ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS"

Transcrição

1

2 ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS Prof. Dr. Eduardo Daruge Titular de Odontologia Legal e Deontologia da FOP-UNICAMP Prof. Medicina Legal da Faculdade de Direito da UNIMEP

3 DEFINIÇÃO: PERÍCIAS ODONTOLÓGICAS SÃO DILIGÊNCIAS PROMOVIDAS POR AUTORIDADES COMPETENTES, NO ÂMBITO CÍVEL, CRIMINAL, TRABALHISTA E EM SEDE ADMINISTRATIVA, ACOMPANHADAS DE EXAMES, EM QUE PELA NATUREZA DOS MESMOS OS PERITOS SÃO OU DEVEM SER CIRURGIÕES DENTISTAS.

4 PERITO ART. 2º RES. 20/01 CFO: CONSIDERA-SE PERITO O PROFISSIONAL QUE AUXILIA A DECISÃO JUDICIAL E ADMINISTRATIVA, POR SOLICITAÇÃO DA AUTORIDADE JUDICIÁRIA OU POR DESIGNAÇÃO DO CONSELHO, FORNECENDO LAUDO-TÉCNICO DETALHADO, REALIZADO ATRAVÉS DE PERÍCIA, COM A VERIFICAÇÃO DE EXAMES CLÍNICOS, RADIOGRÁFICOS, DIGITALIZADOS, FOTOGRAFIAS, MODELOS DE ARCOS DENTAIS, EXAMES COMPLEMENTARES E OUTROS QUE AUXILIARÃO NA DESCRIÇÃO DO LAUDO TÉCNICO, COM ABSOLUTA IMPARCIALIDADE, INDICANDO SEMPRE A FONTE DE INFORMAÇÃO QUE O AMPAROU.

5 PERITO ART. 2º RES. 20/01 CFO: ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS- Executar laudo-técnico, com isenção e imparcialidade, responder quesitos de forma objetiva, não emitir opiniões pessoais, referir-se sempre a fundamentos científicos, citando sua fonte

6 AUDITOR ART. 4º RES. 20/01 CFO: CONSIDERA-SE AUDITOR O PROFISSIONAL CONCURSADO OU CONTRATADO POR EMPRESA PÚBLICA OU PRIVADA, QUE PRESTE SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS E NECESSITE DE AUDITORIA ODONTOLÓGICA PERMANENTE PARA VERIFICAÇÃO DA EXECUÇÃO E DA QUALIDADE TÉCNICA- CIENTÍFICA DOS TRABALHOS REALIZADOS POR SEUS CREDENCIADOS. DIFERENÇAS ENTRE PERITO E AUDITOR

7 LEI Nº 5.081/66 ART. 6º COMPETE AO CIRURGIÃO DENTISTA: IV - PROCEDER À PERÍCIA EM FÔRO CIVIL, CRIMINAL, TRABALHISTA E EM SEDE ADMINISTRATIVA. IX - UTILIZAR, NO EXERCÍCIO DA FUNÇÃO DE PERITO ODONTÓLOGO, EM CASOS DE NECROPSIA, AS VIAS DE ACESSO DA CABEÇA E PESCOÇO.

8 RESOLUÇÃO CFO 63/2005 ART. 63 A ODONTOLOGIA LEGAL É A ESPECIALIDADE QUE TEM COMO OBJETIVO A PESQUISA DE FENÔMENOS PSÍQUICOS, FÍSICOS, QUÍMICOS E BIOLÓGICOS QUE PODEM ATINGIR OU TER ATINGIDO O HOMEM VIVO, MORTO OU OSSADA, E MESMO EM FRAGMENTOS OU VESTÍGIOS, RESULTANDO DE LESÕES PARCIAIS OU TOTAIS, REVERSÍVEIS OU IRREVERSÍVEIS.

9 RESOLUÇÃO CFO 63/2005 ART Parágrafo Único A ATUAÇÃO DA ODONTOLOGIA LEGAL RESTRINGE-SE A ANÁLISE, PERÍCIA E AVALIAÇÃO DE EVENTOS RELACIONADOS COM A ÁREA DE COMPETÊNCIA DO CIRURGIÃO DENTISTA PODENDO, SE AS CIRCUNSTÂNCIAS O EXIGIREM, ESTENDER-SE A OUTRAS ÁREAS, SE DISSO DEPENDER A BUSCA DA VERDADE, NO ESTRITO INTERESSE DA JUSTIÇA E DA ADMINISTRAÇÃO.

10 RESOLUÇÃO CFO 63/2005 ART. 64 AS ÁREAS DE COMPETÊNCIA PARA ATUAÇÃO DO ESPECIALISTA EM ODONTOLOGIA LEGAL INCLUEM: a) Identificação Humana

11 RESOLUÇÃO CFO 63/2005 ART. 64 AS ÁREAS DE COMPETÊNCIA PARA ATUAÇÃO DO ESPECIALISTA EM ODONTOLOGIA LEGAL INCLUEM: b) Perícia em foro Civil Criminal Trabalhista

12 RESOLUÇÃO CFO 63/2005 ART. 64 AS ÁREAS DE COMPETÊNCIA PARA ATUAÇÃO DO ESPECIALISTA EM ODONTOLOGIA LEGAL INCLUEM: c) Perícia em área administrativa

13 RESOLUÇÃO CFO 63/2005 ART. 64 AS ÁREAS DE COMPETÊNCIA PARA ATUAÇÃO DO ESPECIALISTA EM ODONTOLOGIA LEGAL INCLUEM: d) Perícia, avaliação e planejamento em infortunística

14 RESOLUÇÃO 63/2005 ART. 64 AS ÁREAS DE COMPETÊNCIA PARA ATUAÇÃO DO ESPECIALISTA EM ODONTOLOGIA LEGAL INCLUEM: e) Tanatologia Forense

15 RESOLUÇÃO 63/2005 ART. 64 AS ÁREAS DE COMPETÊNCIA PARA ATUAÇÃO DO ESPECIALISTA EM ODONTOLOGIA LEGAL INCLUEM: f) Elaboração de Autos Laudos Pareceres Relatório Atestados

16 RESOLUÇÃO 63/2005 ART. 64 AS ÁREAS DE COMPETÊNCIA PARA ATUAÇÃO DO ESPECIALISTA EM ODONTOLOGIA LEGAL INCLUEM: g) Traumatologia Forense

17 RESOLUÇÃO 63/2005 ART. 64 AS ÁREAS DE COMPETÊNCIA PARA ATUAÇÃO DO ESPECIALISTA EM ODONTOLOGIA LEGAL INCLUEM: h) Balística Forense

18 RESOLUÇÃO 63/2005 ART. 64 AS ÁREAS DE COMPETÊNCIA PARA ATUAÇÃO DO ESPECIALISTA EM ODONTOLOGIA LEGAL INCLUEM: i) Perícias Logística no vivo, no morto, integro, ou em suas partes e fragmentos

19 RESOLUÇÃO 63/2005 ART. 64 AS ÁREAS DE COMPETÊNCIA PARA ATUAÇÃO DO ESPECIALISTA EM ODONTOLOGIA LEGAL INCLUEM: j) Perícias em vestígios correlatos, inclusive manchas ou líquidos oriundos da cavidade bucal ou nela presentes

20 RESOLUÇÃO 63/2005 ART. 64 AS ÁREAS DE COMPETÊNCIA PARA ATUAÇÃO DO ESPECIALISTA EM ODONTOLOGIA LEGAL INCLUEM: k) Exame por imagens para fins periciais

21 RESOLUÇÃO 63/2005 ART. 64 AS ÁREAS DE COMPETÊNCIA PARA ATUAÇÃO DO ESPECIALISTA EM ODONTOLOGIA LEGAL INCLUEM: l) Deontologia odontológica

22 RESOLUÇÃO 63/2005 ART. 64 AS ÁREAS DE COMPETÊNCIA PARA ATUAÇÃO DO ESPECIALISTA EM ODONTOLOGIA LEGAL INCLUEM: m) Orientação odonto-legal para o exercício profissional

23 RESOLUÇÃO 63/2005 ART. 64 AS ÁREAS DE COMPETÊNCIA PARA ATUAÇÃO DO ESPECIALISTA EM ODONTOLOGIA LEGAL INCLUEM: n) Exame por imagens para fins odonto-legais

24 CÓDIGO DE ÉTICA ODONTOLÓGICA APROVADO EM 2003 AUDITORIAS E PERÍCIAS ODONTOLÓGICAS ART. 6º CONSTITUI INFRAÇÃO ÉTICA: I- Deixar de atuar com absoluta isenção quando designado para servir como perito ou auditor, assim como ultrapassar os limites de suas atribuições e de sua competência;

25 CÓDIGO DE ÉTICA ODONTOLÓGICA APROVADO EM 2003 AUDITORIAS E PERÍCIAS ODONTOLÓGICAS ART. 6º CONSTITUI INFRAÇÃO ÉTICA: II- Intervir, quando na qualidade de perito ou auditor, nos atos de outro profissional, ou fazer qualquer apreciação na presença do examinado, reservando suas observações, sempre fundamentadas, para o relatório sigiloso e lacrado que deve ser encaminhado a quem de direito;

26 CÓDIGO DE ÉTICA ODONTOLÓGICA APROVADO EM 2003 AUDITORIAS E PERÍCIAS ODONTOLÓGICAS ART. 6º CONSTITUI INFRAÇÃO ÉTICA: III- Acumular as funções de perito/auditor e procedimentos terapêuticos odontológicos na mesma entidade prestadora de serviços odontológicos;

27 CÓDIGO DE ÉTICA ODONTOLÓGICA APROVADO EM 2003 AUDITORIAS E PERÍCIAS ODONTOLÓGICAS ART. 6º CONSTITUI INFRAÇÃO ÉTICA: IV- Prestar serviços de auditoria a empresas não inscritas no CRO da jurisdição em que estiver exercendo suas atividades.

28 CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA AUDITORIAS E PERÍCIAS MÉDICAS Resolução 1246/88 Arts. 118 a 121: PROIBIÇÕES Deixar de atuar com absoluta isenção perito ou auditor;

29 CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA AUDITORIAS E PERÍCIAS MÉDICAS Resolução 1246/88 Arts. 118 a 121: PROIBIÇÕES Assinar laudos que não tenha participado pessoalmente;

30 CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA AUDITORIAS E PERÍCIAS MÉDICAS Resolução 1246/88 Arts. 118 a 121: PROIBIÇÕES Ser perito de paciente, de sua família ou qualquer pessoa que tenha relações que possam influenciar no trabalho;

31 CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA AUDITORIAS E PERÍCIAS MÉDICAS Resolução 1246/88 Arts. 118 a 121: PROIBIÇÕES Intervir como perito ou auditor nos atos de outro médico, fazer apreciação na presença do examinando, reservando as observações para o seu relatório.

32 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DO PERITO Arts. 145 a 147: Prova técnica ou científica: o Juiz será assistido por perito;

33 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DO PERITO Arts. 145 a 147: Os peritos serão escolhidos entre profissionais de nível universitário, inscritos no Orgão de Classe;

34 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DO PERITO Arts. 145 a 147: Comprovação de suas especialidades;

35 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DO PERITO Arts. 145 a 147: Quando não existem profissionais qualificados, a indicação é de livre escolha do Juiz;

36 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DO PERITO Arts. 145 a 147: Dever de cumprir a perícia no prazo legal;

37 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DO PERITO Arts. 145 a 147: Escusa do encargo por motivo legítimo, apreciada pelo Juiz em 5 dias;

38 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DO PERITO Arts. 145 a 147: Dolo ou culpa, responderá pelos prejuízos, inabilitado de atuar durante 2 anos, submetido as penalidades legais.

39 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DA PROVA PERICIAL Arts. 420 a 439: Somente prova pericial técnica;

40 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DA PROVA PERICIAL Arts. 420 a 439: Nomeação dos peritos Juiz;

41 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DA PROVA PERICIAL Arts. 420 a 439: Indicação Assistentes Técnicos e formulação de quesitos cabe as partes em 5 dias;

42 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DA PROVA PERICIAL Arts. 420 a 439: Cumprir escrupulosamente o encargo, independe de compromisso;

43 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DA PROVA PERICIAL Arts. 420 a 439: Impedimento e suspeição dos peritos oficiais e judiciais art. 146 do CPC;

44 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DA PROVA PERICIAL Arts. 420 a 439: Durante a diligência as partes poderão apresentar quesitos complementares;

45 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DA PROVA PERICIAL Arts. 420 a 439: Quando a indicação de perito é feita por precatória a indicação de quesitos e assistentes técnicos no Juízo deprecado.

46 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DA PROVA PERICIAL Arts. 420 a 439: Peritos e Assistentes podem utilizar-se de todos os meios necessários: testemunhas, documentos de repartições públicas ou em poder das partes, plantas, desenhos, fotografias, requisitar exames, quaisquer peças;

47 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DA PROVA PERICIAL Arts. 420 a 439: As partes terão ciência do dia, hora e local dos exames;

48 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DA PROVA PERICIAL Arts. 420 a 439: O Juiz poderá nomear mais de um perito, assim como as partes (Lei /01);

49 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DA PROVA PERICIAL Arts. 420 a 439: Laudo do perito será apresentado não menos de 20 dias antes da audiência de instrução e julgamento;

50 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DA PROVA PERICIAL Arts. 420 a 439: O Juiz poderá nomear mais de um perito, assim como as partes (Lei /01);

51 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DA PROVA PERICIAL Arts. 420 a 439: Assistentes Técnicos terão 10 dias para suas manifestações, a contar da intimação das partes;

52 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DA PROVA PERICIAL Arts. 420 a 439: Os peritos serão escolhidos, de preferência, entre os técnicos dos estabelecimentos oficiais;

53 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DA PROVA PERICIAL Arts. 420 a 439: As partes poderão solicitar esclarecimentos do perito e do assistente técnico requerendo o seu comparecimento em audiência, devendo ser intimados 5 dias antes desta;

54 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DA PROVA PERICIAL Arts. 420 a 439: O Juiz não está adstrito ao laudo, podendo determinar a realização de nova perícia;

55 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL CIVIL DA PROVA PERICIAL Arts. 420 a 439: O Juiz poderá apreciar livremente o valor de uma ou outra perícia.

56 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL PENAL DO EXAME DE CORPO DE DELITO E DAS PERÍCIAS EM GERAL Arts. 158 a 184: CPP Quando a infração deixar vestígios;

57 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL PENAL DO EXAME DE CORPO DE DELITO E DAS PERÍCIAS EM GERAL Arts. 158 a 184: CPP Os exames serão realizados por peritos oficiais ou não oficiais (nomeados) 2 peritos judiciais;

58 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL PENAL DO EXAME DE CORPO DE DELITO E DAS PERÍCIAS EM GERAL Arts. 158 a 184: CPP Prazo de 5 dias ou poderá ser prorrogado a pedido peritos;

59 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL PENAL DO EXAME DE CORPO DE DELITO E DAS PERÍCIAS EM GERAL Arts. 158 a 184: CPP Poderá ser feito a qualquer dia e qualquer hora;

60 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL PENAL DO EXAME DE CORPO DE DELITO E DAS PERÍCIAS EM GERAL Arts. 158 a 184: CPP As necropsias serão feitas 6 horas após a morte;

61 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL PENAL DO EXAME DE CORPO DE DELITO E DAS PERÍCIAS EM GERAL Arts. 158 a 184: CPP Nas mortes violentas: exames externos quando não houver crime a ser apurado ou as lesões externas permitirem definição causa da morte;

62 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL PENAL DO EXAME DE CORPO DE DELITO E DAS PERÍCIAS EM GERAL Arts. 158 a 184: CPP Nos casos de exumação, dia hora e local com as autoridades;

63 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL PENAL DO EXAME DE CORPO DE DELITO E DAS PERÍCIAS EM GERAL Arts. 158 a 184: CPP Cadáveres deverão ser fotografados na posição encontrada;

64 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL PENAL DO EXAME DE CORPO DE DELITO E DAS PERÍCIAS EM GERAL Arts. 158 a 184: CPP As lesões deverão ser fotografadas, desenhos, gráficos etc.

65 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL PENAL DO EXAME DE CORPO DE DELITO E DAS PERÍCIAS EM GERAL Arts. 158 a 184: CPP Dúvidas sobre a identidade do cadáver: identificação;

66 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL PENAL DO EXAME DE CORPO DE DELITO E DAS PERÍCIAS EM GERAL Arts. 158 a 184: CPP Exame de corpo de delito não pode ser realizado substituição por provas testemunhais (?);

67 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL PENAL DO EXAME DE CORPO DE DELITO E DAS PERÍCIAS EM GERAL Arts. 158 a 184: CPP Caso de lesões corporais, primeiro exame pericial incompleto, proceder-se-á exame complementar;

68 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL PENAL DO EXAME DE CORPO DE DELITO E DAS PERÍCIAS EM GERAL Arts. 158 a 184: CPP Para precisar a classificação das lesões : exame complementar;

69 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL PENAL DO EXAME DE CORPO DE DELITO E DAS PERÍCIAS EM GERAL Arts. 158 a 184: CPP As autoridades e as partes poderão formular quesitos até o ato das diligências;

70 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL PENAL DO EXAME DE CORPO DE DELITO E DAS PERÍCIAS EM GERAL Arts. 158 a 184: CPP Divergência entre peritos: consignar as declarações;

71 LEGISLAÇÃO PROCESSUAL PENAL DO EXAME DE CORPO DE DELITO E DAS PERÍCIAS EM GERAL Arts. 158 a 184: CPP Juiz não ficará adstrito ao laudo;

72 LEI 9.099/95 Artigo 61 Infrações penais de menor potencial ofensivo;

73 LEI 9.099/95 Artigo 77, par. 1º Para oferecimento da denúncia que será elaborada com base no termo de ocorrência referido no artigo 69 desta lei, com dispensa de inquérito policial, prescindir-se-á do exame de corpo de delito quando a materialidade do crime estiver aferida por boletim médico ou prova equivalente

74

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. PROCEDIMENTO PADRÃO PERÍCIA AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO BRASIL: Perícia Ambiental É um procedimento utilizado como meio de prova; Fornecimento de subsídios

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20/2001

RESOLUÇÃO CFO-20/2001 16 de agosto de 2001 RESOLUÇÃO CFO-20/2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324, de 14 de abril

Leia mais

A Odontologia Legal e a ciência do Direito

A Odontologia Legal e a ciência do Direito A Odontologia Legal e a ciência do direito Revista Brasileira de Odontologia Legal RBOL Odontologia Legal A Odontologia Legal e a ciência do Direito Moacyr da Silva* Thiago Leite Beaini ** * Professor

Leia mais

SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL

SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL FASE INICIAL DA PERÍCIA FASE INICIAL DA PERÍCIA DEFERIMENTO DA PROVA PERICIAL N Ã O NOMEAÇÃO DO PERITO SIM A C E I T A

Leia mais

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA Exame realizado por técnico, ou pessoa de comprovada aptidão e idoneidade profissional, para verificar e esclarecer um fato, ou estado ou a estimação da coisa que é

Leia mais

Aula VII de Processo Civil II Provas continuação. Prova pericial e inspeção judicial.

Aula VII de Processo Civil II Provas continuação. Prova pericial e inspeção judicial. Aula VII de Processo Civil II Provas continuação. Prova pericial e inspeção judicial. Perícia: na falta do conhecimento especializado ao juiz, este indica um técnico que possa fazer o exame dos fatos objeto

Leia mais

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 155. No juízo penal, somente quanto ao estado das pessoas, serão observadas as restrições à prova estabelecidas na lei civil. Art. 156. A prova da

Leia mais

Arbitral Foi regulamentada através da lei 9.307/96 e refere-se a perícia realizada no juízo arbitral- instancia criada pela vontade das partes.

Arbitral Foi regulamentada através da lei 9.307/96 e refere-se a perícia realizada no juízo arbitral- instancia criada pela vontade das partes. 1. O que significa a sigla CPC? Código Processo Civil (determina normas da Perícia) 2. Como definir a perícia? A perícia é a prova pericial que demonstra um conjunto de procedimentos técnicos e científicos

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010 ASSUNTO: Relação do Assistente Social com autoridades do Sistema Judiciário/ Determinações ou exigências emanadas, que não se coadunam com o Código de Ética do Assistente Social e com as normas previstas

Leia mais

OBJETO DA PERÍCIA INADMISSIBILIDADE DA PERÍCIA. artigo 145 do CPC:

OBJETO DA PERÍCIA INADMISSIBILIDADE DA PERÍCIA. artigo 145 do CPC: Aulas Completas a partir de 10 de Agosto 2011, a saber: 1 Perícia (Continuação) 2 Prova Pericial 3 Perito 4 Inspeção judicial OBJETO DA PERÍCIA artigo 145 do CPC: Quando a prova do fato depender de conhecimento

Leia mais

DESPACHO SEJUR N.º 513/2015

DESPACHO SEJUR N.º 513/2015 DESPACHO SEJUR N.º 513/2015 (Aprovado em Reunião de Diretoria em 14/10/2015) Interessado: Dr. M. F. C. N Expedientes n.º 8771/2015 Assunto: Análise jurídica. Perícia médico-legal em vítimas de violência

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO DE LAUDOS PERICIAIS EM MEDICINA DO TRABALHO

GUIA PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO DE LAUDOS PERICIAIS EM MEDICINA DO TRABALHO GUIA PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO DE LAUDOS PERICIAIS EM MEDICINA DO TRABALHO 1ª edição 2002 2ª edição 2011 3ª edição 2014 ANTONIO BUONO NETO Médico Especialista em Medicina do Trabalho pela AMB. Ex-Presidente

Leia mais

Aula 13 Meios de prova no Processo do Trabalho.

Aula 13 Meios de prova no Processo do Trabalho. Aula 13 Meios de prova no Processo do Trabalho. Perícia: na falta do conhecimento especializado ao juiz, este indica um técnico que possa fazer o exame dos fatos objeto da causa, transmitindo esses conhecimentos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira) Altera os arts. 161, 162, 164, 165, 169 e 292 do Decreto-Lei n o 3.689, de 3 de outubro de 1941- Código

Leia mais

Aspectos Éticos da Perícia do Erro Médico

Aspectos Éticos da Perícia do Erro Médico Aspectos Éticos da Perícia do Erro Médico Prof. Dr. Hermes de Freitas Barbosa Centro de Medicina Legal Departamento de Patologia e Medicina Legal Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Universidade de

Leia mais

XIº FEMESC Fraiburgo JUDICIAL ÉTICOS ASPECTOS. Cons. JOSÉ FRANCISCO BERNARDES. Maio 2008

XIº FEMESC Fraiburgo JUDICIAL ÉTICOS ASPECTOS. Cons. JOSÉ FRANCISCO BERNARDES. Maio 2008 XIº FEMESC Fraiburgo PERÍCIA MÉDICA M ASPECTOS ÉTICOS Cons. JOSÉ FRANCISCO BERNARDES Maio 2008 OU COMO EVITAR PROBLEMAS COM O CRM NA REALIZAÇÃO DE UMA PERICIA MÉDICA PERÍCIA MÉDICAM PERÍCIA MÉDICA M Do

Leia mais

Prof. Eduardo Salles Pimenta. Unidade I PERÍCIA, AVALIAÇÃO E

Prof. Eduardo Salles Pimenta. Unidade I PERÍCIA, AVALIAÇÃO E Prof. Eduardo Salles Pimenta Unidade I PERÍCIA, AVALIAÇÃO E ARBITRAGEM Introdução O profissional é nomeado pelo juiz para desempenhar o papel de perito judicial. Deve elaborar um planejamento e determinar

Leia mais

Faz os seguintes questionamentos:

Faz os seguintes questionamentos: PARECER CFM nº 9/16 INTERESSADO: 1ª Vara da Fazenda da Comarca de Joinville/SC ASSUNTO: Dúvidas quanto à necessidade de especialidade médica para realização de exame pericial e determinação de capacidade

Leia mais

Responsabilidade em saúde

Responsabilidade em saúde Responsabilidade em saúde Cível:obrigação de indenização indene de prejuízo Constituição Federal/Código civil/cdc Elementos de responsabilidade Autor Ato Culpa Dano Nexo causal CÓDIGO CIVIL Art. 186 Aquele

Leia mais

PROVAS ASPECTOS GERAIS.

PROVAS ASPECTOS GERAIS. PROVAS ASPECTOS GERAIS. CONCEITO art.332 Art. 332. Todos os meios legais, bem como os moralmente legítimos, ainda que não especificados neste Código, são hábeis para provar a verdade dos fatos, em que

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA Artigo 1º A Comissão de Ética, pretende de maneira independente, imparcial, sigilosa e soberana, assegurar a apuração das representações, apresentadas pelos associados

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FÍSICA MÉDICA CÓDIGO DE ÉTICA

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FÍSICA MÉDICA CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES O presente Código contém os fundamentos éticos, obrigações, responsabilidades e requisitos que devem ser seguidos pelos Físicos Médicos no exercício

Leia mais

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010.

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010. 1/7 CONSIDERANDO a Lei de Execução Penal 7.210/1984, a partir da redação em vigor dada pela Lei 10.792/2003, especificamente no que diz respeito ao Exame Criminológico; CONSIDERANDO a Súmula Vinculante

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC)

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC) 1 A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR 2 CONCEITOS 3 SAÚDE SUPLEMENTAR: atividade que envolve a operação de planos privados de assistência à saúde sob regulação do Poder

Leia mais

Inicialmente, apresentamos os dispositivos da legislação pertinente ao assunto:

Inicialmente, apresentamos os dispositivos da legislação pertinente ao assunto: P rezados concursandos, Neste encontro, vamos estudar alguns itens de um ponto que tem provocado grande apreensão nos candidatos que participarão do concurso do ICMS do Estado do Ceará. Trata se do tópico

Leia mais

IV Seminário Paulista de Perícias Judiciais

IV Seminário Paulista de Perícias Judiciais IV Seminário Paulista de Perícias Judiciais 26 de agosto de 2011 / IBAPE-SP Painel 1: O Perito Judicial e a Justiça Gratuita Dr. Sandro Rafael Barbosa Pacheco I Disposições Gerais. Dispositivos aplicados

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES DECRETO Nº 6.106/2013 REGULAMENTA AS LICENÇAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE, DE QUE TRATAM OS ARTS. 80, I; 82 A 100, DA LEI MUNICIPAL Nº 1.132, DE 02 DE JULHO DE 1990 (ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO

Leia mais

A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de. Constituem motivos justificados:

A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de. Constituem motivos justificados: Abono de faltas e a acreditação na avaliação médica. A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de abono de faltas mediante atestado médico: Constituem motivos justificados:

Leia mais

PERÍCIA CONTÁBIL. Paulo Cordeiro de Mello. Economista e Contador Perito Judicial Professor Universitário

PERÍCIA CONTÁBIL. Paulo Cordeiro de Mello. Economista e Contador Perito Judicial Professor Universitário PERÍCIA CONTÁBIL Paulo Cordeiro de Mello Economista e Contador Perito Judicial Professor Universitário O que é Perícia Contábil? É o trabalho técnico, realizado por profissional com formação e conhecimento

Leia mais

Especialidades Odontológicas

Especialidades Odontológicas Especialidades Odontológicas Urubatan Medeiros Doutor (USP) - Professor Titular do Departamento de Odontologia Preventiva e Comunitária (UERJ/UFRJ) - Consultor do Ministério da Saúde I - Introdução A Odontologia

Leia mais

Novo Código de Ética Médica e a Saúde dos Trabalhadores: o que mudou?

Novo Código de Ética Médica e a Saúde dos Trabalhadores: o que mudou? CÓDIGO DE ÉTICA Novo Código de Ética Médica e a Saúde dos Trabalhadores: o que mudou? Ruth Virgolino Chefe da DIPOC/DIRSAT/INSS CÓDIGO DE ÉTICA NOVO CÓDIGO DE ÉTICA E A PERÍCIA MÉDICA DO INSS Código de

Leia mais

PERÍCIAS JUDICIAIS Legislação

PERÍCIAS JUDICIAIS Legislação PERÍCIAS JUDICIAIS Legislação Eduardo Assis Módulo IV Tema 2 Colaboração: EDUARDA DE MELO ASSIS OAB 127.502 1- Generalidades Quando a prova de determinados fatos alegados pelas partes depender de conhecimentos

Leia mais

Telefone p/contato: 22159822

Telefone p/contato: 22159822 Telefone p/contato: 22159822 Apresentação Turma Especial aos Sábados CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITO CONTÁBIL COM EXPERTISE FINANCEIRA O CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITO CONTÁBIL COM EXPERTISE FINANCEIRA abordará

Leia mais

ATESTADOS ODONTOLÓGICOS.

ATESTADOS ODONTOLÓGICOS. ATESTADOS ODONTOLÓGICOS. Daniel P.P. de Bragança, C.D. Especialista em Odontologia Legal - UNICAMP Mestrando em Odontologia Legal e Deontologia UNICAMP Servidor Cirurgião-Dentista da Prefeitura de Macaé/RJ

Leia mais

A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas?

A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas? A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas? A consultoria médico-legal e as perícias em seguros de pessoas revestem-se de grande importância na regulação dos benefícios

Leia mais

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações DGAJ/DSAJ/DF - 2013 Direção-Geral da Administração da Justiça CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações LEI N.º 20/2013, DE 21 DE FEVEREIRO Entram em

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA UNIFEBE Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 36/14, de 10/12/14. CAPÍTULO I DISPOSIÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG

REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG 1 Sumário CAPITULO I... 3 Do Regimento Interno... 3 CAPITULO II... 3 Do Registro e Inscrição dos Golfistas... 3 CAPITULO III... 3 Da

Leia mais

CURSO DE PERÍCIA ODONTOLÓGICA

CURSO DE PERÍCIA ODONTOLÓGICA ] CURSO DE PERÍCIA Apresentação O Código de Defesa do Consumidor trouxe maior consciência à população sobre seus direitos. Nota-se que há maior exigência, por parte dos usuários, quanto aos serviços prestados

Leia mais

O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS

O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Curso de Avaliações Prof. Carlos Aurélio Nadal cnadal@ufpr.br AULA 01 O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Conflito de interesses - duas pessoas possuem interesse sobre o mesmo bem

Leia mais

LEGISLAÇÃO E NORMAS TÉCNICAS

LEGISLAÇÃO E NORMAS TÉCNICAS LEGISLAÇÃO E NORMAS TÉCNICAS AULA 2 A Perícia Perito e Assistente Técnico Prof. Me. Marco Antonio Ferreira Finocchio A Perícia: vocabulário Autor (Reclamante) Quem move a ação Reclamada (Ré) Quem sofre

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA LEGAL Filiado ao Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia

INSTITUTO DE ENGENHARIA LEGAL Filiado ao Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia CÓDIGO DE ÉTICA E NORMAS DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL O INSTITUTO DE ENGENHARIA LEGAL, órgão fundado em 10 de março de 1953 e reconhecido como utilidade pública pela Lei Estadual nº. 744 de 28 de janeiro

Leia mais

DECRETO Nº 2885, DE 24 DE JUNHO DE 2015. DECRETA:

DECRETO Nº 2885, DE 24 DE JUNHO DE 2015. DECRETA: DECRETO Nº 2885, DE 24 DE JUNHO DE 2015. Estabelece normas relativas ao Exame Médico Admissional ou de Ingresso no Serviço Público Municipal, assim como para posse em cargo de provimento efetivo decorrentes

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

Aspectos da prova pericial no novo Código do Processo Civil 07/10/15

Aspectos da prova pericial no novo Código do Processo Civil 07/10/15 Aspectos da prova pericial no novo Código do Processo Civil 07/10/15 PROVA PERICIAL A prova pericial consiste em EXAME, VISTORIA ou AVALIAÇÃO. (Art. 420 do CPC) (Art. 464 do NCPC) 2 o De ofício ou a requerimento

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC Nº 6566/08 ASSUNTO: RESPONSABILIDADE MÉDICA PARECERISTA: CÂMARA TÉCNICA DE AUDITORIA DO CREMEC EMENTA O ato médico é responsabilidade

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 11

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 11 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 11 Capítulo I PROVAS... 13 1. Introdução... 13 2. Das provas aspectos gerais (arts. 155 a 157 do CPP)... 13 3. Ônus da prova, provas antecipadas e provas de ofício... 14 4. Prova

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes (11) 3256-1321 abraidi@abraidi.com.br www.abraidi.com.br 1ª. Edição 2014 REGIMENTO

Leia mais

PERÍCIA CONTÁBIL E JUDICIAL NO BRASIL

PERÍCIA CONTÁBIL E JUDICIAL NO BRASIL PERÍCIA CONTÁBIL E JUDICIAL NO BRASIL A EXPRESSÃO PERÍCIA ADVÉM DO LATIM: PERITIA, QUE EM SEU SENTIDO PRÓPRIO SIGNIFICA CONHECIMENTO (ADQUIRIDO PELA EXPERIÊNCIA), BEM COMO EXPERIÊNCIA....NO BRASIL COLÔNIA,

Leia mais

LAI e PAD OGU MAIO - 2014

LAI e PAD OGU MAIO - 2014 LAI e PAD OGU MAIO - 2014 Experiência Internacional Declaração Universal dos Direitos Humanos (artigo 19): Todo ser humano tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade

Leia mais

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA.

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. VOTO DE VISTA: FAUZI AMIM SALMEM PELA APROVAÇÃO DO RELATÓRIO, COM AS SEGUINTES

Leia mais

Cartilha de Perícia Contabil CRCBA - 1

Cartilha de Perícia Contabil CRCBA - 1 Cartilha de Perícia Contabil CRCBA - 1 Comissão Técnica de estudos relacionados à Perícia Contábil, Mediação e Arbitragem CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DA BAHIA - CRCBA Rua do Salete, nº

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Despachante Aduaneiro e Ajudante de Despachante Aduaneiro-Exercício das Profissões INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

INSCRIÇÃO DE CLÍNICA, LABORATÓRIO DE PRÓTESE DENTÁRIA E ENTIDADES PRESTADORAS DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA ( EPAO) ( ) CLÍNICA ( ) MATRIZ

INSCRIÇÃO DE CLÍNICA, LABORATÓRIO DE PRÓTESE DENTÁRIA E ENTIDADES PRESTADORAS DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA ( EPAO) ( ) CLÍNICA ( ) MATRIZ INSCRIÇÃO DE CLÍNICA, LABORATÓRIO DE PRÓTESE DENTÁRIA E ENTIDADES PRESTADORAS DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA ( EPAO) ( ) CLÍNICA ( ) MATRIZ ( ) LABORATÓRIO ( ) FILIAL ( ) EPO (DENTAL) TIPO ( ) ISENTO ( )

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1 - A Comissão de Ética no Uso de Animal da Universidade Federal do Pampa (Unipampa/CEUA),

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE ATO DELIBERATIVO Nº 56, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a assistência odontológica indireta aos beneficiários do Programa

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO DE BIOMÉDICO

CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO DE BIOMÉDICO CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO DE BIOMÉDICO Código de Ética aprovado pela Resolução do C.F.B.M. - /V 0002/84 DE i 6/08/84 - D. O. U. 27/08/84, e de conformidade com o Regimento Interno Art. 54, 55, 60 -

Leia mais

Processos éticodisciplinares

Processos éticodisciplinares CREA-SP Processos éticodisciplinares ÉTICA ethos (grego) modo de ser, caráter, comportamento Ramo da filosofia que busca estudar e indicar o melhor modo de viver no cotidiano e na sociedade Código de

Leia mais

ASPECTOS CONTROVERTIDOS DAS PERÍCIAS TRABALHISTAS DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Edwar Abreu Gonçalves

ASPECTOS CONTROVERTIDOS DAS PERÍCIAS TRABALHISTAS DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Edwar Abreu Gonçalves ASPECTOS CONTROVERTIDOS DAS PERÍCIAS TRABALHISTAS DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Edwar Abreu Gonçalves EDWAR ABREU GONÇALVES Formação Acadêmica: 1. Engenheiro Civil. 2. Engenheiro de Segurança do Trabalho.

Leia mais

PAUTA NOVO REGULAMENTO LEGISLAÇÃO CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA MÉDICA NOVOS FLUXOS

PAUTA NOVO REGULAMENTO LEGISLAÇÃO CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA MÉDICA NOVOS FLUXOS PERÍCIA MÉDICA PAUTA NOVO REGULAMENTO LEGISLAÇÃO CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA MÉDICA NOVOS FLUXOS PERÍCIA MÉDICA ADMINISTRATIVA Responsável pelas atividades médico- -periciais inerentes ao sistema

Leia mais

"CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITOS JUDICIAIS e ASSISTENTES TÉCNICOS"

CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITOS JUDICIAIS e ASSISTENTES TÉCNICOS "CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITOS JUDICIAIS e ASSISTENTES TÉCNICOS" 1. Objetivo do Curso: Torne-se um perito judicial, profissão com grande flexibilidade de horários, prazos e que figura como uma das atividades

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.051/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.051/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.051/05 Aprova a NBC P 2.6 Responsabilidade e Zelo. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas Brasileiras

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CAPÍTULO I DA FINALIDADE ART. 1º - O Núcleo de Prática Jurídica, subordinado à Faculdade de Direito

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 Dispõe sobre a composição, o funcionamento e as atribuições dos Comitês Gestores do Código

Leia mais

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06)

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06) Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006 (pt. nº. 3.556/06) Constitui, na comarca da Capital, o Grupo de Atuação Especial de Inclusão Social, e dá providências correlatas. O Colégio de Procuradores

Leia mais

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de 1 www.santahelenasuade.com.brmecanismos de Regulação 2 A CONTRATADA colocará à disposição dos beneficiários do Plano Privado de Assistência à Saúde, a que alude o Contrato, para a cobertura assistencial

Leia mais

Código de Ética da Psicopedagogia

Código de Ética da Psicopedagogia Código de Ética da Psicopedagogia O Código de Ética tem o propósito de estabelecer parâmetros e orientar os profissionais da Psicopedagogia brasileira quanto aos princípios, normas e valores ponderados

Leia mais

Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema?

Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema? Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema? Saber é poder definir. Quando duas pessoas discutem, devem saber primeiro sobre o que discutem.

Leia mais

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Alterado por Ato Normativo nº 905/2015, de 11/06/2015 (PT nº. 20.243/06) Aprova o Plano de Classificação de Documentos e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

REGULAMENTO Nº 001 Rev.04-A PROCEDIMENTO ARBITRAL NA ÁREA TRABALHISTA

REGULAMENTO Nº 001 Rev.04-A PROCEDIMENTO ARBITRAL NA ÁREA TRABALHISTA TAESP Arbitragem & O Mediação, com sede nesta Capital do Estado de São Paulo, na Rua Santa Isabel, 160 cj.43, nos termos dos Artigos 5º, 13, 3º e 21 da Lei 9.307/96, edita o presente REGULAMENTO PARA PROCEDIMENTOS

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Dispõe sobre normas para realização do estágio de prática jurídica, componente curricular obrigatório dos Cursos de Direito. Do Núcleo de Prática Jurídica Art.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.662, DE 7 DE JUNHO DE 1993. (Mensagem de veto). Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências O

Leia mais

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 Dispõe sobre a regulamentação e a metodologia da inteligência de sinais a ser utilizada no âmbito do Ministério Público do Estado de Goiás. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA

Leia mais

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA A 1 CNPJ 04.214.41910001-05 DECRETO N 3.091, DE 05 DE JANEIRO DE 2014. "Dispõe sobre a estrutura organizacional da Procuradoria Geral do Município ". O PREFEITO MUNICIPAL DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES,, no

Leia mais

Carlos Henrique Durão 1, Braz Rafael Lamarca 2, Francisco Lucas 3

Carlos Henrique Durão 1, Braz Rafael Lamarca 2, Francisco Lucas 3 Carlos Henrique Durão 1, Braz Rafael Lamarca 2, Francisco Lucas 3 1. Hospital de Vila Franca de Xira, Lisboa, Portugal 2. Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal 3. Hospital das Universidades de Coimbra,

Leia mais

CONSIDERANDO o que o Sr. João Lima Goes relatou ao Conselho Tutelar de Alto Piquiri Paraná, cuja cópia segue em anexo;

CONSIDERANDO o que o Sr. João Lima Goes relatou ao Conselho Tutelar de Alto Piquiri Paraná, cuja cópia segue em anexo; RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 05/2012 CONSIDERANDO que, nos termos do art. 201, inciso VIII, da Lei nº 8.069/90, compete ao Ministério Público zelar pelo efetivo respeito aos direitos e garantias legais

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 PARECER CRM-MT Nº 05.2011 INTERESSADO: Sr. A.C. CONSELHEIRO CONSULTOR: Dr. Juliano Blanco Canavarros

Leia mais

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório Regulamento Estágio Curricular Obrigatório CST em Fabricação Mecânica CST em Gestão de Recursos Humanos CST em Mecatrônica Industrial 1 CAPÍTULO I DA JUSTIFICATIVA E FINALIDADES Art. 1º - O programa de

Leia mais

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Página1 Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Título I Da definição Art. 1º - O Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis é uma das entidades

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA PORTARIA Nº 173, DE 5 DE MARÇO DE 2015. Revogada pela Portaria PGR/MPF nº 239, de 31 de março de 2015. Regulamenta a avaliação pericial administrativa

Leia mais

Curso (Prático) de Perícia Financeira

Curso (Prático) de Perícia Financeira Apresentação Objetivos Curso (Prático) de Perícia Financeira Contábil e O Curso de Perícia Contábil aborda as matérias necessárias aos profissionais que atuam como perito, para que interpretem adequadamente

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE AFASTAMENTOS DE SAÚDE

ORIENTAÇÕES SOBRE AFASTAMENTOS DE SAÚDE ORIENTAÇÕES SOBRE AFASTAMENTOS DE SAÚDE É direito do servidor ausentar-se, se, sem prejuízo da remuneração a que fizer jus, por motivo de tratamento da própria saúde ou de pessoa de sua família, enquanto

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N 1.057/05 Aprova a NBC P 2.4 Honorários O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

Resolução CFC nº 1.109 de 29/11/07 DOU 06/12/07

Resolução CFC nº 1.109 de 29/11/07 DOU 06/12/07 Resolução CFC nº 1.109 de 29/11/07 DOU 06/12/07 Dispõe sobre a NBC P 5 sobre o Exame de Qualificação Técnica para Registro no Cadastro Nacional de O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1ª Fica instituído o Regimento Interno da da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, em conformidade com o Decreto nº. 6.029 de 1º de fevereiro

Leia mais

Lei Nº 10.294, de 20 de abril de 1999

Lei Nº 10.294, de 20 de abril de 1999 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO CORREGEDORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO Lei Nº 10.294, de 20 de abril de 1999 Dispõe sobre proteção e defesa do usuário do serviço público do Estado de São Paulo e dá outras

Leia mais

A indicação de afastamento do trabalho e de aposentadoria tornou-se

A indicação de afastamento do trabalho e de aposentadoria tornou-se EDITORIAL DO CFM Sex, 08 de Maio de 2009 Ato Médico Pericial: Implicações Éticas e Legais A indicação de afastamento do trabalho e de aposentadoria tornou-se tarefa de peritos e de juntas médico-periciais

Leia mais

Sumário. Manual do Responsável Técnico Conselho Regional de Odontologia do Paraná

Sumário. Manual do Responsável Técnico Conselho Regional de Odontologia do Paraná Sumário A Importância da Responsabilidade Técnica... 1 1.. Quem pode assumir a função de Responsável Técnico?... 2 2.. Um TPD (Técnico em Prótese Dentária) pode ser responsável técnico por um estabelecimento

Leia mais

ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto

ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto A Lei que instituiu o processo judicial informatizado, em vigor desde março de 2007, aplica-se indistintamente aos processos civil, penal,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA CÓDIGO PENAL Artigo 154. Revelar alguém, sem justa causa, segredo, de que tem ciência em razão de função, ministério, ofício ou profissão, e cuja revelação possa produzir dano a outrem: Pena detenção,

Leia mais

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO 1 INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO CAPITULO I - DA DENOMINAÇÃO, DOS FINS, DA SEDE E DO PRAZO Art. 2º Para a consecução dos seus

Leia mais

CURSO INTENSIVO DE PERICIA JUDICIAL AMBIENTAL TURMA II SÃO CARLOS (SP)

CURSO INTENSIVO DE PERICIA JUDICIAL AMBIENTAL TURMA II SÃO CARLOS (SP) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS CURSO INTENSIVO DE PERICIA JUDICIAL AMBIENTAL TURMA II SÃO CARLOS (SP) Objetivos: Capacitar profissionais e estudantes para atuarem

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

LEI Nº 6.583, DE 20 DE OUTUBRO DE 1978

LEI Nº 6.583, DE 20 DE OUTUBRO DE 1978 LEI Nº 6.583, DE 20 DE OUTUBRO DE 1978 Cria os Conselhos Federal e Regionais de Nutricionistas, regula o seu funcionamento, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE NOTA EXPLICATIVA CVM Nº 9/78. Ref.: Instrução CVM nº 04/78, que dispõe sobre as Normas relativas ao Registro de Auditor Independente na Comissão de Valores Mobiliários. 1. INTRODUÇÃO Por sua relevância,

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

Imprimir. Em 29 de março do mesmo ano, o dr. R.S.S. respondeu ao interessado nos seguintes termos:

Imprimir. Em 29 de março do mesmo ano, o dr. R.S.S. respondeu ao interessado nos seguintes termos: Imprimir PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 1.955/01 PC/CFM/Nº 10/2002 INTERESSADO: Sociedade Santamarense de Beneficência de Guarujá ASSUNTO: Reformulação da Resolução nº 1.076/81 RELATOR: Cons. Luiz Salvador de

Leia mais