21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental"

Transcrição

1 I IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE DE QUALIDADE NA OPERAÇÃO NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS/SC. Tages Dalacorte Engenheiro Sanitarista, formado pela Universidade Federal de Santa Catarina e Administrador de Empresas formado pela Escola Superior de Administração e Gerência. FOTO Carlos Alberto Coutinho NÃO Bacharel em Economia pela Universidade do Vale do Itajaí Izair José Junkes DISPONIVEL Engenheiro Civil formado pela Universidade Federal de Santa Catarina com especialização em Engenharia Sanitária Roberto Biz Engenheiro Civil formado pela Universidade Federal de Santa Catarina Samuel Sandrini Netto Administrador de Empresa formado pela Universidade Federal de Santa Catarina com especialização em Organização, Sistemas e Métodos e mestrando em Engenharia de Produção na Universidade Federal de Santa Catarina. Endereço: Av. Ivo Silveira, Estreito Florianópolis SC RESUMO Agregar qualidade total ao sistema de operação de abastecimento de água é o foco do modelo de gerenciamento da rotina de trabalho do dia a dia através do Controle de Qualidade Operacional da Região Metropolitana de Florianópolis. Trata-se de um novo enfoque voltado para a valorização da operação, com o objetivo de buscar o controle sistemático de todos os processos que envolvem os sistemas de abastecimento de água. A implantação do modelo proposto se fixou em quatro (04 ) etapas distintas, concebidas, planejadas, padronizadas e programadas, quais sejam: - Definição das Diretrizes do Programa, - Priorização do programa (Projeto Piloto na Região Metropolitana de Florianópolis). - Lançamento do Programa, - Implantação do Programa. O novo Modelo de Gerenciamento baseado no controle da qualidade total, está fundamentado, na tecnologia existente, em métodos padronizados da ação, na motivação e comprometimento das pessoas, em busca da satisfação plena de todos, ou seja, a satisfação dos clientes, empregados e acionistas. PALAVRAS CHAVES: Controle da Qualidade Total na operação de sistemas do SAA, Operação do Sistema de Água, Gestão por processo na operação, Planejamento e controle operacional. INTRODUÇÃO O Sistema de Abastecimento de Água da Região Metropolitana de Florianópolis, há muito reclamava da inexistência de um modelo de gerenciamento de seus processos ao nível de chão de fábrica, voltado à qualidade, contribuindo para o incremento da eficiência operacional. Com base na análise da situação atual e um diagnóstico da qualidade da operação do sistema de abastecimento de água identificaram-se diversos problemas, tais como: - Os sistemas não eram vistos como um conjunto de processos; - Os processos com deficiência de recursos principalmente de medida, de método e de motivação das pessoas; - O Processo de Manutenção sobreposto ao Processo Operação; - Os processos sem padronização e codificação; - Os processos sem cadastro adequado; - A operação muito focada a produção e pouco voltada a distribuição; ABES Trabalhos 1

2 - Sistema de abastecimento de água complexo, em linha, requerendo um grau de controle maior, principalmente ao nível de distribuição; - A inexistência de metas operacionais para controle; - A falta de uma central de controle de processos; - O sistema de informação operacionais com foco mais na entrada de dados do que na geração de relatórios gerenciais, para tomada de decisão em tempo real e futuro; - A falta de treinamento sistemático; - O cliente com postura bastante ativa, assumindo posição de controlador do sistema, reclamando antes que o seu fornecedor detecta-se o problema. - Os sistemas vinham sendo operados em base empírica. Buscou-se então um modelo de gerenciamento que permitisse o efetivo controle de todos os processos envolvidos na operação. O modelo adotado recaiu na proposta baseada no TQC e derivou no que chamou-se de PCQO Programa de Controle da Qualidade Operacional, com apoio de uma consultoria em gerenciamento contratada. Pretende-se assim, com o presente trabalho, abordar um novo modelo de gerenciamento da rotina do trabalho do dia-a-dia da operação do sistema de abastecimento de água da Região Metropolitana de Florianópolis, discorrendo sobre a implantação do novo modelo, as etapas desenvolvidas, a metodologia utilizada, a elaboração dos produtos, os recursos necessários, resultados alcançados e os resultados esperados. DEFINIÇÃO DAS DIRETRIZES DO PROGRAMA O presente modelo, com base nas Diretrizes Estratégicas emanadas da Diretoria da CASAN, estabeleceu a seguinte meta até julho de Implantar o modelo de gerenciamento da rotina de trabalho do dia a dia no processo de operação dos sistemas de abastecimento de água da Região Metropolitana da grande Florianópolis, como piloto para posterior implantação nas demais Regionais da CASAN. O Time de Implantação do Programa, definiu, os seguintes objetivos a serem alcançados através da definição posterior de suas metas e indicadores específicos : - Redução das perdas físicas de água. - Redução do índice de reclamações por falta d água. - Redução do índice de reclamações de má qualidade da água. - Manutenção do índice de qualidade da água, conforme Portaria 36 do Ministério da Saúde. - Redução dos custos com energia elétrica. - Redução dos custos dos produtos químicos. PRIORIZAÇÃO DO PROGRAMA (O PROJETO PILOTO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS) Fica claro que a CASAN almeja o seu fortalecimento institucional, através da valorização de um de seus Processos Críticos: O Processo Operação. Mas por onde começar se a CASAN opera dezenas de sistemas em todo o Estado de Santa Catarina? Haverse-ia de formular uma Estratégia de Implantação que levasse em conta os aspectos geográficos, bem como a escolha dos sistemas certos onde o novo modus operandis fosse aceito e a metodologia fosse incorporada na maior brevidade possível. Os sistemas de abastecimento de água da Região Metropolitana de Florianópolis, em função de sua importância no contexto empresarial, foram escolhidos como piloto por reunirem condições fundamentais à implantação, quais sejam: - Ser parte integrante do escopo do contrato de Empréstimo nº BR, celebrado entre CASAN e Banco Mundial BIRD, com vistas ao Desenvolvimento Institucional; - Processo Operação visível função da equipe da RFL já ter conhecido experiências de outras concessionárias, via benchmarking ; - Necessidade de fortalecimento da cultura operacional dos maiores sistemas da CASAN para consecução dos resultados empresarias desejados; - Sistema de abastecimento de água com demanda reprimida, requerendo ações que apoiassem o equilíbrio da relação oferta x demanda; - Boas condições técnicas da equipe operacional facilitando a transformação da Operação dos sistemas em Benchmark Operação ; 2 ABES Trabalhos Técnicos

3 - Facilidade de apoio da estrutura da Matriz. LANÇAMENTO DO PROGRAMA Concebido o Programa em janeiro/2000, com objetivos, metas, etapas e estratégia definida, a Diretoria Executiva da CASAN, no dia 13/04/2000, no Auditório da Federação das Indústrias de Santa Catarina - FIESC, promoveu o Lançamento Oficial do Programa, oportunidade em que conclamou a cerca de empregados (da Matriz, da Região Metropolitana de Florianópolis e das Regionais) para conhecerem as bases do Programa através da democratização das informações inerentes ao mesmo, bem como fez um chamamento estratégico que colocaria a CASAN rumo a uma nova era operacional, orientação esta totalmente fundamentada no Planejamento Estratégico empresarial. No Planejamento do evento de lançamento foram levadas em consideração as seguintes ações, que deveriam redundar na consecução do objetivo de tornar visível aos olhos de toda a corporação o caráter institucional do Programa. - Criação da Logomarca do Programa Estadual, tornando-se seu símbolo visual, cuja logomarca passaria a constar de toda documentação gerada; - Difusão da Logomarca através de Banners e Kits Publicitários; - Palestra da Diretoria da Presidência: - Apresentação da Coordenação do programa, que ficou a cargo da Diretoria de Operação; - Palestra da Diretoria de Operação, conforme consta na oportunidade em que se apresentou a programação dos trabalhos; - Palestra da Hoperações sobre a estratégica do Programa e sobre a importância da introdução de Modelos de Gerenciamento na Rotina do Processo Operação de Sistemas. - Apresentação do Time de Implantação do Programa. IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA A fase de Implantação é da maior importância no Programa PCQO, contando com importantes aliados, quais sejam: - Uma Estratégia de Implantação e - Um Time de Implantação. ESTRATÉGIA DE IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA A figura a seguir demonstra a estratégia de Implantação, partindo-se de um Sistema Piloto, tornando-o Benchmark para na seqüência, difundir toda experiência nele gerado para todas as cidades do Estado, lançando-se mão para tanto, da Estratégia de Benchmarking. REGIONAL A REGIONAL B REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS ( BENCHMARK ) REGIONAL C REGIONAL N Figura 1 Esquema da estratégia de implantação do programa PCQO. ABES Trabalhos 3

4 TIME DE IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA Dado o caráter estadual do Programa, iniciando-se de maneira piloto pela Regional de Florianópolis, a Diretoria da CASAN, constitui um Time de Implantação do PCQO, composto de membros da Regional e da Matriz. O Time de caráter multidisciplinar, atuaria como agente facilitador da implantação, atuando como elo de ligação entre Consultores e Equipe CASAN. Assim, através da Portaria 018/00 nomeou-se um Time de Implantação do Programa, cuja composição assumiu a seguinte configuração: - Coordenador Geral, a nível estadual; - Coordenador do Programa, ao nível de Assessoria de Planejamento; - Secretário Executivo, ao nível de Região Metropolitana de Florianópolis; - Membros, compostos por representantes dos seguintes Processos e pertencentes à seguintes Diretorias: - Representantes da GDO e pertencentes à Diretoria de Operação; - Representantes da GDC e pertencentes à Diretoria de Operação; - Representantes da Operação do SAA (DIEN e DITCQR) e pertencentes à - Regional de Florianópolis. - Representantes da Operação do SES (DIOES) e pertencentes à Regional de Florianópolis. - Representantes do Planejamento e pertencentes à Diretoria da Presidência; - Representantes de Recursos Humanos e pertencentes à Diretoria Administrativa. Todas as Fases e Etapas do Programa e de seu Projeto Piloto foram detalhadas e programadas pelo Time, que contou com o apoio da consultoria em gerenciamento contratada. Entre outras, o Time de Implantação têm as seguintes atribuições: - Planejar e programar as várias Fases e Etapas; - Desenvolver projetos e Planos de Ação inerentes ao escopo do Programa; - Aprovar as propostas da consultoria em gerenciamento contratada; - Implantar o Gerenciamento da Rotina do Trabalho do dia a dia GRTD no Projeto Piloto; - Difundir o GRTD para as demais Regionais do Estado; - Validar todos os produtos desenvolvidas; - Difundir o estágio do programa e do projeto Piloto à coordenação do Programa; - Apoiar a edição do registro (Jornal de Circulação Mensal da CASAN) sobre a situação do programa e sobre os resultados alcançados e a alcançar; - Editar o Relatório das Três Gerações confrontando resultados previstos x realizados e ações corretivas necessárias; - Coordenar todas as ações de capacitação técnica, gerencial e comportamental; - Solicitar a alocação de recursos financeiros para suporte às ações do Projeto Piloto; - Documentar totalmente o Programa, com o intuito de transforma-lo em Benchmark ; - Promover um Workshop de encerramento do Projeto Piloto, oportunidade em que será difundida toda a experiência adquirida, bem como se estabelecerá a Estratégia de Implantação do programa nas demais Regionais do estado, via Benchmarking do Projeto Piloto. Inicialmente o programa previa apenas a implantação do PCQO para água. Posteriormente o Time de Implantação juntamente com a Consultoria decidiram incluir também um PCQO para esgotos, simultaneamente com o de água. Tempos depois, com o intuito de facilitar a Operacionalização do Programa, o Time dividiu-se em Time de Água e Time de Esgotos, agrupando-se os Profissionais conforme sua área afim. O SISTEMA PILOTO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS A CASAN na Região Metropolitana de Florianópolis opera 5(cinco) Municípios, quais sejam; - Florianópolis; - São José; - Palhoça; - Santo Amaro da Imperatriz ; - Biguaçú. 4 ABES Trabalhos Técnicos

5 O SAA da Região Metropolitana Operacionalmente está subdivido em 3(três) sub-sistemas; Sistema Integrado Florianópolis - SIF, compreendendo as regiões a seguir: - Florianópolis (parte); - São José ; - Santo Amaro da Imperatriz; - Biguaçú; O Sistema Costa Norte- SCN, parte do Sistema Florianópolis, compreendendo as regiões a seguir; - Ingleses; - Canasvieiras; - Jurerê; - Cachoeira do Bom Jesus; - Ponta das Canas; - Daniela; - Ratones; - Rio Vermelho. O Sistema Costa Leste-SCL, também parte do Sistema Florianópolis, compreendendo as regiões a seguir: - Barra da Lagoa; - Lagoa da Conceição; - Rio Tavares; - Campeche; - Armação; - Pântano do Sul - Ribeirão da Ilha. Tabela 1: Dados Operacionais SISTEMAS POPULAÇÃO (hab.) PRODUÇÃO (m3/mês) NÚMERO DE ECONOMIAS SIF SCN SCL TOTAL PRODUTOS RESULTANTES DA IMPLANTAÇÃO DO PCQO PROGRAMA DE CONTROLE DA QUALIDADE OPERACIONAL. Definição da Função Operação (Unidade Gerencial Básica - UGB) Definição da Matriz Negócio Operação Macrofluxograma do produto prioritário Fluxogramas dos Processos do Macrofluxograma Definição das tarefas Prioritárias Definição dos Itens de Controle PLAN (POPs - Métodos Definição da Matriz de Capacitação OJT - Treinamento (On the job training) Figura 2 Fluxuograma de Implantação do modelo GRTD de Operação de Sistemas ABES Trabalhos 5

6 O modelo proposto para implantação teve como metodologia o gerenciamento da rotina do trabalho do dia-adia, o que significa o controle de cada parte dos processos envolvidos, buscando a eficiência e a eficácia do todo. A operação científica dos processos que se quer ter sob domínio depende da operacionalização do ciclo PDCA (Plan, Do, Check e Action) e do SDCA (Standard, Do, Check e Action). A essência do modelo de gerenciamento da rotina baseia-se nas pessoas que efetivamente operam o sistema de abastecimento de água, responsáveis pela garantia da qualidade do produto, por serem os produtores, e que passaram a ter sua rotina apoiada nos seguintes instrumentos: ELABORAÇÃO DA MATRIZ DA OPERAÇÃO Identificou-se a função Operação no organograma da CASAN, evidenciando-se a Unidade Gerencial Básica - UGB da Operação, como Processo Crítico, onde passa a ser alvo de ações direcionadas visando seu fortalecimento. Similarmente a uma empresa, a UGB Operação tem seu negócio que, do ponto de vista da gestão pela qualidade, se apresenta atualmente da seguinte forma, representada por uma Matriz que contém: Fornecedores, Insumos, Negócio, Produtos e Clientes. Elaborada a Matriz do Negócio Operação, passou-se a pensar estrategicamente o Processo Operação, definindo-se sua Visão e Missão. ELABORAÇÃO DO MACROFLUXOGRAMA DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE FLORIANÓPOLIS. Foram desenvolvidos 3 (três) Macrofluxogramas referente aos sub sistemas da Região Metropolitana de Florianópolis: Sistema Integrado Florianópolis, Sistema Costa Norte e o Sistema Costa Leste. Esses Macrofluxogramas possibilitam uma visão integrada e sistêmica do Sistema de Abastecimento de Água que se quer ter sob domínio. Estão representados os produtos de cada processo que se referem a vários estágios da água distribuída, que passam por todos os processos do Sistema de Abastecimento de Água (captação, bombeamento, tratamento, reservação e distribuição). ELABORAÇÃO DOS FLUXOGRAMAS DA ROTINA DE OPERAÇÃO DOS SUB SISTEMAS. Foi elaborado um fluxograma para cada um dos processos (captação, bombeamento, tratamento, reservação e distribuição), existente nos sub sistemas, estabelecidos de forma participativa com envolvimento das pessoas que ali trabalham. Os Fluxogramas são instrumentos necessários para a padronização e por conseguinte para o entendimento da rotina da operação do processo, pois representa seu funcionamento passo a passo, o inter-relacionamento entre as equipes, a seqüência lógica do desenvolvimento das tarefas prioritárias, e mostra claramente as responsabilidades e autoridades da pessoas envolvidas (Operadores, Supervisores, Monitores e Gerente). Estabeleceu-se critérios para a definição das TAREFAS PRIORITÁRIAS, onde se desenvolverá na seqüência os Procedimentos Operacionais Padrão POP s ELABORAÇÃO DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRÃO POP S. Com base no Fluxograma de cada processo, foram identificadas aquelas atividades mais relevantes, problemáticas ou que preocupou no passado e tem preocupado no presente, que afetam fortemente a qualidade do produto, em caso de erros, causando problemas para os clientes internos ou externos. Definiu-se desta forma as TAREFAS PRIORITÁRIAS. Para cada uma das TAREFAS PRIORITÁRIAS foram criados Procedimentos Operacionais Padrão, específicos para cada processo (captação, bombeamento, tratamento, reservação, distribuição). O desenvolvimento também foi fruto de um trabalho altamente participativo, onde discutiu-se as discrepância com seus operadores para que todos conduzissem o seus trabalhos da mesma maneira. Basicamente o formato padrão dos POP s, contém nome da tarefa, responsável pela tarefa, material/equipamento necessário para realização da tarefa, relação das atividades críticas, os resultados esperados para o produto gerado pelo processo, ações corretivas necessárias em caso de problemas, assinaturas dos operadores, controlador e gerente dos processos. O manual de procedimento operacional padrão foi elaborado segundo os conceitos do 5W1H, e serve à atividades de treinamento de todos os membros da equipe. 6 ABES Trabalhos Técnicos

7 IMPLANTAÇÃO DAS NORMAS DE CODIFICAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DOS PROCESSOS. Todos os processos e seus componentes envolvidos na Operação dos Sistemas de Abastecimento de Água foram identificados e codificados criando-se identidade própria, forma padronizada e seguida por todos. Para os processos foram definidos códigos alfanuméricos, compostos por 12 (doze) dígitos, que identificam o código do sistema, código da localização, o código do processo, e sua seqüência numérica: Ex: SIF 014 RAP OO2 SIF = Sistema Integrado Florianópolis 014 = São José RAP =Reservatório Apoiado 002 = Número (dois) Para os componentes dos processos foram definidos códigos alfanuméricos, compostos por 06 (seis) dígitos, que identificam o código do componente e a seqüência numérica. Ex: FLO 001 FLO = Floculador 001 = Número (um) de uma determinada ETA Todos os processos, além da Identificação/codificação no cadastro de escritório, estão in loco com seus respectivos componentes, através de placas de sinalização e instaladas em locais visíveis nos processos. IMPLANTAÇÃO DA CENTRAL DE CONTROLE DE PROCESSOS CCP A CCP é composta em sua estrutura física de uma sala, com micros, impressoras, equipamentos de rádio comunicação e Software de Gerenciamento. Em cada turno de trabalho a CCP é comandada por um Supervisor, que tem a responsabilidade de comandar todos os processos, visando o cumprimento das metas padrão. A CCP é única, centralizada e controla os 3 (três) subsistemas de Água da Região Metropolitana de Florianópolis. A CPP, a luz da teoria do enfoque sistêmico, na forma sistematizada de entrada de dados de cada Processo, que se tem domínio, passa por análises e processamentos, que os transformam em informações, na forma de indicadores e metas, estas últimas em resultados, isso tudo se prestando para a tomada de decisões em tempo presente e tempo futuro, a carga de operadores, supervisores e gerentes. ELABORAÇÃO DOS BOLETINS DE COLETAS DE DADOS BCD S Os dados de entrada dos sistemas, são fornecidos através de formulários próprios chamados de Boletins de Coleta de dados BCD s. Esses BCD s são agrupados por processos, assim temos BCD s para captação, bombeamento, tratamento, reservação e distribuição. Os dados do BCD s são preenchidos pelos operadores volantes conforme rotas pré estabelecidas e operadores fixos que estão permanentemente nos locais. A dinâmica de preenchimento dos BCD s permite aos operadores detectar anormalidades em tempo presente, comparando os dados registrados com as metas padrão. IMPLANTAÇÃO DOS PONTOS DE CONTROLE DE QUALIDADE PCQ S _ Os PCQ s se constituem em ligações à rede de distribuição, padronizada conforme o Padrão CASAN, por onde operadores volantes (Operadores que trabalham em veículos leves, provedor de rádios VHF, boletins de coleta de dados-bcd s e Procedimentos Operacionais Padrão POP s) coletam e comparam com as metas padrão os dados. (pressão na rede de distribuição, cor, turbidez,cloro residual e flúor) e observam fatos. Com isso se implantou uma rotina diária através desses operadores que se imbuem de exercer o Controle Operacional da rede, através do acompanhamento de fato e dados de 75 (setenta e cinco)pcq s instalados no sistema. ABES Trabalhos 7

8 IMPLANTAÇÃO DO GN SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DA OPERAÇÃO. Software adquirido da Consultoria Hoperações, especialmente desenvolvidas para o Controle Estatístico da Operação de Sistemas de abastecimento de Água, que permite o estreito controle de todos os processos envolvidos. Em seu conteúdo principal, permite: Cadastro de Localidades, Cadastro de Processos, Cadastro de BCD s, Pastas de BCD s, Pastas de Metas, Pastas de Gráfico, Pastas Cliente/Fornecedor, Pasta de ISHIKAWA. Este Software nos permite a emissão de relatórios Gerenciais de Controle e acompanhamento das metas fixadas, facilitando a tomada de decisões e intervenções nas situações de não conformidade. ELABORAÇÃO DE PADRÕES DE INSPEÇÃO DE ROTINA PIR S Os padrões de Inspeção de Rotina PIR s, são procedimentos que os operadores executam diariamente em todos os processos observando as condições de Instalação, funcionamento e utilização em todos seus aspectos, tais como; equipamentos de medidas, máquinas, mão de obra, método, meio ambiente e matéria prima. As anormalidades encontradas são registradas e informadas à Central de Controle de Processos CCP. ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA- RECURSOS HUMANOS- MATRIZ DE CAPACITAÇÃO Criação de uma nova Organização Administrativa onde quantifica os recursos humanos, tanto do ponto de vista quantitativo (jornada de trabalho, turnos de revezamento, números de operadores fixos e móveis, números de supervisores), bem como do ponto de vista qualitativo (perfil dos operadores, supervisores e gerente, escolaridade, necessidade de aprendizagem técnica, OJT-treinamento). POLÍTICAS DE AUTOMAÇÃO E TELEMETRIA Estamos na fase de informações e conhecimento, realizando visitas a outros sistemas implantados, que possibilite uma melhor definição da política a ser adotada, considerando as reais necessidades da Empresa, a agregação de valores na operação e sua relação custo/benífício. Atualmente foram implantados automações, de caráter local, em bombeamentos de água bruta e tratada. DEFINIÇÃO DE SISTEMA DE MACROMEDIÇÃO E MEDIÇÃO Foram definidos como política de macromedição as seguintes fases: Classificação dos Sistemas com base na população (no caso presente classe 3). Projeto de Macromedição levantamento de campo para definição das características dos medidores, local de instalação, o que medir, como e quando medir. Especificação e detalhamento dos medidores. Aquisição e instalação de medidores. NECESSIDADES DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS Transportes Locação de 7 (sete) veículos tipo passeio, por um período de 24 meses, para serem utilizados pelos operadores volantes, sendo 5 (cinco) veículos para o Sistema Integrado de Florianópolis SIF, 1 (um) para o Sistema Costa Norte SCN, e 1 (um) para o Sistema Costa Leste SCL. Monitoramento - Refere-se a aquisição de aparelhos (kits para determinação de cloro, fluor, cor e turbidez), materiais e reagentes, para controle e qualidade da água, pelos operadores, no Sistema de abastecimento de água, da Região Metropolitana de Florianópolis. 8 ABES Trabalhos Técnicos

9 Informática Refere-se a aquisição de 2 (dois) microcomputadores e 2 (duas) impressoras, a serem utilizadas na Central de Controle de Processos CCP, para telesupervisão e gerenciamento da rotina da operação. Materias, Equipamentos e Serviços Refere-se a obras de melhoria nas captações e reservação de água, e material de publicidade e propaganda para divulgação do PCQO Programa de Controle da Qualidade Operacional. Ferramental Refere-se a aquisição de ferramentas a serem utilizadas pelos operadores volantes no Sistema de abastecimento de água. Identificação/Codificação das Instalações Refere-se a confecção de placas de sinalização, a serem instaladas em todos os processos do Sistema de abastecimento de água. Equipamentos de Controle Refere-se a aquisição de equipamentos de controle e medição, a serem utilizados na operação dos seguintes processos: Capatação macromedidores, medidor de nível, kit para hidrômetro, filtro e acessórios. Bombeamento voltímetros, horímetros, amperímetros, manômetros, vacuômetros, macromedidores. Tratamento macromedidores e conversores. Distribuição instalação de 87(oitenta e sete) PCQ s, manômetros e acessórios. Telecomunicações Refere-se a instalação de equipamentos de telesupervisão dos bombeamentos e reservatórios dos Sistema de abastecimento de água. Rádio-comunicação Refere-se a aquisição de 1 (um) rádio fixo UHF e 7 (sete) rádios portáteis VHF, a serem utilizados pelos supervisores e operadores volantes, no controle diário da operação dos Sistemas de abastecimento de água. Móveis e utensílios Refere-se a aquisição de móveis (cadeiras, mesas, armários) e utensílios (ar condicionado, televisão, retro-projetor, vídeo-cassete, quadro), para a instalação na Central de Controle de Processos e Sala de Treinamento. RESULTADOS ALCANÇADOS NA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOIS - Consolidou-se na operação a filosofia de TQC Qualidade Total criando-se um clima que enseja as mudanças em direção a Gestão por Processos. - Através do macrofluxograma definiu-se que cada processo de cada sistema é uma unidade de controle. - Todos os processos e seus componentes estão identificados e codificados no cadastro e parcialmente in loco. - O controle da qualidade passa a ser feito através de Metas Padrão, por Processo. - Todas as rotinas de operação dos processos estão padronizadas através de fluxogramas de tarefas, procedimentos operacionais Padrão-POP s. - A Central de Controle de Processos- CCP centraliza todas as informações e comandos relativos aos processos conseguindo qualidade e quantidade. - Informações sistematizadas no banco de dados do software de gerenciamento GN Operação de Sistemas, em apoio ao controle da qualidade dos produtos em tempo real e futuro. - Todos os medidores tem funções que, obrigatoriamente passa pelo processo decisório. - Foram implantados 75 (setenta e cinco) PCQ s, em pontos estratégicos da distribuição, onde se exerça o controle de pressão e de parâmetros físicos-químicos. - A operação e manutenção tem concepções próprias, porém integradas no processo. - Todos os operadores trabalham em função de Metas e Padrões documentados. - Prioridade nas pessoas, através de investimento na formação e capacitação. - Cumprimento efetivo e permanente, através de rotina padronizadas, da legislação no que tange a padrões de potabilidade. - A operação passa a ter reação próativas ao invés de reação reativas. - Redução das incidências de ações corretivas. - Identificação sistemática e pronta da necessidade de manutenção, conservação, instalação, substituição e melhoria dos componentes de todos os processos realizado pelos operadores volantes através do Padrão de Inspeção de Rotina (PIR). - Identificação de necessidades de otimização de rede, haja vista o descumprimento dos limites de pressão admissíveis por Norma Brasileira (ABNT) ou por limite de resistência de materiais das tabulações. - Identificação de vazamentos através da observação de repentinas quedas de pressão. - Sistematização de Feed Backes da Central de Controle de Processo CCP aos operadores de tratamento sobre a necessidade de aumentar ou reduzir a plicação de cloro, cal ou fluor. - Eliminação da incidência de extravazamentos de reservatórios de distribuição. ABES Trabalhos 9

10 RESULTADOS ESPERADOS NA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS - Redução das perdas de água no Sistema de Abastecimento, em todos processos. - Redução de custos, exercendo rigoroso planejamento e controle dos processos. - Alcançar a qualidades do produto final exercendo seu controle por operadores e supervisores capacitados e motivados. - Redução do índice de reclamações, por falta d água. - Redução do índice de reclamações da má qualidade da água. - Transformar as pessoas envolvidas com o programa em colaboradores motivados, comprometidos e com moral elevada. - Ofertar um produto seguro a quem consome, a quem produz e ao meio ambiente. CONCLUSÃO A implantação do Programa de Controle da Qualidade na Operação do Sistema de Abastecimento de Água da Região Metropolitana de Florianópolis vem se mostrando adequada, pois ao colocar o processo operação numa posição de destaque, possibilita a necessária valorização do fim em detrimento do meio. Ao privilegiar seu fim a CASAN viabiliza o crescimento sustentado, visto que todas suas Fabricas passam a operar em base científica, tornando-se a melhor naquilo que é o sustentáculo de sua existência. Vale salientar que a tônica da implantação do programa é gerar metodologia, lembrando que gerenciar é preciso para se instaurar o estado de controle o qual irá, oportunamente, justificar todas as demandas de investimento em tecnologia; adiam-se assim os investimentos, invertendo-se o círculo vicioso que sempre prevaleceu, colocando a máquina sempre em detrimento do método e das pessoas. Conclui-se ainda que as mudanças implementadas não visam apenas o produto, que é condição básica, mas sim as pessoas envolvidas no processo com motivação e comprometimento, condição SINE QUA NON para melhoria da competitividade empresarial e a sobrevivência da CASAN como Empresa. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. BAGGIO, M. A. Sistemas de informações operacionais. Londrina: SANEPAR, p. 2. BAGGIO, M. A. Termo de referência para implantação de modelo de gerenciamento da rotina do trabalho do dia a dia do processo operação de sistemas. Curitiba, p 3. BAGGIO, M. A. Termo de referência para implantação de modelo de gerenciamento da rotina do trabalho do dia a dia do processo comercialização de serviços. Curitiba, p 4. CAMPOS, V. F. Controle da qualidade total. Belo Horizonte, p. 5. CAMPOS, V. F. Gerenciamento da rotina. Belo Horizonte, p. 6. CAMPOS, V. F. Controle da qualidade total. Belo Horizonte, p. 7. COMPANHIA CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO CASAN. Projeto do modelo de gerenciamento da rotina do dia a dia do processo operação dos sistemas da grande Florianópolis. 2 ed. Florianópolis p. 10 ABES Trabalhos Técnicos

REDUÇÃO DE PERDAS ATRAVÉS DE MODELO DE GERENCIAMENTO DA OPERAÇÃO: CASE PARANAÍBA - MS

REDUÇÃO DE PERDAS ATRAVÉS DE MODELO DE GERENCIAMENTO DA OPERAÇÃO: CASE PARANAÍBA - MS REDUÇÃO DE PERDAS ATRAVÉS DE MODELO DE GERENCIAMENTO DA OPERAÇÃO: CASE PARANAÍBA - MS Paulo César Barbosa Pereira e Sara de Souza Nogueira Maciel Mário Augusto Bággio Rua Euclides da Cunha, 975 SANESUL

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO USO DE SOFTWARE DE GERENCIAMENTO NA PRÉ- OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NO LITORAL DO PARANÁ

A IMPORTÂNCIA DO USO DE SOFTWARE DE GERENCIAMENTO NA PRÉ- OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NO LITORAL DO PARANÁ 1 A IMPORTÂNCIA DO USO DE SOFTWARE DE GERENCIAMENTO NA PRÉ- OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NO LITORAL DO PARANÁ Tema I: Abastecimento de água Arthur Pereira de Gouveia e Silva Consultor

Leia mais

UM NOVO JEITO DE CONTROLAR A OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTOS SANITÁRIOS

UM NOVO JEITO DE CONTROLAR A OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 UM NOVO JEITO DE CONTROLAR A OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTOS SANITÁRIOS Mário Augusto Bággio Rua Fioravante Dalla Stella, 66 sala 223/18. Tel. /Fax (0**41) 264 1154 E-mail:

Leia mais

II-058 - GERENCIANDO A OPERAÇÃO DE SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: CASE REGIÃO METROPOLITANA DE VITÓRIA - ES

II-058 - GERENCIANDO A OPERAÇÃO DE SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: CASE REGIÃO METROPOLITANA DE VITÓRIA - ES II-058 - GERENCIANDO A OPERAÇÃO DE SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: CASE REGIÃO METROPOLITANA DE VITÓRIA - ES José Carlos Dalbem Gerente de Suporte Operacional da Diretoria de Produção da Cesan - Companhia

Leia mais

NOVO JEITO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTOS DO SEMAE DE SÃO JOSE DO RIO PRETO/SP

NOVO JEITO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTOS DO SEMAE DE SÃO JOSE DO RIO PRETO/SP 1 NOVO JEITO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTOS DO SEMAE DE SÃO JOSE DO RIO PRETO/SP TEMA V Mário Augusto Bággio Rua Fioravante Dalla Stella, 66 conjunto 223/18. Tel. /Fax (0**41) 3264 1154 E-mail:

Leia mais

Waldemar Ferreira da Silva Filho, MsC (1) Administrador de Empresas na Assessoria de Planejamento da CASAN - Companhia

Waldemar Ferreira da Silva Filho, MsC (1) Administrador de Empresas na Assessoria de Planejamento da CASAN - Companhia V-010 - MODELO DE GERENCIAMENTO DA ROTINA DO TRABALHO DO DIA-A-DIA APLICADO À OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTOS SANITÁRIOS: PROJETO PILOTO DO SISTEMA INTEGRADO DA GRANDE FLORIANÓPOLIS/SC

Leia mais

TOTAL QUALITY CONTROLE MAIS ISO 9001:2000: A APLICAÇÃO DE SEUS FUNDAMENTOS NO DMAE DE UBERLÂNDIA

TOTAL QUALITY CONTROLE MAIS ISO 9001:2000: A APLICAÇÃO DE SEUS FUNDAMENTOS NO DMAE DE UBERLÂNDIA 1 TOTAL QUALITY CONTROLE MAIS ISO 9001:2000: A APLICAÇÃO DE SEUS FUNDAMENTOS NO DMAE DE UBERLÂNDIA TEMA V Mário Augusto Bággio Rua Fioravante Dalla Stella, 66 conjunto 223/18. Tel. /Fax (0**41) 3264 1154

Leia mais

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental II-045 - REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA: PORQUÊ NÃO A OPERAMOS? Cláudio Buzeti (1) Graduado em estudos Sociais pela Universidade Estadual de Londrina - UEL, Diretor do Serviço Autônomo Municipal de Água

Leia mais

Tema I: Abastecimento de Água

Tema I: Abastecimento de Água 1 CONTROLAR PARA NÃO PERDER ÁGUA: O USO DO CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS NO INCREMENTO DA QUALIDADE DA OPERAÇÃO DE SISTEMAS E COMERCIALIZAÇÃO DE SERVIÇOS Tema I: Abastecimento de Água Arthur Pereira

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento PNQS 2010 IGS SETEMBRO/2010 ORGANOGRAMA DA ORGANIZAÇÃO CANDIDATA Vice-presidência de GO Superintendência T Gerência Prod. e Desenvolvimento

Leia mais

3. Documentos de referência Manual de Eventos Item 3

3. Documentos de referência Manual de Eventos Item 3 Sumário 1. Objetivo 2. Envolvidos 3. Documentos de referência 4. Definições e codificações 5. Ciclo do processo 6. Fluxograma 7. Lista das Atividades e das responsabilidades 8. Arquivos 9. Anexos 1. Objetivo

Leia mais

CCP_INFO - SISTEMA DE CONTROLE DE PROCESSOS INFORMATIZADO

CCP_INFO - SISTEMA DE CONTROLE DE PROCESSOS INFORMATIZADO CCP_INFO - SISTEMA DE CONTROLE DE PROCESSOS INFORMATIZADO Gilson Gibaile (1) Técnico Contábil, Instrutor de Informática Sérgio Antônio Pacheco Educação Física, Pós Graduação em Administração de Sistemas

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados.

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados. 1 Sistemas de Gestão Integrados Gestão da Qualidade Pós graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial Ribeirão Preto E-mail: crpaiva@faap.br CONTEÚDO Introdução Sistemas de Gestão da Qualidade Ações Gerenciais

Leia mais

Programa Gestão do Conhecimento

Programa Gestão do Conhecimento Companhia de Águas e Esgotos CAERN Gerência de Desenvolvimento Humano - GDH Programa Gestão do Conhecimento (Relatório) Resultados da Pesquisa e para Implementação do Programa Sumário 1.. 2. sobre Gestão

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS Impresso em 26/08/2015 10:31:18 (Sem título Aprovado ' Elaborado por Daniel Trindade/BRA/VERITAS em 01/11/2013 Verificado por Cintia Kikuchi em 04/11/2013 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES Natália de Freitas Colesanti Perlette (1) Engenheira Ambiental formada na Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico

Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico Pedro Freitas pedrof86@terra.com.br Henrique Freitas hf@ea.ufrgs.br Raquel Janissek-Muniz rjmuniz@ea.ufrgs.br

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

Lançado em Junho 2013. Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP)

Lançado em Junho 2013. Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP) Lançado em Junho 2013 Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP) A Falha não é uma Opção Quem não conhece a história corre o risco de repetí-la JWB Engenharia e Consultoria S/C Ltda JWB Engenharia Empresa nacional

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE

PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE SUMÁRIO EXECUTIVO ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA LIANE DILDA GERENTE DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO HISTÓRICO Privatização - 28.07.1999 (DEI-EUA) EUA) Geração e Comercialização de

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Sistema RH1000. Gestão de Pessoas por Competências. Foco em Resultados. Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987. Atualizado em 01Set2015 1

Sistema RH1000. Gestão de Pessoas por Competências. Foco em Resultados. Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987. Atualizado em 01Set2015 1 Sistema RH1000 Gestão de Pessoas por Competências Foco em Resultados Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial desde 1987 Atualizado em 01Set2015 1 Implantação do RH de Resultados (RHR ) Solução Completa Metodologia

Leia mais

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa Índice 3 Resultados da pesquisa 17 Conclusão 19 Questionário utilizado na pesquisa Esta pesquisa é uma das ações previstas no Plano de Sustentabilidade para a Competitividade da Indústria Catarinense,

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Experiência: SISTEMA DE GESTÃO FINANCEIRA E DE CONVÊNIOS GESCON

Experiência: SISTEMA DE GESTÃO FINANCEIRA E DE CONVÊNIOS GESCON Experiência: SISTEMA DE GESTÃO FINANCEIRA E DE CONVÊNIOS GESCON Fundo Nacional de Saúde Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires dos Reis - Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO DO PROCESSO OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DA CONCESSIONÁRIA ÁGUAS DE NITERÓI COMO PARTE DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA OPERAÇÃO PDO

REESTRUTURAÇÃO DO PROCESSO OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DA CONCESSIONÁRIA ÁGUAS DE NITERÓI COMO PARTE DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA OPERAÇÃO PDO REESTRUTURAÇÃO DO PROCESSO OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DA CONCESSIONÁRIA ÁGUAS DE NITERÓI COMO PARTE DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA OPERAÇÃO PDO Rodrigo Ripper Nogueira (1) Engenheiro Mecânico formado

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

LeanFoxSoluções em Gestão e Processos Industriais Ltda. 25 de junho Mogi das Cruzes

LeanFoxSoluções em Gestão e Processos Industriais Ltda. 25 de junho Mogi das Cruzes 25 de junho Mogi das Cruzes - Gestão Fabril: - Implantação de Melhorias e Sistemas de Gestão; - Estruturação e Desenvolvimento de Equipes; - Mentoring de Gestores para a Produtividade e Qualidade. - Otimização

Leia mais

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO Requisitos: graduação em qualquer curso da área de Tecnologia da Informação - Elaborar

Leia mais

PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO DA ÁREA ADMINISTRATIVA DO INSTITUTO EMATER - REGIÃO DE CORNÉLIO PROCÓPIO

PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO DA ÁREA ADMINISTRATIVA DO INSTITUTO EMATER - REGIÃO DE CORNÉLIO PROCÓPIO CONCURSO: PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL EXTENSIONISTA GESTÃO PARA RESULTADOS. RECONHECIMENTO CATEGORIA: INOVAÇÃO EM PROCESSOS ADMINISTRATIVOS AUTOR: VALDIMIR DE JESUS PASSOS CO-AUTOR PRINCIPAL: WANDER ADRIANO

Leia mais

Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência.

Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência. PNQS 2010 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência.

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

PROGRAMA FORTALECER Edital de Projetos REGULAMENTO

PROGRAMA FORTALECER Edital de Projetos REGULAMENTO PROGRAMA FORTALECER Edital de Projetos REGULAMENTO Sumário 1. O EDITAL... 2 1.1. Natureza e objetivos... 2 1.2. Princípios orientadores... 2 1.3. Foco temático do edital... 2 2. QUEM PODE PARTICIPAR...

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada com os participantes do de APRESENTAÇÃO O perfil do profissional de projetos Pesquisa realizada durante o 16 Seminário Nacional de, ocorrido em Belo Horizonte em Junho de, apresenta

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

EM BUSCA DA EXCELÊNCIA NO ATENDIMENTO AO PÚBLICO

EM BUSCA DA EXCELÊNCIA NO ATENDIMENTO AO PÚBLICO EM BUSCA DA EXCELÊNCIA NO ATENDIMENTO AO PÚBLICO Antônio Augusto Pereira Olinto é Coordenador de Administração e Finanças do Serviço Municipal de Água e Esgotos de São Leopoldo, técnico em Contabilidade.

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático Sistemas de Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT 1 Conteúdo Programático Introdução aos sistemas de garantia da qualidade. Normas de qualidade e certificação. Sistemas ISO 9000, ISO 14000, QS

Leia mais

Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos

Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos GLOSSÁRIO Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos nele apresentados, embora aplicáveis em outros contextos. Análise atividade que envolve a determinação

Leia mais

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes 1 PNQS 2012 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Conselho de Clientes Setembro 2012 ORGANOGRAMA 2 PRESIDÊNCIA ASSESSORIAS 1 2 3 4 5 ORGANIZAÇAO

Leia mais

Soluções em Gestão de Qualidade, Produtividade e Certificações ABNT NRB ISO 9001 - INMETRO - ANVISA

Soluções em Gestão de Qualidade, Produtividade e Certificações ABNT NRB ISO 9001 - INMETRO - ANVISA Soluções em Gestão de Qualidade, Produtividade e Certificações ABNT NRB ISO 9001 - INMETRO - ANVISA Apresentação Empresa Nosso Negócio Desenvolver, Implementar e manter Soluções para a melhoria da Qualidade

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES

I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES Abal Simões de Magalhães (1) Engenheiro Civil pela (UFBa/BA - 1982). Superintendente da Embasa na Região Metropolitana de

Leia mais

Vicente Falconi Campos. TQC Controle da Qualidade Total (no estilo japonês)

Vicente Falconi Campos. TQC Controle da Qualidade Total (no estilo japonês) Vicente Falconi Campos TQC Controle da Qualidade Total (no estilo japonês) 1. Sobrevivência e Produtividade.................................................... 01 1.1. Conceito de qualidade.......................................................

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede GESTÃO Educacional A P R E S E N T A Ç Ã O www.semeareducacional.com.br Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede A EXPANSÃO TECNOLOGIA Nossa MISSÃO: Transformação de Dados em Informação Transformação

Leia mais

Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos

Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos www.tecnologiadeprojetos.com.br Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos Eduardo F. Barbosa Dácio G. Moura Material didático utilizado na disciplina Desenvolvimento de

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Uma nova cultura em processos e projetos

Uma nova cultura em processos e projetos Uma nova cultura em processos e projetos 10 KPMG Business Magazine Mercado caminha para a maturidade, com uma maior percepção dos benefícios da gestão por processos para atender aos objetivos estratégicos

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão e Gerenciamento de Processos

Sistemas Integrados de Gestão e Gerenciamento de Processos Sistemas Integrados de Gestão e Gerenciamento de Processos Augusto Mainieri Irene Szyszka 14/09/2004 Lucem Sistemas Integrados de Gestão - Direitos Reservados 1 Sistemas Integrados de Gestão Irene Szyszka

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor 2 Apresentando as etapas da Metodologia Tear de forma simplificada, esta versão resumida foi preparada para permitir um acesso rápido

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL ESPECIALIZADO

TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL ESPECIALIZADO TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL ESPECIALIZADO 1. IDENTIFICAÇÃO DO TERMO DE REFERÊNCIA 1.1 UGP Nº 002/ 2012. 2. IDENTIFICAÇÃO DO CONTRATANTE 2.1 Contratante A Secretaria de Desenvolvimento

Leia mais

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE INDAIATUBA - IESI INDAIATUBA/SP 2 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES...

Leia mais

Modelo de Gestão por Processos da Anatel

Modelo de Gestão por Processos da Anatel Modelo de Gestão por Processos da Anatel 1º Evento de Intercâmbio em Planejamento & Gestão das Agências Reguladoras 03 de abril de 2009 Superintendência de Administração-Geral - SAD Gerência-Geral de Talentos

Leia mais

Modelo de Parceria. GSAN Sistema Integrado de Gestão de Serviços de Saneamento

Modelo de Parceria. GSAN Sistema Integrado de Gestão de Serviços de Saneamento Modelo de Parceria GSAN Sistema Integrado de Gestão de Serviços de Saneamento Modelo Proposto Fábrica Código Fonte (correção / Evolução) Documentação, casos de uso e testes Treinamento / Capacitação ao

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Caesb conquista uma série de benefícios com projeto de Integração de Soluções

Caesb conquista uma série de benefícios com projeto de Integração de Soluções Caesb conquista uma série de benefícios com projeto de Integração de Soluções Perfil A Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal - Caesb é uma sociedade de economia mista, regida pela Lei das

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Nani de Castro. Sumário. Resumo de Qualificações... 2. Atuação no Mercado... 3. Formação Profissional... 5. Contatos... 6.

Nani de Castro. Sumário. Resumo de Qualificações... 2. Atuação no Mercado... 3. Formação Profissional... 5. Contatos... 6. Sumário Resumo de Qualificações... 2 Atuação no Mercado... 3 Formação Profissional... 5 Contatos... 6 Página 1 de 6 Resumo de Qualificações Consultora responsável pela organização e gestão da RHITSolution,

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais