Subsídios para a implementação de um projeto de enriquecimento ambiental no Parque Ecológico Municipal Dr. Antonio T. Vianna São Carlos/SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Subsídios para a implementação de um projeto de enriquecimento ambiental no Parque Ecológico Municipal Dr. Antonio T. Vianna São Carlos/SP"

Transcrição

1 Subsídios para a implementação de um projeto de enriquecimento ambiental no Parque Ecológico Municipal Dr. Antonio T. Vianna São Carlos/SP *Savana Diegues 1 ; Ana Carolina Dalla Vecchia 1 ; Soraya Alonso Sidou; Alline Braga Silva 1 ; Ana Paula Alves Dibo. 1- Universidade Federal de São Carlos UFSCar. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde CCBS. Departamento de Genética e Evolução, Laboratório de Biodiversidade Molecular e Citogenética. Rodovia Washington Luiz, km 235, SP- 310, , São Paulo, Brasil. Phone number: *Autor para correspondência: Palavras-chave: Etologia, Bem-estar animal, Zoológicos. Título abreviado: Enriquecimento em Zoológico RESUMO A preocupação com o bem-estar animal é uma constante em locais que mantém animais silvestres em cativeiro, como os zoológicos. Estas instituições têm buscado usar técnicas de enriquecimento ambiental para diminuir o stress do cativeiro, as quais são ferramentas úteis e interessantes, desde que usadas corretamente. Este trabalho visa subsidiar a implantação de um programa de Enriquecimento Ambiental no Parque Ecológico Dr. Antonio T. Viana (São Carlos-SP), com base em estudos já realizados. Para tal, uma revisão bibliográfica tem sido feita, com o intuito de se inventariar as técnicas mais usadas e mais eficazes para cada grupo, bem como os métodos de acompanhamento e constatação de eficácia do tratamento. Dos trabalhos levantados, a maioria (76,5%) enfocou mamíferos, em especial primatas e felinos, enquanto 6% dos trabalhos referiam-se a aves e os 6,5% restantes, a répteis. Mais de 70% dos trabalhos não aplicou nenhum tipo de análise estatística nos seus resultados, nem mesmo porcentagem comparativa de comportamentos apresentados. Organizar, centralizar e divulgar dados acerca dos trabalhos realizados nessa área trazem benefícios a curto e longo prazo para os animais e gera conhecimento e subsídios para programas de conservação das espécies.

2 INTRODUÇÃO A conservação da biodiversidade representa um grande desafio para a sociedade contemporânea, em função do elevado nível de perturbações antrópicas nos ecossistemas naturais, forçando o investimento em diferentes estratégias e abordagens para maximizar esforços e minimizar os efeitos negativos no meio ambiente. Entre tais estratégias encontram-se a conservação in situ e a conservação ex situ. A conservação in situ ocorre quando a espécie é mantida em seu habitat natural e a ex situ quando isso ocorre fora dele, em cativeiro, como nos zoológicos (DIEGUES, 2008). Tendo como propósitos a pesquisa, recreação e lazer, educação, conservação da fauna regional e global, além de dar suporte à reprodução, criação e reintrodução de espécies ameaçadas em seu ambiente natural, os zoológicos vêm se estruturando cada vez mais para permitir aos animais condições mais adequadas de sobrevivência, conferindo maior longevidade e menores situações de estresse aos animais cativos, bem como aumentando o sucesso reprodutivo. Deste modo, os zôos deixam de ser simples centros de visitação de animais e lazer e passam a colaborar ativamente com a conservação da biodiversidade (WITTE, 1990 apud JOLY; BICUDO, 1999; OLIVEIRA, 2005). A manutenção de animais silvestres em cativeiro pode conduzi-los a comportamentos artificiais e discrepantes dos encontrados naturalmente, uma vez que os mesmos se encontram em um ambiente que difere daquele para o qual estão adaptados. Os estímulos e atividades do meio natural incluem comportamentos de forrageio e alimentação, estratégias e fuga de predadores, busca de parceiros e locais para reprodução, defesa de território, entre outros que tornam tal ambiente dinâmico, o que não ocorre no cativeiro, gerando certa monotonia (DIEGUES, 2008). Enriquecimento ambiental é um conjunto de técnicas que modificam o ambiente,

3 resultando em uma melhora na qualidade de vida dos animais cativos, ao satisfazer as suas necessidades comportamentais (BOERE, 2001). É o processo de criação de um ambiente mais complexo, interativo e imprevisível, dando oportunidade ao animal de expressar comportamentos mais próximos aos naturais. O enriquecimento animal ou comportamental melhora a qualidade do cuidado com o animal cativo, identificando e fornecendo os estímulos necessários para o seu bem-estar psicológico e fisiológico (SGAI, 2007). O uso do enriquecimento ambiental deve sempre levar em conta a ecologia do animal em questão, pois só assim poderá desempenhar a função de tornar o ambiente cativo mais interessante, proporcionando ao animal maiores possibilidades de exploração do recinto e assim diminuir o tempo que este gasta com comportamentos estereotipados (GUILHERME; VIDAL, 2008). Ao criar ambientes mais complexos e interativos, os animais podem apresentar diferenças significativas nos processos de aprendizagem e reprodução, ou seja, um ambiente enriquecido pode influenciar na habilidade do animal em se adaptar a novas situações, contribuindo diretamente com programas de reintrodução de espécies. O Parque Ecológico Dr. Antonio T. Vianna localiza-se no município paulista de São Carlos e destaca-se como importante centro de pesquisa, educação e lazer regional. A maioria dos animais cativos mantidos no plantel desta instituição recebem algum tipo de enriquecimento, embora ainda não haja um Programa de Enriquecimento Ambiental organizado instalado nesta instituição. A implementação de um programa único, consistente e sistemático, poderia melhorar consideravelmente o bem estar e a qualidade de vida de todos os animais.

4 OBJETIVO O presente estudo objetiva subsidiar a implantação de um programa de Enriquecimento Ambiental nesta instituição municipal, com base em estudos já realizados. Para tal, uma revisão bibliográfica tem sido feita, com o intuito de se inventariar as técnicas mais usadas e mais eficazes para cada grupo, bem como os métodos de acompanhamento e constatação de eficácia do tratamento, como, por exemplo, através de análises estatísticas e monitoramento de níveis hormonais. METODOLOGIA Para isso realizou-se uma pesquisa bibliográfica sobre Enriquecimento Animal em diversas fontes, bem como os avanços e técnicas mais utilizadas, analisando os resultados dos trabalhos. Também será utilizado o material produzido pelo próprio PESC, através de consultas aos relatórios de estágio que contemplem o assunto e entrevistas a funcionários. Com os dados em mãos, tabelas e protocolos serão elaborados para que os esforços sejam maximizados e direcionados. RESULTADOS E DISCUSSÃO Até o momento foram avaliados 47 trabalhos sobre Enriquecimento Ambiental para animais cativos, realizados nos últimos 5 anos. Destes, a maioria (76,5%) enfocou mamíferos, em especial primatas e felinos, enquanto 6% dos trabalhos referiam-se a aves e os 6,5% restantes, a répteis. Dentre os trabalhos realizados com mamíferos, em 55,5% dos mesmos foram aplicadas técnicas de enriquecimento ambiental físico (com a introdução de elementos no recinto), em 61,1%, técnicas de enriquecimento alimentar, em 52,7%, técnicas de enriquecimento sensorial (envolvendo elementos que estimulam visão ou olfato, por

5 exemplo), em 11%, técnicas de enriquecimento cognitivo e em apenas 2,7%, técnicas de condicionamento operante ou enriquecimento social. Dos trabalhos analisados, 54,3% aplicaram mais de uma técnica de enriquecimento, enquanto 45,7% aplicaram apenas uma. Apenas um dos trabalhos que se utilizou de mais de uma técnica avaliou separadamente a eficácia de cada uma delas e o efeito de todas elas aplicadas em conjunto (ZANONI, 2009). O enriquecimento social deveria ser expandido no grupo dos primatas, dada a importância do comportamento social para o desenvolvimento desses animais. Para o grupo das aves, 50% dos trabalhos aplicaram técnicas de enriquecimento alimentar, 37,5%, técnicas de condicionamento operante, 25%, técnicas de enriquecimento ambiental físico e 25%, técnicas de enriquecimento sensorial. Destes trabalhos, 62,5% englobaram apenas um tipo de enriquecimento, sendo que em todos os trabalhos que se utilizaram das técnicas de condicionamento, essa foi a única técnica utilizada. A justificativa para o uso desse tipo de técnica é o fato de que, ao se treinar os animais para cooperar com o tratador, diminui-se o estresse causado pelo manejo no recinto para limpeza, introdução de itens alimentares, entre outros. Para os répteis, 66% dos trabalhos enfocaram o enriquecimento sensorial, 33%, o enriquecimento ambiental físico e 33%, o enriquecimento alimentar. 66% destes aplicaram uma técnica de enriquecimento e apenas um (33%) aliou técnicas de enriquecimento sensorial e físico (CASTRO et al., 2008). Percebe-se também, com base nos dados levantados, que mais de 70% dos trabalhos não aplicaram nenhum tipo de análise estatística nos seus resultados, nem mesmo porcentagem comparativa de comportamentos apresentados, o que indica conclusões apenas qualitativas e inferências sobre a real efetividade do enriquecimento aplicado. Porém estas informações já fornecem subsídios para a implementação de

6 trabalhos práticos, pois demonstram quais enriquecimentos são mais eficazes para cada grupo animal e norteia as próximas ações para implementação do projeto de enriquecimento. CONCLUSÃO A organização de um Programa de Enriquecimento que centralize, discuta adequadamente os conceitos de Enriquecimento, com suas categorias e reais benefícios, mantenha um banco de dados das instituições que já aplicam este conceito e as metodologias que estão sendo usadas, organize os enriquecimentos já realizados na instituição, priorize os animais do plantel a serem atendidos, elabore tabelas para aplicação de etogramas padronizados, bem como protocolo e rotina de aplicação dos enriquecimentos, não desprezando uma avaliação final fundamentada em análises estatísticas é de suma importância para todas as instituições que mantem animais em cativeiro e este trabalho visa dar suporte a essas ações, utilizando muito do conhecimento produzido em diferentes níveis. Essas ações trazem benefícios a curto e longo prazo para os animais e gera conhecimento e subsídios para programas de conservação das espécies. Por isso a implantação de um programa adequado nesta instituição se faz necessário, servindo também de base para outros trabalhos semelhantes. AGRADECIMENTOS Agradecimentos especiais à UFSCar e ao Parque Ecológico Dr. Antonio T. Vianna, na pessoa de seu diretor Fernando Magnani. REFERÊNCIAS

7 Boere, V. Environmental enrichment for neotropical primates in captivity. Cienc. Rural, Santa Maria, RS, v. 31, n. 3, p Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: ago Castro, N.M.; Ribeiro, N.M.S.; Young, R.J.; Mello, H.E.S. Análise do comportamento de jabutis, Geochelone carbonaria (SPIX, 1824), frente a três estímulos de enriquecimento ambiental na Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte. Anais do XXXI Congresso Anual da Sociedade de zoológicos do Brasil Diegues, S. O papel dos zoológicos paulistas na conservação da diversidade biológica Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ecologia) - Universidade Estadual Paulista (UNESP), Rio Claro, p Guilherme, F. R.; Vidal, L. S. Uso do Enriquecimento Ambiental como modelo para diminuir o tempo gasto com Pacing por onças pintadas (Panthera onca) causado pela visitação pública no Parque Ecológico de São Carlos-SP Dr. Antonio Teixeira Viana. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Biológicas) Centro Universitário de Araraquara (UNIARA), Araraquara, p. Joly, C. A.; Bicudo, C. E. M. (Org.). Biodiversidade do Estado de São Paulo: síntese do conhecimento ao final do século XX, infra-estrutura para conservação da biodiversidade. São Paulo, SP: FAPESP v.7. Oliveira, A. L. Condições de manutenção de indivíduos da família Ursidae em

8 Zoológicos Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ecologia) - Universidade Estadual Paulista (UNESP), Rio Claro, p. Sgai, M. G. F. G. Avaliação da influência das técnicas de enriquecimento ambiental nos parâmetros endócrinos e comportamentais de Callithrix penicillata (sagüi-detufos-pretos) mantidos em estabilidade social e isolados Dissertação de Mestrado em Reprodução Animal - Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, p. Zanoni, D. S. Enriquecimento ambiental para macaco rhesus (Macaca mulatta) em cativeiro, parque Zôobotanico Arruda Câmara, João Pessoa- PB.. Anais do XXXIII Congresso da Sociedade de Zoológicos do Brasil. Bauru/SP, 2009.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Distúrbio comportamental em felídeo silvestre (Panthera pardus) Bárbara Teresa Tavares Martins 1, Marcos Mourão Motta 2, Gabriel Domingos Carvalho

Leia mais

Programa de Estágio em Educação Ambiental Jardim Zoobotânico de Toledo Parque das Aves

Programa de Estágio em Educação Ambiental Jardim Zoobotânico de Toledo Parque das Aves Programa de Estágio em Educação Ambiental Jardim Zoobotânico de Toledo Parque das Aves Estamos cadastrando alunos cursando Biologia interessados em trabalhar em atividades monitoradas em Ed.Ambiental no

Leia mais

Gato-do-mato-pequeno. Filhote de menor felino do Brasil nasce na Fundação. Congresso ALPZA recebe mais de 400 participantes

Gato-do-mato-pequeno. Filhote de menor felino do Brasil nasce na Fundação. Congresso ALPZA recebe mais de 400 participantes Zoo é notícia Ano 3 - No. 8 - Junho 2013 Gato-do-mato-pequeno Filhote de menor felino do Brasil nasce na Fundação Congresso ALPZA recebe mais de 400 participantes - Mestrado Profissional em parceria com

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 CAMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Ricardo Izar) Dispõe sobre a adoção de medidas que assegurem a circulação segura de animais silvestres no território nacional, com a redução de acidentes

Leia mais

Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos

Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos Bibliografia: Ministério do Meio Ambiente. Espécies ameaçadas de extinção: recomendações

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL NO COMPORTAMENTO DE Ara ararauna e Ara chloropterus NO ZOOLÓGICO VALE DOS BICHOS

INFLUÊNCIA DO ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL NO COMPORTAMENTO DE Ara ararauna e Ara chloropterus NO ZOOLÓGICO VALE DOS BICHOS INFLUÊNCIA DO ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL NO COMPORTAMENTO DE Ara ararauna e Ara chloropterus NO ZOOLÓGICO VALE DOS BICHOS SANTOS, M. S. 1, SALGADO, A. P. B. 2, MATTOS, J. F. A. 2, MONTEIRO, A. R. 1 1 Universidade

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO PERFIL PROFISSIONAL Tratador/a de animais em Cativeiro Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/8 ÁREA DE ACTIVIDADE - AGRO-ALIMENTAR OBJECTIVO

Leia mais

Banco de dados virtual para enriquecimento do levantamento de fauna no Município de São Paulo. Número de Inscrição: PMP71327G02

Banco de dados virtual para enriquecimento do levantamento de fauna no Município de São Paulo. Número de Inscrição: PMP71327G02 Banco de dados virtual para enriquecimento do levantamento de fauna no Município de São Paulo Número de Inscrição: PMP71327G02 Introdução Divisão Técnica de Medicina Veterinária e Manejo da Fauna Silvestre(DEPAVE-3)

Leia mais

ROTEIRO DE VISTORIA CATIVEIRO NC Nº /

ROTEIRO DE VISTORIA CATIVEIRO NC Nº / SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE BIODIVERSIDADE E RECURSOS NATURAIS DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO DA BIODIVERSIDADE CENTRO DE FAUNA SILVESTRE ROTEIRO DE VISTORIA CATIVEIRO NC Nº / - Data

Leia mais

MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU

MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU MANEJO E MANUTENÇÃO DE NOVA ESPÉCIE DE DENDROBATIDAE (AMPHIBIA: ANURA) NO ZOOPARQUE ITATIBA: UM MODELO PARA CONSERVAÇÃO EX- SITU Felipe Garcia de Camargo¹ ¹ Zooparque Itatiba, Rodovia Dom Pedro I, Km 95,5.

Leia mais

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global II Congresso de Mineração da Amazônia Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global Vânia Somavilla Vale - Diretora de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Novembro de

Leia mais

PROJETO DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL, TREINAMENTO E BEM- ESTAR ANIMAL (PEATREBA), REALIZADO COM ARARAJUBAS

PROJETO DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL, TREINAMENTO E BEM- ESTAR ANIMAL (PEATREBA), REALIZADO COM ARARAJUBAS PROJETO DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL, TREINAMENTO E BEM- ESTAR ANIMAL (PEATREBA), REALIZADO COM ARARAJUBAS (Guaruba guarouba, GMERLIN 1788) EM CATIVEIRO NO PARQUE ZOOBOTÂNICO ORQUIDÁRIO MUNICIPAL DE SANTOS.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO MUTUM DE ALAGOAS

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO MUTUM DE ALAGOAS OBJETIVO GERAL OBJETIVO ESPECÍFICO 1 Proteção da espécie e seu habitat OBJETIVO ESPECÍFICO 3 Manejo das populações em cativeiro OBJETIVO ESPECÍFICO 5 Projetos de reintrodução PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO

Leia mais

de monitoramento dos casos de predação envolvendo onças e outros animais silvestres na

de monitoramento dos casos de predação envolvendo onças e outros animais silvestres na ASSOCIAÇÃO DE GUARDA-PARQUES DO AMAPÁ INICIA ATIVIDADES DE MONITORAMENTO DE CASOS DE PREDAÇÃO ENVOLVENDO ONÇAS E OUTROS ANIMAIS SILVESTRES NA APA DO RIO CURIAÚ. A Associação de Guarda-Parques do Amapá

Leia mais

CONTEÚDOS E ESTRATÉGIAS NO ENSINO DE BEM-ESTAR ANIMAL. Prof. Luiz Alberto do LAGO 1

CONTEÚDOS E ESTRATÉGIAS NO ENSINO DE BEM-ESTAR ANIMAL. Prof. Luiz Alberto do LAGO 1 95 CONTEÚDOS E ESTRATÉGIAS NO ENSINO DE BEM-ESTAR ANIMAL Prof. Luiz Alberto do LAGO 1 Desde o reconhecimento da relevância do ensino de bem-estar animal e também da delegação desta responsabilidade aos

Leia mais

EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA. Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2

EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA. Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2 37 EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2 Resumo: Com a urbanização, o tráfico nacional e internacional de espécies e exploração dos recursos naturais de maneira mal planejada

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES COM A FAUNA SILVESTRE. Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES COM A FAUNA SILVESTRE. Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES Elias Silva 1 COM A FAUNA SILVESTRE 1 Professor Associado do Departamento de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br 1 1

Leia mais

Relação Animal x Cativeiro

Relação Animal x Cativeiro Relação Animal x Cativeiro Criatório científico de Animais Silvestres Departamento de Veterinária Universidade Federal de Viçosa Casa 01 Vila Secundino, Campus Universitário Cep 36571-000. Tel : 0XX31

Leia mais

MANUAL PARA INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE EMPREENDIMENTOS DE USO E MANEJO DE FAUNA SILVESTRE EM CATIVEIRO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MANUAL PARA INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE EMPREENDIMENTOS DE USO E MANEJO DE FAUNA SILVESTRE EM CATIVEIRO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SETOR DE FAUNA SILVESTRE DEPARTAMENTO DE BIODIVERSIDADE SECRETARIA DO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MANUAL PARA INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE EMPREENDIMENTOS DE USO E MANEJO DE FAUNA SILVESTRE EM

Leia mais

Ações de Conservação da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção

Ações de Conservação da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção Ações de Conservação da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção Diretoria de Fauna e Recursos Pesqueiros DIFAP Rômulo Mello Coordenção Geral de Fauna CGFAU Ricardo Soavinski Coordenação de Conservação da

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 162

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 162 PROGRAMA Nº - 162 Monitoramento e Fiscalização Ambiental SUB-FUNÇÃO: 542 CONTROLE AMBIENTAL Promover o monitoramento da poluição do ar, hídrica e sonora indispensável ao desenvolvimento de de controle

Leia mais

CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS

CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS Aspectos éticos Rita de Cassia Maria GARCIA 1, Nestor Alberto Calderon MALDONADO 2 ; Antonio LOMBARDI 3. A reflexão ética vem ganhando importância na discussão pública

Leia mais

iniciais: relato de uma experiência de parceria

iniciais: relato de uma experiência de parceria A formação do professor de ciências para as séries iniciais: relato de uma experiência de parceria Profa. Dra. Maria Candida Muller Professora dos cursos de Pedagogia e Análise de Sistemas Centro Universitário

Leia mais

Código de Conduta Voluntários sobre Animais Exóticos Invasores

Código de Conduta Voluntários sobre Animais Exóticos Invasores Código de Conduta Voluntários sobre Animais Exóticos Invasores INTRODUÇÃO Um código de conduta voluntário é um conjunto de regras e recomendações que visa orientar seus signatários sobre práticas éticas

Leia mais

Enriquecimento ambiental

Enriquecimento ambiental Enriquecimento ambiental A criação de animais em cativeiro pode levá los a apresentar comportamentos não tão naturais quanto aqueles apresentados na natureza, uma vez que o cativeiro oferece aos animais

Leia mais

ANÁLISE COMPORTAMENTAL DE UM INDIVÍDUO DE PANTHERA TIGRIS ALTAICA DA FUNDAÇÃO ZOOLÓGICO RIOZOO, RIO DE JANEIRO- RJ

ANÁLISE COMPORTAMENTAL DE UM INDIVÍDUO DE PANTHERA TIGRIS ALTAICA DA FUNDAÇÃO ZOOLÓGICO RIOZOO, RIO DE JANEIRO- RJ ANÁLISE COMPORTAMENTAL DE UM INDIVÍDUO DE PANTHERA TIGRIS ALTAICA DA FUNDAÇÃO ZOOLÓGICO RIOZOO, RIO DE JANEIRO- RJ CARVALHEIRA, Rodrigo Guerra¹ PEREIRA, Jessica Elaine da Silva² Palavras-chave: Etograma.

Leia mais

Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais

Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais PARTE 4 Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais A caracterização de raças e ambientes de produção precisa ser melhorada para fomentar políticas de decisão na gestão dos recursos

Leia mais

AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS

AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NA PONTE DO RIO SÃO JORGE/PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS Andressa Stefany Teles Jasmine Cardoso Moreira Victor Emanuel Carbonar Santos RESUMO: Impactos negativos

Leia mais

Categorias Comportamentais de Onça-parda (Puma concolor, Linnaeus, 1771), no Zoológico Parque do Sabiá, Uberlândia, MG

Categorias Comportamentais de Onça-parda (Puma concolor, Linnaeus, 1771), no Zoológico Parque do Sabiá, Uberlândia, MG Categorias Comportamentais de Onça-parda (Puma concolor, Linnaeus, 1771), no Zoológico Parque do Sabiá, Uberlândia, MG Patricia Avelar dos Prazeres,Patrícia Graziella Medeiros da Costa, Jonas Byk Universidade

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS E SUBPROJETOS DE PESQUISA O projeto deve, OBRIGATORIAMENTE, ser elaborado pelo Coordenador do Projeto (titulação mínima Mestre PBIC/UniEVANGÉLICA; titulação mínima Doutor

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA A IMPORTÂNCIA DO BEM-ESTAR NA PISCICULTURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA A IMPORTÂNCIA DO BEM-ESTAR NA PISCICULTURA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA A IMPORTÂNCIA DO BEM-ESTAR NA PISCICULTURA Graduanda em Zootecnia: Adriane A. Iwamoto Botucatu, Setembro

Leia mais

22o. Prêmio Expressão de Ecologia

22o. Prêmio Expressão de Ecologia 22o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Jaguatirica [Leopardus pardalis] Ganso Coscoroba [Coscoroba coscoroba] Harpia [Harpia harpyja] Onça Pintada [Panthera onca] Onça Parda [Puma concolor] Fotos:

Leia mais

Bem estar animal em cursos de pós-graduação: uma proposta. Marcos Macari Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal Unesp Campus de Jaboticabal

Bem estar animal em cursos de pós-graduação: uma proposta. Marcos Macari Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal Unesp Campus de Jaboticabal Bem estar animal em cursos de pós-graduação: uma proposta Marcos Macari Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal Unesp Campus de Jaboticabal Crescimento populacional - Estimativa de uma população

Leia mais

Sobre nós. Educação Ambiental. Fale Conosco

Sobre nós. Educação Ambiental. Fale Conosco Sobre nós Em 1997 com iniciativas dos proprietários da Fazenda Alegre conscientes da importância da preservação e conservação dos remanescentes da vegetação nativa da fazenda, áreas degradadas vêm sendo

Leia mais

a 22 à 25 de Julho UNIVERSI S DADE FE F DERAL DE LAV A RAS

a 22 à 25 de Julho UNIVERSI S DADE FE F DERAL DE LAV A RAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS a 22 à 25 de Julho APRESENTAÇÃO A Sociedade Brasileira de Zootecnia (SBZ), criada em 1951, é contemporânea do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Leia mais

A/C Sr. Marcos Vinicius de Mello - Gerente Setorial de Meio Ambiente PETROBRAS Unidade Operacional da Bacia de Santos (UO-BS)

A/C Sr. Marcos Vinicius de Mello - Gerente Setorial de Meio Ambiente PETROBRAS Unidade Operacional da Bacia de Santos (UO-BS) Praia Grande, 29 de Agosto de 2014. A/C Sr. Marcos Vinicius de Mello - Gerente Setorial de Meio Ambiente PETROBRAS Unidade Operacional da Bacia de Santos (UO-BS) Endereço Ref: Resposta ao PAR 02022.000373/2014-61

Leia mais

Código de Ética. Documento base: www.alpza.org. www.alpza.org

Código de Ética. Documento base: www.alpza.org. www.alpza.org Código de Ética Documento base: www.alpza.org www.alpza.org CÓDIGO DE ÉTICA O presente documento tem a finalidade de estabelecer altos padrões éticos e de bem-estar animal, que possam, através de articulações

Leia mais

Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO

Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO Proponente: Sociedade de Amigos do Museu de Biologia Mello

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

DISCIPLINAS CHP CHS CHST CHSP

DISCIPLINAS CHP CHS CHST CHSP MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA (Bacharelado) Aplicada aos Ingressantes a partir de 2011/1 Turnos Integral Matutino/Vespertino e Integral Vespertino/Noturno 1 o Período BIOLOGIA CELULAR

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Análise do comportamento de Callithrix jacchus Linnaeus, 1758 do zoológico de Uberlândia-MG Mariela Silva Moura 1*, Fernanda Silva Ferreira 1, Fabiane

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DA COMUNIDADE DA VILA DE NAZARÉ, LOCALIZADA NO INTERIOR DO PARQUE METROPOLITANO ARMANDO DE HOLANDA CAVALCANTI.

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DA COMUNIDADE DA VILA DE NAZARÉ, LOCALIZADA NO INTERIOR DO PARQUE METROPOLITANO ARMANDO DE HOLANDA CAVALCANTI. Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 PERCEPÇÃO AMBIENTAL DA COMUNIDADE DA VILA DE NAZARÉ, LOCALIZADA NO INTERIOR DO PARQUE METROPOLITANO ARMANDO DE HOLANDA CAVALCANTI. Ana Raquel Oliveira Fernandes (*), José

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei n.º 859/XII/4.ª Cria a Rede de Centros de Acolhimento e Reabilitação de Animais Selvagens e Exóticos Exposição de Motivos Várias situações evidenciam

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA UNIDADE PRÉ-REQUISITO CH SEMANAL CH SEMESTRAL TEO PRA TEO PRA 1. Administração Rural EA Economia Rural 2 1 32 16 48

Leia mais

ALVES 1,1, Paulo Roberto Rodrigues BATISTA 1,2, Jacinto de Luna SOUZA 1,3, Mileny dos Santos

ALVES 1,1, Paulo Roberto Rodrigues BATISTA 1,2, Jacinto de Luna SOUZA 1,3, Mileny dos Santos DIFUSÃO DA TECNOLOGIA DE CONTROLE BIOLÓGICO DE INSETOS - PRAGAS COMO INSTRUMENTO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ESCOLAS PÚBLICAS DO ENSINO FUNDAMENTAL II NO MUNICÍPIO DE AREIA - PB ALVES 1,1, Paulo Roberto Rodrigues

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCB UFV CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. COORDENADOR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Marco Aurélio Pedron e Silva pedron@mail.ufv.

Currículos dos Cursos do CCB UFV CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. COORDENADOR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Marco Aurélio Pedron e Silva pedron@mail.ufv. 88 Currículos dos Cursos do CCB UFV CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COORDENADOR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Marco Aurélio Pedron e Silva pedron@mail.ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 89 Bacharelado e Licenciatura

Leia mais

Grupo Votorantim inicia aquisições de terras na região em 1927

Grupo Votorantim inicia aquisições de terras na região em 1927 1927 1950 2011 2012 2013 2014 Grupo Votorantim inicia aquisições de terras na região em 1927 1927 1950 2011 2012 2013 2014 Nas décadas de 40, 50 e 60 (entre 1947 e 1963) a Votorantim adquire 245 títulos

Leia mais

Matemática em Toda Parte II

Matemática em Toda Parte II Matemática em Toda Parte II Episódio: Matemática no Zoológico Resumo O episódio Matemática no Zoológico, da série Matemática em Toda Parte II abre as portas de um Parque Zoológico para mostrar como a Matemática

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS EXCURSÕES COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA UMA EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS EXCURSÕES COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA UMA EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL A IMPORTÂNCIA DAS EXCURSÕES COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA UMA EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL Fábio Martinho da Silva (1); Maria Janoelma França Gomes (2); Nahum Isaque dos S. Cavalcante (3); Rafael Trindade

Leia mais

Resolução SMA nº 92 DE 14/11/2014

Resolução SMA nº 92 DE 14/11/2014 Resolução SMA nº 92 DE 14/11/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 22 nov 2014 Define as autorizações para manejo de fauna silvestre no Estado de São Paulo, e implanta o Sistema Integrado

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA EDITAL PG 08/2016/FMVZ/USP

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA EDITAL PG 08/2016/FMVZ/USP FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA EDITAL PG 08/2016/FMVZ/USP A Comissão de Pós-Graduação da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo comunica que, na secretaria

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: e-mail: INSTIUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: e-mail: INSTIUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO 1 TÍTULO: MASTOFAUNA BRASILEIRA E EXÓTICA: CONHECIMENTO E INTERESSE DOS VISITANTES DO HORTO DE DOIS IRMÃOS, RECIFE, PE. AUTORES: Patrícia F. Rosas Ribeiro, Ana Gabriela D. Bieber, Paulo Milet-Pinheiro,

Leia mais

APRESENTAÇÃO A BIOEC

APRESENTAÇÃO A BIOEC APRESENTAÇÃO Empresa especializada em elaboração, execução e gerenciamento de projetos ambientais. Formada por profissionais altamente qualificados, que buscam desenvolver projetos eficientes e inovadores,

Leia mais

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006.

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. Aspectos do biomonitoramento da toxicidade perinatal pelos agroquímicos Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. A contaminação ambiental por agroquímicos pode causar efeitos negativos aos recursos naturais

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

de animais nos parques

de animais nos parques GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Abandono de animais nos parques Animais não são descartáveis. Não abandone o seu. Abandonar é maltratar e maus-tratos a animais é crime. Lei Federal

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD)

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) PADILHA, Emanuele Coimbra; SELVERO, Caroline Mitidieri Graduada em Letras-Espanhol pela Universidade Federal de Santa Maria UFSM. E-mail: emanuelecp@hotmail.com

Leia mais

FABIO Faculdade de Biociências

FABIO Faculdade de Biociências FABIO Faculdade de Biociências Secretaria: Prédio 12 - Bloco A - sala 204 Fone: 33.20.35.45 E-mail: biociencias@pucrs.br www.pucrs.br/fabio Departamentos: Ciências Morfológicas n.º 311 Ciências Fisiológicas

Leia mais

ANÁLISE COMPORTAMENTAL DE INDIVÍDUOS DE ONÇA PARDA (Puma concolor) DA FUNDAÇÃO ZOOLÓGICO DO RIO DE JANEIRO-RJ

ANÁLISE COMPORTAMENTAL DE INDIVÍDUOS DE ONÇA PARDA (Puma concolor) DA FUNDAÇÃO ZOOLÓGICO DO RIO DE JANEIRO-RJ ANÁLISE COMPORTAMENTAL DE INDIVÍDUOS DE ONÇA PARDA (Puma concolor) DA FUNDAÇÃO ZOOLÓGICO DO RIO DE JANEIRO-RJ Carvalheira, Rodrigo Guerra (Orientador) 1 Valente, Olinda Olegário da Silva 2 Palavras-chave:

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR PRODUTO PORTAL

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR PRODUTO PORTAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE EXTRATIVISMO E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DEPARTAMENTO DE EXTRATIVISMO GERÊNCIA DE AGROEXTRATIVISMO PROGRAMA DE APOIO AO AGROEXTRATIVISMO - PNUD BRA/08/012

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE MANEJO DE BOVINOS LEITEIROS

BOAS PRÁTICAS DE MANEJO DE BOVINOS LEITEIROS BOAS PRÁTICAS DE MANEJO DE BOVINOS LEITEIROS Mateus Paranhos da Costa Departmento de Zootecnia, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, UNESP, Jaboticabal-SP, Brazil. (mpcosta@fcav.unesp.br) Grupo

Leia mais

IPeC INSTITUTO DE PESQUISAS CANANÉIA

IPeC INSTITUTO DE PESQUISAS CANANÉIA Cananéia, 29 de julho de 2015. EDITAL N 01/2015 SELEÇÃO DE TÉCNICOS PARA ATIVIDADES EM PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE PRAIAS / CENTRO DE REABILITAÇÃO DA FAUNA MARINHA NA REGIÃO DE IGUAPE, ILHA COMPRIDA,

Leia mais

Programa de extensão universitária mais leite

Programa de extensão universitária mais leite Programa de extensão universitária mais leite Renato SOARES OLIVEIRA¹; Samuel PIASSI TELES²; Rafael BASTOS TEIXEIRA³; Cassia MARIA SILVA NORONHA 4 ; Alan Dhan COSTA LIMA 5 ; Arnaldo Júnior VALERIANO RESENDE

Leia mais

PDL 0023/2003 JUSTIFICATIVA CURRICULUM VITAE. Nascida em 23/01/1958, na cidade de Mogi das Cruzes-SP.

PDL 0023/2003 JUSTIFICATIVA CURRICULUM VITAE. Nascida em 23/01/1958, na cidade de Mogi das Cruzes-SP. PDL 0023/2003 JUSTIFICATIVA Nome: Angela Maria Branco CURRICULUM VITAE Nascida em 23/01/1958, na cidade de Mogi das Cruzes-SP. Médica Veterinária - CRMV SP 3728. Endereço: Rua José de Almeida Soares, 89

Leia mais

* Substituir o animal vertebrado por um invertebrado ou outra forma de vida inferior, culturas de tecidos/células a simulações em computadores;

* Substituir o animal vertebrado por um invertebrado ou outra forma de vida inferior, culturas de tecidos/células a simulações em computadores; PESQUISAS COM ANIMAIS VERTEBRADOS As regras a seguir foram desenvolvidas baseadas em regulamentações internacionais para ajudar aos alunos pesquisadores a proteger o bem-estar de ambos, o animal pesquisado

Leia mais

TOTAL: 215 créditos ou 3225 horas Conteúdos biológicos: 107+24+28+14= 173 créditos ou 2595 horas.

TOTAL: 215 créditos ou 3225 horas Conteúdos biológicos: 107+24+28+14= 173 créditos ou 2595 horas. Curso de Bacharelado em Ciências Biológicas- Período Integral NÚCLEO BÁSICO BA281 Anatomia Humana Geral 04 BB281 Bioquímica de Proteínas 04 BB381 Metabolismo 04 BC182 Biologia Celular I 04 BC282 Biologia

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio da Água, o ar, as rochas e o solo - materiais terrestres, o aluno deve ser capaz de: Compreender a Terra como um planeta especial

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO.

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DISCIPLINA: NAI PROFESSORA: Drª CÁTIA FARIAS GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; -

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO FINAL DO ESTAGIÁRIO

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO FINAL DO ESTAGIÁRIO 1 FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO FINAL DO ESTAGIÁRIO Este formulário de cunho confidencial, deve ser preenchido pelo supervisor de estágio e enviado, em envelope lacrado, ao SETOR DE ESTÁGIOS DA FEIS - FACULDADE

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA: USO DE ANIMAIS NO ENSINO E NA PESQUISA EM MEDICINA VETERINÁRIA

COMISSÃO DE ÉTICA: USO DE ANIMAIS NO ENSINO E NA PESQUISA EM MEDICINA VETERINÁRIA COMISSÃO DE ÉTICA: USO DE ANIMAIS NO ENSINO E NA PESQUISA EM MEDICINA VETERINÁRIA ALBERTO NEVES COSTA, Méd. Vet., MSc., PhD CEBEA/CFMV albertoncosta@ul.com.br Histórico da Medicina Veterinária Exercício

Leia mais

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. COORDENADORA Mara Garcia Tavares mtavares@ufv.br

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. COORDENADORA Mara Garcia Tavares mtavares@ufv.br CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COORDENADORA Mara Garcia Tavares mtavares@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2009 117 Bacharelado ATUAÇÃO O Bacharelado em Ciências Biológicas tem como objetivo principal formar e capacitar

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 Publicado em: 03/07/2015 O CONSELHO FEDERAL DE BIOLOGIA CFBio, Autarquia Federal, com personalidade jurídica de direito público, criado pela Lei nº 6.684, de 03

Leia mais

Ecologia Vegetal 01 ADJ DE Graduação em Ciências Biológicas. 01 ADJ DE Graduação em Engenharia. Ecologia Animal 01 ADJ DE Graduação em Ciências

Ecologia Vegetal 01 ADJ DE Graduação em Ciências Biológicas. 01 ADJ DE Graduação em Engenharia. Ecologia Animal 01 ADJ DE Graduação em Ciências Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Resumo: 12 vagas para Professor Adjunto e 05 vagas para Professor Assistente Ecologia Vegetal 01 ADJ DE Graduação em Ciências Doutorado em Ecologia, Biologia Vegetal

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO OBJETIVO GERAL O objetivo deste plano de ação é assegurar permanentemente a manutenção das populações e da distribuição geográfica de Mergus octosetaceus, no médio e longo prazo; promover o aumento do

Leia mais

ABORDAGENS MULTIDISCIPLINARES NAS TRILHAS INTERPRETATIVAS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II: VISITAS GUIADAS AO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA

ABORDAGENS MULTIDISCIPLINARES NAS TRILHAS INTERPRETATIVAS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II: VISITAS GUIADAS AO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA ABORDAGENS MULTIDISCIPLINARES NAS TRILHAS INTERPRETATIVAS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II: VISITAS GUIADAS AO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA Andréa Espinola de Siqueira; Ana Clara Frey de S. Thiago; Ana

Leia mais

2000 árvores/minuto **

2000 árvores/minuto ** http://www.nominuto.com/noticias/natureza/alertas-de-desmatamento-tiveram-aumento-de-9-na-amazonia-legal/115318/ 20 minutos: 0,2 km 2* (200.000 m 2 = 18,5 campos de futebol) da Amazônia legal; 2000 árvores/minuto

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NO AQUÁRIO ACQUAMUNDO, GUARUJÁ

EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NO AQUÁRIO ACQUAMUNDO, GUARUJÁ EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NO AQUÁRIO ACQUAMUNDO, GUARUJÁ Larissa da Cunha Santos*, Viviane P. Gallon*, Rossana H. P. Virga** * Acadêmicos da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Santa

Leia mais

Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias. Rubens Onofre Nodari 1

Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias. Rubens Onofre Nodari 1 Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias Rubens Onofre Nodari 1 O princípio da precaução foi formulado pelos gregos e significa ter

Leia mais

CURSO DE FOTOGRAFIA CIENTÍFICA AMBIENTAL

CURSO DE FOTOGRAFIA CIENTÍFICA AMBIENTAL Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Biologia Roberto Alcantara Gomes Departamento de Biofísica e Biometria Laboratório de Radioecologia e Mudanças Globais e CENBAM - Centro de Estudos

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS UNIDADE 1 Conteúdos. UNIDADE 2 Conteúdos

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS UNIDADE 1 Conteúdos. UNIDADE 2 Conteúdos Ser humano: semelhanças e diferenças (características físicas e comportamentais, gostos pessoais) Partes do corpo humano Sentidos humanos: audição, visão, paladar, tato e olfato Cuidados com os órgãos

Leia mais

EPISTEME - Revista Científica da Faculdade Católica Salesiana do ES

EPISTEME - Revista Científica da Faculdade Católica Salesiana do ES FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO Coordenação de Pesquisa e Iniciação Científica - CPIC EPISTEME - Revista Científica da Faculdade Católica Salesiana do ES CHAMADA PARA PUBLICAÇÃO EDITAL 1/2014

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ZOOTECNIA. PRÉ-REQUISITO e/ou CO-REQUISITO (CR)

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ZOOTECNIA. PRÉ-REQUISITO e/ou CO-REQUISITO (CR) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ZOOTECNIA Quadro 1- Matriz curricular do curso de zootecnia DISCIPLINA 1º Período Introdução à Zootecnia Nenhum 24 08 32 NC OB Exercício da Profissão de Zootecnista Nenhum

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS DOCENTES DE BIOLOGIA QUE ATUAM NAS ESCOLAS PÚBLICAS NA CIDADE DE ANÁPOLIS/GOIÁS

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS DOCENTES DE BIOLOGIA QUE ATUAM NAS ESCOLAS PÚBLICAS NA CIDADE DE ANÁPOLIS/GOIÁS FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS DOCENTES DE BIOLOGIA QUE ATUAM NAS ESCOLAS PÚBLICAS NA CIDADE DE ANÁPOLIS/GOIÁS Jaqueline Souza Lacerda 1,4 ; Eude de Sousa Campos 2,4 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues

Leia mais

Cristiana Saddy Martins Coordenadora da Pós-Graduação cristi@ipe.org.br - 11 4597-1327

Cristiana Saddy Martins Coordenadora da Pós-Graduação cristi@ipe.org.br - 11 4597-1327 PROPOSTA DE UMA TURMA DE MESTRADO PROFISSIONAL, PARA UMA FORMAÇÃO STRICTO SENSU DOS SERVIDORES DO INSTITUTO BRASÍLIA AMBIENTAL IBRAM (FORMATO MODULAR PRESENCIAL) Cristiana Saddy Martins Coordenadora da

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

MANEJO E MANUTENÇÃO DE ANIMAIS DOMÉSTICOS NO ZOOPARQUE ITATIBA: UMA NOVA FERRAMENTA DE LAZER E EDUCAÇÃO. ZOOPARQUE ITATIBA

MANEJO E MANUTENÇÃO DE ANIMAIS DOMÉSTICOS NO ZOOPARQUE ITATIBA: UMA NOVA FERRAMENTA DE LAZER E EDUCAÇÃO. ZOOPARQUE ITATIBA MANEJO E MANUTENÇÃO DE ANIMAIS DOMÉSTICOS NO ZOOPARQUE ITATIBA: UMA NOVA FERRAMENTA DE LAZER E EDUCAÇÃO. ZOOPARQUE ITATIBA Rodovia Dom Pedro I, Km 95,5, Itatiba, São Paulo. e-mail: zooparque@zooparque.com.br

Leia mais

1. Introdução: 2. Desafios da automação no Brasil

1. Introdução: 2. Desafios da automação no Brasil A automação no processo produtivo: desafios e perspectivas Bruciapaglia, A. H., Farines, J.-M.; e Cury, J. E. R. Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina 1. Introdução:

Leia mais

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano **

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano ** AVALIAÇÃO SOBRE AS PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DO ECOTURISMO NO CAMINHO DO MAR PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR NÚCLEO ITUTINGA PILÕES Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 Institui o Programa Nacional de Apoio aos Produtos Nativos do Cerrado e dá outras providências. Autor: Deputado

Leia mais

Biologia da Conservação

Biologia da Conservação Biologia da Conservação Prof. Alexandre R. T. Palma Conservação de espécies Introdução Conservação in-situ Conservação ex-situ Biologia da Conservação Prof. Alexandre R. T. Palma Conservação de espécies

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

Padre Jesus Santiago Moure

Padre Jesus Santiago Moure REDE PARANAENSE DE COLEÇÕES BIOLÓGICAS Luciane Marinoni e Vania Aparecida Vicente Universidade Federal do Paraná/Curitiba SETEMBRO/2013 INÍCIO EM 2006 COM 9 COLEÇÕES ATUALMENTE 33 COLEÇÕES ESTÃO NA REDE

Leia mais