Administração das Reservas Internacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Administração das Reservas Internacionais"

Transcrição

1

2 Administração das Reservas Internacionais Banco Centra do Brasi Depin Depin 2

3 Objetivos das Reservas em Moeda Estrangeira Dar apoio à poítica monetária e cambia; Dar confiança ao mercado com reação à capacidade do governo de honrar suas obrigações externas; Manter a iquidez do mercado enquanto se absorve choques em situações em que o acesso à empréstimos externos fique restrito ou com custo muito eevado. Depin 3

4 Estrutura do DEPIN Diretoria (9 membros) DEBAN DEPIN DEMAB Front Office Midde Office Back Office Divisão de Câmbio Doméstico Divisão de Investimento das Reservas Money Market Desk Fixed Income Desk Emerging Markets Desk FX & God Desk Gerência de Risco & Avaiação de Performance Monitoramento & Compiance Externa Asset Management Contabiidade Reconciiação & Confirmação Pagamentos Gerencia de Bancos de Dados Tecnoogia de Informação Depin 4

5 Poítica de Investimentos Liquidez Segurança Rentabiidade Depin 5

6 Poítica de Investimentos Liquidez voume mínimo de recursos apicados diariamente no curtíssimo prazo; prazo máximo para contratação de operações; critérios que evitam a concentração dos ativos; aquisição de papéis que possuem mercado secundário ativo. Depin 6

7 Poítica de Investimentos Segurança critérios de seeção de contraparte e emissores; imites de risco de crédito por contraparte e para a carteira; imites de vaor em risco (VaR). Depin 7

8 Estrutura da Administração das Reservas Benchmark (Carteira de Referência) Gerência ativa x passiva Gerência de Riscos Avaiação da performance Depin 8

9 Benchmark Definição Carteira de referência (padrão) escohida antecipadamente peo investidor (Banco Centra) de forma detahada, refetindo objetivos e preferências de ongo prazo quanto à reação risco-retorno e às restrições de Depin 9

10 Benchmark: Características Desejáveis - Precisa ser DETALHADO: deve ser possíve cacuar a rentabiidade da carteira de referência (carteira virtua). - Precisa ser REPLICÁVEL: deve ser possíve para o Depin estar posicionado sobre a carteira de referência (gerência passiva). - Deve ser SIMPLES e ESTÁVEL, aém de ter baixo custo de manutenção (baixos custos administrativos e de transação). Depin 10

11 Gerência Passiva x Ativa Gerência Ativa Desvios marginais do benchmark, com base em expectativas de movimentos do mercado ou de aguns de seus componentes. Esses desvios são imitados por critérios definidos e controados em termos de risco Depin 11

12 Gerência de Riscos Estabeecer de forma quantitativa os parâmetros de preferência de risco do investidor quando da operacionaização da carteira de referência e dos desvios da gerencia ativa Depin 12

13 Avaiação de Performance Definição de critérios quantitativos que permitam ao investidor aferir os resutados obtidos com seus investimentos medindo-se contra uma referência Depin 13

14 Benchmark das Reservas Depin 14

15 Natureza dos Investimentos Investimentos em depósitos a prazo fixo em bancos comerciais Investimentos em títuos de dívida governamenta de outros países Investimento em títuos da dívida externa brasieira Compra e venda de moedas e ouro Depin 15

16 Composição das Reservas Reservas Internacionais Distribuição do Núceo das Reservas Títuos da Dívida Externa Soberana - Investimentos (1.0%) Gerentes Externos (3.1%) Investimentos ( 51%) Liquidez (49%) Ouro (0.8%) Títuos da Dívida Externa Soberana - Recompra (5.9%) Cochão de Liquidez (3.5%) Núceo das Resevas (89%) Depin 16

17 Benchmark Moedas Aocação por moeda do núceo das reservas é baseada no perfi da dívida externa soberana com o objetivo de reduzir a vunerabiidade externa. Iene 7% Três moedas: Dóar Americano Euro Iene Euro 28% Dóar Americano 65% Depin 17

18 Carteira de Liquidez Objetivo: prover iquidez para eventuais intervenções no mercado de câmbio doméstico e para pagamentos do passivo externo da Repúbica. Depin 18

19 Carteira de Liquidez Subcarteira de Depósitos a prazo fixo (USD, EUR e JPY) Índice: LIBID (bancos Aa) Instrumento: Depósitos a prazo fixo Prazo de apicação : de Overnight à 6 meses Depin 19

20 Carteira de Investimentos Objetivo: apicação dos recursos não comprometidos com pagamentos no horizonte de tempo de 1 ano. Depin 20

21 Carteira de Investimentos - Índice : JPMorgan Government Bond Index - 1 a 3 anos só incui emissões mais íquidas; faciidade de obtenção de dados. Instrumentos: Títuos dos governos centrais dos EUA e de países da Unidade Monetária Européia Duration do Índice: 1,8 Depin 21

22 Instrumentos Permitidos depósitos a prazo fixo; certificados de depósitos; commercia papers; títuos de renda fixa; títuos de renda futuante indexados à ibor/fed funds; títuos indexados à infação americana ou da área do euro; strips de títuos de renda fixa governamentais; MTI s do BIS; repos e reverse repos; forwards de moedas; swaps de taxa de juros (taxa pré vs. ibor); futuros de juros, moedas, ouro e títuos negociados nas bosas CBOT, CME, Eurex, Matif, Comex e TSE; títuos da dívida externa brasieira; ouro. Depin 22

23 Programa de Gerência Externa Seis gerentes externos com um voume tota de US$1,5 bihão Benchmark e imites operacionais semehantes aos da carteira de investimentos. Rodízio de, peo menos, 2 gerentes a cada dois anos. Restrito ao segmento de renda fixa e imitado ao máximo de 10% do tota das reservas Depin 23

24 Programa de Gerenciamento Externo Objetivos: Transferência de tecnoogia manter a equipe do Depin atuaizada no que se refere às mehores técnicas de investimento utiizadas internacionamente. Referência para a avaiação de performance da carteira gerenciada peo Depin. Depin 24

25 Atribuição de Responsabiidades Diretoria Coegiada Comitê de Estratégias de Investimento Diretor da DIPOM DEPIN Front Office Midde Office Back Office Depin 25

26 Atribuição de Responsabiidades Diretoria Coegiada: Definir os parâmetros de investimentos (Benchmark); Fixar os imites para desvio da carteira de investimentos; Avaiar trimestramente a performance; Revisar periodicamente o Benchmark. Depin 26

27 Atribuição de Responsabiidades Comitê de Estratégias de Investimento: Diretor da DIPOM direito de veto e voto de quaidade Definir as estratégias ativas Depin 27

28 Atribuição de Responsabiidades Depin: operacionaizar o benchmark escohido pea Diretoria Coegiada; apresentar estratégias ao Comitê; executar as estratégias ativas; sugerir aterações do benchmark. Depin 28

29 Atribuição de Responsabiidades Front Office ( Mesas de Operações): seguir as orientações gerais do benchmark; anaisar os mercados financeiros; propor estratégias ativas ao Comitê de Estratégias de Investimento; executar as operações (adequação ao benchmark e estratégias ativas). Depin 29

30 Atribuição de Responsabiidades Midde Office (Área Técnica, Gerência de riscos e Monitoramento): reaizar a manutenção da carteira de referência; efetuar a contabiidade gerencia; definir os modeos de risco e performance; monitorar o cumprimento dos imites operacionais definidos pea Diretoria; Eaborar reatórios de performance. Depin 30

31 Atribuição de Responsabiidades Back Office (Divisão de Pagamentos e Divisão de Controe): contabiizar as operações; processar e conciiar a iquidação das operações (custódias, pagamentos e recebimentos); registrar erros operacionais; controar o fuxo de caixa Depin 31

32 Estratégia de Investimentos Depin 32

33 Comitê de Estratégia de Investimento Define a estratégia da gerência ativa da carteira dentro dos imites preestabeecidos pea Diretoria Coegiada. Depin 33

34 Comitê de Estratégia de Investimento Composição: Participantes com direito a voto (6): - Diretor de Poítica Monetária (Dipom) - Chefe e Chefe Adjunto do Depin; - Chefe da Divisão de Investimentos - Coordenador e estrategista de cada mesa de operações. Participantes sem direito a voto (9): Depin 34

35 Comitê de Estratégia de Investimento Funcionamento: - Reuniões mensais - Estratégias com horizonte de 1 a 3 meses. -Anáises ex-post e prospectiva. - Recomendações. Depin 35

36 Estratégias da Gerência Ativa Expectativas de mudanças ainda não precificadas peo mercado quanto a: Taxa de juros; Taxa de câmbio entre as moedas; Rendimento de diferentes instrumentos; Condições de crédito. Depin 36

37 Principais Etapas Anáise dos fundamentos. Anáise dos fatores técnicos de mercado. Avaiação de resutados anteriores. Composição do cenário básico. Proposição e discussão de estratégias. Estabeecimento de níveis de entrada e saída. Impementação e acompanhamento. Depin 37

38 Esquema decisório Fundamentos Cenário Básico Fatores técnicos Estratégias Depin 38

39 Fundamentos O objetivo é determinar em que ponto do cico econômico os países se encontram. Anáise da situação econômica dos Estados Unidos, Europa e Japão, com base na avaiação dos útimos indicadores. Os dados econômicos são divididos nas seguintes categorias: consumo produção contas púbicas internas e externas. Depin

40 Fatores Técnicos O objetivo é determinar que perspectivas econômicas são predominantes entre os investidores. Os preços de mercado refetem essas expectativas. Mercados acionários Posicionamento dos investidores Fuxos de capitais Cronograma de emissões Curvas de juros Spot Forward Spreads Depin 40

41 Cenário Com base na anáise fundamenta, compõe-se um cenário básico que traça um prognóstico de curto e médio prazos para as principais economias. São avaiados os riscos para a concretização do cenário proposto. Depin 41

42 Proposição de Estratégias As propostas consideram oportunidades surgidas pea diferença entre o cenário do mercado e o cenário do Depin. As estratégias são materiaizadas através de desvios em reação à carteira benchmark, usando-se os instrumentos financeiros disponíveis em cada carteira. Depin 42

43 Proposição de Estratégias Países Underweight Overweight US$ x EUR US$ x JPY US$ x GBP Moedas US$ x CAD EUR x JPY Etc. Depin 43

44 Proposição de Estratégias Juros Duração Curva Curta Longa Buet Butterfy Crédito Underweight Overweight Depin 44

45 Proposição de Estratégias O Grau de Exposição eva em consideração: Grau de convicção Risco Retorno Esperado Diversificação (correação entre estratégias) Depin 45

46 Impementação / Acompanhamento Cabe às mesas de operações impementar e acompanhar as estratégias aprovadas, e têm autonomia para: Escoha dos instrumentos, quando não expicitados peo comitê; Escoha do timing para impementar cada estratégia Votar à condição de neutraidade (benchmark) sempre que jugado necessário; Provocar reuniões extraordinárias para discutir fatos reevantes que impiquem em mudanças significativas no Depin 46

47 Gerência de Riscos Depin 47

48 Risco de Mercado Fontes de Risco de Mercado taxa de juros movimentos paraeos da curva; mudança da incinação da curva; Mudança no formato da curva. taxa de câmbio entre as moedas aterações das condições de crédito (spread) Depin 48

49 Controe de Risco de Mercado Avaiação do risco de mercado com base no conceito de Vaor em Risco (VaR): VaR - perda esperada do vaor da carteira em horizonte de tempo (1 dia) e com um determinado intervao de confiança (95%). A variação potencia é decorrente do desvio entre a composição da carteira rea e da carteira de referência. Depin 49

50 Controe de Risco de Crédito Duas abordagens: Transação a transação Carteira: Modeo proprietário de avaiação do risco de crédito com o objetivo de aumentar o níve de diversificação por instituição e por área geográfica. Depin 50

51 Risco de Crédito Instrumentos de Money-market Transação a Transação Rating mínimo segundo Agência Moody s: curto prazo P-1 e ongo prazo A Limite de exposição máxima por contraparte o menor vaor entre US$ 1,5 bihão e 1% dos ativos da instituição Prazo máximo de 3 a 6 meses conforme a cassificação de risco da instituição Risco de Crédito Bancário Agregado Limite reativo de inadimpência esperada e inesperada Monitoramento diário com base em modeo estatístico. Depin 51

52 Risco de Crédito Instrumentos de Renda Fixa n n n Reação de emissores autorizados Governos Centrais; Supranacionais (Aaa); Agências Governamentais (Aaa). Aocação mínima em títuos de governo centra Restrições de Liquidez papéis com mercado secundário ativo; imites para evitar a concentração em emissores e em emissões. Depin 52

53 Risco de Liquidez Instrumentos de Renda Fixa n n Somente os que possuem um mercado secundário ativo; Limites de concentração: n n n Voume máximo de exposição por emissor; Voume máximo em cada emissão; Participação máxima de cada emissão na carteira. Depin 53

54 Avaiação de Performance Depin 54

55 Avaiação de Performance Apresentação trimestra à Diretoria para avaiação: - Rendimento em termos percentuais e em US dóares da carteira de referência (virtua) e da carteira rea. - Atribuição de Performance Depin 55

56 Objetivos: Avaiação de Performance Ferramenta gerencia. Verificar desempenho. Identificar fontes de retorno. Padrão de apresentação AIMR Association for Investment Management and Research: Retornos mensais (absouto e reativo) Atribuição de Performance Avaiação trimestra. Depin 56

57 Atribuição de Performance Identificação das fontes de retorno: - curva - duration - aocação - crédito - moeda - Depin 57

58 Controes Depin 58

59 Controes Controe Interno Em caso de extrapoação de imites, o sistema envia automaticamente um aviso a todos os membros da Diretoria Coegiada; DEPIN/Consutoria de Monitoramento (Midde Office) Auditoria Auditoria interna do BCB (Deaud) Ministério da Fazenda Tribuna de Contas da União Auditoria externa independente Depin 59

60 Controe Interno DEPIN/ Comon - Midde Office Controar se os desvios assumidos pea carteira efetiva em reação à carteira de referência estão de acordo com os imites estabeecidos; Verificar se as restrições de iquidez estão sendo obedecidas; Verificar se os instrumentos e os mercados utiizados estão de acordo com os autorizados; Conferir se as operações são contratadas de acordo com as condições do mercado no momento. Depin 60

61 Transparência e Prestação de Contas Sistema com critérios de avaiação segundo normas internacionais; Voume de reservas divugado diariamente; Divugação mensa da composição das reservas segundo padrão PEDD (Padrão Especia de Disseminação de Dados) FMI; Divugação dos critérios adotados na administração das reservas. Reatório trimestra de performance. Depin 61

62 PEDD (Padrão FMI) Ativos de reservas oficiais e outros ativos em moeda estrangeira Liquidez - US$ mihões Dez/00 Dez/01 Dez/02 Fev/03 Ativos de Reserva Oficiais 1/ Reservas Líquidas Ajustadas (excui empréstimo do FMI) 2/ Reservas em moeda estrangeira (em divisas conversíveis) (a) Títuos dos quais: emissor sediado no Brasi, mas domiciiado no exterior (b) Tota de moeda e depósitos em: Outros bancos centrais, BIS e FMI Bancos sediados no Brasi dos quais: domiciiados no exterior Bancos sediados no exterior dos quais: domiciiados no Brasi Posição de reserva no FMI DES Ouro (incusive depósitos de ouro) 3/ Voume em mi onças troy Outros ativos de reservas Instrumentos derivativos Empréstimos a não residentes não bancários 4/ Céduas e moedas Títuos adquiridos com acordo de recompra 5/ Outros Ativos em Moedas Estrangeiras Títuos não incuídos nos ativos de reservas oficiais 6/ Depósitos não incuídos nos ativos de reservas oficiais / Empréstimos não incuídos nos ativos de reservas oficiais / Derivativos financeiros não incuídos nos ativos de reservas oficiais Ouro não incuído nos ativos de reservas oficiais Outros Depin 62

63 Resutados Gerência compatíve com o que há de mais moderno no mercado internaciona. Pubicação no Centra Banking Journa da metodoogia desenvovida para cácuo do risco de crédito. Escoha do Banco Centra, peo FMI, para eaboração de documento sobre estudo de casos reacionados com administração de reservas. Reconhecimento, peo FMI, do trabaho desenvovido peo Depin Depin 63

Informações sobre os Cursos. Gestão do Comércio e Negócios. Gestão Estratégica de Pessoas. com Ênfase em BI (Business Intelligence)

Informações sobre os Cursos. Gestão do Comércio e Negócios. Gestão Estratégica de Pessoas. com Ênfase em BI (Business Intelligence) Rua Eucides da Cunha, 377 Centro de Osasco 0800 771 77 44 www.fipen.edu.br Centra de Informações Gestão Estratégica de Pessoas Gestão da Produção e Logística Gestão do Comércio e Negócios Gestão de Serviços

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Objeto Estabelecer uma política adequada de gerenciamento de riscos financeiros, de modo a resguardar as empresas do grupo Endesa Brasil de

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Módulo 8. Estratégias de Investimento com Swaps

Módulo 8. Estratégias de Investimento com Swaps Módulo 8 Estratégias de Investimento com Swaps Módulo 8 1.1 - Introdução ao Mercado de Swaps O que são Swaps? Exemplos Swaps & Forwards Intervenientes e Organização do Mercado de Swaps 1.2 - Swaps de Taxa

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software Aula 01

Princípios da Engenharia de Software Aula 01 Princípios da Engenharia de Software Aua 01 Prof.: José Honorato Ferreira Nunes honorato.nunes@bonfim.ifbaiano.edu.br Materia cedido por: Frankin M. Correia frankin.correia@bonfim.ifbaiano.edu.br Objetivo

Leia mais

Cover. Gestão das Reservas Internacionais 2002-2008. Agosto/2009

Cover. Gestão das Reservas Internacionais 2002-2008. Agosto/2009 Cover Gestão das Reservas nternacionais Agosto/2009 2002-2008 1 Sumário. Reservas internacionais no mundo. Pesquisa de divulgação de dados das reservas internacionais. Estrutura de gestão das reservas

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008 INTRODUÇÃO Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do PERUIBEPREV, através da designação

Leia mais

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008 Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção 17 de setembro de 2008 Presença Global do Unibanco O Unibanco é um dos maiores conglomerados financeiros do Brasil, presente nos principais centros

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

Princípios de Investimento

Princípios de Investimento Princípios de Investimento Rentabilidade Rentabilidade é o grau de rendimento proporcionado por um investimento pela valorização do capital ao longo do tempo. Liquidez Liquidez é a rapidez com que se consegue

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Entrada em vigor: 18-Mar-2013. Valores Mobiliários

MERCADO DE CAPITAIS. Entrada em vigor: 18-Mar-2013. Valores Mobiliários Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento a

Leia mais

FTIF Templeton Global Bond Fund

FTIF Templeton Global Bond Fund FTIF Templeton Global Bond Fund A ESTRATÉGIA Objetivo de investimento O FTIF Templeton Global Bond Fund busca maximizar o retorno total, com uma combinação de renda por juros, valorização de capital e

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação Comissão Própria de Avaiação Apresentação dos Resutados da Avaiação Gera da UCPe peos Aunos A tabuação abaixo foi feita a partir dos questionários sócio-econômicos do ENADE, dos anos de 01. Estado Civi?

Leia mais

ISSN 2175-9251. Junho 2012 Volume 4. Relatório de Gestão das Reservas Internacionais

ISSN 2175-9251. Junho 2012 Volume 4. Relatório de Gestão das Reservas Internacionais ISSN 2175-9251 Junho 212 Volume 4 Relatório de Gestão das Reservas Internacionais ISSN 2175-9251 CNPJ.38.166/1-5 Relatório de Gestão das Reservas Internacionais Brasília v. 4 jun. 212 p. 1-35 Relatório

Leia mais

Banco de Portugal. Fevereiro/Março de 1999 NOVA APRESENTAÇÃO DAS ESTATÍSTICAS DA BALANÇA DE PAGAMENTOS. Departamento de Estatística

Banco de Portugal. Fevereiro/Março de 1999 NOVA APRESENTAÇÃO DAS ESTATÍSTICAS DA BALANÇA DE PAGAMENTOS. Departamento de Estatística Nova Apresentação das Estatísticas da Baança de Pagamentos Banco de Portuga Supemento ao Boetim Estatístico Fevereiro/Março de 1999 NOVA APRESENTAÇÃO DAS ESTATÍSTICAS DA BALANÇA DE PAGAMENTOS I - SUMÁRIO...

Leia mais

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES Breve Descrição do Produto O é um produto financeiro complexo composto por 50% do investimento num Depósito a Prazo a 180 dias, não renovável, com uma taxa de juro de 4% (TANB Taxa Anual Nominal Bruta),

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

Operacionalidade da Política Monetária e a Determinação da Taxa de Juros

Operacionalidade da Política Monetária e a Determinação da Taxa de Juros Operacionalidade da Política Monetária e a Determinação da Taxa de Juros Objetivos e Instrumentos SE506 Economia Monetária e Financeira Fabiano Abranches Silva Dalto CARVALHO, F. J. C. et. alli. Economia

Leia mais

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento Desenvovimento e Design de Sistemas Web Probemas comuns Web Sites ma definidos e projetados Necessidade de atuaização constante das informações: eternamente em construção Evoução extremamente rápida da

Leia mais

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Apresentação da Teleconferência 06 de agosto de 2015 Para informações adicionais, favor ler cuidadosamente o aviso ao final desta apresentação. Divulgação

Leia mais

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução 1 Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES 1. Introdução A Gestão de Riscos de Mercado é a atividade por meio da qual uma instituição financeira administra os riscos resultantes de variações nas

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

ISSN 2175-9251. Novembro 2013 Volume 5. Relatório de Gestão das Reservas Internacionais

ISSN 2175-9251. Novembro 2013 Volume 5. Relatório de Gestão das Reservas Internacionais ISSN 2175-9251 Novembro 2013 Volume 5 Relatório de Gestão das Reservas Internacionais Novembro 2013 Volume 5 ISSN 2175-9251 CNPJ 00.038.166/0001-05 Relatório de Gestão das Reservas Internacionais Brasília

Leia mais

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como:

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO 1. Introdução A Diretoria da Grazziotin em atendimento ã Resolução 3721 de abril/2009, divulga sua Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito alinhada

Leia mais

Mercado de Divisas e

Mercado de Divisas e Mercado de Divisas e Taxa de Câmbio Agentes do Mercado de Câmbio Taxa de Câmbio Nominal e Real Taxa de Câmbio Fixa e Flexível http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Agentes do Mercado Cambial Todos

Leia mais

Relatório de Gestão das Reservas Internacionais. Junho 2010 Volume 2

Relatório de Gestão das Reservas Internacionais. Junho 2010 Volume 2 Junho 2010 Volume 2 Relatório de Gestão das Reservas Internacionais Junho 2010 Volume 2 Relatório de Gestão das Reservas Internacionais ISSN 0000-0000 CGC 00.038.166/0001-05 Relatório de Gestão das Reservas

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS BÁNCARIOS

TABELA DE SERVIÇOS BÁNCARIOS SALDOS MÍNIMOS NECESSÁRIOS: Conta Corrente Pessoa Física (PF) $5,000.00 $5,000.00 Pessoa Jurídica (PJ) $10,000.00 $10,000.00 "Money Market" $20,000.00 $20,000.00 Certificado de Depósito $50,000.00 Não

Leia mais

ÍNDICE. Definições... 5 Resumo das Características da Oferta... 7 2. INFORMAÇÕES SOBRE OS ADMINISTRADORES, CONSULTORES E AUDITORES

ÍNDICE. Definições... 5 Resumo das Características da Oferta... 7 2. INFORMAÇÕES SOBRE OS ADMINISTRADORES, CONSULTORES E AUDITORES ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO Definições... 5 Resumo das Características da Oferta... 7 2. INFORMAÇÕES SOBRE OS ADMINISTRADORES, CONSULTORES E AUDITORES Administradores da Emissora... 13 Coordenador Líder... 13

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

O Brasil Diante da Crise: Estabilidade e Resistência

O Brasil Diante da Crise: Estabilidade e Resistência O Brasil Diante da Crise: Estabilidade e Resistência Henrique de Campos Meirelles Março de 2009 1 Panorama Internacional 2 2000 = 100 EUA: Índice de Preço das Residências 220 Entre 2000 a Jun/06, valor

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO A Um Investimentos S/A CTVM, conforme definição da Resolução nº 3.721/09, demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco de crédito.

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 INTRODUÇÃO O Banco Mercedes-Benz do Brasil considera a gestão de riscos como um dos pilares de sustentação de seus objetivos estratégicos.

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll)

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Índice Introdução... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 Informações Qualitativas... 4 Risco de Crédito... 4 Risco de Mercado... 5 Risco de Liquidez...

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50%

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50% III) Plano de Benefícios de Contribuição Definida (Plano CD) 1) Administracão dos Recursos: A administração dos recursos da Fundação Previdenciária IBM é terceirizada, sendo prerrogativa do Conselho Deliberativo

Leia mais

Aviso n. o 006/2014-AMCM

Aviso n. o 006/2014-AMCM Aviso n. o 006/2014-AMCM ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS DERIVADOS NOS FUNDOS DE PENSÕES De acordo com o disposto no n. o 6 do aviso n. o 006/2013-AMCM, de 10 de Janeiro, os instrumentos derivados, tais

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

Fundos de Investimentos

Fundos de Investimentos Fundos de Investimentos 1 O que e um fundo de investimentos? Um fundo de investimentos concentra em uma unica entidade juridica, varios investidores com o mesmo objetivo e que compartilham a mesma estrategia

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 branca A P R E S E N TA Ç Ã O Construindo um novo futuro Para tornar-se íder goba em souções de transporte

Leia mais

Renda Fixa. Letra de Crédito Imobiliário

Renda Fixa. Letra de Crédito Imobiliário Renda Fixa Letra de Crédito Imobiliário Letra de Crédito Imobiliário Uma alternativa para diversificação de carteira de investimento O produto Letra de Crédito Imobiliário () é um título de crédito, lastreado

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES

Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES Uso de instrumentos de mercado de capitais em Projetos de Longo Prazo Laura Bedeschi Agosto/2015 Debêntures Adquiridas 2 BNDES Investidor Debêntures

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PREVICOKE SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS PREVICOKE 2009 Classified - Internal use ÍNDICE Finalidade da Política de Investimentos... 3 PARTE I... 3 1. Objetivos

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA FIDELIDADE II RENDA FIXA CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA FIDELIDADE II RENDA FIXA CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA FIDELIDADE II RENDA FIXA CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO Data de Competência: 06/10/2015 1. CNPJ 10.322.668/0001-09 2. PERIODICIDADE MÍNIMA

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2013 Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco Responsável: Controle de Riscos Aprovação: BRCC Propósito deste documento Promover transparência quanto à estrutura de gestão de riscos

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

Pulverização dos Investimentos e o Mercado Livre. UBS Pactual

Pulverização dos Investimentos e o Mercado Livre. UBS Pactual Pulverização dos Investimentos e o Mercado Livre UBS Pactual Outubro 2007 Agenda Momento do mercado Mercado de capitais e o setor elétrico Bolsa de Energia: Formação de Curva de Preço Seção Momento do

Leia mais

6 - Balanço de Pagamentos

6 - Balanço de Pagamentos Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Departamento de Ciências Econômicas ECO-2215 - Contabilidade Social Balanço de Pagamentos Estrutura da apresentação 1) Definição

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA JUROS PAGOS PELOS TOMADORES - REMUNERAÇÃO PAGA AOS POUPADORES SPREAD

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas. 3 de Abril de 2013 São Paulo

A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas. 3 de Abril de 2013 São Paulo A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas 3 de Abril de 2013 São Paulo CESCE Presença Internacional A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

1. Objetivo e Descrição do fundo

1. Objetivo e Descrição do fundo FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ: 11.664.201/0001-00 Administrado pelo Banco Fator S.A. CNPJ: 33.644.196/0001-06 RELATÓRIO SEMESTRAL 1º. SEM. 2012 1. Objetivo e Descrição do fundo

Leia mais

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira O agravamento da crise financeira internacional decorrente da falência do banco Lehman Brothers,

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 02/2013

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 02/2013 RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 2/213 A Presidente do Conseho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições, consoante o deiberado na 99ª Reunião Ordinária, reaizada no dia 1 de dezembro

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO CAPITAL SEGURO ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição,

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA Plano de Gestão Administrativa - PGA Ano de Vigência - 2015 1/13 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do, através da designação dos segmentos

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 2.1. RISCO DE MERCADO... 2 2.2. GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO... 2 2.3. TIPOS E CATEGORIAS DE RISCO AVALIADOS... 2 Risco de Taxas de Juros...2 Risco de

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL. Política de Investimentos Exercício de 2013

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL. Política de Investimentos Exercício de 2013 Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL Política de Investimentos Exercício de 2013 Política de Investimentos do RPPS do Município de Pelotas RS, aprovada pelo

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008. CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC

Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008. CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008 CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC Instrumento Financeiro: Derivativo DEFINIÇÃO (com base no CPC 14)

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Resultados do 1T08. 14 de maio de 2008

Resultados do 1T08. 14 de maio de 2008 Resultados do 1T08 14 de maio de 2008 Destaques do Trimestre Desenvolvimento dos Negócios Início dos desembolsos das operações de FINAME e BNDES Automático Bim Promotora de Vendas fase piloto das operações

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 1/18 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 2/18 Módulo 4 - Princípios de Investimento Neste módulo são apresentados os principais fatores para a análise de investimentos,

Leia mais

EMPRÉSTIMO DE ATIVOS

EMPRÉSTIMO DE ATIVOS EMPRÉSTIMO DE ATIVOS Empréstimo de Ativos BM&FBOVESPA 3 4 Empréstimo de Ativos BM&FBOVESPA 1) O que é o serviço de Empréstimo de Ativos? Lançado em 1996, é um serviço por meio do qual os investidores,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições financeiras que especifica. O Banco Central do Brasil,

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO OBJETIVO Atender as disposições trazidas pela Resolução CMN 3.721, de 30 de abril de 2009 ( Resolução 3.721/09 ), a qual determinou a implementação

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Fundo de Investimento é uma comunhão de recursos, constituída sob a forma de condomínio que reúne recursos de vários investidores para aplicar em uma carteira diversificada de ativos financeiros. Ao aplicarem

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CAIXA GIRO MPE RF REF DI LP

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CAIXA GIRO MPE RF REF DI LP FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CAIXA GIRO MPE RF REF DI LP Data de Competência: 28/10/2015 1. CNPJ 10.551.370/0001-70 2. PERIODICIDADE

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009 1- OBJETIVOS A Política de Investimentos dos Recursos Garantidores das Reservas Técnicas da OABPrev-PR, tem por objetivo a maximização

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Controle do documento Data Autor Versão Junho/2012 Compliance 001 Agosto/2013 Risk Management 002 Agosto/2014 Risk Management

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Cotas de Fundos de Investimento em Ações - FIA Mais uma alternativa na diversificação da carteira de investimento em ações O produto O Fundo

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Mercado Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Mercado do CRÉDIT AGRICOLE BRASIL e descreve as suas principais responsabilidades

Leia mais

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características Guia de Renda Fixa Os títulos de renda fixa se caracterizam por possuírem regras definidas de remuneração. Isto é, são aqueles títulos cujo rendimento é conhecido previamente (juro prefixado) ou que depende

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

INSTRUMENTOS FINANCEIROS

INSTRUMENTOS FINANCEIROS INSTRUMENTOS FINANCEIROS Afonso Henrique Carvalho França* DEFINIÇÕES O Comitê de Pronunciamento Contábil emitiu durante o ano de 2009 os seguintes pronunciamentos sobre os instrumentos financeiros: CPC

Leia mais

3 O Papel das agências de classificação de crédito, a classificação do risco soberano e a classificação do risco corporativo

3 O Papel das agências de classificação de crédito, a classificação do risco soberano e a classificação do risco corporativo 3 O Papel das agências de classificação de crédito, a classificação do risco soberano e a classificação do risco corporativo 3.1 O papel das agências de classificação crédito As classificações de riscos

Leia mais

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP Como desenvolver uma abordagem eficaz de gerenciamento de capital e um processo interno de avaliação da adequação de capital (ICAAP) A crise financeira de

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CAIXA MULTIMERCADO MULTIGESTOR

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CAIXA MULTIMERCADO MULTIGESTOR FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CAIXA MULTIMERCADO MULTIGESTOR Data de Competência: 13/11/2015 1. CNPJ 18.007.710/0001-09 2. PERIODICIDADE

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Participações - FIP

Cotas de Fundos de Investimento em Participações - FIP Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Participações - Fundo de Investimento em Participações Investimento estratégico com foco no resultado provocado pelo desenvolvimento das companhias O produto

Leia mais

j i Liquidez FRAM Capital DTVM S.A. Política de Controle de Risco de Liquidez FRAM CAPITAL DTVM S.A. Data de Atualização: 31/07/2012 Versão 1.

j i Liquidez FRAM Capital DTVM S.A. Política de Controle de Risco de Liquidez FRAM CAPITAL DTVM S.A. Data de Atualização: 31/07/2012 Versão 1. j i ; l.' I / Política de Controle de Risco de Liquidez FRAM Capital DTVM S.A. Política de Controle de Risco de Liquidez FRAM DTVM S.A. Este Documento foi desenvolvido e é atualizado pela Finanças e Riscos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais