UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROJETO DE INTERVENÇÃO COM UMA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA: TRABALHO QUE CONSTRÓI VIDAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROJETO DE INTERVENÇÃO COM UMA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA: TRABALHO QUE CONSTRÓI VIDAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROJETO DE INTERVENÇÃO COM UMA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA: TRABALHO QUE CONSTRÓI VIDAS Adriana França Faucon Ana Carolina Bertallo Kelly Cristina Soares Linhares Supervisora/Orientadora: Profª Drª Ana Cláudia dos Santos Maio 2013 São Paulo SP

2 1. INTRODUÇÃO A pobreza retrata a falta de condições de viver dentro dos padrões socialmente estabelecidos em certo momento histórico, ou seja, caracteriza a insuficiência monetária para que o indivíduo exercite sua autonomia, enquanto cidadão. Tal apontamento nos direciona a um capitalismo que inclui e exclui, ao mesmo tempo, pois há uma população sobrando em relação à produção de seus meios de capital e diante disso, alguns grupos criam alternativas marginais de inclusão (VALLA et ALL, 2005). Como a pobreza é um problema da sociedade (idem, 2005), aconteceu um aumento significativo de apelos por parte do Estado para a existência de programas que auxiliassem nessa problemática, o que acabou trazendo uma visão assistencialista para essas práticas (FREITAS, 1996). Para estabelecer uma diferenciação para essa prática assistencialista, a Psicologia Social Comunitária vem realizar trabalhos com grupos, colaborando para a formação da consciência crítica e para a construção de uma identidade social e individual, favorecendo a construção de concepções a respeito de si mesmo, dos outros e do contexto social (idem, 1996). Este projeto tem como relevância para a profissão, a tentativa de construção de um novo paradigma para compreensão dos fenômenos psicossociais, através das relações travadas no cotidiano. Além disso, existe a possibilidade de intervenção e atuação do profissional da Psicologia junto aos problemas concretos das pessoas de sua localidade, os quais são únicos e particulares das pessoas envolvidas (idem, 1996). No caso dos indivíduos em situação de rua, apesar da dependência de um assistencialismo a que estão submetidos, uma vez que neste momento não se vêem capazes de garantir sua subsistência alimentar (VALLA et ALL, 2005), não lhes interessa qualquer sobrevivência, mas uma específica, com reconhecimento e dignidade. Mesmo na miséria, eles não estão reduzidos às necessidades biológicas, indicando que não há um patamar em que o homem é animal. O sofrimento deles revela o processo de exclusão afetando o corpo e alma, com muito sofrimento, sendo o maior deles o

3 descrédito social, que os atormenta mais que a fome. O brado angustiante do eu quero ser gente perpassa o subtexto de todos os discursos. E ele não é apenas o desejo de igualar-se, mas de distinguir-se e ser reconhecido (SAWAIA, 1999 p ). Esse é o retrato de uma violência simbólica, que oprime homens das classes pobres, sendo que essa violência tem o poder de impedir as expressões corporais e simbólicas, abafando a voz, baixando o olhar, endurecendo o corpo, seus movimentos, emudecendo os sentimentos e fraquejando a memória (COSTA, 2008). São nítidos os apelos relacionados a um tratamento justo, em busca de remuneração e atividade que reflitam a distribuição igualitária de recursos e oportunidades, sendo que essas questões marcam fortemente a vida desses indivíduos, que apresentam um sentimento bastante acentuado de raiva e hostilidade (RODRIGUES et all, 2007). É a aparição de um sentimento de injustiça, seja de ordem social, econômica ou cultural, relacionado ao modo como vive a maior parte da população, que necessita de meios para se manter (idem, 2007) e esse sentimento traz à luz a consciência do grupo sobre sua invisibilidade pública, traduzida através da humilhação social, cujo sofrimento vem sendo aturado por indivíduos das classes pobres, há várias gerações (FILHO, 1999 apud COSTA, 2008, p ). Quando se fala de injustiça, na medida em que muitos indivíduos não possuem acesso à sua fração na distribuição de recursos, é possível evidenciar também as condições indevidas de trabalho, as quais levam o indivíduo à contração de doenças, sejam físicas ou psicológicas. Isso contradiz um padrão de direitos sociais, previsto na constituição de 1988, que aponta para o direito à autonomia gerada através da própria produção, que garanta previdência, saúde e assistência (SILVA, 2009 apud BOSCHETTI, 2003). Além de estar previsto como direito, também é desejo dos indivíduos se sentirem capazes de produzir bens de consumo necessários a sua sobrevivência, o que propicia o desenvolvimento de novas habilidades, fazendo inclusive com que se sintam úteis e produtivos (SILVA, 2009). Diante da impossibilidade de colocar em prática aquilo que é seu direito, o sujeito é levado a uma ideologia que direciona à crença de que não há o que fazer, a não ser esperar que alguém faça por ele (VALLA et all, 2005).

4 2. DESCRIÇÃO DO TRABALHO Este projeto de intervenção foi construído a partir do referencial teórico da Psicologia Social Comunitária, com atividades desenvolvidas em grupo, na proposta de Grupos Operativos, de Pichon-Rivère. Os encontros foram realizados em espaço disponibilizado pela instituição e durante o período de intervenção, 59 albergados participaram de pelo menos um, dos vinte encontros realizados, os quais aconteceram semanalmente, com duração aproximada de duas horas cada. O principal objetivo dos encontros foi buscar a compreensão sobre a trajetória profissional e história pessoal dos albergados, a identificação de uma consciência do grupo sobre a invisibilidade pública e questionamentos à respeito de seu próprio valor e poder diante de diversas situações da vida. A participação tinha caráter voluntário, o que influenciou positivamente no desenvolvimento do trabalho, favorecendo a participação de indivíduos com objetivos comuns, que percebiam suas ações como importantes para a formação de um grupo psicológico (RODRIGUES et all, 2007). A cada novo encontro, contava-se tanto com a assiduidade de alguns participantes, quanto com novas presenças, graças ao formato de participação voluntária e a rotatividade de assistidos na instituição, o que tornava necessária, em todos os encontros, a apresentação tanto dos facilitadores, quanto dos objetivos desta atuação na instituição. Embora as participações possuíssem um caráter voluntário, os facilitadores buscaram alinhar os temas trabalhados às expectativas dos participantes. Identificou-se um interesse genuíno, relacionado ao modo como esse trabalho poderia auxiliá-los e apesar das explicações e construções a cerca do papel do psicólogo naquela atuação específica, os facilitadores ainda eram buscados por alguns assistidos, para a solução de questões de ordem prática, não ligadas diretamente ao objetivo daquela intervenção, tais como o auxílio para retorno à sua localidade de origem, ou ainda, para encaminhamento a oportunidades de trabalho. Em todas essas ocasiões, era retomado o

5 papel daquele projeto, que consistia em construir conhecimento para que a partir disso, cada um pudesse criar a solução de vida que mais lhe fizesse sentido. Como estratégia de sensibilização houve a exibição de filmes e documentários, ouviram músicas, leram textos e executaram atividades plásticas, sempre com vistas a utilização de uma metodologia participativa de trabalho, para que fosse facilitado aos integrantes do grupo, a vivência de seus sentimentos, percepções sobre fatos e ações, que ressignificassem assim, seus conhecimentos e valores (SILVA, 2006). Identificou-se desde o primeiro encontro a disponibilidade, interesse e curiosidade do grupo, quanto ao entendimento do objetivo dos facilitadores no local. Em todos os encontros, os participantes foram receptivos e se voluntariavam inclusive a auxiliar na organização do ambiente. Observou-se uma atitude de respeito e aceitação para com o grupo de facilitadores, principalmente por sentirem a abertura de um espaço onde puderam abordar seus temas e seus sofrimentos, o que foi verbalizado por alguns dos participantes, em diferentes momentos. Por ser um ambiente em que alguns assistidos chegam sob o efeito de drogas e álcool, em determinadas ocasiões, mesmo contra o regulamento da instituição, alguns participantes não conseguiam repetir a atuação crítica demonstrada em momentos anteriores, graças ao efeito do uso dos entorpecentes. Mesmo dentre os indivíduos que não possuíam uma participação ativa, percebia-se o interesse e a escuta ativa a cerca da experiência trazida por seu colega. Com o passar do tempo, o vínculo foi-se consolidando e as participações se tornaram mais ativas, possibilitando a reavaliação e ressignificação de determinados pontos de vista. No primeiro encontro, todos os participantes, ao realizarem seus relatos, faziam um movimento de aproximação física, designando o desejo de uma acolhida individual. Além disso, quiseram abordar questões que revelavam o motivo de sua estadia no albergue. Verificou-se ainda que, apesar de a família ser o grupo necessário para garantir a sobrevivência do indivíduo, conforme Lane (1985), a maioria dos participantes não relata qualquer tipo de contato com seu grupo de origem, por se sentirem envergonhados pela manutenção da situação que lhe direcionou a esse tipo de assistência e ainda por se sentirem incapazes de se mostrar como uma pessoa autônoma.

6 Depois de conhecer mais sobre o perfil dos assistidos, buscou-se iniciar discussões a partir do tema trabalho e sobrevivência, o que desencadeou, em certos momentos, discursos carregados de emoção. Nos primeiros encontros, os participantes falaram sobre a importância do trabalho e quão transformador ele pode ser, tanto para o cidadão, quanto para a sociedade. Além disso, mencionam o trabalho como determinante para a construção e manutenção de uma família e o responsável pela ocupação da mente do indivíduo, proporcionando crescimento material e social. Relacionam a questão do trabalho à criação de esferas na sociedade, sendo que o indivíduo que não concorda com seu formato, está excluído. Associam a uma via de mão dupla, em que ao mesmo tempo um exclui o outro: o indivíduo exclui a sociedade quando não deseja seguir suas regras e a sociedade exclui o indivíduo quando percebe que ele não deseja se enquadrar naquele formato. Através dessas afirmativas, percebe-se a consciência que o grupo tem a respeito da sociedade e sua inserção através do trabalho. Quanto ao formato de atuação, buscou-se sempre fomentar a comunicação através de um desenvolvimento progressivo, através do qual eram valorizadas experiências, conhecimentos e afetos anteriores, com os quais o indivíduo pensa e age, ou seja, um esquema referencial para a construção de uma fala que leva à aprendizagem e a operatividade (RIVIERE, 1994). Em um dos encontros, fez-se uso do texto Invisibilidade Pública (COSTA, 2008), que tinha como objetivo exercitar a criticidade, discutindo a questão do trabalhador invisível, a humilhação social e a maneira pela qual as vítimas desse processo respondem a ele. Os participantes relacionaram o texto à criação de classes sociais e ao poder financeiro, apontando para a discriminação e condição de cidadão escravizada. Ao obter relatos sobre o que os participantes nomeiam como a própria invisibilidade, seja por questões relacionadas a algum tipo de vício que lhes toma o controle ou por exercer alguma posição de trabalho, que entendem como inferiores, ou nem mesmo essas, pode-se relacionar tal sentimento ao desaparecimento psicossocial de um homem no meio de outros homens (COSTA, 2008).

7 Outro recurso utilizado durante os encontros foi o trecho do filme O Gladiador, o qual retrata situações relacionadas à necessidade da recuperação do indivíduo frente às adversidades, sendo que a partir dessa necessidade os indivíduos podem se encontrar diante de trabalhos que nem sempre são apreciados. A partir dessa exibição, foram obtidos relatos relacionados à dificuldade para retomada da vida em sociedade produtiva, mas apesar da dificuldade não vêem como impossível e sim, trabalhosa: lembram que a personagem Maximus estava a beira da morte e precisou de tempo e estratégia para se recuperar. Para além desse ponto de partida, outros relatos apontaram para formas de recuperação daqueles próprios indivíduos e ligavam-se à perspectiva de superação de obstáculos, não somente no que se refere à vida profissional, mas também a outros aspectos. Foram alcançados relatos e opiniões que estavam envoltos por uma criticidade relacionada à realidade, não só individual ou daquele grupo, mas também à uma realidade brasileira, quando direcionam críticas relacionadas à saúde, à educação e outros direitos que entendem como inexistentes para um grupo menos favorecido. Além disso, o grupo buscou construir também um paralelo com outras sociedades. Por ter-se mostrado atrativa e produtiva, a opção de exibição de vídeos foi utilizada em mais algumas oportunidades. Outra opção foi o vídeo Paixão pelo Trabalho, através do qual, foram exploradas questões relacionadas à produtividade, que envolve não somente grandes construções, mas também as construções do dia a dia, que fazem com que o indivíduo se motive frente às atividades que desempenham. Durante a apresentação do vídeo, foi possível perceber a concordância do grupo em relação à mensagem transmitida através de acenos positivos de cabeça e algumas frases curtas emitidas. Em meio a esse movimento, identifica-se a tarefa explícita, através da qual, os indivíduos trazem à tona suas questões de ordem prática. Percebe-se a emoção e a identificação com que recebem os materiais disponibilizados, a exemplo de um participante, que ao ver a cena de um escritório, chama a atenção de seus colegas para o que lhe remeteu a lembrança do escritório, onde em outra época trabalhou.

8 Ao mesmo tempo, as tarefas implícitas também aparecem, por exemplo, quando se visualiza através de alguns participantes, as dificuldades em verbalizar suas problemáticas e opiniões, ocasionando inclusive sua não participação. Tal comportamento faz parte da dinâmica invisível, que é o fato pensado, sentido, mas não compartilhado no grupo. É uma forma de resistência à realização da tarefa e mesmo diante dessa dinâmica, alguns participantes se destacam quando se manifestam com clareza, criticidade e vontade de agregar. Em um novo encontro, fez-se uso da música Roda Viva, de Chico Buarque, a qual suscitou nos participantes críticas direcionadas à sociedade e à máquina que ela movimenta, gerando dependência entre as mais diversas relações. Alguns assistidos voltaram seu posicionamento às lembranças de situações pessoais do passado. A pedido do próprio grupo, em um dos encontros, foram introduzidos materiais que tinham como objetivo discutir questões práticas relacionadas a direitos trabalhistas. Um dos materiais utilizados foi o texto Quais os Direitos do Trabalhador?, que traz em seu conteúdo os direitos do trabalhador a partir da utilização da CTPS, que identificada social como um documento de identidade para o trabalhador e, histórico, relacionado inclusive a sua vida futura e a de seus dependentes (HAULY, 2002). Percebe-se que alguns dos participantes revelam seus conhecimentos relacionados a seus direitos trabalhistas e a consciência dos deveres quando empregados. A partir desse debate, relatam inclusive suas vivências e apresentam as dúvidas quanto à sua utilização, apontando para o significado que esse documento possui. Buscou-se também utilizar atividades plásticas com os participantes, a partir da utilização de revistas, tesouras, cartolinas, colas e canetas. Em um dos encontros, os assistidos foram convidados a construir seu currículo em painel, a partir desses itens. A intenção era que trouxessem as experiências profissionais já vivenciadas e o que possuíam de expectativa com relação a esse tema. Essa atividade possibilitou resgatar ideias e sonhos relacionados ao que o trabalho pode proporcionar. Em uma nova oportunidade explorou-se a música O Cio da Terra, de Chico Buarque (1976). Buscou-se com essa obra, propiciar reflexão sobre a felicidade e auto realização através do trabalho, que é retratado na música como uma forma de transformação deste em cultura.

9 Uma nova proposta para esse trabalho consistiu em exibir o vídeo Você Faz a Diferença, cuja intenção estava direcionada à construção de materiais que representassem o entendimento sobre a relação entre o filme e o tema sugerido para o encontro. Para essa construção foram disponibilizados papel sulfite, revistas, tesouras, colas, colas coloridas, canetinhas, lápis de cor e giz de cera, que serviriam de insumo para a confecção de painéis que seriam expostos pelos autores na sequência. Como resultado desse encontro, os participantes apontam fortemente para uma preocupação relacionada a questão do direito, quando falam, por exemplo, que o mercado de trabalho está restrito a alguns, abordando inclusive a questão relacionada às cotas raciais, uma vez que entendem que o direito a vivenciar uma vida de igualdade deve estar disponível a todos. À essa reflexão, associa-se a justaposição entre previdência e assistência, que é um elemento comum que define capacidade e possibilidade destas políticas de garantir o acesso aos direitos: trabalho (SILVA, 2009 apud BOSCHETTI, 2003, p.64). No encontro seguinte, disponibilizou-se argila, que deveria ser manipulada de forma a representar as dificuldades relacionadas à empregabilidade. Um dos participantes remete essa participação à sua infância, relembrando que retirava argila da beira de um córrego, com a qual produzia bonecos e animais, que podiam ser vendidos em uma feira livre da cidade onde morava. Para representar esse momento, ele reproduziu novamente os objetos de seu passado. Ressente-se, pois hoje, graças a sua saúde debilitada em função da bebida, não consegue ter a mesma produtividade, que o leva a viver na incerteza de uma vida totalmente dependente de assistencialismo. Em outro participante, percebe-se um sentimento de injustiça relacionado ao modo como vive a maior parte da população, quando diz que teve suas condições de trabalho prejudicadas em virtude da privatização da empresa onde atuava. Como suas condições de trabalho eram debilitantes, pois trabalhava muitas horas por dia e dormia muito pouco, não conseguiu se recolocar graças a falta de saúde. Tal apontamento leva a reflexão sobre o estudo do trabalho humano, o qual deve levar em consideração, além da própria organização do trabalho, também o desenvolvimento da atividade, com proximidade àqueles de exercem a atividade, a fim de

10 identificar situações potencialmente perigosas não somente à saúde física, mas também à saúde mental do indivíduo (VIEIRA et all, 2007). Esse mesmo assistido retoma a questão relacionada à sua família e se nomeia bode expiatório de todos eles, pois foi o único filho que teve que se sujeitar a trabalhar enquanto criança, quando também cuidava de seus irmãos, que puderam frequentar a escola, mas que em sua opinião não souberam aproveitar: eles são cobras que eu alimentei e que me picaram. Eles me jogaram pra fora de casa, por isso estou aqui, hoje. Esse sentimento permeia várias esferas das vidas das pessoas com quem foi estabelecido contato através deste trabalho, esteja ele relacionado à injustiça, seja de ordem social, econômica ou cultural (RODRIGUES et all, 2007). Na maior parte das atividades, os participantes abordam a importância de terem uma ocupação e fazem referência à sua situação atual no albergue, apontando para o tempo em que se mantêm desocupados, alegando que poderiam estar produzindo, o que lhes seria muito útil prática e intelectualmente. Relaciona-se a isso, o que nos retrata Silva (2009), quando aponta para as modificações possíveis no ser humano a partir de sua produção, o que propicia o desenvolvimento de novas habilidades, fazendo inclusive com que o indivíduo se sinta útil e produtivo, pois ao produzir seus meios de existência, os homens produzem indiretamente sua própria vida material (SILVA, 2009, p.39). O homem transforma a natureza e ao mesmo tempo se transforma, não somente por meio da relação com a cultura, mas também através da identificação com o grupo, da auto realização e do sentimento de autoestima. O trabalho é elemento da experiência e do saber de cada um e é através dele que o indivíduo se reconhece e ao mesmo tempo obtém reconhecimento do outro (VIEIRA et all, 2007). A partir da exibição do documentário Lixo Extraordinário, que tinha como objetivo apontar para as possibilidades de produção levando em conta uma arte tida como não convencional, os participantes foram direcionados a explorar suas percepções acerca do material. Alguns já se identificam com o tipo de trabalho apresentado e um dos participantes menciona sua experiência: hoje, com uma carroça, recolhe todo o tipo de material que possa ser reciclado, não somente nas ruas, mas também em algumas instituições que conhecem seu trabalho. Além disso, ele também recolhe em supermercados mantimentos que estão com seu prazo de validade próximos da expiração e com esse

11 material, ele realiza vendas em uma comunidade próxima ao albergue. Através dessa ação, ele consegue obter alguma quantia em dinheiro, que é essencial para sua sobrevivência. Identificou-se o interesse que os albergados possuem em realizar uma atividade que proporcione não somente a ocupação, mas também a criatividade e o retorno financeiro que gere autonomia. Além disso, apontam para a possibilidade de abandono às drogas e ao álcool. Indicam a possibilidade de elaboração de uma cooperativa, que reflete o desejo não somente de manter-se ocupado, mas também em garantir uma fonte de renda que lhes proporcione subsistência. Em vários dos encontros, os participantes relatam que para serem reconhecidos, respeitados e valorizados pela sociedade há que se lutar muito e apesar de toda tentativa, as alternativas que encontram para se manter ainda são formas marginais de inclusão (VALLA et ALL, 2005). Enquanto para alguns a vivência a partir de um assistencialismo se revela como um desconforto por não poderem exercitar sua autonomia, para outros, parece uma opção de vida, o que acaba por reforçar, em alguma instância, a existência de práticas assistencialistas (idem, 2005). No último encontro, solicitou-se que os participantes construíssem um cartão para seu colega, no qual deveriam mencionar o que havia sido registrado como mais importante nos encontros vivenciados. Como resultado desse encontro, foram obtidos conteúdos relacionados não somente as reflexões críticas que o tema trabalho e subsistência propiciou, mas também conteúdos ligados ao acolhimento e à escuta uma vez que aqueles indivíduos não têm, em sua maioria, com quem compartilhar seus sentimentos e expectativas.

12 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS A intervenção, em um projeto de Psicologia Social Comunitária, tem como objetivo possibilitar um espaço de escuta e reflexão, no qual os indivíduos se percebam detentores de poder para realizarem questionamentos relacionados aos seus direitos, a partir de demandas e temas que lhes façam sentido. Por isso, a importância de se trabalhar aspectos psicossociais com indivíduos em situação de rua, para que a posição de exclusão e marginalização não se apresente como definitiva. Como essa condição está ligada ao sentimento de injustiça, entende-se que as discussões propiciam um fortalecimento frente à essa realidade. Se a injustiça é um dos principais responsáveis pelas distorções que permeiam a vida social em muitas esferas, a não legitimidade daquela posição em que se encontra determinado grupo, gera a possibilidade de buscar mudança para a situação atual (RODRIGUES et ALL, 2008). Acredita-se que o primeiro passo foi dado, uma vez que se buscou o favorecimento da mudança, através do qual os próprios integrantes do grupo puderam discutir e refletir politicamente os mecanismos de poder que envolvem a realidade na qual estão inseridos, o que permitirá a busca de transformação para a realidade individual e grupal. Foram abordados temas que serviram de base para reflexões à cerca da vida profissional e pessoal dos indivíduos em situação de rua acolhidos pelo albergue e apesar de ser esperado pelo senso comum que essas pessoas sejam desprovidas de potencial, isso não retrata a realidade, uma vez que se constatou uma boa comunicação, interesse e um nível crítico de avaliação da realidade. As discussões fomentaram a criticidade relacionada a uma distribuição de recursos e oportunidades, através de atividades e remuneração que remetam a uma distribuição caracterizada como justa (RODRIGUES et ALL, 2007). No caso desse grupo, especificamente, manifestou-se como necessária a mudança relacionada à capacidade de produção de bens de consumo essenciais à sobrevivência, sendo que tal demanda foi identificada a partir das próprias participações e foi possível graças a utilização de recursos que facilitaram a introdução de temas que propiciaram reflexões, troca de experiência e ressignificação de conteúdos, na medida em que alguns participantes até o início desse trabalho não haviam se questionado a respeito de seu

13 próprio valor, nem sobre seu empoderamento diante de diversas situações da vida, o que acontece na maioria do tempo por se sentirem diminuídos perante a sociedade. Contou-se com expressivas participações nos encontros, o que se relacionou, possivelmente, ao formato de atuação, que buscou utilizar uma metodologia participativa de trabalho, que tinha como objetivo propiciar aos integrantes a vivência de seus sentimentos, percepções sobre fatos e ações, ressignificando seus conhecimentos e valores, o que permitiu inclusive a visualização da possibilidade de mudança (SILVA, 2006). Apesar da abertura de espaço para as reflexões, em alguns momentos identificouse alguma dificuldade relacionada ao contato com os temas abordados, impedindo o aprofundamento das questões, sendo que em determinadas ocasiões, alguns indivíduos chegavam a abrir mão de sua participação. Em geral, os participantes manifestavam o sentimento de exclusão e diminuição em sua relação com os meios de produção, na medida em que são discriminados na sociedade muitas vezes em função de sua apresentação pessoal. Quando isso não é empecilho, o fato de apresentarem residência provisória em um albergue é por si só, excludente. Esse trabalho proporcionou relevância aos assistidos a partir do momento em que teve como objetivo possibilitar a acolhida, a escuta e a reflexão, o que pode, em alguma instância, gerar autonomia. Os encontros propiciaram a compreensão sobre a trajetória profissional e história pessoal dos albergados, a identificação de uma consciência do grupo sobre a invisibilidade pública e questionamentos à respeito do próprio valor e poder diante de diversas situações da vida. Ainda foi possível, a internalização de experiências, não somente para o público alvo das ações, mas também para os facilitadores desse processo, uma vez que esse se tornou um compromisso comum.

14 4. APRESENTAÇÃO DO LOCAL E CONDIÇÕES NAS QUAIS A ATIVIDADE DE ESTÁGIO ACONTECEU A atividade de estágio realizou-se no Albergue Zancone durante o ano de A unidade está localizada na Av. Imperatriz Leopoldina, Vila Leopoldina, São Paulo Capital. Ela acolhe diariamente, por 24 horas, pessoas em situação de rua, provenientes da cidade de São Paulo, com a capacidade de atendimento de 100 homens. A mantenedora do albergue é o Instituto Rogacionista Santo Aníbal, cuja sede fica na Av. Santa Marina, 534 Água Branca, São Paulo, Capital. Além do albergue, o Instituto mantém outras atividades assistenciais como creche, atividades lúdicas e recreativas com crianças e jovens, em outras unidades. A parceria de estágio da Universidade Paulista com o Albergue Zancone iniciou-se em 2010, sendo 2011, o segundo ano que o albergue recebia estagiários do curso de psicologia da UNIP. No albergue os encontros aconteciam nos finais de semana, aos sábados no período da tarde, em sala reservada da unidade, ou mesmo no pátio junto aos atendidos. Ali se organizavam os grupos, onde se sentavam nos bancos ou cadeiras disponíveis. Era proposital que algumas vezes a atividade acontecesse no pátio, para justamente atrair os albergados. O fato de também acontecer no período da tarde foi devido ao horário do almoço, pois neste momento se reunia no albergue muitos moradores, motivo para convidálos para o grupo. Com o desenrolar das atividades, os moradores que já haviam participado de alguns dos encontros vinham espontaneamente ao grupo, quando estavam no albergue naquele momento. Todas as atividades eram acompanhadas pelos educadores do albergue. Eles não participavam na roda, com o grupo, mas estavam presentes no pátio onde circulavam continuamente. Além disto, havia o corpo técnico que dava plantão nos finais de semana e estavam disponíveis para qualquer dúvida que surgisse. Os encontros se iniciaram no mês de abril, parando em julho, por volta das férias escolares, finalizando em dezembro. Ao final do estágio, naquele ano, foi realizada uma devolutiva final para a equipe do albergue, apresentando o trabalho realizado, metodologia, parecer do grupo e sugestões de transformações possíveis na instituição.

15 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COSTA, F.B. Moisés e Nilce: retratos biográficos de dois garis. Um estudo de Psicologia Social a partir da Observação Participante e Entrevista. Tese apresentada no Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, FREITAS, M.F.Q. Psicologia na Comunidade, Psicologia da Comunidade e Psicologia (Social) Comunitária Práticas da psicologia em comunidade nas décadas de 60 a 90, no Brasil. In: Psicologia social comunitária: da solidariedade à autonomia. 6ª ed. Petrópolis, Vozes, HAULY, L.C. Cartilha do Trabalhador: Direitos Constitucionais do Trabalhador. Coordenação de Publicações da Câmara dos Deputados, Brasília, LANE, S.T.M. O que é Psicologia Social. Brasiliense, São Paulo, PAUGAM, S. A desqualificação social: ensaio sobre a nova pobreza. São Paulo: Educ/Cortez, PICHON-RIVIERE, E. Técnica dos Grupos Operativos. In: PICHON-RIVIERE, E. O Processo Grupal. Martins Fontes, São Paulo, RODRIGUES, A., ASSMAR, E.M.L. e JABLONSKI, B., Psicologia Social. Vozes, Petrópolis, SAWAIA, B. Sofrimento ético-político. In: SAWAIA, B. (Org.) As Artimanhas da Exclusão. Petrópolis, Vozes, 1999, p SILVA, M.L.L. Trabalho e População em Situação de Rua no Brasil. Cortez, São Paulo, SILVA, R.C.S. Porque Trabalhar com Grupo para Promoção de Saúde. In: Metodologias Participativas para Trabalhos de Promoção de Saúde e Cidadania. São Paulo, Vetor, VALLA, V.V et all. Pobreza e Capitalismo. In: Para Compreender a Pobreza no Brasil. Rio de Janeiro, VIEIRA, C.E.C., BARROS, V.A. e LIMA, F.P.A. Uma Abordagem da Psicologia do Trabalho, na Presença do Trabalho. In: Psicologia em Revista. Belo Horizonte, v. 13, p , 2007.

16 6. RESUMO O presente trabalho tem por objetivo apresentar o resultado de um estágio supervisionado realizado em 2011 por um grupo de estudantes de Psicologia em um albergue que atende homens adultos e está localizado na cidade de São Paulo. O estágio teve como objetivo implementar ações que promovessem acolhida, escuta, reflexão e, portanto, o fortalecimento dos moradores da instituição e consequentemente, sua inserção em atividades produtivas. O projeto de intervenção foi desenvolvido a partir do referencial teórico da Psicologia Social Comunitária, com atividades feitas em grupo, na proposta de Grupos Operativos, de Henrique Pichon-Rivière. Os encontros propiciaram a compreensão sobre a trajetória profissional e história pessoal dos albergados, a identificação de uma consciência do grupo sobre a invisibilidade pública e questionamentos a respeito de seu próprio valor e poder diante de diversas situações da vida. Foram visualizados os apelos relacionados à uma distribuição de recursos e oportunidades, através de atividades e remuneração que remetam a uma distribuição caracterizada como justa (RODRIGUES et ALL, 2007). Palavras-chave: Situação de Rua, Trabalho, Pobreza.

17 7. MEMORIAL DESCRITIVO A escolha pelo estágio na disciplina de Grupos e Comunidades aconteceu devido a influência das aulas da disciplina de Psicologia Social que foi ministrada no transcorrer do curso de Psicologia. Havia uma expectativa do grupo em vivenciar de fato uma ação que pudesse colaborar para a transformação do sujeito e com isto, também colaborar para a mudança em sua vida concreta. Os primeiros meses de estágio na disciplina, ou seja, fevereiro e março, foram dedicados a leitura e discussão dos seguintes referenciais teóricos: Campos (1996), Valla (2005), Sawaia (2002), Cruz e Guareschi (2007), Silva (2002), Pichon-Rivière (1998) e Guirado (1997). As discussões eram feitas em grupo, elencando as ideias principais dos textos. Nesse período também o grupo de alunos foi se organizando e já pensando na população que gostaríamos de atendendo, fazendo grupo. A universidade apresentou as possibilidades de estágios, locais e população. O grupo inicialmente se constitui em dupla, entre as alunas Adriana e Kelly, e pela disponibilidade de horário, já que trabalhavam durante a semana, período integral, só podiam fazer o estágio no final de semana, foram então para o Albergue Zancone. A aluna Carolina estava em outro estágio, em um abrigo para crianças e jovens e, só foi se juntar à dupla no segundo semestre de 2011, no mês de agosto. Nesse momento nossas leituras também modificaram-se, ou seja, adequamos a população que atendíamos nas instituições e, também, líamos textos relacionados a população dos colegas de estágio, no caso de artigos que tratavam de mulheres, crianças e jovens. Os primeiros contatos com os moradores do albergue, ou seja, os participantes foram tímidos e com o tempo, houve uma maior aproximação. A cada encontro havia um aprendizado para o grupo. No primeiro semestre os encontros estavam relacionados a aproximação do grupo, contato, conhecimento sobre sua realidade. No segundo semestre por orientação da supervisão, o grupo procurou desenvolver um produto nesses encontros e, nesse sentido, foi escolhido o tema trabalho, já que era o principal assunto trazido pelos participantes.

18 No segundo semestre a aluna Carolina também se integrou ao grupo, realizando o estágio no albergue, já que o grupo que integrava se desfez, ficando sozinha, compondo um novo grupo. Houve um momento de adaptação de Carolina ao novo grupo, nas organizações das tarefas, elaboração dos relatórios e discussão sobre o estágio. O novo sempre causa certa apreensão e este assunto foi discutido com a supervisão. Com o desenrolar do trabalho, foi possível perceber que Carolina integrou-se ao grupo, cumprindo com as suas responsabilidades, discutindo seu olhar sobre o grupo e, conquistou um lugar nessa nova constituição. As discussões sobre o tema trabalho foram se aprofundando até a solicitação pelos participantes de lugares onde poderiam ir a busca de um emprego e/ou trabalho. Nesse sentido o grupo elaborou pesquisas de locais que pudessem orientar os participantes na procura de um emprego, assim como solicitamos uma conversa com a instituição para verificar a possibilidade da criação de uma cooperativa de reciclagem de papel e papelão. Todas essas experiências de pesquisa, de conversa com os participantes foram registradas na devolutiva final que foi entregue e discutida com os dirigentes do Albergue Zancone. Nessa última conversa ficou claro que a instituição também já tinha iniciado diversas tentativas para possibilitar aos participantes o acesso a uma fonte de renda. Porém, de acordo com o relato dos funcionários, há uma rotatividade constante no albergue, o que impossibilita a permanecia do albergado, além disso, problemas psiquiátricos, o contato com as drogas dificultam sua inserção. Há uma necessidade de execução de uma ação mais detalhada, como o contato com a família, tratamento com relação às drogas que devem estar atreladas a inserção no mercado de emprego e/ou trabalho.

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Relatório de atividades Socioambientais

Relatório de atividades Socioambientais Relatório de atividades Socioambientais Ação 1: Apresentação da programação da Feira do Empreendedor 2014 às instituições da comunidade do entorno do SESI. Realização: Amazônia Socioambiental Equipe Técnica

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Aline Alcalá; Amanda Fernandes Dayrell; Danielle Martins Rezende; Gabriela Camacho; Renata Carmo-Oliveira O processo de inclusão de pessoas com necessidades

Leia mais

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA Carlos Silva 1 Objetivo: Favorecer o desenvolvimento de ações pedagógicas em saúde a partir da inserção das questões de saúde no Projeto Político

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Mini-curso - Descrição

Mini-curso - Descrição Mini-curso - O CORPO NA DINÂMICA DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO: ENSINAR A CONDIÇÃO HUMANA E ENSINAR A IDENTIDADE TERRENA Autora: Profª Drª Alice Maria Corrêa Medina Universidade de Brasília - UnB Resumo

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi

Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi EJE: Comunicacion y Extensión AUTORES: Garcia, Gabriela Viero 1 Tumelero, Samira Valduga 2 Rosa, Rosane 3

Leia mais

CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO. Palavras Chave: Educação Física, Ensino Médio e Circo

CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO. Palavras Chave: Educação Física, Ensino Médio e Circo CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO MARIA CRISTINA LOZANO Grupo de Pesquisa Educação Física FEUSP / CNPQ Este estudo é um relato de um projeto de educação física, entitulado

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO SOUZA, Caio Henrique Bueno de 1 RODRIGUES, Davi 2 SANTOS, Edna Silva 3 PIRES, Fábio José 4 OLIVEIRA, Jully Gabriela

Leia mais

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO.. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM CONTINUAR APRENDENDO.. Piere Furter AVALIAR PARA CONHECER

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

(UNIDADE CEBRAC BOTUCATU)

(UNIDADE CEBRAC BOTUCATU) CAMPANHA MAIS CIDADÃO (UNIDADE CEBRAC BOTUCATU) APRESENTAÇÃO Nossa Missão: Desenvolver o potencial das pessoas e formar o cidadão profissional para atuar com brilhantismo no mercado de trabalho Estar sintonizados

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Tanise Coppetti Universidade Federal de Santa Maria tani_coppetti@hotmail.com Resumo: Este trabalho apresenta uma atividade a respeito de equações

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes Manual do Voluntário O Projeto Correspondentes A ação proposta pelo projeto Correspondentes é a troca regular de correspondências entre voluntários e crianças ou adolescentes que residem em abrigos ou

Leia mais

A construção de um espaço artístico extracurricular dentro da escola pública

A construção de um espaço artístico extracurricular dentro da escola pública Anais do I Seminário PIBID/FPA 2014. FPA. Vol I, nº 1. São Paulo, 2014. 1 A construção de um espaço artístico extracurricular dentro da escola pública Uma proposta pedagógica de ensino de artes visuais

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

:: NOVA ESCOLA ON-LINE ::

:: NOVA ESCOLA ON-LINE :: Page 1 of 7 Planos de aula Educação Infantil Conhecimento de Mundo Natureza e Sociedade Seres Vivos Plano de trabalho O ovo vira pinto Introdução Muito freqüentemente, o trabalho com as ciências naturais,

Leia mais

Mostra de Projetos 2011

Mostra de Projetos 2011 Mostra de Projetos 2011 Fala cidadão: promovendo o direcionamento social, educacional e profissional do aluno da E.J.A, visando à transformação de sua realidade, na construção da cidadania Mostra Local

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

ENCONTRO "PCN EM AÃÃO"

ENCONTRO PCN EM AÃÃO ENCONTRO "PCN EM AÃÃO" RELATO DA PAUTA DO ENCONTRO Cuiabaß - Parte de 5¼ a 8¼ súrie por Caio M. Costa 1 a. dia - Manhã 1 a. parte - todos juntos - Ana Rosa e Rosaura Apresentação dos PCNs Níveis de concretização

Leia mais

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA 1 UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA INTRODUÇÃO Compreende-se que na promoção de ações de estímulo à leitura, a escola tem como instrumento

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS Mônica Abranches 1 No Brasil, no final da década de 70, a reflexão e o debate sobre a Assistência Social reaparecem e surge

Leia mais

OFICINA PEDAGÓGICA DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO CURSO DE ENFERMAGEM DAS FACULDADES INTA

OFICINA PEDAGÓGICA DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO CURSO DE ENFERMAGEM DAS FACULDADES INTA 1 OFICINA PEDAGÓGICA DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO CURSO DE ENFERMAGEM DAS FACULDADES INTA Maria Adelane Monteiro da Silva Antonia Eliana de Araújo Aragão Keila Maria de Azevedo Ponte Lourdes Claudênia

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas Departamento de Saúde Coletiva Residência Multiprofissional em Saúde Mental e Coletiva Relatório Referente à experiência de Estágio Eletivo

Leia mais

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Adelson Carlos Madruga Universidade Federal da Paraíba adelsoncarlos1992@hotmail.com Elizangela Mario da Silva Universidade Federal

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA LEMOS, Josiane (estágio I), e-mail: lemosjosi@hotmail.com SANTOS, Lourdes de Fátima dos (estágio I). e-mail: lurdesfsantos84@hotmail.com SCHEMIGUEL,

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio. Atividade: Reflexão sobre Amadurecimento e Relacionamento Interpessoal

Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio. Atividade: Reflexão sobre Amadurecimento e Relacionamento Interpessoal Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio Atividade: Reflexão sobre Amadurecimento e Relacionamento Interpessoal Público: Oitavos anos Data: 25/5/2012 181 Dentro deste tema, foi escolhida para

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

VIVÊNCIAS NO PIBID/EDUCAÇÃO FÍSICA/UNIUBE: ASSOCIANDO CULTURA E HABILIDADES MOTORAS NO ENSINO FUNDAMENTAL II

VIVÊNCIAS NO PIBID/EDUCAÇÃO FÍSICA/UNIUBE: ASSOCIANDO CULTURA E HABILIDADES MOTORAS NO ENSINO FUNDAMENTAL II VIVÊNCIAS NO PIBID/EDUCAÇÃO FÍSICA/UNIUBE: ASSOCIANDO CULTURA E HABILIDADES MOTORAS NO ENSINO FUNDAMENTAL II Jackson Rodrigues Cordeiro 1, Cíntia Silva de Oliveira 2, Silas Queiroz de Souza 3, Marcelo

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRIZOLA, Silene Francisca dos Santos. (UNEMAT) silenefsb@hotmail.com SILVA, Maria Ivonete da. (UNEMAT) ivonete0304@hotmail.com RESUMO Este projeto foi desenvolvido

Leia mais

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO E REPRESENTAÇÕES LTDA 4ª Oficina Data: 31/07/2012

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM Justificativa ABREU,Tamires de Sá 1 BARRETO, Maria de Fátima Teixeira² Palavras chave: crenças, matemática, softwares, vídeos.

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA Camila Nicola Boeri Universidade de Aveiro Portugal camilaboeri@hotmail.com Márcio Tadeu Vione IFMT - Campus Parecis - MT mtvione@gmail.com

Leia mais

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS IX Encontro Internacional do Fórum Paulo Freire Tema Geral: Caminhos de emancipação para além da crise: Resgatando temas geradores do pensamento educativo e social de Paulo Freire Eixo 2 - Educação - O

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

O CINEMA COMO EXPERIÊNCIA CRÍTICA NA SALA DE AULA- PALMELO-GO

O CINEMA COMO EXPERIÊNCIA CRÍTICA NA SALA DE AULA- PALMELO-GO O CINEMA COMO EXPERIÊNCIA CRÍTICA NA SALA DE AULA- PALMELO-GO REZENDE,Liberalina Teodoro 1 Resumo Este trabalho se traduz na descrição e análise acerca de algumas experiências ocorridas no ano de dois

Leia mais

TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2

TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2 1 EFEITOS TERAPÊUTICOS DA COLAGEM EM ARTETERAPIA NAS TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2 Palavras-chave: Arteterapia, Enfermagem psiquiátrica, Toxicomania, Cuidar em

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui

Leia mais

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua. Título da experiência: Políticas públicas de apoio à população de rua Uma experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO 1 RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO Facilitadora: Maria Inês Castanha de Queiroz Coordenadora: Maria Inês Castanha de Queiroz CRP 5357/4ª região Psicóloga, Mestre

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização Juliana Ferreira Universidade Estadual Paulista UNESP- Araraquara E-mail: juliana.ferreiraae@gmail.com Silvio Henrique

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9

UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9 UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9 RELATÓRIO: JUVENTUDE NEGRA: PRECONCEITO, VIOLÊNCIA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL MARIA DO SOCORRO SILVA

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

PROJETO LEITURA INTERATIVA

PROJETO LEITURA INTERATIVA PROJETOS COMPLEMENTARES PROJETO LEITURA INTERATIVA Atividade planejada e permanente com os usuários, em grupos, que visa introduzir em sua vida a leitura diária de jornais, livros e revistas e atualização

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS Lucas Gabriel Seibert Universidade Luterana do Brasil lucasseibert@hotmail.com Roberto Luis Tavares Bittencourt Universidade Luterana do Brasil rbittencourt@pop.com.br

Leia mais

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO SUPERANDO A DEPRESSÃO Andreza do Ouro Corrêa - andreza.correa@ymail.com Mayara Cristina Costa Mariângela Pinto da Silva Gislaine Lima da Silva - gilisilva@ig.com.br Curso de Psicologia Unisalesiano/ Lins

Leia mais

ROGÉRIO SANTOS FERREIRA INTERVENÇÕES GRUPAIS VIOLÊNCIA URBANA NO TERRITÓRIO

ROGÉRIO SANTOS FERREIRA INTERVENÇÕES GRUPAIS VIOLÊNCIA URBANA NO TERRITÓRIO 1 Universidade Federal de São Paulo Campus Baixada Santista Programa de Pós-Graduação Ensino em Ciências da Saúde ROGÉRIO SANTOS FERREIRA INTERVENÇÕES GRUPAIS VIOLÊNCIA URBANA NO TERRITÓRIO SANTOS 2014

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA.

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA. De acordo com às determinações constantes do Plano de Estágio Supervisionado, submeto à apreciação de V.Sª o plano de aula que foram desenvolvidas no Estágio de Licenciatura em Matemática no período de

Leia mais

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais