As descrições iniciais sobre o Brasil e a propagação dos ideais expansionistas. HÜBSCHER, Agnes 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As descrições iniciais sobre o Brasil e a propagação dos ideais expansionistas. HÜBSCHER, Agnes 1"

Transcrição

1 As descrições iniciais sobre o Brasil e a propagação dos ideais expansionistas HÜBSCHER, Agnes 1 RESUMO: Os primeiros registros sobre o Brasil e seus habitantes são feitos por escritores europeus. Constatamos que, além de serem poucos, algumas versões nunca foram impressas. As visões captadas são as mais variadas e dependendo dos objetivos e da linguagem utilizada por quem escreve, revelam concepções diferentes. Assim, longe de serem uniformes, ou mera literatura informativa, os relatos são frutos de posturas ideológicas e interesses que visam propagar os ideais da expansão. Para entender um pouco dessa diversidade de registros bem como da linguagem e enfoque utilizado, observamos a carta de Pero Vaz de Caminha, considerada a certidão de nascimento do país, juntamente com as obras de Pero Magalhães Gândavo, ambos portugueses. Gândavo, um alto funcionário português, foi um dos principais escritores do século XVI, considerado o primeiro historiador do Brasil. Ampliando a visão para escritores de outros países, que não exerceram uma relação tão direta sobre o Brasil como Portugal, destacamos o alemão Hans Staden, bem como os franceses Jean de Léry e Auguste de Saint-Hilaire. Este, incumbido de uma missão especial permanece no Brasil durante cinco anos percorrendo o vasto território, inclusive o Rio Grande do Sul. Jean de Léry é enviado pelo líder religioso Calvino, permanece no país durante um ano, período em que convive com os índios fazendo anotações a respeito se sua existência. Por fim, nosso objetivo foi verificar a relação entre as formações discursivas e a literatura do período em questão. PALAVRAS-CHAVE: Literatura; Registros; Índios. ABSTRACT: The first writings about Brazil and its inhabitants are done by European writers. We notice that, besides they are few, some versions never were printed. Recovered views are very much variable and, depending on the objectives and the language used by who writes, they reveal different conceptions. Thus, far from being uniform or just informative literature, the writings are products of ideological views and interests which aim to propagate ideals of expansion. In order to understand a little of this diversity of registers, as well as of the language e the approach used, we observe the Carta by Pero Vaz de Caminha, considered "Certificate of Birth of the Country", together with works of Pero Magalhães Gândavo, both Portuguese. Gândavo, a high Portuguese functionary, who was one of the most writers of the XVI century, considered the first Brazilian historian. Amplifying the view of writes of other counties, which did not do a relation so direct about Brazil as Portugal, we highlight the German writer Hans Staden, as well as the French ones Jean de Léry and Auguste de Saitn-Hilaire. This one, charged of a special mission remains in Brazil for five years, going throughout the extent territory, including Rio Grande do Sul. Jean de Léry is sent by the religious leader Calvin, stays in the country during a year, period in which he lives together the Indians, taking notes about their 1 Aluna do curso de Mestrado em Letras da UFSM.

2 existence. Finally, our objective was to verify the relation between the discoursive formulations and the literature of that period. KEY-WORDS: Literature, Writings, Indians. A IMPORTÂNCIA DOS PRIMEIROS RELATOS Os relatos sobre a chegada dos primeiros europeus em terras brasileiras considerados literatura informativa são as únicas fontes de informação sobre o Brasil daquela época. Daí que a maior importância reside no valor histórico, uma vez que fornecem aos leitores a primeira impressão dos colonizadores quanto à natureza e clima tropical brasileiro, bem como o retrato da ideologia da época. Além disso, há também o primeiro contato do europeu com os nativos indígenas locais, retratando-os. Embora contivessem um pouco dos dois gêneros: crônicas e memórias, esses escritos não resultaram de nenhuma intenção literária. Por se tratar de uma tentativa se descrever e catalogar a terra e o povo, os relatos são considerados por alguns críticos como manifestações paraliterárias. Para Antônio Cândido a formação da literatura só ocorreu por volta de 1750, antes, foram apenas manifestações literárias, e não literatura brasileira. Conforme Abdala Júnior e Campedelli (1990), os primeiros textos, obedeceram a finalidades práticas: informações sobre a terra, para facilitar a exploração colonialista; ou, ainda, à dominação religiosa, também motivada por razões políticas. DIFERENTES OBJETIVOS NA DESCRIÇÃO INICIAL DO BRASIL

3 Existem poucos registros sobre a visão inicial do Brasil, o que temos são versões captadas por europeus, que traduzem uma visão cristã intolerante, caricatural dos costumes indígenas e do novo território. Dentre os escritores portugueses, merecem destaque Pero Vaz de Caminha e Pero Magalhães Gândavo. A falta de interesse de Portugal em divulgar as descobertas do novo mundo pode ser explicada por várias razões, talvez a mais convincente seria a de não atrair o interesse dos concorrentes para as novas colônias já que sua maior preocupação era exploração. Algumas narrativas de Gabriel Soares de Souza e frei Vicente do Salvador, por exemplo, jamais foram impressas por conterem informações que poderiam atrair cobiça de outras potências coloniais européias. Alguns manuscritos permanecem inéditos até a segunda metade do século XIX, e até hoje os arquivos portugueses são locais privilegiados para a investigação de pesquisadores que esperam, através do estudo de novos documentos, lançar luz sobre aspectos ainda obscuros da colonização portuguesa no Brasil. (ARBEX, 2002:29). O principal representante da chamada Literatura Informativa foi Pero Vaz de Caminha, escrivão da armada de Pedro Álvares Cabral. É autor da famosa carta escrita para EL-Rei Dom Manuel, A certidão de nascimento do país sobre o achamento do Brasil. Sendo o rei de Portugal interlocutor, cujo interesse era obter dados político-econômicos, e não um público leitor consolidado, a importância do documento reside no seu caráter inaugural e inventivo. Considerar a carta como certidão de nascimento do Brasil é um tanto duvidoso, uma vez que a preocupação de Caminha não era nomear territórios ou identificar os seus habitantes. Ao contrário, tinha como principal objetivo político avaliar a viabilidade de colonização com fins

4 exploratórios. Conforme José Aderaldo Castelo, citado por Oliveira, (1999:18), a carta foi a primeira expressão do deslumbramento e ao mesmo tempo dos equívocos e intenções do colonizador português. Embora escrita nos primórdios do descobrimento (1500), a Carta de Caminha só foi impressa em 1817, na Corografia Brasílica, pela Imprensa Régia de Rio de Janeiro. Seu conteúdo básico era a descrição da terra, do clima, do potencial de obtenção de minérios e a possibilidade de submeter os indígenas a princípios de conduta europeus. O espírito mercantilista encontrável em Caminha inaugura a observação simpática dos costumes e das coisas brasileiras. Já na representação dos índios, Caminha demonstra perplexidade e estranheza pelas diferenças de costumes entre europeus e indígenas. Esse comportamento estende-se principalmente à nudez. Por outro lado, o indígena é considerado com uma valoração extremamente positiva, a ponto de tornar-se símbolo de origem mítica do país posteriormente, em obras como Iracema e o Guarani, de José de Alencar. A feição deles é serem pardos maneiras d avermelhados de bons rostros e bons narizes bem feitos. Andam nus sem nenhuma cobertura, nem estimam nenhuma cousa cobrir nem mostrar suas vergonhas e estão acerca disso com tanta inocência como têm de mostra o rosto. Na descrição da paisagem brasileira, há também estranhamento em relação à vastidão da terra e a variação da fauna e flora supostamente exóticas. Entretanto, a visão preponderante é a presença de condições favoráveis para desenvolver uma política colonizadora. Conforme Jaime Ginzburg (2001), o olhar eurocêntrico está associado aos interesses imperialistas da política colonizadora.

5 Pero Magalhães Gândavo, outro português, autor das obras Tratado de terra do Brasil (1573) e História da Província de Santa Cruz (1576), foi um dos principais escritores do século XVI, considerado o primeiro historiador do Brasil. Por ser alto funcionário português, Gândavo teve acesso aos arquivos e documentações da época sendo que ocupou funções governamentais quando esteve no Brasil. A obra de Gândavo é um abrangente panorama da vida na Colônia, que ele expõe com empenho de protagonista. Sua visão sobre os índios é que são bárbaros, canibais, cruéis, beliciosos, vingativos e sensuais. Seriam fáceis de serem cristianizados. A missão do cristianismo seria salvar os índios e civilizá-los, acabando com as guerras. Como o objetivo era a defesa e apologia da política colonizadora da Coroa portuguesa, Gândavo procurou criar uma imagem das grandezas e merecimentos. Sugere as qualidades da terra, mostrando como sua temperatura é amena e o clima saudável para depois enumerar os mantimentos disponíveis, a caça e os frutos do Brasil. Conforme seu texto, as condições de vida na província de Santa Cruz eram muito melhores do que em Portugal, pois nenhum pobre anda pelas portas a mendigar como nesses reinos. Ao mostrar as riquezas e a possibilidade de enriquecimento na terra recém descoberta Gândavo incentivou a imigração para o Brasil. Hans Staden, por sua vez, foi um jovem alemão que veio ao Brasil trabalhando como artilheiro para Tomé de Souza. Foi aprisionado pelos Tupinambás ficando dois anos entre eles. Escreveu Duas viagens do Brasil (1557) que foi a quinta obra em alemão sobre a América e a primeira sobre o índio brasileiro. O volume foi depois traduzido para o flamengo, holandês, latim, francês e inglês. A primeira tradução para o português data do século passado, encomendada pela revista do Instituto Histórico e Geográfico.

6 A antropofagia é o motivo principal de seu livro, talvez até pelo interesse que o assunto despertava na Europa. Porém, tanto no texto principal quanto num relatório que acrescenta como arremate das viagens, ele apresenta vivas descrições dos costumes indígenas: onde e como moram, como acendem o fogo, a maneira que cozinham e o que comem, seus utensílios, sua destreza no manejo do arco e flecha e de outros instrumentos, como preparam a bebida e com ela se embriagam, no que acreditam, suas formas de guerrear. Conforme Bellomo in Flores (1994:68), Staden procura não emitir juízo de valor sobre o que descreve. O índio é visto como guerreiro por tradição, seus hábitos selvagens são suas tradições. Sua luta é uma reação à traição dos brancos. A causa central do conflito é a disputa pela terra entre portugueses e índios. Podemos dizer que os registros são relevantes, pois, Staden de fato conviveu com os tupinambás. Por outro lado, o fato de chamar a atenção para o motivo da luta que é a disputa da terra, revela um olhar de fora, sem objetivo de exploração. Igualmente centrados no cotidiano da vida indígena, os livros do calvinista francês Jean de Léry apontam uma percepção histórica mais apurada dos costumes nativos pelo fato do autor ser um homem culto, de formação humanista e, portanto, aberto às diferenças entre as civilizações. Movido por um espírito universalista, encara com simpatia os índios, relativizando moralmente certos hábitos que na Europa passavam por bárbaros. Léry permanece no país durante um ano (1557), como enviado do líder religioso Calvino, para servir ao vice-rei Nicolau D. Villegagnon. Este coordena o projeto fundador da colônia francesa na futura cidade do Rio de Janeiro. O objetivo dos textos escritos era provar ao rei francês (Henrique II) que os investimentos com vistas à colonização do Brasil eram compensatórios.

7 Léry tem a oportunidade de conviver (em liberdade) com os tupinambás, fazendo uma série de anotações interessantíssimas a respeito de sua existência. Seu texto Viagem à Terra do Brasil, escrito em francês, é considerado uma obra-prima. Teve edições em holandês, alemão e latim. Além de detalhar um significativo conjunto de costumes religiosos, medicinais, sociais (casamentos, funerais, educação dos filhos, etc.) e de mostrar certas práticas desconhecidas na época, entre os quais a preparação e o uso do cauim e do fumo, o viajante francês descreve com minúcias o ímpeto guerreiro dos homens tropicais, vendo as batalhas entre as tribos de forma quase poética. A antropofagia é também um dos temas predominantes da obra, sendo mostrada com uma riqueza de detalhes em muito superior à obra de Hans Staden. A visão abrangente e humanista do viajante francês leva-o não apenas compreender o nativo, mas também a apreciar a terra brasileira como um paraíso terreal. Em um de seus textos, Léry trata especificamente sobre o canibalismo, visto como uma cerimônia, um ritual que correspondia à aquisição de um status no seio da sociedade ameríndia. Conforme Zilá Bernd (1992), o texto de Léry é sensível a este sentido ritual: mas não comem a carne como poderíamos pensar, por simples gulodice, pois embora confessem ser a carne humana saborosíssima, seu principal intuito é causar temor aos vivos (Léry, 1980:200). No momento em que Léry compreende que o canibalismo é um ritual praticado somente em relação aos inimigos, ele consegue relativizar sua compreensão sobre o índio e considerar a prática dos selvagens brasileiros menos condenável do que a de seus compatriotas durante os massacres em guerras religiosas em que os irmãos se matavam.

8 Na visão de Bernd, apesar do uso de expressões como crueldade, massacre, ou assassinato para referir à antropofagia, e nações bárbaras e canalhas selvagens, aos índios, o texto de Léry apresenta um outro enfoque em relação aos escritores anteriores. De uma visão do outro como objeto, há uma mudança para uma percepção do outro como sujeito, diferente do eu. Bernd recomenda a releitura de certos textos inaugurais, sobretudo de autores franceses, pouco conhecidos por leitores brasileiros, por permitirem: uma melhor compreensão do caráter heterogêneo da formação cultural das Américas e, pela análise das visões do outro que deles emana, para esclarecer as relações centro/periferia que até hoje constituem o problema maior das literaturas das Américas constituídas sob o sistema colonial. (BERND, 1992:22). No que se refere à literatura dos padres jesuítas, observamos que seus textos aliam poesia religiosa e preocupação com a conversão indígena, a preservação dos costumes ibéricos bem como o avanço dos ideais contra-reformistas. Os padres são enviados ao Brasil com o intuito de catequizar os índios - nova perspectiva vislumbrada pela Igreja para ampliar sua dominação. Assim, por um lado, havia a preocupação da conquista material - principalmente ouro, prata, ferro madeira - e por outro, a preocupação espiritual resultante da Contra-Reforma. Posteriormente, com a chegada da Corte de Portugal que se instala no Rio de Janeiro, ocorrem uma série de transformações, como a abertura dos portos ao comércio e a chegada de inúmeros viajantes, o que ocasiona, conforme Sérgio Buarque de Holanda (1975: 13, 14), um redescobrimento do Brasil. Os inúmeros viajantes a aportarem no Rio de Janeiro teriam uma função considerável na criação de uma imagem de Brasil, uma vez que este olhar estrangeiro

9 acabaria por trazer ao habitante local um ponto de vista ignorado ou esquecido, reavivando um sentimento de pertencimento a um grande país. Nessa época chega ao Brasil o aristocrata alemão Auguste de Saint-Hilaire. Representante da França tem uma missão oficial com objetivos de pesquisar e recolher espécimes raras e desconhecidas. Saint-Hilaire percorreu mais de Km entre 1816 e Na sua viagem pelo território do Rio Grande do sul viajou 2400 Km, fazendo anotações diárias referentes a espécimes da flora, ao clima, ao habitat. O viajante dedicou muito de seu tempo para analisar o caráter da população rio-grandense percebendo certos desvios sociais da formação histórica. Ele defende a superioridade racial dos brancos frente às raças negra e indígena. Os índios são em geral os homens mais frios e mais indiferentes que existem no mundo. Sua imprevidência pode originar-se de uma organização menos delicada que a nossa e é provavelmente uma rudez de órgãos que os torna ao mesmo tempo insensíveis à dor e aos males físicos. Os negros tão distanciados de nós são contudo superiores aos indígenas. Seu julgamento não é jamais tão correto quanto o nosso. Eles conservam qualquer coisa de infantil em suas maneiras, linguagem, idéias de futuro, vimos alguns que guardaram algum dinheiro, mesmo sendo escravos, enfim, eles não são incapazes de afeição e mesmo de serem generosos. (Cap. XIX, p.416). Estas considerações revelam um temor ao produto da mistura da raça e costumes de brancos com indígenas alegando que a mestiçagem causa desordem e retarda a adoção de costumes espanhóis. Assim, nesta província, os lares oferecem o exemplo da desunião e de toda espécie de desordens. Entregando-se às índias, os homens se embrutecem, tornam-se insuportáveis e estúpidos; disso tive muitos exemplos entre São Borja e São João. (Saint- Hilaire).

10 Por narrar o que vê, Saint-Hilaire difunde um inventário da natureza e da sociedade das regiões não-européias por onde passa. É responsável pelo alargamento das zonas de contato e da geração de representações sobre a natureza, a sociedade e cultura destas regiões. É evidente que este esforço não se deve apenas a uma consciência de missão científica ou a uma curiosidade, uma vontade de saber desvinculada de quais quer outros interesses. Em alguns trechos Saint-Hilaire trabalha com noções comparativas como o nosso (europeu) e o deles (brasileiro) sendo que o que é deles é atrasado e não civilizado. O outro é elaborado a partir dos valores, da lógica e da visão de mundo do autor. Percebendo as diferenças culturais entre os moradores de cada região por onde passou, Saint-Hilaire classifica essas diferenças em hierarquias cujos parâmetros são a cultura européia, civilizada, culta. O contato com o índio é visto como elemento degenerador do homem europeu e sua língua. O índio é considerado selvagem, pois não se deixava civilizar, não aceitava facilmente o contato com outros habitantes que foram se instalando em seus antigos territórios. Comparando a linguagem utilizada nos textos fundadores verificamos que o uso recorrente da figura retórica da comparação é uma característica predominante em todos os primeiros cronistas. Mesmo que a comparação fosse para exaltar a superioridade da América, o parâmetro era sempre estabelecido com a Europa o que demonstra o caráter etnocêntrico dos primeiros escritores. A linguagem e o discurso utilizado evidenciam a posição de quem está escrevendo e revelam a postura ideológica em questão. Diante desses relatos observamos que por traz da literatura informativa estavam interesses burgueses de consolidação de poder, busca de matéria primas, tentativas de expandir o comércio costeiro para o interior e apoderação de territórios. Ao lado do mero interesse em captar

11 e descrever peculiaridades do novo território, existiam intenções, formas articuladas na construção de representações e ações que favoreciam o processo expansionista. Sob esta perspectiva, podemos entender as razões das descrições degradantes sobre os índios, a ênfase em relação à riqueza da terra e as possibilidades de exploração. Isso evidencia que já naquela época as colônias foram alvos de formações discursivas que contemplavam os ideais colonialistas. Numa abordagem mais recente, este tema é discutido por Edward Said em Cultura e Imperialismo e Homi Bhabha O Local da Cultura. Este último aponta que: o objetivo do discurso colonial é apresentar o colonizado como uma população de tipos degenerados com a base na origem racial de modo a justificar a conquista e estabelecer sistemas de administração e instrução (HOMI BHABHA,1998:111). Said (1995:13), por sua vez, chama a atenção para a relação entre a narrativa e propagação de ideais imperialistas quando afirma: o poder de narrar, ou de impedir que se formem e surjam outras narrativas, é muito importante para a cultura e o imperialismo, e constitui uma das principais conexões entre ambos. Sendo a terra o principal objeto de disputa no imperialismo, a questão de quem teria o direito de explorá-la, até, por um tempo, era decidida na narrativa. Diante do exposto, empreendemos que o colonialismo vem de longe e, sem dúvidas, muito do que se afirma hoje a respeito das novas formas colonialistas caracterizam, por assim dizer, retomadas do que fora consolidado ao longo dos anos. Nesse sentido, levando em consideração a existência da relação entre a linguagem, isto é, o tipo de enfoque utilizado pelos cronistas, e a propagação dos ideais expansionistas, o papel da literatura é, justamente,

12 exteriorizar o discurso colonialista imbuído nas descrições e imagens criadas sobre o Brasil por esses escritores europeus. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABDALA JÚNIOR, B. e CAMPEDELLI, Samira Y. Tempos da literatura brasileira. São Paulo: Ática, ARBEX, Júnior. et.al. Cinco séculos de Brasil. São Paulo: Moderna, BHABHA, Homi. O Local da cultura. Belo Horizonte, Editora UFMG, BERND, Zilá. Literatura e Identidade Nacional. Porto Alegre: ed. da Universidade UFEGS, BOSI, Alfredo. História concisa da Literatura Brasileira.São Paulo: Cultrix, CÂNDIDO, Antônio. Formação da literatura brasileira. São Paulo: Martins, 1964, v.1. FLORES, Moacyr (org.). Negros e Índios, história e literatura. Coleção: História 2. EDPUCRS, Porto Alegre, GINZBURG, Jaime; KUHN, Fabio. Caderno Z.H. Cultura.18 de Agosto de LEITE, Dante Moreira. O caráter nacional brasileiro. 3.ed. São Paulo: Pioneira, OLIVEIRA, C. Antônio; VILLA, Marco A. (org.). Cronista de descobrimento. Ed. Ática, SAID, W. Edward. Cultura e Imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

13

A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era?

A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era? A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Era Colonial Era Nacional Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era? Evolução Política Evolução Econômica Essas eras apresentam

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Leia o trecho da carta de Pero Vaz de Caminha, escrivão da armada de Pedro Álvares Cabral, escrita em maio de 1500 para o rei português

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

500 anos: O Brasil- Um novo mundo na TV

500 anos: O Brasil- Um novo mundo na TV 500 anos: O Brasil- Um novo mundo na TV Episódio 3: Encontro no além-mar Resumo A série discute temas históricos, alternando a narrativa com encenações de bonecos animados que resgatam o contexto da época

Leia mais

Terra Papagalli é uma obra ficcional dos escritores brasileiros de José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta, publicada pela primeira vez em 1997

Terra Papagalli é uma obra ficcional dos escritores brasileiros de José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta, publicada pela primeira vez em 1997 1 Terra Papagalli é uma obra ficcional dos escritores brasileiros de José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta, publicada pela primeira vez em 1997 pela Editora Objetiva. Misturando fatos históricos

Leia mais

Cronistas do Descobrimento

Cronistas do Descobrimento Cronistas do Descobrimento O Brasil do século XVI é uma terra recém descoberta e, como tal, não tem ainda condições de produzir uma literatura própria. Os primeiros escritos foram feitos por estrangeiros

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!!

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! 1.(UFABC 2009) Exibicionismo burguês. Verdadeiros espetáculos da evolução humana (as e xposições universais) traziam um pouco de tudo: de

Leia mais

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário Habilidades: Conhecer o trabalho missionário jesuítico na figura de seu principal mentor: Padre José de Anchieta Revisão 1º Período

Leia mais

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL)

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) Resumo A série apresenta a formação dos Estados europeus por meio da simbologia das cores de suas bandeiras. Uniões e cisões políticas ocorridas ao longo

Leia mais

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL Ederson da Paixão (Especialista em Educação Especial: Atendimento às Necessidades Especiais Integrante do Projeto de Pesquisa Os Primeiros Dramas

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL Aula ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL META Apresentar as razões da expansão da pedagogia (ensino) jesuítica no Brasil-colônia e, posteriormente, a sua expulsão motivada pela reforma da

Leia mais

Cronistas do descobrimento. Antônio Carlos Olivieri Marco Antônio Villa (org.)

Cronistas do descobrimento. Antônio Carlos Olivieri Marco Antônio Villa (org.) Cronistas do descobrimento Antônio Carlos Olivieri Marco Antônio Villa (org.) O quinhentismo é um período da Era Colonial no Brasil, que ocorreu entre 1500 à 1601, um século. É também a denominação genérica

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

quinhentismo história da literatura

quinhentismo história da literatura CONTEXTO HISTÓRICO.: A Europa, no século XVI, está no auge do Renascimento, numa época na qual as grandes navegações consolidam o capitalismo mercantil, com o desenvolvimento da manufatura e do comércio

Leia mais

ROTEIROS DE ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO. Ensino Fundamental II 7º Ano

ROTEIROS DE ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO. Ensino Fundamental II 7º Ano ROTEIROS DE ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO Ensino Fundamental II 7º Ano Professor: Mauricio Disciplina: História CONTEÚDOS A SEREM TRABALHADOS A Idade Média - A formação da Europa, unidade religiosa

Leia mais

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras O descobrimento de novas terras e riquezas (o pau-brasil) estimulou a cobiça de várias nações européias que iniciavam as suas aventuras

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL 1. Analise os quesitos a seguir e assinale, nos itens I e II, a única opção correta: (1,0 ponto) I. Observe a tirinha do Hagar e o texto de Alberto Caeiro: Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

(A) Regionalismo (caráter da literatura que se baseia em costumes e tradições regionais).

(A) Regionalismo (caráter da literatura que se baseia em costumes e tradições regionais). ENEM 2002 Comer com as mãos era um hábito comum na Europa, no século XVI. A técnica empregada pelo índio no Brasil e por um português de Portugal era, aliás, a mesma: apanhavam o alimento com três dedos

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção?

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção? Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: Memórias de um Brasil holandês Nessa terra

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

História da Educação. Pedagogia. - Período colonial brasileiro. Professor Edson Fasano

História da Educação. Pedagogia. - Período colonial brasileiro. Professor Edson Fasano Pedagogia Professor Edson Fasano História da Educação O Brasil cresceu isolado do mundo, apenas convivendo com aquele pobre e retrógrado Portugal que não permitiu a criação de um sistema escolar de ensino

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

Índios Lecionando: troca de saberes 1. Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6

Índios Lecionando: troca de saberes 1. Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6 Índios Lecionando: troca de saberes 1 Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6 Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG RESUMO Os vários trabalhos

Leia mais

ÍNDIOS NO BRASIL. Cristina Langendorf Luciana Catardo

ÍNDIOS NO BRASIL. Cristina Langendorf Luciana Catardo ÍNDIOS NO BRASIL Cristina Langendorf Luciana Catardo AS PRIMEIRAS IMPRESSÕES Eram pardos, todos nus, sem coisa alguma que lhes cobrissem as suas vergonhas. Traziam nas mãos arcos e setas. Historiadores

Leia mais

O Brasil holandês http://www.youtube.com/watch?v=lnvwtxkch7q Imagem: Autor Desconhecido / http://educacao.uol.com.br/biografias/domingos-fernandescalabar.jhtm DOMINGOS CALABAR Domingos Fernandes

Leia mais

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80 6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º Valor: 80 1. A invasão holandesa no Nordeste brasileiro, ao longo do século XVII, está relacionada com a exploração de um produto trazido para o Brasil pelos portugueses. Que

Leia mais

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) -Atinge as Índias contornando a costa da África PORTUGAL -1500 supera os obstáculos do Atlântico chega ao Brasil ESPANHA

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

Historia das relações de gênero

Historia das relações de gênero STEARNS, P. N. Historia das relações de gênero. Trad. De Mirna Pinsky. Sao Paulo: Contexto, 2007. 250p. Suellen Thomaz de Aquino Martins Santana 1 Historia das relações de gênero aborda as interações entre

Leia mais

Superioridade ibérica nos mares

Superioridade ibérica nos mares 2.ª metade do século XVI Superioridade ibérica nos mares PORTUGAL Entre 1580 e 1620 ESPANHA Império Português do oriente entra em crise devido a Escassez de gentes e capitais Grande extensão dos domínios

Leia mais

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004.

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar 1º Período UNIDADE 1 A aventura de navegar Produtos valiosos Navegar em busca de riquezas Viagens espanholas Viagens portuguesas Ampliação O dia a dia dos marinheiros Conhecer as primeiras especiarias

Leia mais

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA Rosemary Maria do Amaral 1 RESUMO: Antes mesmo de sua descoberta nas minas, alguns caminhos começaram

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do

Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do Estado nacional brasileiro e conflitos na Província de São Paulo (1822-1845). São Paulo: Alameda, 2012. 292 p. Fernanda Sposito Luana Soncini 1 A

Leia mais

Missões para os índios americanos

Missões para os índios americanos Missões para os índios americanos Em busca do Nobre Selvagem A história de missões ameríndias é intrigante: Iniciada pela igreja Católica; Despertou o interesse dos protestantes. Depois de muito zelo e

Leia mais

Ana Rita Uhle. O índio nos monumentos públicos brasileiros. 1 (IFCH-UNICAMP doutoranda em Política, Memória e Cidade).

Ana Rita Uhle. O índio nos monumentos públicos brasileiros. 1 (IFCH-UNICAMP doutoranda em Política, Memória e Cidade). Ana Rita Uhle. O índio nos monumentos públicos brasileiros. 1 (IFCH-UNICAMP doutoranda em Política, Memória e Cidade). Os monumentos públicos celebrativos, construídos no Brasil a partir do século XIX,

Leia mais

A colonização espanhola e inglesa na América

A colonização espanhola e inglesa na América A colonização espanhola e inglesa na América A UU L AL A MÓDULO 2 Nas duas primeiras aulas deste módulo, você acompanhou a construção da América Portuguesa. Nesta aula, vamos estudar como outras metrópoles

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Ivana Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG POVOS INDÍGENAS NO BRASIL Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG Conhecendo os povos indígenas Para conhecer melhor os povos indígenas, é importante estudar sua língua.

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere.

a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere. Revisão Específicas 1. (FUVEST) Observe esta charge: a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere. b) Explique quais são os principais elementos do desenho que permitem identificar

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA EM IRACEMA E MACUNAÍMA

A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA EM IRACEMA E MACUNAÍMA 1 A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA EM IRACEMA E MACUNAÍMA Isaac Santos Cajé (UNIT) INTRODUÇÃO Os estudos recentes da literatura portuguesa alargaram as fontes, possibilitando um novo olhar para velhos

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Análise de informação do manual. Filmes educativos

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Análise de informação do manual. Filmes educativos ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: História ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS DE

Leia mais

Algumas premissas básicas: O Brasil não foi descoberto por acaso Entreposto para a viagem para o oriente. Não foi imediatamente valorizado O índio

Algumas premissas básicas: O Brasil não foi descoberto por acaso Entreposto para a viagem para o oriente. Não foi imediatamente valorizado O índio QUINHENTISMO Algumas premissas básicas: O Brasil não foi descoberto por acaso Entreposto para a viagem para o oriente. Não foi imediatamente valorizado O índio brasileiro era ágrafo e, via de regra, nômade

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA 1) Sociologia II A Escola de Ciências Sociais / CPDOC da FGV-RJ informa a abertura de processo seletivo para a contratação de um professor horista para a disciplina

Leia mais

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni 1 Guia Prático para Professores de Ensino Fundamental 1, publicação mensal da Editora Lua ( entrevista do mês da edição de abril de 2009. Ano 06, No. 62). ISBN 1679-9879. Entrevista com o antropólogo Luis

Leia mais

O imperialismo. Prof Ferrari

O imperialismo. Prof Ferrari O imperialismo Prof Ferrari Imperialismo ou neocolonialismo do séc. XIX Conceitos e definições sobre o imperialismo O imperialismo dos séculos XIX e XX resultou da expansão capitalista e atendia aos interesses

Leia mais

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo.

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Colégio Visão História Prof. Alexandre Discursiva D4 Questão 01 - (UFJF MG) Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Figura 1: Imperador Napoleão III (left) em Sedan, a 2 de Setembro de 1870,

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

A expansão da América Portuguesa

A expansão da América Portuguesa 8 ANO A/B RESUMO DA UNIDADE 1 DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORA: SUELEM *Os índios no Brasil A expansão da América Portuguesa Violência contra os povos indígenas; - Doenças, trabalho forçado; - Foram obrigados

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS A CHEGADA DOS PORTUGUESES A AMÉRICA E AS VIAGENS MARÍTIMAS Projeto apresentado e desenvolvido

Leia mais

Trajetória Histórica da Enfermagem Brasileira Séc. XVI

Trajetória Histórica da Enfermagem Brasileira Séc. XVI BACHARELADO EM ENFERMAGEM HISTÓRIA E TEORIAS DA ENFERMAGEM Prof. Eurípedes Gil de França Aula 8 A Enfermagem no Brasil Trajetória Histórica da Enfermagem Brasileira Séc. XVI REFORMA PROTESTANTE Martinho

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL Educador: Luciola Santos C. Curricular: História Data: / /2013 Estudante: 7 Ano Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL 7º Ano Cap 1e 2 Feudalismo e Francos Cap 6 Mudanças no feudalismo Cap 7 Fortalecimento

Leia mais

MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY

MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY MODERNISMO NO BRASIL Cap. 1 e 2 - séculos XIX e XX FELIPE HARRISBERGER DE GODOY Os seis passos para a modernidade Chegada da Família Real Portuguesa (1808); Missão Artística Francesa; Academia Imperial

Leia mais

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL FACULDADE SETE DE SETEMBRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA ALUNA: NATÁLIA DE ARAGÃO PINTO ORIENTADOR: PROF. DR. TIAGO SEIXAS THEMUDO A IMPRENSA

Leia mais

1- Unificação dos Estados Nacionais. Centralização do poder

1- Unificação dos Estados Nacionais. Centralização do poder 1- Unificação dos Estados Nacionais Centralização do poder 1.1- Nobreza classe dominante Isenção de impostos; Ocupação de cargos públicos; Altos cargos no exército. 1- Conceito: Sistema de governo que

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO. Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO. Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012 CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012 Sociologia Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Antropologia Literatura Atuação política Propostas

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA Ano Letivo de 2007

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA Ano Letivo de 2007 PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA Ano Letivo de 2007 PROFESSOR (ES): LISETTE M. CHAVAUTY VALDES. CONCEPÇÃO DO CURSO O conhecimento do passado é a base da construção do saber histórico. Esse passado dialoga permanentemente

Leia mais

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo História Olá, pessoal! Vamos conhecer, entre outros fatos, como era o trabalho escravo no Brasil? CHIQUINHA GONZAGA Programação 3. bimestre Temas de estudo O trabalho escravo na formação do Brasil - Os

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. Leia o texto e responda. Feitoria Igaraçu Fundada pela expedição guarda-costas de Cristóvão Jaques, entre 1516 e 1519. Parece

Leia mais

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI 1. Expansionismo Europeu 1.1. Rumos da expansão 1.1.1. Os avanços da expansão e as rivalidades luso-castelhanas 1.1.2. A chegada à Índia e ao Brasil 1.2.

Leia mais

Da formação á prática na saúde

Da formação á prática na saúde REALIZAÇÃO: GRUPO DE PESQUISA EM SOCIOLOGIA DA SAÚDE UFPR/CNPq PRROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA DA UFPR Mestrado e Doutorado em Sociologia PATROCÍNIO: APOIO: SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE

Leia mais

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO CONTEXTO No final da Idade Média (séculos XIV e XV), ocorreu uma forte centralização política nas mãos dos reis. A burguesia comercial ajudou muito neste processo, pois interessa

Leia mais

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú Catalogação: Cleide de Albuquerque Moreira Bibliotecária/CRB 1100 Revisão final: Karla Bento de Carvalho Projeto Gráfico: Fernando Selleri Silva Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Leia mais

Leia com atenção o texto abaixo para responder às questões de 1 a 12.

Leia com atenção o texto abaixo para responder às questões de 1 a 12. Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSARÁ A 3 ạ SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM 2015 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Leia com atenção o texto abaixo para responder às questões

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 6 5 Unidade 6 Nome: Data: 1. Leia o texto e responda aos itens a seguir. A busca pelo ouro A causa pela qual os espanhóis destruíram tal infinidade de

Leia mais

Matéria: literatura Assunto: contexto histórico do romantismo Prof. IBIRÁ

Matéria: literatura Assunto: contexto histórico do romantismo Prof. IBIRÁ Matéria: literatura Assunto: contexto histórico do romantismo Prof. IBIRÁ Literatura CONTEXTO HISTÓRICO Precedentes: Período de Transição (1808-1836) Simultaneamente ao final das últimas produções do movimento

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais Autor(a): João Corcino Neto Coautor(es): Suzana Ferreira Paulino Email: jcn1807iop@gmail.com Introdução As relações comerciais entre

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

Exercícios de Quinhentismo

Exercícios de Quinhentismo Exercícios de Quinhentismo 1. Os textos produzidos no período quinhentista eram escritos por viajantes portugueses e estrangeiros que aqui chegavam e descreviam suas primeiras impressões sobre o Brasil.

Leia mais

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder...

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder... Liberdade, propriedade e exploração. A revolução agrícola e as relações comerciais. Capítulo 1: Item 5 Relações de trabalho nas sociedades indígenas brasileiras e americanas. Escravidão e servidão. Divisão

Leia mais

CONDICIONALISMOS DA EXPANSÃO. Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons

CONDICIONALISMOS DA EXPANSÃO. Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons CONDICIONALISMOS DA EXPANSÃO Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons 3ª AULA - SUMÁRIO Os condicionalismos da expansão europeia e a busca de novas rotas comerciais. Condições da

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 7

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 7 Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 7 Unidade 7 Nome: Data: 1. Leia o trecho a seguir e faça o que se pede. Depois de estabelecer colônias na África e chegar à Índia e à América, os navegadores

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais

A FALA DOS TAPUIAS VISTA ATRAVÉS DA PRÁTICA DO ENDOCANIBALISMO

A FALA DOS TAPUIAS VISTA ATRAVÉS DA PRÁTICA DO ENDOCANIBALISMO A FALA DOS TAPUIAS VISTA ATRAVÉS DA PRÁTICA DO ENDOCANIBALISMO Juvandi de Souza Santos Chamamos de Tapuias aos indígenas habitantes do interior, os Sertões. Debret (1834) classificou os indígenas do Brasil

Leia mais

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre Curso: Estudos Sociais Habilitação em História Ementas das disciplinas: 1º Semestre Disciplina: Introdução aos estudos históricos Carga horária semestral: 80 h Ementa: O conceito de História, seus objetivos

Leia mais

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE 1.Analise as afirmativas abaixo referentes ao Iluminismo: 01 - Muitas das idéias propostas pelos filósofos iluministas são, hoje, elementos essenciais da identidade da

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

Os índios Por Marina Mesquita Camisasca

Os índios Por Marina Mesquita Camisasca Os índios Por Marina Mesquita Camisasca Os índios do Novo Mundo não formavam um grupo homogêneo, com características lingüísticas e culturais semelhantes. Ao contrário do que se imagina, existiram vários

Leia mais