INCLUSÃO DIGITAL ATRAVÉS DE CURSOS DE INFORMÁTICA NA ULBRA CAMPUS GUAÍBA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INCLUSÃO DIGITAL ATRAVÉS DE CURSOS DE INFORMÁTICA NA ULBRA CAMPUS GUAÍBA"

Transcrição

1 INCLUSÃO DIGITAL ATRAVÉS DE CURSOS DE INFORMÁTICA NA ULBRA CAMPUS GUAÍBA Daniele Pinto Andres RESUMO Este artigo aborda uma análise das atividades realizadas na ULBRA de Guaíba sobre os cursos de informática básica e avançada para o processo de inclusão digital da instituição. São apresentados os objetivos, a metodologia empregada atualmente e os resultados quantitativos obtidos até o momento. Palavras-chave: Inclusão Digital, Responsabilidade Social, Cursos de Informática. INTRODUÇÃO Em 2001, 12,64% da população brasileira dispunha de acesso ao computador e 8,31% à Internet. Atualmente, segundo dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio ) 22,4% das famílias declaram ter computador e o acesso à Internet passou para 16,9% (IBGE, 2007). Os resultados da segunda parte da pesquisa TIC Domicílios e da TIC Empresas 2006 mostram um avanço no acesso às tecnologias da informação e comunicação no Brasil no último ano. Também demonstram que as políticas públicas são essenciais para promover a inclusão dos cidadãos e das empresas na sociedade da informação. Se comparar o que aconteceu com o acesso à Internet e ao computador nos últimos dois anos, verifica-se que os programas de incentivo à aquisição de computadores mostraram-se mais eficientes que as ações de estímulo ao uso da Internet ou qualquer política nessa área. Este aumento significativo é justificado pelos incentivos de projetos governamentais como, por exemplo, Computador para todos do Governo Federal, que tem por objetivo oferecer apoio à população brasileira na compra de equipamentos, inclusive de notebooks.

2 2 Além do apoio do Governo Federal ao combate da exclusão digital, existem inúmeras iniciativas provenientes de entidades não governamentais (ONGs), iniciativas privadas, entre outros, como por exemplo, as instituições de ensino públicas e privadas. Estes com um papel muito importante na disseminação de projetos de inclusão digital, visto que são centros de excelência na produção e difusão do conhecimento. O curso de Sistemas de Informação da Universidade Luterana do Brasil ULBRA Campus Guaíba baseado pelo eixo de pesquisa sobre responsabilidade social planeja todos os semestres cursos de informática gratuitos para a população da região Costa Doce. Vale salientar que como profissionais da área de TI, tanto alunos como professores da instituição, os mesmos possuem responsabilidade importante no processo de inclusão digital. Este artigo tem por objetivo apresentar de forma clara as atividades de extensão do curso de Sistemas de Informação sobra a Inclusão Digital baseados em cursos de informática para a comunidade. METODOLOGIA O projeto de inclusão digital do curso de Sistemas de Informação envolve os cursos de informática básica e avançada. Os cursos possuem alguns elementos base: (1) contemplar a população da região Costa Doce como forma de comprometimento com um dos vértices da instituição, a responsabilidade social; (2) Propor intercâmbios com escolas da região para utilização dos laboratórios de informática; (3) Conscientizar os alunos da ULBRA para participarem das atividades como monitores voluntários. A seguir, são descritos alguns detalhes importantes acerca dos cursos de informática. - Turmas: A cada semestre, o número de turmas e alunos participantes dos cursos deve ser analisado em função da estrutura tecnológica disponível da universidade ou escolas, as quais serão selecionadas para participar. Os horários do semestre para os cursos os quais são realizados nos laboratórios de informática compreendem os seguintes: de segunda à sexta-feira (tarde - das 14h00min às 16h30min), sábado (manhã das 08h30min às 12h00min) e sábado (tarde 13h00min às 16h00min). - Seleção dos participantes:

3 3 Os critérios de seleção que são utilizados para a participação nos cursos têm por objetivo disponibilizar vagas para as pessoas que realmente necessitam de uma oportunidade. Nesse sentido, a idade mínima é de 14 anos, não possuir conhecimento na área ou ter realizado um curso em outro lugar. Devido à grande procura pelos cursos, estes critérios são aplicados e a lista de seleção é sempre divulgada no primeiro dia de aula. - Cronograma dos cursos: Depois de definidas as situações descritas anteriormente, há a proposição de um cronograma semestral dos cursos, bem como do encontro de capacitação dos monitores participantes. - Monitores: Um dos pontos de grande importância nesse processo está acerca da participação dos monitores. Os mesmos atuam de forma voluntária tendo como retorno a experiência e o aprendizado desta atividade. Nesse sentido, ganham os alunos e os monitores. Para participar do projeto como um monitor é necessário que o mesmo passe por uma capacitação, onde se pretende integrá-los, apresentar os objetivos e justificativas, a proposta de trabalho, cronograma dos cursos, programa e as avaliações que deverão ser realizadas. - Programa dos cursos: Um dos elementos importantes do processo de inclusão digital é a capacitação das pessoas para o uso dos recursos tecnológicos, assim como proporcionar uma visão crítica das tecnologias e suas potencialidades. Sendo assim, o domínio das ferramentas de informática é apenas um eixo da inclusão. O programa dos cursos conta com os seguintes assuntos: - Módulo I - Informática Básica: Conceitos Básicos de Informática Windows Word Power Point Excel Internet - Módulo II - Informática Avançada: Excel Avançado Linux - Carga Horária:

4 4 A carga horária do curso de Informática básica é de 24 horas e do curso de Informática Avançada é 10 horas. - Avaliação: Ao final dos módulos I e II o aluno deverá realizar uma avaliação, a qual compreenderá os conteúdos abordados. Essa avaliação é importante a fim verificar o aprendizado, bem como uma forma de retorno das atividades que são construídas. RESULTADOS No semestre de 2006/1 foram 180 alunos participantes do curso de Informática Básica Módulo I e 30 alunos que realizaram o Módulo II (Informática Avançada). Já no semestre 2006/2 o total de alunos que iniciaram esses cursos foram 304, sendo que 279 concluíram, distribuídos em 6 turmas de Informática Básica - Módulo I e 2 turmas de Informática Avançada - Módulo II. Para o semestre 2007/1 foram oferecidas 7 turmas de Informática Básica e 4 turmas de Informática Avançada. Sendo que nos cursos básicos 174 alunos concluíram e no avançado foram 92 participantes, totalizando 266 alunos. Foram usados critérios de avaliação como participação, pois se exige freqüência superior a 80% e o desempenho, este critério sendo subjetivo e avaliado pelo instrutor do curso. Uma questão importante desses cursos é que a maioria dos participantes nunca teve contato com o computador, sendo que ao final do curso é possível observar uma evolução considerável no aprendizado dos novos ambientes. CONCLUSÃO Estas pequenas ações são significativas quando se consegue alcançar o objetivo principal dessa atividade de extensão dentro da ULBRA. Proporcionar a essas pessoas o acesso e a democratização das informações oriundas das tecnologias utilizadas por uma parcela privilegiada da população brasileira. A cada semestre percebe-se um acréscimo importante neste trabalho, não somente com relação a um número de participantes, uma constante nos semestres, mas por uma preocupação na formação dos alunos envolvendo tanto

5 5 o aprendizado dos ambientes tecnológicos como da convivência social e do trabalho voluntário. Dessa forma, esse projeto tem tomado uma forma e uma direção no sentido que a inclusão digital não é apenas o aprendizado das ferramentas e sim dos ambientes tanto do software proprietário quanto do software livre, bem como de uma oportunidade de estarem incluídos tanto socialmente como digitalmente. BIBLIOGRAFIA CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede. São Paulo: Paz e Terra, CRUZ, Renato. O que as empresas podem fazer pela inclusão digital. São Paulo: Instituto Ethos, IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Disponível em: Acessado em: 15 de setembro de NERI, Marcelo Cortês. Mapa da inclusão digital. Rio de Janeiro: FGV/IBRE, CPS, 2003.

INCLUSÃO DIGITAL: O PERFIL DOS PARTICIPANTES NOS CURSOS DE INFORMÁTICA NA ULBRA GUAÍBA

INCLUSÃO DIGITAL: O PERFIL DOS PARTICIPANTES NOS CURSOS DE INFORMÁTICA NA ULBRA GUAÍBA INCLUSÃO DIGITAL: O PERFIL DOS PARTICIPANTES NOS CURSOS DE INFORMÁTICA NA ULBRA GUAÍBA Daniele Pinto Andrés 1 RESUMO A realidade do mercado de trabalho e a necessidade da democratização das informações

Leia mais

UM ROTEIRO PARA A EXECUÇÃO DE ATIVIDADES EM UM PROJETO DE INCLUSÃO DIGITAL

UM ROTEIRO PARA A EXECUÇÃO DE ATIVIDADES EM UM PROJETO DE INCLUSÃO DIGITAL UM ROTEIRO PARA A EXECUÇÃO DE ATIVIDADES EM UM PROJETO DE INCLUSÃO DIGITAL R.L. Stange *, A. A. Batista*. * Universidade Tecnológica federal do Paraná, Guarapuava, Brasil e-mail: rlgomes@utfpr.edu.br Resumo

Leia mais

Edição 2014 REGULAMENTO PROGRAMA DESENVOLVENDO TALENTOS 2014

Edição 2014 REGULAMENTO PROGRAMA DESENVOLVENDO TALENTOS 2014 REGULAMENTO PROGRAMA DESENVOLVENDO TALENTOS 2014 1- Das Disposições Preliminares Em Pato Branco, o NTI APL TI Sudoeste-PR é reconhecido e faz parte do SRI- Sistema Regional de Inovação. Ambos buscam disseminar

Leia mais

Importância e Implementação

Importância e Implementação Importância e Implementação O que é? Sub-área da inclusão social. Democratização do acesso às tecnologias de informação. Melhorar as condições de vida de uma comunidade com ajuda da tecnologia. Utilização

Leia mais

Fabio Favarim 1 (Coordenador da Ação de Extensão)

Fabio Favarim 1 (Coordenador da Ação de Extensão) INCLUSÃO DIGITAL PROMOVENDO OPORTUNIDADES DE TRABALHO E CIDADANIA Área Temática: Trabalho Fabio Favarim 1 (Coordenador da Ação de Extensão) Fabio Favarim Beatriz Terezinha Borsoi 2 Palavras-chave: inclusão

Leia mais

ANEXO III. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO

ANEXO III. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA R E I T O R I A Rua Esmeralda, 430-97110-767 Faixa Nova Camobi Santa

Leia mais

Sobre o Movimento é uma ação de responsabilidade social digital pais (família), filhos (jovem de 6 a 24 anos), escolas (professores e diretores)

Sobre o Movimento é uma ação de responsabilidade social digital pais (família), filhos (jovem de 6 a 24 anos), escolas (professores e diretores) 1 Sobre o Movimento O Movimento é uma ação de responsabilidade social digital; Visa a formação de usuários digitalmente corretos Cidadania Digital, através de uma campanha de conscientização direcionada

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: habilitação Profissional técnica de nível médio de técnico em administração

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: habilitação Profissional técnica de nível médio de técnico em administração Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEc de Ribeirão Pires Código: 141 Município: Ribeirão Pires/Mauá Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: habilitação Profissional técnica

Leia mais

Responsabilidade. Social. Um conceito voltado para o crescimento da Igreja. Prospecto Interservice 1

Responsabilidade. Social. Um conceito voltado para o crescimento da Igreja. Prospecto Interservice 1 Responsabilidade Social Um conceito voltado para o crescimento da Igreja. Prospecto Interservice 1 Sumário A missão da Interservice Responsabilidade Social Projeto Visão Cursos Livres Profissionalizantes

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO

USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO MIRANDA 1, Márcia Verônica Costa; SILVA 2, Gilmar Batista da 1 Professora Orientadora

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES junho / 2003 Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Logística

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGOCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

Inclusão digital de deficientes visuais através de Projeto Comunitário, Santana do Livramento (2013)

Inclusão digital de deficientes visuais através de Projeto Comunitário, Santana do Livramento (2013) Inclusão digital de deficientes visuais através de Projeto Comunitário, Santana do Livramento (2013) Eduardo Bueno Simões Pires 1, Aline da Cunha Simões Pires 2 1 Instituto de Informática Universidade

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração Qualificação:

Leia mais

MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO

MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO 1. Identificação do proponente 1.1. Nome: Moeses Andrigo Danner 1.2. Vínculo com a instituição: Docente permanente 1.3. Coordenação /

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS

Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS Art. 1º A missão do Laboratório de Informática da FACOS/Marquês é buscar a excelência no atendimento aos seus usuários. seguintes: informática.

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Administração Central Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Professor Massuyuki Kawano Extensão E.E Índia Vanuíre Código: 136. Município: Tupã Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação

Leia mais

2. METODOLOGIA DO TRABALHO DESENVOLVIDO NA PASTORAL DO MENOR E DO ADOLESCENTE

2. METODOLOGIA DO TRABALHO DESENVOLVIDO NA PASTORAL DO MENOR E DO ADOLESCENTE TÍTULO: CURSO DE WORD E EXCEL NA PASTORAL DO MENOR E DO ADOLESCENTE DE OURO PRETO AUTORES: Márcia Veloso de Menezes e-mail: marcia@em.ufop.br INSTITUIÇÃO: Universidade Federal de Ouro Preto ÁREA TEMÁTICA:

Leia mais

CRONOGRAMA DE CURSOS - DE MARÇO A ABRIL DE 2008 Revisão 04 de 12/03/08

CRONOGRAMA DE CURSOS - DE MARÇO A ABRIL DE 2008 Revisão 04 de 12/03/08 CRONOGRAMA DE CURSOS - DE MARÇO A ABRIL DE 2008 Revisão 04 de 12/03/08 Redação - Noturno Internet - Noturno CURSOS NOTURNOS MÓDULO DE CAPACITAÇÃO: LÍNGUA PORTUGUESA Ter conhecimentos básicos da Língua

Leia mais

Etec. Etec: PAULINO BOTELHO. Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS. Habilitação Profissional: TÉCNICO EM MECÂNICA

Etec. Etec: PAULINO BOTELHO. Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS. Habilitação Profissional: TÉCNICO EM MECÂNICA Etec Plano de Ensino Trabalho Técnico Docente 2015 Etec: PAULINO BOTELHO Município: Código: 091 São Carlos Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM MECÂNICA

Leia mais

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1. A partir das Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação em Serviço Social o planejamento acadêmico do deve assegurar, em termos

Leia mais

AS MATRÍCULAS SÃO ABERTAS AO PÚBLICO EM GERAL E SERÃO REALIZADAS PELA INTERNET. ATRAVÉS DO SITE: www.prolinfo.iaupe.com.br

AS MATRÍCULAS SÃO ABERTAS AO PÚBLICO EM GERAL E SERÃO REALIZADAS PELA INTERNET. ATRAVÉS DO SITE: www.prolinfo.iaupe.com.br UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROLINFO Programa de Línguas e Informática da UPE EDITAL DE MATRÍCULA 2013.1 AS MATRÍCULAS SÃO ABERTAS AO PÚBLICO EM GERAL E SERÃO REALIZADAS PELA INTERNET. ATRAVÉS DO SITE:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Prof. Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO

Leia mais

INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO DE JOVENS PROVINDOS DE PROJETO SOCIAL. Nelson Miguel Betzek 1 (Coordenador da Ação de Extensão)

INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO DE JOVENS PROVINDOS DE PROJETO SOCIAL. Nelson Miguel Betzek 1 (Coordenador da Ação de Extensão) INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO DE JOVENS PROVINDOS DE PROJETO SOCIAL Área Temática: Educação Nelson Miguel Betzek 1 (Coordenador da Ação de Extensão) Nelson Miguel Betzek, Vanderlei Roberto Marques 2,

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FORMAÇÃO CONTINUADA EM EDUCAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIAS Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FORMAÇÃO CONTINUADA EM EDUCAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIAS Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Utilizar corretamente os programas do pacote Office 2007

Utilizar corretamente os programas do pacote Office 2007 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS COORDENAÇÃO DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL CGDP/SRH Nº 008/2012 ABERTURA E DISPOSIÇÕES GERAIS DO CURSO DE INFORMÁTICA

Leia mais

AS MATRÍCULAS SÃO ABERTAS AO PÚBLICO EM GERAL E SERÃO REALIZADAS PELA INTERNET ATRAVÉS DO SITE: www.prolinfo.iaupe.com.br

AS MATRÍCULAS SÃO ABERTAS AO PÚBLICO EM GERAL E SERÃO REALIZADAS PELA INTERNET ATRAVÉS DO SITE: www.prolinfo.iaupe.com.br UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROLINFO Programa de Línguas e Informática da UPE EDITAL DE MATRÍCULA 2013.2 AS MATRÍCULAS SÃO ABERTAS AO PÚBLICO EM GERAL E SERÃO REALIZADAS PELA INTERNET ATRAVÉS DO SITE:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 010 /03 Dispõe sobre as condições para oferta de disciplinas à distância nos cursos presenciais da UERJ. O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso da competência que lhe

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Tratamento de Imagens com Software Livre. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Tratamento de Imagens com Software Livre. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDITAL 01/2015

PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDITAL 01/2015 PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDITAL 01/2015 A Coordenação dos Cursos Superiores de Tecnologia da Informação da Faculdade JK, no uso de suas atribuições

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001, 10 de março de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR Dispõe sobre a Política de uso de Softwares Livres no âmbito da UDESC O REITOR da FUNDAÇÃO

Leia mais

Escola de Gestão Pública de Palmas em novas instalações

Escola de Gestão Pública de Palmas em novas instalações Nº 08/2012 Av. Teotônio Segurado, Quadra 401 Sul, ACSU-SO 40, conjunto 1, Lote 17, 1º andar (prédio do antigo Sine) Escola de Gestão Pública de Palmas em novas instalações Diante da crescente procura por

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO TÉCNICA EM LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO VOLTADAS PARA WEB

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO TÉCNICA EM LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO VOLTADAS PARA WEB REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO TÉCNICA EM LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO VOLTADAS PARA WEB 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos

Leia mais

ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Fixa normas para o funcionamento das Atividades Complementares para o curso de Administração da Universidade Federal de Mato Grosso, campus Rondonópolis/Mato

Leia mais

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição e do Programa Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Desenho de símbolos, logotipos e logomarcas com Software Livre

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Desenho de símbolos, logotipos e logomarcas com Software Livre MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

EDITAL/PC Nº. 01/2014 SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO PROGRAMA PROEXT 2014

EDITAL/PC Nº. 01/2014 SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO PROGRAMA PROEXT 2014 EDITAL/PC Nº. 01/2014 SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO PROGRAMA PROEXT 2014 INCLUSÃO DIGITAL COM HARDWARE E SOFTWARE LIVRE: AUTOMAÇÃO, ROBÓTICA E INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL. A Universidade Federal do Oeste do

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PROGETEC - 2015

PLANO DE AÇÃO PROGETEC - 2015 ESCOLA ESTADUAL PROFª. NAIR PALÁCIO DE SOUZA PLANO DE AÇÃO PROGETEC - 2015 NOVA ANDRADINA-MS DEZEMBRO DE 2014 ESCOLA ESTADUAL PROFª. NAIR PALÁCIO DE SOUZA PLANO DE AÇÃO PROGETEC 2015 Planejamento de ações

Leia mais

INCLUSÃO E DIVULGAÇÃO DAS ATIVIDADES DE GERAÇÃO DE RENDA DAS ALUNAS DO PROGRAMA MULHERES MIL DE SÃO JOÃO DA BARRA NAS REDES SOCIAIS

INCLUSÃO E DIVULGAÇÃO DAS ATIVIDADES DE GERAÇÃO DE RENDA DAS ALUNAS DO PROGRAMA MULHERES MIL DE SÃO JOÃO DA BARRA NAS REDES SOCIAIS INCLUSÃO E DIVULGAÇÃO DAS ATIVIDADES DE GERAÇÃO DE RENDA DAS ALUNAS DO PROGRAMA MULHERES MIL DE SÃO JOÃO DA BARRA NAS REDES SOCIAIS Resumo Solange da Silva Figueiredo; Isabel Cristina da Silva Gonçalves;

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. Habilitação Profissional: TÉCNICO EM PROGRAMAÇÃO DE

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo de Gestão do

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO DESENVOLVIMENTO EM INFORMÁTICA

CURSO DE CAPACITAÇÃO DESENVOLVIMENTO EM INFORMÁTICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS SANTA CRUZ COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE PESSOAS CURSO

Leia mais

Polo Universitário Santo Antônio Núcleo de Tecnologia Educacional Santo Antônio da Patrulha. Planejamento para 2015

Polo Universitário Santo Antônio Núcleo de Tecnologia Educacional Santo Antônio da Patrulha. Planejamento para 2015 Polo Universitário Santo Antônio Núcleo de Tecnologia Educacional Santo Antônio da Patrulha Planejamento para 2015 Formação Aprender faz parte da vida, sendo um processo permanente de desenvolvimento humano

Leia mais

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação Pesquisa TIC Educação 2010 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação São Paulo, 09 de Agosto de 2011 CGI.br Comitê Gestor

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 04 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho EE Esterina Placo (Extensão) Código: 09.0 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

CURSO REDES DE COMPUTADORES ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES

CURSO REDES DE COMPUTADORES ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES 1 CURSO REDES DE COMPUTADORES ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES CANINDÉ 2013 2 ALANA CAMILA ARICLÉCIO DOMINGOS EUDES JUNIOR HILDERLENE GOMES Trabalho realizado como requisito

Leia mais

Centro Universitário de Brusque Unifebe

Centro Universitário de Brusque Unifebe 1 Edital Proppex n 17/2012 Seleção de Candidatos - Projetos Sociais e de Extensão (Atividades Complementares) 2º Semestre Letivo de 2012 A Pró-Reitora de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão, no uso de suas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROLINFO Programa de Línguas e Informática da UPE EDITAL DE MATRÍCULA 2012.1

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROLINFO Programa de Línguas e Informática da UPE EDITAL DE MATRÍCULA 2012.1 UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROLINFO Programa de Línguas e Informática da UPE EDITAL DE MATRÍCULA 2012.1 01. DO PERÍODO E DO SITE PARA AS INSCRIÇÕES AS INSCRIÇÕES SÃO ABERTAS AO PÚBLICO EM GERL: - De

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL PROMOVENDO INCLUSÃO SOCIAL

INCLUSÃO DIGITAL PROMOVENDO INCLUSÃO SOCIAL INCLUSÃO DIGITAL PROMOVENDO INCLUSÃO SOCIAL Letícia de Abreu Araujo 1 Beatriz Terezinha Borsoi 2 Fabio Favarim 3 1,2,3 Informática/UTFPR, Pato Branco, Brasil e-mail: l.abreuaraujo@hotmail.com Resumo Promover

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo de

Leia mais

FACULDADE FARIAS BRITO CURSO DE DIREITO COORDENAÇÃO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL E DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO

FACULDADE FARIAS BRITO CURSO DE DIREITO COORDENAÇÃO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL E DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO FACULDADE FARIAS BRITO CURSO DE DIREITO COORDENAÇÃO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL E DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO EDITAL Nº 13/2012 DE CONVOCAÇÃO PARA PARTICIPAR DO DIA DA PACIFICAÇÃO Diga não

Leia mais

Responsabilidade INTERSERVICE. Um conceito voltado para Organizações Não-Governamentais Prospecto Interservice 1

Responsabilidade INTERSERVICE. Um conceito voltado para Organizações Não-Governamentais Prospecto Interservice 1 INTERSERVICE C O N S U LTO R I A & T R E I N A M E N TO LT DA. Responsabilidade Um conceito voltado para Organizações Não-Governamentais Prospecto Interservice 1 Sumário A missão da Interservice Projeto

Leia mais

INTERESSE PELA COMUNIDADE SEMEAMOS ESTA IDÉIA COOPERATIVISTA!

INTERESSE PELA COMUNIDADE SEMEAMOS ESTA IDÉIA COOPERATIVISTA! INTERESSE PELA COMUNIDADE SEMEAMOS ESTA IDÉIA COOPERATIVISTA! Apresentação O Instituto Sicoob PR foi criado para cumprir o 7º princípio cooperativista Interesse pela comunidade. Com o suporte das Cooperativas

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL PARA PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

INCLUSÃO DIGITAL PARA PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS INCLUSÃO DIGITAL PARA PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Área Temática: Educação Natalina Francisca Mezzari Lopes 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Natalina Francisca Mezzari Lopes Andressa

Leia mais

Ensino Técnico. Ensino Técnico

Ensino Técnico. Ensino Técnico Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Aplicativos Informatizados Eixo Tecnológico: Gestão

Leia mais

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Resumo O projeto tem como objetivo principal promover a inclusão digital dos softwares

Leia mais

http://eventosocialcomunidade.weebly.com

http://eventosocialcomunidade.weebly.com http://eventosocialcomunidade.weebly.com BREVE HISTÓRIA O Projeto Social Comunidade é uma extensão do evento chamado: Evento Social COMUNIDADE, criado no ano de 2006 e realizado em Julho desse mesmo ano,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

Programa Acessa Escola prevê a instalação de 4.300 salas de informática em escolas públicas de São Paulo

Programa Acessa Escola prevê a instalação de 4.300 salas de informática em escolas públicas de São Paulo REVISTAS TIC BRASIL 03/02/2009 TERÇA-FEIRA EDUCAÇÃO Programa Acessa Escola prevê a instalação de 4.300 salas de informática em escolas públicas de São Paulo Uma das novidades do Campus Party 2009, evento

Leia mais

IV Feira de Inovação e Tecnologia De 7 a 11 de Maio de 2012 Computação e Tecnologias do Eixo Informação e Comunicação

IV Feira de Inovação e Tecnologia De 7 a 11 de Maio de 2012 Computação e Tecnologias do Eixo Informação e Comunicação IV Feira de Inovação e Tecnologia De 7 a 11 de Maio de 2012 Computação e Tecnologias do Eixo Informação e Comunicação Ciência da Computação CST Análise e Desenvolvimento de Sistemas CST Gestão da Tecnologia

Leia mais

AÇÕES GOVERNAMENTAIS DE FOMENTO PARA O SETOR DE TI NA BAHIA

AÇÕES GOVERNAMENTAIS DE FOMENTO PARA O SETOR DE TI NA BAHIA AÇÕES GOVERNAMENTAIS DE FOMENTO PARA O SETOR DE TI NA BAHIA PARQUE TECNOLÓGICO DA BAHIA ÁREAS DE ATUAÇÃO BIOTECNOLOGIA E SAÚDE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ENERGIAS E ENGENHARIAS TECNOCENTRO

Leia mais

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Programa Viver é Melhor Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Legião da Boa Vontade (LBV) Cidade: Londrina/PR

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDITAL 01/2014

PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDITAL 01/2014 PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDITAL 01/2014 A Coordenação dos Cursos Superiores de Tecnologia da Informação da Faculdade JK, no uso de suas atribuições

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO TÉCNICA EM TESTES DE SOFTWARE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO TÉCNICA EM TESTES DE SOFTWARE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO TÉCNICA EM TESTES DE SOFTWARE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Técnico em Informática na Formação de Instrutores Carga Horária: 1000 horas Estágio Curricular:

Leia mais

CURSO SEMI PRESENCIAL FORMAÇÃO DE EDUCADORES PARA A INCLUSÃO FAMILIAR, EDUCACIONAL E SOCIAL DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIAS

CURSO SEMI PRESENCIAL FORMAÇÃO DE EDUCADORES PARA A INCLUSÃO FAMILIAR, EDUCACIONAL E SOCIAL DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIAS CURSO SEMI PRESENCIAL FORMAÇÃO DE EDUCADORES PARA A INCLUSÃO FAMILIAR, EDUCACIONAL E SOCIAL DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIAS A ADEFAV centro de recursos em deficiência múltipla, surdocegueira e deficiência

Leia mais

Edital EDITAL Nº 001/2011 PROGEPE/CDP/UCAP PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO

Edital EDITAL Nº 001/2011 PROGEPE/CDP/UCAP PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS UNIDADE DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAS Edital EDITAL Nº 001/2011 PROGEPE/CDP/UCAP

Leia mais

Promovendo a Inclusão Digital Por Meio do Projeto VIDA

Promovendo a Inclusão Digital Por Meio do Projeto VIDA Promovendo a Inclusão Digital Por Meio do Projeto VIDA Eliana Cláudia Mayumi Ishikawa 1, Helyane Bronoski Borges 1, Simone Nasser Matos 1, Simone de Almeida 1 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Leia mais

CURSO DE DIREITO CAMPUS LICEU SALESIANO - CAMPINAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE DIREITO CAMPUS LICEU SALESIANO - CAMPINAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO CAMPUS LICEU SALESIANO - CAMPINAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES No Curso de Direito as Atividades Complementares são obrigatórias e obedecem às Diretrizes Nacionais de Curso, Resolução CES/CNE

Leia mais

Considerando a necessidade de acompanhar, orientar e preparar melhor os acadêmicos no

Considerando a necessidade de acompanhar, orientar e preparar melhor os acadêmicos no Of Circular /2011 FAPAC - Faculdade Presidente Antônio Carlos. ITPAC-INSTITUTO TOCANTINENSE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS PORTO LTDA. Rua 02 Qd. 07 - Jardim dos Ypês Porto Nacional TO CEP 77.500-000 Fone:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO - PREX EDITAL Nº 039/2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO - PREX EDITAL Nº 039/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO - PREX EDITAL Nº 039/2013 A Pró-Reitoria de Extensão (PREX), da Universidade Federal do Piauí (UFPI), no uso das atribuições

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGOCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM

Leia mais

EDITAL Nº 013/2013. 1.2 O presente processo é regido pelas normas e procedimentos previstos neste Edital e também pelas normas de direito aplicáveis.

EDITAL Nº 013/2013. 1.2 O presente processo é regido pelas normas e procedimentos previstos neste Edital e também pelas normas de direito aplicáveis. PROCESSO SELETIVO PARA O INGRESSO DE ESTUDANTES NOS CURSOS DE LÍNGUA INGLESA E ESPANHOLA DO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO ESTUDANTIL DO ESTADO DO PIAUÍ 2013. EDITAL Nº 013/2013 A Secretaria de Educação do Estado

Leia mais

Edital de seleção para Agência Experimental do Curso de Publicidade e Propaganda 2 o semestre de 2012

Edital de seleção para Agência Experimental do Curso de Publicidade e Propaganda 2 o semestre de 2012 Edital de seleção para Agência Experimental do Curso de Publicidade e Propaganda 2 o semestre de 2012 Art. 1º O presente edital tem como objetivo selecionar acadêmicos para atuar na Agência Experimental

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Marketing e Vendas

Plano de Trabalho Docente 2012. Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Marketing e Vendas Plano de Trabalho Docente 01 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE

CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE Luciara Wanglon Afonso 1 Daniele Pinto Andres 2 RESUMO Este artigo tem por objetivo apresentar algumas questões

Leia mais

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE CONTROLADOR E PROGRAMADOR DE PRODUÇÃO

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE CONTROLADOR E PROGRAMADOR DE PRODUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JARAGUÁ DO SUL FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE CONTROLADOR E PROGRAMADOR DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM ANÁLISES CLÍNICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM ANÁLISES CLÍNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM ANÁLISES CLÍNICAS PROFESSORES: CYNTHIA BARBOSA FIRMINO MÁRIO PAULO AMANTE PENATTI REGINALDO DOS SANTOS PEDROSO SEBASTIÃO MARCOS

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Técnico

Leia mais

EDITAL Nº 01 13 DE AGOSTO DE 2015

EDITAL Nº 01 13 DE AGOSTO DE 2015 FACULDADE EVANGÉLICA DO PIAUÍ CREDENCIADA PELO MEC-PORTARIA Nº 2.858-13/09/2004 C.N.P.J 03.873.844/0001-35 EDITAL Nº 01 13 DE AGOSTO DE 2015 A Coordenação do Curso de Pedagogia da Faculdade Evangélica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO VALIDAÇÃO DO USO DAS TECNOLOGIAS DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO MEDIADAS POR TABLETS CHAMADA Nº. 001/2013 A Universidade Federal do Maranhão

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo de Gestão do

Leia mais

Considerando a necessidade de acompanhar, orientar e preparar melhor os acadêmicos no

Considerando a necessidade de acompanhar, orientar e preparar melhor os acadêmicos no FAPAC - Faculdade Presidente Antônio Carlos. ITPAC-INSTITUTO TOCANTINENSE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS PORTO LTDA. Rua 02 Qd. 07 - Jardim dos Ypês Porto Nacional TO CEP 77.500-000 Fone: (63) 3363 9600 - CNPJ

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL. 1º Semestre

INCLUSÃO DIGITAL. 1º Semestre INCLUSÃO DIGITAL 1º Semestre Sumário 1. Objetivos...4 2. Cursos oferecidos...4 2.1 Informática Básica...4 2.1.1. Windows...4 2.1.2. Word...4 2.1.3. Excel...4 2.1.4. PowerPoint...4 2.1.5. Internet...4 2.2

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFBA PROGRAMA DE ASSITÊNCIA E APOIO AOS ESTUDANTES EDITAL Nº 001/2015

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFBA PROGRAMA DE ASSITÊNCIA E APOIO AOS ESTUDANTES EDITAL Nº 001/2015 POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFBA PROGRAMA DE ASSITÊNCIA E APOIO AOS ESTUDANTES EDITAL Nº 001/2015 1. ABERTURA O Diretor Geral do IFBA Campus Jacobina, no uso de suas atribuições, faz saber que,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO UFMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO UFMA EDITAL DE SELEÇÃO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL PARA O PROJETO CURSO DE ESTUDOS DE IDIOMAS CEI 2015.1 A PRÓ-REITORIA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO divulga, por meio do presente

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Curso de Arquitetura e Urbanismo ULBRA Torres Coord. Prof. Thaís Menna Barreto Martins Coord. Adjunta Prof. Bianca Breyer

Leia mais

Projeto de transferência de informações Internet Básica nos reassentamentos da Santo Antônio Energia

Projeto de transferência de informações Internet Básica nos reassentamentos da Santo Antônio Energia Projeto de transferência de informações Internet Básica nos reassentamentos da Santo Antônio Energia Porto Velho, agosto de 2013 Resumo O reassentamento rural de Vila Nova de Teotônio conta com apoio social,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 201 Ensino Técnico ETEC DR. FRANCISCO NOGUEIRA DE LIMA Código: 0059 Município: Casa Branca Área Profissional: Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional:

Leia mais

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante)

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Instalador de Refrigeração e Climatização Doméstica

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Instalador de Refrigeração e Climatização Doméstica MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

CURSO DE CAPACITAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS JOÃO CÂMARA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE PESSOAS CURSO DE CAPACITAÇÃO TECNOLOGIA

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO Curso: Bacharelado em Administração de Empresas São Paulo 2014 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Política de Nivelamento... 3 4. Diretrizes do Nivelamento...

Leia mais