UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1"

Transcrição

1 UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 Mary Ellen Silva Santos Angélica Marcelino Diana Araújo Souza Nathália Araújo Patrícia Alves Ivania Reis 2 RESUMO Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada no banco de teses do Portal da Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), tendo por objetivo realizar um levantamento das pesquisas realizadas no período de 2000 a 2005, em Educação especial, cujo foco fosse a deficiência mental. A análise do conteúdo apreendido mostrou que há uma maior incidência de trabalhos em nível de mestrado, sendo os temas mais investigados foram a inclusão e o processo de aprendizagem. Além disto, observou-se que há uma maior incidência de pesquisas na área da educação. Esta pesquisa justifica-se por fornecer uma visão do modo como se produz o conhecimento na área de Educação especial, bem como as demandas e necessidades neste campo. 1 Este texto é fruto das discussões e da pesquisa realizada na disciplina optativa na área de Educação Especial. 2 Graduandas do curso de Pedagogia da UFRRJ. 1

2 1. Introdução Com a Lei nº.9394 de 1996, que estabeleceu as diretrizes e bases para a Educação Nacional, a educação de pessoas com necessidades especiais ficou assegurada, preferencialmente em escolas do ensino regular. No período de 1998 a 2005, foi registrado, pela Secretaria de Educação Especial, um aumento expressivo no número de matriculas de pessoas com deficiência mental em escolas regulares. Porém, não há dados sobre a situação educacional destes estudantes nem se freqüentaram salas comuns ou especiais do ensino regular (ANACHE & MITJÁNS, 2006). Como esses sujeitos se inseririam neste mundo onde se privilegia a normalidade em contraposição à anormalidade? Diante desta pergunta, pesquisadores dedicaram-se a estudar a trajetória escolar dos deficientes no ensino regular, sua inserção no mercado de trabalho, sua relação com o corpo e sua subjetividade acreditando que estudos nestas áreas poderiam contribuir para o trabalho com as pessoas com deficiência. Nesta direção merece destacar as palavras de Fonseca (1995): Nos nossos dias o direito de ser diferente é também visto como um direito humano, que passa naturalmente pela análise crítica dos critérios sociais que impõem à reprodução e a preservação de uma sociedade [...] baseada na lógica da homogeneidade e em normas de rentabilidade e eficácia, que tendem facilmente a marginalizar e a segregar quem não acompanha as exigências e os ritmos sofisticados. No período de 2000 a 2005 houve um significativo aumento no número de pesquisas em Educação Especial, que pode ser explicado pelas lutas pelos Direitos Humanos em âmbito internacional e nacional, após a Ditadura Militar e a expansão dos programas de Pós-Graduação no Brasil (ANACHE & MITJÁNS, 2006). Tomando como referência o exposto, neste trabalho objetivamos apresentar os resultados de um levantamento feito no banco de teses do Portal 2

3 da Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), sobre a Educação Especial, no período de 2000 a Ênfase especial será dada aos estudos que abordam o tema da deficiência mental, com o objetivo de fornecer uma visão da produção nesta área, que segundo Anache e Mitjáns (2006) ainda não possui um número expressivo. 2. Resultados e discussões No total foram analisados 47 resumos, sendo 38 dissertações de mestrado e 9 teses de doutorado. O gráfico abaixo sintetiza as informações. O gráfico abaixo apresenta como houve variações no número de trabalhos produzidos entre 2000 e 2005: Gráfico nº 1: Dados sobre teses e dissertações no período de 2000 a Dissertações Teses Com relação aos temas mais abordados, em linhas gerais, no período que compreendeu o ano de 2000, os trabalhos concernentes à temática da deficiência mental buscaram por fazer pesquisas documentais que tratavam da inserção dos deficientes nas práticas sociais tendo em vista as discussões 3

4 sobre inclusão destas pessoas, fomentando preocupações e inquietudes no campo da pesquisa. Observa-se que uma parte das pesquisas buscou apoiar-se em autores com Vygotsky e Michel Pêcheux, que tratam respectivamente da interação dos sujeitos e a relação que se estabelece com os outros e refletem sobre os sujeitos com deficiência num mundo que as exigências da contemporaneidade, imediatismo nas relações sociais exigem dos sujeitos múltiplas habilidades e os que não conseguem acompanhar esse ritmo ficam a margem como espectadores e não como autores. Porém, cabe ressaltar que a maior parte dos resumos analisados não apresentava referencia ao aporte teórico utilizado. No ano de 2001, as pesquisas no campo da deficiência priorizaram por refletir como as políticas públicas de Educação para todos e a inclusão dos deficientes no ensino regular se operacionalizaria dentro da escola. Como incluir esses sujeitos tendo em vista as recomendações das diretrizes para a Educação Especial descrita na LDB? Frente a esta indagação, pesquisadores buscaram analisar a trajetória desses alunos fazendo pesquisas etnográficas, entrevistas para ver como são as relações dos deficientes com os outros alunos, professores e seu desempenho escolar no processo de ensino aprendizagem. Em 2002, as pesquisas se dedicaram a pensar a relação mãe e filho de crianças portadoras de alguma deficiência, enfatizando os aspectos familiares, sua aceitação. Os trabalhos também buscaram rever o processo de escolarização desses alunos trazendo a luz como essas pessoas se incorporariam nos novos desafios da educação numa perspectiva inclusiva. Para tal os estudos fizeram pesquisa com crianças psicóticas, autistas e com síndrome de Down dentro de um contexto escolar inclusivo. Neste período, as pesquisas voltaram seu olhar para o fracasso escolar desses alunos, a relação do professor neste processo onde as exigências são muitas e os recursos para lidar com esses alunos eram considerados insuficientes e por vezes inadequados, haja vista que nem todos os professores e escolas estavam preparados para atender as especificidades desses alunos. Outro objeto de estudo foi à assiduidade de doenças visuais em crianças com deficiência mental. 4

5 No ano seguinte, as pesquisas sobre deficiência ainda tinham como objeto de discussão questões sobre o deficiente dentro da escola e os desafios que se seguem. Todavia, os estudos eram mais propositivos. Alguns descreveram o acompanhamento terapêutico desses alunos no processo de inclusão. Em uma outra pesquisa a temática da inclusão permeava as proposições, porém ateve-se em buscar estratégia de integração dos jovens e adultos com algum tipo de deficiência dentro da escola. Outro tema de pesquisa tratou das práticas pedagógicas do professor com alunos portadores de algum tipo de deficiência e como a sua prática se torna de suma importância no papel de facilitadora para integrar o aluno no ambiente escolar e na promoção da autonomia. As pesquisas deste período fixaram-se em termos gerais no estudo da inclusão de pessoas com deficiência dentro da escola. Merece destacar uma pesquisa que partiu do pressuposto desses alunos adultos em média como 32 anos de idade dentro de sala de aula se relacionando com os conteúdos específicos da matemática, os números, O pesquisador buscou por relacionar esses conteúdos com o cotidiano dos alunos e projetou como trabalhar nesta perspectiva e como esses conhecimentos seriam relevantes para esses alunos. Outro tema em voga foram os rearranjos que a educação teria que pensar para tratar com alunos com deficiência severa dentro da escola. Já em 2004 a temática da inclusão permeava as pesquisas, porém os espaços de inclusão não ficaram somente no campo da educação, buscou-se olhar a inclusão para além dos espaços escolares no mercado de trabalho e a profissionalização e capacitação desses indivíduos com algum tipo de deficiência. Sobre este assunto há nas pesquisas analisadas, um estudo de caso de um curso de hotelaria oferecido pelo Senac e analisou seu currículo para ver os conteúdos e seus referencias filosóficos fariam possível a inclusão dos alunos com deficiência. Em 2005 a temática da inclusão continuou a dar tom nas pesquisas, em um dos estudos buscou-se analisar como a escola lida com comportamentos inadequados e a produtividade em pessoas com deficiência mental ou múltipla em um ambiente escolar cujo norteador de suas práticas deveria ser a inclusão e facilitação de ambientarão desses sujeitos dentro da escola. Duas pesquisas trataram da questão do uso da informática: uma delas propôs o uso de um 5

6 programa informatizado de reconhecimento de fala. A outra dissertou sobre como o uso da informática pode ser um mecanismo de democratização de acesso dos alunos com necessidades especiais ao ensino regular. Uma das pesquisas falou do processo de apropriação da escrita e para tal faz um estudo de caso para ver como esse processo de decodificação se dá em pessoas com deficiência. Em relação às áreas de conhecimento, no ano de 2000 foram realizadas 8 pesquisas, 70 % delas focaram na área de Educação, (dentre as quais, 10 % na área de Psicologia da Educação), 10% em Ciências do Movimento, e 20 % em Lingüística. Posteriormente, em 2001, foram realizadas 8 pesquisas, sendo que 70 % das pesquisas se voltaram para a área da Educação (dentre as quais, 10 % em Psicologia da Educação e 20 % em Educação Especial), 10 % em Ciências do Movimento, e 20% em Lingüística. Já no ano de 2002, 90 % das pesquisas realizaram-se na área da Educação, (dentre as quais, 10 % em Educação nas Ciências, e 10% em Educação Especial) e 10 % apenas em Psicologia do Desenvolvimento. Em 2003 foram feitas nove pesquisas, nas quais foram constatadas 80 % das pesquisas na área de Educação, (dentre as quais, 30 % em Educação Especial), e 20% em Psicologia. Em 2004, realizaram-se 10 pesquisas, 70 % se voltaram para a área da Educação, (na quais 10 % foram na área de Educação Especial) 10 % em Hospitalidade, e 20% em Psicologia. Já no ano de 2005, foram realizadas sete pesquisas, 80 % das pesquisas focaram na área da Educação, (desses, 20 % em Educação Especial, e 10 % em Educação Escolar) enquanto que 10 % focaram na Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano, e 10 % em Psicologia. As pesquisas analisadas em sua grande maioria eram qualitativas, havendo algumas que mesclavam dados quantitativos e qualitativos. O estudo de caso apareceu em boa parte dos trabalhos, seguido pela pesquisa-ação. A metodologia empregada ficou distribuída conforme o quadro abaixo, porém a grande maioria das pesquisas não mencionou a metodologia empregada. Gráfico nº 2: Metodologias empregadas nas pesquisas 6

7 Estudo de caso Observação Coleta de dados Entrevista Questionário Pesquisa bibliográfica 3. Considerações finais Conclui-se com esse panorama das pesquisas feitas no ano de 2000 a 2005 que a temática da inclusão dos deficientes no ensino regular permeou as discussões, ora tratando de questões pontuais, como esse processo se daria dentro da escola, outras vezes sugerindo caminhos que facilitassem a interação social e desenvolvimento escolar desses alunos, usando como referencial teórico, sobretudo Vygotski. Podemos acrescentar também que dentro das práticas de inclusão escolar, são apontados como temas das pesquisas também: a inclusão destes alunos na Educação de Jovens e Adultos e suas diferentes esferas; a relação destes deficientes e suas necessidades a fim de promover o ingresso desta parcela da população. Destacou- se também as relações entre pais, professores e a inclusão de alunos com deficiência mental, em como ressignificar suas relações sociais e formação identitária, repensando as práticas de inclusão. Importante destacar nesse processo o uso de novas tecnologias a fim de promover a inclusão e 7

8 cidadania principalmente nos casos de pessoas com síndrome de Down e deficiência mental. Por fim podemos assinalar o avanço dos estudos na área de Educação Especial, visto que puderam ser encontrados diversos estudos que buscaram compreender as dificuldades dos profissionais que trabalham com deficientes, suas interelações, construções identitárias, a relação entre pais alunos e professores, bem como formas de repensar as práticas pedagógicas a fim de promover a inclusão e a permanência destes alunos na escola regular. Bibliografia ANACHE, Alexandra Ayach e MITJÀNS, Albertina. Deficiência menrtal e produção cintífica na base de dados da CAPES: o lugar da aprendizagem. NUNES, Leila Regina D.P.; FERREIRA, Júlio R. e MENDES, Enicéia G.Teses e dissertações sobre educação especial: os temas mais investigados. FONSECA, Vitor da. Educação Especial. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas,

EDUCAÇÃO TERAPÊUTICA UMA PROPOSTA DE TRATAMENTO De 21 a 24/1/2008

EDUCAÇÃO TERAPÊUTICA UMA PROPOSTA DE TRATAMENTO De 21 a 24/1/2008 Curso de aperfeiçoamento ORIENTAÇÃO À QUEIXA ESCOLAR de março a novembro de 2008, às segundas-feiras das 15h às 17h e às quintas-feiras das 13h15 às 17h15h OBJETIVOS Contribuir para o aperfeiçoamento de

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ANÁLISE DOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA UEMS

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ANÁLISE DOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA UEMS FORMAÇÃO DE PROFESSORES E EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ANÁLISE DOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA UEMS Silvia da Silva Félix 1 ; Celi Correa Neres 2 Área Temática: Educação Especial Resumo O

Leia mais

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO: LEVANTAMENTO BIBLIOGRAFICO SOBRE A PARCERIA ENTRE PSICÓLOS E PROFESSORES EM PROL DA INCLUSÃO ESCOLAR

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO: LEVANTAMENTO BIBLIOGRAFICO SOBRE A PARCERIA ENTRE PSICÓLOS E PROFESSORES EM PROL DA INCLUSÃO ESCOLAR PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO: LEVANTAMENTO BIBLIOGRAFICO SOBRE A PARCERIA ENTRE PSICÓLOS E PROFESSORES EM PROL DA INCLUSÃO ESCOLAR José Tadeu Acuna - UNESP, Bauru (FAPESP) Angélica Maria Teodoro Cunha - UNESP,

Leia mais

JULGAMENTO DE RECURSOS

JULGAMENTO DE RECURSOS JULGAMENTO DE RECURSOS Conforme Edital n 001/2015 do Concurso Público da Prefeitura Municipal de São Sebastião do Oeste/MG, a empresa organizadora torna público o Julgamento dos Recursos referente ao Gabarito

Leia mais

Art O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;

Art O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola; CAPÍTULO III DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DO DESPORTO Seção I DA EDUCAÇÃO Art. 205. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade,

Leia mais

A MUDANÇA DE NOMENCLATURA NOS TÍTULOS DE ARTIGOS PUBLICADOS NA REVISTA BRASILEIRA DE DUCAÇÃO ESPECIAL

A MUDANÇA DE NOMENCLATURA NOS TÍTULOS DE ARTIGOS PUBLICADOS NA REVISTA BRASILEIRA DE DUCAÇÃO ESPECIAL A MUDANÇA DE NOMENCLATURA NOS TÍTULOS DE ARTIGOS PUBLICADOS NA REVISTA BRASILEIRA DE DUCAÇÃO ESPECIAL Patrícia Gonçalves de Oliveira Souza Priscila Bezerra Zioto Barros Viviane Aparecida Sotana Pansani

Leia mais

Capital Portador de Juros: Marx e Chesnais

Capital Portador de Juros: Marx e Chesnais Capital Portador de Juros: Marx e Chesnais Ref.: Capítulo XXI, vol. 3, de O Capital de Karl Marx e cap. 1 de A finança mundializada de François Chesnais 1 Economia Vulgar É bem conhecida a duplicidade

Leia mais

Grupo Bem-me-quero: Intervenção para pais na APAE em Juiz de Fora/MG

Grupo Bem-me-quero: Intervenção para pais na APAE em Juiz de Fora/MG Apresentação em pôster Grupo Bem-me-quero: Intervenção para pais na APAE em Juiz de Fora/MG Júlia Magna Silva Teixeira¹; Laís Lage de Carvalho²; Ana Carolina da Silva Toledo³, Rafaela Toledo Dias 4 ; Giselle

Leia mais

Ministério da Educação. Ivana de Siqueira Secretária de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

Ministério da Educação. Ivana de Siqueira Secretária de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Ministério da Educação Ivana de Siqueira Secretária de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Julho de 2016 1 Constituição Federal de 1988 - Direito de Todos à Educação sem preconceitos

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade

Conselho Federal de Contabilidade Processo n : 201115873 Parecer n : Data: 02 de setembro de 2011. Instituição de Ensino Superior: FACULDADE NOVA SERRANA Curso: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS Ato: RECONHECIMENTO DE CURSO Parecerista:

Leia mais

CURSO DE TERAPIA OCUPACIONAL. Trabalho de Conclusão de Curso Resumos

CURSO DE TERAPIA OCUPACIONAL. Trabalho de Conclusão de Curso Resumos CURSO DE TERAPIA OCUPACIONAL Trabalho de Conclusão de Curso Resumos 2011.2 COORDENADORA DO CURSO: Prof.ª Ana Joaquina Mariani Passos SALVADOR TEMA: A Experiência da Metodologia ABP (Aprendizagem Baseada

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL E A FORMAÇÃO ACADÊMICA DO DESIGNER

A RELAÇÃO ENTRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL E A FORMAÇÃO ACADÊMICA DO DESIGNER ARTIGO A RELAÇÃO ENTRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL E A FORMAÇÃO ACADÊMICA DO DESIGNER MARINHO, A, L.; JANISSEK, P, R.; GODOI, R, H, M. Mestrado em Gestão Ambiental - Centro Universitário Positivo Unicenp ricardo.godoi@unicenp.edu.br

Leia mais

Curso de Especialização em COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA E SUPERVISÃO ESCOLAR

Curso de Especialização em COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA E SUPERVISÃO ESCOLAR Curso de Especialização em COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA E SUPERVISÃO ESCOLAR ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Coordenação Pedagógica e Supervisão

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS Clarice Karen de Jesus Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Palavras chave:

Leia mais

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Humanas, Letras e Artes - ICHLA

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Humanas, Letras e Artes - ICHLA Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado Instituto de Ciências Humanas, Letras e Artes - ICHLA - Curso de Psicologia Currículo 2011/01 e 2013/01 Descrição do Curso: O Curso de Psicologia

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí-Goiás. Fabiana dos Santos Santana Flávia Cristina da Silva

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí-Goiás. Fabiana dos Santos Santana Flávia Cristina da Silva Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí-Goiás Fabiana dos Santos Santana Flávia Cristina da Silva Educação Especial: Formação dos Professores na Cidade de Itaberaí Itaberaí-GO

Leia mais

A FORMAÇÃO SUPERIOR INDÍGENA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO PARFOR/ UFMA: ENTRE PROBLEMÁTICAS E PROPOSTAS DE AÇÃO

A FORMAÇÃO SUPERIOR INDÍGENA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO PARFOR/ UFMA: ENTRE PROBLEMÁTICAS E PROPOSTAS DE AÇÃO 00422 A FORMAÇÃO SUPERIOR INDÍGENA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO PARFOR/ UFMA: ENTRE PROBLEMÁTICAS E PROPOSTAS DE AÇÃO Késsia Mileny de Paulo Moura/UFMA RESUMO Este trabalho apresenta o contexto de inserção

Leia mais

Gabriela Geovana Pinho. Fátima Inês Wolf de Oliveira. Faculdade de Filosofia e Ciências FFC UNESP/Campus Marília

Gabriela Geovana Pinho. Fátima Inês Wolf de Oliveira. Faculdade de Filosofia e Ciências FFC UNESP/Campus Marília INICIAÇÃO À DOCÊNCIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA EM INCLUSÃO ESCOLAR DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS DE UMA ESCOLA BÁSICA DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA Gabriela Geovana Pinho Fátima Inês Wolf de

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO NO PERÍODO DE 2007 A 2013

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO NO PERÍODO DE 2007 A 2013 00211 A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO NO PERÍODO DE 2007 A 2013 Resumo: Marileide Gonçalves França Rosângela Gavioli Prieto (Orientadora) Universidade de São Paulo A última década tem se

Leia mais

Pacto Nacional Universitário pela Promoção do Respeito à Diversidade, Cultura de Paz e Direitos Humanos

Pacto Nacional Universitário pela Promoção do Respeito à Diversidade, Cultura de Paz e Direitos Humanos Pacto Nacional Universitário pela Promoção Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Ministério da Educação SECADI/MEC Secretaria Especial de Direitos Humanos Ministério

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE CAMAQUÃ. Senhor Presidente,

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE CAMAQUÃ. Senhor Presidente, ,_. 1fllf ESTADO ê_camaquã DO RIO GRANDE DO SUL INDICAÇÃO No YS 1 ~~S Camaquã, 15 de junho de 2015 Senhor Presidente, Ao cumprimentá-lo cordialmente, os Vereadores Marco Aurélio Colvara Pereira (PTB) e

Leia mais

PROVA DISCURSIVA. CESPE/UnB SEDU/ES

PROVA DISCURSIVA. CESPE/UnB SEDU/ES CESPE/UnB SEDU/ES PROVA DISCURSIVA Nesta prova, faça o que se pede, usando, caso deseje, os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva os textos para o CADERNO DE TEXTOS

Leia mais

RAPS. Saúde Mental 26/08/2016. Prof.: Beto Cruz PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*)

RAPS. Saúde Mental 26/08/2016. Prof.: Beto Cruz PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*) Saúde Mental Prof.: Beto Cruz betocais2@gmail.com PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011(*) Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades

Leia mais

TIC 9 PERÍODO. A percepção do enfermeiro diante a morte /morrer no âmbito hospital. Pesquisa em Saúde Saúde no ciclo vital

TIC 9 PERÍODO. A percepção do enfermeiro diante a morte /morrer no âmbito hospital. Pesquisa em Saúde Saúde no ciclo vital Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ciências da Saúde Curso de Graduação em Enfermagem Disciplina: Metodologia da Pesquisa (13473) Professora responsável pela disciplina: Dra. Juliana Vieira

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM NEUROLOGIA CLÍNICA E INTENSIVA Unidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS ESTUDOS DA CULTURA AFRICANA E AFRO- BRASILEIRA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO ENSINO FUNDAMENTAL EM TIMOM-MA

A IMPORTÂNCIA DOS ESTUDOS DA CULTURA AFRICANA E AFRO- BRASILEIRA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO ENSINO FUNDAMENTAL EM TIMOM-MA A IMPORTÂNCIA DOS ESTUDOS DA CULTURA AFRICANA E AFRO- BRASILEIRA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO ENSINO FUNDAMENTAL EM TIMOM-MA Maria do Perpétuo Socorro Lima Viana E-mail: socorroviana_@hotmail.com

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases

Lei de Diretrizes e Bases Lei de Diretrizes e Bases 01. Segundo a Lei de Diretrizes e Bases, a avaliação do desempenho do aluno deverá ser contínua e cumulativa, considerando-se a: a) prevalência dos aspectos quantitativos sobre

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Propostas e ações inclusivas: impasses e avanços Belo Horizonte 17 a 20 de outubro de 2006 Sessões

Leia mais

O avanço no plano das regulamentações jurídicas, contudo, não tem uma correspondência no nível prático. A despeito das garantias estabelecidas

O avanço no plano das regulamentações jurídicas, contudo, não tem uma correspondência no nível prático. A despeito das garantias estabelecidas 1 POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SILVA, Izaura Maria de Andrade da SEE-MG GT-15: Educação Especial Agência Financiadora: Fundação FORD O objetivo da pesquisa que realizamos

Leia mais

Análise das provas dos vestibulares da Universidade Federal da Paraíba segundo a Taxonomia de Bloom

Análise das provas dos vestibulares da Universidade Federal da Paraíba segundo a Taxonomia de Bloom Análise das provas dos vestibulares da Universidade Federal da Paraíba segundo a Taxonomia de Bloom João Batista Moura de Resende Filho (PG) Universidade Federal da Paraíba (UFPB). João Pessoa PB. Mestrando

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÂO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO 2017

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÂO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO 2017 Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÂO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO 2017 PARECER RECURSOS PROVA 3 Educação Especial - AEE (SAEDE) 11) Com base nas

Leia mais

FACULDADE HORIZONTINA - FAHOR PAE - PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS

FACULDADE HORIZONTINA - FAHOR PAE - PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS FACULDADE HORIZONTINA - FAHOR PAE - PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS HORIZONTINA - RS 2011 PAE Programa de Acompanhamento de Egressos I HISTÓRICO Desde 2006, ano em que formou a sua primeira turma,

Leia mais

SER PROFESSOR. Escolha de Poucos. Orientadora: Dra. Betania Stange Lopes Unasp-EC. Mestrando: Enildo do Nascimento

SER PROFESSOR. Escolha de Poucos. Orientadora: Dra. Betania Stange Lopes Unasp-EC. Mestrando: Enildo do Nascimento SER PROFESSOR Escolha de Poucos Mestrando: Enildo do Nascimento Orientadora: Dra. Betania Stange Lopes Unasp-EC RAZÕES PELA GRANDE QUEDA NA PROCURA PELO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA: -a) falta de

Leia mais

LDB Lei de Diretrizes e Bases

LDB Lei de Diretrizes e Bases PEDAGOGIA LDB Lei de Diretrizes e Bases Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional O pedagogo estuda as teorias da ciência da educação e do ensino É

Leia mais

XLV Reunião Plenária. 25 a 28 de novembro de 2015, Belém/PA. Um país pensando a educação para a próxima década

XLV Reunião Plenária. 25 a 28 de novembro de 2015, Belém/PA. Um país pensando a educação para a próxima década XLV Reunião Plenária 25 a 28 de novembro de 2015, Belém/PA Um país pensando a educação para a próxima década Prof. Heleno Araújo Filho Diretor do SINTEPE Diretor da CNTE Coordenador do FNE O PNE é um documento

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA FISIOTERAPIA NO ÂMBITO DA SAÚDE MENTAL NA ESPECIFICIDADE DE UM CAPS AD NO RIO GRANDE DO SUL

EXPERIÊNCIA DA FISIOTERAPIA NO ÂMBITO DA SAÚDE MENTAL NA ESPECIFICIDADE DE UM CAPS AD NO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ICB ESPECIALIZAÇÃO EM ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR EM DEPENDÊNCIA QUÍMICA - CENPRE EXPERIÊNCIA DA FISIOTERAPIA NO ÂMBITO DA SAÚDE

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional data Plano de Desenvolvimento Institucional PDI - 2016-2020 Prof. Esper Cavalheiro Pró-Reitor de Planejamento - PROPLAN Profa. Cíntia Möller Araujo Coordenadora de Desenvolvimento Institucional e Estudos

Leia mais

PROCESSO SELETIVO FUNDEPAG Nº 22/2012

PROCESSO SELETIVO FUNDEPAG Nº 22/2012 PROCESSO SELETIVO FUNDEPAG Nº 22/2012 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PARA O(A) FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA DO AGRONEGÓCIO FUNDEPAG A Fundação de Desenvolvimento da

Leia mais

Documento Base (Formulação Preliminar) Comissão SEB/MEC - Fev/2016

Documento Base (Formulação Preliminar) Comissão SEB/MEC - Fev/2016 Documento Base (Formulação Preliminar) Comissão SEB/MEC - Fev/2016 Orientações para cursos de Formação de Professores, nas áreas de Didática, Metodologias e Práticas de Ensino Estrutura do documento I.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE NO MUNICÍPIO DE PAULISTA PB

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE NO MUNICÍPIO DE PAULISTA PB A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE NO MUNICÍPIO DE PAULISTA PB GT6 - FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO Andreza Magda da Silva Dantas Faculdades Integradas de Patos FIP andreza_magda@hotmail.com

Leia mais

Dia 21/07/2016 Quinta-Feira Horário: 15:50. Formação de auxiliares de arquivo e biblioteca como política pública brasileira de educação profissional

Dia 21/07/2016 Quinta-Feira Horário: 15:50. Formação de auxiliares de arquivo e biblioteca como política pública brasileira de educação profissional 3º INTEGRAR Congresso Internacional de Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação e Museus Tema: PRESERVAR PARA AS FUTURAS GERAÇÕES São Paulo, 19 a 21 de julho de 2016. Dia 21/07/2016 Quinta-Feira

Leia mais

Tensões, perspectivas e desafios do ensino médio no brasil: entre a obrigatoriedade e a evasão escolar.

Tensões, perspectivas e desafios do ensino médio no brasil: entre a obrigatoriedade e a evasão escolar. Tensões, perspectivas e desafios do ensino médio no brasil: entre a obrigatoriedade e a evasão escolar. Andréia Melanda Chirinéa Universidade Sagrado Coração e-mail: andreia.melanda@gmail.com Mayara Cristina

Leia mais

FUNDAÇÃO SÃO PAULO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP 2005 a 2009

FUNDAÇÃO SÃO PAULO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP 2005 a 2009 FUNDAÇÃO SÃO PAULO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP 2005 a 2009 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA

Leia mais

A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor. Patrícia Diaz Carolina Glycerio

A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor. Patrícia Diaz Carolina Glycerio A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor Patrícia Diaz Carolina Glycerio Quem somos A Comunidade Educativa CEDAC possibilita que profissionais da educação pratiquem

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS NOME DO CANDIDATO: INSTRUÇÕES AOS CANDIDATOS

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS NOME DO CANDIDATO: INSTRUÇÕES AOS CANDIDATOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC Campus Universitário Trindade Caixa Postal 476 Cep 88040-900 Florianópolis SC Brasil Fones: (048) 3721-6525, 331-6649 Fax (048) 3721-6649 MESTRADO PROFISSIONAL

Leia mais

WWW.RMPSIQUIATRIA.COM.BR Coordenador do curso: Rafael Moreno Ferro de Araújo Médico Psiquiatra UFCSPA, Porto Alegre-RS Mestre e Doutorando em Medicina PUCRS, Porto Alegre-RS Professor e coordenador da

Leia mais

Palavras-Chave: Educação inclusiva. Alfabetização. Deficiente intelectual. Produção científica. 1 Introdução

Palavras-Chave: Educação inclusiva. Alfabetização. Deficiente intelectual. Produção científica. 1 Introdução ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE ALFABETIZAÇÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL PUBLICADA NA BASE DE DADOS SCIENTIFIC ELETRONIC LIBRARY ONLINE (SCIELO) Angel Saucedo Silvero Carla Cristina Marinho

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL E CONTINUADA: DESAFIOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA INCLUSIVA

FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL E CONTINUADA: DESAFIOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA INCLUSIVA FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL E CONTINUADA: DESAFIOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA INCLUSIVA Simone Maria Alves de Lima PPGE/UFT Luciana Pereira de Sousa PPGE/UFT Profa. Dra. Carmem Lucia Artioli Rolim

Leia mais

INCLUSÃO DOS DEFICIENTES FÍSICOS NO ENSINO REGULAR

INCLUSÃO DOS DEFICIENTES FÍSICOS NO ENSINO REGULAR INCLUSÃO DOS DEFICIENTES FÍSICOS NO ENSINO REGULAR RESUMO GODINHO, Seryma Andrea Reghin 1 seryma_teimoso@hotmail.com PAULINO, Paulo Cesar 2 paulino@utfpr.edu.br Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Leia mais

Análise preliminar do perfil dos ingressos em Ciências Biológicas Noturno na UFBA. Gabriel Oliveira Rocha José Geraldo de Aquino Assis

Análise preliminar do perfil dos ingressos em Ciências Biológicas Noturno na UFBA. Gabriel Oliveira Rocha José Geraldo de Aquino Assis Análise preliminar do perfil dos ingressos em Ciências Biológicas Noturno na UFBA Gabriel Oliveira Rocha José Geraldo de Aquino Assis Salvador 2011 Informações gerais Criação em 1970. Diurno Duas modalidades

Leia mais

EIXO 2: Políticas de educação básica e de formação e gestão escolar

EIXO 2: Políticas de educação básica e de formação e gestão escolar EIXO 2: Políticas de educação básica e de formação e gestão escolar A IDENTIDADE DO ENSINO MÉDIO, UM DESAFIO PARA AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS Silvana Mesquita Pontifícia Universidade Católica RJ silvana.mesquita@ig.com.br

Leia mais

Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024

Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024 Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024 Marcelo Machado Feres Secretário de Educação Profissional e Tecnológica SETEC Ministério da Educação XXXIX edição da Reunião dos

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ROBERTO MANGE

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ROBERTO MANGE FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ROBERTO MANGE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DO OBJETIVO Art. 1.º Os cursos de pós-graduação lato sensu do SENAI de São Paulo, obedecem o que dispõe a Resolução CNE/CES

Leia mais

CURRÍCULO E INCLUSÃO: UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DIRECIONADAS A ALUNOS COM DEFICIENCIA INTELECTUAL.

CURRÍCULO E INCLUSÃO: UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DIRECIONADAS A ALUNOS COM DEFICIENCIA INTELECTUAL. CURRÍCULO E INCLUSÃO: UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DIRECIONADAS A ALUNOS COM DEFICIENCIA INTELECTUAL. RESUMO DJALMA NAVARRO DOS SANTOS 1 (UFRRJ). MÁRCIA DENISE PLETSCH 2 - (PPGEduc/UFRRJ). Este

Leia mais

ETAPAS DE ENSINO DICIONÁRIO

ETAPAS DE ENSINO DICIONÁRIO ETAPAS DE ENSINO Subníveis verticais hierárquicos e interdependentes que compõem a educação escolar básica no Brasil. As etapas de ensino que constituem a educação básica são a educação infantil, o ensino

Leia mais

Sebastião Benício da Costa Neto, Dr.

Sebastião Benício da Costa Neto, Dr. QUALIHOSP 2012 - Qualidade e Segurança: Educação e Prática no Século XXI ENFRENTAMENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENSINO DE PSICOLOGIA PARA A QUALIFICAÇÃO DO ENSINO NA SAÚDE Sebastião Benício da Costa

Leia mais

Maratona SEDF Gran Online. Prof. Carlinhos Costa

Maratona SEDF Gran Online. Prof. Carlinhos Costa Maratona SEDF Gran Online Prof. Carlinhos Costa (CETAM 2014 FCC) Questão 01. A contribuição social do salário-educação previsto pela CF/88, diz respeito (A) a uma fonte adicional de financiamento à educação

Leia mais

UM DIÁLOGO SOBRE CIDADANIA E A TRAJETÓRIA HISTÓRICA DA EUDAÇÃO INCLUSIVA.

UM DIÁLOGO SOBRE CIDADANIA E A TRAJETÓRIA HISTÓRICA DA EUDAÇÃO INCLUSIVA. UM DIÁLOGO SOBRE CIDADANIA E A TRAJETÓRIA HISTÓRICA DA EUDAÇÃO INCLUSIVA. INTRODUÇÃO: Patrícia Celis Murillio UNESP- Araraquara. Eixo temático: Política Educacional Inclusiva Palavras-chave: Cidadania,

Leia mais

PSICOPEDAGOGIA,INCLUSÃO E O ATENDIMENTO A PESSOA COM AUTISMO

PSICOPEDAGOGIA,INCLUSÃO E O ATENDIMENTO A PESSOA COM AUTISMO PSICOPEDAGOGIA,INCLUSÃO E O ATENDIMENTO A PESSOA COM AUTISMO VALERIA OLIVEIRA PSICOPEDAGOGA, PSICANALISTA ORIENTADORA EDUCACIONAL ESPECIALISTA EM NEUROPSICOPEDAGOGIA E EDUCAÇÃO ESPECIAL INCLUSIVA. PÓS

Leia mais

Universidade Estadual do Ceará UECE Centro de Educação CED Programa de Pós-Graduação em Educação PPGE

Universidade Estadual do Ceará UECE Centro de Educação CED Programa de Pós-Graduação em Educação PPGE Linha A: Formação, Didática e Trabalho Docente Núcleo 1: Didática, Saberes Docentes e Práticas Pedagógicas 1. Adriana Calaça de Paiva França 2. Ana Patrícia Freires Caetano 3. Anne Elizabeth Maia Girão

Leia mais

ENSINAR SOBRE GUARULHOS.

ENSINAR SOBRE GUARULHOS. ENSINAR SOBRE GUARULHOS. O ensino no Brasil começou a tomar rumos diferentes, com a criação da lei nº 9.394/96, Lei de Diretrizes e Bases da E- ducação, criou-se um mecanismo para tentar quebrar esses

Leia mais

O TRABALHO DO PEDAGOGO COMO DISPOSITIVO FRENTE AOS DESAFIOS DA ESCOLA INCLUSIVA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O TRABALHO DO PEDAGOGO COMO DISPOSITIVO FRENTE AOS DESAFIOS DA ESCOLA INCLUSIVA NA EDUCAÇÃO INFANTIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO UFES CENTRO DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DÉBORA ALMEIDA DE SOUZA O TRABALHO DO PEDAGOGO COMO DISPOSITIVO FRENTE AOS DESAFIOS DA ESCOLA INCLUSIVA

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 OBJETIVOS Discutir e fomentar conhecimentos sobre a compreensão das potencialidades,

Leia mais

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA SOB A ÓTICA DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA SOB A ÓTICA DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO INCLUSIVA SOB A ÓTICA DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO PAULINO, Paulo Cesar 1 paulino@utfpr.edu.br MASCHIO, Marcelina Teruko Fujii 2 marcelina.maschio@ifms.edu.br RESUMO O presente trabalho buscou

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES EQUIPA INTERDISCIPLINAR PLANO DE INTERVENÇÃO ANOS LECTIVOS 2009/2010 e 2010/2011 ÍNDICE Nota Introdutória.. 3 Parte I - Caracterização..4 1.1 Caracterização do Ambiente Interno.4

Leia mais

Fonte [1] A LDB, nos artigos 22 a 38, detalha no Capítulo II a Educação Básica (EB), a qual, consoante o art. 22, objetiva, in verbis, (...) desenvolv

Fonte [1] A LDB, nos artigos 22 a 38, detalha no Capítulo II a Educação Básica (EB), a qual, consoante o art. 22, objetiva, in verbis, (...) desenvolv ESTRUTURA, POLÍTICA E GESTÃO EDUCACIONAL AULA 02: LEGISLAÇÃO, SISTEMA, NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO. TÓPICO 03: OS NÍVEIS DE ENSINO O Título V, da LDB, com os artigos

Leia mais

Processo Seletivo Transferência/Reingresso

Processo Seletivo Transferência/Reingresso Cursos Superiores de Tecnologia Processo Seletivo Transferência/Reingresso Vagas para transferência externa e para portadores de diploma de curso superior Edital 2012 1º semestre Normas para o processo

Leia mais

3 a 6 de novembro de Londrina Pr - ISSN X

3 a 6 de novembro de Londrina Pr - ISSN X A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ESTADO DO PARANÁ: HISTÓRICO, POLÍTICAS PÚBLICAS E REALIZAÇÕES NO NÚCLEO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE MARINGÁ SILVIA HELENA ALTOÉ BRANDÃO 1 MARIEUZA ENDRISSI SANDER 2 Introdução No presente

Leia mais

UNIVERSIDADE CEUMA CURSO DE PSICOLOGIA NÚCLEO DE ESTUDOS EM PSICOLOGIA NA EDUCAÇÃO DO MARANHÃO - NEPEMA PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

UNIVERSIDADE CEUMA CURSO DE PSICOLOGIA NÚCLEO DE ESTUDOS EM PSICOLOGIA NA EDUCAÇÃO DO MARANHÃO - NEPEMA PROGRAMAÇÃO DO EVENTO UNIVERSIDADE CEUMA CURSO DE PSICOLOGIA NÚCLEO DE ESTUDOS EM PSICOLOGIA NA EDUCAÇÃO DO MARANHÃO - NEPEMA PROGRAMAÇÃO DO EVENTO I Colóquio Maranhense de Análise do Comportamento Aplicada ao Autismo: práticas

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A DISCIPLINA DE CIÊNCIAS E OS ALUNOS DO 9 ANO DA ESCOLA MUNICIPAL SILVESTRE FERNANDES ROCHA, EM ZÉ DOCA (MA).

A RELAÇÃO ENTRE A DISCIPLINA DE CIÊNCIAS E OS ALUNOS DO 9 ANO DA ESCOLA MUNICIPAL SILVESTRE FERNANDES ROCHA, EM ZÉ DOCA (MA). A RELAÇÃO ENTRE A DISCIPLINA DE CIÊNCIAS E OS ALUNOS DO 9 ANO DA ESCOLA MUNICIPAL SILVESTRE FERNANDES ROCHA, EM ZÉ DOCA (MA). Rosy Caroline Sousa Amorim Lima (1); Vera Rejane Gomes (2); Mailson Martinho

Leia mais

(Projeto de Lei nº 415/12, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Aprova o Plano Municipal de Educação de São Paulo

(Projeto de Lei nº 415/12, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Aprova o Plano Municipal de Educação de São Paulo LEI Nº 16.271, DE 17 DE SETEMBRO DE 2015 (Projeto de Lei nº 415/12, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Aprova o Plano Municipal de Educação de São Paulo META 1. Ampliar o investimento

Leia mais

O CAMINHO DA PESQUISA

O CAMINHO DA PESQUISA NECESSIDADES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DA EJA Aproximação com a temática Aluna do curso de formação do ensino médio (teologia da libertação, Escritos de Paulo Freire). Aluna do curso de Pedagogia

Leia mais

Especialização em Ensino de Química

Especialização em Ensino de Química Especialização em Ensino de Química Introdução aos Estudos a Distância 30 Políticas Educacionais e a Prática Docente 30 Educação Inclusiva 30 Epistemologia e o Ambiente de Ensino 30 Avaliação da Aprendizagem

Leia mais

Currículo no Ensino Superior

Currículo no Ensino Superior Currículo no Ensino Superior Mesa-temática: Educação (ensino) a Distância Rose Mary Almas de Carvalho Coordenação de Educação a Distância Pró-Reitoria de Graduação Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Leia mais

Cooperativismo Social no Brasil: Conceitos, Desafios e Propostas

Cooperativismo Social no Brasil: Conceitos, Desafios e Propostas Cooperativismo Social no Brasil: Conceitos, Desafios e Propostas LEONARDO PINHO COORDENADOR COOPERATIVISMO SOCIAL UNISOL BRASIL DIRETOR DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SAÚDE MENTAL (ABRASME) EXECUTIVA DA REDE

Leia mais

Art A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno

Art A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno CONSTITUIÇÃO FEDERAL DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Seção que pactua a educação como direito de todos. CAPÍTULO III DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DO DESPORTO Seção I DA EDUCAÇÃO MS. Carreiro 1 Art. 205.

Leia mais

Inclusão de PNE através de EaD

Inclusão de PNE através de EaD Inclusão de PNE através de EaD A educação no Brasil mudou significativamente devido a implantação de métodos Inspirados em experiências concretizadas na Europa e Estados Unidos, alguns brasileiros iniciaram,

Leia mais

INCLUSÃO: UMA PRÁTICA POSSÍVEL NA ESCOLA JOÃO BATISTA LIPPO NETO NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DA CIDADE DO RECIFE.

INCLUSÃO: UMA PRÁTICA POSSÍVEL NA ESCOLA JOÃO BATISTA LIPPO NETO NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DA CIDADE DO RECIFE. INCLUSÃO: UMA PRÁTICA POSSÍVEL NA ESCOLA JOÃO BATISTA LIPPO NETO NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DA CIDADE DO Introdução RECIFE. Eliana Ferreira Banja Fernandes PCR e-mail: elainebanja@hotmail.com Edielson

Leia mais

MODELO ORGANIZATIVO DA REDE

MODELO ORGANIZATIVO DA REDE 2 3 MODELO ORGANIZATIVO DA REDE O modelo organizativo da Rede de Referenciação Hospitalar de Psiquiatria da Infância e da Adolescência que se apresenta procura corresponder ao preconizado no Plano Nacional

Leia mais

Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães

Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães Guimarães LISTA DE ATIVIDADES PAG (SIMPLIFICADO AGRUPADO POR ÁREA) ANO - 2016 ASSOCIAÇÃO DE PARALISIA CEREBRAL DE GUIMARÃES Política Ambiental Tipo de Atividade: Atividades de Animação Atividade: Atividades

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora

Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador Política Nacional de Saúde do Trabalhador

Leia mais

DECISÃO Ação Civil Pública Ministério Público do Estado de São Paulo - (MPSP) e outro Estado de São Paulo - (F.E.S.P.

DECISÃO Ação Civil Pública Ministério Público do Estado de São Paulo - (MPSP) e outro Estado de São Paulo - (F.E.S.P. fls. 1 DECISÃO Processo nº: Requerente: Requerido: 0027139-65.2000.8.26.0053 - Ação Civil Pública Ministério Público do Estado de São Paulo - (MPSP) e outro Estado de São Paulo - (F.E.S.P.) DECISÃO INTERLOCUTÓRIA

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS, SAÚDE E TECNOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS DE GUARULHOS MANUAL DE ESTÁGIO

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS, SAÚDE E TECNOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS DE GUARULHOS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS, SAÚDE E TECNOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS DE GUARULHOS MANUAL DE ESTÁGIO MANUAL DE ESTÁGIO Apresentação O início de um estágio é o momento exato para você conhecer os princípios

Leia mais

EDITAL PARA PROCESSO SELETIVO PROGRAMA CAPACITAR 2017

EDITAL PARA PROCESSO SELETIVO PROGRAMA CAPACITAR 2017 EDITAL PARA PROCESSO SELETIVO PROGRAMA CAPACITAR 2017 ÍNDICE 1. DOS CURSOS E LOCAL DE REALIZAÇÃO; 2. DAS CONDIÇÕES PARA O PROCESSO SELETIVO; 3. DAS INSCRIÇÕES; 4. DO PROCESSO SELETIVO; 5. DA MATRÍCULA;

Leia mais

Ciência, tecnologia e sociedade

Ciência, tecnologia e sociedade Ciência, tecnologia e sociedade Aula 5 _O surgimento de um sistema organizado de produção de tecnologia e sua transformação profa. Maria Caramez Carlotto SCB 2 quadrimestre de 2016 A história das políticas

Leia mais

Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/Aids em saúde mental, no Brasil

Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/Aids em saúde mental, no Brasil Ministério da saúde Secretaria de Atenção à saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Coordenação de Saúde Mental Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/Aids em saúde mental,

Leia mais

Programa de Pós-graduação em Psicologia: Mestrado e Doutorado. Universidade Federal de Pernambuco

Programa de Pós-graduação em Psicologia: Mestrado e Doutorado. Universidade Federal de Pernambuco Programa de Pós-graduação em Psicologia: Mestrado e Doutorado Universidade Federal de Pernambuco Síntese da apresentação 1. Caracterização 2. Linhas de Pesquisa 3. Corpo docente 4. Demanda 5. Fluxo de

Leia mais

COLEGIADO DE ENFERMAGEM

COLEGIADO DE ENFERMAGEM INSTITUTO FORMAÇÃO COLEGIADO DE ENFERMAGEM 14 NOME 14 TÍTULO: subtítulo 16 BARRA DA ESTIVA 2015 14 NOME 14 TÍTULO: subtítulo 16 Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Colegiado do Curso Técnico

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em História e Cultura Afro-Brasileira. OBJETIVO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 154/2005-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 154/2005-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 154/2005-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento de Criação, Organização e Funcionamento de Cursos, Programas e Disciplinas ofertados a Distância, na Universidade Estadual do Centro-Oeste, UNICENTRO.

Leia mais

UMA REVISÃO SISTEMÁTICA SOBRE A PSICOMOTRICIDADE

UMA REVISÃO SISTEMÁTICA SOBRE A PSICOMOTRICIDADE UMA REVISÃO SISTEMÁTICA SOBRE A PSICOMOTRICIDADE Giovanna Romano Gomes (PIBICJR//CNPQ) giromanogomes@gmail.com Maria Eduarda Lucas Cuenca (PIBICJR//CNPQ) mlcuenca_1999@hotmail.com Marília Bazan Blanco

Leia mais

PROCESSO SELETIVO ENEM EAD EDITAL Nº 02

PROCESSO SELETIVO ENEM EAD EDITAL Nº 02 PROCESSO SELETIVO ENEM EAD 2017.2 EDITAL Nº 02 SUMÁRIO 1. Da Validade... 3 2. Das Inscrições... 3 3. Da Avaliação... 3 4 Do Resultado... 4 5. Das Vagas... 4 6. Da Matrícula... 4 7. Do Regime Escolar e

Leia mais

A FORMAÇÃO DO EDUCADOR QUÍMICO

A FORMAÇÃO DO EDUCADOR QUÍMICO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro IFRJ A FORMAÇÃO DO EDUCADOR QUÍMICO Prof. Rita de Cássia A. Costa rita.costa@ifrj.edu.br O educador químico e o currículo na educação

Leia mais

Palavras-chave: Políticas públicas. Educação especial inclusiva. Escola.

Palavras-chave: Políticas públicas. Educação especial inclusiva. Escola. 03342 POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA: UMA ANÁLISE DO COTIDIANO ESCOLAR NO MUNICÍPIO DE PELOTAS-RS Resumo Júlia Victoria Casalinho Universidade Federal de Pelotas Sandro de Castro Pitano

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA LORENA - SP Curso ENFERMAGEM Disciplina: ADMINSTRAÇÃO Ano letivo 2011 Série: 3ª Carga Horária:72h/aula Teoria: 72h/aula sem/semestral Professor(a) Claudia Lysia de

Leia mais

Palavras-chave: Educação Física. Produção Colaborativa de Práticas Corporais Inclusivas. Alunos público alvo da Educação Especial. 1.

Palavras-chave: Educação Física. Produção Colaborativa de Práticas Corporais Inclusivas. Alunos público alvo da Educação Especial. 1. INCLUSÃO DE ALUNOS PÚBLICO ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA REDE REGULAR DE ENSINO DA CIDADE DE CATALÃO: ANÁLISE E ESTÍMULO DA PRODUÇÃO COLABORATIVA DE PRÁTICAS CORPORAIS INCLUSIVAS

Leia mais

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso O Trabalho de Conclusão de Curso TCC é um requisito obrigatório para a conclusão do curso, realizada no final do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade

Leia mais

O direito à Educação das pessoas com deficiência intelectual SAMIRA ANDRAOS MARQUEZIN FONSECA

O direito à Educação das pessoas com deficiência intelectual SAMIRA ANDRAOS MARQUEZIN FONSECA O direito à Educação das pessoas com deficiência intelectual SAMIRA ANDRAOS MARQUEZIN FONSECA HTTP://WWW.REVIDE.COM.BR/BLOG/SAMIRA-FONSECA/ BREVE HISTÓRICO CONSTITUCIONAL 1976 Constituição Brasileira expressamente

Leia mais

Luiz de Sousa Junior UFPB

Luiz de Sousa Junior UFPB Luiz de Sousa Junior UFPB Altera a LDB Altera o Fundeb Altera a CLT Revoga a Lei 11.161/2005 Institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Implicações curriculares,

Leia mais

PROVAS DE ADMISSÃO PARA O ANO LETIVO 15/16 PROVA DE APTIDÃO MUSICAL - ESCRITA NOME DO CANDIDATO

PROVAS DE ADMISSÃO PARA O ANO LETIVO 15/16 PROVA DE APTIDÃO MUSICAL - ESCRITA NOME DO CANDIDATO Dia: 8 de junho de 2015 Hora: 18,00 horas Professor: Carla Sabino Sala: 1 1 035 Ana Júlia Tavares de Oliveira 014 Ana Sofia Pereira Leal 001 Beatriz Pacheco Festas 011 Bruno Tomás Silva Ribeiro 099 Daniel

Leia mais