Expediente. Glossário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Expediente. Glossário"

Transcrição

1 Guia escolar 2015

2 Expediente Diretor: Augusto Russini Vice-Diretor: Ir. João Pedro Zimmermann Costa Equipe de organização do Guia de Família: Augusto Russini Coordenadora Pedagógica: Luciana Severo Coordenador de Turno: Everson Belous Comunicação e Marketing: Tiéle Abreu Glossário Anos Iniciais EF - 1º a 5º ano do Ensino Fundamental Anos Finais EF - 6º a 8º ano do Ensino Fundamental Caju: Casa Marista da Juventude Cesmar: Centro Social Marista de Porto Alegre Cmid: Centro Marista de Inclusão Digital CTAP: Conselho Técnico Administrativo e Pedagógico EI: Educação Infantil EF: Ensino Fundamental Federapames: Federação das Associações de Pais e Mestres SCP: Serviço de Coordenação Pedagógica SCT: Serviço de Coordenação de Turno SOE: Serviço de Orientação Educacional SPE: Serviço de Pastoral Escolar Sima: Sistema de Marista de Avaliação O Guia Escolar é uma publicação institucional, destinada aos pais e responsáveis de estudantes da Escola Marista Santa Marta. Fevereiro de

3 Setores Serviços Coordenação de Pastoral Coordenação pedagógica Orientação Educacional Equipe de Evangelização Agente de Pastoral Grupos da PJM Formação Turno Integral Lab de Tecnologias Lab. de Ciências Biblioteca Acompanhamento EI e EF Encaminhamentos de Alunos Turno Integral Formação de Pais 6 Auxiliar de Coord. de turno Funcionários Escola Marista Santa Marta Direção Centro Social Convênio CMID Coordenação de Turno Reforço Escolar Oficinas Encaminhamentos Acompanhamento de EI Alunos e EF TI Compras Serviço Social AudioVisual Comunicação e Marketing Departamento Pessoal Educadores Captador de Recursos

4 Quem somos A Escola Marista Santa Marta integra a Rede Marista de Colégios e Unidades Sociais, hoje presente em mais de 82 países nos cinco continentes, com quase 200 anos de atuação. Construída desde 1998, ano de sua fundação, a Escola oferece infraestrutura completa e adequada a cada nível de ensino. Atualmente, atende cerca de mil estudantes e conta com o trabalho de aproximadamente 110 colaboradores, que atuam diretamente na missão de concretização dos sonhos de São Marcelino Champagnat: oferecer uma educação de qualidade às crianças e aos jovens, preferencialmente, aos mais necessitados. Hino da Escola Marista Santa Marta 1. Santa Marta, Escola Marista, O caminho se faz ao andar. Quando juntos as forças unimos, Ninguém pode impedir de sonhar. Refrão Estudantes da Escola Marista, Como é bom estudarmos aqui! A Boa Mãe nos protege e nos guia, /: Nossa vida irradia feliz!:/ 2. Este Centro por todos querido, Abre os braços e estende a mão. Como Marta a Jesus recebia, (cf. Jo 11.12) Acolhemos de bom coração. 3. Nossa Escola o ensino oferece, Com as artes, ciências e saberes. Nós plantamos e tudo floresce! Também temos esporte e lazeres. 4. Champagnat, nosso mestre de vida, Cidadãos integrais quer formar. Com Maria está garantida A vitória que vamos alcançar. Letra e música: Ir. Bruno Klein 7

5 Orientações gerais Atendimento ao público Pais e responsáveis podem solicitar atendimento por parte da Direção e coordenações quando perceberem necessidade, no decorrer do semestre. Para garantir a melhor acolhida a todos, solicita-se que o atendimento seja feito com agendamento para os setores de Direção, Vice-Direção, SCP, SOE e SPE. Os horários serão os mesmos do expediente da escola. A Escola está aberta, de segunda a sexta-feira, pela parte da manhã, das 8h às 12h, à tarde das 13h30 às 17h30. Pedimos instantemente que este horário seja respeitado. O acesso de manhã se dá das 7h30 às 8h, sem tolerância para atrasos. A entrada na parte da tarde é das 13h10 às 13h30. Dessa forma, o estudante que chegar atrasado permanecerá junto à portaria, sob amparo de nossos colaboradores até o horário do 2º período. Atualização dos Dados Pessoais A comunicação da Escola com os pais e responsáveis depende da preocupação destes em mantes seus cadastros atualizados, com informações corretas de endereço, telefones e . Atualizar os dados junto à Escola garante a agilidade do contato. Ausência por motivo de doença Se algum estudante adoecer, a família deverá entregar um atestado médico na Secretaria da Escola, e comunicar à Coordenação Pedagógica o período de afastamento do estudante, pois assim facilita a forma de combinar a melhor maneira de o estudante recuperar o aprendizado. Horário das aulas Manhã 1º ano EF: das 8h às 12h - Intervalo: das 10h às 10h15 6º a 8º ano EF: das 8h às 12h30- Intervalo: das 10h30 às 10h50 8

6 Tarde: Educação Infantil: das 13h30 às 17h30 2º a 5º ano EF: das 13h30 às 17h30 Intervalo 2º e 3º ano EF: das 15h15 às 15h30 Intervalo 4º e 5º ano EF: das 15h45 às 16h Localize-se A Escola Marista Santa Marta está localizada na Rua Irmão Claudio Rohr, 150, no Alto da Boa Vista, bairro Nova Santa Marta, na zona Oeste de Santa Maria. A entrada dos educadores (professores e funcionários), familiares, responsáveis e visitantes faz-se pelo Acesso Principal 1, onde fica a Recepção. 9

7 Projeto Educativo Marista O jeito marista de conceber a Educação Básica está explicitado no Projeto Educativo do Brasil Marista, documento ao mesmo tempo educativo, político, pedagógico e pastoral que assume o compromisso com uma educação justa, igualitária e evangelizadora para crianças, adolescentes e jovens no contexto contemporâneo. A educação marista está alicerceada na abordagem educativa de São Marcelino Champagnat, fundador do Instituto Marista, pautada pela formação integral, afetividade, cultura da solidariedade e da paz, e pela crença de que todo cidadão tem potencial para aprender. A metodologia procura fazer o uso da expressão pessoal dos estudantes por meio de projetos multidisciplinares, os quais são um convite à quebra com práticas escolares relacionadas à concepção de conhecimento fragmentado. O estudante, da Educação Infantil ao Ensino Fundamental, é visto como principal construtor de sua aprendizagem, e protagonista do seu saber, pesquisador, perseverante, criativo, crítico, solidário, ético, sendo capaz de identificar e solucionar problemas e de trabalhar em equipe. Nesse sentindo, a Escola representa não só um espaço de excelência de ensino, mas também de construção do projeto de vida. Missão Promover uma educação evangelizadora, por meio de processos criativos e inovadores, segundo o Carisma Marista, com vistas a formar cidadãos comprometidos com a construção de uma sociedade mais justa e fraterna. Visão Seremos Rede líder em educação integral e desenvolvimento social de excelência, por meio de processos inovadores e compromisso com crescimento e sustentabilidade. Valores Maristas Amor ao Trabalho Audácia Espírito de Família Espiritualidade Presença Simplicidade Solidariedade 10

8 Perfil do educador A Educação Marista tem o afeto como elemento fundamental e imprescindível para o desenvolvimento sadio da personalidade do educando, um ser em formação. Para conduzir esse processo, contamos em nossa Escola com educadores estudiosos, críticos, pesquisadores e comprometidos com a formação permanente. Direções e Coordenações Direção É exercida pelo diretor e vice-diretor, competindo-lhes dirigir o colégio por meio da tomada de decisões conjuntas, visando à consecução dos objetivos da Rede Marista. Diretor: Augusto Russini Vice-Diretor: Ir. João Pedro Zimmermann Costa Serviço de Coordenação Pedagógica SCP Responsável pelas questões pedagógicas do colégio. Realiza o acompanhamento e o direcionamento das ações do processo de ensino e aprendizagem, atuando diretamente com os professores. Também realiza a mediação de questões e resultados que envolvem as atividades realizadas em sala de aula. Responsáveis: Luciana Almeida Severo Luciane Trindade Serviço de Orientação Educacional SOE Responsável pelo acompanhamento e orientação no processo de ensino e aprendizagem do estudante com vistas à educação integral, bem como na adaptação e na integração, incluindo hábitos de estudos e questões do desempenho escolar. Responsável: Branca Diva Maciel Serviço de Pastoral Escolar- SPE Articula, assessora e executa os projetos e programas pastorais, tais como os encontros de formação humano-cristã. É também responsável pela promoção de celebrações e vivências com toda a comunidade educativa. Responsável: Antonio Dilar Jones 11

9 Serviço de Coordenação de Turno- SCT Coordena as atividades dos turnos, sendo responsável pelo cumprimento de todas as normas de convivência, visando à harmonia do ambiente escolar e à construção do clima favorável à aprendizagem. Supervisiona o uso do uniforme estudantil. Responsável: Everson Belous Serviço de Assistência Social O Serviço Social tem como objetivo dar suporte à Direção do Estabelecimento de Ensino, às equipes da escola e ao conselho Administrativo e Pedagógico como agente facilitador da compreensão de fenômenos sociais presentas na escola. Responsável: Caroline Silveira Dutra Serviços e setores Audiovisual Setor responsável pela reprodução e cópia de todo o material encaminhado pelos professores e estudantes (provas, textos, simulados). Também tem a seu encargo o empréstimo de aparelhos de som, projetores, CDs, cartolinas, papel pardo, entre outros. Responsável: Eder Sandro Ponpeo Biblioteca A Biblioteca São Marcelino Champagnat é um serviço de apoio pedagógico, que oferece recursos e estimula a leitura, a pesquisa, o estudo e as diversas áreas de expressão, através do lúdico. Conta com um extenso acervo variado e atualizado para estudantes, professores, colaboradores e pais, entre enciclopédias, livros, revistas, filmes e DVDs. Responsável: Ivanete Ponpeo Auxiliar de Biblioteca: Carine Coden Comunicação e Marketing Contribui no processo de gestão, comunicação interna e externa. Atua em sintonia com a equipe de Assessoria de Comunicação e Marketing dos Colégios e Unidades Sociais da Rede Marista, executando ações propostas de acordo com os planos, projetos e programas 12

10 estabelecidos, com vistas ao relacionamento com os diferentes públicos. Responsável: Tiéle Abreu Secretaria Tem a seu encargo todo o serviço de comunicados, atestados de frequência dos estudantes, histórico escolar, emissão de boletins, entre outros documentos. Na Secretaria é possível atualizar constantemente os dados cadastrais dos estudantes e seus familiares para o recebimento de informações importantes do cotidiano da escola. Responsável: Maria Augusta Medeiros Tesouraria Tem a seu encargo a organização e controle da área de contabilidade de modo a assegurar o exercício do planejamento e da administração. Disponibiliza os serviços de emissão de boletos para pagamentos de matrículas e mensalidades, bem como pagamentos de saídas de estudo. Responsável: Nerison Hahn Recursos Humanos Têm a seu encargo a organização e o controle da área de recursos humanos da escola de modo a assegurar o exercício do planejamento e da administração. Responsável: Márcia Kirchhof Portaria e Recepção São os colaboradores com as quais mantém o primeiro contato na escola. Controlam a entrada e saída dos estudantes, educadores e visitantes, como também desempenham o serviço de telefonia. Responsáveis: Anderson da Costa Vedoy, Gerson de Souza Silveira, Getuinar Dionei Kayser, Jean Carlos Guerra, e Rochester Escobar Laboratório de Tecnologias I e II e Laboratório de Ciências Os laboratórios estão a serviço dos estudantes, conectados à rede de computadores e à internet, destinados especificamente ao apoio das atividades de aprendizagem. A configuração das máquinas é padronizada para um ambiente de uso coletivo e não deve ser alterada. Ao sair, o estudante deverá deixar o ambiente pronto para o próximo usuário. Responsável pelo Laboratório de Ciências: Helenita Martins dos Santos Responsável pelo Laboratório de Tecnologias I e II: Leandro Guedes Ferreira ( TI). 13

11 Turno Inverso Desenvolve atividades que possibilitam o crescimento pessoal e intelectual, fortalecendo a formação integral do estudante no turno inverso ao das aulas. O programa inclui oficinas, atividades recreativas e projetos que desenvolvem habilidades e potencialidades no que diz respeito aos aspectos físicos, cognitivos e socioafetivos, além de alimentação, estudo orientado, formação e lazer. Aulas de Reforço A escola oferece, no turno inverso, aulas de reforço das disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática aos estudantes que se encontram em dificuldades de aprendizagem. Responsável: Ana Regina Santini e Caroline Marconato: Língua Portuguesa e Matemática 3º ao 5º ano Oficina de Música Responsáveis: Coordenador: Algir Facco arnildo Pedroso (Percussão) Michel Wagner (Instrumentais) Neida Reis de Andrade (Canto) Escolinhas de Futebol Feminino e Masculino. Categorias: Iniciação, Mirim, Infantil e Juvenil. Responsáveis: Coordenador: Algir Facco anderson Aquistapasse Fabio Belous Canais de Comunicação da Escola Site da escola O site do Marista Santa Marta (colegiomarista.org.br/santamarta) é atualizado diariamente com notícias relacionadas ao cotidiano escolar, calendários de provas, álbuns de fotos dos principais eventos, vídeos e demais comunicados de interesse da comunidade escolar. 14

12 Envio de bilhetes e comunicados É por meio do bilhete que os estudantes levam para casa as informações oficias da Escola, referentes às saídas de campo, orientações, cronograma de avaliação e solicitações gerais sobre eventos, atividades e atrasos, bem como a marcação de horários para atendimento especial. Murais Os murais auxiliam na divulgação de eventos e de informações pertinentes aos pais e/ou responsáveis dos estudantes. O mural principal é localizado no hall da entrada da Escola, é de fácil acesso aos pais e estudantes. É atualizado de forma constante. Cartazes São produzidos pelo profissional de comunicação da Escola e pela Assessoria de Comunicação e Marketing (Ascomk) da Rede Marista de Colégios e Unidades Sociais. Os cartazes servem como meio de divulgação de eventos e acontecimentos da Escola. É possível encontrá-los nos murais da instituição e em pontos estratégicos da comunidade. Fale conosco Para informações, sugestões ou dúvidas referentes aos Colégios e Unidades Sociais da Rede Marista, entre em contato pelo telefone ou pelo Revista Em Família Com um conteúdo qualificado, reportagens, entrevistas e matérias especiais sobre temas de interesse da comunidade escolar, a Em Família é mais um canal de comunicação entre escola e família. O propósito da revista é oferecer informação de qualidade e notícias das principais ações desenvolvidas pelos colégios. O leitor encontra, ainda, notícias sobre o cotidiano dos Colégios e Unidades Sociais da Rede Marista. Rumo ao bicentenário Vivemos a contagem regressiva para o bicentenário do Instituto Marista. Em 2 de janeiro de 2017, se completarão dois séculos desde que Marcelino Champagnat deu início a sua obra, ao acolher dois jovens como formandos para viver em comunidade em La Valla, na França. 15

13 São 200 anos de vitalidade do carisma, de uma história repleta de desafios, conquistas e recomeços. Alcançar dois séculos de atuação no mundo é, sem dúvida, motivo de celebração e orgulho. E é, também, uma oportunidade para relembrarmos o sentido da nossa missão. É tempo de olharmos para trás, nos inspirarmos em nossas raízes para mirarmos o futuro um novo começo. Serviços Gerais São os colaboradores encarregados pelo preparo das refeições dos estudantes, serviço de manutenção, conservação e limpeza dos ambientes escolar. Equipe: Amauro Rodrigues de Freitas, Cleide de Fatima Cezar, Claudia Rejani Parodi Carvalho, Dirciano Zancan, Elenir Ávila de Carvalho, Gislaine Teixeira Lopes, Iracema da Silva Gonçalves, Ivone Queles de Mattos de Campos, Lírio José Steinmetz, Luciane Medianeira Bordin, Maria Cristina da Silva Pillar, Mardilei Castro Garcia, Miguelina Barcellos, Patrícia Pereira, Sandra Cristina Cavalheiro da Silva, Vanderleia Terezinha Gomes, Wesley da Rosa Marin e Zilma Tietz Santin. Quadro de professores Educação Infantil Nível 3 Ana Caroline Preto turma 011 Franciele Campara turma 012 Cátia Maciel turma 013 Guiomar Cabral: Língua Inglesa Fabio Belous: Educação Física Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º a 5º ano) 1º ano: Daliam Dalla Lana turma 111 Fernanda Pasche turma 112 Kélen Carvalho turma 113 2º ano Evanir Ferrão turma

14 Janete Cléia Teixeira turma 123 Silvia Aguiar turma 122 3º ano Denise Macedo turma 132 Eliane Fonseca turma 133 Simone Mello turma 131 4º ano Gian Carlo Garcia turma 142 Otília Silveira turma 143 Simone Fréo turma 141 Educadora Especial Mariza Araújo Zimmermann Educação Física Fabio Belous Língua Inglesa Guiomar Cabral (turmas do 1 a 5º ano) 5º ano Andrei Wojtowicz turma 151 Cristiane Lopes turma 152 Mosele Machado turma 153 Anos Finais do Ensino Fundamental (6º a 8º ano) Adriane Seixas Matemática 7º e 8º ano. Eleana Flores Caetano- Ensino Religioso 6º a 8º ano/ Protagonismo Social 6º e 7º ano. Emmanoele Monteiro Língua Portuguesa 6º e 7º ano. Evanir Ferrão Protagonismo Social 7º e 8º ano. Gian Carlo Garcia Filosofia 6º a 8º ano. Guiomar Cabral Língua Portuguesa 8º ano/ Língua Inglesa- 6º a 8º ano. Idelma Medina Matemática 6º a 8º ano. Lucas Cassanta História 6º a 8º ano. Maico dos Santos Educação Física 6º a 8º ano. Mariane Paludett Dorneles Ciências Humanas 7º e 8º ano. Neiva Camilo Artes 6º a 8º ano. Pedro Santos dos Santos Geografia 6º a 8º ano. Vanda Almeida Escobar Língua Portuguesa 7º e 8º ano. 17

15 Avaliação do estudante A avaliação é um processo contínuo, sistemático e cumulativo que identifica, acompanha e analisa as ações educativas e suas repercussões levadas a efeito na Escola. Constituise em prática pedagógica que tem como pressuposto o diagnóstico contínuo e reflexivo de elaboração e decisão no desenvolvimento do currículo e no espaço de ensino-aprendizagem. Formas de expressão e comunicação dos resultados avaliativos Os resultados parciais e o resultado final da avaliação do estudante são registrados e arquivados na Secretaria da escola. Frequência Para a aprovação do estudante dos Anos Iniciais e Finais do Ensino Fundamental, é exigida a frequência de 75% (setenta e cinco por cento) do total de horas letivas efetivamente ministradas no ano em que o educando encontra-se matriculado. Educação Infantil A avaliação é realizada a partir da observação processual do estudante, abrangendo o registro da evolução de suas aprendizagens, o qual considera os tempos, ritmos e espaços do aprender, o exercício da autonomia, a interação entre os pares e o meio, as linguagens, a representação gráfica, a resolução de situações-problemas, a construção da imagem corporal e dos movimentos psicomotores, bem como o acompanhamento ativo que a família assume em parceria com a instituição de ensino. A família é comunicada trimestralmente das conquistas e obstáculos referentes à aprendizagem da criança, mediante a apresentação de registros desenvolvidos pelos grupos e/ou turma e publicados, atendimentos realizados pelos professores por meio de encontros coletivos ou individuais, e de pareceres dos quais constam os objetivos perseguidos durante o ano letivo. O acompanhamento e o desenvolvimento do estudante são registrados e expressos por parecer descritivo, sendo ele elaborado pelo docente em forma de instrumental didático de acompanhamento e registro relativo ao Projeto Educativo. O parecer é entregue aos pais ou responsáveis, ao final de cada trimestre. 18

16 Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º a 5º ano) A avaliação é expressa pelo parecer elaborado pelo docente em forma de instrumental didático de acompanhamento e registro que revela o domínio de competências em termos de conhecimentos, atitudes e habilidades, expressos nas Matrizes Curriculares e Plano de Estudo para cada uma dos anos. A avaliação dos estudantes dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental é realizada de forma globalizada. A comunicação dos resultados é realizada ao final de cada trimestre aos pais ou responsáveis pelo estudante. Anos Finais do Ensino Fundamental (6º a 8º ano) O resultado da avaliação é expresso por notas de zero a dez (a 10), aceitando-se somente um dígito após a vírgula. A avaliação dos estudantes dos Anos Finais é dada por componente curricular. Os resultados da avaliação do rendimento escolar do estudante são comunicados ao final de cada trimestre, aos pais ou responsáveis, ou ao próprio estudante, se maior de idade. Estudos de Recuperação Os Estudos de Recuperação ocorrem de forma contínua e processual, sendo dirigidos aos estudantes com baixo rendimento escolar, diagnosticado durante o processo de ensino e aprendizagem no trimestre. Exames Finais Após o encerramento do ano letivo, é oferecido o Exame Final aos estudantes que, apesar de todas as atividades previstas, com vistas à recuperação do rendimento escolar, realizados no decorrer durante o ano letivo, não obtiveram: Nos Anos Finais do Ensino Fundamental, média anual sete (7,0) em cada componente curricular. Para lograr aprovação é necessário o estudante evidenciar melhoria no processo de ensino e aprendizagem, demonstrando, através dos instrumentos de avaliação, o domínio das competências básicas que garatam: Parecer de Aprovação para os estudantes do 1º a 5º ano EF; Média aritmética simples de, no mínimo, cinco vírgula zero (5,0), resultado obtido da 19

17 média anual (MA) mais a nota obtida no Exame Final (EF), dividido por dois (2,0), em cada componente curricular para os estudantes do 6º a 8º ano do Ensino Fundamental. (1ºtrim.) + (2º trim.) + (3º trim.) 7, Outras informações Ética na internet A tecnologia da informação não deve ser usada para prejudicar ou ofender pessoas e/ou instituições, mediante o uso de linguagem ofensiva ou imprópria, em mensagens públicas ou particulares e visualização de material considerado inadequado ao ambiente escolar. A utilização do equipamento somente se dará com autorização e acompanhamento do monitor do Labtec I e II. É vedada a instalação de jogos pelos estudantes e o seu uso pela internet nas máquinas da Escola. Excursões e passeios As excursões e passeios fora da escola são comunicados antecipadamente, via bilhete no caderno ou Guia Escolar, sendo obrigatória a autorização por escrito dos responsáveis. Só com a autorização os estudantes sairão da escola. Material escolar É fundamental que o estudante valorize o material escolar, solicitando e utilizando-o de acordo com as orientações dos educadores. A apresentação do material é obrigatória e compõe a avaliação do estudante. O educando é responsável pelo porte e conservação do próprio material e não serão permitidas a guarda ou permanência de objetos e mochila nos locais de circulação da escola. Missa mensal A missa é organizada pela Pastoral Escolar, na capela da escola juntamente com o padre da comunidade. Com duração de 30 minutos, a celebração conta com a participação de estudantes, educadores e colaboradores da escola. 20

18 Recreio É o momento de convivência, descanso e lazer dos professores e alunos. Pode ser aproveitado no pátio interno da escola. Saídas antecipadas Os responsáveis deverão autorizar a saída, via Guia da Comunidade Escolar, e o estudante deverá procurar o SCT para obter a autorização desejada e, assim, ter a liberação efetiva na recepção da escola. As saídas devem ser evitadas ao máximo. Objetos esquecidos e perdidos Os estudantes são responsáveis por seus pertences, guardando-os na sala de aula ou levando-os consigo. A escola não se responsabiliza por objetos perdidos ou esquecidos em seus ambientes, nem os indeniza. Cabe ao estudante identificar os próprios pertences e deles cuidar. Materiais esquecidos, quando recolhidos pelos funcionários, serão deixados nos setor de Audiovisual por um período de uma semana. Saúde Não nos é permitido ministrar qualquer medicação sem prévia recomendação médica e autorização dos pais. Assim, caso seu filho necessite tomar algum medicamento no horário escolar, pedimos que ele seja enviado juntamente com a autorização por escrito e a receita médica. Não havendo a receita, a autorização dos pais para o medicamento deve ser acrescida de justificativa pelo seu não envio. Caso contrário, o medicamento não pode ser aplicado. Segurança A segurança de estudantes e educadores é garantida pelo acompanhamento do coordenador de turno, da equipe diretiva e da presença permanente de funcionários nos locais de entrada e saída, bem como nos recreios e intervalos. 21

19 Preparação para a vida Pastoral Juvenil Marista (PJM) A Pastoral Juvenil Marista (PJM) agrupa adolescentes e jovens da escola e da comunidade da Nova Santa Marta para o diálogo e a reflexão de temas referentes à realidade juvenil. Oração, trabalhos em grupo, momentos de integração, dinâmicas de grupo e reflexões sobre a realidade brasileira e mundial, fazem parte das atividades. O principal objetivo da PJM é evangelizar, a partir do desejo de construir a civilização do amor e contribuir para a formação humana e religiosa do estudante marista e do cidadão. As atividades dos grupos são coordenadas pelos assessores Antonio Dilar Jones e Jair Dutra. Sistema Marista de Avaliação (Sima) O Simulado Marista é oferecido aos estudantes do 5º ao 8º ano do Ensino Fundamental. O Sima testa e avalia por meio de provas semelhantes aos vestibulares, a preparação e o aprendizado dos estudantes. Aspectos Regimentais A escola tem claro o significado de uma convivência saudável e os aspectos que não são tolerados pela comunidade escolar e social. Direito dos estudantes: São direitos do estudante: I usufruir dos benefícios que a escola proporciona a seus estudantes; II valer-se dos serviços oferecidos pela escola; III expor, a quem de direito, as dificuldades encontradas na realização das atividades escolares; IV receber orientação e auxílio necessários para realizar as atividades escolares; V conhecer o presente Regimento Escolar e solicitar esclarecimentos sobre ele; VI comunicar, a quem de direito, as dificuldades encontradas nas relações interpessoais; VII organizar-se em associações de cunho religioso, científico, artístico, cívico, esportivo, social e educacional, respeitando as disposições deste Regimento Escolar, do Projeto Educativo, da Direção e das normas da Entidade Mantenedora; 22

20 VIII participar das realizações e promoções da escola, destinadas a sua formação, como elemento consciente e atuante da comunidade; IX apresentar, a quem de direito, sugestões e solicitações relativas à melhoria da vida escolar; X justificar as suas faltas no prazo determinado pela escola; XI solicitar esclarecimentos sobre a sua avaliação; XII conhecer e vivenciar a Filosofia Marista. Deveres dos estudantes: O estudante, juntamente com os pais e/ou responsáveis, compromete-se com os seguintes deveres: I permanecer na escola todo o período das aulas, participando ativamente de todas as atividades escolares, esforçando-se para delas obter o melhor aproveitamento; II comparecer à escola munido somente do material necessário para a realização das atividades escolares previstas; III realizar e apresentar os trabalhos e tarefas solicitadas pelos professores no prazo combinado; IV aproveitar as oportunidades que a escola oferece para desenvolver hábitos de sociabilidade e convivência em grupo; V zelar pela conservação do prédio, mobiliário e material didático, bem como de tudo o que é de uso coletivo; VIII apresentar postura e atitude condizentes que zelem pela boa imagem da instituição; IX ter postura adequada em todas as dependências, imediações da escola e nas diversas situações em que a representa; X utilizar, de maneira ética e responsável, os recursos tecnológicos disponibilizados pela escola; XI ser assíduo e pontual nas atividades escolares; XII justificar suas faltas dentro do prazo determinado pela escola; XIII conhecer e cumprir o presente Regimento Escolar; XIV agir em consonância com a Filosofia da Instituição Marista, pondo-se em atitude de respeito e harmonia com o ambiente escolar; 23

21 Normas Disciplinares ausentar-se da escola sem a devida autorização prévia e por escrito; ocupar-se, durante as aulas, com qualquer atividade estranha a elas; praticar atos que atinjam a integridade física e moral das pessoas na escola e em suas imediações; consumir, vender ou transportar qualquer droga lícita ou ilícita; promover, sem autorização da Direção, vendas, campanhas, coletas, eventos e subscrições no, e em nome, da escola; promover política partidária nas dependências ou nas imediações da escola; usar, indevidamente, o nome, emblemas ou símbolos da escola; rasurar documentos referentes à vida escolar; entrar em sala de aula após o início das atividades escolares do período sem a devida justificativa e autorização da coordenação de turno; fazer apologias que contrariam os valores da Educação Marista; expor colegas, professores ou qualquer membro da Comunidade Escolar a situações constrangedoras; brigas/agressões: o respeito mútuo é uma exigência básica para o desenvolvimento do trabalho educativo. Não será permitida qualquer atitude de intolerância e agressividade nas dependências da escola. chicletes: pela comunidade escolar, não é permitido o consumo de chicletes nas dependências da escola devido aos malefícios causados à saúde, e porque o seu mau uso traz danos ao patrimônio da escola. objetos Eletrônicos: não é permitido o uso de equipamentos eletrônicos como ipods, celulares, MP3/MP4, sons, máquinas fotográficas, filmadoras, entre outros. Se algum objeto for perdido, a escola eximir-se-á de qualquer compromisso. Nas salas de aula ou em momentos formais de educação, como saídas de campo, horas cívicas e apresentações, o objeto será retirado do aluno e permanecerá com a Coordenação para ser entregue aos responsáveis. patrimônio do escola: não serão permitidos atos de vandalismo ao patrimônio da escola. Pichações em paredes, mesas, corredores e banheiros, danos às mesas, cadeiras e ao equipamento eletrônico da sala de aula, entre outros casos, são configurados como danos materiais. O que for causado à escola será ressarcido pelo causador do estrago e/ou pelos responsáveis. 24

7. DIREITOS, DEVERES, NORMAS DE CONVIVÊNCIA E MEDIDAS EDUCATIVAS

7. DIREITOS, DEVERES, NORMAS DE CONVIVÊNCIA E MEDIDAS EDUCATIVAS 7. DIREITOS, DEVERES, NORMAS DE CONVIVÊNCIA E MEDIDAS EDUCATIVAS 7.1 Direitos São direitos do estudante: a) usufruir dos benefícios que o Estabelecimento de Ensino proporciona a seus alunos; b) valer-se

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

1) SISTEMA DE AVALIAÇÃO

1) SISTEMA DE AVALIAÇÃO 1 2 Sumário 1) SISTEMA DE AVALIAÇÃO...4 1.1) PAA Projeto de Auxílio Aprendizagem...4 2) PROVAS E TRABALHOS...5 2.1) Provas Atrasadas...5 Como proceder:...5 2.2) Provas de Recuperação...5 2.3) Trabalhos...5

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

MANUAL DO ALUNO SISTEMA DE AVALIAÇÃO

MANUAL DO ALUNO SISTEMA DE AVALIAÇÃO MANUAL DO ALUNO No presente Manual você encontrará uma síntese de procedimentos pedagógicos adotados pela Instituição e conhecerá as instalações e departamentos de apoio ao aluno. SISTEMA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

COLÉGIO MÃE DE DEUS. Quem vive aprendendo, sabe como Ensinar. Calendário Escolar -Ano Letivo -2016

COLÉGIO MÃE DE DEUS. Quem vive aprendendo, sabe como Ensinar. Calendário Escolar -Ano Letivo -2016 A D Á N R E IO L C ESCOLAR COLÉGIO MÃE DE DEUS 2016 Irmãs do Imaculado Coração de Maria COLÉGIO MÃE DE DEUS Quem vive aprendendo, sabe como Ensinar. Calendário Escolar -Ano Letivo -2016 16 - Reunião da

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

Guia do aluno Informações Básicas

Guia do aluno Informações Básicas Guia do aluno Informações Básicas Pensando no processo de aproximação entre você e as tecnologias digitais que assegurarão um bom desempenho, criamos este guia com dicas para que você saiba como começar

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Centros Juvenis de Ciência e Cultura Documento-Base

Centros Juvenis de Ciência e Cultura Documento-Base Documento-Base 1. Contexto Garantir educação de qualidade é um dos grandes desafios deste início de século para a Bahia e para o Brasil. No ensino médio, a Bahia tem encontrado dificuldades para avançar

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

Coordenação Pedagógica Educação Infantil e 1º Ano Ensino Fundamental I Profª. Hevelyn Tatiane Silva Barcelos Campelo

Coordenação Pedagógica Educação Infantil e 1º Ano Ensino Fundamental I Profª. Hevelyn Tatiane Silva Barcelos Campelo 01 Direção: Profª Renata Teixeira Junqueira Freire Vice Direção Administrativa: Márcio Lóes Alcalá Coordenação Pedagógica Educação Infantil e 1º Ano Ensino Fundamental I Profª. Hevelyn Tatiane Silva Barcelos

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Programa Viver é Melhor Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Legião da Boa Vontade (LBV) Cidade: Londrina/PR

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

MANUAL DO ALUNO PÓS-GRADUAÇÃO

MANUAL DO ALUNO PÓS-GRADUAÇÃO MANUAL DO ALUNO PÓS-GRADUAÇÃO CARO ALUNO, Seja Bem-Vindo às Escolas e Faculdades QI! Desejamos a você uma excelente jornada de estudos e evolução, tanto no campo profissional, como pessoal. Recomendamos

Leia mais

COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º. As Práticas de Campo do Curso de Enfermagem parte integrante

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

Orientações Gerais de Acordo com o Regimento Escolar (parecer favorável do COMED 006/05)

Orientações Gerais de Acordo com o Regimento Escolar (parecer favorável do COMED 006/05) Orientações Gerais de Acordo com o Regimento Escolar (parecer favorável do COMED 006/05) Dos Discentes Todos os alunos matriculados na Unidade Escolar integram o corpo discente tendo o DIREITO de: Valer-se

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO RESOLUÇÃO CAS Nº 07 / 2007 De 05 de agosto de 2007 Reformula o Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Pedagogia, a ser implantado a partir do 2º semestre do ano letivo de 2007. CONSIDERANDO

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004 CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE MORMAÇO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. FAÇO

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano ... CEFF - CENTRO EDUCACIONAL FAZENDINHA FELIZ Rua Professor Jones, 1513 - Centro - Linhares / ES - CEP. 29.900-131 - Telefone: (27) 3371-2265 www.escolafazendinhafeliz.com.br... Ao colocar seu filho na

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

B1 - ATELIER BALÉ JOVEM (CICLO INTERMEDIÁRIO E CICLO PROFISSIONALIZANTE)

B1 - ATELIER BALÉ JOVEM (CICLO INTERMEDIÁRIO E CICLO PROFISSIONALIZANTE) B) PROJETOS ESPECIAIS O eixo de PROJETOS ESPECIAIS engloba as atividades extracurriculares, complementares ao PROGRAMA DE FORMAÇÃO EM DANÇA. São atividades promovidas pela Escola com artistas convidados,

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA MISSÃO: FORMAR PROFISSIONAIS CAPACITADOS, SOCIALMENTE RESPONSÁVEIS E APTOS A PROMOVEREM AS TRANSFORMAÇÕES FUTURAS. ESTÁGIO SUPERVISIONADO LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Resolução CME n 20/2012 Comissão de Ensino Fundamental Comissão de Legislação e Normas organização Define normas para a dos três Anos Iniciais do Ensino Fundamental das Escolas

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 1.1 Organização Institucional Q1 Cumprimento da missão da

Leia mais

SER / SOCIEDADE EDUCACIONAL ROCHA

SER / SOCIEDADE EDUCACIONAL ROCHA SER / SOCIEDADE EDUCACIONAL ROCHA Prezados Pais, Responsáveis e Alunos Recomendamos a todos que leiam com atenção cada uma destas orientações, pois os pais e responsáveis dos alunos matriculados no SER

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PLANO DE TRABALHO

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PLANO DE TRABALHO ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PLANO DE TRABALHO DADOS CADASTRAIS PLANO DE TRABALHO - ENTIDADE ÓRGÃO / ENTIDADE PROPONENTE: CNPJ: ENDEREÇO: ENDEREÇO ELETRÔNICO (E-MAIL): CIDADE: UF: CEP: (DDD) FONE: CONTA CORRENTE:

Leia mais

22/12/2014 a 09/01/2015 Secretaria / Tesouraria FECHADAS

22/12/2014 a 09/01/2015 Secretaria / Tesouraria FECHADAS BOLETIM INFORMATIVO 2015 Título: PROCESSO DE MATRÍCULA Unidade Organizacional: COLÉGIO REGINA MUNDI Objetivo: Esclarecer dúvidas correlacionadas ao processo de matrícula nas escolas da Rede Santa Paulina.

Leia mais

Atividades Extraclasse

Atividades Extraclasse Atividades Extraclasse No Marista Conceição, o estudante aprende e desenvolve habilidades dentro e fora da sala de aula, por meio de atividades esportivas, artísticas, culturais, científicas e de solidariedade.

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE O Colégio Estadual Djenal Tavares de Queiroz, foi fundado

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

SER / SOCIEDADE EDUCACIONAL ROCHA

SER / SOCIEDADE EDUCACIONAL ROCHA SER / SOCIEDADE EDUCACIONAL ROCHA Prezados Pais, Responsáveis e Alunos Recomendamos a todos que leiam com atenção cada uma destas orientações, pois os pais e responsáveis dos alunos matriculados no SER

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS/FUNÇÕES

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS/FUNÇÕES ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS/FUNÇÕES - Monitor de Marcenaria, Monitor de Artesanato, Monitor de Música e/ou Violão e Monitor de Patinação e/ou Dança Ministrar aulas teóricas e práticas, conforme a atividade

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DO EXÉRCITO FUNDAÇÃO OSORIO. Fundação Osorio - Formando hoje o cidadão do amanhã

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DO EXÉRCITO FUNDAÇÃO OSORIO. Fundação Osorio - Formando hoje o cidadão do amanhã MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DO EXÉRCITO FUNDAÇÃO OSORIO Fundação Osorio - Formando hoje o cidadão do amanhã Senhores Pais / Responsáveis, A Educação na Fundação Osorio tem por objetivo o desenvolvimento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Plano de Gestão 2013-2015

Plano de Gestão 2013-2015 Plano de Gestão 2013-2015 CANDIDATAS DIRETORA: MARIA MAGARI INDA DA ROCHA VICE-DIRETORA: LUCI MEIRE RISSO BARBOSA PLANO DE GESTÃO A escola onde trabalho está baseada nos valores humanistas, tendo como

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO

ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO Organização Administrativa e Técnica TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E TÉCNICA CAPÍTULO I DA ESTRUTURA FUNCIONAL Art. 7º A organização administrativa e técnica da

Leia mais

12 DE MARÇO DIA ESTADUAL DA FAMÍLIA PRESENTE NA ESCOLA

12 DE MARÇO DIA ESTADUAL DA FAMÍLIA PRESENTE NA ESCOLA 12 DE MARÇO DIA ESTADUAL DA FAMÍLIA PRESENTE NA ESCOLA Mensagem de Boas-Vindas Diretor Atividade Cultural PROJETO ESTADUAL FAMÍLIA PRESENTE NA EDUCAÇÃO O Projeto FAMÍLIA PRESENTE NA EDUCAÇÃO compõe uma

Leia mais

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores;

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores; CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FABRA MANTENEDOR DA ESCOLA DE ENSINO SUPERIOR FABRA Cred. Pela Portaria Ministerial nº 2787 de 12/12/2001 D.O.U. 17/12/2001 Rua Pouso Alegre, nº 49 Barcelona Serra/ES CEP 29166-160

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS CARGO: PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS - Ministrar aulas de

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Terceira Idade e Movimento

Mostra de Projetos 2011. Terceira Idade e Movimento Mostra de Projetos 2011 Terceira Idade e Movimento Mostra Local de: Campina Grande do Sul Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria

Leia mais

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens A obra salesiana teve início em Turim, na Itália, onde Dom Bosco colocou em prática seus ideais de educação associados ao desenvolvimento

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Apresentação. SUPERINTEDÊNCIA GERAL Magda Fonseca Coutinho. COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Mércia Corrêa de Oliveira

Apresentação. SUPERINTEDÊNCIA GERAL Magda Fonseca Coutinho. COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Mércia Corrêa de Oliveira Apresentação SUPERINTEDÊNCIA GERAL Magda Fonseca Coutinho COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Mércia Corrêa de Oliveira Descritivo: "A educação deve possibilitar ao corpo e à alma toda a perfeição e a beleza que podem

Leia mais

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS 01. JUSTIFICATIVA: Entendemos que a Educação de Jovens e Adultos foi concebida para resgatar aqueles que por vários motivos tenham

Leia mais

Ofício Circular n.º 12/2009 - DET/SEED Curitiba, 15 de Abril de 2009. Referência: Informações e-tec Brasil

Ofício Circular n.º 12/2009 - DET/SEED Curitiba, 15 de Abril de 2009. Referência: Informações e-tec Brasil SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E TRABALHO Ofício Circular n.º 12/2009 - DET/SEED Curitiba, 15 de Abril de 2009. Referência: Informações e-tec Brasil

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Nome do estagiário: Professor Supervisor: Rosângela Menta Mello Instituição em que realizou o estágio: Data do relatório: COLÉGIO ESTADUAL WOLFF KLABIN RELATÓRIO DE ATIVIDADES Período do estágio na instituição:

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade

Mostra de Projetos 2011. Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade Mostra de Projetos 2011 Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade Mostra Local de: Piraquara Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais.

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO LUIZ MARIA FERRAZ - CIEP (CENTRO INTEGRADO DE EDUCAÇÃO PÚBLICA)

DIAGNÓSTICO DA ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO LUIZ MARIA FERRAZ - CIEP (CENTRO INTEGRADO DE EDUCAÇÃO PÚBLICA) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA - UNIPAMPA - BAGÉ PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA SUBPROJETO DE MATEMÁTICA PIBID DIAGNÓSTICO DA ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO LUIZ

Leia mais

Anexo Res. CONSU Nº 40/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS E MULTIDISCIPLINAR CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Anexo Res. CONSU Nº 40/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS E MULTIDISCIPLINAR CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Anexo Res. CONSU Nº 40/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS E MULTIDISCIPLINAR CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este Regulamento dispõe sobre a estruturação, utilização e

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Regulamento do Estágio Curricular Obrigatório do Bacharelado em Ciências Biológicas 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA EM NÍVEL MÉDIO

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O objetivo das Atividades Complementares é fomentar complementação

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Pró-Reitoria de Graduação Diretoria do Curso de Direito COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Pró-Reitoria de Graduação Diretoria do Curso de Direito COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO III - SAJULBRA - 1 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO III - SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA GRATUITA DA UNIVERSIDADE LUTERANA

Leia mais

A Família e sua importância no processo educativo dos alunos especiais

A Família e sua importância no processo educativo dos alunos especiais Geyza Pedrisch de Castro Joana Darc Macedo Passos Sandra Lima Karantino A Família e sua importância no processo educativo dos alunos especiais Guajará Mirim RO. 2012. 1. JUSTIFICATIVA O presente Projeto

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA Página 1 de 11 1. CONCEITO / FINALIDADE : A monitoria consiste na atividade de apoio aos alunos das disciplinas de oferta regular do currículo as quais os coordenadores de

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO DE TECNÓLOGO EM PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO (com ênfase em calçados)

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO DE TECNÓLOGO EM PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO (com ênfase em calçados) Mantenedora: Fundação Educacional Fausto Pinto da Fonseca - CNPJ : 04.149.536/0001-24 Av. Dom Cabral, 31 Centro - CEP: 35.519-000 - Nova Serrana - MG Fone: (37) 3226-8200 - Site: www.fanserrana.com.br

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DO CURSO DE PEDAGOGIA IFC - CAMPUS CAMBORIÚ. Título I LABORATÓRIO DE ENSINO. Capítulo I Princípios e Diretrizes

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DO CURSO DE PEDAGOGIA IFC - CAMPUS CAMBORIÚ. Título I LABORATÓRIO DE ENSINO. Capítulo I Princípios e Diretrizes REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DO CURSO DE PEDAGOGIA IFC - CAMPUS CAMBORIÚ Título I LABORATÓRIO DE ENSINO Capítulo I Princípios e Diretrizes O laboratório de ensino do curso de Licenciatura em Pedagogia

Leia mais

Escola Municipal Andre Urani Ginásio Experimental de Novas Tecnologias Educacionais / GENTE RJ 27/06/2013

Escola Municipal Andre Urani Ginásio Experimental de Novas Tecnologias Educacionais / GENTE RJ 27/06/2013 Escola Municipal Andre Urani Ginásio Experimental de Novas Tecnologias Educacionais / GENTE RJ 27/06/2013 Informações da instituição A Escola Municipal André Urani está situada na Rocinha e é a primeira

Leia mais

PREFEITURA DE NOVA VENÉCIA-ES SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015.

PREFEITURA DE NOVA VENÉCIA-ES SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015. PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015. DISPÕE SOBRE O FUNCIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DAS UNIDADES DE ENSINO DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM TEMPO INTEGRAL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE NOVA VENÉCIA-ES

Leia mais

IESB / PREVE. CURSO DE DIREITO Núcleo de Prática Jurídica Escritório de Assistência Jurídica ORIENTAÇÕES GERAIS

IESB / PREVE. CURSO DE DIREITO Núcleo de Prática Jurídica Escritório de Assistência Jurídica ORIENTAÇÕES GERAIS IESB / PREVE CURSO DE DIREITO Núcleo de Prática Jurídica Escritório de Assistência Jurídica ORIENTAÇÕES GERAIS MISSÃO / IESB Proporcionar um espaço de contínua aprendizagem onde alunos, professores e colaboradores

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO Este documento regulamenta os estágios obrigatórios e não obrigatórios do Curso de Bacharelado em Biomedicina visando à formação integral do

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CURSOS DA FIPP

REGULAMENTO INTERNO DOS CURSOS DA FIPP REGULAMENTO INTERNO DOS CURSOS DA FIPP BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO 2013 Coordenação Pedagógica: Prof. Ms José Luiz de Miranda Alves Coordenação do Núcleo de Estágio - NEST: Profª. Ms

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Formando o aluno para a responsabilidade social. Esther Carvalho Março 2010

Formando o aluno para a responsabilidade social. Esther Carvalho Março 2010 Formando o aluno para a responsabilidade social Esther Carvalho Março 2010 Missão "Servir com excelência, por meio da educação, formando cidadãos éticos, solidários e competentes" Visão "Ser referência

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 1 FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 2 Sumário 1. Introdução... 3 2. Finalidade do Projeto Interdisciplinar... 3 3. Disciplinas Contempladas... 4 4. Material

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I- DA EXIGÊNCIA - Resolução CNE/CP 1/ 2002, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura,

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010. Pais e Alunos

PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010. Pais e Alunos PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010 Pais e Alunos Proposta de Trabalho Ensino Médio 2010 A partir de 2010 o nosso projeto pedagógico do Ensino Médio estará ainda mais comprometido com a formação integral

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL TÍTULO I - DO LABORATÓRIO DIDÁTICO CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais