estudantes do curso de Administração da Universidade Federal de Itajubá. Palavras-chave: Empreendedorismo, Educação Empreendedora, Habilidades Empreendedoras, Ensino Fundamental. ABSTRACT This article aims at showing the importance of entrepreneurship in economic development in a region. In this context, entrepreneurship education contributes to the process preparing outstanding individuals with skills which can enhance your performance in the labor market. In order to apply the concept of entrepreneurship education, a case study is presented in an elementary school located in a popular community, developed by a teacher and a research group composed of students of the course of Business Administration of the Federal University of Itajubá. Keywords: Entrepreneurship, Entrepreneurship Education, Entrepreneurial Skills, Elementary Education.

3 1. INTRODUÇÃO O presente artigo visa mostrar a importância da educação empreendedora no desenvolvimento de um indivíduo e suas contribuições no cenário educacional. Primeiramente, faz-se um embasamento teórico relatando aspectos sobre o termo empreendedorismo e também seu próprio conceito. Além disso, mostram-se quais as relações existentes entre empreendedorismo e o indivíduo. Após um breve desenvolvimento teórico sobre o tema, é apresentado a ideia de senso comum. Pode-se notar que muitas pessoas definem empreendedorismo ao processo de abertura de novos negócios. Entretanto, o termo não se aplica a somente isso. É essencial compreender que também se aplica ao desenvolvimento de habilidades consideradas empreendedoras. A seguir, a educação empreendedora é colocada em evidência, percebe-se através da leitura a importância da educação empreendedora para o desenvolvimento de um indivíduo, principalmente quando a recebe desde os primeiros anos do seu aprendizado educacional. Ressalta-se que essas pessoas possuem um diferencial e estão mais aptas a enfrentar os desafios que o mercado de trabalho impõe. Este artigo apresentará também um estudo de caso desenvolvido por um professor e seu grupo de pesquisa, composto por alunos do curso de Administração da Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) que mostra uma aplicação da educação empreendedora em uma escola de comunidade popular. Inicialmente, será relatado um Programa de Desenvolvimento de Empreendedorismo PDE, desenvolvido na UNIFEI apresentando resultados de sucesso. Ao finalizar, são expostos os resultados do caso, até então obtidos, relatando suas contribuições à educação e mostrando na prática sua funcionalidade. 2. EMBASAMENTO TEÓRICO 2.1. Empreendedorismo O Empreendedorismo vem cada vez mais sendo difundido no mundo, segundo Kuratko (2005) este fenômeno emergiu no decorrer das duas últimas décadas 1. Além disso, o empreendedorismo tem sido um importante direcionador do crescimento econômico e social ambos nos Estados Unidos e no mundo inteiro. (YUSUF, 2005) 2 De acordo com o relatório desenvolvido pelo Global Entrepreneurship Monitor correspondente ao ano de 2008, há uma grande concordância em se afirmar que o empreendedorismo leva ao desenvolvimento econômico de uma nação uma vez que o mesmo impulsiona a inovação. Ainda seguindo a mesma linha de raciocínio pode- se entender que o empreendedorismo aumenta a velocidade das mudanças estruturais na economia e ainda força as históricas companhias a alterarem sua forma contribuindo de modo indireto com a produtividade. Neste contexto, é possível observar que economias emergentes estão desenvolvendo a cultura empreendedora, com é o caso do Brasil que de acordo com este 1 Tradução do fragmento: Entrepreneurship has emerged over the last two decades. (KURATKO, 2005) 2 Tradução do fragmento: Entrepreneurship has been an important driver of economic and social growth both in the U.S. and worldwide. (YUSUF, 2005) 2

4 mesmo relatório ocupa a 13ª posição no ranking mundial de empreendedorismo com cerca de 21,1 milhões de pessoas envolvidas com práticas de caráter empreendedor O Conceito O termo empreendedorismo não se configura como um vocábulo desconhecido por grande parte dos brasileiros, entretanto pouco se sabe acerca do real conceito. Muitos autores possuem suas concepções acerca do tema das mais diversas maneiras. Alguns desses autores consideram o empreendedorismo como sendo um tipo de comportamento que pode estar sujeito a manifestações diversas que não podem ser, de certa forma, previstas conforme defende Alderich, Baker (1997) apud Fernandes e Santos (2008). Barreto apud David et al (2001) considera empreendedorismo um estilo de comportamento uma vez que em sua visão seria a habilidade de se fazer algo ou realizar alguma coisa partindo-se de pouquíssimo recurso disponível. Sua visão se resume ao processo de criação de um negócio que possa trazer resultados considerados benéficos. Ainda conforme Redford (2006) disserta, empreendedorismo está muito ligado com indivíduos que possam vir a criar novas organizações e que de alguma forma possam trazer aspectos positivos para si mesmos e ainda para a sociedade. De acordo com essa citação, pode- se inferir que empreendedorismo está ligado a um comportamento desenvolvido por determinado indivíduo que aceita se arriscar, criar, inovar podendo ser presenciado até mesmo dentro de outras organizações. Uma linha de raciocínio similar é sustentada por Fowler (1997) que confirma a classificação do termo empreendedorismo como sendo um comportamento desenvolvido por indivíduos capazes de gerenciarem empreendimentos. Conforme o autor, não existe empreendedor sem o empreendedorismo valendo-se também do pensamento inverso Um foco no indivíduo Ao se efetivar a devida análise oriunda da compreensão do termo empreendedorismo, pode-se notar que tal comportamento não possui existência se de fato não é desempenhado ou incorporado por determinado indivíduo. Este que muito é citado na literatura pode ser denominado empreendedor. Segundo Duarte (2010) a competência em se estabelecer um bom entendimento acerca do termo empreendedorismo requer que decifremos o empreendedor. Para Juliatto (2005) os empreendedores são considerados seres cuja ação e esforços se centram na inovação e no desenvolvimento do universo empresarial o que facilita a catalisação do fluxo e do conseqüente desenvolvimento da economia. Filion (2000) afirma que os empreendedores não apenas definem situações, mas também imaginam visões sobre o que desejam alcançar. Sua tarefa principal parece ser a de imaginar e definir o que querem fazer e, quase sempre, como irá fazê-lo. Ele é caracterizado por ser uma pessoa criativa e que consegue fazer o estabelecimento de metas que são alcançadas. De acordo com Leite (1999) o indivíduo deve desenvolver algumas competências que o tornarão bem sucedido em um empreendimento ou até mesmo para formá-lo empreendedor. A primeira competência diz respeito a um bom manuseio de recursos computacionais. Para o autor, o indivíduo não possuirá acesso a informações consideradas necessárias para se concretizar o desenvolvimento profissional e até pessoal. 3

5 Outra competência requerida a ser desenvolvida é a capacidade de não se prender muito a detalhes, pois o mundo se encontra atualmente em um estado de modificações muito rápidas. Para Leite (1999) deve-se também aprender a trabalhar em equipe, pois ao analisarmos as relações de trabalho na atual conjuntura, percebe-se que a distância entre o empregado e o seu empregador está cada vez mais estreita. Porém uma característica que se torna consenso entre os autores é o otimismo. O otimismo é característica que segundo Leite (1999) atrai bons fluidos. Neste momento é de se concordar quanto ao pensamento já expresso por Fowler (1997) que é sobre a interdependência do empreendedor e empreendedorismo, isto é, sua relação de reciprocidade. O Empreendedorismo é esse comportamento que é desempenhado, expresso pelo indivíduo empreendedor, que cria e gerencia empreendimentos. Em consonância com todas as informações até agora expostas, Filion (2000) elencou as principais características de empreendedores bem sucedidos, observados na tabela a seguir. Tabela 1 Características de Empreendedores bem-sucedidos Valores e cultura de empreendedorismo adquiridos por meio de contato com, pelo menos, um modelo empreendedor durante sua juventude Diferenciação Intuição Envolvimento Trabalhadores incansáveis Sonhadores Realistas (visionários) Líderes Trabalham em rede com moderação Controladores do comportamento das pessoas ao eu redor Aprendizagem dos seus próprios padrões Adaptado de FILION (2000, p.3) 3. CONTRA O SENSO COMUM- HABILIDADES EMPREENDEDORAS NA EDUCAÇÃO FORMAL Pode-se dizer que o conceito absorvido pelas pessoas sobre empreendedorismo se dava de forma que somente se entendia que tal termo se aplicava ao processo e abertura de novos negócios, enfim somente ao gerenciamento de novos empreendimentos. Entretanto, pode- se entender o desenvolvimento de habilidades consideradas empreendedoras também em áreas como a educação. De acordo com Neck e Greene (2011), empreendedorismo e educação empreendedora têm mais relevância hoje do que jamais teve antes. 3 3 Tradução do fragmento: Entrepreneurship and entrepreneurship education have more relevance today than ever before. (NECK and GREENE, 2011, p. 1) 4

6 Ao contrário do que muitos pensam, é possível desenvolver características e habilidades empreendedoras através da educação formal. Ao analisarmos a educação tradicional brasileira, pode- se inferir segundo Juliatto (2005, p.80): Tradicionalmente, na educação profissional, a formação esteve direcionada à criação de mão-de-obra para os setores industrial e comercial, sem nunca ter havido uma discussão sobre a necessidade de repensar esta educação e redefini-la para uma formação voltada ao surgimento de novos empreendedores Segundo Fernando Dolabela (1999) apud Duarte (2010), fazendo-se uma análise geral no mundo, o Brasil é um dos países que dotam de maior potencial empreendedor. Para ele, a relevância dada ao empreendedorismo vem aumentando a cada dia que se passa. Aproveitando-se disso, surgem questionamentos sobre o porquê não aplicar técnicas desse empreendedorismo emergente no sistema de educação formal. O conceito de educação empreendedora deve ser mais discutido na literatura e ainda encarado de forma mais empírica. 4. EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA Para Duarte (2010), a educação que mantém o foco nos profissionais a serem formados com características empreendedoras torna-se de extrema relevância, uma vez que a sociedade impõe constantemente desafios assim como o mercado de trabalho. As escolas não precisam somente formar indivíduos que possam ser empregáveis, conforme disserta Duarte (2010), indivíduos que somente preencham vagas no atual mercado de trabalho. Segundo, Filion (2000) o importante nos processos educacionais não é o que se aprende e sim, como se aprende. É por isso que em empreendedorismo devem-se enfatizar estudos no desenvolvimento de como o conceito é aprendido, o qual deve considerar autonomia, autoconfiança, perseverança, determinação, criatividade, flexibilidade, liderança, entre outras habilidades que envolvam o desenvolvimento pessoal, gerencial e técnico do aprendiz. (FOWLER, 1997). A denominada educação empreendedora visa acima de tudo proporcionar uma formação ao aluno capaz de fazê-lo desenvolver criatividade, inovação e ainda aproveitar oportunidades (DUARTE, 2010). Na perspectiva de Raposo e Paço (2011), a educação empreendedora propõe que o indivíduo seja responsável bem como desenvolva um pensamento empreendedor que contribua para o desenvolvimento de caráter econômico e sustentável de comunidades. É válido ressaltar que o ensino empreendedor contribui para o melhoramento educacional, e ao mesmo tempo, desenvolve as habilidades empreendedoras nos indivíduos. Através da prática com tal caráter, uma pessoa enfrenta desafios e começa a superar barreiras como o receio de falar em público, de comunicar com pessoas desconhecidas, de expressar suas opiniões em público, de liderar, de ser julgado. Esses medos superados tornam os indivíduos mais aptos a enfrentar a concorrência do mercado de trabalho e até mesmo abrir seu próprio negócio. Duarte (2010) afirma que a educação empreendedora não vem apresentar fórmulas ou técnicas que sejam consideradas próprias, mas sim possibilitar oportunidades de incentivo ao autoconhecimento e a construção de um indivíduo mais completo. A educação empreendedora forma indivíduos diferentes, segundo Filion (2000). As crianças que recebem essa educação desde o início da sua formação e a recebem durante todo o 5

7 processo de aprendizagem, mesmo nas universidades, já entram no mercado de trabalho com maior destaque entre os outros indivíduos e os desafios são mais fáceis de serem superados. Existe uma grande diferença entre a formação de um empreendedor e de um gerente segundo Filion: Para o empreendedor, autoconhecimento significa identificação com modelos e entendimento sobre como desenvolver e expressar suas diferenças, enquanto, para os gerentes, significa adaptar-se aos contextos organizacionais e ajustar-se a eles. (Filion, 2000, p.6). Por meio desta breve consideração de Filion (2000), é possível estabelecer uma comparação clara entre aqueles os quais receberam a educação empreendedora junto com o seu aprendizado técnico e aqueles os quais apenas receberam a educação voltada para o aprendizado técnico e não no desenvolvimento do indivíduo. O empreendedor busca, através de seu conhecimento técnico, identificar oportunidades e explorá-las. Já os gerentes, são somente técnicos, realizam seu trabalho de acordo com regras e normas estabelecidas e não buscam a criatividade, são metódicos. Assim, Fowler (1997), ressalta que o empreendedor possui tanto habilidades técnicas, gerenciais quanto empreendedores e usam todas essas características em seus projetos. De acordo com Fowler (1997), educação empreendedora é um sistema que habilita grupos a criarem e desenvolverem projetos. Projetos que não estão relacionados apenas a criação de negócio e sim o desenvolvimento de habilidades que irá ajudar os indivíduos a apresentarem maior iniciativa ao desenvolver projetos tanto pessoais quanto no seu trabalho e também na construção de um novo negócio. Cotton (1990) propõe as etapas do processo de aprendizagem da Educação Empreendedora. Primeiramente, o indivíduo se questiona para si próprio e após isso como membro de um grupo, estimulando o conhecimento próprio e a compreensão. Os empreendedores possuem muitas ideias e uma grande capacidade de descobrir ideias, o que encoraja sua inteligência criativa. Planejar é necessário para colocar uma ideia em prática. Em seguida, há a produção de resultados e novamente, inicia-se, a primeira etapa do ciclo, a qual é perguntar. Além do processo de aprendizagem dos alunos, o ensino do professor na educação empreendedora deve ser diferenciado. Como Cotton (1990) diz, o professor deve encorajar o estudante a ter responsabilidade pela maior parte de seu aprendizado; desenvolver e aumentar o repertório de habilidades de ensino e competências para serem utilizadas com os estudantes; mostrar para os estudantes uma maneira pró-ativa de aprender e compartilhar conhecimentos com os outros; ser flexível; ter um relacionamento mais próximo com os estudantes; trabalhar com espírito de equipe com o grupo de professores o qual pertence; ter uma mente positiva e ser encorajador; aprender com os próprios estudantes e trabalhar com os mesmos. Pode-se notar que a prática da educação empreendedora depende tanto da parte do aluno quanto da parte do professor. Quando os dois trabalham juntos e existe uma interligação entre ambos, os resultados comparados ao método de ensino tradicional são extremamente positivos. Assim, esta união proporciona uma nova maneira de ensinar e aprender visto que a educação empreendedora estimula os professores a darem aula e tornarem seus trabalhos mais dinâmicos e prazerosos. Da mesma forma que para os alunos a aula torna mais atrativa e mais fácil de prestar atenção. Os alunos também passam a participar e interagir mais sobre os assuntos a serem aprendidos, fato que torna o ambiente educacional um grupo, em que professor e aluno dependem um do outro e um se importa com o outro. 6

8 A educação com foco empreendedor, como dito anteriormente, aproxima a relação professoraluno. Não é como em muitas escolas em que o professor tem que apenas cumprir o conteúdo a ser ensinado e não se importa se os alunos aprenderam ou não. Ela intensifica esta relação, fazendo com que ambos os envolvidos contribuam na prática de ensinar e aprender um do outro. Em síntese, o professor depende do aluno e vice e versa, um contribui para o desenvolvimento do trabalho do outro. 5. O CASO UNIFEI 5.1 Programas de Desenvolvimento de Empreendedorismo PDEs Tendo em vista a importância do empreendedorismo para o desenvolvimento econômico, a Educação Empreendedora torna-se fundamental no processo de formação de indivíduos empreendedores, em todos os níveis de educação, conforme vem sendo dissertado no decorrer do presente trabalho. Desta forma, pretende-se apresentar dois Programas de Desenvolvimento de Empreendedorismo PDEs. O primeiro deles foi desenvolvido no Ensino Superior na Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) e o segundo foi realizado no Ensino Fundamental I, na Escola Desembargador Francisco Pereira Rosa, sendo este embasado no modelo bem sucedido aplicado na UNIFEI. 5.2 Aplicação no Ensino Superior O PDE em questão foi aplicado no curso de Administração de Empresas da Universidade Federal de Itajubá Unifei que possuía desde sua criação, no ano de 1997 o objetivo de desenvolver no corpo discente habilidades empreendedoras em conjunto às habilidades gerenciais, conforme ilustra o modelo abaixo: Figura 1 Modelo GEFEI De acordo com Perrenoud (2000) apud Morais (2009) o desenvolvimento de competências não é conflitante a aplicação do conteúdo, e para desenvolvê-las las é preciso trabalhar por problemas e por projetos, propor tarefas complexas e desafios que estimulem os alunos a buscar seus conhecimentos e completá-los. Considerando o objetivo de desenvolver competências e as formas de desenvolvê-las citadas pela literatura existente, o Curso de Administração da Unifei faz uso de diversas práticas incentivadoras do comportamento empreendedor, entre elas: 7

9 Desenvolvimento de projetos, o que possibilita aos alunos desenvolverem habilidades como capacidade de planejamento, liderança, responsabilidade e autoconfiança. Avaliação de pares atividade na qual os alunos avaliam os próprios colegas que propicia o desenvolvimento da capacidade de julgamento. Apresentações orais, responsáveis por desenvolver a habilidade de comunicação e expressão. Lidar com Incidentes Críticos - que se caracteriza pela discussão aberta dos problemas ocorridos em sala, de forma justa e com o objetivo de solucioná-los. Além disso, o corpo docente é encorajado a utilizar práticas inovadoras de ensino, visto que o papel do docente como agente inovador é fundamental nas comunidades de ensino para promover a formação de pessoas com valores e perfil inovador, fundamentais ao papel do empreender em qualquer sociedade. (SOUZA; CASTRO-LUCAS, 2008 apud Greco et al, 2009) Utiliza-se como referência o material da Durham University Business School (1192) que propõe sete métodos de ensino, desde o mais tradicional até o mais inovador, como mostra a tabela a seguir: Tabela 2 Técnicas para educação empreendedora Metodologia Descrição O professor aborda um tópico ou assunto de forma expositiva para toda a classe, utilizando os materiais que considerar necessário. O professor introduz o tópico para a classe toda. A classe é então dividida em grupos e cada um deles completa a mesma tarefa em tempos diferentes. O professor introduz uma lição para a classe toda, então grupos de alunos trabalham sobre a mesma tarefa, ou similar, ao mesmo tempo. O professor divide diferentes atividades sobre um tema ou assunto. Cada grupo completa sua atividade e depois apresenta os resultados para a classe. O professor determina várias tarefas independentes ou temáticas. Grupos giram ao redor das tarefas, sendo que todos os alunos completam todas as tarefas. A cada grupo é dada uma designação para ser completada em um dado tempo. O suporte do professor é dado sempre que necessário. Os alunos apresentam o resultado para a classe Os alunos ou o professor identificam um problema a ser resolvido. Os grupos se organizam e investigam, compartilhando seus resultados posteriormente. Fonte: Adaptado de Durham University Business School (1992) A utilização das práticas descritas anteriormente resultou em bons indicadores para o curso de administração, como: Conquista da nota A no Provão nos anos 2003 e 2004 Nota Máxima no Enade (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes) nos anos 2006 e 2009, conquistando o 1º lugar em conhecimentos específicos. Eleito pela revista Guia do Estudante um dos melhores cursos de Administração do país no ano de

10 Tais dados sugerem que as técnicas de Educação Empreendedora se mostraram eficientes, sendo interessante a sua aplicação em outros níveis da Educação. 5.3 Aplicações no Ensino Fundamental A frase abaixo se refere especialmente aos jovens estudantes e consequentemente ressalta a importância de se trabalhar a educação empreendedora nos níveis básicos da educação. Preparar os estudantes de hoje para o sucesso e eventual liderança no novo mercado global é a responsabilidade mais importante da educação atualmente. A Educação Empreendedora é uma ferramenta importante para atingir esse objetivo [e]... deve estar disponível mundialmente para proporcionar a todos os estudantes, oportunidades para explorarem seu potencial. (ROSE; PAYZANT apud World Economic Forum, 2009) A publicação do Fórum Econômico Mundial para o ano de 2009 ressalta que a Educação Empreendedora é um bom mecanismo para manter as crianças na escola, além de possibilitar que estas aprendam a tomar responsabilidade sobre seus próprios futuros. O documento defende ainda, algumas práticas de Educação Empreendedora para jovens que se mostraram eficientes, como jogos e simulações, trabalhos em equipe, alunos ensinando uns aos outros, o uso de murais, pôsteres e ferramentas digitais. Adaptando-se a proposta de Educação Empreendedora utilizada na Universidade Federal de Itajubá à realidade da educação infantil, foi realizado um Programa de Desenvolvimento de Empreendedorismo em uma escola de educação básica e fundamental no mesmo município. Esta pesquisa foi realizada a partir do método de pesquisa-ação, que será apresentado a seguir juntamente com o caso. 6) METODOLOGIA Segundo André (2001), observa-se um crescimento no número de pesquisas na área de educação nos últimos vinte anos, sendo que estas deixaram de olhar para o externo da escola e passaram a valorizar o aspecto interno, considerando assuntos como o cotidiano escolar, o currículo, as interações sociais na escola, as formas de organização do trabalho pedagógico, a aprendizagem da leitura e da escrita, as relações de sala de aula, a disciplina e a aprendizagem. Desta forma, é possível notar que os estudos genéricos estão dando espaço a análises de problemáticas localizadas, cuja investigação é desenvolvida em seu contexto específico. Neste contexto, percebe-se a grande utilização de estudos qualitativos, por parte dos pesquisadores, que tentam aproximar de forma heterogênea o conhecimento científico da prática, e como afirmam Miranda e Resende (2006), o pesquisador em educação não deixa dúvidas sobre a relevância conferida à prática em seu processo de investigação. Em consonância com estas informações, optou-se utilizar neste artigo a metodologia denominada pesquisa-ação que conforme Engel (2000) é um tipo de pesquisa participante engajada que surgiu da necessidade de superar a lacuna entre teoria e prática, e uma de suas características é a possibilidade de intervir na prática de modo inovador já no decorrer do próprio processo de pesquisa e não apenas como possível consequência de uma recomendação 9

11 na etapa final, o que faz com que a pesquisa-ação se oponha à pesquisa tradicional, que é considerada como independente, não-reativa e objetiva. Kurt Lewin ( ) 4 foi um dos pioneiros na concepção da metodologia de pesquisaação. Segundo ele o cientista social deveria sair de seu isolamento, assumindo as conseqüências dos resultados de suas pesquisas e colocá-lo em prática, para interferir no curso dos acontecimentos. (ENGEL, 2000; PIMENTA, 2005; TRIPP, 2005; MIRANDA e RESENDE, 2006). Neste contexto, Miranda e Resende (2006) afirmam que a pesquisa-ação envolve uma perspectiva mais explicativa (experimental) e que segundo André (2001) é uma tarefa de longo prazo, que precisa envolver todos aqueles que de alguma forma se preocupam com o desenvolvimento e com os resultados da pesquisa. Deste modo Nunan (1993) apud Engel (2000) afirma que: Os conhecimentos científicos são provisórios e dependentes do contexto histórico, os professores, como homens e mulheres da prática educacional, ao invés de serem apenas os consumidores da pesquisa realizada por outros, deveriam transformar suas próprias salas de aula em objetos de pesquisa. Neste contexto, a pesquisa-ação é o instrumento ideal para uma pesquisa relacionada à prática. 6.1 Universo da pesquisa Uma vez decidido pelo método de pesquisa-ação voltada à área de educação, no intuito de aplicar práticas de educação empreendedora às crianças de nível Fundamental I, optou-se pelas escolas de comunidades populares visando não só o desenvolvimento da escola, como também da comunidade em que está inserida e do próprio indivíduo. 7. APRESENTAÇÃO DO CASO 7.1 Critérios utilizados na escolha Embasado em todos estes conceitos apresentados e tendo como modelo o caso bem sucedido da aplicação de educação empreendedora no curso de Administração da UNIFEI, escolheu-se aplicar as técnicas de educação empreendedora na Escola Municipal Desembargador Francisco Pereira Rosa, localizada no bairro Rebourgeon no município de Itajubá MG. Esta escola foi selecionada devido aos baixos índices apresentados de avaliação na Provinha Brasil e no IDEB, prova esta aplicada pelos governos federal e estadual com finalidade de avaliar a qualidade do ensino nas escolas de nível fundamental I. De acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), o diagnóstico apresentado a partir dos resultados das provas possibilita aos professores e gestores educacionais a realização de um diagnóstico mais preciso que permite conhecer o que foi agregado na aprendizagem das crianças, em termos de habilidades de leitura dentro do período avaliado. Considerando estes aspectos Isaacs (2007) afirma que a utilização da educação empreendedora pode ser definida como a intervenção proposital feita por um educador na vida do aluno a fim de transmitir as qualidades e competências empreendedoras aos alunos, ajudando assim, a promover o desenvolvimento de qualidades pessoais que são relevantes 4 LEWIN, K. Die lösung sozialer konflikte. Bad Nauheim,

12 para o empreendedorismo, como a criatividade, correr riscos e responsabilidade. (UNIÃO EUROPEIA, 2002 apud ISAACS, 2007) Outro critério que foi considerado na escolha da escola foi a localização da instituição de ensino. Buscava-se atender regiões populares do município, com o objetivo de introduzir a cultura empreendedora na comunidade escolar, consequentemente, possibilitando desenvolvimento econômico local. Neste contexto, Berlim et al afirma que: A partir das habilidades e competências geradas pela atitude empreendedora podemos oportunizar formas alternativas para atender às necessidades emergentes, ou ainda poder antecipar situações a partir da análise crítica do cotidiano, operando na transformação do espaço social. (Berlim et al, 2006) 7.2 Utilização da Educação Empreendedora Como mencionado anteriormente o objetivo principal do projeto é o de introduzir a cultura empreendedora na escola atingindo não só os alunos como também os professores. Para isso, foi realizado um treinamento com os professores através de um workshop, com duração de 16 horas, no qual foram apresentadas as técnicas de educação empreendedora propostas pela Durham University Business School (1992). Com o intenção de sensibilizar o público-alvo e mostrar o quão positiva pode ser a utilização da educação empreendedora, os professores vivenciaram cada técnica na prática a fim de que eles pudessem sentir, em um curto período de tempo, a possibilidade que a transmissão de conhecimento de uma forma diferenciada pode melhorar o aprendizado. Para fortalecer a confiança dos professores nas técnicas, foi apresentado o modelo desenvolvido no curso de Administração da UNIFEI, no qual ainda é utilizada cada técnica. Ao final do workshop, os professores foram estimulados a desenvolverem projetos de educação empreendedora para as suas aulas e apresentarem para os demais participantes. A partir de então, estabeleceu-se que seriam feitas reuniões de bimestrais para acompanhar o desenvolvimento das atividades, realizando aconselhamentos através da prática de coaching, no qual são dadas sugestões de melhorias ao que já está sendo aplicado visando sempre o desenvolvimento do aluno e da escola como um todo. 8. RESULTADOS Os resultados observados neste período são predominantemente qualitativos, que segundo Günther (2006) inclui registros de comportamento e estados subjetivos (...) que constituem manifestações humanas observáveis. A utilização das técnicas de educação empreendedora está sendo utilizada por cerca de oitenta por cento dos vinte e oito professores que participaram do workshop. As disciplinas em que são trabalhadas as técnicas vão desde Matemática e Literatura até História e Geografia. No ano 2011 em que foi aplicado o projeto foram realizadas quatro visitas as escolas destinadas ao acompanhamento das atividades. Nestas reuniões em que os professores apresentavam os trabalhos desenvolvidos com os alunos, foi possível observar a motivação de cada um deles, além da parceria entre eles com propostas de trabalhos multidisplinares com os alunos. Desta forma, Nono e Mizukami (2001) apud Damiani (2008) salientam a importância 11

13 do compartilhamento de experiências entre professores, explicando que pode favorecer o desenvolvimento da destreza na análise crítica, na resolução de problemas e na tomada de decisões. É de extrema importância colocar neste artigo o depoimento alguns professores com relação às práticas empreendedoras aplicadas na sala de aula. A professora que leciona Literatura para os alunos do quarto e quinto ano afirmou que os alunos apresentaram mudanças em seu comportamento e demonstram-se mais interessados nas aulas e uma dos indicadores observados foi à redução do número de faltas.. Já a professora que leciona aulas para o ensino infantil afirmou que as técnicas que exercitam o trabalho em grupo e a comunicação em público deixam os alunos mais motivados e ajuda na socialização das crianças que aprendem desde a divisão de materiais até o trabalho colaborativo. Por fim, mas não menos importante tem-se o depoimento da professora que leciona Estudos Sociais no terceiro e quarto ano do ensino Fundamental I, a qual afirma que a educação empreendedora fez com que ela passasse a gostar das matérias que lecionava, pois anteriormente ela era desmotivada em relação à História e Geografia e com as técnicas passadas ela pôde compreender melhor o conteúdo e passou a lecionar de forma diferente, aumentando o entusiasmo e a motivação dos alunos em aprender o conteúdo. Podemos notar que até o presente, os resultados ainda são pequenos e qualitativos. Por tratar de um projeto de três anos e que ainda em seu primeiro ano, acredita-se que estes forneçam condições de gerar expectativas promissoras para os objetivos maiores. Ao final do programa, a escola em congruência com o grupo de pesquisa da UNIFEI, almeja estar entre as melhores escolas de Itajubá, medidas pelos indicadores tradicionais do ensino fundamental I (IDEB e Provinha Brasil) 9. CONSIDERAÇÕES FINAIS Neste estudo, pretendeu-se demonstrar como a educação empreendedora pode contribuir para o desenvolvimento de uma escola e como este conhecimento pode ser absorvido e ser multiplicado posteriormente. Evidenciou-se como o conceito de empreendedorismo é bem difundido e como o senso comum o restringe a apenas criação de gerenciamento de empresas. Buscou-se explicar que empreendedorismo é a arte de criar e gerenciar projetos (FOWLER, 1997), sendo estes projetos pessoais, sociais ou profissionais. E uma pessoa só é considerada empreendedor pelo comportamento diferenciado que ela apresenta, em meio uma sociedade uniforme. É notório que a educação empreendedora tanto no Brasil quanto no mundo ainda está voltada para o lado empresarial e a criação do próprio negócio, mas no decorrer do artigo foi possível mostrar que o principal a ser observado é o desenvolvimento de habilidades, que vai ocasionar um comportamento diferente e tornar a pessoa um verdadeiro empreendedor. Neste contexto, foi introduzido na escola de nível fundamental I, Desembargador Francisco Pereira Rosa, as técnicas de educação empreendedora e mostrou-se que as mudanças de comportamento apresentadas pelos alunos e pelos professores sendo estas: Diminuição do absenteísmo; Maior envolvimento dos alunos; Aprendizado mais efetivo com a nova metodologia; Professores mais motivados e sentindo prazer em dar aula. 12

14 Desta forma, justifica-se o que Filion (1994) apud Peterman e Kennedy (2003) afirmam: que a melhor idade para se desenvolver habilidades empreendedoras é durante os anos da infância de da adolescência, sendo o melhor lugar para se desenvolver e nutrir o ambiente empreendedor é a escola. (ISAACS, 2007). 10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDRÉ, Marli. Pesquisa em educação: Buscando rigor e qualidade. Fundação de Educação da Universidade de São Paulo Feusp. Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Educação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP. Cadernos de Pesquisa, nº 13, p 51-64, julho/2001. BERLIM, Carla et al. Princípios e Práticas de Empreendedorismo: Um Novo Paradigma em Educação e em Psicopedagogia. Revista Psicopedagogia, Porto Alegre, v. 23, n. 70, p COTTON, J. Enterprise Education Experience. Durham, Durham University Business School, CRUZ JR. B.; ARAÚJO P. C.; WOLF S. M.; RIBEIRO T. V. A. Empreendedorismo e educação empreendedora: confrontação entre a teoria e prática. Revista de Ciências da Administração, v. 8, n. 15, jan/jun DAMIANI, Magda Floriana. Entendendo o trabalho colaborativo em educação e revelando seus benefícios. Revista Educar, editora UFPR, n , p DAVID, Denise E. H.; ROVEDA, Marcus V.; REDIVO, Rosânio B.; GAUTHIER, Fernando A. O; COLOSSI, Nelson; FRANZONI, Ana Maria. Aspectos Pedagógicos No Ensino Do Empreendedorismo. Anais. III Encontro Nacional de Empreendedorismo, Florianópolis, DUARTE, Maria Flávia D. B. - Educação e Empreendedorismo social: um encontro que (trans)forma cidadãos. Belo Horizonte, 2010 DURHAM UNIVERSITY BUSINESS SCHOOL. Primary enterprise A primary school approach to enterprise education within the national curriculum ENGEL, Guido Irineu. Pesquisa-ação. Revista Educar. Curitiba, nº 16,. Editora UFPR, 2000, p FILION, L. J Empreendedorismo e gerenciamento: processos distintos, porém complementares. RAE Revista de Administração de Empresas ERA Light, v.7, PP. 2-7, FOWLER, Fábio Roberto. Programa de Desenvolvimento de Empreendedorismo PDEs. Um Estudo de Caso: FEA-USP e DUBS. São Paulo, GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR - GEM. Empreendedorismo no Brasil 2008: Sumário Executivo. Curitiba: SEBRAE, Redford GÜNTHER, Hartmut. Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: Esta é a questão?. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Vol. 22, n. 2, p Maio-Agosto,

15 Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/%0d/ptp/v22n2/a10v22n2.pdf>. Acessado em: 06 de novembro de ISAACS, Eslyn; VISSER, Kobus; FRIEDRICH, Christian; e BRIJLAL, Pradeep. Entrepreneurship education and training at the Further Education and Training (FET) level in South Africa. South African Journal of Education, EASA, v , p JULIATTO, Marco Antonio - Identificação e análise das competências empreendedoras dos cursos técnicos: CEFET/SC unidade de ensino de Florianópolis. Florianópolis (2005). KURATKO, Donald F. The Emergence of Entrepreneurship Education: Development, Trends, and Challenges. ET&P. September, LEITE, Emanuel F. Formação de Empreendedores e o papel das Incubadoras. Universidade Católica de Pernambuco. Anais do I Encontro Nacional de Empreendedorismo, Florianópolis: UFSC, MIRANDA, Marilia Gouveia de; RESENDE, Anita C. Azevedo. Sobre a pesquisa-ação na educação e as armadilhas do praticismo. Revista Brasileira de Educação, v 11, nº 33, set/dez MORAIS, Paulo. Estruturação de Produtos Educacionais para a Capacitação Empreendedora de Alunos da Educação Básica: Um Estudo de Casos Múltiplos Dissertação (Pós Graduação em Administração) Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, USP, Ribeirão Preto. PIMENTA, Selma Garrido. Pesquisa-ação crítico colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências com a formação de docente. Educação e Pesquisa, São Paulo, v 31, nº 3, p , set/dez RAPOSO, M., & DO PAÇO, A. (2011). Entrepreneurship education: Relationship between education and entrepreneurial activity. Psicothema, 23(3), REDFORD, Dana T. (2006) Entrepreneurship Education in Portugal:2004/2005 National Survey, Comportamento Organizacional e Gestão (COG), vol. 12, n 1. TRIPP, David. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Tradução de Lólio Lourenço de Oliveira. Educação e Pesquisa, São Paulo, v 31, nº 3. set/dez 2005, p WUPPERTAL, Christine et al. Educating the Next Wave of Entrepreneurs Unlocking Entrepreneurial Capabilities to Meet the Global Challenges of 21 st. World Economic Forum. Switzerland, YUSUF, Julita-Elena Wie. Putting entrepreneurship in its rightful place: a typology for defining entrepreneurship across private, public and nonprofits sector. Academy of Entrepreneurship Journal, Volume 11, Number

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO CIRLANNE TONOLI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO:O texto tem como objetivo apresentar algumas características sobre

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: UMA FERRAMENTA PARA A PRÁTICA DA ADMINISTRAÇÃO E SUA UTILIZAÇÃO EM DISCENTES DOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO.

EMPREENDEDORISMO: UMA FERRAMENTA PARA A PRÁTICA DA ADMINISTRAÇÃO E SUA UTILIZAÇÃO EM DISCENTES DOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. EMPREENDEDORISMO: UMA FERRAMENTA PARA A PRÁTICA DA ADMINISTRAÇÃO E SUA UTILIZAÇÃO EM DISCENTES DOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. MICHEL, Murillo Docente do Curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER

PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER C. Bringhenti, M. Eng.* E. M. Lapolli, Dra.** G. M. S. Friedlaender, M. Eng* * Doutorandos do Curso de Pós Graduação em Engenharia de Produção. Universidade Federal de Santa

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

Como se tornar um líder de Sucesso!

Como se tornar um líder de Sucesso! Como se tornar um líder de Sucesso! Os 10 mandamentos do Como se tornar um líder de Sucesso! O líder é responsável pelo sucesso ou fracasso de uma organização. A liderança exige de qualquer pessoa, paciência,

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS FREITAS, M.L.L 1 PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

A pesquisa na formação do professor

A pesquisa na formação do professor A pesquisa na formação do professor Karen Maria Jung Introdução Este trabalho tem por objetivo mostrar como a pesquisa, na formação de novos professores, é abordada nos diferentes cursos de Licenciatura

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

O CONHECIMENTO PEDAGÓGICO NA ORGANIZAÇÃO: ESPAÇO DE QUEM?

O CONHECIMENTO PEDAGÓGICO NA ORGANIZAÇÃO: ESPAÇO DE QUEM? O CONHECIMENTO PEDAGÓGICO NA ORGANIZAÇÃO: ESPAÇO DE QUEM? Marlene Fernandes Universidade Luterana do Brasil RESUMO O mundo está em constante transformação, com segmentos funcionais altamente globalizados,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO 2013

EMPREENDEDORISMO 2013 COLÉGIO CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Rua Professor Pedreira de Freitas, 401/415 Fone 2942-1499 Tatuapé ORIENTAÇÕES AO PROJETO DE EMPREENDEDORISMO EMPREENDEDORISMO 2013 APRESENTAÇÃO Empreendedorismo é o estudo

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE Resumo O estudo objetiva discutir os desafios dos cursos de formação de professores frente à inserção

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

A importância da Informática na Educação

A importância da Informática na Educação A importância da Informática na Educação AGUIAR, Juliana Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais FAEG - Rua das Flores, 740 Bairro Labienópolis - CEP 17400-000 Garça (SP) Brasil Telefone

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

UM PROJETO COMO CATALISADOR DA INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE CIÊNCIAS 1

UM PROJETO COMO CATALISADOR DA INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE CIÊNCIAS 1 UM PROJETO COMO CATALISADOR DA INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE CIÊNCIAS 1 Christian Dias Azambuja christian.dias.92@gmail.com Bianca Silveira silveirabianca41@gmail.com Geovânia dos Santos geovania_dos_santos@hotmail.com

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 PROJETO MEU TEMPO DE CRIANÇA Missão Visão Valores Colaborar com a importante tarefa de educar as crianças, nesse momento único de suas jovens vidas, onde os

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos RESUMO Flávia Castro Este artigo tem como finalidade apresentar aos leitores uma breve reflexão sobre o fenômeno do empreendedorismo no Brasil

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação

Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação Valdir Amâncio da Silva 1 Angélica da Fontoura Garcia

Leia mais

Liderança e Gestão Pedagógica: foco nos resultados da aprendizagem dos alunos

Liderança e Gestão Pedagógica: foco nos resultados da aprendizagem dos alunos Liderança e Gestão Pedagógica: foco nos resultados da aprendizagem dos alunos Encontro de Lideranças do PIP - Municipal Belo Horizonte, 05 e 06 de setembro de 2013 Implementação dos CBC Secretaria de Estado

Leia mais

PROJETO XADREZ NA ESCOLA. Palavras-Chave: Xadrez, Ferramenta de Aprendizagem e Matemática.

PROJETO XADREZ NA ESCOLA. Palavras-Chave: Xadrez, Ferramenta de Aprendizagem e Matemática. PROJETO XADREZ NA ESCOLA FERREIRA, Massako Saiki Alves 1 SILVA, Lázaro Fernando Rodrigues 2 Palavras-Chave: Xadrez, Ferramenta de Aprendizagem e Matemática. Introdução O Ensino de Xadrez é defendido por

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO 2009 Renata Araújo Volpe Estudante do curso de Engenharia de Produção (Brasil) Docente orientadora Carla Bittencourt Lorusso Email: revolpe@pop.com.br

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Empreendedores em Informática

Empreendedores em Informática Empreendedores em Informática Introdução Existem riscos e custos para um programa de ação. Mas eles são bem menores que os riscos e custos de longo alcance de uma acomodação confortável. John F. Kennedy

Leia mais

Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor

Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. A maioria absoluta das avaliações obtêm excelentes resultados,

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS SOBRE O CURSO O administrador é um profissional com um mercado vasto, pois é um generalista por natureza e pode trabalhar nas mais diversas áreas. O profissional

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Anais da Semana de Ciência e Tecnologia, Ouro Preto, v. 3, p. 1 352, 2011.

Anais da Semana de Ciência e Tecnologia, Ouro Preto, v. 3, p. 1 352, 2011. PROJETO EMPRESA SIMULADA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA DO CURSO TÉCNICO EM MANUTENÇÃO E SUPORTE EM INFORMÁTICA DO IFMG - UNIDADE JOÃO MONLEVADE NOVAIS JUNIOR, Osvaldo 1 RODRIGUES

Leia mais

O uso do computador na escola sob o olhar de Valente

O uso do computador na escola sob o olhar de Valente O uso do computador na escola sob o olhar de Valente The role of computer use at school through the vision of Valente Carlos Alessandro Barbosa carlosalessandrob@gmail.com Instituto de Ensino Superior

Leia mais

O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB)

O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB) O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB) 076-A3 05/2005 Sônia Regina de Andrade Universidade Regional de Blumenau,

Leia mais

A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL.

A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL. A PEDAGOGIA PROGRESSISTA LIBERTÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL. ALVES, Patrícia Cristina Discente do 7º Período do Curso de Pedagogia da Faculdade

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

Princípios de Liderança

Princípios de Liderança Princípios de Liderança LIDERANÇA E COACH www.liderancaecoach.com.br / liderancaecoach ÍNDICE Liderança Chefe x Líder O que um líder não deve fazer Dicas para ser um líder de sucesso Para liderar uma equipe

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE

ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE Florianópolis - SC Abril 2015 Aline Linhares F. Silveira. IEA e-learning- aline.silveira@iea.com.br

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES Tamiris Andrade Nascimento (Mestranda do Programa Educação Cientifica e Formação de Professores da Universidade

Leia mais

O Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano de Negócios Fabiano Marques Um negócio bem planejado terá mais chances de sucesso que aquele sem planejamento, na mesma igualdade de condições. (Dornelas, 2005) O termo empreendedorismo está naturalmente

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL ISSN 2316-7785 PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Ivanete Zuchi Siple ivazuchi@gmail.com Marnei Mandler mmandler@gmail.com Tatiana Comiotto Menestrina comiotto.tatiana@gmail.com

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais

UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS

UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS www.empreende.com.br emp@empreende.com.br FAZENDO ACONTECER Programa de ensino de empreendedorismo inovador em nível mundial, desenvolvido

Leia mais

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO 1 ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO VOGEL, Deise R. 1 BOUFLEUR, Thaís 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 Palavras chave: Espaços adaptados; experiências;

Leia mais

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você.

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. A HR Academy e a NextView realizaram uma pesquisa focada em geração y, com executivos de RH das principais

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES Dione Nunes Franciscato 1 ;

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO

APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO PAIXÃO LINHARES 1, MARÍLIA e MACEDO REIS 2, ERNESTO 1 Laboratório de Ciências Físicas, UENF 2 Coordenação de Física, CEFET-Campos Palavras

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL

ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL Antonia Maria Gimenes 1, Renato Nogueira Perez Avila 2 Cleiton Riz Aleixo 3, Jakeline da Silva 4 Thayane C. Anjos Afonso 5 RESUMO Este estudo

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB Edital Pibid n 061 /2013 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

Executive MBA. em Liderança e Gestão de RH

Executive MBA. em Liderança e Gestão de RH Executive MBA em Liderança e Gestão de RH B.I. INTERNATIONAL O B.I. International é uma escola de educação executiva que propõe um Modelo Único de Educação. Nossa premissa é desenvolver em cada aluno,

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

O Trabalho Coletivo na Escola

O Trabalho Coletivo na Escola O Trabalho Coletivo na Escola Profa. Dra. Myrtes Alonso 1. A gestão da escola: uma relação pedagógico-administrativa Antes de ingressarmos propriamente no tema enunciado, devemos ter bem claro os modernos

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES CAMARGO, Victor Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva ZUTTIN, Fabiana Docente da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos o Processo sistemático o Análise e resposta aos riscos do projeto o Minimizar as consequências dos eventos negativos o Aumento dos eventos positivos Gerenciamento de Riscos o Principais

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

O PERFIL DO GESTOR ESCOLAR DO MUNICIPIO DE JUSSARA-BA: BREVES REFLEXÕES

O PERFIL DO GESTOR ESCOLAR DO MUNICIPIO DE JUSSARA-BA: BREVES REFLEXÕES O PERFIL DO GESTOR ESCOLAR DO MUNICIPIO DE JUSSARA-BA: BREVES REFLEXÕES RESUMO Cristiane Kuhn de Oliveira Universidade do Estado da Bahia UNEB cristiane-kuhn@hotmail.com O presente artigo expõe os resultados

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Av. Princesa Diana, 760 34000-000 Nova Lima MG Campus Aloysio Faria Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses 34000-000 Nova Lima MG Brasil Campus BH Rua Bernardo Guimarães, 3.071 Santo Agostinho

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 JOGOS COMPUTACIONAIS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES DAS PESQUISAS E DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Regina Célia Grando Universidade São Francisco regina.grando@saofrancisco.edu.br Resumo: No presente

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais