ação para a definição

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ação para a definição"

Transcrição

1 U NIVE RSID ADE LUSÍ ADA DE L ISBO A Faculd ade d e Ciências Humanas e Sociais Doutoo rame nto e m Hii stóri a Área Científica de História a da Arte A defesa do património imóvel histórico-artístico no Estado Novo: a contribuição da legislal ação para a definição de uma política patrim monial V. 1 Realizado por: Helena Cristina Marques da Silva Pedreirinho Orientado por: Prof. Doutor Luís Manuel Aguiar de Morais Teixeira Constituiçã ão do Júri: Presidente : Orientador r: Arguente: Arguente: Vogal: Vogal: Prof. Doutorr Eng. Diamantino Freitas Gomes Durão Prof. Doutorr Luís Manuel Aguiar de Morais Teixeira Prof. Doutorr Paulo Alexandre Rodrigues Simões Rodrigues Prof.ª Doutora Maria João Quintas Lopes Baptista Neto Prof. Doutorr Horácio Manuel Pereira Bonifácio Prof. Doutorr Carlos César Lima da d Silva Motta Tese aprovada em: 9 de Dezembro de 2013 Lisboa 2011

2 Agradecimentos O presente trabalho não teria sido possível sem a contribuição e o apoio de todos os que, de uma forma ou outra, permitiram a pesquisa e a análise indispensáveis à conclusão da presente tese. Por isso, queremos aqui deixar o nosso agradecimento: As nossas primeiras palavras de agradecimento vão para o Professor Doutor Luís Morais de Teixeira, nosso orientador, pela disponibilidade, pelo rigor, pelo estímulo e pelas sugestões que sempre nos foi manifestando. O nosso agradecimento, também, a todos os que nos abriram as portas a fim de concretizar as pesquisas necessárias, em especial, à Dra. Celina Bastos, do Museu Nacional de Arte Antiga; ao Dr. João Santos Vieira e à Dra. Eugénia Costa, do Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana, à Dra. Maria José Agostinho, Dra. Françoise Le Cunff e Dra. Perpétua, do Arquivo Histórico do Ministério da Educação Nacional, ao Dr. Paulo Tremoceiro, do Arquivo Nacional Torre do Tombo, à Dra. Isilda Oliveira da Silva e ao Dr. Paulo Duarte, do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico; ao Professor Arquitecto Augusto Brandão, da Academia Nacional de Belas Artes Por último, agradeço ao José Manuel, por todo o apoio que sempre me prestou. 3

3 4

4 Índice geral 1º Volume Resumo 9 Abstract 11 Palavras.chave/Keywords 13 Siglas e abreviaturas 15 Introdução 17 I Parte - Prolegómenos em torno da institucionalização de um sistema de defesa do património edificado A consciência patrimonial e a herança liberal A presença dos valores nacionais e históricos na valorização da consciência patrimonial O contributo da actividade museológica na preservação da memória colectiva A valorização do passado como fonte de preservação do património edificado e a necessidade de concretização de mecanismos de tutela O contributo das comissões de monumentos na qualificação patrimonial O acto classificativo como instrumento de salvaguarda A política de intervenção O contributo da Primeira República para uma concepção abrangente de defesa património A vocação educativa do património A criação de um quadro legal de protecção do património arquitectónico A concepção teórica versus a realidade prática 67 5

5 3. A transição política e o contexto social, económico e político O período da Ditadura ( ) e a definição de um sistema jurídico patrimonial a partir da herança liberal O mandato de Alfredo de Magalhães A formação ideológica de Cordeiro Ramos A reorganização dos serviços artísticos 85 II Parte - A acção do Estado em prol do património edificado: da reforma administrativa A institucionalização do regime do Estado Novo A Tutela do Património Nacional A educação ao serviço da ideologia O Ministério da Educação Nacional A Direcção-Geral do Ensino Superior e das Belas Artes A Junta Nacional de Educação A actividade patrimonial A definição de orientações Uma nova abordagem Os serviços de inspecção A Academia Nacional de Belas Artes Os pelourinhos O inventário artístico As Missões Estéticas de Férias A distribuição e descentralização de poderes A representação local Das Comissões Municipais de Arte e Arqueologia Os conservadores de Monumentos A descoordenação entre tutelas 204 6

6 III Parte - A Concepção Jurídica como instrumento da Política Patrimonial A sustentação jurídica da política patrimonial A salvaguarda do património como responsabilidade do Estado Do processo classificativo A valoração do património O interesse nacional O valor artístico O valor histórico O valor turístico O valor paisagístico Aplicação dos critérios valorativos Classificações genéricas O património defensivo Os valores concelhios A Paisagem A preservação do património classificado A ausência de apoios A política de sanções A prática de intervenção As novas funcionalidades A função turística 313 IV Parte - Os novos patrimónios As zonas de protecção como ponto de partida de um conceito amplo de património A protecção no âmbito das áreas envolventes A responsabilidade dos organismos locais Uma perspectiva de conjunto Vilas e Aldeias: o carácter regional de terra portuguesa 346 7

7 Vila de Marvão Vila de Óbidos Vila de Ourém Vila de Monsaraz Aldeia de Monsanto Vila de Amarante A planificação urbana Núcleos Históricos e Artísticos Cidade de Évora Baixa Pombalina Cidade de Abrantes Campo dos Mártires da Pátria Miranda do Douro Património em meio rural A falta de sistematização jurídica 377 V Parte - O processo de adesão à comunidade internacional A perspectiva internacional na legislação portuguesa A adesão à protecção internacional de obras de arte A participação portuguesa nos organismos internacionais Portugal e a Organização das Nações Unidas O IBI, o ICCROM, e o ICOMOS Portugal e o Conselho da Europa 410 Conclusões 414 Legislação 419 Bibliografia 445 8

8 Resumo O presente trabalho tem como objecto de estudo, o contributo da legislação nacional para a definição de uma política defensora do património histórico-artístico, durante um período da história portuguesa do século XX, a que corresponde o regime político do Estado Novo (1932/ ). Procura-se, a partir do suporte documental constituído pelos diplomas legais publicados durante o período em análise, identificar em que medida o universo normativo produzido durante o período em estudo, interiorizou a evolução conceptual e metodológica no âmbito do património edificado, e se reflectiu na definição de uma política patrimonial por parte do Estado. Partindo de uma análise legislativa, recorre-se, também, à consulta de variados processos de classificação e intervenção no património arquitectónico, no âmbito dos quais se produziram directrizes e orientações que permitem evidenciar o modo se processou o enquadramento teórico e prático do processo patrimonial. A par desta vertente, procura-se contextualizar as medidas de defesa do património edificado no âmbito das instituições que, fazendo parte do sistema orgânico definido pelo Estado, foram parte integrante na forma como a vertente patrimonial evoluiu durante o regime do Estado Novo. E, em paralelo, analisa-se o percurso seguido, no contexto do perfil político e ideológico que caracterizou o Regime. Na medida em que a compreensão dos instrumentos patrimoniais utilizados pelo Regime, é indissociável dos antecedentes históricos, procede-se ao respectivo enquadramento, recuando até ao século XIX, período marcante pelo despontar da consciência patrimonial, e evidenciando a I República pelo que de positivo consagrou à causa patrimonial, nomeadamente, na perspectiva legal. 9

9 10

10 Abstract The present study is focused in the contribution of national legislation to define the historical and artistic architectural heritage during the Estado Novo period (1932/ ). Using as main documental support the legal acts published during that period, I tried to understand how the evolution of heritage concepts and forms of intervention were processed, and in what way they contributed to the national heritage policy. Besides a legislative point of view, various files of listing and intervention in architectural heritage are analysed, within which were produced the guidelines that reflect how was accomplished the connection between the theoretical and practical heritage process. The safeguard measures are also put in context within the main public institutions, that being part of the administrative organization, were directly involved with built heritage, being responsible for its protection and had an important role in the evolution of issues related with architectural heritage during the Estado Novo. The historical and artistic heritage issues are also analysed in the political and ideological profile that characterized the regime. As the understanding of heritage instruments used by Estado Novo, can not be understood as autonomous from historical antecedents, it is also done its framing, going back to the XIX century, a period marked by the emergence of the awareness of heritage, and putting in evidence the I Republic period, by the important role then devoted to the architectural heritage, namely in the legal perspective. 11

11 12

12 Palavras-chave Keywords Arquitectura Classificação Estado Novo Ideologia Legislação Nacionalismo Património Propaganda Architecture Listing Estado Novo Ideology Legislation Nationalism Heritage Propaganda 13

13 14

14 Siglas e Abreviaturas ACMF Arquivo Contemporâneo do Ministério das Finanças AHME Arquivo Histórico do Ministério da Educação AN Assembleia Nacional ANBA Academia Nacional de Belas Artes AN/TT Arquivos Nacionais Torre do Tombo AOS Arquivo Oliveira Salazar CAA Conselho de Arte e Arqueologia CC Câmara Corporativa CE Conselho da Europa CIAM Congresso Internacional de Arquitectura Moderna CMAA Comissões Municipais de Arte e Arqueologia CML Câmara Municipal de Lisboa CMN Comissão dos Monumentos Nacionais CPAE Conselho Permanente de Acção Educativa CSBA - Conselho Superior de Belas Artes CSMN Conselho Superior dos Monumentos Nacionais D.G- - Diário do Governo DGAC Direcção-Geral dos Assuntos Culturais DGEMN Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais DGES Direcção-Geral do Ensino Superior, Secundário e Artístico DGESBA Direcção-Geral do Ensino Superior e Belas Artes DGFP Direcção-Geral da Fazenda Pública DGT - Direcção-Geral do Turismo DPC Divisão do Património Cultural ESBAL Escola Superior de Belas Artes de Lisboa ESBAP Escola Superior de Belas Artes do Porto FCG Fundação Calouste Gulbenkian IAC Instituto para a Alta Cultura IBI Instituto Internacional dos Castelos Históricos ICOM Conselho Internacional dos Museus 15

15 ICOMOS - Conselho Internacional dos Monumentos e Sítios ICCROM - Centro Internacional de Estudos para a Conservação e Restauração dos Bens Culturais IGESPAR - Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico IHRU Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana IPPAR Instituto Português do Património Arquitectónico IPPC Instituto Português do Património Cultural JEN Junta de Educação Nacional JNE Junta Nacional da Educação MEN Ministério da Educação Nacional MIP - Ministério da Instrução Pública MEF Missões Estéticas de Férias MF Ministério das Finanças MNAA Museu Nacional de Arte Antiga MOP Ministério das Obras Públicas MOPC Ministério das Obras Públicas e Comunicações MP Mocidade Portuguesa ONU Organização das Nações Unidas PGU Planos Gerais de Urbanização RAACAP - Real Associação dos Arquitectos Civis e Arqueólogos Portugueses RGEU Regulamento Geral das Edificações Urbanas SEC Secretaria de Estado da Cultura SMN Serviço dos Monumentos Nacionais SNBA Sociedade Nacional de Belas Artes SNI Secretariado Nacional da Informação, Cultura Popular e Turismo SPN - Secretariado da Propaganda Nacional TNDM Teatro Nacional de D. Maria II TNSC Teatro Nacional de São Carlos UNESCO Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura 16

16 Introdução O contributo da legislação publicada durante o Estado Novo, na definição de uma política patrimonial referente, em particular, ao património edificado, foi o tema escolhido para o presente estudo. A opção do tema deveu-se a motivos vários que nos fizerem perceber que a temática e o período cronológico escolhido careciam de um estudo aprofundado que faltava ainda fazer. Percepção que decorreu, também, do estudo efectuado no âmbito da nossa dissertação de mestrado, em que nos debruçámo-nos sobre a evolução dos conceitos de património durante o século XX. Se diversos trabalhos científicos têm vindo a ser publicados, que em muito têm contribuído para a evolução do conhecimento na área dos estudos patrimoniais, nomeadamente, do património arquitectónico, constatámos, porém, que faltava um estudo que tivesse por objecto principal, uma análise dos diplomas jurídicos publicados durante o regime do Estado Novo, de forma a avaliar em que medida a legislação publicada contribuiu para a sustentação de uma política em prol da defesa e preservação do património histórico-artístico nacional. Porquanto a análise de todo o universo patrimonial se tornava uma tarefa demasiado abrangente, optámos por focalizar o nosso estudo no património edificado. Tendo consciência da relevância de todo o século XX na evolução dos conceitos de património e na consciencialização do valor dos bens patrimoniais no contexto da sociedade contemporânea, escolhemos o período referente ao Estado Novo, que decorreu entre 1932/1933 e 1974, como o período em análise, tendo em atenção diversos factores que considerámos relevantes. Abrangendo uma grande parte do século XX, e atendendo às características político-ideológicas do Regime, que encarou o património como um factor de eleição, o período em causa teria todas as condições para constituir um marco na transição de um sistema patrimonial ainda em fase inicial, para um outro patamar em que, evidenciada a sua relevância política, social, económica e cultural, se procuraria definir uma política patrimonial para o futuro. Acresce que o período em estudo se caracterizou por, internacionalmente, registar desenvolvimentos fundamentais nos estudos e conceitos patrimoniais, com incidência, não apenas a nível interno dos Estados, mas visando uma 17

17 dimensão mais global e universal, os quais deram um contributo decisivo para uma nova etapa de debates sobre o património. Por isso, este foi um período particularmente rico no âmbito do património histórico-artístico, e que só mediante uma ponderação sobre os mecanismos teóricos e práticos adoptados pelo Estado se pode percepcionar a forma como, em Portugal, se equacionou a evolução da temática patrimonial. No entanto, e porque uma análise como a que nos propusemos fazer é indissociável dos antecedentes que tiveram lugar a partir do século XIX e, em especial, a partir da I República, o nosso estudo ampliou-se até ao período de Oitocentos, atendendo aos contributos significativos que, desde então, ocorreram em prol do património nacional. Terminámos o presente estudo em 1974, mas como o fim do Regime não pode ser entendido de uma forma estanque, no que respeita à intervenção junto do património arquitectónico, e tendo em atenção a manutenção da legislação e dos organismos existentes durante uma fase inicial do regime democrático, optámos por fazer referência, em situações pontuais, a processos que se estenderam para além do fim do Estado Novo, mas que reflectem uma continuidade face à prática seguida durante a sua fase final. Ao longo dos últimos anos têm vindo a ser produzidos e publicados diversos estudos que se debruçam sobre a temática do património, e é cada vez maior o número de dissertações de mestrado e teses de doutoramento que se tem dedicado ao assunto, para além de estudos específicos. Neste contexto, existem algumas obras de referência, quer quanto ao tema de estudo, quer quanto ao período cronológico escolhido, que cumpre evidenciar. No que respeita aos estudos que abordaram as questões inerentes ao património, nos períodos antecedentes ao Estado Novo, identificámos o de Paulo Simões Rodrigues, que faz uma análise exaustiva sobre o valor e o significado dos monumentos durante o século XIX e até à implantação da República (Rodrigues; 1998), o de Lúcia Rosas, que aborda essencialmente a temática do restauro em Portugal, tomando como referência a arquitectura religiosa medieval, durante grande parte do período Oitocentista e a fase inicial da Ditadura Militar (Rosas, 1995), e o de Maria Helena Maia (2007), também sobre a temática do património e do restauro. Jorge Custódio (2008) tratou de forma minuciosa a prática de conservação e restauro durante o período da I República, estudo de grande utilidade para a compreensão do tema 18

18 tratado no nosso trabalho. No entanto, não foi possível aceder em tempo útil ao estudo em causa, tendo muita da informação que tratámos no capítulo I do presente trabalho, decorrido de pesquisas por nós feitas anteriormente. Outros contributos evidenciaram o papel de algumas instituições ou personalidades, como sucedeu com José Chagas que estudou o contributo de Possidónio da Silva (Chagas, 2003), com Ana Cristina Martins, que tratou a Associação dos Arqueólogos Portugueses (Martins, 2005), com Maria Helena Lisboa (2007) e o seu trabalho sobre as Academias e as Escolas de Belas Artes. Estudos mais abrangentes cuidaram de aspectos gerais do património, referindo-se, em particular, Eduardo Esperança (1996), ou de aspectos relacionados com aspectos ideológicos ou de política do Estado Novo, como Ernesto Leal (1997), Sérgio Matos (2008), Ramos do Ó (1993), Fernando Rosas (1992, 1993, 1996), entre outros. Diversas obras focam a história da história de Portugal e a história do Estado Novo, destacandose os nomes de Veríssimo Serrão (1994). Oliveira Marques (1977), José Mattoso (1996), João Medina (1993), Luís Torgal, Fernando Catroga e José Amado Mendes (1996). Sobre o período em estudo, a maioria dos estudos que se debruçaram sobre o tema da salvaguarda do património, trataram do tema, acima de tudo, do ponto de vista da análise dos procedimentos e metodologias de intervenção no património edificado. Domingos Bucho debruçou-se sobre as práticas de restauro arquitectónico, dedicandose, em particular às fortificações do distrito de Portalegre (Bucho, 2000), Nuno Rosmaninho aborda a problemática ideológica e de intervenção urbanística (1996, 2006), José Amador dedicou-se ao tema da gestão do património artístico durante o século XX, no qual se incluem referências a alguns contextos normativos e principais entidades intervenientes (Amador, 2002). Essenciais são os trabalhos de Maria João Neto (1995) e de Miguel Tomé (1998). Apesar de alguns dos estudos referidos aludirem à componente legislativa no âmbito das práticas de intervenção, o tema é tratado de forma marginal e, nessa medida, a abordagem do aspecto legislativo, como definidor de um direito do património, estava por fazer. A nossa investigação centrou-se em diversas fontes escritas, tendo por principal objectivo a documentação existente nos organismos responsáveis pela educação, por ser no seio da tutela educativa que se deviam definir os mecanismos jurídicos aptos a 19

19 implementar um sistema jurídico de defesa do património nacional. A responsabilidade de outros ministérios junto do património edificado, levou-nos, a pesquisar outras fontes documentais junto da tutela das obras públicas e das finanças. Recorremos, como fontes principais, ao Arquivo Histórico do Ministério da Educação (AHME), ao Arquivo Nacional da Torre do Tombo (AN/TT), ao Arquivo da Academia Nacional de Belas Artes (AANBA), ao Arquivo do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (AIGESPAR), ao Arquivo do Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana (AIHRU), ao Arquivo Contemporâneo do Ministério das Finanças (ACMF) e ainda, ao Arquivo do Museu Nacional de Arte Antiga (AMNAA). No Ministério da Educação tivemos acesso aos Fundos da Junta Nacional de Educação (JNE) e da Direcção-Geral do Ensino Superior e Belas Artes (DGESBA) onde encontrámos inúmera documentação referente ao serviço de belas artes, museus e monumentos, e, designadamente, a processos respeitantes a classificações e intervenções no património arquitectónico. O AN/TT revelou-se de extrema importância, desde logo, por conter as actas da JNE. Mas revelou-se também fundamental pela documentação existente no Fundo Salazar, no qual encontrámos documentação relativa a propostas de legislação e assuntos artísticos, bem como correspondência entre o Presidente do Conselho e algumas das figuras de relevo no âmbito da defesa do património nacional. O recurso ao AANBA revelou-se imprescindível, quer pela documentação referente aos períodos cronológicos antecedentes ao Estado Novo, onde se evidenciam as actas e demais documentação relativa às Comissões de Monumentos e ao Conselho de Arte e Arqueologia da 1ª Circunscrição, quer pela actas e demais documentação referente à actividade da Academia durante o Regime, nomeadamente, pelo seu contributo para a inventariação do património nacional ou para o cumprimento do programa das Missões Estéticas de Férias. O AIGESPAR revelou-se também muito importante, porquanto detentor de vasta documentação referente aos processos da JNE, na fase mais tardia do Regime, e que em muito contribui para avaliar a mudança de atitude e a evolução de pensamento no seio daquele organismo. A documentação existente no AIHRU, contendo inúmeros processos da Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN), foi essencial não só para compreender a interligação com a tutela educativa, como para a compreensão do processo de aproximação às teses e organismos internacionais. Do 20

20 ACMF recolhemos dados identificativos das avaliações de bens imóveis integrantes do património nacional. No AMNAA consultámos o Fundo José de Figueiredo, personalidade relevante no processo de transição e implementação do Regime. Para além das fontes escritas enunciadas, socorremo-nos de outras fontes escritas impressas, nas quais sobressaem como prioritárias, as fontes de carácter legislativo referentes à temática do património, essencialmente, os diplomas publicados que procuraram definir um quadro regulador da defesa e salvaguarda do património nacional. Neste contexto, consultámos o Diário do Governo (DG), como fonte primordial, bem como os Diários da Assembleia Nacional, onde se puderam identificar intervenções e debates sobre diversas questões de relevo, quer de definição conceptual, quer de prática de intervenção. Outras fontes escritas, impressas ou não, foram consultadas, onde se incluem pareceres, orientações, propostas legislativas, despachos, bem como documentos, manuscritos e impressos, constantes dos fundos arquivistas já referenciados. O presente trabalho está dividido em cinco capítulos, subdivididos em diversos pontos, em função dos assuntos tratados. No primeiro capítulo, Prolegómenos em torno da Institucionalização de um sistema de defesa do património edificado, procurámos fazer uma síntese dos antecedentes históricos que contribuíram para a definição de um regime legal de protecção do património, durante os períodos mais marcantes, ou seja, o período liberal a I República, e, já numa fase de preparação do Regime, a Ditadura. No segundo capítulo, A acção do Estado em prol do património edificado: da reforma administrativa debruçámo-nos sobre a implementação do sistema institucional com competências na área patrimonial, focando, em particular o MEN e os organismos dele dependes, com responsabilidades específicas na contribuição para o fomento do património nacional, como valia nacional e colectiva. No terceiro capítulo, A concepção jurídica como instrumento da política patrimonial tratámos, especificamente, do enquadramento jurídico das questões patrimoniais, procurando evidenciar os critérios jurídicos subjacentes às diversas etapas de defesa do património, apontando os aspectos positivos e negativos das práticas adoptadas. No quarto capítulo, Os Novos Patrimónios, dedicámos a nossa atenção sobre a forma como evoluiu a 21

21 abordagem dos conceitos de património, mediante a introdução de novas realidades patrimoniais constituintes de uma visão mais ampla de património. Procurámos, na medida do possível, acompanhar a evolução teórica com a apresentação de situações concretas que validavam ou não, as opções jurídicas adoptadas. No quinto e último capítulo, O processo de adesão à comunidade internacional, tivemos em atenção a evolução nacional perante a situação internacional, e o modo como as instâncias nacionais se foram colocando a par com os organismos e com os instrumentos legais internacionais, no seio dos quais se ia consolidando conceitos e metodologias destinadas à concretização de um visão patrimonial que ultrapassava fronteiras. Nas conclusões procurámos, de acordo com os resultados da investigação levada a cabo, evidenciar os novos contributos dados pela presente tese, em que, do ponto de vista da planificação de um enquadramento jurídico e, pese embora a vontade do Estado Novo de se constituir como um regime reformador e regenerador, sobressai uma escassa capacidade de inovação. Com efeito, o Estado optou por dar preferência a um complexo normativo disperso e à margem de uma definição conceptual e metodológica, em detrimento da implementação de um sistema jurídico coerente e eficaz. Nos dois volumes com anexos, insere-se um conjunto de documentação manuscrita e dactilografada, alguma inédita, a qual se julga de interesse como complemento do presente trabalho, servindo como seu suporte documental, nalguns casos e, noutros, como informação adicional que possa, de alguma forma, ser útil para o esclarecimento de questões afins ao tema da presente tese. 22

22 PARTE I Prolegómenos em torno da institucionalização de um sistema de defesa do património edificado 1. A consciência patrimonial e a herança liberal A fixação de uma cronologia no processo evolutivo de protecção do património histórico-artístico nacional, remete-nos para o século XX como período durante o qual se assistiu a um enorme salto qualitativo na sua compreensão, e na aceitação da sua mais-valia como factor cultural, social e económico. Pode dizer-se que muita coisa mudou: o âmbito da tutela jurídica, as funcionalidades subjacentes, a metodologia de intervenção, a consciência que a sociedade em geral passou a ter, em suma, todo um conjunto de transformações que permitiu que o olhar sobre determinado tipo de bens que são parte do nosso legado histórico e da nossa identidade, se tornasse mais abrangente, quer do ponto de vista do objecto, quer dos sujeitos envolvidos. Ao longo do século passado, o património deixou de ser visto no âmbito restrito de património monumental, pertença dos interesses de pequenas elites esclarecidas, para se tornar num bem que, no seu sentido mais amplo, se tornou inteligível e usufruído pelo colectivo. A compreensão deste processo é, contudo, indissociável das transformações que o passado lhe foi conferindo, e em particular, dos contributos dados pelo séc. XIX, palco de mudanças decisivas do ponto de vista político, cultural, económico e social. Em Portugal, e à semelhança do que se passava na Europa, embora com características decorrentes da especificidade nacional, os debates em torno da corporização de um sistema de protecção jurídica e de intervenção concreta a favor da salvaguarda dos bens nacionais, a que a lei iria conferir o título de monumentais, foram uma inevitabilidade num país carente de mudança em direcção a uma sociedade moderna. Diversos autores publicaram os seus estudos sobre temáticas patrimoniais (quer numa visão parcelar, quer global), durante a época oitocentista, tratando o modo 23

23 como se desenrolaram as transformações ao longo de todo aquele período 1. No entanto, e sem querer desenvolver este período, tanto mais que ele extravasa o âmbito do nosso estudo, não podemos deixar de o introduzir, já que é fundamental para a análise do património no século XX. Não pretendemos estabelecer qualquer fronteira cronológica que seja entendida como uma demarcação rígida a partir da qual se inicia o processo de consciencialização do património e de alerta para a conservação dos monumentos, mas antes seleccionar um período marcado por vicissitudes políticas de vária ordem e que correspondeu à entrada de Portugal num novo patamar político - ideológico. Neste sentido, tomamos como ponto de partida o novo ciclo político que se iniciou com a revolução liberal de , a nossa revolução «possível» e, como tal, incompleta e episódica 3. É evidente que a riqueza do debate ideológico que caracterizou o Portugal de Oitocentos, não exclui a relevância das manifestações patrimoniais que ocorreram em épocas anteriores, de que resultaram medidas concretas de protecção, e que nos elucidam sobre o modo como ao longo da história os homens entenderam os vestígios do passado, hoje assumidos como dotados de expressão cultural 4. Com efeito, é sabido que, após alguns exemplos dispersos mais antigos, e situando-nos no âmbito da adopção de medidas de tutela destinadas a criarem uma moldura legal de protecção, há que recuar ao reinado de D. João V, para encontrar um instrumento jurídico cujos efeitos irão longamente ultrapassar a época em que foi concebido, servindo de suporte à defesa conferida ao património nos primeiros anos de vigência do regime liberal. Falamos do conhecido 1 Sobre este assunto, vd., em particular, RODRIGUES, Paulo Simões Património, Identidade e História, O Valor e o Significado dos Monumentos Nacionais no Portugal de Oitocentos. Mas também: MAIA, Maria Helena Património e Restauro em Portugal ( ); MARTINS, Ana Cristina A Associação dos Arqueólogos portugueses na senda de salvaguarda do património; ROSAS, Lúcia Monumentos Pátrios: A arquitectura religiosa medieval património e restauro ( ). 2 Do ponto de vista histórico, a revolução liberal culmina um processo de instauração do liberalismo que se vinha desenhando desde o final do séc. XVIII e que teve grande impulso com as novas ideias trazidas pelas Invasões Francesas, levando à adopção de uma evolução cronológica que tem como ponto de partida o ano de 1807, data da primeira invasão. Nesse sentido, SERRÃO, Joaquim Veríssimo História de Portugal, Vol. VII; TORGAL, Luís Reis, ROQUE; João Lourenço Introdução. In MATTOSO, José (dir. de). História de Portugal. Vol. V. pp Luís Torgal e João Roque realçam a diferença entre as consequências da Revolução Liberal e a Revolução Francesa. No caso francês, pode-se sim, falar de uma Grande Revolução, que deu início a um novo período histórico. Idem, p SOROMENHO, Miguel, SILVA, Nuno Vassalo, 1993: 22-31; PINTO, E. Vera-Cruz, 1996: pp Os autores identificam, como ponto de partida, as medidas de protecção de edifícios militares tomadas durante a Idade Média, ditadas por razões defensivas e concretizadas por legislação régia, datada do reinado de Afonso X, na qual, para além da obrigação da manutenção de castelos e construções antigas, se obrigavam as populações a prestar trabalho nas respectivas obras de reparação (anadúva). Outros exemplos se vão sucedendo no tempo, demonstrativos da mudança de atitude por parte dos poderes públicos, deixando a conservação dos edifícios de ter apenas uma componente utilitária e de valoração simbólica, para passar a ser um elemento de integração num passado que se ia construindo como referente cultural. 24

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território Graça Filipe Modelos de redes de museus I Encontro de Museus do Douro Vila Real 24 Setembro

Leia mais

A CIDADELA DE CASCAIS: O MONUMENTO, A ENVOLVENTE URBANA E O VALOR SOCIAL

A CIDADELA DE CASCAIS: O MONUMENTO, A ENVOLVENTE URBANA E O VALOR SOCIAL 349 A CIDADELA DE CASCAIS: O MONUMENTO, A ENVOLVENTE URBANA E O VALOR SOCIAL Jacinta Bugalhão O conjunto monumental militar designado globalmente como Cidadela de Cascais (e que engloba, nesta acepção,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA CULTURA PORTUGUESA Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA CULTURA PORTUGUESA Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA CULTURA PORTUGUESA Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Leia mais

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5 CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5 APRESENTAÇÃO. O presente número dos Cadernos de Sociomuseologia, reúne um conjunto de documentos sobre museologia e património que se encontram dispersos e muitas

Leia mais

Concurso Fotográfico Património e Paisagem Urbana do Concelho

Concurso Fotográfico Património e Paisagem Urbana do Concelho JORNADAS EUROPEIAS DO PATRIMÓNIO 2011 PATRIMONIO E PAISAGEM URBANA As Jornadas Europeias do Património, promovidas em Portugal pelo IGESPAR a 23/24/25 de Setembro, são uma iniciativa anual do Conselho

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA NOTA EXPLICATIVA DA AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO ÂMBITO DO 1º CICLO DE ESTUDOS DO CURSO DE LICENCIATURA/MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA, CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM CIÊNCIAS DA ARQUITECTURA.

Leia mais

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas ENQUADRAMENTO DO CURSO As escolas são estabelecimentos aos quais está confiada uma missão de serviço público, que consiste em dotar todos e cada um dos

Leia mais

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia Mário Pinto Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia 1. O funcionamento da organização sindical portuguesa é muito frequentemente qualificado de deficiente. Excluindo afirmações de circunstância,

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas Visita de estudo Geografia Conhecer o funcionamento de uma unidade industrial; Reconhecer a importância da atividade industrial na economia. Geografia e Alunos do 9º Ano Unidade Industrial 2ºPeríodo Visita

Leia mais

Informe de Conclusiones

Informe de Conclusiones Informe de Conclusiones Área Temática: Formación de liderazgo y de las capacidades directivas para el fortalecimiento institucional en el ámbito público Coordinador: Rui Afonso Lucas * INTRODUÇÃO AO TEMA

Leia mais

Encontro Internacional Património Cultural, a Cortiça e os Museus, Seixal, 2 e 3 de Julho de 2010

Encontro Internacional Património Cultural, a Cortiça e os Museus, Seixal, 2 e 3 de Julho de 2010 A Fábrica do Inglês: reabilitação do património industrial corticeiro Encontro Internacional Património Cultural, a Cortiça e os Museus, Seixal, 2 e 3 de Julho de 2010 Sumário: O Museu da Cortiça da Fábrica

Leia mais

JORGE BORGES DE MACEDO (1921-1996) Por Álvaro Costa de Matos 1. 1. Bibliografia activa essencial

JORGE BORGES DE MACEDO (1921-1996) Por Álvaro Costa de Matos 1. 1. Bibliografia activa essencial JORGE BORGES DE MACEDO (1921-1996) Por Álvaro Costa de Matos 1 1. Bibliografia activa essencial É vastíssima a obra de Jorge Borges de Macedo. Ao todo engloba aproximadamente 400 títulos, ou talvez mais

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro?

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Vive-se um tempo de descrédito, generalizado, relativamente às soluções urbanísticas encontradas para o crescimento

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE O Ministério do Ambiente tem o prazer de convidar V. Exa. para o Seminário sobre Novos Hábitos Sustentáveis, inserido na Semana Nacional do Ambiente que terá

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÉTICA, DEONTOLOGIA E LEGISLAÇÃO Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÉTICA, DEONTOLOGIA E LEGISLAÇÃO Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular ÉTICA, DEONTOLOGIA E LEGISLAÇÃO Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Arquitectura 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular

Leia mais

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas.

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas. Doc 5. Proposta de Projecto de Lei Sobre a Profissão, a Prática e a Formação do Urbanista A necessidade de implementar uma política consistente de Ordenamento do Território e Urbanismo, tem determinado

Leia mais

(Só faz fé a versão proferida)

(Só faz fé a versão proferida) Exmo. Senhor Presidente do Centro Desportivo e Cultural de Londres, Exmo. Senhor Embaixador, Exmo. Senhor Cônsul Geral, Exmo. Senhor Adido Social, Exmo. Senhor Conselheiro das Comunidades Madeirenses,

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL

PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL As «Honras do Pantheon», tributárias da Revolução Francesa, tiveram entre nós consagração legislativa em Decreto Régio de 25 de

Leia mais

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão Identificação da Ação Proposta Área do Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas Área Temática:

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL

CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL Pág. 1 de9 CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL Gestão do Turismo nos Sítios com Significado Patrimonial 1999 Adoptada pelo ICOMOS na 12.ª Assembleia Geral no México, em Outubro de 1999 Tradução por

Leia mais

ESPAÇOS E ACTORES DA CIÊNCIA EM PORTUGAL (XVIII-XX)

ESPAÇOS E ACTORES DA CIÊNCIA EM PORTUGAL (XVIII-XX) ESPAÇOS E ACTORES DA CIÊNCIA EM PORTUGAL (XVIII-XX) C O O R D E N A Ç ÃO Maria Fernanda Rollo Maria de Fátima Nunes Madalena Esperança Pina Maria Inês Queiroz SUMÁRIO INTRODUÇÃO 7 ESPAÇOS E ACTORES: LUGARES

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

O ENOTURISMO. Conceito:

O ENOTURISMO. Conceito: Conceito: O conceito de enoturismo ainda está em formação e, a todo o momento, vão surgindo novos contributos; Tradicionalmente, o enoturismo consiste na visita a vinhas, estabelecimentos vinícolas, festivais

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO DOS PRODUTOS TRADICIONAIS PORTUGUESES

IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO DOS PRODUTOS TRADICIONAIS PORTUGUESES IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO DOS PRODUTOS TRADICIONAIS PORTUGUESES A valorização comercial dos produtos agrícolas e dos géneros alimentícios que, ou pela sua origem ou pelos seus modos particulares

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO

SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO As coisas importantes nunca devem ficar à mercê das coisas menos importantes Goethe Breve Evolução Histórica e Legislativa da Segurança e Saúde no Trabalho No

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

O estudo das Universidades da Terceira Idade, em Portugal, enquanto objecto de

O estudo das Universidades da Terceira Idade, em Portugal, enquanto objecto de O estudo das Universidades da Terceira Idade, em Portugal, enquanto objecto de análise sociológica na área da Sociologia da Educação, não tem sido uma prática comum, não o tendo sido tão-pouco noutras

Leia mais

Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação

Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação 3.1) Definição do problema Tendo como ponto de partida os considerandos enumerados na Introdução, concretamente: Os motivos de ordem pessoal: Experiência

Leia mais

Prefácio Prefácio Ao fim de uma década de seminários de investigação dedicados à apresentação de trabalhos empíricos e teóricos e à análise de temas específicos de educação matemática como a resolução

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados,

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Encontro-me hoje aqui para, em nome do Governo Regional da Madeira, apresentar a Vossas

Leia mais

I - Disposições gerais. Artigo 1.º Âmbito da cooperação

I - Disposições gerais. Artigo 1.º Âmbito da cooperação Decreto n.º 25/2002 Acordo de Cooperação na Área da Educação e Cultura entre a República Portuguesa e a Região Administrativa Especial de Macau da República Popular da China, assinado em Lisboa, em 29

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março As escolas superiores de enfermagem e de tecnologia da saúde são estabelecimentos de ensino politécnico dotados de personalidade jurídica e de

Leia mais

REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010 REGULAMENTO

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010

ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010 ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010 Por forma a melhor esclarecer os membros da OA quanto à posição e actuação da Ordem, nos últimos dois

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DIPLOMÁTICA DE PORTUGAL (MEDIEVAL E MODERNA) Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DIPLOMÁTICA DE PORTUGAL (MEDIEVAL E MODERNA) Ano Lectivo 2014/2015 UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DIPLOMÁTICA DE PORTUGAL (MEDIEVAL E MODERNA) Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª Recomenda ao Governo a definição de uma estratégia para o aprofundamento da cidadania e da participação democrática e política dos jovens A cidadania é, além de um

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender;

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender; Projecto Educativo - Projecto síntese de actividades/concepções e linha orientadora da acção educativa nas suas vertentes didáctico/pedagógica, ética e cultural documento destinado a assegurar a coerência

Leia mais

Antes de mais gostaria, Sr. Presidente, de desejar-lhe os maiores sucessos no exercício das suas funções, bem como ao jovem IX Governo Regional dos

Antes de mais gostaria, Sr. Presidente, de desejar-lhe os maiores sucessos no exercício das suas funções, bem como ao jovem IX Governo Regional dos Antes de mais gostaria, Sr. Presidente, de desejar-lhe os maiores sucessos no exercício das suas funções, bem como ao jovem IX Governo Regional dos Açores que agora inicia o seu mandato. Sr. Presidente,

Leia mais

Uma globalização consciente

Uma globalização consciente Uma globalização consciente O apelo a uma globalização mais ética tornou se uma necessidade. Actores da globalização como as escolas, devem inspirar por estes valores às responsabilidades que lhes são

Leia mais

- Reforma do Tesouro Público

- Reforma do Tesouro Público - Reforma do Tesouro Público Em Novembro de 1997 foram definidas as opções estratégicas do Ministério das Finanças para a adopção da moeda Única ao nível da Administração Financeira do Estado. Estas opções,

Leia mais

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa No próximo dia 12 de Junho, comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. O PETI e o Escritório da OIT Organização Internacional do Trabalho em

Leia mais

Decreto-Lei n.º 26/2012. de 6 de fevereiro

Decreto-Lei n.º 26/2012. de 6 de fevereiro Decreto-Lei n.º 26/2012 de 6 de fevereiro No âmbito do Compromisso Eficiência, o XIX Governo Constitucional determinou as linhas gerais do Plano de Redução e Melhoria da Administração Central (PREMAC).

Leia mais

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras Este breve texto é uma proposta de reflexão acerca de algumas das questões que, em meu entender, merecem destaque na situação actual do desenvolvimento

Leia mais

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA Karin Comerlatto da Rosa kcomerlattodarosa@yahoo.com.br Resumo: A história da Lapa está presente

Leia mais

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte A Educação na Constituinte de 1823 Cristiano de Jesus Ferronato 1 - PPG-UFPB O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte de 1823, e documentos contemporâneos ao período

Leia mais

MINIFÓRUM CULTURA 10. Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA

MINIFÓRUM CULTURA 10. Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA MINIFÓRUM CULTURA 10 Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA Orientação aprovada: Que a elaboração do Plano Municipal de Cultura considere

Leia mais

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Evocar hoje, dia 8 de Março de 2007, o Tratado que instituiu a Comunidade Económica Europeia, assinado em Roma há 50

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /XI

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /XI Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /XI RECOMENDA AO GOVERNO A SUSPENSÃO DE TODAS AS ACÇÕES RELATIVAS À TRANSFERÊNCIA DE MUSEUS E À CRIAÇÃO DE NOVOS MUSEUS NO EIXO AJUDA/BELÉM, ATÉ À ELABORAÇÃO

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO Prefácio A performance dos serviços públicos constitui um tema que interessa a todos os cidadãos em qualquer país. A eficiência, a quantidade e a qualidade dos bens e serviços produzidos pelos organismos

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

Código da Insolvência e Recuperação de Empresas Apresentação e discussão do anteprojecto

Código da Insolvência e Recuperação de Empresas Apresentação e discussão do anteprojecto Fórum Auditório da Reitoria da Universidade Nova 16 de Julho de 2003 Código da Insolvência e Recuperação de Empresas Apresentação e discussão do anteprojecto Discurso de Sua Excelência o Secretário de

Leia mais

Seminário A Qualidade nas Intervenções de Conservação, Reabilitação e Valorização das Casas Antigas

Seminário A Qualidade nas Intervenções de Conservação, Reabilitação e Valorização das Casas Antigas Seminário A Qualidade nas Intervenções de Conservação, Reabilitação e Valorização das Casas Antigas Data: Sábado, 14 de Novembro de 2009, 14h00 18h30 Local: Palácio dos Marqueses de Fronteira, em Lisboa

Leia mais

As E.P.E. S do Sector da Saúde:

As E.P.E. S do Sector da Saúde: As E.P.E. S do Sector da Saúde: A) O que são. B) A função que desempenham. C) O Sector Público de que não fazem parte. D) Onde estão integradas. E) Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas. F) Síntese.

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Assumar 26 e 27 de Abril de 2013 As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança João Emílio Alves ESE-IPP

Leia mais

UM SISTEMA DE QUALIFICAÇÃO PARA A REABILITAÇÃO DO EDIFICADO E DO PATRIMÓNIO. Vítor Cóias

UM SISTEMA DE QUALIFICAÇÃO PARA A REABILITAÇÃO DO EDIFICADO E DO PATRIMÓNIO. Vítor Cóias UM SISTEMA DE QUALIFICAÇÃO PARA A REABILITAÇÃO DO EDIFICADO E DO PATRIMÓNIO Vítor Cóias De actividade subsidiária do sector da construção, a reabilitação do edificado e da infra-estrutura construída, isto

Leia mais

Do (re)conhecimento à salvaguarda e valorização do património corticeiro em Portugal: o Núcleo da Mundet do Ecomuseu Municipal do Seixal

Do (re)conhecimento à salvaguarda e valorização do património corticeiro em Portugal: o Núcleo da Mundet do Ecomuseu Municipal do Seixal Encontro internacional PATRIMÓNIO CULTURAL, A CORTIÇA E OS MUSEUS Auditório Municipal Fórum Cultural do Seixal 2-3 Julho 2010 Do (re)conhecimento à salvaguarda e valorização do património corticeiro em

Leia mais

A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um

A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um CARTA DA QUALIDADE DA HABITAÇÃO COOPERATIVA Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um instrumento de promoção, afirmação e divulgação, junto

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando o seu compromisso com a plena realização dos direitos humanos e das liberdades fundamentais proclamadas na Declaração

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA CULTURA PORTUGUESA Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA CULTURA PORTUGUESA Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA CULTURA PORTUGUESA Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão de Recursos Humanos 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL Intervenção de Sua Excelência o Presidente da República Portuguesa na Comissão Económica para a América Latina e Caraíbas - CEPAL Santiago do Chile, 7 de Novembro de 2007 Senhor Secretário Executivo da

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais

Expansão, qualidade e eficiência do Ensino Superior em Moçambique

Expansão, qualidade e eficiência do Ensino Superior em Moçambique A Gestão Académica como determinante da Qualidade de Ensino Rodrigues, M.A.F 1. e Cassy, B 2 e-mail: malexa.rodrigues@gmail.com; bhangy.cassy@unizambeze.ac.mz Palavras-Chave: gestão académica, qualidade

Leia mais

ES C O L A S U PERI O R A G RÁ RI A

ES C O L A S U PERI O R A G RÁ RI A Licenciatura em Ecoturismo Ref.ª : 1822006 Ano lectivo: 2012-13 DESCRITOR DA UNIDADE CURRICULAR HISTÓRIA E PATRIMÓNIO CULTURAL HISTORY AND CULTURAL HERITAGE 1. Unidade Curricular: 1.1 Área científica:

Leia mais

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer interpretativo da ERSE (ao abrigo do artigo 290.º do Regulamento de Relações Comerciais) Julho de 2005 ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer

Leia mais

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico, Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, Lote 6, 1050-124 Lisboa Tel. 211 140 200 Fax. 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL.

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 309 CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. Artigo 9.º (Tarefas fundamentais do Estado) São tarefas fundamentais do Estado:. a) Garantir a independência

Leia mais

Colecções fotográficas da Biblioteca de Arte: políticas de acesso e difusão

Colecções fotográficas da Biblioteca de Arte: políticas de acesso e difusão Disponibilizar informação na Web : problemáticas e desafios Porto, CPF, 30 Outubro 2007 Colecções fotográficas da Biblioteca de Arte: políticas de acesso e difusão Fundação Calouste Gulbenkian- Biblioteca

Leia mais

Decreto n.º 22/95 Acordo de Cooperação Cultural e Científica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Federação da Rússia

Decreto n.º 22/95 Acordo de Cooperação Cultural e Científica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Federação da Rússia Decreto n.º 22/95 Acordo de Cooperação Cultural e Científica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Federação da Rússia Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Iade Instituto De Artes Visuais,

Leia mais

5ª Edição do Projeto "Energia com vida"

5ª Edição do Projeto Energia com vida 5ª Edição do Projeto "Energia com vida" Maria Isabel Junceiro Agrupamento de Escolas de Marvão No presente ano letivo 2014-15, quatro turmas do Agrupamento de Escolas do Concelho de Marvão (8º e 9º anos),

Leia mais

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Em primeiro lugar gostaria de expressar o meu agradecimento

Leia mais

Conselho de Ministros

Conselho de Ministros República & Moçambique Conselho de Ministros Decreto n." 12001 A Lei n." 20/97, de 01 de Outubro, estabelece no seu artigo 18, que todas as actividades que a data da entrada em vigor da Lei do Ambiente,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA DIRECÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA GRUPO DE TRABALHO PARA AS COMEMORAÇÕES MUNICIPAIS DO CENTENÁRIO DA REPÚBLICA PLANO DE ACTIVIDADES (2010) Lisboa, Dezembro de 2009 1 Comemorações

Leia mais

nossa vida mundo mais vasto

nossa vida mundo mais vasto Mudar o Mundo Mudar o Mundo O mundo começa aqui, na nossa vida, na nossa experiência de vida. Propomos descobrir um mundo mais vasto, Propomos mudar o mundo com um projecto que criou outros projectos,

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO

SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO Nível de Ensino/Faixa Etária: 8º e 9º anos do Ensino Fundamental, e todas as séries do Ensino Médio Áreas Conexas: História, Geografia, Sociologia, Ciências Consultor: Rafael

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de 4º ano Ano Letivo 2015/2016 ESTUDO DO MEIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de 4º ano Ano Letivo 2015/2016 ESTUDO DO MEIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de 4º ano Ano Letivo 2015/2016 1.º Período ESTUDO DO MEIO Domínios Subdomínios Metas finais Conteúdos programáticos Avaliação natural

Leia mais

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS lano de Activida e es Orçamento PPI 2012 À INTRODUCÃO Para cumprimento do disposto na alínea a) do n 2 do artigo 34 da lei n 169/99 de 18 de Setembro, na redacção que lhe

Leia mais

III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas

III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas Começo por cumprimentar os membros deste painel, Professor João Carvalho das Neves,

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais