TERAPIA BIOLÓGICA MARTA BRENNER MACHADO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PORTO ALEGRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERAPIA BIOLÓGICA MARTA BRENNER MACHADO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PORTO ALEGRE"

Transcrição

1 TERAPIA BIOLÓGICA MARTA BRENNER MACHADO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PORTO ALEGRE

2 Importância do Tema 1. Doença crônica e incurável. 2. Difícil aceitação pelo paciente. 3. Fundamental: conhecer o manejo atual e otimizar custos da terapia(farmacoeconomia). 4. Otimizar o alto custo de exames de controle. 5. Custo elevado para assistência (SUS/ Operadoras)

3 Doença Inflamatória Intestinal Doença de Crohn: Primeiros Relatos: ª Publicação Oficial: 1932 Dr. Crohn em Nova Iorque Retocolite Ulcerativa: Primeiro relato: 1859, Londres

4 O Espectro Clínico

5 Ösophagus Magen Duodenum 3 5 % Crohn Retocolite (sub-)totale Colitis % Dünndarm und Colon % nur Dünndarm % nur Colon % Beteiligung des Rektums % Anorektale Erkrankung (Analfisteln, Analfissuren, periproktitische Abszesse u.a.) % backwash ileitis partielle Colitis % Proktosigmoiditis %

6

7 COMO DECIDIR O TRATAMENTO Gravidade Localização Drogas em uso Idade OBJETIVO Doenças Associadas Nº Recidivas Induzir Remissão RECIDIVA Manter Remissão Complicações Extra-Int. Situação Sócio-econômica Manifestação Inicial Aspectos Nutricionais/Gravidez

8 Lesão digestiva Janela de oportunidade para tratamento: melhores desfechos na doença de Crohn Melhor chance de melhores desfechos Estenose Fístula / abscesso Cirurgia Estenose Atividade Inflamatória (CDAI, CDEIS, PCR) Início da Doença Diagnóstico Doença inicial Pré-clínica Clínica CDAI: Índice de atividade da doença de Crohn; CDEIS: Índice endoscópico de gravidade da doença de Crohn; PCR: Proteína C-reativa Pariente B, et al. Inflamm Bowel Dis 2010; epub 28 Nov 2010

9 Probabilidade Acumulada (%) Cosnes J, et al. Inflamm Bowel Dis. 2002;8: Evolução da DC em Longo Prazo Penetrante Inflamatória Estrangulamento Meses

10 Terapia Biológica: O Momento Ideal Courtesy of Edouard Louis, Belgium

11 Evolução: Remissão Profunda Sustentada Meta Parâmetros clínicos Desfechos Resposta Melhora dos sintomas Melhora da Q.V. Remissão Nenhum sintoma Exames laboratoriais normais Diminuição das hospitalizações Remissão profunda Endoscopia normal Mucosa cicatrizada SUSTENTADA Sem cirurgias Invalidez mínima ou ausente Panaccione R. Abbott Symposium at ECCO, Prague, Czech Republic; February 2010

12 Rituximab Anti-CD20 Roche Visilizumab Anti-CD3 PDL cm-t412 Anti-CD4 Centocor Daclizumab Anti-CD25 PDL/Roche Basiliximab Anti-CD25 Novartis ch5d12 Anti-CD40 Tanox Tocilizumab Anti-IL6R Roche Biological Agents Abatacept Anti-CD28 BMS Golimumab Anti-TNF Centocor Anti-B cells Anti-T cells Anti-cytokines Cytokines Anti-TNF Anti-adhesion Mucosal barrier Other Fontolizumab Anti-IFN-ϒ PDL C326 Anti-IL6 Avidia AIN457 Anti-IL17 Novartis MDX1100 Anti-CXLX10 Medarex ril18 BP IL18 Serono/Merck HuMxIL15 IL15 GenMab Tenovil IL10 Shering-Pl. Ustekinumab ABT-874/J695 Anti- IL12/IL23 p40 Anti- IL12/IL23 p40 Centocor Abbott Sargramostim GM-CSF Berlex Infliximab Anti- TNF Centocor Shering- Plough Oprelvekin IL11 Centocor Etanercept Anti-TNF Wyett Onercept Anti-TNF Serono Adalimumab Certolizumab Anti- TNF Anti- TNF Abbott UCB Anti-CD103 Anti-CD103 LigoCyte RhuMab beta7 Anti-β7 GenenTech VAP1 Ab Anti-VAP1 BioTie Pf-00547,659 Anti-MAdCAM Pfizer RGN-352 Thymosinβ4 RegeneRx VT-214 Chemokine binding Viron Vedolizumab Anti-α1β7 Millenium Alicaforsen AntiICAM-1 ISIS Teduglutide GLP-2 NPS Somatropin Epithelial growth Eli Lilly Natalizumab Anti-α1β4 Elan Courtesy of J-F Colombel Phase I Phase II Phase III Pre-reg Launched

13 Atividade da doença: Índice de atividade da Doença de Crohn (CDAI) Variável clínica ou laboratorial Fator de peso Número de evacuações líquidas ou pastosas a cada dia, por sete dias x 2 Dor abdominal (classificadas em gravidade de 0 3) a cada dia, por sete dias x 5 Bem-estar geral, avaliado subjetivamente de 0 (bem) a 4 (péssimo) a cada dia, por sete dias Presença de complicações* x 20 Tomando Lomitil ou opiácios para diarréia x 30 Presença de massa abdominal (0 para não, 2 para questionável, 5 para definida) Hematrócito de <0.47 em homens de <0.42 em mulheres x 6 Desvio percentual do peso padrão x 1 *Um ponto para cada é acrescentado a cada conjunto de complicações: presença de dores nas juntas (artralgia) ou artrite evidente; inflamação da íris ou uveíte; presença de eritema nodoseo, pioderma gangrenoso ou aftas; fissuras anais, fístulas ou abcessos, outras fístulas, febre ao longo da semana anterior. x 7 x 10 Best WR et al. Gastroenterol 1976:70:

14 Definição de Remissão Remissão CDAI <150 <4 IAC Leve Moderada Altamente Ativa >10 "Tóxica" Best WR et al. Gastroenterol 1976:70:

15 Harvey Bradshaw Simple Index

16 ESTRATÉGIA DE TRATAMENTO SUB -TRATAR SUPER TRATAR Doença Incapacitante Doença Leve Evolução Benigna

17 Por que otimizar a terapia? A Doença de Crohn é uma inflamação crônica A inflamação descontrolada levará a complicações irreversíveis: Fibrostenose; Fístulas; Displasia/câncer; Perda da função intestinal. A inflamação deveria ser completamente controlada, em tempo hábil, com a terapia adequada. Hanauer SB et al. Am J Gastroenterol 2001;96:

18 TERAPIA BIOLÓGICA ALTERAÇÃO DA EVOLUÇÃO DA DOENÇA CICATRIZAÇÃO DA MUCOSA REDUÇÃO DE HOSPITALIZAÇÕES E CIRURGIAS REMISSÃO PROFUNDA DESAFIOS: RISCOS/BENEFÍCIOS DA DROGA FALHAS DE TRATAMENTO TOLERÂNCIA ADQUIRIDA TEMPO DE USO

19 American Gastroenterological Association Consensus Development Conference on the use of Biologics in the Treatment of Inflammatory Bowel Disease INFLIXIMAB - REMICADE ADALIMUMAB HUMIRA CERTOLIZUMAB CIMZIA Gastroenterology 2007 ; 133:

20

21 INFLIXIMAB Remicade - Janssen ANVISA DC e 2006 para RCU Anticorpo monoclonal 75% proteína humana e 25% camundongo Bloqueia a interação do TNF com seus receptores, impedindo a quimiotaxia de macrófagos e induzindo apoptose

22 INFLIXIMAB Indução: 5mg/kg aplicados EV nas semanas 0, 2 e 6 Manutenção: 5mg/kg a cada 8 semanas

23 ADALIMUMAB Humira (Abbott ) ANVISA 2007 Anticorpo monoclonal totalmente humano Induz apoptose de células T

24 ADALIMUMAB Aplicação SC e dose não é peso-dependente Indução:160 mg semana 0 e 80mg semana 2 Manutenção: 40mg a cada 2 semanas Estudo CLASSIC

25 INFLIXIMAB E ADALIMUMAB: Característica Infliximabe Adalimumabe Classe MAb quimérico MAb humano Alvo TNF TNF Meia-Vida 8-10 dias dias Administração E.V. S.C. Doença Inflamatória Intestinal 5 10 mg/kg 0/2/4 sem 160/80/40mg (4-2-1)

26 Características do Cimzia Fab Cimzia é o único anti-tnf PEGuilado Fragmento Fab PEGuilado de um anticorpo monoclonal humanizado Produção em E. Coli PEG PEGuilação no sítio específico resulta em: Meia Vida de ~14 dias Aumento da penetração do Cimzia no tecido inflamado (em modelo animal) CDC = complement-dependent cytotoxicity ADCC = antibody-dependent cell-mediated cytotoxicity Sem Região Fc Pode impedir potenciais efeitos mediados pela região Fc tais como CDC e ADCC* (In vitro) Chapman A, et al. Nature Biotech. 1999;17:780-3 Weir N, Athwal D, et al. Therapy. 2006;3:535-45

27 SELECIONANDO O PACIENTE : TERAPIA PRECOCE CRITÉRIOS DE MAIOR AGRESSIVIDADE DA DOENÇA: 1. Idade menor de 40 anos ao diagnóstico 2. DC na forma fistulizante (perianal ou abdominal) e estenosante 3. Grande extensão anatômica e comprometimento do delgado/tgi sup. 4. Uso de corticoterapia na primeira crise 5. Perda ponderal > 5Kg antes do diagnóstico (último ano) 6. Tabagismo 7. Gravidade nos critérios endoscópicos 8. Ressecções intestinais prévias World J Gastroenterol2010 V : Fatores sorológicos ASCA elevado em jovens/duplo ASCA positivo AmJGastroenterol 2002 V02 106

28 IBD Ahead 2011 (Dusseldorf, setembro de 2011) Declaração 3. Há evidências de que há uma desconexão entre sintomas e atividade inflamatória; por este motivo, uma estratégia para monitorização da doença além dos sintomas deve ser adotada, e deve incluir marcadores sorológicos, exames radiológicos e endoscópicos (Nível de evidência D). Concord. 98 %

29 CRITÉRIOS ENDOSCÓPICOS

30

31

32 TERAPIA BIOLÓGICA SIGMOIDE SIGMOIDE ANTES DEPOIS

33 A Evolução da Terapia: Rumo ao Tratamento Ideal da Doença de Crohn Objetivos da terapia: Cirurgia ANTI - TNFs Menor N o. de cirurgias Identificação adequada do paciente: Quais pacientes devem ser tratados com anti-tnfs? Quais são as diferenças entre os anti-tnfs? Qual é o tratamento ideal? Opções em caso de redução da resposta? Imunossuppressores (AZA/6-MP, MTX) Uso disseminado Reconhecimento mais rápido de falha do tratamento Corticosteróides Breve exposição Identificação mais rápida de resistência/dependência

34 Moderada Grave CONVENCIONAL ACELERADO TOP DOWN IMS + TNF antagonistas IMS + TNF antagonistas IMS + TNF antagonistas Corticosteroides + IMS Corticosteroides Corticosteroides + IMS Ordás I et. Al. Gut. 2011;60(12):

35 Objetivos do Tratamento para a DC: Além da Remissão dos Sintomas Melhorar a qualidade de vida (QV) e induzir à resposta rápida Manter a remissão livre de esteróides Evitar complicações, hospitalizações e cirurgias Prevenir a mortalidade por doenças relacionadas Alcançar e manter a completa cicatrização da mucosa. Panaccione R, et al. Aliment Pharmacol Ther. 2008;28:

36 QUANDO INDICAR TERAPIA BIOLÓGICA DOENÇA LUMINAL REFRATÁRIA CORTICODEPENDÊNCIA E RESISTÊNCIA DOENÇA FISTULIZANTE MANIFESTAÇÕES SISTÊMICAS ESPONDILITE ANQUILOSANTE, PIODERMA, UVEÍTE RETOCOLITE GRAVE E REFRATÁRIA POUCHITIS COLITE INDETERMINADA

37 A TERAPIA IDEAL NA DII: Induz e mantém a remissão a longo prazo Sem efeitos colaterais Baixo custo Evita a progressão da doença Evita intervenção cirúrgica Proporciona fácil adesão ao tratamento Ela existe? Não.

38

39 D Haens G, et al. Lancet. 2008;371: Step-Up/Top-Down: Desenho do Estudo Manejo convencional ( step-up ) (n=66) DC recentemente diagnosticada (N=133) Imunossupressão combinada inicial ( topdown ) (n=67) Esteroides IFX (0/2/6) + AZA + IFX IFX + AZA MTX, metotrexato. + AZA/MTX + (episódico) IFX Esteroides Esteroides Esteroides

40 Porcentagem de pacientes Intervenção Inicial : evidência para a modificação da doença? Desaparecimento completo da úlcera em 2 anos p=0, Top-down (n=26) Step-up (n=23) % com imunomoduladores 25% receberam infliximabe D Haens G, et al. Lancet. 2008;371:

41 Pacientes em remissão clínica* na Semana 56(%) CHARM: taxas de duração da doença e de remissão clínica* /23 20/39 4/36 25/57 12/111 82/233 <2 anos 2 a <5 anos 5 anos Placebo Duração da doença Todos Adalimumabe *Remissão clínica definida como CDAI <150; Todos os pacientes receberam terapia de indução com adalimumabe 80/40mg antes que os responsivos ( 70 de diminuição no CDAI até a Semana 4) fossem randomizados para adalimumabe 40 mg quer no regime eow ou ew ou para o Placebo; Dados para responsivos randomizados; CDAI: Índice de atividade da doença de Crohn; ew: todas as semanas; eow: em semanas alternadas. Schreiber S, et al. Gastroenterol 2007;132 (Suppl 2):A147.

42 Pacientes em remissão clínica* na semana 56 (%) EXTEND: taxas de duração da doença e de cicatrização completa da mucosa* /9 1/14 4/10 7/39 9/43 <2 anos 2 a <5 anos 5 anos Placebo Duração da doença Adalimumabe 40mg eow *Cicatrização completa da mucosa foi definida como a ausência de ulceração da mucosa em exame endoscópico; p=0,029 para adalimumabe vs placebo para a duração da doença <5 anos vs 5 anos; Todos os pacientes (n=135) receberam terapia de indução com adalimumabe 160/80mg antes da randomização (n=129) para adalimumabe 40 mg eow ou para o placebo; dados para pacientes com ulceração na fase basal (n=123); eow: em semanas alternadas. Sandborn WJ, et al. Gastroenterology 2012.

43 Doença de Crohn Visão endoscópica do paciente com DC ativa Courtesy of: Rutgeerts P, et al. Gastroenterology. 2002;121:Abstract W1387.

44 RETOCOLITE ULCERATIVA;

45 Endoscopia

46 Conferência em Amsterdam, junho de 2012, Gert Van Assche

47 RCU - Tratamento Medicamentoso Abordagem Tradicional Leve - Derivados salicílicos (SSZ, 5-ASA) - Corticóides Prednisona Hidrocortisona Budesonida - Antibióticos - Imunossupressores (AZA, 6-MP, MTX, CICLOSP) - Terapêutica biológica (Anti-TNF) Grave

48

49

50

51 Fatores relevantes na Tomada de Decisão para o Uso de Terapia ANTI TNF na Retocolite Ulcerativa Falência e/ou não resposta ou corticodependência Falência e/ou intolerância aos imunossupressores Persistência e severidade dos sintomas Persistência e recidiva das crises Persistência e gravidade das lesões endoscópicas Presença e gravidade de manifestações extra intestinais (espondilite anquilosante) Frequência evacuatória noturna (urgência, incontinência, tenesmo e sangramento)

52 Exames Pré-tratamento e Monitorização Hemograma: basal, em 3 meses, depois a cada 6 meses Creatinina, uréia e eletrólitos: basal, após 3 meses, depois a cada 6 meses Testes da função hepática Sorologias Hepatite B e C, Vírus da imunodeficiência Urina tipo I: basal, em 3 meses, depois a cada 6 meses Radiografia de tórax e PPD Teste de gravidez Avaliação adicional e monitoração podem ser necessárias para pacientes que recebem terapia concomitante ou em determinadas circunstâncias clínicas Adaptado Consenso Britânico de Psoríase (2005)

53 TUBERCULOSE

54 TERAPIA BIOLÓGICA E COMPLICAÇÕES: RECONHECIMENTO, PREVENÇÃO, MANEJO COMPLICAÇÕES: No momento da infusão Infecções (patógenos intracelulares, TB ou Ag. oportunistas) Complicações neurológicas Neoplasias Complicações cardíacas Formação de auto-anticorpos (ANA e Anti-DNA) Lupus-like Linfoma Hepatoesplênico (alerta!!)

55 Cicatrização da Mucosa: Sugestões de Leitura

56

57 Conclusão: de onde partimos e para onde estamos indo? Futuro Melhora nos sintomas; Remissão; Abordagem intensificada; Terapia biológica apenas quando já se tentou com todas as outras drogas. Cicatrização da mucosa; Remissão profunda ; Tratar tão precocemente quanto possível ; Abordagem intensificada acelerada em todos os pacientes; Abordagem top down em pacientes selecionados. Melhores critérios histopatológicos; Cicatrização transmural; Pontuação do dano; Índice de incapacitação; Marcadores de maus resultados; Marcadores para selecionar pacientes para terapias específicas.

58 RESPONSABILIDADE MÉDICA Correta indicação da droga Avaliação das contra-indicações Dose correta Intervalos de doses correto Avaliação dos índices de remissão clínica,endoscópica e sorológica Avaliação dos índices de qualidade de vida Manejo adequado das complicações Tratamento Assistido

59 CONCLUSÕES No Tratamento Clinico das DII é necessário considerar: A intimidade do médico com a doença A relação médico-paciente O conhecimento dos aspectos clínicos, laboratoriais e endoscópicos de cada caso O risco/benefício de cada droga Os seus limites e a prudência na tomada de decisões

60 Questões Pertinentes à Terapia Biológica Custo Alvo Específico TERAPIA BIOLÓGICA Segurança a longo prazo Administração E.V./S.C. Eficácia acentuada

61 PLANEJAR A RESTITUIÇÃO ESTRATÉGIA TERAPÊUTICA:

62

Terapia Biológica nas Doenças Inflamatórias Intestinais

Terapia Biológica nas Doenças Inflamatórias Intestinais Terapia Biológica nas Doenças Inflamatórias Intestinais As Doenças Inflamatórias Intestinais (DIIs) são crônicas, de causa ainda desconhecida, e de curso imprevisível, o que gera um elevado grau de insegurança

Leia mais

PARECER DO GATS nº 20/08

PARECER DO GATS nº 20/08 PARECER DO GATS nº 20/08 Responsável: Sandra de Oliveira Sapori Avelar Data de elaboração: 10 de julho de 2008. TEMA: INFLIXIMABE NA DOENÇA DE CROHN INTRODUÇÃO: A doença de Crohn é uma condição inflamatória

Leia mais

Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE

Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL MARCELO DAS CLÍNICAS ARNONE FMUSP AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL DAS CLÍNICAS FMUSP Moduladores de

Leia mais

Data: 17/05/2013. NTRR 74/ 2013 a. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Data: 17/05/2013. NTRR 74/ 2013 a. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NTRR 74/ 2013 a Solicitante: Juiza de Direito Herilene de Oliveira Andrade Itapecerica Número do processo: 335.13.910-3 Data: 17/05/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Réu: Município de

Leia mais

II Curso de Atualização em Coloproctologia

II Curso de Atualização em Coloproctologia II Curso de Atualização em Coloproctologia Estratégias de Prevenção de Câncer nas Doenças Inflamatórias Intestinais Dr. Marco Zerôncio LIGA NRCC Considerações Iniciais As DII (RCUI e colite por Crohn)

Leia mais

PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL

PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL Dra. Ana Cristina de Medeiros Ribeiro Reumatologista do HC FMUSP e CEDMAC Doutoranda pela FMUSP IMUNOBIOLÓGICOS NO BRASIL Anti-TNF

Leia mais

Utilização dos medicamentos biológicos em doenças reumáticas, psoríase e doença inflamatória intestinal

Utilização dos medicamentos biológicos em doenças reumáticas, psoríase e doença inflamatória intestinal Utilização dos medicamentos biológicos em doenças reumáticas, psoríase e doença inflamatória intestinal Novembro de 2014 Pg1 Lista de abreviaturas: AIJ = Artrite Idiopática Juvenil EA = Espondilite Anquilosante

Leia mais

Terapia medicamentosa

Terapia medicamentosa www.printo.it/pediatric-rheumatology/pt/intro Terapia medicamentosa Versão de 2016 13. Medicamentos biológicos Nos últimos anos foram introduzidas novas perspetivas terapêuticas com substâncias conhecidas

Leia mais

HUMIRA (ADALIMUMABE) PARA ARTRITE REUMATOIDE

HUMIRA (ADALIMUMABE) PARA ARTRITE REUMATOIDE NOTA TÉCNICA 06/2014 HUMIRA (ADALIMUMABE) PARA ARTRITE REUMATOIDE Data: 19/01/2014 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Des. Raimundo Messias Número do processo: 1.0024.06.994853-7/001

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

Data: 20/01/2013 NTRR 05/2013. Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Data: 20/01/2013 NTRR 05/2013. Medicamento X Material Procedimento Cobertura NTRR 05/2013 Solicitante: Desembargador Alyrio Ramos Número do processo: 1.0145.12.082745-9/001 Impetrato: Secretaria de Saúde de Juiz de Fora Data: 20/01/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Leia mais

Os grupos de risco que constam da Norma nº 009/2015 de 01/06/2015, são agora atualizados (Quadro I), ficando a Norma n.º 009/2015 revogada.

Os grupos de risco que constam da Norma nº 009/2015 de 01/06/2015, são agora atualizados (Quadro I), ficando a Norma n.º 009/2015 revogada. NÚMERO: 011/2015 DATA: 23/06/2015 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Vacinação contra infeções por Streptococcus pneumoniae de grupos com risco acrescido para doença invasiva pneumocócica (DIP).

Leia mais

Saiba mais sobre... Fármacos biotecnológicos

Saiba mais sobre... Fármacos biotecnológicos Saiba mais sobre... Fármacos biotecnológicos Catarina Ambrósio Anabela Barcelos Hospital Infante D. Pedro E.P.E. Avenida Artur Ravara 3814-501 Aveiro Telefone: (+351) 234 378 300 Fax: (+351) 234 378 395

Leia mais

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões Enfª Resp. Téc. Ana Cristina de Almeida CIP-Centro de Infusões Pacaembú Agente Biológicos Os biológicos

Leia mais

Trabalho de farmaco economia em Drogas Biológicas

Trabalho de farmaco economia em Drogas Biológicas Unidade de Estudos de Procedimentos de Alta Complexidade UEPAC Dra. Claudia Cantanheda Dr. Vitor André Romão Dr. José Geraldo Amino Enfª. Quenia Dias Hugo Simas Trabalho de farmaco economia em Drogas Biológicas

Leia mais

De acordo com a idade e com os esquemas recomendados, as crianças e jovens de risco para DIP serão vacinados com:

De acordo com a idade e com os esquemas recomendados, as crianças e jovens de risco para DIP serão vacinados com: NÚMERO: 0/05 DATA: /06/05 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Vacinação contra infeções por Streptococcus pneumoniae de grupos com risco acrescido para doença invasiva pneumocócica (DIP). Idade pediátrica

Leia mais

Avanços no Tratamento da Doença Inflamatória Intestinal

Avanços no Tratamento da Doença Inflamatória Intestinal UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências da Saúde Avanços no Tratamento da Doença Inflamatória Intestinal Adriano João Marques Pinto da Mota Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Medicina (ciclo

Leia mais

APRESENTAÇÃO Pó liofilizado para solução concentrada para infusão em embalagem com 1 frasco-ampola de uso único com 100 mg de infliximabe.

APRESENTAÇÃO Pó liofilizado para solução concentrada para infusão em embalagem com 1 frasco-ampola de uso único com 100 mg de infliximabe. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO REMICADE infliximabe APRESENTAÇÃO Pó liofilizado para solução concentrada para infusão em embalagem com 1 frasco-ampola de uso único com 100 mg de infliximabe. USO INTRAVENOSO

Leia mais

21/08/14. Farmacologia da Inflamação Drogas Modificadoras de Doença. Ciclo de Atualização em Farmacologia. DMARDs

21/08/14. Farmacologia da Inflamação Drogas Modificadoras de Doença. Ciclo de Atualização em Farmacologia. DMARDs Ciclo de Atualização em Farmacologia Farmacologia da Inflamação Drogas Modificadoras de Doença Drogas Modificadoras de Doença - DMARDs @ Diasese-modifying antirheumatoid drugs; @ Suprimem em parte ou totalmente

Leia mais

Imunossupressores e Agentes Biológicos

Imunossupressores e Agentes Biológicos Imunossupressores e Agentes Biológicos Histórico Início da década de 1960 Transplantes Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Doenças autoimunes Neoplasias Imunossupressores Redução

Leia mais

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO Data: 08/12/2012 Nota Técnica 2012 Juízo da 4ª Vara de Fazenda Pública Municipal Juiz Renato Dresh Numeração Única: 3415341-21.201 Impetrante Marlene Andrade Montes Medicamento Material Procedimento Cobertura

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde USO DO INFLIXIMAB NA RETOCOLITE ULCERATIVA IDIOPÁTICA

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde USO DO INFLIXIMAB NA RETOCOLITE ULCERATIVA IDIOPÁTICA Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde USO DO INFLIXIMAB NA RETOCOLITE ULCERATIVA IDIOPÁTICA Canoas, Fevereiro de 2007 Coordenador Câmara Técnica de Medicina

Leia mais

Novos conceitos no manejo da artrite reumatoide: amplo controle

Novos conceitos no manejo da artrite reumatoide: amplo controle Novos conceitos no manejo da artrite reumatoide: amplo controle Claiton Viegas Brenol, MD, PhD Professor Adjunto do Departamento de Medicina Interna FAMED UFRGS - Serviço de Reumatologia - Hospital de

Leia mais

Tuberculose e imunobiológicos. Cláudia Henrique da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Tuberculose e imunobiológicos. Cláudia Henrique da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro Tuberculose e imunobiológicos Cláudia Henrique da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro Mycobacterium tuberculosis Mycobacterium tuberculosis 10 micrômetros. Domina o mundo Dois bilhões de pessoas

Leia mais

CURSOS PRÉ-CONGRESSO MÓDULO I - MOTILIDADE DIGESTIVA BAIXA Hotel Serra Azul, Gramado, 24 de Setembro de 2008

CURSOS PRÉ-CONGRESSO MÓDULO I - MOTILIDADE DIGESTIVA BAIXA Hotel Serra Azul, Gramado, 24 de Setembro de 2008 1 MÓDULO I - MOTILIDADE DIGESTIVA BAIXA Hotel Serra Azul, Gramado, 24 de Setembro de 2008 08:00 08:15 Etiopatogenia da Incontinência Anal 08:15 08:30 Etiopatogenia da Constipação Intestinal 08:30 08:45

Leia mais

Profissional. de Saúde. Guia contendo. questões. frequentes

Profissional. de Saúde. Guia contendo. questões. frequentes Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Pede-se aos profi ssionais de saúde que notifi quem quaisquer suspeitas de reações adversas através do sistema nacional de notifi cação. concentrado

Leia mais

Hepatite auto-imune: Indicações de tratamento e outros cuidados específicos

Hepatite auto-imune: Indicações de tratamento e outros cuidados específicos Associação Paulista para o Estudo do Fígado Hepatite auto-imune: Indicações de tratamento e outros cuidados específicos Fabrício Guimarães Souza -FMUSP- 1- Indicações e problemas do tratamento 2- Condições

Leia mais

Algoritmo de Investigação Emagrecimento

Algoritmo de Investigação Emagrecimento 2012 5 de Maio Sábado Algoritmo de Investigação Emagrecimento Alice Gonçalves Lígia Peixoto Manuel Ferreira Gomes Perda ponderal Fisiopatologia: aporte energético, consumo energético Epidemiologia (Meltzer

Leia mais

Doença inflamatória intestinal: uma perspectiva global

Doença inflamatória intestinal: uma perspectiva global World Gastroenterology Organisation Practice Guidelines Doença inflamatória intestinal: uma perspectiva global Junho de 2009 Equipe de revisão Dr. Charles N. Bernstein (Presidente, Canadá) Prof. Michael

Leia mais

Processo de avaliação e análise para a incorporação de produtos biológicos

Processo de avaliação e análise para a incorporação de produtos biológicos F A S C Í C U L O 1 Este fascículo é parte integrante do Programa Momento Gestor da Pfizer. www.momentogestor.com.br As informações aqui publicadas são de responsabilidade do autor, não tendo a Pfizer

Leia mais

Guia. da Mulher. Um futuro sem Doença de Crohn e Colite Ulcerosa

Guia. da Mulher. Um futuro sem Doença de Crohn e Colite Ulcerosa Guia da Mulher Um futuro sem Doença de Crohn e Colite Ulcerosa A Associação Portuguesa da Doença Inflamatória do Intestino (Colite Ulcerosa e Doença de Crohn) é uma organização voluntária, sem fins lucrativos,

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

REMICADE (infliximabe)

REMICADE (infliximabe) REMICADE infliximabe FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Remicade é indicado para o uso intravenoso. O é apresentado na forma de pó liofilizado para solução concentrada para infusão. O REMICADE é apresentado

Leia mais

PROGRAMA CIENTÍFICO PRELIMINAR

PROGRAMA CIENTÍFICO PRELIMINAR PROGRAMA CIENTÍFICO PRELIMINAR 5ª Feira 21/08/2014 Doença Inflamatória Intestinal 08:00 10:00 Mesa-redonda: Retocolite Ulcerativa Moderador: 08:00 Diagnóstico Clínico, laboratorial e gravidade Eduardo

Leia mais

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA Academia Nacional de Medicina PANCREATITE AGUDA TERAPÊUTICA José Galvão-Alves Rio de Janeiro 2009 PANCREATITE AGUDA FORMAS EVOLUTIVAS INÍCIO PANCREATITE AGUDA 1º - 4º Dia Intersticial Necrosante 6º - 21º

Leia mais

Manifesto pela segurança do paciente nos tratamentos biológicos

Manifesto pela segurança do paciente nos tratamentos biológicos Manifesto pela segurança do paciente nos tratamentos biológicos Produtos biológicos têm um histórico de sucesso no tratamento de muitas doenças crônicas e que trazem risco à vida. Recentemente, o vencimento

Leia mais

Viver com a Retocolite Ulcerativa

Viver com a Retocolite Ulcerativa Viver com a Retocolite Ulcerativa A Sumário Entender o diagnóstico 1 O que é a retocolite ulcerativa? 2 Irá embora algum dia? 3 Uma breve introdução ao sistema gastrointestinal 4 Quem pode ter retocolite

Leia mais

Infliximabe para o tratamento da Retocolite Ulcerativa Grave refratária a corticoides e ciclosporina

Infliximabe para o tratamento da Retocolite Ulcerativa Grave refratária a corticoides e ciclosporina Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde Infliximabe para o tratamento da Retocolite Ulcerativa Grave refratária

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

Coordenador Nacional do NEDAI (que reviu o Texto): Dr. Luís Campos

Coordenador Nacional do NEDAI (que reviu o Texto): Dr. Luís Campos Elaborado por Dr. João Matos Costa e Dr.ª Inês Aguiar Câmara (Hospital Distrital de Santarém) para o NEDAI (Núcleo de Estudos de Doenças Auto-Imunes) da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI).

Leia mais

Contagem de plaquetas Contagem de leucócitos. Citocinas:TNF alfa, IL 1 beta, IL-4, IL-10

Contagem de plaquetas Contagem de leucócitos. Citocinas:TNF alfa, IL 1 beta, IL-4, IL-10 Métodos complementares no diagnóstico das Doenças Inflamatórias Intestinais. O que é importante no laboratório? TIPO GRAVIDADE PROGNÓTICO RESPOSTA AO TRATAMENTO Marcadores de Fase Aguda Marcadores Fecais

Leia mais

Avaliação Semanal Correcção

Avaliação Semanal Correcção Avaliação Semanal Correcção 1. Mulher de 32 anos, caucasiana. Antecedentes pessoais e familiares irrelevante. 11 Gesta, 11 Para, usa DIU. Recorreu ao S.U. por dor abdominal de início súbito, localizada

Leia mais

www.pediatric-rheumathology.printo.it DOENÇA DE BEHÇET

www.pediatric-rheumathology.printo.it DOENÇA DE BEHÇET www.pediatric-rheumathology.printo.it DOENÇA DE BEHÇET O que é? A síndrome de Behçet ou a doença de Behçet (DB) é uma vasculite (inflamação dos vasos sanguíneos) sistêmica (porquê envolve órgãos internos)

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais

Artrite Resumo de diretriz NHG M90 (agosto 2009)

Artrite Resumo de diretriz NHG M90 (agosto 2009) Artrite Resumo de diretriz NHG M90 (agosto 2009) Janssens HJEM, Lagro HAHM, Van Peet PG, Gorter KJ, Van der Pas P, Van der Paardt M, Woutersen-Koch H traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto

Leia mais

XV REUNIÃO SECÇÃO DE PEDIATRIA AMBULATÓRIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA. Doença Inflamatória Intestinal Pediátrica: cada vez mais comum

XV REUNIÃO SECÇÃO DE PEDIATRIA AMBULATÓRIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA. Doença Inflamatória Intestinal Pediátrica: cada vez mais comum XV REUNIÃO SECÇÃO DE PEDIATRIA AMBULATÓRIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA Doença Inflamatória Intestinal Pediátrica: cada vez mais comum João Nascimento 1, Filipa Neiva 1, Henedina Antunes 1,2 1 Unidade

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA. Cartar et. al. Gut 2004;53:1-16 (supl1)

EPIDEMIOLOGIA. Cartar et. al. Gut 2004;53:1-16 (supl1) DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL RETOCOLITE ULCERATIVA DOENÇA DE CROHN COLITES INDETERMINADAS DOENÇA DE CROHN EPIDEMIOLOGIA Incidência = 5 a 10 /100.000 / ano Prevalência=50 a 100 /100.000 Doença de adultos

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 1. NOME DO MEDICAMENTO Remicade 100 mg pó para concentrado para solução para perfusão. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada frasco para injetáveis

Leia mais

REMICADE infliximabe

REMICADE infliximabe infliximabe FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO (infliximabe) é apresentado na forma de pó liofilizado para solução concentrada de infusão. se apresenta em embalagem com 1 frasco-ampola, contendo 100 mg

Leia mais

Tratamento Sistêmico Clássico. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL DAS CLÍNICAS FMUSP

Tratamento Sistêmico Clássico. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL DAS CLÍNICAS FMUSP Tratamento Sistêmico Clássico MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL MARCELO DAS CLÍNICAS ARNONE FMUSP AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL DAS CLÍNICAS FMUSP Tratamento Sistêmico Clássico Acitretina

Leia mais

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida.

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. MODELO DE BULA Duphalac lactulose FORMA FARM ACÊUTICA E APRESENTAÇ ÃO DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP CENTRO CIRÚRGICO Jardim Japonês Centro Cirúrgico Hospital Maternidade Terezinha de Jesus Juiz de Fora (MG) Queimaduras

Leia mais

Opções de tratamento - um guia simples

Opções de tratamento - um guia simples Guia Opções de tratamento - um guia simples Para poder decidir qual é o melhor tratamento para si, é importante começar por saber quais as opções de tratamento existentes e quais as suas vantagens e desvantagens.

Leia mais

Profissional de Saúde. Perguntas Frequentes

Profissional de Saúde. Perguntas Frequentes Profissional de Saúde Perguntas Frequentes Índice Qual o objetivo deste livreto? O que eu devo saber sobre ipilimumabe? O que eu devo saber sobre reações adversas importantes? O que eu devo discutir com

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia Caso complexo Natasha Especialização em Fundamentação teórica DISPEPSIA Vinícius Fontanesi Blum Os sintomas relacionados ao trato digestivo representam uma das queixas mais comuns na prática clínica diária.

Leia mais

I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 13 ANOS II) INFORMAÇÕES TÉCNICAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 13 ANOS II) INFORMAÇÕES TÉCNICAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE MODELO DE BULA PARA O PROFISSIONAL DE SAÚDE (VENDA AO COMÉRCIO) I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: HUMIRA adalimumabe APRESENTAÇÕES: HUMIRA (adalimumabe) solução injetável de: - 40 mg em seringa com 0,8

Leia mais

Artrite Idiopática Juvenil

Artrite Idiopática Juvenil Artrite Idiopática Juvenil CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://www.purdue.edu/newsroom/ EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br Copyright SBR-, 2011 O conteúdo

Leia mais

18/9/2014 CONCEITO FISIOPATOLOGIA FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

18/9/2014 CONCEITO FISIOPATOLOGIA FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS UNESC - ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES LUPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO CONCEITO O Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é uma doença crônica de causa desconhecida, onde acontecem alterações fundamentais

Leia mais

Hepatite C Crônica: custo dos antivirais versus custo de acompanhamento do paciente de acordo com a perspectiva do Sistema Único de Saúde.

Hepatite C Crônica: custo dos antivirais versus custo de acompanhamento do paciente de acordo com a perspectiva do Sistema Único de Saúde. Hepatite C Crônica: custo dos antivirais versus custo de acompanhamento do paciente de acordo com a perspectiva do Sistema Único de Saúde. Carine Raquel Blatt; Fabíola Bagatini Buendgens; Junior André

Leia mais

ANEXO AO DOCUMENTO PARECER DO GRUPO TÉCNICO DE AUDITORIA EM SAÚDE 15/06 TEMA:USO DO RITUXIMABE EM DOENÇAS AUTO-IMUNES ATUALIZAÇÃO 07/2008

ANEXO AO DOCUMENTO PARECER DO GRUPO TÉCNICO DE AUDITORIA EM SAÚDE 15/06 TEMA:USO DO RITUXIMABE EM DOENÇAS AUTO-IMUNES ATUALIZAÇÃO 07/2008 UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS ANEXO AO DOCUMENTO PARECER DO GRUPO TÉCNICO DE AUDITORIA EM SAÚDE 15/06 TEMA:USO DO RITUXIMABE EM DOENÇAS

Leia mais

Guia dos. Professores. Um futuro sem Doença de Crohn e Colite Ulcerosa

Guia dos. Professores. Um futuro sem Doença de Crohn e Colite Ulcerosa Guia dos Professores Um futuro sem Doença de Crohn e Colite Ulcerosa A Associação Portuguesa da Doença Inflamatória do Intestino (Colite Ulcerosa e Doença de Crohn) é uma organização voluntária, sem fins

Leia mais

Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012)

Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012) Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012) Gieteling MJ, Van Dijk PA, De Jonge AH, Albeda FW, Berger MY, Burgers JS, Geijer RMM, Eizenga WH traduzido do original em holandês

Leia mais

Exposição de Motivos

Exposição de Motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 801/X/4.ª Altera o Decreto-Lei n.º 173/2003, de 1 de Agosto, isentando do pagamento das taxas moderadoras os portadores de Doença Inflamatória do Intestino - DII (Colite

Leia mais

HIV em. Especiais: O idoso. Keli Cardoso de Melo Outubro/2005

HIV em. Especiais: O idoso. Keli Cardoso de Melo Outubro/2005 HIV em Populações Especiais: O idoso Keli Cardoso de Melo Outubro/2005 HIV/AIDS x Idosos! 40 milhões de pessoas com HIV/AIDS! 10% dos casos de AIDS > 50 anos! ¼ em indivíduos > 60 anos! Mulheres " incidência

Leia mais

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA HEMORRÓIDAS: PROCTOLOGIA DilataÅÉes varicosas dos plexos artñrio-venosos hemorroidörios situados na regiço anorretal, causadas por aumento na pressço hidrostötica no plexo venoso hemorroidörio. Podem ser

Leia mais

MODELO DE BULA PARA O PROFISSIONAL DE SAÚDE (VENDA AO COMÉRCIO) I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 13 ANOS

MODELO DE BULA PARA O PROFISSIONAL DE SAÚDE (VENDA AO COMÉRCIO) I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 13 ANOS MODELO DE BULA PARA O PROFISSIONAL DE SAÚDE (VENDA AO COMÉRCIO) I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: HUMIRA adalimumabe APRESENTAÇÕES: HUMIRA (adalimumabe) solução injetável de: - 40 mg em seringa com 0,8

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada Introdução Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada BI + Albumina Hepatócitos Bilirrubina Direta (BD) ou conjugada Canalículos biliares Duodeno

Leia mais

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA A diarreia é definida por um aumento na frequência das dejecções ou diminuição da consistência das fezes e por uma massa fecal>200g/dia. Pode

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

Diagnosis and prevention of chronic kidney allograft loss

Diagnosis and prevention of chronic kidney allograft loss Diagnosis and prevention of chronic kidney allograft loss Brian J Nankivell, Dirk RJ Kuypers Lancet 2011; 378: 1428-37 Moisés Carminatti Últimas décadas: avanços no conhecimento acerca da imunologia do

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

Recomendações Médicas

Recomendações Médicas UNIMED-RIO Recomendações Médicas Infliximab e Doença de Crohn Rio 1 Infliximab e Doença de Crohn DATA DA ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: MARÇO DE 2007 REVISÃO: em 6 meses. Coordenação da Unidade: Dra. Claudia Cantanheda

Leia mais

Hepatites Virais 27/07/2011

Hepatites Virais 27/07/2011 SOCIEDADE DIVINA PROVIDÊNCIA Hospital Nossa Senhora da Conceição Educação Semana Continuada de Luta Contra em CCIH as Hepatites Virais 27/07/2011 Enfº Rodrigo Cascaes Theodoro Enfº CCIH Rodrigo Cascaes

Leia mais

Caso Clínico. Andrea Canelas

Caso Clínico. Andrea Canelas Caso Clínico Andrea Canelas 28-06 06-2006 Identificação Sexo: Idade: 79 anos Raça: a: Caucasiana Naturalidade: Coimbra História da doença a actual Seguida na consulta de Gastro desde Novembro de 2005:

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

terapêutica combinada (anti-tnf e imunossupressor) durante, pelo menos, seis meses e com

terapêutica combinada (anti-tnf e imunossupressor) durante, pelo menos, seis meses e com EM AUDIÇÃO E TESTE DE APLICABILIDADE ATÉ 31 DE MAIO DE 2012 NÚMERO: 068/2011 DATA: 30/12/2011 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Terapêutica Biológica da Doença Inflamatória do Intestino do Adulto

Leia mais

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA)

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA) NT 101/2013 Solicitante: Juiz de Direito NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Número do processo: 0119213-86.2013.8.13.0525 Data: 22/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado de Minas

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Actemra. (tocilizumabe)

Actemra. (tocilizumabe) Actemra (tocilizumabe) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução injetável concentrada para diluição para infusão 80 mg/4 ml e 200 mg/10 ml Actemra tocilizumabe Roche Medicamento Antirreumático

Leia mais

A osteoporose primaria ou secundaria é uma desordem do. esqueleto em que existem alterações deletérias da macro e micro

A osteoporose primaria ou secundaria é uma desordem do. esqueleto em que existem alterações deletérias da macro e micro OSTEOPOROSE - TOPICOS DE 2012-02-21 1. CONCEITO : A osteoporose primaria ou secundaria é uma desordem do esqueleto em que existem alterações deletérias da macro e micro estrutura do osso,com diminuição

Leia mais

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia.

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia. NTRR 158/2014 Solicitante: Juíz: Dra. Solange Maria de Lima Oliveira Juiza da 1ª Vara Cível de Itaúna. Data: 04/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0338.14.006.873-9

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

Diogo Manuel de Jesus Mendes

Diogo Manuel de Jesus Mendes Diogo Manuel de Jesus Mendes Iatrogenia de medicamentos biológicos indicados no tratamento da artrite reumatoide: análise de notificações espontâneas de suspeitas de reações adversas em Portugal Dissertação

Leia mais

RETIFICAÇÕES DIVERSAS

RETIFICAÇÕES DIVERSAS Circular 340/2014 São Paulo, 10 de Junho de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) RETIFICAÇÕES DIVERSAS Diário Oficial da União Nº 109, Seção 1, terça-feira, 10 de junho de 2014 Prezados Senhores, Segue para

Leia mais

BULA DE ORENCIA PÓ LIOFILIZADO PARA INFUSÃO IV

BULA DE ORENCIA PÓ LIOFILIZADO PARA INFUSÃO IV BRISTOL-MYERS SQUIBB ORENCIA abatacepte USO INTRAVENOSO APRESENTAÇÃO BULA DE ORENCIA PÓ LIOFILIZADO PARA INFUSÃO IV Bristol-Myers Squibb ORENCIA pó liofilizado para infusão IV é apresentado em frasco-ampola

Leia mais

Anexo A DIAFURAN CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Comprimidos. 2 mg

Anexo A DIAFURAN CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Comprimidos. 2 mg Anexo A DIAFURAN CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA Comprimidos 2 mg DIAFURAN cloridrato de loperamida I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: DIAFURAN Nome genérico: cloridrato de loperamida

Leia mais

Somatropina no adulto. Fernando Baptista Serviço de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. Hospital de Santa Maria. Lisboa

Somatropina no adulto. Fernando Baptista Serviço de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. Hospital de Santa Maria. Lisboa Somatropina no adulto Fernando Baptista Serviço de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. Hospital de Santa Maria. Lisboa Secreção de GH Concentração integrada de GH nas 24h em 173 indivíduos de ambos

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

Data: 28/01/2014 NT 13/2014. Medicamento X Material Procedimento Cobertura. Solicitante: Dr. JOSÉ CARLOS DE MATOS Juiz de Direito

Data: 28/01/2014 NT 13/2014. Medicamento X Material Procedimento Cobertura. Solicitante: Dr. JOSÉ CARLOS DE MATOS Juiz de Direito NT 13/2014 Solicitante: Dr. JOSÉ CARLOS DE MATOS Juiz de Direito Réus: Município de Oliveira e Estado de Minas Gerais Numeração Única: 0362.12.008001-9. Data: 28/01/2014 Medicamento X Material Procedimento

Leia mais

Doenças Médicas e Gravidez ISABEL NOGUEIRA

Doenças Médicas e Gravidez ISABEL NOGUEIRA Doenças Médicas e Gravidez ISABEL NOGUEIRA Passado- mito, contraindicação Desconhecimento científico Prognóstico gravidez reservado Presente compreensão dos efeitos da doença na gravidez e vice-versa Conhecimento

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS NOTA TÉCNICA 46/2014 Data: 17/03/2014 Medicamento Material Procedimento Cobertura x Solicitante: Juiz de Direito Eduardo Soares de Araújo Número do processo: 0011607-07.2014.8.13.0026 Requerido(s): MUNICÍPIO

Leia mais

04/06/2012. Sem conflito de interesses. Utilização de imunossupressores e agentes biológicos nas pneumopatias intersticiais associadas às colagenoses.

04/06/2012. Sem conflito de interesses. Utilização de imunossupressores e agentes biológicos nas pneumopatias intersticiais associadas às colagenoses. Utilização de imunossupressores e agentes biológicos nas pneumopatias intersticiais associadas às colagenoses. Ronaldo A. Kairalla Disciplina de Pneumologia - InCor Faculdade de Medicina da Universidade

Leia mais