Terapia Biológica nas Doenças Inflamatórias Intestinais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Terapia Biológica nas Doenças Inflamatórias Intestinais"

Transcrição

1 Terapia Biológica nas Doenças Inflamatórias Intestinais As Doenças Inflamatórias Intestinais (DIIs) são crônicas, de causa ainda desconhecida, e de curso imprevisível, o que gera um elevado grau de insegurança aos portadores e também à equipe de profissionais que as trata. Indubitavelmente, o caminho para um melhor conhecimento terapêutico para estas moléstias está na melhor compreensão das bases fisiopatológicas de seu desenvolvimento. Nos últimos anos, muitos progressos foram efetuados neste campo, permitindo conseqüentemente que novos medicamentos fossem colocados no mercado, trazendo, então, alívio para boa parte dos doentes. Os medicamentos biológicos representam no momento a arma terapêutica de última geração para o tratamento da Doença de Crohn (DC). Dentre eles o mais estudado e disponível comercialmente desde outubro de 1998 é o Infliximabe. Sua eficácia vem sendo comprovada por vários trabalhos científicos de diversas instituições de renome. Outras opções despontam e prometem resultados equivalentes, oferecendo um leque terapêutico maior. 1. Indução da remissão 1.1. Na doença de Crohn No ano de 1997 já foi descrito o benefício do Infliximabe, anticorpo monoclonal quimérico anti-tnf, na DC, quando demonstrou numa única infusão, melhora em 65% dos pacientes contra apenas 17% do grupo placebo. No estudo ACCENT 1, 573 pacientes com DC foram avaliados recebendo 5mg/kg intravenoso de Infliximabe na semana 0. Na semana 2 estes pacientes eram randomizados para placebo (grupo I), 5mg/kg (grupo II) ou 10 mg/kg (grupo III) da medicação na semana 2,6 e a cada 8 semanas. 58% dos pacientes

2 responderam a uma única infusão de Infliximabe com duas semanas. As taxas de remissão em 30 semanas foram de 39% no grupo II e 45% no grupo III. Neste artigo ficou demonstrado que a dose de 5mg/Kg era tão eficaz quanto doses maiores, ficando então estabelecida esta como a padrão para o início do tratamento. Na mesma época ficou comprovado o efeito do Infliximabe em fístulas, onde conseguiu resultado impressionante ao fechar 46% das fístulas contra 13% do grupo placebo. No estudo ACCENT 2, a eficácia na manutenção da cicatrização de fístulas após 54 semanas de seguimento foi demonstrada, com uma diferença igualmente significativa. Ainda nos casos de fístulas na DC, o Infliximabe associado a outras formas terapêuticas, como imunossupressores, também foi usado com sucesso. O seu uso concomitante à colocação de sedenhos (setons) mostrou resultados interessantes, e o uso de antibióticos de amplo espectro associados, também foi positivo. Mais recentemente o Infliximabe mostrou-se pouco tóxico para uso durante a gestação, possibilitando sua manutenção nesta ocasião, principalmente nos casos mais severos, nos quais a atividade da doença representa um risco muito maior do que a medicação. O índice de malformação fetal foi similar ao da população geral, apesar de ser detectado um nível sanguíneo elevado de Infliximabe em recém-nascidos de mães que utilizaram a droga durante a gestação. Além disto, a utilização em pediatria também foi aprovada após extensas investigações que comprovaram sua eficácia e segurança em tais pacientes. Neste meio tempo, a grande maioria dos gastroenterologistas concordou que o uso concomitante de imunossupressores e as doses de indução nas semanas 0, 2 e 6 são relevantes na obtenção de melhor resposta terapêutica com redução na possibilidade de formação de anticorpos HACA (antiquiméricos). Apesar de ainda não haver unanimidade quanto ao uso de

3 manutenção seqüencial posterior, a cada 8 semanas, parece ser este o padrão a ser seguido, ao menos até o momento. As reações infusionais poderiam ser decorrentes de formação de anticorpos e poderiam diminuir a eficácia da droga por uma diminuição do nível plasmático da mesma, fazendo com que o tempo de atuação fique igualmente reduzido. Um estudo com 80 pacientes (40 em cada grupo) mostrou que após 6 meses de uso concomitante de imunossupressor, este pode ser retirado sem que ocorra modificação a curto prazo na eficácia do infliximabe, em relação ao grupo que manteve a droga. Evidenciou, porém, que aqueles que suspenderam o imunossupressor apresentaram picos sanguíneos diminuídos do Infliximabe a partir de então. Até quanto isto poderia resultar em uma possível reação de hipersensibilidade tardia, ou perda de eficácia da droga em longo prazo, ainda permanece obscuro. Os estudos de segurança da droga mostraram que no curto prazo a incidência de efeitos adversos é muito pequena, mas no longo prazo é preciso uma atenção especial quanto à possibilidade de infecções, principalmente naqueles em uso de imunossupressores associados e que tenham necessidade de uso contínuo ou eventual de corticóides. O receio de obstrução por risco de estenose decorrente do processo cicatricial induzido pelo Infliximabe também se mostrou exagerado, mas o bom senso manda evitar o uso da droga em caso onde há sub-estenose com dilatação de alça à montante, ou quadro clínico consistente com importante sub-oclusão intestinal. Vários estudos mostraram a segurança relativa do Infliximabe durante a gestação quando comparadas gestantes com DC em uso da droga, sem uso da droga e normais (sem doença). Parece que nos casos onde o seu uso foi indicado, o risco de ficar sem a droga poderia ser maior do que o possível efeito sobre o feto. É importante ressaltar que apesar de estudos pequenos terem sugerido que poderia haver uma incidência maior de displasia em exames de Papanicolau de mulheres em uso de Infliximabe e imunossupressores

4 associados, um recente trabalho publicado mostrou que parece não haver esta relação Na Retocolite Ulcerativa No tratamento da Retocolite Ulcerativa (RCU), o uso do Infliximabe foi possível após os resultados demonstrados nos estudos ACT1 e ACT2. Estes estudos foram realizados para avaliar a segurança e eficácia do Infliximabe nas doses de 5mg/Kg e 10 mg/kg, nas semanas 0, 2 e 6, e então a cada 8 semanas, em portadores de RCU ativa. Foram estudos paralelos, multicêntricos, randomizados, duplo-cego e placebo-controlados, ou seja, com todo o rigor científico. Os resultados do ACT 1&2 indicaram que o infliximabe foi seguro e benéfico para os pacientes com RCU, sendo que foi superior ao placebo na indução e manutenção da resposta e remissão clínica e da cicatrização da mucosa. Uma proporção significativamente maior de pacientes tratados com infliximabe pôde suspender corticosteróide e conseguir remissão tendo a droga sida geralmente bem tolerada com perfil de segurança consistente com os estudos prévios. Uma revisão sistemática, publicada em 2006, levantou 34 estudos da terapia com infliximabe para colite ulcerativa aplicada a quase 900 pacientes. Os protocolos e seus resultados foram heterogêneos, porém os cinco estudos randomizados, duplo cegos, controlados com placebo, permitiram concluir que o infliximabe é mais efetivo do que placebo em RCU moderada a grave com obtenção de remissão de até 9 meses em 40% dos pacientes. Considerando a resposta de curto prazo esse percentual vai para 68%, enquanto a longo prazo para 53%. Com base nos dados obtidos, o infliximabe foi aprovado pelo Food and Drug Administration (FDA), ainda em 2006, para tratamento de retocolite ulcerativa grave ou refratária. De uma forma geral podemos reunir as indicações do Infliximabe conforme mostrado na tabela 1.

5 Tabela 1. Indicações definidas e potenciais de tratamento com Infliximabe em pacientes com DIIs. Indicações definidas para terapia de indução com Infliximabe 1. DC moderada a grave com resposta inadequada a terapia convencional (definida pela gravidade dos sintomas e ou ausência de resposta à terapia padrão como corticosteróide, azatioprina, 6- mercaptopurina e metotrexato). 2. DC fistulizante com drenagem enterocutânea ou fístulas perianais 3. RCU moderada a grave que não responde a terapia convencional 4. RCU grave refratária ao esteróide Indicações potenciais para terapia de indução com infliximabe 1. Pacientes hospitalizados com DC inflamatória ou fistulizante que não falharam com todas as terapias convencionais, porém existe um quadro clínico grave ou deseja-se uma rápida resolução. 2. DC pediátrica, mesmo não preenchendo critérios do adulto (evitar efeitos colaterais dos corticóides) 3. DC tratada com esteróide (como terapia de manutenção) 4. Outras manifestações da DC (DC da bolsa ileoanal, Espondilite Anquilosante e Sacroileite, Pioderma Gangrenoso, quadro associado à artrite, doença perianal, orofacial, ou esofágica). Indicações definidas para manutenção da terapia com infliximabe 1. DC inflamatória ou fistulizante que responde a indução inicial da terapia com infliximabe e falha na terapia de manutenção com um ou mais agentes imunossupressores 2. DC tratada com esteróide que falha na tentativa de retirada do corticóide com um ou mais agentes imunossupressores.

6 As diretrizes estabelecidas pela American Gastroenterological Association (AGA) assim como o consenso anual de 2007 da European Crohn s and Colitis Organization (ECCO) informam, então, que o infliximabe está indicado para tratamento dos pacientes portadores de DC e RCUI: - Em atividade moderada a severa e que não responderam ao tratamento completo e adequado com corticóides e imunossupressores (azatioprina / 6- mercaptopurina, metotrexate), portanto resistentes, e - Naqueles que não podem receber o tratamento convencional por serem intolerantes ao mesmo. O paciente que não apresenta remissão com as três doses previstas deixa de ter indicação de infliximabe. A dose recomendada inicial para todas as indicações em DIIs é 5 mg/kg administrada em infusão endovenosa em 2 horas em regime de indução de 3 doses nas semanas 0,2 e 6. Pacientes que respondem devem seguir com manutenção recebendo uma infusão a cada 8 semanas. Na DC considera-se a elevação da dose para 10 mg/kg de peso nos pacientes que perderam a resposta enquanto que na RCU não há ainda nenhum estudo desta intervenção. O tratamento deve ser administrado sob supervisão e controle de equipe de saúde especializada com equipamento de emergência para atendimento de eventuais reações infusionais graves. Ocorrendo remissão, está indicada a manutenção com infusão de infliximabe a cada 8 semanas e a retirada gradual e completa do corticosteróide. Várias outras modalidades terapêuticas encontram-se em testes, tais como anti-tnf alfa humano, humanizado e recombinante, anti-ifn gama, anti-il 12, fatores de crescimento tecidual (atuariam aumentando a barreira protetora da mucosa intestinal), agentes anti-icam 1 (diminuiriam a produção de citocinas

7 inflamatórias, reduzindo a migração leucocitária para o tecido agredido) e aféreses. Novos agentes biológicos também estão em fase de testes. São, na maioria, anticorpos anti-fator de Necrose Tumoral (TNF), mas com algum diferencial na sua confecção. O Adalimumabe é um destes, que tem toda sua composição feita a partir de material humano e acaba de ser liberado pelo FDA (Food and Drug Administration) para uso na DC moderada a grave e em casos não responsivos ou que adquiriram intolerância ao Infliximabe. Com isto, ao menos teoricamente, diminuiria as chances de haver formação de reações imunológicas indesejáveis. É um anticorpo monoclonal totalmente humano (IgG1), com mecanismo de ação similar ao Infliximabe, que neutraliza o TNFalfa, se fixa ao complemento e induz a apoptose de macrófagos e células T. Em um estudo clínico (CLASSIC 1) aberto, randomizado e controlado 299 pacientes virgens de anti-tnf receberam Adalimumabe subcutâneo nas semanas 0, 2 com doses de 40/20mg, 80/40mg, 160/80mg versus placebo/placebo. As taxas de respostas observadas foram de 54%, 59%, 60% e 12%, respectivamente. Os eventos adversos mais observados foram reações no local da aplicação. Este estudo teve um prolongamento para verificar a manutenção da remissão (CLASSIC 2). Também para avaliar a eficácia e segurança do Adalimumabe na manutenção da remissão clínica foi feito o trabalho (CHARM). Ambos mostraram que os pacientes em uso da medicação mantiveram a remissão com maior freqüência que pacientes tratados com placebo, descontinuaram mais facilmente o uso de esteróides e apresentaram melhor cicatrização das fístulas. Tudo isto com baixo índice de efeitos adversos. Estão sendo realizados estudos (GAIN e M04-690) que visam observar a resposta ao Adalimumabe em pacientes que falharam ao Infliximabe e manutenção da remissão de longo prazo nestes.

8 O CDP-870 (Certolizumabe pegol) é outro inibidor do TNF-alfa. É humanizado, desenvolvido por engenharia genética, resultante da peguilação do fragmento Fab específico do TNF-alfa. Esta peguilação aumenta a meia-vida plasmática da medicação em aproximadamente duas semanas em humanos. Em um grande estudo aberto (Precise 1) 668 pacientes com DC ativa (CDAI entre 220 e 450) foram induzidos com Certolizumabe pegol 400 mg subcutâneo nas semanas 0, 2 e 4. Destes, 428 pacientes responderam e foram randomizados para um novo trabalho (Precise 2) que manteria a terapia com Certolizumabe ou forneceria placebo a cada 4 semanas até a semana 24. Na semana 26, a taxa de resposta clínica foi de 61,6% para pacientes recebendo Certolizumabe pegol versus 33,7 recebendo placebo (p < 0,001). As taxas de remissão foram 42,0 e 25,7% em relação ao grupo do Certolizumabe e placebo, respectivamente. O Certolizumabe não promove a apoptose das células T ao contrário do Infliximabe e do Adalimumabe, mas ainda não se sabe qual a importância desta no mecanismo patológico das DIIs. Há grande expectativa depositada nestas novas drogas. 2. Manutenção O Infliximabe tem mostrado eficácia na manutenção da remissão na DC e também na RCU e com segurança demonstrada através de estudos publicados. Além disto, parece favorecer a remineralização óssea freqüentemente prejudicada nestes doentes pela doença e pelas medicações que podem interferir com o metabolismo do Cálcio, como os corticóides. O registro TREAT, realizado com mais de 6000 pacientes dentre os quais 3272 usaram Infliximabe, mostrou que não houve vestígio de que o linfoma possa ser um efeito adverso da droga, já que o número de ocorrências foi igual ao encontrado nos que usavam imunossupressores isoladamente. O que ficou

9 evidenciado no estudo é que aqueles que usam corticóides e narcóticos cronicamente apresentam maior risco de morbidade e mortalidade. De uma maneira geral, após profunda análise dos dados, ficou notória a eficácia e validade do uso de Infliximabe associado a imunossupressores, já que os benefícios frente aos riscos são muito maiores. Alguns resultados que reforçam esta conclusão, baseados em um modelo de pacientes tratados com Infliximabe contra com tratamento convencional: mais pacientes em remissão, 4255 cirurgias a menos, 33 menos mortes pela doença, e muito melhor qualidade de vida. Estudos de manutenção com os novos agentes biológicos, como o Adalimumabe (CLASSIC 2, CHARM e M04-690) e Certolizumabe (PRECISE 2) estão descritos sumariamente no tópico anterior deste texto, mas outros estão sendo realizados para demonstrar eficácia e segurança na manutenção dos pacientes em remissão por períodos ainda mais longos. 3. OUTRAS DROGAS BIOLÓGICAS Há pelo menos duas drogas biológicas (Natalizumabe e MLNO2) que agem diretamente nas moléculas de adesão e têm sido avaliadas nas DIIs. O Natalizumabe, um anticorpo monoclonal anti-integrina alfa 4 tem demonstrado eficácia substancial em induzir e manter a remissão em pacientes com DC (estudo ENACT). Porém o uso desta droga tem sido associado com o desenvolvimento de complicações infecciosas, neurodegenerativas que não é claramente associado com outros agentes biológicos. Antagonizar a inflamação transmural na DC usando citocinas antiinflamatórias tem sido descrito. A inteleucina-12 ativa a cascata inflamatória também do TNF alfa e Interferon gama em pacientes com DC. A anti-interleucina 12 foi avaliada em 79 pacientes recebendo 1 ou 3 mg/kg, ou placebo por 7

10 semanas com seguimento até 12 semanas.as taxas de resposta foram 69%, 25% e 13% para os grupos 3 mg, 1 mg e placebo, respectivamente, porém está diferença foi estatisticamente não significante. Outra droga estudada na doença inflamatória intestinal é o anticorpo monoclonal IgG1 anti Interferon gama (Fontolizumabe) que bloqueia especificamente o interferon gama sem afetar o interferon alfa ou beta. Um estudo europeu com Fontolizumabe incluiu 42 pacientes recebendo uma dose, 91 recebendo duas doses ou placebo no dia zero e 28. A diferença nos resultados do grupo que recebeu uma dose da medicação e aquele que recebeu placebo foi estatisticamente não significante. O grupo que recebeu duas doses teve uma resposta de 69% e 67% com quatro e 10 mg/kg versus 32% para placebo. A grande distinção entre o placebo é notada quando se estratifica de acordo com os níveis de PCR. Porém estudos futuros são necessários para afirmar o papel desta droga como promissor. Proteínas solúveis que se ligam ao TNF estão sendo estudadas como potentes alternativas dos agentes anti-tnf. O Onercept é uma forma recombinante do receptor p55 do TNF natural humana e solúvel. Seu uso foi avaliado em 12 pacientes com DC ativa randomizados para receber 11,7 ou 50 mg três vezes por semana por duas semanas. Os pacientes foram seguidos por seis meses após o final do tratamento. O CDAI (índice de atividade da DC) diminui rapidamente durante o tratamento em ambos os grupos. Sete pacientes responderam (com diminuição do CDAI em 100 pontos) nas primeiras seis semanas do estudo. Cinco pacientes entravam em remissão (CDAI < 150 pontos). A resposta foi sustentada por dois a quatro meses após término do tratamento. A terapia foi bem tolerada e nenhum paciente desenvolveu anticorpos contra Onercept. Estudos futuros são necessários

11 Dentre outros biológicos em estudo na RCU, outro anticorpo monoclonal humanizado anti-tnf, o CDP-571, em estudo piloto na forma leve a moderada, não repetiu em ensaio clínico os resultados obtidos em modelo experimental. Já o RDP-58, um decapeptídeo anti-inflamatório que bloqueia a produção do TNF mas também inibe a produção de interferon gama, de interleucina 2 (IL2) e interleucina 12 ( IL12), testado em pacientes com colite de leve a moderada, mostrou ser superior ao placebo. Por aparentar ser seguro e poder ser aplicado por via oral, poderá se tornar uma opção atraente. Anticorpos monoclonais bloqueadores da IL2, como o daclizumabe (humanizado) e o baziliximabe (quimérico), foram submetidos a protocolos abertos em pequeno número de pacientes com resultado fugaz porém com possível papel de facilitadores da remissão por corticosteróides. O visilizumabe, um anti-cd3 que induz seletivamente apoptose nas células T ativadas, está sendo estudado para os casos de RCU grave refratária a tratamento com corticóide EV, como opção à ciclosporina e à cirurgia. O resultado foi favorável, mas ainda em números muito pequenos e com as preocupações de segurança já conhecidas em outros cenários de uso da medicação, tais como reativação de infecção por vírus de Epstein Barr e doença linfoproliferativa. O papel dos interferons no tratamento da RCU foi avaliado em vários ensaios, tanto com interferon alfa 2a e alfa 2b peguilado como com interferon beta1a. Os resultados foram muito heterogêneos e a questão da intolerância ao medicamento pode ser importante. No entanto, investiga-se ainda uma possível participação dos interferons principalmente no tratamento da colite esquerda, condição em que foram mais estudados. Fatores de crescimento, incluindo o fator de crescimento beta, os fatores trefoil, fator de crescimento epidermal (EGF) e o fator de crescimento dos queratinócitos (KGF) regulam a integridade da mucosa colônica e mantêm sua

12 função de barreira. Seu uso potencialmente promoveria cicatrização das lesões mucosas, efeito obtido experimentalmente. Em estudo placebo controlado com repifermin (KGF2) em pacientes com colite ulcerativa, não houve benefício. Por outro lado, a aplicação tópica por enema de EGF em casos de colite moderada teve resultados expressivos de remissão. São necessários estudos confirmatórios e atenção ao potencial oncogênico dessas intervenções. Sem sombra de dúvida estamos em um momento mágico no que diz respeito ao tratamento das DIIs, em grande parte, graças aos medicamentos biológicos que trouxeram uma perspectiva completamente nova para combatêlas. Bibliográfica Recomendada 1 Rutgeerts P, D Haens G, van Deventer SJH, et al. Retreatment with anti-tnf-a chimeric antibody (ca2) effectively maintains ca2-induced remission in Crohn s disease. Amer J Gastroenterol 1997;112:A D Haens GR, van Deventer SJH, Van Hogezand R, et al. Anti-TNFa monoclonal antibody (ca2) produces endoscopic healing in patients with treatment resistant active Crohn s disease. Amer J Gastroenterol 1998; 114:A Colombel JF, Loftus Jr. EV, Tremaine WJ, et al. The safety profile of infliximab for Crohn s disease in clinical practice: the Mayo Clinic experience in 500 patients. Gastroenterology 2004;126: Hanauer SB, Feagan BG, Lichtenstein GR, et al. Maintenance infliximab for Crohn s disease: The ACCENT I randomized trial. Lancet 2002;359:

13 5 Lichtenstein GR, Cohen RD, Feagan BG, et al. Safety of infliximab and other Crohn s disease therapies updated Treat registry data with over 10,000 patient years of follow-up. Gastroenterology 2005;128:A Present D, Mayer L, van Deventer SJH: Anti-TNF alpha chimeric antibody (ca2) is effective in the treatment of fistulae of Crohn s disease: A multi-center, randomized, double-blind, placebo-controlled study. Amer J Gastroenterol 1997;92:A648 (1746). 7 Vasiliauskas EA, Dubinsky M. Barry M, et al. High serum levels of infliximab detected in the newborn of a mother receiving infliximab during pregnancy.gastroenterology 2005;128:p26 (A148). 8 Rutgeerts P, Feagan BG, Lichtenstein GR, et al. Comparison of scheduled and episodic treatment strategies of infliximab in Crohn s disease. Gastroenterology 2004;126: van Assche G, D Haens G, Baert F, et al. The clinical outcome of maintenance therapy with infliximab for luminal Crohn s disease is not affected by concomitant immunosuppressives: results of a multicenter randomized infliximab maintenance/immunosuppressives discontinuation (imid) trial (abstract 147).Presented at Digestive Disease Week 2005;May 14-19, 2005;Chicago, IL. 10 Youdim A,Vasiliauskas EA, Targan SR, et al. A pilot study of adalimumab in infliximab-allergic patients. Inflamm Bowel Dis 2004;10: Sandborn WJ, Hanauer SB, Lucas M, et al. Maintenance of remission over 1 year in patients with active Crohn s disease treated with adalimumab: results of CLASSIC ll, a blinded, placebo-controlled study. Gut 2005;54(Suppl Vll):A Sandborn WJ, Hanauer SB, Lukas M, et al. Clinical remission and response in patients with Crohn s disease treated open-label for 6 months with fully human anti-tnf monoclonal antibody adalimumab. Gut 2005;54(Suppl Vll):A18.

14 13 Schreiber S, Rutgeerts P, Fedorak RN, et al. Randomized, placebo controlled trial of Certolizumab Pegol (CDP870) for treatment of Crohn s disease.gastroenterology 2005;129: Tremaine WJ. Maintenance therapy in IBD. Inflamm Bowel Dis 1998; 44: Sandborn WJ, Feagan BG. Review article: mild to moderate Crohn s disease defining the basis for a new treatment algorithm. Aliment Pharmacol Ther : Baert F, Noman M, Verveire S, et al. Influence of long-term efficacy of infliximab in Crohn s disease. N Engl J Med 2003;384L: Lichtenstein GR, Cohen RD, Feagan BG, et al. Safety of infliximab in Crohn s disease: data from the 5,000 Patient - the Treat Registry. Gastroenterology 2004;126:A Kornbluth A, Sachar DB; Practice Parameters Committee of the American College of Gastroenterology. Ulcerative colitis practice guidelines in adults (update): American College of Gastroenterology, Practice Parameters Committee.Am J Gastroenterol Jul;99(7): Feagan BG, Reinisch W, Rutgeerts P, Sandborn WJ, Yan S, Eisenberg D, Bala M,Johanns J, Olson A, Hanauer SB. The effects of infliximab therapy on health-related quality of life in ulcerative colitis patients. Am J Gastroenterol Apr;102(4): Lichtenstein GR, Abreu MT, Cohen R, Tremaine W; American Gastroenterological Association. American Gastroenterological Association Institute medical position statement on corticosteroids, immunomodulators, and infliximab in inflammatory bowel disease. Gastroenterology Mar;130(3):935-9

15 Dr. Flavio Steinwurz Governador do American College of Gastroenterology para o Brasil Médico do Hospital Israelita Albert Einstein São Paulo Presidente da ABCD- Associação Brasileira de Colite Ulcerativa e Doença de Crohn Dra. Andréa Vieira Medica Assistente da Clínica de Gastroenterologia do Departamento de Medicina da Irmandade Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Mestre em Gastroenterologia. Dra. Heda Amarante Professora assistente de Gastroenterologia da Universidade Federal do Paraná. Medica responsável pelo serviço de Doença Inflamatória Intestinal do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná. Coordenadora regional do Paraná para ABCD Associação Brasileira de Colite Ulcerativa e Doença de Crohn.

PARECER DO GATS nº 20/08

PARECER DO GATS nº 20/08 PARECER DO GATS nº 20/08 Responsável: Sandra de Oliveira Sapori Avelar Data de elaboração: 10 de julho de 2008. TEMA: INFLIXIMABE NA DOENÇA DE CROHN INTRODUÇÃO: A doença de Crohn é uma condição inflamatória

Leia mais

Terapia medicamentosa

Terapia medicamentosa www.printo.it/pediatric-rheumatology/pt/intro Terapia medicamentosa Versão de 2016 13. Medicamentos biológicos Nos últimos anos foram introduzidas novas perspetivas terapêuticas com substâncias conhecidas

Leia mais

Data: 17/05/2013. NTRR 74/ 2013 a. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Data: 17/05/2013. NTRR 74/ 2013 a. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NTRR 74/ 2013 a Solicitante: Juiza de Direito Herilene de Oliveira Andrade Itapecerica Número do processo: 335.13.910-3 Data: 17/05/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Réu: Município de

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde USO DO INFLIXIMAB NA RETOCOLITE ULCERATIVA IDIOPÁTICA

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde USO DO INFLIXIMAB NA RETOCOLITE ULCERATIVA IDIOPÁTICA Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde USO DO INFLIXIMAB NA RETOCOLITE ULCERATIVA IDIOPÁTICA Canoas, Fevereiro de 2007 Coordenador Câmara Técnica de Medicina

Leia mais

Data: 20/01/2013 NTRR 05/2013. Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Data: 20/01/2013 NTRR 05/2013. Medicamento X Material Procedimento Cobertura NTRR 05/2013 Solicitante: Desembargador Alyrio Ramos Número do processo: 1.0145.12.082745-9/001 Impetrato: Secretaria de Saúde de Juiz de Fora Data: 20/01/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Leia mais

TERAPIA BIOLÓGICA MARTA BRENNER MACHADO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PORTO ALEGRE

TERAPIA BIOLÓGICA MARTA BRENNER MACHADO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PORTO ALEGRE TERAPIA BIOLÓGICA MARTA BRENNER MACHADO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PORTO ALEGRE Importância do Tema 1. Doença crônica e incurável. 2. Difícil aceitação pelo paciente. 3. Fundamental:

Leia mais

Avanços no Tratamento da Doença Inflamatória Intestinal

Avanços no Tratamento da Doença Inflamatória Intestinal UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências da Saúde Avanços no Tratamento da Doença Inflamatória Intestinal Adriano João Marques Pinto da Mota Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Medicina (ciclo

Leia mais

II Curso de Atualização em Coloproctologia

II Curso de Atualização em Coloproctologia II Curso de Atualização em Coloproctologia Estratégias de Prevenção de Câncer nas Doenças Inflamatórias Intestinais Dr. Marco Zerôncio LIGA NRCC Considerações Iniciais As DII (RCUI e colite por Crohn)

Leia mais

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões Enfª Resp. Téc. Ana Cristina de Almeida CIP-Centro de Infusões Pacaembú Agente Biológicos Os biológicos

Leia mais

TEMA: FINGOLIMODE NA ESCLEROSE MÚLTIPLA

TEMA: FINGOLIMODE NA ESCLEROSE MÚLTIPLA NTRR 253/2013 Solicitante: Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Data: 13/12/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 1.0702.13.078195-9/001 TEMA: FINGOLIMODE

Leia mais

HUMIRA (ADALIMUMABE) PARA ARTRITE REUMATOIDE

HUMIRA (ADALIMUMABE) PARA ARTRITE REUMATOIDE NOTA TÉCNICA 06/2014 HUMIRA (ADALIMUMABE) PARA ARTRITE REUMATOIDE Data: 19/01/2014 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Des. Raimundo Messias Número do processo: 1.0024.06.994853-7/001

Leia mais

ANEXO AO DOCUMENTO PARECER DO GRUPO TÉCNICO DE AUDITORIA EM SAÚDE 15/06 TEMA:USO DO RITUXIMABE EM DOENÇAS AUTO-IMUNES ATUALIZAÇÃO 07/2008

ANEXO AO DOCUMENTO PARECER DO GRUPO TÉCNICO DE AUDITORIA EM SAÚDE 15/06 TEMA:USO DO RITUXIMABE EM DOENÇAS AUTO-IMUNES ATUALIZAÇÃO 07/2008 UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS ANEXO AO DOCUMENTO PARECER DO GRUPO TÉCNICO DE AUDITORIA EM SAÚDE 15/06 TEMA:USO DO RITUXIMABE EM DOENÇAS

Leia mais

Manifesto pela segurança do paciente nos tratamentos biológicos

Manifesto pela segurança do paciente nos tratamentos biológicos Manifesto pela segurança do paciente nos tratamentos biológicos Produtos biológicos têm um histórico de sucesso no tratamento de muitas doenças crônicas e que trazem risco à vida. Recentemente, o vencimento

Leia mais

MODELO DE BULA PARA O PROFISSIONAL DE SAÚDE (VENDA AO COMÉRCIO) I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 13 ANOS

MODELO DE BULA PARA O PROFISSIONAL DE SAÚDE (VENDA AO COMÉRCIO) I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 13 ANOS MODELO DE BULA PARA O PROFISSIONAL DE SAÚDE (VENDA AO COMÉRCIO) I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: HUMIRA adalimumabe APRESENTAÇÕES: HUMIRA (adalimumabe) solução injetável de: - 40 mg em seringa com 0,8

Leia mais

TALIDOMIDA DOENÇA DE BEHÇET

TALIDOMIDA DOENÇA DE BEHÇET NOTA TÉCNICA 69-2014 TALIDOMIDA DOENÇA DE BEHÇET Data: 04/04/2014 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juíz de Direito Dr. Rafael Murad Brumana Número do processo: 0377.14.000764-4

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Trabalho de farmaco economia em Drogas Biológicas

Trabalho de farmaco economia em Drogas Biológicas Unidade de Estudos de Procedimentos de Alta Complexidade UEPAC Dra. Claudia Cantanheda Dr. Vitor André Romão Dr. José Geraldo Amino Enfª. Quenia Dias Hugo Simas Trabalho de farmaco economia em Drogas Biológicas

Leia mais

PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL

PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL Dra. Ana Cristina de Medeiros Ribeiro Reumatologista do HC FMUSP e CEDMAC Doutoranda pela FMUSP IMUNOBIOLÓGICOS NO BRASIL Anti-TNF

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE

Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL MARCELO DAS CLÍNICAS ARNONE FMUSP AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL DAS CLÍNICAS FMUSP Moduladores de

Leia mais

Coordenador Nacional do NEDAI (que reviu o Texto): Dr. Luís Campos

Coordenador Nacional do NEDAI (que reviu o Texto): Dr. Luís Campos Elaborado por Dr. João Matos Costa e Dr.ª Inês Aguiar Câmara (Hospital Distrital de Santarém) para o NEDAI (Núcleo de Estudos de Doenças Auto-Imunes) da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI).

Leia mais

Infliximabe para o tratamento da Retocolite Ulcerativa Grave refratária a corticoides e ciclosporina

Infliximabe para o tratamento da Retocolite Ulcerativa Grave refratária a corticoides e ciclosporina Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde Infliximabe para o tratamento da Retocolite Ulcerativa Grave refratária

Leia mais

Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas

Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas Aécio Flávio Meirelles de Souza Mestre em Gastroenterologia pelo Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas em Gastroenterologia (IBEPEGE). São Paulo, SP Professor

Leia mais

terapêutica combinada (anti-tnf e imunossupressor) durante, pelo menos, seis meses e com

terapêutica combinada (anti-tnf e imunossupressor) durante, pelo menos, seis meses e com EM AUDIÇÃO E TESTE DE APLICABILIDADE ATÉ 31 DE MAIO DE 2012 NÚMERO: 068/2011 DATA: 30/12/2011 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Terapêutica Biológica da Doença Inflamatória do Intestino do Adulto

Leia mais

I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 13 ANOS II) INFORMAÇÕES TÉCNICAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 13 ANOS II) INFORMAÇÕES TÉCNICAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE MODELO DE BULA PARA O PROFISSIONAL DE SAÚDE (VENDA AO COMÉRCIO) I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: HUMIRA adalimumabe APRESENTAÇÕES: HUMIRA (adalimumabe) solução injetável de: - 40 mg em seringa com 0,8

Leia mais

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA)

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA) NT 101/2013 Solicitante: Juiz de Direito NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Número do processo: 0119213-86.2013.8.13.0525 Data: 22/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado de Minas

Leia mais

Réus: Município de Belo Horizonte e Estado de Minas Gerais

Réus: Município de Belo Horizonte e Estado de Minas Gerais NOTA TÉCNICA 66/2014 Solicitante: Dra. Patricia Santos Firmo Juíza de Direito Data: 09/04/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Réus: Município de Belo Horizonte e Estado de Minas Gerais Processo

Leia mais

Saiba mais sobre... Fármacos biotecnológicos

Saiba mais sobre... Fármacos biotecnológicos Saiba mais sobre... Fármacos biotecnológicos Catarina Ambrósio Anabela Barcelos Hospital Infante D. Pedro E.P.E. Avenida Artur Ravara 3814-501 Aveiro Telefone: (+351) 234 378 300 Fax: (+351) 234 378 395

Leia mais

APRESENTAÇÃO Pó liofilizado para solução concentrada para infusão em embalagem com 1 frasco-ampola de uso único com 100 mg de infliximabe.

APRESENTAÇÃO Pó liofilizado para solução concentrada para infusão em embalagem com 1 frasco-ampola de uso único com 100 mg de infliximabe. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO REMICADE infliximabe APRESENTAÇÃO Pó liofilizado para solução concentrada para infusão em embalagem com 1 frasco-ampola de uso único com 100 mg de infliximabe. USO INTRAVENOSO

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

Doença de Crohn Intestinal: Manejo

Doença de Crohn Intestinal: Manejo Autoria: Sociedade Brasileira de Coloproctologia Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Sociedade Brasileira de Patologia Colégio Brasileiro de Radiologia Elaboração Final: 28 de fevereiro de 2008 Participantes:

Leia mais

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO Data: 08/12/2012 Nota Técnica 2012 Juízo da 4ª Vara de Fazenda Pública Municipal Juiz Renato Dresh Numeração Única: 3415341-21.201 Impetrante Marlene Andrade Montes Medicamento Material Procedimento Cobertura

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA Data: 17/05/2013 NOTA TÉCNICA 73 /2013 Medicamento Material Procedimento Cobertura x Solicitante: Juíza Vanessa Guimarães da Costa Vedovotto Número do processo: TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Sumário das Evidências e Recomendações para o Tratamento com Agentes Anti-TNF (infliximab, etanercept, adalimumab) na

Leia mais

Utilização dos medicamentos biológicos em doenças reumáticas, psoríase e doença inflamatória intestinal

Utilização dos medicamentos biológicos em doenças reumáticas, psoríase e doença inflamatória intestinal Utilização dos medicamentos biológicos em doenças reumáticas, psoríase e doença inflamatória intestinal Novembro de 2014 Pg1 Lista de abreviaturas: AIJ = Artrite Idiopática Juvenil EA = Espondilite Anquilosante

Leia mais

VACINA CONTRA PAPILOMAVÍRUS HUMANO HPV

VACINA CONTRA PAPILOMAVÍRUS HUMANO HPV 1º Trimestre 2007 VACINA CONTRA PAPILOMAVÍRUS HUMANO HPV Em junho de 2006, foi aprovada pela FDA (Food And Drug Administration) dos Estados Unidos (EUA) uma vacina recombinante quadrivalente contra papilomavírus

Leia mais

Hepatite C Crônica: custo dos antivirais versus custo de acompanhamento do paciente de acordo com a perspectiva do Sistema Único de Saúde.

Hepatite C Crônica: custo dos antivirais versus custo de acompanhamento do paciente de acordo com a perspectiva do Sistema Único de Saúde. Hepatite C Crônica: custo dos antivirais versus custo de acompanhamento do paciente de acordo com a perspectiva do Sistema Único de Saúde. Carine Raquel Blatt; Fabíola Bagatini Buendgens; Junior André

Leia mais

Partes: CÉLIO FERREIRA DA CUNHA MUNICÍPIO DE COROMANDEL-MG

Partes: CÉLIO FERREIRA DA CUNHA MUNICÍPIO DE COROMANDEL-MG RESPOSTA RÁPIDA 208/2014 Assunto: Azacitidina para tratamento de mielodisplasia SOLICITANTE Juiz de Direito da comarca de Coromandeu NÚMERO DO PROCESSO 0193.14.001135-7 DATA 16/04/2014 Coromandel, 14/04/2014

Leia mais

Anexo A DIAFURAN CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Comprimidos. 2 mg

Anexo A DIAFURAN CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Comprimidos. 2 mg Anexo A DIAFURAN CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA Comprimidos 2 mg DIAFURAN cloridrato de loperamida I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: DIAFURAN Nome genérico: cloridrato de loperamida

Leia mais

Imunossupressores e Agentes Biológicos

Imunossupressores e Agentes Biológicos Imunossupressores e Agentes Biológicos Histórico Início da década de 1960 Transplantes Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Doenças autoimunes Neoplasias Imunossupressores Redução

Leia mais

21/08/14. Farmacologia da Inflamação Drogas Modificadoras de Doença. Ciclo de Atualização em Farmacologia. DMARDs

21/08/14. Farmacologia da Inflamação Drogas Modificadoras de Doença. Ciclo de Atualização em Farmacologia. DMARDs Ciclo de Atualização em Farmacologia Farmacologia da Inflamação Drogas Modificadoras de Doença Drogas Modificadoras de Doença - DMARDs @ Diasese-modifying antirheumatoid drugs; @ Suprimem em parte ou totalmente

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

20/12/2012 NOTA TÉCNICA

20/12/2012 NOTA TÉCNICA Data: 20/12/2012 NOTA TÉCNICA 56/2012 Medicamento X Material Solicitante Procedimento Juiz Almir Prudente dos Santos Cachoeira de Cobertura Minas Refere-se ao Processo nº. 009712001663-5 TEMA: interferon

Leia mais

MODELO DE FORMATO DE BULA

MODELO DE FORMATO DE BULA APRESENTAÇÃO OMCILON-A ORABASE é apresentado em bisnaga contendo 10 g. USO ORAL TÓPICO USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada grama de OMCILON-A ORABASE contém 1mg de triancinolona acetonida. Ingredientes inativos:

Leia mais

RESISTAID Modulador natural do sistema imunológico

RESISTAID Modulador natural do sistema imunológico Informações Técnicas RESISTAID Modulador natural do sistema imunológico CAS NUMBER: 9036-66-2 SINÔNIMOS: Arabinogalactana, Lariço arabinogalactana, Galactoarabinina, Fibra lariço, Goma lariço NOME BOTÂNICO:

Leia mais

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA Academia Nacional de Medicina PANCREATITE AGUDA TERAPÊUTICA José Galvão-Alves Rio de Janeiro 2009 PANCREATITE AGUDA FORMAS EVOLUTIVAS INÍCIO PANCREATITE AGUDA 1º - 4º Dia Intersticial Necrosante 6º - 21º

Leia mais

cloridrato de ambroxol LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. xarope adulto 30 mg/5 ml

cloridrato de ambroxol LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. xarope adulto 30 mg/5 ml cloridrato de ambroxol LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. xarope adulto 30 mg/5 ml I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES

Leia mais

Cetuximabe para Carcinoma de Laringe recidivado

Cetuximabe para Carcinoma de Laringe recidivado NOTA TÉCNICA 152/2014 Solicitante: Juiz Fernando de Moraes Mourão Número do processo: 0042.14.002900-2 Réu: MUNICÍPIO DE ARCOS e ESTADO DE MINAS GERAIS Data: 23/07/2013 Medicamento x Material Procedimento

Leia mais

Recomendações Médicas

Recomendações Médicas UNIMED-RIO Recomendações Médicas Infliximab e Doença de Crohn Rio 1 Infliximab e Doença de Crohn DATA DA ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: MARÇO DE 2007 REVISÃO: em 6 meses. Coordenação da Unidade: Dra. Claudia Cantanheda

Leia mais

Guia. da Mulher. Um futuro sem Doença de Crohn e Colite Ulcerosa

Guia. da Mulher. Um futuro sem Doença de Crohn e Colite Ulcerosa Guia da Mulher Um futuro sem Doença de Crohn e Colite Ulcerosa A Associação Portuguesa da Doença Inflamatória do Intestino (Colite Ulcerosa e Doença de Crohn) é uma organização voluntária, sem fins lucrativos,

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS NOTA TÉCNICA 46/2014 Data: 17/03/2014 Medicamento Material Procedimento Cobertura x Solicitante: Juiz de Direito Eduardo Soares de Araújo Número do processo: 0011607-07.2014.8.13.0026 Requerido(s): MUNICÍPIO

Leia mais

DIARRÉIA EM TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL Grupo de Suporte em Terapia Nutricional CTI-A Hospital Israelita Albert Einstein Fevereiro/10

DIARRÉIA EM TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL Grupo de Suporte em Terapia Nutricional CTI-A Hospital Israelita Albert Einstein Fevereiro/10 DIARRÉIA EM TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL Grupo de Suporte em Terapia Nutricional CTI-A Hospital Israelita Albert Einstein Fevereiro/10 O surgimento de diarréia durante internação hospitalar é evento comum,

Leia mais

HEMORIO HEMORIO HEMORIO HEMORIO HEMORIO HEMORIO HEMORIO HEMORIO AGENDA PARTE 1 Conceitos e Introdução Medicina baseada em evidências PARTE 2 Dor na Doença Falciforme Protocolo clínico na emergência PARTE

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio Abordagem da reestenosee oclusões crônicas coronárias Renato Sanchez Antonio Estudos iniciais de seguimento clínico de pacientes com angina estável demonstraram que o percentual de mortalidade aumentou

Leia mais

ONCILEG - A triancinolona acetonida

ONCILEG - A triancinolona acetonida ONCILEG - A triancinolona acetonida Legrand Pharma Indústria Farmacêutica Ltda. Pasta 1,0mg/ g IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ONCILEG - A triancinolona acetonida APRESENTAÇÕES: ONCILEG - A é apresentado

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 90/2013 Data: 18/05/2014 Solicitante: Dr. Daniel da Silva Ulhoa Juíz de Direito Comarca de Timóteo Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo: 0009774-08.2014.8.13.0667

Leia mais

REMICADE (infliximabe)

REMICADE (infliximabe) REMICADE infliximabe FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Remicade é indicado para o uso intravenoso. O é apresentado na forma de pó liofilizado para solução concentrada para infusão. O REMICADE é apresentado

Leia mais

Portaria nº 858 de 12 de Novembro de 2002.

Portaria nº 858 de 12 de Novembro de 2002. Portaria nº 858 de 12 de Novembro de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a necessidade de estabelecer Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas

Leia mais

Sedavan. (cloridrato de ambroxol)

Sedavan. (cloridrato de ambroxol) Sedavan (cloridrato de ambroxol) VIDFARMA INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS LTDA. xarope adulto 6 mg/ml xarope pediátrico 3 mg/ ml SEDAVAN todas apresentações) PROFISSIONAL SEDAVAN cloridrato de ambroxol APRESENTAÇÕES

Leia mais

ONCICREM-A. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Orabase 1mg/g

ONCICREM-A. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Orabase 1mg/g ONCICREM-A Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Orabase 1mg/g MODELO DE BULA PARA O PROFISSIONAL DA SAÚDE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Leia mais

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Ensaios Clínicos Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Janice Abbott, PhD Professora de Psicologia da Saúde Faculdade de Saúde Universidade de Central Lancashire

Leia mais

ONCICREM A. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Orabase 1mg/g

ONCICREM A. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Orabase 1mg/g ONCICREM A Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Orabase 1mg/g MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Oncicrem

Leia mais

APRESENTAÇÃO Pó liofilizado para solução concentrada para infusão em embalagem com 1 frasco-ampola com 100 mg de infliximabe.

APRESENTAÇÃO Pó liofilizado para solução concentrada para infusão em embalagem com 1 frasco-ampola com 100 mg de infliximabe. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO REMICADE infliximabe APRESENTAÇÃO Pó liofilizado para solução concentrada para infusão em embalagem com 1 frasco-ampola com 100 mg de infliximabe. USO INTRAVENOSO 1 USO ADULTO

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

LACTO PURGA. (bisacodil)

LACTO PURGA. (bisacodil) LACTO PURGA (bisacodil) Cosmed Indústria de Cosméticos e Medicamentos S.A. Comprimido Revestido 5mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: LACTO PURGA bisacodil APRESENTAÇÕES Embalagens contendo 25 blisters

Leia mais

Hepatite auto-imune: Indicações de tratamento e outros cuidados específicos

Hepatite auto-imune: Indicações de tratamento e outros cuidados específicos Associação Paulista para o Estudo do Fígado Hepatite auto-imune: Indicações de tratamento e outros cuidados específicos Fabrício Guimarães Souza -FMUSP- 1- Indicações e problemas do tratamento 2- Condições

Leia mais

Prevenção de náuseas, vômitos e reações anafiláticas induzidos pela terapia antineoplásica (quimioterapia e terapia alvo).

Prevenção de náuseas, vômitos e reações anafiláticas induzidos pela terapia antineoplásica (quimioterapia e terapia alvo). Prevenção de náuseas, vômitos e reações anafiláticas induzidos pela terapia antineoplásica (quimioterapia e terapia alvo). Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Nome do protocolo: Prevenção de

Leia mais

Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar

Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar Terapia Nutricional na Assistência Domiciliar A assistência nutricional e clínica ao paciente em domicilio vêm crescendo no Brasil e no mundo. Também conhecida como home care, internação domiciliar ou

Leia mais

XV REUNIÃO SECÇÃO DE PEDIATRIA AMBULATÓRIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA. Doença Inflamatória Intestinal Pediátrica: cada vez mais comum

XV REUNIÃO SECÇÃO DE PEDIATRIA AMBULATÓRIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA. Doença Inflamatória Intestinal Pediátrica: cada vez mais comum XV REUNIÃO SECÇÃO DE PEDIATRIA AMBULATÓRIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA Doença Inflamatória Intestinal Pediátrica: cada vez mais comum João Nascimento 1, Filipa Neiva 1, Henedina Antunes 1,2 1 Unidade

Leia mais

Profissional. de Saúde. Guia contendo. questões. frequentes

Profissional. de Saúde. Guia contendo. questões. frequentes Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Pede-se aos profi ssionais de saúde que notifi quem quaisquer suspeitas de reações adversas através do sistema nacional de notifi cação. concentrado

Leia mais

DALAP (adapaleno) Biosintética Farmacêutica Ltda. Gel dermatológico 1 mg

DALAP (adapaleno) Biosintética Farmacêutica Ltda. Gel dermatológico 1 mg DALAP (adapaleno) Biosintética Farmacêutica Ltda. Gel dermatológico 1 mg BULA PARA PROFISSIONAL DE SAÚDE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO DALAP adapaleno APRESENTAÇÕES

Leia mais

TENHA MELHOR APARÊNCIA, SINTA-SE MELHOR E VIVA MELHOR. Desconforto Menstrual

TENHA MELHOR APARÊNCIA, SINTA-SE MELHOR E VIVA MELHOR. Desconforto Menstrual TENHA MELHOR APARÊNCIA, SINTA-SE MELHOR E VIVA MELHOR Desconforto Menstrual Pycnogenol para o Desconforto Menstrual A maioria das mulheres em idade fértil sente uma variedade de sintomas relacionados ao

Leia mais

CICLOSPORINA PARA DERMATITE ATÓPICA REFRATÁRIA

CICLOSPORINA PARA DERMATITE ATÓPICA REFRATÁRIA Medicamento X Data: 30/09/2013 Nota Técnica 238 2013 Solicitante: Juiz de Direito JOSÉ CARLOS DE MATOS Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0362.13.009927-2. Réu: Município de João Monlevade

Leia mais

Apoptose em Otorrinolaringologia

Apoptose em Otorrinolaringologia Apoptose em Otorrinolaringologia Teolinda Mendoza de Morales e Myrian Adriana Pérez García Definição A apoptose é um processo biológico existente em todas as células de nosso organismo, conhecida desde

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Serviços de Saúde e a Segurança a dos Trabalhadores

Gerenciamento de Riscos em Serviços de Saúde e a Segurança a dos Trabalhadores Gestão em Saúde e Segurança a no Trabalho em Serviços de Saúde Gerenciamento de Riscos em Serviços de Saúde e a Segurança a dos Trabalhadores 2007 As invenções do homem, em busca do bem estar e de melhores

Leia mais

Naproxeno. Identificação. Denominação botânica: Não aplicável. Aplicações

Naproxeno. Identificação. Denominação botânica: Não aplicável. Aplicações Material Técnico Naproxeno Identificação Fórmula Molecular: C 14 H 14 O 3 Peso molecular: 230,3 DCB / DCI: 06233 -Naproxeno CAS: 22204-53-1 INCI: Não aplicável. Denominação botânica: Não aplicável. Sinonímia:

Leia mais

Novos conceitos no manejo da artrite reumatoide: amplo controle

Novos conceitos no manejo da artrite reumatoide: amplo controle Novos conceitos no manejo da artrite reumatoide: amplo controle Claiton Viegas Brenol, MD, PhD Professor Adjunto do Departamento de Medicina Interna FAMED UFRGS - Serviço de Reumatologia - Hospital de

Leia mais

PLESONAX. (bisacodil)

PLESONAX. (bisacodil) PLESONAX (bisacodil) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimidos Revestidos 5mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: PLESONAX bisacodil APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos Embalagem contendo

Leia mais

Peróxido de benzoíla

Peróxido de benzoíla Material Técnico Peróxido de benzoíla Identificação Fórmula Molecular: C 14 H 10 O 4 Peso molecular: 242,2 DCB / DCI: 07003 Peróxido de benzoíla CAS 94-36-0 INCI: Benzoyl peroxide Denominação botânica:

Leia mais

REMICADE infliximabe

REMICADE infliximabe infliximabe FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO (infliximabe) é apresentado na forma de pó liofilizado para solução concentrada de infusão. se apresenta em embalagem com 1 frasco-ampola, contendo 100 mg

Leia mais

Como fazer o step up ou step down no tratamento da asma

Como fazer o step up ou step down no tratamento da asma Como fazer o step up ou step down no tratamento da asma Marcia Margaret M Pizzichini Professora Associado de Medicina Universidade Federal de Santa Catarina Núcleo de Pesquisa em Asma e Inflamação das

Leia mais

Adacne 30 g. Apresentação de Adacne. gel com 30 g. Adacne - Indicações

Adacne 30 g. Apresentação de Adacne. gel com 30 g. Adacne - Indicações Adacne 30 g Apresentação de Adacne gel com 30 g Adacne - Indicações Adacne CLIN é um gel que contém adapaleno e fosfato de clindamicina indicado no tratamento tópico da acne vulgar leve a moderada, sendo

Leia mais

Opções de tratamento - um guia simples

Opções de tratamento - um guia simples Guia Opções de tratamento - um guia simples Para poder decidir qual é o melhor tratamento para si, é importante começar por saber quais as opções de tratamento existentes e quais as suas vantagens e desvantagens.

Leia mais

Solicitante Dra Vanessa Verdolim Hudson Andrade - 1ª Câmara Cível TJMG Refere-se ao Agravo de Instrumento nº. 1.0024.12.

Solicitante Dra Vanessa Verdolim Hudson Andrade - 1ª Câmara Cível TJMG Refere-se ao Agravo de Instrumento nº. 1.0024.12. NT 03/2012 Data: 16/10/2012 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante Dra Vanessa Verdolim Hudson Andrade - 1ª Câmara Cível TJMG Refere-se ao Agravo de Instrumento nº. 1.0024.12.033873-6/001

Leia mais

SUPORTE NUTRICIONAL EM ONCOLOGIA. Dra. Maria de Lourdes Lopes Capacci

SUPORTE NUTRICIONAL EM ONCOLOGIA. Dra. Maria de Lourdes Lopes Capacci SUPORTE NUTRICIONAL EM ONCOLOGIA Dra. Maria de Lourdes Lopes Capacci Recomendações de Consenso 2013 Enfasena preparação pré-operatória para reduzir complicações e internação Controlar: -Niveisséricos

Leia mais

Processo de avaliação e análise para a incorporação de produtos biológicos

Processo de avaliação e análise para a incorporação de produtos biológicos F A S C Í C U L O 1 Este fascículo é parte integrante do Programa Momento Gestor da Pfizer. www.momentogestor.com.br As informações aqui publicadas são de responsabilidade do autor, não tendo a Pfizer

Leia mais

ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS

ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS Aderbal Sabra MD. PhD. Cientista Visitante e Staff Senior ICISI Georgetown University USA Professor de Pediatria, Gastroenterologia e Alergia

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 49/2013 Data: 23/03/2014 Solicitante: Dr. José Hélio da Silva Juíz de Direito da 4a Vara Civel Comarca de Pouso Alegre em Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo:

Leia mais

triancinolona acetonida

triancinolona acetonida triancinolona acetonida Germed Farmacêutica Ltda. Pasta 1,0mg/ g IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO triancinolona acetonida Medicamento Genérico, Lei nº. 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES: triancinolona acetonida

Leia mais

Prolia para osteoporose

Prolia para osteoporose Data: 29/06/2013 Nota Técnica 105/2013 Número do processo: 0110170-82.2013-813.0525 Solicitante: Juiz de Direito Dr. Napoleão da Silva Chaves Réu: Estado de Minas Gerais Medicamento Material Procedimento

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 85/2013 Informações sobre Fluvoxamina e Alprazolan

RESPOSTA RÁPIDA 85/2013 Informações sobre Fluvoxamina e Alprazolan RESPOSTA RÁPIDA 85/2013 Informações sobre Fluvoxamina e Alprazolan SOLICITANTE Dra Maria Augusta Balbinot Juíza do JESP de São João Del Rei - MG NÚMERO DO PROCESSO nº 0625.13.004802-2 (numeração única

Leia mais

Sumário. Data: 17/12/2012

Sumário. Data: 17/12/2012 Nota Técnica: 53 /2012 Solicitante: Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade 1ª Câmara Cível TJMG Numeração: 1.0439.12.014415-9/001 Data: 17/12/2012 Medicamento Material X Procedimento Cobertura TEMA: Uso

Leia mais

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS NÚMERO TEMA LIVRE TÍTULO LEPTINA PARTICIPA DO CONTROLE DA APOPTOSE EM TIMO ATRAVÉS DE MECANISMO DE SINALIZAÇÃO DEPENDENTE DA VIA 001 IRS-1/PI 3-QUINASE

Leia mais

Viver com a Retocolite Ulcerativa

Viver com a Retocolite Ulcerativa Viver com a Retocolite Ulcerativa A Sumário Entender o diagnóstico 1 O que é a retocolite ulcerativa? 2 Irá embora algum dia? 3 Uma breve introdução ao sistema gastrointestinal 4 Quem pode ter retocolite

Leia mais

Rivastigmina (Port.344/98 -C1)

Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Alzheimer DCB: 09456 CAS: 129101-54-8 Fórmula molecular: C 14 H 22 N 2 O 2.C 4 H 6 O 6 Nome químico: (S)-N-Ethyl-3-[(1-dimethylamino)ethyl]-N-methylphenylcarbamate hydrogen

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE TOPISON furoato de mometasona APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE COMPOSIÇÃO Cada g de Topison

Leia mais