ESCOLA DE MÚSICA E BELAS ARTES DO PARANÁ FUNDAÇÃO ARAUCÁRIA PROGRAMA DE INICIAÇÃO A PESQUISA CIENTÍFICA KATHERINY MENDES BATISTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA DE MÚSICA E BELAS ARTES DO PARANÁ FUNDAÇÃO ARAUCÁRIA PROGRAMA DE INICIAÇÃO A PESQUISA CIENTÍFICA KATHERINY MENDES BATISTA"

Transcrição

1 ESCOLA DE MÚSICA E BELAS ARTES DO PARANÁ FUNDAÇÃO ARAUCÁRIA PROGRAMA DE INICIAÇÃO A PESQUISA CIENTÍFICA KATHERINY MENDES BATISTA RETRATOS DO HÁBITO O CORPO COMO REPRESENTAÇÃO DO SUJEITO CURITIBA PR 2011

2 ESCOLA DE MÚSICA E BELAS ARTES DO PARANÁ FUNDAÇÃO ARAUCÁRIA PROGRAMA DE INICIAÇÃO A PESQUISA CIENTÍFICA KATHERINY MENDES BATISTA RETRATOS DO HÁBITO O CORPO COMO REPRESENTAÇÃO DO SUJEITO Pesquisa apresentada ao Departamento de Artes Visuais da Escola de Música e Belas Artes do Paraná, pelo programa de desenvolvimento à pesquisa científica da Fundação Araucária, sob a orientação da Profª. Drª. Bernadette Panek. CURITIBA-PR

3 SUMÁRIO Introdução Identificação de gênero feminino Símbolos no campo social e artístico Corpo como meio estruturante das ações vivenciadas Vídeo Arte Considerações Finais Referências Bibliográficas Anexos

4 Introdução A arte tem que ser uma ferramenta para conectar ou questionar ou criar consciência no público, como qualquer outra coisa. Marina Abramovic O interesse em estudar a manifestação do feminino no meu dia-a-dia e nas artes surgiu quando minha feminilidade foi questionada por não aderir a certos estereótipos do universo da mulher. Por meio do estudo social e comportamental do homem, considerando a teoria da coesão social de Durkhein, e da análise da obra de artistas contemporâneos como Louise Bourgeois, foi possível identificar quais são os símbolos de nossa sociedade ocidental que se relacionam com o feminino. Quais deles atuam no meu universo. E como através das mídias contemporâneas estes estereótipos interferem na percepção, concepção e construção do gênero feminino. No Capítulo I trato da identificação de gênero feminino por meio das ideias do sociólogo Durkhein e utilizo o trabalho de Louise Bourgeois para analisar o perfil da mulher contemporânea. No Capítulo II identifico quais símbolos no meio social e artístico estão relacionados ao universo da mulher e como estes símbolos interferem na construção do feminino. Utilizo as fotografias da artista Cindy Sherman como referencial. Em suas fotos ela questiona os ideais de beleza. No Capitulo III eu trato da relação entre o feminino, o corpo e a imagem. Descrevo a experiência de usar o corpo como um suporte, tanto na vídeo-arte como no trabalho fotográfico, a partir das relações que Lygia Clark estabelece entre o objeto e o corpo. No Capitulo IV eu descrevo os processos de desenvolvimento do vídeo. E no Capitulo V faço as considerações finais sobre minha experiência com a pesquisa, até que ponto pude desenvolvê-la e meus interesses futuros neste assunto. 4

5 1 Identificação de gênero feminino Você pode aguentar qualquer coisa, desde que a ponha no papel, tem de fazer para poder segurar. Louise Bourgeois Ao longo da pesquisa levanto uma série de reflexões sobre o meu posicionamento frente ao universo da mulher. Dessa forma interpreto as sensações que a figura masculina de meu pai manifesta na minha personalidade. Para mim, o corpo se tornou um universo que abriga e transmuta as sensações do meu dia-a-dia. Tais entendimentos só se tornaram possíveis, através do estudo do termo gênero. Considero a problemática de gênero pela perspectiva do sociólogo Émilie Durkheim, ( ). O qual é considerado um dos criadores da sociologia moderna e reconhecido teórico no conceito da coesão social. Na sociologia a coesão social é o estudo do desenvolvimento e comportamento do humano quando em sociedade. 1 Em sua teoria o sociólogo estabelece a existência de uma consciência individual. Ela é designada às emoções, às memórias e às ações que se limitam somente ao próprio bem estar do indivíduo, como se alimentar e vestir-se por exemplo. Durkheim também estabelece a existência de uma consciência que chama de coletiva. A qual significa a assimilação pelo indivíduo de uma série de normas, princípios morais, religiosos, éticos e de 1 DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico.sp, Ed. Martin Claret, 2002.Pg.91 5

6 comportamento, que permitem a conduta do indivíduo na sociedade. A essa série de princípios, Durkheim chamou de fatos sociais. Em minha pesquisa evidencio um dos fatos sociais, em que o sociólogo analisa as questões referentes à compreensão de gênero. Para Durkheim gênero é a diferença sexual entre os seres 2. Ele parte do princípio lógico de que o homem é o gênero masculino e a mulher é o gênero feminino. Esta pesquisa porém pretende tratar, a princípio, do feminino enquanto elemento que independe do sexo. Isto é, a identificação social de um feminino, através da compreensão de elementos visuais, como os tons de cor, que variam do azul ciano ao carmim, as formas que podem expressar delicadeza e as que possuem sinuosidades. Como também elementos sensitivos, como os gestos e as ações. Estes elementos podem se manifestar tanto no homem, quanto na mulher contribuindo na construção de uma identidade feminina. Considero o perfil da mulher contemporânea e sua repercussão nas artes plásticas fazendo uma análise dos trabalhos da artista Louise Bourgeois ( ), francesa radicada em Nova York. O modo como Louise exterioriza suas memórias serve como fundamentação para as discussões que serão levantadas referentes ao sujeito feminino e seu universo. O trabalho da artista reflete a densidade de suas emoções enquanto filha, mulher e artista. Sua obra fortemente autobiográfica segue pulsões que por vezes se confrontam, tais como a solidão, a família, o medo, a ternura, a proteção e a agressão. É na escultura que ela encontra um corpo para abrigar o seu sujeito. Em sua obra Ode à ma mère (1995), uma série de nove águas-fortes, a qual vem acompanhada de um texto, a artista desenvolve representações de aranhas. Em tal momento ela expressa as relações que estabelece entre a aranha e sua própria mãe: Minha melhor amiga era minha mãe. Ela era decidida, inteligente, paciente, tranquilizadora, racional, delicada, refinada, indispensável, ordenada e útil, como uma aranha 3. Além disso, Louise escreve sobre este aracnídeo como um símbolo supremo da infinidade da vida, que se renova constantemente. Assim como uma teia de aranha que é tecida pouco a pouco. Em entrevista ao Museu de Cincinnati (1997) 3, a artista fala sobre sua obra Maman (1999), uma aranha feita em bronze, de escala monumental. 2 DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico.sp, Ed. Martin Claret, 2002.Pg.10 3 Entrevista á Louise Bourgeois. Ohio: The fact Museum Cincinnati, 1997, s/n. 6

7 Mamam Louise Bourgeois - National Gallery of Canada, Revela assim, que sua escultura, transmite tanto a sensação de proteção e acolhimento quanto de ataque. Bourgeois acomoda sob algumas de suas Aranhas, uma estrutura feita de tela metálica e retalhos de tapeçaria antiga. Dentro dessa estrutura existe uma cadeira que está posicionada em abaixo do centro da aranha. Ao ver essa obra exposta no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (nov./2011), pude compreender a natureza das sensações que a artista procurou transmitir. Falo do acolhimento e o do ataque. A grade de metal que cerca a cadeira junto às tapeçarias, cria no espaço, um tempo de memórias. Creio que os retalhos de tapeçaria fazem menção a sua infância e família, afinal Louise morava com sua família no interior de Paris, onde possuíam uma oficina de restauração de tapetes que era gerenciada pela mãe. Seu pai, Louis Bourgeois passava mais tempo em Paris gerenciando a galeria de tapetes. Por meio da tela de metal, das tapeçarias, e do posicionamento da cadeira, Louise traz ao observador um sentimento de desconforto. As sensações de dor, de buscar as memórias, de transmitir a angustia e ao mesmo tempo a calma são recorrentes na obra. Em suas representações da aranha, Louise muitas vezes a trata como sendo sua própria mãe. A obra da Aranha, a qual tive a oportunidade de ver na exposição no MAM/RJ, associei ao texto de Bourgeois da obra Ode à ma mère, quando a artista trata da comparação entre a aranha e sua mãe e de suas próprias memórias. Nesse momento, percebi que a aranha abraça e protege a própria Louise por entre suas patas de mais de dois metros cada. A obra é perturbadora, aliás naquela cadeira a única pessoa que pode ali sentar é a própria artista. Na verdade, Bourgeois cria um ninho de proteção, tem a cadeira e a grade que separa a artista do mundo exterior, não basta apenas a grade de proteção ainda existe a aranha. 7

8 Em sua infância Louise teve de deixar o Lycée Fénelon, liceu de estudos, para ajudar na oficina de sua mãe, desenhando os tapetes e aprendendo a manusear a lã e os pigmentos. Só mais tarde ingressou na Sorbonne para realizar uma graduação em geometria e filosofia. Estes estudos influenciaram fortemente seu trabalho por toda a vida. Tanto através da geometria na construção e ordenação do espaço, como em seus estudos psicanalíticos. A artista expressa em sua obra o interesse por exorcizar suas memórias, emoções e pensamentos. A manifestação do masculino é muito recorrente em seu trabalho. Através de escritos e também nas esculturas com formas fálicas como Sleep 2, e Destruction of the Father Bourgeois trabalha intensamente por meio de metáforas a relação que existe entre ela e seu pai. Sleep II Louise Bourgeois Mam RJ 2011 Destruction of the Father Louise Bourgeois Mam-RJ 2011 Toda sua obra, como menciona em um de seus escritos psicanalíticos é um pedido de desculpas ao pai. 4 O medo do abandono e a rejeição pela figura masculina é uma presença constante. O Abandono ao qual ela mesma considera estar relacionado às frequentes ausências do pai, devido à guerra, ao trabalho e as amantes. Em um texto de seu diário ela se compara ao pai: Meu padrão de me apaixonar é o mesmo de meu pai em busca de compaixão. Em ambos os casos nos entregamos completamente, em ambos os casos é uma espécie de oração patética. E então tanto eu como meu pai nos sentimos rejeitados. Há um terrível sentimento de frustração e às vezes ódio. 5 Louise amava seu pai, e sentia culpa pelo sofrimento que ele causava a sua mãe. Não queria amar o homem que nunca estava presente. 4 BOURGEOIS, Louise. O Retorno do Desejo Proibido Escritos Psicanalíticos. SP, Instituto Othake, LB-0029 p.5 5 BOURGEOIS, Louise. O Retorno do Desejo Proibido Escritos Psicanalíticos. SP, Instituto Othake, LB-0450 p.29 8

9 Em meu trabalho também desenvolvo minha relação com a figura masculina paterna. A qual teve grande importância durante minha formação. Primeiramente na construção de um ideal feminino. E mais tarde na exigência em manter esse ideal. Como sempre, meu pai e eu fomos muito próximos, posso dizer que todos os questionamentos que uma menina tem na adolescência e pergunta à mãe, na minha vida foram respondidos por ele, meu pai. A figura de minha mãe sempre foi para mim a de uma pessoa forte e independente. No entanto ao se tratar de assuntos mais íntimos, eu sempre a vi como uma mulher recatada. Que preservava ao máximo sua integridade, e a pureza feminina. Meu pai era o homem, era o liberal, conversávamos de igual para igual, para mim ele parecia mais real do que ela. O divórcio de meus pais não prejudicou nossa relação. E assim eu cresci desenvolvendo pensamentos e valores muito próximos aos dele. Meu pai foi claro ao me dizer uma vez que enquanto mulher eu deveria seguir os seguintes valores: ser inteligente, culta, persistente, me dar ao respeito, ser forte e acreditar em mim. No entanto só mais tarde percebi que estes valores só lhe interessavam enquanto lhe convinha a minha dependência. No momento em que contrariei sua posição, e decidi ganhar autonomia nas minhas decisões, comecei a manifestar no modo de ser, vestir e falar, um perfil de mulher diferente do que ele esperava que eu fosse. Sua reação foi de desaprovação. Na verdade, avaliou minha feminilidade. Compreendi, nesse momento, que a imagem que meu corpo manifestou, projetou um estereótipo de sujeito. Esse fato gerou em mim o interesse pelo estudo de gênero, então procurei entender quais são esses símbolos conectados às questões do feminino e do masculino. E como se manifestam na construção de uma identidade feminina. Assim por meio da produção fotográfica e de um vídeo-experimental tenho a intenção de desconstruir essa identidade feminina. Desejo para mim, assim como Bourgeois deseja em sua obra, eliminar o supérfluo, a fim de estabelecer relações nítidas e fundamentais. Interpreto essa frase como sendo a busca em compreender a manifestação do meu feminino que independe de elementos externos para existir. Enquanto mulher eu compreendo que possuo a feminilidade no âmago interior. Porém é comum que as mulheres se esqueçam disso. E coloquem a feminilidade como dependente da existência de elementos externos, supérfluos. Digo, a mulher deve perceber que sem usar o salto alto, sem estar de saias, 9

10 mesmo sem cabelo, ainda é mulher. Acredito que essa compreensão de si, é o que estabelece as relações nítidas e fundamentais que Louise Bourgeois cita. No trabalho audiovisual utilizo filmagens antigas da minha família, situações como uma viagem no fim de semana, o meu aniversário de três anos, uma festa na escola. Essas imagens quando apresentadas não seguem uma linearidade. A intenção do vídeo é transportar quem o assiste para o meu universo pessoal onde memórias de família e ações do cotidiano atual se fundem na construção do meu sujeito. 2 Símbolos no campo social e artístico "Todos somos vulneráveis de alguma maneira, todos somos homem-mulher" Louise Bourgeois Sigo com a perspectiva da coesão social de Durkheim, cuja teoria trata do estudo comportamental do homem quando em sociedade. A teoria leva em consideração as questões políticas, sociais e econômicas da localidade onde o ser humano vive. Através de uma análise social busco identificar quais são os símbolos de nossa sociedade ocidental que se relacionam com o feminino, quais deles atuam no meu universo e como através das mídias contemporâneas eles interferem na percepção, concepção e construção do feminino. Através de uma análise da situação social da mulher ocidental, percebo que as mulheres hoje ocupam as mesmas funções dos homens. Mesmo não sendo remuneradas da mesma forma sustentam famílias sozinhas. Em comparação a décadas passadas, o número de mulheres que buscam sua independência aumentou. Possuem leis em sua defesa e lutam pelo respeito ao seu corpo. Diferente das gerações passadas onde a mulher não tinha voz e suas escolhas eram feitas primeiramente pelo pai e depois pelo marido. Algumas mulheres hoje se sentem preparadas para enfrentar o mundo sem que o homem as ajude. Essa força feminina se tornou clara para mim já na infância, quando meus pais se divorciaram. Eu continuei morando com minha mãe, que foi referência de proteção e determinação. Eu a via cuidando de mim e de minha irmã, da casa, das contas, trabalhando e ainda assim disposta a nos ver crescer. Eu a via como uma super-mulher que era capaz de tudo. Minha mãe até hoje é uma mulher vaidosa. Lembro-me de quando era mais nova, as 10

11 unhas dela sempre estavam impecáveis, variavam nas semanas, do rubi ao rosa claro. Também variava o tom do seu cabelo, que foi loiro, ruivo e castanho até ela se encontrar no tom natural. Recordo que quando eu era mais nova ela escova o meu cabelo antes de dormir para deixá-lo macio. No verão ela sempre estava de saia ou vestido estampado. Dizia-me para não ralar as pernas, para evitar cicatrizes. Até hoje ela é adepta aos hidratantes e filtros do sol e repete como em um mantra que eu devo proteger o rosto e as mãos do sol, pois as mãos revelam a idade da mulher. Neste universo social encontro a identidade feminina ocidental, que engloba diversos símbolos. Alguns deles são códigos visuais como a moda, as formas sinuosas, flexíveis, que se abrem criando um núcleo, as flores e os tons de cor que variam dos azuis aos vermelhos. Outros são símbolos sensíveis como a delicadeza, a sensualidade e a fragilidade. E também os objetos como o salto alto, a maquiagem e o soutien. Este perfil é destinado diretamente ao sujeito feminino. Frequentemente a mulher incorpora e reproduz estes símbolos como parte de sua identidade, sem questionar sobre a necessidade de tomar para si estes valores. Muitas aderem estas informações à sua imagem sem ter consciência do que eles representam. É comum apenas transportarem para suas vivências pessoais, o modelo que lhes é imposto socialmente, de como uma mulher deve parecer e se comportar. Certos padrões de comportamento ocidentais como sentar com as pernas cruzadas, não roer as unhas, manter os cabelos penteados, já estão implícitos no nosso inconsciente coletivo 6. Não são os gestos ou a forma como se apresenta que irão qualificar o sujeito enquanto sexo feminino. Outro referente para minha pesquisa são as fotografias da artista Cindy Sherman. A artista iniciou seu trabalho através do formato autorretrato. Ela é a modelo de suas imagens. Nas quais desenvolve temas como os papéis sexuais, a desmitologização do corpo, andrógina, os estereótipos sociais da mulher americana e os ideais de beleza. Assim como Sherman também uso meu corpo como modelo para a realização das fotografias. No momento que me aproprio destes elementos, diferente da artista não perco a identidade pessoal, ou seja, meu trabalho é realmente autobiográfico. Os símbolos escolhidos por mim para o trabalho fotográfico são o sapato de salto alto, os seios e a imagem da mulher na publicidade. 6 DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico.sp, Ed. Martin Claret, p.10 11

12 Untitled Film Still 6 Cindy Sherman- Na série Untitled Film Stills 1977, Cindy Sherman representa e questiona, em forma de autorretrato, ícones da feminilidade construídos ao longo dos anos pelo cinema e pela televisão. Os estereótipos variam desde a jovem estudante à prostituta. Em suas fotos a artista não está presente propriamente, ou seja, ela apenas representa um personagem, como afirma em entrevista ao New York Times : Eu estou anônima em meu trabalho. Quando olho para as imagens, eu nunca me vejo, elas não são autorretratos meus. 7 Como já foi dito anteriormente, ao contrário da artista eu me identifico nas fotos que faço. Não posso anular minha identidade nas imagens, pois meu trabalho é pessoal. Exponho minhas próprias reflexões sobre o feminino, minhas interpretações dos objetos e símbolos escolhidos. Trato de minhas vivências familiares. Utilizo meu próprio corpo como modelo para a execução das fotografias. Meu corpo representa meu universo, que abriga e transmuta as sensações do meu dia-a-dia. A decisão em usar meu corpo como suporte individualiza minha experiência existencial. Origina-se do meu desejo em exteriorizar as memórias e questionamentos que compõem minha identidade feminina. Em meu trabalho fotográfico, me caracterizo de maneira próxima a uma modelo de revista. Durante a realização das fotos para o trabalho aproprio-me dos padrões de beleza da mídia, maquiagem e cabelo. Aliás, faço questão de intensificar a ação da maquiagem e cabelo. 7 Entrevista ao jornal New York Times, 01/02/1990, A Portraitist s Through Art History. 12

13 Série Retratos do Habito Katheriny Batista 2011 Perfil Estes elementos devem ser percebidos pelo observador, desejo que esse excesso fique aparente, pois acredito que dessa maneira quem vê a fotografia pode perceber como os efeitos de maquiagem se manifestam no corpo. É comum a mulher ser representada na mídia com feição sensual, mãos no cabelo ou na boca, feição nostálgica olhando para o lado e para cima, ou incrivelmente feliz, exibindo o sorriso perfeito. Eu desqualifico as expressões habituais. Assim ao posar para as fotos uso um adaptador bucal que força o sorriso e deforma a expressão. O adaptador não permite o movimento com a boca, a saliva escorre, os dentes e a gengiva estão expostos mostrando o corpo além da superfície maquiada. As sensações transmitidas são as de sofrimento, submissão a estes padrões e repúdio para quem as observa. Todos os símbolos da beleza estão aplicados no corpo. Porque ele não consegue ser belo? Na foto em que uso o adaptador bucal minha intenção é a de questionar nossos ideais de beleza. O sorriso quando levado aos seus extremos, assusta. A feiura é manipulada através da alteração da expressão pelo uso do adaptador. Série Retratos do Habito Katheriny Batista 2011 Imagem da mulher na publicidade Desejo que este choque questione o observador sobre as relações que nossa sociedade afirma entre o belo e o feio. Nesta pesquisa eu coloco o meu corpo como suporte na atuação destes símbolos, que operam na representação do sujeito feminino. Minhas indagações frente ao modelo criado e imposto pelas mídias de comunicação como a 13

14 televisão, os filmes, as revistas, originou-se quando minha feminilidade, de uma mulher real foi comparada a este padrão artificial. A intenção, dos questionamentos de meu pai, era a de reformular o meu entendimento sobre o feminino. Houve situações em que ele analisou, a roupa, os sapatos, o cabelo e me disse que eu não parecia uma mulher. Questionou-me do porque não estar de saia, do porque não usar salto alto, do porque não estar de brincos. E me pediu uma justificativa. Acredito que estas convenções sociais sobre o feminino, não respeitam a integridade da mulher, pois a maioria das mulheres sofre ao tentar cumpri-las. Como mulher eu me sinto exposta e atacada em todas as minhas complexidades físicas e morais ao simples ato de sair de casa. Quando as mulheres se expõem ao convívio social tem suas expressões e vontades reprimidas. Por todos os meios recebem estímulos sobre como devem parecer e agir. A mulher sofre, pois não é incentivada a aceitar sua beleza natural, o seu ser feminino. Ela se torna escrava de si, buscando uma perfeição inalcançável. As reflexões que surgem frente aos questionamentos de meu pai, são necessárias para encontrar um feminino cuja existência independe da relação objeto-imagem. Sendo objeto um elemento externo, um adereço que a mulher decide colocar em seu corpo, e a imagem é oque este corpo projeta no espaço. Acredito que a beleza e a feminilidade da mulher se manifestam no espaço por si só, não devem estar relacionadas à necessidade de sobrepor ao corpo brincos, maquiagens e acessórios. Falo de um feminino enquanto essência. 8 No vídeo, eu me aproprio de cenas de desfiles retirados da internet que mostram a reprodução de um padrão de beleza e também cenas de comerciais antigos como o Meu primeiro soutien da Valisére. Marca a qual considero ser um símbolo da sensualidade feminina. Tal comercial valoriza o momento de passagem da puberdade, quando a menina ganha seu primeiro soutien de presente do pai. A propaganda enfatiza a importância deste objeto. A partir desse comercial o símbolo dos seios é trabalhado na fotografia que produzo. Na imagem tenho os seios comprimidos por faixas de atadura, e no vídeo registro esta ação. 8 BUARQUE, Aurélio. Dicionário Aurélio. SP, Positivo,2010. p s.f. É o que constitui a natureza de um ser, de uma de uma coisa, natureza divina.filosofia. Natureza ideal de um ser: para o existencialismo, a existência precede à essência. 14

15 Série Retratos do Hábito Katheriny Batista 2011 Seios Mesmo quando me aproprio de trechos de comerciais o faço na intenção de transportar o público para o meu campo íntimo. Acredito que a identificação do observador com essas imagens, que já caíram em domínio público, podem trazer à aproximação entre tal universo e o que discuto na obra. A familiaridade que proponho através das imagens de comerciais e filmes pode aproximar quem as assiste de meu trabalho. O observador reconhece, toma para si e obtém o percebimento das situações que exponho sobre o feminino. Afinal compreendo que os mesmos assuntos com que lido nesta pesquisa podem ser temas de reflexão para outras pessoas. A partir destes aspectos, social, familiar e pessoal, desejo compreender como o feminino se expressa no dia-a-dia e nas artes. Para que consiga identificar estes códigos implícitos no modo como penso e ajo. E assim questionar através de meu trabalho artístico, este universo associado à mulher. Parto da compreensão das subjetividades existentes entre o feminino, o corpo e a imagem que este representa. Através de produção fotográfica e de um vídeoexperimental tenho a intenção de desconstruir essa identidade feminina. 3 - Corpo como meio estruturante das ações vivenciadas Nós somos os propositores: Nós somos o molde, cabe a você soprar dentro dele o sentido da nossa existência. Lygia Clark Eu acredito que cada pessoa deve ter plena consciência e percebimento do que é, e de suas próprias ações. Para que consequentemente, também tenha consciência do que representa 15

16 no espaço. Isto é, tenha consciência da imagem que representa. Durante a produção fotográfica fiz algumas cenas que aparecem no vídeo. Elas são o registro da minha vivência com os símbolos que escolhi. São eles, o salto alto, os seios e a imagem da mulher na publicidade. Ao escolher me apropriar de um destes símbolos, os qualifico junto ao corpo. Assim, altero o modo como meu corpo se projeta no espaço, e consequentemente as interpretações que provém desta nova imagem criada. Durante a construção das imagens estabeleci que o foco seria transmitir a experiência entre o corpo e o objeto. A relação entre corpo e objeto fica clara quando trabalho o símbolo do salto alto. Na fotografia meus pés estão em primeiro plano. Um deles veste um laço de fita rosa. O laço remete aos arranjos de um sapato, e traz a sensação de delicadeza e sensualidade. Os calcanhares estão apoiados sobre a ponta de um prego que representa o salto alto. Trata-se de sacrifício. Trata-se da tortura consentida. As sensações da dor, do desconforto na posição dos pés, da imposição social e do sofrimento pela beleza estão projetadas na fotografia. Imóvel. Série Retratos do Habito Katheriny Batista 2011 Salto Alto Nesta imagem, o corpo está preso ao objeto. A ponta do prego está comprimida contra os calcanhares. É como se ele entrasse nos pés tornando o corpo tragicamente imóvel. O delicado e o abrasivo se contrapõem. Estas noções transportam-se da plasticidade da fotografia para a realidade do cotidiano feminino. Esse ato de desapego aos estereótipos e costumes socialmente impostos e transmitidos de geração a geração, é um desafio para mim. Pois considero que ainda hoje vivemos em um mundo onde o pensamento masculino a saber, da inferioridade da mulher prevalece. A mulher está sujeita às imposições, mesmo que sutis, de nossa sociedade patriarcal. Seja por meio de uma capa de revista feminina, onde é comum a imagem da mulher estar vinculada ao estereótipo magro aliado à expressão de felicidade. Ou em comerciais publicitários, percebo a abordagem destes veículos de comunicação na indução do meu ser, sentir e agir. Busco me desapegar 16

17 destes costumes, pois não desejo me sentir feminina somente quando possuo ou ajo conforme estes estereótipos. No âmago artístico também estão presentes os elementos que expressam a relação entre o feminino, o corpo e a imagem. A obra da artista Lygia Clark ( ) rompeu com o espaço bidimensional do quadro, aboliu a moldura e se aproximou mais do mundo em terceira dimensão. Seus trabalhos, em maioria interagem com o público. Eles tratam do corpo como meio estruturante das ações vivenciadas. 9 O Objeto não esta mais fora do corpo, mas sim é o próprio corpo. Em sua obra, que pertence a uma série Roupa-Corpo- Roupa: O Eu e o Tu 1967, Lygia Clark desenvolve a temática da dessexualização por meio da figura simbólica de dois corpos que vestem macacões e possuem capacetes. É impossível identificar o sexo das pessoas, exceto por elementos vermelhos em um deles, que tende a ser o da mulher. Roupa-Corpo- Roupa: O Eu e o Tu Lygia Clark- Assim, o homem e a mulher interagem através do toque por meio de aberturas nas roupas, idealizadas pela artista. Ela desnaturaliza o corpo ligado ao sexo em sua instalação Roupa Corpo: o Eu e o Tu A sensação de dessexualização é evidente. Ambos têm bolsos e cavidades com fechos. Usam capacetes que escondem os rostos. Esses elementos, o azul e o azul com vermelho se tateiam, se reconhecem. Encontram os bolsos e estendem-se às cavidades do outro, trocam suas sensações como se aos poucos se tornassem um só. Ambos estão conectados por um tubo /06/2011 às 22:00 p.m 17

18 Este tubo permite que se escute a respiração do outro. No trabalho áudio-visual faço menção a esta obra. Utilizo as cores. O vermelho é utilizado como filtro sobre a imagem do perfil de um rosto masculino. O azul respectivamente para o perfil do rosto feminino. As imagens estão sobrepostas. Ocupam o mesmo lugar no espaço e em alguns momentos um perfil se manifesta mais que o outro. Assim no vídeo, esta sobreposição da cabeça masculina com a feminina traz também uma aproximação. No trabalho de Louise também encontro a personificação do masculino e do feminino. O Ativo e o passivo. O destrutivo e o sedutor. 10 Sua escultura Femme Couteau 1969 é feita em mármore rosa. A forma sinuosa remete à sensação de leveza, e de delicadeza. Bem como a fusão do masculino e do feminino. Por sua gestualidade, assemelha-se a forma de uma faca. Na Femme Couteau, como Louise Bouegeois diz em entrevista a revista New York 1974, A mulher se torna uma lâmina, ela está na defensiva. Ela se identifica com o pênis para se defender. 11 A curva e a ponta colocadas em extremidades opostas do mármore, representam como diria ela: a polaridade das mulheres. Também na escultura a simbologia da forma fálica se confunde com um volume de quadril. A mulher transformase em uma faca, na defensiva. Bourgeois justifica afirmando que a mulher no início de sua vida sexual se sente vulnerável, tem medo de ser machucada pelo pênis, então se apropria dele para se sentir segura. É sobre vulnerabilidade e proteção. Desde cedo fui acostumada com um mundo masculino, fui acostumada a perceber o feminino em pequenos gestos, e também seu lado misterioso, o masculino BOURGEOIS, Louise. Reconstrução do pai destruição do pai. SP, Cosa&Naify Edições, p BOURGEOIS, Louise. Reconstrução do pai destruição do pai. SP, Cosa&Naify Edições, p BOURGEOIS, Louise. Reconstrução do pai destruição do pai. SP, Cosa&Naify Edições, p

19 Femme Couteau ( 1969 ) Louise Bourgeois Destruição do Pai Reconstrução do Pai 4 Vídeo Arte Os homens olham as mulheres. O fiscal que existe dentro da mulher é masculino: a fiscalizada, feminino. Desse modo, ela vira um objeto - e mais particularmente um objeto da visão: um panorama Cindy Sherman Durante a pesquisa teórica pude esclarecer e aprofundar meus conhecimentos referentes as questões do gênero e do universo feminino. Tomar para si essas questões que habitam o espaço social e das artes, vivencia-los e experimenta-los, tendo meu corpo como objeto participativo da obra ilustra minha intenção de usar essa temática como ferramenta para o entendimento das verdades pessoais que foram levantadas ao longo da pesquisa. As percepções e entendimentos que venho construindo durante a pesquisa manifestam-se também por meio da vídeo-arte. Utilizei este veículo, pois acredito que me permite expressar com maior clareza os pensamentos, as memórias, as ações, e os sentimentos frente a este tema. Escolhi o título O corpo como representação do sujeito, pois essa foi a metodologia que utilizei durante as filmagens. Apropriei-me do meu corpo como um suporte na atuação dos símbolos. Bem como me apropriei de sujeitos imaginários. Personagens de comerciais e modelos de desfiles. Com a intensão de atuarem na representação do sujeito feminino. No vídeo, tanto trechos de comerciais antigos, como filmagens antigas da família, compõem juntas a representação do meu universo. Desejo que o observador compartilhe de meus pensamentos e se identifique com as questões que levanto sobre o feminino e seu universo. O vídeo foi feito em etapas. Desde a identificação dos elementos presentes em meu cotidiano que se relacionam com o feminino, a experimentação destes, a compreensão de 19

20 seus valores. Até a discussão sobre o gênero. Expresso em imagens meu processo íntimo de reformulação da identidade feminina. Durante este trabalho procurei compreender a simbologia do feminino para não utiliza-la sem consciência desse ato. Busquei me tornar uma mulher mais livre. 5- Considerações Finais Durante este ano de pesquisa pude esclarecer e a profundar minha compreensão sobre a manifestação do feminino, no campo social e das artes. Também pude conhecer com maior propriedade a vida e obra das artistas Louise Bourgeois, Lygia Clark, Cindy Sherman e Marina Abramovich. O que com toda certeza fortalece o desenvolvimento de minha pesquisa pessoal. Percebi como essas artistas trabalham temas que muitas vezes se assemelham, como o corpo, o feminino, o objeto e o intimo nas mais diferentes áreas. Essa percepção ampliou minha visão das possibilidades em transpor meus pensamentos do âmbito das ideias e reflexões para o âmbito material e plástico. Minha experiência em desenvolver um trabalho autobiográfico e expressa-lo em diferentes meios, da fotografia e da vídeo-art, me fez repensar sobre o modo como lido com as minhas relações familiares, o modo como me relaciono com o meu feminino, e sua manifestação no espaço. O fato de usar o meu corpo como um suporte nessa experiência ampliou minha percepção dos gestos e ações e me proporcionou perceber o corpo como um universo que abriga minhas reflexões, emoções e ações. Sinto-me um mulher mais consciente de minha manifestação no espaço, sou uma mulher mais livre. Tenho a intenção de continuar a pesquisa explorando mais o corpo no trabalho autobiográfico, penso em futuramente contemplar nos estudos de gênero, o masculino. 20

21 Referências Bibliográficas Entrevista á Louise Bourgeois. Ohio: The factmuseum Cincinnati, 1997, s/n. BOURGEOIS, Louise. Reconstrução do pai Destruição do pai. SP, Cosa&Naify Edições, BIDEGAIN, A. M. (Org.) Mulheres: autonomia e controle religioso na América Latina. Petrópolis: Vozes/Cehila, Texto: MAPA SOLTO, Profa. Dra. Ana Cristina de Rezende Chiara (UERJ) Texto: A PROJEÇÃO DO CORPO NO CONTEXTO DA OBRA - UMA REFLEXÃO A PARTIR DA INSTALAÇÃO A CASA É O CORPO DE LYGIA CLARK, Dione Veiga Vieira Webgrafia html 21

22 Anexos Mamam ( ) Louise Bourgeois - National Gallery of Canada, Série Retratos do Habito Katheriny Batista 2011 Salto Alto Série Retratos do Habito Katheriny Batista 2011 Salto Alto publicidade Série Retratos do Habito Katheriny Batista 2011 Imagem da mulher na 22

23 publicidade Série Retratos do Habito Katheriny Batista 2011 Imagem da mulher na Série Retratos do Habito Katheriny Batista 2011 Seios Série Retratos do Habito Katheriny Batista 2011 Perfil Série Retratos do Habito Katheriny Batista 2011 Perfil 23

24 Série Retratos do Habito Katheriny Batista 2011 Perfil 24

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS.

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. Amanda Cristina de Sousa amandita_badiana@hotmail.com E.M. Freitas Azevedo Comunicação Relato de Experiência Resumo: O presente relato trata da

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Aline Trindade A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Introdução Existem várias maneiras e formas de se dizer sobre a felicidade. De quando você nasce até cerca dos dois anos de idade, essa

Leia mais

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Atividade: Leitura e interpretação de texto Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Orientações: 1- Leia o texto atentamente. Busque o significado das palavras desconhecidas no dicionário. Escreva

Leia mais

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior C omo este é o mês das crianças, decidi propor para aqueles que estão em busca de autoconhecimento, alguns exercícios que ajudam a entrar

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia.

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia. * Este texto corresponde à visão da autora Marcia Dib e todas as informações aqui contidas são de inteira responsabilidade da autora. ** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança

Leia mais

Zelo. A Regra de Ouro. Por que ser zeloso? Parceiros atingidos. Zelo - SIM. Zelo - NÃO

Zelo. A Regra de Ouro. Por que ser zeloso? Parceiros atingidos. Zelo - SIM. Zelo - NÃO Exercitando o Caráter 6 a 9 anos Zelo O zelo, ou cuidado, é uma qualidade típica das pessoas de bom caráter. A pessoa zelosa tem cuidado para não prejudicar as outras pessoas e demais seres vivos, nem

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A palavra liderança é uma palavra grávida, tem vários significados. Desde os primórdios dos tempos a humanidade vivenciou exemplos de grandes líderes. Verdadeiros

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista Uma longa viagem começa com um único passo. - Lao-Tsé Ser Otimista não é uma tarefa fácil hoje em dia, apesar de contarmos hoje

Leia mais

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe!

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! *MELHOR MÃE DO MUNDO Coaching para Mães Disponíveis, www.emotionalcoaching.pt 1 Nota da Autora Olá, Coaching

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

1 O que é terapia sexual

1 O que é terapia sexual 1 O que é terapia sexual Problemas, das mais diversas causas, estão sempre nos desafiando, dificultando o nosso diaa-dia. A vida é assim, um permanente enfrentamento de problemas. Mas existem alguns que

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

Apresentando Émile Durkheim (pág 25)

Apresentando Émile Durkheim (pág 25) Apresentando Émile Durkheim (pág 25) Émile Durkheim nasceu em Épinal, França, em 1858, e morreu em Paris em novembro de 1917. Foi influenciado pelo positivismo de Auguste Comte, considerado o pai da Sociologia

Leia mais

Projeto Internos: a fotografia no hospital

Projeto Internos: a fotografia no hospital CRIAÇÃO Projeto Internos: a fotografia no hospital Haná Vaisman É impossível ficar três meses lidando com uma pessoa todo dia e falar que ela é só paciente e você só médico. Você acaba tendo preocupações

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Sistema de Ensino CNEC

Sistema de Ensino CNEC 1 SUMÁRIO VOLUME 1 "O homem é um pedaço do Universo cheio de vida." Ralph Waldo Emerson Capítulo 1 O Tempo não para 5 Capítulo 2 Você percebendo-se como sujeito histórico 20 Capítulo 3 O Universo que nos

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Contrato: AS.DS.PV.024/2010 Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Levantamento do Perfil Empreendedor

Levantamento do Perfil Empreendedor Levantamento do Perfil Empreendedor Questionário Padrão Informações - O objetivo deste questionário é auxiliar a definir o seu perfil e direcioná-lo para desenvolver suas características empreendedoras.

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional

SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional Sequencia Didática destinada aos Anos Finais do Ensino

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha Ensino Fundamental Turma: PROJETO INTERPRETA AÇÂO (INTERPRETAÇÃO) Nome do (a) Aluno (a): Professor (a): DISCIPLINA:

Leia mais

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 GIL, Bruna; BOTTON, Andressa 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Psicóloga, formada pelo Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Palestra tudo O QUE VOCE sobre precisa entender Abundância & Poder Pessoal EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Como aprendemos hoje na palestra: a Lei da Atração, na verdade é a Lei da Vibracao. A frequência

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

Portfólio fotográfico com o tema Unicamp Caroline Maria Manabe Universidade Estadual de Campinas Instituto de Artes

Portfólio fotográfico com o tema Unicamp Caroline Maria Manabe Universidade Estadual de Campinas Instituto de Artes Portfólio fotográfico com o tema Unicamp Caroline Maria Manabe Universidade Estadual de Campinas Instituto de Artes Introdução Como foi explicitado no Projeto de Desenvolvimento de Produto, a minha intenção

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

1. Eu tenho problema em ter minhas necessidades satisfeitas. 1 2 3 4 5 6

1. Eu tenho problema em ter minhas necessidades satisfeitas. 1 2 3 4 5 6 FIAT Q Questionário de Relacionamento Interpessoal Glenn M. Callaghan Department of Psychology; One Washington Square, San Jose University, San Jose CA 95192-0120 Phone 08) 924-5610 e fax (408) 924 5605.

Leia mais

MEDIA TRAINING. Manual para TREINAMENTO

MEDIA TRAINING. Manual para TREINAMENTO MEDIA TRAINING Manual para TREINAMENTO Parabéns! Você foi escolhido por sua empresa para seu porta-voz oficial. Ser um porta-voz é uma grande responsabilidade, pois todas as vezes em que a empresa tiver

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

SUA APARÊNCIA REVELA COMO VOCÊ SE SENTE

SUA APARÊNCIA REVELA COMO VOCÊ SE SENTE tratamentos estéticos injetáveis podem melhorar sua imagem e autoestima SUA APARÊNCIA REVELA COMO VOCÊ SE SENTE R ē N U Rejuvenescimento com Naturalidade interessada numa alteração permanente. Estou feliz

Leia mais

?- Período em que participavam das aulas.

?- Período em que participavam das aulas. Iniciativa Apoio como foi a campanha HISTÓRIAS EX ALUNOS 1997 2013 as perguntas eram relacionadas ao:?- Período em que participavam das aulas. - Impacto que o esporte teve na vida deles. - Que têm feito

Leia mais

O Trabalho de Família de Origem

O Trabalho de Família de Origem O Trabalho de Família de Origem Autora: Vânia Bastos Fonseca de Castilho CEFAC 1994 A vida da Família de origem é uma experiência poderosa para todas as pessoas e seu impacto não fica restrito à infância.

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Por que a criança de seis anos no ensino fundamental? Porque, pelo que entendi, em minha vida inteirinha, para umas coisas serei grande, para outras, pequenininha.

Leia mais

ulher não fala muito Mulher pensa alto

ulher não fala muito Mulher pensa alto ulher não fala muito Mulher pensa alto bla bla PROF. GRETZ Mulher não fala muito. Mulher pensa alto. Reflexões bem humoradas para uma ótima vida a dois Florianópolis 2014 1. Silêncio 7 2. Percepção 13

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

Tristes Olhos 1. Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN

Tristes Olhos 1. Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN Tristes Olhos 1 Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO O presente trabalho trata-se de um registro fotográfico realizado

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

O dia que eu fiz um empreendedor imobiliário chorar

O dia que eu fiz um empreendedor imobiliário chorar O dia que eu fiz um empreendedor imobiliário chorar Por Natália Garcia* João ocupa um cargo importante em um dos órgãos sindicais de construtoras, corretoras e imobiliárias do Brasil. Seu nome é fictício

Leia mais

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem.

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem. ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / "Quanto mais Deus lhe dá, mais responsável ele espera que seja." (Rick Warren) LÍDER:

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo 2013 Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo Ana Fonseca, Bárbara Nazaré e Maria Cristina Canavarro Pontos de interesse especiais: Porque

Leia mais

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida Resiliência Capacidade para superar os desafios da vida O que é resiliência? Resiliência pode ser definida como a capacidade de se renascer da adversidade fortalecido e com mais recursos. (...) Ela engloba

Leia mais

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Fevereiro 2016 A MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O que mais incomoda no discurso/posição que a mulher

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

esta escola é o bicho!

esta escola é o bicho! esta escola é o bicho! PROJETO ESTA ESCOLA É O BICHO! Porto Alegre, Março de 2015. Marina Favarini Tathiana Jaeger apresentação Com este escrito, Gerência de Programas Educacionais da Secretaria Especial

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

Institucional. Realização. Patrocínio. Parceria

Institucional. Realização. Patrocínio. Parceria Relatório Fotográfico Março, Abril e Maio de 2009 Institucional Realização Patrocínio Parceria Introdução Existe uma grande diferença entre as águas do mar e o azul das ondas. A água é concreta, objetiva,

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre anterior, dentro de contextos que buscavam enfatizar o

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca.

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Mylena Gomes Curvello mylenagcurvello@hotmail.com 9 período

Leia mais

O QUE É PRECISO PARA SER UM GRANDE LÍDER

O QUE É PRECISO PARA SER UM GRANDE LÍDER LIDERANÇA O QUE É PRECISO PARA SER UM GRANDE LÍDER Roselinde Torres foco na pessoa 6 Por Roselinde Torres O que é preciso para ser um grande líder hoje? Muitos de nós temos a imagem de um líder como um

Leia mais

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM Falar em mobilização e participação de jovens na escola de ensino médio implica em discutir algumas questões iniciais, como o papel e a função da escola

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro 1 www.oxisdaquestao.com.br Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro Texto de CARLOS CHAPARRO A complexidade dos confrontos da atualidade, em especial nos cenários políticos, justificaria

Leia mais