Manual de Gestão das Metas Mobilizadoras. Versão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Gestão das Metas Mobilizadoras. Versão 2.1 2011"

Transcrição

1 Manual de Gestão das Metas Mobilizadoras Versão

2 Manual de Gestão das Metas Mobilizadoras Versão Brasília / DF 2011

3 Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Diretoria Executiva do Sebrae Diretor- Presidente Luiz Eduardo Pereira Barretto Filho Diretor Técnico Carlos Alberto dos Santos Diretor de Administração e Finanças José Claudio dos Santos Gerente da Unidade de Gestão Estratégica Francisco José Cesarino Elaboração e Coordenação Elizis Maria de Faria Murilo Terra Revisão Elizis Maria de Faria Equipe Técnica Elizis Maria de Faria Gustavo Angelim Jefferson Silva Kleyson Musso Leonardo Mattar Mario Lúcio Ávila Murilo Terra Renata Barbosa Duarte Rosana Carla SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SGAS 604/605 Módulos 30 e 31 Asa Sul Brasília DF CEP Fone: (61) Fax: (61)

4 Principais Alterações da Versão Esta versão apresenta as metas mobilizadoras para o biênio As principais alterações, em relação à versão de 2010 são as seguintes: Suprimida a meta de ampliação do percentual de projetos com foco no mercado; Substituída a meta Ampliar o número de empresas atendidas pelo Programa Sebrae de Empresas Avançadas pela meta Ampliar o número de pequenas empresas atendidas pelo Sistema Sebrae ; O número de metas passou de 6 para 5; Para as metas 1 (empresas atendidas), 3 (inovação) e 4 (pequenas empresas) contarão os empreendimentos formais com o número do CNPJ preenchido, obrigatoriamente, no sistema de atendimento, além de artesãos, ambulantes, autônomos e produtores rurais com registros próprios, cujo campo Legalizado esteja marcado com Sim ; Os empreendimentos de pequeno porte, que contarão para a meta 4, serão considerados a partir da classificação de porte da empresa, de acordo com a faixa de faturamento no ano, escolhida, obrigatoriamente, no cadastro geral da empresa no sistema de atendimento (entre R$ ,00 e R$ ,00); Contempla a nova data de fechamento dos dados de atendimento, de acordo com a Instrução Normativa nº 37, que passou para o dia 7 de cada mês.

5

6 Sumário Introdução 9 1. Vinculação das Metas Mobilizadoras com o Mapa Estratégico do 11 Sistema Sebrae 1.1 Objetivo das metas Cadeia de Impactos das Metas Mobilizadoras no Mapa Estratégico Responsabilidades e Fluxo de Monitoramento das Metas Mobilizadoras Monitoramento e Avaliação das Metas Meta 1 Ampliar o número de empresas atendidas pelo Sistema Sebrae Meta 2 Contribuir para a formalização de empreendedores individuais Meta 3 Ampliar a quantidade de empresas atendidas pelo Sebrae 33 com soluções específicas de inovação 2.4 Meta 4 Ampliar o número de pequenas empresas atendidas pelo 43 Sistema Sebrae 2.5 Meta 5 Contribuir para a ampliação do número de municípios com a 49 Lei Geral regulamentada Anexo I Quadro Resumo do Registro das Metas Mobilizadoras no Siacweb 54 Anexo II Caderno de Indicadores das Metas 55

7 6 SEBRAE / 2011 Unidade de Gestão Estratégica - uge

8 7 MANUAL DE GESTÃO DAS METAS MOBILIZADORAS VERSÃO Manual de Gestão das Metas Mobilizadoras Este manual tem como objetivo orientar a atuação do Sistema SEBRAE e parceiros na obtenção dos resultados contratualizados. Esse esforço busca impactar positivamente no desempenho dos indicadores de formalização da economia e de competitividade dos pequenos negócios. Para a instituição, é uma oportunidade de explicitar o alcance da estratégia adotada pelo Sistema SEBRAE, dentro dos princípios de transparência e mensuração de resultados. Apresentação As metas mobilizadoras possibilitam ajustes nos esforços empregados e monitoramento constante. Com isso, permitem uma maior qualidade e dinamismo de nossa atuação, além de facilitar o processo decisório de nossa empresa. Bom trabalho e sucesso a todos! Carlos Alberto dos Santos Diretor Técnico do Sebrae

9 8 SEBRAE / 2011 Unidade de Gestão Estratégica - uge

10 9 MANUAL DE GESTÃO DAS METAS MOBILIZADORAS VERSÃO Manual de Gestão das Metas Mobilizadoras Introdução As metas mobilizadoras são o resultado de um esforço conjunto que envolveu participantes das UGE dos SEBRAE/UF e SEBRAE/NA. Elas surgiram em uma das reuniões das UGE do Sistema SEBRAE durante a Semana de Capacitação que ocorreu entre 15 a 19 de junho de Nessa ocasião, os participantes trabalharam em grupos para responder a questão: como aperfeiçoar a gestão da estratégia? Entre as propostas formuladas estava a definição de metas mobilizadoras nacionais que expressassem o foco de atuação do Sistema SEBRAE. Passada a Semana de Capacitação, reuniu-se o Comitê de Planejamento nos dias 2 e 3 de julho de 2009 para debater o assunto e sugerir alternativas. Em seguida, foram realizadas reuniões com alguns gerentes do SEBRAE/NA para elaborar a versão final e submeter à aprovação da DIREX/ NA. Com algumas modificações indicadas pela própria Diretoria Executiva, as Metas Mobilizadoras foram aprovadas em 04 de agosto de 2009, conforme resolução DIREX nº 1517/09. Este manual consolida os conceitos, processos e procedimentos para o monitoramento e avaliação das Metas Mobilizadoras. Seu conteúdo está assim estruturado: Capítulo I aborda a vinculação das Metas Mobilizadoras com os princípios do Mapa Estratégico do Sistema Sebrae; o Capítulo II trata da operacionalização de cada meta, programas e produtos envolvidos e das etapas de monitoramento e avaliação das Metas Mobilizadoras; o Anexo I apresenta um Quadro Resumo dos Registros das Metas no Siacweb; e o Anexo II reproduz o Caderno de Indicadores das Metas Mobilizadoras do Sistema Sebrae. É importante destacar que este documento é um instrumento para orientar os envolvidos no alcance das metas e deve ser dinâmico, incorporando novos procedimentos e métodos, na medida em que a prática da busca por resultados assim o indicar. Este Manual, em sintonia com o Direcionamento Estratégico do Sistema , representa uma das etapas da Metodologia de Análise da Estratégia do Sistema Sebrae. O processo de Monitoramento e Avaliação das Metas Mobilizadoras objetiva o alcance, dentre outros, dos seguintes resultados: Ser um instrumento de comunicação da estratégia e motivação para o alcance das Metas Mobilizadoras para todo o Sistema Sebrae; Orientar a elaboração da estratégia de atuação para o alcance das Metas Mobilizadoras; Orientar a Gestão e Monitoramento da evolução das Metas Mobilizadoras por meio de indicadores claramente definidos; Ser um instrumento de apoio a alta administração na tomada de decisão e correção de rumos; Explicitar a relação de causa e efeito com os Objetivos Estratégicos. As Unidades de Gestão Estratégica são responsáveis por interagir com as outras Unidades para identificar dificuldades, gargalos e soluções para o alcance das metas, além de propor e acompanhar medidas de gestão.

11

12 11 MANUAL DE GESTÃO DAS METAS MOBILIZADORAS VERSÃO Manual de Gestão das Metas Mobilizadoras 1.1 Objetivo das Metas Mobilizadoras 1 Vinculação das Metas Mobilizadoras com o Mapa Estratégico do Sistema Sebrae As metas mobilizadoras têm por finalidade especificar, quantificar, indicar o foco, as áreas e projetos prioritários que todos os colaboradores, dirigentes e parceiros do Sistema SEBRAE concentrarão seus esforços no período para atingir os Objetivos Estratégicos. 1.2 Cadeia de Impactos das Metas Mobilizadoras no Mapa Estratégico A Gestão da Estratégia é fazer com que a estratégia da empresa seja executada, acompanhada, analisada e realinhada de forma sistemática por um processo eficaz, utilizando-se de reuniões com o foco na tomada de decisão, tendo como ponto central a estratégia da empresa. A implementação de um projeto, a aplicação de um produto e a prestação de um serviço, focados no alcance das Metas Mobilizadoras, impulsionam uma cadeia de recursos, ações e resultados em direção às Micro e Pequenas Empresas. Classificando os indicadores do Painel Estratégico do Sistema SEBRAE temos as seguintes categorias: Indicadores de Programas e Projetos: são os indicadores vinculados aos Programas e Projetos desenvolvidos pelo SEBRAE, com foco nos resultados para os respectivos

13 12 SEBRAE / 2011 Unidade de Gestão Estratégica - uge públicos-alvo, conforme definido no Manual de Elaboração e Gestão de Projetos Orientados para Resultados. Indicadores de Desempenho do SEBRAE: são os indicadores vinculados aos Objetivos Estratégicos, que medem o impacto das ações do SEBRAE no público-alvo. As Metas Mobilizadoras serão utilizadas para medir e sinalizar o alcance dos resultados associados aos objetivos estratégicos. Indicadores de Resultados Institucionais: são os indicadores de desempenho do SEBRAE vinculados aos Objetivos Estratégicos das perspectivas Missão e Partes Interessadas. Indicadores da MPE e do seu ambiente: são os indicadores que medem o desempenho da MPE no seu ambiente e, também, os fatores desse ambiente que afetam o desenvolvimento dos pequenos negócios. Esses indicadores subsidiam e complementam a avaliação dos resultados do SEBRAE e orientam a formulação de políticas estratégias para a sua atuação. Isso sem deixar de considerar a influência de: (1) fatores do contexto externo e (2) fatores internos ao público-alvo que podem influir na própria execução das ações, com reflexo nos resultados finalísticos e intermediários almejados e impactos nos resultados institucionais. A figura a seguir mostra a cadeia de impactos da execução dos Programas e Projetos, refletindo nos Objetivos Estratégicos e na Missão do SEBRAE e impactando no ambiente e na própria MPE. Figura 1 Cadeia de Impactos Programas e Projetos Resultados Finalísticos e Intermediários Objetivos Estratégicos Indicadores de Desempenho do Sebrae e Metas Mobilizadoras Missão Resultados Institucionais Indicadores da MPE e do seu Ambiente Impactos para as MPE O Mapa Estratégico do Sistema Sebrae tem a visão de futuro do negócio posicionada no topo, que é a direção mestra para os objetivos estratégicos organizacionais em quatro perspectivas: Cumprimento da Missão, Partes Interessadas, Processos e Pessoas, Organização e Tecnologias. Os objetivos estão agrupados no Mapa, conforme o Tema Estratégico ao qual contribuem, representando o foco e os pontos relevantes da estratégia no contexto do negócio. Para facilitar a visualização da abrangência das Metas Mobilizadoras no Mapa Estratégico, sinalizamos os objetivos estratégicos vinculados às metas.

14 Figura 2 Mapa Estratégico do Sistema SEBRAE e as Metas Mobilizadoras TER EXCELÊNCIA NO DESENVOLVIMENTO DAS MPE, CONTRIBUINDO PARA A CONSTRUÇÃO DE UM BRASIL MAIS JUSTO, COMPETITIVO E SUSTENTÁVEL CUMPRIMENTO DA MISSÃO M1 Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável das MPE M2 Fomentar o empreendedorismo PARTES INTERESSADAS MPE E EMPREENDEDORES O QUE O SEBRAE OFERECE ÀS PARTES INTERESSADAS: SOCIEDADE C1 Ser reconhecido como líder na articulação e gestão de iniciativas que elevem a compatibilidade das MPE e fomentem o Empreendedorismo - Conhecimento sobre o ambiente e o negócio da MPE - Incentivo à Inovação - Articulação - Estímulo à Cooperação - Acessibilidade - Comprometimento com o clientes - Credibilidade - Transparência - Competência técnica dos profissionais - Gestão com foco em resultados C2 Ser reconhecido como importante instituição indutora do desenvolvimento do pais PROCESSOS AMBIENTE DA EMPRESA: SOLUÇÕES PARA AS MPE E EMPREENDEDORES (INDIVIDUAL E COLETIVAMENTE) INOVAÇÃO COOPERAÇÃO COOPERAÇÃO MERCADO GESTÃO VISIBILIDADE INSTITUCIONAL E IMAGEM SEBRAE P1 Promover a inovação nas MPE P2 Fortalecer a cooperação entre as MPE P2 Fortalecer a cooperação entre as MPE P3 Potencializar a conquista e ampliação de mercados P4 Orientar e capacitar em gestão, tecnologia e processos P5 Ampliar a visibilidade institucional e fortalecer a imagem do Sebrae P6 Ter excelência e transparência na aplicação dos recursos AMBIENTE EXTERNO: VIABILIZADORES DO DESENVOLVIMENTO MPE E EMPREENDEDORES EMPREENDEDORISMO REDE DE PARCEIROS DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SERVIÇOS FINANCEIROS AMBIENTE LEGAL P7 Promover a cultura do empreendedorismo P8 Articular e fortalecer redes de parceiros em prol das MPE P9 Contribuir para o desenvolvimento territorial e de sistemas produtivos locais, com foco nas MPE P10 Estimular a ampliação do acesso a serviços financeiros P11 Articular, propor e apoiar a implementação de políticas públicas GESTÃO INTEGRADA DO SISTEMA SEBRAE P12 Ter excelência em gestão focada em resultados P13 Fortalecer mecanismos que potencializem a atuação integrada do Sistema PESSOAS, ORGANIZAÇÃO E TECNOLOGIA A1 Desenvolver competências e reter talentos internos e externos A2 Ter um ambiente de trabalho integrado, que promova a cultura de resultados e a qualidade de vida A3 Desenvolver e implantar a gestão do conhecimento sobre e para as MPE A4 Aprimorar a utilização das tecnologias de informação e comunicação para dinamizar a gestão do Sistema Sebrae e o atendimento ao público externo

15 14 SEBRAE / 2011 Unidade de Gestão Estratégica - uge A tabela abaixo apresenta um resumo das metas para os anos de 2011 a 2012 e a vinculação com os objetivos estratégicos. Tabela 1 Vinculação dos Objetivos Estratégicos x Metas Mobilizadoras Meta Mobilizadora Indicador Metas Objetivo Estratégico Vinculado Meta 1 Ampliar o número de empresas atendidas pelo Sistema Sebrae Meta 2 Contribuir para a formalização de empreendedores individuais Meta 3 Ampliar a quantidade de empresas atendidas pelo Sebrae com soluções específicas de inovação Meta 4 Ampliar o número de pequenas empresas atendidas pelo Sistema Sebrae Meta 5 Contribuir para a ampliação do número de municípios com a Lei Geral regulamentada Número de MPE atendidas e registradas no Siacweb Número de empreendedores individuais formalizados Número de empresas atendidas pelo SEBRAE com soluções específicas de inovação Número de pequenas empresas atendidas pelo Sistema Sebrae e registradas no Siacweb Número de municípios com a Lei Geral regulamentada A3 Desenvolver e implantar a gestão do conhecimento sobre e para as MPE P7 Promover a cultura do empreendedorismo P1 Promover a inovação nas MPE P4 Orientar e capacitar em gestão, tecnologia e processos P11 Articular, propor e apoiar a implementação de políticas públicas

16 15 MANUAL DE GESTÃO DAS METAS MOBILIZADORAS VERSÃO Manual de Gestão das Metas Mobilizadoras 1.3 Responsabilidades e Fluxo de Monitoramento das Metas Mobilizadoras 1 Vinculação das Metas Mobilizadoras com o Mapa Estratégico do Sistema Sebrae Tabela 2 Matriz de Responsabilidades das Metas Mobilizadoras Responsável Interlocutores nas Unidades do Nacional Responsabilidade Definir estratégias para o alcance da meta, articular e gerenciar ações junto aos SEBRAE/ UF e demais envolvidos. Coletar informações junto aos SEBRAE/UF, consolidar, analisar, acompanhar ações definidas, reportar pontos de atenção e propor medidas de gestão Núcleo de Monitoramento e Avaliação do Desempenho UGE Consolidar informações de todas as metas, analisar e divulgar os números. Núcleo de Integração e Alinhamento UGE (1 interlocutor por meta) Elaborar relatório sobre o alcance das metas e as estratégias construídas; identificar e reportar riscos, em conjunto com o responsável técnico da área gestora

17 16 SEBRAE / 2011 Unidade de Gestão Estratégica - uge O Fluxo de Monitoramento das Metas Mobilizadoras é parte integrante do processo de decisão e gestão da estratégia do Sebrae e será executado conforme a figura a seguir: Figura 3 Fluxo de Monitoramento das Metas Mobilizadoras UGE acompanha e apóia o processo (1 interlocutor por meta) SEBRAE/UF Responsável Técnico pela Meta UGE UGE UMC Envia dados para o Sebrae Nacional Disponibiliza os dados Consolida e analisa as informações Envia relatório com realização e análise para Direx Divulga Até o dia 7 do mês subsequente Até o dia 8 do mês subsequente Até o dia 12 Até o dia 15 Até o dia 15 Em linhas gerais, o ponto de partida é a disponibilização dos dados das metas pelos Estados nos sistemas de atendimento, até o 7º dia do mês subsequente, em relação às metas 1, 3 e 4. As UGE Locais e as Unidades Locais gestoras dos Sistemas de Atendimento são as responsáveis pela disponibilização dos dados no Cadastro Nacional de Clientes e Atendimentos. Há fluxos específicos para as metas 2 e 5 que estão explicitados nos itens dedicados a cada meta. A carga com os dados para emissão dos relatórios mensais das metas 1, 3 e 4, no SME, será realizada, impreterivelmente, no dia 8 do mês subsequente. Após a consolidação, análise e avaliação das informações, até o dia 12 do mês subsequente, pela UGE Nacional, ocorre a divulgação dos números até o 15º dia do mês, bem como a entrega de relatório da realização e análise de cada meta para a Direx Nacional.

18 17 MANUAL DE GESTÃO DAS METAS MOBILIZADORAS VERSÃO

19

20 19 MANUAL DE GESTÃO DAS METAS MOBILIZADORAS VERSÃO Manual de Gestão das Metas Mobilizadoras 2 Monitoramento e Avaliação das Metas Mobilizadoras Figura 4 Ciclo PDCA O monitoramento e a avaliação faz parte do ciclo PDCA (em inglês Plan, Do, Check e Action), que é um ciclo de desenvolvimento, com foco na análise e melhoria contínua. Esta ferramenta é de fundamental importância para a análise e melhoria dos processos organizacionais e para a eficácia do trabalho em equipe e é recomendada para o processo de gestão das metas mobilizadoras. A representação gráfica dessa ferramenta é apresentada ao lado (Figura 4): No caso do processo de gestão das metas mobilizadoras, o ciclo deve contemplar: Planejar (PLAN) A partir da definição das metas, estabelecer o plano de ação para alcançá-las. Executar (DO) Executar as tarefas como foi previsto na etapa de planejamento; Coletar dados que serão utilizados na próxima etapa de verificação do processo; Nesta etapa são essenciais a educação e o treinamento. Verificar, checar (CHECK) Verificar se o executado está conforme o planejado, ou seja, se a meta foi alcançada, de acordo com o plano de ação definido; Identificar os desvios na meta. Agir corretivamente (ACTION) Caso sejam identificados desvios, é necessário definir e implementar soluções que eliminem as suas causas; Caso não sejam identificados desvios, é possível realizar um trabalho preventivo, identificando quais desvios são passíveis de ocorrer no futuro, suas causas, soluções etc. A seguir são apresentadas as metas mobilizadoras, com informações relevantes sobre o objetivo, cálculo das estimativas, regras para aferição, responsabilidades e as principais linhas de ação para o alcance de cada meta.

21

22 21 MANUAL DE GESTÃO DAS METAS MOBILIZADORAS VERSÃO Manual de Gestão das Metas Mobilizadoras Monitoramento e Avaliação das Metas Mobilizadoras Meta 1: Ampliar o número de empresas atendidas pelo Sistema Sebrae Objetivo da meta Ampliar a cobertura de atuação do SEBRAE junto ao universo das MPE e atingir 100% de cadastramento das empresas atendidas pelo SEBRAE, gerando dados confiáveis de relacionamento do SEBRAE com seus clientes, que permitirão: Prestação de contas aos órgãos de controle e auditoria no que diz respeito à realização física do Sistema SEBRAE; Dimensionamento do esforço de atendimento do SEBRAE, e recursos aplicados, subsidiando o planejamento, ajustes e criação de novas estratégias de atendimento. Desenvolvimento de um Sistema de Relacionamento e fidelização para um atendimento continuado à MPE brasileira Cálculo das estimativas Para estimativa do universo das MPE no período , calculou-se a taxa de crescimento do número de MPE optantes pelo Simples entre julho/08 e julho/09: 9,3%; Aplicou-se essa taxa para os anos de , obtendo-se a estimativa do número de empresas por estado; O número de MPE atendidas por UF foi calculado considerando-se a participação do estado no total do Brasil em Essa participação foi mantida para o triênio ; Na construção do PPA , a proposta de meta para o Sistema Sebrae sofreu alterações. A meta consolidada, em 2011, passou de para e, em 2012, o número passou de para

23 22 SEBRAE / 2011 Unidade de Gestão Estratégica - uge Tabela 3 Base de Cálculo da Estimativa para Fixação da Meta UF Universo de MPE Metas propostas Metas aprovadas pelas UF AC AL AM AP BA CE DF ES GO MA MG MS MT PA PB PE PI PR RJ RN RO RR RS SC SE SP TO Brasil Fonte: Secretaria da Receita Federal, 31/07/2008, 31/07/2009 e 05/07/2010

24 23 MANUAL DE GESTÃO DAS METAS MOBILIZADORAS VERSÃO Cálculo da meta MPE atendidas e registradas pelo Sistema Sebrae no exercício Regras para aferição da meta Contam para a meta todos os empreendimentos formais atendidos e registrados no Cadastro Nacional de Clientes e Atendimentos, durante o ano corrente. Consideram-se empreendimentos formais todos aqueles voltados à exploração de determinado negócio e que possuam, obrigatoriamente, CNPJ preenchido no sistema de atendimento, além de artesãos, vendedores ambulantes, produtores rurais e outros empreendimentos que tenham registros próprios de sua atividade, cujo campo Legalizado esteja marcado com Sim. No Siacweb, esses empreendimentos são classificados como: Associações ou sindicato Cooperativa Empreendedor Individual Empresário Individual Outras organizações privadas Sociedade empresarial Ambulante Artesão Autônomo Produtor Rural A contagem é feita por empreendimento, não sendo computada a quantidade de atendimentos no período e sendo desconsiderada a data do cadastro do empreendimento no sistema de atendimento. Sendo assim, o mesmo empreendimento será contabilizado uma única vez; A contabilização da meta é realizada considerando a data de conclusão do(s) atendimento(s); A fonte de dados é o Cadastro Nacional de Clientes e Atendimentos, base que é alimentada pela Siacweb e os demais sistemas de atendimento do Sistema Sebrae. Deve-se observar: Os atendimentos realizados por parceiros no âmbito de convênios de cooperação com o SEBRAE devem ser cadastrados. As empresas formais atendidas individualmente e/ou pela abordagem coletiva (projetos de atendimento coletivo/ setorial), devem ter o atendimento cadastrado. O registro independe do ano de início do projeto, devendo-se considerar o atendimento realizado no ano. Devem ser registrados os atendimentos presenciais ou à distância, por qualquer tipo de mídia/canal; Esta meta consolida os atendimentos realizados para todos os tipos de empresas formais que contam para as metas 3 (soluções de inovação e tecnologia) e 4 (pequenas empresas). O atendimento a empresas formais que não tenham, no momento do atendimento, como fornecer o CNPJ, não será contabilizado. Atenção: Não se trata só de novas empresas atendidas (cadastros inéditos). Empresas regularmente atendidas, se atendidas novamente no ano, também serão contabilizadas Responsabilidades e prazos Cabe às Unidades de Atendimento ou Unidades correspondentes nos SEBRAE/UF e às UGE Locais disponibilizar os números atualizados de empresas atendidas e registradas nos sistemas de atendimento para o Cadastro Nacional de Clientes e Atendimentos, até o dia 07 do mês subsequente; Cabe à UAI Nacional e às Unidades de Atendimento Coletivo analisar os números, adotar medidas de gestão para o alcance da meta, até o dia 08 do mês subsequente; Cabe à UGE Nacional consolidar os números, analisar, divulgar os dados e acompanhar as medidas de gestão, até o dia 12 do mês subsequente. Cabe à UGE Nacional e às UGE Locais serem as guardiãs do processo de comunicação das metas.

25 24 SEBRAE / 2011 Unidade de Gestão Estratégica - uge Processo UGE local e unidade Gestora do sistema de atendimento UAI/ NACIONAL UGE/ NACIONAL Disponibiliza os números para o Cadastro Nacional de Clientes e Atendimentos Analisa os números do relatório do SME e adota medidas de gestão Consolida, analisa e divulga os números da meta. Acompanha as medidas de gestão Vinculação com os Objetivos Estratégicos A meta está vinculada ao Objetivo A3 Desenvolver e implantar a gestão do conhecimento sobre e para as MPE Principais linhas de ação e/ou soluções para o alcance da meta Todas as formas de atendimento com o respectivo cadastro CNPJ/Formal contribuem para a meta 1. Como exemplos dos planos de ação para o alcance da meta, podemos citar: Projeto Negócio a Negócio - O objetivo do projeto é realizar o diagnóstico das empresas, apontando suas dificuldades e seus desafios, para posteriormente elaborar soluções de melhoria aos empreendimentos visitados. Pretende elevar a sustentabilidade das micro e pequenas empresas por meio da melhoria em gestão empresarial, apoio e desenvolvimento de ações para orientação continuada e ativa aos empreendedores individuais e microempresas, também vislumbrando a formalização dos mesmos. Atendimento via soluções consagradas, tais como: Empretec, Central de Relacionamento, Ensino à Distância, rede de pontos/postos de atendimento; etc; Cadastro de empresas via Portal Sebrae; Disponibilização do Siacweb, capacitação sobre o sistema e o modelo de atendimento para os parceiros do SEBRAE Outras Informações O Sistema Integrado de Atendimento ao Cliente (Siacweb) é a ferramenta oficial para registro efetivo de clientes e de atendimentos realizados no Sistema Sebrae. As informações documentadas no Siacweb integram o Cadastro Nacional de Clientes e Atendimentos, que alimenta os vários sistemas de informação da instituição. Desde 1999, o Sebrae trabalha pela evolução da plataforma Siacweb, que se tornou um dos principais sistemas em uso nos Estados. Atualmente é utilizado pelo Nacional e por 21 Unidades Estaduais. Os outros seis Estados, embora não utilizem o recurso, alimentam o Cadastro Nacional de Clientes e Atendimentos do Sebrae.

26

27

28 27 MANUAL DE GESTÃO DAS METAS MOBILIZADORAS VERSÃO Manual de Gestão das Metas Mobilizadoras Monitoramento e Avaliação das Metas Mobilizadoras Meta 2: Contribuir para a formalização de empreendedores individuais Objetivo da meta Prover condições para a formalização de pequenos empreendimentos individuais com a disponibilização de mecanismos que apóiem seu desenvolvimento, reduzindo a informalidade e promovendo a inclusão social Cálculo das estimativas As estimativas levaram em consideração a proporção de cada estado no universo de estabelecimentos informais. Na construção do PPA a proposta de meta para o Sistema Sebrae sofreu alterações. A meta consolidada, em 2011, passou de para e, em 2012, o número passou de para

29 28 SEBRAE / 2011 Unidade de Gestão Estratégica - uge Tabela 4 Base de cálculo da estimativa para a fixação da meta UF Nº Estabelecimentos Informais Metas propostas Metas aprovadas pelas UF AC AL AM AP BA CE DF ES GO MA MG MS MT PA PB PE PI PR RJ RN RO RR RS SC SE SP TO Brasil Fonte: IBGE. Pesquisa Economia Informal Urbana 2003

30 29 MANUAL DE GESTÃO DAS METAS MOBILIZADORAS VERSÃO Fórmula de cálculo de empreendedores individuais formalizados no exercício Regras para aferição da meta Contam para a meta os registros finalizados no Portal do Empreendedor, acessado de qualquer local, e as transformações de Microempresa (ME) para EI ocorridas no exercício; As fontes de dados são as bases de dados da Receita Federal Processo SERPRO UPP/ NACIONAL UAI e UPP/ NACIONAL UGE/ NACIONAL Disponibiliza as formalizações por município e UF Disponibiliza os números para a UAI e UGE/ Nacional Analisam e adotam medidas de gestão Consolida, analisa e divulga os números da meta. Acompanha as medidas de gestão Responsabilidades e prazos Cabe à UPP Nacional disponibilizar os números atualizados de formalizações do EI para a UAI Nacional e UGE Nacional, até o dia 07 do mês subsequente ou quando solicitado; Cabe à UAI Nacional analisar os números e liderar, em comum acordo com as demais Unidades de Atendimento Coletivo e Territorial, a adoção de medidas de gestão para o alcance da meta, imediatamente após a disponibilização dos dados pela UPP; Cabe à UGE Nacional consolidar os números, analisar, divulgar os dados e acompanhar as medidas de gestão, até o dia 12 do mês subsequente; Cabe à UGE Nacional e às UGE Locais serem as guardiãs do processo de comunicação das metas Vinculação com os Objetivos Estratégicos A meta está vinculada ao Objetivo P7 Promover a Cultura do Empreendedorismo Principais linhas de ação e/ou soluções para o alcance da meta Projeto Negócio a Negócio. O objetivo do projeto é realizar o diagnóstico das empresas, apontando suas dificuldades e seus desafios, para posteriormente elaborar soluções de melhoria aos empreendimentos visitados. Pretende elevar a sustentabilidade das micro e pequenas empresas por meio da melhoria em gestão empresarial, apoio e desenvolvimento de ações para orientação continuada e

A Inovação. como Fator de Desenvolvimento das MPEs. Luiz Carlos Barboza. Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional. 27 de outubro 2009

A Inovação. como Fator de Desenvolvimento das MPEs. Luiz Carlos Barboza. Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional. 27 de outubro 2009 A Inovação como Fator de Desenvolvimento das MPEs Luiz Carlos Barboza Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional 27 de outubro 2009 Ambiente Institucional Pro-inovaç inovação Fundos setoriais (16) estabilidade

Leia mais

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente SISTEMA SEBRAE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2022 1 2 2012 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO

20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO 20 12 RELATÓRIO DE GESTÃO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE NACIONAL RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 Brasília / 2012 2012. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE Brasília, 18 de maio de 2010. MPE? Conceituação Brasil REPRESENTATIVIDADE

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n.º

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL JUSTIFICATIVA A experiência na implementação da primeira versão do Programa Contabilizando o Sucesso

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

Soluções tecnológicas aplicadas a serviços laboratoriais no apoio aos pequenos negócios

Soluções tecnológicas aplicadas a serviços laboratoriais no apoio aos pequenos negócios Soluções tecnológicas aplicadas a serviços laboratoriais no apoio aos pequenos negócios Hulda O. Giesbrecht Enqualab 2013 Congresso da Qualidade em Metrologia São Paulo, 27 de agosto de 2013 Diretoria

Leia mais

Programa de Inovação. nas Pequenas Empresas ABINEE TEC 2009 ENITEE

Programa de Inovação. nas Pequenas Empresas ABINEE TEC 2009 ENITEE Programa de Inovação nas Pequenas Empresas ABINEE TEC 2009 ENITEE Inovação Competitividade Direcionamento do Sistema SEBRAE 2015 Promover a inovação nas MPE Incentivar a cultura de inovação nas MPE,buscando

Leia mais

MPE Micro e Pequenas Empresas - É POSSÍVEL INOVAR?

MPE Micro e Pequenas Empresas - É POSSÍVEL INOVAR? MPE Micro e Pequenas Empresas - É POSSÍVEL INOVAR? São Paulo 16 de abril de 2013 Missão do SEBRAE Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL

GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL Nº PROPOSTA UF e Nº Original da Proposta 01 Garantir os 20% das vagas, e a efetivação das condições de acesso e permanência AC/08 necessárias para pessoas

Leia mais

Anteprojeto de Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas

Anteprojeto de Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Avanços e Pontos para Reflexão Renato da Fonseca Secretário-Executivo do Conselho da Micro e Pequena Empresa da Confederação Nacional da Indústria Pontos para reflexão Por que devemos criar um regime especial

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional Desafio Fomentar o Uso do Poder de Compra do Governo Junto aos Pequenos Negócios para Induzir

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

A Inovação nas Micro e Pequenas Empresas. 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

A Inovação nas Micro e Pequenas Empresas. 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br A Inovação nas Micro e Pequenas Empresas O Brasileiro é Empreendedor Fonte:GEM 2010 O Brasileiro é Empreendedor Dados Oficiais Público-Alvo POTENCIAL do Sebrae 22,9 milhões de empreendedores 23% da PEA

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

Programas de Apoio à Exportação

Programas de Apoio à Exportação INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Programas de Apoio à Exportação ENCOMEX JARAGUÁ DO SUL Flávio Martins Pimentel Coordenação-Geral de Programas de Apoio à Exportação MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

UGE UNIDADE DE GESTÃO ESTRATÉGICA

UGE UNIDADE DE GESTÃO ESTRATÉGICA PLANO PLURIANUAL 2010 2012 Brasília, outubro de 2009. ESTRATÉGIA DE ATUAÇÃO DO SEBRAE/DF CENÁRIO DE RECURSOS DO SEBRAE/DF RESUMO DE RECEITA LIMITES ORÇAMENTÁRIOS RESUMO POR TIPOLOGIA CARTEIRA DE PROJETO

Leia mais

Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios.

Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios. Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios. Só assim é possível identificar oportunidades de melhorias

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Empresas de Pequeno Porte em Compras Governamentais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Empresas de Pequeno Porte em Compras Governamentais Benefícios para Micro Empresa e Empresas de Pequeno Porte em Compras Governamentais I) Objetivo Tópicos II) Avaliação da experiência do Governo Federal III) Principais Pontos da LC nº 123/2006 e do Decreto

Leia mais

1º Simpósio sobre Implantação Assistida de Programas de Avaliação da Conformidade

1º Simpósio sobre Implantação Assistida de Programas de Avaliação da Conformidade 1º Simpósio sobre Implantação Assistida de Programas de Avaliação da Conformidade Painel Parcerias A importância das parcerias entre instituições na implantação de normas e regulamentos Rio de Janeiro,

Leia mais

Estratégia de fortalecimento dos Pequenos Negócios Maria Aparecida Bogado

Estratégia de fortalecimento dos Pequenos Negócios Maria Aparecida Bogado Estratégia de fortalecimento dos Pequenos Negócios Maria Aparecida Bogado Consultor Sebrae Nacional PARCERIAS MPOG - Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão/SLTI CONSAD Conselho Nacional de Secretários

Leia mais

A agenda de inovação das micro e pequenas empresas e o desenvolvimento da cadeia de fornecedores

A agenda de inovação das micro e pequenas empresas e o desenvolvimento da cadeia de fornecedores A agenda de inovação das micro e pequenas empresas e o desenvolvimento da cadeia de fornecedores Reunião da Mobilização Empresarial pela Inovação São Paulo 05.11.2010 Micro e Pequenas Empresas no Brasil

Leia mais

Apoio do Sebrae em inovação e acesso à tecnologia para micro e pequena empresa

Apoio do Sebrae em inovação e acesso à tecnologia para micro e pequena empresa Audiência Pública Inmetro - Programa de Avaliação da Conformidade de Componentes de Bicicletas de Uso Adulto Apoio do Sebrae em inovação e acesso à tecnologia para micro e pequena empresa Ricardo Wargas

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados Sistema Indústria CNI 27 Federações de Indústrias 1.136 Sindicatos Associados 622.874 Indústrias SENAI SESI IEL 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57

Leia mais

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes?

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? Apresentação - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? 2 Importância dos Pequenos Negócios 52% dos empregos formais 40% da massa salarial 62%

Leia mais

Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE

Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE 1 Agradecimentos e reflexões iniciais 2 Normas e Sistema de Gestão Integrado 3 Modelo de Excelência na Gestão 4 Interfaces

Leia mais

PESQUISA SOBRE OS PRINCIPAIS TIPOS DE EMPREENDIMENTOS COLETIVOS E DE REDES DE EMPRESAS APOIADOS PELO SISTEMA SEBRAE

PESQUISA SOBRE OS PRINCIPAIS TIPOS DE EMPREENDIMENTOS COLETIVOS E DE REDES DE EMPRESAS APOIADOS PELO SISTEMA SEBRAE RELATÓRIO ANALÍTICO PESQUISA SOBRE OS PRINCIPAIS TIPOS DE EMPREENDIMENTOS COLETIVOS E DE REDES DE EMPRESAS APOIADOS PELO SISTEMA SEBRAE. Núcleo de Associativismo e de Agronegócios RedeCoop Unidade de Capacitação

Leia mais

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012.

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. PROPOSTA Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. 1 Apresentação No campo da Política Nacional de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais (APLs), o Grupo de Trabalho Permanente

Leia mais

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Marcos da Política de Combate à Pobreza Antecedentes: Assistência

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO ABLA

PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO ABLA PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO ABLA Programa Nacional de Capacitação e Qualificação ABLA Convênio nº 635/2007. Objeto: Aumentar a qualidade na prestação de serviços e competitividade dos

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Perfil das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação de Londrina e Região. Pedro José Granja Sella

Perfil das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação de Londrina e Região. Pedro José Granja Sella Perfil das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação de Londrina e Região Pedro José Granja Sella Objetivos Conhecer, em dados, o setor de Tecnologia da Informação e Comunicação da Região de Londrina;

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Santa Catarina - 20 de Novembro de 2010 IMPORTÂNCIA DA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS As MPEs correspondem à 98,81%* (CNE/IBGE 2009) das empresas

Leia mais

Resultados da atuação do Bradesco em APL s

Resultados da atuação do Bradesco em APL s Resultados da atuação do Bradesco em APL s Atuação do Bradesco em APL s Por Região NORDESTE 97 APL`S NORTE 48 APL`S CENTRO-OESTE 41 APL`S SUDESTE 102 APL`S SUL 40 APL`S Posição Setembro/2013 Atuação com

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL 2015 PROJETO BRA/11/023 Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas

Leia mais

PLANO BÁSICO DE ORGANIZAÇÃO ABRAPP - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

PLANO BÁSICO DE ORGANIZAÇÃO ABRAPP - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Aprovado na 135ª Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo, em 18 de dezembro de 2012 1 PLANO BÁSICO DE ORGANIZAÇÃO ABRAPP - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Aprovado

Leia mais

PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. SAUDE VAGAS: 08 (OITO)

PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. SAUDE VAGAS: 08 (OITO) PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. SAUDE VAGAS: 08 (OITO) Os currículos e as fichas de cadastro deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA FLORICULTURA BRASILEIRA

CARACTERIZAÇÃO DA FLORICULTURA BRASILEIRA Hoje a floricultura é um dos principais segmentos do agronegócio no Brasil. A qualidade das flores, a crescente competitividade e o crescimento do segmento são percebidos quando observa-se que muitos estados

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente Luiz Eduardo Pereira Barretto Filho

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente Luiz Eduardo Pereira Barretto Filho brasília-df 2012 2012. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação

Leia mais

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP DADOS JURÍDICOS O Instituto SAVIESA DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA é uma associação, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede no município de Vitória, Estado do Espírito Santo, à Rua

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA NACIONAL DE ESTRUTURAÇÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS (Documento base Câmara Temática de Regionalização) Brasília, 08.02.2013 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. DIRETRIZES...

Leia mais

Conjunto de Realização Busca de Oportunidades e Iniciativa Exigência de Qualidade e Eficiência Correr Riscos Calculados Persistência Comprometimento

Conjunto de Realização Busca de Oportunidades e Iniciativa Exigência de Qualidade e Eficiência Correr Riscos Calculados Persistência Comprometimento O que é? Seminário de 80 horas em sala, aplicado num período de 9 dias, em regime de imersão; Metodologia trabalha, através de vivências, 10 Características do Comportamento Empreendedor (CCEs), que compreendem

Leia mais

MTE - SPPE SECRETARIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO

MTE - SPPE SECRETARIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO Sistema Público de Emprego Trabalho e Renda (SPETR) O SPETR deve estruturar e integrar as seguintes funções/ações básicas e complementares: seguro-desemprego, intermediação de mão-de-obra, orientação profissional,

Leia mais

AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF

AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF Crédito Fundiário no combate a pobreza rural: Sustentabilidade e qualidade de vida 2011 PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO

Leia mais

A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012

A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012 A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012 BRASIL Série Estudos e Pesquisas A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE 2009 A 2012 Junho/2014 Estudos e Pesquisas

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 013/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO COMERCIAL E VENDAS Contatos Luiz Augusto Gonçalves

Leia mais

LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMO ESTÍMULO AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. 1º Encontro de Secretários de Indústria e Comércio de MT

LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMO ESTÍMULO AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. 1º Encontro de Secretários de Indústria e Comércio de MT LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMO ESTÍMULO AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1º Encontro de Secretários de Indústria e Comércio de MT Cuiabá, MT 16 de fevereiro de 2009 Desenvolvimento sustentável

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 SELEÇÃO E CREDENCIAMENTO DE PARCEIROS PARA OPERAÇÃO DESCENTRALIZADA DO PROGRAMA DE APOIO À PESQUISA EM EMPRESAS NA MODALIDADE SUBVENÇÃO A MICRO E PEQUENAS

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Rochester Gomes da Costa Departamento de Capital Semente 29 de outubro

Leia mais

Rede Brasileira de Produção mais Limpa

Rede Brasileira de Produção mais Limpa Rede Brasileira de Produção mais Limpa Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável SENAI Sistema FIERGS Rede Brasileira de Produção mais Limpa PARCEIROS Conselho Empresarial Brasileiro

Leia mais

A FINEP e a Inovação nas Empresas

A FINEP e a Inovação nas Empresas A FINEP e a Inovação nas Empresas Avílio Antônio Franco afranco@finep.gov.br A Missão da FINEP Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e tecnológica em empresas, universidades, centros

Leia mais

O Programa. O escopo do Programa é trabalhar, junto a esses negócios, a temática da inovação, desde sua desmistificação até a sua sistematização;

O Programa. O escopo do Programa é trabalhar, junto a esses negócios, a temática da inovação, desde sua desmistificação até a sua sistematização; O Programa Programa de âmbito nacional criado pelo SEBRAE para atuar junto aos pequenos negócios, os orientando, acompanhando e criando fidelização pelo relacionamento; O trabalho é realizado através do

Leia mais

Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas

Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável das micro e pequenas empresas e fomentar o empreendedorismo. Otimizar o uso dos recursos naturais

Leia mais

Possíveis impactos do REACH nas micro e pequenas empresas do Brasil. MDIC/SECEX Brasília, DF - 7 de abril de 2009

Possíveis impactos do REACH nas micro e pequenas empresas do Brasil. MDIC/SECEX Brasília, DF - 7 de abril de 2009 Possíveis impactos do REACH nas micro e pequenas empresas do Brasil MDIC/SECEX Brasília, DF - 7 de abril de 2009 Possíveis Impactos nas MPE: Redução de vendas Redução de mercados Férias coletivas Perda

Leia mais

EDITAL PARA EXPOSIÇÃO DE OPORTUNIDADES NA FEIRA DO EMPREENDEDOR DO RIO DE JANEIRO Edição 2015 I DA CONVOCAÇÃO

EDITAL PARA EXPOSIÇÃO DE OPORTUNIDADES NA FEIRA DO EMPREENDEDOR DO RIO DE JANEIRO Edição 2015 I DA CONVOCAÇÃO I DA CONVOCAÇÃO SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO Sebrae/RJ, entidade associativa de direito privado, sem fins econômicos, torna público que promoverá seleção de expositores para

Leia mais

Apresentação Programas...5 Cursos... 19

Apresentação Programas...5 Cursos... 19 - SEBRAE CAPA 2011 SUMÁRIO Apresentação Programas...5 Cursos... 19 Cursos pela Internet...43 Cursos no Formato Kits Educativos...49 Consultorias... 54 Oficinas... 56 Palestras... 60 Jogos Empresariais...

Leia mais

As Compras Públicas, Simplificação, Sustentabilidade e Micro e Pequenas Empresas. Maurício Zanin Consultor SEBRAE Nacional

As Compras Públicas, Simplificação, Sustentabilidade e Micro e Pequenas Empresas. Maurício Zanin Consultor SEBRAE Nacional As Compras Públicas, Simplificação, Sustentabilidade e Micro e Pequenas Empresas Maurício Zanin Consultor SEBRAE Nacional OBJETIVO DAS NORMAS (linhas da esquerda para a direita) 8.666/93 Lei Geral de

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

PLATAFORMA DE GESTÃO AGROPECUÁRIA ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA CNA/MAPA

PLATAFORMA DE GESTÃO AGROPECUÁRIA ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA CNA/MAPA PLATAFORMA DE GESTÃO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA CNA/MAPA Histórico 2009/novembro Governo edita lei 12.097 que dispões sobre a rastreabilidade bovídea no Brasil: - Marca a Fogo - Guia de Transito Animal

Leia mais

Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados

Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados III Workshop das Unidades de Pesquisa do MCT e a Inovação Tecnológica Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados Campinas, São Paulo, 30 e 31 de agosto de 2010 Subsecretaria de Coordenação das

Leia mais

EMPRESÁRIOS DA INDÚSTRIA, CONSTRUÇÃO, COMÉRCIO E SERVIÇOS NO BRASIL (2002-2012)

EMPRESÁRIOS DA INDÚSTRIA, CONSTRUÇÃO, COMÉRCIO E SERVIÇOS NO BRASIL (2002-2012) DA INDÚSTRIA, CONSTRUÇÃO, COMÉRCIO E SERVIÇOS NO BRASIL (2002-2012) EMPRESÁRIOS DA INDÚSTRIA, CONSTRUÇÃO, COMÉRCIO E SERVIÇOS NO BRASIL (2002-2012) Março/2014 Estudos e Pesquisas 1 SEBRAE 2 Estudos e Pesquisas

Leia mais

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade 1. Justificativa Geral A Declaração do Milênio deixa clara a importância da participação social ao considerar

Leia mais

II ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

II ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ministério da Saúde II ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL APLICAÇÃO DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO, DESAFIOS E POSSIBILIDADES Brasília, 25 de setembro de

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág.

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág. RELATÓRIO SIOR 2012 ÍNDICE NOTÍCIAS 2011/2012 ANÁLISE DAS DEMANDAS GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO TEMPO DE ATENDIMENTO DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES MAPA DAS PRINCIPAIS DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES

Leia mais

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe Eustáquio Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER RR AP AM PA MA CE RN AC 90 s RO MT TO PI BA PB PE AL SE 80

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 12/2010

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 12/2010 CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 12/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO DE PROCESSO PRODUTIVO E PRODUTO Contatos Luiz

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

Marco Regulatório e Planos de Governo

Marco Regulatório e Planos de Governo Marco Regulatório e Planos de Governo 1999: Criação dos Fundos setoriais 2004: Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE) 2004: Lei da Inovação Nova Lei de Informática Lei de criação

Leia mais

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR)

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) Pontos Lei Geral Como é hoje 1 Alcance da Lei A lei do Simples está voltada para os tributos federais. Os sistemas de tributação

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas d CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indica Nº 1/215 Técnicos Respon Equipe

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA nº 07/2014

CHAMADA PÚBLICA nº 07/2014 1 CHAMADA PÚBLICA nº 07/2014 Projeto de Qualificação de Credenciados de Serviços de Consultoria e Instrutoria do SEBRAE/RS Porto Alegre 2014 2 PREÂMBULO O SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Leia mais

PODE SER CLASSIFICADA EM TRÊS GRANDES SEGMENTOS CONSTRUÇÃO PESADA MONTAGENS INDUSTRIAIS E EXTRAÇÃO MINERAL MILHÕES

PODE SER CLASSIFICADA EM TRÊS GRANDES SEGMENTOS CONSTRUÇÃO PESADA MONTAGENS INDUSTRIAIS E EXTRAÇÃO MINERAL MILHÕES A CONSTRUÇÃO CIVIL PODE SER CLASSIFICADA EM TRÊS GRANDES SEGMENTOS CONSTRUÇÃO PESADA MONTAGENS INDUSTRIAIS E EXTRAÇÃO MINERAL EDIFICAÇÕES INDUSTRIAIS, COMERCIAIS E RESIDENCIAIS CONSTRUÇÃO CIVIL É UM DOS

Leia mais

Programa Regionalização

Programa Regionalização Programa Regionalização Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Setembro/2010 Gestor: Henrique Villa da Costa Ferreira Secretário de Políticas de Desenvolvimento

Leia mais

Portfólio de Soluções. Unidade de Capacitação Empresarial Sebrae - 2014

Portfólio de Soluções. Unidade de Capacitação Empresarial Sebrae - 2014 Portfólio de Soluções Unidade de Capacitação Empresarial Sebrae - 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 4 PROGRAMA SEBRAE MAIS... 5 PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA... 10 PROJETO NA MEDIDA..14 PROJETO

Leia mais

ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil

ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil Wadson Ribeiro Secretário Nacional de Esporte Educacional Ministério do Esporte A DÉCADA DO ESPORTE BRASILEIRO Criação do Ministério

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

famílias de baixa renda com acesso aos direitos

famílias de baixa renda com acesso aos direitos Acompanhamento das Condicionalidades do Programa Bolsa Família Na Saúde Seminário Regional Programa Bolsa Família na Saúde - 2009 Programa Bolsa Família Programa de transferência de renda para famílias

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

RUMO DAS FORMAS DE GESTÃO E SUSTENTABILIDADE DOS PROGRAMAS

RUMO DAS FORMAS DE GESTÃO E SUSTENTABILIDADE DOS PROGRAMAS Natureza Jurídica Característica da Qualidade Rio Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços do Rio de Janeiro Critérios de Excelência da FNQ e Norma ISO 9001:2000

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA FISCALIZAÇÃO DE USO E COMÉRCIO DE AGROTÓXICOS NO BRASIL

DIAGNÓSTICO DA FISCALIZAÇÃO DE USO E COMÉRCIO DE AGROTÓXICOS NO BRASIL CGAA/DFIA/SDA/MAPA DIAGNÓSTICO DA FISCALIZAÇÃO DE USO E COMÉRCIO DE AGROTÓXICOS NO BRASIL Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenador Geral de Agrotóxicos e Afins odilson.silva@agricultura.gov.br Objetivos

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Testes Rápidos de HIV e Sífilis

Testes Rápidos de HIV e Sífilis Testes Rápidos de HIV e Sífilis Videoconferência Nº 04 Ministério da Saúde Outubro de 2012 PRÉ-NATAL A partir da adesão dos municípios, recursos para: TODAS AS GESTANTES Ultrassonografia 100% das gestantes

Leia mais

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social Florianópolis - SC 27 de outubro de 2014 A INFORMALIDADE NO BRASIL A INFORMALIDADE Pesquisa ECINF IBGE Pertencem ao setor

Leia mais

Programa Nacional Alfabetização na Idade Certa PNAIC

Programa Nacional Alfabetização na Idade Certa PNAIC Programa Nacional Alfabetização na Idade Certa PNAIC Objetivo e principais componentes Objetivo O PNAIC é um programa integrado cujo objetivo é a alfabetização em Língua Portuguesa e Matemática, até o

Leia mais