Estudo da confiabilidade do Questionário de Qualidade de Vida na Doença de Parkinson 39 (PDQ-39) Promoção da saúde e qualidade de vida

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo da confiabilidade do Questionário de Qualidade de Vida na Doença de Parkinson 39 (PDQ-39) Promoção da saúde e qualidade de vida"

Transcrição

1 Estudo da confiabilidade do Questionário de Qualidade de Vida na Doença de Parkinson 39 (PDQ-39) SIEXBRASIL: ÁREA TEMÁTICA PRINCIPAL: Saúde ÁREA TEMÁTICA SECINDÁRIA: Promoção da saúde e qualidade de vida AUTORES: 1 Raquel de Carvalho Lana Aluno bolsista 1 Fátima Rodrigues de Paula Goulart Coordenador 1 Thais Abreu Maia Aluno voluntário 1 Cecília Prudente Aluno participante 2 Francisco Cardoso Participante docente 1 Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional 2 Faculdade de Medicina DEPARTAMENTOS: 1 Departamento de Fisioterapia 2 Departamento de Clínica Médica PALAVRA-CHAVE: Doença de Parkinson Introdução e Objetivos A Doença de Parkinson (DP) é uma doença neurológica crônica e degenerativa caracterizada patologicamente pela degeneração preferencial dos neurônios dopaminérgicos da substância negra. 1. Tal degeneração leva a um déficit de dopamina na via negro-estriatal, acarretando distúrbios motores e conseqüente impacto na função e qualidade de vida do indivíduo. 1 A etiologia específica não é conhecida, porém durante os últimos anos, tem-se considerado fatores hereditários, infecciosos, tóxicos, genéticos e ambientais. 1 A DP é caracterizada por lentidão nas tarefas motoras, rigidez, tremor ao repouso, posturas anormais, alterações na mobilidade e na marcha. 2 Distúrbios do movimento são marcantes na DP e podem comprometer a habilidade do indivíduo para executar atividades motoras como caminhar, girar, escrever, e mover-se na cama. É comum o indivíduo apresentar lentidão nas tarefas motoras, hipocinesia da marcha, tremor ao repouso, escrita diminuída e diminuição do volume da voz. 3 Além disso, outras limitações são constantemente identificadas tanto na fala como na deglutição. 2 Em estágios mais avançados da doença pode ocorrer festinação, discinesia, acinesia, hipocinesia marcada, instabilidade postural e quedas, que são sinais de dificuldades mais graves. 3 Com a progressão da doença, os pacientes podem apresentar também déficit da memória, problemas na função visuo-espacial e depressão. 2,3 Todos esses fatores podem influenciar

2 negativamente a vida do indivíduo levando-o ao isolamento e a pouca participação na vida social. 4 O comprometimento mental, emocional, social e econômico relacionado aos sinais e sintomas físicos e às complicações secundárias da doença determinam o nível de incapacidade do indivíduo e contribuem para uma piora na qualidade de vida do mesmo. 5 O conceito de qualidade de vida é complexo e multidimensional. A avaliação da mesma reflete uma análise subjetiva da satisfação do indivíduo em relação ao seu bem estar físico, funcional, emocional e social. 5 No contexto da doença crônica, o fisioterapeuta deve buscar diminuir a disfunção física e permitir ao indivíduo realizar atividades de seu dia a dia com a maior eficiência possível, melhorando sua qualidade de vida. 5,6 O principal foco do tratamento em indivíduos com doenças crônicas, como a DP, deve ser a manutenção da qualidade de vida. Isto demonstra a importância de se conhecer as dimensões que abrangem o conceito e os instrumentos de medida que avaliam o impacto da DP na qualidade de vida dos indivíduos. 5 Para isso, a avaliação do paciente deve ser conduzida sistematicamente por instrumentos válidos e confiáveis a fim de gerar informações que contribuam para uma tomada de decisões clínicas. 6 A avaliação científica de um instrumento de medida envolve a análise de três propriedades psicométricas: validade (capacidade de um instrumento de medir o que ele se propõe a medir), responsividade (capacidade de um instrumento em detectar mudanças ao longo do tempo) e confiabilidade. 7,8 A confiabilidade é uma medida que diz se os resultados são consistentes, estáveis ao longo do tempo, reproduzíveis e seguros. 8 Os estudos de confiabilidade permitem definir a utilidade de um instrumento para um ou vários examinadores, possibilitando maior aplicabilidade clínica. 7 A confiabilidade inter-examinadores mede a concordância dos resultados de uma mesma variável entre examinadores diferentes e, a confiabilidade intra-examinador, mede a concordância dos resultados de uma mesma variável realizados por um único examinador, em diferentes situações. 7,8 Um instrumento de avaliação de qualidade de vida não deve se limitar a medir apenas a presença e a gravidade dos sintomas de uma doença. Deve ser capaz de mostrar como as manifestações de uma doença ou tratamento são experimentadas pelo indivíduo valorizando aspectos da vida que, em geral, não são considerados no contexto da saúde como, por exemplo, renda familiar, autonomia e trabalho. 9 Na DP, vários instrumentos que relacionam saúde e qualidade de vida se tornaram disponíveis nos últimos anos. 10 Dentre eles pode-se citar o Questionário de Qualidade de Vida na Doença de Parkinson Parkinson s disease quality of life questionnaire (PDQL), Escala de Impacto da Doença de Parkinson Parkinson s impact scale (PIMS), Parkinson LebensQualität (PLQ) e Questionário de Doença de Parkinson - 39 Parkinson s disease questionnaire-39 (PDQ 39). 6,10 O PDQL tem como objetivo medir a saúde física e emocional além de refletir áreas de funções que são importantes para os portadores da DP. É um questionário auto administrável com 37 itens subdivididos em quatro categorias que são os sintomas parkinsonianos e sistêmicos, função emocional e social. 6 O PIMS é constituído de 10 itens, que devem ser avaliados três vezes, com intervalos de um mês. Um maior escore reflete menor percepção quanto à qualidade de vida. Essa escala só está disponível no inglês ou francês canadenses. 10 O PLQ é constituído por 44 itens agrupados em 9 domínios (depressão, capacidade física, concentração, lazer, inquietação, limitação da atividade, insegurança, integração social e ansiedade). 10 O PDQ-39 é constituído por 39 itens divididos em 8 categorias onde um maior escore reflete uma menor percepção do indivíduo quanto à sua qualidade de vida. 6 O Projeto de extensão Convivendo Bem com a Doença de Parkinson foi criado em 1999, em parceria com o Ambulatório de Distúrbios do Movimento da UFMG, com o objetivo de oferecer tratamento fisioterápico a indivíduos carentes portadores da DP, buscando melhorar tanto a condição física quanto a qualidade de vida dos mesmos. A equipe do projeto é

3 constituída por professores dos departamentos de Fisioterapia e Clínica Médica da UFMG e por acadêmicos bolsista e voluntário do Curso de Fisioterapia da mesma universidade. Atualmente, o projeto assiste uma média de 25 pacientes portadores de DP ou outro tipo de parkinsonismo, em atividades semanais. As atividades são realizadas no Laboratório do Movimento e os participantes do projeto realizam exercícios de fortalecimento, condicionamento, flexibilidade, mobilidade geral e treinamento de atividades funcionais como passar de sentado para de pé e vice-versa, equilíbrio em ortostatismo, marcha e seus componentes e outras atividades de vida diária. Além da realização da atividade física, a metodologia do projeto envolve uma intervenção basicamente educativa, onde os pacientes e seus familiares recebem orientações sobre a doença e assistem palestras com temas de interesse ministradas por outros profissionais além do fisioterapeuta como fonoaudiólogos, neurologistas terapeutas ocupacionais e nutricionistas. Quando necessário, indica-se dispositivos de auxilio à marcha e faz-se visitas domiciliares para adequação do ambiente doméstico às necessidades do indivíduo. A intervenção é realizada tanto em grupo quanto individualmente, de acordo com as necessidades específicas de cada paciente para que eles possam obter maior funcionalidade, participação social, e conseqüentemente, qualidade de vida. Nos últimos anos, o projeto Convivendo Bem com a Doença de Parkinson vem utilizando o Perfil de Saúde de Nottingham (PSN), um instrumento genérico de avaliação de qualidade de vida, desenvolvido originalmente para avaliar a qualidade de vida em pacientes portadores de doenças crônicas, adaptado para o português pela coordenadora do projeto e colaboradores. 9 O PSN é um questionário auto administrado, constituído de 38 itens, baseado na classificação de incapacidade descrita pela Organização Mundial de Saúde. 9 Com o passar do tempo, detectou-se a necessidade de utilização de um questionário específico para a DP. A recente adaptação do PDQ-39 para o português possibilitará a utilização desse questionário como instrumento de avaliação da qualidade de vida, no projeto Convivendo Bem com a Doença de Parkinson. A utilização de tal questionário permitirá conhecer o perfil dos indivíduos relacionado ao estágio da doença em que eles se encontram e avaliar o impacto de programas de intervenção fisioterápica na qualidade de vida dos indivíduos com a DP. Para tal, é imprescindível a utilização de instrumentos que tenham sido avaliados quanto à sua utilidade prática e respaldo científico. 7 Assim, o objetivo do presente estudo foi determinar a confiabilidade interexaminadores do PDQ-39, já que o mesmo deverá ser utilizado por diferentes examinadores. Metodologia Participantes O PDQ-39 foi aplicado em uma amostra recrutada no Projeto de Extensão Convivendo bem com a Doença de Parkinson. Foram incluídos no estudo os indivíduos com diagnóstico de DP idiopática, idade superior a 40 anos e que estivessem entre os estágios 1 e 3 da Escala de Hoehn & Yahr. Foram coletados dados para a caracterização da amostra selecionada e todos os indivíduos participaram voluntariamente do estudo. Instrumentação PDQ-39 O PDQ-39 é um instrumento baseado no SF-36, que é uma avaliação utilizada em uma ampla variedade de doenças e em pesquisas envolvendo a população em geral. 2,3,7 O PDQ-39 é uma escala específica para a DP e compreende 39 itens que podem ser respondidos com cinco opções diferentes de resposta: nunca, de vez em quando, às vezes, freqüentemente e sempre ou é impossível para mim. Ele é dividido em oito categorias: mobilidade (10 itens), atividades de vida diária (6 itens), bem estar emocional (6 itens), estigma (4 itens), apoio social (3 itens), cognição (4 itens), comunicação (3 itens) e desconforto corporal (3 itens). A

4 pontuação varia de 0 (nenhum problema) a 100 (máximo nível de problema), ou seja, uma baixa pontuação indica a percepção do indivíduo de uma melhor qualidade de vida. 2,3,7 Escala de Hoehn & Yahr A escala de Hoehn e Yahr (HY Degree of Disability Scale) é rápida e prática ao indicar o estado geral do paciente. Em sua forma original, compreende cinco estágios de classificação para avaliar a gravidade da DP e abrange, essencialmente, medidas globais de sinais e sintomas que permitem classificar o indivíduo quanto ao nível de incapacidade. Os pacientes classificados nos estágios 1, 2 e 3 apresentam incapacidade leve a moderada, enquanto os que estão nos estágios 4 e 5 apresentam incapacidade grave. Uma versão modificada da HY foi desenvolvida mais recentemente e inclui estágios intermediários, como pode ser visto no Quadro 1. 6 Quadro 1: Estágios da DP segundo a escala de Hoehn e Yahr (modificada) Estágio 0 Nenhum sinal da doença. Estágio 1 Doença unilateral. Estágio 1,5 Envolvimento unilateral e axial. Estágio 2 Doença bilateral sem déficit de equilíbrio. Estágio 2,5 Doença bilateral leve, com recuperação no teste do empurrão. Estágio 3 Doença bilateral leve a moderada; alguma instabilidade postural; capacidade de viver independente. Estágio 4 Incapacidade grave, ainda capaz de caminhar ou permanecer de pé sem ajuda. Estágio 5 Confinado à cama ou cadeira de rodas a não ser que receba ajuda. Fonte: Adaptado de Schenkman, 2001 Procedimentos Os examinadores foram devidamente treinados na aplicação do questionário antes do início da coleta de dados. O PDQ-39 foi aplicado por três examinadores em cada paciente, com um intervalo de quatro dias, em média. Em função das características sócio-culturais da amostra optou-se pela aplicação do questionário sob a forma de entrevista onde as perguntas foram lidas sempre na mesma ordem. Solicitou-se aos participantes que respondessem usando apenas uma das respostas possíveis (nunca, de vez em quando, às vezes, freqüentemente e sempre ou é impossível para mim). As respostas foram registradas em folhas individuais e o tempo gasto para a aplicação do teste foi de 10 a 15 minutos para cada indivíduo. Análise estatística: Estatística descritiva foi usada para todas as variáveis. Utilizou-se o Índice de Correlação Intraclasses (ICI) para determinar a confiabilidade inter-examinadores. Resultados: Foram estudados cinco indivíduos com DP de ambos os sexos. A caracterização dos participantes do estudo está na Tabela 1. Tabela 1: Caracterização da Amostra Amostra Tempo de Estágio de Idade Sexo evolução da DP Hoehn & Yahr (anos) Indivíduo 1 10 anos 2 71,0 F Indivíduo 2 7 anos 3 49,0 M

5 Indivíduo 3 12 anos 2,5 55,0 M Indivíduo 4 8 anos 2,5 59,0 M Indivíduo 5 2 anos 2,5 53,0 M M(DP) 7,8(3,8) 2,5(0,4) 57,4(7,5) -- DP= doença de Parkinson; M=média; DP=desvio padrão; F=feminino; M=masculino Os resultados da avaliação da confiabilidade inter-examinadores mostraram alta confiabilidade do PDQ-39 para indivíduos com DP, com valor de ICI igual a 0,93. As médias e desvios padrão do escore total do PDQ-39 encontrados por cada examinador estão na Tabela 2. Tabela 2: Média (M) e desvio padrão (DP) do escore total do PDQ-39 Examinadores M (DP) 1 19,5 (7,1) 2 16,7 (8,6) 3 16,7 (6,6) Discussão O presente estudo foi realizado para investigar a confiabilidade inter-examinadores do PDQ- 39 e assim possibilitar a utilização desse instrumento de avaliação no projeto Convivendo Bem com a Doença de Parkinson. O ICI demonstrou um alto índice de confiabilidade inter-examinadres para o PDQ-39 em indivíduos com DP. O ICI é o índice que mais se aplica a análises de confiabilidade, pois, além da correlação, reflete também a concordância entre as variáveis 7. Estatisticamente, a utilização do ICI apresenta vantagens, por permitir avaliar a confiabilidade entre vários examinadores concedendo uma ampla aplicabilidade clínica, além de não requerer o mesmo número de examinadores por sujeito, dando uma maior flexibilidade aos estudos clínicos 7. Como em outras formas de análise, não há valores fixos para determinar o grau de confiabilidade através do ICI, entretanto, sugere-se que valores acima de 0,75 são indicativos de alta confiabilidade e, aqueles abaixo de 0,75, indicam baixa a moderada confiabilidade. 7 O PDQ-39 é um instrumento de fácil aplicabilidade, pois é dividido em dimensões de acordo com as dificuldades específicas da DP, em âmbitos diferentes da vida do indivíduo. É um questionário onde o paciente tem opções pré-definidas quanto à freqüência das suas dificuldades, facilitando a identificação das mesmas. Além disso, o PDQ-39 possui perguntas claras e objetivas sendo necessário pouco tempo para sua aplicação, o que permite utiliza-lo em um número relativamente maior de indivíduos. A qualidade de vida do portador da DP está comprometida nas dimensões física, mental, emocional, social e econômica. 6 Portanto, é fundamental a utilização de um instrumento que aborde todas as dimensões da vida do indivíduo. O PDQ-39 satisfaz tal necessidade, uma vez que avalia a percepção do indivíduo quanto a sua qualidade de vida em aspectos como: mobilidade, AVD, apoio social, bem estar emocional, dentre outros. A utilização do PDQ-39 como instrumento de avaliação de qualidade de vida trará benefícios ao Projeto Convivendo Bem com a Doença de Parkinson uma vez que permitirá traçar um perfil dos integrantes do mesmo, acompanhar a evolução dos indivíduos em outro âmbito, que não somente a progressão da doença e, permitirá a obtenção de informações para pesquisas futuras envolvendo diferentes intervenções. Conclusão

6 O PDQ-39 mostrou alto índice de confiabilidade inter-examinadores, através do ICI, para indivíduos com DP. A partir dos resultados do presente estudo é possível a utilização desse questionário por vários examinadores treinados para avaliar a qualidade de vida dos participantes do projeto de extensão Convivendo bem com a doença de Parkinson. Referências Bibliográficas OLANOW, C.W.; JENNER, P.; TATTON, N.A.; TATTON W.G. Neurodegeneration and Parkinson`s Disease.In: JANKOVIC, J; TOLOSA, E. Parkinson's disease and movement disorders. 3º ed. Baltimore: Urban & Schwarzenberg, Cap. 4 p JENKINSON, C. et al. Self-reported Functioning and Well-being in Patients with Parkinson s Disease: Comparison of the Short-form Health Survey (SF-36) and the Parkinson s Disease Questionnaire (PDQ-39). Age Ageing 1995; 24: MORRIS, M.E. Movement Disorders in People With Parkinson Disease: A Model for Physical Therapy. Physical Therapy, v.80, n.6, p , BOER, A. G. E. M. et al. Quality of life in patients with Parkinson's disease: development of a questionnaire. J Neurol Neurosurg Psychiatry, n. 61, p , CAMARGOS, A. et al. O Impacto da Doença de Parkinson na Qualidade de Vida: uma revisão da literatura. Revista Brasileira de Fisioterapia, v. 8, n. 3, p , GOULART, F.; PEREIRA, L.X. Uso de escalas para avaliação da doença de Parkinson em fisioterapia. Revista Fisioterapia e Pesquisa, v.2, n. 1, p , abr LIMA, L.A.O. et al. Estudo da confiabilidade de um instrumento de medida de flexibilidade em adultos e idosos. Revista da Universidade de São Paulo, v. 11, n. 2, p , jul./dez HOBART, J.C. et al. Evaluating neurological outcome measures: the bare essentials. J Neurol Neurosurg Psychiatry, n. 60, p , TEIXEIRA-SALMELA, Luci F. et al. Adaptação do Perfil de Saúde de Nottingham: um instrumento simples de avaliação da qualidade de vida. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 4, p , jul-ago MARINUS, J. et al. Health related quality of life in Parkinson s disease: a systematic review of disease specific instruments. J. Neurol Neurosurg Psychiatry, n. 72, p , 2002.

DOENÇA DE PARKINSON: AVALIAÇÃO DA SEVERIDADE E QUALIDADE DE VIDA

DOENÇA DE PARKINSON: AVALIAÇÃO DA SEVERIDADE E QUALIDADE DE VIDA DOENÇA DE PARKINSON: AVALIAÇÃO DA SEVERIDADE E QUALIDADE DE VIDA LUCAS SILVA FRANCO DE OLIVEIRA GISELLE TEIXEIRA MAULER DO RIO FERNANDA DA COSTA OLIVEIRA MARIA ELISA CAPUTO FERREIRA Universidade Federal

Leia mais

INTRODUÇÃO. A doença de Parkinson (DP) é uma enfermidade neurodegenerativa de causa desconhecida, com grande prevalência na população idosa.

INTRODUÇÃO. A doença de Parkinson (DP) é uma enfermidade neurodegenerativa de causa desconhecida, com grande prevalência na população idosa. DOENÇA DE PARKINSON INTRODUÇÃO A doença de Parkinson (DP) é uma enfermidade neurodegenerativa de causa desconhecida, com grande prevalência na população idosa. Acomete homens e mulheres de diferentes etnias

Leia mais

PRÓ-PARKINSON: TERAPIA OCUPACIONAL/UFPB

PRÓ-PARKINSON: TERAPIA OCUPACIONAL/UFPB PRÓ-PARKINSON: TERAPIA OCUPACIONAL/UFPB LUCENA 1, Leopoldo Alves ALTAFIM 2, Letícia Zanetti Marchi RESUMO O projeto Pró-Parkinson: Terapia Ocupacional/ UFPB se inicia a partir de uma parceria interinstitucional

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NO SOLO E NA ÁGUA

ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NO SOLO E NA ÁGUA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO

Leia mais

DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS.

DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS. DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS. Marcela Maria Medeiros de Melo¹; Ádila Siqueira de Basto Lima¹; Mirella Bruna Felix de Freitas¹; Elma Eloi Melo da Silva¹;

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

PERCEPÇÃO E ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA EM PORTADORES DA DOENÇA DE PARKINSON

PERCEPÇÃO E ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA EM PORTADORES DA DOENÇA DE PARKINSON PERCEPÇÃO E ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA EM PORTADORES DA DOENÇA DE PARKINSON Débora Elmers Noronha 1 Elenita Costa Beber Bonamigo 2 RESUMO OBJETIVO. Analisar a qualidade de vida (QV) dos portadores da

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PROJETO TERCEIRA IDADE ATIVA EDUCADORAS FÍSICAS: LÍDIA POSSO SIMIONATO (responsável) ALANA M. C. KNAKIEWICZ (estagiária)

Leia mais

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA Maria Lucia Ziroldo 1 ; Mateus Dias Antunes 2 ; Daniela Saldanha Wittig 3 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 4 RESUMO: A dor lombar é uma das

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE INDIVÍDUOS COM DOENÇA DE PARKINSON ATRAVÉS DO PDQ-39

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE INDIVÍDUOS COM DOENÇA DE PARKINSON ATRAVÉS DO PDQ-39 v. 11 n. 5, 2007 Qualidade de vida na doença de Parkinson 397 ISSN 1413-3555 Rev. bras. fisioter., São Carlos, v. 11, n. 5, p. 397-402, set./out. 2007 Revista Brasileira de Fisioterapia PERCEPÇÃO DA QUALIDADE

Leia mais

O que é Fisioterapia Vestibular?

O que é Fisioterapia Vestibular? O que é Fisioterapia Vestibular? Existem 02 tipos de tontura: rotatória ou vertigem, quando o paciente relata que tudo gira ao seu redor; e não-rotatória, equivalente à instabilidade postural ou desequilíbrio.

Leia mais

Uso de escalas para avaliação da doença de Parkinson em fisioterapia Main scales for Parkinson s disease assessment: use in physical therapy

Uso de escalas para avaliação da doença de Parkinson em fisioterapia Main scales for Parkinson s disease assessment: use in physical therapy Uso de escalas para avaliação da doença de Parkinson em fisioterapia Main scales for Parkinson s disease assessment: use in physical therapy Fátima Goulart 1 Luciana Xavier Pereira 2 1 Fisioterapeuta;

Leia mais

ATLETISMO PARA TETRAPLÉGICO POR LESÃO MEDULAR: ESTUDO DE UM CASO. RESUMO

ATLETISMO PARA TETRAPLÉGICO POR LESÃO MEDULAR: ESTUDO DE UM CASO. RESUMO 1 ATLETISMO PARA TETRAPLÉGICO POR LESÃO MEDULAR: ESTUDO DE UM CASO. Lincoln dos Santos Andrade 1 Lucas Camilo Richter Barbosa da Silva 1 Gisele Cristina Galli 1 Rosangela Marques Busto 2 Abdallah Achour

Leia mais

Epilepsia e distúrbio de aprendizagem: tem relação?

Epilepsia e distúrbio de aprendizagem: tem relação? Epilepsia e distúrbio de aprendizagem: tem relação? Apresentação: Daniele Istile (2º ano) Maria Gabriela Cavalheiro (4ºano) Orientação: Doutoranda Thaís dos Santos Gonçalves Local: Anfiteatro da Biblioteca

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO Juliana Paula Balestra Soares Joelma Cristina Gomes Carmencita Márcia Balestra Faculdade

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 365/2014 Doença de Parkinson Exelon Pacth

RESPOSTA RÁPIDA 365/2014 Doença de Parkinson Exelon Pacth RESPOSTA RÁPIDA 365/2014 Doença de Parkinson Exelon Pacth SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO 0074..144137-2 DATA 31/03/2014 dra. Sônia Helena Tavares de Azevedo Comarca de Bom Despacho SOLICITAÇÃO Boa Tarde,

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial Sub-departamento de Educação Especial A deficiência mental interfere directamente no funcionamento intelectual do ser humano, sendo este abaixo da média. O aluno apresenta comprometidos, além das funções

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

CORRELAÇÃO DAS ESCALAS DE AVALIAÇÃO UTILIZADAS NA DOENÇA DE PARKINSON COM APLICABILIDADE NA FISIOTERAPIA TÍTULO

CORRELAÇÃO DAS ESCALAS DE AVALIAÇÃO UTILIZADAS NA DOENÇA DE PARKINSON COM APLICABILIDADE NA FISIOTERAPIA TÍTULO ISSN 0103-5150 Fisioter. Mov., Curitiba, v. 23, n. 1, p. 121-127, jan./mar. 2010 Licenciado sob uma Licença Creative Commons CORRELAÇÃO DAS ESCALAS DE AVALIAÇÃO UTILIZADAS NA DOENÇA DE PARKINSON COM APLICABILIDADE

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto Gestar

Mostra de Projetos 2011. Projeto Gestar Mostra de Projetos 2011 Projeto Gestar Mostra Local de: São José dos Pinhais Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais Nome da Instituição/Empresa: Instituto Ser-Vir Cidade:

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

ASPECTOS PSÍQUICOS E FUNCIONAIS DA DOENÇA DE PARKINSON: RESULTADOS PRELIMINARES DE UM ESTUDO LONGITUDINAL

ASPECTOS PSÍQUICOS E FUNCIONAIS DA DOENÇA DE PARKINSON: RESULTADOS PRELIMINARES DE UM ESTUDO LONGITUDINAL ASPECTOS PSÍQUICOS E FUNCIONAIS DA DOENÇA DE PARKINSON: RESULTADOS PRELIMINARES DE UM ESTUDO LONGITUDINAL Clariany Soares Cardoso 1 ; Evandro Rocha Cândido 2 ; Rosana Freitas Tannus 2 ; Juliana Vasconcellos

Leia mais

1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR.

1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR. 1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR. Quando ocorre uma fratura envolvendo o membro inferior, a reeducação do padrão de marcha normal até o nível da função anterior à

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO Armigliato ME; Prado DAG; Melo TM; Lopes AC; Martinez MANS; Amantini RCB; Bevilacqua MC. Palavras-chaves: Avaliação

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro

Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro 1. Por que Promoção da Saúde no Trabalho (PST)? 2. PST funciona? 3. Tendências Globais e Programas em PST 4. Guias e Critérios Internacionais de Qualidade 5.

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO Curso de Fisioterapia AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO Curso de Fisioterapia AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO Curso de Fisioterapia AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON Bragança Paulista 2010 CAROLINE TAIS RODRIGUES R.A. 001200602203 JOICE APARECIDA DA

Leia mais

3 Método. 3.1 Sujeitos

3 Método. 3.1 Sujeitos 30 3 Método 3.1 Sujeitos A amostra deste estudo foi composta de idosos atendidos no ambulatório de geriatria de um hospital público do estado do Rio de Janeiro. Foram investigados 51 idosos com diagnóstico

Leia mais

Tratamento Fisioterápico para as Doenças Alzheimer e Parkinson

Tratamento Fisioterápico para as Doenças Alzheimer e Parkinson Tratamento Fisioterápico para as Doenças Alzheimer e Parkinson Gustavo Nunes Pereira Fisioterapeuta Graduado PUCRS Coordenador Grupo de Interesse em Fisioterapia SBGG-RS Doutorando em Gerontologia Biomédica

Leia mais

Larissa Florido Hernandes Quintans florido.larissa@gmail.com Instituto de Psicologia 10º Período

Larissa Florido Hernandes Quintans florido.larissa@gmail.com Instituto de Psicologia 10º Período Levantamento de Necessidades de Treinamento e Monitoramento do Clima Organizacional: Estudo de Caso no Instituto de Geociências (IGEO) da Universidade Federal do Rio de Janeiro Larissa Florido Hernandes

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL Junior, A. C. de J. Sebastião, J. S. Pimentel, E. S. Moreira, R. S. T.. RESUMO A área da ginástica laboral vem crescendo bastante

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos

TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos Samara Pereira Cabral - UFPB samarapcj@hotmail.com Monica Dias Palitot - UFPB monicadiaspt@yahoo.com.br Joseane da Silva Meireles - UFPB

Leia mais

PERFIL MOTOR DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON

PERFIL MOTOR DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON PERFIL MOTOR DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON Thatyana Costa Brandão, Rodrigo da Rosa IOP**... * Acadêmica de Fisioterapia da UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina, Tubarão-SC, ** Professor

Leia mais

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos auditivos Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia Karlin Fabianne Klagenberg Fonoaudióloga Doutorado em Distúrbios

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 01 /2014 - CESAU Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Medicamento Rivastigmina para tratamento de Alzheimer REFERÊNCIA: Grupo de Atuação Especial de Defesa da Saúde - GESAU

Leia mais

A PRÁTICA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA ESTIMULAÇÃO COGNITIVA DE IDOSOS QUE FREQUENTAM CENTRO DE CONVIVÊNCIA.

A PRÁTICA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA ESTIMULAÇÃO COGNITIVA DE IDOSOS QUE FREQUENTAM CENTRO DE CONVIVÊNCIA. A PRÁTICA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA ESTIMULAÇÃO COGNITIVA DE IDOSOS QUE FREQUENTAM CENTRO DE CONVIVÊNCIA. MEDEIROS 1, Halessandra; MORAES 2, Berla; PEDROSA 3, Mayra; RIBEIRO 4, Lys. RESUMO Este estudo

Leia mais

Instrumentos de Triagem para consumo de Bebidas Alcoólicas e Outras Drogas

Instrumentos de Triagem para consumo de Bebidas Alcoólicas e Outras Drogas Instrumentos de Triagem para consumo de Bebidas Alcoólicas e Outras Drogas DIFERENTES NÍVEIS DE CONSUMO ÁLCOOL ABSTINÊNCIA USO EXPERIMENTAL USO MODERADO ABUSO Leve DEPENDÊNCIA Moderada Grave Cerca de 10

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO NA HIDROTERAPIA PARA LESADOS MEDULARES PARAPLEGIA

PROGRAMA DE ENSINO NA HIDROTERAPIA PARA LESADOS MEDULARES PARAPLEGIA PROGRAMA DE ENSINO NA HIDROTERAPIA PARA LESADOS MEDULARES PARAPLEGIA Vera Lúcia Israel (PUCPR/Fisioterapia, UFSCar/PPG-EES/SP) *Maria Benedita Lima Pardo (UFSCar/SP) RESUMO O objetivo desta pesquisa foi

Leia mais

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL 1. ENVELHECIMENTO ACTIVO A Organização Mundial da Saúde e a Comissão da União Europeia consideram de grande importância todas as medidas, políticas e práticas, que contribuam para

Leia mais

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN Objetivo da aula Conhecer os instrumentos de coleta de dados, suas vantagens e limitações. Caminhos Para a Obtenção de Dados Pesquisa em ciências sociais

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

PHYSIOSENSING. Equilíbrio. Transferências de Carga. Biofeedback Visual

PHYSIOSENSING. Equilíbrio. Transferências de Carga. Biofeedback Visual Equilíbrio Transferências de Carga Biofeedback Visual PHYSIOSENSING O PhysioSensing é um dispositivo médico certificado composto por uma plataforma de força e por uma cadeira de força. Permite avaliar

Leia mais

A1 i Online ID: 55118163 02-08-2014 Audiência 8420 País: Portugal Âmbito: Informação Geral OCS: i Online Equipa liderada por cientista português avança na compreensão da doença de Parkinson URL: http://www.ionline.pt/artigos/mundo-iciencia/equipa-liderada-cientista-portuguesavanca-na-compreensao-da-doenca-parkinson/pag/-1

Leia mais

Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa

Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa O que é técnica? O que é instrumento? Tipos de técnicas e instrumentos de pesquisa Entrevista Questionários Observação 1. ENTREVISTA Encontro entre

Leia mais

Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Cavalcanti

Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Cavalcanti Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Técnicas de Pesquisa Técnica: Conjunto de preceitos ou processos de que se serve uma ciência. Toda ciência utiliza inúmeras técnicas na obtenção

Leia mais

CUIDANDO DO IDOSO E CUIDANDO DO CUIDADOR

CUIDANDO DO IDOSO E CUIDANDO DO CUIDADOR CUIDANDO DO IDOSO E CUIDANDO DO CUIDADOR Jorge Wilker Bezerra Clares 1 Rozzana Oliveira Tabosa 2 Carliene Bezerra da Costa 3 Maria Célia de Freitas 4 RESUMO Trata-se de um relato de experiência vivenciado

Leia mais

VARIÁVEIS PREDITORAS DA AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS COM HIV/AIDS

VARIÁVEIS PREDITORAS DA AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS COM HIV/AIDS VARIÁVEIS PREDITORAS DA AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS COM HIV/AIDS Josevania da Silva UNIPÊ/UEPB josevaniasco@gmail.com Renata Pires Mendes da Nóbrega UNIPÊ - renata_pmn@hotmail.com

Leia mais

Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença.

Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença. Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença. Bruno Araújo da Silva Dantas¹ bruno_asd90@hotmail.com Luciane Alves Lopes² lucianesevla.l@gmail.com ¹ ²Acadêmico(a) do

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA GERAL

Leia mais

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL)

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Projeto: Unidade de Correção Postural AMIL Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Autores: LACOMBE,Patricia, FURLAN, Valter, SONSIN, Katia. Instituição: Instituto

Leia mais

Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos

Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos Núcleo de Atenção Integral à Saúde da Unimed SJC O Núcleo de Ação Integral à Saúde (NAIS) é o setor responsável pela promoção da saúde e prevenção

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Maio de 2010 Demência Aspesi e Ferreira (2008) consideram deficiência, todas as doenças que provocam alteração da memória, seja ela de curta ou longa duração,

Leia mais

CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER

CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER Clariany Soares Cardoso 1 ; Gustavo Christofoletti 2 ; Eberson da Silva Rodrigues do Nascimento 3 1 Bolsista PBIC/UEG, graduada

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica.

A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica. A expressão da atitude de CERTEZA em indivíduos com perda auditiva bilateral: análise prosódica. Autores: Carla Aparecida de Vasconcelos Bruna Ferreira de Oliveira Sirley Alves Carvalho César Reis A partir

Leia mais

A PERCEPÇÃO SOBRE O PRECONCEITO APÓS O DIAGNÓSTICO DE PARKINSON CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM

A PERCEPÇÃO SOBRE O PRECONCEITO APÓS O DIAGNÓSTICO DE PARKINSON CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM A PERCEPÇÃO SOBRE O PRECONCEITO APÓS O DIAGNÓSTICO DE PARKINSON CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM Amanda Antunes Graciano amanda.antunes@live.com Karine Batista Morini k.arine_m@hotmail.com Lucas Santana Oliveira

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

Doença de Parkinson Resumo de diretriz NHG M98 (julho 2011)

Doença de Parkinson Resumo de diretriz NHG M98 (julho 2011) Doença de Parkinson Resumo de diretriz NHG M98 (julho 2011) Draijer LW, Eizenga WH, Sluiter A traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para uso e divulgação sem fins

Leia mais

EFEITOS IMEDIATOS DA ESCOLA DE POSTURAS DA UFPB NA DIMINUIÇAO DA DOR DE COLUNA, ESTRESSE E FADIGA

EFEITOS IMEDIATOS DA ESCOLA DE POSTURAS DA UFPB NA DIMINUIÇAO DA DOR DE COLUNA, ESTRESSE E FADIGA EFEITOS IMEDIATOS DA ESCOLA DE POSTURAS DA UFPB NA DIMINUIÇAO DA DOR DE COLUNA, ESTRESSE E FADIGA CARDIA, Maria Cláudia Gatto 1 ; LIMA, Junio Alves 2 ; NÓBREGA JR, José Carlos Nogueira 3 ; OLIVEIRA, Rayssa

Leia mais

Programa Melhoria da Qualidade de Vida dos Idosos Institucionalizados

Programa Melhoria da Qualidade de Vida dos Idosos Institucionalizados Programa Melhoria da Qualidade de Vida dos Idosos Institucionalizados SIEXBRASIL: 17805 Área Temática Principal: Saúde Autores Professora Leani Souza Máximo Pereira - Doutora em Ciências Biológicas/UFMG

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 RISCO DE QUEDAS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA/PR 2011

Mostra de Projetos 2011 RISCO DE QUEDAS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA/PR 2011 Mostra de Projetos 2011 RISCO DE QUEDAS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS NO MUNICÍPIO DE LONDRINA/PR 2011 Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto Projetos em implantação, com resultados parciais.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA CLAUDIA ALINY DA SILVA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA CLAUDIA ALINY DA SILVA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA CLAUDIA ALINY DA SILVA CORRELAÇÃO ENTRE O ESTADIAMENTO DA DOENÇA DE PARKINSON E A QUALIDADE

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA

PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA Instituição Certificadora: FALC Faculdade da Aldeia de Carapicuíba Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001/ 2007 Carga Horária: 600h (sendo 150h para estágio)

Leia mais

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Reabilitação da Paralisia Cerebral no CEREPAL Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Histórico Fundada no dia 02 de março de 1964 por um grupo de pais que os filhos possuíam lesão cerebral. É uma entidade

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

CURSO DE REABILITAÇAO VESTIBULAR: FUNDAMENTOS E PRÁTICA

CURSO DE REABILITAÇAO VESTIBULAR: FUNDAMENTOS E PRÁTICA CURSO DE REABILITAÇAO VESTIBULAR: FUNDAMENTOS E PRÁTICA 14 e 15 de novembro de 2015 São Paulo - SP Brasil Local: INSTITUTO VITA UNIDADE HIGIENÓPOLIS RUA MATO GROSSO, 306 1º ANDAR SÃO PAULO / SP Sábado,

Leia mais

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE REGIÕES DE SAÚDE CRS Política de Saúde para o Idoso no Estado de São Paulo Selo Hospital Amigo do Idoso Centro de Referência do Idoso Resolução

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental 1. Nome do Curso e Área de Conhecimento: Curso de Especialização em

Leia mais

CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS

CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS 1INTRODUÇÃO A partir dos 40 anos, a estatura começa a se reduzir em torno de um centímetro por década¹.a capacidade de manter o equilíbrio corporal é um prérequisito

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

29/5/2012 DIPOSICIONAL SITUACIONAL OTIMISMO DISPOSICIONAL INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS

29/5/2012 DIPOSICIONAL SITUACIONAL OTIMISMO DISPOSICIONAL INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS CARACTERÍSTICAS DA AMOSTRA DIFERENÇAS NAS PONTUAÇÕES DE OTIMISMO CORRELATOS DE OTIMISMO PREDITORES DE QVRS DISCUSSÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO EM CENÁRIO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL O CASO DE UBERLÂNDIA, MG, BRASIL

PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO EM CENÁRIO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL O CASO DE UBERLÂNDIA, MG, BRASIL PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO EM CENÁRIO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL O CASO DE UBERLÂNDIA, MG, BRASIL Thiago Silva Pereira José Aparecido Sorratini PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO

Leia mais

Projecto de Lei nº 504/X

Projecto de Lei nº 504/X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 504/X Criação de um esquema de protecção social, em condições especiais, a atribuir às pessoas que sofrem de Doença de Parkinson (DP) Exposição de motivos A Doença

Leia mais

DOENÇA DE PARKINSON: TRATAMENTOS COMPLEMENTARES E QUALIDADE DE VIDA

DOENÇA DE PARKINSON: TRATAMENTOS COMPLEMENTARES E QUALIDADE DE VIDA Saúde e Pesquisa, Maringá (PR) DOI: http://dx.doi.org/10.17765/1983-1870.2015v8n1p97-103 DOENÇA DE PARKINSON: TRATAMENTOS COMPLEMENTARES E QUALIDADE DE VIDA Sabrina Gabriela Calderaro Discente do curso

Leia mais

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA Angela T. Zuchetto Departamento de Educação Física, Centro de Desportos Universidade Federal de Santa Catarina Fone: 3318558 zuchetto@cds.ufsc.br Introdução O programa

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Evolução da doença de Parkinson e comprometimento

Evolução da doença de Parkinson e comprometimento Evolução da doença de Parkinson e comprometimento da qualidade de vida Evolution of the Parkinson disease and impairment of quality of life Fernanda Soares Silva 1, Juliana Vitória Pabis Cabral Pabis 1,

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA DIVERSÃO E SOCIALIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM PARQUES INFANTIS

TERAPIA OCUPACIONAL CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA DIVERSÃO E SOCIALIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM PARQUES INFANTIS TERAPIA OCUPACIONAL CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA DIVERSÃO E SOCIALIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM PARQUES INFANTIS Karina Félix de Vilhena Santoro¹, Cláudia Franco Monteiro² ¹Universidade

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

Nintendo Wii: uma nova opção

Nintendo Wii: uma nova opção Nintendo Wii: uma nova opção de tratamentos fisioterapêuticos Cleide Sant Ana 1 Milena Medrado 2 Resumo: Vários são os métodos fisioterapêuticos utilizados na reabilitação de pacientes neurológicos ou

Leia mais

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA?

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? Autores: ANA BÁRBARA DA CONCEIÇÃO SANTOS, AYSLAN MELO DE OLIVEIRA, SUSANA DE CARVALHO, INTRODUÇÃO No decorrer do desenvolvimento infantil,

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL EM UMA EQUIPE INTERDISCIPLINAR Edmarcia Fidelis ROCHA 1 Simone Tavares GIMENEZ 2

O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL EM UMA EQUIPE INTERDISCIPLINAR Edmarcia Fidelis ROCHA 1 Simone Tavares GIMENEZ 2 O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL EM UMA EQUIPE INTERDISCIPLINAR Edmarcia Fidelis ROCHA 1 Simone Tavares GIMENEZ 2 RESUMO: Este artigo tem como objetivo, mostrar o papel do assistente social dentro de uma equipe

Leia mais

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal II JORNADA REGIONAL SOBRE DROGAS ABEAD/MPPE Recife, 9&10 Setembro Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS

A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS Autor José André Ramos Gouveia; Orientadora: Isabella Dantas da Silva; Co-autores: Lorena Maria Brito Neves Pereira; Gabriela Brasileiro

Leia mais

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 Cenário 1) Nas últimas décadas, os países da América Latina e Caribe vêm enfrentando uma mudança

Leia mais

PHYSIOSENSING. Equilíbrio. Transferências de Carga. Biofeedback Visual

PHYSIOSENSING. Equilíbrio. Transferências de Carga. Biofeedback Visual Equilíbrio Transferências de Carga Biofeedback Visual PHYSIOSENSING O PhysioSensing é um dispositivo médico certificado composto por uma plataforma de força e por uma cadeira de força. Permite avaliar

Leia mais

MESTRADO E DOUTORADO EM FISIOTERAPIA

MESTRADO E DOUTORADO EM FISIOTERAPIA MESTRADO E DOUTORADO EM FISIOTERAPIA A UNASUR UNIVERSIDAD AUTÓNOMA DEL SUR em parceria com a Master Assessoria Educacional criou o Curso de Mestrado em Fisioterapia, o qual procura enfatizar a Intervenção

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história

Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história Classificação de deficiência mental (1976) 1- Variação normal da inteligência (VNI) QI entre 71e 84 Geralmente sem atraso do DNPM

Leia mais