UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ UENP INSTITUTO BRASILEIRO DE THERAPIAS E ENSINO - IBRATE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ UENP INSTITUTO BRASILEIRO DE THERAPIAS E ENSINO - IBRATE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ UENP INSTITUTO BRASILEIRO DE THERAPIAS E ENSINO - IBRATE 1 INCIDÊNCIA DE CICATRIZES HIPERTRÓFICAS E QUELÓIDES EM CIRURGIA CARDÍACA MARIANA ROSALEN BASSETTE TOSCHI CURITIBA 2010

2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ UENP INSTITUTO BRASILEIRO DE THERAPIAS E ENSINO - IBRATE INCIDÊNCIA DE CICATRIZES HIPERTRÓFICAS E QUELÓIDES EM CIRURGIA CARDÍACA Trabalho Final apresentado como requisito parcial à Conclusão do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Fisioterapia Dermato Funcional, sob a orientação da Professora Naudimar di Pietro Simões e co-orientação do Dr Alisson Parrilha Toschi. CURITIBA 2010

3 3 Incidência de cicatrizes hipertróficas e quelóides em cirurgia cardíaca Mariana Rosalen Bassette Toschi Correspondente: Rua Visconde de Mauá, 833, apto 501 Bairro América Joinville-SC CEP Tel: Cel: Endereço eletrônico:

4 4 Resumo Objetivo: Observar a incidência de cicatrizes hipertróficas e quelóides numa população submetida a procedimento cirúrgico cardíaco com toracotomia mediana. Materiais e métodos: Foram estudados prospectivamente 42 pacientes submetidos a cirurgia cardíaca com acesso por toracotomia mediana entre os meses de julho de 2008 e dezembro de O seguimento foi realizado ambulatorialmente por um período de 6 meses. Resultados: Entre os indivíduos estudados, houve dois casos de cicatriz hipertrófica (4,8%) e nenhum caso de quelóide. Os pacientes acometidos apresentavam pele com classes II e III, segundo Fitzpatrick. Não houve casos de infecção ou óbito no grupo observado. Conclusão: A incidência da hipertofrias cicatricias mostrou-se em acordo com a literatura, inclusive em relação a outros processos de injúria tecidual. Os métodos de tratamento revistos são diversos e têm melhores resultados quando utilizados de maneira combinada. Descritores: cirurgia cardíaca, cicatrização, cicatriz hipertrófica, quelóide.

5 5 Abstract Objective: Observe the hypertrophic scars and keloid incidences in a population submitted to cardiovascular procedures with median thoracotomy. Material and method: Forty-two patients submitted to cardiovascular surgery with median thoracotomy access between July and December in 2008 were studied. The outpatient follow up was done during a six months period. Results: Among the studied group, there were two cases of hypertrophic scars (4,8%) and no cases of keloids. The patients with these scars presented class II and III Fitzpatrick's skin classification. Infection or death were not observed in this group. Conclusion: The hypertrophic scars incidence occurred according to the literature, including others processes of tissue injury. The reviewed treatment methods are manifold and have better results when used combined. Keywords: cardiac surgery, wound healing, hypertrophic scar, keloid.

6 6 Introdução Uma cicatrização exagerada foi descrita pela primeira vez no Papiro de Smith ao redor do ano 1700 antes de Cristo [1], porém somente nos anos 1770 em que Retz e em 1802 em que Alibert descreveram defitinitivamente o quadro [2]. A alteração que ocorre na cicatrização da pele é dividida em dois tipos diferentes clinicamente. São eles a cicatriz hipertrófica e o quelóide. A cicatriz hipertrófica é definida como uma lesão elevada que não ultrapassa os limites da ferida, respeitando sua extensão inicial e que apresentam tendência a regressão. Ainda, entre 6 semanas e 6 meses após o fechamento da lesão, a cicatriz hipertrófica torna-se mais deprimida e diminui suas dimensões, embora algumas cicatrizes possam manter seu tamanho durante anos. O quelóide geralmente continua se desenvolvendo durante meses após a lesão inicial, e às vezes por alguns anos, e comumente não apresenta regressão[3]. Na tabela 1, podem ser descritas diferentes características clinicas e patológicas entre a cicatriz hipertrófica e o quelóide [4]. O processo de cicatrização envolve inflamação, proliferação, remodelamento matricial e formação da cicatriz [5]. Após a injúria inicial, uma robusta cascata inflamatória é iniciada, durante os quais muitos dos resultados finais da cicatrização serão definidos. A etiologia e o mecanismo da cicatrização hipertrófica não são completamente entendidos, no entanto sabe-se que existe uma reposta fibroproliferativa exagerada da derme, que cria um desbalanço na síntese de colágeno e degradação da matriz. A frequência de cicatrizes hipertróficas provavelmente é maior que a incidência de quelóides, apesar de não haver estudos estatísticos que comprovem tal fato. Na cirurgia cardíaca, observa-se a ocorrência de ambos tipos de cicatrizes e destaca-se o fato da presença destes ser uma queixa importante nos períodos pós-operatórios. O objetivo deste trabalho foi verificar a incidência de cicatriz hipertrófica e quelóide na população submetida à cirurgia cardíaca no Hospital Nossa Senhora da Salete localizado na cidade de Cascavel - PR. Também aqui foram analisadas as possibilidades hoje existentes para a

7 condução terapêutica das anormalidades cicatriciais citadas. 7

8 8 Materiais e método Foram observados prospectivamente todos os pacientes submetidos a cirurgia cardíaca do Hospital Nossa Senhora da Salete localizado na cidade de Cascavel PR no período compreendido entres os meses de julho de 2008 e dezembro de 2008 sendo realizado o seguimento ambulatorial dos mesmos durante o período pós-operatório de 6 meses. Foram excluídos do grupo observado pacientes submetidos a cirurgia de emergência. A população constituiu-se de 42 indivíduos. Todos os pacientes foram operados na mesma instituição e pelo mesmo grupo cirúrgico utilizando técnica padronizada no serviço de cirurgia cardíaca referido. Todo o grupo foi submetido a preparo pré-operatório seguindo o protocolo da equipe. Este determinava que a todo paciente, deveria ser realizada a higiene corporal com clorexidine degermante a 2% 12 horas antes do procedimento e após tricotomia pré-operatória. A tricotomia compreendia as regiões torácica, abdominal, inguinal e membros inferiores, sendo que a extensão distal variou com o tipo de procedimento a ser realizado. A tricotomia foi feita com tricótomo elétrico e devia ocorrer uma hora antes da cirurgia programada. Todos os pacientes receberam antibioticoprofilaxia com cefalexina uma hora antes da incisão da pele. Uma vez na sala de operações, o paciente sofreu degermação da pele utlizando 2 lavagens consecutivas de clorexidine degermante 2% e clorexidine alcoólico. A campo operatório foi coberto com filme adesivo estéril transparente (SteriDrape ). A incisão da pele foi feita com bisturi com lâmina fria até a secção da derme e seguida com dissecção do tecido subcutâneo utilizando o eletrocautério. A sutura da ferida cirúrgica foi feita em dois planos de fio multifilamentar absorvível de poliglactina (Vicryl ) numero 1 e a derme foi suturada com plano intradérmico de fio monofilamentar de poliglecaprone (Monocryl ) 4-0. O curativo foi coberto com gazes e filme adesivo estéril e mantido até o terceiro dias pós-operatório, sendo trocado somente na presença de excesso de sangramento pela ferida.

9 9 Ainda no período hospitalar, o curativo foi realizado com lavagem da ferida com soro fisiológico 0,9% e coberto com gazes estéreis. A orientação aos pacientes foi que os curativos realizados no período domiciliar deveriam ser realizados no banho diário, seguido de secagem da pele e mantidos descobertos. A observação da evolução cicatricial deu-se no período hospitalar e em seguida nos retornos ambulatoriais dos pacientes no período de seis meses pós-operatórios. O acompanhamento foi realizado pela examinadora durante os retornos dos pacientes com períodos fixos de 30, 60, 90, 120 e 180 dias após a data de realização do procedimento cirúrigico. Seguindo protocolo padronizado, os dados coletados envolviam características das cicatrizes a fim de diferenciá-las entre a evolução cicatricial normal e a patológica, ainda com caracterização do tipo de hipertrofia cicatricial. Dados estes incluem pigmentação, extensão, largura, altura em relação ao nível da pele, alterações a digitopressão e área de localização da alteração em relação a cicatriz inicial. Os casos onde havia alguma alteração na evolução da ferida operatória foram fotografados para análise comparativa do desenvolvimento cicatricial. Os dados obtidos foram catalogados e analisados com a utilização do programa Microsoft Office Excel 2007.

10 10 Resultados Os aspectos demográficos dos pacientes estudados estão descritos na Tabela 2. A população constitui-se em sua média de adultos, com pouca variação da idade. Destaca-se ainda a prevalência do sexo masculino no grupo. Estratificando a população pelo tipo de pele segundo Fitzpatrick [6], observa-se que o número prevalente de indivíduos encontra-se na classe II e III, como já esperado na miscigenação brasileira. Houve poucos indivíduos com diabete melito em tratamento e ainda houve dois pacientes submetidos a operações cardíacas prévias. Quanto as características operatórias, a revascularização do miocárdio isolada foi a cirurgia mais realizada no período (Tabela 3). Não houve reoperações por sangramento no grupo estudado. Nenhum paciente evoluiu com sinais de infecção de ferida operatória ou infecções em outros sítios. Não houve caso de óbito dentre os indivíduos estudados. O seguimento dos pacientes deu-se no período de seis meses pósoperatórios, com seguimento ambulatorial dos mesmos. Neste período, podese observar a formação de cicatriz hipertrófica em dois pacientes 4,8%. Ao sexto mês de evolução, apresentavam estabilização do crescimento do tecido fibroso, sem aparente evolução para quelóide, conforme podemos observar nas fotos dos mesmos (figuras 1 e 2). Estas fotos foram tomadas ao final do seguimento programado. Um paciente apresentava tipo cutâneo II. O segundo paciente apresentava tipo cutâneo III. Este paciente também apresentava diabete melito com tratamento efetivo e controle glicêmico.

11 11 Tabela 1. Diferenças clínicas e patológicas entre cicatriz hipertrófica e quelóide Cicatriz Hipertrófica Quelóide Mais frequente en superficies de flexão (articulacões, abdome) Mais frequente em orelhas, ombros e região pré-esternal Quase sempre em zonas de tensão Não se relacionam diretamente com tensão cutânea Aparece precocemente após a Pode aparecer meses após a cirurgia cirurgia Tamanha relacionado com a lesão Tamanho desproporcional a lesão Limites dentro da cicatriz inicial Limites sobrepassam a cicatriz inicial Tendência a melhorar Não melhora com o tempo de espontaneamente com o tempo evolução Rececidiva rara depois da cirurgia Recidiva frequente após cirurgia

12 12 Tabela 2. Características demográficas Característica Média Desvio Padrão Idade 56,66 ±17,1 Creatinina (mg/dl) 1,053 ±0,43 Hematócrito (%) 41,62 ±4,17 Percentual Número absoluto Classificação de Fitzpatrick I II III IV V 4,8% 50% 42,8% 2,4% 0% IAM recente 9,5% 4 ICC 52,4% 22 IRC 9,5% 4 DM em tratamento 11,9% 5 DPOC 7,1% 3 Abreviações: DM, diabete melito; DPOC, doença pulmonar obstrutiva crônica; IAM, infarto agudo do miocárdio; ICC, insuficiência cardíaca congestiva; IRC, insuficiência renal crônica.

13 13 Tabela 3. Tipos de cirurgias realizadas Tipo Percentual Número absoluto RVM com CEC 50% 21 RVM sem CEC 7,1% 3 TV Mi 4,8% 2 TV Ao 7,1% 3 TV Mi + Ao 4,8% 2 RVM + TV Mi 2,4% 1 RVM + TV Ao 9,5% 4 RVM + Atriosseptoplastia 2,4% 1 Troca de Aorta Ascendente 2,4% 1 Correção de Estenose Subaórtica 2,4% 1 Correção de Anomalia de Ebstein 2,4% 1 Ressecção de Mixoma Atrial 2,4% 1 Ventriculosseptoplastia 2,4% 1 Reoperações 4,8% 2 Abreviações : CEC, circulação extracorpórea; RVM, revascularização do miocárdio; TV Ao, troca valvar aórtica; TV Mi, troca valvar mitral.

14 14 Figura 1. Paciente classe II de Fitzpatrick

15 15 Figura 2. Paciente classe III de Fitzpatrick

16 16 Discussão O objetivo do estudo foi observar a incidência de cicatrizes hipertróficas e quelóides na população submetida a cirurgia cardíaca. Obteve-se o número de dois casos (4,8%) de cicatriz hipertrófica e nenhum caso de quelóide em uma amostra constituída por 42 voluntários. Esta freqüência é compatível com o número encontrado na população em geral [4]. Não houve casos de infecção de ferida operatória, o que poderia ter contribuído para uma maior incidência de alterações cicatriciais [5]. Apesar de a literatura mostrar que as cicatrizes hipertróficas tendem a aparecer em indivíduos com pele mais escuras[7], neste estudo não houve prevalência em determinado tipo cutâneo, porém não houve nenhum voluntário com Fitzpatrick V. O mecanismo de formação das cicatrizes hipertróficas não é totalmente compreendido, contribuindo para não obtermos ainda um tratamento totalmente resolutivo para o processo. A hipertrofia se deve a um acúmulo excessivo de colágeno dérmico, fibronectina, glicosaminogicânicos e aumento da replicação de colágeno. Fibroblastos dérmicos sob a influência de altos níveis persistentes de citocinas fibrogênicas parecem demonstrar um papel crucial na produção matricial. O colágeno das cicatrizes hipertróficas é desorganizado, com aspecto enovelado, diferente da formação paralela tradicional das fibras[5]. Fatores de crescimento e citocinas, como fator de necrose tumoral (TNF)-α, fator de crescimento derivado de plaquetas (PDGF), TGF-β, e fator de crescimento de fibroblasto básico (bfgf), têm um papel importante durante a formação do tecido de granulação e remodelamento da matriz extracelular[8]. Ainda é difícil definir a eficácia dos modelos de tratamento e prevenção das cicatrizes hipertróficas existentes devido a escassez de estudos clínicos comparativos entres os diferentes métodos terapêuticos. Os estudos correntes incluem o uso tópico e intralesional de corticosteróides, 5- fluorouracil, bleomicina, pressoterapia, malha de silicone gel, laserterapia, manejo cirúrgico, radiação e técnicas combinadas.

17 17 O uso de corticosteróides injetáveis intralesionais e tópicos têm sido usados vastamente para o tratamento do quelóide e cicatrizes hipertróficas desde os anos O corticóide mais utilizado em tratamentos é a triancinolona. Seus resultados variam entre 50 e 100% de eficácia quando usado de maneira injetável. A ação dos corticóides ocorre suprimindo a resposta inflamatória e, secundariamente, diminuindo a síntese de colágeno, inibindo o crescimento de fibroblastos e estimulando a degeneração do colágeno. Efeitos colaterais podem ocorrer em até 63% dos pacientes e constituem hipopigmentação ao redor do sítio de injeção, atrofia dérmica, telangectasias, alargamento da cicatriz e atraso na cicatrização [5]. O 5-fluorouracil foi primeiramente descrito na redução de cicatrizes por Fitzpatrick em 1999 [9]. Sua utilização pode ser como agente isolado ou combinado com corticosteróides. Acredita-se que a atuação ocorre inibindo a proliferação de fibroblastos bloqueando a síntese de DNA. Efeitos colaterais incluem hiperigmentação, sensação transitória de queimação e dor [5]. A bleomicina é um antibiótico polipeptídico com atividades antibacterianas, antivirais e antitumorais bem conhecidas. Diversos estudos mostram melhoras significativas de quelóides e cicatrizes hipertróficas tratadas com injeções intralesionais. Esta droga inibe a síntese de colágeno nos fibroblastos dérmicos pela desestimulação do TGF-β1. Também age com incremento na destruição de colágeno pela inibição da lisil-oxidase. Efeitos adversos do tratamento incluem hiperpigmentação e atrofia da derme na pele ao redor da cicatriz tratada [5]. A pressoterapia vem sendo usada no tratamento dos distúrbios cicatriciais desde os anos 1970, ainda que pobre seja a gama de estudos controlados sobre esta terapia. Um consenso existe em aplicar uma pressão ente 25 e 40 mmhg sobre os tecidos lesados. No entanto, o maior estudo controlado e randomizado sobre a pressoterapia inclue 122 pacientes queimados, e não mostrou diferenças significativas na redução de cicatrizes quando comparado com o grupo controle [10]. O uso de curativos com silicone gel tem seu uso difundido desde de sua introdução nos anos 1980, e seus efeitos terêuticos têm sido bem documentados na literatura. Chan et al [11] em um estudo bem desenhado

18 18 demonstrou a efetividade da prevenção do desenvolvimento de cicatrizes hipertróficas em esternotomias medianas. Observando prospectivamente 100 pacientes, o grupo em uso de silicone gel destacou-se com melhores resultados cicatricias em todos os parâmetros utilizados, como pigmentação, vascularização, largura e espessura. O mecanismo de terapêutica ainda não foi estabelecido, porém a hidratação e a oclusão parecem ser os fatores responsáveis, mais do que a propriedade anticicatricial do silicone. Apesar disto, o silicone é largamente utilizado por ser não-invasivo e não demonstrar efeitos colaterais [5]. Os pulsos de laser descolorantes (PLD) são hoje o tipo de escolha em laser para a terapia de distúrbios cicatriciais, reduzindo eritema, volume e textura das cicatrizes. O mecanismo suposto de ação existe no fato da fototermólise gerar trombose e isquemia na microvasculatura das cicatrizes, inibindo, assim, o crescimento de fibroblastos, angiogênse e produção de fatores de crescimento. Devido a baixa penetração do PLD na derme, alguns autores sugerem que este tipo de terapia não seria efetivo em cicatrizes hipertróficas mais espessas [12]. No entanto, por apresentar poucos efeitos colaterais,o PLD têm sido usado como terapia coadjuvante. A radiação é usada principalmente como terapia conjunta com o tratamento cirúrgico dos quelóides e cicatrizes hipertróficas. Acredita-se que esta tenha efeito nos quelóides inibindo a neovascularização e proliferação dos fibroblastos, resultando em um decréscimo no montante de colágeno produzido. A ressecção seguida de radioterapia é o tratamento de escolha nos quelóides graves, com até 73% de regressão da doença em seguimentos de 9,5 anos [13]. Efeitos adversos deste tipo de tratamento incluem hipo e hiperpigmentação, eritema, telangectasia e atrofia. O tratamento cirúrgico inclui diferentes estratégias, não somente aplicáveis após o surgimento da lesão, como também executadas na prevenção do aparecimento de lesões hipertróficas. As técnicas operatórias têm buscado otimizar os procedimentos para realizarem menores invasões ao tórax humano e desta maneira menores incisões torácicas. A cirurgia cardíaca minimamente invasiva pode ser realizada atráves de minúsculas incisões torácicas e ainda aproveitando as linhas de força de pele e linhas

19 19 naturais da anatomia, como na abordagem periareolar (Figura 3)[14]. O uso de suturas monofilamentares também demonstraram levar a uma menor ocorrência de cicatrizes hipertróficas e quelóides em comparação aos fios absorvíveis (P<0,05), podendo ser escolhidos como padrão para sutura intradérmica nas toracotomias [15]. Dentre as modalidades de ressecção de cicatrizes podem-se citar excisão com fechamento linear, excisão com enxerto de pele, zetaplastia, w- plastia e, nos casos mais complexos, excisão com rotação de retalhos. Outras terapias devem ser tentadas antes do tratamento cirúrgico, visto que a maturação das feridas dá-se em pelo menos um ano após o início da cicatrização.neste pertíodo, podem ainda sofrer contratura, achatamento, amolecimento ou repigmentação[5].

20 Figura 3. Cirurgia cardíaca com abordagem periareolar 20

21 21 Considerações Finais Observa-se que em cirurgia cardíaca, a incidência de cicatrizes hipertróficas e quelóides não difere das lesões que ocorrem na população em geral. Os métodos de tratamento, em sua grande maioria, não têm pleno esclarecimento do modo de ação. Do mesmo modo, o completo entendimento da formação das hipertrofias cicatriciais ainda não foi obtido. Propõe-se, desta maneira que deve-se prevenir o aparecimento das lesões teciduais, com menor agressão dos tecidos e, uma vez necessário tratamento, buscar a terapia combinada de mais de um método para melhor obtenção de resultados estéticos e funcionais.

22 22 Bibliografia 1. Berman B, Bieley HC: Keloids. J Am Acad Dermatol 1995; 3: Alibert JLM: Description des maladies de la peau observees a l Hospital Saint-Lauest et exposition des meilleures. Methods suives pour leur traitment. Paris: Barrios l Aine et Fils, 1806; Abla LEF, Ishizuka MMA: Cicatriz hipertrófica e queloideana. In: Manual de Cirurgia Plástica / Lydia Masako Ferreira. 1a ed. São Paulo, Brasil: Editora Atheneu; p Salem C et al. Cicatrices hipertróficas y queloides. Cuad Cir 2002; 16: Reish RG, Eriksson E. Scar treatments: Preclinical and Clinical Studies. J Am Coll Surg 2008; 206(4): Fitzpatrick, T.B. Skin Phototypes 2002, 20th World Congress of Dermatology, Paris, July (Poster # 1788). 7. Rockwell WB, Cohen IK, Ehrlich HP: Keloids and hypertrophic scars: A comprehensive review. Plast Recontr Surg, 84:827-37, Niessen FB, Andriessen MP, Schalkwijk J, et al. Keratinocytederived growth factors play a role in the formation of hypertrophic scars. J Pathol 2001;194: Fitzpatrick RE.Treatment of inflamed hypertrophic scars using intralesional 5-FU. Dermatol Surg 1999;25: Chang P, Laubenthal KN, Lewis RW2nd, et al. Prospective, randomized study of the efficacy of pressure garment therapy in patients with burns. J Burn Care Rehabil 1995;16: Chan KY, Lau CL, Adeeb SM, Somasundaram S, Nasir-Zahari M. A randomized, placebo-controlled, double-blind, prospective clinical trial of silicone gel in prevention of hipertrophic scar development in median sternotomy wound. Plast Reconstr Surg, 2005; 116(4): Hohenleutner U, Hilbert M, Wlotzke U, Landthaler M. Epidermal damage and limited coagulation depth with the flashlamp-pumped pulsed dye laser: a histochemical study. J Invest Dermatol 1995;104: Kovalic JJ, Perez CA. Radiation therapy following keloidectomy: a 20-year

23 23 experience. Int J RadiatOncol Biol Phys 1989;17: Poffo R, Pope RB, Toschi AP, Mokross Ca. Plastia valvar mitral minimamente invasiva videoassistida: abordagem periareolar. Rev Bras Cir Cardiovasc 2009; 24(3): Durakaya S et col. Do Absorbable Sutures Exacerbate Presternal Scarring? Tex Heart Inst J 2005; 32:544-8

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) Enf.ª Cláudia Cristina Castro de Andrade SEC/SCIH devidos créditos! Plágio é Crime! UM POUCO DE HISTÓRIA... Até a metade do século XIX ISC= óbito Joseph Lister,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Ferida cirúrgica 1º Semestre de 2013 Instrutora:

Leia mais

CICATRIZAÇÃO Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio

CICATRIZAÇÃO Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio CICATRIZAÇÃO! Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio Gustavo Rêgo Coêlho Cirurgia do Aparelho Digestivo Transplante de Fígado CICATRIZAÇÃO Aquiles

Leia mais

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida Reparo, formação de cicatriz e fibrose Prof. Thais Almeida Reparo Definição: Restituição incompleta do tecido lesado, com substituição apenas de algumas estruturas perdidas. Quando há acometimento do parênquima

Leia mais

Nota Técnica 125/2014. Betaterapia para tratamento de queloide

Nota Técnica 125/2014. Betaterapia para tratamento de queloide 05/07/2014 Nota Técnica 125/2014 Betaterapia para tratamento de queloide SOLICITANTE :Dra. Luciene Cristina Marassi Cagnin Juíza de Direito de Itajubá - MG NÚMERO DO PROCESSO: 0324.14.007196-4 SOLICITAÇÃO/

Leia mais

Bonelli-Cruz et al. da Universidade Gama Filho, Belo Horizonte, MG.

Bonelli-Cruz et al. da Universidade Gama Filho, Belo Horizonte, MG. OCORRÊNCIA DE CICATRIZES HIPERTRÓFICAS CONSEQUENTES À CIRURGIAS PLÁSTICAS EM PACIENTES DA CIDADE DE BELO HORIZONTE, MINAS GERAIS, BRASIL: ESTUDO PRELIMINAR. OCURRENCE OF HIPERTROPHIC SCARS THAT ARE CONSEQUENCE

Leia mais

Reabilitação e Prevenção de Sequelas na Criança Queimada

Reabilitação e Prevenção de Sequelas na Criança Queimada Reabilitação e Prevenção de Sequelas na Criança Queimada Isabel Seixo, Dina Nunes, Alexandra Castro Serviço de Medicina Física e de Reabilitação Hospital Dona Estefânia Novembro 2011 Queimadura Agressão

Leia mais

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO 1 PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 A CIRCULAÇÃO EXTRACORPOREA NA CIRURGIA CARDÍACA BRASILEIRA: HISTÓRICO, AVANÇOS E DESAFIOS. 2 A DISSECÇÃO AÓRTICA E O TRATAMENTO ENDOVASCULAR 3 A IMPORTÂNCIA DA

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

Silicone gel em cicatrizes de cirurgia plástica: estudo clínico prospectivo

Silicone gel em cicatrizes de cirurgia plástica: estudo clínico prospectivo ARTIGO ORIGINAL Radwanski Vendramin Franco T FS HN et al. et et al. Silicone gel em cicatrizes de cirurgia plástica: estudo clínico prospectivo Silicone gel in plastic surgery scars: a prospective study

Leia mais

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão DRENOS CONCEITO É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão ou podem estar ali presentes. OBJETIVOS DOS DRENOS Permitem

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O USO DE COLAS E O FIO DE NYLON NA SÍNTESE DE PELE EM RATAS

COMPARAÇÃO ENTRE O USO DE COLAS E O FIO DE NYLON NA SÍNTESE DE PELE EM RATAS COMPARAÇÃO ENTRE O USO DE COLAS E O FIO DE NYLON NA SÍNTESE DE PELE EM RATAS Sylverson Porto RASSI¹; Ruffo FREITAS-JR²; Régis Resende PAULINELLI²; Marise Amaral Rebouças MOREIRA³; Mário Silva APPROBATO¹¹;

Leia mais

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio Abordagem da reestenosee oclusões crônicas coronárias Renato Sanchez Antonio Estudos iniciais de seguimento clínico de pacientes com angina estável demonstraram que o percentual de mortalidade aumentou

Leia mais

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SERVIÇO DE CIRURGIA PLÁSTICA HU/UFSC DISCIPLINA DE TÉCNICA OPERATÓRIA E CIRURGIA EXPERIMENTAL - TOCE Úlceras de pressão Profº. Jorge Bins-Ely

Leia mais

VALIDAÇÃO: Enf 1 e 2, CIPE, Ambulatório Central, COMPOPE Graciete S. Marques, Fernanda R. Rodrigues, Priscila Almeida, Paula

VALIDAÇÃO: Enf 1 e 2, CIPE, Ambulatório Central, COMPOPE Graciete S. Marques, Fernanda R. Rodrigues, Priscila Almeida, Paula Revisão: 01 PÁG: 1 CONCEITO Consiste no procedimento de remoção dos fios cirúrgicos com técnica asséptica, o qual pode ser retirada pode ser total ou alternada. FINALIDADE Oferecer a limpeza da incisão

Leia mais

LUZ INTENSA PULSADA FOTOREJUVENESCIMENTO. Princípios Básicos - P arte II. Dra Dolores Gonzalez Fabra

LUZ INTENSA PULSADA FOTOREJUVENESCIMENTO. Princípios Básicos - P arte II. Dra Dolores Gonzalez Fabra LUZ INTENSA PULSADA Princípios Básicos - P arte II FOTOREJUVENESCIMENTO Dra Dolores Gonzalez Fabra O Que é Fotorejuvescimento? Procedimento não ablativo e não invasivo. Trata simultaneamente hiperpigmentações,

Leia mais

PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS

PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS Por Dr.Marcelo Bonanza PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS O que é a aplicação de Plasma Rico em Plaquetas? As Plaquetas são formadas a partir do Megacariócito que tem origem na medula óssea. Cada Plaqueta guarda

Leia mais

A interferência do tipo de excisão na recidiva do quelóide: estudo com dois anos de acompanhamento

A interferência do tipo de excisão na recidiva do quelóide: estudo com dois anos de acompanhamento ARTIGO ORIGINAL A interferência do tipo de excisão na recidiva do quelóide: estudo com dois anos de acompanhamento The interference of excision type in keloid recurrence: a two year follow - up study Felipe

Leia mais

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL. Regeneração, cicatrização e fibrose. http://lucinei.wikispaces.com

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL. Regeneração, cicatrização e fibrose. http://lucinei.wikispaces.com DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL Regeneração, cicatrização e fibrose http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Reparação Tecidual "Processo de reposição do tecido

Leia mais

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Ms. Giovana B. Milani Mestre em Ciências pela FMUSP Pós- Graduada em Fisioterapia Dermatofuncional Pós- Graduada em Aparelho locomotor no esporte

Leia mais

Embora a etiologia das estrias não tenha sido elucidada por completo, podemos citar 4 fatores determinantes para seu aparecimento:

Embora a etiologia das estrias não tenha sido elucidada por completo, podemos citar 4 fatores determinantes para seu aparecimento: REGESTRIL (Butylene Glycol Water Cetyl Hydroxyethylcellulose Rutin Palmitoyl Tripetide-1* Palmitoyl- Tetrapeptide-7 Phaseolus Lunatus (Green Bean) Seed Extract) REDUZ ATÉ 72% DA PROFUNDIDADE E ESTIRAMENTO

Leia mais

TRABALHO PREMIADO PRÊMIO RAUL COUTO SUCENA 2005 EFEITOS DA LUZ INTENSA PULSADA EM SEQÜELAS CICATRICIAIS HIPERCRÔMICAS PÓS-QUEIMADURA

TRABALHO PREMIADO PRÊMIO RAUL COUTO SUCENA 2005 EFEITOS DA LUZ INTENSA PULSADA EM SEQÜELAS CICATRICIAIS HIPERCRÔMICAS PÓS-QUEIMADURA ARTIGO ORIGINAL A aponeurose Luz epicraniana intensa pulsada no Franco segundo em seqüelas T et tempo al. de da queimaduras TRABALHO PREMIADO PRÊMIO RAUL COUTO SUCENA 2005 EFEITOS DA LUZ INTENSA PULSADA

Leia mais

Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização

Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização Professora Daniele Domingues Anatomia da Pele Anatomia da Pele Pele é o maior órgão do corpo humano. É composta por 2 camadas:

Leia mais

Protocolo de Gerenciamento e Conservação do Sangue em Cirurgias Cardíacas Graves e Complexas. Dr. Antonio Alceu dos Santos

Protocolo de Gerenciamento e Conservação do Sangue em Cirurgias Cardíacas Graves e Complexas. Dr. Antonio Alceu dos Santos Protocolo de Gerenciamento e Conservação do Sangue em Cirurgias Cardíacas Graves e Complexas Dr. Antonio Alceu dos Santos Dr. Antonio Alceu dos Santos Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo Não

Leia mais

CARTA DE INFORMAÇÕES

CARTA DE INFORMAÇÕES Caro(a) paciente, CARTA DE INFORMAÇÕES É objetivo tanto do paciente e de familiares como também de seu cirurgião plástico que tudo dê certo com a cirurgia. Para que o paciente não se depare com surpresas,

Leia mais

UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA FCS/ESS

UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA FCS/ESS UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA FCS/ESS LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA PROJECTO E ESTÁGIO PROFISSIONALIZANTE II O PAPEL DO LASER PULSADO DE CONTRASTE NO TRATAMENTO DE CICATRIZES: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA Susana

Leia mais

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA Esclerodermia significa pele dura. O termo esclerodermia localizada se refere ao fato de que o processo nosológico está localizado na pele. Por vezes o termo

Leia mais

FIBROSE: Formação da Fibrose Cicatricial no Pós Operatório e Seus Possíveis Tratamentos.

FIBROSE: Formação da Fibrose Cicatricial no Pós Operatório e Seus Possíveis Tratamentos. CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU CURSO DE ESTÉTICA E COSMÉTICA Gresemar Aparecida Silva Vedat Sevilla RA 5250988 Natalia Matos da Silva RA: 6837127 Coordenadora: Prof. Natalie

Leia mais

Ácidos Graxos Essenciais. Prevenção e Tratamento

Ácidos Graxos Essenciais. Prevenção e Tratamento Ácidos Graxos Essenciais Prevenção e Tratamento AGEs na pele - Histórico 1929 Primeiras alterações ocorridas na pele decorrentes da deficiência de AGEs; (BURN, G.O. & BURN, M.M. - A new deficiency disease

Leia mais

A Estética da Mama CLÍNICA FERNANDO BASTO

A Estética da Mama CLÍNICA FERNANDO BASTO A Estética da Mama A estética da mama responde a costumes étnicos, sociais e culturais. Há não muitos anos, no Brasil as mulheres solicitavam a diminuição do volume do seio, quando a aspiração do inconsciente

Leia mais

Stents farmacológicos e diabetes

Stents farmacológicos e diabetes Stents farmacológicos e diabetes Constantino González Salgado Hospital Pró Cardíaco Realcath-RealCordis HUPE-UERJ DM analisando o problema O Diabetes Mellitus é doença sistêmica de elevada prevalência

Leia mais

Reoperações em Cirurgia Cardíaca: a experiência de 5 anos de um Centro

Reoperações em Cirurgia Cardíaca: a experiência de 5 anos de um Centro Reoperações em Cirurgia Cardíaca: a experiência de 5 anos de um Centro Rui Cerejo, Luís Baquero, Andreia Gordo, Hagen Kahlbau, Nuno Banazol, José Fragata Hospital de Santa Marta Centro Hospitalar Lisboa

Leia mais

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO A IMPORTÂNCIA DOS TRATAMENTOS ESTÉTICOS NO PRÉ E PÓS- OPERATÓRIO DE CIRURGIA DO CONTORNO CORPORAL

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 28 de Fevereiro

Leia mais

REAÇÕES DE PELE Enfermeiro Ricardo Isaias Testoni

REAÇÕES DE PELE Enfermeiro Ricardo Isaias Testoni REAÇÕES DE PELE Enfermeiro Ricardo Isaias Testoni Especialista em Enfermagem Oncológica- Hospital Erasto Gaertner Mestrando em Distúrbios da Comunicação UTP Coordenador do Serviço de Oncologia - Hospital

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

LESOES MENISCAIS Ricardo Yabumoto Curitiba, 09 de Abril de 2007 Introdução Forma aproximada de C Integram o complexo biomecânico do joelho Servem de extensões da tíbia para aprofundar as superfícies articulares,

Leia mais

Efeitos Biológicos do Ultra-som Terapêutico

Efeitos Biológicos do Ultra-som Terapêutico Painel Setorial de Equipamentos de Fisioterapia por Ultra-som Efeitos Biológicos do Ultra-som Terapêutico Prof. Dr. Rinaldo R J Guirro Programa de Pós-graduação em Fisioterapia Universidade Metodista de

Leia mais

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais?

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Trocando Idéias XIV - 2009 VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Walquíria Quida Salles Pereira Primo Doutorado e Mestrado UnB Professora da Pós-graduação UnB Unidade de Ginecologia

Leia mais

CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido

CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido Eu, RG n solicito e autorizo o Dr. Fausto A. de Paula Jr, CRM-SP 103073, medico otorrinolaringologista,

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

Keloids in adolescence: searching

Keloids in adolescence: searching QUELOIDES RELATOS DE NA CASOS ADOLESCÊNCIA: A BUSCA... Herscovitz et al. RESUMO Queloides na adolescência: a busca pelo melhor tratamento Keloids in adolescence: searching for the best treatment Queloides

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Antonio Quaresma de Melo Neto NOVAFAPI Marcos Maciel Soares e Silva NOVAFAPI Marcelo

Leia mais

MAPEAMENTO ELETROANATOMICO NA ABLAÇÃO. Cristiane Miranda Hospital São Lucas - RJ

MAPEAMENTO ELETROANATOMICO NA ABLAÇÃO. Cristiane Miranda Hospital São Lucas - RJ MAPEAMENTO ELETROANATOMICO NA ABLAÇÃO Cristiane Miranda Hospital São Lucas - RJ Técnica da ablação Ao final do período, 66% dos pacientes tratados com ablação permaneceram livres dos sintomas, contra 16%

Leia mais

CICATRIZES HIPERTRÓFICAS E QUELÓIDES

CICATRIZES HIPERTRÓFICAS E QUELÓIDES ARTIGO DE REVISÃO Franco T et al. CICATRIZES HIPERTRÓFICAS E QUELÓIDES Hypertrophic scars and keloids CARLUZ MIRANDA FERREIRA 1, EVALDO ALVES D ASSUMPÇÃO 2 RESUMO Os autores fazem uma revisão da literatura

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5

Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5 Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5 Tabela 01 - Pacientes de Cirurgia Cardíaca - Principais Características Clinicas - Gênero (n, %) Masculino 473 68,55 Feminino 217 31,45 Idade (anos) (média ± DP) 60,78

Leia mais

Retinopatia Diabética

Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética A diabetes mellitus é uma desordem metabólica crónica caracterizada pelo excesso de níveis de glicose no sangue. A causa da hiper glicemia (concentração de glicose igual ou superior

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

TUMORES DO PÉNIS: Cirurgia Minimamente Invasiva. Pedro Eufrásio. Serviço de Urologia Centro Hospitalar Tondela-Viseu

TUMORES DO PÉNIS: Cirurgia Minimamente Invasiva. Pedro Eufrásio. Serviço de Urologia Centro Hospitalar Tondela-Viseu TUMORES DO PÉNIS: Cirurgia Minimamente Invasiva Pedro Eufrásio Serviço de Urologia Centro Hospitalar Tondela-Viseu INTRODUÇÃO Tumor do pénis é raro. Variabilidade geográfica. 95% são carcinomas espinho-celulares.

Leia mais

Cristiana Andreia Rodrigues Tavares

Cristiana Andreia Rodrigues Tavares Cristiana Andreia Rodrigues Tavares Técnicas de Recobrimento Radicular Universidade Fernando Pessoa Faculdade de Ciências da Saúde Porto, 2013 Cristiana Andreia Rodrigues Tavares Técnicas de Recobrimento

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

Histórico Diagnóstico Indicações Tratamento cirúrgico Resultados e Complicações

Histórico Diagnóstico Indicações Tratamento cirúrgico Resultados e Complicações Valvulopatias Cardíacas II - Visão Cirúrgica Insuficiência Mitral Histórico Diagnóstico Indicações Tratamento cirúrgico Resultados e Complicações Prof. Dr. Jehorvan L. Carvalho História Existem relatos

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Dra. Maria Odila Jacob de Assis Moura Centro de Hematologia de São Paulo Setembro/2006 Guidelines 1980 National Institutes of Health 1984 American

Leia mais

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula Fratura da Clavícula Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia O osso da clavícula é localizado entre o

Leia mais

Hiperbárica São Paulo

Hiperbárica São Paulo ESTUDO DE CASOS L.M 28 anos, portador da lesão infectada, em região patelar esquerda, com múltiplos abscessos e sub-cutâneo, com stafilococcia. Foto 1: L.M 28 anos, portador da lesão infectada, em região

Leia mais

FORMAÇÃO DA FIBROSE CICATRICIAL NO PÓS-CIRÚRGICO DE CIRURGIA ESTÉTICA E SEUS POSSÍVEIS TRATAMENTOS: artigo de revisão 1

FORMAÇÃO DA FIBROSE CICATRICIAL NO PÓS-CIRÚRGICO DE CIRURGIA ESTÉTICA E SEUS POSSÍVEIS TRATAMENTOS: artigo de revisão 1 FORMAÇÃO DA FIBROSE CICATRICIAL NO PÓS-CIRÚRGICO DE CIRURGIA ESTÉTICA E SEUS POSSÍVEIS TRATAMENTOS: artigo de revisão 1 Tauana Sofia Vieira 2 Daisy Janice Aguilar Netz 3 Resumo: A procura por cirurgias

Leia mais

TEMAS LIVRES PÔSTERS APROVADOS DO XII CONGRESSO SERGIPANO DE CARDIOLOGIA. Observação:

TEMAS LIVRES PÔSTERS APROVADOS DO XII CONGRESSO SERGIPANO DE CARDIOLOGIA. Observação: TEMAS LIVRES PÔSTERS APROVADOS DO XII CONGRESSO SERGIPANO DE CARDIOLOGIA Observação: Exposição dos temas livres TL 01 a TL 21 sexta de 08h as 12h, com apresentação 09:45h Exposição dos temas livres TL

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

PT IMPLANTES FACIAIS 1

PT IMPLANTES FACIAIS 1 PT IMPLANTES FACIAIS 1 2 PAIXÃO INSPIRANDO A CIÊNCIA. 3 SILIMED HÁ 35 ANOS LANÇANDO AS NOVAS GERAÇÕES DE IMPLANTES DE SILICONE NO MUNDO. Criada em 1978, no Rio de Janeiro, a Silimed atende as áreas de

Leia mais

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho Dr. Gustavo Santos Tudo Exige Preparo Para a guerra Para o sexo Para o banho Falhar em se preparar é preparar-se para falhar Benjamin Franklin Preparo Pré-Operatório: Por Quê? Identificar problemas não-conhecidos

Leia mais

16/03/12 INTRODUÇÃO OBJETIVO MATERIAL E MÉTODOS MATERIAL E MÉTODOS

16/03/12 INTRODUÇÃO OBJETIVO MATERIAL E MÉTODOS MATERIAL E MÉTODOS PROFILAXIA ANTIBIÓTICA EM CIRURGIA DE TERCEIROS MOLARES (Antibioticoterapia profilática) Mestrandos: Érika Maria Carvalho Bitencourt Iury Oliveira Castro Rafaella Mosquera Chaves Thiago Oliveira Sousa

Leia mais

CIRURGIA TORÁCICA Prof. André Lacerda de Abreu Oliveira- MV, Msc,PhD Prof. de Cirurgia da UENF INTRODUÇÃO

CIRURGIA TORÁCICA Prof. André Lacerda de Abreu Oliveira- MV, Msc,PhD Prof. de Cirurgia da UENF INTRODUÇÃO Page 1 of 6 CIRURGIA TORÁCICA Prof. André Lacerda de Abreu Oliveira- MV, Msc,PhD Prof. de Cirurgia da UENF INTRODUÇÃO A cirurgia torácica em pequenos animais não tem sido realizada com rotina na prática

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11 Componente Curricular: Tratamento Pré e Pós Operatório Código: -- Pré-requisito: --

Leia mais

THE NEW ENGLAND JOURNAL OF MEDICINE A P R E S E N T A Ç Ã O : D R. L E A N D R O M A N D A L O U F A S

THE NEW ENGLAND JOURNAL OF MEDICINE A P R E S E N T A Ç Ã O : D R. L E A N D R O M A N D A L O U F A S THE NEW ENGLAND JOURNAL OF MEDICINE PERCUTANEUS REPAIR OR SURGERY FOR MITRAL REGURGITATION EVEREST II=ENDOVASCULAR VALVE EDGE-TO-EDGE REPAIR STUDY A P R E S E N T A Ç Ã O : D R. L E A N D R O M A N D A

Leia mais

DELIBERAÇÃO COREN-MG -65/00

DELIBERAÇÃO COREN-MG -65/00 DELIBERAÇÃO COREN-MG -65/00 Dispõe sobre as competências dos profissionais de enfermagem na prevenção e tratamento das lesões cutâneas. O Conselho Regional de Enfermagem de Minas Gerais, no exercício de

Leia mais

A importância da Albumina Sérica no processo de cicatrização de feridas

A importância da Albumina Sérica no processo de cicatrização de feridas A importância da Albumina Sérica no processo de cicatrização de feridas III SIMPÓSIO SOBRE FERIDAS E ESTOMAS EM PACIENTES ONCOLÓGICOS Letícia Faria Serpa A albumina é uma proteína presente em grande concentração

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR Coordenadores: Drs. Clerio Azevedo e Marcelo Hadlich 1. Objetivos do Programa Proporcionar, aos pós-graduandos, formação especializada

Leia mais

TEMA: FINGOLIMODE NA ESCLEROSE MÚLTIPLA

TEMA: FINGOLIMODE NA ESCLEROSE MÚLTIPLA NTRR 253/2013 Solicitante: Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Data: 13/12/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 1.0702.13.078195-9/001 TEMA: FINGOLIMODE

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada Introdução Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada BI + Albumina Hepatócitos Bilirrubina Direta (BD) ou conjugada Canalículos biliares Duodeno

Leia mais

Manejo da terapia antitrombótica em pacientes submetidos a procedimentos invasivos ou cirurgia

Manejo da terapia antitrombótica em pacientes submetidos a procedimentos invasivos ou cirurgia Manejo da terapia antitrombótica em pacientes submetidos a procedimentos invasivos ou cirurgia EULER MANENTI MD PhD FACC Ins2tuto de Medicina Cardiovascular Sistema de Saúde Mãe de Deus Porto Alegre Conflito

Leia mais

GUIA DO PACIENTE. Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica. O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas

GUIA DO PACIENTE. Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica. O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas GUIA DO PACIENTE Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas Sistema de Estabilização Dinâmica Dynesys O Sistema Dynesys

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR Maria de Fátima Leandro Marques¹; Suely Aragão Azevêdo Viana² ¹ Bióloga do Centro de Assistência Toxicológico do Hospital

Leia mais

Boletim Científico. Preditores de disfunção ventricular esquerda, após plastia mitral: efeitos da fibrilação atrial e hipertensão pulmonar.

Boletim Científico. Preditores de disfunção ventricular esquerda, após plastia mitral: efeitos da fibrilação atrial e hipertensão pulmonar. Boletim Científico SBCCV 01/09/2014 Número 04 Preditores de disfunção ventricular esquerda, após plastia mitral: efeitos da fibrilação atrial e hipertensão pulmonar. Predicting early left ventricular dysfunction

Leia mais

Adenocarcinoma de Esôfago como conseqüência de Esôfago de Barret

Adenocarcinoma de Esôfago como conseqüência de Esôfago de Barret Adenocarcinoma de Esôfago como conseqüência de Esôfago de Barret Serviço de Cirurgia Geral III Dr Antônio Borges Campos Denissa F. G. Mesquita Extensionista da Cir. do Ap. Digestório Samuel Luz Moreno

Leia mais

Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia*

Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia* UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE EXTENSÃO E CULTURA Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia* VIEIRA,Denise Ferreira 1 ; SOARES,Mariana

Leia mais

Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas

Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas Aécio Flávio Meirelles de Souza Mestre em Gastroenterologia pelo Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas em Gastroenterologia (IBEPEGE). São Paulo, SP Professor

Leia mais

MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA

MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA A mastoplastia (mastoplastia) redutora é uma das cirurgias mais realizadas em nosso país, abrangendo uma faixa etária a mais variada possível, desde a adolescência até

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS Taís Lopes Saranholi Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: tais_saranholi@hotmail.com Cássia Marques da Rocha Hoelz E-mail: cassiarocha@bauru.sp.gov.br

Leia mais

CICATRIZAÇÃO HIPERTRÓFICA E QUELÓIDES: REVISTA DE LITERATURA E ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO

CICATRIZAÇÃO HIPERTRÓFICA E QUELÓIDES: REVISTA DE LITERATURA E ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO CICATRIZAÇÃO HIPERTRÓFICA E QUELÓIDES: REVISTA DE LITERATURA E ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO Hypertrofic Scars and Keloids: a review of the literature and treatment strategies Recebido em 08/2004 Aprovado

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE

Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL MARCELO DAS CLÍNICAS ARNONE FMUSP AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL DAS CLÍNICAS FMUSP Moduladores de

Leia mais

Ligamento Cruzado Posterior

Ligamento Cruzado Posterior Ligamento Cruzado Posterior Introdução O Ligamento Cruzado Posterior (LCP) é classificado como estabilizador estático do joelho e sua função principal é restringir o deslocamento posterior da tíbia em

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Disciplina de Cardiologia Comentários e texto final do Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho

Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Disciplina de Cardiologia Comentários e texto final do Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Disciplina de Cardiologia Comentários e texto final do Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho Losartan e a Prevenção de Aneurisma de Aorta Habashi

Leia mais

DISFUNÇÕES CICATRICIAIS HIPERPROLIFERATIVAS: CICATRIZ HIPERTRÓFICA

DISFUNÇÕES CICATRICIAIS HIPERPROLIFERATIVAS: CICATRIZ HIPERTRÓFICA 1 Artigo de Revisão DISFUNÇÕES CICATRICIAIS HIPERPROLIFERATIVAS: CICATRIZ HIPERTRÓFICA Bernardo Hochman 1 Carlos Koji Ishizuka 2 Lydia Masako Ferreira 3 Leonardo Quicoli Rosa de Oliveira 4 Rafael Fagionato

Leia mais

Um novo conceito em peeling sequencial. Prof.Ms.Edivana Poltronieri Fisioterapeuta Dermato-Funcional e Esteticista

Um novo conceito em peeling sequencial. Prof.Ms.Edivana Poltronieri Fisioterapeuta Dermato-Funcional e Esteticista Um novo conceito em peeling sequencial Prof.Ms.Edivana Poltronieri Fisioterapeuta Dermato-Funcional e Esteticista O QUE É O PEELING 3D? Método diferenciado e patenteado de peeling superficial sequencial

Leia mais

MASTOPLASTIA ESTÉTICA DE AUMENTO

MASTOPLASTIA ESTÉTICA DE AUMENTO MASTOPLASTIA ESTÉTICA DE AUMENTO A mama é considerada um dos grandes símbolos da feminilidade, pois além de ser uma das partes mais sensuais do corpo feminino, também está fortemente ligada a maternidade.

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia AFECÇÕES CIRÚRGICAS DO ESÔFAGO Carmen Helena de Carvalho Vasconcellos DIAGNÓSTICO DA DOENÇA ESOFÁGICA SINAIS CLÍNICOS Regurgitação Disfagia, dificuldade de preensão Ptialismo Tosse, estertores Dispnéia

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Figura 1: Radiografia de tórax realizada em decúbito dorsal Enunciado MHS, sexo feminino, 63 anos, foi atendida no Centro de Saúde de seu novo bairro. Apresentava

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Nefrolitotripsia Percutânea

Nefrolitotripsia Percutânea Nefrolitotripsia Percutânea A cirurgia renal percutânea é a forma menos agressiva de tratamento para cálculos renais grandes e que não podem ser tratados adequadamente pela fragmentação com os aparelhos

Leia mais

LASER. Prof. Gabriel Villas-Boas

LASER. Prof. Gabriel Villas-Boas LASER Prof. Gabriel Villas-Boas INTRODUÇÃO O termo Laser constitui-se numa sigla que significa: Amplificação da Luz por Emissão Estimulada da Radiação. Esta radiação é constituída por ondas eletromagnéticas,

Leia mais