Cadeia de Custódia UTZ Certified

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cadeia de Custódia UTZ Certified"

Transcrição

1 Cadeia de Custódia UTZ Certified Para Café Versão 5.0 Maio 2013

2 Cópias deste documento estão disponíveis gratuitamente em formato eletrônico na página da Training Center da UTZ Certified: Envie os seus comentários ou sugestões para: Ou por correio convencional para: UTZ Certified Standard and Certification Department De Ruyterkade 6 bg 1013 AA Amsterdam Holanda UTZ Certified 2013 Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, armazenada num sistema de recuperação de dados, ou transmitida de qualquer forma ou por quaisquer meios, eletrónicos, mecânicos, por fotocópia, gravação, ou de outra forma, sem os devidos créditos. 2

3 Índice 1. Introdução Por quê uma versão atualizada? Data de conformidade Abreviaturas e definições Abreviaturas Manipulação física Reivindicação do produto Rastreio Taxa do programa Agente da cadeia de fornecimento de pequenos volumes Quem deve ser licenciado no GIP? Quem deve ser certificado ChoC? Quem não precisa de ser certificado ChoC? Obter a certificação ChoC Primeira auditoria e validade do certificado Uso do logotipo Outros documentos relevantes Endereços de e sites da Internet Estrutura dos requirimentos ChoC Pontos de Controle na Cadeia de Custódia Seção A EXIGÊNCIAS GERAIS Seção B EXIGÊNCIAS PARA A MANIPULAÇÃO DESDE O PROCESSAMENTO ATÉ AO CAFÉ VERDE Seção C EXIGÊNCIAS PARA A MANIPULAÇÃO DESDE O CAFÉ VERDE AO PRODUTO FINAL Seção D DIREITOS, SAÚDE E SEGURANÇA DOS TRABALHADORES Índice de Figuras Figura 1 - Fluxograma "Quem deve ser certificado"... 8 Figura 2 - Fluxograma das atividades de processamento até ao café verde Figura 3 - Fluxograma de atividades de processamento desde o café verde até ao produto final

4 1. INTRODUÇÃO As exigências da Cadeia de Custódia UTZ Certified foram elaboradas para estabelecer, com um alto grau de confiança, que o café UTZ Certified provém de um produtor UTZ Certified. Essas exigências são um conjunto de requisitos técnicos e administrativos que abrangem toda a cadeia de forma a assegurar a rastreabilidade do café UTZ Certified. Portanto, estas incluem, sobretudo, critérios para a separação física e administrativa do café UTZ Certified do que não é UTZ Certified. Em 2004, a UTZ Certified desenvolveu, juntamente com algumas partes interessadas, o primeiro esboço da Cadeia de Custódia UTZ Certified. Após revisão minuciosa e várias auditorias piloto, a primeira edição da Cadeia de Custódia UTZ Certified foi implementada em Desde 2005, o documento da Cadeia de Custódia UTZ Certified foi revisto e atualizado regularmente. 2. POR QUÊ UMA VERSÃO ATUALIZADA? - Para alinhar a abordagem e terminologia com o novo sistema de rastreabilidade da UTZ Certified, o Good Inside Portal (GIP). - Para atualizar as definições de reclamação do produto, taxa do programa, o rastreamento, que devem ser licenciados e que deve ser certificado. - Para incluir novos produtos de café e as atividades de processamento de café. - Para atualizar a numeração nas seções B e C, de modo a identificar mais facilmente os pontos de controle. A Cadeia de Custódia UTZ Certified para o café, versão 5.0 Abril 2013 substitui a Cadeia de Custódia UTZ Certified Good Inside para a versão 4.0 de café de Julho de A UTZ Certified possui a autoridade suprema pela emissão e emenda das exigências previstas neste documento. 3. DATA DE CONFORMIDADE Certificação de acordo com a nova versão 5.0 Abril 2013 é possível a partir de 1 de Maio de Também é possível tornar-se certificada de acordo com a anterior Cadeia de Custódia UTZ Certified para o café versão 4.0 Julho 2011 até 31 de Julho de Os certificados emitidos com base em auditorias realizadas a partir de 1 Agosto de 2013 em diante segundo a Cadeia de Custódia UTZ Certified para o café versão 4.0 Julho 2011 não serão aceitos. Apartir 1 de Agosto de 2013 é obrigatório ser auditada e certificada segundo as exigências da Cadeia de Custódia UTZ Certified para o café versão 5.0 Abril de

5 4. ABREVIATURAS E DEFINIÇÕES 4.1 Abreviaturas GIP: Good Inside Portal (Portal Good Inside) CB: Certification Body (Entidade Certificadora) SCA: Supply Chain Actor (Agente da Cadeia de Fornecimento) CoC: Code of Conduct (Código de Conduta) ChoC: Chain of Custody (Cadeia de Custódia) 4.2 Manipulação física A manipulação física refere-se a qualquer atividade que inclui o contato físico com o café não ensacado. A manipulação física (para o café) inclui, mas não está limitado, às seguintes atividades: - Processamento por via húmida (lavado ou semi-lavado/cereja descascada) e/ou por via seca; - Moagem/descasque; - Embalamento/Agrupamento de café verde; - Triagem e classificação; - Mescla/mistura de café verde; - Descafeinação; - Torrefação; - Outras atividades de processamento para obter os produtos de café (ex. processamento solúvel, extração do óleo do café, extrair o sabor do café, o aroma, e/ou a cor do café torrado e moído, licor de café, etc); - Embalamento dos produtos de café; - Utilizando a ferramenta de rastreamento em embalagens para o consumidor; - Subcontratação da manipulação física do café (atividades nesta lista). 4.3 Reivindicação do produto A reivindicação do produto é qualquer referência feita à UTZ Certified ou sobre o fornecimento sustentável ou responsável de um produto, ou ingrediente(s), que, para todos os efeitos, são total ou parcialmente baseados no estado ou origem da UTZ Certified, com ou sem o logotipo UTZ Certified, se for feita por produto ou para fora do produto, e qual a relação à oferta ou venda do produto. Isso pode ser tanto business-to-business (empresa-paraempresa) ou business-to-consumer (empresa-para-consumidor). Tenha em mente que os seguintes exemplos também são considerados uma reivindicação produto: - Se o membro da UTZ menciona a UTZ Certified, ou a condição de produto sustentável, ou o fornecimento do produto, ou ingrediente(s), numa fatura para os seus clientes; - Se o membro da UTZ refere-se à UTZ Certified, ou ao estatuto sustentável, ou fornecimento do produto, ou ingrediente(s) da marca, ou produtos de comunicação, incluindo online, imprensa, publicidade, ponto-de-venda; - Se um membro da UTZ refere-se à UTZ Certified, ou ao estatuto sustentável, ou fornecimento do produto, ou ingrediente que foi entregue a ele/ela. 5

6 4.4 Rastreio A função de rastreamento no sistema de rastreabilidade UTZ Certified (GIP) é usada por SCAs para remover o volume adquirido como UTZ Certified do sistema online que lhes permite gerir e manter o seu estoque atualizado. Esta ação marca o fim da rastreabilidade online para o produto ou ingrediente. Além deste ponto, a rastreabilidade documental ainda pode continuar (ou seja, contratos, notas fiscais, guias de remessa, faturas, etc.). Os fabricantes de semiacabados, de consumo ou produtos de serviço de alimentação (por exemplo, torrefatores de café) que atuam no GIP devem rastrear todos os volumes UTZ em que eles confirmaram o recebimentoe que não será vendido adiante no GIP. Os seus relatórios de rastreamento podem ser usados mais abaixo na cadeia de fornecimento como documento comprovativo do estado UTZ Certified. O rastreamento desencadeia a criação de uma fatura para a taxa do programa. 4.5 Taxa do programa A taxa do programa (anteriormente denominada de "taxa de administração") é uma contribuição para o programa UTZ baseada no volume de produção. A taxa do programa é a principal fonte de receita da UTZ Certified e permite que o seu programa seja executado e mantido de forma sustentável, e para prestar serviços aos seus membros, incluindo: - Suporte ao cliente na execução, fornecimento e comercialização de produtos certificados UTZ; - Aceitação das partes interessadas e manutenção dos padrões de certificação e sistema de garantia em países produtores e consumidores; - Controle de qualidade e formação no processo de certificação; - Manutenção e inovação do sistema de rastreabilidade; - Formação e apoio aos fornecedores para garantir a boa execução; A taxa do programa é cobrada uma única vez na cadeia de fornecimento, para qualquer volume que foi rastreado no GIP. 4.6 Agente da cadeia de fornecimento de pequenos volumes Os SCAs responsáveis pelas atividades descritas na seção C deste documento, e quem lida com menos de 50 toneladas métricas (total) de café verde por ano civil, são considerados SCAs de 'pequeno volume' e a Certificação de Cadeia de Custódia não é obrigatória. A UTZ Certified permite que esses SCAs de pequeno volume utilizem o logotipo e façam pedidos de produto, sem ser necessária a certificação, desde que sejam compatíveis com as diretrizes e procedimentos, de acordo com a "Política de Rotulagem UTZ Certified para o café 2012". SCAs de pequeno volume precisam cumprir uma auto-avaliação de conformidade com as atividades aplicáveis. Operadores de pequenos volumes devem também usar o GIP para registar as suas transações e acompanhar o café que é comprado como UTZ Certified. 6

7 5. QUEM DEVE SER LICENCIADO NO GIP? Organizações que comercializam o café UTZ Certified devem ter uma licença válida no GIP: - Nos casos em que uma organização precisa ser certificada (por favor, veja o capítulo 6 deste documento), o CB solicita uma licença ao Departamento de Normas e Certificação UTZ. - Nos casos em que uma organização não precisa ser certificada (por favor, veja o capítulo 6 deste documento), a licença é concedida pela UTZ Certified (Departamento de Suporte aos Membros). 6. QUEM DEVE SER CERTIFICADO CHOC? Certificação da Cadeia de Custódia é necessária para todos os SCAs que: - Tenham posse legal do café UTZ Certified e - Lidam fisicamente com o café UTZ Certified (ver definição acima) e - Façam declarações de que o produto é UTZ Certified (ver definição acima). Ou - Lidam fisicamente com o café, desde o café de cereja ao café verde (também como subcontratado). Quando o SCA subcontrata a manipulação física do café, essa manipulação é considerada como a sua própria atividade (o SCA é responsável pela conformidade do subcontratado). No entanto, quando um comerciante subcontrata a manipulação física do café UTZ Certified para uma unidade já certificada, o comerciante não precisa ser certificado e pode solicitar uma licença diretamente à UTZ Certified para operar no GIP. Mais detalhes são descritos na Figura 1 - Fluxograma "Quem deve ser certificado" 7. QUEM NÃO PRECISA SER CERTIFICADO CHOC? - Agentes da cadeia de fornecimento de pequenos volumes (ver 4.6 deste documento); - Os comerciantes que não manipulam fisicamente o café UTZ, ou subcontratam atividades que se enquadram na categoria de "manipulação física" (ver 4.2 deste documento); - Os comerciantes que subcontratam unidades já certificadas para realizar atividades que se enquadram na categoria de "manipulação física". 7

8 Figura 1 - Fluxograma "Quem deve ser certificado" 8

9 8. OBTER A CERTIFICAÇÃO CHOC A Certificação deve ser realizada por um CB, aprovado pela UTZ Certified (para saber mais sobre as exigências, veja o Protocolo de Certificação UTZ Certified). Uma lista de CBs aprovados pode ser encontrada na GIP (para acessar a lista, as organizações precisam estar registadas como membros da UTZ Certified) e na página Training Center do website da UTZ Certified. Para obter a certificação segundo a Cadeia de Custódia UTZ Certified, um SCA precisa cumprir com todos os pontos de controle que sejam aplicáveis às suas actividades. 8.1 Primeira auditoria e validade do certificado A primeira auditoria deverá ocorrer até três meses antes ou até três meses após o início da manipulação de café UTZ Certified pelo SCA. A validade da certificação começa a partir da data em que ficar provado que as exigências da Cadeia de Custódia foram atendidas, ou quando a decisão de certificação tenha sido tomada pela CB Uso do logotipo UTZ Certified O logotipo UTZ Certified na embalagem final pode somente ser usado após a aprovação por escrito da UTZ Certified. As exigências para o uso do logotipo UTZ Certified estão estabelecidas na Política de Comunicação e Rotulagem UTZ Certified Outros documentos relevantes Outros documentos relevantes e úteis incluem: - O Protocolo de Certificação UTZ Certified: Este documento descreve os procedimentos que o detentor do certificado e a CB precisam seguir durante o processo de certificação. - A lista de verificação da Cadeia de Custódia UTZ Certified: Este documento é útil para a CB durante a auditoria e também para o detentor do certificado para que este possa realizar a auto-inspeção. Esses documentos podem ser baixados na página Training Center do website da UTZ Certified. 8.4 Endereços de e websites - CBs podem contatar o Departamento de Normas e Certificados para perguntas e comentários sobre a certificação ChoC. - Membros UTZ Certified podem contatar o Departamento de Suporte ao Membro para perguntas ou comentários sobre a certificação ChoC e solicitar políticas UTZ como "Política para agentes da cadeia de fornecimento de pequenos volumes" e " Política de Rotulagem para o café UTZ Certified 2012". - Membros UTZ Certified podem contatar a Equipe de First Line Support para dúvidas sobre os anúncios de vendas e / ou problemas com o GIP. - Na página Training Center do website da UTZ Certified, Membros UTZ Certified podem encontrar todos os documentos necessários para a certificação UTZ, tais como o Protocolo de Certificação, Código de Conduta, Cadeia de Custódia, a lista de Organismos de Certificação Aprovados UTZ Certified, etc. 1 Para saber mais sobre as exigências de certificação, consulte o Protocolo de Certificação UTZ Certified. 9

10 9. ESTRUTURA DOS REQUIRIMENTOS CHOC Este documento está dividido em três (3) seções que representam as atividades de café na cadeia de fornecimento. Cada agente da cadeia de fornecimento UTZ Certified para café deve cumprir com as seções das atividades aplicáveis. Seção A Exigências gerais Aplicável a todos os SCAs que precisam ter a certificação ChoC para o café de acordo com os requisitos acima mencionados. Seção B Exigências para o manuseamento: processamento desde as cerejas ao café verde Aplicável, além da seção A, a todos os SCAs que realizam uma das seguintes atividades: 1. Subcontratação de uma ou mais unidades de processamento não-utz certificadas para qualquer uma das atividades mencionadas na seção B; 2. Processamento por via húmida (lavado, semi-lavado/cereja descascada) e/ou por via seca; 3. Moagem/descasque, triagem e classificação, e embalamento/agrupamento de café. Colheita e embalagem de cerejas Via Húmida Pré-seleção e despolpamento Fermentação (n/a cereja descascada Lavagem Secagem (mecánica ou em mesas suspensas / terreiros) Embalagem de café em pergaminho Rebeneficio Separação e classificação Ensacamento de café verde Secagem (mecánica ou em mesas suspensas / terreiros) Embalagem de cerejas secas Via Seca Figura 2 - Fluxograma das atividades de processamento até ao café verde Seção C Exigências para a manipulação: do café verde ao produto final Aplicável a todos os agentes da cadeia de fornecimento que operam numa das seguintes atividades: 1. Subcontratação de uma ou mais unidades de processamento não-utz certificadas para qualquer uma das atividades mencionadas na seção; 2. Mescla/mistura de café verde; 3. Descafeinação de café verde; 4. Torrefação de café; 5. Outras atividades de processamento para obter os produtos de café (ex. processamento solúvel, extração do óleo do café, extração de sabor do café, o aroma, e/ou a cor do café torrado e moído, licor de café, etc.); 6. Embalamento dos produtos de café; 7. Utilização da ferramenta de rastreamento em embalagens para o consumidor; 10

11 Fornecimento de café verde (Mescla e mistura) Torrefação Embalamento de produtos de café Descafeinação Outras atividades de processamento para obter produtos de café Figura 3 - Fluxograma de atividades de processamento desde o café verde até ao produto final 11

12 10. PONTOS DE CONTROLE NA CADEIA DE CUSTÓDIA Seção A EXIGÊNCIAS GERAIS Nº PONTO DE CONTROLE COMENTÁRIO DE ORIENTAÇÃO Seção A EXIGÊNCIAS GERAIS A.1. SISTEMA GERAL DE CONTROLE DOCUMENTADO A.1.1 O SCA possui um sistema de controle claramente documentado, o qual verifica cada uma das secções aplicáveis das exigências da Cadeia de Custódia. UTZ Certified. Para cada capítulo, o sistema de controle documentado: a) Especifica o pessoal responsável pela monitorização e controle; b) Fornece exemplos de formulários, registos ou documentos que demonstram cumprimento. A.2. IDENTIFICAÇÃO DE ENTRADA E SAÍDA DE PRODUTOS CERTIFICADOS A.2.1 O SCA opera um sistema para assegurar, verificar e monitorar que o café UTZ Certified comprado e vendido é de facto UTZ Certified. O sistema pode ser baseado em documentos e procedimentos escritos e/ou num sistema automático. Quando um SCA compra ou vende café UTZ Certified, ele opera um sistema que inclui as seguintes exigências: a. Verificação da validade do certificado UTZ Certified para café; b. Especificação do fato de que a compra ou venda se refere a café UTZ Certified; c. Verificação das faturas e/ou documentos que acompanham o café para confirmar o status do seu certificado. A.2.2 A.2.3 O SCA documenta cada compra e / ou venda de café UTZ Certified e regista também esses dados no GIP. O SCA opera um sistema que garante que cada compra ou venda de café UTZ Certified pelo SCA está vinculada a uma fatura de vendas específica emitida. O sistema pode ser baseado em documentos e em procedimentos escritos e/ou num sistema automático. Para cada compra ou venda de café UTZ Certified, um anúncio é feito, e confirmado, através do GIP. Isto é comprovado por uma fatura. O SCA opera um sistema para garantir que as faturas de vendas emitidas para o café UTZ Certified incluem o seguinte: a. Um identificador da transação. Esse identificador é gerado no GIP após cada transação de café UTZ Certified; b. Uma descrição da origem do café conforme indicado no contrato (origem, qualidade, volume); c. Qualquer outra informação que identifique o café (sob o critério do SCA). A.2.4 O volume disponível na Comercialização de estoque e/ou Armazenagem de estoque do SCA no GIP corresponde ao estoque físico de café UTZ Certified que o SCA tem nas suas instalações. O volume armazenado para outras SCAs está claramente registado fora do GIP. Se um armazém alberga café para SCAs (por exemplo, comerciantes, exportadores), os registos devem ser mantidos fora do GIP e devem estar disponíveis para o auditor durante a auditoria. 12

13 Nº PONTO DE CONTROLE COMENTÁRIO DE ORIENTAÇÃO A.2.5 O SCA mantém registos apropriados dos volumes totais adquiridos, O SCA mantém registos do volume total anual (adquirido e de café UTZ Certified e café não UTZ Certified. manipulado) de café UTZ Certified e não-utz Certified. a. Registos permitem que o auditor rastreie um determinado produto certificado, desde a sua saída à sua entrada. b. Registos permitem que o auditor determine as taxas de conversão para produtos certificados de saída a partir da entrada de produtos certificados. A.2.6 A.2.7 Se o SCA é um fabricante de produtos/serviços semiacabados, de consumo ou de alimentos (por exemplo, torrador de café), que opera no GIP, este deve rastrear todos os volumes UTZ para o qual ele confirmou a receção e que não será vendido adiante no GIP. Se o SCA não é um fabricante de produtos/serviços semiacabados, de consumo ou de alimentos (por exemplo, torrador de café), que opera no GIP, este deve remover todos os volumes UTZ para os quais confirmou a receção e que não serão vendidos adiante no GIP como UTZ Certified. Isto significa, por exemplo, que um torrador que não vende o café UTZ Certified adiante no GIP terá que rastrear todos os volumes que compra como UTZ Certified. O SCA mantém os registos atualizados no GIP. O SCA mantém os registos atualizados no GIP. A.3. DECLARAÇÃO RETROATIVA A.3.1 A.3.2 Quando o café é declarado como UTZ Certified, o produtor e o primeiro comprador devem concordar com um prémio a ser pago ao produtor, também no caso de o café ser reivindicado como UTZ Certified, numa fase posterior da cadeia de fornecimento. No caso de uma declaração retroativa, o SCA deve emitir (retroativamente) uma declaração de transação/venda para a compra ou venda no GIP. As provas de pagamento do prémio são guardadas. A.4. MANUTENÇÃO DE REGISTOS A.4.1 Todos os registos solicitados ao longo da auditoria da Cadeia de Custódia estão acessíveis e são guardados por um mínimo de dois anos. As faturas de venda também são guardadas. A.5. FORMAÇÃO DE MOFO A.5.1 O SCA toma medidas apropriadas para evitar a re-humidificação do café durante a armazenagem e o transporte do café UTZ Certified. Para evitar a formação de mofo, recomenda-se que o SCA proceda de forma apropriada, e no local, e evite a rehumidificação do café UTZ Certified durante a armazenagem e o transporte 2. 2 Indicações das práticas apropriadas de armazenagem e transporte podem ser encontradas no Código de Práticas da ICO Melhoria da qualidade de café através da prevenção da formação de mofo. 13

14 Seção B EXIGÊNCIAS PARA A MANIPULAÇÃO: PROCESSAMENTO DA CEREJA AO CAFÉ VERDE Nº PONTO DE CONTROLE COMENTÁRIO DE ORIENTAÇÃO Seção B REQUISITOS PARA A MANIPULAÇÃO DESDE O PROCESSAMENTO DE CEREJA ATÉ AO CAFÉ VERDE B.1. SUBCONTRATADOS B.1.1 Caso o SCA (detentor do certificado) subcontrate qualquer das atividades mencionadas nesta seção, o seguinte se aplicará: Os subcontratados que realizam qualquer das atividades mencionadas na seção B precisam ter a sua própria certificação segundo a Cadeia de Custódia UTZ Certified. B.2. PROCESSAMENTO: POR VIA ÚMIDA (LAVADO, SEMI-LAVADO) E/OU POR VIA SECA VIA HÚMIDA: SEPARAÇÃO DO CAFÉ UTZ Certified DO CAFÉ NÃO UTZ Certified Nenhum é não aplicável B.2.1 As cerejas do café UTZ Certified são apropriadamente separadas das cerejas do café não UTZ Certified na armazenagem, para evitar a mistura de ambos. B.2.2 B.2.3 B.2.4 A pré-seleção e o despolpamento do café UTZ Certified são apropriadamente realizados em separado do café não UTZ Certified para evitar que se misturem. A fermentação do café UTZ Certified é realizada apropriadamente em separado do café não UTZ Certified para evitar a mistura de ambos. A lavagem do café UTZ Certified é realizada apropriadamente em separado do café não UTZ Certified para evitar a mistura de ambos. A pré-seleção e o despolpamento do café UTZ Certified são realizados em lotes completos, fisicamente separados (ou no tempo) das operações semelhantes realizadas para o café não UTZ Certified. Qualquer outro sistema que evite a mistura do café UTZ Certified com o não UTZ Certified também está autorizado. A fermentação do café UTZ Certified é realizada em lotes completos, fisicamente separados (ou no tempo) das operações semelhantes realizadas no café não UTZ Certified. Qualquer outro sistema que evite a mistura do café UTZ Certified com o não UTZ Certified também está autorizado. A lavagem do café UTZ Certified é realizada em lotes completos, fisicamente separados (ou no tempo) das operações semelhantes realizadas para o café não UTZ Certified. Qualquer outro sistema que evite a mistura do café UTZ Certified com o não UTZ Certified também está autorizado. B.2.5 A secagem de café pergaminho UTZ Certified é realizada apropriadamente em separado dos cafés não UTZ Certified para evitar a mistura de ambos. A secagem mecânica do café UTZ Certified deve ser realizada em lotes completos, fisicamente separados (ou no tempo) das operações semelhantes realizadas no café não UTZ Certified. A secagem ao sol do café UTZ Certified deve ser realizada em lotes, fisicamente separados das operações realizadas nos cafés não UTZ Certified. Qualquer outro sistema que evite a mistura do café UTZ Certified com o não UTZ Certified também está autorizado. 14

15 Nº PONTO DE CONTROLE COMENTÁRIO DE ORIENTAÇÃO VIA SECA: SEPARAÇÃO DO CAFÉ UTZ Certified DO CAFÉ NÃO UTZ Certified B.2.6 As cerejas de café UTZ Certified são apropriadamente separadas das cerejas de cafés não UTZ Certified na armazenagem para evitar a mistura de ambos. B.2.7 A secagem ao sol (mesas/terreiros) de café UTZ Certified é realizada apropriadamente em separado do café não UTZ Certified para evitar que se misturem. O café UTZ Certified é secado ao sol em lotes fisicamente separados das operações semelhantes realizadas para o café não UTZ Certified. Qualquer outro sistema que evite a mistura do café UTZ Certified com o não UTZ Certified também está autorizado. B.2.8 O café UTZ Certified secado mecanicamente é realizado apropriadamente em separado do café não UTZ Certified para evitar que se misturem. O café UTZ Certified é secado mecanicamente em lotes fisicamente separados das operações semelhantes realizadas no café não UTZ Certified. B.2.9 Monsooning³ ou qualquer outra forma de secagem do café UTZ Certified é realizada de for 3 ma a garantir a separação do não UTZ Certified para evitar a mistura. Qualquer outro sistema que evite a mistura do café UTZ Certified com o não UTZ Certified também está autorizado. Monsooning do café UTZ Certified em lotes fisicamente separados das operações semelhantes realizadas para o café não UTZ Certified. Qualquer outro sistema que evite a mistura do café UTZ Certified com o não UTZ Certified também está autorizado. EMBALAMENTO DO CAFÉ PERGAMINHO OU DAS CEREJAS SECAS UTZ Certified PARA ARMAZENAGEM E TRANSPORTE Nenhum é não aplicável B.2.10 O café pergaminho ou as cerejas secas UTZ Certified são apropriadamente separados do café não UTZ Certified na armazenagem e durante o transporte para evitar que se misturem. B.2.11 O SCA demonstra que pode assegurar que os sacos de café pergaminho ou de cerejas secas UTZ Certified contêm 100% de café UTZ Certified. IDENTIFICAÇÃO SEGURA DO PRODUTO Nenhum é não aplicável B.2.12 O SCA possibilita a identificação visível das cerejas secas e do café pergaminho UTZ Certified. Por exemplo, o SCA pode anexar o logotipo da UTZ Certified para os sacos de café verde UTZ Certified ou usar um sistema diferente, que garanta a identificação. No caso do uso do logotipo da UTZ Certified, o SCA usa tinta de qualidade alimentícia, em (grandes) sacos, que não se solte durante o armazenamento, manipulação ou transporte. 3 Descrição de monsooning segundo a Câmara de Café Indiana Grãos de café verdes obtidos de cafés não lavados, que foram expostos a uma úmida atmosfera para absorver umidade, aumentar de tamanho e mudar sua coloração para dourado/marrom claro. Esse processo é realizado na área da costa indiana onde a Monção Sudoeste atinge seu pico. 15

16 Nº PONTO DE CONTROLE COMENTÁRIO DE ORIENTAÇÃO B.3. MOAGEM/DESCASQUE e EMBALAMENTO/AGRUPAMENTO DO CAFÉ VERDE UTZ Certified DESCASQUE DO CAFÉ PERGAMINHO: SEPARAÇÃO DE CAFÉ UTZ Certified DO CAFÉ NÃO UTZ Certified B.3.1 B.3.2 O descasque do café pergaminho UTZ Certified é realizado de forma apropriada em separado do café não UTZ Certified para evitar a mistura de ambos. A separação e classificação do café verde UTZ Certified são realizadas de forma apropriada em separado do café não UTZ Certified para evitar a mistura de ambos. O descasque do café pergaminho UTZ Certified é realizado em lotes completos e fisicamente separados (ou no tempo) de operações semelhantes realizadas com o café não UTZ Certified. Qualquer outro sistema que evite a mistura do café UTZ Certified com o não UTZ Certified também está autorizado. A separação e classificação do café UTZ Certified são realizadas em lotes completos e separados fisicamente das operações semelhantes realizadas para o café não UTZ Certified. Qualquer outro sistema que evite a mistura do café UTZ Certified com o não UTZ Certified também está autorizado. DESCASQUE DE CEREJAS SECAS: SEPARAÇÃO DO CAFÉ UTZ Certified DO CAFÉ NÃO UTZ Certified B.3.3 B.3.4 O descasque de cerejas secas UTZ Certified é realizado de forma apropriada em separado do café não UTZ Certified para evitar a mistura de ambos. A separação e classificação das cerejas secas UTZ Certified são realizadas apropriadamente em separado do café não UTZ Certified para evitar a mistura de ambos. O descasque das cerejas secas UTZ Certified é realizado em lotes completos e fisicamente separados (ou no tempo) das operações semelhantes realizadas para o café não UTZ Certified. Qualquer outro sistema que evite a mistura do café UTZ Certified com o não UTZ Certified também está autorizado. A separação e classificação de cerejas secas UTZ Certified são realizadas em lotes completos e separados de operações semelhantes realizadas para o café não UTZ Certified. Qualquer outro sistema que evite a mistura do café UTZ Certified com o não UTZ Certified também está autorizado. EMBALAMENTO/AGRUPAMENTO DE CAFÉ VERDE UTZ Certified PARA ARMAZENAGEM E TRANSPORTE B.3.5 O café verde UTZ Certified é separado de forma apropriada do café não UTZ Certified na armazenagem e durante o transporte para evitar a mistura de ambos. B.3.6 O SCA opera um sistema para o ensaque que assegura que os sacos de café verde contêm 100% de café UTZ Certified. O sistema pode ser baseado em documentos e procedimentos escritos e/ou num sistema automatizado. B.3.7 O SCA opera um sistema para o carregamento a granel que assegura que as grandes embalagens (big bag) ou os contentores de café verde contêm 100% de café UTZ Certified. O sistema pode ser baseado em documentos e procedimentos escritos e/ou num sistema automatizado. IDENTIFICAÇÃO SEGURA DO PRODUTO B.3.8 O SCA possibilita a identificação visível do café verde UTZ Certified. Por exemplo, o SCA pode anexar o logotipo da UTZ Certified para os sacos de café verde UTZ Certified ou usar um sistema diferente, que garanta a identificação. No caso do uso do logotipo da UTZ Certified, o SCA usa tinta de qualidade alimentícia, em (grandes) sacos, que não se solte durante o armazenamento, manipulação ou transporte. B.3.9 O SCA opera um sistema para o embalamento de forma a que apenas os sacos que contêm 100% de café verde UTZ Certified exibirão o logotipo da UTZ Certified. B.3.10 O SCA opera um sistema para o carregamento a granel que assegura que as grandes embalagens (big bag) ou os contentores de café verde contêm 100% de café UTZ Certified. 16

17 Seção C EXIGÊNCIAS PARA A MANIPULAÇÃO: DESDE O CAFÉ VERDE AO PRODUTO FINAL Nº PONTO DE CONTROLE COMENTÁRIO DE ORIENTAÇÃO SEÇÃO C EXIGÊNCIAS PARA A MANIPULAÇÃO DESDE O CAFÉ VERDE AO PRODUTO FINAL C.1. SUBCONTRATADOS C.1.1 No caso do SCA (detentor do certificado) subcontratar qualquer das atividades mencionadas nesta seção, o seguinte aplica-se: O SCA é responsável pelo cumprimento dos pontos de controle aplicáveis do subcontratado. O subcontratado é parte da certificação do SCA que está a subcontratar a atividade. Uma auto-avaliação do cumprimento, de acordo com os pontos de controle UTZ Certified relevantes para os serviços, deve ser fornecida. Se as atividades subcontratadas incluírem a manipulação física do café, a CB pode decidir incluir o subcontratado na auditoria física. C.2. MESCLA/MISTURA DE CAFÉ VERDE: SEPARAÇÃO DE CAFÉ UTZ Certified E CAFÉ NÃO UTZ Certified Nenhum é não aplicável A auto-avaliação pode ser realizada pelo subcontratado ou pelo SCA. A auto-avaliação é realizada usando a lista de verificação da Cadeia de Custódia. Comprovações adicionais podem também ser solicitadas pela CB. Os subcontratados podem solicitar a certificação segundo a Cadeia de Custódia. Nos casos em que os subcontratados possuem o próprio certificado segundo a Cadeia de Custódia UTZ Certified, as atividades subcontratadas não precisam ser verificadas pela CB. Um certificado válido do subcontratado, e disponibilizado no escritório do detentor de certificado, é suficiente para demonstrar o cumprimento. C.2.1 C.2.2 C.2.3 O SCA opera um sistema que garante que o café verde UTZ Certified não é misturado com o café não UTZ Certified na armazenagem e durante o transporte. O SCA opera um sistema que garante que o café UTZ Certified não é misturado com o café não UTZ Certified durante o processo de mescla/mistura. O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema que garante que o café UTZ Certified mesclado não é misturado com o café não UTZ Certified na armazenagem e no transporte. Isso pode ser feito, por exemplo, através da separação e identificação do café UTZ Certified. Isso pode ser feito, por exemplo, através da separação e identificação do café UTZ Certified. Isso pode ser feito, por exemplo, através da separação e identificação do café UTZ Certified. C.3. DESCAFEINAÇÃO DE CAFÉ VERDE: SEPARAÇÃO DE CAFÉ UTZ Certified DO CAFÉ NÃO UTZ Certified Nenhum é não aplicável C.3.1 C.3.2 C.3.3 O descafeinador opera um sistema que garante que o café verde UTZ Certified não é misturado com o café não UTZ Certified na armazenagem e no transporte. O descafeinador opera um sistema que garante que o café verde UTZ Certified não é misturado com o café não UTZ Certified durante todo o processo de descafeinação. O descafeinador opera um sistema que garante que o café descafeinado UTZ Certified não é misturado com o café não UTZ Certified na armazenagem e no transporte. Isso pode ser feito, por exemplo, através da separação e identificação do café UTZ Certified. Isso pode ser feito, por exemplo, através da separação e identificação do café UTZ Certified. Isso pode ser feito, por exemplo, através da separação e identificação do café UTZ Certified. C.4. TORREFAÇÃO DE CAFÉ: SEPARAÇÃO DE CAFÉ UTZ Certified DO CAFÉ NÃO UTZ Certified Nenhum é não aplicável C.4.1 C.4.2 C.4.3 O SCA opera um sistema que garante que o café verde UTZ Certified não é misturado com o café não UTZ Certified na armazenagem e no transporte. O SCA opera um sistema que garante que o café UTZ Certified não é misturado com o café não UTZ Certified durante o processo de torra. O SCA opera um sistema que garante que o café torrado UTZ Certified não é misturado com o café não UTZ Certified na armazenagem e no transporte. Isso pode ser feito, por exemplo, através da separação e identificação do café UTZ Certified. Isso pode ser feito, por exemplo, através da separação e identificação do café UTZ Certified. Isso pode ser feito, por exemplo, através da separação e identificação do café UTZ Certified. 17

18 Nº PONTO DE CONTROLE COMENTÁRIO DE ORIENTAÇÃO C.5. OUTRAS ATIVIDADES DE PROCESSAMENTO PARA OBTER PRODUTOS DE CAFÉ (por exemplo, processamento solúvel, extração de óleo de café, extração do sabor de café, aroma e cor da torra, café moído, licor de café, etc.): SEPARAÇÃO DE CAFÉ UTZ Certified DO CAFÉ NÃO UTZ Certified. Nenhum é não aplicável C.5.1 O SCA opera um sistema que garante que o café torrado UTZ Certified não é misturado com o café não UTZ Certified na armazenagem e no transporte. Isso pode ser feito, por exemplo, através da separação e identificação do café UTZ Certified. C.5.2 C.5.3 O processador opera um sistema que garante que o café torrado UTZ Certified, entrada para produtos de café, não é misturado com o café não UTZ Certified durante o processo. O SCA opera um sistema que garante que os produtos de café UTZ Certified (ou seja, o produto da atividade de processamento de saída) não são misturados com os produtos de café não-utz Certified na armazenagem e transporte. O processamento dos produtos de café UTZ Certified (por exemplo, processamento solúvel, extração de óleo de café, extração do sabor do café, aroma e cor da torrae café moído, licor de café, etc) é realizado em lotes completos, fisicamente separados (células extratoras separadas) ou no tempo das operações semelhantes realizadas para o café torrado não UTZ Certified. Mistura de produtos de café certificados e não certificados é impedida. Qualquer outro sistema que impeça a mistura de café torrado UTZ Certified e café torrado não UTZ Certified também é permitido. A saída dos produtos de café do processamento de transformação, destinados ao uso como UTZ Certified, contém pelo menos 90% de café UTZ Certified. O café torrado (produtos de entrada para o processo de extração) que é composto por, pelo menos, 90% de café verde UTZ Certified, pode ser considerado um produto de entrada UTZ Certified. Isso pode ser feito, por exemplo, através da separação e identificação do café UTZ Certified. C.6. IDENTIFICAÇÃO SEGURA DO PRODUTO E USO DO LOGOTIPO UTZ Certified C.6.1 C.6.2 O SCA opera um sistema que garante que apenas as embalagens de café torrado/instantâneo que contenham mais de 90% de café UTZ Certified exibem o logotipo da UTZ Certified. O SCA atende à Política de Rotulagem e Comunicação UTZ Certified. O uso no produto do nome licenciado UTZ Certified e/ou do logotipo é somente autorizado quando esse produto contém, pelo menos, 90% de café UTZ Certified. O SCA opera um sistema robusto que garante que as embalagens que exibem o logotipo da UTZ Certified contêm sempre mais de 90% de café UTZ Certified. O logotipo da UTZ Certified, e qualquer outra declaração de produto, podem ser usados apenas quando cumprem com a Política de Rotulagem e Comunicação UTZ Certified O SCA deve mostrar aprovação por escrito da UTZ Certified acerca do uso do logotipo, ou de qualquer outra declaração, sobre produtos UTZ Certified. Essa aprovação por escrito é solicitada em: antes da impressão dos materiais. 18

19 Nº PONTO DE CONTROLE COMENTÁRIO DE ORIENTAÇÃO C.7. FERRAMENTA DE RASTREIO OBSERVAÇÃO: Aplicável apenas aos SCAs que operam uma ferramenta online de rastreio (rastreador de café). Um rastreador de café é uma ferramenta de marketing online que possibilita que os utilizadores identifiquem os produtores de café. CONFIRMAÇÃO DE PRODUTOS DE ENTRADA Nenhum é não aplicável C.7.1 O SCA regista os números singulares de rastreabilidade do café UTZ recebido. O SCA rastreia todo o café comprado como café UTZ no GIP. REGISTO DE PRODUTOS DE ENTRADA USADOS NO PRODUTO FINAL UTZ Certified Nenhum é não aplicável C.7.2 O SCA opera um sistema para o registo do café UTZ Certified usado para cada pedido de produto de café UTZ Certified. O número singular da transação é obtido usando a função de venda no GIP. O SCA regista os números singulares de rastreabilidade do café verde recebido e relaciona-os ao silo em que o café UTZ foi armazenado. C.7.3 C.7.4 O SCA opera um sistema para registar a armazenagem do café UTZ Certified. O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema para registo do café UTZ Certified usado em cada produto final UTZ Certified. DADOS DE REGISTO E ARMAZENAGEM Nenhum é não aplicável C.7.5 O SCA opera um sistema que garante que os números singulares de rastreabilidade estão relacionados aos produtos finais. O número singular de rastreabilidade é obtido usando a função de venda no GIP. O SCA opera um sistema que garante que os números singulares de rastreabilidade do café verde são periodicamente registados na base de dados juntamente com o identificador (por exemplo, consumir antes de) do produto final específico. A base de dados dos produtos finais, dos números de identificação e de rastreabilidade, é usada pelo rastreador de café. 19

20 Seção D DIREITOS, SAÚDE E SEGURANÇA DOS TRABALHADORES Nº PONTO DE CONTROLE COMENTÁRIO DE ORIENTAÇÃO SEÇÃO D DIREITOS, SAÚDE E SEGURANÇA DOS TRABALHADORES 1. GESTÃO DOS RISCOS RELATIVOS ÀS CONDIÇÕES DE TRABALHO D.1.1 D.1.2 D.1.3 A organização conduz uma avaliação dos riscos à saúde e à segurança do trabalhador nas unidades de produção e/ou processamento. Nota: Obrigatório a partir de terceiro ano. Com base na avaliação de riscos (ver 1.1), a organização elabora e implementa um plano de ação que promove condições de saúde e segurança em todas as unidades de produção e/ou processamento. Nota: Obrigatório a partir de quarto ano. A organização designa uma pessoa responsável pela coordenação do treinamento e pela conscientização a respeito dos direitos trabalhistas. A análise é revista anualmente. A organização pode obter a análise de riscos junto a uma organização qualificada independente e pode participar de uma análise que abranja um grupo de produtores. O plano identifica os riscos e passos necessários para prevenir acidentes e ferimentos, minimizando as causas de perigo no ambiente de trabalho. A pessoa responsável é identificada nesse plano. O plano é revisto e atualizado quando a avaliação de riscos muda. D.1.4 A organização tem reuniões regulares com a pessoa responsável e os membros do grupo/trabalhadores para discutirem abertamente as questões de saúde, segurança e bem-estar. Os registros dessas reuniões são guardados. Nota: recomendado cumprir Periodicamente significa uma vez ao ano, pelo menos. Abertamente significa sem medo ou intimidação. O auditor não precisa fazer julgamentos sobre o conteúdo, a precisão ou o resultado de tais reuniões. 2. TREINAMENTO DOS TRABALHADORES COM RELAÇÃO À SAÚDE E À SEGURANÇA D.2.1 Com base na avaliação de riscos (1.1), os membros do grupo/trabalhadores recebem treinamento adequado com relação aos procedimentos para assegurar sua saúde e segurança. Esse treinamento inclui o manuseio de substâncias perigosas e máquinas e/ou equipamentos perigosos e complexos. Tal treinamento deve ser repetido com os membros do grupo/trabalhadores novos ou que forem designados para novas funções. As substâncias perigosas incluem defensivos agrícolas, produtos de uso veterinário, produtos químicos, desinfetantes, produtos de proteção a plantas ou biocidas. Os trabalhadores podem demonstrar a competência por meio da observação visual ou pela prova de que receberam instruções. O treinador possui certificados de treinamento adequado. Credenciais governamentais oficiais não são necessárias. D.2.2 D.2.3 A organização mantém registros de treinamento atualizados. Esses registros indicam a data, o tipo e o tema do treinamento. Nota: Obrigatório a partir de segundo ano. A organização garante que há sempre, pelo menos, 1 pessoa treinada em Primeiros Socorros disponível ao grupo de membros/trabalhadores em um local central quando as atividades de produção, processamento ou manutenção são realizadas. Nota: Obrigatório a partir de terceiro ano. O treinamento se baseia na avaliação de riscos (1.1). O treinamento ocorreu nos últimos 5 anos e está documentado por um diploma oficial ou por um certificado de frequência. 20

Cadeia de Custódia UTZ CERTIFIED

Cadeia de Custódia UTZ CERTIFIED Cadeia de Custódia UTZ CERTIFIED Para café Versão 4.0, julho de 2011 Cópias desse documento estão disponíveis gratuitamente em formato eletrônico na página da Training Center da UTZ CERTIFIED Good Inside:

Leia mais

Código de Conduta Módulo Café

Código de Conduta Módulo Café Código de Conduta Módulo Café Versão 1.1 www.utzcertified.org 1 Cópias e traduções deste documento estão disponíveis em formato eletrônico no site da UTZ Certified: www.utzcertified.org Este documento

Leia mais

PROTOCOLO DE CERTIFICAÇÃO. Versão 4.1 Janeiro de 2016

PROTOCOLO DE CERTIFICAÇÃO. Versão 4.1 Janeiro de 2016 PROTOCOLO DE CERTIFICAÇÃO Versão 4.1 Janeiro de 2016 Cópias e traduções deste documento estão disponíveis em formato eletrônico no site da UTZ: www.utz.org Este documento foi traduzido do Inglês. Se houver

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 Índice INTRODUÇÃO INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS DIREITOS HUMANOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório

Leia mais

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES Março de 2014 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance, 2012-2014. Este documento está disponível nos seguintes sites: www.sanstandards.org

Leia mais

Protocolo de Certificação

Protocolo de Certificação Protocolo de Certificação Versão 4.0 - Julho de 2015 www.utzcertified.org 1 Cópias e traduções deste documento estão disponíveis em formato eletrônico no site da UTZ Certified: www.utzcertified.org Este

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

Manual de Treinamento. Área do Membro

Manual de Treinamento. Área do Membro Manual de Treinamento Área do Membro 0 Contents Geral... 2 Transações... 3 Negociação e Estoque... 10 Licenças... 15 Mercado... 19 Finanças... 22 Fazer uma Declaração de Venda... 27 Fazer uma Declaração

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR Este Código padrões mínimos que devem ser ultrapassados, sempre que possível. Ao aplicá-los, os fornecedores devem obedecer às leis nacionais e outras leis vigentes e, nos pontos em que a lei e este Código

Leia mais

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH Norma de Responsabilidade Social Firmenich Atualizado em Março de 2013 Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Como parte do nosso compromisso contínuo com um negócio ético

Leia mais

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica na produção orgânica Aprovação: C. Página: 1/10 REFERENCIAL TÉCNICO Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica Este documento é de propriedade da ECOCERT. Toda reprodução integral ou parcial feita sem

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Mel de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 16.02.2009 Substitui a versão anterior de: 01.02.2005 Data esperada para a próxima revisão: 2014 Envie seus comentários

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção...

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... Página 1 de 8 SUMÁRIO 1. Histórico de mudanças... 2 2. Escopo... 3 3. Manutenção... 3 4. Referências... 3 5. Definições... 3 6. Qualificação da equipe de auditores... 3 7. Condições gerais... 3 7.1 Selo

Leia mais

RAINFOREST ALLIANCE CERTIFIED - MARKETPLACE Orientações para a participação

RAINFOREST ALLIANCE CERTIFIED - MARKETPLACE Orientações para a participação RAINFOREST ALLIANCE CERTIFIED - MARKETPLACE Orientações para a participação Prezado participante do sistema de certificação da Rede de Agricultura Sustentável RAS. Agradecemos seu compromisso com a sustentabilidade

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Protoc0lo de Certificação versão 4.0 - Julho de 2015 Documento de alterações

Protoc0lo de Certificação versão 4.0 - Julho de 2015 Documento de alterações A versão 4.0 do Protocolo de Certificação foi lançada em julho de 2015, sucedendo a versão 3.0, de setembro de 2012. Este documento proporciona uma visão geral das principais alterações que a nova versão

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo Produção Integrada de Maçã PIM Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo Empresa: Localização: Responsável Técnico: Data: Horário Nota: Os itens grafados em Negrito, Itálico e Sublinhado

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Café de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 01.05.2011 Substitui a versão anterior de: 16.02.2009 Data esperada para a próxima revisão : 2013 Envie seus comentários

Leia mais

Círculo do Café de Qualidade - CCQ Passo a Passo

Círculo do Café de Qualidade - CCQ Passo a Passo 1. O que é? O Círculo do Café de Qualidade é uma evolução em relação ao PQC ABIC, lançado em 2004, e está inserido dentro das diretrizes da ABIC de aumento do consumo interno de café no Brasil, visando

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

Responsabilidade Social 8000

Responsabilidade Social 8000 NORMA INTERNACIONAL SAI SA8000 : 2001 Responsabilidade Social 8000 SA8000 é uma marca registrada da Social Accountability International CÓPIA NÃO AUTORIZADA SEM PERMISSÃO DA SAI, EXCETO QUANDO PERMITIDO

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

Código de Conduta da Dachser

Código de Conduta da Dachser Código de Conduta da Dachser 1. Introdução A fundação de todas as atividades na Dachser é a nossa adesão a regulamentos juridicamente vinculativos em nível nacional e internacional, assim como a quaisquer

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA

NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA Março de 2014 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance, 2012-2014. www.san.ag Este documento está disponível nos seguintes sites: www.san.ag www.rainforest-alliance.org

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207)

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) 1 5 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) Nos termos do Artigo 32º do Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro, com a redação conferida

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU TS01(EC)v09pt PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU 1 Conteúdo 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR DE ORGÂNICOS... 3 2. REGULAMENTOS DA

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

REGULAMENTOS PARA INTERNET, PEDIDOS POR CORREIO E GERAÇÃO DE CONTATOS (LEADS) NO BRASIL. Em vigor a partir 1 de novembro de 2003

REGULAMENTOS PARA INTERNET, PEDIDOS POR CORREIO E GERAÇÃO DE CONTATOS (LEADS) NO BRASIL. Em vigor a partir 1 de novembro de 2003 REGULAMENTOS PARA INTERNET, PEDIDOS POR CORREIO E GERAÇÃO DE CONTATOS (LEADS) NO BRASIL Em vigor a partir 1 de novembro de 2003 Estes regulamentos aplicam-se aos sites da web, programas de pedido pelo

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Cacau de Organizações de Pequenos Produtores Também aplicado à Produção Contratada na Oceania Versão atual: 01.05.2011_v1.2 Data esperada para a próxima revisão : 2015 Envie

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES N REQUISITOS OBSERVAÇÕES 01 02 03 04 05 06 07 A - MANUTENÇÃO E SUPORTE A empresa fornece produto de software com Verificar se a empresa fornece manual do produto (instalação), documentação de suporte ao

Leia mais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Nós, Hilti (Brasil) Comercial Ltda. (coletivamente, referido como Hilti, "nós", "nosso" ou "a gente") nessa Política

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código.

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código. PREÂMBULO 1 O propósito deste Código é estabelecer um padrão internacional para a operação e gerenciamento seguros de navios e para a prevenção da poluição. 2 A Assembleia adotou a Resolução A.443(XI),

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

FLEXPAG - Política de Privacidade

FLEXPAG - Política de Privacidade FLEXPAG - Política de Privacidade A infocusweb/flexpag tem um compromisso com o respeito à sua privacidade. Política de Privacidade Nós reconhecemos que ao optar por nos informar alguns de seus dados pessoais,

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS REGULAMENTO GERAL

CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS REGULAMENTO GERAL CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS REGULAMENTO GERAL 1. INTRODUÇÃO Este regulamento: Descreve os requisitos referentes à Certificação de Pessoas da SGS ICS; Complementa o documento PTD6850 - Processo de Certificação

Leia mais

Adendo de ao Contrato da Oracle PartnerNetwork

Adendo de ao Contrato da Oracle PartnerNetwork Adendo de ao Contrato da Oracle PartnerNetwork Este Adendo de Validação de Integração de Aplicativos (este "Adendo") é firmado entre você e a Oracle do Brasil Sistemas Limitada. As definições usadas no

Leia mais

COBERTURA DE PERDA DE LUCRO BRUTO E DESPESAS EXTRAORDINARIAS

COBERTURA DE PERDA DE LUCRO BRUTO E DESPESAS EXTRAORDINARIAS COBERTURA DE PERDA DE LUCRO BRUTO E DESPESAS EXTRAORDINARIAS Forma de Contratação do Limite Máximo de Responsabilidade 1. SEGURO A PRIMEIRO RISCO RELATIVO A seguradora responderá pelos prejuízos de sua

Leia mais

Esclarecimento 1/2015

Esclarecimento 1/2015 Segurança Alimentar Produção primária de vegetais e operações conexas Esclarecimento 1/2015 Clarificam-se: o conceito de produção primária de vegetais e operações conexas, as medidas a adotar para o controlo

Leia mais

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento Seção 2/D Cadeia de Fornecimento www.bettercotton.org Orientação Esta seção descreve como a BCI criará um fardo 100% Better Cotton e conectará a oferta de Better Cotton com sua demanda, estabelecendo um

Leia mais

Novartis Código para Fornecedores

Novartis Código para Fornecedores Novartis Código para Fornecedores Version 1.0 01-04-2013 Introdução Finalidade Considerações éticas permeiam todas as dimensões de nossos negócios nossos processos de pesquisa, desenvolvimento, produção,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Cartilha do Contrato de Opção de Venda

Cartilha do Contrato de Opção de Venda Cartilha do Contrato de Opção de Venda CONAB - COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO 01 O QUE É O CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA? É uma modalidade de seguro de preços que dá ao produtor rural e/ou sua cooperativa

Leia mais

a) garantindo que todos os produtos químicos sejam avaliados com o fim de determinar o perigo que apresentam;

a) garantindo que todos os produtos químicos sejam avaliados com o fim de determinar o perigo que apresentam; Convenção 170 PRODUTOS QUÍMICOS A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho convocada em Genebra pelo Conselho da Administração do Departamento Internacional do Trabalho, e congregada

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA

CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA 2010 Pág.: 2 de 9 A maioria das empresas exige dos seus fornecedores um excelente produto/serviço, a preço competitivo. Além disso, para nós da Saraiva, é muito importante

Leia mais

Amway - Política de privacidade

Amway - Política de privacidade Amway - Política de privacidade Esta Política de Privacidade descreve como a Amway Brasil e determinadas filiadas, inclusive a Amway América Latina (conjuntamente Amway ) utilizam dados pessoais coletados

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Banking. Princípios de Wolfsberg. 1 a revisão, Maio 2002. Os maiores Private Banks internacionais:

Banking. Princípios de Wolfsberg. 1 a revisão, Maio 2002. Os maiores Private Banks internacionais: Diretrizes Globais de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Private Banking Princípios de Wolfsberg (1 a revisão, Maio 2002) Os maiores Private Banks internacionais: ABN AMRO Bank N.V., Bank

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA.

Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA. Revisão maio 2015 Programa Brasileiro de Autorregulamentação de Boas Práticas em Arbitragem, Conciliação e Mediação, PARCONIMA. NÍVEIS DE CERTIFICAÇÃO 1 Nível Ingresso Documentos que deverão ser apresentados

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE CONSULTOR HND

POLÍTICA DE PRIVACIDADE CONSULTOR HND POLÍTICA DE PRIVACIDADE CONSULTOR HND 1. Princípios Gerais Esta Política de privacidade descreve como o CONSULTOR HND coleta e usa informações pessoais fornecidas no nosso site: www.consultorhnd.com.br.

Leia mais

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros* Objetivo Estabelecer as diretrizes básicas de conduta

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06 01. Identificação do Produto e da Empresa. Nome do Produto: Rotosafe Bro 700 001 OR 0050 nº Material: 110319 Nome da Empresa: Domingos Araújo Neto Endereço: Av. Francisco Sá, 3405 Monte Castelo Fortaleza

Leia mais

R E G U L A M E N T O

R E G U L A M E N T O R E G U L A M E N T O ARTIGO 1 O 10º Concurso Nacional ABIC de Qualidade do Café e a 10ª Edição Especial dos Melhores Cafés do Brasil, instituídos pela ABIC, têm como objetivo incentivar a produção de

Leia mais

GRUPO SOLVAY CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDORES

GRUPO SOLVAY CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDORES GRUPO SOLVAY CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDORES 0 GRUPO SOLVAY CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDORES Indice Introdução 2 Conformidade Legal para Integridade Comercial 2 Respeito pelos direitos humanos 2 Proteção

Leia mais

Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação

Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação Segue abaixo checklist que será utilizado na auditoria no fornecedor ou subcontratado das empresas signatárias.. Formalização da Empresa Peso.

Leia mais

colas. Qualidade e segurança

colas. Qualidade e segurança Curso Tecnologia Pós-Colheita P e Processamento Mínimo M de Produtos Hortofrutícolas colas. Qualidade e segurança Legislação respeitante à produção e comercialização de produtos minimamente processados

Leia mais

LAVANDARIAS. Emissões quaisquer descargas de COV de uma instalação para o ambiente;

LAVANDARIAS. Emissões quaisquer descargas de COV de uma instalação para o ambiente; RLG Atualizado a: 18 de julho de 2012 1 O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL LAVANDARIAS

Leia mais

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio INTRODUÇÃO Ambos a experiência e o bom senso nos dizem que as ações tomadas durante uma emergência são mais eficazes

Leia mais

Como funciona O sistema Valorfito?

Como funciona O sistema Valorfito? Como funciona O sistema Valorfito? Em campo por amor à terra. www.valorfito.com Como funciona O sistema Valorfito? O VALORFITO é responsável pela gestão de: Resíduos de Embalagens de Produtos Fitofarmacêuticos

Leia mais

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento Pós-Colheita

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento Pós-Colheita Produção Integrada de Maçã PIM Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento Pós-Colheita Empresa: Localização: Responsável Técnico: Data: Horário Realização da Visita: Recepção da fruta Conservação

Leia mais

Segurança no Trabalho com Produtos Químicos

Segurança no Trabalho com Produtos Químicos 1 CONVENÇÃO N. 170 Segurança no Trabalho com Produtos Químicos I Aprovada na 77a reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1990), entrou em vigor no plano internacional em 4.11.83. II Dados

Leia mais

Aviso de Renovação de Licença de Cuidado Infantil Familiar

Aviso de Renovação de Licença de Cuidado Infantil Familiar Aviso de Renovação de Licença de Cuidado Infantil Familiar Sua Licença de Cuidado Infantil Familiar deve ser renovada e o EEC facilitou este processo para você. Basta seguir os passos abaixo: Preencha

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

Candidatura à Certificação Fairtrade

Candidatura à Certificação Fairtrade 15 pt Candidatura à Certificação Fairtrade Procedimento Operacional Padrão Válido a partir de: 16/01/2015 Distribuição: Público Tabela de Conteúdo 1 Propósito... 4 2 Área de candidatura... 4 2.1 Quem precisa

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA)

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) ANEXO I Solicitação de Autorização de Funcionamento de Empresas Distribuidoras de Produtos Farmacêuticos (HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) A empresa interessada em desenvolver

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

apple Programa do Fornecedor de Serviço Autorizado da Apple

apple Programa do Fornecedor de Serviço Autorizado da Apple apple Programa do Fornecedor de Serviço Autorizado da Apple Os itens a seguir foram retirados do Manual do Programa do Provedor de Serviços. Se você acha que sua organização poderá atender a esses requisitos

Leia mais

Termos e Condições do Serviço de Cadastro e Certificação de Empresas Fornecedoras Sertras Consultoria e Gestão Ltda.

Termos e Condições do Serviço de Cadastro e Certificação de Empresas Fornecedoras Sertras Consultoria e Gestão Ltda. Termos e Condições do Serviço de Cadastro e Certificação de Empresas Fornecedoras Sertras Consultoria e Gestão Ltda. Os seguintes termos e condições aplicam-se ao Serviço de Cadastro e Certificação de

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários O sistema de garantia da qualidade dos medicamentos, quer sejam de uso humano, quer sejam veterinários, abarca não

Leia mais

Quais tipos de informações nós obteremos para este produto

Quais tipos de informações nós obteremos para este produto Termos de Uso O aplicativo Claro Facilidades faz uso de mensagens de texto (SMS), mensagens publicitárias e de serviços de internet. Nos casos em que houver uso de um serviço tarifado como, por exemplo,

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

TERMOS DE SERVIÇOS DE ACOMPANHAMENTO

TERMOS DE SERVIÇOS DE ACOMPANHAMENTO TERMOS DE SERVIÇOS DE ACOMPANHAMENTO Estes Termos de Serviços de Acompanhamento (i) regem os Serviços de Acompanhamento executados pela Parte Contratante UL para o Cliente, algumas vezes também referido

Leia mais

Síntese dos direitos dos passageiros do transporte em autocarro 1

Síntese dos direitos dos passageiros do transporte em autocarro 1 Síntese dos direitos dos passageiros do transporte em autocarro 1 O Regulamento (UE) n.º 181/2011 (a seguir designado por «Regulamento») é aplicável a partir de 1 de março de 2013. Estabelece um conjunto

Leia mais

Lista de Indicadores que Exigem Documentação para C.A.F.E. Practices V3.2

Lista de Indicadores que Exigem Documentação para C.A.F.E. Practices V3.2 Lista de Indicadores que Exigem Documentação para C.A.F.E. Practices V3.2 Índice 1. Resumo dos Indicadores que Exigem a Documentação por Tipo de Entidade... 2 2. Exemplos de Documentação Exigida por Área

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

COMUNICATION ON PROGRESS 2013-2014

COMUNICATION ON PROGRESS 2013-2014 DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO PELO CHEFE EXECUTIVO A RRV Engenharia confirma o apoio contínuo aos Dez Princípios do Pacto Global, relacionados aos Direitos Humanos, Direitos do Trabalho, Proteção do Meio

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação 1. Objetivos Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Desenvolver habilidades para

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de resposta de DNS. dns_response série 1.6

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de resposta de DNS. dns_response série 1.6 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Monitoramento de resposta de DNS dns_response série 1.6 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se somente para fins

Leia mais