FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO II SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FESPSP LEITORES DE RUA Ana Eliza Grigorio Rodrigues Damaris Siqueira Brito Fabiana de Oliveira Paulino Joseane de Santana Tavares Lourival Lopes Cancela SÃO PAULO DEZEMBRO DE 2010

2 LEITORES DE RUA Ana Eliza Grigorio Rodrigues Damaris Siqueira Brito Fabiana de Oliveira Paulino Joseane de Santana Tavares Lourival Lopes Cancela RESUMO A pesquisa divulgada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), que revelou o grande número de pessoas vivendo nas ruas e pernoitando em albergues, despertou-nos o desejo de conhecer melhor as condições de vida dessa população e o seu interesse por leitura e biblioteca. Fomos até o Centro de Acolhida Arsenal da Esperança, onde nos deparamos com uma biblioteca e um acervo organizado, visando responder às nossas questões, elaboramos um questionário com perguntas relacionadas ao perfil do público dessa biblioteca, aplicamos e tivemos uma grata surpresa ao constatar a frequência e a satisfação dos leitores pelo espaço e o resultado do trabalho proposto pela Instituição. Palavras-chave: Disseminação da informação, Biblioteca especial, Moradores de rua, Condição social.

3 1 INTRODUÇÃO É indiscutível o grande número de pessoas morando nas ruas desta cidade, no primeiro semestre deste ano foi divulgado o resultado de uma pesquisa encomendada pela Prefeitura Municipal de São Paulo que revelou que existem pessoas em situação de rua, dessas estão acolhidos nos albergues e morando nas ruas. Esse levantamento, realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), se preocupou em coletar dados quantitativos relacionados ao sexo, trabalho, cor, despesas e dependência de álcool ou algum outro tipo de droga. Chamou-nos a atenção o fato de não haver dados quanto à procura por leituras, bibliotecas ou algum centro de informação por parte dessa imensa população. Diante disso baseamos esse trabalho nesta questão, investigando se esse público, chamado de morador de rua, completamente à margem da sociedade, tem o costume de frequentar bibliotecas ou mesmo se existe por parte do poder público algum incentivo para que isso aconteça. Para conhecer melhor o cotidiano dessa população visitamos aquele que é considerado o maior albergue social da América Latina, o Centro de Acolhida Arsenal da Esperança Dom Luciano Pedro Mendes de Almeida, conhecido popularmente como Arsenal da Esperança, situado na Rua Doutor Almeida Lima, 900, no bairro da Mooca, partindo do fator técnico que considera o acolhido em um albergue também um morador de rua, por pertencer ao mesmo grupo em estado de vulnerabilidade social. Ali são acolhidos homens diariamente e entre os diversos serviços que são disponibilizados à esses usuários está uma biblioteca, que serviu de base para o nosso estudo. Partindo da premissa que esse público sente necessidade de leitura, cultura e informação, este projeto tem por objetivo mostrar a realidade escondida atrás das paredes de uma antiga hospedaria de imigrantes, que passa despercebida pela maioria das pessoas que por ali transitam, um verdadeiro universo de boas ações centradas na recolocação dos acolhidos no mercado de trabalho, na recuperação dos laços familiares, da auto-estima, da dignidade e, principalmente, da reinserção social. E um dos principais pilares desse processo é o incentivo diário dado aos seus moradores, para que frequentem a biblioteca, retirem livros e se mantenham sempre atualizados em relação aos últimos acontecimentos mundiais. Por isso, o foco dessa pesquisa é exatamente conhecer o perfil desses leitores, usuários da biblioteca do Arsenal e que aqui denominamos leitores de rua, destacando características desconhecidas desse público que por ora não tem onde morar.

4 1.1 Referencial Teórico Esta pesquisa foi alicerçada nos estudos realizados pela assistente social Cleisa M. M. Rosa, relatados em seu livro Vidas de rua (2005), onde estão descritas as primeiras ações de um processo investigativo sobre a população de rua, no final da década de A obra concorda com o que disse Bursztyn (2000, p. 19) viver no meio da rua não é um problema novo. Se não é tão antigo quanto à própria existência das ruas, da vida urbana, remonta, pelo menos, ao renascimento das cidades, no início do capitalismo. Através da narrativa de Rosa (2005, p.10-15) podemos verificar que há muito se vêm discutindo essa problemática e, com o seu olhar perspicaz, já naquela época, foi possível constatar a institucionalização do trabalho social com quem mora na rua, pelo padrão de atendimento convencional em albergues. Apesar deste trabalho já ter cinco anos, os dados assemelham-se aos da pesquisa realizada pela FIPE e que foram divulgados em junho de 2010 pela Prefeitura Municipal de São Paulo, no qual muito nos alicerçamos. Outra fonte de pesquisa e inspiração foi a matéria realizada pela Rede Globo, para o programa Globo Repórter, que mostrou a história do ex-morador do Arsenal da Esperança, Marivaldo da Silva Santos, um homem que saiu de Feira de Santana e foi morar nas ruas de São Paulo até que descobriu os tesouros da biblioteca do Arsenal e renasceu na companhia dos livros. 1.2 Justificativa do Tema A presença de pessoas vivendo cotidianamente nas ruas é uma realidade universal, especialmente nas grandes metrópoles, um fenômeno complexo mesclado por processos sociais e psicólogicos, objetivos e subjetivos, agravados pelas constantes transformações no mundo do trabalho, geradoras de inseguranças e incertezas que levam ao enfraquecimento e ruptura de vínculos sociais, familiares, profissionais e comunitários, e pelas dificuldades dos sistemas de proteção social. No Brasil, é bastante heterogêneo o segmento das populações que vivem nas ruas, especialmente o das maiores cidades e não se sabe exatamente quantos são, pois essas pessoas sempre ficam de fora dos censos oficiais do IBGE. Por iniciativas de alguns governos locais têm sido feitos estudos e contagens, como é o caso da cidade de São Paulo, que realiza um levantamento dessa população a cada três anos e no último realizado pela Prefeitura Municipal existiam pessoas em condição de rua em São Paulo. Esses dados são sempre contestados pelos órgãos que assistem a essa população, alguns falam em mais de pessoas perambulando pelas ruas e pernoitando nos logradouros públicos e nos albergues da cidade.

5 Como citado anteriormente, existe na cidade de São Paulo uma rede de albergues, centros de serviços e proteção à população de rua, formada por um conjunto de 41 entidades que recebem verba da Prefeitura para atender e tentar amenizar o sofrimento dessas pessoas através de diversos programas assistenciais. Segundo informação do site da Secretaria Municipal de Ação e Desenvolvimento Social (SMADS), não existe em nenhum desses projetos a implantação de bibliotecas, salas de leitura ou algo parecido onde os usuários possam buscar alguma fonte de informação, ficando tal responsabilidade à mercê do interesse e das condições financeiras da Instituição local que, de acordo com inúmeras matérias veiculadas pela imprensa, não conseguem oferecer nem mesmo os serviços prioritários com qualidade. Pode-se então perceber que essa concepção de proteção social consiste em oferecer os elementos básicos para suprir as necessidades emergenciais de uma população que cresce ano a ano, conforme constatado pela FIPE, mas que não se estende a recursos informacionais, deixando-a desassistida no âmbito sócio-cultural, revelando o caráter assistencialista dos programas governamentais. Diante disso a biblioteca que encontramos no Arsenal da Esperança Dom Luciano Pedro Mendes de Almeida é um exemplo às demais instituições, pois contribui para que as pessoas deixem definitivamente as ruas, onde vivem expostas à violência pessoal e a companhia constante das drogas. 1.3 Objeto É importante esclarecer que consideramos como objeto o excluído social, que se encontra em situação de rua, ainda que sob os cuidados do albergue Arsenal da Esperança, pois, segundo disse Alda Marco Antonio em entrevista concedida à Rádio CBN, ao comentar a pesquisa realizada pela FIPE, mesmo estando albergado essas pessoas também são consideradas moradores de rua, pela dependência da rede de proteção social do município, e todas foram relacionadas nos dados dessa pesquisa, cujos parâmetros norteiam o nosso estudo. 1.4 Objetivos Valorizar a importância da leitura e da informação como fator de transformação social e compreender a sua importância na vida de uma parcela da população desprovida de condições que permitam o acesso a esse universo, capaz de promover mudanças em sua forma de sobrevivência, e assim possamos contribuir chamando a atenção para essa gente tão carente, mas que, ainda em meio a esse caos sócio-econômico, segue persistindo no hábito da leitura como fator determinante para o seu bem-estar, mesmo em estado de

6 abandono. Esse estudo centra-se no conhecimento do tipo de público que frequenta o espaço destinado à leitura e estudo do Arsenal da Esperança, sua origem, profissão, sua frequência a essa ou outra biblioteca da cidade, para a partir daí traçarmos o seu perfil. O nosso desejo é que o resultado final dessa pesquisa possa motivar os órgãos públicos à implantação de uma rede de bibliotecas e/ou centros de informação dentro das Casas de Acolhidas conveniadas, para que possam também colaborar no processo de recuperação psicológica e social dos seus internos, como imaginamos acontecer com os leitores do Arsenal da Esperança. 1.5 Metodologia Depois de definido o tema deste estudo, realizamos levantamento bibliográfico sobre moradores de rua e instituições de assistência a esta população no município de São Paulo. A partir disso, escolhemos a estratégia a ser utilizada para coleta de dados, e elaboramos um questionário para ser aplicado aos usuários da biblioteca do Arsenal da Esperança Elaboração do Questionário A pesquisa de campo foi realizada através de um questionário misto com 10 perguntas, sendo oito de múltipla escolha e duas dissertativas. As perguntas realizadas foram: idade em anos, em que região do Brasil nasceu, ou seja, naturalidade, os motivos que levaram à situação de rua, nível escolar, profissão e ocupação, estado civil, se possui filhos, o porquê freqüenta esta biblioteca e se tem o hábito de freqüentar outras. (Anexo 3) Ao todo foram preenchidos 56 questionários, sendo a maioria de próprio punho e alguns através de entrevistas Visitas e Aplicação do Questionário Para efetuarmos esta pesquisa visitamos o Arsenal da Esperança cinco vezes. Na primeira vez conhecemos a instituição e os serviços oferecidos, e tivemos a oportunidade de nos familiarizar com a biblioteca. Esta possui aproximadamente 100m² com mesas individuais e em grupo, balcão de atendimento e um terminal de consulta. O ambiente é aconchegante e adequado ao público.

7 É considerada uma biblioteca especial, pois não é mantida ou organizada por órgãos governamentais para ser classificada como pública, também não tem um tema e público específico para ser especializada. Está inserida e é financiada por uma instituição, então não é comunitária, mas como o trabalho realizado é voluntário, não a consideram como particular. O acervo é composto por obras, os materiais encontrados são: Atlas, dicionários, enciclopédias, guias, mapas, gibis, livros e periódicos. A recuperação da informação é realizada através do programa PHL. Além de empréstimo de livros, os outros serviços oferecidos são: auxílio para reinserção no mercado de trabalho, para isso a biblioteca adquire semanalmente jornais com vagas de empregos, realiza digitação de currículos e pesquisa de vagas. Incentiva a comunicação dos usuários com seus familiares, através do serviço chamado Central do Brasil, onde os voluntários redigem, quando necessário, e enviam correspondências sem nenhum custo monetário aos interessados. O incentivo à cultura é feito através dos saraus e concursos de poesias. O horário de funcionamento é das 18h às 21h diariamente, exceto quando há outro evento na Instituição ou ausência de pessoal. Trabalham na biblioteca 16 voluntários sendo que, 10 são externos e seis são acolhidos que tem a oportunidade de ajudar. (Anexo 5) Na segunda visita conhecemos o trabalho dos responsáveis pela biblioteca, o Sr. Simone Bernardi, Coordenador, e Lourival Lopes Cancela, Técnico Responsável por todo o processamento e dos demais voluntários, e fomos apresentados aos moradores do albergue, para que todos pudessem compreender porque estaríamos ali e quais eram nossos objetivos. Nas três últimas aplicamos os questionários Questionário 1 - Idade (em anos): ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Mais de Naturalidade: ( ) Região Norte ( ) Região Nordeste ( ) Região Centro-Oeste ( ) Região Sudeste ( ) Região Sul

8 3 - Motivos que levaram a situação de rua: ( ) Desemprego ( ) Dificuldade financeira ( ) Conflitos com a família ( ) Vício ( ) Migração ( ) Outros 4 - Nível escolar: ( ) Fundamental incompleto ( ) Fundamental completo ( ) Ensino médio incompleto ( ) Ensino médio completo ( ) Superior incompleto ( ) Superior completo ( ) Pós-graduação: 5 - Profissão: 6 - Ocupação: 7 - Estado civil: ( ) Solteiro ( ) Casado ( ) Divorciado ( ) Viúvo ( ) Outros 8 - Possui filhos? ( ) Sim ( ) Não 9 - Por que freqüenta esta biblioteca? ( ) gosto pela leitura ( ) necessidade de estudo ( ) se manter atualizado ( ) passar o tempo ( )adquirir conhecimento ( ) falta de opção ( ) outros 10 - Tem o hábito de freqüentar outras bibliotecas? ( ) Sim ( ) Não 2 COLETA DOS DADOS A coleta dos dados foi feita, basicamente, através da aplicação do questionário e de conversas realizadas com funcionários e leitores, que nos permitiu conhecer melhor o trabalho realizado pela Instiuição. Apesar do objetivo da pesquisa ser revelar o perfil dos usuários da biblioteca não nos limitamos a realizá-la apenas neste espaço, mas tivemos a liberdade de abordar pessoas na sala de leitura e em salas de aula. Fomos muito bem recebidos pelos albergados e funcionários do Arsenal da Esperança, e apenas cinco pessoas se recusaram a responder o questionário.

9 3 ANÁLISE DOS DADOS Após a coleta dos dados realizamos a análise estatística. 3.1 Idade Em relação à idade 37% dos entrevistados (21 homens) que frequentam a Biblioteca do Arsenal tem entre 29 e 38 anos, 27% (15 homens) possuem entre 18 e 28 anos, uma porcentagem significativa. 23% (13 homens) têm idade entre 39 e 48 anos, 9% (cinco) tem entre 49 e 58 anos e 4% (dois) tem entre 59 e 68 anos. Dos 56 entrevistados, 49 tem idade entre 18 e 48 anos, ou seja, são relativamente jovens. 3.2 Naturalidade Contradizendo a pressuposição de que a maioria das pessoas que estão em situação de rua vieram das regiões Norte e Nordeste do Brasil, chegamos ao seguinte

10 resultado: 57% (32 homens) dos entrevistados são da região Sudeste do país, ou seja, mais da metade. 25% (14 homens) são do Nordeste. 7% (quatro) são da região Centro-Oeste. 5% (três) são do Sul e apenas 2% (um) são do Norte do país. Dois entrevistados não responderam a esta questão. 3.3 Motivos que levaram à Situação de Rua Nesta questão os entrevistados puderam marcar mais de uma alternativa. Em sua maioria o desemprego associado às dificuldades financeiras foram os motivos que levaram os entrevistados a esta situação. O vício, diferente do que podemos pensar, aparece como quarto motivo, e é antecedido dos conflitos familiares. Esses resultados levam-nos a pensar que os dois fatores, o vício e os conflitos familiares, estão relacionados, mas em nenhum dos casos isso acontece. Já o desemprego e os conflitos familiares podem estar interligados, pois em quatro questionários estas duas alternativas foram assinaladas.

11 3.4. Nível Escolar A maioria dos entrevistados tem o ensino fundamental incompleto (24 homens ou 43%), mas também tivemos um grande percentual de entrevistados que possuem o ensino médio completo (12 homens ou 21%), entre eles existe um percentual pequeno de homens que possuem o superior completo ou incompleto (cinco homens ou 9%). Com ensino fundamental completo entrevistamos sete homens, 13% do total e com ensino médio incompleto oito homens, 14% do total.

12 3.5 Estado Civil Em relação ao estado civil 9% (cinco homens) são casados e três possuem filhos. 5% (três) são divorciados e possuem filhos e um é viúvo e também possui filhos. O número maior é de solteiros (47 homens ou 84%) e entre eles 24 possuem filhos. Sem fazer a distinção sobre estado civil 31 ou 55% possuem filhos e 25 ou 45% não possuem.

13 3.6 Profissão e Ocupação Quando perguntados sobre a profissão, houve uma variação muito grande de respostas, por isso não foi possível colocarmos em gráficos. A maior parte respondeu sobre

14 o que faz, porém nem todos são profissionais, ou seja, não são especializados na profissão. A maioria executa trabalho braçal, como de ajudante geral ou de pedreiro, padeiro, pintor, soldador, gari, borracheiro, outros já executam trabalhos mais leves, como agente comunitário de saúde, teleoperador, motorista, auxiliar administrativo, funcionário público. Nem todos que dizem exercer uma profissão está empregado. E alguns não responderam sobre a ocupação, talvez por não compreenderem a pergunta ou por estarem desempregados. 3.7 Porque Frequenta a Biblioteca do Arsenal Nesta questão, mais uma vez, os entrevistados puderam escolher mais de uma alternativa. A maioria respondeu que frequenta a biblioteca por gostar de ler (44%), para passar o tempo foi respondido em 16% dos casos e 15% responderam que a utilizam a para adquirir conhecimento, 11% para se manter atualizado, já que ali eles podem encontrar jornais do dia e revistas da semana, e 9% por necessidade de estudo. Por fim, 5% dos entrevistados responderam utilizar a biblioteca por outros motivos, mas não especificaram. 3.8 Frequência em Outras Bibliotecas 67% dos entrevistados frequentam outra biblioteca, e 33% não frequentam. Alguns relataram que vão a outras bibliotecas para ler um pouco e passar o tempo, mas não podem ter a carteirinha por não possuir um endereço fixo.

15 4 CONCLUSÃO Através da análise dos dados verificamos que a maioria das pessoas que frequenta a biblioteca são de meia idade, o que os leva à essa situação, como mostram os gráficos, na maioria das vezes é o desemprego e que a maior parte dessas pessoas não vem de muito longe. Apesar das dificuldades que estes homens enfrentam e a necessidade que sentem de conversar e desabafar com alguém que os escutem, e nem sempre existe este alguém, observamos que uma das maneiras de esquecer um pouco os problemas é através leitura, e o lugar perfeito para isso dentro do Arsenal é a biblioteca. Neste sentido podemos considerar a Biblioteca do Arsenal um espaço privilegiado de difusão de informações, fomento de cultura e promoção de cidadania, pois propicia a esse público a inclusão através do conhecimento. Do ponto de vista inclusivo, ela oferece serviços que auxiliam na formação de novos leitores e além do aprimoramento daqueles cidadãos que, semi-alfabetizados, engrossam o impressionante número de iletrados de nossa sociedade. O grande desafio a ser superado deve-se a conquista destes e mais brasileiros no que tange à leitura é, segundo a análise que lá foi feita, uma maior atenção e investimento justamente à acessibilidade ao livro, desde que é notório que o cidadão excluído socialmente encontra-se impossibilitado de adquirir, com recursos próprios, a informação que a leitura lhe fornece. A biblioteca por sua vez pode se constituir em um espaço para a intervenção social e o desenvolvimento de mediação pedagógica. Nesse sentido a biblioteca tem tudo para estar à frente da luta contra a exclusão social se conseguirmos aliar o acesso a tecnologias da informação, o texto escrito e a comunicação voltada para o educativo, o organizativo e o produtivo.

16 Com essa pesquisa verificamos que os estudos sobre a população em situação de rua no Brasil ainda são relativamente escassos e que a diversidade de conceitos que envolvem esse tipo população e as dificuldades relacionadas à sua mensuração são obstáculos que têm sido superados gradativamente, graças ao trabalho humanitário de instituições como o Arsenal da Esperança Dom Lucas Pedro Mendes de Almeida. Aliás, uma das maiores satisfações que sentimos ao realizar esse trabalho, foi realmente o exemplo de caridade e cidadania que é dado diariamente por essa instituição, abrindo não somente as suas portas, mas o coração para acolher todos aqueles que a procuram e lhes oferecer o melhor de que dispõe naquele momento. Ficamos tristes com a miséria e a desigualdade que impera em nossa sociedade, porém, quando vimos exemplos como o de Marivaldo e o interesse dos leitores em buscar meios de deixarem a rua, acreditamos que vale a pena sonhar e lutar para que esse sonho de liberdade um dia se realize. 5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARSENAL da esperança. Disponível em: <http://www.arsenaldaesperanca.org.br>. Acesso em: 02 jun BURSZTYN, M. No meio da rua: nômades, excluídos e viradores. Rio de Janeiro: Garamond, p. 19 MORADOR de rua renasce ao descobrir a leitura. Disponível em: <http://video.globo.com/videos/player/noticias/0,,gim MORADOR+DE+RUA+RENASCE+AO+DESCOBRIR+A+LEITURA,00.html>.Acesso em: 28 maio 2010 MORADORES de rua. Disponível em: <http://colunas.cbn.globoradio.globo.com/miltonjung/moradoresderua>. Acesso em: 01 jun

17 O QUE a SMADS faz? Disponível em: <http://ww2.prefeitura.sp.gov.br/secretarias/assistencia_social/defuturo/smads.php>. Acesso em: 30 maio PARREIRAS, M. Cresce o número de moradores de rua em SP. Jornal Agora São Paulo, São Paulo, ano 12, p. A3, 01 jun ROSA, C.M.M. Visas de rua. São Paulo: Hucitec,2005.

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA LEMOS, Josiane (estágio I), e-mail: lemosjosi@hotmail.com SANTOS, Lourdes de Fátima dos (estágio I). e-mail: lurdesfsantos84@hotmail.com SCHEMIGUEL,

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E POBREZA: UM ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE LAVRAS - MINAS GERAIS DIEGO CÉSAR TERRA DE ANDRADE 1 ; ELIAS RODRIGUES DE OLIVEIRA 2 ; MICHELLE FONSECA JACOME 3 ; CATARINA FURTADO DOS

Leia mais

TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO

TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO Breve Histórico da População de Rua na Cidade de São Paulo A população de rua da cidade de são Paulo, heterogenia

Leia mais

PESQUISA BIBLIOTECAS E LEITURA DIGITAL NO BRASIL. Análise sobre aderência e impactos sobre a leitura.

PESQUISA BIBLIOTECAS E LEITURA DIGITAL NO BRASIL. Análise sobre aderência e impactos sobre a leitura. PESQUISA BIBLIOTECAS E LEITURA DIGITAL NO BRASIL Análise sobre aderência e impactos sobre a leitura. Março/2014 O texto que segue apresenta uma análise descritiva dos resultados da Pesquisa Bibliotecas

Leia mais

Opinião do. brasileiro sobre Voluntariado. Fundação Itaú Social Resultados em outubro de 2014

Opinião do. brasileiro sobre Voluntariado. Fundação Itaú Social Resultados em outubro de 2014 Opinião do brasileiro sobre Voluntariado Fundação Itaú Social Resultados em outubro de 2014 Índice 2 Objetivo e Metodologia Perfil demográfico da população brasileira Exercício da Atividade Voluntária

Leia mais

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 O conceito de sustentabilidade Em 1987, o Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Extensão universitária. Direitos sociais. Cidadania.

PALAVRAS-CHAVE Extensão universitária. Direitos sociais. Cidadania. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

Uma ação de cidadania para o emprego e geração de renda na cidade de Lavras-MG 1

Uma ação de cidadania para o emprego e geração de renda na cidade de Lavras-MG 1 Uma ação de cidadania para o emprego e geração de renda na cidade de Lavras-MG 1 Iracema Clara Alves Luz, 3º módulo de Agronomia/UFLA, chokbool@hotmail.com; Paula Terra Duarte, 8º módulo de Agronomia/UFLA,

Leia mais

INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO

INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO Comunicação e Mídia Pesquisa Instituto Patrícia Galvão IBOPE, em parceria com o UNIFEM ATITUDES FRENTE AO CRESCIMENTO DA AIDS NO BRASIL Aumento da AIDS em mulheres está entre

Leia mais

FSS. Rede de atendimento para moradores em situação de rua. Revista da ADPPUCRS

FSS. Rede de atendimento para moradores em situação de rua. Revista da ADPPUCRS FSS Revista da ADPPUCRS Porto Alegre, nº. 5, p. 71-76, dez. 2004 Rede de atendimento para moradores em situação de rua GLENY TEREZINHA DURO GUIMARÃES * RESUMO: Esta pesquisa utilizou como fonte de informação

Leia mais

PROJETO DE MOTIVAÇÃO E RESGATE AO MORADOR DE RUA CLARICE TEREZINHA FOGAÇA SANTOS DA SILVA OFICINA FALA CORAÇÃO

PROJETO DE MOTIVAÇÃO E RESGATE AO MORADOR DE RUA CLARICE TEREZINHA FOGAÇA SANTOS DA SILVA OFICINA FALA CORAÇÃO PROJETO DE MOTIVAÇÃO E RESGATE AO MORADOR DE RUA CLARICE TEREZINHA FOGAÇA SANTOS DA SILVA OFICINA FALA CORAÇÃO CURITIBA 2014 2 1. APRESENTAÇÃO As pessoas que vivem nas ruas são seres vulneráveis, mas seres

Leia mais

EDITAL N. 02 PARA SELEÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE JUSTIÇA E CIDADANIA DO NÚCLEO DE JUSTIÇA COMUNITÁRIA DE GOIÁS

EDITAL N. 02 PARA SELEÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE JUSTIÇA E CIDADANIA DO NÚCLEO DE JUSTIÇA COMUNITÁRIA DE GOIÁS EDITAL N. 02 PARA SELEÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE JUSTIÇA E CIDADANIA DO NÚCLEO DE JUSTIÇA COMUNITÁRIA DE GOIÁS 1. DA ABERTURA 1.1. A Prefeitura Municipal de Goiás convida toda comunidade Vilaboense,

Leia mais

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA 1 UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA INTRODUÇÃO Compreende-se que na promoção de ações de estímulo à leitura, a escola tem como instrumento

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG RECICLAGEM E CIDADANIA: UMA VISÃO SOCIO AMBIENTAL DOS CATADORES DE RESIDUOS SOLIDOS NO MUNICIPIO DE GARANHUNS

Leia mais

A ética do cuidado às pessoas idosas em situação de rua 1

A ética do cuidado às pessoas idosas em situação de rua 1 16 A ética do cuidado às pessoas idosas em situação de rua 1 Ana Cristina Passarella Brêtas Clara Maria Conde Pereira São Paulo se traduz em um lugar onde os homens, as mulheres e o próprio mundo se movimentam.

Leia mais

A PEDAGOGIA NO COMBATE AO TRABALHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE BOA VISTA

A PEDAGOGIA NO COMBATE AO TRABALHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE BOA VISTA A PEDAGOGIA NO COMBATE AO TRABALHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE BOA VISTA Lysne Nôzenir Camelo de Lima Universidade de Alcalá de Henares-Espanha lysne.lima@gmail.com Resumo: O trabalho infantil expõe as crianças

Leia mais

Voluntariado: tendência de crescimento?

Voluntariado: tendência de crescimento? Voluntariado: tendência de crescimento? Walter de Tarso de Campos Pesquisador FIPE Antonio Bara Bresolin Graduando em Economia FEA/USP Desde o período colonial é possível observar no Brasil a presença

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS COMUNITÁRIAS NOS BAIRROS ATENDIDOS PELO CARRO-BIBLIOTECA

IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS COMUNITÁRIAS NOS BAIRROS ATENDIDOS PELO CARRO-BIBLIOTECA IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS COMUNITÁRIAS NOS BAIRROS ATENDIDOS PELO CARRO-BIBLIOTECA Eixo temático: Tema Livre Flávio Ferreira Júnior 1 Gustavo Lopes de Oliveira 2 RESUMO O presente trabalho é uma tentativa

Leia mais

Aspectos sociais e culturais dos coletores e varredores de resíduos sólidos da Região Metropolitana de São Paulo.

Aspectos sociais e culturais dos coletores e varredores de resíduos sólidos da Região Metropolitana de São Paulo. Aspectos sociais e culturais dos coletores e varredores de resíduos sólidos da Região Metropolitana de São Paulo. Bárbara Aparecida da Silveira Deamo Adalberto Cotrin Siqueira Júnior Soraya Garcia Audi

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

Pesquisa revela o sonho de consumo dos paulistas

Pesquisa revela o sonho de consumo dos paulistas Pesquisa revela o sonho de consumo dos paulistas As empresas Sampling Pesquisa de Mercado e Limite Pesquisa de Marketing saíram às ruas em Junho e Julho de 2005 para saber qual o sonho de consumo dos Paulistas.

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

Proteção Social Básica para Juventude

Proteção Social Básica para Juventude Proteção Social Básica para Juventude Orientação para a implantação do Projeto Agente Jovem de Desenvolvimento Social e Humano Tem esta orientação para implantação do projeto Agente Jovem de Desenvolvimento

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 82 Desemprego 22 de maio de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Maio, 2014 1 Índice 1. Introdução 3 2. Cenário do acesso

Leia mais

RESUMOS SIMPLES... 902 RESUMOS DE PROJETOS... 904 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 906 ARTIGOS COMPLETOS... 908

RESUMOS SIMPLES... 902 RESUMOS DE PROJETOS... 904 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 906 ARTIGOS COMPLETOS... 908 901 RESUMOS SIMPLES... 902 RESUMOS DE PROJETOS... 904 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 906 ARTIGOS COMPLETOS... 908 902 RESUMOS SIMPLES CONSUMPTISMO: O CONSUMO E O CONSUMIDOR... 903 903 Pesquisa (ENAPI ) Poster

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 2 OBJETIVOS

1 INTRODUÇÃO 2 OBJETIVOS TÍTULO: PROJETO SALA DE LEITURA DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO AUTORES: Abinadá de Caldas da Silva e Ângela Cardoso Ferreira Silva e-mail: ângelacardoso@ligbr.com.br INSTITUIÇÃO: Universidade Federal da

Leia mais

Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo

Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo ANA EUGÊNIA NUNES DE ANDRADE Jornalista, professora do Curso de Comunicação Social habilitação em Jornalismo, da Universidade do Vale do Sapucaí (Univás)

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE ADOLESCENTES DO PROJOVEM ADOLESCENTE DE OLINDA PE

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE ADOLESCENTES DO PROJOVEM ADOLESCENTE DE OLINDA PE PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE ADOLESCENTES DO PROJOVEM ADOLESCENTE DE OLINDA PE Correia, K.V. (1) ; Silva, R.C.R. (1) ; Nascimento, V.R. (1) ; Nascimento, S.M. (1) ; Torres, M.C.G. (1) ; Silva, R.N. (1) keniaandaluz@gmail.com

Leia mais

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são:

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são: PROVA DE CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS 1 Segundo Piaget toda criança passa por estágios do desenvolvimento. Assinale a alternativa que indica a qual estágio corresponde a idade em que o pensamento da criança

Leia mais

Atitudes pela Educação Novembro de 2014

Atitudes pela Educação Novembro de 2014 Atitudes pela Educação Novembro de 2014 Realização: Instituto Paulo Montenegro IBOPE Inteligência Parceiros da pesquisa: Todos Pela Educação Fundação Itaú Social Fundação Maria Cecília Souto Vidigal Fundação

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

ASSISTÊNCIA. AUFLA foi uma das instituições mapeadas ESTUDANTIL

ASSISTÊNCIA. AUFLA foi uma das instituições mapeadas ESTUDANTIL ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL AUFLA foi uma das instituições mapeadas por uma pesquisa realizada em 2010 pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), que resultou

Leia mais

V Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação

V Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação 520 V Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação Política de Atendimento à Primeira Infância: formação e desempenho do Visitador no Programa Primeira Infância Melhor Carolina de Vasconcellos Drügg, Marta Luz

Leia mais

PROJETO LIVRO DE RUA: UM TRABALHO VOLUNTÁRIO. Palavras-chave: Relato de experiência. Incentivo à leitura. Livro de rua.

PROJETO LIVRO DE RUA: UM TRABALHO VOLUNTÁRIO. Palavras-chave: Relato de experiência. Incentivo à leitura. Livro de rua. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 PROJETO LIVRO DE RUA:

Leia mais

Voluntariado. Sete dicas para ser um voluntário. Por Redação EcoD

Voluntariado. Sete dicas para ser um voluntário. Por Redação EcoD Voluntariado Sete dicas para ser um voluntário Por Redação EcoD O Dia Internacional dos Voluntários, celebrado no dia 5 de dezembro, pode inspirar muitas pessoas a dedicarem seu tempo e talento em prol

Leia mais

Comunidade Escola - O Espaço da Gente

Comunidade Escola - O Espaço da Gente Mostra Local de: Curitiba Categoria do projeto: Comunidade Escola - O Espaço da Gente Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal de Curitiba - Secretaria Municipal da Educação - Programa Comunidade

Leia mais

Índice. Introdução. Fase 1 - Participação da população brasileira. Fase 2 - Perfil do voluntário Características do serviço voluntário

Índice. Introdução. Fase 1 - Participação da população brasileira. Fase 2 - Perfil do voluntário Características do serviço voluntário Pesquisa Voluntariado no Brasil - 2011 Índice 1 2 3 4 Introdução Fase 1 - Participação da população brasileira Fase 2 - Perfil do voluntário Características do serviço voluntário Fase 3 - Segmentação 5

Leia mais

CENSO SUAS 2015 Questionário Centros de Convivência

CENSO SUAS 2015 Questionário Centros de Convivência As informações declaradas pelo agente público neste questionário possuem Fé Pública e constituem registros administrativos do Sistema Único de Assistência Social. O fornecimento de informações inverídicas

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

METODOLOGIA & PERFIL

METODOLOGIA & PERFIL Maio2010 JOB 100283 METODOLOGIA & PERFIL Metodologia e Amostra Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas pessoais. Objetivo Geral Levantar um conjunto de informações

Leia mais

RELEMBRANDO OS FÓRUNS DE EJA RJ: PERSPECTIVAS ATUAIS

RELEMBRANDO OS FÓRUNS DE EJA RJ: PERSPECTIVAS ATUAIS RELEMBRANDO OS FÓRUNS DE EJA RJ: PERSPECTIVAS ATUAIS PRISCILA NUNES FRANÇA DE OLIVEIRA (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO), CARLA TATIANA MUNIZ SOUTO MAIOR (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO).

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

A palavra de ordem será: ACESSIBILIDADE!

A palavra de ordem será: ACESSIBILIDADE! O que é o Congresso de Acessibilidade? O Congresso de Acessibilidade é o primeiro evento online TOTALMENTE GRATUITO a ser realizado no Brasil, com foco no público de Pessoas com Deficiência e/ou Necessidades

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ANÁLISE DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR PDDU/2006 LEI Nº 6.586/2004 Regulamenta a Lei Orgânica do Município nos Título III, Capítulos I e II, artigos 71 a 102, Título

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

PUBLICADO DOC 27/09/2012, PÁG 85

PUBLICADO DOC 27/09/2012, PÁG 85 PUBLICADO DOC 27/09/2012, PÁG 85 PROJETO DE LEI 01-00415/2012 do Executivo (Encaminhado à Câmara pelo Sr. Prefeito com o ofício ATL 96/12). Aprova o Plano Municipal de Educação da Cidade de São Paulo para

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria 1 BONOMETO, Tatiane Caroline 2 TRENTINI, Fabiana Vosgerau 3 Apresentador (es): Claudia

Leia mais

O SR. REMI TRINTA (PL-MA) pronuncia o seguinte. discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores

O SR. REMI TRINTA (PL-MA) pronuncia o seguinte. discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores O SR. REMI TRINTA (PL-MA) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, levantamento do Governo Federal mostra que 135 pessoas, entre homens e mulheres, moram em logradouros

Leia mais

RIO ACOLHEDOR I - PACIÊNCIAUNIDADE MUNICIPAL DE REINSERÇÃO SOCIAL. PERFIL DOS ACOLHIDOS: Uso de crack e outras drogas e Estado de origem.

RIO ACOLHEDOR I - PACIÊNCIAUNIDADE MUNICIPAL DE REINSERÇÃO SOCIAL. PERFIL DOS ACOLHIDOS: Uso de crack e outras drogas e Estado de origem. RIO ACOLHEDOR I - PACIÊNCIAUNIDADE MUNICIPAL DE REINSERÇÃO SOCIAL PERFIL DOS ACOLHIDOS: Uso de crack e outras drogas e Estado de origem. APRESENTAÇÃO 1. PERFIL DE ACOLHIDOS USUARIOS DE CRACK E OUTRAS DROGAS

Leia mais

3º Indicador Nacional de Alfabetismo Funcional

3º Indicador Nacional de Alfabetismo Funcional 3º Indicador Nacional de Alfabetismo Funcional Um diagnóstico para a inclusão social pela educação [Avaliação de Leitura e Escrita] São Paulo, 8 de setembro de 2003 1 FICHA TÉCNICA COORDENAÇÃO INSTITUTO

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Caracterização da entidade e supervisão A Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos - PEAS, realizada em 2006, levantou informações sobre 16 089 entidades,

Leia mais

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR Rosiane Costa de Souza Assistente Social Msc Serviço Social/UFPA Diretora de Assistência Social Secretaria de Estado de Assistência Social do Pará

Leia mais

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Avaliação Econômica Programa Escola Integrada Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Criado em 2004, o Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais, da Fundação Itaú Social, atua em

Leia mais

1º Lugar: Uma Égua por Livros.

1º Lugar: Uma Égua por Livros. Programas Vencedores: cinco 5º Concurso FNLIJ Os Melhores Programas de Incentivo à Leitura junto a Crianças e Jovens de todo o Brasil / Programa Nacional de Incentivo à Leitura - PROLER 2000 1º Lugar:

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Patricia Maia von Flach Rede de Atenção Psicossocial PORTARIA 3088 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 OBJETIVOS: I - Ampliar o acesso à atenção psicossocial da população em geral; II

Leia mais

PERFIL E PERCEPÇÕES DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO SOBRE A EDUCAÇÃO SUPERIOR E TECNOLÓGICA

PERFIL E PERCEPÇÕES DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO SOBRE A EDUCAÇÃO SUPERIOR E TECNOLÓGICA PERFIL E PERCEPÇÕES DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO SOBRE A EDUCAÇÃO SUPERIOR E TECNOLÓGICA Resumo Ivanete Bellucci Pires de Almeida 1 - Fatec Tatuapé Aldo Pontes 2 - Fatec Indaiatuba Grupo de Trabalho Educação

Leia mais

Com base nesses pressupostos, o objetivo deste estudo foi conhecer como vem se dando a inserção e a empregabilidade, nas empresas do Pólo Industrial

Com base nesses pressupostos, o objetivo deste estudo foi conhecer como vem se dando a inserção e a empregabilidade, nas empresas do Pólo Industrial Introdução Esta proposta de estudo insere-se na linha de pesquisa Trabalho, Gênero e Políticas Sociais do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da PUCRJ e buscou conhecer questões referentes à inserção

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE LÊ TAMBÉM É PROJETO SÓCIO EDUCACIONAL VIV 1. INTRODUÇÃO O presente documento propõe o Projeto da Biblioteca Itinerante

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA A relevância do projeto: O negro em destaque: As representações do negro na literatura brasileira se dá a partir das análises e percepções realizadas pelo coletivo cultural,

Leia mais

Programa de Integração de Catadores

Programa de Integração de Catadores Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized RP661 1. HISTÓRICO Em setembro de 2004, após ter vencido concorrência pública, a CTR

Leia mais

FABIANA INÊS BERTANI

FABIANA INÊS BERTANI 1 FABIANA INÊS BERTANI PROJETO DE PESQUISA O TEMIDO MOSQUITO Aedes aegypti FARROUPILHA/RS Orientadora: Aline Verardo Corrêa Farroupilha 31/05/2008 2 FABIANA INÊS BERTANI PROJETO DE PESQUISA O TEMIDO MOSQUITO

Leia mais

HÁBITOS DE INFORMAÇÃO E FORMAÇÃO DE OPINIÃO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA II. Relatório de Pesquisa Quantitativa

HÁBITOS DE INFORMAÇÃO E FORMAÇÃO DE OPINIÃO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA II. Relatório de Pesquisa Quantitativa HÁBITOS DE INFORMAÇÃO E FORMAÇÃO DE OPINIÃO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA II Relatório de Pesquisa Quantitativa Dezembro de 2010 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1. METODOLOGIA... 4 2. TELEVISÃO... 11 3. RÁDIO... 31

Leia mais

Agora é Que São Elas! A Construção da Associação das Mulheres do Dunas Fundos

Agora é Que São Elas! A Construção da Associação das Mulheres do Dunas Fundos Agora é Que São Elas! A Construção da Associação das Mulheres do Dunas Fundos Noé Vega Cotta de Mello Joseane da Silva Almeida Projeto de Extensão Habitação de Interesse Social Curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 207, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº 207, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº 207, DE 2015 Autoriza o Poder Executivo a desapropriar, para fins ambientais e culturais, terreno para criação do "Parque dos Búfalos", na Capital do Estado. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Leia mais

Serviço Social: inovação dos serviços em Bibliotecas Públicas

Serviço Social: inovação dos serviços em Bibliotecas Públicas Serviço Social: inovação dos serviços em Bibliotecas Públicas SERVIÇO SOCIAL NA BSP SERVIÇO SOCIAL NA BSP BSP COMO ESPAÇO CULTURAL COM AÇÃO CENTRADA NA LEITURA A LEITURA é vista pela BSP como fundamento

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Serviços de Extensão. O que é?

Serviços de Extensão. O que é? Serviços de Extensão O que é? São ações realizadas para alcançar grupos de pessoas que, por alguma razão, não podem ir até o espaço físico da biblioteca e ter contato com os serviços e informações oferecidos

Leia mais

Sumário Executivo PESQUISA DOMICILIAR COM OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

Sumário Executivo PESQUISA DOMICILIAR COM OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Sumário Executivo PESQUISA DOMICILIAR COM OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Pólis Pesquisa Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO - REDES DA MARÉ Nº 01/2012

EDITAL DE SELEÇÃO - REDES DA MARÉ Nº 01/2012 EDITAL DE SELEÇÃO - REDES DA MARÉ Nº 01/2012 A Redes da Maré seleciona tecedores para o Programa Criança Petrobras (PCP) na Maré. Antes de se candidatar, conheça bem os valores e atuação da instituição.

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Relatório Analítico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER DATASENADO SECS PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Há dois anos, o DataSenado

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO ABRIL / 2005 Apresentação SMPDSE SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E A Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

PESQUISA SOBRE A INCLUSÃO NO. Curitiba e Região Metropolitana

PESQUISA SOBRE A INCLUSÃO NO. Curitiba e Região Metropolitana PESQUISA SOBRE A INCLUSÃO NO Curitiba e Região Metropolitana A PESQUISA REALIZAÇÃO: SEDPcD em parceria com a SMTE, Sesi, Sesc, ABRH, Fecomércio e Sest/Senat. UNIVERSO: a consulta foi realizada com empresas

Leia mais

O Almoço 1. Taísa SZABATURA 2 Laura SELIGMAN 3 Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC

O Almoço 1. Taísa SZABATURA 2 Laura SELIGMAN 3 Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC O Almoço 1 Taísa SZABATURA 2 Laura SELIGMAN 3 Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC RESUMO "O Almoço" é crônica que aborda a realidade de um aposentado em uma cidade litorânea. Insipirada na música

Leia mais

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA.

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. JULIA SIQUEIRA DA ROCHA jsiqueiradarocha@gmail.com IONE RIBEIRO VALLE Ione.valle@ufsc.br ELEMENTOS

Leia mais

Capítulo 19 - RESUMO

Capítulo 19 - RESUMO Capítulo 19 - RESUMO Considerado como sendo um dos principais teóricos da área de marketing, Philip Kotler vem abordando assuntos referentes a esse fenômeno americano chamado marketing social, desde a

Leia mais

Censo Nacional das Bibliotecas Públicas P

Censo Nacional das Bibliotecas Públicas P Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional Diretoria de Livro, Leitura e Literatura Fundação Biblioteca Nacional Sistema Nacional de Bibliotecas PúblicasP Censo Nacional das Bibliotecas

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ.

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. Apresentação Este relatório contém os resultados da 1ª pesquisa de Qualidade de Vida na cidade de Aracruz solicitada pela FACE. O objetivo

Leia mais

Nome: APADD - Associação de Prevenção e Assistência aos Dependentes de Drogas

Nome: APADD - Associação de Prevenção e Assistência aos Dependentes de Drogas 1- NOME DO PROJETO PROJETO FALA GAROTO 2- IDENTIFICAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO EXECUTORA Nome: APADD - Associação de Prevenção e Assistência aos Dependentes de Drogas Razão social e CNPJ: 31.754.914/0001-71 Endereço:

Leia mais

PROJETOS COMUNITÁRIOS DA ULBRA

PROJETOS COMUNITÁRIOS DA ULBRA PROJETOS COMUNITÁRIOS DA ULBRA PROJETOS COMUNITÁRIOS DA ULBRA 01 Projetos Comunitários da ULBRA Sob a égide do Programa Violência e Direitos Humanos, projetos comunitários, ações extensionistas e estágios

Leia mais

Ressocialização de jovens carentes Um sonho possível

Ressocialização de jovens carentes Um sonho possível Ressocialização de jovens carentes Um sonho possível A Microlins tem a convicção de que um mundo melhor depende de as empresas assumirem o papel de instrumento de transformações sociais. Essa postura é

Leia mais

Analfabetismo e alfabetismo funcional no Brasil

Analfabetismo e alfabetismo funcional no Brasil Analfabetismo e alfabetismo funcional no Brasil Vera Masagão Ribeiro 1 A definição sobre o que é analfabetismo vem sofrendo revisões nas últimas décadas. Em 1958, a Unesco definia como alfabetizada uma

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL PINHEIRINHO 02/04/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2

UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2 UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Silvia de Souza acadêmica 3º ano Pedagogia UNICENTRO 1 Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2 RESUMO: Este artigo dialogou com

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - Educação Especial

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - Educação Especial PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - Educação Especial 8. EDUCAÇÃO ESPECIAL 8.1 Diagnóstico A Constituição Federal estabelece o direito de as pessoas com necessidades especiais receberem educação preferencialmente

Leia mais

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR Crack: o drama de uma escolha 1 Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR RESUMO Esse trabalho se propõe a explicar o processo de produção da reportagem Crack: o drama

Leia mais