Cadeia de Custódia UTZ CERTIFIED

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cadeia de Custódia UTZ CERTIFIED"

Transcrição

1 Cadeia de Custódia UTZ CERTIFIED Para café Versão 4.0, julho de 2011

2 Cópias desse documento estão disponíveis gratuitamente em formato eletrônico na página da Training Center da UTZ CERTIFIED Good Inside: Se não conseguir acesso a esse documento eletronicamente, você pode escrever para o endereço a seguir para obter uma cópia em papel a um preço razoável: UTZ CERTIFIED Good Inside De Ruyterkade 6 bg 1013 AA Amsterdam Países Baixos Este documento também está disponível em inglês, espanhol e vietnamita. Envie seus comentários ou sugestões para: Ou por correio convencional para: UTZ CERTIFIED Good Inside Standard and Certification Department De Ruyterkade 6 bg 1013 AA Amsterdam Países Baixos UTZ CERTIFIED Good Inside UTZ 2011 CERTIFIED Good Inside 2011 Page 2 of 26 Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, armazenada em um sistema de recuperação de dados, ou transmitida de qualquer forma ou por quaisquer meios, eletrônicos, mecânicos, por fotocópia, gravação, ou de outra forma, sem os devidos créditos.

3 Introdução As exigências da Cadeia de Custódia UTZ CERTIFIED foram elaboradas para estabelecer, com um alto grau de confiança, que o café UTZ CERTIFIED se origina de um produtor UTZ CERTIFIED. Essas exigências são um conjunto de exigências técnicas e administrativas que abrangem toda a cadeia de forma a assegurar a rastreabilidade do café UTZ CERTIFIED. Portanto, elas incluem, sobretudo, critérios para a separação física e administrativa do café UTZ CERTIFIED do que não é UTZ CERTIFIED. Em 2004, a UTZ CERTIFIED desenvolveu, juntamente com algumas partes interessadas, a minuta da Cadeia de Custódia UTZ CERTIFIED. Após revisão minuciosa e várias auditorias piloto, a primeira edição da Cadeia de Custódia UTZ CERTIFIED foi implementada em Em novembro de 2008, chegou-se a um acordo sobre a versão final da Cadeia de Custódia UTZ CERTIFIED Good Inside para Café Países de origem versão de janeiro de Essa versão atualizada refletia uma revisão do escopo e da estrutura do documento. Por que uma versão atualizada? A UTZ CERTIFIED continuou a rever esse documento para manter um conjunto atualizado de exigências que esteja de acordo com sua visão de promover cadeias de fornecimento agrícola sustentáveis e a rastreabilidade dos produtos de volta à sua origem. Para padronizar a abordagem e a terminologia o máximo possível com os documentos da Cadeia de Custódia para Cacau e Chá, assim como em reconhecimento do fato de que mais atividades destino tais como torrefação ocorrem em países emergentes, a UTZ CERTIFIED decidiu combinar os documentos anteriores, a Cadeia de Custódia para Países de Origem e a Cadeia de Custódia para Países de Destino, em um só, o documento Cadeia de Custódia Global. A Cadeia de Custódia UTZ CERTIFIED Good Inside para Café versão de julho de 2011 substitui os seguintes documentos: Cadeia de Custódia UTZ CERTIFIED para Países de Origem janeiro de 2009 e Cadeia de Custódia UTZ CERTIFIED para Países de Destino janeiro de UTZ CERTIFIED Good Inside 2011 Page 3 of 26

4 A UTZ CERTIFIED possui a autoridade suprema pela emissão e emenda das exigências previstas neste documento. Escopo Este documento se aplica a todas as operações e atividades na cadeia de fornecimento do café que envolvem o manuseio físico de produtos certificados, mudanças de propriedade e declarações sobre o produto. O programa de café UTZ CERTIFIED e essas exigências da Cadeia de Custódia cobrem apenas o conteúdo café dos produtos de café. Outros ingredientes do produto final dos produtos de café não estão incluídos. Quem precisa ser certificado? A certificação da Cadeia de Custódia é obrigatória para todos os agentes da cadeia de fornecimento que: tenham posse legal do café UTZ CERTIFIED e manuseiem o café fisicamente e façam declarações de que o produto é UTZ CERTIFIED (empresa-a-empresa ou empresa-a-consumidor) Por declaração de que o produto é, queremos dizer que uma referência a ser um produto UTZ (com ou sem logomarca) é feita no produto. O produto pode estar a granel (empresa-a-empresa) ou em embalagem para consumo (empresa-a-consumidor). Manusear fisicamente significa alterar o produto. Observe que essa é considerada uma atividade distinta, quando um agente da cadeia de fornecimento subcontrata o manuseio físico do café. Por exemplo, se um agente da cadeia de fornecimento compra e vende café, mas não o manuseia ele próprio e subcontrata esse serviço (por exemplo, mescla), então ainda assim o agente da cadeia de fornecimento precisa obter a certificação da Cadeia de Custódia. O fornecimento de informações adicionais com relação à subcontratação/terceirização é especificado como sendo pontos de controle nas seções B e C. O manuseio físico do café inclui as seguintes atividades: processamento por via úmida (lavado ou semilavado/cereja descascada) e/ou por via seca beneficiamento/descasque ensaque/granelização de café verde mistura/blend de café verde descafeinização torrefação processamento de solúvel embalagem de café torrado/instantâneo No caso de um produtor/grupo de produtores que manuseia o café UTZ até o ponto de obter o café verde, essas exigências são integradas ao Código de Conduta UTZ CERTIFIED Good Inside e verificadas como parte da (re)certificação anual. Nenhuma certificação adicional da Cadeia de Custódia é necessária. No UTZ CERTIFIED Good Inside 2011 Page 4 of 26

5 entanto, se esse agente da cadeia de fornecimento (produtor/grupo de produtores) compra café UTZ de outros agentes da cadeia de fornecimento, incluindo outros produtores, ele/ela precisa obter uma certificação em separado da Cadeia de Custódia. Obtendo a Certificação da Cadeia de Custódia A Certificação deve ser realizada por uma Entidade Certificadora 1, aprovada pela UTZ CERTIFIED (para saber mais sobre as exigências, veja o Protocolo de Certificação UTZ CERTIFIED Good Inside). Uma lista de Entidades Certificadoras aprovadas pode ser encontrada na página da Training Center da UTZ CERTIFIED 2. Para obter a certificação segundo a Cadeia de Custódia UTZ CERTIFIED, um agente da cadeia de fornecimento precisa atender a todos os pontos de controle que sejam aplicáveis às atividades do agente da cadeia de fornecimento. Qualquer solicitação de exceção a essas exigências deve ser motivo de consulta ao Departamento de Certificação UTZ CERTIFIED (solicitações por escrito apenas): Fazendo declarações sobre o produto Os agentes da cadeia de fornecimento que decidem começar a fazer declarações de que o produto é UTZ CERTIFIED precisam ser certificados segundo as exigências da Cadeia de Custódia. A primeira auditoria deve ocorrer não mais que três meses antes ou em até três meses após o início do manuseio de cafés UTZ CERTIFIED pelo agente da cadeia de fornecimento. A validade da certificação começa a partir da data em que ficar provado que as exigências da Cadeia de Custódia foram atendidas ou quando a decisão de certificação tenha sido tomada pela EC 3. A logomarca UTZ CERTIFIED Good Inside na embalagem final somente pode ser usada após aprovação por escrito da UTZ CERTIFIED. As exigências para uso da logomarca UTZ CERTIFIED Good Inside estão estabelecidas na Política de Comunicação e Rotulação UTZ CERTIFIED. Mais informações podem ser encontradas no documento mencionado acima, ou então contate: Outros documentos relevantes Outros documentos relevantes e úteis incluem: O Protocolo de Certificação UTZ CERTIFIED Good Inside. Esse documento descreve os procedimentos que o detentor do certificado e a EC precisam seguir durante o processo de certificação. A lista de verificação da Cadeia de Custódia UTZ CERTIFIED Good Inside. Este documento é útil para a EC durante a auditoria e também para o detentor do certificado para que ele possa realizar a auto-inspeção. Esses documentos podem ser baixados na página da Training Center da UTZ CERTIFIED: 1 Doravante referido neste documento como EC Para saber mais sobre exigências de certificação, veja o Protocolo de Certificação UTZ UTZ CERTIFIED Good Inside 2011 Page 5 of 26

6 Data de atendimento É possível fazer a certificação de acordo com a nova versão a partir de julho de 2011 em diante. É também possível receber a certificação de acordo com as exigências anteriores da Cadeia de Custódia UTZ CERTIFIED para Países de Origem e de Destino até 30 de setembro de Os certificados emitidos após essa data (1 de outubro de 2011), segundo a Cadeia de Custódia UTZ CERTIFIED versão 2009 não serão aceitos. A partir de 1 de outubro de 2011, será obrigatória a certificação segundo as exigências da Cadeia de Custódia UTZ CERTIFIED para Café versão de julho de Qualquer solicitação de exceção a essas exigências deve ser motivo de consulta por escrito ao Departamento de Certificação UTZ CERTIFIED: Estrutura do documento Esse documento está dividido em três (3) seções que representam as atividades de café na cadeia de fornecimento. Cada agente da cadeia de fornecimento na cadeia de fornecimento UTZ CERTIFIED para café deve atender às seções das atividades aplicáveis. Seção A Exigências gerais......página 7 Aplicável a todos os agentes da cadeia de fornecimento a serem certificados segundo a Cadeia de Custódia UTZ CERTIFIED para Café. Seção B Exigências para manuseio do processamento das cerejas ao café verde...página 9 Aplicável a todos os agentes da cadeia de fornecimento que operam uma das seguintes atividades: 1. subcontratação de qualquer atividade mencionada na seção B 2. processamento por via úmida (lavado, semi-lavado/cereja descascada) e/ou por via seca 3. beneficiamento/descasque e ensaque de café pergaminho e/ou cerejas secas 4. Manuseio do produto após a colheita Seção C Exigências para manuseio do café verde ao produto final......página 15 Aplicável a todos os agentes da cadeia de fornecimento que operam uma das seguintes atividades: 1. subcontração de qualquer atividade mencionada na seção C 2. mescla/mistura de café verde 3. descafeinização de café verde 4. torrefação de café 5. processamento de solúvel 6. embalagem de café torrado /instantâneo 7. rastrear-e-relatar Seção D Direitos, saúde e segurança dos trabalhadores......página 20 UTZ CERTIFIED Good Inside 2011 Page 6 of 26

7 Seção A EXIGÊNCIAS GERAIS Todas as exigências a seguir são aplicáveis a todos os agentes da cadeia de fornecimento a serem certificados segundo a Cadeia de Custódia UTZ CERTIFIED para Café. Todas essas exigências precisam ser avaliadas pela Entidade Certificadora. Seção A EXIGÊNCIAS GERAIS Nenhum não aplicable 1. SISTEMA GERAL DE CONTROLE DOCUMENTADO 1.1 O agente da cadeia de fornecimento possui um sistema de controle claramente documentado, o qual verifica cada uma das seções aplicáveis das exigências da Cadeia de Custódia UTZ CERTIFIED. 2. IDENTIFICAÇÃO DE PRODUTOS DE ENTRADA E SAÍDA CERTIFICADOS 2.1 O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema para assegurar, verificar e monitorar que o café UTZ CERTIFIED comprado e vendido é de fato UTZ CERTIFIED. O sistema pode ser baseado em documentos e procedimentos escritos e/ou um sistema automático. 2.2 O agente da cadeia de fornecimento documenta cada compra e/ou venda do café UTZ CERTIFIED. Essa documentação pode ser feita por meio de uma fatura ou uma fatura UTZ CERTIFIED. 2.3 O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema que garante que cada compra ou venda de café UTZ CERTIFIED pelo agente da cadeia de fornecimento está vinculada a uma fatura de vendas específica emitida. O sistema pode ser baseado em documentos e em procedimentos escritos e/ou um sistema automático. Para cada capítulo, o sistema de controle documentado: a) especifica o pessoal responsável pelo monitoramento e controle; e b) fornece exemplos de formulários, registros ou documentos que demonstram atendimento. Quando um agente da cadeia de fornecimento compra ou vende café UTZ CERTIFIED, ele opera um sistema que inclui as seguintes exigências: a. verificação da validade do certificado UTZ CERTIFIED do café produzido; b. especificação do fato de que a compra ou venda se refere a café UTZ CERTIFIED; c. verificação das faturas e/ou documentos que acompanham o café para confirmar seu status de certificado. Para cada compra ou venda de café UTZ CERTIFIED, uma declaração de transação/venda é realizada, verificada e/ou confirmada através do Portal Good Inside. O agente da cadeia de fornecimento pode mostrar que isso é realizado corretamente no Portal Good Inside. O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema para garantir que as faturas de vendas emitidas para o café UTZ CERTIFIED incluem o seguinte: a. um Identificador da transação. Esse Identificador é gerado no Portal UTZ Good Inside após cada transação do café UTZ CERTIFIED. b. uma descrição da origem do café conforme indicado no contrato (origem, qualidade, volume);e c. qualquer outra informação que identifique o café (a critério do agente da cadeia de fornecimento). UTZ CERTIFIED Good Inside 2011 Page 7 of 26

8 2.4 O volume de café UTZ CERTIFIED do agente da cadeia de fornecimento no Portal Good Inside está atualizado e equivale ao volume de café UTZ disponível. 2.5 O agente da cadeia de fornecimento mantém registros apropriados dos volumes totais adquiridos de café UTZ CERTIFIED e não UTZ CERTIFIED. 3. DECLARAÇÃO RETROTIVA Se o agente da cadeia de fornecimento comprou café UTZ e o vendeu como sendo café não UTZ, ele remove esse volume vendido da conta do volume UTZ no Portal Good Inside. O agente da cadeia de fornecimento mantém registros do volume total anual adquirido e manuseado de café UTZ CERTIFIED e não UTZ CERTIFIED. a. Registros permitem que o auditor rastreie um determinado produto de saída certificado de volta até os produtos de entrada certificados. b. Registros permitem que o auditor determine as taxas de conversão para produtos de saída certificados a partir de produtos de entrada certificados. 3.1 Quando o café é declarado como sendo UTZ CERTIFIED em uma etapa posterior à venda/transação inicial, o produtor e primeiro comprador devem chegar a um acordo sobre um prêmio. 3.2 No caso de uma declaração retroativa, o agente da cadeia de fornecimento deve emitir (retroativamente) uma declaração de transação/venda para a compra ou venda no Portal Good Inside. 4. GUARDA DE REGISTROS 4.1 Todos os registros solicitados ao longo da Cadeia de Custódia estão acessíveis e são guardados por um mínimo de dois anos. 5. FORMAÇÃO DE MOFO As faturas de venda também são guardadas. 5.1 O agente da cadeia de fornecimento toma medidas apropriadas para evitar a reumidificação do café durante a armazenagem e o transporte do café UTZ CERTIFIED. Para evitar a formação de mofo, recomenda-se que o agente da cadeia de fornecimento proceda de forma apropriada no local e evite a reumidificação do café UTZ CERTIFIED durante a armazenagem e o transporte 4. 4 Indicações das práticas apropriadas de armazenagem e transporte podem ser encontradas no Código de Práticas da OIC Melhoria da qualidade de café através da prevenção da formação de mofo. UTZ CERTIFIED Good Inside 2011 Page 8 of 26

9 SEÇÃO B EXIGÊNCIAS PARA MANUSEIO DO PROCESSAMENTO AO CAFÉ VERDE Na figura a seguir, você pode ver um panorama geral das atividades relacionadas a esta seção, a qual é aplicável a todos os agentes da cadeia de fornecimento que operam uma das seguintes atividades: 1. Subcontratação das atividades mencionada nesta seção 2. Processamento por via úmida (lavado, semi-lavado/cereja descascado) e/ou por via seca 3. Beneficiamento/descasque e ensaque/granelização de café pergaminho e/ou cerejas secas UTZ CERTIFIED Good Inside 2011 Page 9 of 26

10 Seção B PROCESSAMENTO 1.TERCEIRIZAÇÃO/SUBCONTRATADOS 1.1 Caso o agente da cadeia de fornecimento (detentor de certificado) terceirize qualquer das atividades mencionada nesta seção, o seguinte se aplica: os subcontratados que realizam qualquer das atividades mencionadas na seção B precisam ter sua própria certificação segundo a Cadeia de Custódia UTZ CERTIFIED. 2. PROCESSAMENTO POR VIA ÚMIDA (LAVADO, SEMILAVADO/CEREJA DESCASCADO) E/OU POR VIA SECA 2.A VIA ÚMIDA: SEPARAÇÃO DO CAFÉ UTZ CERTIFIED DO CAFÉ NÃO UTZ CERTIFIED Nenhum não aplicable 2.A.1 2.A.2 2.A.3 As cerejas de café UTZ CERTIFIED são apropriadamente separadas das cerejas do café não UTZ CERTIFIED na armazenagem para evitar a mistura de ambos. A pré-seleção e o despolpamento do café UTZ CERTIFIED são apropriadamente realizados em separado do café não UTZ CERTIFIED para evitar que se misturem. A fermentação do café UTZ CERTIFIED é realizada apropriadamente em separado do café não UTZ CERTIFIED para evitar a mistura de ambos. A pré-seleção e o despolpamento do café UTZ CERTIFIED são realizados em lotes completos, separados fisicamente (ou no tempo) das operações semelhantes realizadas no café não UTZ CERTIFIED. Qualquer outro sistema que evite a mistura do café UTZ CERTIFIED com o não UTZ CERTIFIED também está autorizado. A fermentação do café UTZ CERTIFIED é realizada em lotes completos, separados fisicamente (ou no tempo) das operações semelhantes realizadas no café não UTZ CERTIFIED. Qualquer outro sistema que evite a mistura do café UTZ CERTIFIED com o não UTZ CERTIFIED também está autorizado. UTZ CERTIFIED Good Inside 2011 Page 10 of 26

11 2.A.4 2.A.5 A lavagem do café UTZ CERTIFIED é realizada apropriadamente em separado do café não UTZ CERTIFIED para evitar a mistura de ambos. A secagem de café pergaminho UTZ CERTIFIED é realizada apropriadamente em separado dos cafés não UTZ CERTIFIED para evitar a mistura de ambos. 2.B VIA SECA: SEPARAÇÃO DO CAFÉ UTZ CERTIFIED DO CAFÉ NÃO UTZ CERTIFIED A lavagem do café UTZ CERTIFIED é realizada em lotes completos, separados fisicamente (ou no tempo) das operações semelhantes realizadas no café não UTZ CERTIFIED. Qualquer outro sistema que evite a mistura do café UTZ CERTIFIED com o não UTZ CERTIFIED também está autorizado. A secagem mecânica do café UTZ CERTIFIED deve ser realizada em lotes completos, separados fisicamente (ou no tempo) das operações semelhantes realizadas no café não UTZ CERTIFIED. A secagem ao sol do café UTZ CERTIFIED deve ser realizada em lotes, separados fisicamente das operações realizadas nos cafés não UTZ CERTIFIED. Qualquer outro sistema que evite a mistura do café UTZ CERTIFIED com o não UTZ CERTIFIED também está autorizado. 2.B.1 2.B.2 2.B.3 As cerejas de café UTZ CERTIFIED são apropriadamente separadas das cerejas de cafés não UTZ CERTIFIED na armazenagem para evitar a mistura de ambos. A secagem ao sol (mesas/terreiros) de café UTZ CERTIFIED é realizada apropriadamente em separado do café não UTZ CERTIFIED para evitar que se misturem. O café UTZ CERTIFIED secado mecanicamente é realizado apropriadamente em separado do café não UTZ CERTIFIED para evitar que se misturem. O café UTZ CERTIFIED é secado ao sol em lotes separados fisicamente das operações semelhantes realizadas no café não UTZ CERTIFIED. Qualquer outro sistema que evite a mistura do café UTZ CERTIFIED com o não UTZ CERTIFIED também está autorizado. O café UTZ CERTIFIED é secado mecanicamente em lotes separados fisicamente das operações semelhantes realizadas no café não UTZ CERTIFIED. Qualquer outro sistema que evite a mistura do café UTZ CERTIFIED com o não UTZ CERTIFIED também está autorizado. 2.C. ENSAQUE DO CAFÉ PERGAMINHO OU DAS CEREJAS SECAS UTZ CERTIFIED PARA ARMAZENAGEM E TRANSPORTE Nenhum não aplicable 2.C.1 2.C.2 O café pergaminho ou as cerejas secas UTZ CERTIFIED são apropriadamente separados do café não UTZ CERTIFIED na armazenagem e durante o transporte para evitar que se misturem. O agente da cadeia de fornecimento demonstra que ele pode assegurar que as sacas de café pergaminho ou de cerejas secas UTZ CERTIFIED contém café 100% de café UTZ CERTIFIED. UTZ CERTIFIED Good Inside 2011 Page 11 of 26

12 2.D. IDENTIFICAÇÃO SEGURA DO PRODUTO Nenhum não aplicable 2.D.1 O agente da cadeia de fornecimento possibilita a identificação visível das cerejas secas e do café pergaminho UTZ CERTIFIED. O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema seguro para a aplicação da logomarca UTZ CERTIFIED Good Inside (usando tinta de qualidade alimentícia) nas sacas (e big bags) do café pergaminho ou de cerejas secas UTZ CERTIFIED, de forma que ela permaneça afixada durante a armazenagem, manuseio ou transporte. 3. BENEFICIAMENTO/DESCASQUE e ENSAQUE/GRANELIZAÇÃO DO CAFÉ VERDE UTZ CERTIFIED 3.A BENEFICIAMENTO DE CAFÉ PERGAMINHO: SEPARAÇÃO DE CAFÉ UTZ CERTIFIED DO CAFÉ NÃO UTZ CERTIFIED 3.A.1 3.A.2 O descasque do café pergaminho UTZ CERTIFIED é realizado de forma apropriada em separado do café não UTZ CERTIFIED para evitar a mistura de ambos. A separação e classificação do café verde UTZ CERTIFIED são realizadas de forma apropriada em separado do café não UTZ CERTIFIED para evitar a mistura de ambos. O descasque do café pergaminho UTZ CERTIFIED é realizado em lotes completos e separados fisicamente (ou no tempo) de operações semelhantes realizadas com o café não UTZ CERTIFIED. Qualquer outro sistema que evite, de forma apropriada, a mistura do café UTZ CERTIFIED com o café não UTZ CERTIFIED está também autorizado. A separação e classificação do café UTZ CERTIFIED são realizadas em lotes completos e separado fisicamente das operações semelhantes realizadas no café não UTZ CERTIFIED. Qualquer outro sistema que evite, de forma apropriada, a mistura de café UTZ CERTIFIED e não UTZ CERTIFIED está autorizado. 3.B DESCASQUE DE CEREJAS SECAS: SEPARAÇÃO DO CAFÉ UTZ CERTIFIED DO CAFÉ NÃO UTZ CERTIFIED 3.B.1 O descasque de cerejas secas UTZ CERTIFIED é realizado de forma apropriada em separado do café não UTZ CERTIFIED para evitar a mistura de ambos. O descasque das cerejas secas UTZ CERTIFIED é realizado em lotes completos e separados fisicamente (ou no tempo) das operações semelhantes realizadas no café não UTZ CERTIFIED. Qualquer outro sistema que evite, de forma apropriada, a mistura de café UTZ CERTIFIED do café não UTZ CERTIFIED também está autorizado. 3.B.2 A separação e classificação das cerejas secas UTZ CERTIFIED são realizadas apropriadamente em separado do café não UTZ CERTIFIED para evitar a mistura de ambos. A separação e classificação de cerejas secas UTZ CERTIFIED são realizados em lotes completos e separados de operações semelhantes realizadas no café não UTZ CERTIFIED.. Qualquer outro sistema que evite, de forma apropriada, a mistura de café UTZ CERTIFIED com o café não UTZ CERTIFIED também está autorizado. UTZ CERTIFIED Good Inside 2011 Page 12 of 26

13 3.C ENSACAQUE / GRANELIZAÇÂO DE CAFÉ VERDE UTZ CERTIFIED PARA ARMAZENAGEM E TRANSPORTE 3.C.1 3.C.2 3.C.3 O café verde UTZ CERTIFIED é separado de forma apropriada do café não UTZ CERTIFIED na armazenagem e durante o transporte para evitar a mistura de ambos. O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema para ensaque que assegura que as sacas de café verde contêm 100% de café UTZ CERTIFIED. O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema para carregamento a granel que assegura que as big bags ou os contêineres de café verde contêm 100% de café UTZ CERTIFIED. 3.D IDENTIFICAÇÃO SEGURA DO PRODUTO O sistema pode ser baseado em documentos e procedimentos escritos e/ou em um sistema automatizado. O sistema pode ser baseado em documentos e procedimentos escritos e/ou em um sistema automatizado. 3.D.1 3.D.2 3.D.3 O agente da cadeia de fornecimento possibilita a identificação visível do café verde UTZ CERTIFIED. O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema para ensaque de forma que apenas as sacas que contêm 100% de café verde UTZ CERTIFIED exibirão a logomarca UTZ CERTIFIED Good Inside. O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema de carregamento a granel de forma que apenas as big bags ou os contêineres que contêm 100% de café verde UTZ CERTIFIED exibirão a logomarca UTZ CERTIFIED Good Inside. O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema seguro para a aplicação da logomarca UTZ CERTIFIED Good Inside (usando tinta de qualidade alimentícia) nas sacas (e big bags) do café verde UTZ CERTIFIED, de forma que ela permaneça afixada durante a armazenagem, manuseio ou transporte. 4. MANUSEIO DO PRODUTO APÓS A COLHEITA 4.1 A organização mantém as instalações de manuseio e os equipamentos utilizados após a colheita limpos e em bom estado de conservação para evitar a contaminação por fungos e produtos químicos e a perda de qualidade. 4.2 A organização restringe o acesso de animais e veículos para evitar a contaminação. Todos os pontos de entrada a prédios ou dos equipamentos que possam entrar em contato com animais são adequadamente protegidos para evitar sua entrada. Exemplos das instalações e dos equipamentos são os tanques de fermentação e decantação, armazéns, mesas suspensas de secagem, pátios de separação e pesagem e maquinaria Restrição significa que são tomadas medidas para evitar que animais e veículos entrem, durante o processamento, a secagem e a armazenagem. Isso também inclui evitar que as pessoas pisem no café durante a secagem. Quando os produtores/trabalhadores estiverem revirando o café, eles tomam ações preventivas para minimizar os danos ao café e sua contaminação. UTZ CERTIFIED Good Inside 2011 Page 13 of 26

14 4.3 A organização assegura que, durante a armazenagem do café, é realizada uma gestão apropriada da umidade e da higiene. Isso também se aplica ao benefício. 4.4 A organização utiliza técnicas confiáveis para medir a taxa de umidade dos grãos de café verde secos. Os equipamentos ou as ferramentas para determinar a umidade do café são calibrados. Registros são guardados. 4.5 A organização evita que os grãos de café verde umedeçam durante o carregamento e o transporte. Nota: Obrigatório a partir de segundo ano. As práticas básicas são: - os tipos diferentes de café (cerejas, pergaminho, verde) são armazenados e separados e claramente identificados - o café descartado é armazenado e separado do café bom" e (claramente) identificado; o café não certificado deve ser separado do café certificado e claramente marcado - o local de armazenagem é à prova de vazamentos, livre de condensação e bem ventilado - as sacas limpas e secas são usadas para armazenar grãos secos e limpos em uma área limpa e higienizada - o café é armazenado a uma distância de, no mínimo, 30 cm das paredes - os lotes, sacas com café com indicadores visuais ou cheiro de mofo, são identificados e mantidos em separado dos outros cafés para uma investigação posterior Isso é registrado com meio da identificação do lote. Técnicas confiáveis são: - métodos tradicionais locais - avaliação da umidade por comparação (peso da amostra de café) - sensores de umidade A taxa de umidade do café é de 12,5%, no máximo, ao final do processo de secagem. Se as exigências da legislação nacional ou do comprador específico estabelecerem uma porcentagem de umidade mais baixa, essa porcentagem de umidade é respeitada. Durante a carga e descarga, os grãos de café secos não são expostos à chuva. No caso de transporte, é uma boa prática cobrir o café com lonas impermeáveis para evitar que ele fique úmido. Os caminhões são limpos, secos e não entram molhados na unidade de processamento. UTZ CERTIFIED Good Inside 2011 Page 14 of 26

15 SEÇÃO C EXIGÊNCIAS PARA O MANUSEIO DO CAFÉ VERDE AO PRODUTO FINAL No gráfico a seguir, você pode ver o panorama geral das atividades relacionadas com esta seção, a qual é aplicável a todos os agentes da cadeia de fornecimento que operam uma das seguintes atividades: 1. subcontratação de qualquer atividade mencionada nesta seção 2. mescla/mistura de café verde 3. descafeinização de café verde 4. torrefação de café 5. processamento de solúvel 6. embalagem de café torrado /instantâneo 7. rastrear-e-relatar Agente da cadeia de fornecimento de volume pequeno Se você é um agente da cadeia de fornecimento que pratica uma das atividades da seção C e manuseia menos de 50 toneladas métricas de café verde por ano calendário, a certificação segundo a Cadeia de Custódia não é obrigatória. A UTZ CERTIFIED autoriza a esses agentes da cadeia de fornecimento de volume pequeno a usarem a logomarca e a fazerem declarações sobre o produto mesmo não sendo certificados. Esse agente da cadeia de fornecimento de pequeno volume precisa atender a uma autoavaliação de atendimento com relação às atividades aplicáveis. Veja a política específica. Essa política pode ser solicitada em: UTZ CERTIFIED Good Inside 2011 Page 15 of 26

16 SEÇÃO C EXIGÊNCIAS PARA O MANUSEIO DO CAFÉ VERDE AO PRODUTO FINAL 1. TERCEIRIZAÇÃO/SUBCONTRATADOS 1.1 No caso do agente da cadeia de fornecimento (detentor de certificado) terceirizar qualquer das atividades mencionadas nesta seção, o seguinte se aplica: O agente da cadeia de fornecimento (detentor de certificado) é responsável pelo atendimento dos pontos de controle aplicáveis do subcontratado. O subcontratado é parte da certificação do agente da cadeia de fornecimento que está terceirizando a atividade. Uma autoavaliação do atendimento de acordo com os pontos de controle UTZ CERTIFIED relevantes para os serviços deve ser fornecida. A autoavaliação pode ser realizada pelo subcontratado ou pelo agente da cadeia de fornecimento (detentor de certificado). A autoavaliação é realizada usando a lista de verificação da Cadeia de Custódia. Comprovações adicionais podem também ser solicitadas pela EC. Os subcontratados podem solicitar a certificação segundo a Cadeia de Custódia. Nos casos em que os subcontratados possuem o próprio certificado segundo a Cadeia de Custódia UTZ, as atividades subcontratadas não precisam ser verificadas pela EC; um certificado válido do subcontratado no escritório do detentor de certificado é suficiente para demonstrar o atendimento. Se as atividades subcontratadas incluírem o manuseio físico do café, a EC pode decidir incluir o subcontratado na auditoria física. 2. MESCLA/MISTURA DE CAFÉ VERDE: SEPARAÇÃO DE CAFÉ UTZ CERTIFIED E CAFÉ NÃO UTZ CERTIFIED Nenhum não aplicable 2.1 O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema que garante que o café verde UTZ CERTIFIED não é misturado com o café não UTZ CERTIFIED na armazenagem e durante o transporte. 2.2 O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema que garante que o café UTZ CERTIFIED não é misturado com o café não UTZ CERTIFIED durante o processo de mescla/mistura. 2.3 O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema que garante que o café UTZ CERTIFIED mesclado não é misturado com o café não UTZ CERTIFIED na armazenagem e no transporte. Isso pode ser feito, por exemplo, através da separação e identificação do café UTZ CERTIFIED. Isso pode ser feito, por exemplo, através da separação e identificação do café verde UTZ CERTIFIED. Isso pode ser feito, por exemplo, através da separação e identificação do café UTZ CERTIFIED. UTZ CERTIFIED Good Inside 2011 Page 16 of 26

17 3. DESCAFEINIZAÇÃO DE CAFÉ VERDE: SEPARAÇÃO DE CAFÉ UTZ CERTIFIED DO CAFÉ NÃO UTZ CERTIFIED Nenhum não aplicable 3.1 O descafeinador opera um sistema que garante que o café verde UTZ CERTIFIED não é misturado com o café não UTZ CERTIFIED na armazenagem e no transporte. 3.2 O descafeinador opera um sistema que garante que o café verde UTZ CERTIFIED não é misturado com o café não UTZ CERTIFIED durante todo o processo de descafeinização. 3.3 O descafeinador opera um sistema que garante que o café verde descafeinado UTZ CERTIFIED não é misturado com o café não UTZ CERTIFIED na armazenagem e no transporte. Isso pode ser feito, por exemplo, através da separação e identificação do café UTZ CERTIFIED. Isso pode, por exemplo, ser feito através da separação e identificação do café UTZ CERTIFIED. Isso pode, por exemplo, ser feito através da separação e identificação do café UTZ CERTIFIED. 4. TORREFAÇÃO DE CAFÉ: SEPARAÇÃO DE CAFÉ UTZ CERTIFIED DO CAFÉ NÃO UTZ CERTIFIED Nenhum não aplicable 4.1 O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema que garante que o café verde UTZ CERTIFIED não é misturado com o café não UTZ CERTIFIED na armazenagem e no transporte. 4.2 O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema que garante que o café UTZ CERTIFIED não é misturado com o café não UTZ CERTIFIED durante o processo de torrefação. 4.3 O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema que garante que o café torrado UTZ CERTIFIED não é misturado com o café não UTZ CERTIFIED na armazenagem e no transporte. Isso pode ser feito, por exemplo, através da separação e identificação do café UTZ CERTIFIED. Isso pode ser feito, por exemplo, através da separação e identificação do café UTZ CERTIFIED. Isso pode ser feito, por exemplo, através da separação e identificação do café UTZ CERTIFIED. 5. PROCESSAMENTO DE SOLÚVEL: SEPARAÇÃO DE CAFÉ UTZ CERTIFIED DO CAFÉ NÃO UTZ CERTIFIED Nenhum não aplicable 5.1 O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema que garante que o café torrado UTZ CERTIFIED não é misturado com o café não UTZ CERTIFIED na armazenagem e no transporte. Isso pode ser feito, por exemplo, através da separação e identificação do café UTZ CERTIFIED. UTZ CERTIFIED Good Inside 2011 Page 17 of 26

18 5.2 O processador de solúvel opera um sistema que garante que o café torrado UTZ CERTIFIED não é misturado com o café não UTZ CERTIFIED durante o processo de extração. 5.3 O processador de solúvel opera um sistema que garante que o licor de café UTZ CERTIFIED não é misturado com o café não UTZ CERTIFIED no processo de secagem. 5.4 O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema que garante que o café instantâneo UTZ CERTIFIED não é misturado com o café instantâneo não UTZ CERTIFIED na armazenagem e no transporte. A extração do café UTZ CERTIFIED (extração de sabor, aroma e cor do café torrado e moído) é realizada em lotes completos, separados fisicamente (células extratoras separadas) ou no tempo das operações semelhantes realizadas no café não UTZ CERTIFIED. O licor do café (produtos do processo de extração) a ser declarado como UTZ CERTIFIED Good Inside, contém, pelo menos, 90% de café UTZ CERTIFIED. O café torrado (produtos de entrada para o processo de extração) que é composto por, pelo menos, 90% de café verde UTZ CERTIFIED pode ser considerado um produto de entrada UTZ CERTIFIED. A secagem do licor de café UTZ CERTIFIED (seja por liofilização ou pelo método spray-dried) é realizada em lotes completos, separados fisicamente (células extratoras separadas) ou no tempo das operações semelhantes realizadas no licor de café não UTZ CERTIFIED. A mistura de licor de café certificado com o licor de café não certificado é evitada. O licor de café que é composto por, pelo menos, 90% de café UTZ CERTIFIED pode ser considerado produto de entrada UTZ CERTIFIED. Isso poderia ser feito, por exemplo, através da separação e identificação do café UTZ CERTIFIED. 6. IDENTIFICAÇÃO SEGURA DO PRODUTO E USO DA LOGOMARCA UTZ CERTIFIED Good Inside Nenhum não aplicable 6.1 O agente a cadeia de fornecimento opera um sistema que garante que apenas as embalagens de café torrado/instantâneo que contêm mais de 90% de café UTZ CERTIFIED exibem a logomarca UTZ CERTIFIED Good Inside. 6.2 O agente da cadeia de fornecimento atende à Política de Rotulagem e Comunicação UTZ CERTIFIED Good Inside. O uso no produto do nome licenciado UTZ CERTIFIED e/ou a logomarca é somente autorizado quando esse produto contém, pelo menos, 90% café UTZ CERTIFIED. O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema robusto que garante que as embalagens que exibem a logomarca UTZ CERTIFIED Good Inside sempre contêm mais de 90% de café UTZ CERTIFIED. A logomarca UTZ CERTIFIED Good Inside e qualquer outra declaração de produto podem ser usadas apenas quando atenderem à Política de Rotulagem e Comunicação UTZ CERTIFIED Good Inside. O agente da cadeia de fornecimento deve mostrar aprovação por escrito da UTZ CERTIFIED do uso da logomarca ou de qualquer outra declaração sobre produtos UTZ CERTIFIED Good Inside. Essa aprovação por escrito deve ser solicitada em: Exceções a essas exigências podem ser feitas apenas quando a UTZ CERTIFIED tiver concedido sua aprovação por escrito. UTZ CERTIFIED Good Inside 2011 Page 18 of 26

19 Nº POINTO DE CONTROLE COMENTÁRIO DE ORIENTAÇÃO 7.RASTREAR-E-RELATAR OBSERVAÇÃO: Aplicável apenas aos agentes da cadeia de fornecimento que operam um sistema online rastrear-erelatar (rastreador de café). Um rastreador de café é uma ferramenta de marketing online que possibilita que os usuários identifiquem os produtores de um pacote de café torrado/instantâneo. 7.A CONFIRMAÇÃO DE PRODUTOS DE ENTRADA Nenhum não aplicable 7.A.1 O agente da cadeia de fornecimento registra os números singulares de rastreabilidade do café UTZ recebido. O número singular de rastreabilidade é obtido usando-se a função rastrear no Portal Good Inside. O agente da cadeia de fornecimento registra os números singulares de rastreabilidade do café verde recebido e os relaciona ao silo em que o café UTZ foi armazenado. 7.B REGISTRO DE PRODUTOS DE ENTRADA USADOS NO PRODUTO FINAL UTZ CERTIFIED Nenhum não aplicable 7.B.1 O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema de registro do café UTZ usado para cada pedido de café torrado/solúvel UTZ. 7.B.2 O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema para registrar a armazenagem do café torrado/solúvel UTZ. 7.B.3 O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema para registro do café torrado/solúvel UTZ usado em cada produto final UTZ. 7.C DADOS DE REGISTRO E ARMAZENAGEM Nenhum não aplicable 7.C.1 O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema que garante que os números singulares de rastreabilidade corretos estão relacionados aos produtos finais. O número singular de rastreabilidade é obtido usando-se a função rastrear no Portal Good Inside. O agente da cadeia de fornecimento opera um sistema que garante que os números singulares de rastreabilidade corretos do café verde são periodicamente registrados juntamente com o identificador (e.g. a data de melhor consumir antes de) do produto final específico no banco de dados. O banco de dados com os produtos finais e os números de identificação e de rastreabilidade é usado pelo rastreador de café. UTZ CERTIFIED Good Inside 2011 Page 19 of 26

20 SEÇÃO D DIREITOS, SAÚDE E SEGURANÇA DOS TRABALHADORES PONTO DE CONTROLE COMENTÁRIO DE ORIENTAÇÃO SEÇÃO D DIREITOS, SAÚDE E SEGURANÇA DOS TRABALHADORES 1. GESTÃO DOS RISCOS RELATIVOS ÀS CONDIÇÕES DE TRABALHO 1.1 A organização conduz uma avaliação dos riscos à saúde e à segurança do trabalhador nas unidades de produção e/ou processamento. Nota: Obrigatório a partir de terceiro ano. 1.2 Com base na avaliação de riscos (ver 1.1), a organização elabora e implementa um plano de ação que promove condições de saúde e segurança em todas as unidades de produção e/ou processamento. Nota: Obrigatório a partir de quarto ano. 1.3 A organização designa uma pessoa responsável pela coordenação do treinamento e pela conscientização a respeito dos direitos trabalhistas. 1.4 A organização tem reuniões regulares com a pessoa responsável e os membros do grupo/trabalhadores para discutirem abertamente as questões de saúde, segurança e bem-estar. Os registros dessas reuniões são guardados. Nota: recomendado para cumprir 2. TREINAMENTO DOS TRABALHADORES COM RELAÇÃO À SAÚDE E À SEGURANÇA 2.1 Com base na avaliação de riscos (1.1), os membros do grupo/trabalhadores recebem treinamento adequado com relação aos procedimentos para assegurar sua saúde e segurança. Esse treinamento inclui o manuseio de substâncias perigosas e máquinas e/ou equipamentos perigosos e complexos. Tal treinamento deve ser repetido com os membros do grupo/trabalhadores novos ou que forem designados para novas funções. 2.2 A organização mantém registros de treinamento atualizados. Esses registros indicam a data, o tipo e o tema do treinamento. Nota: Obrigatório a partir de segundo ano. 2.3 A organização garante que há sempre, pelo menos, 1 pessoa treinada em Primeiros Socorros disponível ao grupo de membros/trabalhadores em um local central quando as atividades de produção, processamento ou manutenção são realizadas. Nota: Obrigatório a partir de terceiro ano. A análise é revista anualmente. A organização pode obter a análise de riscos junto a uma organização qualificada independente e pode participar de uma análise que abranja um grupo de produtores. O plano identifica os riscos e passos necessários para prevenir acidentes e ferimentos, minimizando as causas de perigo no ambiente de trabalho. A pessoa responsável é identificada nesse plano. O plano é revisto e atualizado quando a avaliação de riscos muda. Periodicamente significa uma vez ao ano, pelo menos. Abertamente significa sem medo ou intimidação. O auditor não precisa fazer julgamentos sobre o conteúdo, a precisão ou o resultado de tais reuniões. As substâncias perigosas incluem defensivos agrícolas, produtos de uso veterinário, produtos químicos, desinfetantes, produtos de proteção a plantas ou biocidas. Os trabalhadores podem demonstrar a competência por meio da observação visual ou pela prova de que receberam instruções. O treinador possui certificados de treinamento adequado. Credenciais governamentais oficiais não são necessárias. O treinamento se baseia na avaliação de riscos (1.1). O treinamento ocorreu nos últimos 5 anos e está documentado por um diploma oficial ou por um certificado de freqüência. UTZ CERTIFIED Good Inside 2011 Page 20 of 26

Cadeia de Custódia UTZ Certified

Cadeia de Custódia UTZ Certified Cadeia de Custódia UTZ Certified Para Café Versão 5.0 Maio 2013 www.utzcertified.org Cópias deste documento estão disponíveis gratuitamente em formato eletrônico na página da Training Center da UTZ Certified:

Leia mais

Manual de Treinamento. Área do Membro

Manual de Treinamento. Área do Membro Manual de Treinamento Área do Membro 0 Contents Geral... 2 Transações... 3 Negociação e Estoque... 10 Licenças... 15 Mercado... 19 Finanças... 22 Fazer uma Declaração de Venda... 27 Fazer uma Declaração

Leia mais

Código de Conduta Módulo Café

Código de Conduta Módulo Café Código de Conduta Módulo Café Versão 1.1 www.utzcertified.org 1 Cópias e traduções deste documento estão disponíveis em formato eletrônico no site da UTZ Certified: www.utzcertified.org Este documento

Leia mais

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH Norma de Responsabilidade Social Firmenich Atualizado em Março de 2013 Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Como parte do nosso compromisso contínuo com um negócio ético

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

PROTOCOLO DE CERTIFICAÇÃO. Versão 4.1 Janeiro de 2016

PROTOCOLO DE CERTIFICAÇÃO. Versão 4.1 Janeiro de 2016 PROTOCOLO DE CERTIFICAÇÃO Versão 4.1 Janeiro de 2016 Cópias e traduções deste documento estão disponíveis em formato eletrônico no site da UTZ: www.utz.org Este documento foi traduzido do Inglês. Se houver

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 1/7 FISPQ NRº. 004 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome da Empresa: Hidroazul Indústria e Comércio Ltda Endereço: Rua João Dias Neto, 18 D Cataguases MG CEP: 36770-902. Telefone da Empresa: (32)

Leia mais

NRR 5 - Produtos Químicos

NRR 5 - Produtos Químicos NRR 5 - Produtos Químicos 5.1. Esta Norma trata dos seguintes produtos químicos utilizados no trabalho rural: agrotóxicos e afins, fertilizantes e corretivos. 5.1.1. Entende-se por agrotóxicos as substâncias

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 Índice INTRODUÇÃO INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS DIREITOS HUMANOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Responsabilidade Social 8000

Responsabilidade Social 8000 NORMA INTERNACIONAL SAI SA8000 : 2001 Responsabilidade Social 8000 SA8000 é uma marca registrada da Social Accountability International CÓPIA NÃO AUTORIZADA SEM PERMISSÃO DA SAI, EXCETO QUANDO PERMITIDO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Protocolo de Certificação

Protocolo de Certificação Protocolo de Certificação Versão 4.0 - Julho de 2015 www.utzcertified.org 1 Cópias e traduções deste documento estão disponíveis em formato eletrônico no site da UTZ Certified: www.utzcertified.org Este

Leia mais

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica na produção orgânica Aprovação: C. Página: 1/10 REFERENCIAL TÉCNICO Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica Este documento é de propriedade da ECOCERT. Toda reprodução integral ou parcial feita sem

Leia mais

Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação

Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação Segue abaixo checklist que será utilizado na auditoria no fornecedor ou subcontratado das empresas signatárias.. Formalização da Empresa Peso.

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo Produção Integrada de Maçã PIM Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo Empresa: Localização: Responsável Técnico: Data: Horário Nota: Os itens grafados em Negrito, Itálico e Sublinhado

Leia mais

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES N REQUISITOS OBSERVAÇÕES 01 02 03 04 05 06 07 A - MANUTENÇÃO E SUPORTE A empresa fornece produto de software com Verificar se a empresa fornece manual do produto (instalação), documentação de suporte ao

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR Este Código padrões mínimos que devem ser ultrapassados, sempre que possível. Ao aplicá-los, os fornecedores devem obedecer às leis nacionais e outras leis vigentes e, nos pontos em que a lei e este Código

Leia mais

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES Março de 2014 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance, 2012-2014. Este documento está disponível nos seguintes sites: www.sanstandards.org

Leia mais

Mais que produtos químicos, soluções.

Mais que produtos químicos, soluções. APRESENTAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES 3. IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS 4. MEDIDAS DE PRIMEIROS SOCORROS 5. MEDIDAS DE COMBATE A INCÊNDIO 6.

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação 1. Objetivos Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Desenvolver habilidades para

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Café de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 01.05.2011 Substitui a versão anterior de: 16.02.2009 Data esperada para a próxima revisão : 2013 Envie seus comentários

Leia mais

NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA

NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA Março de 2014 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance, 2012-2014. www.san.ag Este documento está disponível nos seguintes sites: www.san.ag www.rainforest-alliance.org

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU TS01(EC)v09pt PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU 1 Conteúdo 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR DE ORGÂNICOS... 3 2. REGULAMENTOS DA

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

RAINFOREST ALLIANCE CERTIFIED - MARKETPLACE Orientações para a participação

RAINFOREST ALLIANCE CERTIFIED - MARKETPLACE Orientações para a participação RAINFOREST ALLIANCE CERTIFIED - MARKETPLACE Orientações para a participação Prezado participante do sistema de certificação da Rede de Agricultura Sustentável RAS. Agradecemos seu compromisso com a sustentabilidade

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

Lista de Indicadores que Exigem Documentação para C.A.F.E. Practices V3.2

Lista de Indicadores que Exigem Documentação para C.A.F.E. Practices V3.2 Lista de Indicadores que Exigem Documentação para C.A.F.E. Practices V3.2 Índice 1. Resumo dos Indicadores que Exigem a Documentação por Tipo de Entidade... 2 2. Exemplos de Documentação Exigida por Área

Leia mais

DIVISÃO DE LICENCIAMENTO E CONTROLE DA POLUIÇÃO DO PETRÓLEO E PETROQUÍMICOS DPP

DIVISÃO DE LICENCIAMENTO E CONTROLE DA POLUIÇÃO DO PETRÓLEO E PETROQUÍMICOS DPP DIVISÃO DE LICENCIAMENTO E CONTROLE DA POLUIÇÃO DO PETRÓLEO E PETROQUÍMICOS DPP MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ON LINE PARA RENOVAÇÃO DE LICENÇAS DE OPERAÇÃO PARA COMÉRCIO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Como funciona O sistema Valorfito?

Como funciona O sistema Valorfito? Como funciona O sistema Valorfito? Em campo por amor à terra. www.valorfito.com Como funciona O sistema Valorfito? O VALORFITO é responsável pela gestão de: Resíduos de Embalagens de Produtos Fitofarmacêuticos

Leia mais

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio INTRODUÇÃO Ambos a experiência e o bom senso nos dizem que as ações tomadas durante uma emergência são mais eficazes

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo animal Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo animal Visão rápida O FDA oferece esta tradução como um serviço para um grande público internacional. Esperamos que você a ache útil. Embora a agência tenha tentado obter uma tradução o mais fiel possível à versão em inglês,

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06 01. Identificação do Produto e da Empresa. Nome do Produto: Rotosafe Bro 700 001 OR 0050 nº Material: 110319 Nome da Empresa: Domingos Araújo Neto Endereço: Av. Francisco Sá, 3405 Monte Castelo Fortaleza

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Leia mais

Agrotóxicos Adjuvantes e Produtos Afins. Autor: Douglas Fernando Ferrari Auditor em Saúde e Segurança do Trabalho IAS/ABNT.

Agrotóxicos Adjuvantes e Produtos Afins. Autor: Douglas Fernando Ferrari Auditor em Saúde e Segurança do Trabalho IAS/ABNT. Agrotóxicos Adjuvantes e Produtos Afins Autor: Douglas Fernando Ferrari Auditor em Saúde e Segurança do Trabalho IAS/ABNT. AGROTÓXICOS DEFINIÇÃO: Agrotóxicos são produtos químicos utilizados para combater

Leia mais

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF A Comissão de segurança do Instituto de Química da UFF(COSEIQ) ao elaborar essa proposta entende que sua função é vistoriar, fiscalizar as condições

Leia mais

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO TÍTULO DA APRESENTAÇÃO DEVERES GERAIS DO EMPREGADOR DEVERES GERAIS DO TÍTULO EMPREGADOR DA APRESENTAÇÃO Admissão de trabalhadores

Leia mais

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento Pós-Colheita

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento Pós-Colheita Produção Integrada de Maçã PIM Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento Pós-Colheita Empresa: Localização: Responsável Técnico: Data: Horário Realização da Visita: Recepção da fruta Conservação

Leia mais

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código.

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código. PREÂMBULO 1 O propósito deste Código é estabelecer um padrão internacional para a operação e gerenciamento seguros de navios e para a prevenção da poluição. 2 A Assembleia adotou a Resolução A.443(XI),

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 22/11/2011 Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto LW Impercit Nome da empresa Lwart Química Ltda. Endereço Rodovia Marechal Rondon, Km 303,5, Lençóis Paulista-SP

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 31/08/2012 Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Fabricado por Endereço Vedapac Laje Preto Lwart Química Telefone (14) 3269-5060 Fax (14) 3269-5003 email

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Novartis Código para Fornecedores

Novartis Código para Fornecedores Novartis Código para Fornecedores Version 1.0 01-04-2013 Introdução Finalidade Considerações éticas permeiam todas as dimensões de nossos negócios nossos processos de pesquisa, desenvolvimento, produção,

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 31/08/2012 Página 1 de 6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Metrofix Fabricado por: Lwart Química Endereço Rodovia Marechal Rondon, Km 303,5, Lençóis Paulista-SP

Leia mais

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento Seção 2/D Cadeia de Fornecimento www.bettercotton.org Orientação Esta seção descreve como a BCI criará um fardo 100% Better Cotton e conectará a oferta de Better Cotton com sua demanda, estabelecendo um

Leia mais

PARA COMEÇO DE CONVERSA

PARA COMEÇO DE CONVERSA PARA COMEÇO DE CONVERSA Agrotóxicos são muito importantes para proteger as culturas de pragas, doenças e plantas daninhas, mas podem ser perigosos se usados incorretamente. Fornecer informações desde sua

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

ATENÇÃO. www.poscolheita.com.br. juarez@ufv.br ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO:

ATENÇÃO. www.poscolheita.com.br. juarez@ufv.br ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO: ATENÇÃO ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO: www.poscolheita.com.br juarez@ufv.br CAFEICULTURA DE MONTANHA & CAFÉ COM QUALIDADE Tecnologias

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PRODUTO QUIMICO

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PRODUTO QUIMICO SEÇÃO I Identificação do Produto Químico e da Empresa Nome do Produto: Nome da Empresa: IMPERCOTEPRIMER CITIMAT MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDA. RUA COMENDADOR SOUZA 72/82 AGUA BRANCA SÃO PAULO SP CEP: 05037-090

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CAMPUS ANISIO TEIXEIRA-INSTITUTO MULTIDICIPLINAR EM SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE LABORATÓRIOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CAMPUS ANISIO TEIXEIRA-INSTITUTO MULTIDICIPLINAR EM SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE LABORATÓRIOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CAMPUS ANISIO TEIXEIRA-INSTITUTO MULTIDICIPLINAR EM SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE LABORATÓRIOS NORMAS INTERNAS DO LABORATÓRIO DE BIOTECNOLOGIA E GENÉTICA

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção...

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... Página 1 de 8 SUMÁRIO 1. Histórico de mudanças... 2 2. Escopo... 3 3. Manutenção... 3 4. Referências... 3 5. Definições... 3 6. Qualificação da equipe de auditores... 3 7. Condições gerais... 3 7.1 Selo

Leia mais

Programa de Nível de Serviço do Ariba Cloud Services. Garantia de Acesso ao Serviço Segurança Diversos

Programa de Nível de Serviço do Ariba Cloud Services. Garantia de Acesso ao Serviço Segurança Diversos Programa de Nível de Serviço do Ariba Cloud Services Garantia de Acesso ao Serviço Segurança Diversos 1. Garantia de Acesso ao Serviço a. Aplicabilidade. A Garantia de Acesso ao Serviço cobre a Solução

Leia mais

Aviso de Renovação de Licença de Cuidado Infantil Familiar

Aviso de Renovação de Licença de Cuidado Infantil Familiar Aviso de Renovação de Licença de Cuidado Infantil Familiar Sua Licença de Cuidado Infantil Familiar deve ser renovada e o EEC facilitou este processo para você. Basta seguir os passos abaixo: Preencha

Leia mais

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ De acordo com a NBR 14725-4:2012 Data da revisão: 21/10/2013 Revisão: 03 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto: Referência

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página: 1 de 5 FISPQ Nº: 037 Data da última revisão: 26/10/2010 Nome do Produto: Betugrout 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Betugrout Código do Produto: 026050025. Nome da Empresa:

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM CREMOSO (Bouquet, Clássico, Laranja, Lavanda, Limão e Pinho)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM CREMOSO (Bouquet, Clássico, Laranja, Lavanda, Limão e Pinho) Página 1 de 6 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Sapólio Radium Cremoso Códigos Internos: Bouquet 14015 (24/300ml) Clássico 14007 (24/300ml) Laranja 14025 (12/300ml) Lavanda 14014 (24/300ml)

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

ISO 9001:2008 Resumo das alterações

ISO 9001:2008 Resumo das alterações ISO 9001:2008 Resumo das alterações A revisão 2008 da ISO 9001 foi oficialmente lançada a 13 de Novembro de 2008. Este é um guia de orientação que realça o que foi adicionado, eliminado e clarificações.

Leia mais

Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC)

Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC) Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC) ÍNDICE 1. Gestão da Propriedade...03 2. Gestão Ambiental...04 3. Material Propagativo (Sementes, mudas e estacas)...05 4. Localização e Implantação de Cafezais...06

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2

Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2 Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2 Orientação para os Estudos de Caso Para a realização de uma auditoria é necessário que o auditor tenha conhecimentos teóricos e práticos e para que você obtivesse este conhecimento

Leia mais

R E G U L A M E N T O

R E G U L A M E N T O R E G U L A M E N T O ARTIGO 1 O 10º Concurso Nacional ABIC de Qualidade do Café e a 10ª Edição Especial dos Melhores Cafés do Brasil, instituídos pela ABIC, têm como objetivo incentivar a produção de

Leia mais

apple Programa do Fornecedor de Serviço Autorizado da Apple

apple Programa do Fornecedor de Serviço Autorizado da Apple apple Programa do Fornecedor de Serviço Autorizado da Apple Os itens a seguir foram retirados do Manual do Programa do Provedor de Serviços. Se você acha que sua organização poderá atender a esses requisitos

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM PÓ (Limão, Pinho, Clássico, Lavanda, Bouquet e Laranja)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) SAPÓLIO RADIUM PÓ (Limão, Pinho, Clássico, Lavanda, Bouquet e Laranja) Página 1 de 6 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Sapólio Radium Pó Códigos Internos: Limão: 14001 / 14017 Pinho: 14005 / 14018 Clássico: 14033 Lavanda: 14031 Bouquet: 14030 Laranja: 14032

Leia mais

a) garantindo que todos os produtos químicos sejam avaliados com o fim de determinar o perigo que apresentam;

a) garantindo que todos os produtos químicos sejam avaliados com o fim de determinar o perigo que apresentam; Convenção 170 PRODUTOS QUÍMICOS A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho convocada em Genebra pelo Conselho da Administração do Departamento Internacional do Trabalho, e congregada

Leia mais

Reunião Técnica Nacional sobre Pesquisa com Agrotóxicos, 30/Out/2012. Princípios de Boas Práticas de Laboratório (Campo), na pesquisa com Agrotóxicos

Reunião Técnica Nacional sobre Pesquisa com Agrotóxicos, 30/Out/2012. Princípios de Boas Práticas de Laboratório (Campo), na pesquisa com Agrotóxicos Reunião Técnica Nacional sobre Pesquisa com Agrotóxicos, 30/Out/2012 Princípios de Boas Práticas de Laboratório (Campo), na pesquisa com Agrotóxicos Celso Borges Zaccaria, Diretor da Garantia da Qualidade

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

FLEXPAG - Política de Privacidade

FLEXPAG - Política de Privacidade FLEXPAG - Política de Privacidade A infocusweb/flexpag tem um compromisso com o respeito à sua privacidade. Política de Privacidade Nós reconhecemos que ao optar por nos informar alguns de seus dados pessoais,

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 FISPQ NRº. 005 1/7 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Bicarbonato de Sódio Nome Comercial : Estabilizador de ph Sinônimo: Bicarbonato Ácido de Sódio N CAS: 144-55-8 Nome da Empresa:

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Cacau de Organizações de Pequenos Produtores Também aplicado à Produção Contratada na Oceania Versão atual: 01.05.2011_v1.2 Data esperada para a próxima revisão : 2015 Envie

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

Resumo das Regras Uniformes do Programa de Abrigo de Assistência Emergencial (AE) Conforme Revisão de janeiro de 2015 - Abrigo

Resumo das Regras Uniformes do Programa de Abrigo de Assistência Emergencial (AE) Conforme Revisão de janeiro de 2015 - Abrigo Observação: Este é um resumo das Regras Uniformes do Programa de Abrigo (Regras). Para conhecer os detalhes, consulte as Regras Uniformes do Programa de Abrigo na íntegra. A versão na íntegra das Regras

Leia mais

Dia útil: significa um dia de trabalho, conforme definido pelo Provedor nas respectivas Normas suplementares.

Dia útil: significa um dia de trabalho, conforme definido pelo Provedor nas respectivas Normas suplementares. Normas do RRDRP Estas Normas estão em vigor para todos os processos de RRDRP. Os processos administrativos referentes a resolução de disputas nos termos do Procedimento de resolução de disputas de restrições

Leia mais

EQUIPOMAN. Sistema de Gestão Integrada. Código de Ética

EQUIPOMAN. Sistema de Gestão Integrada. Código de Ética Sistema de Gestão Integrada Código de Ética CE-01/2012 Rev: 01 Data: 11/12/2012 1 Mensagem da Diretoria Prezados (as) Colaboradores (as), É com imensa satisfação que apresentamos o Código de Ética da EQUIPOMAN

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56

CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO PARA TREINAMENTO INTERNO DO LIM56 NORMA ABNT BRASILEIRA NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Quality management systems - Requirements CÓPIA CONTROLADA USO EXCLUSIVO

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do produto: CJI MASTER HARD SS Nome da empresa: Endereço: Rua Hermínio Poltroniere, 198

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE

Leia mais

Manual do Usuário Carregador Sem Fio DT-601 da Nokia

Manual do Usuário Carregador Sem Fio DT-601 da Nokia Manual do Usuário Carregador Sem Fio DT-601 da Nokia Edição 1.1 PT-BR Componentes Conheça seu carregador sem fio. 1 Cabo USB 2 Luz indicadora 3 Área de carregamento Não há níquel na superfície deste produto.

Leia mais

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A STANDARD LME-12:001905 Upt Rev A Índice 1 Introdução... 3 2 Requisitos... 3 3 Normas de Operação Segura... 4 3.1 Procedimentos de Evacuação em Incêndio... 4 3.2 Caminhos de Escape Designados... 4 3.3 Pontos

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Econômico no uso Supersol LG é composto com alto teor de tensoativos, que permite sua utilização em altas diluições para uma limpeza perfeita.

Econômico no uso Supersol LG é composto com alto teor de tensoativos, que permite sua utilização em altas diluições para uma limpeza perfeita. JohnsonDiversey Suma Supersol LG Detergente em pó para limpeza geral. Versátil A formulação balanceada permite que o detergente Supersol LG seja utilizado tanto para limpeza geral, quanto para lavagem

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de resposta de DNS. dns_response série 1.6

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de resposta de DNS. dns_response série 1.6 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Monitoramento de resposta de DNS dns_response série 1.6 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se somente para fins

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais