OS SABERES DE PROFESSORES SOBRE DIDÁTICA: REFLEXÕES SOBRE O ENSINAR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS SABERES DE PROFESSORES SOBRE DIDÁTICA: REFLEXÕES SOBRE O ENSINAR"

Transcrição

1 OS SABERES DE PROFESSORES SOBRE DIDÁTICA: REFLEXÕES SOBRE O ENSINAR Tereza Cristina Leandro de Faria Universidade Potiguar - UnP Resumo Quando se questiona a qualidade da educação dispensada aos alunos, surge a questão da competência do professor e mesmo das instituições responsáveis por sua formação. O professor deve possuir um repertório de conhecimentos coerente e pertinente que corresponda aos saberes próprios da profissão. As pesquisas sobre os saberes docentes realizadas nos últimos anos no Brasil e em países como Portugal, Espanha e Estados Unidos afirmam que existe, hoje, um repertório de conhecimentos pedagógicos que possibilita ao professor ensinar melhor. Nesse contexto, o trabalho resulta de uma pesquisa qualitativa, que teve por objetivo geral investigar os saberes de professores sobre Didática : e, por objetivos específicos: a) saber o que para eles é ensinar; e b) identificar como a Didática ajuda o professor no seu fazer pedagógico. As informações, colhidas por meio de um questionário, foram categorizadas e analisadas utilizando-se a técnicaanálise de conteúdo (BARDIN, 1977).As respostas dos professores às questões de estudo me levam a afirmar que eles podem ter um conhecimento declarativo, também chamado descritivo ou factual, por meio do qual sabem expressar em forma de proposições o que acontece ou o que pensam sobre ensinar ao responder o que é e como ensinam, de forma descritiva. Esse tipo de conhecimento não oportuniza um saber-fazer pedagógico profissional, argumentado, necessário às demandas educativas da sociedade contemporânea. Podem também, para explicar o que estão fazendo, estar utilizando expressões popularizadas no meio educacional com um sentido muito diferente do que tinham originalmente, mostrando que estão se apoiando em ideias frágeis para ensinar. Palavras-chave: Formação de professores. Saberes docentes. Didática. Introdução No Brasil, o século XXI, no plano educacional, apresenta um panorama bastante complexo: de um lado, as escolas dispondo de vários modelos dos processos de ensino-aprendizagem e buscando pelo mais eficiente; de outro, a incontestável falta de aproveitamento das capacidades intelectuais, sociais e culturais dos alunos desde os primeiros anos de escolaridade. Os primeiros anos são fundamentais, pois, de acordo com o desenvolvimento psicológico, é nessa fase que surgem potencialidades extraordinárias. Se estas não tiverem a atenção educativa requerida, perder-se-ão, trazendo sérios danos e um possível estancamento do indivíduo no seu processo de crescimento intelectual, afetivo e social. A escola é a instituição explicitamente destinada a transmitir, sistematicamente, os conhecimentos. Qualquer que seja ela pública ou privada, tradicional ou moderna, de melhor ou pior qualidade possui uma característica 05166

2 inerente a esse tipo de instituição: o conhecimento é o objeto privilegiado de sua ação. Assim sendo, cabe às escolas promoverem um ensino capaz de desenvolver nos alunos uma aprendizagem que contribua parao desenvolvimento integral da personalidade, construída sobre a base dos contextos socioculturais nos quais esses alunos se desenvolvem. Ao mesmo tempo, é imprescindível que, a cada dia, o ensino propicie ao aluno a aquisição de procedimentos e estratégias que lhe permitam apropriar-se dos conhecimentos acumulados pelas gerações precedentes de uma forma mais ativa, reflexiva e independente de maneira tal que se convertam em mecanismos propulsores de seu próprio desenvolvimento e de instrumentos de ação e transformação no meio físico e social. Esse esforço procura romper com práticas de ensino baseadas na transmissão/acumulação de conhecimentos e pautadas pelo conhecimento fragmentado, descontextualizado e de limitado poder educativo. Nesse sentido, a educação se apresenta como uma ferramenta de cidadania, uma maneira de educar o indivíduo para participar de forma ativa na sociedade, e não exclusivamente como mecanismo de adaptação às novas exigências sociais, característica de projetos educativos que respondem de maneira acrítica à sociedade doconhecimento e às formas atuais de globalização da economia, manifestações de novas formas de organização do capitalismo. E como estão os saberes dos professores sobre Didática (as teorias do ensino)? O que estudaram em cursos de formação inicial e/ou continuada oportunizou a construção de saberes necessários a uma prática docente que realmente contribua para o desenvolvimento integral da personalidade do educando? Para responder as essas questões foi realizado esse estudo que teve por objetivo geral investigar os saberes de professores sobre Didática e por objetivos específicos: a) saber o que para eles é ensinar; e b) identificar como a Didática ajuda o professor no seu fazer pedagógico. Esperamos poder contribuir com reflexões teóricas e práticas que venham a ajudar os cursos de formação inicial e continuada de professores. Bases conceituais O termo Didática surgiu quando os adultos começaram a intervir na aprendizagem das crianças através de uma direção deliberada e planejada do ensino (LIBÂNEO, 1994). Em se tratando de Didática, faz-se necessária uma referência a João Amós Comênio, que, em meados do século XVII, escreveu a primeira obra clássica sobre o 05167

3 tema, a Didática Magna. A formação da teoria didática para investigar as ligações entre o ensino e a aprendizagem e suas leis foi obra de Comênio, bem como o primeiro registro de preocupação com um ensinodirigido a todos os povos, com uma escolapara a vida toda, que ensinasse tudo a todos totalmente (MANACORDA, 2000). Segundo Libâneo (1994), a Didática estuda os fundamentos, as condições e os modos de realização da instrução e do ensino. A elacabe converter objetivos sociopolíticos e pedagógicos em objetivos de ensino, selecionar conteúdos e métodos em função desses objetivos e estabelecer os vínculos entre ensino e aprendizagem, tendo em vista o desenvolvimento das capacidades mentais dos alunos. Conforme Danilov e Skatkin (1985, p. 34), Para Grossi (1990, p. 45), A Didática estuda o processo de ensino em cujo desenvolvimento tem lugar a assimilação dos conhecimentos sistematizados, o domínio dos procedimentos para aplicar ditos conhecimentos na prática, e o desenvolvimento das forças cognoscitivas dos educandos. A Didática é a parte da Pedagogia que se ocupa das aprendizagens complexas que requerem sistematização e organização.ela se ocupa do ambiente que possibilita as aprendizagens mais pontuais e específicas dos campos científicos, que configuram as disciplinas escolares. A Didática é a ciência que dá conta de fazer com que alguém, não tendo um certo conhecimento, passe a tê-lo; isto é, ela se ocupa da construção do conhecimento. Segundo Martins (2008, p. 176), a Didática vai além de compreender o processo de ensino em suas múltiplas determinações para intervir nele e reorientá-lo na direção política pretendida; ela vai expressar a ação prática dos professores, sendo uma forma de abrir caminhos possíveis para novas ações. A prática histórico cultural tem demonstrado que, de acordo com as aspirações da sociedade, a formação das novas gerações se produz, fundamentalmente, no processo de ensino-aprendizagem. Esse processo pode ser estudado por várias ciências, entretanto existe uma que o estuda considerando o encargo social. Isto é, a sociedade atribui à escola a responsabilidade pela formação integral da personalidade do aluno. Nesse contexto, concordamos com Zayas (1992) ao afirmar que a Didática é a disciplina científica que estuda o processo de ensino dirigido a resolver essa problemática que se apresenta para a escola: uma formação do indivíduo que responda 05168

4 aos anseios da sociedade. Assim, o processo de ensino converte-se no instrumento fundamental, dado seu caráter sistemático, para satisfazer essa necessidade. Baseado nos resultados das pesquisas da Psicologia Pedagógica, Davidov (1988) discute um grupo de princípios para o ensino que, nesse contexto emomento histórico, ele chamou escola do futuro. Entre esses princípios, destacam-se os seguintes: articulação entre teoria e prática, exequibilidade, caráter consciente, visualização e rigor científico. Na opinião de Davidov (1988), a aplicação desses princípios possibilitou pensar na escola do futuro, orientada para atender à sociedade socialista no contexto da revolução científica e tecnológica do século XX. No entanto, o conteúdo desses princípios tem uma atualidade notável para a escola de hoje. Os princípios didáticos são os elos entre a Didática, a Psicologia e a Pedagogia, expressos em teses que norteiam a instrumentalização do ensino. Para Danilov e Skatkin (1985, p. 25), os princípios didáticos são como categorias da Didática que definem os métodos de aplicação das leis do ensino, em correspondência com os fins da educação e do ensino. Os pedagogos soviéticos diferenciaram ensino de educação, mas reconheceram que ambas categorias constituíam uma unidade. Dessa forma, diferenciavam o processo docente (plano didático), do processo educativo (plano pedagógico). Para eles, o ensino tem como tarefa essencial dotar os alunos dosconhecimentos, habilidades e hábitos da formação dos fundamentos de uma visão dialético-materialista do mundo e o desenvolvimento das capacidades cognoscitivas. A educação está orientada à formação da moral e das normas de conduta. Dessa forma, apesar de serem categorias específicas, ensino e educação, nesse contexto, têm as mesmas finalidades. Para Makarenko(apudLUEDEMANN, 2002) a lógica do processo de ensino é específica em relação ao processo educativo. O processo de ensino pode ser caracterizado pelos seguintes aspectos (ZAYAS, 1992): os objetivos, o conteúdo e sua estrutura e o processo em si mesmo, que adota formas e métodos característicos nos quais se vinculam o professor e os alunos em um sistema docente dirigido para a formação integral da personalidade do aluno. Conforme Candau (2003), até o início dos anos de 1980 a Didática no Brasil tinha um caráter exclusivamente instrumental (fundamentada na psicologia condutista ou behaviorista). Era concebida como um conjunto de conhecimentos técnicos sobre o como fazer pedagógico, que eram apresentados de forma universal e, por esse motivo, 05169

5 desvinculados dos problemas relativos aos fins da educação, dos conteúdos específicos e do contexto sociocultural no qual foram gerados. Por essa visão, perpassa a questão da neutralidade científica, como se a ciência pudesse ser compreendida tendo como única referência a coerência interna, sem levar-se em consideração o contexto histórico da produção científica e suas implicações. Essa situação começa a ser questionada a partir da metade dos anos de O desafio é a superação da Didática instrumental pela Didática fundamental, e, para isso, é preciso assumir a multidimensionalidade do processo de ensino-aprendizagem (a competência técnica e humana e o compromisso político se exigem mutuamente e se interpenetram e, assim sendo, não podem se dissociar um do outro) e explicitar pressupostos. Isso implica analisar as diferentes abordagens metodológicas e explicitar o contexto em que foram geradas e a visão de homem, de sociedade e de educação que veiculam. É preciso, também, deixar claro o papel da Didática na formação inicial e continuada dos professores. Para Candau (1984), trata-se de conhecimento de mediação, portanto é importante que se baseie nas disciplinas da área de fundamentos: sua especificidade é garantida pela preocupação com a compreensão do processo de ensinoaprendizagem e a busca de formas de intervenção na prática educativa. Tem, pois, por objetivo o como fazer, mas este só tem sentido quando articulado ao para que fazer e ao por que fazer. Uma das tarefas didáticas dos professores é o planejamento de suas atividades de ensino. Planejar o ensino é buscar o equilíbrio entre meios e fins, entre recursos e objetivos à procura da qualidade educacional e, consequentemente,contribuir para o desenvolvimento integral da personalidade do aluno. Como processo, o planejamento de ensino não ocorre em um momento do ano, mas a cada dia. A realidade educacional é dinâmica. Como os problemas, as reivindicações não têm hora nem lugar para se manifestarem, as decisões vão sendo tomadas a cada dia, a cada momento. O planejamento do ensino-aprendizagem como uma hipótese de trabalho requer o domínio de uma série de saberes provenientes de disciplinas de sua formação profissional. São conhecimentos teóricos disciplinares e do contexto, tais como: as exigências dos planos e programas oficiais, as condições prévias dos alunos para a aprendizagem, os princípios e as condições do processo de transmissão e assimilação ativa da cultura, a organização e o funcionamento da escola, o meio social. E, entre esses saberes,ensinar e aprender são categorias-chave

6 O domínio dos saberes provenientes das disciplinas da formação profissional, dentre elas, a Didática, são referências epistemológicas para planejar e refletir sobre o planejado na dinâmica das experiências anteriores e futuras, caminho à construção/reconstrução de novos saberes, de forma explícita e consciente. Devido à importância que é atribuída, no âmbito deste trabalho, à categoria saber, faz-se necessário procedermos a algumas reflexões e esclarecimentos a esse respeito, porque, de acordo com Fiorentini et al. (1998), os textos em educação normalmente utilizam os termos saber e conhecimento sem distinção de significados. Os próprios autores enfatizam que, no artigo Saberes docentes: um desafio para acadêmicos e práticos (1998, p. 312), irão utilizá-los sem uma diferenciação rígida, apesar de concebê-los da seguinte forma: Conhecimento aproximar-se-ia mais com a produção científica sistematizada e acumulada historicamente com regras mais vigorosas de validação tradicionalmente aceitas pela academia; o saber, por outro lado, representaria um modo de conhecer/saber rigoroso e mais articulado a outras formas de saber e fazer relativos à prática não possuindo normas rígidas formais de validação. Grossi (1990), ao analisar a aprendizagem a partir dos produtos que deladerivam, concebe o conhecimento como resultante de uma aprendizagem sistematizada, é social, mais ligado à reflexão e à linguagem; o saber, por outro lado, é produto de uma aprendizagem não sistematizada, é pessoal, mais ligado à ação, às percepções e aos movimentos. Segundo Wellington e Pozo (apud FURIÓ, 1994), do ponto de vista filosófico, o conhecimento pode ser classificado em três grupos. O conhecimento declarativo, também chamado descritivo ou factual, por meio do qual sabemos expressar em forma de proposições o que acontece ou o que pensamos sobre um conceito, procura responder ao que é, ao que acontece, de forma descritiva. O conhecimento processual ou procedimental, relativo às habilidades que se dominam e que, em geral, se demonstram através da ação de um saber fazer, manifesta-se quando se responde ao como se faz uma coisa e, em geral, pode-se demonstrar fazendo-a. Existe também quando se expressam os argumentos de uma resposta em forma proposicional. Oconhecimento explicativo implica o domínio de teorias (compreendidas como construções dinâmicas de hipóteses entrelaçadas) que dão significado e profundeza aos dois tipos de conhecimentos anteriores e se caracteriza por seu poder preditivo. Este tipo de conhecimento responde 05171

7 ao porquê dos fatos e dos conceitos e pode ser considerado um pensamento causal. Nessa perspectiva, o saber representa um conhecimento processual-explicativo. Existem muitas outras definições de conhecimento e saber, mas, no geral, o que é dito aproxima conhecimento da produção científica sistematizada e acumulada historicamente e saber a um modo de conhecer/fazer menos sistematizado, dinâmico, ligado à prática. Com relação a saber e conhecimento, neste trabalho, optamos pelo significado adotado pelo grupo da base de pesquisa Formação e Profissionalização Docente, do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Ensino e Formação Docente, NEPED- UFRN: O saber representa uma ajuda ao pensamento necessário para a ação, mas não constitui um conhecimento abstrato, e sim um conhecimento incorporado ao fazer argumentado, consciente. Emerge de um conhecimento sistematizado, que é transformador potencialmente. É um tipo de conhecimento que pode teorizar a prática e orientá-la e éa base da reconstrução de novas teorizações. Entretanto, conhecer é um produto da aprendizagem, sistematizado ou não, de caráter descritivo e de limitadas potencialidades transformadoras da prática, que permite teorizar instrumentalmente de forma desvinculada da ação prática, profissional do professor. Saber e conhecer são produtos e processos da aprendizagem sistematizada no marco escolar, ou fora da escola (RAMALHO, NÚÑEZ, MORAIS, 1999,p.7). É este saber/fazer argumentado que se espera dos professores quando no exercício de sua profissão. Eles devem saber justificar a escolha e a utilização de determinadas estratégias de ensino-aprendizagem, tendo, como referência, os fundamentos científicos proporcionados pela Didática, dentre outras disciplinas. O saber/fazer argumentado emerge de uma formação inicial e continuada que tenha, por eixo norteador, a profissionalização docente e, consequentemente, a interação dialética do fazer com o conhecer, num contexto concreto onde os saberes são reconstruídos/construídos. Metodologia da pesquisa Esta é uma pesquisa qualitativa, que teve por objetivo geral: investigar os saberes de professores sobre Didática e, por objetivos específicos: a) saber o que para eles é ensinar; e b) identificar como a Didática ajuda o professor no seu fazer pedagógico. Tendo em vista os objetivos, foi aplicado,de forma individual, um questionário composto de uma parte de identificação e outra com6 perguntas abertas, a 05172

8 7 professores graduados em Pedagogia, atuando na educação básica. O questionário foi escolhido em função da especificidade do fenômeno estudado e as questões foram abertas a fim de colher o primeiro nível de elaboração dos discursos dos professores a respeito do que é ensinar. Como instrumento de coleta de informações, o questionário oportunizou aos professores exprimirem suas idéias pessoais, traduzindo-as com suas próprias palavras, conforme seus próprios sistemas de referência. As informações colhidas foram categorizadas com o fim de empreender um estudo minucioso de seu conteúdo, das palavras e frases que o compõem, procurando os sentidos e as intenções atribuídas pelos professores às questões de estudo. A técnica utilizada para a análise das informações foi a análise de conteúdo (BARDIN, 1977). Conversa com os professores sobre o ensinar Ao serem indagados sobre o que é ensinar, 1 professor afirmou que é compartilhar aprendizagens; 3 afirmaram que é conduzir o aluno a descoberta de novos conhecimentos; e 3 que é mediar o conhecimento. Em nenhum momento mencionou-se transmissão/assimilação ativa de conhecimentos e habilidades (LIBÂNEO, 1994). Verificou-se uma ênfase na aprendizagem, tudo indica que a questão central é que o aluno aprenda a aprender habilidades específicas, definidas como competências que são previamente definidas nos programas escolares em sintonia com o mercado de trabalho. Saviani (apudmartins, ROMANOWSKI 2010),esclarece que o lema aprender a aprender está ligado às idéiasescolanovistas, mas na perspectiva da constante atualização para ampliar as possibilidades de empregabilidade. À questão o professor tem por função ensinar, 2 professores afirmaram que sim; 4, que sua função é mediar o conhecimento; e 1, que tem a função de ensinar e aprender. Isso reflete a insistência, assim como a inconsistência, em se afirmar que a função do professor é facilitar a aprendizagem, ou que a função docente é mediar a aprendizagem num processo de coisificação do conhecimento. A função do professor é a elaboração do conhecimento, a disposição para recriá-lo, criticá-lo, situá-lo historicamente ao invés de transformá-lo em mercadoria a ser depositada nas cabeças de crianças e jovens. De acordo com Gadotti (2003), os humanos são seres inacabados e incompletos e têm consciência disso. Por isso, precisam aprender com. Aprende-se com porque 05173

9 se precisa do outro, fazem-se na relação com o outro, mediados pelo mundo, pela realidade em que vivem. Vale salientar que ensinar vem do latim insignare, que significa marcar com um sinal, indicar um caminho, um sentido. O professor deve ser um profissional do sentido. Portanto, a função do professor é ensinar mas ensinar não apenas para transmitir ou mediar conhecimentos, ou ainda facilitar a aprendizagem, mas ensinar para transformar o conhecimento do aluno em prol dele mesmo, em prol de um mundo melhor, mais democrático, justo e igualitário. Em se tratando de como o professor deve ensinar, as respostas foram muito variadas: 1 professor afirmou que não existe receita pronta mas compromisso e responsabilidade; 2 afirmaram que a partir dos conhecimentos prévios; 1, a partir de temas que despertem o interesse do aluno; 1, que o que deve fundamentar a ação do professor é o afeto; 1, que deve criar oportunidades de ensino a partir do que aprendeu na sua formação inicial e continuada; e 1, buscar estratégias para favorecer situações de conhecimento. Da totalidade de respostas, infere-se que o professor não se utiliza dos saberes provenientes da Didática (teorias sobre o ensino) para explicar a ação de ensinar. De acordo com Zayas (1992), o processo de ensino congrega os objetivos, o conteúdo e sua estrutura e o processo em si mesmo, que adota formas e métodos característicos nos quais se vinculam o professor e os alunos em um sistema docente dirigido para a formação integral da personalidade do aluno. Ao serem indagados sobre a disciplina e/ou disciplinas que no curso de formação ensinou-os a ensinar, 5 professores afirmaram que foi a Didática; 1, que foi a Didática e as Metodologias Específicas; e 1, a Didática e a Psicologia. Não restam dúvidas que a Didática, apesar das várias funções que desempenhou ao longo de seu desenvolvimento histórico, nos cursos de formação tende a priorizar aspectos específicos do fazer pedagógico em detrimento de sua dimensão de totalidade. O ensino da Didática está conduzindoa ênfase no aprender a aprender do aluno como sujeito intelectualmente ativo, criativo, produtivo, capaz de dominar os processos de aprender (MARTINS, ROMANOWSKI, 2010). Diante das respostas dos professores às questões acima,surgiu a necessidade de se indagar o que para eles é Didática. Dos 7 professores, 5 disseram que a Didática é a disciplina que ensina métodos e técnicas de como ensinar; para 1 professor é a arte de ensinar, de mediar o conhecimento; e para 1, é a disciplina que estuda o processo de 05174

10 ensino através dos seus componentes, dando embasamento teórico para desenvolver a capacidade crítica e análise da realidade do ensino. De acordo com Masetto (1997), a Didática possui três dimensões: a humana, a político e social e a técnica. Tudo indica que, para os professores, a dimensão técnica foi a que se sobressaiu.tudo bem que a definição de objetivos, seleção de conteúdos, técnicas e recursos de ensino e a organização do processo de avaliação é parte integrante e de importância para o processo de ensino-aprendizagem, mas não deve figurar como a mais significativa em detrimento das outras duas. Quando indagados sobre de que forma a Didática ajuda o professor a ensinar melhor responderam:4, quando os ajudam a organizar e sistematizar o processo de ensino; 1, quando estabelece os vínculos entre o como, o quê e por quê ensinar; 1, quando ajuda a transformar objetivos sócio, políticos e pedagógicos em objetivos de ensino; e 1, quando é o elemento norteador para dar vida, luz e encantamento ao trabalho pedagógico. Nas falas dos professores encontram-se termos próprios da Didática, porém tudo indica que utilizam determinadas expressões sem saber direito o que significam. Pelas respostas dos professores, verifica-seainda a valorização de procedimentos específicos, técnicos, vinculados às áreas de conteúdos e trabalhadas nas metodologias e didáticas específicas. Verifica-se também que a Didática Geral, enquanto área de conhecimento que tem como objeto de estudo o processo de ensino numa dimensão de totalidade, buscando compreendê-lo em suas múltiplas determinações para intervir nele e reorientá-lo na direção pretendida, pode ter tidoum espaço pouco significativo na formação dos professores. Pesquisa realizada pela revista Nova Escola e IBOPE (GENTILE, 2007) concluiu que a formação inicial é apontada pela maioria dos professores como excelente. Mas, ao mesmo tempo, reconhecem não estarem preparados para a realidade da sala de aula. No entanto, salienta-se que é imprescindível que os professores saibam efetivamente como se ensina, como se aprende, como se acompanha o aprendizado, o que e quem fundamenta o conjunto de suas ações e propostas formativas. Conclusão Educação de qualidade se faz com professores bem formados e comprometidos com a transformação social. Professores cujos conhecimentos se pautam nas dimensões 05175

11 humana, político e social e técnica do saber docente, para o qual devem se mobilizar reconhecendo-se como profissionais. Entretanto, as respostas dos professores às questões de estudo me levam a afirmar que eles podem ter um conhecimento declarativo, também chamado descritivo ou factual, por meio do qual sabem expressar em forma de proposições o que acontece ou o que pensam sobre ensinar ao responder o que é e como ensinam, de forma descritiva. Esse tipo de conhecimento não oportuniza um saber-fazer pedagógico profissional, argumentado, necessário às demandas educativas da sociedade contemporânea. Podem também, para explicar o que estão fazendo, estar utilizando expressões popularizadas no meio educacional com um sentido muito diferente do que tinham originalmente, mostrando que estão se apoiando em idéias frágeis para ensinar. De acordo com Libâneo (1994), os saberes sobre as bases teórico-científicas e técnicas, e sua articulação com as exigências concretas do ensino, permitem maior segurança profissional, de modo que o professor ganha base para pensar a prática e aprimorar sempre mais a qualidade do seu trabalho. REFERÊNCIAS BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, CANDAU, V. (Org.) A didática em questão. Petrópolis: Vozes, CANDAU, V. Rumo a uma nova didática. Petrópolis: Vozes, DANILOV, M. A.; SKATHIN, M. N. Didáctica de la escuela media. La Habana: Pueblo y Educación, DAVIDOV, V. La enseñanza escolar y el desarrollo psíquico: investigación psicológica teórica y experimental. Moscu: Progreso, FIORENTINI, D. ; SOUZA JR, A. J. ; MELO, G. F. A. de.saberes docentes: um desafio para acadêmicos e práticos. In:Cartografias do trabalho docente.campinas: SP, Mercado das Letras, FURIÓ, C.J. Tendencias atuales en la formación del profesorado de ciencias. Enseñanza de las ciencias, [S.l.], v.2,n., p ,1994. GADOTTI, M. Boniteza de umsonho: ensinar e aprender com sentido. Novo Hamburgo/RG: Feevale, GENTILE, P. A educação vista pelos olhos do profesor. Nova Escola, São Paulo, p , GROSSI, E. P. A contribuição da psicologia na educação. Em Aberto, Brasília, v. 9, n. 48, p , LUEDEMANN, C. S. Anton Makarenko vida e obra: a pedagogia na revolução. São Paulo: Expressão Popular, LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, MANACORDA, M. A. História da educação: da antiguidade aos nossos dias. São Paulo: Cortez, MARTINS, P. L. O. Didática teórica/didática prática: para além do confronto. São Paulo: Loyola,

12 MARTINS, P. L. O.; ROMANOWSKI, J. P. Educação. Porto Alegre, v. 33, n. 3, p , set/dez MASETTO, M. Didática: a aula como centro. São Paulo, FTD, RAMALHO, B. L; NUÑEZ, I. B.; MORAIS, T. A Didática na formação continuada de professores (as). Um estudo centrado na reflexão da prática. [S. l.], EPEN, ZAYAS, M. A. de. La escuela en la vida.la Habana: Félix Varela,

Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática. Profª. M.e Cláudia Benedetti

Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática. Profª. M.e Cláudia Benedetti Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática Profª. M.e Cláudia Benedetti Profa. M.e Cláudia Benedetti Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita

Leia mais

O ENSINO NA CONSTRUÇÃO DE COMPETÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

O ENSINO NA CONSTRUÇÃO DE COMPETÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA O ENSINO NA CONSTRUÇÃO DE COMPETÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Autor: EDILSON JOSÉ DE CARVALHO E ANA ALICE Introdução Este trabalho é uma síntese das aulas da professora Ana Alice, que administrou a disciplina:

Leia mais

A DISCIPLINA DE DIDÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL

A DISCIPLINA DE DIDÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL A DISCIPLINA DE DIDÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL Kelen dos Santos Junges - UNESPAR/Campus de União da Vitória Mariane de Freitas - UNESPAR/Campus de União da Vitória

Leia mais

OBJETIVOS DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA. Docente: Dra. Eduarda Maria Schneider

OBJETIVOS DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA. Docente: Dra. Eduarda Maria Schneider OBJETIVOS DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA Docente: Dra. Eduarda Maria Schneider E-mail: emschneider@utfpr.edu.br O que são objetivos de ensino/aprendizagem? O que espero que meu aluno aprenda?

Leia mais

CONSTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

CONSTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE 1 CONSTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Joana D`arc Anselmo da Silva Estudante do Curso de Licenciatura em Pedagogia, bolsista PIBID Universidade Federal da Paraíba. UFPB Campus IV, joanadarc945@gmail.com

Leia mais

PLANEJAMENTO ESCOLAR. Importância e significado do planejamento escolar Tipos de planos Requisitos para o planejamento.

PLANEJAMENTO ESCOLAR. Importância e significado do planejamento escolar Tipos de planos Requisitos para o planejamento. PLANEJAMENTO ESCOLAR Importância e significado do planejamento escolar Tipos de planos Requisitos para o planejamento. O significado e a importância do planejamento escolar: O trabalho docente é uma atividade

Leia mais

PLANEJAR: atividade intencional > tomada de decisões

PLANEJAR: atividade intencional > tomada de decisões PLANEJAMENTO INSTRUMENTO DE AÇÃO EDUCATIVA PLANEJAR: atividade intencional > tomada de decisões Busca determinar fins Torna presentes valores e crenças Explicita nossa compreensão (mundo, vida, sociedade,

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas. Profa. Karina de M. Conte

Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas. Profa. Karina de M. Conte Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Enf. Psiquiátrica e Ciências Humanas Profa. Karina de M. Conte 2017 DIDÁTICA II Favorecer a compreensão do processo de elaboração, gestão,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CÓDIGO: EDU519 DISCIPLINA: PRATICA EDUCATIVA I - DIDÀTICA CARGA HORÁRIA: 75h EMENTA: OBJETIVOS:

Leia mais

Relações pedagógicas. Professor aluno. Ensino aprendizagem. Teoria e prática. Objetivo e avaliação. Conteúdo e método

Relações pedagógicas. Professor aluno. Ensino aprendizagem. Teoria e prática. Objetivo e avaliação. Conteúdo e método Relações pedagógicas Professor aluno Ensino aprendizagem Teoria e prática Objetivo e avaliação Conteúdo e método A linha mestra que norteia qualquer ação na educação está relacionada à relação humana.

Leia mais

Professor ou Professor Pesquisador

Professor ou Professor Pesquisador Professor ou Professor Pesquisador Cláudio Luis Alves do Rego Cúneo 1 Resumo O perfil de professor pesquisador tem sido associado à oportunidade de prática reflexiva daquele professor que busca a pesquisa

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Didática I Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 4º 1 - Ementa (sumário, resumo) A Didática e os fundamentos educacionais

Leia mais

OS OBJETIVOS E CONTEÚDOS DE ENSINO. In: LIBÂNEO, J. C. (1994). Didática. São Paulo: Cortez.

OS OBJETIVOS E CONTEÚDOS DE ENSINO. In: LIBÂNEO, J. C. (1994). Didática. São Paulo: Cortez. OS OBJETIVOS E CONTEÚDOS DE ENSINO In: LIBÂNEO, J. C. (1994). Didática. São Paulo: Cortez. Objetivos e conteúdos de ensino Conteúdos: base objetiva da instrução referidos aos objetivos e viabilizados pelos

Leia mais

Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática. Profª. M.e Cláudia Benedetti

Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática. Profª. M.e Cláudia Benedetti Aula 1 O processo educativo: a Escola, a Educação e a Didática Profª. M.e Cláudia Benedetti Profa. M.e Cláudia Benedetti Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita

Leia mais

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ-UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E DOS ANOS

Leia mais

Ensino e Aprendizagem: os dois lados da formação docente. Profª. Ms. Cláudia Benedetti

Ensino e Aprendizagem: os dois lados da formação docente. Profª. Ms. Cláudia Benedetti Ensino e Aprendizagem: os dois lados da formação docente Profª. Ms. Cláudia Benedetti Profa. M.a. Cláudia Benedetti Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Leia mais

O PLANEJAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: PLANO DE ENSINO E ORGANIZAÇÃO DA AULA

O PLANEJAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: PLANO DE ENSINO E ORGANIZAÇÃO DA AULA O PLANEJAMENTO DA PRÁTICA DOCENTE: PLANO DE ENSINO E ORGANIZAÇÃO DA AULA PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) OU PROPOSTA PEDAGÓGICA Representa a ação intencional e um compromisso sociopolítico definido coletivamente

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE A ATIVIDADE DE SITUAÇÕES PROBLEMA EM SISTEMA DE EQUAÇÕES LINEARES NA ESCOLA ESTADUAL MARIA DAS DORES BRASIL

UMA REFLEXÃO SOBRE A ATIVIDADE DE SITUAÇÕES PROBLEMA EM SISTEMA DE EQUAÇÕES LINEARES NA ESCOLA ESTADUAL MARIA DAS DORES BRASIL UMA REFLEXÃO SOBRE A ATIVIDADE DE SITUAÇÕES PROBLEMA EM SISTEMA DE EQUAÇÕES LINEARES NA ESCOLA ESTADUAL MARIA DAS DORES BRASIL LEITE* 1, Jardel Sousa; MENDOZA 2, Héctor José García RESUMO 1 jardelsousa562@gmail.com

Leia mais

AÇÃO PEDAGÓGICA NAS CRECHES: CONTRIBUIÇÕES PARA O PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AÇÃO PEDAGÓGICA NAS CRECHES: CONTRIBUIÇÕES PARA O PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL AÇÃO PEDAGÓGICA NAS CRECHES: CONTRIBUIÇÕES PARA O PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL OLGADO, Maiara Daiane da Silva 1 mai_daiane_olgado@hotmail.com TORSI, Elizabeth Ângela dos Santos

Leia mais

Atividades de orientação em docência: desafios e oportunidades

Atividades de orientação em docência: desafios e oportunidades Atividades de orientação em docência: desafios e oportunidades Jessica Moreira Lopes Cardoso 1 (IC)*, Ângela Maria Barbosa Pires 2 (PG) jessicacardoso22@outlook.com 1 Creche Municipal Colandy Godoy de

Leia mais

Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia

Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia Universidade Tecnológica Federal do Paraná Curso Ciências Biológicas Licenciatura Campus Santa Helena Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia Docente: Dra. Eduarda Maria Schneider E-mail: emschneider@utfpr.edu.br

Leia mais

Eixo Temático 3-Currículo, Ensino, Aprendizagem e Avaliação

Eixo Temático 3-Currículo, Ensino, Aprendizagem e Avaliação Eixo Temático 3-Currículo, Ensino, Aprendizagem e Avaliação CONCEPÇÕES DOS EDUCANDOS SOBRE A UTILIZAÇÃO DO LIVRO DIDÁTICO DE BIOLOGIA NA ESCOLA PÚBLICA Leandra Tamiris de Oliveira Lira-UFRPE Leonardo Barbosa

Leia mais

A AULA COMO FORMA DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO

A AULA COMO FORMA DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO DIDÁTICA II A AULA COMO FORMA DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO Profa. Dra. Karina de Melo Conte AULA, ESCOLA E EDUCAÇÃO ESCOLAR Conhecimentos Hábitos

Leia mais

A ATUAÇÃO E O PERFIL DO PEDAGOGO NO ESPAÇO NÃO ESCOLAR: FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ATUAÇÃO E O PERFIL DO PEDAGOGO NO ESPAÇO NÃO ESCOLAR: FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ATUAÇÃO E O PERFIL DO PEDAGOGO NO ESPAÇO NÃO ESCOLAR: FORMAÇÃO DE PROFESSORES Filycia Azevedo da silva filyciaa@gmail.com Ismênia Tácita De Menezes, ismeniatacita@hotmail.com Maria Tatiana Da Silva,

Leia mais

Palavras-chave: Alfabetização Matemática. Letramento Matemático. Formação inicial de professores.

Palavras-chave: Alfabetização Matemática. Letramento Matemático. Formação inicial de professores. A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA NA PERSPECTIVA DE FUTUROS PROFESSORES Resumo Jéssica da Costa Ricordi 1 - UFPR Neila Tonin Agranionih 2 UFPR O artigo objetiva apresentar e analisar concepções de acadêmicos

Leia mais

O CURRÍCULO ESCOLAR EM FOCO: UM ESTUDO DE CASO

O CURRÍCULO ESCOLAR EM FOCO: UM ESTUDO DE CASO O CURRÍCULO ESCOLAR EM FOCO: UM ESTUDO DE CASO Introdução Mayara Carvalho Peixoto (UFCG) mayaracarvalho-@hotmail.com O currículo é tido como um resultado das tensões, conflitos e concessões culturais,

Leia mais

ENTRE ESCOLA, FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SOCIEDADE, organizados na seguinte sequência: LIVRO 1 DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO NA RELAÇÃO COM A ESCOLA

ENTRE ESCOLA, FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SOCIEDADE, organizados na seguinte sequência: LIVRO 1 DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO NA RELAÇÃO COM A ESCOLA APRESENTAÇÃO Apresentar os resultados do XVII ENDIPE tem para nós o significado especial de dever cumprido. É a alegria de fazermos parte desta história, de estarmos juntos nesta caminhada de mais uma

Leia mais

PLANEJAMENTO ESCOLAR. Dra. Regina Magna Bonifácio de Araújo Disciplina DEEDU 517 ICHS - UFOP

PLANEJAMENTO ESCOLAR. Dra. Regina Magna Bonifácio de Araújo Disciplina DEEDU 517 ICHS - UFOP PLANEJAMENTO ESCOLAR Dra. Regina Magna Bonifácio de Araújo Disciplina DEEDU 517 ICHS - UFOP Planejamento e Plano Planejar é uma necessidade constante em todas as áreas da atividade humana. Planejar é analisar

Leia mais

PESQUISA COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

PESQUISA COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA PESQUISA COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA SILVA NETA, Maria Eugênia Batista 1 QUEIROZ, Gilves Furtado de 2 ROSA, Luciene de Morais 3 Resumo Este relato de experiência

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO: ressignificar a pesquisa na escola numa abordagem da relação de saberes LUCIANA VIEIRA DEMERY

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO: ressignificar a pesquisa na escola numa abordagem da relação de saberes LUCIANA VIEIRA DEMERY 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO: ressignificar a pesquisa na escola numa abordagem da relação de saberes LUCIANA VIEIRA DEMERY Introdução Este artigo é resultado de uma experiência com formação continuada

Leia mais

SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS À DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR

SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS À DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS À DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Fabiana da Rocha Silva Almeida 1 Fabylucas75@hotmail.com Orientadora: Prof. Ms. Rosy Mary Magalhães FACULDADE ALFREDO NASSER RESUMO: A reflexão

Leia mais

A atuação psicopedagógica institucional

A atuação psicopedagógica institucional A atuação psicopedagógica institucional Psicopedagogia Dorival Rosa Brito 1 A psicopedagogia assume um compromisso com a melhoria da qualidade do ensino expandindo sua atuação para o espaço escolar, atendendo,

Leia mais

Vygotsky, Leontiev, Galperin: formação de conceitos e princípios didáticos

Vygotsky, Leontiev, Galperin: formação de conceitos e princípios didáticos RESENHA Vygotsky, Leontiev, Galperin: formação de conceitos e princípios didáticos Maria Teresinha Leite Sene Araújo Universidade de Uberaba (UNIUBE), mteresinhasene@hotmail.com Lílian Araújo Ferreira

Leia mais

ANÁLISE DE CONTEÚDO DAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS RELACIONADAS AO ENSINO DE CIÊNCIAS PRESENTES NAS MATRIZES CURRICULARES DO CURSO DE PEDAGOGIA

ANÁLISE DE CONTEÚDO DAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS RELACIONADAS AO ENSINO DE CIÊNCIAS PRESENTES NAS MATRIZES CURRICULARES DO CURSO DE PEDAGOGIA ANÁLISE DE CONTEÚDO DAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS RELACIONADAS AO ENSINO DE CIÊNCIAS PRESENTES NAS MATRIZES CURRICULARES DO CURSO DE PEDAGOGIA Maurílio Mendes da Silva (UFPB/UFRPE) Resumo O presente artigo

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS E NUCLEO CENTRAL DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOCENTES

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS E NUCLEO CENTRAL DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOCENTES REPRESENTAÇÕES SOCIAIS E NUCLEO CENTRAL DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOCENTES LEMOS, Rita Maria - CEFET-MG/Araxá - ritamaria.lemos@gmail.com VIEIRA, Vânia Maria de Oliveira. UNIUBE - vaniacamila@uol.com.br

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE PESSOAL E FORTE DUQUE DE CAXIAS (CEP/FDC) CURSO DE PSICOPEDAGOGIA ESCOLAR (CPE) Aprovado pelo BI/ N, de / /.

CENTRO DE ESTUDOS DE PESSOAL E FORTE DUQUE DE CAXIAS (CEP/FDC) CURSO DE PSICOPEDAGOGIA ESCOLAR (CPE) Aprovado pelo BI/ N, de / /. CENTRO DE ESTUDOS DE PESSOAL E FORTE DUQUE DE CAXIAS (CEP/FDC) CURSO DE PSICOPEDAGOGIA ESCOLAR (CPE) Aprovado pelo BI/ N, de / /. DISCIPLINA (Fundamentação) PLADIS FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA ESCOLAR

Leia mais

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR

FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR FUNDAMENTOS DA SUPERVISÃO ESCOLAR Profª. Carla Verônica AULA 03 SUPERVISÃO E PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO Identificar os princípios da gestão participativa; Analisar a dialética do ambiente escolar; Perceber

Leia mais

Tendências Pedagógicas Brasileiras

Tendências Pedagógicas Brasileiras Tendências Pedagógicas Brasileiras O professor não deve usar apenas uma tendência pedagógica isoladamente, mas se apropriar de todas para saber qual será a mais eficaz de acordo com cada situação e para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO-CCE PROGRAMA PIBIC/UFPI BASE DE PESQUISA FORMAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO-CCE PROGRAMA PIBIC/UFPI BASE DE PESQUISA FORMAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO-CCE PROGRAMA PIBIC/UFPI BASE DE PESQUISA FORMAR A PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES QUE ATUAM COM ADOLESCENTES EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

AÇÕES COMPARTILHADAS NA ESCOLA

AÇÕES COMPARTILHADAS NA ESCOLA AÇÕES COMPARTILHADAS NA ESCOLA Gadotti (1996) relata que dentre as mudanças estruturais mais importantes introduzidas nas escolas, destacaramse o restabelecimento dos Conselhos de Escola e os Grêmios Estudantis,

Leia mais

A GESTÃO ESOLAR EM UMA PRÁTICA DE ENSINO DEMOGRÁTICA E PATICIPATIVA

A GESTÃO ESOLAR EM UMA PRÁTICA DE ENSINO DEMOGRÁTICA E PATICIPATIVA A GESTÃO ESOLAR EM UMA PRÁTICA DE ENSINO DEMOGRÁTICA E PATICIPATIVA Izanete Maria Silva de Lima Graduada em Ciências Sociais pela UFCG e-mail: izannete@hotmail.com José Wellington Farias da Silva Graduado

Leia mais

Didática e docência: formação e trabalho de professores da educação básica

Didática e docência: formação e trabalho de professores da educação básica Didática e docência: formação e trabalho de professores da educação básica Prof. Dr. José Carlos Libâneo I Simpósio sobre Ensino de Didática LEPED - Laboratório de Estudos e Pesquisas em Didática e Formação

Leia mais

CURSO: MÚSICA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: MÚSICA EMENTAS º PERÍODO CURSO: MÚSICA EMENTAS - 2017.2 2º PERÍODO DISCIPLINA: TEORIA E PERCEPÇÃO MUSICAL II Desenvolvimento da percepção dos elementos da organização musical, através de atividades práticas; utilização de elementos

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE O PENSAMENTO TEÓRICO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA EM ATIVIDADE DE ENSINO E O SENTIDO DO MATERIAL DIDÁTICO

A RELAÇÃO ENTRE O PENSAMENTO TEÓRICO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA EM ATIVIDADE DE ENSINO E O SENTIDO DO MATERIAL DIDÁTICO A RELAÇÃO ENTRE O PENSAMENTO TEÓRICO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA EM ATIVIDADE DE ENSINO E O SENTIDO DO MATERIAL Resumo DIDÁTICO Iraji de Oliveira Romeiro Mestranda em Educação da Universidade Federal de

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA PESQUISA NA FORMAÇÃO DOS FUTUROS PEDAGOGOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

A RELEVÂNCIA DA PESQUISA NA FORMAÇÃO DOS FUTUROS PEDAGOGOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA 1 A RELEVÂNCIA DA PESQUISA NA FORMAÇÃO DOS FUTUROS PEDAGOGOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Vanessa Ribeiro ANDRETO 1 Andréia Cristiane Silva WIEZZEL 2 RESUMO: O presente projeto de cunho qualitativo,

Leia mais

em-significativa/ Aprendizagem Significativa

em-significativa/ Aprendizagem Significativa http://www.infoescola.com/educacao/aprendizag em-significativa/ Aprendizagem Significativa Por Ricardo Normando Ferreira de Paula Sobre a aprendizagem significativa de Rogers, afirma-se que a sugestão

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Planejamento e Avaliação Educacional. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Planejamento e Avaliação Educacional. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO 2016 Curso: Pedagogia Disciplina: Planejamento e Avaliação Educacional Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário resumo) Aspectos históricos e socioeconômicos

Leia mais

ENSINO MÉDIO INOVADOR: AS EXPERIÊNCIAS NA COMPREENSÃO DA BIOLOGIA

ENSINO MÉDIO INOVADOR: AS EXPERIÊNCIAS NA COMPREENSÃO DA BIOLOGIA ENSINO MÉDIO INOVADOR: AS EXPERIÊNCIAS NA COMPREENSÃO DA BIOLOGIA Adiene Silva Araújo Universidade de Pernambuco - UPE adienearaujo@hotmail.com 1- Introdução A Biologia como ciência, ao longo da história

Leia mais

Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia

Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia Universidade Tecnológica Federal do Paraná Curso Ciências Biológicas Licenciatura Campus Santa Helena Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia Docente: Dra. Eduarda Maria Schneider E-mail: emschneider@utfpr.edu.br

Leia mais

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CÓDIGO: EDU321 DISCIPLINA: DIDÁTICA I CARGA HORÁRIA: 60h EMENTA: A natureza da prática pedagógica

Leia mais

Aula 1. Planejamento. Lilian R. Rios 18/02/16

Aula 1. Planejamento. Lilian R. Rios 18/02/16 Aula 1 Planejamento Lilian R. Rios 18/02/16 Planejamento de Ensino É um conjunto de conhecimentos práticos e teóricos ordenados de modo a possibilitar interagir com a realidade, programar as estratégias

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Avaliação Educacional Código da Disciplina: EDU 340 Curso: Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 7º Faculdade responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir

Leia mais

CADERNO IV ÁREAS DE CONHECIMENTO E INTEGRAÇÃO CURRICULAR

CADERNO IV ÁREAS DE CONHECIMENTO E INTEGRAÇÃO CURRICULAR CADERNO IV ÁREAS DE CONHECIMENTO E INTEGRAÇÃO CURRICULAR CURRÍCULO PROJETO DE FORMAÇÃO CULTURAL PARA A NAÇÃO. QUEM DOMINA O CURRÍCULO ESCOLAR, DOMINA A NAÇÃO (FOUCAULT) PROCESSO DE CONTRUÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO DE ENSINO

PLANEJAMENTO DE ENSINO PLANEJAMENTO DE ENSINO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS CÂMPUS CAMPOS BELOS GERALDO MAGELA DE PAULA gmagela@wordpress.com CARACTERÍSTICAS DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA O SÉCULO XXI o momento histórico está

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Licenciatura em Matemática Missão O Curso de Licenciatura em Matemática tem por missão a formação de docentes com um novo perfil fundamentado na conexão de dois eixos,

Leia mais

Pedagogia. 1º Semestre. Biologia Educacional EDC602/ 60h

Pedagogia. 1º Semestre. Biologia Educacional EDC602/ 60h Pedagogia 1º Semestre Biologia Educacional EDC602/ 60h Ementa: Identificar os processos biológicos fundamentais diretamente relacionados à situação ensino-aprendizagem. Análise dos fatores genéticos e

Leia mais

Avaliação da Aprendizagem. Didática II Profa. MSc. Narjara Garcia

Avaliação da Aprendizagem. Didática II Profa. MSc. Narjara Garcia Avaliação da Aprendizagem Didática II Profa. MSc. Narjara Garcia O que é Avaliação? Julgamento? Regulação? Classificação? Acompanhamento? As múltiplas dimensões do olhar avaliativo Por que avaliamos? Quais

Leia mais

A ESCOLA ATUAL, A GESTÃO DEMOCRÁTICA E O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A ESCOLA ATUAL, A GESTÃO DEMOCRÁTICA E O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A ESCOLA ATUAL, A GESTÃO DEMOCRÁTICA E O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Josemary Morastoni Renato José Casagrande Atualmente, a gestão é vista como uma nova forma de administrar de maneira democrática, onde

Leia mais

Disciplina: Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia Prof.ª Dra. Eduarda Maria Schneider Aula 03/05

Disciplina: Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia Prof.ª Dra. Eduarda Maria Schneider Aula 03/05 Disciplina: Didática Aplicada ao Ensino de Ciências e Biologia Prof.ª Dra. Eduarda Maria Schneider Aula 03/05 Questões conceituais METODOLOGIA Etimologicamente : Origem Grega Methodos (objetivo, finalidade),

Leia mais

OPÇÕES PEDAGÓGICAS DO PROCESSO EDUCATIVO

OPÇÕES PEDAGÓGICAS DO PROCESSO EDUCATIVO DO PROCESSO EDUCATIVO Conceito de Educação O conjunto de todos os processos através dos quais a pessoa desenvolve capacidades, atitudes, e outras formas de comportamento positivo na sociedade onde vive.

Leia mais

MÉTODOS E PROCEDIMENTOS NO ENSINO DE QUÍMICA

MÉTODOS E PROCEDIMENTOS NO ENSINO DE QUÍMICA MÉTODOS E PROCEDIMENTOS NO ENSINO DE QUÍMICA Rafaela Luna NASCIMENTO 1, Maria Roberta de Oliveira PINTO 1 1 Departamento de Química, Universidade Estadual da Paraíba-UEPB, Campus I, Campina Grande-PB.

Leia mais

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 13ª edição. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 13ª edição. São Paulo: Paz e Terra, 1999. Não posso ser professor sem me pôr diante dos alunos, sem revelar com facilidade ou relutância minha maneira de ser, de pensar politicamente. Não posso escapar à apreciação dos alunos. E a maneira como

Leia mais

O PAPEL DAS INTERAÇÕES PROFESSOR-ALUNO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA

O PAPEL DAS INTERAÇÕES PROFESSOR-ALUNO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA O PAPEL DAS INTERAÇÕES PROFESSOR-ALUNO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA Autor: Almir Lando Gomes da Silva (1); Co-autor: Antonio Fabio do Nascimento Torres (2); Coautor: Francisco Jucivanio

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Avaliação do Ensino Aprendizagem Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 8º 1 - Ementa (sumário, resumo) Contextualização histórica

Leia mais

Planejamento Educacional. Prof. Carlinhos Costa

Planejamento Educacional. Prof. Carlinhos Costa Planejamento Educacional Prof. Carlinhos Costa PLANEJAMENTO Planejar é muito mais do que preencher formulários, porque o conhecimento da realidade exige do professor uma relação interativa de ação-reflexão-ação

Leia mais

como se deu seu desenvolvimento e identificando quais fatores condicionaram sua manifestação. Duarte (2001), outro pesquisador representante dessa

como se deu seu desenvolvimento e identificando quais fatores condicionaram sua manifestação. Duarte (2001), outro pesquisador representante dessa 1 PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: PROPOSIÇÕES E CATEGORIAS MAZZEU, Lidiane Teixeira Brasil UNESP GT-08: Formação de Professores Agência Financiadora: CNPq O presente texto consiste

Leia mais

Processos Pedagógicos em Enfermagem TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS

Processos Pedagógicos em Enfermagem TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS Processos Pedagógicos em Enfermagem TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS Aprender é apropriar-se ativamente do conteúdo da experiencia humana, daquilo que seu grupo social conhece. (DAVIS & OLIVEIRA, 1992) Ato de produzir,

Leia mais

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM)

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) 1 REDEENSINAR JANEIRO DE 2001 ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Diretora de Conteúdos da

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Currículo escolar. Desafios e potencialidades. Formação dos jovens.

PALAVRAS-CHAVE: Currículo escolar. Desafios e potencialidades. Formação dos jovens. 01470 CURRÍCULO ESCOLAR: DESAFIOS E POTENCIALIDADES NA FORMAÇÃO DOS JOVENS Maria Perpétua do Socorro Beserra Soares 1 Eixo Temático: Didática e Prática de Ensino na Relação com a Sociedade Subeixo: Temas

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO. Curso: Pedagogia. Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO 2016 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos teórico-metodológicos

Leia mais

Conteúdos: como se aprende

Conteúdos: como se aprende Conteúdos: como se aprende Geralmente utilizamos o termo conteúdos quando tratamos dos conhecimentos específicos das disciplinas ou matérias escolares. Mas, se nos atermos a uma concepção educativa integral,

Leia mais

A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: VISÃO DAS PROFESSORAS SOBRE A CONTRIBUIÇÃO DAS ABORDAGENS PSICOLÓGICAS PARA A PRÁTICA DOCENTE

A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: VISÃO DAS PROFESSORAS SOBRE A CONTRIBUIÇÃO DAS ABORDAGENS PSICOLÓGICAS PARA A PRÁTICA DOCENTE A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: VISÃO DAS PROFESSORAS SOBRE A CONTRIBUIÇÃO DAS ABORDAGENS PSICOLÓGICAS PARA A PRÁTICA DOCENTE Benedita de Brito Melo E-mail: benedita3@hotmail.com Maria da

Leia mais

A avaliação no ensino religioso escolar: perspectiva processual

A avaliação no ensino religioso escolar: perspectiva processual A avaliação no ensino religioso escolar: perspectiva processual Suzana dos Santos Gomes * * Mestre em Educação FAE-UFMG, professora de Cultura Religiosa PUC Minas. A AVALIAÇÃO ESTÁ presente na vida humana

Leia mais

Professores do PED criam Mestrado Profissional em Educação: Formação de Formadores. Marli Eliza Dalmazo Afonso de André

Professores do PED criam Mestrado Profissional em Educação: Formação de Formadores. Marli Eliza Dalmazo Afonso de André Compartilhando... Professores do PED criam Mestrado Profissional em Educação: Formação de Formadores Marli Eliza Dalmazo Afonso de André Com muitos anos de experiência na formação de mestrandos e doutorandos

Leia mais

AVALIAÇÃO: CONCEPÇÕES

AVALIAÇÃO: CONCEPÇÕES AVALIAÇÃO: CONCEPÇÕES Paulo Ricardo Soares Pereira (UFCG) pauloricardo_sp_@hotmail.com Monaliza Mikaela Carneiro Silva (UFCG) mikaelamona@hotmail.com Orientadora: Profª. Drª. Márcia Candeia Rodrigues (UFCG)

Leia mais

Didática e Formação de Professores: provocações. Bernardete A. Gatti Fundação Carlos Chagas

Didática e Formação de Professores: provocações. Bernardete A. Gatti Fundação Carlos Chagas Didática e Formação de Professores: provocações Bernardete A. Gatti Fundação Carlos Chagas Vivemos tensões nas propostas e concretizações da formação inicial de professores, com padrões culturais formativos

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: A EXTENSÃO QUE COMPLEMENTA A FORMAÇÃO DOCENTE. Eixo temático: Educación, Comunicación y Extensión

FORMAÇÃO CONTINUADA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: A EXTENSÃO QUE COMPLEMENTA A FORMAÇÃO DOCENTE. Eixo temático: Educación, Comunicación y Extensión FORMAÇÃO CONTINUADA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: A EXTENSÃO QUE COMPLEMENTA A FORMAÇÃO DOCENTE Sandra Mara Marasini Universidade de Passo Fundo/Brasil 1 Neiva Ignês Grando Universidade de Passo Fundo/Brasil

Leia mais

ESCOLA DO TRABALHO UMA PEDAGOGIA SOCIAL: UMA LEITURA DE M. M. PISTRAK

ESCOLA DO TRABALHO UMA PEDAGOGIA SOCIAL: UMA LEITURA DE M. M. PISTRAK Revista de Ed ucação ESCOLA DO TRABALHO UMA PEDAGOGIA SOCIAL: UMA LEITURA DE M. M. PISTRAK Vol. 1 nº 1 jan./jun. 2006 p. 77-81 Eliseu Santana 1 Orientador: André Paulo Castanha 2 Pistrak foi um grande

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta

Aprovação do curso e Autorização da oferta MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

No entanto, não podemos esquecer que estes são espaços pedagógicos, onde o processo de ensino e aprendizagem é desenvolvido de uma forma mais lúdica,

No entanto, não podemos esquecer que estes são espaços pedagógicos, onde o processo de ensino e aprendizagem é desenvolvido de uma forma mais lúdica, PROJETO TECENDO CIDADANIA: PROJETO DE APOIO AO ESTUDO DOS TEMAS TRANSVERSAIS Autores: Leonardo Cristovam de JESUS, aluno do IFC Campus Avançado Sombrio e bolsista do projeto. Ana Maria de MORAES, Pedagoga

Leia mais

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes.

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de 1998 Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. O Presidente

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual PARECERES DOS RECURSOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 14) No documento - Progestão : como

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO MÉDIO INOVADOR: NECESSIDADES FORMATIVAS E FATORES QUE POSSIBILITAM OU DIFICULTAM PRÁTICAS PEDAGÓGICAS INOVADORAS.

FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO MÉDIO INOVADOR: NECESSIDADES FORMATIVAS E FATORES QUE POSSIBILITAM OU DIFICULTAM PRÁTICAS PEDAGÓGICAS INOVADORAS. FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO MÉDIO INOVADOR: NECESSIDADES FORMATIVAS E FATORES QUE POSSIBILITAM OU DIFICULTAM PRÁTICAS PEDAGÓGICAS INOVADORAS. i Helianane Oliveira Rocha UFRN ii Jailma Silva de Oliveira

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA ONLINE DE PROFESSORES QUE ATUAM COM ESCOLARES EM TRATAMENTO DE SAÚDE Jacques de Lima Ferreira PUC-PR Agência Financiadora: CNPq

FORMAÇÃO CONTINUADA ONLINE DE PROFESSORES QUE ATUAM COM ESCOLARES EM TRATAMENTO DE SAÚDE Jacques de Lima Ferreira PUC-PR Agência Financiadora: CNPq FORMAÇÃO CONTINUADA ONLINE DE PROFESSORES QUE ATUAM COM ESCOLARES EM TRATAMENTO DE SAÚDE Jacques de Lima Ferreira PUC-PR Agência Financiadora: CNPq INTRODUÇÃO Este texto apresenta a pesquisa em andamento

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO INTRODUÇÃO As diferentes unidades que compõem o conjunto de cadernos, visam desenvolver práticas de ensino de matemática que favoreçam as aprendizagens dos alunos. A

Leia mais

- Identificar as formas de gestão e de tomadas de decisão dentro da organização escolar

- Identificar as formas de gestão e de tomadas de decisão dentro da organização escolar Disciplina: Gestão e Organização Escolar Código da Disciplina: EDU336 Curso: Pedagogia Período: 6º Faculdade Responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir de: 2015 Número de créditos: 05 Horas-aula:

Leia mais

Multimeios Aplicados à Educação Aula 2

Multimeios Aplicados à Educação Aula 2 Multimeios Aplicados à Educação Aula 2 Enfoque teórico-prático sobre o uso do computador e da tecnologia digital na educação: as implicações pedagógicas e sociais desse uso. O que significa TECNOLOGIA?

Leia mais

CURRÍCULO. Profª. Paula Regina Costa Ribeiro Profª. Raquel Pereira Quadrado

CURRÍCULO. Profª. Paula Regina Costa Ribeiro Profª. Raquel Pereira Quadrado FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SISTEMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO CURRÍCULO Profª. Paula Regina Costa Ribeiro Profª.

Leia mais

SABERES DOCENTES NECESSÁRIOS À PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL TECNOLÓGICA

SABERES DOCENTES NECESSÁRIOS À PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL TECNOLÓGICA SABERES DOCENTES NECESSÁRIOS À PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL TECNOLÓGICA Carmen Célia Barradas Correia Bastos- UNIOESTE/Cascavel/PR Nelci Aparecida

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Escola e Currículo I Código da Disciplina:_EDU321 Curso: Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 1ºSemestre/2015 Faculdade responsável: Faculdade de Pedagogia Programa

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 7 Semanal Mensal 6 24

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 7 Semanal Mensal 6 24 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 7 Semanal Mensal 6 24 Nome da Disciplina ESTÁGIO EM GESTÃO EDUCACIONAL I Curso PEDAGOGIA GESTÃO DE SISTEMAS EDUCACIONAIS Orientação individual e grupal aos

Leia mais

Orientação teórica:princípios A teoria histórico-cultural

Orientação teórica:princípios A teoria histórico-cultural PRINCÍPIOS E PRÁTICAS PARA A PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA NA INFÂNCIA: UM FOCO NA FORMAÇÃO DOCENTE Elaine Sampaio Araújo USP Agência Financiadora: FAPESP Orientação teórica:princípios A teoria histórico-cultural

Leia mais

O ENSINO POR COMPETÊNCIAS NA ÁREA DA ENFERMAGEM: QUE PRÁTICAS, QUE SABERES, QUE COMPETÊNCIAS, QUE MUDANÇAS?

O ENSINO POR COMPETÊNCIAS NA ÁREA DA ENFERMAGEM: QUE PRÁTICAS, QUE SABERES, QUE COMPETÊNCIAS, QUE MUDANÇAS? O ENSINO POR COMPETÊNCIAS NA ÁREA DA ENFERMAGEM: QUE PRÁTICAS, QUE SABERES, QUE COMPETÊNCIAS, QUE MUDANÇAS? Marcos Antonio Ferreira Júnior 1 Josefa Aparecida Gonçalves Grígoli 2 O ensino profissionalizante

Leia mais

PROGRAMA DE COMPONENTE CURRICULAR

PROGRAMA DE COMPONENTE CURRICULAR ! UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS, AMBIENTAIS E BIOLÓGICAS COORDENAÇÃO ACADÊMICA FORMULÁ RIO R0092 PROGRAMA DE COMPONENTE CURRICULAR COMPONENTE CURRICULAR CÓDIGO

Leia mais

AS RELAÇÕES INTERATIVAS EM SALA DE AULA: O PAPEL DOS PROFESSORES E DOS ALUNOS. Zabala, A. A prática Educativa. Porto Alegre: Artmed, 1998

AS RELAÇÕES INTERATIVAS EM SALA DE AULA: O PAPEL DOS PROFESSORES E DOS ALUNOS. Zabala, A. A prática Educativa. Porto Alegre: Artmed, 1998 AS RELAÇÕES INTERATIVAS EM SALA DE AULA: O PAPEL DOS PROFESSORES E DOS ALUNOS Zabala, A. A prática Educativa. Porto Alegre: Artmed, 1998 QUEM É O PROFESSOR? QUEM É O ALUNO? COMO DEVE SER O ENSINO? COMO

Leia mais

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Educação. Matrizes de referência para avaliação: documento básico - SARESP. São Paulo: SEE, 2009

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Educação. Matrizes de referência para avaliação: documento básico - SARESP. São Paulo: SEE, 2009 SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Educação. Matrizes de referência para avaliação: documento básico - SARESP. São Paulo: SEE, 2009 : PROFESSORA: Matilde Flório 1 PROFESSORA: Matilde Flório Pós-Graduada

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÂO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO 2017 PARECERES DOS RECURSOS PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO 11) De acordo com a Proposta

Leia mais

Aluno(a): / / Cidade Polo: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA PESQUISA E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (PED)

Aluno(a): / / Cidade Polo:   CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA PESQUISA E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (PED) Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA PESQUISA E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (PED) Preencha o GABARITO: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Observação: Nesta atividade há 10 (dez) questões de múltipla

Leia mais

A experimentação e o ensinoaprendizagem

A experimentação e o ensinoaprendizagem Xxxxxxxxx xxxxxxx A experimentação e o ensinoaprendizagem de Física. Ministrante: Prof. Nelson Reyes Marques (IF Sul-Rio-Grandense) www.nelsonreyes.com.br Prof. Marco Antonio Lessa (UCPel) I Introdução

Leia mais