EDITORIAL EXPEDIENTE. EVANDRO ROBIN DE LIMA Cel Dent Aer R1. Periodicidade: Semestral Tiragem: 3500 exemplares Distribuição: gratuita

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDITORIAL EXPEDIENTE. EVANDRO ROBIN DE LIMA Cel Dent Aer R1. Periodicidade: Semestral Tiragem: 3500 exemplares Distribuição: gratuita"

Transcrição

1 XPDNT DTRAL sta revista é indexada pela CAPS com QUALS 5 PRSDNT DA A Coronel Dentista Aer vandro Robin de Lima 1º VC-PRSDNT Coronel Dentista Aer José Alexandre Credmann rottrel 2º VC-PRSDNT Capitão de ar e Guerra Dentista Luiz Antonio Lopes Schettini 3º VC-PRSDNT ajor Dentista Alexandre arboza de Lemos DRTR CNTÍFC Coronel Dentista x José Henrique Cavalcanti Lima DRTR D PULCAÇÕS Prof. Dr. William Nívio dos Santos CNSLH DTRAL Cel x Hélio Pereira Lopes (ndodontia); Prof. Dr. José Francisco de Souza Filho (ndodontia); Cel x José Henrique Cavalcanti Lima (mplantodontia); Ten Cel x Pantaleo Scelza (dontogeriatria); Prof. Dr. arcos arceleiro (ateriais Dentários); Prof. Spyro Nicolau Spyrides (dontologia Legal); Prof. Adalberto astos Vasconcellos (Dentística); Prof. William Nívio dos Santos (Radiologia); Capitão-de-ar-e-Guerra (CD) Rubens urilo de Lucas (stomatologia); Professora Dra rani Cabral Ribeiro (Patologia ucal); Ten Cel Aer Pylyp Nakonechnyj Neto (Cirurgia uco axilo Facial); Ten Cel Aer Jose Alexandre Credmann rottrel (rtodontia); Ten Cel x Joel Alves da Silva Júnior (Periodontia) PRDUÇÃ DTRAL Cel Dent x Wantuil Rodrigues Araujo Filho DAGRAAÇÃ DA CAPA: Nako CRDNAÇÃ DTRAL: ditora SR Stevenson Gusmão DRÇÃ D ART: Aline Figueiredo Periodicidade: Semestral Tiragem: 3500 exemplares Distribuição: gratuita ndereço para correspondência: ACADA RASLRA D DNTLGA LTAR, R. Alcindo Guanabara, 17/21 sl.1001 a 1005 CP Rio de Janeiro/RJ Tel./Fax (21) mail: Produzir conhecimento é fazer dele uma ferramenta efetiva de contribuição de ações cujos objetivos só são alcançados na medida em que veículos de fácil acesso sejam utilizados e capazes de proporcionar visibilidade à comunidade científica. anter um periódico de alta qualidade, não é tarefa fácil, desde a recepção e avaliação do conteúdo dos artigos até a sua diagramação, formatação e expedição. s efeitos benéficos dessa árdua tarefa, realizada com prazer e equilíbrio por uma equipe de trabalho altamente profissional e qualificada, tem sido amplamente percebidos, gerando um interesse cada vez maior por parte da comunidade Científica em produzir idéias para veiculação em nossa revista. que nos enche de orgulho e otimismo é o grau que a R alcançou no contexto das publicações de dontologia desde suas primeiras edições. caminho percorrido até aqui nos garante que com nosso árduo trabalho encontraremos a melhor maneira de atingir nossas metas. Atualmente estamos amadurecendo nosso projeto que é a inclusão digital, com o desejo de ampliar a exposição do conteúdo de nossa Revista aproximando-nos dos melhores e mais organizados periódicos da área. mporta salientar, entretanto que a inserção da revista nesse formato só ocorre após a completa adequação para impressão, ou seja, é a excelência do periódico impresso que viabiliza a versão digital. ste é o momento de levar a responsabilidade da manutenção desse veículo de divulgação da Pesquisa dontológico Nacional a todos aqueles que reconhecem sua importância. Assim sendo, convidamos a todos a participarem desse trabalho, mobilizando e envolvendo o seu grupo para que todos entendam a R, não só como veículo de divulgação de Artigos Científicos, mas também como importante representante da Pesquisa dontológica rasileira e veículo oficial de divulgação da A. Acesse o nosso site e conheça um pouco mais a nossa A. Saudações acadêmicas. VANDR RN D LA Cel Dent Aer R1

2 R AN 29 Nº 1 e 2 SUÁR ARTG RGNAL Perda de suporte ósseo na região anterior da maxila em usuários de prótese total no arco superior e de acordo com o gênero...3 Anísio Lima da Silva, Rosely Louise Aquino Figueiredo, Lima Soares Cristófaro, Valdir Ferreira Gonçalves, Danilo athias Zanello Guerisoli A identificação humana no direito militar: a contribuição da odontologia legal para a garantia do direito humano à identidade...6 Carlos Antonio arzari Avaliação clínica da relação entre distúrbios oclusais e a ocorrência de recessão gengival...14 udivar Correia de Farias Neto, Gustavo Augusto Seabra arbosa, duardo Gomes Seabra, Lidiane Thomaz Coelho de Farias Capacitação de intensivistas para ações de cuidados bucais em unidades de terapia intensiva...19 Rodolfo José Gomes de Araújo, Cássia Neila acedo Castro, Thiago Rebelo iranda, Aline Silva agalhães elo Perfil das lesões maxilofaciais por arma de fogo após a pacificação...24 Vanessa de Paiva Reis, Paulo Gomes Rangel Júnior, Ricardo Nogueira de Sá, Adriana Raymundo ezerra, Adriane atista Pires aia, Danielle Castex Conde RVSÃ D LTRATURA Análise de cárie e edentulismo da população carcerária do hospital de custódia e tratamento psiquiátrico do estado do Pará...29 Rodolfo José Gomes de Araújo, Augusto Cesar Alcântara dos Reis, Annie Patrícia Gaia de Almeida uso de fitoterápicos em endodontia...36 Wantuil Rodrigues Araujo Filho, Hanascha de Lourdes oura Romeiro, arcelo Sendra Cabreira Contaminação, desinfecção e acondiconamento de escovas dentais...44 Rodolfo José Gomes de Araújo, Arthur Almeida Azevedo, sabel aria Catarina de Castro, Josimeire Pantoja da Trindade Uma abordagem à literatura acerca do uso dos bisfosfonatos e sua repercussão na endodontia...55 Felipe Lara Francischetti, Celso Neiva Campos Considerações sobre o diagnóstico, manifestações clínicas e tratamento da hanseníase de interesse para o cirurgião-dentista...61 Stela ara Pratinha Delbone, Denise de oura Senise, Diurianne Caroline Campos França, gor Lira Gomes, Tatyana de Souza Pereira Avaliação da resistência das conexões: interna (hexagonal e cone morse) e externa...67 Lisandra de Almeida Giannotti, Anísio Lima da Silva Novo código de ética odontológica brasileiro (análise crítica sobre as principais mudanças apresentadas)...71 Sandro Fernandes da Silva, Rodolfo José Gomes de Araújo, agna Rogéria Silva Costa, Natália Carvalho Araújo, Roberto de Souza Pires, Giane estene de liveira, Leila aués liveira Hanna RLAT D CAS Restabelecimento do plano oclusal e DV prévia a reabilitação completa...83 Alessandra C. da Silva Nascimento, Anisio Lima da Silva Correção do sorriso gengival...88 Roberta da S. uniz Santos, Ricardo Duarte Gonçalves, Gabriela Alessandra da Cruz Galhardo Camargo NRAS D PULCAÇÃ

3 Jan / Dez 2012 ARTG RGNAL Perda de suporte ósseo na região anterior da maxila em usuários de prótese total no arco superior e de acordo com o gênero R Loss of supporting bone in the anterior maxilla in denture wearers in the upper and according to gender Anísio Lima da Silva¹ Rosely Louise Aquino Figueiredo 2 Lima Soares Cristófaro² Valdir Ferreira Gonçalves³ Danilo athias Zanello Guerisoli 4 1. Professor Associado da disciplina de Prótese Total e Parcial Removível da UFS; Professor rientador do Programa de Pósgraduação em Saúde e Desenvolvimento da região Centro-este da UFS; Professor rientador do Programa de Pós-graduação em dontologia da UFS; embro titular da A. 2. Aluna de estrado do Programa de Pós-graduação em Saúde e Desenvolvimento da região Centro-este da UFS. 3. estre em mplantodontia; specialista em Periodontia. 4. Professor Adjunto da disciplina de ndodontia da UFS; estre e Doutor em dontologia; Professor rientador do Programa de Pós-graduação em Saúde e Desenvolvimento da região Centro-este da UFS; Professor rientador do Programa de Pós-graduação em dontologia da UFS. ndereço para correspondência: Rua 15 de novembro, 2701 Jardim dos stados CP Campo Grande S -amil: Recebido para publicação em 22 de junho de 2012 e aceito em 21 de dezembro de Resumo A reabsorção é um processo que se acelera com a eliminação dos dentes, sendo a perda óssea na região anterior da maxila frequentemente observada como um dos sinais característicos em usuários de prótese total maxilar, especialmente quando combinada com prótese parcial removível de extremo livre bilateral no arco inferior, situação denominada síndrome da combinação. trabalho apresenta resultado de pesquisa elaborada na UFS, em que 53 pacientes, sendo 37 mulheres e 16 homens, todos desdentados e usuários de prótese total no arco superior a mais de cinco anos, foram avaliados quanto à ocorrência de perda de suporte ósseo na região anterior da maxila. s resultados mostraram que a maioria apresentava acentuada reabsorção óssea na região anterior da maxila, sendo que, de acordo com o gênero, 57% (n=21) das mulheres e 69% (n=11) dos homens eram positivos para esse sinal, porém a análise estatística pelo teste exato de Fisher, não mostrou diferença significante entre os dois grupos. Palavras-chave: Síndrome da combinação, prótese total, reabsorção óssea. Abstract The reabsorption is a process which accelerates with the elimination of the theet, being the loss bone in the anterior maxilla often observed as a signal characteristic in users of maxillary complete denture combined with a partial denture of bilateral free end in the mandibular arch, situation denominated of combination syndrome. The work result of research carried out in UFS, in which 53 patients, being 37 women and 16 men, all toothless and users of total prosthesis in the superior arch to more five years, they were valued as for the incident of loss of bone support in the previous region of the jawbone. The results showed that the majority was presenting accented bone reabsorption in the anterior maxilla, being that, in accordance with the type, 57% (n=21) of the women and 69% (n=11) of the men they were positive for this sign, however the statistical analysis by the right test of Fischer, did not show significant difference between two types. Keywords: Combination syndrome, total prosthesis, bone reabsorption. 3

4 R 4 AN 29 Nº 1 e 2 ntrodução A acentuada perda de suporte ósseo na região anterior da maxila foi relatada por Kelly, em 1972, como sendo uma das várias características que acometem usuários de Prótese Total no arco superior associada com Prótese Parcial Removível no arco inferior Classe de Kennedy, quadro que passou a ser conhecido como Síndrome da Combinação. Para Albuquerque, JF et al (2006), essas características nem sempre ocorrem ao mesmo tempo, pois dependem da regulação de fatores predisponentes. A flacidez da mucosa tecidual na região anterior da maxila também se manifesta na Síndrome da Combinação (ADAN e DATTA, 2006). Segundo Cabral, Guedes, Zanetti, (2002), embora o fenômeno da síndrome da combinação seja descrito na literatura em desdentados totais superiores, em algumas situações observa-se as mesmas características em pacientes parcialmente dentados superiores, com ampla área desdentada anterior e extremidades livres inferiores. s autores relatam uma série de eventos modificadores dos tecidos de suporte ósseo e fibromucoso, pelo uso de Prótese Total ou Prótese Parcial Removível superior com espaço protético anterior amplo, contra um arco inferior com extremidade livre posterior, caracterizado por notável reabsorção óssea da região anterior do arco superior. trabalho de Nogueira, iraglia, Soares, 2002, conclui que fatores como sexo, idade, uso de medicamentos e doenças sistêmicas podem estar relacionados com a presença dos sinais. as infelizmente, sobre estes fatores a dontologia não tem controle, cabendo ao cirurgião dentista apenas suspeitar de uma alteração sistêmica por meio de uma anamnese detalhada e cuidadosa. A complexidade do processo de reabsorção fisiológica progressiva dos rebordos alveolares após a perda dos dentes está diretamente ligada a fatores como gênero, alterações hormonais, metabólicas e nutritivas, presença de parafunções, forças excêntricas e deficiência de adaptação de próteses removíveis, de acordo com Faot et al, em Ainda segundo tais autores, a susceptibilidade de adaptação varia de indivíduo para indivíduo. processo de reabsorção óssea é inevitável após a perda dos dentes, sendo acentuado com o uso de próteses inadequadas (LT, RAGAZN, CU- NHA JÚNR, 2006). Segundo Telles (2009), uma grande reabsorção numa região específica pode ser creditada a tensões mecânicas exageradas, como acontece na Síndrome da Combinação. autor afirma ainda que as mulheres têm tendência a apresentar maiores perdas na maxila, em virtude da diminuição de estrogênio na menopausa, o que afeta o osso trabecular. Silva et al (2011) em pesquisa com usuários e não usuários de próteses, concluíram que a perda de suporte ósseo na região anterior da maxila é a segunda maior incidência dos sinais da Síndrome da Combinação, apenas menor que a perda óssea na região posterior da mandíbula. etodologia Foram examinados cinquenta e três pacientes da clínica de prótese Total e Parcial Removível da UFS, sendo trinta e sete do sexo feminino e dezesseis do sexo masculino. Todos eram usuários a mais de cinco anos, de prótese total no arco superior, apresentando algum sinal característico da síndrome da combinação. trabalho é parte de pesquisa de curso de pós-graduação, submetido à avaliação e aprovação do comitê de ética em pesquisa de seres humanos da UFS, sob o protocolo n 2203 CA termo de consentimento livre e esclarecido foi devidamente assinado pelos pacientes após terem sido informados de que participariam da pesquisa, e anexado ao prontuário, juntamente com as radiografias. s pacientes foram examinados clinicamente e por meio de radiografias panorâmicas por um único avaliador quanto à ocorrência da perda de suporte ósseo na região anterior da maxila. Aqueles que apresentavam perda acentuada do suporte ósseo eram catalogados como sinal positivo. s que não apresentavam tal característica foram catalogados como sinal negativo. s dados foram anotados em ficha própria, tabulados e submetidos à análise estatística através do teste exato de Fisher, com índice de significância de 0,05 (5%).

5 Resultados A pesquisa mostrou que, dos cinquenta e três pacientes avaliados, sessenta por cento (n=32) mostravam perda de suporte ósseo na região anterior da maxila. s demais quarenta por cento (n=21) eram sinal negativo. Segundo o gênero, 21 mulheres eram sinal positivo, o que representa cinquenta e sete por cento e 16 eram sinal negativo (quarenta e três por cento). Quanto ao gênero masculino, enquanto 11 eram sinal positivo, representando sessenta e nove por cento, os outros 5 (trinta e um por cento) eram sinal negativo. A análise estatística mostrou o valor de p=0,5445, ou seja, p>5. sse valor indica não haver diferença estatisticamente significante entre os grupos, no que diz respeito à reabsorção óssea na região anterior da maxila. s dados são mostrados no gráfico 1. Gráfico 1: Número de pacientes sinal positivo e sinal negativo, de acordo com o gênero. Discussão A pesquisa mostrou que, independente do gênero, a maioria dos usuários de prótese total no arco superior apresentou reabsorção na região anterior da maxila, o que confirma os trabalhos de vários autores como Kelly (1972), Cabral, Guedes e Zanetti, (2002), Leite e Ragazini; Cunha Júnior (2006); Silva et al (2011). A porcentagem de ocorrência no gênero masculino Jan / Dez 2012 (69%) foi maior do que no gênero feminino (57%), porém a análise pelo teste exato de Fisher não mostrou diferença estatìsticamente significante. sse resultado difere da literatura consultada que relata fatores hormonais predisponentes característicos do gênero feminino, como aceleradores do processo de reabsorção óssea (FAT et al em 2006, e TLLS, 2009). Conclusões A perda óssea na região anterior da maxila, em usuários de prótese total a mais de cinco anos, estava presente em sessenta por cento dos indivíduos pesquisados, sendo que tal condição ocorreu em cinquenta e sete por cento das mulheres e em sessenta e nove por cento dos homens, porém sem diferença estatisticamente significante entre os dois grupos. Referências ALUQURQU, J.F.; SAPA, A.A.; GNÇALVS,.P.R.; GNÇALVS, A.R. Síndrome da combinação relato de um caso clínico. Anais da 8ª Jornada Acadêmica de dontologia da Universidade Federal do Piauí CARAL, L..; GUDS, C.G.; ZANTT, A.L. Síndrome da combinação: relato de um caso clínico. J ras Clin dontol nt. Curitiba. 2002, 6(31): FAT, F.; SRRAN, P..; RSA, R.S.; DL L CURY, A.A.; GARCA, R.C..R. Síndrome da combinação revisão da literatura. Revista Íbero-americana de Prótese Clínica e Laboratorial. 2006, 8(41): KLLY,. Changes caused by a mandibular removable partial denture opposing a maxilary complete denture. J Prosthet Dent. 1972; 27(2): LT,.L.; RAGAZN, J.C.; CUNHA JÚNR, A.P. Síndrome da combinação Kelly: revisões de interesse para o cirurgião dentista. Anais do X ncontro Latino Americano de iniciação científica e V ncontro Latino Americano de Pós- Graduação Universidade do Vale do Paraíba ADAN, N.; DATTA, K. Combynation syndrome. The Journal of ndian Prosthodontic Society NGURA, R.; RAGLA, S.S.; SARS, F.A.V. Considerações sobre síndrome da combinação (Kelly) na clínica odontológica reabilitadora. Prótese Clínica e Laboratorial. Curitiba. 2002, 4(19): SLVA, A.L.; CRSTÓFAR, R.L.A.F.eL.S.; NDS, J..; AKAN, R.L. corrência dos sinais da síndrome da combinação em pacientes da faculdade de odontologia da UFS. Revista rasileira de dontologia ilitar. 1e2 (28); jan-dez TLLS, D. Prótese Total Convencional e sobre mplantes. São Paulo: d. Santos; p. R 5

6 R AN 29 Nº 1 e 2 ARTG RGNAL A identificação humana no direito militar: a contribuição da odontologia legal para a garantia do direito humano à identidade dentifying human in military duty: the odontologia of legal assistance for guarantee of human right to identity Carlos Antonio arzari 1 1. Tenente Coronel do xército rasileiro. acharel em Direito. specialista em ortodontia e ortopedia facial de maxilares/ ndodontia/prótese/direito ilitar/ Direito em Administração Pública. ndereço para correspondência: Recebido para publicação em 18 de setembro de 2012 e aceito em 6 de janeiro de 2013 Resumo A dontologia Legal e suas vinculações com o judiciário, civil e/ou militar se reveste de sobremaneira importância nos esclarecimentos técnicos prestados à Justiça nas mais diferentes áreas do Direito. Por vezes os autores de delitos penais, bem como suas vítimas deixam ou transportam em si, marcas vestígios ou indícios decorrentes do fato delituoso. Nesses casos a contribuição indiscutível desta ciência através do odontolegista, torna-se imprescindível na difícil tarefa da determinação de identificação humana. s estudos odontolegais, quando criteriosamente realizados, são de inquestionável valor legal, podendo atribuir a culpabilidade da agressão a um determinado suspeito bem como sua exclusão. odontolegista deverá obedecer a uma metodologia específica, visando demonstrar e provar suas evidências, podendo auxiliar à Justiça ilitar bem como os demais profissionais que se deparam nas diferentes áreas do direito e que se validam da atividade odontológica. Palavras-chave: investigação criminal, odontolegista, perícia, achados dentais, identificação dentária. Abstract The Legal Deontology and its entailing with judiciary, civil and/or the military one if excessively coat with importance in the given clarifications technician to Justice in the most different areas of the Right. For times the authors of criminal offenses, as well as its victims leave or carry in itself, marks vestiges or decurrently indications of the dialectal fact. n these cases the unquestionable contribution of this science through the deontologist, becomes essential in the difficult task of the identification determination human being. The deontology studies, when criterions carried through, are of unquestioned legal value, being able to attribute the culpability of the suspected determined aggression to one as well as its exclusion. The deontologist will have to obey a specific methodology, aiming at to demonstrate and to prove its evidences, being able to assist to Justice ilitary as well as the excessively professional ones that if come across in the different areas of the right and that they are become valid of the deontological activity. Keywords: criminal, deontologist inquiry, dental skill, findings, dental identification. 6

7 ntrodução Ao desenvolver esta pesquisa, teve-se como pretensão estudar a importância da dontologia Legal no auxílio pericial, nas diferentes áreas de competência da dontologia Legal e sua vinculação com o Direito ilitar e Civil. A escolha do tema foi um processo mais complexo e demorado. uitos foram os motivos pelos quais se escolheu esse tema, entre eles o grande interesse em oferecer uma breve colaboração acadêmica para quem estuda esta área e, por minha graduação ser em odontologia. Diariamente nos envolvemos com fatos do cotidiano e suas consequências jurídicas. A violência moderna tem tomado proporções maiores dia após dia e crimes contra a vida têm ocorrido com maior frequência. Com o decorrer dos anos, a dontologia Legal tem contribuído sobremaneira aos esclarecimentos técnicos à Justiça nas mais diferentes áreas do Direito. studos tem sido promovidos no intuito de desenvolver técnicas cada dia mais apuradas e precisas para a obtenção da identificação humana. Neste relacionamento se insere a pertinência do presente trabalho. estudo foi direcionado aos fatos históricos evolutivos da dontologia Legal, aos aspectos éticos e legais referentes ao tema e também se abordou a incidência da dontologia Legal na identificação criminal. Desenvolvimento Para obter a identificação de um individuo através da odontologia legal, não resta dúvida de que o mais importante é poder fazer um estudo minucioso da dentadura questionada, de modo a poder captar o maior número de informações que permitam a sua caracterização. A técnica de Luntz permite fazer um estudo minucioso da dentadura questionada, de modo a captar o maior número de informações que permitam a sua caracterização. É ainda Campos, 2002 (p.34), quem leciona: Para obter os arcos ósseos limpos: a) ferver os arcos assim retirados em água, contendo detergente e, em querendo alguns cristais de soda cáustica; Jan / Dez 2012 b) realizar, então, a limpeza manual, com rugina (legra) e pinça, dos restos das partes moles; c) proceder, por fim, ao branqueamento dos ossos com água oxigenada (30 volumes), onde podem ser deixados 24 horas; d) secar as peças. Na obtenção de arcos dentários limpos de impurezas, eles devem ser fervidos em água e detergente. Após é realizada a limpeza manual dos arcos, com rugina e pinça e, por fim o branqueamento dos arcos com água oxigenada (30 volumes). s arcos são secos e assim preparados para obter informações de interesse odontolegal. De acordo com esta autora, no caso específico dos cadáveres carbonizados, tanto os dentes sadios como aqueles que tenham sido alvo de tratamentos restauradores resistem bastante à ação do calor, quando permanecem in situ, a boca com os lábios fechados (o que é raro), formando uma câmara úmida protetora. Dos materiais protéticos, a amálgama é o mais frágil ao calor. Já as porcelanas, os compósitos (resinas mais minerais), os cementos e o ouro são resistentes ao calor (fundemse entre 800 e 1400º C). s fotopolímeros, cuja cor se assemelha a dos dentes, podem ser facilmente reconhecidos com o auxílio da luz ultravioleta, coma qual apresentam fluorescência entre branco-azulada e brancoesverdeada. Nas peças dentárias submetidas em forma isolada, diretamente à ação do fogo, podem produzir-se fissuras já a 150º C. Com temperaturas de 270ºC as raízes tornam-se de cor negra; com 400ºC ocorre a queda espontânea da coroa, quando o dente está sadio, ou, então, a coroa se pulveriza quando existem cáries ou infiltrações. A 800ºC, carboniza-se o esmalte, que se torna azul, sendo a dentina mais resistente ao fogo. As raízes, os dentes calcinados mostram-se curvadas, podendo facilitar a confusão com as dos animais. Aduz Campos, apud onett, 2002, p. 43: No rasil, um dos casos mais momentosos em que a contribuição da odontologia legal foi decisiva deu-se em 1985, e foi a identificação dos restos mortais do médico alemão Josef engele, cognominado o Anjo da orte, 7 R

8 R AN 29 Nº 1 e 2 responsável pela morte de milhares de pessoas, confinadas no campo de concentração de Auschwitz, durante a Guerra undial. m catástrofes aéreas como as acontecidas com o grupo musical (amonas Assassinas), em , ou entre os 99 passageiros do avião da TA que caiu em São Paulo em , a identificação em grau de certeza, somente foi possível com base nos dados oferecidos pelo exame odontológico em 75 dos casos, e só nos casos restantes a identificação foi possível pelo exame de DNA ou outros procedimentos. Na contribuição da dontologia Legal no caso engele, o exame antropológico foi também acompanhado por peritos estrangeiros, na condição de observadores. laudo nº 4016/05, exame odontolegal, continuação da fl. número oito descreve:... (informações constante do dossiê recebido do governo norteamericano), essa somatória de coincidências, dizíamos, é realçada pela constatação, de suma importância, da existência do diastema entre os incisivos centrais da maxila (o que veio a individualizar o diagnóstico), o que nos permite deduzir da existência de uma grande probabilidade de que os arcos dentários, maxila e mandíbula pertençam ao indivíduo cuja identidade esta se pretendendo estabelecer. uitas dúvidas relacionadas aos resultados foram levantadas por diversos setores, não obstante a convicção dos membros da equipe a cerca de suas conclusões. Posteriormente, o exame do DNA realizado na nglaterra esclareceu que a ossada realmente era de Josef engele, e o acerto das conclusões dos peritos oficiais brasileiros, naquela que tem sido considerada como a perícia do século. Para obter a identificação de um individuo através da odontologia legal, não resta dúvida de que o mais importante é poder fazer um estudo minucioso da dentadura questionada, de modo a poder captar o maior número de informações que permitam a sua caracterização. A técnica de Luntz descrita acima permite fazer um estudo minucioso da dentadura questionada, de modo a captar o maior número de informações que permitam a sua caracterização. Na obtenção de arcos dentários limpos de impurezas, eles devem ser fervidos em água e detergente. Após é realizada a limpeza manual dos arcos, com rugina e pinça e, por fim o branqueamento dos arcos com água oxigenada (30 volumes). s arcos são secos e assim preparados para obter informações de interesse odontolegal. De acordo com esta autora, no caso específico dos cadáveres carbonizados, tanto os dentes sadios como aqueles que tenham sido alvo de tratamentos restauradores resistem bastante à ação do calor, quando permanecem in situ, a boca com os lábios fechados (o que é raro), formando uma câmara úmida protetora. Dos materiais protéticos, a amálgama é o mais frágil ao calor. Já as porcelanas, os compósitos (resinas mais minerais), os cementos e o ouro são resistentes ao calor (fundemse entre 800 e 1400º C). s fotopolímeros, cuja cor se assemelha a dos dentes, podem ser facilmente reconhecidos com o auxílio da luz ultravioleta, coma qual apresentam fluorescência entre branco-azulada e brancoesverdeada. Nas peças dentárias submetidas em forma isolada, diretamente à ação do fogo, podem produzir-se fissuras já a 150º C. Com temperaturas de 270ºC as raízes tornam-se de cor negra; com 400ºC ocorre a queda espontânea da coroa, quando o dente está sadio, ou, então, a coroa se pulveriza quando existem cáries ou infiltrações. A 800ºC, carboniza-se o esmalte, que se torna azul, sendo a dentina mais resistente ao fogo. As raízes, os dentes calcinados mostram-se curvadas, podendo facilitar a confusão com as dos animais. Campos regressa a seu enfoque inicial: Como acontece com os pontos característicos nas impressões digitais, também nas comparações entre os dentes do material questionado e o das fichas odontológicas é exigido um número suficiente de coincidências para poder fazer um diagnóstico identificatório de certeza. Contrariamente, a ocorrência de um ou mais pontos discordantes, realmente incompatíveis entre si, podem permitir a exclusão durante o procedimento de identificação pro confronto. Todavia, é necessário enfatizar que os pontos que não sejam incompatíveis não permitirão citadas afirmações de certeza. (CAPS, 2002, p.56) De acordo com essa transcrição, a retirada, eliminação, ou desaparecimento de pontos característicos não impossibilita nem invalida a identificação. Já a in- 8

9 congruência entre trabalhos realizados ou extrações efetuadas, com o achado dessas peças intactas e presentes na dentadura a ser cotejada, exclui a identificação ou torna a identificação negativa. s pontos característicos que podem ser utilizados para individualizar as pessoas não se restringem, como poderia parecer, a extrações ou obturações. cirurgião-dentista, odontolegista ou não, poderá ser solicitado à aplicação dos conhecimentos da ciência odontológica a serviço da Justiça, segundo Vanrell, 2002, p. 78, em casos de: PUTALDAD: (art. 26 e seguintes do Código Penal). A determinação da idade é fator fundamental para verificar a imputabilidade do agente no cometimento de um crime e no seu apenamento. A maioridade penal, tem de ser cabalmente demonstrada como pressuposto processual. Via de regra, a caracterização etária se dá em função da certidão de nascimento e/ou dos documentos que dela se originam ou nela se embasam, como a Cédula de dentidade policia. As definições do autor são perfeitamente aplicáveis à atividade pericial odontológica relacionadas com o direito penal. Com a estimativa da idade, verifica-se a imputabilidade do agente causador do crime, bem como sua apenação. Nas lesões corporais da cavidade bucal, têmporo-mandibular e o pescoço, a pessoa mais bem informada para fazer o exame na ausência de um odontolegista, seria o cirurgião-dentista. No estelionato o cirurgião-dentista, funcionando como perito, pode avaliar o tipo de trabalho, bem como os materiais utilizados. cirurgião-dentista no crime de falsidade ideológica pode constatar a veracidade dos fatos odontológicos constantes no documento, com a queixa clínica exibida pelo paciente. Na falsidade de documento público / privado, o cirurgião-dentista na função de perito, quando chamado, terá que esclarecer a autoridade requisitante à falsidade técnica do conteúdo documental, ligado à odontologia e suas especialidades. Nos casos de atestado médico falso, o cirurgião-dentista verificará quando requisitado, se o paciente que recebeu o atestado é portador da patologia referida no mesmo, bem como se no seu prontuário odontológico está arquivada a cópia ou segunda via do Jan / Dez 2012 atestado. Com esta constatação, gozando de fé pública, se constitui na prova da materialidade do falsum. A vinculação da dontologia Legal com Direito Civil. Na ausência da certidão de nascimento ou cédula de identidade policial a forma de caracterizar a idade para a verificação da Capacidade pode ser feito analisando o processo de ossificação metafisária ou dos ossos do carpo, por meio dos raios X, e das fases de mineralização e de erupção dentária. A identificação individual, quer através do estudo dos arcos dentários, quer dos trabalhos de dentística e de prótese feito nos dentes, servem para realizar a identificação precisa de uma pessoa viva ou de restos mortais. Código Civil rasileiro contém normas a respeito das relações entre os autônomos. Assim atesta Vanrell, 2002, p. 152: Dentre essas normas, algumas são de caráter específico, como, por exemplo, o art.1545, que dispõe que os médicos, cirurgiões, farmacêuticos, parteiras e dentistas são obrigados a satisfazer o dano, sempre que, da imprudência, da negligência ou da imperícia em atos profissionais, resultar morte, inabilitação de servir, ou ferimento. É certo que tais normas penais, embora originariamente não fossem criadas, especificamente em relação aos cirurgiões-dentistas, muitas vezes poderão ser aplicadas a estes em caso de erro odontológico ou em situações tais que a atuação do profissional, a medicação ministrada ou os procedimentos utilizados possam enquadrar-se em alguma das tipificações do statuto Penal vigente. É interessante assinalar que, no caso de condenação criminal por homicídio culposo ou lesão corporal grave, por exemplo, a obrigação de indenizar a vítima ou seus herdeiros torna-se automática. A eventual discussão posterior, no Juízo Cível, será apenas quanto ao valor da indenização (quantum debeatur), e não se a mesma é ou não devida (an debeatur), porquanto é devida automaticamente. Código de Defesa do Consumidor, Lei nº 8078, de 11 de setembro de 1990, no seu art. 14, dispõe sobre a responsabilidade pelos danos causados aos consumidores, por serviços prestados de maneira defeituosa. sse artigo consagra a responsabilidade objetiva dos R 9

10 R AN 29 Nº 1 e 2 fornecedores ou prestadores de serviço, isto é, não se exige prova de culpa do responsável pelo serviço para que ele seja obrigado a reparar o dano. Segundo o Código de Defesa do Consumidor, em relação aos profissionais liberais, entre os quais se incluem os cirurgiões-dentistas, o 4º do art. 14 da lei supracitada, mantém, como pressuposto da responsabilidade, a verificação da culpa. Vale dizer que, relativamente aos cirurgiões-dentistas, por serem contratados com base na confiança que inspiram aos seus clientes e respectivos familiares, não se aplica a teoria da responsabilidade objetiva esposada pelo Código do Consumidor. Neste sentido, Denari, 2000, afirma: Assim, estes profissionais somente serão responsabilizados por danos quando ficar provada a ocorrência de culpa subjetiva, em quaisquer de suas modalidades: negligência, imprudência ou imperícia. Para o legislador, entretanto, os profissionais liberais, enquanto prestadores pessoais de serviços, diretamente, aos seus clientes e / ou pacientes, a responsabilidade pelos danos eventualmente causados dependerá de comprovação de suas culpas subjetivas, o mesmo não ocorre relativamente aos serviços profissionais prestados pelas pessoas jurídicas, seja sociedade civil, seja associação profissional. De acordo com a doutrina dominante, a responsabilidade do profissional somente será admitida depois de apurada e provada sua culpa; já a responsabilidade do Hospital ou Clínica será apurada objetivamente. As radiografias dentárias são de fundamental importância para a odontologia Forense, pois oferecem evidências objetivas da anatomia das estruturas orais, das restaurações existentes, dos materiais utilizados, das patologias preexistentes, dos tratamentos endodônticos, os procedimentos cirúrgicos prévios, as fraturas prévias, próteses fixas e móveis, ou outros aparelhos ortodônticos e / ou ortopédicos, em uso. Por tudo isso as radiografias ante-mortem quando comparadas as radiografias dentais post-mortem prestam-se à identificação positiva e incontestável das vítimas. Preleciona ainda Vanrell, 2002, p. 153: Findos os exames radiográficos dentais, procede-se ao odontograma, realizado por três profissionais sucessivos. s desenhos devem ser feitos sempre com caneta, e não com lápis. s achados a serem registrados durante o exame post-mortem incluem: restaurações dentais, dentes perdidos, próteses, patologias atuais, anatomia singular (torus, por exemplo), estimativa de idade e referência para eventual reconhecimento de sexo ou de grupo étnico. Sempre é recomendável obter, junto aos dentistas das vítimas, prontuários (fichas odontológicas), radiografias e/ou modelos em gesso. Do exposto acima, pretender utilizar esses programas no rasil é mera utopia, porquanto não se dispõe de bancos de dados, embora, em fichas, se mantenham informações, as quais tampouco estão centralizadas. Quiçá, no futuro, no âmbito militar, esses procedimentos possam ser usados com êxito; já no âmbito civil, nem com o passar do tempo há esperanças de que se chegue a tal grau de sofisticação identificatória, quando no país há carências bem maiores, como, por exemplo, de registrar os recém-nascidos para que passem a existir juridicamente, ou que os adultos consigam algo tão simples e elementar como a Carteira de dentidade. A primeira grande diferença entre militar e civil reside no fato de que o homem fardado nunca esta só. le encarna toda a instituição que representa. Ninguém olha um homem fardado sem pretender ver nele um modelo. por esta razão os seus desvios de conduta aparecem sempre gizados pela opinião pública. Segue afirmando Fagundes A JUSTÇA L- TAR tem sido muitas vezes taxada de justiça de exceção. as, na verdade, é uma justiça especial como o é a Justiça leitoral, a Justiça Trabalhista, etc. la é justiça especial porque se fundamenta em casos especiais que não teria cabimento em outros setores do judiciário. sono da sentinela, a insubordinação, a deserção, os delitos contra a disciplina, são crimes que não se podem atribuir ao paisano de uniforme. as são típicos ao militar afeito e formado em princípios dos quais carece a maioria das almas. A Justiça ilitar brasileira é militar mas nunca foi militarista. Nela, como na gramática o substantivo JUSTÇA foi sempre mais importante que o adjetivo LTAR., no complexo âmbito hierárquico-disciplinar das instituições militares, há circunstâncias detentoras, não ape- 10

11 nas de sistemática própria, tendo em vista deveres e serviços prescritos estatuária e regimentalmente, mas também prevêm-se situações somente concretizáveis no âmbito castrense. stabelece-se não obstante um eixo conectivo entre a questão transcendental dos direitos humanos e os crimes no âmbito militar em tempos de paz e de guerra que são inerentes a esta condição. Sucede-se toda uma gama de eventos em que o autor e / ou vítima pertencem a condição de militar ou a eles são assemelhados. Do rol de condutas antevistas pelos direitos humanos, um amplo leque diz respeito às atividades contra autoridade ou disciplina militar, e entre elas, os motins, as revoltas, as conspirações, as invasões, as fugas, os amotinamentos, os genocídios, o ingresso clandestino, a violência arbitrária provocam repercussões, as mais das vezes, na dontologia Legal, área do conhecimento que oferece à justiça através de suas especialidades, subsídios para identificar corpos (carbonizados), seu sexo, sua altura, sua idade, como também efetuar perícias nos vivos, nos mortos, nas ossadas (esqueletos) e em fragmentos de tipos variados. perito odontólogo possui competência para atuar também em necropsias, onde fenômenos físicos, químicos e biológicos precisam ser esclarecidos. Quanto ocorre em estabelecimento militar (quartel, base área, navio) motim, revolta, conspiração, invasão, amotinamento ou qualquer outro evento que produza morte, com desfiguramento de indivíduo, recorre-se ao perito odontólogo para proceder à identificação. gualmente em acontecimentos ocorridos como acidentes em manobras militares, incêndio em unidade militar, ocorrência de morte em missão de paz em território estrangeiro, desastres naturais, explosão de paiol, vazamento de gases, irradiação em que pairem dúvidas sobre a real identidade do morto, urge determinar quem é quem para a família do falecido e a instituição castrense. Antes de uma exigência processual, há uma necessidade humana de esclarecer uma identidade posta em dúvida. Num mundo de grandes transformações um princípio mantém-se atuante, que é o de respeitar a dignidade da pessoa humana. É ele garantido como fundamental para a existência da ética militar. No contexto Jan / Dez 2012 doutrinário estrutural das forças armadas ocorrem situações peculiares, em que são pertinentes exames, perícias, e esclarecimentos técnicos de profissionais da área de saúde para dirimir aspectos controversos de fatos e ou condutas, levantando dados que conduzam à conclusão sobre a autoria ou a exclusão do suspeito (s). Pelo exposto, torna-se imperativo a identificação da pessoa humana. Do caso envolvendo a identificação de JSF NGL, podemos nos referenciar a Juan Ubaldo Carrea,1940, p.2-4, da Argentina, que dizia quando interpelado a respeito da importância da odontologia legal na identificação: Dadme um diente; yo fijoé la persona. sta é uma das funções precípuas e universalmente aceitas da odontologia legal, muito antes mesmo que recebesse tal nome, dada sua a sua possibilidade quer através do estudo dos arcos dentários, quer dos trabalhos de dentística e de prótese realizados nos dentes, até realizar a identificação precisa de uma pessoa viva ou de restos mortais. A verdadeira constituição do Direito nternacional dos Direitos Humanos surgiu em meados do século XX, em decorrência da Segunda Guerra undial. Assim, aduz uergenthal, 2005, p. 129: moderno Direito nternacional dos Direitos Humanos é um fenômeno da pós-guerra. Seu desenvolvimento pode ser atribuído às monstruosas violações de direitos humanos da era Hitler e à crença de que parte dessas violações poderiam ser prevenidas de um efetivo sistema de proteção internacional de direitos humanos existisse movimento de internacionalização dos direitos humanos constitui um movimento extremamente recente na história, surgindo a partir do pós-guerra, como respostas às atrocidades e aos horrores cometidos durante o nazismo. Apresentando o stado como o grande violador de direitos humanos a era Hitler foi marcada pela lógica da destruição e da descredibilidade da pessoa humana, que resultou no extermínio de 11 milhões de pessoas. legado do nazismo foi condicionou a titularidade de direitos, ou seja, a condição de sujeito de direitos, à pertinência a determinada raça, a raça pura ariana. século XX foi, desta forma, marcado R 11

12 R AN 29 Nº 1 e 2 por duas guerras mundiais e pelo horror dentro do genocídio concebido como projeto político e industrial. Dos fatos supra citados verifica-se que a barbárie do totalitarismo significou a ruptura do paradigma dos direitos humanos, através da negação do valor da pessoa humana como valor fonte de direito., diante desta ruptura, emergiu a necessidade de reconstrução dos direitos humanos, como referencial e paradigma ético que aproxime o direito da moral ou seja: o ser humano ter o direito a ser sujeito de direitos. Complementando o estudo monográfico, e obedecendo a sequência cronológica, no próximo capítulo arrematar-se-ão os fios que nortearam o eixo da argumentação desenvolvida nesta pesquisa. Conclusão papel do cirurgião-dentista na sociedade representa trabalho de extrema responsabilidade, e este se estende no que diz respeito à determinar a identidade postmortem de pacientes, quando a identificação dactiloscópica é impossível, o que muitas vezes o cirurgião-dentista não se apercebe. É exatamente em razão de tal responsabilidade, que deve o profissional observar toda série de normas legais no campo do Direito, e normas éticas no âmbito administrativo do Conselho Profissional a que pertence, e que deverão sempre norteá-lo, cotidianamente, em sua atividade laboral. A identificação por meio dos arcos dentários é relevante, principalmente em se tratando de corpos carbonizados, putrefeitos e esqueletizados, visto que os dentes apresentam aspectos de suma importância para a identificação humana, pela sua durabilidade, já que estes iniciam sua formação no 5º mês de vida intrauterina e muitos deles permanecem além da morte implantados nos respectivos alvéolos. Devido também, a individualidade das características dentárias jamais serem as mesmas entre duas pessoas e quanto à sua indestrutibilidade, visto que os dentes são mais resistentes que o próprio alvéolo onde se encontram e resistem à altas temperaturas ( º C). Há uma evidência objetiva de confiança fornecida por radiografias dentais na identificação humana que depende da observação e comparação das estruturas anatômicas e artificiais registradas nas radiografias dentais, ante-mortem e pós-mortem. las podem fornecer a mais segura fonte de informação por comparação e às vezes a única possível. A rugosidade palatina e o sistema dactiloscópico de Vucetich são métodos de identificação que possuem características baseadas nos mesmos fundamentos científicos. primeiro deles, é útil em casos de ausências de falanges, o que acontece em cadáveres em avançado estado de putrefação, carbonizados, amputados ou esqueletos. Por outro lado, a dactiloscopia estuda a reprodução dos desenhos formados pelas cristas papilares digitais que, obtidas, observadas e classificadas, fornecerão meios para se chegar à identificação correta. s elos que as unem contribuem sobremaneira para a ciência da identificação judiciária, pois tem se tornado mutuamente indispensáveis em diversos momentos. A dactiloscopia em uma simples comparação da legalidade ou originalidade de uma impressão digital de uma cédula de identidade, ou em casos de acidente em que é imprescindível a utilização de técnicas de identificação mais apurada e detalhada, tal como a rugosidade palatina. De fundamental importância para a identificação humana postmortem é a elaboração do prontuário clínico - odontológico do paciente, que deve ser observado com rigor formal. Torna-se imprescindível a conscientização do profissional cirurgião-dentista em realizar o registro detalhado de todos os eventos odontológicos encontrados na boca de um paciente antes, durante e depois do tratamento. Deve se ressaltar que para a identificação é imperativo que o cirurgião-dentista respeite o Código de Ética dontológico nos seguintes pontos: efetuar uma ficha odontológica completa e adequada, onde consta a qualificação do paciente e a descrição de todos os eventos odontológicos; efetuar radiografias periapicais, panorâmica e modelos de estudo; guardar toda a documentação do seu paciente adequadamente, fornecendo à Justiça quando solicitado. Código de Ética dontológica dispõe como dever fundamental do cirurgião-dentista (art. 4º, V), elaborar as fichas clínicas dos pacientes, conservando-as 12

13 em arquivo próprio. Desse modo, trata-se de direito do paciente ter os registros de seus arcos dentários arquivados pelo profissional que o atende. cirurgião-dentista presta relevante auxílio à Justiça e tem grande responsabilidade quanto à identificação de seu paciente, pois é o único profissional que disponibiliza à perícia, o prontuário clínico odontológico que, quando hábil, é a peça fundamental para a comparação com os registros dentários específicos da vítima a ser identificada. A contribuição da dontologia Legal ilitar para a Garantia do Direito Humano à dentidade mostrou-se de suma importância ao caso de engele, cognominado o Anjo da orte, responsável pela morte de milhares de pessoas, confinadas no campo de concentração de Auschwits. A identificação dos seus restos humanos permitiu aos seus familiares sobreviventes resolver as situações que resultam diretamente do óbito, assim como continuar com a vida de cada um. A documentação formal da morte requer uma identificação positiva e incontroversa, que é essencial à conclusão do término legal da existência, com as complicações que acarreta, notadamente na área civil. A falta de uma declaração de óbito, na maioria dos países, resulta em graves problemas legais para os familiares, persiste, que podem perder anos até obtê-la., no caso engele também houve a contribuição da dontologia Legal, frente ao Direito ilitar, na identificação como um Direito Humanitário, pois, as atrocidades decorrentes dos fatos delituosos cometidos pelo médico militar alemão deixaram a humanidade perplexa. Clamando justiça para os seus atos e, com sua identificação pós-morte, contatou-se o término legal da existência. Acontecimento que firmou e mostrou a importância da dontologia Legal como auxiliar incontestável da justiça. Um fato lamentável, que infelizmente vem ao encontro da importância da dontologia Legal em seu Jan / Dez 2012 périplo para garantir o direito humano e humanitário à identidade, ocorreu quando do acidente do Airbus da TA que vitimou 199 pessoas cujos cadáveres em sua maioria houve demora na identificação, pois os restos mortais foram carbonizados. dia 17 de julho de 2007 no Aeroporto de Congonhas, São Paulo, redundou no clamor dos parentes, dos amigos, que junto às autoridades clamavam pelo direito de acolher suas vítimas em seu retorno ao útero-mãe, a terra, no ritual de sepultamento, em que a dor, a saudade e a despedida tiveram lugar cativo junto às recordações compartilhadas. Assim como o nascimento dá origem à identidade, a morte, nas exéquias fúnebres encerra este processo. Cabe às famílias a exigência ao stado de cumprir sua função de tutor da cidadania, garantido a um e a todos, a identidade humana e humanitária que pertence em sua integridade, aos seres humanos, únicos em sua singularidade e subjetividade. Há entre nós um conhecido adágio que diz que, se o médico legista é o único que pode afirmar de que morreu um indivíduo, o dentista é o único que pode dizer quem era o indivíduo. A identificação odontológica traz a vantagem de examinar polimorfismos sobre as estruturas mais resistentes do corpo e que, por isso, são as mais óbvias e viáveis, que possibilita resgatar a identidade e a história individual quando nenhum outro ramo da ciência tem condições de fazê-lo. Referências NNT,. F. P. edicina legal. 2º ed. uenos Aires: Lopez, in: VANRLL, J. P. dontologia & antropologia forense: Rio de Janeiro: Guanabara Koogan URGNTHAL, T. nternacional humano rights. n: PVSAN, F. Direito Constitucional nternacional. 4ed. São Paulo: Saraiva, CAPS,. L.. A perícia em odontologia legal. N: VANRLL, J. P. dontologia & antropologia forense: Rio de Janeiro: Guanabara Koogan CARRA, J.V. La identificación de las rugosidades palatinas. rtodoncia: uenos Aires, DNAR, Z. Código de defesa do consumidor comentado. 4 ed. São Paulo: Saraiva, VANRLL, J. P. dontologia legal & antropologia forense. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, R 13

14 R AN 29 Nº 1 e 2 ARTG RGNAL Avaliação clínica da relação entre distúrbios oclusais e a ocorrência de recessão gengival Clinical evaluation of the relationship between occlusal disorders and gingival recession udivar Correia de Farias Neto 1 Gustavo Augusto Seabra arbosa 2 duardo Gomes Seabra 3 Lidiane Thomaz Coelho de Farias º Ten QCN Dent Adjunto da Seção de Periodontia da dontoclínica de Aeronáutica Santos-Dumond, estre em Periodontia e Prótese Dentária (UFRN), specialista em Periodontia. 2. Doutor em dontologia (Reabilitação ral), estre em dontologia (Reabilitação ral), Professor Adjunto da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Coordenador da disciplina de Disfunção Temporomandibular e Dor rofacial, Coordenador do Curso de specialização em Prótese Dentária da UFRN. 3. Doutor em dontologia (Periodontia), estre em dontologia (Periodontia), specialista em Periodontia, Professor Aposentado da Disciplina de Periodontia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. 4. 1º Ten (Ciurgião-Dentista) da arinha do rasil, nstrutora rientadora do Curso de specialização em Prótese Dentária da dontoclínica Central da arinha, estre em Periodontia e Prótese Dentária (UFRN), specialista em Programa Saúde da Família (FACSA). ndereço para correspondência: R. Professor Álvaro Rodrigues, 255, AP. 402, otafogo, Rio de Janeiro RJ. CP.: mail: Resumo ste trabalho avaliou clinicamente a relação entre distúrbios oclusais (contatos prematuros e interferências oclusais) e recessões gengivais. As avaliações foram realizadas utilizando-se questionários e exames clínicos. Foram examinados 558 dentes, sendo que 24,1%, isto é, 135 apresentavam recessão gengival maior ou igual a 1mm. Por meio do teste t de Studant, para um nível de significância de 5%, observou-se associação estatisticamente significante entre os distúrbios oclusais e a ocorrência de recessão (p = 0,002). Apesar deste resultado, os distúrbios oclusais não apareceram associados ao tamanho da recessão quando medida em milímetros (p = 0,620). Conclui-se que embora os distúrbios oclusais não estejam associados ao tamanho das recessões, estão associados à sua ocorrência. Palavras-chave: recessão gengival, distúrbios oclusais, trauma oclusal. Abstract This study clinically evaluated the relationship of gingival recessions with the occlusal disorders. The evaluations were performed by using questionnaires and clinical examinations. 558 teeth were examined, with 24.1%, 135 had gingival recession greater than or equal to 1mm. Using t Studant test (p d 0,05%) to evaluate the average of the recession and its relationship with the variables studied, we observed statistically significant association with recession to occlusal disorders (p = 0,002). Although this results, occlusal disorders haven t been associated to degree of recession in millimeters (p = 0,620). We can conclude that however occlusal disorders aren t associated to degree of recession, it s related to its occurrence. Keywords: gingival recession, occlusal disorders, occlusal trauma. Aceito para publicação em 27 de fevereiro de 2012 e aceito em 1 de abril de

15 ntrodução As recessões gengivais são facilmente encontradas na população e são alvo de grande preocupação por parte da mesma. las se caracterizam pelo posicionamento apical da margem gengival em relação à junção cemento-esmalte com a exposição da superfície radicular devido a fatores variados, tais como: anatomia óssea, posicionamento dentário, movimentação ortodôntica, trauma mecânico, fatores locais de retenção de placa, doença periodontal e fumo (LÖST, 1984). Uma consequência muito comum é a hiperestesia dentinária cervical, estabelecida pela exposição da superfície radicular ao ambiente bucal, frequentemente relatada pelos pacientes como a queixa primária em relação às suas recessões (ADDY, STAFA e NWC, 1987). mecanismo exato pelo qual a recessão do tecido marginal se estabelece ainda não está totalmente esclarecido. A presença de placa bacteriana é um dos fatores fundamentais para a inflamação gengival que, dependendo das características teciduais, pode estabelecer uma recessão no periodonto marginal ( LARY et al., 1968). Quando a oclusão traumatogênica atua associada a outros fatores etiológicos ocorre, segundo Passanezi e Janson (1998), aumento da mobilidade dental por alargamento do espaço do ligamento periodontal, mudança de posição do dente no arco, alterações da margem gengival, caracterizando a formação de recessão gengival. Acredita-se que as forças oclusais excessivas possam debilitar o suporte periodontal, inclusive a crista óssea, tornando o tecido marginal susceptível a agentes irritantes. Glickman e Smulow (1962), investigando os efeitos de forças funcionais excessivas sobre os tecidos periodontais de macacos relatam que forças oclusais excessivas alteram a patogenicidade da inflamação gengival nos tecidos periodontais e afetam o modo de destruição óssea na doença periodontal. m 2003, arini, avaliando a prevalência e os possíveis fatores etiológicos da presença de recessões gengivais em 380 indivíduos, verificou que cerca de 8% dos dentes que apresentavam recessões gengivais também apresentavam interferência no movimento Jan / Dez 2012 excursivo anterior da mandíbula e que cerca de 5% dos dentes com recessões apresentavam interferência nos movimentos de lateralidade direita ou esquerda. Além disso, verificou que 64% dos indivíduos avaliados na faixa dos 20 aos 29 anos apresentaram recessões gengivais, chegando a 98,75% a prevalência nos indivíduos com idade acima de 50 anos. Dessa forma, este trabalho teve por objetivo avaliar o possível relacionamento entre dentes que apresentam recessões gengivais e distúrbios oclusais (contato prematuro e interferências oclusais). etodologia Foram avaliados 558 dentes dos quais 135 apresentavam recessão gengival. Foram examinados 20 indivíduos adultos, sendo 13 do gênero feminino e 07 do gênero masculino, com idade média de 24,1 anos (19-33). stes indivíduos eram estudantes ou cirurgiões-dentistas, alunos da graduação ou de um dos cursos de Pós-Graduação realizados no Departamento de dontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). projeto de pesquisa desenvolvido foi submetido à apreciação do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (CP-UFRN), aprovado sob o parecer número 077/2008, sendo os participantes informados a respeito da avaliação a que seriam submetidos, assinando o termo de Consentimento Livre e sclarecido, firmando sua anuência em participar do estudo. As recessões gengivais foram avaliadas desde a junção cemento -esmalte (JC) até o ponto mais coronal da margem gengival, tendo sido registradas somente nos sítios onde 1 mm ou mais de raiz estivesse clinicamente visível e, portanto, exposta ao ambiente bucal. Nos sítios onde a JC estava coberta por cálculo, mascarada por uma restauração ou perdida devido a desgaste dentário ou cárie, a altura desta junção era estipulada baseando-se nos dentes adjacentes. s contatos dentários foram avaliados durante os movimentos excursivos mandibulares: movimentos de lateralidade nos lados de trabalho e não trabalho, protrusão e nas posições de máxima intercuspidação R 15

16 R AN 29 Nº 1 e 2 habitual (H) e relação cêntrica (RC). Na análise oclusal, com o paciente na cadeira odontológica em posição padronizada (supina) foram registrados, com a superfície dentária seca por meio de jatos de ar, os movimentos mandibulares de protrusão e de lateralidade, durante os quais, por meio da fita marcadora (Accufilm 11 - Parkell Farmingdale - USA) registravam-se os contatos nos lados de trabalho e não-trabalho. m seguida os contatos foram registrados em protrusão e H. Logo após, o Leaf-gauge foi utilizado pelos pacientes durante cinco minutos, com o objetivo de desprogramar a memória proprioceptiva do Sistema Nervoso e do ligamento periodontal, possibilitando relaxamento dos músculos do Aparelho stomatognático, para facilitar a manipulação da mandíbula para a posição de RC, pela técnica frontal (RAFJRD e ASH, 1984). registro dos contatos prematuros em RC também foi realizado por meio da fita marcadora. s distúrbios oclusais foram marcados quando da presença de contato oclusal prematuro ou deflectivo e interferência oclusal (FRNANDS NT, 2006). contato oclusal prematuro foi registrado sempre que havia contato oclusal prematuro entre cúspide e fossa ou entre cúspide e crista marginal (embrasura) de dentes antagonistas. Na protrusão foram registrados os contatos quando ocorria interferência entre a estrutura oclusal mesial (aresta longitudinal, vertente triturante ou crista marginal) do dente inferior e a estrutura oclusal distal do dente superior; No movimento mandibular excursivo de trabalho a interferência foi identificada quando ocorria o contato oclusal entre a vertente lisa de uma cúspide funcional (palatina superior e vestibular inferior) e a vertente triturante de uma cúspide não funcional (vestibular superior e lingual inferior); no movimento mandibular excursivo de balanceio foi registrada quando ocorria contato oclusal entre as vertentes triturantes de duas cúspides funcionais (palatina superior e vestibular inferior) (FRNANDS NT, 2006). Resultados Dos 558 dentes avaliados 24,1%, isto é, 135 dentes apresentavam recessão gengival maior ou igual a 1mm. A posição dos dentes que apresentaram recessão revelou que 19,8% eram dentes anteriores e 80,2% posteriores. A distribuição da recessão gengival segundo o arco dentário foi de 52,6% para mandíbula e 47,4% para maxila. Para o grupo de dentes com recessão gengival a distribuição revelou predominância dos primeiros pré-molares com 30,4%, seguido dos primeiros molares com 23,7%, dos segundos pré-molares com 19,3%, dos caninos com 8,9% e segundos molares com 6,7%. s incisivos centrais e incisivos laterais foram os que apresentaram menos recessão com 5,9 e 5,2% respectivamente (Figura 1). Figura 1: Distribuição da recessão gengival segundo o grupo de dentes. bservando o número de contatos parafuncionais distribuídos nos dentes com recessão, pudemos observar que a maioria dos casos não possuía contato parafuncional, 89 elementos (65,9%). Apresentando 1 contato, 24 casos foram registrados (17,8%); com 2 contatos, 16 casos (11,9%); 3 contatos, 5 casos (3,7%) e com 4 contatos, apenas 1 caso (0,7%). Quando avaliamos o tamanho das recessões dos dentes que possuíam distúrbios oclusais (1,78mm em média) comparando com o tamanho das recessões dos dentes que não apresentaram distúrbios oclusais (1,72mm em média), não pudemos observar uma diferença estatisticamente significante (Tabela 1). Tabela 1: Diferença da média das recessões associada à presença ou não de distúrbio oclusal. Distúrbio N édia D.P. Valor de p* clusal Recessão t (mm) Sim 46 1, Não 89 1,72 0,754-0,497 0,620 *Teste T de Student (p<0,05) No entanto, ao avaliarmos a média do número de distúrbios oclusais dos dentes que possuíam recessão gengival (0,52 distúrbios) comparando com a média do 16

17 número de distúrbios oclusais dos dentes que não possuíam recessão gengival (0,27 distúrbios), observamos uma diferença estatisticamente significante (p=0,002) (Tabela 2). Tabela 2: Diferença da média dos distúrbios oclusais associado à presença ou não de recessão. Recessão N édia D.P. Valor de p* Distúrbios t clusais Sim 135 0,52 0,860 Não 423 0,27 0,602-3,203 0,002 *Teste T de Student (p<0,05) Discussão A recessão gengival apresenta etiologia multifatorial, com a combinação de diversas variáveis. ntre as variáveis destacam-se o biofilme bacteriano dentário, características anatômicas, que podem estar associadas ao posicionamento dentário e que são constituídas pelas dimensões ósseas e mucogengivais locais, sendo a espessura da gengiva marginal de extrema importância, além da oclusão traumatogênica. xistem controvérsias entre os autores em relação a que fatores estão mais fortemente associados às recessões (YARD, ZN e PACHC, 2006). Dos 558 dentes avaliados, 24,1% apresentaram recessão gengival igual ou superior a 1mm, número sensivelmente superior ao encontrado por Valle (2007), que examinou uma população semelhante em termos de características biológicas e sociais, onde dos 660 dentes examinados, 14,2% mostraram recessão gengival. Também no estudo de Valle (2007), 71,3% das recessões encontravam-se em dentes posteriores e 28,7% em dentes anteriores, dados bem semelhantes aos achados desta pesquisa, que encontrou 80,2% das recessões nos elementos dentários posteriores e 19,8% nos dentes anteriores. Quando observamos a distribuição da recessão gengival nos grupos de dentes foi revelada uma predominância dos primeiros pré-molares com 30,4%. ssa informação corresponde à mesma encontrada em diversos artigos analisados (GRAN, 1965; SLNT e STAAUGH, 1983; LÖ, ANRUD e YSN, 1992; LPS, 2005; VALL, 2007). Löe (1992) ao Jan / Dez 2012 investigar, 565 universitários noruegueses constatou que 63% dos indivíduos na faixa dos 20 anos já apresentavam recessões gengivais, estando confinadas quase inteiramente na face vestibular dos pré-molares e molares superiores e inferiores. Nos exames realizados por Solnit e Stambaugh (1983) foi revelada uma a maior frequência de interferências no lado de trabalho nos dentes superiores com recessão. ste fato aconteceu mais frequentemente nos primeiros pré-molares e primeiros molares, os quais apresentavam posicionamento no arco dentário que hes permitiam apenas movimentos em direção vestibular, além de na maxila o osso palatino ser mais denso e inflexível do que o osso vestibular. Segundo estes mesmos autores as características anatômicas dentárias também são capazes de justificar a maior ocorrência de recessão nos primeiros pré-molares superiores comparado aos segundos prémolares, uma vez que naqueles a cúspide vestibular é mais longa, favorecendo a ocorrência de interferência oclusal. Ainda evidenciando uma maior frequência de acometimento dos pré-molares com recessão gengival, Valle (2007) observou que os primeiros pré-molares mostraram maior incidência 25,5%, assim como na pesquisa de Lopes (2005), que encontrou valores ainda maiores, chegando a 49,74%, desse grupo de dentes acometido por recessão gengival. Quando foi avaliado o número de contatos parafuncionais, pode-se perceber que a maioria dos dentes (65,9%) não apresentava esse tipo de interferência. Trott e Love (1966) no estudo que conduziram demonstraram que apenas 11,6% dos incisivos centrais inferiores com recessão apresentavam trauma nos movimentos excursivos. Da mesma forma, arini (2003) avaliando 380 indivíduos verificou que cerca de 8% dos dentes que apresentavam recessões gengivais também apresentavam interferência no movimento excursivo anterior da mandíbula e que cerca de 5% dos dentes com recessões apresentavam interferência nos movimentos de lateralidade direita ou esquerda. Gorman (1965) e Yared, Zenobio e Pacheco (2006) em concordância com as informações anteriores concluíram que os fatores etiológicos mais frequentemente associados às recessões gengivais foram o mal- R 17

18 R AN 29 Nº 1 e 2 posicionamento dentário e o trauma por escovação, sendo o trauma oclusal de pouca importância. Resultado semelhante foi encontrado por ernimoulin e Curilovic (1977) que em seus resultados evidenciaram que os dentes acometidos por recessão gengival não estavam sob trauma. No entanto, apesar de o resultado não ter apresentado uma diferença estatisticamente significante (p=0,620), quando analisamos a média dos dentes que possuíam recessão e estavam sofrendo algum tipo de distúrbio oclusal, esse valor se mostrou maior (1,78mm) do que aqueles dentes que mesmo com recessão não possuíam nenhum contato anormal (1,72mm). Tal fato também pode ser observado por Solnit e Stambaugh (1983), quando observações clínicas levantaram a suspeita de que dentes com recessões gengivais de maiores amplitudes estavam associados à oclusão traumatogênica, o que veio a ser confirmado por exames oclusais. Apresentando resultados semelhante, Harrel e Nunn (2004) concluíram em seu artigo afirmando que mesmo a média da perda de tecido gengival sendo maior nos dentes que apresentavam discrepâncias oclusais (0,101mm/ano) do que aqueles que não possuíam (0,055mm/ano), não representaram diferenças que fossem significativas estatisticamente. Ao avaliarmos todo o conjunto dos dentes examinados e não apenas aqueles que possuíam recessão gengival, dados relevantes e estatisticamente significantes (p=0,002) puderam ser observados com relação aos distúrbios oclusais (contato prematuro e interferência oclusal). s elementos com recessão apresentaram uma média de tais distúrbios maior que a dos elementos sem recessão (0,52 contra 0,27). stes resultados são confirmados por diferentes trabalhos publicados na literatura (PARFTT e JÖR, 1964; GUTUD, KDS e KNSTANTNDS, 1997; VALL, 2007) e mostram a associação existente entre distúrbios oclusais e a ocorrência de recessão gengival. Conclusão Diante da importância clínica que as recessões gengivais apresentam na rotina odontológica, este trabalho foi desenvolvido na tentativa de verificar a participação do fator oclusal na sua ocorrência. De acordo com a metodologia aplicada, foi possível identificar que os distúrbios oclusais estiveram associados aos casos de recessão gengival, entretanto tal associação não pôde ser feita com a média de tamanhos das recessões. Referências ADDY,.; STAFA, P.; NWC, R.G. Dentine hypersensitivity: the distribution of recession, sensitivity and plaque. J Dent. 1987, 25(6): RNULN, J.P.; CURLVC, Z. Gingival recession and tooth mobility. J Clin Periodontol. 1977, 4(2): FRNANDS NT, A.J. Distúrbios clusais. Uberlândia G, Universidade Federal de Uberlândia, Disponível em: Cap05.pdf. Acesso em: 12/03/ GLCKAN,.; SULW, J.. Alterations in the pathway of gingival inflammation into the underlying tissues induced by excessive occlusal forces. J Periodontol. 1962, 1(33):7-13. GRAN, W.J. Prevalence and etiology of gingival recession. J Periodontol. 1965, 38(4): GUTUD, P.; KDS, P.T., KNSTANTNDS, A. Gingival recession: a cross sectional clinical investigation. ur J Prosthodont Restor Dent. 1997, 2(5):57-81 HARRL, S.K.; NUNN,.. The ffect of cclusal Discrepancies on Gingival Width. J Periodontol. 2004, 75(1): LÖ, H.; ANRUD, A.; YSN, H. The natural history of periodontal disease in man: prevalence, severity, and extent of gingival recession. J Periodontol. 1992, 6(3): LPS, L.A.. Avaliação in vivo da prevalência de recessão gengival e facetas de desgaste. auru, (Dissertação) - Faculdade de dontologia. Universidade de São Paulo, São Paulo, LÖST, C. Depth of alveolar bone dehiscences in relation to gingival recessíons. J Clin Periodontol. 1984, 11(9): ARN,.G. nvestigação epidemiológica da ocorrência de recessões gengivais nos pacientes da Faculdade de dontologia de auru. auru, (Dissertação) - Faculdade de dontologia de auru. Universidade de São Paulo, São Paulo, LARY, T.J.; DRAK, R..; JVDN. G.J.; ALLN,.F. The incidence of recession in young males: relationship to gingival and plaque scores. Periodontics. 1968, 6(3): PARFTT, G.J.; JÖR,.A. A clinical evaluation of localized gingival recession in children. J Dent Children. 1964, 31: PASSANZ,.; JANSN, W.A.; CAPS JUNR, A.; SANTANA, A.C.P. Planejamento periodontal tendo em vista tratamentos estético e protético. n: RAFJRD, S.P.; ASH,.S.P. CLUSÃ. 3º ed. d. nteram SLNT, A.; STAAUGH, R.V. Treatment of gingival clefts by occlusal therapy. nt J Periodonties Restorative Dent. 1983, 3(3): TRTT, J.R., LV,. An analysis of localized gingival recession in 766 Winnipeg high school students. Dent Pract Dent Rec. 1966, 6: VALL, C.A.C. Análise clínica da correlação entre interferência oclusal, alinhamento dental e largura da mucosa ceratinizada com a ocorrência de recessão gengival. Uberlândia, Dissertação - Faculdade de dontologia. Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, YARD, K.F.G.; ZN,.; PACHC, W. A etiologia multifatorial da recessão periodontal. R Dental Press rtodon rtop Facial. 2006, 6(11):

19 Jan / Dez 2012 ARTG RGNAL R Capacitação de intensivistas para ações de cuidados bucais em unidades de terapia intensiva Training for intensivists actions for oral health in intensive care units Rodolfo José Gomes de Araújo 1 Cássia Neila acedo Castro 2 Thiago Rebelo iranda 3 Aline Silva agalhães elo º Ten DT Hospital Geral de elém (HGee), estre em Clínica dontológica Universidade Federal do Pará (UFPA) 2. Cirurgiã Dentista scola Superior da Amazônia (SAAZ) 3. Cirurgiã Dentista Hospital Adventista de elém 4. Dentista ntensivista Hospital Porto Dias ndereço para correspondência: Rodolfo José Gomes de Araújo Av. ras de Aguiar 681 / 902 Nazaré elém Pará rasil CP: mail: Recebido para publicação em 13 de abril de 2013 e aceito em 15 de abril de 2013 Resumo Visando à obtenção de um perfil e da realização dos cuidados bucais pelo corpo clínico em UT, fez-se uma pesquisa com abordagem estatística de análise de dados através de um questionário, envolvendo como população de referência profissional intensivistas que atuavam em unidades de tratamento intensivo do hospital adventista de elém. Foram obtidos os seguintes resultados: os intensivistas sugeriram a necessidade dos dentistas em equipes interdisciplinares, sabem da inter-relação da infecção bucal e saúde sistêmica e acha importante a higienização bucal durante a internação hospitalar e observou-se que o conhecimento sobre os cuidados de saúde bucal são insatisfatórios, logo se necessita de mudanças. s autores concluíram que o corpo clínico responsável pelos cuidados bucais dos pacientes internados em unidades de terapia intensiva não recebeu instruções adequadas, logo a presença do dentista é sugerida como tentativa de solucionar as dificuldades apresentadas, participando da elaboração do plano de tratamento e, inclusive, após a alta hospitalar logo é de extrema importância que o corpo clínico seja orientado e capacitado para realizar os cuidados de higiene oral de maneira correta, visando à qualidade de vida e melhor atendimento ao paciente. Palavras-chave: odontologia hospitalar, unidades de terapia intensiva e higiene bucal. 19

20 R AN 29 Nº 1 e 2 Abstract Trying to obtain a profile and completion of oral care by the medical staff in CU, the authors performed a research approach with statistical data analysis through a questionnaire, involving a reference population of critical care professionals who work in intensive care units of Adventist hospital of elem (razil). We obtained the following results: intensivists suggested the need for the dentist in interdisciplinary teams, know the interrelationship of oral infection and systemic health and oral hygiene important finds during hospitalization and found that knowledge about health care mouth are underperforming, and then need to change. The authors concluded that the clinical staff responsible for the oral care of patients admitted to intensive care units did not receive proper instructions, so the presence of the dentist is suggested as an attempt to solve the difficulties presented by participating in the plan of treatment and even soon after discharge is of utmost importance that the clinical staff are instructed and trained to perform the oral hygiene care properly, seeking the quality of life and better patient care. Keywords: hospital dentistry, intensive care unit, oral hygiene. ntrodução Pacientes internados em Unidades de Terapia ntensiva (UTs) devem receber cuidados especiais e intensivos, não só para tratar o problema que o levou à internação, mas também para cuidar dos demais órgãos e sistemas que podem sofrer alguma deterioração prejudicial para sua recuperação e prognóstico, logo necessitam de cuidados de excelência. Diante disso, deveriam fazer parte dos cuidados preventivos com a cavidade oral em ambiente hospitalar o exame clínico periódico para inspecionar possíveis alterações destes tecidos e em caso de achados como sintomatologia dolorosa ou lesões estes já receberiam assistência curativa especializada, além da necessidade de escovação dental apropriada, uso de fio dental e substâncias antisépticas que previnam as infecções das mucosas. Patógenos comumente responsáveis pela pneumonia nosocomial são encontrados colonizando o biofilme dental e mucosa bucal destes pacientes, contudo, boas técnicas de higiene bucal são capazes de prevenir o avanço da infecção da cavidade bucal para o trato respiratório. Frequentemente, em UT o paciente necessita de ventilação mecânica. A literatura demonstra que as pneumonias associadas a este tipo de recurso acometem grande percentagem destes pacientes, com taxas alarmantes de mortalidade. Araújo (2009), em seu trabalho, realizado na cidade de elém, afirma que o corpo de enfermagem pouco conhece a respeito dos métodos de controle de placa responsável pelas principais patologias bucais e dos diversos produtos que podem ser utilizados na higiene dos pacientes internados em UT. Afirma que estas equipes de enfermagem que realizam os cuidados de higiene bucal, de forma geral, não receberam formação adequada para realizá-los. A atual prática de cuidados nas principais UTs é mal definida e inconsistente, por não incluir um componente de cuidado bucal definido e focar somente o conforto do paciente, não a remoção de microorganismos (SLVA e RAS, 2007). objetivo deste estudo é mostrar ao corpo clínico da unidade de terapia intensiva a maneira correta e eficaz de realizar os cuidados bucais nos pacientes através da realização de uma revisão de literatura e ministrando palestras sobre o assunto. etodologia Visando à obtenção de um perfil e da realização dos cuidados bucais de intensivistas, fez-se uma pesquisa com abordagem estatística de análise de dados através de um questionário, envolvendo como população de referência profissionais intensivistas (sendo três enfermeiros,seis técnicos de enfermagem e um fisioterapeuta) que atuavam em unidades de tratamento intensivo do hospital adventista de elém durante o período de 30 de maio a 3 de abril de

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS Prof. Dr. Eduardo Daruge Titular de Odontologia Legal e Deontologia da FOP-UNICAMP Prof. Medicina Legal da Faculdade de Direito da UNIMEP DEFINIÇÃO: PERÍCIAS

Leia mais

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES 21/06/2014 A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora vinculada ao Ministério da Saúde

Leia mais

COMO ELABORAR O PRONTUÁRIO ODONTOLÓGICO E A IMPORTÃNCIA DO SEU CORRETO PREENCHIMENTO. Ribeiro S.; Canettieri, A.C.V.

COMO ELABORAR O PRONTUÁRIO ODONTOLÓGICO E A IMPORTÃNCIA DO SEU CORRETO PREENCHIMENTO. Ribeiro S.; Canettieri, A.C.V. COMO ELABORAR O PRONTUÁRIO ODONTOLÓGICO E A IMPORTÃNCIA DO SEU CORRETO PREENCHIMENTO Ribeiro S.; Canettieri, A.C.V. Curso de Odontologia, Faculdade de Ciências da Saúde, Universidade do Vale do Paraíba

Leia mais

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha MANUAL DE DIREITOS E RESPONSABILIDADES DOS PACIENTES www.ocm.mar.mil.br MARINHA DA BRASIL ODONTOCLÍNICA

Leia mais

CURSO DE PERÍCIA ODONTOLÓGICA

CURSO DE PERÍCIA ODONTOLÓGICA ] CURSO DE PERÍCIA Apresentação O Código de Defesa do Consumidor trouxe maior consciência à população sobre seus direitos. Nota-se que há maior exigência, por parte dos usuários, quanto aos serviços prestados

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014

PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014 PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC nº 7331/2014 ASSUNTO: ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO PERITO E DO AUXILIAR DE NECROPSIA. PARECERISTA: CONSELHEIRO JOSÉ AJAX NOGUEIRA QUEIROZ

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três Perfil do proprietário de cães e gatos da cidade de Jataí GO em relação aos cuidados odontológicos de seus animais RESENDE, Lara Gisele¹; PAIVA, Jacqueline de Brito¹; ARAÚJO, Diego Pereira¹; CARVALHO,

Leia mais

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos.

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos. Consultas à Defesa Anualmente, o Departamento de Defesa Profissional da Associação Paulista de Medicina (APM) realiza cerca de mil atendimentos, esclarecendo dúvidas sobre uma série de assuntos e garantindo

Leia mais

ATESTADOS ODONTOLÓGICOS.

ATESTADOS ODONTOLÓGICOS. ATESTADOS ODONTOLÓGICOS. Daniel P.P. de Bragança, C.D. Especialista em Odontologia Legal - UNICAMP Mestrando em Odontologia Legal e Deontologia UNICAMP Servidor Cirurgião-Dentista da Prefeitura de Macaé/RJ

Leia mais

PROCESSO: 0046800-32.2006.5.01.0064 RO

PROCESSO: 0046800-32.2006.5.01.0064 RO Acórdão 10a Turma RECURSO ORDINÁRIO. DOENÇA PROFISSIONAL. AUSÊNCIA DO NEXO DE CAUSALIDADE. PROVA PERICIAL. Para se reconhecer a doença profissional, o que é possível mesmo após a ruptura do contrato, ainda

Leia mais

DESASTRE EM MASSA. Prof. Ugo Osvaldo Frugoli. ufrugoli@terra.com.br

DESASTRE EM MASSA. Prof. Ugo Osvaldo Frugoli. ufrugoli@terra.com.br DESASTRE EM MASSA Prof. Ugo Osvaldo Frugoli ufrugoli@terra.com.br Histórico Até o século s XIX em regra, a morte apresentava-se como f fato unitário. Conflitos BélicosB Envolvimento de centenas ou milhares

Leia mais

Bem-vindo ao Plano Odontológico Riachuelo!

Bem-vindo ao Plano Odontológico Riachuelo! Bem-vindo ao Plano Odontológico Riachuelo! Sorria! Assim como cerca de 6,2 milhões de brasileiros, você agora poderá contar com os melhores serviços odontológicos do país. Este Plano, resultado de uma

Leia mais

A Experiência do IML de São Paulo em ACIDENTE DE MASSA

A Experiência do IML de São Paulo em ACIDENTE DE MASSA A Experiência do IML de São Paulo em ACIDENTE DE MASSA Shopping Center Osasco 11 de junho de 1996 Shopping Center Osasco VÍTIMAS Lesão Corporal 380 Óbitos Local Hospital 36 5 Shopping Center Osasco Reconhecimento

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Dentistas-Consolidação das Normas para Procedimentos nos Conselhos de Odontologia-Alteração RESOLUÇÃO

Leia mais

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

A Odontologia Legal e a ciência do Direito

A Odontologia Legal e a ciência do Direito A Odontologia Legal e a ciência do direito Revista Brasileira de Odontologia Legal RBOL Odontologia Legal A Odontologia Legal e a ciência do Direito Moacyr da Silva* Thiago Leite Beaini ** * Professor

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC Nº 6566/08 ASSUNTO: RESPONSABILIDADE MÉDICA PARECERISTA: CÂMARA TÉCNICA DE AUDITORIA DO CREMEC EMENTA O ato médico é responsabilidade

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA. Reconhece a Acupuntura, a Homeopatia e a Odontologia do Esporte como especialidades odontológicas.

CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA. Reconhece a Acupuntura, a Homeopatia e a Odontologia do Esporte como especialidades odontológicas. CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA RESOLUÇÃO CFO-160, DE 2 DE OUTUBRO DE 2015 Reconhece a Acupuntura, a Homeopatia e a Odontologia do Esporte como especialidades odontológicas. O presidente do Conselho Federal

Leia mais

A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas?

A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas? A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas? A consultoria médico-legal e as perícias em seguros de pessoas revestem-se de grande importância na regulação dos benefícios

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20/2001

RESOLUÇÃO CFO-20/2001 16 de agosto de 2001 RESOLUÇÃO CFO-20/2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324, de 14 de abril

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais

Companhia Hidro Elétrica do São Francisco DIRETORIA ADMINISTRATIVA. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

Companhia Hidro Elétrica do São Francisco DIRETORIA ADMINISTRATIVA. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Companhia Hidro Elétrica do São Francisco DIRETORIA ADMINISTRATIVA Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Número Sistema : RECURSOS HUMANOS Sub-Sistema : Vigência : 01/12/2014 Emissão : 01/12/2014

Leia mais

Guia para um. Sorriso Saudável

Guia para um. Sorriso Saudável Guia para um Sorriso Saudável Fotos meramente ilustrativas. Seja bem-vindo ao serviço odontológico do Sesc Rio! 3 Serviços Nosso serviço está disponível em diversas Unidades Operacionais, exclusivamente

Leia mais

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC A) TIPOS DE SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A.1 Consulta Inicial Entende-se como exame clínico,

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44 Mitos e Verdades da Odontologia Mitos: Quanto maior e colorida for nossa escova dental, melhor! Mentira. A escova dental deve ser pequena ou média para permitir alcançar qualquer região da nossa boca.

Leia mais

Cré d. Cód Sem Módulo Ementa Créd

Cré d. Cód Sem Módulo Ementa Créd Conselho Universitário - CONSUNI Câmara de Ensino Curso de Graduação em Odontologia da UNIPLAC Quadro de Equivalência para Fins de Aproveitamento de Estudos entre duas Estruturas Curriculares Modulares

Leia mais

Absenteísmo por causas odontológicas em cooperativa de produtores rurais do Estado de Minas Gerais

Absenteísmo por causas odontológicas em cooperativa de produtores rurais do Estado de Minas Gerais Absenteísmo por causas odontológicas em cooperativa de produtores rurais do Estado de Minas Gerais Cristiane Miranda CARVALHO 1 Marina Pereira COELHO 1 Ronaldo RADICCHI 2 RESUMO Conhecer as causas odontológicas

Leia mais

EDITAL Abertura de inscrições para a seleção de candidatos ao Programa de Mestrado em Odontologia da UNIP. Ano Letivo de 2013 (segundo semestre)

EDITAL Abertura de inscrições para a seleção de candidatos ao Programa de Mestrado em Odontologia da UNIP. Ano Letivo de 2013 (segundo semestre) EDITAL Abertura de inscrições para a seleção de candidatos ao Programa de Mestrado em Odontologia da UNIP Recomendado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES, de acordo com

Leia mais

Projeto Dentista em casa

Projeto Dentista em casa Projeto Dentista em casa Oscip : 08071.001062/2010-97, publicado no diário oficial de 02 de março de 2010. Cnpj: 10.200.021/0001-04 SOS Dental Assistência Médica Odontologica SDAMO Consiste em levar à

Leia mais

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho O Conceito de Acidente de Trabalho (de acordo com a Lei 8.213/91 Art. 19) Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço

Leia mais

MANUAL DO ASSOCIADO. Plano Empresarial. A solução definitiva em odontologia

MANUAL DO ASSOCIADO. Plano Empresarial. A solução definitiva em odontologia MANUAL DO ASSOCIADO Plano Empresarial A solução definitiva em odontologia MISSÃO DA EMPRESA O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo

Leia mais

CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER

CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER NOVO PROGRAMA [Revisto & Atualizado] CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER CURSO MODULAR DE FORMAÇÃO DE ASSISTENTES DENTÁRIOS 6.ª edição Início a 21 de novembro de 2015 ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DESCRIÇÃO

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

A EMPRESA. Visão. Missão

A EMPRESA. Visão. Missão MANUAL DE RH 2015 A EMPRESA Com mais de 18 anos e com profundo conhecimento sobre saúde bucal, a DENTALPAR destaca-se no mercado odontológico pela qualidade nos serviços prestados e por promover e manter

Leia mais

Importância do exame radiográfico

Importância do exame radiográfico Exames e Indicações Importância do exame radiográfico O exame radiográfico de rotina associado ao exame clínico é a maneira mais efetiva de se obter o índice diagnóstico de 100% de cárie (segundo Estevam

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério da Educação/Secretaria de Educação

Leia mais

COBERTURA DE DESPESAS MÉDICAS, HOSPITALARES E ODONTOLÓGICAS

COBERTURA DE DESPESAS MÉDICAS, HOSPITALARES E ODONTOLÓGICAS Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco Registro do Produto na SUSEP: 15414.002658/2011-22 COBERTURA DE DESPESAS MÉDICAS, HOSPITALARES E ODONTOLÓGICAS CAPÍTULO I - OBJETIVO DA COBERTURA Cláusulas Complementares

Leia mais

I CONGRESSO LONDRINENSE DE ODONTOLOGIA IV CONGRESSO ODONTOLÓGICO DA UEL

I CONGRESSO LONDRINENSE DE ODONTOLOGIA IV CONGRESSO ODONTOLÓGICO DA UEL I CONGRESSO LONDRINENSE DE ODONTOLOGIA IV CONGRESSO ODONTOLÓGICO DA UEL ENCONTRO DA PÓS-GRADUAÇÃO NORMAS GERAIS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS As apresentações poderão ser realizadas na forma de PÔSTER

Leia mais

Especialidades Odontológicas

Especialidades Odontológicas Especialidades Odontológicas Urubatan Medeiros Doutor (USP) - Professor Titular do Departamento de Odontologia Preventiva e Comunitária (UERJ/UFRJ) - Consultor do Ministério da Saúde I - Introdução A Odontologia

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES DECRETO Nº 6.106/2013 REGULAMENTA AS LICENÇAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE, DE QUE TRATAM OS ARTS. 80, I; 82 A 100, DA LEI MUNICIPAL Nº 1.132, DE 02 DE JULHO DE 1990 (ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA

BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA Vanara Florêncio Passos * Thyciana Rodrigues Ribeiro * João Arruda Cajazeira Neto * Sérgio Lima Santiago ** PET Odontologia Universidade

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR Atuação e conceitos da Odontologia Hospitalar e Medicina Oral A Odontologia exercida pela grande maioria dos dentistas brasileiros enfoca

Leia mais

Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli

Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli LIMA, Richard Presley 1 ; DOS SANTOS, Mateus Veppo 2 ; DE MOURA, Cariacy Silva 3 ; GUILLEN, Gabriel Albuquerque 4 ; MELLO, Thais Samarina Sousa

Leia mais

Revista Brasileira de Odontologia Legal RBOL PERFIL PROFISSIONAL DOS MEMBROS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ÉTICA E ODONTOLOGIA LEGAL- ABOL

Revista Brasileira de Odontologia Legal RBOL PERFIL PROFISSIONAL DOS MEMBROS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ÉTICA E ODONTOLOGIA LEGAL- ABOL Perfil profissional dos membros da ABOL Revista Brasileira de Odontologia Legal RBOL Odontologia Legal PERFIL PROFISSIONAL DOS MEMBROS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ÉTICA E ODONTOLOGIA LEGAL- ABOL Professional

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto

COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto 1 COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto Resumo da monografia apresentada no curso de especilização em Ortodontia da Universidade

Leia mais

OCORRÊNCIA E ETIOLOGIA DO TRAUMATISMO DENTAL EM ALUNOS DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL/RS

OCORRÊNCIA E ETIOLOGIA DO TRAUMATISMO DENTAL EM ALUNOS DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL/RS Revista de Endodontia Pesquisa e Ensino On Line - Ano 4, Número 7, Janeiro/Junho, 2008. 1 OCORRÊNCIA E ETIOLOGIA DO TRAUMATISMO DENTAL EM ALUNOS DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO

Leia mais

RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS. 1ª Edição OUT 2012

RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS. 1ª Edição OUT 2012 RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS TEORIA 38 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Ricardo S. Pereira Organização e Diagramação: Mariane dos Reis 1ª

Leia mais

Horário: de 08:00 às 18:30h Segunda a Sexta-feira. Telefone: (32) 3215-0706

Horário: de 08:00 às 18:30h Segunda a Sexta-feira. Telefone: (32) 3215-0706 Prezado Usuário A UNIODONTO-JF sente-se honrada em tê-lo como cliente. Este Manual contém as informações necessárias para utilização do Sistema UNIODONTO. Leia-o com atenção e sempre o tenha à mão para

Leia mais

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Doenças Periodontais Tratamento e Prevenção 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Gengivite e Periodontite Guia para o paciente Aprenda mais sobre as Doenças Periodontais (de gengiva) As doenças

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR PREFEITURA DE BELO HORIZONTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR COORDENAÇÃO TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

Leia mais

PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO

PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO PEÇA D E S P A C H O 1. Autue-se o Auto de Prisão em Flagrante; 2. Dê-se o recibo de preso ao condutor; 3. Autue-se o Auto de Apresentação

Leia mais

Tomografia Computorizada Dental

Tomografia Computorizada Dental + Universidade do Minho M. I. Engenharia Biomédica Beatriz Gonçalves Sob orientação de: J. Higino Correia Tomografia Computorizada Dental 2011/2012 + Casos Clínicos n Dentes privados do processo de erupção

Leia mais

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos $ 5(63216$%,/,'$'( &,9,/ '2 3529('25 '( $&(662,17(51(7 Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos A Internet se caracteriza

Leia mais

COMUNICADO SINDICÂNCIA DE VIDA PREGRESSA ESCLARECIMENTOS DA BANCA EXAMINADORA.

COMUNICADO SINDICÂNCIA DE VIDA PREGRESSA ESCLARECIMENTOS DA BANCA EXAMINADORA. COMUNICADO SINDICÂNCIA DE VIDA PREGRESSA ESCLARECIMENTOS DA BANCA EXAMINADORA. Referências: Edital Bacen Analista n o 1 e Edital Bacen Técnico n o 1, ambos de 18 de novembro de 2009 Itens 14 e 12, respectivamente.

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL PERFIL E MISSÃO CORPORATIVA COMPROMISSO INPAO DENTAL Superar as expectativas e garantir a total satisfação de seus clientes; Ser sinônimo de credibilidade e excelência na prestação

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO FORENSE DE RESTOS MORTAIS

IDENTIFICAÇÃO FORENSE DE RESTOS MORTAIS IDENTIFICAÇÃO FORENSE DE RESTOS MORTAIS FOLHETO Ed Ou/CICV INTRODUÇÃO A identificação de restos mortais é importante por motivos humanitários e de ordem jurídica. A presente publicação propicia aos leigos

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas:

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas: . ' ESTADO DA PARAÍBA t-n " PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Apelação Civel n 200.2004.038313-1/001 Relator: Des. Luiz Silvio Ramalho Júnior Apelante: Executivos Administração e Promoção de Seguros

Leia mais

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO TOMÁS LIMA DE CARVALHO Em julgamento proferido no dia 22 de setembro de 2009, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça

Leia mais

Responsabilidade em saúde

Responsabilidade em saúde Responsabilidade em saúde Cível:obrigação de indenização indene de prejuízo Constituição Federal/Código civil/cdc Elementos de responsabilidade Autor Ato Culpa Dano Nexo causal CÓDIGO CIVIL Art. 186 Aquele

Leia mais

LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA

LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA IDENTIFICAÇÃO HUMANA Identificação pelo DNA - Identificação Médico-Legal - Perícias Odontológicas VOLUME II Editora Millennium CAMPINAS/SP

Leia mais

TABELA PARA O AGREGADO FAMILIAR. Tabela 2011

TABELA PARA O AGREGADO FAMILIAR. Tabela 2011 Dental Clinic New Generaction www.newgeneraction.com.pt Os sócios, colaboradores e familiares do SIT, poderão usufruir do Plano de Medicina Oral - DentalClinic New Generaction, mediante o pagamento de

Leia mais

LAUDO MÉDICO PERICIAL.

LAUDO MÉDICO PERICIAL. 1 LAUDO MÉDICO PERICIAL. Preâmbulo. Aos trinta dias do mês de janeiro do ano de 2009, o Perito Dr. OSCAR LUIZ DE LIMA E CIRNE NETO, designado pelo MM Juiz de Direito da 5.ª Vara Cível Regional de Santa

Leia mais

UNITAU UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ AUTARQUIA MUNICIPAL DE REGIME ESPECIAL RECONHECIDA PELO DEC. FED. Nº 78.924/76 REITORIA RUA 4 DE MARÇO, 432

UNITAU UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ AUTARQUIA MUNICIPAL DE REGIME ESPECIAL RECONHECIDA PELO DEC. FED. Nº 78.924/76 REITORIA RUA 4 DE MARÇO, 432 DELIBERAÇÃO CONSEP N 105/2002 Altera a Deliberação CONSEP N 025/99 que dispõe sobre a criação do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Odontologia, em nível de Doutorado. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA,

Leia mais

I - Criação das especialidades: 1. ACUPUNTURA Aprovado. 2. HOMEOPATIA Aprovado. 3. HIPNOSE Aprovado. 4. TERAPIA FLORAL Aprovado

I - Criação das especialidades: 1. ACUPUNTURA Aprovado. 2. HOMEOPATIA Aprovado. 3. HIPNOSE Aprovado. 4. TERAPIA FLORAL Aprovado I - Criação das especialidades: 1. ACUPUNTURA Aprovado 2. HOMEOPATIA Aprovado 3. HIPNOSE Aprovado 4. TERAPIA FLORAL Aprovado 5. FITOTERAPIA Aprovado 6. ODONTOLOGIA DO ESPORTE Aprovado II - CRIAÇÃO DE PRÁTICAS

Leia mais

Profilaxia das alegações de erro médico. Paulo Afonso - BA

Profilaxia das alegações de erro médico. Paulo Afonso - BA Profilaxia das alegações de erro médico Paulo Afonso - BA Princípios Fundamentais do CEM I - A Medicina é uma profissão a serviço da saúde do ser humano e da coletividade e será exercida sem discriminação

Leia mais

LAUDO MÉDICO PERICIAL.

LAUDO MÉDICO PERICIAL. 1 LAUDO MÉDICO PERICIAL. Preâmbulo. Ao primeiro dia do mês de outubro do ano de 2008, o Perito Dr. OSCAR LUIZ DE LIMA E CIRNE NETO, designado pelo MM Juiz de Direito da 18ª Vara Cível da Comarca de São

Leia mais

Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso

Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso Artigo Inédito 1 41 2 42 3 4 Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso 43 44 7 47 8 9 Claudio Ferreira NóIA*de OlIveIRA**NóIA*** Rafael Ortega lopes****mazzonetto*****

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU- USP

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU- USP PARECER CONSUBSTANCIADO DO CEP DADOS DO PROJETO DE PESQUISA Título da Pesquisa: TERAPIA FOTODINÂMICA ANTIMICROBIANA NO TRATAMENTO DA DOENÇA PERIODONTAL EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN Pesquisador: Carla

Leia mais

GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE

GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE Bianca Emanuelle Silva Constâncio Acadêmica do curso de Fisioterapia do Centro Universitário de João Pessoa UNIPÊ, email: biancaemanuelle@live.com

Leia mais

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA RADIOLOGIA EM ORTODONTIA Sem dúvida alguma, o descobrimento do RX em 1.895, veio revolucionar o diagnóstico de diversas anomalias no campo da Medicina. A Odontologia, sendo área da saúde, como não poderia

Leia mais

SulAmérica Odonto Empresarial

SulAmérica Odonto Empresarial SulAmérica Odonto Empresarial O sorriso dos seus colaboradores está em nossos planos. A partir de 100 vidas sulamerica.com.br Sobre a SulAmérica A SulAmérica Seguros, Previdência e Investimentos, com 116

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 37, de 2010, da Senadora Lúcia Vânia, que altera o art. 10 do Código de

Leia mais

Clínica de Preparo Bucal: Indispensável para o Tratamento de Pacientes Parcialmente Desdentados

Clínica de Preparo Bucal: Indispensável para o Tratamento de Pacientes Parcialmente Desdentados Clínica de Preparo Bucal: Indispensável para o Tratamento de Pacientes Parcialmente Desdentados Frederico dos Reis Goyatá 1 Universidade Severino Sombra, curso de Odontologia, Professor de Dentística,

Leia mais

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA A responsabilidade civil tem como objetivo a reparação do dano causado ao paciente que

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

SIGPROJ Nº: 145618.654.49425.06032013

SIGPROJ Nº: 145618.654.49425.06032013 SIGPROJ Nº: 145618.654.49425.06032013 DIAGNÓSTICO DO CÂNER BUCAL ATRAVÉS DO EXAME CLÍNICO E ANATOMOPATOLÓGICO COM ENFOQUE NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E CENTRO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS ROSA,

Leia mais

MANUAL DO CREDENCIADO

MANUAL DO CREDENCIADO MANUAL DO CREDENCIADO MANUAL DO CREDENCIADO APRESENTAÇÃO Prezado (a) Doutor (a): A ORAL ODONTO é uma empresa criada e administrada por profissionais dentistas que se dedicam a oferecer os melhores recursos

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC

PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC FERREIRA, Jean Carlos Barbosa.*¹; MARQUES, Aline Silva¹; SILVA, Julio. Almeida² DECURCIO, Daniel Almeida²; ALENCAR, Ana Helena Gonçalves³;

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola A avaliação e promoção de saúde bucal é ação essencial que integra o Componente I do Programa Saúde

Leia mais

Dados e Informações Sobre as Especialidades Odontológicas no Brasil

Dados e Informações Sobre as Especialidades Odontológicas no Brasil Dados e Informações Sobre as Especialidades Odontológicas no Brasil José Mário Morais Mateus Conselheiro Federal - MG Julho/2014 Histórico das Especialidades Odontológicas Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Faciais

Leia mais

A cremação e suas implicações jurídicas:

A cremação e suas implicações jurídicas: A cremação e suas implicações jurídicas: 1.Introdução e considerações iniciais Tendo em vista a crescente procura pelo serviço de cremação no município do Rio de Janeiro e em todo o Brasil, e o grande

Leia mais

HOSPITAL GERAL DE VILA PENTEADO HOSPITAL GERAL DOUTOR JOSÉ PANGELLA DE VILA PENTEADO MÉDICO (ÁREA: ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA) PROCESSO SELETIVO Nº

HOSPITAL GERAL DE VILA PENTEADO HOSPITAL GERAL DOUTOR JOSÉ PANGELLA DE VILA PENTEADO MÉDICO (ÁREA: ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA) PROCESSO SELETIVO Nº HOSPITAL GERAL DE VILA PENTEADO HOSPITAL GERAL DOUTOR JOSÉ PANGELLA DE VILA PENTEADO MÉDICO (ÁREA: ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA) PROCESSO SELETIVO Nº 004 / 08 EDITAL Nº 026 / 08 O Hospital Geral Doutor José

Leia mais

LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997

LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997 LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997 Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço

Leia mais

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente).

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). Consiste na regularização do alvéolo (local onde está inserido o dente), geralmente após a

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA ORAL E MAXILOFACIAL Graduação em Odontologia - 5º Período PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 GRANULOMA

Leia mais

ODONTO IDÉIAS Nº 07. As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL

ODONTO IDÉIAS Nº 07. As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL ODONTO IDÉIAS Nº 07 As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL Nossa intenção com esta coluna é reconhecer o espírito criativo do Cirurgião Dentista brasileiro, divulgando

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPB0178 QUEBRA DO SIGILO PROFISSIONAL EM CASOS DE PEDOFILIA GABRIELE

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS, TECNOLOGIA E SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS, TECNOLOGIA E SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS, TECNOLOGIA E SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR POR PRAZO DETERMINADO EDITAL N 0/06 O Diretor do Centro de Ciências,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DE SANTA CATARINA - CRMV-SC

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DE SANTA CATARINA - CRMV-SC RESOLUÇÃO CRMV-SC N 042/2007, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2007 O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Santa Catarina CRMV/SC, em Sessão Plenária Ordinária nº 275 de 15 fevereiro de 2007, amparados

Leia mais

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução ODONTOLOGIA CANINA Juliana Kowalesky Médica Veterinária Mestre pela FMVZ -USP Pós graduada em Odontologia Veterinária - ANCLIVEPA SP Sócia Fundadora da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária

Leia mais