Barreiras para a Green Supply Chain Management: análise da produção científica recente ( )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Barreiras para a Green Supply Chain Management: análise da produção científica recente (1999-2013)"

Transcrição

1 Barreiras para a Green Supply Chain Management: análise da produção científica recente ( ) FLÁVIA CRISTINA DA SILVA Universidade Nove de Julho FÁBIO YTOSHI SHIBAO Universidade Nove de Julho MARIO ROBERTO DOS SANTOS Universidade Nove de Julho

2 Barreiras para a Green Supply Chain Management: análise da produção científica recente ( ) Resumo Este estudo objetivou o mapeamento e análise da produção científica internacional sobre barreiras para Green Supply Chain Management indexada na base de dados Scopus Elsevier. A amostra foi coletada entre os anos de 1999 e 2013, contabilizou 26 artigos publicados em 19 periódicos e foram elaborados por 75 autores filiados a 29 instituições. A maior produção alcançada por autor foi de três artigos, e, o periódico mais prolífico foi o Journal of Cleaner Production com a publicação de quatro trabalhos sobre o tema. A University Putra Malaysia destacou-se com a filiação de cinco autores. Os maiores índices de produtividade são atribuídos à Índia com o total de sete estudos, seguida por Reino Unido com quatro estudos. Estados Unidos da América e China compartilham o saldo de três estudos. Os setores econômicos abordados pelos estudos concentraram-se prioritariamente em múltiplos setores, entretanto, percebeu-se que os setores industriais automotivo, de manufatura e de mineração receberam o segundo maior enfoque. Pôde-se verificar a relação entre os objetivos das pesquisas, setores econômicos e distribuição geográfica dos estudos, bem como apontar as principais abordagens metodológicas utilizadas. Concluiu-se tratar de temática recente e em expressiva ascensão nos últimos cinco anos. Palavras-chaves: Barreiras; Gestão verde da cadeia de suprimentos, Análise bibliométrica. Green Supply Chain Management barriers : review of recent scientific production ( ) Abstract This study aimed at mapping and analysis of scientific literature barriers to Green Supply Chain Management in the indexed base Scopus Elsevier data. The sample was collected between the years 1999 and 2013 accounted for 26 articles published in 19 journals and prepared by 75 authors affiliated with 29 institutions. The highest yield was achieved by the author of three articles, and the most prolific journal was the Journal of Cleaner Production with the publication of four papers on the subject. The University Putra Malaysia stood out with a membership of five authors. The higher productivity is attributed to India with a total of seven studies, followed by the UK with four studies. United States and China share the balance of three studies. Economic sectors covered by the studies focused primarily on multiple sectors, however, it was realized that the automotive industries, manufacturing and mining received the second largest focus. It was possible to verify the relationship between the objectives of the research, economic sectors and geographical distribution of studies, as well as point out the main methodological approaches used. Concluded it is recent thematic and expressive rise in the last five years. Keywords: Barriers; Green supply chain management; GSCM; Bibliometric analysis. 1

3 1 Introdução A gestão ambiental abrange diversas iniciativas para reduzir ou minimizar os impactos ambientais adversos das operações de uma organização. Esses esforços têm como objetivo melhorar o desempenho ambiental, reduzir custos, melhorar a imagem da empresa, reduzir os riscos de não conformidade e melhorar a vantagem de marketing (Rao &Holt, 2005). Diversas ferramentas podem ser utilizadas para operacionalizar a gestão ambiental corporativa, como por exemplo, os sistemas de gestão ou gerenciamento ambiental [SGA], úteis no planejamento e implementação de medidas de proteção ambiental aos impactos causados pelas atividades das empresas (Giannetti & Almeida, 2006). Práticas de gestão da cadeia de suprimentos verde [Green Supply Chain Management GSCM] são entendidas como as atividades de gerenciamento que tentam melhorar o desempenho ambiental dos insumos adquiridos ou das empresas que os fornecem (Walker, Di Sisto, & McBain, 2008). As relações de competição e cooperação entre as organizações ocorrem simultaneamente, conferindo características bastante dinâmicas às empresas que ocupam posições em diferentes cadeias de suprimentos [CS], com diferentes objetivos e tipos de negócios (Shibao, Moori, Santos, & Oliveira, 2013). A implementação da gestão sustentável da CS encontra-se ainda em estágio inicial por concentrar principalmente iniciativas isoladas dentro das próprias empresas e poucos programas estendem-se ao longo da cadeia (Brockhaus, Kersten, & Knemeyer, 2013). Entretanto, o número de estudos sobre barreiras é significativamente menor do que as pesquisas sobre as razões favoráveis para a implementação da CS verde (Giunipero, Hooker, & Denslow 2012; Walker et al., 2008). Esta pesquisa apresenta dupla originalidade. Primeiro por abordar um tema que apesar de recente, a cada ano conquista maior espaço no meio acadêmico internacional, mas que ainda é superficialmente abordado no Brasil. Segundo, a sistematização do estado da arte aqui empreendida, até o momento não encontrou similar entre os periódicos nacionais. O objetivo deste estudo foi mapear a produção científica sobre barreiras para implantação da GSCM. Pretendeu-se caracterizar a amostra quanto ao idioma, país de publicação e número de autores, e a classificou quanto aos autores, instituições e periódicos mais prolíficos, identificou-se a relação entre os objetivos das pesquisas, setores econômicos e distribuição geográfica dos estudos, bem como apontou as principais abordagens metodológicas utilizadas. A próxima seção destina-se a apresentar os aspectos teóricos relacionados à GSCM, enquanto a seção três descreve a metodologia do estudo, apresenta delimitação e delineamento da pesquisa, categorias e variáveis de análise, técnicas de tabulação e análise dos dados. Em seguida, a seção quatro apresenta e discute os resultados encontrados bem como implicações do estudo para a teoria e para a prática. Na seção cinco apresentam-se conclusões, limitações da pesquisa e sugestões para futuros estudos na área. 2 Revisão da literatura Mentzer et al. (2001) definiram SCM como a coordenação estratégica e sistemática das funções tradicionais de negócios e das táticas dessas funções de negócios em uma determinada empresa e nos negócios dentro da CS, com o objetivo de melhorar o desempenho, em longo prazo, das empresas individualmente e da CS como um todo. De acordo com Sarkis (2003), a GSCM é o processo que envolve todas as atividades da CS, desde o estágio inicial da matéria-prima até o usuário final, correlacionando as questões ecológicas e econômicas à transformação dos materiais. 2

4 A definição de GSCM proposta por Srivastava (2007) compreendeu a integração do conceito ambiental e a SCM, incluindo design de produtos, seleção e abastecimento de material, processos de fabricação, entrega do produto final para consumidores, bem como a gestão do descarte do produto após o final de sua vida útil. Nos últimos anos a GSCM sofreu uma transformação significativa quanto à sua influência na manufatura das organizações. Isso aconteceu como resultado de pressões exercidas pela globalização, avanços tecnológicos e aumento da competitividade que culminaram na redução do ciclo de vida dos produtos (Rao & Holt, 2005). A gestão da cadeia de suprimentos verde trata de uma abordagem em evolução, que se apresenta ainda em fase inicial se comparada à gestão da cadeia de suprimentos, percebe-se em suas definições uma tendência mais forte em relação aos aspectos operacionais que aos ambientais (Jabbour, Arantes, & Jabbour, 2013; Thun & Muller, 2010). Jabbour et al. (2013) identificaram em sua pesquisa que, embora os autores apresentaram diferentes conceitos para o termo Green supply chain management, em geral, tais definições compreenderam a adaptação das atividades operacionais comuns à gestão da cadeia de suprimentos ao ponto de vista da gestão ambiental empresarial. Foi com esta preocupação que Shibao et al. (2013) propuseram uma discussão que visasse a ampliação dos conceitos de SCM sob uma ótica ambiental mais adequada à GSCM. As práticas de GSCM abordadas na literatura variam em função do objetivo de pesquisa dos autores em seus respectivos estudos. Zhu, Sarkis e Geng (2005) e Zhu, Sarkis e Lai (2007) pesquisaram o desempenho organizacional das indústrias chinesas de vários setores em relação à adoção e implementação da gestão ambiental interna, recuperação do investimento, ecodesign, compras verdes e cooperação com os clientes. Priorizando a fase de produção de produtos e serviços de uma organização, os estudos de Rao e Holt (2005) relacionaram como principais práticas de GSCM a prevenção da poluição, práticas de produção mais limpa, fabricação em circuito fechado ou logística reversa incorporada a máxima extensão possível da cadeia, redução do consumo e geração de resíduos e por fim, reciclagem de resíduos. Linton, Klassen e Jayaraman (2007) consideraram como práticas de GSCM ecodesign, redução e eliminação de subprodutos por meio de tecnologias de processo mais limpas e técnicas de produção mais enxutas e a gestão e extensão do ciclo de vida do produto. Walker et al. (2008) citaram a redução de embalagens e resíduos, a avaliação do desempenho ambiental de fornecedores, o ecodesign e as reduções de emissões de carbono no transporte de mercadorias. As práticas ambientais estudadas por Thun e Muller (2010) concentraram-se na redução de material de embalagem e desperdício com fornecedores e com clientes, sistemas de embalagens reutilizáveis com fornecedores e com clientes, seleção de fornecedores a partir de critérios ambientais, cobrança de certificação ambiental, compartilhamento de responsabilidades ecológicas, premiação de fornecedores por programas ambientais. Faria, Shibao e Moori (2013) avaliaram como práticas de GSCM: conformidade ambiental, programas de auditoria, certificação ISO 14001, sistemas de gestão ambiental existentes e consciência ambiental. Shibao et al. (2013) analisaram o compromisso da alta administração, suporte aos gerentes de nível médio, cooperação interfuncional para melhorias ambientais, gestão ambiental de qualidade total, conformidade ambiental, programas de auditoria, certificação ISO e sistemas de gestão ambiental existentes, fornecimento de especificações de design para os fornecedores, cooperação com os fornecedores para os objetivos ambientais, auditoria de gestão ambiental em fornecedores, exigência da certificação ISO dos fornecedores, cooperação com os clientes para ecodesign, produção mais limpa e embalagem ambientalmente correta. 3

5 A indústria pode não se mostrar motivada a adotar a GSCM caso não haja uma relação observável e bastante significativa entre esforços de implementação, vantagem competitiva e desempenho econômico (Rao & Holt, 2005). Existe uma necessidade premente de estabelecer a relação potencial entre as pressões dos clientes cada vez mais preocupados com o meio ambiente, as iniciativas verdes da cadeia de suprimentos e maior competitividade e melhor desempenho econômico (Rao & Holt, 2005; Shibao et al., 2013). As empresas atribuem pouca importância a aspectos subsidiários como o consumo de energia, que representa geralmente cerca de 2% do custo da maioria das indústrias, do mesmo modo que grande parte dos fabricantes tende a optar por investimentos que maximizem a produção em detrimento dos que reduzem custos operacionais (Hawken, Lovins, & Lovins, 2007). A pesquisa de Brockhaus et al. (2013) concluiu que os esforços atuais de implementação da gestão sustentável da CS seguem uma tendência mandatória em razão do poder exercido pela empresa compradora sobre seus fornecedores. Em sua pesquisa em indústrias chinesas de diversos setores econômicos, Zhu et al. (2005) identificaram que pode haver um intervalo entre a pressão exercida pelo cliente e a efetiva implementação das práticas de gestão da cadeia de suprimentos verde. Portanto, estudar as barreiras para implementação ou manutenção da GSCM constituise em desafio para o colegiado, no intuito de contribuir para a formulação de propostas que superem os obstáculos para a sustentabilidade da cadeia de suprimentos. 3 Procedimentos Metodológicos Este trabalho utilizou a base de dados Scopus Elsevier abrangendo o período de 1999 à 2013, com vistas a verificar a produção científica sobre barreiras para GSCM. A opção por artigos publicados em uma base de dados internacional deve-se à disponibilidade da mesma na instituição de ensino a que os pesquisadores são filiados. Influiu ainda na escolha o fato de tal base possuir um considerável número de periódicos indexados e distinguir-se no cenário acadêmico pela sua importância das pesquisas científicas publicadas. O período estabelecido para o corte longitudinal considerou como início o ano de publicação do primeiro artigo a abordar o tema barreiras para GSCM, até o último ano completo anterior a este estudo. As palavras-chave de busca foram aplicadas aos campos título, abstract e keywords, combinadas nos conjuntos barriers and green supply chain e barriers and green supply chain management. A busca envolveu as quatro áreas do conhecimento disponíveis e limitou o tipo de documento a artigo, resultando em 33 trabalhos. Selecionados os artigos nessa primeira etapa, realizou-se a tabulação dos dados e o levantamento do conteúdo e objeto de pesquisa. Essa análise inicial resultou na exclusão de sete artigos por não corresponderem ao tema pesquisado, relacionados na Tabela 1. Tabela 1 - Artigos excluídos da amostragem Título Ano Autor/Autores Periódico Nano-sized calcium phosphate Elangovan, S; Jain, particles for periodontal gene 2013 S., Tsai, P.- Journal of Periodontology therapy C.,Margolis, H. C., & Amiji, M. Establishment of integrative circular agro-ecology system for multiple agricultural industries in Three Gorges Reservoir Area 2013 Toward a framework for the components of green lodging System-level energy efficiency is the greatest barrier to development 2009 Xiong, W., Wang, J., Tang, W., Huang, M., & Xiong, D Jackson, L. A. Page, S. Nogye Gongcheng Xuebao/ Transactions of the Chinese Society of Agricultural Engineering Journal of Retail and Leisure Property Energy Policy 4

6 of the hydrogen economy Green jobs: working for people and the environment Plastics disassembly versus bulk recycling: engineering design for end-of-life electronics resource recovery Working party to review ECMA Code of Folding Carton Styles Fonte: Dados da pesquisa Renner, M Rios, P ECMA World watch Paper Environmental Science and Technology ECMA Carton News 4 Análise e discussão dos resultados Esta sessão é dividida em três etapas. A primeira apresenta o sumário de caracterização dos artigos analisados. Na segunda etapa encontram-se as estatísticas descritivas a respeito dos autores, instituições e periódicos mais prolíficos, setores econômicos e distribuição geográfica dos estudos. Por fim, a terceira etapa discute os resultados a partir da relação estabelecida entre os objetivos de pesquisas, setores econômicos e abordagens metodológicas utilizadas. 4.1 Sumário de caracterização dos artigos A Tabela 2 apresenta a caracterização da amostra pesquisada e permitiu atribuir maiores índices de produtividade para Índia (26,9%), Reino Unido (15,4%), Estados Unidos da América [EUA] e China (11,5% cada), seguidos por Malásia e Iran (7,7% cada). Dinamarca, Alemanha e Suíça registram sua participação com a produção de um único estudo. Constatou-se que a maioria dos artigos foi publicada em língua inglesa, com predomínio de coautorias, principalmente entre dois autores e quatro autores (sete trabalhos para cada categoria, correspondendo a 53,8% da amostra). Constataram-se apenas quatro casos de coautoria de múltiplos países. Destacaram-se as parcerias entre os autores dos países Índia, Dinamarca e China, Reino Unido e EUA e Malásia e Irã. Idioma País Autores Tabela 2 Caracterização da amostra pesquisada Número Porcentagem (%) Linguagem Inglês 24 92,3 Chinês 2 7,7 Distribuição geográfica Índia 7 26,9 Reino Unido 4 15,4 Estados Unidos 3 11,5 China 3 11,5 Malásia 2 7,7 Iran 2 7,7 Dinamarca 1 3,8 Alemanha 1 3,8 Suíça 1 3,8 Espanha 1 3,8 Tailândia 1 3,8 Número de autores por artigo Um autor 4 15,4 Dois autores 7 26,9 Três autores 6 23,1 Quatro autores 7 26,9 Cinco autores 1 3,8 Seis autores 1 3,8 5

7 Total Fonte: Dados da pesquisa. 4.2 Descrição dos Resultados Estão relacionados à elaboração dos artigos o total de 75 autores filiados a 29 instituições. Os mais prolíficos foram Muduli e Barve, cada qual como autor e/ou coautor de três artigos, e, Geng e Govindan, como autores e/ou coautores, de dois artigos cada. No aspecto produtividade, entre as instituições distinguiram-se University Putra Malaysia, com cinco autores vinculados, University of Tenessee EUA e Islamic Azad University Iran, cada uma com a filiação de quatro autores. Houve variação significativa no número de referências consultadas para elaboração dos trabalhos, oscilou entre o mínimo de seis e o máximo de 135 referências. Os estudos de Oldham e Votta (2003) e Shao (2008)utilizaram o menor número de referências e o estudo de Mollenkopf, Stolze, Tate e Ueltschy (2010) utilizou a maior quantidade. Em média foram consultadas 46 referências para elaborar cada artigo científico. Tabela 3 Periódicos e período de publicação Periódico Fator de Impacto JCP¹ BSE 2 2, JPSM 3 1, Outros Total ¹Journal of Cleaner Production; 2 Business Strategy and the Environment; 3 Journal Purchasing and Supply Management; 4 Engloba todos os demais periódicos nos quais foi publicado apenas um artigo durante o período analisado. Fonte: Dados da pesquisa. A Tabela 3 dispõe os trabalhos quanto ao periódico e ano de publicação. Estão relacionados à amostra 19 periódicos, observando-se destaque para Journal of Cleaner Production, Business Strategy and the Environment e Journal of Purchasing and Supply Management, respectivamente com quatro, três e duas publicações. Cada um dos demais periódicos agrupados na categoria Outros teve apenas uma publicação dentro do período analisado. O tema barreiras sobre GSCM adquiriu relevância a partir de 2008, de modo que os últimos cinco anos concentraram a maioria dos estudos publicados. Para esta constatação corroborou o estudo de Sehnem, Jabbour, Rossetto, Campos e Sarquis, (2013), que registrou a produção científica em GSCM pouco expressiva no período de 2001 a Em termos de quantidade, os anos de 2010 e 2012 apresentaram idêntico desempenho com publicação de cinco artigos cada, enquanto o ano de 2013 destacou-se por atingir a marca de sete estudos publicados. O primeiro trabalho foi publicado em 1999 por Wycherley, sobre as barreiras para o desempenho da cadeia de suprimentos global no setor de varejo. Prioritariamente sete dos estudos desenvolvidos abrangeram múltiplos setores (26,9%), entretanto, percebeu-se que os setores industriais que receberam o segundo maior enfoque, cada um respondendo por quatro estudos, foram: automotivo, de manufatura e de mineração (15,4% cada). Os três estudos realizados no setor de produção de alimentos/alimentação também sugerem representatividade (11,5%), de modo que estudos isolados demonstraram menor participação dos setores de varejo, serviços, petroquímico e têxtil/vestuário (3,8% cada), conforme exemplificado na Figura 1. 6

8 4.3 Discussão dos resultados Figura 1 Setores econômicos abrangidos pelos estudos Fonte: Dados da pesquisa. Os estudos da amostra, classificados como teórico-empíricos, foram elaborados por meio de meta-análise, elaboração de frameworks, revisões teóricas e técnicas estatísticas sofisticadas, a exemplo da lógica fuzzy, análises de correlação e regressão, entre outras. Os trabalhos com abordagem multissetorial pesquisaram, entre os diversos setores econômicos, a indústria automotiva, química e farmacêutica, de máquinas e equipamentos, de alimentos e de papel, os setores de geração de energia, reciclagem, construção civil, serviços de hotelaria, educação, logística e transportes. Quanto aos principais objetivos desses estudos, evidenciou-se: (i) comparação entre diferentes mercados, reações positivas e negativas que podem atuar como barreiras ou forças motrizes, ante a prática de compras verdes (Giunipero et al., 2012; Mosgaard, Riisgaard, & Huulgaard, 2013); (ii) aplicação simultânea de estratégias verdes, enxutas e de gestão de fornecimento (Mollenkopf et al., 2010); (iii) identificar a natureza, interna ou externa, dessas barreiras ou facilitadores (Walker et al., 2008); e (iv) avaliar sua influência em empresas de pequeno porte (Wooi & Zailani, 2010). A Figura 2 estabelece a relação entre países e setores econômicos. Dentre os estudos com abrangência multissetorial, a distribuição corresponde a três estudos realizados no Reino Unido, três outros nos EUA e um estudo na Malásia. Os estudos direcionados à indústria de manufatura se dividiram equitativamente entre Índia e China. O setor automotivo foi foco de dois trabalhos realizados na Índia, um trabalho na Alemanha e outro na Malásia. A totalidade dos estudos desenvolvidos sobre a indústria de mineração foi realizada na Índia. O setor de produção de alimentos/alimentação recebeu a atenção de três estudos realizados na Suíça, Tailândia e Irã. Apenas um estudo foi realizado para os setores de varejo, petroquímico, serviços e têxtil/vestuário, respectivamente no Reino Unido, Iran, Espanha e China. 7

9 Tailândia Espanha Suiça Alemanha Iran Malásia Reino Unido Dinamarca China EUA Índia Figura 2 Relação entre setores econômicos e países estudados Fonte: Dados da pesquisa. Percebeu-se que características políticas, econômicas e sociais dos países desenvolvidos determinaram o perfil dos estudos sobre barreiras GSCM com abrangência multissetorial (87,5% dos estudos) e também dos setores de serviços e varejo (100% cada categoria). O contrário se observa nos trabalhos que pesquisaram empresas dos setores petroquímico, têxtil/vestuário, da indústria de manufatura e de mineração realizados em países em desenvolvimento (100% dos estudos de cada categoria). Grande parte dos estudos sobre barreiras para GSCM nos setores automotivo (75%) e de produção de alimentos/alimentação (66,7%) também foram realizados em países em desenvolvimento. Os resultados sugerem discreta tendência para o desenvolvimento de estudos em economias emergentes. A Índia se apresentou profusa tanto pela quantidade de estudos quanto pelo número de mercados em que participa. Dos 26 estudos, sete foram realizados na Índia, abrangendo os setores industriais automotivo, de manufatura e mineração. Juntamente com Brasil, Rússia, China e África do Sul, a Índia integra o BRICS, bloco de países emergentes que apresentam desenvolvimento econômico recente com intensa participação de políticas públicas voltadas ao crescimento e apoio de empresas privadas (Nogami & Machado, 2011). Cardozo e Lacerda (2012) ressaltaram que as reformas econômicas iniciadas em 1991 desencadearam o processo de liberalização política e econômica que posicionou a Índia entre as nações ascendentes. Em mapeamento dos 23 setores mais atrativos para investimento do BRICS, Albuja, Garcia, Moreiras e Tambosi (2011), identificaram na Índia, 21 setores com tendência de variação positiva para retorno sobre ativos e tendência de estabilidade para relação risco-retorno sobre patrimônio líquido. Entre as principais estratégias incorporadas pela indústria automotiva para os mercados emergentes estão a comunização e modularização que envolvem compartilhamento de componentes e informações, além da participação seletiva e hierarquizada dos fornecedores (Nogami & Machado, 2011). Nesse contexto, a produção científica sobre barreiras para a GSCM na Índia corresponde a 50% dos estudos voltados ao setor automotivo, constituiu em identificação das principais barreiras na literatura científica, submissão à avaliação de especialistas e acadêmicos e desenvolvimento de modelagem estrutural interpretativa (Luthra, Kumar, Kumar, & Haleem, 2013; Mathiyazhagan, Govindan, NoorulHaq, & Geng, 2013). 8

10 Na Malásia, o setor automotivo sofre influência de políticas que implementam medidas de liberalização da economia e, simultaneamente protegem o mercado em favor de um fabricante local, fator que corrobora para que a cadeia de suprimentos malaia ainda não tenha conseguido se mostrar internacionalmente competitiva (Segawa, Natsuda, &Thorbun, 2014). O estudo de Sardnia et al. (2013) propôs um modelo matemático para redução de custos logísticos e das emissões de CO 2, identificou as principais barreiras para sua implementação e sugeriu estratégias de remoção. A indústria de manufatura também constituiu campo fértil para a investigação dos obstáculos para a cadeia de suprimentos, principalmente sob o ponto de vista ambiental. A China é a primeira colocada tanto no ranking mundial de exportação de bens quanto no de recebimento de investimento estrangeiro direto, enquanto a Índia ocupa respectivamente o 19º e 15º lugar (Reis & Almeida, 2014). Os dois estudos realizados sobre as barreiras para GSCM na indústria de manufatura indiana utilizaram a construção de modelagem estrutural interpretativa a fim de identificar as principais barreiras e impulsionar práticas gerencias que possam mitigá-las (Mudgal, Shankar, Talib, & Raj, 2010; Zaabi, Dhaheri, & Diabat, 2013). Os autores chineses utilizaram equações de modelagem estrutural para determinar a influência da cultura chinesa na responsabilidade social referente à área logística (Miao, Cai, & Xu, 2012) e análises de correlação e regressão para estabelecer as relações entre barreiras para implementação da GSCM nas empresas chinesas e regulamentações governamentais, custos e desempenho financeiro, influência entre membros da cadeia, habilidades e conscientização (Zhu, 2009). Sob a perspectiva de risco-retorno para o patrimônio líquido, China e Índia apresentam em médio prazo, potenciais semelhantes de atratividade para investimentos no setor de mineração (Albuja et al., 2011), entretanto os estudos contidos na amostra foram realizados exclusivamente na Índia, o que permite inferir que este país se encontra um passo a frente na pesquisa sobre implementação e manutenção da GSCM na indústria de mineração em relação a seu concorrente. Por meio de laboratório de experimentação e avaliação da tomada de decisão [DEMATEL], a resistência ou incapacidade de implementação da GSCM nas indústrias mineradoras de pequeno porte foram relacionadas ao desconhecimento das potenciais barreiras (Muduli & Barve, 2013). Frente aos diversos desafios impostos às práticas de GSM na indústria de mineração indiana, Barve & Muduli (2013) identificaram onze barreiras na literatura, as submeteram à avaliação de especialistas e construíram um modelo de interpretação estrutural com o propósito de formular estratégias e políticas para sua remoção. Além disso, um paralelo entre a importância econômica e a imagem poluidora da 9

11 Tabela 4 Mapeamento da produção científica sobre barreiras para green supply chain management no período de 1999 a 2013 Ano Título do artigo/tema Autor(es) Periódico 1999 Greening supply chains: the case of the body shop international Wycherley, I. Business Strategy and the Environment 2003 Chemical management services: greening the supply chain Oldham, J., & Votta, T. Greener Management International 2008 Drivers and barriers to environmental supply chain management practices: lessons from the public and private sectors Walker, H., Di Sisto, L., & McBain, D. Journal of Purchasing and Supply Management 2008 Experiences with greening suppliers. The Universitat Autònoma de Barcelona Bala, A., Muñoz, P., Rieradevall, J., & Ysem, P. Journal of Cleaner Production 2008 Research on Chinese textile and apparel industry implementation of the green supply chain management Shao, Z.-Y. Journal of Bejing Institure of Clothing Technology (Natural Science Edition) 2009 Barriers to implementing corporate environmental responsibility in Thailand Setthasakko, W. International Journal of Organizational Analysis 2009 An empirical study on barriers for implementing green supply chain management in manufacturers Zhu, Q.-H Healthy food choices and physical activity opportunities in two contrasting Alabama cities Bovell-Benjamenin, A.C., Hathorn, C. S., Ibraim, S., Gichuhi, P. N., & Bromfield, E. M. Zhongguo Renkou Ziyuan Yu Huan Jing / China Population Resources and Environment Health and Place 2010 Green supply chains and the missing link between environmental information and practice Sóler, C., Bergstrom, K., & Shanahan, H. Business Strategy and the Environment 2010 An empirical analysis of green supply chain management in the German automotive industry Thun, J. H.,& Muller, A. Business Strategy and the Environment 2010 Green, lean, and global supply chains Mollenkopf, D., Stolze, H., Tate, W. L., & Ueltschy, M. International Journal of Physical Distribution and Logistics Management 2010 Green supply chain initiatives: investigation on the barriers in the context of SMEs in Malaysia Wooi, G. C., & Zailani, S. International Business Management 2010 Modelling the barriers of green supply chain practices: An Indian perspective Mudgal, R. K., Shankar, R., Talib, P, & Raj. T. International Journal of Logistics Systems and Management 2011 Barriers to implement green supply chain management in automobile industry using interpretive structural modeling technique- An Indian perspective Luthra, S., Kumar, V., Kumar, S., & Haleem, A. Journal of Industrial Engineering and Management 2012 Exploring the antecedents of logistics social responsibility: a focus on Chinese firms Miao, Z., Cai, S., & Xu, Di International Journal of Production Economics 2012 Sustainable supply chain management across the UK private sector Walker, H., & Jones, N. Supply Chain Management 2012 Purchasing and supply management sustainability: drives and barriers Giunipero, L. C., Hooker, R. E., & Denslow, D. Journal of Purchasing and Supply Management 2012 Environmentally friendly practices among restaurants: drivers and barriers to change Kasim, A., & Ismall, A. Journal of Sustainable Tourism 2012 Barriers to green supply chain management in the petrochemical sector Mehrabi, J., Gharakhani, D., Jalalifar, S., & Rahmati, H. Life Science Journal 2013 An ISM approach for the barrier analysis in implementing green supply chain management Mathiyazhagam, K.,Govindan, K,, NoorulHaq, A., & Geng, Y. Journal of Cleaner Production 2013 Greening non-product-related procurement- when policy meets reality Mosgaard, M., Riisgaard, H., & Huulgaard, R. D. Journa lof Cleaner Production 2013 Barriers to green supply chain management in Indian mining industries: a graph theoretic approach Muduli, K., Govindan, K., Barve, A., & Geng, Y. Journal of Cleaner Production 2013 Modelling the challenges of green supply chain management practices in Indian mining industries Barve, A., & Muduli, K. Journal of Manufacturing Technology Management 2013 Establishment of a sustainable development framework in small scale mining supply chains in A Muduli, K., & Barve, A. International Journal of Intelligent Enterprise 2013 A multi objective optimization model in automotive supply chain networks 2013 Analysis of interaction between the barriers for the implementation of sustainable supply chain management Fonte: Dados da pesquisa. Sadrnia, A., Ismail, N., Zulkifli, N., Ariffin, M. K. A., Nezamabadi-Pour, H., & Mirabi, H. Zaabi, S. Al, Dhaheri, N. Al, & Diabat, A. Mathematical Problems in Engineering International Journal of Advanced Manufacturing Technology 10

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT X SIGA: Seminário para Interação em Gestão Ambiental GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Linéia Jollembeck Lopes GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Emprego da Contabilidade de Custos Ecológicos em um Projeto de Produção Enxuta de uma Indústria Automobilística Brasileira

Emprego da Contabilidade de Custos Ecológicos em um Projeto de Produção Enxuta de uma Indústria Automobilística Brasileira Emprego da Contabilidade de Custos Ecológicos em um Projeto de Produção Enxuta de uma Indústria Automobilística Brasileira Fabiana Giusti Serra 2015 Indústria automobilística brasileira A indústria automobilística

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

XI Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais

XI Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais XI Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais Seminário Temático: "Sustentabilidade e Cadeias de Suprimento" Local: FGV EAESP - Salão Nobre - 4º andar São Paulo, 28 de

Leia mais

Lean Maintenance: perspectiva de manufatura competitiva e sustentável

Lean Maintenance: perspectiva de manufatura competitiva e sustentável Lean Maintenance: perspectiva de manufatura competitiva e sustentável Autores Dr. José Barrozo de Souza PPGEP-UNIP (Apresentação) Dr. José Benedito Sacomano PPGEP-UNIP Dr. Sérgio Luiz Kyrillos PPGEP-UNIP

Leia mais

O meio ambiente e o planejamento estratégico

O meio ambiente e o planejamento estratégico O meio ambiente e o planejamento estratégico Roberto Sanches Garcia, Prof.Dr.Alfredo Colenci Junior Mestrado em Tecnologia: Gestão, Desenvolvimento e Formação. CEETEPS - São Paulo SP Brasil roberto.sanches4@terra.com.br;

Leia mais

ANA BEATRIZ LOPES DE SOUSA JABBOUR

ANA BEATRIZ LOPES DE SOUSA JABBOUR IDENTIFICAÇÃO DAS MOTIVAÇÕES E BARREIRAS PARA A ADOÇÃO DE PRÁTICAS AMBIENTAIS EM CADEIAS DE SUPRIMENTOS: ESTUDO DE CASOS NO SETOR DE BATERIAS AUTOMOTIVAS DENISE FRANCO ( denifranco00@hotmail.com ) UNIVERSIDADE

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

Barreiras para implementação da gestão verde da cadeia de suprimento em uma distribuidora de óleo lubrificante

Barreiras para implementação da gestão verde da cadeia de suprimento em uma distribuidora de óleo lubrificante http://dx.doi.org/10.5902/2236117013125 Revista do Centro do Ciências Naturais e Exatas - UFSM, Santa Maria Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental - REGET e-issn 2236 1170 - V. 18

Leia mais

O PAPEL DOS STAKEHOLDERS NO CONTEXTO DA GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA

O PAPEL DOS STAKEHOLDERS NO CONTEXTO DA GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA O PAPEL DOS STAKEHOLDERS NO CONTETO DA GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA Bruno Michel Roman Pais Seles (FEB/UNESP ) bruno_seles@yahoo.com.br Ana Beatriz Lopes de Sousa Jabbour (FEB/UNESP

Leia mais

Nível de Adoção das Práticas do Green Supply Chain Management no Setor Automotivo Brasileiro

Nível de Adoção das Práticas do Green Supply Chain Management no Setor Automotivo Brasileiro Nível de Adoção das Práticas do Green Supply Chain Management no Setor Automotivo Brasileiro LOPES, L. J. a, SACOMANO NETO, M. b, SILVA, E. M. c, LOPES, F. C. C. d a. UNIMEP: Universidade Metodista de

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

PRÁTICAS UTILIZADAS NA GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT - UMA REVISÃO DE LITERATURA

PRÁTICAS UTILIZADAS NA GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT - UMA REVISÃO DE LITERATURA PRÁTICAS UTILIZADAS NA GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT - UMA REVISÃO DE LITERATURA Laura Guimaraes Caixeta (UFG) lauraguica@hotmail.com Raquel Machado Ferreira (UFG) ufg.raquel@gmail.com Ana Paula Souza

Leia mais

Estudo bibliométrico do conceito mini fábrica e célula de manufatura como diferencial das dimensões competitivas

Estudo bibliométrico do conceito mini fábrica e célula de manufatura como diferencial das dimensões competitivas Sistemas Produtivos e Desenvolvimento Profissional: Desafios e Perspectivas Estudo bibliométrico do conceito mini fábrica e célula de manufatura como diferencial das dimensões competitivas JOSÉ MARTINO

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA Técnicas de leitura, interpretação e produção de textos, expressão oral e apresentação de trabalhos acadêmicos, argumentação científica.

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UMA ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UMA ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UMA ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA Tainan Rodrigues de Oliveira Neves (PUCPR) tainan_neves@hotmail.com Everton Drohomeretski (FAE/PUCPR) profeverton.d@hotmail.com Sergio

Leia mais

Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas SUSTENTABILIDADE E CADEIAS DE SUPRIMENTOS: QUAL A CONFIGURAÇÃO ATUAL?

Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas SUSTENTABILIDADE E CADEIAS DE SUPRIMENTOS: QUAL A CONFIGURAÇÃO ATUAL? Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas RESUMO SUSTENTABILIDADE E CADEIAS DE SUPRIMENTOS: QUAL A CONFIGURAÇÃO ATUAL? SUSTAINABILITY AND SUPPLY CHAIN: WHICH THE CURRENT CONFIGURATION?

Leia mais

Gestão de Fornecedores

Gestão de Fornecedores Treinamento Presencial: Gestão de Fornecedores Data: 20 de Maio de 2015 Carga horária: 8 horas Local: São Paulo/ SP Procurement Business School Quem somos: Procurement Business School é a mais completa

Leia mais

2 ESTRUTURA DE PESQUISA

2 ESTRUTURA DE PESQUISA 2 ESTRUTURA DE PESQUISA A revisão sistemática da literatura tem por objetivo a sumarização do estado da arte de uma área de conhecimento especifica (Rowley e Slack, 2004). Para esta finalidade, de acordo

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

no SRM do que no CRM está na obtenção da certificação de qualidade ISO 9001. Para que o Fabricante de Cilindros mantenha o referido certificado de

no SRM do que no CRM está na obtenção da certificação de qualidade ISO 9001. Para que o Fabricante de Cilindros mantenha o referido certificado de 81 8 Conclusões O último capítulo da dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações de estudos futuros. A presente dissertação teve como objetivos propor um modelo,

Leia mais

Influência das Práticas do Green Supply Chain Management no Desempenho Ambiental das empresas do Setor Automotivo Brasileiro

Influência das Práticas do Green Supply Chain Management no Desempenho Ambiental das empresas do Setor Automotivo Brasileiro Influência das Práticas do Green Supply Chain Management no Desempenho Ambiental das empresas do Setor Automotivo Brasileiro Autoria: Lineia Jollembeck Lopes, Mário Sacomano Neto, Eliciane Maria da Silva,

Leia mais

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações.

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Supply Chain Finance 2011 Supply Chain Finance 2011 3 Supply Chain Finance 2011 Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Autor: Vanessa

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: UM ESTUDO COM OS EMPREENDEDORES INCUBADOS NA INCTECh

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: UM ESTUDO COM OS EMPREENDEDORES INCUBADOS NA INCTECh RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: UM ESTUDO COM OS EMPREENDEDORES INCUBADOS NA INCTECh TEMA: PARQUES TECNOLÓGICOS MODELANDO NOVAS CIDADES AUTOR: Andreici Daiani Vitor Vedovatto RESUMO ESTRUTURADO: Frente

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DA QUALIDADE E AMBIENTAL NAS ORGANIZAÇÕES DO SÉCULO XXI

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DA QUALIDADE E AMBIENTAL NAS ORGANIZAÇÕES DO SÉCULO XXI A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DA QUALIDADE E AMBIENTAL NAS ORGANIZAÇÕES DO SÉCULO XXI Adenilson Maciel maciel201222@gmail.com Daniel P. Silva silvadp@hotmail.com Universidade Federal de Sergipe - UFS / Engenharia

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Adoção de práticas de Green Supply Chain Management: mecanismos de indução e a importância das empresas focais

Adoção de práticas de Green Supply Chain Management: mecanismos de indução e a importância das empresas focais Production doi: XX.XXXX/XXXXX-XXXXXXXXXXXXXXXXX Adoção de práticas de Green Supply Chain Management: mecanismos de indução e a importância das empresas focais Ariana Fernandes Arantes a, Ana Beatriz Lopes

Leia mais

Avaliação de Desempenho da Cadeia de Suprimento da Polpa de Morango a Nível Local

Avaliação de Desempenho da Cadeia de Suprimento da Polpa de Morango a Nível Local Avaliação de Desempenho da Cadeia de Suprimento da Polpa de Morango a Nível Local SILVA, C. C. a,b*, GIANNETTI, B. F. a, ALMEIDA, C. M. V. B. a a. Universidade Paulista, São Paulo b. IFSULDEMINAS Câmpus

Leia mais

O papel da empresa na relação com o meio natural

O papel da empresa na relação com o meio natural Gestão Ambiental O papel da empresa na relação com o meio natural Visão Tradicional Empresa Consumidor Compreensão Básica: - Relações econômicas determinadas pela Oferta/Procura -Visão do lucro como o

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX:

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Comércio Exterior e Negócios Internacionais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Comércio Exterior e Negócios Internacionais CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Comércio Exterior e Negócios Internacionais Coordenação Acadêmica: Prof. Dr. Miguel Ferreira Lima CÓDIGO SIGA : TMBACEN*12/01 1 OBJETIVO:

Leia mais

Análise da Colaboração Científica sobre Empresas de Base Tecnológica. Analysis of Scientific Collaboration on Technology-Based Firms

Análise da Colaboração Científica sobre Empresas de Base Tecnológica. Analysis of Scientific Collaboration on Technology-Based Firms Análise da Colaboração Científica sobre Empresas de Base Tecnológica Analysis of Scientific Collaboration on Technology-Based Firms Meire Ramalho de Oliveira, mestranda, UFSCar, mro_ufscar@yahoo.com.br

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva

Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva Engenharia de Produção Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva Miriam Borchardt Leonel Augusto C. Poltosi Miguel A. Sellitto Giancarlo M. Pereira Introdução Ecodesign:

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL CURSO: GESTÃO AMBIENTAL OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental tem por objetivo formar profissionais capazes de propor, planejar, gerenciar e executar ações

Leia mais

CERTIFICAÇAO AMBIENTAL

CERTIFICAÇAO AMBIENTAL ISO 14000 - A NOVA NORMA GERENCIAMENTO E -- CERTIFICAÇAO AMBIENTAL DE AMBIENTAL *Francesco De Cicco A futura norma internacional para o meio ambiente - a série ISO 14000 - e a importância para as empresas

Leia mais

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Rita Almeida Dias 18 Setembro de 2012 2012 Sustentare Todos os direitos reservados Anterior Próximo www.sustentare.pt

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL Ementário Metodologia de Pesquisa 64 horas Introdução; Paradigmas da investigação social.

Leia mais

A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA

A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA Maio 2013 ATP Associação Têxtil e Vestuário de Portugal A ITV Portuguesa 2012 Volume de Negócios: 5.800 M * Produção: 4.910 M * Emprego: cerca de 150.000* Importações:

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS c Custos Logísticos no Brasil - 2014 - Apresentação O tema custos é uma preocupação recorrente dos executivos de logística no Brasil. Por isso, de dois em dois anos, o ILOS vai

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Caroline Lombardi de Souza (FEB/Unesp) Ana Beatriz Lopes de Sousa Jabbour (FEB/Unesp)

Caroline Lombardi de Souza (FEB/Unesp) Ana Beatriz Lopes de Sousa Jabbour (FEB/Unesp) ISSN 1984-9354 MOTIVAÇÕES E BARREIRAS À ADOÇÃO DE PRÁTICAS AMBIENTAIS EM CADEIAS DE SUPRIMENTOS: UM LEVANTAMENTO TEÓRICO COM VISTAS AOS ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL PERTINENTE AO SETOR ELETROELETRÔNICO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção DOCUMENTO NÃO CONCLUÍDO Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares Documento elaborado nas reuniões do grupo de trabalho de graduação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Ataíde Braga Introdução A aquisição de bens e serviços a serem utilizados na produção e na revenda de produtos

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

ANAIS GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: PROTAGONISTA OU COADJUVANTE NO CENÁRIO BRASILEIRO?

ANAIS GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: PROTAGONISTA OU COADJUVANTE NO CENÁRIO BRASILEIRO? GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: PROTAGONISTA OU COADJUVANTE NO CENÁRIO BRASILEIRO? ANA PAULA FERREIRA ALVES ( anapfalves@gmail.com ) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL LUIS FELIPE MACHADO DO NASCIMENTO

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Maria Teresa Baggio Rossi. 20 de maio de 2009

LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Maria Teresa Baggio Rossi. 20 de maio de 2009 BARREIRAS À IMPLEMENTAÇÃO DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Maria Teresa Baggio Rossi 20 de maio de 2009 Agenda Ambiente Empresarial Fator Motivador Objetivo

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2

MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2 MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2 RESUMO O marketing é uma função da administração que

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Por Christian Vieira, engenheiro de aplicações para a América Latina da GE Fanuc Intelligent Platforms, unidade da GE Enterprise

Leia mais

ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL

ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL JOSÉ, Clodoaldo SILVA, Gabriel de Oliveira da PROENÇA, Leandro Gomes JUNIOR, Luiz Antonio Martins RESUMO ISO 14000 é uma norma desenvolvida pela ISO e que estabelece diretrizes

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 16/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Fase Cód. I

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Gestão e Negócios Componente Curricular: Gestão da Cadeia

Leia mais

Análise da influência do marketing verde na decisão de compra de estudantes universitários no interior da Paraíba

Análise da influência do marketing verde na decisão de compra de estudantes universitários no interior da Paraíba Resumos do IX Congresso Brasileiro de Agroecologia Belém/PA 28.09 a 01.10.2015 Análise da influência do marketing verde na decisão de compra de estudantes universitários no interior da Paraíba Analysis

Leia mais

Environmental supply chain management of appliance industries. Gestão ambiental da cadeia de suprimentos das empresas de linha branca

Environmental supply chain management of appliance industries. Gestão ambiental da cadeia de suprimentos das empresas de linha branca Environmental supply chain management of appliance industries Gestão ambiental da cadeia de suprimentos das empresas de linha branca Tatiane Fernandes Zambrano Brassolatti, Manoel Fernando Martins Departamento

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias

Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias BENVENUTI, T. a*, MAFFESSONI, D. b, TONIN, B. P. b a. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre VI-093 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE MEIO AMBIENTE, QUALIDADE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL UMA ABORDAGEM PRÁTICA NA INDÚSTRIA PETROFLEX-CABO/PE Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

Desafios da Logística Reversa

Desafios da Logística Reversa São Paulo, 11 e 12 de maio de 2011 Desafios da Logística Reversa Nextel Telecomunicações 1 Organização Patrocínio Apoio 2 Agenda Nextel Case de sucesso Objetivos da logística reversa Diferenciação entre

Leia mais

Logística Reversa de Materiais

Logística Reversa de Materiais Logística Reversa de Materiais Aplicação de ferramentas de gestão e operação da Cadeia de Abastecimento na Logística Reversa Apresentador: João Paulo Lopez Outubro / 2.008 Objetivos: Conceituar Logística

Leia mais

Inovação e Empreendedorismo

Inovação e Empreendedorismo Inovação e Empreendedorismo Kami Saidi Diretor de Operações & Sustentabilidade HP Brasil 09-maio-13 HP Commitment Many assume, wrongly, that a company exists simply to make money... the real reason HP

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Matemática I 1º PERÍODO Matrizes e sistemas lineares. Funções: lineares, afins quadráticas,

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais